Cap. 07 - Inspeção e Manutenção
IMPORTÂNCIA DA MANUTENÇÃO
A manutenção visa assegurar as condições de funcionamento da aeronave, a fim de manter a
segurança e desempenho operacional da mesma.

Dada a importância da manutenção para a segurança e operacionalidade da aeronave, só confie este
trabalho a oficinas e mecânicos credenciados pelas autoridades aeronáuticas.

PROCEDIMENTOS E PROGRAMAS DE MANUTENÇÃO
Os serviços de manutenção, desde a inspeção de pré-vôo até as revisões mais abrangentes, devem
ser feitos segundo os procedimentos e programas estabelecidos pelo fabricante da aeronave, do motor e dos
demais componentes que assim o exigem.

Eles estão especificados nos respectivos manuais e são de cumprimento obrigatório.
É da responsabilidade do proprietário ou operador da aeronave, comprovar a realização desses
serviços às autoridades aeronáuticas, por ocasião das vistorias.
Além disso pode haver, eventualmente, boletins de cumprimento opcional ou obrigatório, quando
determinada circunstância proporcione melhor desempenho a aeronave ou se mostre imprescindível a
segurança de sua operação.

TIPOS DE MANUTENÇÃO
A manutenção é dividida em dois tipos clássicos; a corretiva e a preventiva.

MANUTENÇÃO CORRETIVA
Como o próprio nome diz, a manutenção corretiva se destina a sanar uma deficiência constatada ou
uma degradação de desempenho reportado pelo piloto.
Enfim, é um conserto, como a fixação de um rebite frouxo ou outro reparo dessa natureza.

MANUTENÇÃO PREVENTIVA
A manutenção preventiva se destina basicamente a evitar a ocorrência de defeitos que venham
comprometer a segurança e o desempenho da aeronave.
Ela é baseada nos procedimentos e programas periódicos estabelecidos pelo fabricante, nos manuais
técnicos.

Esses procedimentos e programas são calcados em critérios que constam desde experiências
passadas, quanto de testes práticos e de laboratório que exigem condições extremas de operação de cada
componente, conforme padrões aeronáuticos internacionais, a fim de estabelecer os períodos de utilização do
equipamento, ideais para cada revisão.

MANUTENÇÃO - INSPEÇÕES E REVISÕES
As inspeções e revisões são os mecanismos apropriados para manter a aeronave em condições
seguras e operacionais para o vôo.

INSPEÇÃO DE PRÉ-VÔO
A inspeção de pré-vôo, como o próprio nome diz, é feita antes do vôo, sendo o mais simples e talvez
o mais importante dos serviços de manutenção. Ela é feita pelo piloto, as demais são atribuídas à
Manutenção.
Ela requer treinamento do piloto quanto aos procedimentos a serem executados, bem como quanto a
sua segurança, ao mover a hélice com a mão, ou outros pontos críticos.

Nesta ocasião, baseado num check list ou lista de verificação, são observados o estado geral da
aeronave, dos motores, do combustível durante a drenagem, do nível de óleo, enfim tudo que possa
comprometer o vôo. A inspeção dos pneus, por exemplo, faz parte do pré-vôo. Nessa ocasião, se rejeita o
pneu que apresentar materiais encravados na borracha; furos que atinjam as lonas; estejam carecas; com
cortes; com desgaste excessivo; com bolhas na banda lateral; que tenha corrido no cubo da roda, ou
qualquer outra discrepância que possa comprometer a segurança da decolagem e do próximo pouso.

INSPEÇÃO E REVISÃO PERIÓDICA
As inspeções e revisões periódicas compreendem a manutenção preventiva realizada em
determinados períodos ­ normalmente horas de vôo. Elas abrangem a estrutura da aeronave, o motor e
outros componentes que são desmontados total ou parcialmente, ocasião em que são inspecionadas e
trocadas as peças desgastadas e as que têm vida útil pré-estabelecida.

FALHAS ESTRUTURAIS
As falhas estruturais são críticas em uma aeronave, pois a fadiga afeta as partes metálicas
submetidas a esforços, comprometendo ao longo do tempo, a sua utilização. Sempre que uma rachadura é
detectada, o fabricante pode reduzir o número de horas de vôo entre uma inspeção e outra, a fim de observar
sua evolução, antes que atinjam uma situação de perigo. Os métodos mais comuns de constatá-las e
observá-las são as inspeções não destrutivas como: Magnaflux, líquido penetrante, Zyglo e Raio-X ou Ultrasom.

Magnaflux
Magnaflux ou processo de partículas magnéticas é o mais utilizado para detectar rachaduras em
peças ferrosas. Nesse processo a peça é magnetizada e banhada com um líquido que contém partículas de
ferro em suspensão. As partículas se concentram junto as rachaduras, fazendo com que ela se torne visível a
olho nu.

Líquido Penetrante
No processo de líquido penetrante, como o próprio nome sugere, o líquido é aplicado na peça sobre
suspeita e devido a sua propriedade de alta penetração e visibilidade, torna a rachadura plenamente visível.

Zyglo
No processo zyglo ou penetração fluorescente, um líquido penetrante e fluorescente é aplicado na
peça sob suspeita, em seguida, com o emprego de uma lâmpada ultravioleta, pode-se constatar a rachadura
que brilha devido a propriedade fluorescente do líquido em contraste com a luz ultravioleta.

Raio-X e Ultra-som
O método do raio-X e o de ultra-som são empregados para descobrir rachaduras internas numa peça
ou parte da estrutura da aeronave. O raio-X é bem semelhante a uma radiografia em que num filme o médico
detecta uma fratura interna. No ultra-som, a rachadura reflete estes raios emitidos pelo transdutor, que são
assinalados em uma tela tipo televisão, denunciando a existência de uma rachadura interna.

CÓDIGOS DE TUBULAÇÕES
Esta tabela mostra algumas das principais tubulações utilizadas em aeronaves, com os respectivos
códigos de cor.
Essas cores facilitam a identificação do produto conduzido pela tubulação, quando são efetuadas as
inspeções e revisões de manutenção.

Além das cores, símbolos correspondente a cada cor, também indica estes códigos, como alternativa
para o caso de descoloração da tubulação.