INTRODUÇÃO À ENGENHARIA NATURAL

Volume II

João Paulo Fernandes
(Universidade de Évora (ICAAM), APENA)
Aldo Renato Mendes de Freitas
(Eng.º Biofísico)

ÍNDICE
INTRODUÇÃO

5

ENGENHARIA NATURAL:

7

Uma engenharia para construir sustentabilidade

7

Intervir conservando

9

Adaptação à micro realidade
A ENGENHARIA NATURAL ­ UMA ENGENHARIA DOS SISTEMAS VIVOS

11
12

As plantas e a vegetação como material de construção

19

Obtenção e selecção das espécies vegetais a utilizar

27

Principais tipos de técnicas de Engenharia Natural

29

ÁGUAS INTERIORES

33

As linhas de água

35

A intervenção nos sistemas ribeirinhos

37

MEIOS TERRESTRES

43

Taludes e encostas

44

Recuperação de áreas degradadas

48

Espaços florestais

52

Prevenção de incêndios florestais

53

Recuperação de áreas ardidas

54

Intervenções de curto prazo em áreas ardidas: controlo da erosão e regulação hidrológica

56

Conservação da Natureza

58

MANUTENÇÃO E ACOMPANHAMENTO

63

BIBLIOGRAFIA

63

ANEXO 1 - Descrição das tipologias de intervenções de Engenharia Natural de
utilização mais frequente

67

1. SEMENTEIRA

69

2. HIDROSSEMENTEIRA

70

3. ESTACARIA VIVA

71

4. FASCINA VIVA

73

5. ENTRANÇADOS VIVOS

75

6. ESTEIRA DE RAMAGEM

77

7. LEITO DE VEGETAÇÃO

79

8. MUROS DE SUPORTE VIVO

81

9. GABIÕES VIVOS

84

10. TERRA REFORÇADA

86

11. GRADE VIVA

88

12. GEOTEXTEIS E GEOMALHAS VIVAS

90

13. BIOROLOS

92

14. BARRAGEM DE CORRECÇÃO TORRENCIAL

93

15. SOLEIRAS

94

16. ENROCAMENTO VIVO

95

17. DEFLECTORES (ESPORÕES) VIVOS

96

18. BARREIRAS DE CONTENÇÃO DE SOLO

98

Custos associados à implementação e manutenção de medidas de EN
ANEXO 2 - As Principais plantas que dispomos em Portugal para a Engenharia
Natural (Carlos Souto Cruz)

99
103

Nascentes para a Vida

5

INTRODUÇÃO
"A Engenharia Natural pode ser definida como um ramo da engenharia que
tem como objecto o território, que procura optimizar os processos construtivos
numa perspectiva simultânea de funcionalidade estrutural e ecológica. Tem,
portanto, como objectivo primário que as suas intervenções preencham plenamente os objectivos que se lhes colocaram do ponto de vista das exigências de
uso e se insiram simultaneamente o mais harmoniosamente possível no espaço
sistemas naturais, utilizando para tal, os seus próprios sistemas e processos
funcionais."

Os seres humanos, têm como principal, senão única, vantagem adaptativa a sua capacidade de reconhecerem o seu ambiente e de, através do seu imaginário intervirem
nele de modo a potenciar as funções que os beneficiam e a contrariar aquelas que os
prejudicam.
Ao longo dos milénios esta capacidade de gerir o ambiente tomou muitas formas, desde
a domesticação de plantas e animais, a irrigação, a construção de abrigos até às profundíssimas alterações que hoje observamos na Terra.
Esta gestão foi, contudo, sempre condicionada pela quantidade de trabalho e energia
disponível. Essa limitação determinou que a maior parte dessas intervenções se caracterizasse mais pela orientação das funções e processos naturais, mais do que pela sua
substituição por sistemas exteriores artificiais. A vantagem desta forma de intervenção
era a de que, ao trabalhar com os Sistemas Naturais e não contra eles, se obtinham resultados idênticos com muito menores custos de manutenção e com crescente eficácia.
A crescente disponibilidade de energia e de tecnologias determinou uma alteração a
esta prática, tendendo para que a produção de bens e serviços e utilização dos recursos
naturais fosse crescentemente menos eficiente e mais penalizadora para os sistemas
naturais, originando uma situação em nos arriscamos a comprometer os mesmos e a
sua capacidade de suportarem as nossas sociedades.
O desafio que se coloca hoje às sociedades humanas e às ciências e tecnologias é o de
desenvolver sistemas de uso e valorização dos recursos naturais e humanos que garantam a resolução dessas crescentes tensões de modo a garantir as condições para que
se garanta o progresso das condições de saúde e bem-estar da humanidade dentro do
respeito da capacidade do meio de o suportar.
É neste contexto que importa desenvolver instrumentos de gestão dos Sistemas Ecológicos em que se assumem os mesmos como objecto de criação quer no sentido da construção de "habitats" mais eficazes e funcionais para as actividades humanas, quer para
a restauração, recuperação ou substituição de ecossistemas perturbados ou compro-

6

metidos por essas actividades humanas. A Engenharia Natural procura responder a estas necessidades.
Este pequeno livro procura, neste quadro ilustrar os principais domínios e formas de
intervenção da Engenharia Natural no quadro da sua contribuição para uma melhor
compatibilização entre as necessidades de uso das sociedades humanas e a capacidade
dos sistemas naturais para as preencherem.

Nascentes para a Vida

7

ENGENHARIA NATURAL:
UMA ENGENHARIA PARA CONSTRUIR SUSTENTABILIDADE
Sob a designação de Engenharia Natural compreende-se um conjunto de abordagens
técnicas à gestão dos sistemas ecológicos que vão desde as disciplinas de caracterização
e avaliação dos sistemas biofísicos e de uso (englobando domínios como a cartografia
temática, a fitossociologia, a geobotânica, a modelação ecológica, a geomorfologia e a
cartografia geológica e geotécnica, a ecologia da paisagem, o ordenamento do território,
a sociologia e a economia, quando aplicados ao conhecimento e gestão dos sistemas
naturais e dos seus sistemas de uso) até e mais especificamente, às diferentes disciplinas
de construção e gestão dos sistemas ecológicos (englobando áreas como a dos sistemas
construtivos utilizando sistemas e materiais vivos e técnicas e materiais complementares,
as técnicas de gestão de habitats, de silvicultura e engenharia florestal até aos sistemas
de prevenção de riscos naturais como a erosão, o fogo ou as movimentações de massas
de terra (aluimentos, escorregamentos, etc.)).
Todos estes domínios constituem áreas técnicas autónomas com um carácter e domínios
de actuação bem definidos e concretizados. Contudo, cada vez mais se verifica a utilidade
de abordagens técnicas interdisciplinares que agreguem técnicas e metodologias de
diferente natureza cuja aplicação complementar permite não só potenciar sinergias
e gerar importantes economias (caso das técnicas combinadas de engenharia natural
onde a combinação de materiais inertes com plantas permite instalar sistemas
crescentemente mais eficientes, de menor intrusão construtiva e com menores custos
de manutenção do que os sistemas meramente inertes ou meramente baseados na
utilização de plantações e de adequação ás funções e condições naturais de estabilidade
dos materiais envolvidos), como desenvolver sistemas de uso com um carácter muito
mais próximo do natural (logo com valores biológicos muito superiores) do que aqueles
conseguidos pela aplicação de técnicas não combinadas.
Ao mesmo tempo, as pressões exercidas sobre o território na sequência das profundas
modificações dos sistemas de uso e das tipologias de povoamento ocorridas nos últimos
decénios determinam que vastas áreas do território passaram de sistemas de gestão
relativamente intensivos para um estado de abandono generalizado que determina uma
ruptura dos sistemas de uso e processos locais, claramente ilustrada na generalização
dos grandes fogos, no aumento das áreas sujeitas a processos de desertificação física por
processos erosivos subsequentes a processos de abandono dos usos tradicionais, e na
perturbação generalizada dos ciclos hídricos, de materiais e sedimentos determinando
uma crescente incidência de factores de risco ambiental e de ruptura dos recursos
disponíveis, processos acentuados pelo quadro de alteração climática global que
atravessamos.

8

Todas estas situações determinam a necessidade de abordagens multidisciplinares à gestão
do território e dos ecossistemas, abordagens que têm de assumir um carácter técnico de
crescente solidez e interdisciplinaridade.
É pois, neste quadro que se pode, e deve, falar de Engenharia Natural, como um espaço
conceptual de congregação de conhecimentos, técnicas e metodologias de caracterização
e gestão do território e dos ecossistemas.
A sua prática é milenar fundando-se nos esforços que as comunidades humanas foram
desenvolvendo de encontrar técnicas e formas de gestão dos sistemas naturais de
modo a compatibilizá-los com as suas necessidades de uso. Desenvolveram-se assim
técnicas de gestão do coberto vegetal, dos sistemas hidrológicos e sistemas construtivos
que procuraram, com os materiais e a energia disponíveis, garantir a segurança das
actividades humanas no quadro dos processos naturais locais.
Adicionalmente, a vegetação como material de construção, associada a sistemas
construtivos usando materiais inertes foi usada em circunstâncias muito diversas
desde a guerra (vejam-se as inúmeras referências existentes na "Guerra das Gálias" de
Júlio César) até à segurança e reconstrução fluvial, reconstrução de zonas erodidas ou
recuperação de áreas degradadas.
A noção de Engenharia Natural (ou pelo menos de Engenharia Biológica) enquanto disciplina
técnica existe desde pelo menos os finais dos anos 30 quando A. v.Kruedner propôs o termo
"Ingenieurbiologie" para denominar o conjunto de técnicas e métodos de engenharia,
baseados não apenas na consideração dos aspectos técnicos mas também na observância
das regras biológicas e na utilização de funções e materiais vivos.
A vasta experiência que entretanto foi adquirida no desenvolvimento e aplicação destas
técnicas e métodos de construção, permitiu não só consolidar o âmbito e a capacidade
de intervenção construtiva da Engenharia Biológica (nomeadamente através de uma
constante inovação e experimentação tecnológica), como conduziu mesmo a um
alargamento do seu âmbito original de intervenção.
Assim, e referindo um documento de trabalho elaborado pela Gesellschaft für
Ingenieurbiologie, pode-se entender por Engenharia Biológica "a aprendizagem e
conhecimento das possibilidades de utilização das plantas superiores na construção e
do seu comportamento quando associadas a estruturas construtivas". Esta definição
encerra um âmbito vasto para a utilização da Engenharia Biológica nomeadamente:
·
Avaliação do valor indicador de espécies particulares, para a caracterização
biotecnológica de um local.
· Aplicação dos materiais e sistemas construtivos mais adequados a cada local.
· Uso de desenvolvimentos técnicos e de inovações em maquinaria, na aplicação
construtiva da vegetação.

Nascentes para a Vida

9

· Adequação das medidas de cuidado e manutenção aos objectivos construtivos.
· Avaliação científica dos resultados alcançados com as tecnologias empregues.
Mas a perspectiva da Engenharia Natural procura ser ainda mais vasta do que o atrás referido
para a Engenharia Biológica. Com efeito, da experiência da aplicação desta, cresceu, com cada
vez maior intensidade, a consciência de que, mais do que a simples utilização da vegetação
como elemento e sistema construtivo, havia que avançar para uma engenharia global dos
sistemas ecológicos. Esta engenharia, tomada no sentido de conceber e realizar com arte,
com engenho, tem como objecto de intervenção o espaço, considerado como um todo
sistémico e tem como perspectiva de trabalho a consciência e a capacidade de percepção da
complexidade funcional deste. Neste âmbito, pretende-se articular de uma forma construtiva
os usos com as aptidões naturais do espaço para os sustentar.
INTERVIR CONSERVANDO
A Engenharia Natural pretende pois, constituir mais um instrumento de intervenção
do Homem na Natureza. Contudo, diferencia-se de certo modo das outras formas mais
clássicas de engenharia ao colocar, como princípio condutor fundamental dessa sua
intervenção, a imposição de respeito pela dinâmica funcional e sistémica da Natureza.
Ela procura pois potenciar os usos humanos do território com um recurso mínimo à
alteração deste, garantindo a inexistência de perdas na sua funcionalidade e valor e
procurando incorporar novos valores e funções. Ao intervir nele, parte sempre da
exigência da minimização do grau de artificial idade a introduzir (o que não impede, claro,
que reconheça a necessidade de recorrer a sistemas artificiais mais "duros" sempre que
as exigências de uso e as condições naturais o impuserem).
A Engenharia Natural não recusa deste modo à partida, qualquer sistema ou tecnologia,
não elabora escalas de importância entre a Natureza e o Homem pelo contrario pretende
contribuir de forma activa para a humanização do espaço e para a melhoria da Qualidade
de Vida dos Homens, salvaguardando contudo, a preservação da funcionalidade natural,
ou seja, da naturalidade do espaço, procurando articular-se com as restantes disciplinas
(da Arquitectura à Engenharia Civil e ao Urbanismo), potencializando sempre através das
soluções encontradas, a natureza do espaço em vez de a desvalorizar.
Com efeito, para a Engenharia Natural não existe a dicotomia Homem ou Natureza, mas
antes a consciência de que o Homem é um elemento integrante da Natureza. Por esta
razão conservar a Natureza deixa de ser uma tarefa aparentemente contra o Homem, ou
pelo menos contra o seu progresso material passando antes a ser um elemento próprio
a actividade humana de todos os dias.
A defesa da existência de uma tal dicotomia tem trazido de longe mais prejuízos do
que vantagens à prática da Conservação da Natureza prejuízos materializados em duas
áreas principais:

10

·
As grandes intervenções humanizantes foram, em grande medida, por falta de
enquadramento por parte das disciplinas técnicas ligadas à conservação da Natureza,
bem mais destrutivos e desestabilizadores do que poderiam ter sido.
· A actividade da conservação da Natureza foi conside¬rada como restrita à preservação
de santuários limitados, donde se retiraria ou onde se condicionaria a actividade
humana, deixando pois de estar presente de forma activa na quase totalidade do
espaço humanizado.
É de certo modo na recusa destas noções que a Engenharia Natural se procura orientar
para aquilo que poderemos denominar como uma conservação activa. Esta nova
orientação deriva de dois princípios fundamentais: o homem e as suas sociedades são
partes integrantes da Natureza e todos os espaços são intrinsecamente naturais.
Consciente destes princípios, a Engenharia Natural propõe-se como tarefas base a
integração harmónica das actividades humanas no tecido sistémico natural, consciente
que está, que o comprometimento daquele acarretara a curto ou médio prazo a não
sobrevivência das primeiras; a valorização dos processos e elementos naturais nos
espaços humanizados e a recuperação e revalorização dos espaços degradados.
Pretende pois a Engenharia Natural contribuir para a geração de um espaço natural
harmoniosamente humanizado onde em vez de actuar e intervir contra ou em detrimento
da Natureza, se utiliza esta e se moldam os seus potenciais às necessidades humanas.
Como instrumento fundamental de trabalho, a Engenharia Natural necessita de realizar
um reconhecimento extremamente profundo e detalhado das características e modo de
funcionamento dos espaços, assim como das potencialidades, não só de cada elemento
biológico e inerte como também dos biossistemas complexos correspondentes ou que
se poderão instalar em cada lugar.
Pretende-se pois acabar com a dicotomia espaço natural/espaço humanizado, criando
antes uma outra escala de espaços sucessivamente mais alterados, mas onde as
características e processos naturais se encontrem potencializados ao máximo:
· Espaço natural
· Espaço próximo do natural
· Espaço condicionadamente natural
· Espaço condicionadamente afastado do natural
· Espaço afastado do natural
· Espaço artificial
Isto pode até passar pela criação de raiz de espaços naturais (ou próximo do natural) ou
ainda pela consideração e preservação do que de rico e diversificado existe na Natureza

Nascentes para a Vida

11

que ocupa os espaços profundamente artificiais ou mesmo ainda pela consideração de
que o espaço humanizado também contem valores naturais e culturais que o colocam
igualmente como digno e exigente de protecção.
ADAPTAÇÃO À MICRO REALIDADE
A prossecução dos objectivos atrás referidos só é possível no caso de haver uma
correspondência muito estreita entre cada lugar e o tipo de usos ou de intervenções
nele realizadas.
Com efeito, cada lugar por mais alterado que esteja mantém sempre um conjunto de
características básicas, derivadas dos diferentes factores do espaço (clima, geologia,
solo, morfologia, regime hídrico, etc.), que determinam não só o seu potencial e a sua
aptidão para os diferentes usos como também a sua susceptibilidade a esses mesmos
usos.
É partindo desse conhecimento que a Engenharia Natural se constrói a partir de duas
linhas condutoras:
· Caracterização detalhada de cada ponto do espaço em termos quer do seu modo e
dinâmica de funcionamento quer das suas potencialidades e propriedades.
· Adaptação precisa do tipo e características de cada intervenção a cada lugar do
espaço.
Gerar-se-á assim uma reciprocidade estreita entre cada lugar e cada actuação,
reciprocidade essa, que, por exprimir uma correspondência entre o modo de
funcionamento desse lugar e as exigências a ele colocadas pelo uso nele implantado ou
a implantar, vai permitir que este possa ocorrer sem a geração de conflitos e mesmo
com a valorização global do espaço.
Com efeito, ao introduzir novos usos e factores no espaço, está-se a aumentar
essa diversidade (desde que, como referi, se respeite a anteriormente existente
e as características topológicas e funcionais do lugar), já que se adicionam novas
determinantes.
Consciente deste facto, e da importância da diversidade, procura a Engenharia
Natural promover que, à humanização do espaço vá corresponder no fim um mosaico
equilibrado e funcional, onde os usos e exigências das sociedades humanas se articulem
com a funcionalidade do espaço natural, potencializando-a e valorizando-se a ambas,
de acordo com os objectivos da conservação da Natureza, integrando-se para tal numa
malha equilibrada de continuum ecológico.

12

A ENGENHARIA NATURAL ­ UMA ENGENHARIA DOS SISTEMAS
VIVOS
De acordo com Hugo Schiechtl (2007):
Engenharia Natural é um sub-domínio da Engenharia Civil que prossegue objectivos técnicos,
ecológicos, criativos, construtivos e económico através sobretudo da utilização de materiais
construtivos vivos, ou seja, sementes, plantas, partes de plantas e associações vegetais. Estes
objectivos são atingidos através métodos de construção próximos do natural, utilizando as
diferentes vantagens que a utilização de plantas vivas garante.
A Engenharia Natural é utilizada por vezes como substituto, mas principalmente como
complemento útil e necessário das técnicas clássicas da Engenharia Civil. A sua área de
aplicação corresponde a todos os domínios construtivos quer em trabalhos de terra quer
em domínios fluviais e costeiros, com predominância particular na protecção de margens
e taludes e encostas, assim como no controle da erosão.
Já a Federação Europeia de Engenharia Natural (EFIB) (2007) propõe a seguinte
definição:
Por Engenharia Natural entende-se uma disciplina da Engenharia orientada
pela Biologia cujo domínio de intervenção são as intervenções geotécnicas e de
mecânica de solos, de engenharia fluvial e hidráulica, de engenharia florestal
assim como todas as intervenções construtivas ao nível da compatibilização
dos sistemas naturais com as pressões de uso.
Os objectos de projecto e construção são a estabilização de taludes e escarpas, margens,
diques, aterros, assim como outros espaços de uso e a sua protecção contra a erosão.
No processo de projecto e execução são utilizados conhecimentos e competências das
disciplinas de construção, assim como conhecimentos da biologia e da ecologia da
paisagem de forma a instalar e garantir o adequado desenvolvimento de um coberto
adequado de espécies autóctones que garanta as exigências construtivas requeridas.
As intervenções de Engenharia Natural garantem não só a protecção contra a erosão
como igualmente acções reguladoras no regime hidrológico, no microclima, na estrutura
e qualidade biológica e ecológica, assim como na qualidade visual das zonas de
intervenção.
Ambas estas definições focalizam-se num domínio essencialmente construtivo, sendo
os seus domínios de aplicação principais a construção e manutenção de infra-estruturas
quer nos domínios da engenharia hidráulica como da engenharia de solos, usando
preferencialmente sistemas, técnicas e materiais naturais (ou o mais próximo possível
do natural):
· Consolidação de taludes e encostas;

Nascentes para a Vida

13

· Consolidação e valorização ecológica de margens de linhas de água;
· Protecção contra desastres naturais como a erosão e as cheias;
· Criação de ecossistemas de compensação ou de substituição;
·
Recuperação ecológica de áreas degradadas como minas, pedreiras, aterros
sanitários, etc.
A vantagem da utilização destas técnicas e metodologia prende-se com as funções e efeitos
que originam:

Funções técnicas:
·P
rotecção da superfície do solo da erosão pelo solo, precipitação, gelo e água corrente;
· Protecção contra a queda de rochas;
· Eliminação ou amortecimento de forças mecânicas destrutivas;
· Redução da velocidade do fluxo ao longo das margens;
· Aumento da coesão superficial e profunda do solo e sua estabilização
· Drenagem;
· Protecção do vento;
· Promoção da deposição de neve, areia e outros sedimentos;
· Aumento da rugosidade do solo e prevenção de avalanches;
·Funções ecológicas, em particular aquelas omissas ou muito parcialmente
preenchidas pelas intervenções clássicas de engenharia civil.

