UFRJ

FORMULÁRIO CEG / 03 - D

SR-1 CEG

Regis tro de Dis ciplina

UNIDADE : Instituto de Ciências Biomédicas
DEPARTAMENTO : Histologia e Embriologia

1. CENTRO / UNIDADE / DEPARTAMENTO : 05 / 05 / 01
3. CÓDIGO DA DISCIPLINA : BMH071

Folha no

CENTRO : Ciências da Saúde

2. ANO E PERÍODO DA OPERAÇÃO : 2003 / 01

4. NOME : Bioengenharia Tecidual

5. CARGA HORÁRIA SEMANAL : 03 horas ; 03 teóricas e 00 prática

6. CARGA HORÁRIA POR PERÍODO : 45 horas, 45 teóricas e 00 prática

6.1. CRÉDITOS: 03 créditos

7. REQUISITOS : IQB248 ­ Bioquímica EQ
8. CARACTERÍSTICAS DAS AULAS PRÁTICAS:

9. CURSOS / HABILITAÇÕES PARA OS QUAIS É OFERECIDA :
Engenharia de Bioprocessos
10. CÓDIGO DA OPERAÇÃO
1 - Implantação de disciplina
2 - Alteração de carga horária

3 - Alteração de código
4 - Alteração de ementa
5 - Alteração de nome

11. ALTERAÇÃO DO CÓDIGO DA DISCIPLINA : código antigo =

6 - Alteração de requisitos
7 - Acerto de dados incorretos
8 ­ Exclusão

9 - Desativação
10 - Ativação

01

código novo =

12. EMENTA (máximo de 500 caracteres)
Células: uso em bioengenharia tecidual. Matrizes: Matrizes extracelulares biógenas e artificiais. Mediadores Moleculares. Engenharia Tecidual: construção de tecido ex vivo, reparo e
construção de tecidos in situ, vascularização e integração funcional com o leito tecidual. Exemplos de bioengenharia tecidual. Perspectivas e limitações operacionais.

13. BIBLIOGRAFIA BÁSICA
1. Davies, J.E. (2000) Bone Engineering. EM2 Inc., Toronto, Canada.
2. Lanza, R.P.; Langer, R.; Vacanti, J. (2000) Principles of Tissue Engineering. 2nd Edition. Academic Press, New York.
3. Morgan, J.R. e Yaramush, M.L. (1999) Tissue Engineering: Methods & Protocols. Humana Press, Totowa, N.J.
4. Davies, J.E. (2001) The Bone-Biomaterial Interface. EM2 Inc., Toronto, Canada.