Universidade Federal de Goiás
Instituto de Física

Projeto Pedagógico do Curso
Graduação em Engenharia Física

Aprovado pelo Conselho Diretor em 30 de setembro de 2014
Avaliado e aprovado pelo NDE em 10 de abril de 2015

10 de abril de 2015

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS
INSTITUTO DE FÍSICA

Diretor do Instituto de Física
Prof. Dr. Tertius Lima da Fonseca
Vice-Diretor
Prof. Dr. Salviano de Araújo Leão
Coordenador do Curso de Graduação em Engenharia Física
Prof. Dr. Lauro June Queiroz Maia
Membros da Comissão Responsável pela Elaboração do Projeto Pedagógico do
Curso de Graduação em Engenharia Física.
Prof. Dr. Jesiel Freitas Carvalho
Prof. Dr. José Ricardo Sabino
Prof. Dr. Lauro June Queiroz Maia
Prof. Dr. Ricardo Avelino Gomes
Membros do Conselho Diretor do Instituto de Física
Docentes:
Prof. Dr. Adolfo Franco Júnior
Prof. Dr. Álvaro de Almeida Caparica
Prof. Dr. Andris Figueiroa Bakuzis
Prof. Dr. Antônio Alonso
Prof. Dr. Ardiley Torres Avelar
Prof. Dr. Carlito Lariucci
Profa. Dra. Cássia Alessandra Marquezin
Profa. Dra. Célia Maria Alves Dantas
Profa. Dra. Cristhiane Gonçalves
Prof. Dr. Ernanni Damião Vieira
Prof. Dr. Fábio Luis Braghin
Prof. Dr. Francisco Aparecido Pinto Osório
Prof. Dr. Giovanni Piacente
Prof. Dr. Herbert de Castro Georg
Prof. Dr. Hermann Freire Ferreira Lima e Silva
Prof. Dr. Ivo de Almeida Marques
Prof. Dr. Jefferson Adriany Ribeiro da Cunha
Prof. Dr. Jesiel Freitas Carvalho
Prof. Dr. Jonas Oliveira da Silva
Prof. Dr. José Nicodemos Teixeira Rabelo
Prof. Dr. José Ricardo Sabino
Prof. Dr. José Rildo de Oliveira Queiroz
Prof. Dr. Ladir Candido da Silva
Prof. Dr. Lauro June Queiroz Maia
Prof. Dr. Leandro Felix de Sousa Bufaiçal
Prof. Dr. Lucas Chibebe Céleri
Prof. Dr. Luiz Gonzaga Roversi Genovese
Prof. Dr. Márcio Adriano Rodrigues Souza
Prof. Dr. Marcos Antônio de Castro
Profa. Dra. Maria Amélia Pires
2

Prof. Dr. Nilson Mendes Borges
Prof. Dr. Norton Gomes de Almeida
Prof. Dr. Orlando Afonso Valle do Amaral
Prof. Dr. Osni Silva
Prof. Dr. Pablo José Gonçalves
Prof. Dr. Paulo Celso Ferrari
Prof. Dr. Rafael de Morais Gomes
Prof. Dr. Renato Borges Pontes
Prof. Dr. Renato Pessoa Vale
Prof. Dr. Ricardo Avelino Gomes
Prof. Dr. Ricardo Costa de Santana
Prof. Dr. Salviano de Araújo Leão
Profa. Dra. Sheila Gonçalves do Couto Carvalho
Prof. Dr. Silvio Leão Vieira
Prof. Dr. Tertius Lima da Fonseca
Prof. Dr. Wagner Wilson Furtado
Prof. Dr. Wesley Bueno Cardoso
Representantes dos servidores técnico-administrativos:
Altiva Garcia de Paula
André Gomes dos Santos
Cícero Alves Junqueira
Gustavo Henrique Pessoa Chaves
Jeveson Cardozo da Silva
Juracy Leandro dos Santos Júnior

Representantes dos estudantes:
Abner Leonel Gadelha Gomes
Dhanyella Nunes Bispo
Jheury Egezileu de Souza
Matheus Carvalho José Pacheco
Matheus Motta Moreira
Nicholas Zufelato
Vitor Caetano Paulo

Campus Samambaia, Caixa Postal 131, 74001-970, Goiânia-Goiás-Brasil
Fone/Fax: +55 (62) 3521-1122 / 1014 ­ www.if.ufg.br ­ [email protected]

3

Sumário
página
1.
2.
3.
4.

5.

6.

7.
8.
9.
10.

11.
12.
13.
14.
15.

Apresentação do projeto......................................................
Exposição de motivos..........................................................
Objetivos............................................................................
Princípios norteadores para a formação do profissional...............
4.1 Fundamentação legal ....................................................
4.2 Prática profissional ..............................................................
4.3 Formação técnica...................................................................
4.4 Integração entre teoria e prática.............................................
4.5 Interdisciplinaridade................................................................
4.6 Formação ética e a função social do profissional...................
Expectativa da formação do profissional..................................
5.1 Perfil do egresso..........................................................
5.2 Habilidades do egresso.................................................
Política e gestão de estágio..................................................
6.1 O estágio curricular obrigatório ........................................
6.2 O estágio curricular não obrigatório........................................
6.3 Integração entre atividades de ensino, de pesquisa e de
extensão.................................................................................
Trabalho de conclusão de curso................................................
Atividades práticas..................................................................
A avaliação da aprendizagem....................................................
Estrutura curricular ....................................................................
10.1. Elenco de disciplinas com ementas do curso de
Engenharia Física...........................................................................
10.1.1. Núcleo comum (NC)................................................
10.1.2. Núcleo específico obrigatório (NEOB).....................
10.1.3. Núcleo específico optativo (NEOP).........................
Atividades complementares .........................................................
Sistema de avaliação do projeto de curso......................................
Política de qualificação docente e técnico-administrativo ...........
Considerações finais ...............................................................
Requisitos legais e normativos.....................................................

5
6
8
8
8
9
10
11
12
13
15
15
16
17
17
20
20
22
22
23
24
29
29
37
52
60
60
61
61
61

4

1. Apresentação do projeto
O curso de Física da Universidade Federal de Goiás (UFG) foi criado
em 1963, concomitantemente à criação do então Instituto de Matemática e Física
(IMF), sendo reconhecido pelo Decreto nº 65.784 de 15 de dezembro de 1969. Em
1997, com o desmembramento do IMF, foi instalado oficialmente o Instituto de
Física. Em 2003 foi criado o curso específico de licenciatura em Física, passando a
existir, em separado, os cursos de bacharelado e licenciatura, até então realizados
conjuntamente. Em todos esses anos, o curso de Física passou por inúmeras
modificações curriculares, sempre no sentido de aprimorar o ensino e formar
profissionais qualificados e críticos para atuarem como pesquisadores e/ou
educadores.
Nos anos de 2011 e 2012 várias discussões foram realizadas
motivadas pela necessidade de revisar as grades curriculares dos cursos de
Licenciatura e Bacharelado em Física do Instituto de Física (IF) da UFG. O objetivo
era a integração dos cursos, otimização das disciplinas, reavaliação dos prérequisitos, e, além disso, oferecer novos cursos que diversificassem a formação
profissional dos egressos, visando o desenvolvimento social e tecnológico do Brasil.
Foi neste ambiente que surgiram as propostas de criação dos cursos de Física
Médica e Engenharia Física, aprovadas pelo Conselho Universitário da UFG em 28
de setembro de 2012 (Resolução CONSUNI no 23/2012). Com esta decisão, o
Instituto de Física passa a oferecer, a partir de 2013, 5 cursos de graduação,
Licenciatura em Física, presencial e à distância, Bacharelado em Física, Física
Médica e Engenharia Física.
O presente documento consiste no Projeto Pedagógico que norteará as
atividades do curso de graduação em Engenharia Física da Universidade Federal de
Goiás (UFG). Ele é fruto de intensos debates e esforço coletivo, representando as
reflexões, experiências, responsabilidades e compromissos dos docentes da
Unidade e demais membros do Conselho Diretor do IF.
Estão delineados neste projeto os objetivos gerais e os princípios
norteadores da formação profissional a ser oferecida, o perfil do egresso, com suas
competências e habilidades, a política de estágio e prática, assim como a proposta
de grade curricular do curso de Engenharia Física. Estabeleceu-se estratégias para a
formação de um profissional comprometido com a sua atuação profissional, capaz de
atuar na pesquisa científica, nas suas aplicações e na inovação tecnológica; mas,
além disso, também ciente do seu papel social e da sua capacidade criativa, capaz
de atuar na formação de uma sociedade mais próspera e justa.
O curso de graduação em Engenharia Física, bacharelado, implantado
a partir do primeiro semestre de 2013 na modalidade presencial em período integral,
com ingresso via processo seletivo, de acordo com as normas vigentes. O egresso
terá a titulação de Engenheiro Físico e para a integralização deverá cursar uma
carga horária mínima de 4100 horas, distribuída em um fluxo de 10 (dez) semestres
(10 períodos). O prazo máximo para integralização curricular do curso é de 18
semestres.
Resumindo, as principais características do curso de Bacharelado em
Engenharia Física são:
Área de Conhecimento: Engenharia
Unidade responsável: Instituto de Física
Modalidade: Presencial
Grau acadêmico: Bacharelado
Curso: Engenharia Física
Número de vagas: 25
5

Título a ser conferido: Engenheiro Físico
Turno de funcionamento: período integral
Carga horária total do curso: 4100 horas
Duração do curso: Mínima de 10 semestres e máxima de 18 semestres
Forma de ingresso: Processo seletivo (Vestibular da UFG e/ou
SiSU/MEC)

2. Exposição de motivos
Em 2011, dada a necessidade de revisão no projeto pedagógico dos
cursos de Bacharelado e Licenciatura em Física e concomitante a isso, a
considerável necessidade de criação de novos cursos de Engenharia para o avanço
tecnológico do Brasil, gestou-se a ideia de implantar o curso de Engenharia Física.
Inúmeros estudos foram realizados buscando dar suporte técnico a esta decisão,
sempre com foco na missão da UFG de gerar e disseminar o conhecimento, com
vistas ao desenvolvimento das potencialidades humanas, dos aspectos políticos,
econômicos e sociais do Estado de Goiás, da região Centro-Oeste e do Brasil.
Desses estudos constatou-se a importância e adequação de implantação do Curso
de Engenharia Física, bacharelado.
O processo de desenvolvimento do país tem aumentado a necessidade
de profissionais de engenharia. É crescente a demanda de mão de obra
especializada nos diversos setores da atividade econômica, com destaque para a
infraestrutura energética, de logística e infraestrutura social e urbana. A
diversificação e sofisticação tecnológica da atividade econômica brasileira tem
também feito crescer a demanda por profissionais de engenharia com sólida
formação básica e versatilidade profissional. Este cenário se reproduz no Estado de
Goiás devido seu processo de crescente industrialização.
Este será o único de Engenharia Física em Goiás, não havendo outro
similar que possa suprir a demanda por profissionais com este perfil. No restante do
país a situação é similar, havendo atualmente apenas sete cursos em
funcionamento, o primeiro desde 2000 na Universidade Federal de São Carlos
(UFSCar) e os demais criados a partir de 2010, na Universidade Estadual de Mato
grosso do Sul (UEMS), na Universidade Federal de Rio Grande do Sul (UFRGS), na
Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA), na Escola de Engenharia de
Lorena da Universidade de São Paulo (USP), na Universidade Federal do ABC
(UFABC) e, mais recentemente, na Universidade de Campinas (UNICAMP).
Segundo dados do Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), dentro do
cenário atual da ciência e educação brasileiras, vários indicadores apontam para a
necessidade de formar um novo tipo de engenheiro, com base científica sólida e
capacidade de atuação interdisciplinar. Neste ponto, vale reproduzir as sugestões
apresentadas por uma comissão formada por iniciativa do MCTI com o objetivo de
propor linhas de pesquisa ou projetos que sejam estratégicos para o
desenvolvimento da Física brasileira. A comissão foi composta por reconhecidos
pesquisadores brasileiros que contribuíram para alavancar a ciência e a educação do
país. Segundo o relatório elaborado pela comissão [1]:
"A Engenharia no Brasil atingiu alto nível em vários campos,
como por exemplo, as Engenharias Civil, Elétrica, Eletrônica,
Materiais, Mecânica e Química. A Engenharia Civil brasileira
está entre as mais avançadas. Na tecnologia do concreto
armado o Brasil se situa entre os países de vanguarda, o que
permite às vezes soluções arrojadas. A Engenharia Mecânica
também é das mais adiantadas, com sucessos que chamam a
6

atenção do resto do mundo, por exemplo, nas construções para
exploração do petróleo em águas profundas, e na indústria
aeronáutica. Em relação à Engenharia Eletrônica há formação
de profissionais competentes que operam em diversas áreas,
desde controle industrial até telecomunicações. Além de formar
bons profissionais nesses setores, temos necessidade de um
novo tipo de engenheiro com formação científica sólida, que
possa atuar em novas áreas, educado em um ambiente de
estimulante pesquisa científica e tecnológica. Há já exemplos
de cursos com esse espírito, como o de Engenharia Física da
Universidade Federal de São Carlos - UFSCar. A formação
desses engenheiros deveria ser feita simultaneamente com a
elaboração de planos de pesquisa em campos que se
prestariam a novas aplicações de Física. A implantação desse
programa deveria ser feita em associação estreita com os
Institutos de Física, de Matemática e de Química, para a
organização dos cursos, a escolha dos temas de pesquisa e
criação de laboratórios".
A comissão ainda recomenda incentivar, através de ações conjuntas do
Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e do Ministério da Educação
(MEC), na forma de editais, a criação de novos cursos de Engenharia voltados à
pesquisa e ao desenvolvimento, com sólida base científica e, sobretudo,
interdisciplinar. As argumentações apresentadas refletem uma leitura atual da
necessidade de conhecimentos científicos fundamentais para o desenvolvimento e
domínio das novas tecnologias já existentes e em desenvolvimento.
A construção da presente proposta aborda justamente o contexto
exposto acima, favorecendo a implantação de um curso com características
interdisciplinares, a fim de formar um profissional que atenda às necessidades tanto
da região, quanto do país. No âmbito regional, o Estado de Goiás é reconhecido pela
riqueza de seus recursos naturais. Para tanto, a exploração dos recursos energéticos
e minerais, bem como o adequado beneficiamento são fundamentais para seu
crescimento. O profissional de Engenharia Física possui dentro das competências
curriculares construídas subsídios suficientes para se inserir ativamente na solução
de problemas e análise de cenários. Esse profissional deverá ser apto não somente
para resolver questões técnicas do ponto de vista da engenharia, como também
atuar nas ações em órgãos governamentais e centros de pesquisa de alta tecnologia
na área de materiais avançados, nas tarefas relacionadas à padronização, controle
de qualidade de produtos, metrologia, gestão e organização da produção,
investigação e desenvolvimento de novos produtos e funções de gerenciamento em
empresas de serviços e consultoria. Do ponto de vista institucional, o curso poderá
contribuir de forma significativa à formação de alunos que vislumbrem seguir a
carreira acadêmica. Os egressos desse curso terão o perfil interdisciplinar desejado
por Programas de Pós-graduação stricto sensu em Física, Química, Engenharias e
outros.
Um aspecto complementar à implantação do curso de Engenharia
Física em Goiânia é a criação do Centro Regional para o Desenvolvimento
Tecnológico e Inovação (CRTI) no Parque Tecnológico Samambaia, na UFG. Este
centro congregará os esforços científicos desse curso e de outros presentes nas
várias IES no município e no estado, na forma de resultados aplicáveis às indústrias
de alimentos, farmacêutica, mineral, médico-hospitalar, pecuária, agricultura,
serviços, entre outras, permitindo agregar valor aos produtos existentes, e, inserir
7

competência técnica no desenvolvimento de novos produtos com alta
competitividade e, portanto, maior valor agregado. Esses fatos, segundo
experiências de outras localidades do país, têm desdobramentos para a formação de
"clusters" industriais, com novos empreendimentos, e consequentemente avanços
em infraestrutura, qualidade de vida da comunidade local e ganhos para o Estado.
Portanto, a presença de um curso com as características que se propõe na
Engenharia Física é bastante apropriada para o Estado Goiás e principalmente para
a UFG, que reforça suas afirmações na contribuição para os avanços regionais.

3. Objetivos
O curso de Engenharia Física, bacharelado, tem como princípio
oferecer à sociedade um profissional cujas competências o habilite a responder a
desafios e demandas de diferentes áreas tecnológicas. O curso é voltado para
estudantes que tenham aptidão tanto para a física como para a engenharia. Ele visa
a preparação de um profissional com forte base conceitual em física, química e
matemática, bem como no uso de técnicas experimentais de análise, caracterização
e instrumentação. O resultado é um profissional diferenciado, capaz de atuar em
áreas multidisciplinares nos setores de ciência, tecnologia e inovação e habilitado
para atuação em um mercado de trabalho de alta competitividade e em constante
mudança, que exige versatilidade, criatividade e trânsito em diferentes temas. Devido
às características do curso, com forte ênfase em ciência, matemática e engenharia,
os estudantes estarão bem preparados para estudos avançados de pós-graduação
em física, física aplicada, engenharias ou ciência de materiais.
O Projeto Pedagógico do Curso abordará os aspectos curriculares a
serem adotados pelo curso, explicitando os mecanismos através dos quais serão
alcançadas as metas estabelecidas. As metas para o trabalho educativo, as
intenções, as prioridades, as atividades e as ações, visando a consecução dos
objetivos do curso, coletivamente definidos, serão explicitadas devendo inspirar uma
conduta a ser adotada pela comunidade do IF.

4. Princípios norteadores para a formação do profissional
Os princípios norteadores para a formação do profissional de
Engenharia Física abrangem aspectos legais da profissão do engenheiro, a prática
profissional do engenheiro e estratégias para a formação do profissional e estão
muito bem definidos no item a seguir.
4.1. Fundamentação legal
A formação do engenheiro físico é norteada por um conjunto de Leis e
Normas que estabelecem os requisitos mínimos necessários para a formação do
profissional, bem como as condições necessárias para o exercício profissional da
Engenharia.
Esta fundamentação legal é a seguinte:
· Lei nº 5.194, de 24 de dezembro de 1966: regula o exercício das
profissões de Engenheiro, Arquiteto e Agrônomo;
· Resolução nº 218, de 29 de junho de 1973, do Conselho Federal
de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (CONFEA): discrimina atividades das
diferentes modalidades profissionais da Engenharia, da Arquitetura e da Agronomia;
· Lei de Diretrizes e Base da Educação Nacional ­ LDB (Lei no
9.394/96): estabelece as diretrizes e bases da educação nacional;
8

· Regimento da Universidade Federal de Goiás, aprovado em
Reunião conjunta dos Conselhos Superiores da Universidade: Universitário,
Coordenador de Ensino e Pesquisa e de Curadores, realizada no dia 01 de
novembro de 1995;
· Resolução CONFEA nº 427, de 5 de março de 1999: discrimina as
atividades profissionais do engenheiro de controle e automação, o desempenho das
atividades 1 a 18 do art. 1º da Resolução CONFEA no 218, de 29 de junho de 1973;
· Parecer CNE/CES no 1.362/2001, aprovado em 12 de dezembro de
2001: define Diretrizes Curriculares dos cursos de Engenharia;
· Resolução CNE/CES no 11, de 11 de março de 2002: institui
Diretrizes Curriculares Nacionais dos cursos de Graduação em Engenharia;
· Estatuto da Universidade Federal de Goiás, aprovado pela Portaria
nº 522 de 27 de março de 2003, do Ministério da Educação;
· Parecer CNE/CES no 108/2003, aprovado em 7 de maio de 2003:
analisa a "Duração de cursos presenciais de Educação Superior";
· Decisão Plenária no PL-0087/2004, de 30 de abril de 2004, do
Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (CONFEA): oficializa
às Instituições de Ensino Superior e aos Conselhos Regionais a carga mínima
estabelecida para os cursos de graduação;
· Resolução CNE/CES no 2, de 18 de junho de 2007: Dispõe sobre
carga horária mínima e procedimentos relativos à integralização e duração dos
cursos de graduação, bacharelados, na modalidade presencial;
· Lei nº 11.788, de 25 de setembro de 2008: dispõe sobre estágio de
estudantes de estabelecimentos de ensino regular em instituições de educação
superior, de educação profissional, de ensino médio, da educação especial e dos
anos finais do ensino fundamental, na modalidade profissional da educação de
jovens e adultos e dá outras providencias;
· Decisão Plenária no PL-0575/2010, de 24 de maio de 2010, do
Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (CONFEA):
homologa o cadastramento do Curso de Graduação Engenharia Física oferecido
pela Universidade Federal de São Carlos, em São Carlos-SP, concedendo aos seus
egressos o título de ENGENHEIRO DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO (Código 12103-00) e com as atribuições do art. 1º da Resolução CONFEA nº 427, de 5 de março
de 1999, referentes somente ao controle e automação de equipamentos e
processos, e restrição das atividades 01 a 05 do art. 1º da Resolução CONFEA nº
218, de 29 de junho de 1973;
· Resolução CEPEC no 1122/2012, de 9 de novembro de 2012:
aprova o novo Regulamento Geral dos Cursos de Graduação da Universidade
Federal de Goiás.
· Resolução CONSUNI/UFG no 23/2012, de 28 de setembro de 2012:
cria o Curso de Graduação em Engenharia Física ­ grau acadêmico Bacharelado, no
Instituto de Física, a partir do ano letivo de 2013.
4.2. Prática profissional
O profissional de Engenharia Física deverá estar apto ao exercício das
atividades profissionais em sua área de atuação, definidas na legislação.
A Lei no 5.194, de 24 de dezembro de 1966, regula o exercício das
profissões de engenheiro, arquiteto e agrônomo, caracterizando-as pelas realizações
de interesse social e humano que impliquem na realização dos seguintes
empreendimentos: a) aproveitamento e utilização de recursos naturais; b) meios de
locomoção e comunicações; c) edificações, serviços e equipamentos urbanos, rurais
9

e regionais, nos seus aspectos técnicos e artísticos; d) instalações e meios de
acesso a costas, cursos e massas de água e extensões terrestres; e)
desenvolvimento industrial e agropecuário.
A mesma Lei estabelece as atividades e atribuições profissionais do
engenheiro, do arquiteto e do agrônomo. Tais atividades compreendem: o
desempenho de cargos, funções e comissões em entidades estatais, autarquias,
empresas de economia mista e privada; o planejamento ou projeto, em geral, de
regiões, zonas, cidades, obras, estruturas, transportes, explorações de recursos
naturais e desenvolvimento da produção industrial e agropecuária; estudos, projetos,
análises, avaliações, vistorias, perícias, pareceres e divulgação técnica; ensino,
pesquisa, experimentação e ensaios; fiscalização de obras e serviços técnicos;
direção de obras e serviços técnicos; execução de obras e serviços técnicos;
produção técnica especializada, industrial ou agropecuária. Além disso, os
engenheiros, arquitetos e agrônomos poderão exercer qualquer outra atividade que,
por sua natureza, se inclua no âmbito de suas profissões.
A Resolução no 218, de 29 de junho de 1973, do Conselho Federal de
Engenharia, Arquitetura e Agronomia (CONFEA) discrimina atividades das diferentes
modalidades profissionais da Engenharia, Arquitetura e Agronomia.
A Resolução no 427, do CONFEA, discrimina as atividades profissionais
do engenheiro de controle e automação, o desempenho das atividades 1 a 18 do art.
1º da Resolução CONFEA no 218, de 29 de junho de 1973, no que se refere ao
controle e automação de equipamentos, processos, unidades e sistemas de
produção, seus serviços afins e correlatos.
A Decisão Plenária no PL-0575/2010 do CONFEA, concedeu aos
egressos do curso de Engenharia Física da Universidade Federal de São Carlos
(UFSCar) o título de ENGENHEIRO DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO (Código 12103-00) e com as atribuições do art. 1º da Resolução CONFEA nº 427, de 5 de março
de 1999, referentes somente ao controle e automação de equipamentos e
processos, e restrição às atividades de 1 a 5 do art. 1º da Resolução CONFEA nº
218, de 29 de junho de 1973. Portanto, suas competências são:
· Vistoria, perícia, avaliação, arbitramento, laudo e parecer técnico;
· Desempenho de cargo e função técnica;
· Ensino, pesquisa, análise, experimentação, ensaio e divulgação
técnica; extensão;
· Elaboração de orçamento;
· Padronização, mensuração e controle de qualidade;
· Execução de obra e serviço técnico;
· Fiscalização de obra e serviço técnico;
· Produção técnica e especializada;
· Condução de trabalho técnico;
· Condução de equipe de instalação, montagem, operação, reparo ou
manutenção;
· Execução de instalação, montagem e reparo;
· Operação e manutenção de equipamento e instalação;
· Execução de desenho técnico.
Vale lembrar que até o presente momento, a UFSCar e a UFRGS
foram as únicas universidades brasileiras a formarem Engenheiros Físicos.
4.3. Formação técnica
10