Funções ecológicas
·Melhoria do regime hídrico por melhoria da intercepção, infiltração e capacidade de
retenção hídrica, assim como consumo pela vegetação;
· Drenagem do solo;
· Protecção do vento
· Protecção da poluição atmosférica;
· Promoção das condições mecânicas do solo através das raízes;
· Sombreamento e controle de infestantes;
· Balanço da temperatura da camada do ar junto ao solo e do solo;
·Melhoria das condições nutricionais e, decorrentemente, da fertilidade do solo ou
de substratos incultos;

14

· Equilíbrio dos depósitos de neve;
· Protecção contra o ruído;
· Aumento da produtividade das culturas adjacentes.

Funções estéticas
·Enquadramento de feridas abertas na paisagem por catástrofes naturais ou
intervenções humanas (exploração de recursos minerais, trabalhos de construção,
aterros de inertes, escombreiras, aterros sanitários);
· Integração de estruturas na paisagem;
· Ocultação de estruturas ofensivas;
· Enriquecimento da paisagem através da criação de novos elementos, estruturas,
formas e cores da vegetação.

Efeitos económicos
Apesar de estas intervenções poderem não ser sempre mais baratas em termos da
construção quando comparadas com sistemas clássicos da engenharia tradicional,
quando se tem em conta o seu tempo de vida útil, incluindo os custos de manutenção,
demonstram-se, normalmente mais económicos. As suas principais vantagens são:
· Menores custos de construção comparativamente com materiais e técnicas mais
"duros";
· Menores custos de manutenção e recuperação;
· Criação de áreas verdes úteis e formações vegetais em terras anteriormente ermas
ou marginais.
Como resultado das intervenções de Engenharia Natural obtêm-se sistemas vivos que
continuarão a desenvolver-se e a manter o seu equilíbrio dinâmico através dos processos
de sucessão natural, ou seja, auto-controle dinâmico, sem inputs artificiais de energia.
Se forem utilizados os materiais construtivos vivos e inertes e os sistemas construtivos
adequados, atingir-se-á uma elevada capacidade de resistência a tensões externas, sem
esforços muito elevados e dispendiosos de manutenção.
A consciência da diversidade cada vez maior das escalas de intervenção (desde a regional
com a gestão e controle dos processos hidrológicos (Fig. 1) e a recuperação de áreas
ardidas até à local com as intervenções de correcção de situações de perturbação e
degradação) permite avançar com uma definição mais ampla:

"A Engenharia Natural pode ser definida como um ramo da engenharia que tem como
objecto o território, que procura optimizar os processos construtivos numa perspectiva
simultânea de funcionalidade estrutural e ecológica, procurando que a obra preencha

15

Nascentes para a Vida

plenamente os objectivos que se lhe colocaram do ponto de vista das exigências de
uso e se insira simultaneamente o mais harmoniosamente possível no espaço natural,
utilizando para tal, os próprios sistemas e processos funcionais deste"

Sementeiras e plantações
Plantações lineares (entrançados vivos,
faixas de vegetação. fascinas vivas, etc.)
Degraus vivos de consolidaçao de encostas
Drenos vivos
Muros e grades de vegetação
Soleiras Vvvas
Esporões, "pentes e escovas" vivos
Recuperação de ravinas
...

Sementeiras e plantações
Mulching
Mantas orgânicas
...
Controle e regulação
da
evapotranspiração

Controle e regulação
da intercepção
e infiltraçao

Precipitação Evapotranspiração

Controle e regulação da
velocidade do
escoamento superficial
Prevenção e correcção
da erosão

Excedente
Esc. superficial

Infiltração

Controle e regulação
da velocidade do
escoamento fluvial
Prevenção e correcção
da erosão
Esc. fluvial

Promoção
da retenção
superficial
e infiltração

Sementeiras e plantações
Mulching
Mantas orgânicas
Plantações lineares (entrançados vivos,
faixas de vegetação. fascinas vivas, etc.)
Degraus vivos de consolidaçao de encostas
Drenos vivos
Recuperação de ravinas
...

Esc. subterrâneo

Plantaçoes (estacas vivas, esteiras vivas,
faixas fascinas vivas, etc.)
Muros vivos
Drenos vivos
Esporões, "pentes e escovas" vivos
...

Fig. 1. Intervenções de Engenharia Natural para a gestão dos sistemas hidrológicos

É pois, este quadro, que se pode considerar que o objecto da Engenharia Natural é
bastante mais lato, não se referindo apenas ao desenvolvimento de sistemas construtivos
utilizando materiais vivos, mas principalmente ao território visto na globalidade dos seus
processos e determinantes, sendo o seu objectivo a articulação entre os usos humanos e
as aptidões naturais relativamente a esses usos e sendo os seus instrumentos a gestão
dos processos e sistemas naturais, além de todos os instrumentos e métodos das
engenharias clássicas e biológica.

16

Na prática, isto corresponde a acrescentar aos domínios de intervenção anteriormente
referidos, a promoção dos objectivos de Conservação da Natureza e da Gestão Sustentável
dos recursos através da criação e desenvolvimento estruturas biológicas orientadas,
integradas numa rede local e global de conservação da natureza, tendo sempre em
consideração as necessidades dos indivíduos e das comunidades e os objectivos das
sociedades humanas numa perspectiva sustentável, i.e.:
· Desenvolvimento de sistemas que promovam o valor ecológico de cada lugar;
· Enquadramento ecológico de todos os projectos e obras;
·Desenvolvimento de metodologias de caracterização e avaliação ecológica e sua
integração nos processos de planeamento e gestão do território.
Examinemos alguns domínios de actividade com particular relevância no momento actual:
1. Áreas costeiras e dunares ­ Ao mesmo tempo em que a Engenharia Natural é
chamada a consolidar ou recuperar espaços costeiros degradados por pressões
ou tipologias inadequadas de uso (caso dos cordões dunares adjacentes a praias
ou zonas de salgados degradados pela poluição ou pisoteio ou outras impactes de
uso) confrontamo-nos com a necessidade, por um lado, de abordagens de protecção
costeira relativamente a uma agressividade erosiva marinha acentuada pelas novas
condições decorrentes das alterações globais em curso e por outro, de desenvolver
mecanismo de gestão, por exemplo, dos balanços de transporte sólido (erosão,
transporte e sedimentação) entre as zonas terrestres e litorais, domínio em que
as abordagens da Engenharia Natural são solicitadas a escalas de abordagem e
intervenção completamente distintas das tradicionais.
2.Zonas húmidas e fluviais ­ Estes são alguns dos habitats e sistemas naturais mais
perturbados e sujeitos a maiores pressões de uso, situação que tem conduzido a
intervenções e modificações que têm comprometido dramaticamente o seu carácter
e que colocam desafios particularmente importantes à Engenharia Natural. As
intervenções necessárias impõem toda uma escala de naturalidade, desde as situações
em que o espaço efectivo de intervenção é muito reduzido até às situações em que se
poderá falar em absoluto de renaturalização e de restauração. Simultaneamente, estes
sistemas são a expressão mais visível dos muito mais vastos e complexos sistemas
hidrológicos onde fenómenos como cheias e secas são regulados e, decorrentemente,
ampliados ou minorados. Dado que o coberto vegetal e o uso do solo constituem
reguladores críticos destes sistemas e processos hidrológicos, é no actual contexto de
alterações globais que tenderão a acentuar essas situações extremas, que a gestão
dessas variáveis irá assumir uma importância cada vez mais crítica e, de novo, colocar
um novo universo e escala de trabalho à Engenharia Natural.
3. Bacias hidrográficas ­ Estes são, fora de dúvida os domínios mais abrangentes e
integrativos da área de actuação da Engenharia Natural. Com efeito, é neste enorme

Nascentes para a Vida

17

âmbito territorial que a regulação, prevenção e correcção dos processos erosivos, a
regulação do escoamento hídrico, dos processos de infiltração e de evapotranspiração,
da promoção dos processos de formação de solo, de prevenção, consolidação e
retenção dos processos de vertente, em particular dos aluimentos, avalanches e
derrocadas, para já não falar na valorização dos processos ecológicos, constituem
áreas prioritárias de intervenção da Engenharia Natural em complemento de todas
as restantes disciplinas de gestão e ordenamento do território. A título de exemplo, a
regularização dos processos de escoamento, assim como dos riscos a ele associados,
tem de começar ao nível da bacia, onde os balanços de intercepção, infiltração,
evapotranspiração, escoamento superficial e sub-superficial, erosão ou sedimentação
são regulados quer pelo coberto vegetal, quer pela morfologia, quer pelo solo e
geologia, sendo todas estas variáveis objectos de gestão e de intervenção recorrendo
a técnicas e abordagens de Engenharia Natural. Da mesma forma, a correcção de
situações de erosão e ravinamento, invertendo o processo erosivo e criando as
condições para a reposição de perfis morfológicos de equilíbrio e o restabelecimento
de um coberto vegetal adequado são também áreas onde a Engenharia Natural tem,
de há muito provas dadas e um enorme potencial de desenvolvimento.
4. Zonas florestais e marginais destruídas pelo fogo - no domínio crescentemente
preocupante dos incêndios florestais, em termos quer das medidas de primeira
intervenção no sentido de prevenir a erosão e reter o solo exposto, quer nas medidas
complementares aos processos de reflorestação e de apoio ao desenvolvimento de
um coberto natural espontâneo, existem igualmente amplos domínios de aplicação
das abordagens e soluções técnicas da Engenharia Natural. A destruição do coberto
vegetal e, inclusive, do húmus do solo pelos fogos florestais determina um risco erosivo
muito elevado que tem de ser combatido quer com medidas preventivas, quer com
medidas correctivas de emergência. A Engenharia Natural através de uma panóplia
de técnicas de controlo do escoamento e de intervenção rápida em encostas pode
constituir uma especialidade de grande importância nos processos de prevenção e
combate a estes processos de degradação do território.
5. Infra-estruturas ­ A segurança do uso de infra-estruturas constituiu sempre uma das
áreas por excelência de aplicação das técnicas de Engenharia Natural, particularmente no
que se refere aos diferentes domínios de segurança de taludes e aterros, à prevenção da
erosão e de aluimentos ou movimentações de massa de natureza vária como avalanches.
A estes domínios tradicionais acrescentam-se presentemente com importância crescente
a garantia de funções ecológicas (redução da fragmentação e promoção da biodiversidade)
e estéticas, além da redução de impactes de funcionamento como são por exemplo os
associados à poluição sonora, à emissões de gases e partículas ou aos escoamentos
contaminados (contínuos ou acidentais).
6. Zonas urbanas ­ Se bem que não constituindo espaços tradicionalmente associados
à aplicação das técnicas de Engenharia Natural, estas não deixam, contudo, de

18

constituir soluções construtivas do maior interesse nos domínios quer da Arquitectura
Paisagista, quer da segurança e enquadramento de espaços e infra-estruturas (também
existem escarpas e vertentes instáveis em zonas urbanas, assim como a minoração
dos impactes sonoros e poluentes das vias de comunicação rodoviárias e ferroviárias
assume uma importância e desafios técnicos ainda mais prementes e complexos. Por
outro lado, a gestão e valorização das linhas de água em espaço urbano maximizando
o seu valor e funcionalidade ecológica dentro das exigências hidráulicas estritas da
susceptibilidade dos usos marginais, constitui um domínio onde a Engenharia Natural
tem desenvolvido não só inúmeras intervenções como desenvolvido trabalhos de
investigação e desenvolvimento experimental que permitem tipologias de intervenção
com garantias de segurança hidráulica muito mais significativas. Por fim importa
referir toda a enorme diversidade de estruturas de activação biológica em espaço
urbano onde muitas das abordagens técnicas e metodológicas da Engenharia Natural
têm-se comprovado da maior eficácia.
7. Actividade extractiva e espaços degradados ­ Este é um domínio onde muitos
dos equívocos que afectam a Engenharia Natural se manifestam de modo claro,
ao predominarem conceitos como "recuperação paisagística" em detrimento de
reconstrução e requalificação ecológica e funcional, reintegrando os espaços em
causa na oferta ambiental do modo global e não apenas ocultando a actividade que
nele ocorreu, com todos os problemas de viabilidade futura da intervenção. Por outro
lado, esta componente de recuperação e de reintegração da funcionalidade ambiental
desses espaços tem de ser integrada na própria actividade e deixar de constituir um
seu apêndice desarticulado comprometendo a própria viabilidade da sua execução.
8. Conservação da Natureza e da Biodiversidade ­ Sendo, por definição a Engenharia
Natural um engenharia cujos objectos e instrumentos de trabalho são, prioritariamente
as plantas e as comunidades vegetais, é obvia a sua contribuição para todos os
domínios de actividade de conservação da natureza e da biodiversidade, sejam em
termos da prevenção de impactes externos, seja de recuperação e restauro de zonas
perturbadas ou degradadas, seja da própria recriação de habitats ou a criação de
habitats de substituição ou compensação. Igualmente importante é o facto de as
abordagens técnicas da Engenharia Natural permitem a gestão de áreas de elevado
valor ecológico dentro de condições de perturbação sem deixar que tal comprometa
os valores existentes.
Este enunciado sintético e obviamente incompleto evidencia o imenso universo de
trabalho que se coloca perante a Engenharia Natural, para além do contexto específico
de "sub-domínio da Engenharia Civil" da referida definição de Schiechtl, já que a este
domínio de intervenção temos de acrescentar as interfaces existentes com os domínios
da gestão de habitats, da engenharia da conservação, do ordenamento e desenvolvimento
do território.

19

Nascentes para a Vida

Em termos práticos, a Engenharia Natural pretende fazer convergir todo um vasto
conjunto de conhecimentos e competências numa prática inovadora (Fig. 2), em que
a relação com a Natureza e os Sistemas Naturais não seja uma relação de oposição
mas sim de cooperação orientada no comum benefício, garantindo o desenvolvimento
humano na preservação e promoção das funções naturais.

Ciclos
biogeoquímicos

Populações

Gestão de
recursos naturais

AIA/AAE

Comunidades

Ecossistemas

Monitorização

Ecotoxicologia

Avaliação Ecológica

Ecologia da Paisagem

Caracterização e
avaliação ambiental

Fitossociologia
Materiais e técnicas de
construção

Engenharia

Engenharia de
Ecossistemas

Natural

Sistemas construtivos
com materias vivos

SIG

Sistemas de apoio à
decisão

Análise
multicritério

Climatologia

Hidrologia e hidraulica

Economia

Direito ambiental

Pedologia

Geomorfologia

Ordenamento do
território

Planeamento e
gestão ambiental

Geologia de
engenharia

Geografia física

Fig. 2. Engenharia Natural como área de convergência técnica e científica

Em suma, a Engenharia Natural constitui no essencial uma abordagem que procura
construir território sustentável, seja ele território urbano, agrícola, de recreio, degradado
(caso das zonas de extracção de inertes), associado a infra-estruturas ou vocacionado
para a conservação da natureza e da biodiversidade.
AS PLANTAS E A VEGETAÇÃO COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO
A vegetação exerce no solo uma função estabilizadora extremamente intensa e
multifacetada. Essa função manifesta-se, quer ao nível da protecção contra a acção dos
agentes externos (precipitação, vento, temperatura, etc.), quer internos (instabilidade,
encharcamento, falta de coesão, etc.).

20

Simultaneamente, a vegetação apresenta não só a vantagem de assegurar a protecção e a
estabilização do terreno em causa, com também, dadas as suas características de sistemas
vivos, a vantagem de, se devidamente cuidada, se desenvolver de um modo equilibrado com
os factores de desequilíbrio, adaptando-se dentro de certos limites, à variação destes.
A utilização de plantas e da vegetação como material de construção apresenta vantagens
mas também limitações que convém ter sempre presentes (Tab. 1). As vantagens e
desvantagens acima descritas, derivam das seguintes características básicas da função
da vegetação na estabilização dos terrenos:
· F
unções de Cobertura - Através das suas partes aéreas (troncos, ramos e folhas),
as plantas asseguram uma cobertura mais ou menos densa da superfície onde estão
instaladas. Especialmente no caso das herbáceas, que asseguram essa cobertura de
um modo bastante rápido e eficiente, obtêm-se um sistema de amortecimento do
impacto directo da chuva, do vento e mesmo do escoamento superficial, diminuindo
desta forma a erosividade de tais agentes. Também as espécies arbóreas e arbustivas
desde que em formações suficientemente densas, asseguram a mesma função,
acrescentada de uma intensa acção de intercepção (retenção da água da chuva nos
troncos e copas, possibilitando a sua posterior evaporação e a consequente diminuição
do caudal de escoamento superficial ou de infiltração).
· Funções de armação e de ancoraqem do solo - Através das suas raízes, a vegetação
exerce um conjunto de acções físicas que têm como resultado final aumentar a estabilidade
mecânica do solo, aumentando a sua coesão, e consequentemente, possibilitando a
existência de taludes de ângulo superior ao ângulo de talude natural desse material.
Estas funções são realizadas essencialmente de dois modos:
s ramificações das raízes penetrando o solo vão constituir uma malha, cuja
a
densidade é variável em função das espécies vegetais utilizadas, a qual enquadrará
não só as partículas do solo, como também as penetrará funcionando então como
mais um factor de agregação.
s grandes raízes mergulhantes, destinadas a ancorar a planta ao solo, penetrarão
a
este em profundidade, o que proporcionara, pelo menos nos dois metros superficiais,
que qualquer plano de descontinuidade paralelo à superfície e que seja propiciador
de escorregamentos seja atravessado pelas raízes, aumentando a rugosidade do
plano de escorregamento ancorando o horizonte superior no inferior e diminuindo,
consequentemente, a tendência para o escorregamento segundo esse plano.
· Funções de estruturação - Além das acções físicas de armação e de ancoragem, que
asseguram essencialmente um papel de sustentação, as acções químicas e biológicas
proporcionadas pela vegetação, ou dela derivadas, contribuem, igualmente e de uma
forma decisiva, para o aumento da estabilidade do solo. Tais funções são realizadas,
quer por intermédio dos produtos químicos segregados pelas raízes das plantas que

Nascentes para a Vida

21

favorecem a formação de agregados de partículas do solo, quer pela formação de
compostos húmicos a partir da decomposição de folhas e outros materiais orgânicos
compostos esses que agem da mesma forma como agregantes do solo.
· Funções de coesão e drenagem - As plantas devido às suas necessidades próprias
de água, contribuem também, eficazmente, para a diminuição do teor em agua do solo,
dado esta ser absorvida e depois transpirada. Esta diminuição do teor em humidade do
solo tem como consequência um aumento da coesão do solo e poderá, em determinadas
circunstâncias, diminuir o risco da sua fluidificação. Por outro lado, a tensão capilar
associada à absorção de água pelas raízes, gera uma coesão aparente que aumenta a
estabilidade do solo. é de referir que, em contrapartida, a vegetação também apresenta
alguma acção propiciadora da infiltração o que em certa medida, pode constituir um
factor de aumento da instabilidade. Os efeitos desestabilizantes deste processo não
anulam contudo, os efeitos estabilizantes atrás descritos.
· Funções de activação biológica - Estas funções, embora não estejam directamente
associadas com o aumento da estabilidade do solo, proporcionam também
indirectamente uma melhoria da agregação deste, que contribui decisivamente,
para o aumento da estabilidade global do local.
Com base no conhecimento destas funções e no desenvolvimento de técnicas construtivas
próprias que anulem ou diminuam as desvantagens anteriormente apontadas e potenciem
as vantagens têm sido implementados sistemas construtivos utilizando essencialmente
a vegetação como material construtivo e que têm revelado a maior eficiência. Estes
sistemas constituem combinações dos seguintes tipos básicos de construções:
· Construções combinadas de apoio suporte e consolidação, para desvio e
anulação de acções mecânicas, para escoramento do terreno e consolidação de
materiais instáveis. são constituídas normalmente por combinações entre obras
inertes (betão, pedra, alvenaria, madeira, geotexteis, etc.) e plantações. Permitem,
pela aplicação de sistemas combinados, diminuir a dimensão das obras inertes.
·C
onstruções de drenagem biotécnica, em que são utilizadas essencialmente plantas
com elevada capacidade de evapotranspiração e sistemas de construção e plantação
adequados para assegurarem uma drenagem activa de toda a massa do solo.
· Construções de estabilização, para desvio e anulação de acções mecânicas,
consolidação e agregação do solo em profundidade. Consistem em sistemas
particulares de plantação de lenhosas (em linhas ou em banquetas por exemplo),
de modo a assegurar uma armação profunda do terreno e a desviar e conduzir as
acçõ6es mecânicas que possam criar situações de instabilidade.
· Construções em cobertura, para assegurar uma rápida e eficiente protecção da
superfície do solo, uma melhoria dos balanços térmicos e hídricos, o sombreamento
e a activação biológica do solo. É conseguida quer por sementeira ou plantação

22

de herbáceas, quer por técnicas especiais de instalação de lenhosas arbustivas ou
mesmo arbóreas.
· Construções complementares, para condução e aceleração da sucessão natural
da vegetação permitindo obter o mais rápida e eficazmente possível, o coberto
vegetal pretendido.
Tab. 1. Vantagens e desvantagens comparativas das plantas e dos materiais inertes como materiais
de construção
Utilização da vegetação
como material de construção

Utilização de materiais inertes como material de
construção

vantagens

desvantagens

vantagens

desvantagens

(i) Não é afectada por
processos de degradação, proporcionando,
pelo contrário uma
estabilização crescente
e possuindo, cumulativamente, uma capaci-dade
regenerativa intrínseca.

