COMUNICAÇÃO TÉCNICA
_____________________________________________________________________________________________________________________________________________________ _________________________________________________

Nº 170974

Serviços ambientais associados à recuperação de áreas por mineração de
agregados, por meio de técnicas de bioengenharia de solos

Amarilis Lucia Casteli Figueiredo Gallardo
Tania de Oliveira Braga
Maria Lucia Solera
Caroline Almeida
Mariana Carneseca
Ligia Ferrari Torella di Romagnano
Sofia Julia Alves de Macedo Campos

Trabalho apresentado no
CONGRESSO BRASILEIRO DE
GEOLOGIA, 46., CONGRESSO DE
GEOLOGIA DOS PAÍSES DE LINGUA
PORTUGUESA, 1., 2012, Santos.
Resumo.
A série "Comunicação Técnica" compreende trabalhos elaborados por técnicos do IPT, apresentados em eventos,
publicados em revistas especializadas ou quando seu conteúdo apresentar relevância pública.
___________________________________________________________________________________________________

Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo
S/A - IPT
Av. Prof. Almeida Prado, 532 | Cidade Universitária ou
Caixa Postal 0141 | CEP 01064-970
São Paulo | SP | Brasil | CEP 05508-901
Tel 11 3767 4374/4000 | Fax 11 3767-4099

www.ipt.br

Serviços ambientais associados à recuperação de áreas degradadas
pela mineração de agregados, por meio de técnicas de bioengenharia de
solos1
Amarilis Lucia Casteli Figueiredo Gallardo; Tania de Oliveira Braga; Maria Lucia Solera;
Caroline Almeida Souza; Mariana Hortelani Carneseca; Ligia Ferrari Torella di
Romagnano; Sofia Julia A. M. Campos
1 Pesquisa em desenvolvimento no contexto do projeto Fapesp-Vale 2010/51233-7
2 Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT)

RESUMO:
No Estado de São Paulo, a recuperação de áreas degradadas por minerações de
agregados (areia e rocha para produção de brita) tem privilegiado a revegetação com
espécies exóticas, visando um novo aproveitamento econômico da área. Nesse contexto,
a revegetação com espécies nativas fica restrita a locais indicados pelos órgãos
ambientais responsáveis, geralmente limitando-se aos setores de APP ­ Área de
Preservação Permanente. Em ambos os casos, as técnicas utilizadas têm sido
convencionais, havendo pouca inovação no sentido de promover maior ganho ambiental,
principalmente de recursos naturais, como a biodiversidade.
Entretanto, o minerador pode valorizar financeiramente sua área na etapa pós-mineração
ao associar, na recuperação, critérios de sustentabilidade pela ampliação do provimento
de serviços ambientais usando-se técnicas de bioengenharia de solos.
A bioengenharia de solos utiliza plantas vivas, ou parte delas, estruturadas com solo ou
associadas a outros elementos inertes, em obras de estabilização de material granular
(solo e sedimentos). As técnicas de bioengenharia de solos, de grande aplicabilidade na
recuperação de margens fluviais e taludes rodoviários, são pouco exploradas em
mineração. As vantagens da adoção de técnicas de bioengenharia de solos são: (1) uso
de materiais naturais locais, tais como madeira e fragmentos de rocha, reduzindo o custo e
os impactos negativos do transporte (emissões atmosféricas, eventuais vazamentos de
óleos em motores, ruídos, risco de atropelamentos, entre outros); (2) uso restrito de
maquinário atenuando, também, os impactos negativos do funcionamento desses
equipamentos, além de permitir a recuperação de locais inacessíveis para máquinas; e (3)
uso de mão-de-obra não especializada, permitindo que os trabalhos de recuperação sejam
desenvolvidos por pessoas que não têm muitas opções de emprego, podendo contribuir,
assim, com a economia local.
O uso de técnicas de bioengenharia de solos, utilizando-se espécies nativas na
revegetação, possibilita o incremento dos serviços ambientais gerados com a recuperação
de áreas mineradas. Os serviços ambientais podem ser entendidos como benefícios que
as pessoas obtêm dos ecossistemas. No caso da recuperação de áreas mineradas podem
ser considerados serviços ambientais, entre outros, a regulação do regime hídrico, o
abrigo para fauna, o controle de erosão e a recuperação paisagística e do patrimônio
natural.
Recentemente houve uma mudança de paradigma, o que era visto como custo passa a
ser entendido como serviço, que pode implicar em valoração financeira por meio de
incentivos fiscais aos que adotam práticas sustentáveis. Há ainda uma tendência para
definição de mecanismos para pagamento desses serviços. O mercado de carbono
exemplifica um plano internacional adotado com esse propósito.
PALAVRAS-CHAVE: RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS; SERVIÇOS
AMBIENTAIS; BIOENGENHARIA DE SOLOS