A proposta curricular apresentada neste projeto credencia o engenheiro
físico egresso da UFG para obtenção das atribuições concedidas pelos artigos 8 o e
9o da Resolução no 218 do CONFEA, cursando as disciplinas de caráter obrigatório
do curso. Restam ainda ao aluno as disciplinas de caráter optativo e disciplinas de
livre escolha, que podem ser usadas como aprofundamento em alguma das
especialidades da Engenharia Física, ou para tornar a formação do egresso mais
abrangente em outras áreas do conhecimento.
A formação técnica do engenheiro físico é composta por uma base
caracterizada por disciplinas básicas, conteúdos tecnológicos, e de extensão e
aprofundamento comuns à formação do engenheiro de automação e controle,
eletricista, materiais, químico de diversas especialidades.
As disciplinas básicas são organizadas de forma a abranger o
conhecimento das matérias nas áreas: administração, computação, desenho técnico,
economia, eletrotécnica, fenômenos de transporte, física clássica e contemporânea,
matemática, meio ambiente, metodologia científica e redação técnica, química e
resistência dos materiais. Na proposta curricular, 1472 horas-aula do curso são
dedicadas às disciplinas básicas.
As disciplinas profissionalizantes estão relacionadas ao estudo de
matérias relativas à formação profissional, tais como: circuitos elétricos e lógicos,
eletromagnetismo, eletrônica, física do estado sólido, materiais elétricos, mecânica
clássica, microprocessadores e microcontroladores, probabilidade e estatística,
química orgânica, técnicas experimentais e termodinâmica. Na proposta curricular,
1088 horas-aula são dedicadas às disciplinas de formação tecnológica generalista do
engenheiro de controle e automação e engenharia de materiais. Disciplinas relativas
à conteúdos de extensão e aprofundamento de desenvolvimento de projeto, física
computacional, física do estado sólido, física estatística, física matemática,
computação e informação quântica, física nuclear e de partículas, física moderna,
mecânica quântica e teoria da relatividade, estão presentes nesta proposta como
conteúdos avançados.
4.4. Integração entre teoria e prática
Pela natureza do curso, uma integração eficiente entre a teoria e a
prática profissional no processo ensino-aprendizagem é da maior importância na boa
formação do profissional de Engenharia Física. Além disso, as atividades
experimentais são um elemento motivador para os estudantes de Graduação.
As atividades de caráter prático podem ser entendidas no âmbito
interno ou externo ao IF/UFG. No âmbito interno, estas atividades serão ofertadas
através de disciplinas exclusivas para a implementação de experiências em
laboratório; atividades em computador; atividades de iniciação científica, como
bolsista ou como voluntário; atividades como monitor de disciplinas; ou de
participações em projetos de pesquisa como bolsista ou como voluntário. No âmbito
externo à UFG, o estágio curricular obrigatório ou não obrigatório é uma atividade
que pode integrar o aluno ao ambiente da prática profissional. Outras atividades, tais
como visitas técnicas, estudo de casos reais in loco, participação em congressos
técnicos e científicos, seminários de sociedades de profissionais da Engenharia
podem amadurecer o aluno sobre seu futuro campo de atuação profissional.
O trabalho experimental possibilita o contato e a familiarização com
equipamentos e processos típicos da vida profissional. Propicia a vivência, no
laboratório ou no campo, de conhecimentos vistos anteriormente apenas em teoria
na sala de aula, ou por outros meios. A percepção das limitações e especificidades
11

dos modelos teóricos, em ambiente não controlado, é uma vivência significativa na
formação do profissional. A atividade experimental em laboratório pode também
despertar o interesse pela investigação científica e motivar novas vocações para a
pesquisa, desenvolvimento e para a docência na Engenharia ou na Física.
A facilitação do acesso dos alunos aos laboratórios de ensino, através
de um programa de monitoria, pode ser uma estratégia capaz de aumentar o contato
do aluno com atividades experimentais.
Um outro mecanismo que pode ser utilizado como estratégia para
integração entre a teoria e a prática profissional é a criação de Empresa Júnior (EJ).
Além da possibilidade de atuar no mercado de trabalho, os empresários juniores
também ganham motivação para identificar as suas deficiências e buscar soluções
com o desenvolvimento de habilidades pessoais, tais como capacidade de
negociação, comunicação oral, escrita e gráfica, senso crítico, criatividade,
flexibilidade e espírito empreendedor.
A Empresa Júnior tem a natureza de uma empresa comercial, com
diretoria executiva, conselho de administração, estatuto e regimento próprios, com
uma gestão autônoma em relação à direção do instituto, faculdade, centro
acadêmico ou qualquer outra entidade acadêmica.
Os objetivos de uma Empresa Júnior são: proporcionar ao estudante a
aplicação de conhecimentos relativos à sua área de formação profissional específica;
desenvolver o espírito crítico, analítico e empreendedor dos alunos; e contribuir com
a sociedade através de prestação de serviços, proporcionando ao micro, pequeno e
médio empresário, especialmente, um trabalho de qualidade a preços acessíveis.
A Empresa Júnior tem os seguintes clientes:
1) o aluno: principal cliente, cuja missão é buscar seu desenvolvimento
pessoal, profissional e acadêmico através da prestação de serviços de qualidade;
2) micro, pequenas e médias empresas: tornando acessíveis serviços
de consultoria a este segmento, uma vez que o custo de um projeto deve ser inferior
ao de uma empresa convencional (a qualidade do serviço é garantida pela
orientação de professores dos institutos/escolas onde as empresas estão
estabelecidas, ou ainda pelo auxílio de profissionais da área);
3) instituições de ensino superior: contam com as EJs como
oportunidade de oferecer atividades de desenvolvimento aos seus alunos e divulgar
o nome da própria instituição.
Os membros administrativos de uma EJ têm a oportunidade de
exercitar a capacidade de gestão de uma empresa; planejando estratégias de
Marketing; gerenciando pessoas e compreendendo as diferenças de cada uma
dentro da equipe, usando essas diferenças em favor da empresa, de modo a
proporcionar um ambiente cultural mais amplo, complementando os recursos
oferecidos pelo Instituto/escola.
Além de prestar serviços, a Empresa Júnior pode também colaborar na
organização de outras ações, tais como a Semana da Física (envolvendo todos os
cursos de graduação e pós-graduação do IF/UFG) e o Congresso de Engenharia e
Tecnologia (CET) da UFG (envolvendo alunos de graduação de diversos cursos de
Engenharia da UFG), contatos com empresas do setor, cursos, palestras e fóruns,
não somente em áreas técnicas, mas também voltados para o desenvolvimento
pessoal, empreendedorismo e gestão de carreira.
4.5. Interdisciplinaridade
A formação de um engenheiro contemporâneo que atenda ao perfil
geral descrito anteriormente é um grande desafio. Além da necessidade de abarcar
12

todo um conhecimento acumulado ao longo de séculos de desenvolvimento dessa
disciplina é essencial nos dias de hoje, estabelecer as necessárias e importantes
conexões entre a engenharia e as ciências, tais como a física, a química, a biologia,
a computação, a medicina, e tantas outras. Os limites outrora bem demarcados entre
as várias ciências tornam-se cada vez mais fluidos, obrigando o profissional atual a
estar sintonizado com essas novas demandas que, muitas vezes, oferecem as
melhores oportunidades de atuação profissional.
Dada a impossibilidade de se oferecer uma formação tão abrangente
que envolva também conteúdos específicos de tantas outras disciplinas o desafio é
fornecer aos egressos dos cursos de Engenharia Física uma formação que seja
sólida e abrangente em física e matemática, e que seja suficientemente flexível para
permitir ao aluno incursões em outras áreas do conhecimento. Essa possibilidade
deve ser garantida pela matrícula em disciplinas optativas de livre escolha do aluno,
por meio de participação no desenvolvimento de projetos conjuntos interdisciplinares
ou pela participação em atividades complementares (palestras, conferências,
seminários, cursos de curta duração, congressos, etc.) voltados para áreas
interdisciplinares, bem como em estágios em empresas de tecnologia.
A presença de disciplinas como "Introdução à Engenharia Física",
"Metodologia Científica e Redação Técnica", "Desenvolvimento de Projeto",
"Trabalho de Conclusão de Curso", disciplinas de núcleo livre, bem como a
participação sistemática em atividades complementares que despertem o interesse
para uma formação sócio-cultural mais abrangente, podem contribuir de forma
determinante na formação interdisciplinar do profissional.
O engenheiro físico pode se especializar em áreas como a da
Engenharia de Áudio, Automação Industrial, Biomédica, Informática, Materiais,
Química, entre outras.
O artigo 4o da Resolução CNE/CES no 11, que institui as Diretrizes
Curriculares Nacionais dos cursos de Graduação em Engenharia, determina que "A
formação do engenheiro tem por objetivo dotar o profissional dos conhecimentos requeridos
para o exercício das seguintes competências e habilidades gerais: (...); IX ­ atuar em equipes
multidisciplinares; (...)". Assim a formação de um engenheiro físico com o perfil
multidisciplinar tão amplo é uma tarefa desafiadora, mas de grande relevância.
Acredita-se que não se deve adotar uma área temática prévia para
explorar a multidisciplinaridade e a interdisciplinaridade no currículo do curso de
Engenharia Física, de forma a evitar especializações precoces através da
polarização de trabalhos em uma mesma área. Uma estratégia a ser adotada é a de
envolver o maior número possível de professores da unidade na orientação de
projetos, em atividades de extensão e em atividades extracurriculares, com a função
de destacar para os alunos os princípios científicos, as aplicações e as interações
com a sociedade, nos temas abordados.
4.6. Formação ética e a função social do profissional
Tão importante quanto formar um bom profissional em Engenharia
Física é formar um cidadão consciente de suas responsabilidades sociais.
No item 5.2 referente às habilidades dos egressos, consta
explicitamente "desenvolver uma ética de atuação profissional e de conseqüente
responsabilidade social, compreendendo a Ciência como conhecimento histórico,
inserida em um bem definido contexto sócio-político, cultural e econômico".
Sobretudo em nosso país, ainda com tantas carências científicas, educacionais,
econômicas, sociais e políticas, a atuação consciente dos profissionais de todas
13

áreas do conhecimento é essencial na construção de uma nação mais justa, mais
desenvolvida, mais culta, soberana e forte.
O artigo 3º da Resolução CNE/CES no 11, que institui as Diretrizes
Curriculares Nacionais dos cursos de Graduação em Engenharia, determina que "O
curso de Graduação em Engenharia tem como perfil do formando
egresso/profissional o engenheiro (...), com visão ética e humanística, em
atendimento às demandas da sociedade". No artigo 4º da mesma resolução fica
instituído que "A formação do engenheiro tem por objetivo dotar o profissional dos
conhecimentos requeridos para o exercício das seguintes competências e
habilidades gerais: (...); X ­ compreender e aplicar a ética e a responsabilidade
profissionais; (...) ".
Entre as estratégias adotadas para permitir a formação do engenheiro
com os conhecimentos de ética necessários ao desempenho de seu papel social,
destacam-se os seguintes: Inserção das disciplinas "Introdução à Engenharia Física",
"Engenharia de Segurança" e "Física e Meio Ambiente" como disciplinas obrigatórias
e a disciplina "Direito e Cidadania" como disciplina optativa do curso; nas quais são
analisados o código de ética da profissão e as responsabilidades legais do
profissional, e discutidos os impactos ambientais e sócio-econômicos das atividades
da Engenharia. Temas de administração, economia e engenharia de segurança
também estão contemplados na presente proposta.
Além da obrigatoriedade de cursar as disciplinas "Introdução à
Engenharia Física", "Engenharia de Segurança" e "Física e Meio Ambiente", caso
seja de interesse do aluno, ele poderá ainda optar por disciplinas na área de ciências
humanas dentro do elenco de disciplinas de sua livre escolha, ofertadas como núcleo
livre, e ter a oportunidade de aprofundar-se no assunto.
A oportunidade de se discutir sobre ética e a função social do
profissional não se restringe, porém, ao ambiente formal de algumas disciplinas
específicas. Em várias oportunidades e na apresentação e discussão de temas
próprios da Física, as questões humanísticas e filosóficas são recorrentes ao longo
do curso.
No que se refere à educação ambiental, que versa a Lei nº 9.795, de 27
abril de 1999, e a Resolução CNE/CP no 2, de 15 de junho de 2012, o curso de
Engenharia Física contempla essa dimensão em quase todas as disciplinas
específicas da Física, pois, na Física, por ser uma ciência da natureza, é
imprescindível discutir esses aspectos. Assim, essa vertente permeia várias
disciplinas do currículo que contém, inclusive, uma sobre o tema, chamada "Física e
Meio Ambiente".
Mesmo não sendo incluídas disciplinas específicas na área de ciências
humanas na proposta de grade curricular, particularmente aquelas relacionadas à
ética e à sociologia, o aspecto humanístico da formação de nossos estudantes não é
negligenciado. Na grade do curso, especificamente nas disciplinas "Estágio",
"Evolução das Ideias da Física", "Física e Meio Ambiente", "Introdução à Engenharia
Física" são oferecidas oportunidades para que os professores e seus alunos
contextualizem o desenvolvimento da Física, e das ciências de uma maneira geral, e
analisem suas implicações econômicas, sociais, morais e éticas. A oportunidade de
se discutir estas questões não se restringe, porém, ao ambiente formal de disciplinas
específicas. Em várias oportunidades e na apresentação e discussão de temas
próprios da Física, as questões humanísticas e filosóficas são recorrentes ao longo
do curso.
Além disso, para atender o decreto No 5.626 da Presidência da
República, de 22 de dezembro de 2005, que regulamenta a lei N o 10.436, de 24 de
abril de 2002, que dispões sobre a Língua Brasileira de Sinais ­ LIBRAS, e o artigo
14

18 da lei No 10.098, de 19 de dezembro de 2000, incluiu-se a disciplina "Introdução à
Língua Brasileira de Sinais ­ LIBRAS" com carga horária semestral de 64 horas e
ofertada pela Faculdade de Letras (FL) da UFG, como integrante do núcleo de
disciplinas específicas, sendo de natureza optativa.
Aspectos relacionados com a educação étnico-racial; história afrobrasileira e africana (Lei no 11.645 de 10 de março de 2008 e Resolução CNE/CP n o
01 de 17 de junho de 2004) são abordados em diversas disciplinas de Núcleo Livre
oferecidas na Universidade Federal de Goiás, nas quais os alunos poderão se
inscrever.
Atividades extracurriculares, como aquelas previstas nas atividades
complementares, como participação em Congressos (Simpósio Nacional de
Engenharia Física, Encontros da Sociedade Brasileira de Física (SBF), da Sociedade
Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), as Sociedade Brasileira de Pesquisa
em Materiais (SBPMat), da Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e
Mineração (ABM), da Associação Brasileira de Cerâmica (ABC), Semana da Física,
Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão da UFG (CONPEEX), entre outros
relacionados ao curso), palestras, seminários e exposições, são também fortemente
incentivadas em nosso curso. Estas atividades oferecem aos alunos a oportunidade
de adquirirem não apenas novos conhecimentos em Engenharia, Química,
Matemática e Física, mas também a ampliação de uma visão humanística.

5. Expectativa da formação do profissional
O perfil do Engenheiro Físico pretendido terá forte base matemática e
física que o capacitará para enfrentar tanto os desafios atuais do mundo moderno
quanto os problemas que ainda não são existentes na sociedade. Espera-se formar
um profissional para atuar diretamente em sua área de formação e/ou também em
áreas que requeiram profissionais com visão multidisciplinar. Assim, para sua
formação são fundamentais os grupos de conhecimento de um curso de engenharia
no Brasil, tais como: Física Clássica, Física Contemporânea, Física Matemática,
Matemática, Química, Computação e Eletrônica, Tecnológica e Ambiental, Aplicada
e Empreendedorismo.
O engenheiro físico é o profissional dedicado ao desenvolvimento e
aplicação de um conjunto de conhecimentos científicos necessários à pesquisa, ao
projeto e à implementação de diversos dispositivos baseados na física do estado
sólido, obtenção e caracterização de materiais micro e nanoestruturados,
considerando aspectos de qualidade, confiabilidade, custo e segurança, bem como
questões de natureza ambiental, ética e social.
O currículo proposto para o curso tem como principais características a
formação abrangente e a ênfase nos conhecimentos considerados fundamentais
para que o engenheiro físico egresso do IF/UFG tenha grande mobilidade no
mercado de trabalho, capacitando-o a atuar nas diversas áreas da engenharia.
5.1. Perfil do egresso
O perfil do profissional formado em Engenharia Física é explicitado pelo
artigo 3o da Resolução CNE/CES no 11, que institui as Diretrizes Curriculares
Nacionais dos cursos de Graduação em Engenharia, determina que:
"O curso de Graduação em Engenharia tem como perfil do formando
egresso/profissional o engenheiro, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva,
capacitado a absorver e desenvolver novas tecnologias, estimulando a sua atuação crítica e
criativa na identificação e resolução de problemas, considerando seus aspectos políticos,
15

econômicos, sociais, ambientais, culturais, com visão ética e humanística, em atendimento às
demandas da sociedade."
O engenheiro formado pelo Curso de Engenharia Física da UFG é um
profissional generalista, com sólida base científica e tecnológica, principalmente, as
relacionadas com as áreas das ciências exatas (Física, Química, Matemática),
preparado para aplicar esses conhecimentos básicos na investigação de problemas
tecnológicos, através do uso de uma estratégia multidisciplinar. Pela formação, as
visões do cientista e do engenheiro fundamentarão seu desempenho profissional.
O Engenheiro Físico estará apto à pesquisa, ao desenvolvimento e
apoio tecnológico; será capaz de introduzir/desenvolver, num contexto empresarial,
novos processos e produtos de alto valor agregado, localizando/solucionando
problemas das diversas áreas da tecnologia moderna, particularmente, daquelas de
grande impacto tecnológico em que Física Clássica e Contemporânea estejam
envolvidas. Através do domínio de ferramentas básicas e, do conhecimento
específico adquirido nas áreas de estado sólido, eletromagnetismo, ciência dos
materiais, desenvolvimento e caracterização de materiais e dispositivos,
computação, eletrônica básica e avançada, nanoeletrônica, optoeletrônica, Lasers,
automação de equipamentos, dentre outras, o Engenheiro Físico terá plena
capacidade em propor soluções para os mais diversos problemas enfrentados pelos
setores de produção e de desenvolvimento. Por outro lado, também estará
preparado para levar em conta nas soluções desses problemas: os aspectos
políticos, econômicos, sociais, culturais e ambientais. Pela capacidade de raciocínio
desenvolvida, poderá: liderar projetos administrativos, trabalhar na área de finanças,
investimentos, controladoria e consultoria estratégica. Sua atuação exigirá
criatividade, flexibilidade, iniciativa, autonomia, rigor científico, espírito crítico, visão
ética e humanista, preparo para o trabalho em equipe, habilidade em comunicação
oral e escrita.
5.2. Habilidades do egresso
O engenheiro físico deve ser um profissional apto a atuar em uma
sociedade em rápida transformação, como esta em que hoje vivemos, surgem
continuamente novas funções sociais e novos campos de atuação, colocando em
questão os paradigmas profissionais anteriores, com perfis já conhecidos e bem
estabelecidos. Dessa forma, o desafio é propor uma formação, ao mesmo tempo
ampla e flexível, que desenvolva habilidades e conhecimentos necessários às
expectativas atuais e a uma capacidade de adequação a diferentes perspectivas de
atuação futura. O profissional de Engenharia Física da UFG deve adquirir as
seguintes competências e habilidades:
- habilidade para atuar na área da pesquisa básica e aplicada;
- utilizar a matemática como uma linguagem para a expressão dos
fenômenos naturais;
- propor, elaborar e utilizar modelos físicos, identificando seus domínios
de validade;
- concentrar esforços e persistir na busca de soluções para problemas
de solução complexa e demorada.
- utilizar linguagem científica na expressão de conceitos físicos e
problemas tecnológicos, na descrição de procedimentos de trabalhos
científicos e técnicos e na divulgação/relato de seus resultados;
- utilizar os diversos recursos da informática, dispondo de noções de
linguagem computacional;
16

- capacidade de resolver problemas em diferentes setores da
engenharia através de uma visão global e multidisciplinar,
interdisciplinar e transdisciplinar.
- capacidade de prever como será a aceitação do produto no mercado
de trabalho;
- capacidade de trabalho em equipes multidisciplinares;
- habilidade para resolver problemas com flexibilidade e criatividade
face aos diferentes contextos organizacionais e sociais;
- habilidade para trabalhar em projetos de pesquisa e no
desenvolvimento e aplicação de novas tecnologias;
- capacidade de aplicar seus conhecimentos de eletrônica e mecânica
na instrumentação/automação científica e industrial;
- capacidade de desenvolvimento e aplicação de modelos matemáticos
e físicos;
- reconhecer e definir, os problemas sócio-ambientais existentes nos
processos produtivos, nos conflitos pelo acesso e uso dos recursos
ambientais e nas demais questões que implicam em relações com o
ambiente;
- desenvolver uma ética de atuação profissional e humanística e de
conseqüente responsabilidade social, compreendendo a Ciência como
conhecimento histórico, inserida em um bem definido contexto sóciopolítico, cultural e econômico.

6. Política e gestão de estágio
O estágio curricular obrigatório ou não obrigatório é um componente da
formação acadêmica, de caráter teórico-prático, que tem como objetivo principal
proporcionar aos estudantes a aproximação com a realidade profissional, com vistas
ao desenvolvimento de sua formação técnica, cultural, científica e pedagógica, no
sentido de prepará-lo para o exercício da profissão e cidadania.
6.1. O estágio curricular obrigatório
O estágio curricular obrigatório (ECO) possibilitará aos alunos exercitar
suas habilidades ao resolver problemas novos, além de desenvolver e,
principalmente, aprimorar suas atitudes com o convívio em equipe. Assim, o
estagiário terá oportunidade de delinear sua prática a partir de um processo reflexivo,
possibilitando ao mesmo lidar de forma adequada com a complexa realidade
profissional. O estágio será realizado de acordo com a Lei Federal nº 11.788, de 25
de setembro de 2008 e terá regulamentação interna elaborada pela Coordenadoria
de Estágios da PROGRAD, bem como Câmara de Graduação da UFG e
atendimento as Resoluções CEPEC/UFG no 766 e 880.
A realização de estágio é fundamental para a integração do aluno com
a prática profissional. Desenvolvido em tempo parcial ou tempo integral, o estágio
deve ser supervisionado no local onde é ofertado, podendo ser realizado em
períodos de férias ou durante os dias letivos, desde que não prejudique o
desempenho do aluno nas disciplinas em que está matriculado.
A realização do estágio nas férias não dispensa a designação prévia de
um professor orientador, a elaboração do plano de estágio, a assinatura do termo de
compromisso e a contratação de um seguro de acidentes pessoais em favor do
estagiário. O estágio curricular obrigatório deverá ser orientado por um professor da
unidade, desde o seu início, a partir da elaboração de um plano de estágio, cujo
17

acompanhamento será efetuado pelo orientador através de contatos com o
supervisor de estágio na empresa, correio eletrônico, telefone, correspondência e,
caso necessário, visitas ao local do estágio.
O estágio curricular obrigatório deve ser realizado quando o aluno tiver
a base teórica capaz de permitir um aproveitamento satisfatório. Não há
impedimento para que os alunos possam desenvolver atividades práticas nos
períodos iniciais do curso, uma vez que o contato direto com o mercado de trabalho
é sempre recomendável e proveitoso para os alunos em qualquer momento do
curso, desde que o aluno não seja prejudicado no seu desempenho acadêmico e
não seja utilizado como mera fonte de mão-de-obra no local do estágio.
O estágio curricular obrigatório é uma atividade necessária para que o
aluno possa realizar a Colação de Grau. Para a realização do ECO o aluno deve ter
cumprido, pelo menos, 2848 horas-aulas e cursado com aprovação nas disciplinas
dos sete (7) primeiros períodos mencionados na Tabela 6. Tais 2848 horas-aulas
correspondem a 78% da carga horária do curso de Engenharia Física, sem contar o
Trabalho de Conclusão do Curso, as Atividades Complementares e o próprio Estágio
Curricular Obrigatório. Assim, o aluno que seguir o fluxo sugerido (Tabela 6) poderá
realizar o estágio curricular obrigatório a partir do 8º período.
O estágio curricular obrigatório poderá ser realizado em uma das
formas distintas, são elas:
1. Desenvolvimento de Projeto: nesta modalidade, o acadêmico terá a
oportunidade de desenvolver, junto a um pesquisador cadastrado pela coordenador
de estágio do IF/UFG e coordenação de estágio da PROGRAD/UFG, um projeto
técnico-científico. Esta modalidade de estágio poderá ser desenvolvida tanto nos
laboratórios da Universidade (UFG) quanto em empresas públicas ou privadas
proporcionando ao acadêmico a oportunidade de estar em contato com pesquisas
básicas ou de tecnologia.
2. Permanência em instituições externas: esta modalidade de estágio
visa proporcionar ao acadêmico a oportunidade de adquirir experiência profissional
direta, fora da Universidade. Esta modalidade de estágio também terá a supervisão
de um professor do IF/UFG. Neste caso, o acadêmico poderá realizar o estágio em
Empresas Públicas ou Privadas, Centros de Pesquisa, Instituições de Ensino,
Indústrias, entre outras instituições cadastradas pelo coordenador de estágio do
IF/UFG e coordenação de estágio da PROGRAD/UFG.
3. O estágio curricular obrigatório poderá ser também realizado em uma
Empresa Júnior. Neste caso, o estágio deve estar relacionado a um projeto na área
da Engenharia Física, Elétrica, Química, de Automação, de Materiais ou de
Computação e vinculado ao interesse de uma entidade externa à Empresa Júnior,
devendo ser orientado e supervisionado por um professor da UFG. A imersão no
ambiente administrativo e competitivo de uma Empresa Júnior pode propiciar ao
aluno a oportunidade de exercitar seus conhecimentos em um problema relacionado
à sua realidade profissional, com um ingrediente adicional de espírito empreendedor.
As atividades de estágio curricular obrigatório serão desenvolvidas em
entidades que tenham condições de proporcionar experiência prática no exercício da
Engenharia Física. As atividades no local do estágio deverão totalizar no mínimo 320
horas-aula, devendo ser acompanhadas por um supervisor vinculado à entidade
concedente e que tenha formação superior em área tecnológica (Engenharia, Física
ou Química).
O estágio curricular será orientado por professor da unidade, através de
atividades correspondentes a uma carga horária didática semestral de 16 horas-aula
e não é acumulativa. O professor orientador do estágio curricular obrigatório poderá
18

orientar seus alunos individualmente, ou em grupo, através da realização de
reuniões periódicas.
O estágio deve constituir oportunidade de aproximação da universidade
com a empresa, podendo resultar em parcerias, acordos de cooperação, convênios,
consultorias e outras formas de parceria.
O coordenador de estágio do IF deve ter uma atuação ativa, no sentido
de criar oportunidades de estágios com qualidade. O estreitamento de relações com
agentes de integração, como o Euvaldo Lodi (IEL), o Centro de Integração Empresa
Escola (CIEE) entre outros conveniados com a UFG, é uma estratégia que pode
trazer resultados concretos para a política de estágios do curso.
O estágio curricular obrigatório é sugerido ser realizado no último
período (10º semestre) do curso para melhor aproveitamento e se desenvolverá de
acordo com as normas vigentes da UFG.
O estágio curricular obrigatório só poderá ser realizado em empresas
devidamente conveniadas com a UFG, e como mencionado anteriormente é preciso
ter um supervisor no local do estágio e ter como orientador um professor do Instituto
de Física, e, além disso, é obrigatório o preenchimento do termo de compromisso,
elaborar o plano de estágio, registro da freqüência, apresentar relatório final e a
contratação do seguro.
Ao final do estágio curricular obrigatório, o aluno deverá elaborar uma
monografia (relatório final de estágio), onde são detalhadas as atividades
desenvolvidas. Este relatório será apresentado seguindo as normas brasileiras
referentes à elaboração de monografias e de relatórios técnicos. A avaliação do
relatório final de estágio curricular obrigatório será realizada pelo orientador de
estágio, que emitirá seu parecer e nota e por um segundo professor relator, que
também emitirá seu parecer e nota.
As atividades de estágio do curso de Engenharia Física da UFG
deverão ser geridas pelo coordenador de estágios do IF/UFG, o qual atuará
harmonicamente com a Coordenação de Graduação e a Direção da Unidade, mas
também com a Coordenadoria de Estágios da PROGRAD/UFG. Caberá ainda ao
coordenador de estágios verificar se as entidades concedentes de estágios reúnem
as condições necessárias para proporcionar a experiência prática em Engenharia
Física, conforme institui a Lei Federal nº 11.788, de 25 de setembro de 2008.
O coordenador de estágio e o corpo docente do IF/UFG devem
incentivar e participar das atividades de estágio, em suas várias modalidades, em
empresas e organizações diversas. É papel do corpo docente e do Núcleo Docente
Estruturante (NDE) discutir e avaliar continuamente a política de estágios do curso
de Engenharia Física, promovendo os aperfeiçoamentos necessários à sua
execução, acompanhando e avaliando a sua operação.
Normas específicas que regularão as atividades de estágio curricular
obrigatório e estágio curricular não obrigatório serão estabelecidas por resolução
específica, aprovada pelo Conselho Diretor do IF/UFG. Estas normas deverão
obedecer aos princípios instituídos no Projeto Pedagógico do Curso, bem como a
legislação pertinente ao assunto.
O coordenador de estágio do IF será definido pelo Conselho Diretor do
IF.
Os casos não previstos neste projeto pedagógico deverão ser tratados
segundo o Regimento Geral dos Cursos de Graduação da UFG (Artigo 18 da
Resolução CEPEC/UFG No 1122) ou pelo Conselho Diretor do IF.