(i) Não preenche em
todas as situações,
as exigências de
consolidação e
segurança requeridas.

(i) Poderão ser mais
estáveis.

(i) Tendem a perder a
sua eficiência devido à
corrosão e degradação
e não possuem
capacidade de autoregeneração.

(ii) Preenche a sua função
protectora de modo
elástico, absorvendo
os elementos e acções
"agressivas", diminuindo ou anulando a sua
intensidade.
(iii) É biológica e ecologicamente funcional.
(iv) Possibilita e conduz
a uma valorização
estética e paisagística,
com o enquadramento
da construção no espaço
natural.

(ii) Exige uma aplicação
adaptada e dependente
das características do
sitio, não sendo também
passível de utilização
construtiva em qualquer
altura do ano.
(iii) Só atinge a sua
eficiência técnica plena
após um certo intervalo
de tempo.

(ii) São mais
independentes das
características do sitio
e de aplicação menos
limitada temporalmente.
(iii) Ficam funcionais a
curto prazo.

(ii) Funcionam,
relativamente aos
agentes agressivos
como estruturas
construtivas rígidas
e não, ou pouco
deformáveis.
(iii) Não preenchem
qualquer função
biológica.
(iv) Constituem,
normalmente,
elementos estranhos na
paisagem.

As plantas apresentam, como já referido, um vasto leque de propriedades (Tab. 2) que
deverão ser tidas em consideração no processo de selecção não só das espécies, como
particularmente da combinação de espécies a instalar num determinado local e para um
determinado fim.

23

Nascentes para a Vida

Tab. 2. Características da vegetação condicionantes dos diversos efeitos (Adaptado de Mendonça e
Cardoso, 1998 e de EFIB, 2008)

No
regime e
processos
hídricos

Protecção contra a
erosão hídrica

X

Arraste superficial

X

X

X

X

X

Retenção de detritos
em enxurradas

X

Infiltração

X

X

Evaporação

X

X

X

X

X

X

X

Na protecção dos
solos

X
X

X

Desvio de fluxo

Ciclo de crescimento anual

X

Retenção da água do solo

No fluxo do
ar (vento)

Resistência das raízes

X

Abrandamento e desvio
de fluxos hídricos

Partículas em suspensão

Densidade das raízes

Profundidade das raízes

X

Flexibilidade da folhagem e ramos

X

Robustez da folhagem e ramos

Densidade da Folhagem e ramos

X

Forma e comprimento da folhagem e
ramos

Protecção contra a
precipitação intensa

Peso

Efeitos

Altura

% de cobertura superficial

Características condicionantes da vegetação

X

X
X

Arraste superficial

X

X

Protecção contra o ruído

X

X

Protecção contra a
erosão eólica

X

X

Protecção contra a
queda de pedras

X

X

X

X

X
X

X

X

X
X

X
X

X

X

X

X
X

X

Envolvência das partículas do solo pelas raízes

X

X

Encaixe e ancoragem
dos horizontes do solo

X

X

Prevenção da lavagem
de partículas finas
através de uma acção
filtrante

X

X

X

24

Nas propriedades
dos solos

Na água
subterrânea

Agregação bioquímica
das partículas do solo

X

X

Aumento do volume de
poros

X

X

X

X

Melhoria das condições
de vida dos micro
organismos

X

Formação de húmus

X

X

Evapotranspiração

X

X

X

X

Teor em água do solo

X

Drenagem interna

X
X

X

X

X

X

X

X

X
X

X

X

Sobrecarga

X

X

X

X

X

X
X

X

X

X

X

Reforço das raízes

X

X

X

X

Ancoragem

X

X

X

Contraforte

X

Cunha de raízes

X

X

Acção expansiva devido
à espessura das raízes
Compactação

X

Remoção de
substâncias
eutrofizantes
Na
qualidade
ambiental

X

X

Rede superficial

Mecânicos

X
X

Erosão

Resistência própria

X

X

Transporte

Nas características Isolamento
do maciço
Filtro

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

Filtração e acumulação
de poeiras
Absorção de ruído

X

X

Influência (moderadora)
sobre o microclima

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

Importa, contudo, saber seleccionar e combinar as diferentes espécies que garantem as
funções técnicas desejadas. Por exemplo, considerando as funções técnicas de cobertura
(para protecção contra a erosão) e de consolidação radicular, temos de distinguir as
diferentes espécies em função do tipo de aparelho superficial e radicular que desenvolvem
de modo a garantir que as diferentes funções pretendidas são preenchidas. Observando
por exemplo a fig. 3 é possível verificar que as diferentes espécies herbáceas ilustradas
se distinguem claramente em termos das referidas características. Verificamos a

Nascentes para a Vida

25

ocorrência de espécies com um enraizamento superficial denso (coincidindo muitas
vezes com um desenvolvimento da parte aérea igualmente densa que pode proporcionar
um boa cobertura do solo) e espécies com um desenvolvimento radicular profundo
(muito ou pouco ramificado), proporcionando funções de ancoragem distintas da simples
agregação da superfície do solo.

Fig. 3. Exemplos de aparelhos superficial e radicular de diferentes espécies herbáceas e arbustivas
e de como só a combinação de diferentes espécies garantirá uma densa armação e cobertura superficial e uma ancoragem profunda e resistente (cortesia Prof.ª Eva Hacker)

Procurando sistematizar estes factores de selecção das espécies e tipologias de plantas a
utilizar, a tabela 3 apresenta, de forma simplificada, para os principais tipos de vegetação
as vantagens e desvantagens técnicas a ter em consideração nesse processo.

26
Tab. 3. Adequação dos tipos de plantas para diferentes funções e aplicações de engenharia (Gray
et al. 1996)
Tipo de vegetação

Vantagens
Versáteis e baratas, elevado espectro de

Gramíneas

tolerância, estabelecimento rápido, elevada
densidade de cobertura

Caniços e juncos

Herbáceas

Leguminosas

Desvantagens
Enraizamento superficial, necessitam
de manutenção regular

Estabelecem-se bem em margens de rios e

Plantação manual dispendiosa,

lagos, crescimento rápido

obtenção difícil

Enraizamento profundo, atractivas em
relvados
Estabelecimento barato, fixam azoto,
combinam bem com gramíneas

Sementes dispendiosas, às vezes
difíceis de estabelecer, muitas
espécies morrem no Inverno
Não são tolerantes a locais difíceis

Robustos e razoavelmente baratos, muitas
espécies podem ser semeadas, cobertura
Arbustos

do solo muito significativa, enraizamento

Estabelecimento mais dispendioso e

profundo, reduzida necessidade de

por vezes mais difícil

manutenção, muitas espécies sempreverdes
Enraizamento muito significativo,
Árvores em geral

algumas podem ser semeadas, nenhuma
manutenção quando bem estabelecidas
Enraízam facilmente de estaca,

Choupos e salgueiros

versáteis, muitas técnicas de plantação,
estabelecimento rápido

Estabelecimento prolongado,
crescimento lento, dispendiosas
Necessitam de manutenção de
modo a seleccionar a forma de
estabelecimento correctivo, não
crescem de semente

Os objectivos do coberto vegetal a estabelecer ultrapassam, como atrás referido, o simples
estabelecimento de um qualquer tipo de coberto vegetal, mas referem-se à criação das
condições que garantam um número muito diversificado de funções técnicas e ecológicas.
Importa, contudo, nunca deixar de ter presente que a vegetação se encontra limitada na
sua eficiência e aplicabilidade pelos limites que lhe são colocados pelos factores de tensão
ambiental relativamente às suas características ecológicas específicas.
A estas condicionantes e limitações há ainda que acrescentar as limitações técnicas intrínsecas
(por ex. profundidade de enraizamento limitando a profundidade eficaz de estabilização,
capacidade de enraizamento em determinados substratos, ou potenciação de riscos de
instabilização ­ aumento de cargas, dinâmicas induzidas por ex. pelo vento, etc.).
Por esse motivo, ocorrem um numeroso conjunto de situações em que a vegetação, por
si só está impossibilitada de preencher todos os objectivos técnicos que se coloquem a
uma obra, imponde-se então o recurso a sistemas construtivos complementares que
complementem as funções que a vegetação não consegue, isoladamente, preencher.

Nascentes para a Vida

27

OBTENÇÃO E SELECÇÃO DAS ESPÉCIES VEGETAIS A UTILIZAR
O primeiro problema que se coloca quando consideramos o processo de instalação
da vegetação num determinado espaço é o da selecção das espécies a utilizar. Como
enquadramento incontornável desta selecção temos, naturalmente, as séries de vegetação
correspondentes à localização biogeográfica do espaço em causa e ao ecótopo específico a
criar. O elenco específico das associações vegetais correspondentes a essa série, em especial
aos seus estágios iniciais, deve constituir a orientação básica para a selecção das espécies a
utilizar.
Dentro desse elenco de espécies, e tendo as propriedades específicas de cada uma, os
critérios de selecção são múltiplos, de entre os quais se destacam:
1. Carácter pioneiro (estratégia ecológica)
2. Tipologia de propagação vegetativa e de instalação (semente, elemento vegetativo,
planta enraizada, etc.) (Tab. 4)
3.
Disponibilidade de material para propagação (facilidade de obtenção e de
estabelecimento em viveiro ou no terreno)
4. Velocidade de estabelecimento e desenvolvimento
5. Funcionalidade técnica (cobertura, tipologias de enraizamento, influência nos
balanços de nutrientes, absorção e retenção de contaminantes como metais
pesados, etc.)
6. Facilidade de manutenção
Por fim, há ainda que considerar que, para além das espécies em si, tem que se garantir
a sua adaptação genotípica e fenotípica às condições locais
No entanto, em situações particularmente extremas, onde nas diferentes associações
naturais, não seja possível seleccionar espécies que preencham as necessidades técnicas
exigidas pela intervenção de recuperação em causa, pode recorrer-se ao uso de espécies
pioneiras estranhas às associações autóctones que ajudem ao rápido estabelecimento
das comunidades-alvo, espécie que naturalmente, ou no quadro dos necessários trabalhos
de manutenção da obra, deverão ser retiradas quando já não sejam necessárias (ou
possam mesmo estar a ter um efeito contraproducente, competindo com a vegetação
natural cuja instalação propiciaram).
Um dos problemas associados ao estabelecimento ou restabelecimento da vegetação
em zonas alteradas ou degradadas tem a ver com o facto de os substratos apresentarem
deficiências físico-químicas e biológicas que condicionam as suas propriedades
estruturais, nomeadamente em termos das forças de coesão e erodibilidade.

28

Gramíneas e Herbáceas

Leguminosas

Subarbustivas

Arbustos

Árvores

Caules capazes de enraizarem adventiciamente

Caniços e juncos

Tab. 4. Materiais de construção vivos susceptíveis de utilização em obras de Engenharia Natural e
respectivas formas de instalação e propagação (adaptado de EFIB, 2008)

X

X

X

X

X

X

Partes de lenhosas capazes de enraizarem
Estacas

X

X

Hastes assentes no solo

X

X

Ramos assentes no solo
Rizomas

X
X

X

X

X

Propágulos radiculares

X

Estacas radiculares

X

X

X

X

Rebento de lenhosa

X

X

Semente germinada

X

X

Estacas enraizadas

X

X

Sementes

X

X

X

X

Inflorescências e frutos

X

X

X

X

Fenos e palhas

X

X

X

X

Plantas

X

X

X

X

Plantas de viveiro com raiz nua

X

X

Plantas em contentores

X

X

X

X

X

X

Plantas em torrão

X

X

X

X

X

X

Torrões

X

X

X

X

X

X

Mantas orgânicas vegetadas

X

X

X

X

Placas de relva

X

X

Rolos enrelvados

X

X

X

X

Solo com sementes ou placas do horizonte vegetado

X

X

X

Torrões ou Placas de Vegetação

X

X

X

X

29

Nascentes para a Vida

Por esse motivo, pode tornar-se necessário o recurso quer à adição de materiais que
melhorem as qualidades desses substratos no que toca ao estabelecimento da vegetação,
quer no que se refere à sua estabilidade estrutural, quer ainda no que se refere à sua
erodibilidade (caso de agregantes, solo orgânico ou corretores químicos), quer ainda
todas as substâncias, materiais e organismos que garantam as condições biológicas
mínimas necessárias ao estabelecimento da vegetação (caso das micorrizas) (Tab. 5).
Tab. 5. Exemplos de materiais de construção e coadjuvantes que contribuem para a estabilidade
dos substratos (adaptado de EFIB, 2008)
Materiais naturais inertes

Materiais naturais transformados

Blocos de pedra

Telas de Juta, coco, palhas sisal, etc.

Hidrogel

Cascalho

Lã de madeira

Agregantes sintéticos

Areão

Fertilizantes e estrumes

Emulsões betuminosas

Areia

Alginatos

Argila

Celulose

Turfa

Micorrizas

Solo orgânico

Betão

Palha

Metal (redes, arame, etc.)

Materiais sintéticos

Feno

PRINCIPAIS TIPOS DE TÉCNICAS DE ENGENHARIA NATURAL
As metodologias de estabelecimento da vegetação são extremamente variadas
classificando-se em três grandes grupos:
· Técnicas de estabelecimento da vegetação (Tab. 6, Fig 4)
Técnicas de cobertura. São técnicas destinadas a evitar a erosão superficial.
écnicas de estabilização. Estas técnicas permitem estabilizar o terreno até
T
2m de profundidade baseiam-se na disposição de plantas lenhosas obtidas por
reprodução vegetativa colocada em filas horizontais. As plantas têm que ter a
capacidade de emitir raízes adventícias de modo o originar um entrançado que
permita a armação e estabilização do terreno.

30
Tab. 6. Exemplos de técnicas de instalação da vegetação (adaptado de EFIB, 2008)
Técnica

Cobertura

Sementeira a lanço

X

Sementeira hidráulica

X

Sementeira de cobertura (com mantas)

X

Sementeira de feno

X

Mulch seco de cobertura

X

Estabilização

Estacas

X

Pentes vivos e paliçadas

X

Plantação de ramos enraizados
Cobertura de ramos

X
X

X

Fascinas

X

Entrançados

X

Leitos de ramagens

X

Plantação de rizomas

X

Plantação de lenhosas

X

Leitos de plantas enraizadas

X

Plantação de torrões

X

Estacas de raízes

X

Cobertura com rolos e placas de relva

X

Cobertura com horizonte vegetal

X

Plantação de Placas com vegetação

X

·Técnicas combinadas (Tab. 7, Fig 5) Estas técnicas, ao contrário das anteriores
conjugam a utilização de elementos vegetais com materiais inertes como: madeira,
aço galvanizado, pedra, betão. Nestas técnicas, os materiais inertes actuam como
estabilizadores até que as plantas, através das suas raízes, sejam capazes de realizar
esta função.
·Técnicas complementares. Junto com as técnicas construtivas propriamente ditas,
devem-se utilizar outras técnicas que completam e complementam as anteriores mas
que não cumprem um objectivo de estabilização ou de protecção contra a erosão. É o
caso da plantação de espécies lenhosas com o objectivo de acelerar o desenvolvimento
da sucessão e do coberto vegetal, a criação de barreiras sonoras, as drenagens, etc.

31

Nascentes para a Vida

Fig. 4. Exemplos de técnicas de instalação da vegetação

Tab. 7. Exemplos de técnicas de construção que, combinadas com os sistemas construtivos vivos
asseguram estruturas combinadas de maior eficácia (adaptado de EFIB, 2008)
Técnica

Cobertura

Enrocamento

X

Colchões de gabião

X

Muros de pedra seca

X

Cobertura com agregante do solo

X

Cobertura com mantas

X

Cobertura com mulch

X

Estacas e ancoragem
Redes

X
X
X

Muro tipo "Cribwall" de madeira
Grade de madeira

X
X

X

Estacaria

X
X

Fascinas
Mantas orgânicas

X

X

Gabiões
Terra armada com geotexteis

Estabilização

X
X

32

A combinação de uma ou mais técnicas permite a maximização dos objectivos técnicos
(estabilização, cobertura) com objectivos de natureza estética, de conservação da
natureza ou de segurança ambiental (protecção contra o ruído, filtração de poluentes
atmosféricos, etc.).

Fig. 5. Exemplos de técnicas combinadas

A selecção das técnicas mais adequadas para deve, portanto, obedecer a critérios claros
como os que se procuram sintetizar nas matrizes de decisão constantes das tabelas
9 (para intervenções em meios hídricos) e 12 (para obras de prevenção da erosão e
de estabilização de taludes e encostas), sendo que a adequação destas técnicas para a
resolução de problemas de estabilidade de taludes e encostas está ilustrada na Tab. 8.

33

Nascentes para a Vida

Tab. 8. Adequação das técnicas de Engenharia natural à resolução de problemas de estabilidade de
taludes e encostas (Rauch, H.P. 2009 (com. pessoal)

rocha não
consolidada

Desmoronamento
de rochas

material não
consolidado,
rotacional

Deslizamento
rotacional

material não
consolidado,
translacional

Deslizamento
translacional

1

1

3

3

3

3

3

3

3

3

Fluxo de solo
Fluxo de lama

1

1

2

3

1

1

2

3

Fluxo de calhaus

1

1

2

3

Rastejamento de
terra

2

2

3

Rastejamento

Rastejamento
de solo

2

2

3

1

2

2

2

2

2

rápido

Influência
predominante da água
do solo, do gelo e da
neve

Influência
predominante da chuva
e de escoamentos
ocasionais de
precipitação

2

Escorregamento

Fluxo

Influência
predominante da chuva
e de escoamentos
concentrados de
precipitação

Função de
drenagem técnica

Despenhamento

Funções de estabilização necessárias
Função de
drenagem biológica

Processo

Função de armação
200 N/m2

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

< 100 N7m2

X

X

0 ­ 1 m/s

X

X

Técnicas construtivas pontuais

X

Técnicas construtivas lineares

> 3 m/s

X

1 ­ 3 m/s

Construções de elevada rugosidade -------------------------- Construções de baixa rugosidade

Construções pontuais

Construções lineares

Placas de Relva

Técnicas construtivas superficiais

Técnica construtiva
Relvado

Medidas de segurança

Classif.