19

6.2. O estágio curricular não obrigatório
O estágio curricular não obrigatório (ECNO) é uma atividade opcional,
de caráter extracurricular, que contribui para a formação acadêmica profissional do
aluno. O estágio curricular não obrigatório deverá ser orientado por um professor da
unidade, desde o seu início, a partir da elaboração de um plano de estágio, cujo
acompanhamento será efetuado pelo orientador através de contatos com o
supervisor de estágio na empresa, correio eletrônico, telefone, correspondência e,
caso necessário, visitas ao local do estágio.
O estágio curricular não obrigatório também não está dispensado da
existência do termo de compromisso entre a entidade concedente, a UFG e o
estagiário, bem como do seguro de acidentes pessoais, pago pela concedente.
O estágio curricular não obrigatório não poderá ser aproveitado como
estágio curricular obrigatório, conforme o Artigo 27 da Resolução CEPEC/UFG No
1122.
Para cada semestre de estágio curricular não obrigatório, o aluno
deverá apresentar relatórios, preencher o termo de compromisso e elaborar o plano
de estágio, além de apresentar documento com o registro da freqüência, conforme
modelo disponibilizado pela PROGRAD/UFG.
O aluno poderá realizar o estágio curricular não obrigatório somente
após ter cumprido 1120 horas-aula em disciplinas que tenha sido aprovado e ter
cursado as disciplinas dos 3 primeiros períodos constantes na Tabela 6. De fato, o
aluno que seguir o fluxo sugerido (Tabela 6) poderá realizar o estágio curricular não
obrigatório a partir do 4º período.
Ao final do estágio curricular não obrigatório, o aluno deverá entregar
uma declaração fornecida pela empresa ou instituição contendo as horas cumpridas
e um relatório final de estágio, como no caso do estágio curricular obrigatório. A
realização do estágio curricular não obrigatório será definida de acordo com as
normas vigentes e segundo o Regimento Geral dos Cursos de Graduação da UFG
(Resolução CEPEC/UFG No 1122). Em suma, o estágio curricular não obrigatório
obedecerá os mesmos critérios e normas estabelecidos para o estágio curricular
obrigatório, conforme a Resolução CEPEC/UFG no 880.
6.3. Integração entre atividades de ensino, de pesquisa e de extensão
Um dos princípios básicos do funcionamento da UFG assenta-se sobre
a indissociabilidade entre o ensino, a pesquisa e a extensão. Procura-se desta forma
garantir que a universidade cumpra as suas funções essenciais de formar pessoas
altamente qualificadas, de fazer progredir o conhecimento pela realização de
pesquisas e de estender à comunidade os benefícios destes conhecimentos.
No processo de formação de um engenheiro é essencial que ele
adquira uma vasta gama de conhecimentos que vão da física clássica à física
quântica, à relatividade e que exigem uma sólida formação matemática. Esta é uma
árdua tarefa que muitas vezes consome quase toda a energia e tempo dos alunos.
No entanto, além disso, é indispensável que o aluno seja iniciado na atividade de
pesquisa para que ele possa tornar-se independente, exercitar o seu julgamento
crítico, e preparar-se para o enfrentamento de situações novas.
Os estágios curriculares obrigatórios e não obrigatórios; os programas
de iniciação científica na UFG; a participação como voluntário em atividades de
pesquisa; a participação em cursos de extensão; a divulgação de trabalhos em
eventos científicos são formas de alcançar a integração entre o ensino, a pesquisa e
20

a extensão. Estas atividades devem ser fomentadas e fortalecidas, através da sua
valorização como atividades complementares.
A integração entre ensino, pesquisa e extensão deve ocorrer a partir de
uma postura didática capaz de harmonizar estes três aspectos nos diversos
conteúdos e atividades do curso. A investigação e a descoberta devem estar
presentes no universo das atividades realizadas ao longo do curso, nas aulas, nos
projetos, na preparação de seminários.
Destaca-se a presença de disciplinas com caráter humanístico e
multidisciplinar, tais como "Metodologia Científica", "Desenvolvimento de Projeto",
"Introdução à Engenharia Física", "Evolução das Ideias da Física" e "Direito e
Cidadania". Associadas a estas disciplinas, a possibilidade de cumprir a metade da
carga horária mínima exigida para atividades complementares com atividades
voluntárias e a participação em palestras, conferências, seminários, cursos de curta
duração, é percebida como uma estratégia capaz de despertar o interesse do futuro
profissional em aprender mais e pesquisar mais, sobre os problemas da sociedade.
O Curso de Engenharia Física proporcionará aos estudantes
oportunidades de engajamento em programas de iniciação científica. Um dos
instrumentos que pode propiciar, com muito sucesso, o desenvolvimento da iniciação
científica no curso de Engenharia Física é o Programa Institucional de Iniciação
Científica e Tecnológica nas modalidades PIBIC, PIBIC-AF, PIBIT e PIVIC, onde
bolsas podem ser concedidas pela UFG, pelo CNPq (Conselho Nacional de
Desenvolvimento Científico e Tecnológico) ou pela FAPEG (Fundação de Amparo à
Pesquisa do Estado de Goiás).
O PIBIC, PIBIC-AF, PIBIT ou PIVIC podem ser um dos mais eficientes
instrumentos de articulação entre a graduação e a pós-graduação, ou seja, entre
ensino e pesquisa. Entre os seus efeitos estão o estímulo ao incremento da
produção científica dos professores orientadores e o envolvimento de novos
pesquisadores nas atividades de formação. Efetivamente, o Programa proporciona
ao bolsista a aprendizagem de técnicas e métodos científicos, bem como o estímulo
ao desenvolvimento do pensar cientificamente e da criatividade decorrentes das
condições criadas pelo confronto direto com os problemas da pesquisa.
O programa de monitoria da UFG também é uma estratégia capaz de
integrar as atividades de ensino, de pesquisa e de extensão. Ampliando-se o número
de monitores, mesmo que não remunerados, aumentando-se a sua autonomia e
orientando adequadamente suas atividades, bons resultados podem ser alcançados
quanto à qualidade e à satisfação com o curso de Engenharia Física.
Outro programa relevante na integração entre ensino, pesquisa e
extensão é o Programa Especial de Treinamento (PET), mantido pela CAPES
(Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Ensino Superior), o qual possibilita
condições para que alunos de graduação, com elevado desempenho acadêmico,
desenvolvam pesquisas e trabalhos de enriquecimento curricular, sob a orientação
de um professor tutor. Este programa apresenta uma filosofia diferenciada em
relação ao PIBIC/PIBIT.
O Programa PET é implantado com a formação de um grupo de alunos
com desempenho acima da média, que são mantidos como bolsistas até o fim do
curso, desde que satisfaçam o nível de desempenho requerido pelo programa. A
implantação de um grupo PET no Instituto de Física deve ser adotado como uma
meta proposta neste Projeto, com a finalidade de atender alunos com potencial para
o desenvolvimento multidisciplinar e interdisciplinar, através de atividades de ensino,
de pesquisa e de extensão.
Os trabalhos de extensão, como fonte de identificação de problemas,
podem contribuir para a concepção de projetos de pesquisa inseridos no contexto
21

social, suscitar temas para projetos de final de curso, bem como trazer inovações no
ensino de graduação e pós-graduação.
As atividades de extensão desenvolvidas pelo Instituto de Física da
UFG têm sido caracterizadas pela iniciativa de alguns docentes, sem integrar uma
política planejada. É necessário estabelecer uma Política de Extensão para o curso
de Engenharia Física, a partir dos objetivos estabelecidos neste projeto,
harmonizando a extensão, o ensino de graduação e a pesquisa.
O Instituto de Física, através de seus professores, busca sempre
oferecer aos seus alunos oportunidades de recebimento de bolsas de iniciação
científica, de extensão e de licenciatura, através das quais eles podem desenvolver
projetos específicos. No entanto, a participação em tais projetos não está
condicionada ao recebimento de algum tipo de bolsa. Esta é uma exigência que é
extensiva a todos nossos alunos. Todos eles devem, ao final do curso, apresentar
uma monografia contendo suas reflexões sobre um tema de pesquisa e os
resultados de suas observações e cálculos.
A comunidade do IF/UFG entende a importância da integração entre o
ensino, a pesquisa e a extensão na formação de profissionais com qualidade e
envidará esforços no sentido de adotar uma postura que favoreça esta integração.

7. Trabalho de conclusão de curso
O título final está condicionado a entrega de uma monografia referente
ao Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) e a uma apresentação oral. Este trabalho
tem como objetivo viabilizar ao aluno a prática em pesquisa ou extensão de um tema
relacionado à Engenharia Física e deverá ser desenvolvido sob a orientação de um
docente da UFG e submetido a uma banca examinadora especialmente constituída
para este fim que argüirá o aluno. Cabe à Comissão de Graduação do IF/UFG
credenciar os orientadores, aprovar os temas de trabalho escolhidos e definir dois
membros para comporem a banca examinadora, além do próprio orientador que
presidirá a sessão. Para que o aluno possa se matricular na disciplina de TCC, o
mesmo deve ter cumprido, pelo menos, 3280 horas-aula e cursado com aprovação
nas disciplinas dos oito (8) primeiros períodos mencionados na Tabela 6. A
monografia deverá ser entregue à Comissão de Graduação do IF/UFG, antes da
apresentação oral. O TCC deverá ser registrado no histórico escolar como disciplina
com carga horária de 32 horas-aula. O Regulamento do TCC será aprovado pelo
Conselho Diretor do IF/UFG com orientações da Pró-Reitoria de Graduação
(PROGRAD) da UFG nos termos da legislação vigente.

8. Atividades práticas
As aulas práticas de laboratório do curso de Engenharia Física são
atividades disciplinares obrigatórias e regidas por regulamentos próprios. A oferta
dependerá da especificidade de cada disciplina, que poderá realizar suas aulas
práticas em laboratórios. As aulas práticas são realizadas nos laboratórios de ensino,
com supervisão dos professores responsáveis. Também serão consideradas visitas
técnicas a laboratórios de pesquisa e em empresas ou indústrias relacionadas a área
de tecnologia.

22

9. A avaliação da aprendizagem
A avaliação da aprendizagem é parte integrante e essencial em todo
processo educativo. Sua função transcende em muito o seu uso mais corriqueiro
como mecanismo de comparação do desempenho acadêmico dos estudantes entre
si. Ela deve ser vista como um instrumento positivo para o crescimento acadêmico e
intelectual do estudante tanto ao premiar o sucesso dele como ao apontar falhas e
carências observadas. Esta avaliação é ainda extremamente útil para o próprio
professor ter uma medida da correção das estratégias adotadas em seu curso.
A avaliação será concebida como um processo abrangente, que
implicará na reflexão crítica para captar os avanços, resistências e as dificuldades,
bem como possibilitar tomadas de decisões para poder superar obstáculos do
processo educativo. Os professores trabalharão na elaboração significativa do
conhecimento, no desenvolvimento da autonomia e da autoconfiança.
Nesse processo avaliativo os professores considerarão a si próprios e
aos alunos como construtores do conhecimento. A avaliação, assim concebida deve
ser contínua, cumprindo sua função de auxílio ao processo ensino-aprendizagem,
verificando os vários momentos do desenvolvimento do trabalho, reorientando,
estimulando hipóteses, permitindo o erro, incentivando a compreensão dos
conhecimentos cientificamente aceitos.
A avaliação é inserida no projeto de Curso como um meio, onde o
Curso se compromete politicamente com a aprendizagem dos alunos. Todos os
profissionais que nele atuarem se mobilizarão para que essa aprendizagem se
concretize.
A evolução qualitativa do processo ensino-aprendizagem requererá que
professores e alunos estejam abertos ao diálogo constante e desejem um
crescimento coletivo. Essa forma de conceber e desenvolver a avaliação significa, na
prática, o compromisso do professor em garantir ao aluno a sistematização e
construção efetiva do conteúdo mínimo necessário para o desenvolvimento das suas
atividades docentes.
Os mecanismos de avaliação da aprendizagem são múltiplos e variam
de professor a professor e muitas vezes, de disciplina a disciplina. Provas,
seminários, listas de exercícios, relatórios, trabalhos em grupo, participação nas
atividades em classe e extra-classe são alguns dos instrumentos normalmente
utilizados pelos docentes na avaliação da aprendizagem.
Na busca da explicitação simbólica da qualidade de ensino e da
aprendizagem alcançada, a avaliação do processo ensino-aprendizagem será
expressa sob a forma de conceito, transformável, para efeito de registro escolar, em
valores numéricos.
Do ponto de vista quantitativo e institucional o RGCG prevê em seu
artigo 79:
"............................................... omissis .........................................................
Art. 79. A nota final do estudante variará de zero vírgula zero (0,0) a dez
vírgula zero (10,0), com uma casa decimal.
§ 1º A nota final será resultado de, no mínimo, duas avaliações que podem
ser na forma de provas, trabalhos, seminários, relatórios ou outras formas de
produção acadêmica escrita, oral, prática ou audiovisual do estudante.
§ 2º Será aprovado na disciplina ou no eixo temático/módulo o estudante que
obtiver nota final igual ou superior a seis vírgula zero (6,0) e frequência igual
ou superior a setenta e cinco por cento (75%) da carga horária da disciplina
ou do eixo temático/módulo, observado o disposto no artigo 83.
§ 3º Nos cursos a distância, será aprovado na disciplina ou no eixo
temático/módulo o estudante que obtiver nota igual ou superior a seis vírgula

23

zero (6,0) e participação de, no mínimo, setenta e cinco por cento (75%) das
atividades presenciais e não presenciais.
§ 4º Nos cursos a distância, sessenta por cento (60%) da nota final das
disciplinas ou dos eixos temáticos/módulos deverá ser obtida por meio de
avaliações em momentos presenciais, observando a legislação em vigor.
§ 5º O docente responsável pela disciplina ou pelo eixo temático/módulo só
poderá realizar uma nova avaliação após divulgar a nota obtida na avaliação
anterior com antecedência de pelo menos dois (2) dias letivos.
§ 6º Os originais de trabalhos ou provas deverão ser devolvidos ao estudante
no momento da divulgação da nota de cada avaliação, exceto os trabalhos de
conclusão de curso e relatórios de estágios, os quais deverão ser arquivados
na instituição.
§ 7º A nota final e a frequência serão registradas no sistema acadêmico
correspondente pelo professor responsável pela disciplina ou pelo eixo
temático/módulo, em prazos estabelecidos no calendário acadêmico.
§ 8º As formas, os períodos e a divulgação das avaliações, bem como a
forma de obtenção da nota final relativos ao processo de ensinoaprendizagem, deverão estar previstos no plano de ensino da disciplina ou do
eixo temático/módulo.
...................................................omissis ....................................................."
(in verbis)

A avaliação, portanto, procurará ser abrangente e participativa,
incluindo além da avaliação discente, também a avaliação conjunta do próprio Curso
e dos professores.

10. Estrutura curricular
Na Tabela 1 estão descritas as disciplinas obrigatórias da matriz
curricular do curso de Engenharia Física, indicando aquelas do comum (NC) e
núcleo específico (NE), conforme determina a Resolução CEPEC/UFG no
1122/2012, de 9 de novembro de 2012 (RGCG/UFG). Estes núcleos atendem as
diretrizes nacionais curriculares para os cursos de engenharia. Cada aula
mencionada na tabela corresponde ao tempo de 60 minutos e o número de semanas
por semestre é 16. A Tabela 3 mostra o resumo da matriz curricular do curso de
Engenharia Física da UFG com base nos núcleos mencionados no RGCG/UFG.
A Tabela 4 lista um resumo da distribuição curricular de carga horária
conforme Resoluções CNE/CES no 11, de 11 de março de 2002, e n o 2, de 18 de
junho de 2007, que dispõem, respectivamente, sobre as diretrizes curriculares
nacionais do curso de graduação em engenharia e sobre a carga horária mínima e
procedimentos relativos a integralização e duração dos cursos, na modalidade
presencial. A Tabela 5 lista uma comparação entre os percentuais dos conteúdos
curriculares básicos, profissionalizantes e extensões e aprofundamentos do curso de
Engenharia Física da UFG com relação ao percentual mínimo estabelecidos nas
Resoluções CNE/CES no 11/2002 e no 2/2007. Os valores apresentados na Tabela 5
mostram que o curso está em conformidade com as normas estabelecidas pelo
CNE/CES definidas para os cursos de engenharia.
A duração mínima do curso de Engenharia Física é de 10 semestres e
a máxima de 18 semestres. Na Tabela 6 apresentamos a sugestão de fluxo para a
integralização curricular.
Na Tabela 1, a coluna de "Conteúdo Curricular" foi incluída para
comparar com o previsto nas resoluções CNE/CES no 11, de 11 de março de 2002, e
no 2, de 18 de junho de 2007, onde B = Conteúdos Básicos, P = Conteúdos
Profissionalizantes, EA = Conteúdos de Extensões e Aprofundamentos. Os quadros
comparativos estão nas Tabelas 4 e 5.
24

Tabela 1. Matriz curricular do curso de Engenharia Física
DISCIPLINA
01. Administração
02. Álgebra Linear
03. Cálculo 1A
04. Cálculo 2A
05. Cálculo 3A
06. Cálculo Numérico
07. Circuitos Elétricos 1
08. Circuitos Lógicos
09. Desenho Técnico
10. Desenvolvimento de Projeto
11. Economia
12. Eletromagnetismo I
13. Eletromagnetismo II
14. Eletrônica I
15. Eletrônica II
16. Eletrotécnica Industrial
17. Engenharia de Segurança
18. Equações Diferenciais
Ordinárias
19. Estágio Curricular Obrigatório
(ECO)
20. Fenômenos de Transporte para
Engenharia Física
21.Física Computacional I
22. Física do Estado Sólido I
23. Física do Estado Sólido II
24. Física e Meio Ambiente
25. Física Estatística
26. Física Experimental I
27. Física Experimental II
28. Física Experimental III
29. Física Experimental IV
30. Física Experimental V
31. Física I
32. Física II
33. Física III
34. Física IV
35. Física Matemática I
36. Física Matemática II
37. Fundamentos da Teoria da
Relatividade
38. Introdução à Computação
39. Introdução à Computação e
Informação Quântica
40. Introdução à Engenharia Física
41. Introdução à Física
42. Introdução à Física Nuclear e de
Partículas
43. Introdução à Física Quântica
44. Laboratório de Circuitos Lógicos
45. Laboratório de Eletrônica
46. Laboratório de
Microprocessadores e
Microcontroladores
47. Materiais Elétricos
48. Mecânica Clássica I
49. Mecânica Quântica I
50. Metodologia Científica e
Redação Técnica
51. Microprocessadores e
Microcomtroladores
52. Probabilidade e Estatística
53. Química Geral B
54. Química Geral Experimental
55. Química Orgânica
56. Resistência dos Materiais
57. Técnicas Experimentais I
58. Técnicas Experimentais II

UNIDADE
RESPONS.
FACE
IME
IME
IME
IME
IME
EMC
EMC
FAV
IF
FACE
IF
IF
EMC
EMC
EMC
EMC
IME

REQUISITO
CHS
CHT
PRÉ- CO- TEO. PRA.
2
32
4
64
6
96
6
96
4
64
2
2
64
18,33
4
64
14
4
64
4
64
4
64
4
64
4
64
4
64
33,47
4
64
14
4
64
07
4
64
2
32
4
64
-

IF

(1)

IF

-

IF
IF
IF
IF
IF
IF
IF
IF
IF
IF
IF
IF
IF
IF
IF
IF

-

-

2
4
4
4
4

-

20
4
2

2
2
2
2
4
4
4
4
4
4
4

NÚCLEO

NATUREZA

NEOB
NEOB
NC
NC
NC
NEOB
NEOB
NEOB
NEOB
NEOB
NEOB
NE
NE
NEOB
NEOB
NEOB
NEOB

OBR
OBR
OBR
OBR
OBR
OBR
OBR
OBR
OBR
OBR
OBR
OBR
OBR
OBR
OBR
OBR
OBR

CONTEÚDO
CURRICULAR
B
B
B
B
B
P
P
P
B
EA
B
P
P
P
P
B
P

NC

OBR

B

320

NEOB

OBR

64

NEOB

OBR

B

64
64
64
64
64
32
32
32
32
64
64
64
64
64
64
64

NEOB
NEOB
NEOB
NEOB
NEOB
NC
NC
NC
NC
NC
NC
NC
NC
NC
NC
NEOB

OBR
OBR
OBR
OBR
OBR
OBR
OBR
OBR
OBR
OBR
OBR
OBR
OBR
OBR
OBR
OBR

EA
P
EA
B
EA
B
B
B
B
EA
B
B
B
B
EA
EA

32

NEOB

OBR

EA

64

NEOB

OBR

B

IF

-

-

2

INF

-

-

2

IF

-

-

4

64

NEOB

OBR

EA

IF
IF

-

-

2
4

32
64

NEOB
NC

OBR
OBR

B
B

IF

-

-

2

32

NC

OBR

EA

IF
EMC
EMC

14
14

08
15
51

4
1
2

64
16
32

NC
NEOB
NEOB

OBR
OBR
OBR

EA
P
P

EMC

-

1

16

NEOB

OBR

P

EMC
IF
IF

07
-

43
-

4
4
4

64
64
64

NEOB
NC
NEOB

OBR
OBR
OBR

P
P
EA

IF

-

-

2

32

NEOB

OBR

B

EMC

08

-

4

64

NEOB

OBR

P

IME
IQ
IQ
IQ
EEC
IF
IF

31,48
-

-

4
4

64
64
32
32
64
64
64

NEOB
NC
NC
NEOB
NEOB
NEOB
NEOB

OBR
OBR
OBR
OBR
OBR
OBR
OBR

P
B
B
P
B
P
P

2

2
2
3
3
3

1
1
1

25

CHS
UNIDADE REQUISITO
CHT
RESPONS. PRÉ- CO- TEO. PRA.
59. Termodinâmica
IF
4
64
60. Trabalho de Conclusão de Curso
IF
(2)
2
32
(TCC)
61-78. Disciplina Optativa I
*
*
4
64
61-78. Disciplina Optativa II
*
*
4
64
61-78. Disciplina Optativa III
*
*
4
64
61-78. Disciplina Optativa IV
*
*
4
64
Disciplina de Livre Escolha do Aluno
*
*
2
32
Disciplina de Livre Escolha do Aluno
*
*
2
32
Disciplina de Livre Escolha do Aluno
*
*
2
32
Disciplina de Livre Escolha do Aluno
*
*
2
32
TOTAL
193 57 4000
DISCIPLINA

NÚCLEO

NATUREZA

NC

OBR

NC

OBR

NEOP
NEOP
NEOP
NEOP
NL
NL
NL
NL

OPT
OPT
OPT
OPT
ELE
ELE
ELE
ELE

CONTEÚDO
CURRICULAR
P

EA
EA
EA
EA
EA
EA
EA
EA

*pré ou co-requisito depende da disciplina optativa ou eletiva escolhida pelo aluno.
(1) deve ter cumprido, pelo menos, 2848 horas-aula (78% da carga horária do Curso, sem
contar o TCC, as atividades complementares e o próprio estágio curricular obrigatório) e
cursado com aprovação nas disciplinas dos sete (7) primeiros períodos mencionados na
Tabela 6.
(2) deve ter cumprido, pelo menos, 3280 horas-aula e cursado com aprovação nas
disciplinas dos oito (8) primeiros períodos mencionados na Tabela 6.

Tabela 2. Lista de disciplinas optativas do curso de Engenharia Física
DISCIPLINA OPTATIVA
61. Biofísica I
62. Cristalografia
63. Desenvolvimento e Fabricação
de Materiais Avançados
64. Direito e Cidadania
65. Evolução das Ideias da Física
66. Física de Imagens Médicas
67. Instrumentação Científica e
Industrial
68. Introdução à Ciência dos
Materiais
69. Introdução à Instrumentação
Biomédica
70. Introdução à Micro e
Nanoeletrônica
71. Introdução ao LABVIEW
72. Lasers ­ Princípios e Aplicações
Biomédicas
73. Introdução à Língua Brasileira
de Sinais - LIBRAS
74. Mecânica Clássica II
75. Mecânica Quântica II
76. Óptica Física
77. Princípios Físicos de Medicina
Nuclear
78. Ultrassom - Princípios e
Aplicações Biomédicas
TOTAL

CHS
UNIDADE REQUISITO
CHT
RESPONS. PRÉ- CO- TEO. PRA.
IF
4
64
IF
4
64

NÚCLEO

NATUREZA

NEOP
NEOP

OPT
OPT

IF

-

-

4

-

64

NEOP

OPT

FD
IF
IF

-

-

4
4
4

-

64
64
64

NEOP
NEOP
NEOP

OPT
OPT
OPT

IF

-

-

4

-

64

NEOP

OPT

IF

-

-

4

-

64

NEOP

OPT

IF

-

-

4

-

64

NEOP

OPT

IF

-

-

4

-

64

NEOP

OPT

IF

-

-

4

-

64

NEOP

OPT

IF

-

-

4

-

64

NEOP

OPT

FL

-

-

4

-

64

NEOP

OPT

IF
IF
IF

-

-

4
4
4

-

64
64
64

NEOP
NEOP
NEOP

OPT
OPT
OPT

IF

-

-

4

-

64

NEOP

OPT

IF

-

-

4

-

64

NEOP

OPT

72

-

1152

LEGENDA
Núcleo
NC
NEOB
NEOP
NL

Comum
Específico
Obrigatório
Específico
Optativo
Livre

Carga Horária
CHS
CHT

Semanal
Total

Tipo
TEO.
PRA.

Conteúdo
Curricular

Natureza

Aulas teóricas
Aulas práticas em
Laboratório

OBR
OPT
ELE

Obrigatória
Optativa
Eletiva

B
P
EA

Básico
Profissionalizante
Extensão e
Aprofundamento

Tabela 3. Resumo da matriz curricular do curso de Engenharia Física com base nos
núcleos.
Núcleo
Comum (NC) ­ TCC
Específico Obrigatório (NEOB) ­ ECO

Horas

Carga Horária (%)

1344
2048

32,8
50,0

26

Específico Optativo (NEOP)
Livre (NL)
Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) (NC)
Estágio Curricular Obrigatório (ECO) (NEOB)
Atividades Complementares (AC)
Carga Horária Total do Curso

128
128
32
320
100
4100

3,1
3,1
0,8
7,8
2,4
100

Tabela 4. Resumo da matriz curricular do curso de Engenharia Física conforme
Resoluções CNE/CES no 11, de 11 de março de 2002, e no 2, de 18 de junho de
2007.
Conteúdo curricular

Horas

Carga Horária (%)

Básico (B)
Profissionalizante (P)
Extensão e Aprofundamento (EA)
Trabalho de Conclusão de Curso (TCC)
Estágio Curricular Obrigatório (ECO)
Atividades Complementares (AC)
Carga Horária Total do Curso

1472
1088
1088
32
320
100
4100

36,0
26,5
26,5
0,8
7,8
2,4
100

Tabela 5. Porcentagens comparativas da carga horária dos conteúdos curriculares
conforme Resoluções CNE/CES no 11, de 11 de março de 2002, e n o 2, de 18 de
junho de 2007.
Conteúdo curricular

Carga horária

Mínimo CNE/CES

Diferença

Básico
Profissionalizante
Extensão e Aprofundamento
Trabalho de Conclusão de Curso (TCC)
Estágio Curricular Obrigatório (ECO)
Atividades Complementares (AC)
Carga horária Total do Curso

36,0 %
26,5 %
26,5 %
32 horas
320 horas
100 horas
4100 horas

30,0 %
15,0 %
160 horas
100 horas
3600 horas

6,0 %
11,5 %
100 horas
0 horas
500 horas

Tabela 6. Sugestão de fluxo para integralização curricular do curso de Engenharia
Física
1º PERÍODO
DISCIPLINA

CHT

NATUREZA

NÚCLEO

Cálculo 1A
Física e Meio Ambiente
Introdução à Engenharia Física
Introdução à Física
Introdução à Computação

96
64
32
64
64
320
320

OBR
OBR
OBR
OBR
OBR

NC
NEOB
NEOB
NC
NEOB

NATUREZA
OBR
OBR
OBR
OBR
OBR
OBR
ELE

NÚCLEO
NEOB
NC
NC
NC
NC
NC
NL

NATUREZA
OBR
OBR
OBR

NÚCLEO
NC
NEOB
NC

Carga horária do período
Carga horária acumulada
2º PERÍODO
DISCIPLINA
Álgebra Linear
Cálculo 2A
Física Experimental I
Física I
Química Geral B
Química Geral Experimental
Disciplinas de Livre Escolha do Aluno

CHT
64
96
32
64
64
32
32**
Carga horária do período 384
Carga horária acumulada 704
3º PERÍODO

DISCIPLINA
Cálculo 3A
Cálculo Numérico
Equações Diferenciais Ordinárias

CHT
64
64
64

27

Física Experimental II
Física II
Probabilidade e Estatística
Química Orgânica
Disciplina de Livre Escolha do Aluno

32
64
64
32
32**
Carga horária do período 416
Carga horária acumulada 1120

OBR
OBR
OBR
OBR
ELE

NC
NC
NE
NEOB
NL

NATUREZA
OBR
OBR
OBR
OBR
OBR
OBR
OPT
ELE

NÚCLEO
NEOB
NC
NC
NC
NC
NC
NEOP
NL

NATUREZA
OBR
OBR
OBR
OBR
OBR
OBR
OBR
OPT

NÚCLEO
NEOB
NE
NEOB
NC
NC
NEOB
NEOB
NEOP

NATUREZA
OBR
OBR
OBR
OBR
OBR
OBR
OBR

NÚCLEO
NE
NEOB
NEOB
NEOB
NC
NEOB
NEOB

NATUREZA
OBR
OBR
OBR
OBR
OBR
OBR
OBR
OBR

NÚCLEO
NEOB
NEOB
NEOB
NEOB
NEOB
NC
NC
NEOB

NATUREZA
OBR
OBR
OBR
OBR

NÚCLEO
NEOB
NEOB
NEOB
NEOB

4º PERÍODO
DISCIPLINA
Desenho Técnico
Física Experimental III
Física III
Física Matemática I
Mecânica Clássica I
Termodinâmica
Disciplina Optativa I
Disciplina de Livre Escolha do Aluno

CHT
64
32
64
64
64
64
64**
32**
Carga horária do período 448
Carga horária acumulada 1568
5º PERÍODO

DISCIPLINA
Circuitos Elétricos 1
Eletromagnetismo I
Física Computacional I
Física Experimental IV
Física IV
Física Matemática II
Metodologia Científica e Redação Técnica
Disciplina Optativa II

CHT
64
64
64
32
64
64
32
64**
Carga horária do período 448
Carga horária acumulada 2016
6º PERÍODO

DISCIPLINA
Eletromagnetismo II
Eletrotécnica Industrial
Física Estatística
Fundamentos da Teoria da Relatividade
Introdução à Física Quântica
Materiais Elétricos
Resistência dos Materiais

CHT
64
64
64
32
64
64
64
Carga horária do período 416
Carga horária acumulada 2432

7º PERÍODO
DISCIPLINA
CHT
Administração
32
Eletrônica I
64
Engenharia de Segurança
32
Fenômenos de Transporte para Engenharia Física
64
Física do Estado Sólido I
64
Física Experimental V
64
Introdução à Física Nuclear e de Partículas
32
Mecânica Quântica I
64
Carga horária do período 416
Carga horária acumulada 2848
8º PERÍODO
DISCIPLINA
Circuitos Lógicos
Economia
Eletrônica II
Física do Estado Sólido II

CHT
64
64
64
64

28

Laboratório de Circuitos Lógicos
Laboratório de Eletrônica
Técnicas Experimentais I
Disciplina Optativa III

16
32
64
64**
Carga horária do período 432
Carga horária acumulada 3280

9º PERÍODO
DISCIPLINA
CHT
Desenvolvimento de Projeto
64
Introdução à Computação e Informação Quântica
64
Laboratório de Microcontroladores e Microprocessadores
16
Microprocessadores e Microcontroladores
64
Técnicas Experimentais II
64
Disciplina Optativa IV
64**
Disciplina de Livre Escolha do Aluno
32**
Carga horária do período 368
Carga horária acumulada 3648

OBR
OBR
OBR
OPT

NEOB
NEOB
NEOB
NEOP

NATUREZA
OBR
OBR
OBR
OBR
OBR
OPT
ELE

NÚCLEO
NEOB
NEOB
NEOB
NEOB
NEOB
NEOP
NL

NATUREZA
OBR
OBR

NÚCLEO
NEOB
NC

10º PERÍODO
DISCIPLINA
Estágio Curricular Obrigatório (ECO)
Trabalho de Conclusão de Curso (TCC)

CHT
320
32
Carga horária do período 352
Carga horária acumulada 4000

10.1. Elenco de disciplinas com ementas do curso de
Engenharia Física
10.1.1. Núcleo comum (NC)
Número: 03
Disciplina: Cálculo 1A
Carga Horária Total: 96 horas Carga Horária Teórica: 96 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
Números reais. Funções reais de uma variável real e suas inversas. Noções sobre cônicas. Limite e
continuidade. Derivadas e aplicações. Série de Taylor. Integrais. Técnicas de Integração. Integrais
impróprias. Aplicações.
Bibliografia Básica:
1. GUIDORIZZI, H. L. Um Curso de Cálculo, vol. 1. Rio de Janeiro: LTC.
2. ÁVILA, G. S. S. Cálculo das Funções de Uma Variável, vol. 1. Rio de Janeiro: LTC.
3. LEITHOLD, L. O Cálculo com Geometria Analítica, vol. 1. São Paulo: Harbra.
4. STEWART, J. Cálculo, vol. 1. São Paulo: Thomson.
Biliografia Complementar:
1. SWOKOWSKI, E. W. Cálculo com Geometria Analítica, vol. 1. Makron Books.
2. HOFFMANN, L. D. Cálculo, vol. 1. São Paulo: LTC.
3. FLEMMING, D. M.; GONÇALVES, M. B. Cálculo A. São Paulo: Pearson.
4. ROGÉRIO, M. U.; SILVA, H.; BADAN A. A. F. A. Cálculo Diferencial e Integral: Funções de Uma
Variável. Goiânia: Editora UFG.
5. SIMMONS, G. F. Cálculo com Geometria Analítica, vol. 1. São Paulo: McGraw-Hill.
6. SILVA, V. V.; REIS, G. L. Geometria Analítica, Rio de Janeiro: LTC.
Número: 04
Disciplina: Cálculo 2A
Carga Horária Total: 96 horas Carga Horária Teórica: 96 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
Seqüências e séries numéricas. Séries de potência, convergência. Funções de várias variáveis.
Limite e Continuidade. Noções sobre quádricas. Funções diferenciáveis. Derivadas parciais e
direcionais. Fórmula de Taylor. Máximos e mínimos. Integrais múltiplas. Mudança de Coordenadas.
Aplicações.
Bibliografia Básica:
1. STEWART, J. Cálculo, vol. 2. São Paulo: Thomson.
2. ÁVILA, G. S. S. Cálculo das Funções de Uma Variável, vol. 2. Rio de Janeiro: LTC.

29

3. ÁVILA, G. S. S. Cálculo das Funções de Múltiplas Variáveis, vol. 3. Rio de Janeiro: LTC.
4. LEITHOLD, L. O Cálculo com Geometria Analítica, vol. 2. São Paulo: Harbra.
5. GUIDORIZZI, H. L. Um Curso de Cálculo, vols. 2 e 4. Rio de Janeiro: LTC.
Bibliografia Complementar:
1. SWOKOWSKI, E. W. Cálculo com Geometria Analítica, vol. 2. Makron Books.
2. HOFFMANN, L. D. Cálculo, vol. 1. São Paulo: LTC.
3. FLEMMING, D. M.; GONÇALVES, M. B. Cálculo B. São Paulo: Pearson.
4. SIMMONS, G. F. Cálculo com Geometria Analítica, vol. 2. São Paulo: McGraw-Hill.
5. SILVA, V. V.; REIS, G. L. Geometria Analítica. LTC.
Número: 05
Disciplina: Cálculo 3A
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 64 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
Séries de funções. Campos de vetores. Integral de linha. Integral de superfície. Diferenciais exatas.
Teorema de Green. Teorema da divergência. Teorema de Stokes. Aplicações.
Bibliografia Básica:
1. GUIDORIZZI, H. L. Um Curso de Cálculo, vol. 4. Rio de Janeiro: LTC.
2. LEITHOLD, L. O Cálculo com Geometria Analítica, vol. 2. São Paulo: Harbra.
3. STEWART, J. Cálculo, vol. 2. São Paulo: Thomson.
4. ÁVILA, G. S. S. Cálculo das Funções de Uma Variável, vol. 2. LTC.
Bibliografia Complementar:
1. FLEMMING, D. M.; GONÇALVES, M. B. Cálculo B. São Paulo: Pearson.
2. HOFFMANN, L. D. Cálculo, vol. 2. São Paulo: LTC.
3. SIMMONS, G. F. Cálculo com Geometria Analítica, vol. 2. São Paulo: McGraw-Hill.
4. SWOKOWSKI, E. W. Cálculo com Geometria Analítica, vol. 2. Makron Books.
5. THOMAS, G. B. Cálculo, vol. 2. São Paulo: Pearson.
Número: 18
Disciplina: Equações Diferenciais Ordinárias
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 64 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
Equações diferenciais ordinárias de 1ª ordem lineares e não-lineares. Sistemas de equações
diferenciais ordinárias. Equações diferenciais ordinárias de ordem superior. Aplicações.
Bibliografia Básica:
1. BOYCE, W. E.; DIPRIMA, R. C. Equações Diferenciais Elementares e Problemas de Valores
de Contorno. São Paulo: LTC.
2. DE FIGUEIREDO, D. G.; NEVES, A. F. Equações Diferenciais Aplicadas. Rio de Janeiro: IMPA.
3. ZILL, D. G. Equações Diferenciais, vol. 1. São Paulo: Makron Books.
4. ZILL, D. G. Equações Diferenciais, vol. 2. São Paulo: Makron Books.
5. ZILL, D. G. Equações Diferenciais com Aplicações em Modelagem. São Paulo: Thomson.
Bibliografia Complementar:
1. AYRES JR., F. Equações Diferenciais. Rio de Janeiro: Makron Books.
2. BASSANEZI, R. C. Equações Diferenciais com Aplicações. São Paulo: Harbra.
3. CODDINGTON, E. A. An Introduction to Ordinary Diferential Equations. New York: Dover.
4. LEIGHTON, W. Equações Diferenciais Ordinárias, Rio de Janeiro: LTC.
Número: 26
Disciplina: Física Experimental I
Carga Horária Total: 32 horas Carga Horária Teórica: 0 hora Carga Horária Prática: 32 horas
Ementa:
Introdução à física experimental. Grandezas Físicas. Medição direta e Indireta. Instrumentos de
medição. Análise de erros. Noções básicas de estatística descritiva. Experimentos de Física.
Bibliografia Básica:
1. TAYLOR, J. R. Introdução à Análise de Erros: O estudo de incertezas em medições físicas.
Porto Alegre: Bookman.
2. VUOLO, J. H. Introdução à teoria de erros. Editora Blucher. São Paulo, 1996.
3. Roteiro de Experimentos, Instituto de Física da UFG.
Bibliografia Complementar:
1. HALLIDAY, D.; RESNICK, R.; WALKER, J. Fundamentos de Física: Mecânica. Rio de Janeiro:
LTC.
2. COOKE, C., An introduction to Experimental Physics, UCL Press, Londres,1996.
3. SQUIRES, G. L., Practical Physics, Cambridge University Press, 2001.
4. MELISSINOS, A. C., NAPOLITANO, J., Experiments in Modern Physics, Academic Press, 2003.
5. TABACNIKS, M. H. Conceitos Básicos da Teoria de Erros, São Paulo, 2003. Disponível em:

30

http://fap.if.usp.br/~tabacnik/tutoriais/tabacniks_concbasteorerr_rev2007.pdf
Número: 27
Disciplina: Física Experimental II
Carga Horária Total: 32 horas Carga Horária Teórica: 0 hora Carga Horária Prática: 32 horas
Ementa:
Escalas linerares. Ajuste por mínimos quadráticos. Elementos da teoria da probabilidade. Estimativas
de parâmetros. Covariância e correlação. Distribuições. Teste do qui-quadrado. Experimentos de
Física.
Bibliografia Básica:
1. TAYLOR, John R. Introdução à Análise de Erros: O estudo de incertezas em medições físicas.
Porto Alegre: Bookman.
2. VUOLO, J. H. Introdução à teoria de erros, Editora Blucher. São Paulo, 1996.
3. Roteiro de Experimentos, Instituto de Física da UFG.
Bibliografia Complementar:
1. HALLIDAY, D.; RESNICK, R.; WALKER, J. Fundamentos de Física: Gravitação, Ondas e
Termodinâmica. Rio de Janeiro: LTC.
2. COOKE, C., An introduction to Experimental Physics, UCL Press, Londres,1996.
3. SQUIRES, G. L., Practical Physics, Cambridge University Press, 2001.
4. MELISSINOS, A. C., NAPOLITANO, J., Experiments in Modern Physics, Academic Press, 2003.
5. TABACNIKS, M. H. Conceitos Básicos da Teoria de Erros, São Paulo, 2003. Disponível em:
http://fap.if.usp.br/~tabacnik/tutoriais/tabacniks_concbasteorerr_rev2007.pdf.
Número: 28
Disciplina: Física Experimental III
Carga Horária Total: 32 horas Carga Horária Teórica: 0 horas Carga Horária Prática: 32 horas
Ementa:
Grandezas Físicas. Instrumentos de medição. Medidas, erros e incertezas. Gráficos, linearização e
ajustes. Experimentos envolvendo fenômenos elétricos e magnéticos independentes do tempo.
Bibliografia Básica:
1. TAVARES, G. A.; VENCATO, I. Laboratório de Física III. Goiânia: Instituto de Física/UFG.
2. HALLIDAY, D.; RESNICK, R.; WALKER, J. Fundamentos de Física: Eletromagnetismo. Rio de
Janeiro: LTC.
3. TAYLOR, J. R. Introdução à Análise de Erros: O estudo de incertezas em medições físicas. Porto
Alegre: Bookman.
Bibliografia Complementar:
1. NUSSENZVEIG, H. M. Curso de Física Básica: Eletromagnetismo. São Paulo: Blucher.
2. YOUNG, H.D.; FREEDMAN, R.A.; Física III: Eletromagnetismo. São Paulo: Addison Wesley.
3. INMETRO. Vocabulário internacional de termos fundamentais e gerais de metrologia. 2. ed.
Brasília, SENAI/DN, 2000.
4. VUOLO, J. H. Fundamentos da teoria de erros. São Paulo: Edgard Blücher..
5. DOMICIANO, J. B.; JURAITIS, K. R. Introdução ao laboratório de Física Experimental: Métodos
de obtenção, registro e análise de dados experimentais. Londrina: Eduel.
Número: 29
Disciplina: Física Experimental IV
Carga Horária Total: 32 horas Carga Horária Teórica: 0 horas Carga Horária Prática: 32 horas
Ementa:
Grandezas Físicas. Instrumentos de medição. Medidas, erros e incertezas. Gráficos, linearização e
ajustes. Experimentos envolvendo fenômenos elétricos e magnéticos dependentes do tempo:
corrente alternada e óptica.
Bibliografia Básica:
1. TAVARES, G. A; VENCATO, I. Laboratório de Física IV. Goiânia: Instituto de Física/UFG.
2. HALLIDAY, D.; RESNICK, R.; WALKER, J. Fundamentos de Física: Óptica e Física Moderna. Rio
de Janeiro: LTC.
3. TAYLOR, J. R. Introdução à Análise de Erros: O estudo de incertezas em medições físicas. Porto
Alegre: Bookman.
Bibliografia Complementar:
1. NUSSENZVEIG, H. M. Curso de Física Básica: Eletromagnetismo. São Paulo: Blucher.
2. YOUNG, H. D.; FREEDMAN, R. A.; Física IV: Óptica e Física Moderna. São Paulo: Addison
Wesley.
3. INMETRO. Vocabulário internacional de termos fundamentais e gerais de metrologia. 2. ed.
Brasília, SENAI/DN, 2000.
4. VUOLO, J. H. Fundamentos da teoria de erros. São Paulo: Edgard Blücher.
5. DOMICIANO, J. B.; JURAITIS, K. R. Introdução ao laboratório de Física Experimental: Métodos

31

de obtenção, registro e análise de dados experimentais. Londrina: Eduel.
Número: 30
Disciplina: Física Experimental V
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 0 horas Carga Horária Prática: 64 horas
Ementa:
Experiências em física moderna e clássica envolvendo conceitos de física nuclear, estrutura atômica
da matéria, física do estado sólido e óptica.
Bibliografia Básica:
1. CARVALHO, J. F.; SANTANA, R. C., Roteiros dos Experimentos do Laboratório de Física
Moderna. Goiânia: Instituto de Física ­ Universidade Federal de Goiás.
2. EISBERG, R.; RESNICK, R. Física Quântica: Átomos, Moléculas, Sólidos, Núcleos e Partículas,
Rio de Janeiro: Ed. Campus - Elsevier.
3. NUSSENSWEIG, H. M. Curso de Física Básica, v.4, Editora Edgard Blücher.
Bibliografia Complementar:
1. TIPLER, P.A.; LLEWELLYN, R.A. Física Moderna, Rio de Janeiro: LTC.
2. MELISSINOS, A.C. Experiments in Modern Physics. Boston: Academic Press.
3. Laboratory Experiments in Physics, Phywe Systeme GmbH, Göttingen.
4. HALLIDAY, D.; RESNICK, R.; WALKER, J. Fundamentos de Física: Óptica e Física Moderna, v. 4,
Rio de Janeiro: LTC.
5. REZENDE, S. M. A Física dos Materiais e Dispositivos Eletrônicos. Recife: Ed. Universidade
Federal de Pernambuco.
6. REITZ, J.R.; MILFORD, F.J.; CHRISTY, R.W. Fundamentos da Teoria Eletromagnética, Rio de
Janeiro: Ed. Campus.
7. CHAVES, A.; SAMPAIO, J. L. Física Básica: Eletromagnetismo, v. 3. São Paulo: LTC.
8. MCKELVEY, J. P. Física, v. 4. São Paulo: Harbra.
9. SEARS, F. W.; ZEMANSKY, M. W.; YOUNG, H. D. Física, v. 4. Rio de Janeiro: LTC.
10. SERWAY, R. A.; JEWETT JUNIOR, J. W. Princípios de Física, v. 4. São Paulo: Thomson.
11. Manuais do fabricante Phywe dos experimentos.
Número: 31
Disciplina: Física I
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 64 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
Unidades, grandezas físicas e vetores. Cinemática da partícula. Leis de Newton do movimento. Trabalho e
energia cinética. Energia potencial e conservação da energia. Momento linear, impulso e colisões.
Cinemática da rotação. Dinâmica da rotação de corpos rígidos. Equilíbrio e elasticidade.
Bibliografia Básica:
1. YOUNG, H. D.; FREEDMAN, R. A. Física I: Mecânica, v. 1. São Paulo: Addison Wesley.
2. HALLIDAY, D.; RESNICK, R.; WALKER, J. Fundamentos de Física: Mecânica, v. 1. Rio de
Janeiro: LTC.
3. NUSSENZVEIG, H. M. Curso de Física Básica: Mecânica, v. 1. São Paulo: Ed. Edgard Blücher
Ltda.
Bibliografia Complementar:
1. TIPLER, P. A.; MOSCA, G. Física para cientistas e engenheiros: Mecânica, Oscilações e Ondas,
Termodinâmica, v. 1. Rio de Janeiro: LTC.
2. CHAVES, A.; SAMPAIO, J. L. Física Básica: Mecânica, v. 1. São Paulo: LTC.
3. ALONSO, M.; FINN, E. J. Física: um curso universitário, v. 1. São Paulo: E. Blucher.
4. LUIZ, A. M. Problemas de Física, v. 1. Rio de Janeiro: Guanabara Dois
5. MCKELVEY, J. P. Física, v. 1. São Paulo: Harbra.
6. SEARS, F. W.; ZEMANSKY, M. W.; YOUNG, H. D. Física, v. 1. Rio de Janeiro: LTC.
7. SERWAY, R. A.; JEWETT JUNIOR, J. W. Princípios de Física, v. 1. São Paulo: Thomson.
Número: 32
Disciplina: Física II
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 64 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
Gravitação. Movimento periódico. Mecânica dos fluidos. Ondas mecânicas. Som e audição.
Temperatura e calor. Teoria Cinética dos gases. Primeira lei da termodinâmica. Segunda lei da
termodinâmica.
Bibliografia Básica:
1. YOUNG, H. D.; FREEDMAN, R. A. Física II: Termodinâmica e Ondas, v. 2. São Paulo: Addison
Wesley.
2. HALLIDAY, D.; RESNICK, R.; WALKER, J. Fundamentos de Física: Gravitação, Ondas e
Termodinâmica, v. 2. Rio de Janeiro: LTC.

32

3. NUSSENZVEIG, H. M. Curso de Física Básica: Fluidos, Oscilações e Ondas, Calor, v. 2. São
Paulo: Ed. Edgard Blücher Ltda.
Bibliografia Complementar:
1. TIPLER, P. A. Física para cientistas e engenheiros: Mecânica, Oscilações e Ondas,
Termodinâmica, v. 1. Rio de Janeiro: LTC.
2. CHAVES, A.; SAMPAIO, J. L. Física Básica: Gravitação, Fluidos, Ondas, Termodinamica, v. 2. São
Paulo: LTC.
3. LUIZ, A. M. Problemas de Física, v. 2. Rio de Janeiro: Guanabara Dois
4. MCKELVEY, J. P. Física, v. 2. São Paulo: Harbra.
5. SEARS, F. W.; ZEMANSKY, M. W.; YOUNG, H. D. Física, v. 2. Rio de Janeiro: LTC.
6. SERWAY, R.; JEWETT JUNIOR, J. W. Princípios de Física, v. 2. São Paulo: Thomson.
Número: 33
Disciplina: Física III
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 64 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
Carga elétrica e campo elétrico. Lei de Gauss. Potencial elétrico. Capacitância e dielétricos. Corrente
e circuitos elétricos. Campo magnético e força magnética. Fontes de campo magnético. Indução
eletromagnética. Corrente alternada.
Bibliografia Básica:
1. YOUNG, H. D.; FREEDMAN, R. A. Física III: Eletromagnetismo, v. 3. São Paulo: Addison Wesley.
2. HALLIDAY, D.; RESNICK, R.; WALKER, J. Fundamentos de Física: Eletromagnetismo, v. 3. Rio
de Janeiro: LTC.
3. NUSSENZVEIG, H. M. Curso de Física Básica: Eletromagnetismo, v. 3. São Paulo: Ed. Edgard
Blücher Ltda.
Bibliografia Complementar:
1. TIPLER, P. A. Física para cientistas e engenheiros: Eletricidade e Magnetismo, Ótica, v. 2. Rio
de Janeiro: LTC.
2. CHAVES, A.; SAMPAIO, J. L. Física Básica: Eletromagnetismo, v. 3. São Paulo: LTC.
3. ALONSO, M.; FINN, E. J. Física: um curso universitário, v. 2. São Paulo: E. Blucher.
4. LUIZ, A. M. Problemas de Física, v. 3. Rio de Janeiro: Guanabara Dois
5. MCKELVEY, J. P. Física, v. 3. São Paulo: Harbra.
6. SEARS, F. W.; ZEMANSKY, M. W.; YOUNG, H. D. Física, v. 3. Rio de Janeiro: LTC.
7. SERWAY, R. A.; JEWETT JUNIOR, J. W. Princípios de Física, v. 3. São Paulo: Thomson.
Número: 34
Disciplina: Física IV
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 64 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
Ondas eletromagnéticas. Natureza e propagação da luz. Óptica geométrica. Instrumentos de óptica.
Interferência. Difração. Fótons, elétrons e átomos.
Bibliografia Básica:
1. YOUNG, H. D.; FREEDMAN, R. A. Física III: Eletromagnetismo, v. 3. São Paulo: Addison Wesley.
2. YOUNG, H. D.; FREEDMAN, R. A. Física IV: Óptica e Física Moderna, v. 4. São Paulo: Addison
Wesley.
3. HALLIDAY, D.; RESNICK, R.; WALKER, J. Fundamentos de Física: Eletromagnetismo, v. 3. Rio
de Janeiro: LTC.
4. HALLIDAY, D.; RESNICK, R.; WALKER, J. Fundamentos de Física: Óptica e Física Moderna, v.
4. Rio de Janeiro: LTC.
5. NUSSENZVEIG, H. M. Curso de Física Básica: Eletromagnetismo, v. 3. São Paulo: Ed. Edgard
Blücher Ltda.
6. NUSSENZVEIG, H. M. Curso de Física Básica: Ótica, Relatividade, Física Quântica, v. 4. São
Paulo: Ed. Edgard Blücher Ltda.
Bibliografia Complementar:
1. TIPLER, P. A. Física para cientistas e engenheiros: Eletricidade e Magnetismo, Ótica, v. 2. Rio
de Janeiro: LTC.
2. CHAVES, A.; SAMPAIO, J. L. Física Básica: Eletromagnetismo, v. 3. São Paulo: LTC.
3. ALONSO, M.; FINN, E. J. Física: um curso universitário, v. 2. São Paulo: E. Blucher.
4. LUIZ, A. M. Problemas de Física, v. 4. Rio de Janeiro: Guanabara Dois
5. MCKELVEY, J. P. Física, v. 4. São Paulo: Harbra.
6. SEARS, F. W.; ZEMANSKY, M. W.; YOUNG, H. D. Física, v. 4. Rio de Janeiro: LTC.
7. SERWAY, R. A.; JEWETT JUNIOR, J. W. Princípios de Física, v. 4. São Paulo: Thomson.
Número: 35

Disciplina: Física Matemática I

33

Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 64 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
Funções de uma variável complexa. Séries e transformadas de Fourier. Conceitos da teoria das
distribuições. Análise vetorial. Equações diferenciais parciais.
Bibliografia Básica:
1. CHURCHILL, R. V. Variáveis Complexas e Suas Aplicações. McGraW-Hill, Brasil.
2. BUTKOV, E. Física Matemática. Rio de Janeiro: LTC.
3. ARFKEN, G.; WEBER, H. J. Física Matemática: Métodos Matemáticos para Engenharia e
Física. Rio de Janeiro: Elsevier-Campus.
4. ARFKEN, G.; WEBER, H. J. Mathematical Methods for Physicists. Boston: Elsevier.
Bibliografia Complementar:
1. ÁVILA, G. S. S. Variáveis Complexas e Aplicações. Rio de Janeiro: LTC.
2. BOAS, M. L. Mathematical Methods in the Physical Sciences. Hoboken: Wiley.
3. MORSE, P. M.; FESHBACH, H. Methods of Theoretical Physics, v. 1 e 2. New York: McGrawHill.
4. COURANT, R.; HILBERT, D. Methods of Mathematical Physics, v. 1 e 2. New York: Interscience.
5. CHOW, T. L. Mathematical Methods for Physicists: A Concise Introduction. Cambridge.
6. LEMOS, N. Convite à Física Matemática. São Paulo: Livraria da Física.
Número: 41
Disciplina: Introdução à Física
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 64 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
Modelos matemáticos algébricos e geométricos da Física. Noções de grandezas vetoriais. Medidas e
sistemas de unidades.
Bibliografia Básica:
1. IEZZI, G.; MURAKAMI, C.; DOLCE, O.; HAZAN, S. Fundamentos de Matemática Elementar,
vols. 1-4, 6, 9, 10. São Paulo: Atual.
2. CAPUTI, A.; MIRANDA, D., Bases Matemáticas. UFABC.
3. LIPPMAN, D.; RASMUSSEN, M., Precalculus: An Investigation of Functions. Disponível em:
http://www.opentextbookstore.com/precalc. Acesso em: 27 de maio de 2014.
Bibliografia Complementar:
1.CHAVES, A. (org.) Física para um Brasil competitivo. CAPES, 2007. Disponível em
http://www.sbfisica.org.br/v1/arquivos_diversos/publicacoes/FisicaCapes.pdf. Acesso em: 27 de
agosto de 2013.
2. CHAVES, A. SAMPAIO, J. F. Física Básica, vols. 1-3. Rio de Janeiro: LTC.
3. NUSSENZVEIG, H. M. Curso de Física Básica, vols. 1-4. São Paulo: Edgard Blücher.
4. SILVA, S. M.; SILVA, E. M.; SILVA, E M. Matemática Básica para Cursos Superiores. São
Paulo: Atlas.
5. BOULOS, P. Pré-Cálculo. São Paulo: Makron Books.
Número: 42
Disciplina: Introdução à Física Nuclear e de Partículas
Carga Horária Total: 32 horas Carga Horária Teórica: 32 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
Visão geral de propriedades nucleares. Modelos nucleares: modelo da gota líquida, modelo do gás de
Fermi. Decaimento e reações nucleares. Partículas elementares: modelo padrão, interações
eletromagnética, forte e fraca. Detectores de partículas. Raios cósmicos e aceleradores de partículas.
Bibliografia Básica:
1. EISBERG, R.; RESNICK, R. Física Quântica: Átomos, Moleculas, Sólidos, Núcleos e
Partículas. Rio de Janeiro: Campus.
2. CARUSO, F.; OGURI, V. Física Moderna: Origens Clássicas e Fundamentos Quânticos. Rio de
Janeiro: Campus.
3. LOPES, J. L. A Estrutura Quântica da Matéria: Do Átomo Pré-Socrático às Particulas
Elementares. Rio de Janeiro: Editora UFRJ.
Bibliografia Complementar:
1. MAYER-KUCKUK, T. Física Nuclear: Uma Introdução. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.
2. TIPLER, P. A.; LLEWELLYN, R. A. Física Moderna. Rio de Janeiro: LTC.
3. BEISER, A. Concepts of Modern Physics. New York: McGraw-Hill.
4. ACOSTA, V.; COWAN, C. L.; GRAHAM, B. J. Curso de Física Moderna. Harla.
5. EISBERG, R. M. Fundamentos da Física Moderna. Rio de Janeiro: Guanabara Dois.
6. MEDEIROS, D. Física Moderna. São Paulo: Livraria da Física.
Número: 43

Disciplina: Introdução à Física Quântica

34

Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 64 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
Radiação térmica e fótons. Modelos atômicos. Mecânica matricial e ondulatória. Aplicações da
equação de Schrödinger. Átomos de um elétron. Momento magnético orbital e de spin. Estatísticas
quânticas.
Bibliografia Básica:
1. EISBERG, R.; RESNICK, R. Física Quântica: Átomos, Moleculas, Sólidos, Núcleos e
Partículas. Rio de Janeiro: Campus.
2. CARUSO, F.; OGURI, V. Física Moderna: Origens Clássicas e Fundamentos Quânticos. Rio de
Janeiro: Campus.
3. LOPES, J. L. A Estrutura Quântica da Matéria: Do Átomo Pré-Socrático às Particulas
Elementares. Rio de Janeiro: Editora UFRJ.
Bibliografia Complementar:
1. TIPLER, P. A.; LLEWELLYN, R. A. Física Moderna. Rio de Janeiro: LTC.
2. BEISER, A. Concepts of Modern Physics. New York: McGraw-Hill.
3. ACOSTA, V.; COWAN, C. L.; GRAHAM, B. J. Curso de Física Moderna. Harla.
4. EISBERG, R. M. Fundamentos da Física Moderna. Rio de Janeiro: Guanabara Dois.
5. MEDEIROS, D. Física Moderna. São Paulo: Livraria da Física.
Número: 48
Disciplina: Mecânica Clássica I
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 64 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
Formulações Newtoniana e Lagrangiana da mecânica. Forças centrais e gravitação. Princípio
variacional de Hamilton. Sistemas de partículas. Cinemática e dinâmica de corpo rígido.
Bibliografia Básica:
1. CHOW, T. L. Classical Mechanics. New York: Wiley.
2. MARION, J. B.; THORNTON, S. T. Classical Dynamics of Particles and Systems. Fort worth:
Saunders College.
3. GOLDSTEIN, H. Classical Mechanics. Addison-Wesley.
4. LEMOS, N. A. Mecânica Analítica. São Paulo: Livraria da Física.
Bibliografia Complementar:
1. BARCELOS NETO, J. Mecânica Newtoniana, Lagrangiana e Hamiltoniana. São Paulo: Livraria
da Física.
2. LANCZOS, C. The Variational Principles of Mechanics. New York: Dover.
3. SYMON, K. R. Mecânica. Rio de Janeiro: Campus.
4. GREINER, W. Classical Mechanics: Point Particles and Relativity. New York: Springer.
5. WATARI, K. Mecânica Clássica, v. 1 e 2. São Paulo: Livraria da Física.
6. ARYA, A. P. Introduction to Classical Mechanics. Upper Saddle River: Prentice Hall.
Número: 53
Disciplina: Química Geral B
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 64 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
Estrutura Atômica. Ligações químicas. Termodinâmica, Soluções e Reações de Oxi-Redução, Equilíbrio
químico. Cinética Química. Ciência dos Materiais.
Bibliografia Básica:
1. KOTZ, J. C.; TREICHEL JUNIOR, P. Química e Reações Químicas, vol. 1 e 2, 4ª ed., LTC, 2002.
2. MAHAN, B. M.; MYERS, R. J., Química um Curso Universitário, 4ª ed., Editora Edgard Blucher
LTDA, 2000.
3. HEASLEY V. L.; CHRISTENSEN, V. J.; HEASLEY, G. E., Chemistry and Life in the Laboratory,
a
4 ed., Prentice Hall, 1997.
4. POSTMA, J. M.; ROBERTS JR., J. L.; HOLLENBERG, J. L. Química no Laboratório. Barueri:
Manole.
5. ATKINS, P.; JONES, L. Princípios de Química: Questionando a vida moderna e o meio ambiente,
Artmed Editora S.A.,1999.
Bibliografia Complementar:
1. BERAN, J. A. Chemistry in the Laboratory: A study of chemical and physical changes, 2ª. Ed.,
John Wiley & Sons, 1996.
2. EBBING, D. D. Química Geral, vol. 1 e 2, 5ª ed., LTC, 1998.
a
3. ATKINS, P.; JONES, L. Chemistry: Molecules, Matter, and Change, 3 . ed., New York: W.H.
Freeman and Company, 1997.
4. ROBERTS JR., J. L.; HOLLENBERG, J. L.; POSTMA, J. M. Chemistry in the Laboratory. New
York: W. H. Freeman.