Medidas estruturais

Função e eficácia

Resistência
à tensão de
arraste

X

Entrançados

X

Fascinas

X

Esteira de ramos

X

Degraus vivos de consolidação de taludes da
margem

X

X

X

X

Degraus vivos de consolidação da base da
margem

X

X

X

X

X

X

Fascinas

X

X

X

X

X

X

X

X

Parede de Fascinas

X

X

X

X

X

X

X

X

Fascinas sobre faixas de vegetação

X

X

X

X

X

X

Muro armado de geotextil com faixas de
vegetação

X

X

X

X

X

X

Muro de madeira "Cribwall" simples

X

X

X

X

X

X

X

Muro de madeira "Cribwall" duplo

X

X

X

X

X

X

X

Gabião

X

X

X

Rede

X

X

Deflector / Esporão

X

X

X

X
X

X

X
X

X

X

X
X

X

Feixes de ramos

X

X

X

Entrançado de ramos mortos

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

Fascinas no talude da margem
Geotextil cobrindo a margem em talude
Geotextil com estacaria viva

X

X
X

Árvores para protecção de margens

X

Tocos enraizados

X

Estacas de salgueiro em enrocamento

X

Estacas de salgueiro em no talude da margem

X

Plantas lenhosas enraizadas

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X
X

X

X

X

MEIOS TERRESTRES
Os meios terrestres colocam desafios muito diversificados em termos da sua gestão e da
promoção dos seus valores e funções naturais. Estes desafios assumem essencialmente
duas formas:

44

· Prevenção e correcção da degradação do solo e da instabilidade das encostas e
taludes.
· Preservação e recuperação da funcionalidade natural, garantindo a maior segurança
e eficácia dos usos do território, sejam eles humanos ou naturais.
TALUDES E ENCOSTAS
Os problemas associados a estes meios específicos prendem-se essencialmente com dois
tipos de processos (Fig. 6): Erosão superficial e Movimentos de Massa (escorregamentos
e aluimentos).
Degradação de taludes
e encostas
Erosão
superficial

Movimentos
de massa

Arranque e transporte
de partículas individuais

Movimentos de grandes
massas de solo longo de
um plano de falha

Equação Universal de
Perda de Solo

"Declive Infinito" ou análise
circular de arco

A = R * K * LS * C

F * S = A Tan f' / Tan b + B * c' / g * H

Erodibilidade
K = f (D50, Cu, %org)

Força de atrito
S = c * s Tan f

Intercepção
Contenção
Retardamento
Infiltração

Reforço
Remoção de humidade
Compressão
Contenção

Herbácea
Ervas e arbustos rasteiros,
raízes densas superficiais
e boa cobertura da superficie pela folhagem

Lenhosa
Arbustos e árvores com
sistemas radiculares fortes
de desenvolvimento vertical
profundo.
Elevado rácio raízes/ramos

PROCESSOS:

MODELOS
PREDITIVOS
OU FÍSICOS

PROPRIEDADES
RELEVANTES
DO SOLO

PAPEL PRODUTOR
DA VEGETAÇÃO

VEGETAÇÃO
MAIS EFICAZ

Fig. 6. Factores de degradação de taludes e encostas e efeito protector e correctivo da vegetação
(Coppin e Richards, 1990)

Por seu lado, erosão superficial (associada à chuva) é uma função dos seguintes
factores:

Erosão pela chuva = f

{

Clima - intensidade e duração da chuvada
Solo - erodibilidade inerente
Topografia - comprimento e declive da encosta
Vegetação - tipo e grau de cobertura

Nascentes para a Vida

45

Neste quadro, a prevenção e correcção desta só podem ser conseguidas agindo ao
nível do solo (aumentando a sua coesão e resistência estrutural à acção erosiva da gota
de água), reduzindo os declives e o comprimento dos trajectos de escoamento livre,
reduzindo a energia desses escoamento e a sua decorrente capacidade de arranque
e transporte e, finalmente, garantindo uma cobertura eficaz do solo protegendo-o da
acção das gotas de chuva.
A vegetação, através do seu aparelho aéreo (que amortece e desvia as gotas de chuva e
que aumentando a rugosidade da superfície da encosta retarda o escoamento e retiralhe energia), do seu aparelho radicular (que arma e estrutura e solo (particularmente nos
estratos superficiais mais susceptíveis à erosão e particularmente no caso das herbáceas
com relevo para as gramíneas) e através da dinamização dos processos orgânicos e
microbiológicos do solo (contribuindo para a humificação e a formação de compostos
orgânicos estruturantes das partículas de solo) tem um papel incontornável e sempre
crescente na prevenção e correcção dos processos erosivos.
Importa ainda referir, em termos das abordagens de Engenharia Natural, que na
prevenção e controle da erosão ainda têm de ser referidos os sistemas vivos ou inertes
que actuam sobre os factores de declive e comprimento (incluem-se aqui todos os
sistemas lineares de drenagem e de estruturação da superfície da encosta (entrançados,
fascinas, grades de vegetação, etc.)) assim como os sistemas que permitem o controle
do ravinamento e a recuperação dessas mesmas ravinas e que actuam essencialmente
reduzindo ou retendo o escoamento e propiciando a sedimentação.
A vegetação mais adequada para estas funções é, naturalmente aquela que garante uma
cobertura superficial mais densa e contínua e uma combinação de um raizame muito
denso capaz de uma boa e resistente armação do solo combinado com um raizame
profundante capaz de uma ancoragem dos horizontes superficiais (pelo menos 50 cm).
A presença de leguminosas é muito importante, não só pela natureza ancorante do
seu aparelho radicular, como pelas suas funções simbióticas de fixação de azoto que
contribuem para um aumento da fertilidade de solos normalmente muito pobres.
Mas não é só a vegetação herbácea que contribui para a prevenção e correcção da erosão
superficial, já que a vegetação lenhosa, ao garantir igualmente funções de cobertura,
retardamento do escoamento e armação do solo (em particular as espécies com
aparelhos radiculares densos superficiais e sub-superficiais), são também importantes
"materiais de construção" nestas áreas de intervenção técnica.
Já no que se refere aos movimentos de massa (escorregamento e aluimentos) o factor
crítico tem a ver com a força de atrito interno do material () o qual é função da coesão
(c) do material, da tensão vertical a que está sujeito () e do ângulo de atrito específico
do material () (Tab. 10):

46
Tab. 10. Causas de rotura em taludes e encostas (extraído de Coppin e Richards, 1990)
Aumento da tensão de ruptura

Redução das forças de resistência à ruptura

1.
Sobrecarga do talude e encosta (estruturas ou
aterros no coroamento)

1. Aumento da pressão intersticial de água reduzindo
as forças de coesão internas (infiltração devido a
tempestades ou drenagem insuficiente, variação da
pressão da água intersticial devido a sismos)

2. Remoção do suporte lateral (cortes e escavações
na base do talude ou encosta)
3. Mudanças rápidas do nível da água adjacente ao
talude ("afundamento súbito")
4. Aumento das tensões laterais (fendas e fissuras
preenchidas com água)
5. Cargas devidas a tremores de terra (aumento nas
forças de desestabilização horizontais e verticais)

2. P
resença de argilas expansivas (absorção de água
com a resultante redução da coesão intrínseca)
3.Meteorização e degradação físico-química (troca
iónica, hidrólise, dissolução, etc.)
4.
Ruptura progressiva por redução crescente das
forças de resistência internas

A correcção destes factores de risco pode ser muito significativamente auxiliada pela
vegetação de per si ou complementarmente a outras técnicas construtivas.
Estas acções correspondem essencialmente aos seguintes efeitos proporcionados pela
vegetação (Fig. 7):
· Efeitos benéficos
Reforço radicular: as raízes reforçam mecanicamente o solo pela transferência
da tensão de ruptura para a resistência tênsil das raízes
Redução da humidade do solo ­ A evapotranspiração e a intercepção pode
limitar o aumento de uma pressão positiva nos poros do solo (determinando a
redução do valor de coesão)
Escoramento e ancoramento ­ os ramos e raízes enterrados podem funcionar
como estruturas de escoramento e ancoramento que contrariem as forças de
ruptura paralelas ao plano da encosta
Sobrecarga ­ O peso da vegetação pode, em certas circunstâncias, aumentar a
estabilidade através de um aumento da força coesiva na superfície de falha
· Efeitos adversos
Aumento de cargas externas e riscos decorrentes do derrube em situações de tempestade
(são resolúveis com uma adequada manutenção)
Concretizando melhor esta acção temos que ela se materializa ao nível da contribuição
das raízes para a resistência ao corte (Fig. 8) a qual decorre da sua capacidade de
ancoragem associada á resistência específica de cada tipo de raiz à ruptura e do aumento

Nascentes para a Vida

47

Fig. 7. Efeitos da Vegetação num talude (Coppin e Richards, 1990)

da coesão interna do solo devido Ao efeito de armação do solo e à influência sobre a
humidade de mesmo.
Considerando as técnicas específicas de Engenharia Natural da intervenção no sentido da
prevenção e correcção das situações associadas a movimentos de massa, estas incluemse predominantemente no grupo das técnicas de estabilização. A opção por métodos
exclusivamente vivos, por métodos combinados ou por métodos exclusivamente inertes
prende-se com dois factores principais: o risco associado à ruptura do talude e encosta
e a susceptibilidade dos mesmo a essa ruptura (Tab. 11).

Fig. 8. Ilustração do efeito de aumento da resistência ao corte propiciado pelas raízes da vegetação
(adaptado de Coppin e Richard, 1990)

48

A selecção das técnicas mais adequadas deve, portanto, obedecer a critérios claros como
os que se procuram sintetizar na matriz de decisão constante da Tab. 12.
RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS
A Engenharia Natural contribui para a problemática da recuperação destes diferentes
espaços (degradados) através da sua abordagem integrada (e integrante em termos
das distintas capacidades profissionais e técnicas necessárias) que procura conjugar as
abordagens construtivas focalizadas e baseadas nos sistemas vivos com os sistemas
construtivos e os materiais inertes numa perspectiva não só de consolidação e
protecção ou de enquadramento estético, mas também de reenquadramento ecológico
e funcional.
A abordagem ao problema da intervenção nestes espaços começa com a caracterização
do contexto de intervenção, os seus objectivos, as condicionantes ambientais existentes
ou que irão ser originadas, permitindo uma identificação clara das condições ambientais
que existem ou irão ser originadas e os condicionalismos que colocam ou irão colocar ao
estabelecimento da vegetação e das formações vegetais pretendidas. No caso concreto
dos espaços associados a explorações de inertes eles correspondem na imensa maioria
dos casos a espaços com condições edafo-climáticas extremas que exigem, logo à
partida, de forma a permitir qualquer tipo de instalação de vegetação, intervenções de
grande intensidade no sentido da criação de substratos susceptíveis de permitir essa
instalação.
Essas intervenções envolvem não só a importação e disposição de solos, como a
melhoria das condições estruturais, físicas, químicas, hídricas e nutricionais dos
substratos porventura existentes ou remanescentes, como ainda a associação entre
esses substratos importados e os materiais subjacentes de modo a evitar soluções de
continuidade. Associadamente importa verificar da necessidade de regulação dos fluxos
afluentes ou incidentes à(s) área(s) de intervenção, sejam eles hídricos (superficiais ou
subterrâneos) ou aéreos, evitando que esses fluxos condicionem ou ponham em causa a
instalação da vegetação. O mesmo pode ser dito relativamente a condicionantes como
a radiação incidente.
Esta avaliação implica, obviamente, o envolvimento dos diferentes especialistas temáticos
de modo a caracterizar detalhadamente as condições ambientais existentes e a poder,
consequentemente identificar, em função dos objectivos da intervenção, quais as plantas
susceptíveis de serem utilizadas e quais as técnicas de instalação e de complemento
estrutural e ecológico.

49

Nascentes para a Vida

Tab. 11. Tipologias de métodos construtivos a aplicar por cada tipo de problemas e factores de risco
(Coppin e Richard, 1990)

Muros de pequena a média
dimensão (pedra, alvenaria,
Muros de retenção
betão préfabricado, muros
combinados com
em grade tipo "Cribwall"
plantação da vertente em madeira ou betão com
vertente supra jacente
plantada e vegetada

Controle da erosão devida à
precipitação, da erosão em
sulcos e do ravinamento.
Controle dos movimentos
translacionais superficiais

na

Baixa

Controle da erosão hídrica
e eólica
isolamento

Média

Sementeiras de herbáceas
Relvados plantados e
reforçados com geotextil
Árvores e arbustos
Entrançados e fascinas
Lenhosas usadas
Estacaria
como reforço e como
Plantação em linhas
barreiras contra o
Faixas de vegetação
movimento do solo
Paliçadas
2- Construções combinadas
Placas de relva, sementeiras
de herbáceas e transplantes
de arbustos.
Revestimentos vegetados
Plantações
(rip-rap, alvenaria, grades,
convencionais com
gabiões, mantas, blocos,
geotexteis. Plantas
redes).
lenhosas instaladas
Aterros reforçados com
em interstícios de
geotexteis vegetados e com
construções de
"pregamentos" de estacas.
pequena a média
Muros de retenção vegetados
dimensão ou em
(grades (Cribs) abertas,
intervalos de
gabiões, muros em módulos
estruturas lineares
préconstruidos, muros
armados com geotextil,
armações de redes soldadas,
de madeira ou de betão préformado.

Plantação e
sementeira
convencionais

Elevada

1- Construções vivas

Baixa

Função

Média

Método

Elevada

Consequências da ruptura do talude ou
encosta (*)
Importante
Pouco Importante
Estabilidade do talude e encosta sem
protecção

na

na

na

na

Protecção contra a erosão
devida ao escoamento
superficial e subsuperficial.
Controle de movimentos
de massa superficiais e
resistência a tensões baixas
a moderadas.
Barreiras contra
desmoronamentos rochosos.
Barreiras ambientais.
Controle e retenção
de avalanches e
desmoronamentos Redução
da manutenção e aumento
do tempo de serviço /
eficácia.

na

Controle da erosão em
taludes de corte e aterro
"descalçados" por obras de
alargamento rodoviário ou
ferroviário, etc.
Redução do declive ou
comprimento do talude.
Melhoria da drenagem do
talude e do acesso para
manutenção

na

50
3 - Construções inertes

Estruturas
convencionais com
"bolsas" de vegetação

na

Muros de gravidade
Muros cantilever
Muros de terra armada
Muros pré-fabricados

Controle de movimentos
de massa por planos de
instabilidade profundos e
sujeitos a tensões do maciço
muito elevadas.
Retenção de aterros tóxicos
ou agressivos
Barreiras contra
desmoronamentos

Abordagem adequada
Abordagem adequada mas provavelmente demasiado conservativa ou custosa
Não adequado

(*) As consequências de uma ruptura dependem do risco de vida e de propriedade associados à integridade do talude

Particularmente problemáticos são os ambientes onde existem poucas ou nenhumas espécies
capazes de preencher as exigências técnicas das intervenções projectadas (por exemplo
capazes de produzir raízes adventícias ou com uma estratégia ecológica que permita uma
rápida instalação e propicie um igualmente rápido desenvolvimento de um coberto denso
e sustentável). Nestas circunstâncias deve-se procurar combinar técnicas de apoio ao
estabelecimento da vegetação (como é o caso de regas ou de barreiras de amortecimento do
vento) com a eventual utilização de espécies alóctones que propiciem condições favoráveis ao
estabelecimento complementar das espécies autóctones que são o alvo da intervenção.
Estas tipologias de (re)construções de substratos vegetáveis, pela própria natureza de
cada um dos novos espaços criados (como por exemplo ausência de matéria orgânica,
défice em nutrientes (caso de muitos areeiros), presença de substâncias fitotóxicas (caso
de muitas explorações de substâncias metálicas e respectivas escombreiras), declive
dos materiais, incapacidade de e enraizamento do substrato rochoso (tão frequente em
pedreiras de rochas carbonatadas), insuficiente disponibilidade hídrica (xericidade do meio
ou reduzida capacidade de retenção dos novos substratos), para citar apenas alguns dos
mais frequentes), implicam a necessidade de recorrer a técnicas específicas de gestão
das limitações do meio e de gestão dos processos de estabelecimento da vegetação que
contribuam para o sucesso dos processos de recuperação desses espaços.
Justifica-se igualmente a realização de ensaios modelares, de modo a testar diferentes
alternativas técnicas e garantir antecipadamente uma maior eficiência técnica e
económica da intervenção global ­ note-se que este tipo de experiências é perfeitamente
compatível com o horizonte temporal particularmente longo que as intervenções em
espaços deste tipo exigem. Refira-se que estes ensaios se referem não só às formas
de instalação da vegetação como a modelação do terreno, tipos de substrato e sua
preparação, sistemas construtivos complementares, etc.
Todas as intervenções têm, obviamente de seguir as normas construtivas nacionais e
internacionais em vigor e respeitar as exigências ecológicas associadas à salvaguarda
da biodiversidade específica e genética local, controlando apertadamente o risco de
disseminação descontrolada de espécies ou genótipos alóctones.

51

Nascentes para a Vida

Sementeiras e outros
métodos de instalação

Consolidação de encostas e taludes

da vegetação

Plantação de encostas
e taludes

3

3

1

2

3

3

1

2
2

Sementeira com Mulch

3

3

1

Sementeira com mantas

3

3

1

2

Placas e rolos de relva

3

3

1

2

Aplicação de terra vegetal

3

3

1

2

Plantação ao covacho

1

2

3

2

Plantação em esquadria

1

2

3

2
2

Plantação em valas ou terraços

1

2

3

Plantação em cordão

1

2

3

2

Plantação em linhas

1

2

3

2

2

2

2

de encostas
Consolidação da
instabilidade até 0,2 m

Consolidação da
instabilidade até 2 m
de profundidade

barrancos

Obras longitudinais

Obras transversais

Funções de armação < 2 m

0,2 m

Funções de armação <

técnica

Função de drenagem

biológica

Função de drenagem

Sementeira a lanço
Hidrosementeira

Drenagem por ramos
Métodos de drenagem

de profundidade

Consolidação de ravinas e

superfície

Função de protecção da

Tab. 12. Matrizes de decisão para intervenções em meios terrestres (adaptado de Hacker, 2009)
(1 ­ mínimo a 3 ­ máximo)

3

Fascinas de drenagem

3

Valas de infiltração

3

Canais de drenagem

3

Fascinas

1

3

1

Barreiras de erosão vegetadas

1

3

1

1
1

Grades vivas

2

3

1

1

Muro tipo Cribwall em madeira plantado

1

3

1

Muro tipo Cribwall em betão plantado

1

3

1

Muro de pedra seca plantado

1

3

1

Gabiões plantados

1

3

1

Terra armada

1

3

1

Faixas de vegetação (ou de ramagens)

2

3

2

Árvores mortas de protecção

2

Consolidação de ravinas com ramagem viva

2

Canais enrocados vegetados

1

1

1

3

Canaletas vegetados em pedra

1

1

1

3
3

Canaletas vegetados em madeira

1

1

1

Paliçadas vivas

1

2

1

Degraus vivos

1

2

1

Açude de madeira plantado

1

2

1

Açude de pedra plantado

1

2

1

Açude de gabião plantado

1

2

1

A generalização da investigação de base neste domínio técnico referida a estes espaços
com problemáticas particulares tem, paralelamente de ser intensificada e generalizada, de
modo a poder fundamentar mais consolidadamente as futuras intervenções. Neste quadro,
qualquer intervenção deve ser acompanhada de um programa intensivo de monitorização,

52

não só para os fins internos de optimização das práticas construtivas e de manutenção
como para a criação de um corpo doutrinal diversificado e consistente.
Importa igualmente desenvolver todo o domínio da produção vegetal de espécies
autóctones com características biotécnicas, diversificando não só a oferta de espécies,
como garantindo a sua proveniência genética e a sua adequação fenotípica aos objectivos
das obras de Engenharia Natural.
ESPAÇOS FLORESTAIS
A floresta não pode continuar a ser vista apenas como produtora de bens, mais ou
menos insuficientemente retribuídos. Os seus serviços têm urgentemente de passar
a ser contabilizados e adequadamente retribuídos, afirmando definitivamente a
multifuncionalidade desses espaços e os inúmeros potenciais que ainda estão por
concretizar plenamente.
De que funcionalidades estamos a falar?
· De funções de regulação como:
Regulação do escoamento superficial
Regulação da infiltração e da recarga dos aquíferos
Regulação da erodibilidade e da erosividade
Regulação microclimática
· De funções metabólicas como:
Retenção de CO2
Enriquecimento dos solos em Matéria Orgânica
Regularização química dos solos
· De funções de suporte como:
Estabilização de terrenos
Criação de habitats para a vida selvagem
Criação de espaços de recreio e lazer
ompartimentação e criação de espaços produtivos multifuncionais (por exemplo:
C
apicultura, cogumelos, plantas aromáticas, silvo-pastorícia e criação extensiva de gado)
Este enunciado evidencia o conjunto de serviços e produtos associados às florestas que
importa gerir e valorizar, garantindo, para tal a adequada remuneração não só de alguns
produtos, mas essencialmente dos diferentes serviços.

Nascentes para a Vida

53

De facto a gestão dos recursos hídricos, pelos problemas de escassez e de difícil garantia
da qualidade exigem que, no futuro, todos os contributos para a sua regularização e
salvaguarda da sua disponibilidade e qualidade sejam devidamente remunerados. As
florestas de produção e protecção enquadrantes das bacias de captação terão neste
domínio uma função predominante.
Da mesma forma, funções como a fixação de CO2, regularização química, regulação
microclimática, recreio e lazer são funções que terão de constituir fontes de rendimento
para os proprietários florestais.
Só dessa forma poderá ser garantida a adequada condução das diferentes florestas e as
necessárias funções de vigilância e prevenção de incêndios, assim como a aproximação
dos cidadãos ao espaço florestal como o espaço multifuncional que ele realmente é.
Estes objectivos implicam novas formas de abordagem da gestão dos espaços florestais,
salvaguardando aqueles que têm uma função essencialmente de produção dos que exercem
funções predominantemente de protecção ou salvaguarda de recursos ou funções naturais.
Todos têm de ser adequadamente geridos e as suas funções e produções remuneradas.
É esse desafio de uma abordagem integrada e cooperante à gestão florestal que importa
encarar, como única via para a garantia da sustentabilidade de um sector que apesar
do seu peso económico, apresenta um potencial de desenvolvimento muito maior, se os
actuais erros de gestão forem corrigidos.
PREVENÇÃO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS
No domínio da prevenção de incêndios florestais há duas situações a considerar:
· Minimização dos impactes associados às faixas de gestão de combustíveis;
· Escolha de espécies de elevada resistência e resiliência ao fogo.
Um dos pontos fundamentais centra-se na necessidade de dotar os espaços florestais
das características e infra-estruturas necessárias para a minimização da área ardida e
consequentes danos ecológicos e patrimoniais. Nesta rede de defesa da floresta (Fig. 9),
constituída por um conjunto de redes sectoriais, salientam-se as faixas e mosaicos de
parcelas de gestão de combustível.
Por faixa de gestão de combustível entende-se, uma parcela de território onde se
garante a remoção total ou parcial de biomassa florestal, através da afectação a usos
não florestais e do recurso a determinadas actividades ou a técnicas silvícolas, com o
objectivo principal de reduzir o perigo de incêndio.
A remoção total de vegetação pode potenciar a erosão do solo em determinados locais
em que não seja possível promover a alteração de usos. Desta forma, esta situação só
será minimizada através do recurso a barreiras físicas, ou em alternativa ao uso de
vegetação que deverá ter as seguintes características:

54

Fig. 9. Esquema geral da organização do território na óptica da prevenção contra incêndios florestais (Colin et al., 2001)

A. Utilização de espécies de regeneração vegetativa, as espécies de regeneração
por semente são acumuladoras de combustível, e as áreas por elas dominadas
correm o risco de regredir face a incêndios recorrentes. As espécies de regeneração
vegetativa são muito resilientes ao fogo.
B. Espécies resistentes ao fogo, a resistência ao fogo está relacionada com a
inflamabilidade da espécie, que é determinada pela estrutura da planta, proporção
de biomassa morta, teor de humidade e presença de substâncias voláteis. O
Rhamnus alaternus, a Pistacia lentiscus e o Asparagus aphyllus são exemplos de
espécies com baixa inflamabilidade.
C. Instalação de povoamentos de folhosas caducifólias, mistos e que conservem
a humidade edáfica.
RECUPERAÇÃO DE ÁREAS ARDIDAS
As consequências mais evidentes que se podem observar depois de um incêndio florestal
são os danos no coberto vegetal. Menos visíveis são os impactes dos incêndios florestais
sobre as funções de protecção e regulação dos ecossistemas (Fig. 10).