35

5. MAIA, D. J.; BIANCHI, J. C. A. Química Geral: Fundamentos. Prentice Hall, 2010.
Número: 54
Disciplina: Química Geral Experimental
Carga Horária Total: 32 horas Carga Horária Teórica: 0 hora Carga Horária Prática: 32 horas
Ementa:
Propriedades das substâncias. Soluções. Reações Químicas. Equilíbrio Químico. Eletroquímica.
Bibliografia Básica:
1. KOTZ, J. C.; TREICHEL JUNIOR, P. Química e Reações Químicas, vol. 1 e 2, 4ª ed., LTC, 2002.
2. MAHAN, B. M.; MYERS, R. J., Química um Curso Universitário, 4ª ed., Editora Edgard Blucher
LTDA, 2000.
3. HEASLEY V. L.; CHRISTENSEN, V. J.; HEASLEY, G. E., Chemistry and Life in the Laboratory,
a
4 ed., Prentice Hall, 1997.
4. POSTMA, J. M.; ROBERTS JR., J. L.; HOLLENBERG, J. L. Química no Laboratório. Barueri:
Manole.
5. ATKINS, P.; JONES, L. Princípios de Química ­ Questionando a vida moderna e o meio
ambiente, Artmed Editora S.A.,1999.
Bibliografia Complementar:
1. BERAN, J. A. Chemistry in the Laboratory: A study of chemical and physical changes, 2ª. Ed.,
John Wiley & Sons, 1996.
2. EBBING, D. D. Química Geral, vol. 1 e 2, 5ª ed., LTC, 1998.
a
3. ATKINS, P.; JONES, L. Chemistry: Molecules, Matter, and Change, 3 . ed., New York: W.H.
Freeman and Company, 1997.
4. ROBERTS JR., J. L.; HOLLENBERG, J. L.; POSTMA, J. M. Chemistry in the Laboratory. New
York: W. H. Freeman.
5. MAIA, D. J.; BIANCHI, J. C. A. Química Geral ­ Fundamentos. Prentice Hall, 2010.
Número: 59
Disciplina: Termodinâmica
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 64 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
Variáveis e equações de estado. Leis da termodinâmica. Entropia. Condições de equilíbrio e
estabilidade. Potenciais termodinâmicos. Mudança de fase.
Bibliografia Básica:
1. CALLEN, H. B. Thermodynamics and an Introduction to Thermostatistics. New York: Wiley.
2. ZEMANSKY, M. W. Calor e Termodinâmica. Rio de Janeiro: Guanabara Dois.
3. OLIVEIRA, M. J. Termodinâmica, São Paulo: Livraria da Física.
Bibliografia Complementar:
1. GREINER, W. Thermodynamics and Statistical Mechanics. New York: Springer.
2. SOMMERFELD, A. Thermodynamics and Statistical Mechanics. New York: Academic Press.
3. FERMI, E. Thermodynamics. New York: Dover.
4. KUBO, R. Thermodynamics: An Advanced Course with Problems and Solutions. Amsterdam:
North-Holland Publishing.
5. ADKNIS, C. J. Equilibrium Thermodynamics. New York: Cambridge University.
Número: 60
Disciplina: Trabalho de Conclusão de Curso
Carga Horária Total: 32 horas Carga Horária Teórica: 0 hora Carga Horária Prática: 32 horas
Ementa:
Monografia elaborada pelo aluno como resultado da realização de uma atividade de pesquisa em
Física ou áreas afins.
Bibliografia Básica:
1. MENDONÇA, L. M. N.; ROCHA, C. R. R.; D'ALESSANDRO, W. T. Guia para Apresentação de
Trabalhos Monográficos na UFG, PRPPG/UFG, 2005.
2. LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Fundamentos de metodologia científica, 7ª ed., São Paulo:
Atlas, 2010.
3. CERVO, A. L.; BERVIAN, P. A. Metodologia Científica, São Paulo: McGraw-Hill.
4. SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico, São Paulo: Cortez, 2007.
Bibliografia Complementar:
1. LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Metodologia do Trabalho Científico: Procedimentos Básicos;
a
Pesquisa Bibliográfica, projeto e relatório; Publicações e Trabalhos Científicos, 6 ed. Rev. Amp. São
Paulo: Atlas, 2001.
2. SALOMON, D. V. Como fazer uma monografia, São Paulo: Martins Fontes.
3. CERVO, A. L.; BERVIAN, P. A. Metodologia Científica. São Paulo: Makron Books.
4. TACHIZAWA, T.; MENDES, G. Como fazer monografia na pratica, Rio de Janeiro: Editora

36

Fundação Getulio Vargas.
5. KERSCHER, M. A.; KERSCHER, S. A. Monografia: como fazer, 2ª ed., Rio de Janeiro: Thex,
1999.
Outras a critério do docente/pesquisador.

10.1.2. Núcleo específico obrigatório (NEOB)
Número: 01
Disciplina: Administração
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 64 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
Introdução à administração: conceitos básicos de organização, administração e processo
administrativo. Evolução do pensamento administrativo. A organização e suas áreas funcionais.
Funções da administração: planejamento, organização, direção e controle.
Bibliografia básica:
1. LACOMBE, F.; HEILBORN, G.. Administração: princípios e tendências. São Paulo: Saraiva, 2003.
2. MOTTA, F. C. P.; VASCONCELOS, I. F. G. Teoria Geral da Administração. 3 ed. São Paulo:
Thomson Learning, 2006.
3. SOBRAL, F.; PECI, A.. Administração: teoria e prática no contexto brasileiro. São Paulo: Pearson,
2008.
Bibliografia complementar:
1. MAXIMIANO, A. C. A. Introdução à administração. 5.ed. São Paulo: Atlas, 2000.
2. ROBBINS, S. P. Administração: mudanças e perspectivas. São Paulo: Saraiva, 2005.
3. STONER, J. A. F.; FREEMAN, R. E. Administração. 5ª Edição. Rio de Janeiro: LTC, 2002.
4. HELOANI, R. Organização do trabalho e administração : uma visão multidisciplinar, 6ª ed.,
São Paulo: Cortez, 2011.
5.DAFT, R. L. Administração, São Paulo: Cengage Learning, 2010.
Número: 02
Disciplina: Álgebra Linear
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 64 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
Sistemas lineares e matrizes. Espaços vetoriais. Transformações lineares. Autovalores e autovetores.
Espaços com produto interno.
Bibliografia Básica:
1. BOLDRINI, J. L.; COSTA, S. I. R.; FIGUEIREDO, V. L.; WETZLER, H. G. Álgebra Linear. São
Paulo: Harbra.
2. CALLIOLI, C. A.; DOMINGUES, H. H.; COSTA, R. C. F. Álgebra Linear e Aplicações. Atual.
3. KOLMAN, B.; HILL, D. R. Introdução à Álgebra Linear. Prentice Hall.
4. LIPSCHULTZ, S. Álgebra Linear. São Paulo: Makron Books.
Bibliografia Complementar:
1. APOSTOL, T. Linear Algebra: A First Course with Applications to Differential Equations.
Wiley Interscience.
2. HOFFMAN, K.; KUNZE, R. Álgebra Linear. São Paulo: Polígono.
3. HOWARD, A.; RORRES, C. Álgebra Linear com Aplicações. Porto Alegre: Bookman.
4. LIMA, E. L. Álgebra Linear. Rio de Janeiro: IMPA.
5. SHOKRANIAN, S. Introdução à Álgebra Linear e Aplicações. Brasília: Editora UnB.
6. SILVA, V. V. Álgebra Linear. Goiânia: Editora UFG.
Número: 06
Disciplina: Cálculo Numérico
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 32 horas Carga Horária Prática: 32 horas
Ementa:
Resolução de sistemas lineares, métodos diretos e métodos iterativos. Integração e interpolação.
Cálculo de raízes de equações. Resolução numérica de equações diferenciais.
Bibliografia Básica:
1. CAMPOS FILHO, F. F. Algoritmos Numéricos, Rio de Janeiro: LTC.
2. FRANCO, N. B. Cálculo Numérico. São Paulo: Pearson.
3. RUGGIERO, M. A. G.; LOPES, V. L. R. Cálculo Numérico: Aspectos Teóricos e
Computacionais. São Paulo: Makron Books.
Bibliografia Complementar:
1. ARENALES, S. H. V.; DAREZZO FILHO, A. Cálculo Numérico. São Paulo: Thomson.
2. BURDEN, R. L.; FAIRES, J. D. Análise Numérica. São Paulo: Cengage.
3. BURIAN, R.; LIMA, A. C. Cálculo Numérico. Rio de Janeiro: LTC.
4. KINCAID, D.; WARD, C. Numerical Analysis: Mathematics of Scientific Computing. Brooks

37

Cole-Thomson.
5. SPERENDIO, D.; MENDES, J. T.; SILVA, L. H. M. Cálculo Numérico: Características
Matemáticas e Computacionais dos Métodos Numéricos. São Paulo: Prentice Hall.
Número: 07
Disciplina: Circuitos Elétricos 1
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 64 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
Elementos de circuitos elétricos. Grandezas elétricas: corrente e tensão elétricas. Potência e energia.
Leis de Kirchoff. Bipólos. Métodos de análise de circuitos resistivos. Fontes controladas. Principais
matrizes. Teoremas de circuitos. Capacitor e indutor como elemento de circuito. Análise de circuitos
elétricos monofásicos em regime permanente: análise com fasores. Potência e fator de potência em
Corrente Alternada.
Bibliografia Básica:
1. DORF, R. C.; SVOBODA, J. A. Introdução aos Circuitos Elétricos, Rio de Janeiro: LTC.
2. BURIAN JUNIOR, Y.; LYRA, A. C. C. Circuitos elétricos, Sao Paulo: Pearson Prentice Hall, 2006.
3. NILSSON, J. W.; RIEDEL, S. A. Circuitos elétricos, 8ª ed., Sao Paulo: Pearson Prentice Hall,
2009.
Bibliografia Complementar:
1. ORSINI, L. Q. Circuitos elétricos, Brasília: INL, 1975.
2. ALEXANDER, C. K.; SADIK, M. N. O. Fundamentos de circuitos elétricos, Porto Alegre:
Bookman, 2003.
3. IRWIN, J.D. Introdução a análise de circuitos elétricos, Rio de Janeiro: LTC, 2005.
4. BARTKOWIAK, Circuitos elétricos, São Paulo: Makron, 1994.
5. BUENO, M.; ASSIS, A. K. T. Cálculo de indutância e de força em circuitos elétricos,
Florianópolis: Ed. da UFSC / Maringá: Ed. da UEM, 1998.
Número: 08
Disciplina: Circuitos Lógicos
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 64 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
Sistemas de numeração e códigos binários. Portas Lógicas. Álgebra Booleana. Circuitos Lógicos
Combinacionais (minimização e projetos, codificadores, decodificadores, multiplexadores e
demultiplexadores). Aritmética Binária. Circuitos Lógicos Seqüenciais (contadores e registradores).
Bibliografia Básica:
1. TOCCI, R. J.; WIDMER, N. S. Sistemas Digitais Princípios e Aplicações, 10ª ed. Pearson
Prentice Hall, 2007.
2. WAKERLY, J. F. Digital Design Principles and Practices, Prentice Hall.
3. TAUB, H. Circuitos Digitais e Microprocessadores, McGraw Hill.
4. TOKHEIM, R. Fundamentos de Eletrônica Digital, Vol. 1 e 2, McGraw Hill.
Bibliografia Complementar:
1. TOCCI, R. J.; WIDMER, N. S.; MOSS, G. L. Sistemas Digitais Princípios e Aplicações, 11ª ed.
São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2011.
2. TOCCI, R. J.; WIDMER, N. S. Sistemas Digitais: Princípios e Aplicações, 7ª ed., Rio de Janeiro:
LTC, 2000.
3. TOCCI, R. J.; WIDMER, N. S. Sistemas Digitais: Princípios e Aplicações, 8ª ed., São Paulo:
Prentice Hall, 2003.
4. TOCCI, R. J. Sistemas Digitais: Princípios e aplicações, 5ª ed., São Paulo: Prentice-Hall, 1994.
5. ZELENOVSKY, R.; MENDONÇA, A. PC: um guia prático de hardware e interfaceamento, 3ª ed.,
Rio de Janeiro: MZ Editora, 2002.
6. MENDONÇA, A.; ZELENOVSKY, R. Eletrônica Digital: Curso Prático e Exercícios, MZ Editora
Ltda.
Número: 09
Disciplina: Desenho Técnico
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 0 hora Carga Horária Prática: 64 horas
Ementa:
Desenho geométrico: Construções fundamentais dos triângulos e quadriláteros, Circunferências,
Concordâncias; Noções de geometria descritiva: Sistemas de projeção, Planos de projeção, épura,
diedros, planos bissetores, O ponto: estudo dos diferentes diedros, pertinência, A reta: estudo,
pertinência, traços, posições relativas, posições particulares; Desenho técnico: Croquis (desenho à
mão livre), Vistas ortogonais, Cortes, Perspectiva isométrica, Perspectiva cavaleira/explodida;
Desenho de arquitetura: Croquis, Planta baixa / Cortes / Fachadas, Planta de cobertura / Locação /
Situação. Desenho com instrumentos e software, desenho de conjunto, desenho de detalhes,
desenho de descrição de processo de fabricação.

38

Bibliografia Básica:
1. GIONGO, A. R. Curso de Desenho Geométrico, São Paulo: Nobel.
2. PRINCIPE JUNIOR, A. R. Noções de Geometria Descritiva, São Paulo: Nobel.
3. PINHEIRO, V. A. Noções de Geometria Descritiva, Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico.
4. HOELSCHER, R. P.; SPRINGER, H. C.; DOBROVOLNY, S. J. Expressão Gráfica Desenho
Técnico. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1978.
5. PEREIRA, A. Desenho Técnico Básico, Rio de Janeiro: F. Alves.
6. FRENCH, T. E. Desenho Técnico, Porto Alegre: Globo.
7. OBERG, L. Desenho Arquitetônico, Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico.
8. MONTENEGRO, G. A. Desenho Arquitetônico. São Paulo: Edgard Blücher, 2001.
9. FRENCH, T. E.; VIERCK, C. J. Desenho técnico e tecnologia gráfica, 8ª ed., São Paulo: Globo,
2005,
Bibliografia Complementar:
1. ABNT- Normas de Desenho Técnico- NBR 6492, NBR 8196, NBR 8402, NBR 8403, NBR 10067,
NBR 10068, NBR 10126, NBR 10582, NBR 12298, NBR 13142.
2. MONTENEGRO, G. A. A Invenção do Projeto, São Paulo: Edgard Blücher, 2004.
3. CHING, F. D. K. Representação Gráfica em Arquitetura, 3ª ed., Porto Alegre: Bookman, 2000.
4. MONTENEGRO, G. A. Geometria Descritiva, São Paulo: Edgard Blücher,1991.
5. FERREIRA, P. Desenho de Arquitetura, 1ª ed., Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 2001.
6. MICELI, M. T.; FERREIRA, P. Desenho Técnico Básico, 1ª ed., Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico,
2001.
7. ESTEPHANIO, C. Desenho Técnico Básico, Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico.
8. PUTNOKI, J. C. Elementos de Geometria e Desenho Geométrico, São Paulo: Scipione.
Número: 10
Disciplina: Desenvolvimento de Projeto
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 0 hora Carga Horária Prática: 64 horas
Ementa:
Fundamentos de Gerenciamento de Projetos. Projetos: Ambiente, Ciclo de Vida e Participantes.
Elaboração de Regras e Gerenciamento de Riscos. Estrutura de Desmembramento de Trabalho.
Prazos, Estimativa e Equilíbrio do Projeto. Controle: Comunicação e Desempenho. Planificação e
Exercício do Método de Gerenciamento de Projeto. Preparação para a realização do estágio
curricular obrigatório e/ou já dar início ao projeto propriamente dito.
Bibliografia Básica:
1. MENDONÇA, L. M. N.; ROCHA, C. R. R.; D'ALESSANDRO, W. T. Guia para Apresentação de
Trabalhos Monográficos na UFG, PRPPG/UFG, 2005.
2. LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Fundamentos de metodologia científica, 7ª ed., São Paulo:
Atlas, 2010.
3. CERVO, A. L.; BERVIAN, P. A. Metodologia Científica, São Paulo: McGraw-Hill.
4. SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico, São Paulo: Cortez, 2007.
Bibliografia Complementar:
1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, Resolução CEPEC nº 766, de 6 de dezembro de 2005.
2. UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, Resolução CEPEC nº 880, de 17 de outubro de 2008.
3. UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, Resolução CEPEC nº 1122, de 9 de novembro de 2012.
4. TONINI, A.M.; LIMA, M. L. O estágio supervisionado com vistas a uma nova relação entre
universidade-aluno-empresa. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENSINO DE ENGENHARIA,
2007, Curitiba, Centro Universitário Positivo, 2007.
5. BRASIL. Lei Federal Nº 11.788, de 25 de setembro de 2008.
6. LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Metodologia do Trabalho Científico: Procedimentos Básicos;
a
Pesquisa Bibliográfica, projeto e relatório; Publicações e Trabalhos Científicos, 6 ed. Rev. Amp. São
Paulo: Atlas, 2001.
7. SALOMON, D. V. Como fazer uma monografia, São Paulo: Martins Fontes.
8. TACHIZAWA, T.; MENDES, G. Como fazer monografia na pratica, Rio de Janeiro: Editora
Fundação Getulio Vargas.
9. KERSCHER, M. A.; KERSCHER, S. A. Monografia: como fazer, 2ª ed., Rio de Janeiro: Thex,
1999.
Outras a critério do docente/pesquisador.
Número: 11
Disciplina: Economia
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 64 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
Introdução ao problema econômico: escassez, escolha, utilidade, sistemas econômicos e fluxos
econômicos. Noções de Microeconomia: conceito de mercado, oferta e demanda, elasticidade, teoria

39

da produção e dos custos de produção, estruturas de mercado. Noções de Macroeconomia:
agregados macroeconômicos, economia monetária, inflação e introdução à Economia Internacional.
Bibliografia Básica:
1. MANKIW, N. G. Introdução à Economia, São Paulo: Cengage Learning, 2009.
2. VASCONCELLOS, M. A. S. Economia: micro e macro: teoria e exercícios, glossário com os 300
principais conceitos econômicos, São Paulo: Atlas, 2008.
3. PINHO, D. V.; VASCONCELLOS, M. A. S. (org.) Manual de Economia, 5ª ed., São Paulo: Saraiva,
2006.
Bibliografia Complementar:
1. PINDYCK, R. S.; RUBINFELD, D. L. Microeconomia, 5ª ed., São Paulo: Prentice Hall, 2002.
2. SOUZA, N. J. Economia Básica, São Paulo: Atlas, 2007.
3. STIGLITZ, J. E.; WALSH, C. E. Introdução à Microeconomia. Rio de Janeiro: Campus, 2003.
4. TROSTER, R. L.; MOCHÓN, F. Introdução à economia, São Paulo: Makron Books, 2002.
5. VASCONCELLOS, M. A. S.; GARCIA, M. E. Fundamentos de Economia, 3ª ed., São Paulo:
Saraiva, 2008.
Número: 12
Disciplina: Eletromagnetismo I
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 64 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
Eletrostática. Soluções de problemas eletrostáticos. Campo elétrico em meios materiais. Corrente
elétrica. Magnetostática. Campo magnético em meios materiais.
Bibliografia Básica:
1. REITZ, J. R.; MILFORD, F. J.; CHRISTY, R. W. Fundamentos da Teoria Eletromagnética. Rio de
Janeiro: Campus.
2. GRIFFITHS, D. J. Introduction to Electrodynamics. Upper Saddle River: Prentice Hall.
3. SADIKU, M. N. O. Elementos de Eletromagnetismo. Porto Alegre: Bookman.
Bibliografia Complementar:
1. WANGSNESS, R. K. Electromagnetic Fields. New York: Wiley.
2. LORRAIN, P.; CORSON, D. R.; LORRAIN, F. Electromagnetic Fields and Waves. New York: W.
H. Freeman.
3. SMYTHE, W. R. Static and Dynamic Electricity. New York: McGraw-Hill.
4. PANOFSKY, W. K. H.; PHILLIPS, M. Classical Electricity and Magnetism. Reading: AddisonWesley.
5. HEALD, M. A.; MARION, J. B. Classical Electromagnetic Radiation. Fort Worth: Saunders
College.
Número: 13
Disciplina: Eletromagnetismo II
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 64 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
Indução eletromagnética. Equações de Maxwell. Ondas eletromagnéticas. Ondas em regiões de
contorno. Radiação.
Bibliografia Básica:
1. REITZ, J. R.; MILFORD, F. J.; CHRISTY, R. W. Fundamentos da Teoria Eletromagnética. Rio de
Janeiro: Campus.
2. GRIFFITHS, D. J. Introduction to Electrodynamics. Upper Saddle River: Prentice Hall.
3. SADIKU, M. N. O. Elementos de Eletromagnetismo. Porto Alegre: Bookman.
Bibliografia Complementar:
1. WANGSNESS, R. K. Electromagnetic Fields. New York: Wiley.
2. LORRAIN, P.; CORSON, D. R.; LORRAIN, F. Electromagnetic Fields and Waves. New York: W.
H. Freeman.
3. SMYTHE, W. R. Static and Dynamic Electricity. New York: McGraw-Hill.
4. PANOFSKY, W. K. H.; PHILLIPS, M. Classical Electricity and Magnetism. Reading: AddisonWesley.
5. HEALD, M. A.; MARION, J. B. Classical Electromagnetic Radiation. Fort Worth: Saunders
College.
Número: 14
Disciplina: Eletrônica I
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 64 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
Retificadores, Transistor Bipolar de Junção, Transistor de Efeito de Campo, Amplificadores em Baixa
Frequência, Amplificadores Operacionais: Circuitos básicos. Fontes de alimentação reguladas.
Bibliografia Básica:

40

1. SEDRA, A. S.; SMITH, K. C. Microeletrônica, Makron Books, Pearson Prentice Hall.
2. MILLMAN, J.; GRABEL, A. Microeletrônica, 2ª ed., Lisboa: McGraw-Hill, 1991.
3. BOYLESTAD, R.; NASHELSKY, L. Dispositivos Eletrônicos e Teoria de Circuitos,
Pearson/Prentice Hall.
Bibliografia Complementar:
1. BOGART JUNIOR, T. F. Dispositivos e circuitos eletrônicos, Vol. 1 e Vol. 2, 3ª ed., Makron
Books, 2001
2. MCMENAMIM, M. Linear Integrated Circuits: Operation and applications, Prentice Hall, 1985.
3. PERTENCE JUNIOR, A. Amplificadores Operacionais e Filtros Ativos, 5ª ed., Makron, 1996.
4. PERTENCE JUNIOR, A. Amplificadores Operacionais e Filtros Ativos, 6ª ed., Bookman, 2003.
5. LALOND, D. E.; ROSS, J. R. Princípios de dispositivos e circuitos eletrônicos, Vol. 1 e 2,
Makron Books, 1999.
6. DAILEY, D. J. Operational amplifiers and linear integrated circuits: theory and applications,
New York: McGraw-Hill, 1989.
7. MALVINO, A. P. Eletrônica, 4ª ed., São Paulo: Makron Books, 1997.
Número: 15
Disciplina: Eletrônica II
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 64 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
Resposta em frequência dos amplificadores. Amplificadores com realimentação. Osciladores
senoidais. Amplificadores operacionais: multivibradores biestáveis, geradores de ondas, retificadores
de precisão e outras aplicações. Filtros ativos. Amplificadores de Potência.
Bibliografia Básica:
1. SEDRA, A. S.; SMITH, K. C. Microeletrônica, Makron Books, Pearson Prentice Hall.
2. MILLMAN, J.; GRABEL, A. Microeletrônica, 2ª ed., Lisboa: McGraw-Hill, 1991.
3. BOYLESTAD, R.; NASHELSKY, L. Dispositivos Eletrônicos e Teoria de Circuitos,
Pearson/Prentice Hall.
Bibliografia Complementar:
1. BOGART JUNIOR, T. F. Dispositivos e circuitos eletrônicos, Vol. 1 e 2, 3ª ed., Makon Books,
2001.
2. MCMENAMIM, M. Linear Integrated Circuits: Operation and applications, Prentice Hall, 1985.
3. PERTENCE JUNIOR, A. Amplificadores Operacionais e Filtros Ativos, 5ª ed., Makron, 1996.
4. PERTENCE JUNIOR, A. Amplificadores Operacionais e Filtros Ativos, 6ª ed., Bookman, 2003.
5. LALOND, D. E.; ROSS, J. R. Princípios de dispositivos e circuitos eletrônicos, Vol. 1 e 2,
Makron Books, 1999.
6. DAILEY, D. J. Operational amplifiers and linear integrated circuits: theory and applications,
New York: McGraw-Hill, 1989.
7. MALVINO, A. P. Eletrônica, 4ª ed., São Paulo: Makron Books, 1997.
Número: 16
Disciplina: Eletrotécnica Industrial
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 64 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
Definições e parâmetros de circuito. Corrente e tensão senoidais. Notação de fasores e impedância
complexa. Circuitos monofásicos. Sistema trifásico. Potência e correção do fator de potência.
Medidas elétricas. Iluminação de interiores. Transformadores. Gerador e motor CC. Gerador e motor
CA. Partida e comando de motores. Materiais para instalações elétricas. Noções de instalação
elétrica industrial. Sistema de proteção contra descargas atmosféricas. Introdução à eletrônica.
Bibliografia Básica:
1. FLARYS, F. Eletrotécnica geral: teoria e exercícios resolvidos, Barueri: Manole, 2006.
2. DAWES, C. L. Curso de eletrotécnica, Porto Alegre: Globo.
3. GRAY, A. Eletrotecnica: princípios e aplicações, Rio de janeiro: Ao Livro Técnico, 1959.
Bibliografia Complementar:
1. PETRUZELLA, F. D. Eletrotécnica I. McGraw Hill, 2013.
2. PETRUZELLA, F. D. Eletrotécnica II. McGraw Hill, 2013.
3. REZENDE, E. M. Eletrotecnica geral, Rio de Janeiro: Ao Livro Tecnico, 1958.
4. ANZENHOFER, K. Eletrotécnica para escolas profissionais, São Paulo: Mestre Jou.
5. SEPULVEDA, H. L. Máquinas elétricas: máquinas de corrente contínua, Belo Horizonte: Escola
de Engenharia, 1960.
6. MAGALDI, M. Noções de eletrotécnica, 4ª ed., Rio de Janeiro: Guanabara Dois, 1977.
7. MARTIGNONI, A. Teoria da eletrotecnica, São Paulo: EDART, 1967.
Número: 17

Disciplina: Engenharia de Segurança

41

Carga Horária Total: 32 horas Carga Horária Teórica: 32 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
Conceito de Segurança no Trabalho. Conceito de Doença no Trabalho. Legislação sobre Segurança
e Medicina do Trabalho. Estatísticas e custos de acidentes. Acidente de trabalho. Programa de
Controle Médico e Saúde Ocupacional. Segurança individual e coletiva. Programa de Prevenção de
Riscos Ambientais - PPRA/NR-9: riscos físicos, riscos químicos, riscos biológicos, riscos ergonômicos
e riscos de acidente. Equipamentos de segurança: definições e finalidades. Conceitos de Segurança
em eletricidade: situações de risco, o choque elétrico, principais causas de acidentes com
eletricidade. Proteção contra incêndio. Sinalização de segurança. Métodos de prevenção de acidente
com eletricidade. Trabalhos com linha energizada. Noções de primeiros socorros. Liderança de
equipe quanto à segurança. Controle administrativo: sistemas e subsistemas, manuais de
procedimentos, permissão para o trabalho, lista de verificação (check-list).
Bibliografia Básica:
1. SOUTO, D. F. Saúde no trabalho: uma revolução em andamento, Rio de Janeiro: SENAC, 2003.
2. DUL, J.; WEERDMEESTER, B. Ergonomia Prática, Editora Edgard Blücher.
3. MATTOS, U. A. O.; MÁSCULO, F. S. Higiene e segurança do trabalho, Rio de Janeiro: Elsevier,
2011.
4. EQUIPE ATLAS. Segurança e medicina do trabalho, São Paulo: Atlas.
Bibliografia Complementar:
1. ABNT- Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 5410 - Instalações elétricas de baixa
tensão, 2004.
2. Segurança e Medicina do Trabalho: Legislação, São Paulo: Altas, 2007.
3. REZENDE, D. C.; HADDAD, M. L. Riscos do trabalho com tintas e vernizes na construçao
civil, Goiania, 1999.
4. WACHOWICZ, C. M. Segurança, saúde & ergonomia, Curitiba: IBPEX, 2007.
5. Seminario Proteção Radiologica e Controle Ambiental, Belo Horizonte: Centro de
Desenvolvimento da Tecnologia Nuclear: Nucleobras, 1988.
6. MCCULLOUGH, W. Ambiente de trabalho: produtividade - higiene ­ segurança, Rio de Janeiro:
Forum, 1973.
7. PACHECO JUNIOR, W.; PEREIRA FILHO, H. V.; PEREIRA, V. L. D. V. Gestão da segurança e
higiene do trabalho: contexto estratégico, análise ambiental, controle e avaliação das estratégias,
São Paulo: Atlas, 2000.
8. SALIBA, T. M.; SALIBA, S. C. R. Legislação de segurança, acidente do trabalho e saúde do
trabalhador, São Paulo: LTr, 2002.
9. GARCIA, G. F. B. Legislação de segurança e medicina do trabalho, São Paulo: Método, 2007.
10. GARCIA, G. F. B. Meio ambiente do trabalho: direito, segurança e medicina do trabalho, São
Paulo: Editora Método, 2006.
11. SALIM, C. A.; CARVALHO, L. F. Saúde e segurança no ambiente de trabalho: contextos e
vertentes, São João Del-Rei: Universidade Federal de São João del Rei, 2002.
12. PAIXÃO, F. Segurança e medicina do trabalho: em perguntas e respostas, 4ª ed., Porto Alegre:
Sintese, 1982.
13. BUSSACOS, M. A. Estatística aplicada à saúde ocupacional, São Paulo: FUNDACENTRO,
1997.
14. ASTETE, M. G. W.; KITAMURA, S. Manual pratico de avaliação do barulho industrial, São
Paulo: FUNDACENTRO, 1978.
15. ALEXANDRY, F. G. O problema do ruído industrial e seu controle, São Paulo:
FUNDACENTRO, 1978.
16. BELLUSCI, S. M. Doenças profissionais ou do trabalho, São Paulo: SENAC, 1996.
Número: 19
Disciplina: Estágio Curricular Obrigatório (ECO)
Carga Horária Total: 320 horas Carga Horária Teórica: 0 hora Carga Horária Prática: 320 horas
Ementa:
Vivência em atividade inerente ao campo de trabalho da Engenharia Física, com acompanhamento
de um profissional e/ou pesquisador.
Bibliografia Básica:
1. MENDONÇA, L. M. N.; ROCHA, C. R. R.; D'ALESSANDRO, W. T. Guia para Apresentação de
Trabalhos Monográficos na UFG, PRPPG/UFG, 2005.
2. UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, Resolução CEPEC nº 766, de 6 de dezembro de 2005.
3. UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, Resolução CEPEC nº 880, de 17 de outubro de 2008.
4. UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, Resolução CEPEC nº 1122, de 9 de novembro de 2012.
Bibliografia Complementar:
1. TONINI, A.M.; LIMA, M. L. O estágio supervisionado com vistas a uma nova relação entre

42

universidade-aluno-empresa. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENSINO DE ENGENHARIA,
2007, Curitiba, Centro Universitário Positivo, 2007.
2. BRASIL. Lei Federal Nº 11.788, de 25 de setembro de 2008.
3. UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, Regimento do Curso de Engenharia Física, em
elaboração.
4. LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Fundamentos de metodologia científica, 7ª ed., São Paulo:
Atlas, 2010.
5. CERVO, A. L.; BERVIAN, P. A. Metodologia Científica, São Paulo: McGraw-Hill.
6. SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico, São Paulo: Cortez, 2007.
7. SALOMON, D. V. Como fazer uma monografia, São Paulo: Martins Fontes.
8. TACHIZAWA, T.; MENDES, G. Como fazer monografia na pratica, Rio de Janeiro: Editora
Fundação Getulio Vargas.
9. KERSCHER, M. A.; KERSCHER, S. A. Monografia: como fazer, 2ª ed., Rio de Janeiro: Thex,
1999.
Outras a critério do docente, pesquisador e/ou supervisor.
Número: 20
Disciplina: Fenômenos de Transporte para Engenharia Física
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 64 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
Introdução aos fenômenos de transporte. Condução em regime estacionário. Condução transiente.
Convecção. Escoamento interno. Escoamento externo. Ebulição e condensação. Radiação.
Transporte de massa por difusão. Aplicações: trocadores de calor.
Bibliografia Básica:
1. INCROPERA, F. P.; DEWITT, D. P. Fundamentos de Transferência de Calor e de Massa, LTC.
2. SCHMIDT, F. W.; HENDERSON, R. E.; WOLGEMUTH, C. H. Introdução às Ciências Térmicas:
Termodinâmica, Mecânica dos Fluidos e Transferência de Calor, Editora Blucher, 2013.
3. FOX, R. W.; MCDONALD, A. T.; PRITCHARD, P. J. Introdução à Mecânica dos Fluidos, LTC,
2010.
4. BIRD, R. B.; LIGHTFOOT, E. N.; STEWART, W. E. Fenômenos de Transporte, LTC, 2004.
5. SISSOM, L. E. Fenômenos de transporte, Rio de Janeiro: Guanabara Dois, 1979.
Bibliografia Complementar:
1. BRAGA FILHO, W. Fenômenos de transporte para engenharia, LTC, 2006.
2. ROMA, W. N. L. Fenômenos de transporte para engenharia, São Carlos: RiMa, 2006.
3. BENNETT, C. O.; MYERS, J. E. Fenômenos de transporte: quantidade de movimento, calor e
massa, São Paulo: McGraw-Hill, 1978.
4. LIVI, C. P. Fundamentos de fenômenos de transporte: um texto para cursos básicos, LTC,
2004.
5. SISSOM, L. E.; PITTS, D. R. Fenômenos de transporte, Rio de Janeiro: LTC, 2001.
Número: 21
Disciplina: Física Computacional I
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 32 horas Carga Horária Prática: 32 horas
Ementa:
Ferramentas livres para uso científico: shell script, sed, awk, gnuplot, pacotes gráficos/imagens,
scilab, maxima, LaTeX. Linguagens de alto nível para modelagem computacional. Técnicas
numéricas aplicadas a sistemas físicos. Problemas de autovalores e autovetores. Técnicas de análise
de Fourier e aplicações. Técnicas de solução de equações diferenciais ordinárias e parciais, lineares
e não-lineares, em problemas físicos. Método Monte Carlo e aplicações.
Bibliografia Básica:
1. LANDAU, R. H.; PÁEZ, M. J.; BORDEIANU, C. C. Computational Physics: Problem Solving
With Computers. New York: Wiley.
2. PANG, T. An introduction to computational physics 2nd ed. New York : Cambridge University
Press, 2006. 385ill. ISBN 0521825695
3. GOULD, Harvey An introduction to computer simulation methods: applications to physical
systems. San Francisco: Addison-Wesley, 2006.
4. GIORDANO, N. J. Computational physics. Cambridge: Cambridge Univ., 2007.
5. DEVRIES, P. L. A First Course in Computational Physics. New York: Wiley.
Bibliografia Complementar:
1. VESELY, F. J. Computational Physics: An Introduction. New York: Plenum.
2. LANDAU, R. H; WANGBERG, R. A first course in scientific computing: symbolic, graphic, and
numeric modeling using Maple, Java, Mathematica, and Fortran90 Princeton, N.J.: Princeton
University Press, 2005.
3. WILLIAM, H. NUMERICAL recipes the art of scientific computing, Cambridge: Cambridge

43

University Press, 2007.
4. WILLIAM, H. NUMERICAL recipes in Fortran 90 the art of parallel scientific computings
Cambridge: Cambridge University Press, 1996.
5. SMITH, R. W. Linux: Ferramentas Poderosas. Rio de Janeiro: Ciência Moderna.
6. KOPKA, H.; DALY, P. W. Guide to LATEX. Boston: Addison-Wesley.
7. RAPAPORT, D. C The art of molecular dynamics simulation, Cambridge: Cambridge University
Press, 2004.
8. FRENKEL, D.; SMIT, B. Understanding molecular simulation: from algorithms to applications.
San Diego: Academic Press, 1996.
9. ROBERT, Christian P.; CASELLA, George Monte Carlo statistical methods. New York : Springer,
2004.
10. NEWMAN, M. Computational Physics. CreateSpace Independent Publishing Platform.
11. NEWHAM, C.; ROSENBLATT, B. Learning the Bash Shell. O'Reilly.
12. METCALF, M.; REID, J. K.; COHEN, M. Fortran 95/2003 explained. Oxford: Oxford University
Press, 2004.
13. SCHWARTZ, R. L. Learning Perl. O'Reilly.
14. AKIN, J. E. Object-oriented programming via Fortran 90/95. Cambridge: Cambridge University
Press, 2003.
15. LUTZ, M; ASCHER, D. Learning Python. O'Reilly.
16. Manuais de linux, sed, awk, gnuplot, maxima e latex, dentre outros pacotes.
Número: 22
Disciplina: Física do Estado Sólido I
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 64 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
Estrutura cristalina. Ligações químicas. Dinâmica de rede. Teoria de bandas. Modelos de condução
eletrônica.
Bibliografia Básica:
1. KITTEL, C. Introdução à Física do Estado Sólido. Rio de Janeiro: LTC.
2. ASHCROFT, N. W.; MERMIN, N. D. Solid State Physics. Philadelphia: Saunders College.
3. OLIVEIRA, I. S.; DE JESUS, V. L. B. Introdução à Física do Estado Sólido. São Paulo: Livraria
da Física.
4. CHRISTMAN, J. R. Fundamentals of Solid State Physics. New York: Wiley.
Bibliografia Complementar:
1. LEITE, R. C. C.; DE CASTRO, A. R. B. Física do Estado Sólido. São Paulo: Edgard Blücher.
2. HARRISON, W. A. Solid State Theory. New York: Dover.
3. HARRISON, W. A. Electronic Structure and the Properties of Solids. New York: Dover.
4. ZIMAN, J. M. Principles of the Theory of Solids. Cambridge: Cambridge.
5. ROSENBERG, H. M. The Solid State. New York: Oxford.
Número: 23
Disciplina: Física do Estado Sólido II
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 64 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
Materiais semicondutores. Propriedades magnéticas de sólidos. Processos ópticos.
Supercondutividade.
Bibliografia Básica:
1. KITTEL, C. Introdução à Física do Estado Sólido. Rio de Janeiro: LTC.
2. ASHCROFT, N. W.; MERMIN, N. D. Solid State Physics. Philadelphia: Saunders College.
3. OLIVEIRA, I. S.; DE JESUS, V. L. B. Introdução à Física do Estado Sólido. São Paulo: Livraria
da Física.
4. CHRISTMAN, J. R. Fundamentals of Solid State Physics. New York: Wiley.
Bibliografia Complementar:
1. LEITE, R. C. C.; DE CASTRO, A. R. B. Física do Estado Sólido. São Paulo: Edgard Blücher.
2. HARRISON, W. A. Solid State Theory. New York: Dover.
3. HARRISON, W. A. Electronic Structure and the Properties of Solids. New York: Dover.
4. ZIMAN, J. M. Principles of the Theory of Solids. Cambridge: Cambridge.
5. ROSENBERG, H. M. The Solid State. New York: Oxford.
Número: 24
Disciplina: Física e Meio Ambiente
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 64 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
O planeta Terra. Solos e hidrologia. Aspectos físicos da biosfera. Crise ambiental. Leis da
conservação da massa e energia. Ecossistemas. Ciclos biogeoquímicos. Dinâmica das populações.

44

Bases do desenvolvimento sustentável. Conservação de energia. Energia solar. Energia de
combustíveis fósseis. Poluição do ar e uso de energia. Aquecimento global, destruição da camada de
ozônio e resíduos de calor. Eletromagnetismo e geração de eletricidade. Eletricidade de fontes
solares, eólicas e hídricas. Energia nuclear: fissão e fusão. Efeitos e usos da radiação. Biomassa.
Energia geotérmica. Meios aquático, terrestre e atmosférico. Bioma cerrado brasileiro. Economia e
meio ambiente. Aspectos legais e institucionais. Avaliação de impactos ambientais. Gestão ambiental.
Bibliografia Básica:
1. LEEDER, M.; PEREZ-ARLUCEA, M. Physical Processes in Earth and Environmental Sciences,
Oxford: Blackwell Publishing.
2. BRAGA, B.; HESPANHOL, I.; CONEJO, J. G. L.; MIERZWA, J. C.; BARROS, M. T. L.; VERAS, M.;
PORTO, M. A. F.; NUCCI, N.; JULIANO, N.; EIGER, S. Introdução à Engenharia Ambiental, São
Paulo: Prentice Hall.
3. HINRICHS, R. A.; KLEINBACH, M.; REIS, L. B. Energia e Meio Ambiente, São Paulo: Cengage
Learning.
4. OKUNO, E.; CALDAS, I. L.; CHOW, C. Física para Ciências Biológicas e Biomédicas, São
Paulo: Harbra.
Bibliografia Complementar:
1. BAECKER, E.; GRONDELLE, R. Environmental Physics, Chichester: John Wiley & Sons.
2. MILLER JR, G. T. Ciência Ambiental, Cengage Learning.
3. PINHEIRO, A. C. F. B.; ANDRÉ MONTEIRO, A. L. F. B. P. Ciências do ambiente: ecologia,
poluição e impacto ambiental, Sao Paulo: Makron Books.
4. FORINASH, K. Foundations of Environmental Physics: Understanding Energy Use and Human
Impacts, Island Press.
5. BRANCO, S. M.; ROCHA, A. A. Elementos de ciências do ambiente, São Paulo: CETESB.
6. SMITH, C. Environmental Physics, London: Routledge.
7. MONTEITH, J.; UNSWORTH, M. Principles of Environmental Physics, Academic Press.
Número: 25
Disciplina: Física Estatística
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 64 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
Teoria cinética dos gases. Espaço de fase. Ensembles micro-canônico, canônico e grão-canônico.
Gases ideais clássicos e quânticos; Dinâmica estocástica: movimento Browniano, difusão, equação
de Fokker-Planck.
Bibliografia Básica:
1. REIF, F. Fundamentals of Statistical and Thermal Physics. New York: McGraw-Hill.
2. HUANG, K. Statistical Mechanics. New York: Wiley, EUA.
3. REICHL, L. E. A Modern Course in Statistical Physics. New York: Wiley.
Bibliografia Complementar:
1. PATHRIA, R. K. Statistical Mechanics. Oxford: Butterworth-Heinemann.
2. SCHWABL, F. Statistical Mechanics. New York: Springer.
3. KUBO, R.; ISHIMURA, H.; USUI, T.; HASHITSUME, N. Statistical Mechanics: An Advanced
Course with Problems and Solutions. Amsterdam: North-Holland.
4. LAGE, E. J. S. Física Estatística. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.
5. HILL, T. L. An Introduction to Statistical Thermodynamics. New York: Dover.
6. TOLMAN, R. C. The Principles of Statistical Mechanics. New York: Dover.
Número: 36
Disciplina: Física Matemática II
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 64 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
Equações diferenciais ordinárias de segunda ordem e funções especiais. Funções ortogonais e teoria
de Sturm-Liouville. Espaços vetoriais de dimensão infinita. Funções de Green. Tensores.
Transformações conformes.
Bibliografia Básica:
1. BUTKOV, E. Física Matemática. Rio de Janeiro: LTC.
2. ARFKEN, G.; WEBER, H. J. Física Matemática: Métodos Matemáticos para Engenharia e
Física. Rio de Janeiro: Elsevier-Campus.
3. ARFKEN, G.; WEBER, H. J. Mathematical Methods for Physicists. Boston: Elsevier.
4. CHURCHILL, R. V. Variáveis Complexas e Suas Aplicações. McGraW-Hill, Brasil.
Bibliografia Complementar:
1. BOAS, M. L. Mathematical Methods in the Physical Sciences. Hoboken: Wiley.
2. MORSE, P. M.; FESHBACH, H. Methods of Theoretical Physics, v. 1 e 2. New York: McGrawHill.

45

3. COURANT, R.; HILBERT, D. Methods of Mathematical Physics, v. 1 e 2. New York: Interscience.
4. CHOW, T. L. Mathematical Methods for Physicists: A Concise Introduction. Cambridge.
5. ÁVILA, G. S. S. Variáveis Complexas e Aplicações. Rio de Janeiro: LTC.
6. LEMOS, N. Convite à Física Matemática. São Paulo: Livraria da Física.
Número: 37
Disciplina: Fundamentos da Teoria da Relatividade
Carga Horária Total: 32 horas Carga Horária Teórica: 32 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
Antecedentes experimentais e postulados da teoria da Relatividade. Cinemática relativística.
Dinâmica relativística. Relatividade e eletromagnetismo.
Bibliografia Básica:
1. RESNICK, R., Introduction to Special Relativity. New York: Wiley.
2. LORENTZ, H. A.; MINKOWSKI, H.; EINSTEIN, A. O Princípio da Relatividade. Lisboa: Fundação
Calouste Gulbenkian.
3. TAYLOR, E. F.; WHEELER, J. A. Spacetime Physics: Introduction to Special Relativity. New
York: W. H. Freeman.
4. SCHWARTZ, M. Principles of Electrodynamics. Tokyo: McGraw-Hill.
Bibliografia Complementar:
1. RESNICK, R.; HALLIDAY D., Basic Concepts in Special Relativity. New York: Macmillan.
2. WOODHOUSE, N. M. J. Special Relativity. New York: Springer.
3. BOHM, D. The Special Theory of Relativity. New York: W. A. Benjamin.
4. GREINER, W. Classical Mechanics: Point Particles and Relativity. New York: Springer.
5. CALLAHAN, J. The Geometry of Spacetime: An Introduction to Special and General Relativity.
New York: Springer.
Número: 38
Disciplina: Introdução à Computação
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 32 horas Carga Horária Prática: 32 horas
Ementa:
Conceitos básicos: noções de lógica de programação; tipos primitivos; constantes e variáveis;
operadores; expressões. Comandos básicos: atribuição, estrada e saída; Estruturas de controle:
seleção e repetição. Estruturas de dados homogêneas: vetores e matrizes. Modularização.
Desenvolvimento de programas usando linguagem C.
Bibliografia Básica:
1. FORBELLONE, A. L. V.; EBERSPACHER, H. F. Lógica de Programação. Prentice Hall.
2. DEITEL, H. M.; DEITEL, P. J. Como Programar em C. LTC.
3. SCHILDT, H. C Completo e Total. São Paulo: Makron Books.
Bibliografia Complementar:
1. ASCENCIO, A. F. G.; CAMPOS, E. A. V. Fundamentos da Programação de Computadores:
Algoritmos, Pascal, C/C++ e Java. Prentice Hall.
2. LOPES, A.; GARCIA, G. Introdução à Programação: 500 Algoritmos Resolvidos. Campus.
3. MANZANO, J. A. N. G.; OLIVEIRA, J. F. Algoritmos: Lógica para Desenvolvimento de
Programação de Computadores. São Paulo: Érica.
4. CORMEN, T. H. et al. Algoritmos: Teoria e Prática. Campus.
5. FARRER, H. et al. Algoritmos Estruturados. LTC.
Número: 39
Disciplina: Introdução à Computação e Informação Quântica
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 64 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
Noções de informação clássica. Circuitos quânticos. Demônios de Maxwell e o teorema de Landauer.
Computadores quânticos. Algoritmos quânticos. Ruído quântico e operações quânticas. Normas de
distância. Correção quântica de erros. Limite de Holevo. Teorema de Schumacher. Criptografia quântica.
Bibliografia Básica:
1. NIELSEN, M. A.; CHUANG, I. L. Computação Quântica e Informação Quântica, Bookman.
2. VEDRAL, V. Introduction to Quantum Information, Oxford: Oxford University Press, 2006.
3. WILDE, M. M. Quantum Information Theory, Cambridge: Cambridge University Press, 2013.
Bibliografia Complementar:
1. BENENTI, G.; CASATI, G.; STRINI, G. Principles of Quantum Computation and Information.
vols. 1 e 2, Toh Tuck Link: World Scienfific.
2. VEDRAL, V. Introduction to Quantum Information, Oxford: Science, 2007.
3. STRINI, B. C. Principles of Quantum Computation And Information, Vol. 1 e 2, World Scienfific,
2007.
4. COVER, T.; THOMAS, J. A. Elements of Information Theory, New Jersey: Wiley-Interscience,

46

2006.
5. DESURVIRE, E. Classical and Quantum Information Theory, New York: Cambridge University,
2009.
6. AARONSON, S. Quantum computing since Democritus, New York: Cambridge University Press,
2013.
7. MCMAHON, D. Quantum computing Explained, New Jersey: John Wiley & Sons, 2008.
8. AWSCHALOM, D. D.; LOSS, D.; SAMARTH, N. Semiconductor spintronics and quantum
computation, New York: Springer, 2002.
9. HARRISON, P. Quantum wells, wires, and dots: theoretical and computational physics of
semiconductor nanostructures, Hoboken: Wiley, 2005.
10. COVER, T.; THOMAS, J. A. Elements of Information Theory, New Jersey: Wiley-Interscience,
1991.
11. BUCHMANN, J. A. Introduction to Cryptography, Springer, 2000.
Número: 40
Disciplina: Introdução à Engenharia Física
Carga Horária Total: 32 horas Carga Horária Teórica: 32 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
Engenharia e engenharia física: conceituação, posição nas engenharias, áreas de atuação e estrutura
do curso. Atribuições profissionais e ética profissional. O engenheiro. Ética da engenharia.
Desenvolvimento científico e tecnológico. Engenharia e sociedade. Organização e representação de
sistemas de engenharia. Aprendizado e solução de problemas. Introdução a métodos de projeto.
Projetos baseados em modelos. Palestras de Pesquisadores/Profissionais.
Bibliografia Básica:
1. BROCKMAN, J. B. Introdução à Engenharia, Rio de Janeiro: LTC, 2010.
2. HOLTZAPPLE, M. T.; DAN REECE, W. Introdução à engenharia, Rio de Janeiro: LTC, 2006.
3. BAZZO, W. A.; PEREIRA, L. T. V. Introdução à engenharia: conceitos, ferramentas e
comportamentos, Florianópolis: Ed. da UFSC, 2008.
Bibliografia Complementar:
1. Alaor Chaves (org.). Física para um Brasil competitivo. CAPES, 2007. Disponível em
http://www.sbfisica.org.br/v1/arquivos_diversos/publicacoes/FisicaCapes.pdf, Acessado em 27 de
agosto de 2013.
2. SMITH, R. J. Circuitos, dispositivos e sistemas: um curso de introdução a engenharia elétrica,
Rio de Janeiro: LTC, 1975.
3. BAZZO, W. A.; PEREIRA, L. T. V. Introdução a engenharia, Florianópolis: Ed. da UFSC, 1990.
4. WICKERT, J. Introdução à engenharia mecânica, São Paulo: Thomson, 2007.
5. BRASIL, N. I. Introdução a engenharia química, Rio de Janeiro: Interciencia, 2004.
6. OGATA, K. Engenharia de Controle Moderno, 4ª ed., São Paulo: Prentice-Hall, 2003.
Número: 44
Disciplina: Laboratório de Circuitos Lógicos
Carga Horária Total: 16 horas Carga Horária Teórica: 0 hora Carga Horária Prática: 16 horas
Ementa:
Experimentos sobre tópicos da ementa da disciplina Circuitos Lógicos. Experiências com circuitos
integrados básicos. Experiências com circuitos combinacionais. Experiências com circuitos
sequências.
Bibliografia Básica:
1. Apostila da disciplina.
2. TOCCI, R. J./ WIDMER, N. S. Sistemas Digitais Princípios e Aplicações, Pearson Prentice Hall,
10ª ed., 2007.
3. Manuais de componentes digitais.
4. WAKERLY, J. F. Digital Design Principles and Practices, Prentice Hall.
5. TAUB, H. Circuitos Digitais e Microprocessadores, McGraw Hill.
Bibliografia Complementar:
1. TOCCI, R. J.; WIDMER, N. S.; MOSS, G. L. Sistemas Digitais Princípios e Aplicações, 11ª ed.,
São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2011.
2. TOCCI, R. J.; WIDMER, N. S. Sistemas Digitais Princípios e Aplicações, 7ª ed., Rio de Janeiro:
LTC, 2000.
3. TOCCI, R. J., WIDMER, N. S. Sistemas digitais: princípios e aplicações, 8ª ed., São Paulo:
Prentice Hall, 2003.
4. TOCCI, R. J. Sistemas digitais: princípios e aplicações, 5ª ed., São Paulo: Prentice-Hall, 1994.
5. ZELENOVSKY, R.; MENDONÇA, A. PC: um guia prático de hardware e interfaceamento, 3ª ed.,
Rio de Janeiro: MZ Editora, 2002.
6. MENDONÇA, A.; ZELENOVSKY, R. Eletrônica Digital: Curso Prático e Exercícios, MZ Editora

47

Ltda.
Número: 45
Disciplina: Laboratório de Eletrônica
Carga Horária Total: 32 horas Carga Horária Teórica: 0 horas Carga Horária Prática: 32 horas
Ementa:
Experimentos sobre tópicos da ementa das disciplinas Eletrônica I e Eletrônica II.
Bibliografia Básica:
1. FIGUEIREDO, S. A. Apostila de Laboratório de Eletrônica.
a
2. SMITH, K. C. Laboratory Explorations for Microelectronic Circuits, 4 ed., 1998.
3. SEDRA, A. S.; SMITH, K. C. Microeletrônica, Makron Books, Pearson Prentice Hall.
4. MILLMAN, J.; GRABEL, A. Microeletrônica, 2ª ed., Lisboa: McGraw-Hill, 1991.
5. BOYLESTAD, R.; NASHELSKY, L. Dispositivos Eletrônicos e Teoria de Circuitos,
Pearson/Prentice Hall.
Bibliografia Complementar:
1. BOGART JUNIOR, T. F. Dispositivos e circuitos eletrônicos, Vol. 1 e 2, 3ª ed., Makron Books,
2001.
2. MCMENAMIM, M. Linear Integrated Circuits: Operation and applications, Prentice Hall, 1985.
3. PERTENCE JUNIOR, A. Amplificadores Operacionais e Filtros Ativos, 5ª ed., Makron, 1996.
4. PERTENCE JUNIOR, A. Amplificadores Operacionais e Filtros Ativos, 6ª ed., Bookman, 2003.
5. LALOND, D. E.; ROSS, J. R. Princípios de dispositivos e circuitos eletrônicos, Vol. 1 e 2,
Makron Books, 1999.
6. DAILEY, D. J. Operational amplifiers and linear integrated circuits: theory and applications,
New York: McGraw-Hill, 1989.
7. MALVINO, A. P. Eletrônica, 4ª ed., São Paulo: Makron Books, 1997.
Número: 46
Disciplina: Laboratório de Microprocessadores e Microcontroladores
Carga Horária Total: 16 horas Carga Horária Teórica: 0 hora Carga Horária Prática: 16 horas
Ementa:
Experimentos sobre tópicos da ementa da disciplina Microprocessadores e Microcontroladores.
Bibliografia Básica:
1. ZILLER, R. M. Microprocessadores: Conceitos Importantes, 2ª ed., Florianópolis: O autor, 2000.
2. ZELENOVSKY, R.; MENDONÇA, A. PC: Um Guia Prático de Hardware e Interfaceamento, Rio de
Janeiro: MZ Editora.
3. SILVA JÚNIOR., V. P. Aplicações Práticas do Microcontrolador 8051, São Paulo: Érica.
Bibliografia Complementar:
1. NICOLOSI, D. E. C. Laboratório de microcontroladores família 8051: treino de instruções,
hardware e software, São Paulo: Erica.
2. GIMENEZ, S. P. Microcontroladores 8051: Teoria do hardware e do software / Aplicações em
controle digital / Laboratório e simulação, São Paulo: Pearson Education, 2002.
3. NERYS, J. W. L. Notas de Aula 8085 - 8086, site: www. eee.ufg.br/~jwilson.
4. NERYS, J. W. L. Projetos com Microcontroladores, site: www. eee.ufg.br/~jwilson.
5. SÁ, M. C. Programação C para microcontroladores 8051. São Paulo: Erica, 2005.
Número: 47
Disciplina: Materiais Elétricos
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 64 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
Estudo de materiais e dispositivos condutores. Estudo dos materiais e dispositivos isolantes e
magnéticos. Noções de física do estado sólido. Dispositivos semicondutores.
Bibliografia Básica:
1. NUSSBAUM, A. Comportamento Eletrônico e Magnético dos Materiais, São Paulo: Edgard
Blücher, 1971.
2. MILLMAN, J.; HALKIAS, C. Eletrônica: Dispositivos e Circuitos, Vol. I, São Paulo: McGraw Hill,
1981.
3. SCHMIDT, W. Materiais Elétricos, Vol. I, II e III, Edgard Blucher.
Bibliografia Complementar:
1. MILLMAN, J.; GRABEL, A. Microeletrônica, Vol. I, McGraw Hill, 1991.
2. MALVINO, A. P. Eletrônica, Vol. I e II, 4ª ed., São Paulo: Makron Books, 1997.
3. MALVINO, A. P. Eletrônica, Vol. I, São Paulo: McGraw Hill, 1986.
4. SCHIMIDT, W. Materiais Elétricos, Vol. I e II, São Paulo: Edgard Blücher, 1979.
5. HALLIDAY, D.; RESNICK, R. Física II, Vol. 1, Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos.
6. SEARS, F. W.; ZEMANSKY, M. W. Física, Vol. 3, Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos.
7. SARAIVA, D. B. Materiais Elétricos, Rio de Janeiro: Editora Guanabara Dois, 1983.