Nascentes para a Vida

55

Fig. 10. Principais causas e impactes dos incêndios florestais

Os principais objectivos da recuperação de áreas ardidas no Mediterrâneo são:
1. Conservação do solo, como recurso primário que está sujeito a processos de
degradação após o fogo, e a regulação do ciclo hidrológico;
2. Melhoria da resistência e da resiliência dos ecossistemas ao fogo, considerando
que o fogo é uma constante ecológica, e que a probabilidade de novas ocorrências
é muito elevada;
3. Promoção de florestas estáveis, em particular as florestas de folhosas, em
acentuado declínio por diferentes factores.
A recuperação de áreas ardidas envolve, tradicionalmente e para os sistemas florestais
de silvicultura não intensiva, três fases distintas:
1. A primeira, muitas vezes designada como de "intervenção" ou "estabilização de
emergência", decorre logo após (ou ainda mesmo durante) a fase de supressão do
incêndio e visa não só o controlo da erosão e a protecção da rede hidrográfica, mas
também a defesa das infra-estruturas e das estações, e habitats mais sensíveis;
2. Segue-se uma fase de "reabilitação", nos dois anos seguintes, em que se procede,
entre outras acções, à avaliação dos danos e da reacção dos ecossistemas, à recolha
de salvados e, eventualmente, ao controlo fitossanitário, a acções de recuperação
biofísica e mesmo já à reflorestação de zonas mais sensíveis;
3. Na terceira fase são planeados e implementados os projectos definitivos de
recuperação/reflorestação, normalmente a partir dos três anos após a passagem
do fogo.
A integração de Técnicas de Engenharia Natural nas intervenções de curto prazo têm
como objectivo permitir o sucesso de outras intervenções de médio e longo prazo na
recuperação de áreas ardidas.

56

No processo de análise e decisão, deve ser integrada informação sobre a capacidade
regenerativa do local, o risco de degradação potencial do solo e da qualidade da água,
a conservação de espécies e habitats, e a protecção fitossanitária dos povoamentos
florestais e controlo das espécies invasoras.
A importância e a urgência da intervenção na recuperação das áreas ardidas têm sido
reconhecidas, especialmente devido aos novos padrões de ocorrência dos incêndios
florestais, em maior extensão, intensidade e severidade. A legislação específica também
inclui como objectivos operacionais a avaliação e mitigação dos impactes causados pelos
incêndios e a implementação de estratégias de reabilitação dos ecossistemas a curto,
médio e longo prazo.
INTERVENÇÕES DE CURTO PRAZO EM ÁREAS ARDIDAS: CONTROLO DA EROSÃO E REGULAÇÃO HIDROLÓGICA
Os impactes potenciais de curto prazo originados pela passagem de um incêndio
florestal são a erosão, a alteração física e química dos solos, a diminuição da capacidade
de infiltração da água, bem como a redução do tempo de concentração, e o consequente
aumento do risco de desabamento ou deslizamentos de terra.
Os objectivos das intervenções de curto prazo em áreas ardidas devem centrar-se
na minimização dos riscos associados à perda de solo e do potencial produtivo local,
diminuição do escoamento superficial e redução da deterioração da qualidade da água.
As primeiras intervenções devem ser feitas imediatamente após o incêndio e incluem:
a) Utilização de madeira queimada, de árvores ardidas, para construir barreiras que
retardem o escoamento (log-dams) nas linhas de drenagem naturais ou ravinas
para aumentar a rugosidade e a redução da energia do escoamento e retenção do
solo;
b) Abertura de valas de drenagem;
c) Aplicação de uma cobertura com resíduos orgânicos (mulching);
d) Sementeiras de emergência;
e) Sementeira + Mulching ­ reduz a escorrência superficial e as taxas de erosão
durante os primeiros dois anos após o incêndio.
As primeiras intervenções devem ser feitas imediatamente após o incêndio, recorrendo a
materiais ardidos de maior calibre, como por exemplo a colocação de ramos queimados
perpendicularmente ao máximo declive, apoiados por cepos das árvores abatidas,
de forma a contrariar a erosão do solo (Fig. 11). Outra abordagem é a colocação das
árvores ardidas nas linhas de drenagem e possíveis ravinas, gerando uma rugosidade
que permite a redução da energia do escoamento e a retenção de solo (Florineth, com.
pessoal, 2009).

Nascentes para a Vida

57

No entanto, outras técnicas podem ser consideradas, dependendo da avaliação dos riscos
associados, como a abertura de valas no sentido das curvas de nível e sua associação a
sistemas de drenagem com material orgânico (fascinas).

Fig. 11. Pormenor de barreiras contra a erosão utilizando madeira queimada (Gross et al., 1989) e
do uso de árvoras queimadas para prevenir erosão ravinar (Florineth, 2004)

A construção de pequenas represas que permitam a infiltração da água no local e
retenção de minerais, a utilização de sementeira aérea ou terrestre para permitir uma
mais rápida cobertura do solo com material vegetal e assim diminuir a perda de solo, até
estruturas de suporte e estabilização de taludes como os muros de vegetação, são ainda
técnicas a ter em consideração nas intervenções de curto prazo.
Quando se opte pela sementeira de emergência, seja a lanço, aérea ou hidrossementeira,
a selecção de espécies revela-se um factor de extrema importância. Esta selecção deve
ser feita de acordo com as limitações ecológicas do local, a vegetação potencial natural,
a capacidade das espécies para uma rápida colonização, a estrutura radicular, entre
outros factores. O recurso à sementeira pós-fogo também se pode justificar para a
prevenção da colonização de plantas exóticas, todavia o recurso a esta técnica apenas
parece ser viável para plantas anuais.
O mulching permite a rápida cobertura do solo durante o primeiro ano após o fogo onde
os fenómenos de erosão tendem a ser maiores, e o aumento da retenção de humidade
no solo. Pode ainda recorrer-se a novas técnicas no controlo da erosão, entre as quais o
uso da poliacrilamida, que é um polímero orgânico, mas que se revela muito dispendioso
em termos económicos.
Embora a eficácia das técnicas de curto prazo de minimização dos impactes pós-fogo
ainda não tenham sido amplamente estudadas a médio e longo prazo, parece ser
evidente que as consequências de longo prazo resultantes da inexistência de uma cultura
de intervenção nas áreas ardidas serão sempre de difícil resolução. Justifica-se assim a

58

análise e discussão no sentido de avaliar as técnicas mais adequadas para a minimização
de impactes decorrentes dos incêndios florestais, que permitam a criação de condições
para a recuperação dos sistemas biofísicos afectados, e evitem a perda do potencial
produtivo dos locais, a diminuição do seu valor ecológico, e o consequente abandono.
CONSERVAÇÃO DA NATUREZA
Numa paisagem natural, todos os biótopos terrestres e aquáticos encontram-se associados
segundo transições suaves (ecotones). Tais transições são constituídas por estruturas
ecológicas semelhantes, devidamente escalonadas, por exemplo em termos de características
pedológicas ou ecoclimáticas, ou em termos de comunidades bióticas (sucessão).
Tais transições definem-se não só em termos perpendiculares (por exemplo hidrosérie:
linha de água, margem, várzea, encosta), como também longitudinais (ribeiro, rio,
estuário, mar) e apresentam sempre um equilíbrio e uma auto-sustentção que asseguram
a perenidade da sua existência.
O sistema de ligação ecológica processa-se entre biótopos iguais ou semelhantes,
gerando um inter-relacionamento ecológico intenso, protagonizado por trocas de
animais ou de plantas ou por contactos directos entre habitats.
Outra forma de ligação são as próprias teias alimentares e funcionais entre os diversos
indivíduos animais ou vegetais.
A humanização da paisagem ocasionou alterações mais ou menos radicais desta estrutura,
quebrando muitos dos elos destas redes, colocando pois em causa a viabilidade dos biótopos
isolados e do sistema por eles formado. A reconstrução duma tal rede é pois a tarefa mais
premente de uma política de Conservação da Natureza.
Em todos os trabalhos de planeamento e intervenção no espaço é essencial a realização
de estudos e levantamentos ecológicos pormenorizados, de modo a caracterizar cada
tipo de biótopo existente ou potencial especialmente segundo estes pontos de vista:
1. Qualidade crítica do biótopo, ou seja, os níveis mínimos de cada factor necessários
à sobrevivência de espécies ou grupos de espécies.
2. O espaço/superfície críticos, ou seja, a área mínima necessária à subsistência
estável de uma população, definido nomeadamente em termos das espécies
específicas dos biótopos em causa.
3.
A necessária malha espacial de habitats parciais de espécies com diferentes
exigências relativamente aos biótopos, nomeadamente refúgio, alimento,
reprodução, abrigo etc.
4. A separação máxima viável entre biótopos semelhantes.
5. Os usos e acções correspondentes e contraditórios à sobrevivência do biótopo.

Nascentes para a Vida

59

6. A reacção das biocenoses às medidas de protecção e cuidado.
Não é suficiente, na classificação do valor de um biótopo, avaliar unicamente a sua
diversidade específica ou de comunidades. Tem-se igualmente de dar a maior importância
ao conhecimento e avaliação de:
· Quais são os biótopos que têm um carácter mais ou menos fundamental no
preenchimento dos objectivos de protecção e quais os biótopos ou partes de biótopos
que, em conexão com a evolução antropogénica da paisa¬gem melhor asseguram
as condições mínimas de sobrevivência de espécies e comunidades.
· Qual das diferentes formas dum tipo de biótopo é mais digna de protecção.
· Quais são as contribuições de cada factor e característica para o preenchimento dos
objectivos de protecção e quais são as suas determinantes e ligações sistémicas.
· Quais são as medidas ou omissões e com que intensidade são essenciais ou
desnecessárias para os objectivos de protecção.
No planeamento de acções sobre o espaço segundo uma perspectiva de gestão dos
objectivos de conservação com vista à maximização do valor ecológico de cada lugar há
que observar as seguintes regras básicas:
1. Os biótopos devem ser conservados/planeados numa/com uma dimensão tal, que
a taxa de natalidade específica tenda para zero.
2. Os biótopos devem estar em ligação entre si de um modo de tal modo estreito,
que uma troca equilibrada de indivíduos seja permanentemente possível e não
problemática (uma tal exigência é de particular importância para espécies de
estratégia k e menos importante para as de estratégia r).
3. Onde não seja mais possível a preservação ou promoção de redes de biótopos,
deve-se procurar promover estruturas lineares ou pontuais de ligação.
4. As influências negativas do exterior devem ser minimizadas, nomeadamente pela
edificação de zonas tampão ou de amortecimento.
5. A forma dos biótopos deve ser próxima do circular de modo a promover a
melhor relação possível entre a zona central e as zonas marginais (excepções são
obviamente as linhas de água, sebes, falésias, etc.).
6. Para espécies com diferentes exigências em tipos de biótopos deve a rede local ser
diferenciada e diversificada.
7. Finalmente e de particular importância são os uso e o carácter global do espaço
envolvente, não só em termos da sua agressividade ou inospitabilidade, mas
essencialmente em termos da determinação de variações microclimáticas,
pedológicas, de regime hídrico etc. (por exemplo a proximidade de uma mata gera

60

situações de sombreamento e de produção de ar rio completamente distintas do
que ocorre com um prado ou um terreno agrícola).
8. Em suma, a intervenção com vista à promoção dos objectivos da conservação
da Natureza tem de considerar simultaneamente os elementos de per si e de os
integrar numa lógica bem mais ampla de funcionalidade do espaço global.
A edificação de biótopos substitutos como medida de compensação ecológica ou para
preencher as exigências de uma correcta estruturação e reactivação ecológica do espaço
apresenta a dificuldade da sua lenta funcionalização.
Simultaneamente verifica-se o interesse de promover, mesmo nas superfícies actualmente
mais transformadas espaços de sucessão que possam funcionar como locais pioneiros (por
ex. em matas de exploração deixando manchas específicas sem intervenção).
Por outro lado há que distinguir entre a construção de biótopos específicos para espécies
concretas particularmente ameaçadas e a promoção de espaços biologicamente activos
e precursores de estruturas espaciais globais, isto equilibrado e articulado com a
conservação e promoção de espaços e biótopos estabilizados e de comprovado valor.
De fundamental importância é que os novos biótopos a instalar correspondam às
características regionais e locais e nunca exprimam apenas o desejo desinserido de
instalar uma qualquer estrutura que sendo valiosa, não tem razão nem pode existir
naquele local.
É igualmente necessário prevenir que uma tal actividade "construtiva" não constitua
um factor de perturbação e mesmo de destruição do espaço em causa. É necessário ter
sempre em atenção que tem de se considerar sempre que uma intervenção é sempre
uma perturbação e que esta pode ser mais negativa do que os benefícios eventualmente
obteníveis.
A viabilidade de certos biótopos ou de certas componentes é igualmente função
da existência, não só de condições de instalação das espécies colonizadoras, mas
essencialmente da existência de locais de origem dessas espécies a distancias viáveis,
de vectores de transporte e de factores propiciadores da sua instalação (isto é
particularmente válido no caso de espécies vegetais zoocóricas, as quais só se instalarão
caso os animais que as transportam tenham condições de estacionamento no local a
colonizar).
Outra regra de particular importância é a de que um biótopo não deve ser planeado para
uma espécie ou para um número restrito de espécies (por ex. apenas aves) mas tem
de se pensar em termos de população global, sob pena de não existirem condições de
viabilização da espécie ou grupo de espécies em causa por falta de elementos da cadeia
de que ela depende.

Nascentes para a Vida

61

MANUTENÇÃO E ACOMPANHAMENTO
A manutenção constitui indubitavelmente uma das exigências mais importantes das
intervenções de Engenharia Natural. Com efeito, apesar de poder ser menos custosa e
exigir prazos de realização com espaçamentos bastante diferentes (Fig. 12), as obras de
Engenharia Natural, por constituírem obras de enquadramento dos processos e sistemas
naturais em contextos estritos de uso e de risco, implicam uma cuidada manutenção,
quer para garantir a plena instalação da vegetação projectada, como para garantir a
prazo a sua eficácia técnica dentro dos referidos objectivos.

Fig. 12. Custos comparativos médios de construção e manutenção de obras vivas de Engenharia
Natural e construções inertes (pode acontecer, em situações particulares, que os custos de construção das obras de EN sejam superiores às soluções só com materiais inertes)

Ao nível da manutenção podemos distinguir diferentes tipos e objectos:
· Manutenção de curto ou de longo prazo
· Manutenção das plantas e sistemas vivos ou manutenção, reparação e substituição de
sistemas inertes complementares
· Manutenção de estabelecimento ­ garantia do estabelecimento das espécies definidas
no projecto com as densidades e as características estabelecidas
·
Manutenção de desenvolvimento ­ condução da vegetação no sentido do
desenvolvimento das formações e comunidades-alvo
· Manutenção de acompanhamento ­ gestão da vegetação e das formações vegetais de
modo a garantir a manutenção das suas funções de estabilização e protecção (por ex.
elasticidade e comportamento hidráulico).
A manutenção é sempre orientada de acordo com o objectivo construtivo e condicionada
pelo preenchimento das funções definidas (geotécnicas, hidráulicas, ecológicas, etc.)

62

sendo que estas se sobrepõem para cada intervenção e processo de manutenção a todas
as outras, sob pena de comprometer a eficácia da obra. A tab. 13 procura ilustrar as
principais actividades de manutenção da vegetação susceptíveis de serem realizadas.
Outra questão que importa acentuar no que se refere à manutenção é a de que, devem-se
sempre evitar intervenções generalizadas e concentradas (por exemplo desbastes) que,
se realizadas dessa forma, implicarão impactes muito violentes nos habitats faunísticos
com consequências negativas para a funcionalidade ecológica local.
O seguimento das intervenções de Engenharia Natural prende-se principalmente com a
avaliação do preenchimento dos objectivos, do modo de desenvolvimento e da duração da plena
instalação e funcionalidade, da avaliação da eficácia e durabilidade. Pretendo não só constituir
um processo de auditoria à obra como de acompanhamento técnico da mesma de modo a coligir
conhecimentos sobre factores de sucesso e insucesso e modos de correcção ou prevenção.
Tab. 13. Intervenções de manutenção necessárias numa formação vegetal com funções de protecção e consolidação (EFIB, 2008)
Solo

Herbáceas

Arbustos

Árvores

-----------Cobertura (por ex. Mulch)--------------------------Reposição-------------------------------Desbaste de formação-----------

-----------------------------------Rega-------------------------------------------Condução-----

--------------------------- Vedação / Protecção contra herbívoros----------------------------------------------------Sacha-------------------------------------------Mondas------------------------------Desbaste de
rebentos--------------------Ceifas-------------------------------------------Retocar---------------------------------------------------------Podas------------------------------Remoção de
exemplares velhos------------------Reparações, reconstruções e intervenções de complemento------------------------Desbaste--------------Fertilização /
arejamento-----------------Cortes--------------Desrame-------

Nascentes para a Vida

63

BIBLIOGRAFIA
Andres, P., V. Zapater, y M. Pamplona. 1996. Stabilization of motorway slopes with
herbaceous cover, Catalonia, Spain. Restoration Ecology 4: 51­60.
Averett, J.M., R.A. Klips, L.E. Nave, S.D. Frey, y P.S. Curtis. 2004. Effects of Soil Carbon
Amendment on Nitrogen Availability and Plant Growth in an experimental tallgrass
prairie restoration. Restoration Ecology 12: 568-574.
Bluementhal, D.M, N.R. Jordan, y M.P. Russelle. 2003. Soil carbon addition controls weeds
and facilitates prairie restoration. Ecological Applications 13: 605-615.
Bochet, E., y P. García-Fayos. 2004. Factors controlling vegetation establishment and
water erosion on motorway slopes in Valencia, Spain. Restoration Ecology 12:166-174
Boon, P. J., Callow, P., & Petts, G. E. (1992). River Conservation and Management. Londres,
Reino Unido: John Wiley & Sons.
Booth, D.T, J.K. Gores, G. E. Schuman, y R.A. Olson. 1999. Shrub Densities on Pre-1985
Reclaimed Mine Lands in Wyoming. Restoration Ecology 7:24-32.
Cardoso, J. V. (1965). Os solos de Portugal : sua classificação, caracterização e génese :
a sul do Rio Tejo. Lisboa: Direcção Geral dos Serviços Agrícolas.
Clewell, A., J. Rieger, and J. Munro (Society for Ecological Restoration International),
2005 - Guidelines for Developing and Managing Ecological Restoration Projects, 2nd
Edition . December 2005.
Constán-Nava, S., A. Bonet, B. Terrones, y J.L. Albors. 2007. Plan de actuación para el
control de la especie Ailanthus altissima en el Parque Natural del Carrascal de la Font
Roja. Alicante. Bol. Europarc 24,34­38.
Contreras V. y A. Navarro-Quercop. 1996. Recuperación de la productividad de 10.000
Has. de espartizal en el sureste español a través de la inversión en sistemas de protección
vegetal contra la desertización. III Congreso Nacional de Medioambiente. Tomo 2. 787793 pp. Madrid, España.
Coppin, N.J. y I.G. Richards (Eds.) 1990. Use of Vegetation in Civil Engineering. Construction
Industry Research and Information Association (CIRIA). Butterworths, London
Cornelini, P., y G. Sauli. 2005. Manuale di Indririzzo delle scelte progettuali per interventi
di Ingegnieria Naturalistica. Ministero dell'Ambiente y della Tutela del Territorio, Roma
Cortina, J., y R.M. Vallejo. 2004. Restoration Ecology. Encyclopedia of Life Support
Systems. UNESCO-EOLSS Publishers Co. (formato digital).
EFIB (Europäische Föderation für Ingenieurbiologie) (2008). Vorschlag für EFIB Richtlinie
Ingenieurbiologie - EFIB RI Teil 1, Documento interno de trabalho

64

Elorza, M., E.D. Dana, y E. Sobrino. 2004. Atlas de las plantas alóctonas invasoras en
España. Dirección General para la Biodiversidad. Ministerio de Medio Ambiente. Madrid.
384 pp.
Fernandes, J.P. y C.S. Cruz. 2009. Portugal: dia Herausforderungen na die Ingenieurbiologie,
Verein für Ingenieurbiologie, Mitteilungsblatt Nr. 4, pp 40-47
Florineth, F. 2004. Pflanzen statt Beton. Patzer Verlag, Berlin. 272 pp.
Fuentes, D., J. Cortina, A. Valdecantos, G. Casanova, y V.R. Vallejo. 2002 Seedling
performancce in biosolid-amended degraded Mediterranean ecosystems. Pp. 149-150.
In `Sustainable Use and Management of Soils in Arid and Semiarid Regions'. A. Faz, R.
Ortíz y A.R. Mermut (Eds.). Quaderna Ed. Cartagena. ISBN: 84-95383-23-3.
Fuentes, D., K. B. Disante, A. Valdecantos, J. Cortina, y R. Vallejo. 2007. Response of Pinus
halepensis Mill. seedlings to biosolids enriched with Cu, Ni and Zn in three Mediterranean
forest soils. Environmental Pollution. 145: 316-323.
Fuentes, D., A. Valdecantos, J. Llovet, J. Cortina, y V.R. Vallejo (en prensa). Fine-tuning
sewage sludge application to promote the establishment of Pinus halepensis seedlings.
Ecol. Engineering.
García-Palacios, P., S. Soliveres, F.T. Maestre, A. Escudero, F. Valladares, y A.P. Castillo.
2010. Dominant plant species modulates responses to hydroseeding, irrigation and
fertilization during the restoration of semiarid motorway slopes. Ecological Engineering
36: 1290-1298.
Gillespie, I.G. y E.B. Allen. 2008. Restoring the rare forb Erodium macrophyllum to exotic
grassland in southern California. Endangered Species Research 5: 65-72.
Gray, D.H., y R.B. Situr. 1996. Biotechnical and Soil Boengineering slope stabilization. la
practical guide for erosion control ­ J.Wiley and Sons, New York
Hacker, E. 2009. Las directrices europeas de Ingenieria del paisage. Comunicación oral,
Girona, AEIP
Hobbs, R.J., y K.N. Suding (eds.) 2009. New models for ecosystem dynamics and
restoration, Society for ecological restoration, Island Press, Washington, DC
Jorba M., y R.M. Vallejo (eds.) 2008. Manual para la restauración de canteras de roca
calcárea en clima Mediterráneo, Generalitat de Cataluña.
Kangas, P.C. 2004. Ecological Engineering: Principles and Practice. Lewis Puslishers, CRC
Press, Boca Raton, Florida.
Lewis, E.A. 1999. Soil Bioengineering: An alternative for Roadside Management: A
Practical Guide. United States Forest Service. San Dimas Technology and Development
Center. San Dimas, California.

Nascentes para a Vida

65

Ludwig, J.A., y D.J. Tongway. 1996. Rehabilitation of semi-arid landscapes in Australia II:
restoring productive soil patches. Restoration Ecology 4: 398-406.
Martinez, A., y V. Contreras. 2005. Modelo de restauración hidrológico forestal de
cárcavas y barranqueras. IV Congreso Nacional de la Asociación Española de Ingeniería
del Paisaje. Pamplona, España.
Martinho, P. 2005. Contribuição para o estudo de técnicas de engenharia biofísica: Grade
de Vegetação e Grade de Vegetação Vesúvio. Tesis de graduación en Ingenieria Biofísica,
Universidad de Évora, 98 pp.
Mataix, C. 2003. Técnicas de revegetación de taludes. En: Restauración de ecosistemas
mediterráneos, pag 189-214. Colección Aula Abierta nº 20. Universidad de Alcalá.
Matesanz, S., A. Escudero, y F. Valladares. 2008. Additive effects of a potentially invasive
grass and water stress on the performance of seedlings of gypsum specialists. Applied
Vegetation Science 11:287-296.
McDonnel, M.J., y S.T.A. Pickett (eds.). 1997. Human as conponents of ecosystienes - the
subtle human effects and populated areas, Springer, New York
Mendonça, A.A., y A.S. Cardoso. 1998. Contribuição da vegetação para a estabilidade de
taludes. Parte I ­ Enquadramento geral. Geotecnica nº 82, pp 51-62
Mitsch, W.J., y S.E. Jørgensen. 2004. Ecological Engineering and Ecosystem Restoration"
John Wiley and Sons, Inc., New York.
MRICE - Ministère du Redéploiement et du Commerce Extérieur, 1985 - Potentialités
Ecologiques des Carrières - Ministère du Redéploiement et du Commerce Extérieur,
Ministère de l'Environnement, Paris
Navarro, A., E. Correal, y A. Robledo. 1996. La fibra de esparto en la fabricación de tejidos
orgánicos para favorecer el establecimiento de la cubierta vegetal. First European
Conference &Trade Exposition on Erosion Control. IECA. Ed. Colegi Oficial d`Engenyers
de Camins, Canals i Ports. Catalunya. 21-27 pp. España.
Navarro-Hevia, J. 2002. Control de la erosión en desmontes originados por obras de
infraestructura viaria: aplicación al entorno de Palencia. E.T.S.I.M. Palencia, España.
Oliveira, G. 2008. Plantaciones, Curso Técnico de Restauración Ecológica de Canteras,
Outão (Setúbal), Portugal, 24 ­ 27 / 09 / 2008
Pickett, S.A.; R.S. Ostefeld; M. Shachak; G.E. Likens (eds.), 1997 - The ecological basis
of conservation, Heterogeneity, Ecosystems and Biodiversity - Chapman and Hall, New
York
Ramos-Otero del Peral, L. 1997.Técnicas de revegetación. El capítulo de las plantaciones
en la Contratación de las Infraestructuras Viarias. Ministerio de Fomento.

66

Rauch, H.P. 2008. Application of soil bioengineering techniques for river engineering
projects with special focus on hydraulical and morphological issues. Documento no
publicado de apoio la aulas, Universidade de Évora
Regione Lazio, Assessorato per l'Ambiente. 2001. Manuale die Ingegneria naturalistica,
Naturstudio Trieste, Universita della Tuscia, Viterbo
Schiechtl, H.M. 1980. Bioengineering for land reclamation and conservation. Univ. of
Alberta Press. Edmonton/Alberta
Schlüter, U. 1986. Pflanze als Baustoff, Ingenieurbiologie in Praxis und Umwelt. Patzer
Verlag, Berlin. 328 pp.
Society for Ecological Restoration International. 2004. The SER International Primer on
Ecological Restoration Society for Ecological Restoration International Science & Policy
Working Group (Version 2, October, 2004)
Soliveres-Codina, S., J. Monerris, y J. Cortina. 2008. El uso de parches artificiales mejora
el rendimiento de una repoblación de Rhamnus lycioides en medio semiárido. Cuadernos
de la Sociedad Española de Ciencias Forestales 28: 125-130.
Soliveres, S., J. Monerris, y J. Cortina (en revisión). Species-specific response to soil
resource availability modulates the interaction between grasses and woody seedlings in
quarry restoration
Tongway, D.J., y J.A. Ludwig. 1996. Rehabilitation of semi-arid landscapes in Australia II:
restoring productive soil patches. Restoration Ecology. 4: 388-397.
Tremoceiro, J. 1999. Textos de apoio a la disciplina de "Project6os de Ingeniaria Biofísica",
no publicado, Universidade de Évora
Valdecantos, A., D. Fuentes, y J. Cortina. 2004. Utilización de biosólidos para la
restauración de ecosistemas mediterráneos. In Avances en el Estudio de la Gestión del
Monte Mediterráneo. (V.R. Vallejo y J.A. Alloza, Eds.). Pp. 313-344. Fundación CEAM,
Valencia.
Zeh, H. (ed.). 2007. Ingenieurbiologie Handbuch Bautypen ­ vdf Hochschulverlag an der
ETH, Zurich

ANEXO I
Descrição das tipologias de intervenções
de Engenharia Natural de utilização mais frequente

As técnicas a seguir descritas adequam-se a diferentes
tipologias de uso e domínios de intervenção. Isso
não impede que, em cada situação, se opte por
executar uma combinação de técnicas no sentido da
maximização dos objectivos e da eficácia da obra.

Nascentes para a Vida

69

1. SEMENTEIRA
Descrição
Consiste no espalho a lanço, ou com maquinaria própria, de uma mistura de sementes de espécies
herbáceas adequada ao local e à finalidade da intervenção. Este tipo de sementeira pode ser
executado quer em superfícies planas (sementeira standard), quer em covachos ou sulcos. A
sementeira de gramíneas deve incluir unicamente espécies anuais e de crescimento rápido,
funcionando como cobertura orgânica do terreno. É aplicável em terrenos naturais estáveis e com
alguma rugosidade.
Campo de Aplicação
Em áreas onde é necessária uma rápida protecção do terreno contra os fenómenos erosivos. A
presença de uma cobertura herbácea contínua sobre taludes em perigo de deslizamento, pode
contribuir para limitar a infiltração da água no solo, e assim reduzir um possível aumento das
pressões neutras.
Materiais
Sementes herbáceas, arbustivas ou arbóreas de espécies autóctones, em quantidades variáveis,
consoante as espécies a semear.
Vantagens
Execução simples
Rápido revestimento
Desvantagens
Se apenas forem utilizadas espécies herbáceas, a função de protecção ao solo será apenas superficial.
Assim, deverá ser feita uma combinação entre sementes herbáceas, arbustivas e arbóreas, para
que a estabilização do solo se dê em profundidade.
Período de Execução
Início e durante a época vegetativa.
Manutenção
Regas, podas e cortes, quando necessários.

70

2 HIDROSSEMENTEIRA
Descrição
Consiste na projecção de uma mistura de água com mulch (fibras de madeira), sementes,
fertilizantes, correctivos/aditivos biológicos do solo. É aplicada hidraulicamente sob a superfície do
terreno através de um equipamento mecânico (hidrossemeador).
Campo de Aplicação
Taludes e margens fluviais, onde seja necessária uma rápida protecção ao solo contra a erosão.
Materiais
Água
Sementes de espécies herbáceas, arbustivas ou arbóreas, em quantidade variável
Fertilizantes
Bioestimulantes
Fixadores
Correctivos/Aditivos biológicos do solo
Vantagens
Elevada taxa de germinação e cobertura homogénea
Elevada força de tensão; absorvem mais a energia dos impactos
Processo rápido e eficaz que diminui a mão-de-obra
Maior poder de absorção de água
Permite a execução de sementeiras em zonas de difícil acesso
Desvantagens
Resultados pouco eficazes em zonas áridas e períodos secos.
Período de Execução
Durante o início do período vegetativo.
Manutenção
Regas, podas e cortes, quando necessários.

Nascentes para a Vida

71

3. ESTACARIA VIVA
Descrição
Esta técnica corresponde à utilização de utilização de troços de troncos ou ramos com mais de 3
anos, com casca fina, sem ramagem lateral e sem estrias, com comprimentos entre 40 e 100 cm e
um diâmetro entre 2 e 8 cm afiadas na parte inferior e cravadas no solo até que apenas cerca de
5 cm fiquem de fora (Fig. *3) de modo a reduzir os ricos de exsicação. O efeito estabilizante desta
técnica em profundidade aumenta consoante o comprimento da estaca colocada. Quanto maior
a estaca, maior a profundidade a que se irão desenvolver as raízes e portanto maior estabilidade
em profundidade. As estacas adaptam-se muito bem à instalação de vegetação em enrocamentos
ao permitirem uma instalação posterior à construção da mesma, assegurando desta forma a sua
revegetação sem necessidade de intervenções custosas. Torna-se apenas necessário abrir buracos
entre as rochas com uma estaca metálica, preenchê-los com solo e cravar a estaca garantindo que o
seu comprimento lhe permitir penetrar até ao solo subjacente ao enrocamento.
Materiais
Estacas vivas de salgueiro (Salix spp.), tamargueira (Tamarix africana), loendro (Nerium oleander),
choupo (Populus spp.), freixo (Fraxinus angustifolia), entre outras.
Campo de Aplicação
Em taludes e margens fluviais de baixo declive; podem também ser usadas como elemento fixador
na instalação de mantas orgânicas, fascinas, entrançados vivos, etc. Esta técnica está especialmente
recomendada para reparar pequenos deslizamentos e assentamentos de terra devidos ao excesso
de humidade do solo em locais sem problemas graves de estabilidade. Também se emprega como
fixação de outros elementos de controle da erosão como as mantas orgânicas. Também ajuda no
controle da erosão fluvial, permitindo a recuperação e a estabilização de taludes de margens de
rios, já que quando as estacas se tiverem estabelecido e as plantas desenvolvido, se consegue
estabelecer com facilidade um coberto vegetal capaz de estabilizar o talude de margem e proteger
a mesma contra os caudais de cheia. Para as estacas utilizam-se materiais sãos, obtidos a partir de
exemplares com mais de 2 anos, com casca fina, sem ramos laterais e sem estrias. O seu diâmetro
oscila normalmente entre 2 e 8 cm, com um comprimento de 50-100 cm. É muito importante que
o comprimento garanta que o nível freático (ou de humidade permanente) seja atingido durante
o verão. Esta técnica é particularmente eficiente em margens fluviais ou zonas com humidade
permanente
Vantagens
Baixo custo
Facilidade de recolha de material, desde que disponível na vizinhança
Execução simples
Acção muito eficaz após o desenvolvimento das estacas vivas (6 meses ­ 2 anos)
Favorece a evolução dos ecossistemas
O efeito estabilizante desta técnica em profundidade, aumenta consoante o comprimento da
estaca.
Desvantagens
A estabilidade dos taludes e a consolidação superficial estão limitadas até ao desenvolvimento de
um adequado sistema radicular.

72
O enraizamento das estacas nem sempre é assegurado.
Período de Execução
Durante o repouso vegetativo.
Manutenção
Podas nos primeiros tempos para favorecer o desenvolvimento radicular das estacas. Desbastes,
caso seja necessário garantir a elasticidade das plantas e controlar o seu desenvolvimento
excessivo

Devido a uma melhor distribuição das substâncias
que permitem o crescimento das palantas, as
estacas plantadas obliquamente desenvolvem o
seu sistema e, toda a superficie

Estacas plantadas verticalmente
desenvolvem o sistema radicular
sobretudo na parte terminal

Nascentes para a Vida

73

4. FASCINA VIVA
Descrição
As fascinas são, em conjunto com os entrançados, um dos métodos de construção com vegetação
mais antigos (existem registos de uma utilização generalizada na China e no Peru há mais de mil
anos). As fascinas são feixes de ramas vivas e mortas com um diâmetro de entre 15 e 20 cm e um
comprimento adaptado à aplicação projectada, mas que varia normalmente entre 2 e 4 metros. A
sua aplicação no terreno tem de garantir o máximo de contacto com o solo húmido de forma a
garantir o desenvolvimento vegetativo da vegetação utilizada. Em taludes, é também importante
cobrir a fascina com solo de modo a evitar as perdas de agua por evaporação e a consequente morte
por exsicação. Utilizam-se ramos lenhosos (diâmetros entre 0.5 e 2 cm) de espécies com grande
capacidade de enraizamento vegetativo, que devem ser flexíveis, compridas, direitas e com gemas de
crescimento activas. O uso destas fascinas vivas só tem sentido em lugares onde a climatologia ou a
disponibilidade hídrica permitem o estabelecimento das novas raízes e ramos.
Consiste na elaboração de feixes de estacas vivas de espécies com capacidade de propagação
vegetativa, ligados por corda de sisal ou arame, e que se são fixadas ao terreno através de troncos
de madeira vivos ou mortos.
Materiais
Estacas vivas de espécies lenhosas com capacidade de propagação vegetativa (salgueiros,
tamargueiras, etc.)
Troncos de madeira vivos/mortos, ou varão roscado, para grampeamento ao solo
Arame ou corda de sisal
Campo de Aplicação
As fascinas têm uma utilização muito diversificada desde as estruturas de drenagem e segmentação
de taludes até uma grande variedade de estruturas de protecção de margens de linhas de água.
Nas margens de linhas de água esta técnica é recomendada para a criação de faixas de vegetação nas
margens dos rios. A sua colocação ao longo da margem é rápida e simples, bastando a sua fixação com
estacas de madeira. Em situações de margens mais declivosas pode recorrer-se a muros de fascinas
empilhado e suportados por estacas fortemente enterradas do lado da corrente em complemento
das estacas de fixação de cada fascina individual. A sua utilização na protecção e consolidação de
margens de linhas de água tem que ter em consideração que estas técnicas têm uma resistência
limitada à velocidade da água variando entre um mínimo de 2 m/s em fascinas sobre esteiras de
ramos a 4 m/s em paredes de fascinas.
As fascinas contribuem igualmente para o aumento dos factores de êxito das plantações de lenhosas
taludes e encostas com declives inferiores a 35º. Ao colocar fascinas horizontalmente em valas
escavadas no talude distanciadas entre si de cerca de 1m a 1,5m consegue-se um eficiente sistema
de prevenção da erosão e do risco de ravinamento. Este efeito decorre da interrupção das linhas
de escoamento, reduzindo a energia do mesmo (e logo a sua capacidade erosiva) ao mesmo tempo
que asseguram algum desvio lateral desse escorregamento quando essas valas apresentem um
ligeiro declive (2 - 3% conduzindo a um dreno longitudinal. Este e outros sistemas de drenagem e
segmentação de taludes são de particular importância já que garantem o desvio do escoamento
superficial e, com o desenvolvimento da vegetação, o amortecimento da energia de erosão desse
mesmo escoamento. Em situações onde não existam condições de desenvolvimento vegetativo da
vegetação pode continuar-se a utilizar drenos de fascinas mortas para este fim, desde que elas sejam
complementadas com a plantação e a sementeira de espécies lenhosas. Estas intervenções são
sempre da maior importância para evitar a formação de ravinas nos taludes e encostas.

74
Vantagens
Realização simples
Baixo custo
Notável eficácia estabilizante
Facilidade de recolha de material
Melhoramento imediato da acção drenante, devido ao efeito evapotranspirante das plantas
Permitem redireccionar o sentido natural do escoamento, afastando as águas das áreas instáveis
Fornecedor de material vivo
Desvantagens
Podas regulares
Elevada quantidade de material vivo e mão-de-obra
Período de Execução
Durante o repouso vegetativo.
Manutenção
Podas periódicas.

Nascentes para a Vida

75

5. ENTRANÇADOS VIVOS
Descrição
Constituem em conjunto com as fascinas, a técnica de utilização mais generalizada e diversificada
desde a antiguidade. Podem ser utilizados na protecção de margens fluviais e na estruturação
e consolidação de taludes e encostas. Também é uma técnica de utilização simples, consistindo
na execução de um entrançado de ramos vivos de salgueiro (ou outras espécies lenhosas com
características ecológicas semelhantes e adequadas às características do local de intervenção)
em torno de estacas (que podem também ser vivas) cravadas no solo . Adaptam-se muito bem à
protecção de margens de linhas de água onde a velocidade máxima da água seja inferior a 3.5 m/s
(há autores que indicam um limite muito mais baixo da ordem de 1.5 m/s).
Em taludes e encostas costumam utilizar-se na consolidação e estruturação da camada superior do
solo (até 20 cm). Esta utilização, contudo, só é viável em condições onde a humidade do solo garanta
as condições necessárias ao estabelecimento vegetativo das plantas. Em alternativa pode utilizarse material morto para apoiar o sucesso de plantações de plantas enraizadas. Para a consolidação
de taludes usando entrançados recorre-se normalmente a instalações em linhas horizontais ou a
estruturas em losango.
Campo de Aplicação
Margens de linhas de água onde seja necessário uma protecção continua e elástica das margens.
Materiais
Ramagem viva ou estacas de espécies com capacidade de propagação vegetativa
Troncos de madeira
Pedras
Barras de aço
Vantagens
Protecção imediata contra a erosão mecânica e posterior consolidação em profundidade através
do desenvolvimento radicular
Facilidade de recolha de material
Após o seu desenvolvimento, funciona como fornecedor de material vivo, que poderá ser usado
noutras intervenções
Apresenta resultados muito positivos no combate às cheias
Estrutura flexível e permeável
Desvantagens
Elevada quantidade de material vivo
Com o passar do tempo é necessário efectuar algumas tarefas de manutenção
Período de Execução
Durante o repouso vegetativo.
Manutenção
Podas e cortes selectivos para manter a elasticidade da obra e evitar um irregular crescimento das
plantas.