48

Número: 49
Disciplina: Mecânica Quântica I
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 64 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
Equação de Schrödinger. Pacotes de onda. Formalismo matemático da Mecânica Quântica.
Postulados da Mecânica Quântica. Spin. Potenciais unidimensionais e oscilador harmônico. Momento
angular. Potenciais centrais e átomo de hidrogênio.
Bibliografia Básica:
1. COHEN-TANNOUDJI, C.; DIU, B.; LALOË, F. Quantum Mechanics, vols. 1 e 2. New York: ACM.
2. GRIFFITHS, D. J. Introduction to Quantum Mechanics. New Jersey: Prentice-Hall.
3. ZETTILI, N. Quantum mechanics: concepts and applications, 2nd ed., Chichester: WILEY, 2009.
4. WOLNEY FILHO, W. Mecânica Quântica. Goiânia: Editora UFG.
Bibliografia Complementar:
1. MERZBACHER, E. Quantum Mechanics. New York: Wiley.
2. SCHIFF, L. I. Quantum Mechanics. New York: McGraw-Hill.
3. SHANKAR, R. Principles of Quantum Mechanics. New York: Plenum.
4. SCHWABL, F. Quantum Mechanics. New York: Springer.
5. TOWNSEND, J. S. A modern approach to quantun mechanics, New York: McGraw-Hill, 1992.
6. MCINTYRE, David H. Quantum mechanics: a paradigms approach, Boston: Pearson, 2012.
7. MESSIAH, A. Quantum Mechanics. Mineola: Dover.
8. LIBOFF, R. L. Introductory Quantum Mechanics. San Francisco: Addison-Wesley.
9. BALLENTINE, L. E; MELISSINOS, A. C. Quantum mechanics: a modern development Singapore:
World Scientific, 2003.
10. PERES, A. Quantum Theory: Concepts and Methods. Dordrecht: Kluwer.
Número: 50
Disciplina: Metodologia Científica e Redação Técnica
Carga Horária Total: 32 horas Carga Horária Teórica: 32 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
Ciência e conhecimento científico. Métodos científicos. Diretrizes metodológicas para a leitura,
compreensão e documentação de textos e elaboração de seminários, artigo científico, resenha e
monografia. Ética na redação de textos e Plágio. Processos e técnicas de elaboração do trabalho
científico. Pesquisa ­ tipos; documentação ­ didática pessoal, fichamento; projeto e relatório de
pesquisa ­ etapas; monografia ­ elaboração. Normatização para redação do trabalho de conclusão de
curso (monografia) do IF/UFG.
Bibliografia Básica:
1. LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Fundamentos de metodologia científica, 7ª ed., São Paulo:
Atlas, 2010.
2. CERVO, A. L.; BERVIAN, P. A. Metodologia Científica, São Paulo: McGraw-Hill.
3. SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico, São Paulo: Cortez, 2007.
Bibliografia Complementar:
1. LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Metodologia do Trabalho Científico: Procedimentos Básicos;
a
Pesquisa Bibliográfica, projeto e relatório; Publicações e Trabalhos Científicos, 6 ed. Rev. Amp. São
Paulo: Atlas, 2001.
2. SALOMON, D. V. Como fazer uma monografia, São Paulo: Martins Fontes.
3. CERVO, A. L.; BERVIAN, P. A. Metodologia Científica. São Paulo: Makron Books.
4. TACHIZAWA, T.; MENDES, G. Como fazer monografia na pratica, Rio de Janeiro: Editora
Fundação Getulio Vargas.
5. KERSCHER, M. A.; KERSCHER, S. A. Monografia: como fazer, 2ª ed., Rio de Janeiro: Thex,
1999.
6.MENDONÇA, L. M. N.; ROCHA, C. R. R.; D'ALESSANDRO, W. T. Guia para Apresentação de
Trabalhos Monográficos na UFG, PRPPG/UFG, 2005.
Número: 51
Disciplina: Microprocessadores e Microcontroladores
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 64 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
Conceitos básicos de microprocessadores e microcontroladores. Arquitetura de microprocessadores
e microcontroladores. Princípio de funcionamento de microprocessadores e microcontroladores.
Modos de endereçamento. Programação de microcontroladores. Entrada/saída. Dispositivos
periféricos. Interrupções. Temporizadores. Acesso direto à memória. Barramentos padrões. Expansão
e mapeamento de memória. Ferramentas para análise, desenvolvimento e depuração.
Bibliografia Básica:
1. ZELENOVSKY, R.; MENDONÇA, A. PC: Um Guia Prático de Hardware e Interfaceamento, Rio de

49

Janeiro: MZ Editora.
2. SILVA JÚNIOR., V. P. Aplicações Práticas do Microcontrolador 8051, São Paulo: Érica.
3. PARHAMI, B. Arquitetura de Computadores, McGraw-Hill.
Bibliografia Complementar:
1. ZILLER, R. M. Microprocessadores: Conceitos Importantes, 2ª ed., Florianópolis: Do autor, 2000.
2. NICOLOSI, D. E. C. Laboratório de microcontroladores família 8051 : treino de instruções,
hardware e software, São Paulo: Erica.
3. GIMENEZ, S. P. Microcontroladores 8051: Teoria do hardware e do software / Aplicações em
controle digital / Laboratório e simulação, São Paulo: Pearson Education, 2002.
4. NERYS, J. W. L. Notas de Aula 8085 - 8086, site: www. eee.ufg.br/~jwilson.
5. NERYS, J. W. L. Projetos com Microcontroladores, site: www. eee.ufg.br/~jwilson.
6. SÁ, M. C. Programação C para microcontroladores 8051. São Paulo: Erica, 2005.
Número: 52
Disciplina: Probabilidade e Estatística
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 64 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
Teoria de probabilidade. Variáveis aleatórias. Distribuição de probabilidades; Funções de variáveis
aleatórias. Geração de variáveis aleatórias. Intervalo de confiança. Regressão. Correlação. Teoria de
probabilidades para múltiplas variáveis. Distribuição de probabilidade conjunta. Soma de variáveis
aleatórias. Teste de hipóteses. Introdução às cadeias de Markov.
Bibliografia Básica:
1. BUSSAB, W. O.; MORETTIN, P. A. Estatística Básica, São Paulo: Saraiva.
2. MEYER, P. L. Probabilidade: Aplicações à Estatística, Rio de Janeiro: LTC.
3. TRIOLA, M. F. Introdução à Estatística, 10ª ed., Rio de Janeiro: LTC, 2008.
4. MAGALHÃES, N. M.; LIMA, A. C. P. Noções de Probabilidade e Estatística, São Paulo: Edusp,
2005.
5. MONTGOMERY, D. C.; RUNGER, G. C. Estatística Aplicada e Probabilidade para
Engenheiros, 4ª ed. Rio de Janeiro: LTC, 2009.
Bibliografia Complementar:
1. HINES, W. W.; MONTGOMERY, D. C. G. D. M. B. C. M. Probabilidade e Estatística na
Engenharia, 4ª ed., Rio de Janeiro: LTC, Brasil, 2006.
2. STEVENSON, W. J. Estatística Aplicada à Administração. São Paulo: Harper & Row do Brasil,
1981.
3. WALPOLE, R. E.; MYERS, R. H. M. S. L. Y. K. Probabilidade e Estatística para Engenharia e
Ciências, 8ª ed. São Paulo: Pearson, 2009.
4. MURRAY, R. S. Probabilidade e Estatística, McGraw-Hill, 1978.
5. MORETTIN, L. G. Estatística Básica: Probabilidade e Inferência, São Paulo: Pearson, 2010.
Número: 55
Disciplina: Química Orgânica
Carga Horária Total: 32 horas Carga Horária Teórica: 32 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
Moléculas orgânicas: ressonância, polaridade, interações intermoleculares. Funções orgânicas e
noções de estereoquímica, acidez e basicidade em química orgânica, princípios de reatividade em
química orgânica.
Bibliografia Básica:
1. SOLOMONS, T. W. G.; FRYHLE, C. B. Química Orgânica, vol. 1, 8ª ed., LTC, 2005.
2. VOLLHARDT, K. P. C.; SCHORE, N. E. Química Orgânica: Estrutura e função, 4ª ed., Bookman,
2004.
a
3. BRUICE, P.Y. Organic Chemistry, Pearson, 5 ed., 2007
Bibliografia Complementar:
1. CLAYDEN, J.; GREEVES, N.; WARREN, S.; WOTHERS, P. Organic Chemistry, Oxford University
Press, 2001
a
2. MCMURRY, J. Química Orgânica, vol. 1, 6 ed., Thomson Pioneira, 2004.
3. MORRISON, R. T.; BOYD, R. N. Química Orgânica, 14ª ed., Editora Fundação Calouste
Gulbenkian, 2005.
4. CLAYDEN, J.; GREEVES, N.; WARREN, S.; WOTHERS, P. Organic Chemistry, Oxford:
University Press, 2001.
5. COSTA, P.; FERREIRA, V. F.; ESTEVES, P.; VASCONCELLOS, M. Ácidos e Bases em Química
Orgânica; 1ª ed., Editora Bookman, 2004.
Número: 56
Disciplina: Resistência dos Materiais
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 48 horas Carga Horária Prática: 16 horas

50

Ementa:
Tensão e deformação; propriedades mecânicas dos materiais; carregamento axial; flexão; análise de
tensões e deformações; deslocamentos em vigas.
Bibliografia Básica:
1. BEER, F. P.; JOHNSTON, E. R. Resistência dos Materiais, São Paulo: McGraw-Hill/ Makron
Books.
2. HIBBELER, R. C. Resistência dos Materiais, LTC/Pearson.
3. BEER, F. P.; RUSSELL JOHNSTON JR., E.; DEWOLF, J. T.; MAZUREK, D.F. Mecânica dos
Materiais, McGraw-Hill.
Bibliografia Complementar:
1. AMARAL, O. C. Curso básico de resistência dos materiais, Belo Horizonte: O Autor, 2002.
2. BOTELHO, M. H. C. Resistência dos materiais: para entender e gostar, São Paulo: Blucher,
2008.
3. KOMATSU, J. S. Resistência dos materiais, São Carlos: EDUFScar, 2001.
4. NASH, W. A. Resistência dos materiais, São Paulo: McGraw-Hill.
5. LACERDA, F. S. Resistência dos materiais, Rio de Janeiro: Globo.
6. NASH, W. A.; POTTER, M. C. Resistência dos Materiais, Bookman.
Número: 57
Disciplina: Técnicas Experimentais I
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 48 horas Carga Horária Prática: 16 horas
Ementa:
Análises Térmicas: Análise Termogravimétrica (TG), Calorimetria Exploratória Diferencial (DSC),
Análise Térmica Diferencial (DTA) e Análise Termomecânica (TMA). Difratometria de Raios X (DRX);
Microscopia Eletrônica de Varredura (MEV). Microanálise Eletrônica (EDS e WDS). Microscopia
Eletrônica de Transmissão (MET). Microscopia de Força Atômica (MFA).
Bibliografia Básica:
1. BROWN, M. E. Introduction to Thermal Analysis: Techniques and Applications, Kluwer
Academic Publishers, 2001.
a
2. CULLITY, B. D.; STOCK, S. R. Elements of X-Ray Diffraction, 3 ed., Prentice Hall, 2001.
a
3. HOLLER, F. J.; SKOOG, D. A.; CROUCH, S. R. Princípios de Análise Instrumental, 6 ed.,
Bookman, 2009.
4. SKOOG, D. A.; WEST, D. M.; HOLLER, F. J.; CROUCH, S. R. Fundamentos de Química
Analítica, Pioneira Thomson Learning, 2005.
5. EGERTON, R. F. Physical Principles of Electron Microscopy, Springer, 2005.
6. ZANETTE, S. I. Introdução à microscopia de força atômica, Rio de Janeiro: CBPF / Livraria da
Física, 2010.
Bibliografia Complementar:
1. HOLLER, F. J.; SKOOG, D. A.; CROUCH, S. R. Princípios de análise instrumental, 6ª ed., Porto
Alegre: Bookman, 2009.
2. SKOOG, D. A.; et al. Fundamentos de química analítica, Sao Paulo: Thomson, 2006.
3. SKOOG, D. A.; WEST, D. N. Fundamentos de química analítica, Barcelona: Reverte, 1976.
4. RANGE, R. L. Fundamentos de química analítica, México - Antiguidades: Limusa, 1977.
5. SKOOG, D. A.; et al. Fundamentos de química analítica, 8ª ed., São Paulo: Cengage Learning,
2008.
Número: 58
Disciplina: Técnicas Experimentais II
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 48 horas Carga Horária Prática: 16 horas
Ementa:
Fundamentos Instrumentais e Aplicações das Técnicas Espectroscópicas. Luminescência:
Fluorescência e Fosforescência, Termoluminescência. Espectroscopia de Absorção Ultravioleta e
Visível (UV-Vis). Espectroscopia Vibracional no Infravermelho com Transformada de Fourier (FTIR).
Espectroscopia Raman. Espectroscopia de Ressonânica Magnética Nuclear (RMN). Ressonância
Paramagnética Eletrônica (RPE).
Bibliografia Básica:
1. HOLLER, F. J.; SKOOG, D. A.; CROUCH, S. R. Princípios de análise instrumental, 6ª ed., Porto
Alegre: Bookman, 2009.
2. SKOOG, D. A.; WEST, D. M.; HOLLER, F. J.; CROUCH, S. R. Fundamentos de Química
Analítica, Pioneira Thomson Learning, 2005.
3. GARCIA SOLÉ, J.; BAUSÁ, L. E.; JAQUE, D. An Introduction to the Optical Spectroscopy of
Inorganic Solids, John Wiley, 2005.
4. SALA, O. Fundamentos da espectroscopia Raman e no infravermelho. São Paulo: Editora
Unesp.

51

5. WEIL, J. A., BOLTON, J. R.; WERTZ, J. E. Electron paramagnetic resonance: elementary theory
and practical applications, John Wiley, 1994.
Bibliografia Complementar:
1. SKOOG, D. A.; et al. Fundamentos de química analítica, Sao Paulo: Thomson, 2006.
2. SKOOG, D. A.; WEST, D. N. Fundamentos de química analítica, Barcelona: Reverte, 1976.
3. RANGE, R. L. Fundamentos de química analítica, México - Antiguidades: Limusa, 1977.
4. SKOOG, D. A.; et al. Fundamentos de química analítica, 8ª ed., São Paulo: Cengage Learning,
2008.
5. BLASSE, G.; GRABMAIER, B. C. Luminescent materials, Springer, 1994.

10.1.3. Núcleo específico optativo (NEOP)
Número: 61
Disciplina: Biofísica I
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 64 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
Lei do crescimento e decaimento exponencial; Biomecânica; Energia mecânica e outras formas de
energia em humanos e em espécimes biológicos; Bioacústica; Biofísica da visão; Movimento de
corpos em fluidos; Fluxo através de uma membrana seletiva.
Bibliografia Básica:
1. HOBBIE, R. K.; ROTH, B. J. Intermediate Physics for Medicine and Biology, Springer, 2007.
2. OKUNO, E. Física para ciências biológicas e biomédicas, Harbra, 1986.
3. GARCIA, E. A. C. Biofísica, Sarvier, 2002.
Bibliografia Complementar:
1. DURAN, J. E. R. Biofísica: fundamentos e aplicações, Pearson, 2003.
2. HENEINE, I. F. Biofísica básica, Atheneu, 1996.
3. PATTABHI, V. Biophysics, Springer, 2002.
4. FRUMENTO, A. S. Biofísica, Inter-médica, 1974.
5. YEAGERS, E. K. Basic biophysics for biology, CRC Press, 1992.
6. CAMERON, J. R.; SKOFRONICK, J. G.; GRANT, R. M. Physics of the Body (Medical Physics
a
Series), 2 ed., Medical Physics Pub Corp, 1999.
7. HOPPE, W.; LOHMANN, W.; MARKL, H.; ZIEGLER, H. Biophysics, 1983.
8. PLONSEY, R.; BARR, R.C. Bioelectricity: A quantitative approach, 1993.
Número: 62
Disciplina: Cristalografia
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 64 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
Cristais. Crescimento de cristais. Propriedades de raios X. Difração de raios-x. Aplicações.
Bibliografia Básica:
1. WOOLFSON, M. M. An introduction to X-ray crystallography, Cambridge: The University Press,
1970.
2. CULLITY, E. D. Elements of X-Ray Diffraction, Addison-Wesley.
3. AREND, H.; HULLIGER, J. Crystal Growth in Science and Technology, New York: Plenum
Press, 1989.
Bibliografia Complementar:
1. CULLITY, B. D.; STOCK, S. R. Elements of X-ray diffraction, 3a ed., Upper Saddle River (NJ):
Prentice Hall, 2001.
2. LADD, M. F. C.; PALMER, R. A. Structure Determination by X-Ray Crystallography, Plenum
Press.
3. BUERGER, M. J. X-ray crystallography: an introduction to the investigation of crystals by their
diffraction of monochromatic X-radiation, New York: John Wiley, 1942.
4. SHERWOOD, D.; COOPER, J. Crystals, X-rays, and proteins: comprehensive protein
crystallography, New York: Oxford University Press, 2011.
5. WILSON, A. J. C. Elements of X-ray crystallography, Reading: Addison-Wesley, 1970.
6. AZAROFF, L. V. Elements of X-ray crystallography, New York: McGraw-Hill, 1968.
7. AZAROFF, L. V.; BUERGER, M. J. The powder method in X-ray crystallography, New York:
McGraw-Hill, 1958.
8. BUERGER, M. J. The precession method in X-ray crystallography, New York: John Wiley,
1964.
Número: 63
Disciplina: Desenvolvimento e Fabricação de Materiais Avançados
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 64 horas Carga Horária Prática: 0 hora

52

Ementa:
Materiais e tipos de materiais. Estrutura, forma, propriedades e funções. Fabricação de materiais:
cerâmicas, monocristais, vidros, filmes, micro e nanoestruturas policristalinas. Propriedades físicas e
aplicações: materiais e dispositivos para óptica (lasers, LEDs, fotônica, óptica integrada), materiais e
dispositivos magnéticos (imãs, memórias, sensores), materiais e dispositivos dielétricos (capacitores,
transdutores, sensores, microgeradores).
Bibliografia Básica:
1. CALLISTER, W. D. Fundamentos da Ciência e Engenharia de Materiais. Rio de Janeiro: LTC.
2. KINGERY, W. D.; BOWEN, H. K.; UHLMANN, D. R. Introduction to Ceramics, John Wiley &
Sons.
3. SEGAL, D. Chemical Synthesis of Advanced Ceramic Materials, New York: Cambridge
University Press.
Bibliografia Complementar:
1. REZENDE, S. M. Materiais e Dispositivos Eletrônicos, São Paulo: Ed. Livraria da Física.
2. QUIMBY, R. S. Photonics and Lasers: An Introduction, New Jersey: John Wiley & Sons.
Disponível em http://samples.sainsburysebooks.co.uk/9780471791584_sample_378844.pdf, Acesso
em 28/07/2014.
3. CULLITY, B. D.; GRAHAM, C.D. Introduction to Magnetic Materials, New Jersey: John Wiley &
Sons.
4. PERKOWITZ, S. Optical Characterization of Semiconductors: infrared, Raman, and
photoluminescence spectroscopy, Academic Press.
5. WAGENDRISTEL, A.; WANG, Y. Introduction to Physics and Technology of Thin Films,
Singapore: World Scientific Publishing Co. Pte. Ltd.
6. Artigos de revisão a serem escolhidos pelo docente.
Número: 64
Disciplina: Direito e Cidadania
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 64 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
Noções gerais de direito: acepções da palavra direta, breve conceitos de direito, direito objetivo e
direito subjetivo. Fontes do direto: direito moral. O sistema constitucional brasileiro. Noções de direito
civil: personalidade e capacidade, fatos e atos jurídicos. Noções de direto de empresa e código de
defesa do consumidor. Direto de propriedade: propriedade material e propriedade intelectual. Noções
de direito do trabalho: conceitos de empregado e de empregador, direito individual do trabalho, direito
coletivo do trabalho. A regulamentação profissional: sistema CONFEA/CREAS. Noções de direito
administrativo: administração pública, atos administrativos, contratos administrativos, propriedades
pública, intervenção no domínio econômico e na propriedade privada. Noções de direito ambiental.
Bibliografia Básica:
1. ARAÚJO, U. F.; AQUINO, J. G. Os Direitos Humanos na Sala de Aula: A Ética Como Tema
Transversal. São Paulo: Moderna, 2001.
2. BENTO, M. A. S. Cidadania em Preto e Branco: discutindo as relações sociais. São Paulo:
Ática, 2002.
3. CANDAU, V. M., et al. Oficinas Pedagógicas de Direitos Humanos. Petrópolis: Vozes, 1995.
Bibliografia Complementar:
1. CANDAU, V.; SACAVINO, S. (orgs.). Educar em Direitos Humanos. Rio de Janeiro: D& P
Editora, 2000.
2. DALLARI, D. A. Direitos Humanos e Cidadania. São Paulo: Moderna, 2001.
3. COVRE, M. L. M. O que é cidadania. Coleção Primeiros Passos. São Paulo: Brasiliense, 1995.
4. NOVAES, C. E.; LOBO, C. Cidadania para principiantes: a história dos direitos do homem.
São Paulo: Ática, 2004.
5. DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS
6. ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE
Disciplina: Evolução das Ideias da Física
Número: 65
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 64 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
A ciência e as teorias físicas na antiguidade. A revolução científica nos séculos XVI e XVII. O
nascimento de uma nova Física. A Física nos séculos XVIII e XIX. A consolidação da Física Clássica.
A Física e as revoluções tecnológicas. As origens da Física Moderna. Estrutura atômica da matéria e
suas bases químicas. Natureza ondulatória da luz. Estrutura corpuscular da luz. Estrutura subatômica
da matéria. Mecânica matricial e mecânica ondulatória.
Bibliografia Básica:
1. EINSTEIN, A.; INFELD, L. A Evolução da Física. Rio de Janeiro: Zahar.

53

2. BURTT, E. A. As Bases Metafísicas da Ciência Moderna. Brasília: UnB.
3. COHEN, I. B. O Nascimento de Uma Nova Física. São Paulo: Edart.
4. KOYRÉ, A. Estudos de História do Pensamento Científico. Brasília: UnB.
Bibliografia Complementar:
1. HEMPEL, C. G. Filosofia da Ciência Natural. Rio de Janeiro: Zahar.
2. SEGRÉ, E. Dos Raios-X aos Quarks. Brasília: Editora UnB.
3. AMALDI, U. Imagens da Física: as Ideias e as Experiências do Pendulo aos Quarks. São
Paulo: Scipione.
4. HEISENBERG, W. The Physical Principles of the Quantum Theory. New York: Dover.
5. SALVETTI, A. R. A História da Luz. Campo Grande: Editora UFMS.
6. CRUZ, F. F. S. Faraday e Maxwell: Luz Sobre os Campos. São Paulo: Odysseus.
7. BIEZUNSKI, M. História da Física Moderna. Instituto Piaget.
8. MARTIN, J. B. A História do Átomo: De Demócrito aos Quarks. Rio de Janeiro: Ciência
Moderna.
Número: 66
Disciplina: Física de Imagens Médicas
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 64 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
Radiografia; Fluoroscopia; Mamografia; Tomografia Computadorizada (CT); Imagem por Medicina
Nuclear; Imagem por Ressonância Magnética (MRI); Imagens por Ultrassom; Imagens Termográficas
(Termografia).
Bibliografia Básica:
1. BUSHBERG, J. T.; SEIBERT, J. A.; LEIDHOLFT JUNIOR, E. M.; BOONE, J. M. The essential
a
physics of medical imaging, 3 ed., Lippincott Willians & Wilkins, 2011.
2. HENDEE, W. R; RITENOUR, E. R. Medical Imaging Physics, New York: John Wiley & Sons,
2003.
3. BUSHONG, C. S. Ciência Radiológica Para Tecnólogos, 9ª ed., Elsevier, 2010.
Bibliografia Complementar:
a
1. BROWN, M. A.; SEMEIKA, R. C. MRI: Basic Principles and Applications, 3 ed., New York: John
Wiley & Sons, 2005.
2. ATTIX, F. H. Introduction to radiological physics and radiation dosimetry, New York: John
Wiley & Sons, 1986.
a
3. JOHNS, H. E.; CUNNINGHAN, J. R. The physics of radiology, 4 ed., Charles C. Thomas, 1983.
a
4. POWSNER, R. A.; POWSNER, E. R. Essential Nuclear Medicine Physics, 2 ed., John Wiley &
Sons, 2008.
a
5. BOURNE, R. Fundamentals of Digital Imaging in Medicine, 1 ed., Springer, 2010.
Número: 67
Disciplina: Instrumentação Científica e Industrial
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 64 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
Conceitos de Instrumentação. Introdução: Atuadores, Sensores Analógicos e Digitais, Transdutores,
Conversores, Transmissores. Sensores de Presença. Sensores de Posição. Sensores Ópticos.
Sensores de Velocidade. Sensores de Aceleração. Sensores de Temperatura. Sensores de Pressão.
Sensores de Nível. Sensores de Vazão. Sensores de Tensão, Corrente e Potência. Sensores de
Umidade, Gases e pH. Sensores de Radiação. Procedimentos Experimentais. Controle de Processos.
Controlador PID. Sistemas de Controle Distribuídos (DCS). Controladores Lógicos Programáveis
(PLC). Válvulas de Controle. Padrões de Calibração de Instrumentos. Noções de LabVIEW.
Bibliografia Básica:
1. THOMAZINI, D.; ALBUQUERQUE, P. U. B. Sensores Industriais: Fundamentos e Aplicações,
São Paulo: Erica.
2. BALBINOT, A.; BRUSAMARELLO, V. J. Instrumentação e Fundamentos de Medidas, Vols. 1 e
2, Rio de Janeiro, LTC.
3. CAMPOS, M. C. M. M. Controles Típicos de Equipamentos e Processos Industriais, 2ª ed.,
Edgard Blucher, 2010.
4. SOISSON, H. E. Instrumentação Industrial, Hemus, 2002.
5. BEGA, E. A. (Org.) Instrumentação Industrial, 2ª ed., Rio de Janeiro: Editora Interciência, 2006.
6. BARBOSA, A. F. Eletrônica analógica essencial: para instrumentação científica, Rio de
Janeiro: CBPF / Livraria da Fisica, 2010.
Bibliografia Complementar:
1. PARK, J.; MACKAY, S.; WRIGHT, E. Practical data communications for instrumentation and
control, Amsterdam; London: Elsevier, 2003.
2. BLACKBURN, J. A. Modern instrumentation for scientists and engineers, New York: Springer,