76

Nascentes para a Vida

77

6. ESTEIRA DE RAMAGEM
Descrição
Revestimento de margens fluviais com ramagens vivas de espécies com capacidade de propagação
vegetativa. Colocam-se perpendicularmente à direcção do escoamento, e fixam-se ao solo através
de arame e estacas de madeira. A base da ramagem deverá ser colocada de forma a estar em
contacto com o terreno húmido ou directamente na água. Posteriormente, a ramagem é recoberta
com uma camada fina de terreno. A sua base pode ser reforçada com enrocamento ou com troncos
de madeira. Esta é uma técnica particularmente adequada à cobertura e consolidação de margens
de rios onde se registe torrencialidade e velocidades muito elevadas (tensões de arraste superiores
a 200 N/m2). A esteira protegem o talude da acção da corrente e desenvolvem, ao mesmo tempo
um espessa formação vegetal cobrindo em muito pouco tempo a totalidade do talude seja no sentido
longitudinal como perpendicular à corrente. A rugosidade da esteira e da vegetação que a partir
dela se desenvolve reduzem a velocidade da água junto à margem e, em consequência a sua energia
erosiva. Os ramos retêm os materiais e sedimentos arrastados pelas torrentes criando um colchão
protector que isola a margem do contacto directo da torrente e das ondas dos rios. Esta técnica é
muito exigente em material, tempo e mão de obra especializada (por exemplo para a construção
do enrocamento é necessário maquinaria pesada) pelo que só deve ser utilizada em zonas onde é
necessário garantir uma protecção imediata e de elevada eficácia contra a erosão fluvial. Adapta-se
particularmente bem à reconstrução de frentes de erosão activas e à protecção de infra-estruturas
como pontes ou represas de correcção torrencial ou retenção de escoamento. Tem sempre que se
ter em consideração que esta técnica só se pode utilizar em margens com declives inferiores a 2:3.
Não se adapta a intervenções em taludes não fluviais devido á sua necessidade de que todo o talude
tenha humidade suficiente para o estabelecimento adequado da vegetação.
Campo de Aplicação
Margens de linhas de água onde seja necessário uma protecção continua e elástica das margens.
A sua construção, apesar de relativamente simples exige cuidados particulares de modo a garantir
a sua eficácia e resistência ao fluxo da água. Consiste na cobertura do talude de margem com
uma camada densa de ramos com vários metro de comprimento, colocada perpendicularmente ao
fluxo da água e garantindo a extremidade mais grossa se encontra baixo do nível mínimo da água.
Enterram-se estacas dispostas em diagonal e afastadas cerce da 1.5m às quais se fixa arame grosso
de tal modo que quando se cravem estas estacas definitivamente o arame esticado pressione todos
os ramos contra o solo da margem fixando-os e garantindo o máximo de contacto possível entre os
ramos e o solo. A base é consolidada de seguida com um enrocamento (em rios de elevado caudal
e velocidade) ou com fascinas ou troncos de madeira em rios mais tranquilos. Toda a cobertura ou
esteira de ramos é finalmente coberta com uma camada ligeira de solo .
Materiais
Ramagem viva ou estacas de espécies com capacidade de propagação vegetativa
Troncos de madeira
Pedras
Barras de aço
Vantagens
Protecção imediata contra a erosão mecânica e posterior consolidação em profundidade através
do desenvolvimento radicular
Facilidade de recolha de material

78
Após o seu desenvolvimento, funciona como fornecedor de material vivo, que poderá ser usado
noutras intervenções
Apresenta resultados muito positivos no combate às cheias
Estrutura flexível e permeável
Desvantagens
Elevada quantidade de material vivo
Com o passar do tempo é necessário efectuar algumas tarefas de manutenção
Período de Execução
Durante o repouso vegetativo.
Manutenção
Podas e cortes selectivos para manter a elasticidade da obra e evitar um irregular crescimento das
plantas.

Nascentes para a Vida

79

7. LEITO DE VEGETAÇÃO OU DE RAMAGENS
Descrição
Este é um sistema clássico e muito eficaz de consolidação de taludes e encostas. Tem a vantagem
de assegurar imediatamente uma estruturação da encosta até uma profundidade de 1.5 m. Pode
ser realizado apenas com ramos de plantas susceptíveis de estabelecimento por desenvolvimento
vegetativo ou em combinação com plantas enraizadas de viveiro. Pode ser realizado em encostas
com solo nu ou integrar-se em muros de terra armada com mantas orgânicas. A maior limitação
deste método tem a ver com a dificuldade em garantir o estabelecimento vegetativo da vegetação
em climas mais secos (como os climas mediterrânicos) onde existem poucas ou nenhumas espécies
capazes desse tipo de estabelecimento vegetativo dadas as condições de reduzida a nula humidade
dos taludes e encostas na fase crítica da instalação. A construção dos leitos de ramagem é muito
simples realizando desde a base da encosta até ao seu coroamento. Começa-se por escavar uma
primeira banqueta (ou terraço) horizontal com um declive da base de cerca de 10% para o interior
da encosta (Fig. *10) uma profundidade entre 0.5 e 1.5 metros. Dispõem-se de seguida os ramos
(e / ou as plantas já enraizadas) sempre com comprimento superior ao da banqueta ou terraço
perpendicularmente à superfície da encosta de modo a cobrir a superfície da banqueta. Os ramos
sobressaem do terreno cerca de 10 cm para favorecer o desenvolvimento dos rebentos. Finalmente
escava-se uma nova banqueta 1.5 a 3 metros acima da primeira utilizando-se o solo extraído para
preencher a banqueta inferior. Vai-se repetindo o procedimento até ao topo da encosta.
Campo de Aplicação
Esta técnica, além de extremamente eficaz na consolidação de encostas, adapta-se também a
sistemas construtivos combinados como são os muros verdes armados de mantas orgânicas, onde
se utilizam leitos de vegetação entre as "almofadas" de solo envolvido pela manta. Estes muros
verdes constituem não só sistemas de suporte como podem ser eficazes barreiras sonoras.
Materiais
Ramagem viva ou estacas de espécies com capacidade de propagação vegetativa. (salgueiros,
tamargueiras, etc.)
Vantagens
Estruturação imediata da encosta até uma profundidade de 1.5 m
Rápida cobertura vegetal em caso de boa germinação e desenvolvimento vegetativo
Desvantagens
Resultados pouco eficazes em zonas áridas e períodos secos.
Poucas espécies com capacidade de estabelecimento vegetativo nas situação edafo-climáticas
mediterrânicas
Período de Execução
Durante o início do período vegetativo.
Manutenção
Regas, podas e cortes, quando necessários.

80

Nascentes para a Vida

81

8. MUROS DE SUPORTE VIVO
Descrição
É uma construção em madeira constituída por uma estrutura em forma de caixa, formada por
troncos de madeira dispostos perpendicularmente. O seu revestimento interior deverá ser feito
na base com pedra até atingir o nível médio das águas, e a restante área de enchimento poderá
ser bastante diversificada, consoante as necessidades do local a requalificar, mas essencialmente
poderá ser constituído por terreno local, espécies arbustivas autóctones em torrão ou raiz nua,
estavas vivas ou fascinas. Estas estruturas adaptam-se muito bem ao suporte de taludes e encostas
e à protecção e reconstrução de margens fluviais muito degradadas devido a acções erosivas muito
intensas. São também utilizadas na construção de estruturas transversais de dissipação de energia
em correntes torrenciais de montanha. Em termos gerais a sua capacidade de suporte corresponde
à massa do solo que contêm na sua projecção vertical, devendo ser esse a forma de proceder aos
cálculos de dimensionamento. A sua construção faz-se com troncos de diâmetro entre 10 e 40
cm em camadas alternadas apresentado normalmente uma inclinação estrutural de unos 10-20%
para aumentar a massa de suporte efectiva e reduzir os riscos de basculamento. Pode ser simples
(só uma parede longitudinal frontal) ou duplo (duas paredes longitudinais). Pode ser ancorado com
estacas (em meios muito instáveis em profundidade). São preenchidos com solo e, em cada nível
são distribuídos ramos com capacidade vegetativa ou plantas enraizadas de modo a que atinjam
o solo de fundação. Pode incluir preenchimento parciais com pedra na base e estar associado a
sistemas de drenagem nas aplicações como muro de suporte em encostas.
Campo de Aplicação
Taludes e margens fluviais com declives entre 40-50º. Em função do meio, do tipo de aplicação
e da intensidade dos factores de tensão a que estirão sujeitos assim se distinguem os diferentes
procedimentos e arquitecturas construtivas deste tipo de estruturas.
Obras fluviais
Nestas obras, devido à forte acção erosiva longitudinal, há que garantir que todas as áreas abertas
estão protegidas contra a erosão por filtros de pedras, fascinas ou geotextil, de modo a garantir a
integridade estrutural da construção.
Longitudinais ­ protecção ou reconstrução de margens ­ este tipo de intervenções, devido à
permanente acção erosiva da corrente de água têm que ser fechadas na parte frontal com pedras
e fascinas de modo a impedir a erosão do material de preenchimento. A disposição relativa dos
troncos transversais (sobrepostos ou alternados) não é crítica já que as tensões actuantes sobre a
estrutura são longitudinais (a direcção do fluxo de água).
Transversais ­ Utilizados normalmente como estruturas de retenção torrencial estas estruturas
são normalmente preenchidos com pedra, podendo, contudo, incluir vegetação lenhosa para
aumentar o efeito de retenção hídrica e de dissipação energética.
Obras de consolidação e suporte em encostas ­ nestas obras, como as tensões são
transversais ou perpendiculares à estrutura é da maior importância que a estrutura distribua
as tensões perpendiculares da forma mais homogénea possível, pelo que se aconselha uma
distribuição alternada dos troncos transversais nas diferentes camadas. Este aspecto é importante
quando as estruturas são usadas como muro de suporte como também quando são usadas como
componente estrutural de suporte de uma estrada, já que em ambos os casos a distribuição e
dissipação das cargas pela estrutura sem pontos de acumulação de tensões ou de fraquezas é da
maior importância.

82
Como o principal factor erosivo é a chuva não existe necessidade de instalar filtros entre os troncos
sendo suficiente respeitar o ângulo de estabilidade do material de preenchimento para que garantir
que a estrutura e o seu enchimento fiquem estáveis logo após a sua construção até ao pleno
desenvolvimento da vegetação.
Materiais
Troncos de madeira
Pregos ou varão de ferro roscado
Estacas vivas de espécies arbustivas autóctones
Plantas em torrão ou raiz nua
Terreno local
Arame
Vantagens
Consolidação imediata e robusta
A vegetação implementada desenvolve uma acção drenante, pois absorve a água necessária ao seu
desenvolvimento
Custos de manutenção contidos
Flexibilidade estrutural
Desvantagens
Limitado desenvolvimento em altura da obra
Necessidade de utilizar meios mecânicos para executar as escavações
Período de Execução
Todo o ano (estrutura em madeira)
Período de repouso vegetativo (estacaria viva e plantações)
Manutenção
Vigiar no primeiro ano, de modo a evitar o descalçamento da estrutura.
Substituição de estacas ou plantas que não tenham enraizado

Nascentes para a Vida

83

84

9. GABIÕES VIVOS
Descrição
Estrutura em forma de caixa rectangular, feita com rede de malha hexagonal em arame galvanizado
reforçado, e o seu interior é preenchida com pedra não friável. Estacas vivas são inseridas no interior
dos gabiões com disposição irregular ou em filas na primeira malha do gabião superior. Desempenham
funções de protecção contra a erosão fluvial e ao mesmo tempo servem de suporte à margem em caso
de instabilidade gravítica. São estruturas com elevada flexibilidade e permeabilidade. Os gabiões são
estruturas constituídas por uma caixa pré fabricada de contenção rígida metálica em rede de arame ou
grade de aço preenchida ordenadamente com pedras. Para introduzir vegetação, durante o processo de
enchimento colocam-se camadas de terra vegetal e dispõem-se ramos com capacidade vegetativa ou
plantas enraizadas com um cumprimento tal que atinjam plenamente o solo por trás do gabião de modo
a maximizar as hipóteses de estabelecimento bem sucedido. O objectivo é o de que o desenvolvimento
das raízes ajudem a fixar a estrutura ao talude e a melhorar a sua integração paisagística. São utilizados
como estruturas de suporte de taludes com declives muito acentuados ou na protecção longitudinal
de margens fluviais. Ao contrário das restantes técnicas descritas, os gabiões plantados não
constituem na sua essência uma técnica de Engenharia Natural, já que a vegetação nunca
substituirá plenamente as funções de suporte do gabião.
Campo de Aplicação
Defesa longitudinal e/ou transversal de linhas de água e taludes em erosão.
Materiais
Seixo do rio ou outro tipo de pedra
Arame galvanizado reforçado
Estacas vivas de espécies com capacidade de reprodução vegetativa
Vantagens
Execução rápida e simples
Efeito de contenção imediato
Pode utilizar materiais locais
Flexíveis e permeáveis
Permite a sistematização de margens muito íngremes ou em zonas com limitado espaço de
intervenção
Aumento da estabilidade da estrutura com o desenvolvimento radicular dos salgueiros
Desvantagens
A utilização de material pedregoso não característico do local aumenta os custos
Artificialidade da estrutura
Período de Execução
Todo o ano (estrutura)
Período de repouso vegetativo (estacaria viva)
Manutenção
Não necessita de tarefas de manutenção específicas, apenas se deve ter em atenção para o caso de
surgirem danos na estrutura.

Nascentes para a Vida

85

86

10. TERRA REFORÇADA
Descrição
Obra de sustentação, utilizada para reconstrução de taludes muito inclinados. Consiste numa
estratificação reforçada de várias parcelas de terreno local, as quais são estabilizadas interiormente
pelo peso do próprio terreno, enquanto que na parte frontal, a contenção do terreno é feita através
de uma protecção com diversos tipos de materiais inertes. Utilizam-se mantas de geotextil
orgânico reforçadas o não com redes de aço ou plástico e cheias com uns 50 cm. de terra vegetal.
finalizada uma camada procede-se à plantação de espécies enraizadas ou à disposição da ramos
com capacidade de instalação vegetativa de forma semelhante à construção de um leito de
ramagens. Esta técnica adapta-se muito bem à construção de muros de suporte ou a muros verdes
de protecção contra o ruído.
Campo de Aplicação
Taludes e margens fluviais de elevada inclinação. Muros para protecção sonora.
Materiais
Rede sintética ou metálica zincada e plastificada
Geotêxtil orgânico ou sintético
Geogrelhas de reforço
Material inerte de enchimento
Estacas vivas de espécies de propagação vegetativa, arbustos em torrão, hidrossementeira
Painéis em rede metálica electrossoldada
Vantagens
Elevada duração temporal
A construção por módulos permite obter formas ilimitadas, adaptadas às condições locais do
terreno
É a estrutura artificial com melhores condições para o estabelecimento da vegetação
Aplicável em locais com fortes inclinações e espaços limitados
Deformáveis e permeáveis
Desvantagens
Elevado custo
Os materiais de reforço não são biodegradáveis
Recolha de material de enchimento com características geotécnicas idóneas
Período de Execução
Todo o ano (estrutura)
Período de repouso vegetativo (estacaria viva e plantações)
Manutenção
Não necessita de tarefas de manutenção específicas, apenas se deve ter em atenção para o caso de
surgirem danos na estrutura.

Nascentes para a Vida

87

88

11. GRADE VIVA
Descrição
Estrutura em madeira obtida através da colocação de troncos de madeira horizontais e verticais
dispostos perpendicularmente entre si, e suportada por troncos de madeira cravados no solo que
servem de suporte à estrutura. Posteriormente, procede-se à plantação de estacas vivas, de plantas
em torrão ou em raiz nua, e finalmente enche-se a estrutura com terreno local. As grades vivas
são estruturas de madeira para a consolidação superficial de taludes com uma altura de até 20
m e declives de até 55%. O seu objectivo é a consolidação das camadas superficiais de solo da
encosta até uma profundidade de 30 ­ 40 cm (em função do tipo de grade (simples ou duplo)). São
construídas utilizando troncos de diâmetros entre 10 e 30 cm numa estrutura em grade simples ou
dupla. A distancia vertical entre os diferentes níveis transversais é função do ângulo de estabilidade
do solo de modo a garantir que não ocorram deslizamentos ou erosão do solo de enchimento. A
instalação da vegetação pode ser feita por plantação ou colocação de estacas posteriormente à
construção da grade. Isso significa que é possível construir a grade fora do período vegetativo ao
contrário da maioria dos sistemas construtivos descritos.
Campo de Aplicação
Em taludes com declives entre 45-55º e, eventualmente, em margens fluviais
Materiais
Troncos de madeira
Pregos ou varão de ferro roscado
Terreno local
Arame
Estacas vivas de espécies arbustivas autóctones
Plantas em torrão ou raiz nua
Vantagens
Estabilização imediata
A vegetação exerce uma acção drenante pois absorve a água necessária ao seu desenvolvimento
Requer pouca escavação
Permite o desenvolvimento de vegetação em taludes com declives muito acentuados sem a
necessidade de nivelamento
Efeito estabilizante contínuo, que inicialmente é assegurado pela estrutura em madeira, e
posteriormente é assegurado pelo desenvolvimento radicular da vegetação
Desvantagens
Método de construção intensivo
Difícil aplicação em substratos rochosos
Período de Execução
Todo o ano (estrutura em madeira)
Período de repouso vegetativo (estacaria viva e plantações)

Nascentes para a Vida

89

Manutenção
Substituição de estacas ou plantas que não tenham enraizado.
Grade de vegetação associada a muro de suporte tipo "Cribawall" de parede dupla (Martinho,
2005)
Dimensionamento da distancia horizontal entre traves numa grade simples (Pires, 2010)

Grade de vegetação associada a muro de suporte tipo "Cribawall" de parede dupla
(Martinho, 2005)

Dimensionamento da distancia horizontal entre traves numa grade simples (Pires, 2010)

90

12. GEOTEXTEIS E GEOMALHAS VIVAS
Descrição
Neste grupo incluem-se os geotexteis, as mantas orgânicas e as redes metálicas quando utilizados
como sistema de cobertura superficial permitindo o desenvolvimento de uma sementeira, de um
estacaria ou de plantações de plantas enraizadas. Estes tecidos e mantas destinam-se a garantir
uma cobertura do solo que evite a acção directa dos agentes erosivos e diminua as perdas de água
por evaporação, permitindo um desenvolvimento mais fácil das plantas. Adicionalmente regulam a
temperatura do solo, criando um microclima mais temperado e húmido. Uma adequada selecção
das mantas mais adequadas a cada situação (factores de perturbação e instabilidade) e a garantia
que se adequam à instalação dos propágulos utilizados (sementes, estacas, plantas enraizadas) é
crucial para o sucesso da instalação. Igualmente da maior importância é a fixação das geomalhas
que deve garantir uma percentagem significativa de sobreposição entre mantas consecutivas,
uma pregagem adequada e uma fixação superior e inferior resistente. Adaptam-se muito bem a
métodos combinados.
Campo de Aplicação
Podem ser aplicadas em muitas situação de ocorrência de erosão laminar, correcção de ravinamento
e consolidação de linhas de drenagem, margens de linhas de água e taludes com declives entre 25º
e 45º.
Materiais
Embora possam ser agrupadas e catalogadas de diferentes formas existem três grupos principais
de geotexteis destes materiais:
- Biomantas (as fibras estão desagragadas mas acondicionadas por um material estruturante
(geralmente rede ou outro material tecido de degradabilidade variável), comprimida de modo a
constituir um todo homogénio mesmo sem o invólucro)
- Biotecidos (as fibras estão entrançados)
- Bioredes (as fibras individuais estão ligadas (por nós ou agrafes) nos seus pontos de contacto)
Existem mantas numa grande diversidade de materiais: fibra de coco, juta, palha, esparto, etc,
combinadas ou não com redes ou malhas estruturais sintéticas (e.g., polipropileno) ou metálicas.
Em situações de controle do escoamento superficial empregam-se também redes de juta, esparto
ou fibra de coco.
Vantagens
Execução simples e rápida
Acção protectora imediata
Acção filtrante muito eficaz
Elasticidade e permeabilidade
Desvantagens
Durabilidade limitada no tempo
Período de Execução
Durante todo o ano, mas no caso de ser em combinação com sementeira ou planatação, durante o
período de reposo vegetativo.

Nascentes para a Vida

Manutenção
Vigilância no primeiro ano para controlar a estabilidade da estrutura e da pregagem.

91

92

13. BIOROLOS
Descrição
Rolos cilíndricos em fibra de coco, que permitem a sedimentação de materiais e/ou a estabilização
de margens fluviais.
Campo de Aplicação
Margens fluviais de declive baixo com limitada oscilação do nível da água e transporte sólido
bastante fino, margens de lagos, áreas lagunares.
Materiais
Rolo em fibra de coco
Arame
Troncos de madeira ou varas de ferro
Ramagens ou estacas vivas
Bolbos e Rizomas
Vantagens
Execução simples e rápida
Acção protectora imediata
Acção filtrante muito eficaz
Elasticidade e permeabilidade
Desvantagens
Limitada durabilidade limitada no tempo
Período de Execução
Durante o período de estiagem
Manutenção
Vigilância no primeiro ano para controlar a estabilidade da estrutura.

Nascentes para a Vida

93

14. BARRAGEM DE CORRECÇÃO TORRENCIAL
Descrição
É uma estrutura construída segundo a tipologia clássica das barragens, apesar de ser constituída
por madeira e pedra como materiais alternativos ao usual betão. É construída transversalmente
em relação ao sentido do escoamento da água, e contribui imediatamente para a diminuição da
inclinação do fundo do leito do rio, o que favorece a diminuição dos efeitos erosivos e a deposição
de material.
Campo de Aplicação
Linhas de água onde haja erosão lateral e no fundo do leito com transporte sólido não excessivo,
e onde o escoamento mínimo seja constante (evitar períodos em que os troncos de madeira se
encontrem húmidos e depois secos), de forma a favorecer a durabilidade da estrutura.
Materiais
Troncos de madeira
Varão de ferro roscado
Estacas e fascinas vivas de salgueiros
Pedra
Vantagens
Elevada duração temporal
Elevada capacidade drenante
Podem substituir as construções tradicionais, recorrendo à utilização de material local
Desvantagens
Obstáculo para a fauna piscícola
Período de execução
Período de estiagem
Manutenção
Não necessita de tarefas de manutenção específicas, apenas se deve ter em atenção para o caso de
surgirem danos na estrutura.

94

15. SOLEIRAS
Descrição
São estruturas construídas com pedras, que servem para superar os desníveis do leito, evitando
a criação de ressaltos, permitindo o movimento dos peixes. Antes da sua realização, é necessário
alargar o leito. A estrutura é eventualmente fixada a montante e a jusante com troncos inseridos
em profundidade. Imediatamente a montante da soleira é desejável a realização de cavidades para
peixes.
Campo de Aplicação
Leitos de linhas de água com inclinação média-baixa, e com fundo pedregoso e arenoso. Aplicam-se
também como dissipadores de energia na base de barragens de correcção torrencial.
Materiais
Blocos de pedra
Troncos de madeira
Vantagens
Consolidação imediata do leito da linha de água. Rappresenta una via funzionale alla risalita del
corso
Funciona também como estrutura de apoio à subida da fauna ictícia.
Desvantagens
Necessita de uma quantidade elevada de material inerte.
Período de Execução
Em qualquer estação do ano, excepto em período de reprodução de peixes.
Manutenção
Não necessita de tarefas de manutenção específicas.

Nascentes para a Vida

95

16. ENROCAMENTO VIVO
Descrição
Obra de defesa longitudinal contra a erosão das margens fluviais, que consiste na colocação de pedras de
grandes dimensões nas margens. Nos interstícios entre pedras são colocadas estacas vivas de salgueiro.
Campo de Aplicação
Margens fluviais de linhas de água com notável transporte sólido e elevada velocidade de
corrente.
Materiais
Pedras de grandes dimensões
Estacas vivas de espécies com capacidade de reprodução vegetativa
Troncos de madeira (opcional)
Vantagens
Efeito protector imediato
Assim que as estacas vivas desenvolvam o seu sistema radicular aumenta o efeito estabilizador no
solo
Manutenção reduzida
Desvantagens
Técnica de difícil aplicabilidade em zonas pouco acessíveis à maquinaria necessária para a sua
execução.
Em linhas de água de regime torrencial, estão sujeitas a escavação na base.
Período de Execução
Todo o ano (colocação de pedras)
Período de repouso vegetativo (estacaria viva)
Manutenção
Controlo periódico por pelo menos duas ou três estações vegetativas e substituição de estacas vivas
que não tenham enraizado.

96

17. DEFLECTORES (ESPORÕES) VIVOS
Descrição
Construção em madeira, pedra e material vegetal vivo, colocada transversalmente ou
longitudinalmente em relação ao escoamento das águas. Desenvolvem eficazmente funções antierosivas, reduzindo a velocidade da água, e consentindo a deposição de material sólido. Constituem
também pontos de refúgio para a fauna.
Materiais
Troncos de madeira
Ramagem morta e viva
Estacas de salgueiro
Material de enchimento (pedras, seixos)
Varão de ferro roscado
Vantagens
Tornam-se parte integrante da margem fluvial
A presença da ramagem reduz a velocidade da água e mistura-a, criando zonas de águas baixas
tranquilas, indicadas para a reprodução de diversas espécies piscícolas.
Desvantagens
Podem causar erosão na margem oposta, caso não sejam bem dimensionados.
Utilização de grandes quantidades de material vivo.
Período de Execução
Todo o ano, exceptuando a aplicação do material vivo que deverá ocorrer durante o período de
repouso vegetativo
Manutenção
Nos primeiros dois anos deverá ter-se em atenção o desenvolvimento das estacas vivas, com
substituição das que não vingaram.
Após eventos de cheias, deverá ser avaliada a necessidade de reposicionar algumas pedras que
sejam eventualmente levadas pela corrente.

Nascentes para a Vida

97

98

18. BARREIRAS DE CONTENÇÃO DE SOLO
Descrição
Consiste no aproveitamento em zonas pós-fogo, de troncos de árvores mortas, os quais são
colocados horizontalmente sobre o terreno, apoiados noutros fixados no solo, ou mesmo nas toiças
resultantes do corte de árvores ardidas. Rapidamente contribuem para a sedimentação do solo
erodido, que devido à falta da protecção dada pela vegetação é facilmente arrastado. ­ Esta é
uma técnica simples de consolidação superficial de solos erodidos e de redução da energia do
escoamento por redução do trajecto linear da água na encosta. Constituem, simultaneamente um
excelente suporte para a vegetação devido à acumulação de partículas finas e pela redução da
erosividade do escoamento que garantem. A sua construção faz-se cravando estacas na encosta,
por trás das quais se dispõem horizontalmente um ou dois que podem servir de base para a
construção de leitos de ramos ou realizar plantações de lenhosas. Facilitam também o sucesso
de sementeiras entre as linhas de degraus ao reduzir a energia do escoamento e a consequente
erosão superficial. Em zonas ardidas no imediato pós-fogo podem-se utilizar os troncos de árvores
mortas colocando-os horizontalmente sobre o terreno, apoiados noutros fixados no solo, ou mesmo
nas toiças resultantes do corte de árvores ardidas. Esta intervenção contribui rapidamente para a
sedimentação do solo erodido, que devido à falta da protecção dada pela vegetação é facilmente
arrastado. Facilita, por este modo a restauração da vegetação ao preservar o solo e a sua humidade
acima desses troncos criando as melhores condições para uma plantação bem sucedida.
Materiais
Troncos de madeira e eventualmente pregos, varão de ferro roscado, arame
Vantagens
Contenção e sedimentação imediata do solo erodido
Aproveitamento de material local
Desvantagens
Elevada quantidade de material e mão-de-obra
Período de Execução
Assim que possível após a ocorrência do fogo.
Manutenção
Não necessita de tarefas de manutenção específicas.

99

Nascentes para a Vida

CUSTOS ASSOCIADOS À IMPLEMENTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE MEDIDAS DE EN
A orçamentação dos custos de implementação das medidas/técnicas de Engenharia
Natural mais relevantes são baseadas na bibliografia da especialidade. De acordo com
isso, apresentaremos em seguida, por cada técnica, os valores definidos:
Técnica de Engenharia Natural

Custo Unitário

Barragem correcção torrencial

150/m2

Barreiras de contenção de selo

30/m

Biorolo

50/m

Deflectores vivos

10/m

Enrocamento vivo

120/m2

Entraçado vivo

30/m

Estacaria viva

3/estaca

Esteira viva

30/m2

Faixas de vegetação

10/m

Fascina viva

20/m

Fascinas vivas múltiplas

50/m2

Gabiões vivos

160/m2

Geocélulas

32/m2

Grade viva

100/m2

Hidrossementeira

1/m2

Manta Orgânica

5/m2

Muro de suporte vivo

150/m

Paliçada

5/paliçada

Plantação

4/pé

Redes tridimensionais

150/m2

Sementeira

1/m2

Soleiras

200/m2

Terra armada / Muro verde

200/m2

Transplantação

20/m2

Apesar das suas limitações, as técnicas de engenharia natural oferecem diversas
vantagens relativamente às técnicas tradicionais. Estas vantagens encontram-se
descritas na listagem seguinte:
· Baixo custo e reduzida manutenção a longo prazo relativamente às obras de
engenharia convencionais, obtendo por isso um maior índice de custo ­ benefício.
· Há medida que um projecto de engenharia natural adquire maturidade (após a plena
adaptação e desenvolvimento da vegetação às condições locais, pouca ou nenhuma
manutenção é necessária;
· Promovem a utilização e por vezes reutilização de materiais naturais, adquiridos nos
locais de intervenção (solo, vegetação, madeira, pedra);

100

·
Benefícios ambientais ao nível da criação de nichos ecológicos, melhorias na
qualidade da água;
· Aumento das forças estabilizantes do solo, através do desenvolvimento contínuo
das raízes;
· Obras com elevada compatibilidade ambiental, pois são estruturas de baixo impacto,
perfeitamente enquadradas na paisagem;
· Promoção de valores estéticos paisagísticos.
Custos de Manutenção
Resumo:
Ano

1

2

3

4

5

6

7

8

9

1º Ano

2

2

2

1

1

1

1

1

1

10

11

12
1

2 operários x 8h/dia x 2 dias/mês x 3 meses
2 operários x 8h/dia x 1 dia/mês x 6 meses
2 operários x 8h/dia x 1 dia/mês para 3 meses
Total:
2 operários x (8h x 6 dias = 48 horas) + (8h x 6 dias = 48 horas) + (8h x 3 dias = 24 h) =
120 h / ano
120 h x 15 = 1800 /ano (Mão de Obra)
As tarefas de manutenção referentes ao primeiro ano após a construção das técnicas
de engenharia natural são imprescindíveis, pois garantem muitas vezes a eficácia e o
sucesso deste tipo de intervenções.
A garantia inicial de estabilização de cada uma das intervenções é dada inicialmente pela
estrutura inerte, a qual perderá ao longo do tempo a sua resistência, devido à degradação
dos materiais (ex: troncos de madeira). No entanto, este facto não é preocupante, pois
essa mesma força estabilizante será substituída pelo desenvolvimento do sistema
radicular das espécies implementadas.
Para além do valor de mão-de-obra, existem outros custos associados à manutenção
das técnicas de engenharia natural, que irão ser variáveis, pois dependem da evolução
das mesmas.
Segundo Zeh (2007), a manutenção de obras de engenharia natural, diz respeito aos
trabalhos que se efectuam tendo em vista a conservação das estruturas e vegetação
implementadas, bem como assegurar a sua eficiência técnica e ecológica.
Em condições normais, isto é, quando foram aplicadas as técnicas construtivas e as

Nascentes para a Vida

101

plantas adequadas, a manutenção das obras não é necessária após o segundo ano ou
então dá-se de uma forma periódica em intervalos médios (3 a 10 anos), em intervalos
prolongados (superiores a 10 anos), ou então após acontecimentos como catástrofes
naturais, fogos ou danos causados por terceiros.
Esses trabalhos de cuidado e manutenção podem incluir as seguintes actividades:
· Prevenção dos danos causados pela fauna selvagem ou pelo gado.
· Ceifa e transporte do material ceifado.
· Pastoreio extensivo por espécies adequadas como por exemplo as ovelhas.
· Cobertura do solo (com palhas ou "mulch") de plantações de lenhosas em particular
em zonas áridas.
· Irrigação.
· Drenagem.
· Melhoramento do solo através de adubação arejamento ou movimentação.
· Podas dos materiais lenhoso para remoção de partes mortas ou doentes, para
regeneração, redução da densidade e favorecimento de espécies preferenciais.
Existem determinadas tarefas de manutenção nas obras de engenharia natural que se
não devem ser descuradas:
1. Eliminação e substituição das plantas que não tenham tido sucesso
Eventuais plantas mortas devem ser substituídas por outras idênticas, bem como
proceder a novas sementeiras ou plantações em zonas onde o seu crescimento esteja
a ser irregular ou defeituoso. Estas tarefas deve ser realizadas imediatamente após a
identificação dos problemas, de maneira a prevenir eventuais fenómenos de erosão
localizada, e que possam comprometer o sucesso das intervenções realizadas.
2. Sistematização de danos
Deve-se proceder no mais curto espaço de tempo à sistematização de danos causados
pela erosão, com intervenções que reponham as condições deixadas após a realização
das obras, seja na reposição de solo perdido, novas plantações ou mesmo arranjos
estruturais. Também poderá ser necessário solucionar possíveis danos causados pela
fauna selvagem ou gado doméstico.
3. Irrigações
De forma a favorecer o enraizamento da vegetação, deve-se proceder a diversas
operações de irrigação pelos menos nos dois primeiros anos após a conclusão das
obras.

102

4. Controlo da vegetação
É necessário realizar diversas tarefas de manutenção enquanto a vegetação se
desenvolver, tais como: cortes, mondas, desbastes, remoção de partes mortas ou
doentes, e redução da densidade de forma a favorecer as espécies preferenciais.
5. Podas
As podas de formação e de manutenção devem ser realizadas de acordo com as
características de cada espécie.
6. Controlo fitossanitário
È necessário controlar as manifestações patológicas na vegetação, procedendo à
eliminação total do problema que a afecta, e remediar os danos causados.
7. Melhoramento das características do solo
Tarefas de adubação, arejamento e drenagem.
Normalmente, as técnicas tradicionais de engenharia usando exclusivamente materiais
inertes, requerem mais tarefas de manutenção ao longo do seu tempo de vida, e no
caso de ocorrem falhas nas estruturas, tornam-se mais dispendiosas em termos de
reparação. Os projectos de engenharia natural podem ser mais custosos inicialmente,
especialmente pela mão-de-obra especializada, pelas replantações, possíveis reparações
e monitorização. Contudo, os seus custos de manutenção serão significativamente mais
baixos ao longo do tempo, devido à sua resiliência e natureza auto-sustentável. )

ANEXO II
As Principais plantas que dispomos em Portugal
para a Engenharia Natural (Carlos Souto Cruz)

105

Nascentes para a Vida

Espécie

Acer monspessulanum L.
Acer pseudoplatanus L.

Nome Vulgar

Tipo de propagação
vegetativa

sementeira

zelha

?

X

platano bastardo

X

X

Alnus glutinosa (L.) Gaertner

amieiro

X

X

Ammophila arenaria (L.) Link subsp. arundinaceae H. Lindb. Fil.

estorno

X

X

Arbutus unedo L.

medronheiro

Artemisia campestris L. subsp. maritima Arcangeli

madorneira

X

X

salgadeira

X

X

X

X

Atriplex halimus L.
Betula celtiberica Rothm. & Vasc.
Buxus sempervirens L.

X

vidoeiro
buxo

X

Calicotome villosa (Poiret) Link
Calluna vulgaris (L.) Hull
Castanea sativa Miller
Celtis australis L.

X
urze
castanheiro

X
X

trovisco alvar

X
X

Ceratonia siliqua L.

alfarrobeira

X

Chamaerops humilis L.

palmeira anã

X

Chamaespartium tridentatum (L.) P. Gibbs
Cheirolophus sempervirens (L.) Pomel

carqueja

X

viomal

X

Cistus albidus L.

roselha branca

X

Cistus crispus L.

roselha

X

Cistus ladanifer L.

esteva

X

Cistus monspeliensis L.

sargaço

X

Cistus populifolius L. subsp.populifolius

estevão

X

Cistus psilosepalus Sweet.

saganho

X

saganha- mouro

X

Cistus salvifolius L.
Corema album (L.) D. Don subsp. album

camarinheira

Cornus sanguinea L. subsp. sanguinea
Coronilla valentina L. subsp. glauca (L.) Batt. in Batt.
Corylus avellana L.
Crucianella maritima L.
Cytisus grandiflorus (Brot.) DC:
Cytisus multiflorus (L` Hér) Sweet
Cytisus scoparius (L.) Link. subsp. scoparius
Cytisus striatus (Hill) Rothm.
Daboecia cantabrica (Hudson) C. Koch

X
?

X

X

X

sena do reino
aveleira

X

granza das praias

X

giesta

X

giesta das sebes

X

giesta

X

giesta da vasseira

X

urze

X

Daphne gnidium L.

trovisco femea

Elymus farctus (Viv.) Melderis subsp. boreo-atlanticus(Simonet
& Guinochet) Melderis

feno das areias

X

Elymus farctus (Viv.) Melderis subsp. farctus

feno das areias

X

X
X
X

Erica arborea L.

urze

X

Erica australis L.

urze

X

Erica ciliaris L.

urze

X

Erica cinerea L.

urze

X

Erica erigena R. Ross

urze

X

Erica lusitanica Rudolphi in Schrader

urze

X

Erica scoparia L. subsp. scoparia

urze

X

Erica umbellata L.

urze

X

106

Espécie

Nome Vulgar

Frangula alnus Miller
Fraxinus angustifolia Vahl subsp. angustifolia
Genista florida L.

Tipo de propagação
vegetativa

sementeira

?

X

figueira

X

piorno dos tintureiros

X

Genista triacanthos Brot.

X

Hedera helix L. subsp. canariensis (Willd) Coutinho

hera

X

X

Hedera helix L. subsp. helix

hera

X

X

Hyparrhenia hirta (L.) Stapf subsp. pubescens (Andersson)
Paunero

X

Jasminum fruticans L.

jasmineiro

X

Juniperus navicularis

piorro

X

Juniperus phoenicea L.

sabina das praias

Lavandula viridis L' Her

rosmaninho

Ligustrum vulgare L.

X
?
X
X

X

X

Lygos monosperma (L.) Heywood

tojo molar

Lygos sphaerocarpa (L.) Heywood

piorno branco

X

Malus sylvestris Miller

macieira brava

X

Myrica faya Aiton
Myrica gale L.
Myrtus communis L. subsp. communis

X

samouco

X

murta dos pantanos

?

X

murta

X

X

Nerium oleander L.

cevadilha

X

X

Olea europaea L. var. sylvestris

alfazema

X

X

Ononis natrix L. subsp. hispanica (L. fil,) Coutinho

joina

X

Ononis natrix L. subsp. ramosissima (Desf.) Batt. & Trabut

luzerna das praias

X

Otanthus maritimus (L.) Hoffmanns

cordeiros da praia

Phillyrea angustifolia L.

zambujeiro

Phillyrea latifolia L.

X
?

X

?

X

Pinus pinaster Aiton

pinheiro bravo

X

Pinus pinea L.

pinheiro manso

X

Pinus sylvestris L.
Pistacia lentiscus L.

cascquinha
aroeira

X
?

X

Pistacia terebinthus L

carnalheira

?

X

Populus alba L.

borrazeira

X

X

Populus nigra L. subsp. caudina

choupo branco

Prunus avium L.
Prunus dulcis (Miller) D. A. Webb

X

X

X

X

abrunheiro

X

X

Prunus lusitanica L. subsp. lusitanica

azereiro

?

X

Prunus mahaleb L.

azereiro

Prunus padus L. subsp. padus
Prunus spinosa L. subsp. insititioides (Fic. & Coutinho) Franco

?

X

?

X

pessegueiro

X

X

abrunheiro brava

?

X

Pyrus cordata Desv.

pereira brava

?

X

Pyrus pyraster Burgsd.

pereira brava

?

Pyrus bourgaeana Decne.

Quercus coccifera L.
Quercus faginea Lam.
Quercus pyrenaica Willd.
Quercus robur L.

carrasco

X
X

carvalho cerquinho

X

carvalho negral

X

carvalho alvarinho

X

107

Nascentes para a Vida

Quercus rotundifolia Lam

azinheira

X

Quercus suber L.

sobreiro

X

Rhamnus alaternus L.

sanguinho das sebes

X

X

Rhamnus lycioides L. subsp. oleoides (L.) Jahandiez & Maire

espinheiro preto

w

X

Rhododendron ponticum L. subsp. baeticum (Boiis & Reuter)
Hand-Mazz

adelfeira

Rosmarinus officinalis L.

alecrim

X

X

tojo

X

X

Ruscus aculeatus L.
Salix alba L. subsp. alba

X

arrudão

X

X

Salix alba L. subsp. vitellina (L.) Arcangeli

salgueiro branco

X

X

Salix arenaria L.

salgueiro branco

X

X

Salix atrocinera Brot.

salgueiro an¦o

X

X

Salix fragilis L.

salgueiro preto

X

X

Salix repens L.

vimeiro

X

X

Salix salvifolia Brot. subsp. australis Franco

salgueiro anão

X

X

Salix salvifolia Brot. subsp. salvifolia

borrazeira branca

X

X

Salix triandra L. subsp. discolor (Koch) Arcangeli

borrazeira branca

X

X

sabugueiro

X

X

X

X

?

X

?

X

Sambucus nigra L.
Santolina impressa Hoffmanns & Link
Securinega tinctoria (L.) Rothm.

tamujo

Sorbus aucuparia L. subsp. aucuparia
Sorbus latifolia (Lam.) Pers.

carnogodinho

Sorbus torminalis (L.) Crantz
Spartina maritima (Curtis) Fernald
Spartium junceum L.

morraça

X

?

X

X

X

X

X

X

X

giesta

Tamarix africana Poiret
Taxus baccata L.

?

teixo

X

Thymus camphoratus Hoffmanns & Link

tomilho

X

Thymus capitatus (L.) Hoffmanns & Link

tomilho

X

Thymus capitellatus Hoffmanns & Link

tomilho

X

Thymus carnosus Boiss

tomilho

X

Vaccinium myrtillus L.

uva do monte

Viburnum tinus L subsp. tinus

folhado

X
X

X

Ficha Técnica
Título e subtítulo

Introdução à Engenharia Natural

Edição

EPAL - Empresa Portuguesa das Águas Livres, S.A.

Paginação e Design

Gabinete de Imagem e Comunicação da EPAL

Impressão

Rolo e Filhos II, SA

Tiragem1250
Depósito Legal:
Ano2011
ISBN978-989-97459-5-7