54

2001.
3. NATALE, F. Automação industrial, São Paulo: Erica.
4. CAPELLI, A. Automação industrial: controle do movimento e processos contínuos, 2ª ed., São
Paulo: Erica, 2007.
5. BIGNELL, J. W.; DONOVAN, R. L. Eletrônica digital, São Paulo: Cengage Learning, 2010.
6. GROOVER, M. P. Automação industrial e sistemas de manufatura, 3ª ed., São Paulo: Pearson
Prentice Hall, 2011.
7. PRUDENTE, F. Automação industrial PLC: teorias e aplicações: curso básico, 2ª ed., Rio de
Janeiro: LTC, 2011.
8. PRUDENTE, F. Automação industrial PLC: programação e instalação, Rio de janeiro: LTC, 2011.
9. CAPELLI, A. Sensores industriais, Antenna Edições Técnicas.
10. ALBUQUERQUE, P. U. B.; ALEXANDRIA, A. R. Redes Industriais: Aplicações em Sistemas
Digitais de Controle Distribuido, Ensino Profissional, 2009.
11. LUGLI, A. B.; SANTOS, M. M. D. Sistemas Fieldbus para automação industrial: DeviceNet,
CANopen, SDS e Ethernet, São Paulo: Erica, 2011.
12. HU, F.; CAO, X. Wireless sensor networks: principles and practice, Boca Raton, FL: CRC Press,
2010.
13. STEFAN, R.-L.; van STADEN, J. F.; ALBOUL-ENEIN, H. Y. Electrochemical sensors in
bioanalysis, New York: M. Dekker, 2001.
14. TABIB-AZAR, M. Integrated optics, microstructures, and sensors, Boston: Kluwer, 1995.
15. CULSHAW, B.; DAKIN, J. Optical fiber sensors, Norwood, MA: Artech House.
16. CIUREANU, P.; MIDDELHOEK, S. Thin film resistive sensors, Bristol: Institute of Physics, 1992.
17. KLAASSEN, K. B. Electronic measurement and instrumentation, Cambridge: Cambridge
University, 1996.
18. PETRIU, E. M. Instrumentation and measurement technology and applications, New York:
Institute of Electrical and Electronics Engineers, 1998.
19. DALLY, J. W.; RILEY, W. F.; MCCONNELL, K. G. Instrumentation for engineering
a
measurements, 2 ed., New York: John Wiley & Sons, 1993.
20. BHUYAN, M. Intelligent instrumentation: principles and applications, Boca Raton, FL: CRC
Press, 2010.
21. JAMAL, R.; PICHLIK, H. LabView: applications and solutions, Upper Saddle River: Prentice Hall,
1998.
Número: 68
Disciplina: Introdução à Ciência dos Materiais
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 64 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
Tipos de materiais. Materiais para engenharia. Ligação química em sólidos. Estrutura cristalina.
Diagramas de fase binários e ternários. Nucleação e cinética de transformação de fases. Processos
de fabricação e propriedades de materiais.
Bibliografia Básica:
1. CALLISTER, W. D. Fundamentos da ciência e engenharia de materiais: uma abordagem
integrada, 2ª ed., Rio de Janeiro: LTC, 2006.
2. SHACKELFORD, J. F. Ciência dos materiais, 6ª ed., São Paulo: Prentice Hall.
3. VAN VLACK, L. H. Princípios de ciência e tecnologia dos materiais, Rio de Janeiro: Campus.
a
4. ASKELAND, D. R. The science and engineering of materials, 3 ed., Boston: PWS, 1994.
Bibliografia Complementar:
1. CALLISTER, W. D. Ciência e Engenharia de Materiais: Uma Introdução, Rio de Janeiro: LTC.
2. VAN VLACK, L. H. Princípios de ciência dos materiais, São Paulo: E. Blucher, 1970.
3. CALLISTER, E. D. Materials science and engineering: an introduction, New York: J. Wiley.
a
4. ASKELAND, D. R. The science and engineering of materials, 3 ed., London: Chapman & Hall,
1996.
5. ASKELAND, D. R.; PHULE, P. P. Ciência e Engenharia dos Materiais, Cengage Learning, 2008.
Número: 69
Disciplina: Introdução à Instrumentação Biomédica
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 64 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
Conceitos básicos de instrumentação biomédica. Sensores biomédicos. Noções de biopotenciais.
Eletrodos de biopotencial. Tópicos de eletrônica analógica e digital. Construção de um sistema para
medidas de biopotenciais. Conversão analógico-digital. Introdução à programação em LabView.
Noções de equipamentos médico-hospitalares.
Bibliografia Básica:
a
1. WEBSTER, J. G. Medical Instrumentation: Application and Design, 4 ed., John Wiley & Sons,

55

2009.
a
2. CARR, J. J.; BROWN, J. M. Introduction to Biomedical Equipment Technology, 4 ed., Prentice
Hall, 2000.
3. ENDERLE, J.D. Bioinstrumentation, Morgan & Claypool Publishers, 2006.
Bibliografia Complementar:
1. JAMAL, R.; PICHLIK, H. LabView applications and solutions, Upper Saddle River: Prentice Hall,
1998.
2. BLACKBURN, J. A. Modern instrumentation for scientists and engineers, New York: Springer,
2001.
3. ENDERLE, J. D.; BRONZINO, J. D.; BLANCHARD, S. M. Introduction to biomedical
a
engineering, 3 ed., Amsterdam: Elsevier Academic, 2012.
4. DEVASAHAYAM, S. R. Signals and systems in biomedical engineering signal processing and
physiological systems modeling, New York: Kluwer Academic/Plenum Publishers, 2000.
5. BRUCE, E. N. Biomedical signal processing and signal modeling, New York: Wiley, 2001.
a
6. DIEFENDERFER, A. J.; HOLTON, B. E. Principles of electronic instrumentation, 3 ed.,
Philadelphia: Sauders College, 1994.
7. NORTHROP, R. B. Signals and systems analysis in biomedical engineering, Boca Raton: CRC
Press, 2003.
8. BAURA, G. D. System theory and practical applications of biomedical signals, Piscataway:
Wiley Interscience, 2002.
9. BRONZINO, J. D. The biomedical engineering handbook, Boca Raton: CRC-IEEE, 1995.
10. OPPENHEIM, A. V.; WILLSKY, A. S. Sinais e Sistemas, 2ª ed., Pearson, 2010.
Disciplina: Introdução à Micro e Nanoeletrônica
Número: 70
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 64 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
Noções de Dispositivos e Circuitos Básicos; Circuitos Integrados Analógicos e Digitais. Nanoescala.
Partículas e Ondas. Mecânica Ondulatória. Materiais para Nanoeletrônica. Crescimento, Fabricação e
Técnicas de Caracterização de Nanoestruturas. Transporte Eletrônico em Semicondutores e
Nanoestruturas. Elétrons em Estruturas de Baixa Dimensionalidade: Poços, Fios e Pontos Quânticos.
Dispositivos Nanoestruturados.
Bibliografia Básica:
1. MITIN, V. V.; KOCHELAP, V. A.; STROSCIO, M. A. Introduction to Nanoelectronics: Science,
Nanotechnology, Engineering, and Applications, Cambridge: Cambridge University Press, 2008.
2. SEDRA, A. S.; SMITH, K. C. Microeletrônica, 5ª ed., São Paulo: Prentice Hall, 2007.
3. GOSER, K.; GLOSEKOTTER, P.; DIENSTUH, J. Nanoelectronics and nanosystems: from
transistors to molecular and quantum devices, Berlin; New York: Springer, 2004.
4. SEDRA, A. S.; SMITH, K. C. Microeletrônica, 4ª ed., São Paulo: Makron Books, 2000.
Bibliografia Complementar:
1. MILLMAN, J.; GRABEL, A. Microeletrônica, 2ª ed., Lisboa: McGraw-Hill, 1991.
2. KITTEL, C. Introduction to solid-state physics, Wiley.
3. SINGH, J. Physics of Semiconductors and Their Heterostructures, New York: McGraw-Hill,
1993.
4. MITIN, V. V.; KOCHELAP, V. A.; STROSCIO, M. A. Quantum Heterostructures, New York:
Cambridge University Press, 1999.
5. CHELAND, A. N. Foundations of Nanomechanics, Berlim: Springer-Verlag, 2003.
6. STANGL, J.; HOL, V.; BAUER, G. Structural Properties of Self-Organized Semiconductor
Nanostructures, Rev. Mod. Phys., 76, 725, 2004.
7. ONO, Y.; FUJIWARA, A.; et al. Manipulation and Detection of SingleElectrons for Future
Information Processing, J. Appl. Phys. 97, 031101, 2005.
Disciplina: Introdução ao LabVIEW
Número: 71
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 64 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
Introdução; Instrumentação virtual; Ambiente; Fundamentos; Execução de programa de controle com
estruturas; Dados compostos: Arrays e Clusters; Displays visuais: Tabelas e Gráficos; Arquivos I/O;
Drivers; Geração e Medida de Sinal; Aquisição de dados; Controle de Instrumentos.
Bibliografia Básica:
1. JAMAL, R.; PICHLIK, H. LabVIEW: Applications and Solutions, Upper Saddle River: Prentice
Hall, 1998.
a
2. TRAVIS, J.; KRING, J. LabVIEW for Everyone: Graphical Programming Made Easy and Fun, 3
ed., Prentice Hall, 2006.

56

a

3. ESSICK, J. Hands-On Introduction to LabVIEW for Scientists and Engineers, 2 ed., Oxford
University Press, 2012.
Bibliografia Complementar:
1. BITTER, R.; MOHIUDDIN, T.; NAWROCKI, M. LabVIEW: Advanced Programming Techniques,
a
1 ed., CRC Press, 2000.
2. ESSICK, J. Hands-On Introduction to LabVIEW for Scientist and Engineers, Oxford University
Press, 2008.
3. NATALE, F. Automação industrial, São Paulo: Erica.
4. CAPELLI, A. Automação industrial: controle do movimento e processos contínuos, 2ª ed., São
Paulo: Erica, 2007.
5. GROOVER, M. P. Automação industrial e sistemas de manufatura, 3ª ed., São Paulo: Pearson
Prentice Hall, 2011.
6. PRUDENTE, F. Automação industrial PLC: teorias e aplicações: curso básico, 2ª ed., Rio de
Janeiro: LTC, 2011.
7. PRUDENTE, F. Automação industrial PLC: programação e instalação, Rio de janeiro: LTC, 2011.
Se necessário o docente incluirá outras quando a disciplina for ofertada.
Número: 72
Disciplina: Lasers ­ Princípios e Aplicações Biomédicas
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 64 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
Fundamentos da radiação laser; segurança no uso de lasers; propriedades ópticas dos tecidos;
interação laser-tecido; efeitos fototérmicos e fotoquímicos originários desta interação; aplicações em
diversas especialidades médicas.
Bibliografia Básica:
1. BRAUN, M.; GILCH, P.; ZINTH, W. Ultrashort Laser Pulses in Biology and Medicine, Springer,
2008.
2. CSELE, M. Fundamentals of Light Sources and Lasers, John Wiley & Sons, Inc., 2004.
3. SVELTO, O. Principles of Lasers, Springer, 2010.
Bibliografia Complementar:
1. SILFVAST, W. T. Laser Fundamentals, Cambridge University Press; 2 edition, 2008.
2. IIZUKA, K. Engineering Optics, Springer Series in Optical Sciences, 35, 3 edition, 2008.
3. BRIDGES, C. R.; HORVATH, K. A.; CHIU, R. C.-J. Myocardial Laser Revascularization,
Blackwell Science Ltd., 2006.
4. MESCHEDE, D. Optics, Light and Lasers: The Practical Approach to Modern Aspects of
Photonics and Laser Physics, Wiley-VCH Verlag GmbH & Co. KGaA, 2007.
5. QUIMBY, R. S. Photonics and Lasers: An Introduction, John Wiley & Sons, Inc., 2006.
6. CHAVANTES, M. C. (editor), Laser em bio-medicina: Princípios e prática: Guia para iniciantes,
pesquisadores e discentes na área de saúde e exatas, Atheneu, 2009.
7. LENGYEL, B. A. Introduction to laser physics, John Wiley, 1966.
8. BAGNATO, V. S. LASER e suas aplicações em ciência e tecnologia, Editora livraria da física, 1ª
Ed. 2008.
9. WAYNANT, R. W. Lasers in Medicine, CRC Press; 1 edition, 2001.
10. THYAGARAJAN, K; GHATAK, A. Lasers: Fundamentals and Applications (Graduate Texts in
Physics), Springer; 2nd, 2011.
11. YARIV, A. Quantum Electronics, Wiley; 3th edition, 1989.
12. NIEMZ, M. H. Laser-Tissue Interactions: Fundamentals and Applications, Springer; 3th
Edition, 2007.
Número: 73
Disciplina: Introdução à Língua Brasileira de Sinais ­ LIBRAS
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 64 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
Introdução às práticas de compreensão e produção em LIBRAS por meio do uso de estruturas e
funções comunicativas elementares. Concepções sobre a Língua de Sinais. O surdo e a sociedade.
Bibliografia Básica:
1. BRITO, L. F. Por uma Gramática de Língua de Sinais, Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1995.
2. FELIPE, T.; MONTEIRO, M. S. Libras em contexto, Curso Básico. Brasília: Ministério da
Educação e do Desporto/Secretaria de Educação Especial, 2001.
3. GÓES, M. C. R. de. Linguagem, surdez e educação, Campinas, SP: Editora Autores Associados,
1999.
4. PIMENTA, N.; QUADROS, R. M. Curso de Libras 1 ­ Iniciante, 3. ed. rev. e ampl. Porto Alegre:
Editora Pallotti, 2008.
Bibliografia Complementar:

57

1. BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Ensino de Língua
Portuguesa para Surdos: Caminhos para a Prática Pedagógica, v. 1. Brasília ­ DF: MEC/SEESP;
2002.
2. CAPOVILLA, F. C., RAPHAEL, W. D. Dicionário Enciclopédico Ilustrado Trilíngue da Língua de
Sinais Brasileira, v. 1 e 2. São Paulo: Editora USP, 2001.
3. CAPOVILLA, F. C.; RAPHAEL, W. D. (Ed.). Enciclopédia da Língua de Sinais Brasileira, v. 1 e
2. São Paulo: Editora USP, 2004
4. GESSER, A. Libras? Que língua é essa? Crenças e preconceitos em torno da língua de
sinais e da realidade surda, São Paulo: Parábola, 2009.
5. QUADROS, R. M. de. Educação de surdos: a aquisição da linguagem, Porto Alegre: Artes
Médicas, 1997.
6. QUADROS, R. M. de; KARNOPP, L. Língua de Sinais Brasileira: estudos lingüísticos, Artmed:
Porto Alegre, 2004.
7. SACKS, O. Vendo vozes: uma viagem ao mundo dos surdos, Trad.: L. Motta. São Paulo:
Editora Cia das Letras, 1999.
8. SASSAKI, R. K. Inclusão: construindo uma sociedade para todos, Rio de Janeiro: WVA, 1997.
Número: 74
Disciplina: Mecânica Clássica II
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 64 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
Formulação Hamiltoniana da mecânica. Transformações canônicas. Teoria de Hamilton-Jacob.
Pequenas Oscilações. Teoria clássica de campos.
Bibliografia Básica:
1. CHOW, T. L. Classical Mechanics. New York: Wiley.
2. MARION, J. B.; THORNTON, S. T. Classical Dynamics of Particles and Systems. Fort worth:
Saunders College.
3. GOLDSTEIN, H. Classical Mechanics. Addison-Wesley.
4. LEMOS, N. A. Mecânica Analítica. São Paulo: Livraria da Física.
Bibliografia Complementar:
1. BARCELOS NETO, J. Mecânica Newtoniana, Lagrangiana & Hamiltoniana. São Paulo: Livraria
da Física.
2. LANCZOS, C. The Variational Principles of Mechanics. New York: Dover.
3. SYMON, K. R. Mecânica. Rio de Janeiro: Campus.
4. GREINER, W. Classical Mechanics: Point Particles and Relativity. New York: Springer.
5. WATARI, K. Mecânica Clássica, v. 1 e 2. São Paulo: Livraria da Física.
6. ARYA, A. P. Introduction to Classical Mechanics. Upper Saddle River: Prentice Hall.
Número: 75
Disciplina: Mecânica Quântica II
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 64 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
Adição de momento angular. Métodos de aproximação e aplicações. Estrutura fina e hiperfina do
átomo de hidrogênio. Teoria de perturbação dependente do tempo e aplicações. Espalhamento.
Bibliografia Básica:
1. COHEN-TANNOUDJI, C.; DIU, B.; LALOË, F. Quantum Mechanics, vols. 1 e 2. New York: ACM.
2. GRIFFITHS, D. J. Introduction to Quantum Mechanics. New Jersey: Prentice-Hall.
3. ZETTILI, N. Quantum mechanics: concepts and applications, 2nd ed., Chichester: Wiley, 2009.
4. WOLNEY FILHO, W. Mecânica Quântica. Goiânia: Editora UFG.
Bibliografia Complementar:
1. MERZBACHER, E. Quantum Mechanics. New York: Wiley.
2. SCHIFF, L. I. Quantum Mechanics. New York: McGraw-Hill.
3. SHANKAR, R. Principles of Quantum Mechanics. New York: Plenum.
4. SCHWABL, F. Quantum Mechanics. New York: Springer.
5. TOWNSEND, J. S. A modern approach to quantun mechanics. New York: McGraw-Hill, 1992.
6. MCINTYRE, D. H. Quantum mechanics: a paradigms approach. Boston: Pearson, 2012.
7. MESSIAH, A. Quantum Mechanics. Mineola: Dover.
8. LIBOFF, R. L. Introductory Quantum Mechanics. San Francisco: Addison-Wesley.
9. BALLENTINE, L. E; MELISSINOS, A. C. Quantum mechanics: a modern development.
Singapore: World Scientific, 2003.
10. PERES, A. Quantum Theory: Concepts and Methods. Dordrecht: Kluwer.
Número: 76
Disciplina: Óptica Física
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 64 horas Carga Horária Prática: 0 hora

58

Ementa:
Óptica geométrica. Ondas eletromagnéticas. Polarização. Interferência. Coerência. Difração. Óptica
de Fourier. Interação da luz com a matéria. Óptica de cristais. Guias de ondas. Óptica não linear.
Bibliografia Básica:
a
1. FOWLES, G. R. Introduction to Modern Optics, 2 ed., Dover, 1989. Disponível em

. Acesso em: 23 mar. 2014.
2. HECHT, E.; ZAJAC, A. Optics, Addison-Wesley.
3. LIPSON, S.G.; LIPSON, H.; TANNHAUSER, D. S. Optical physics, Cambridge, UK: Cambridge
University, 1998.
Bibliografia Complementar:
1. FREJLICH, J. Óptica, Oficina de Textos, 2011.
2. ZILIO, S. C. Óptica Moderna: Fundamentos e aplicações. IFSC/USP, 2005.
3. MEYER-ARENDT, J. R. Introduction to classical and modern optics, Englewood Cliffs, NJ:
Prentice Hall, 1995.
4. FREJLICH, J. Photorefractive materials: fundamental concepts, holographic recording and
materials characterization, New Jersey: John Wiley & Sons, 2007.
5. KHOO, I.-C.; LAM, J. F.; SIMONI, F. Nonlinear optics and optical physics, Singapore: World
Scientific, 1994.
6. DANGOISSE, D.; HENNEQUIN, D.; ZEHNLÉ, V. Les Lasers, 2a ed., Paris: Dunod, 2004.
Disciplina: Princípios Físicos de Medicina Nuclear
Número: 77
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 64 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
Estrutura, energia e estabilidade nuclear; Reações nucleares: radioatividade e transições radioativas;
Produção de radiofármacos; Ação dos principais radiofármacos utilizados na Medicina Nuclear;
Detectores cintilográficos e a gama câmara; Formação de imagens; Estatística das medidas;
Conceitos de Dosimetria interna; Noções de proteção radiológica em serviços de Medicina Nuclear;
Aplicações clínicas: estudos estáticos, cinéticos e tomográficos. Grandezas e unidades. Decaimento
radioativo. Espectrometria. Estatística aplicada à medicina nuclear. Produção de radionuclídeos.
Dosimetria interna. Instrumentação. Detecção e medidas da radiação. Sistemas de contagem.
Câmaras de cintilação. Qualidade de imagem em Medicina Nuclear. Tomografias tipo SPECT e PET.
Bibliografia Básica:
1. MCPARLAND, B. J. Nuclear Medicine Radiation Dosimetry: Advanced Theoretical Principles,
a
1 ed, Springer, 2010.
a
2. BOURNE, R. Fundamentals of Digital Imaging in Medicine, 1 ed, Springer, 2010.
a
3. SAHA, G. B. Basics of PET Imaging:Physics, Chemistry, and Regulations, 1 ed, Springer,
2010.
Bibliografia Complementar:
1. CHERRY, S. R.; SORENSON, J. A.; PHELPS, M. E. Physics in Nuclear Medicine, Philadelphia:
Saunders, 2003.
2. RHODES, B. Quality Control in Nuclear Medicine, Partes 1 e 2, Londres: The C. V. Mosby
Company, 1977.
a
3. STABIN, M. G. Fundamentals of Nuclear Medicine Dosimetry, 1 ed, Springer, 2008.
4. THRALL, J. H.; ZIESSMAN, H. A. Nuclear medicine, St. Louis; Londres: Mosby, 2001.
a
5. JOHNS, H. E.; CUNNINGHAN, J. R. The physics of radiology, 4 ed., Charles C. Thomas, 1983.
Disciplina: Ultrassom - Princípios e Aplicações Biomédicas
Número: 78
Carga Horária Total: 64 horas Carga Horária Teórica: 64 horas Carga Horária Prática: 0 hora
Ementa:
Ondas mecânicas; Produção e recepção de ondas ultrassônicas; Propriedades acústicas dos tecidos
biológicos; Transdutores ultrassônicos; Radiação acústica em meios materiais; Modalidades de
imagens por ultrassom; Artefatos nas imagens por ultrassom; Efeitos biológicos por ultrassom;
Aplicações biomédicas.
Bibliografia Básica:
1. HILL, C. R.; BAMBER, J. C.; TER HAAR, G. R. Physical Principles of Medical Ultrasonic, John
Wiley, 2004.
2. KINSLER, L. E; FREY, A. R, Fundamentals of Acoustics, 2.ed., N. York, John Wiley, 1962.
3. BLACKSTOCK, D. T. Fundamentals of Physical Acoustics, New York, John Wiley, 2000.
4. SZABO, T. L. Diagnostic Ultrasound Imaging: Inside Out, Elsevier Academic Press, 2004.
Bibliografia Complementar:
1. BUSHBERG, J. T.; SEIBERT, J. A.; LEIDHOLFT JUNIOR, E. M.; BOONE, J. M. The Essential
Physics of Medical Imaging, Lippincott Willians & Wilkins, 3th ed., 2012.

59

2. ENDERLE, J. D.; BRONZINO, J. D.; BLANCHARD, S. M. Introduction to Biomedical
Engineering, 3rd. ed. - Amsterdam, Elsevier Academic, 2012.
3. STEPHENS, R. W. B. Acoustics and Vibrational Physics, 2nd ed., London, Edward Arnold, 1966.
4. BELTZER, A. I. Acoustics of Solids, Berlin, Springer, 1988.
5. HENDEE, W. R.; RITENOUR, E. R. Medical Imaging Physics, 4th Edition, Wiley-Liss, Inc., 2002.
6. HARMUTH, H. F. Acoustic Imaging with Electronic Circuits, Academic Press Inc., New York,
1979.
7. AULD, B. A. Acoustic Fields and Waves in Solids, New York, John Wiley, 1973.
8. WEELS, P. N. T. Biomedical Ultrasonics, New York, Academic Press, Inc., 1977.
9. ROSE, J. L.; GOLDBERG, B. B. Basic Physics in Diagnostic Ultrasound, New York, John Wiley,
1977.
10. FILIPPI, P. Acoustics Basic Physics, Theory and Methods, London, Academic, 1999.
11. AZHARI, H. Basics of Biomedical Ultrasound for Engineers, John Wiley & Sons, Inc., 2010.

11. Atividades complementares
As atividades complementares (AC) formam em seu conjunto um
importante componente na formação do aluno de Engenharia Física. Com a
realização destas atividades o aluno tem a oportunidade de complementar os
conhecimentos, adquiridos nas disciplinas regulares da grade curricular, pela
participação em atividades extracurriculares envolvendo temas acadêmicos,
científicos, políticos, sociais e culturais, realizadas durante o período de
integralização curricular. O aluno deve comprovar a participação em, pelo menos,
100 horas de atividades complementares ao longo do curso.
Para efeito da contagem desta carga horária o aluno deve comprovar
junto à coordenação do curso a sua participação em eventos acadêmicos e/ou
técnico-científicos voltados para o ensino superior, tais como: congressos,
simpósios, conferências, seminários, palestras, entre outros. A participação dos
alunos nos mesmos pode realizar-se em três categorias: ouvinte/participante,
ministrante/apresentador e organizador. Serão aceitos também cursos de curtaduração presenciais relacionados à atualização e/ou aperfeiçoamento profissional,
com carga horária máxima de 20 (vinte) horas por curso, e a participação em
projetos de extensão vinculados à UFG ou entidades parceiras, neste caso será
computada até o máximo de 30 (trinta) horas. Embora o aluno possa realizar no
próprio Instituto de Física uma série de atividades que se caracterizam como
atividades complementares, ele deve buscá-las também em outras unidades da
UFG, em outras universidades, em outras instituições e mesmo junto à comunidade
em geral.
Além de permitir o preenchimento de lacunas na própria área de
formação do aluno, pela abordagem de temas específicos das engenharias e das
ciências exatas e da terra de uma maneira geral, as atividades complementares
visam quebrar parcialmente o isolamento entre as áreas do conhecimento. Com elas
espera-se que o aluno amplie também a sua visão humanística, e que se prepare
melhor para exercer de maneira competente, crítica e consciente a sua atividade
profissional e sua importante função social.

12. Sistema de avaliação do projeto de curso
Além dos instrumentos institucionais oriundos do MEC, como avaliação
para autorização, reconhecimento e renovação do curso e ENADE, a graduação em
Engenharia Física deverá ser objeto de avaliação continuada através do seu corpo
docente, por meio de instrumentos a serem criados pelo Núcleo Docente
Estruturante (NDE).
60

13. Política de
administrativo

qualificação

docente

e

técnico-

O Instituto de Física conta atualmente com 47 professores efetivos,
todos doutores, dois professores substitutos e um pesquisador bolsista vinculado ao
CNPq. Possui, também 12 servidores técnico-administrativos.
É política do Instituto incentivar os professores na participação em
programas de pós-graduação e pós-doutorado, encontros e congressos científicos.
Incentivamos, também, os servidores técnico-administrativos a se qualificarem
através de cursos oferecidos pelo Departamento de Desenvolvimento de Recursos
Humanos da Universidade Federal de Goiás.

14. Considerações finais
O crescimento e a maturidade do Instituto de Física da UFG levaram à
formulação da proposta pedagógica do curso de Engenharia Física, em um cenário
favorável à criação de cursos de engenharia em todo o país. Acreditamos que esta
proposta representa um avanço nas atividades desenvolvidas pelos docentes do
Instituto de Física e sua importante contribuição para a formação de recursos
humanos qualificados para o desenvolvimento da sociedade brasileira. A presente
proposta levará à formação de um profissional voltado para o desenvolvimento
tecnológico e a pesquisa, que possua, além de uma formação sólida dos conceitos
da Física, Química e Matemática, uma formação geral em Engenharia, necessária no
mundo moderno.

15. Requisitos legais e normativos
No presente PPC foram contempladas as seguintes Decisões
Plenárias, Decretos, Diretrizes, Estatutos, Leis, Regimentos e Resoluções:
A) Diretrizes Curriculares Nacionais do curso:
- Lei Federal nº 5.194, de 24 de dezembro de 1966: regula o exercício
das profissões de Engenheiro, Arquiteto e Agrônomo.
- Resolução CONFEA nº 218, de 29 de junho de 1973: discrimina
atividades das diferentes modalidades profissionais da Engenharia, da
Arquitetura e da Agronomia.
- Lei de Diretrizes e Base da Educação Nacional ­ LDB (Lei no
9.394/96): estabelece as diretrizes e bases da educação nacional.
- Resolução CONFEA nº 427, de 5 de março de 1999: discrimina as
atividades profissionais do engenheiro de controle e automação, o
desempenho das atividades 1 a 18 do art. 1º da Resolução CONFEA n o
218, de 29 de junho de 1973.
- Parecer CNE/CES no 1.362/2001, aprovado em 12 de dezembro de
2001: define Diretrizes Curriculares dos cursos de Engenharia.
- Resolução CNE/CES no 11, de 11 de março de 2002: institui
Diretrizes Curriculares Nacionais dos cursos de Graduação em
Engenharia.
- Parecer CNE/CES no 108/2003, aprovado em 7 de maio de 2003:
analisa a "Duração de cursos presenciais de Educação Superior".

61

- Decisão Plenária no PL-0087/2004, de 30 de abril de 2004, do
Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia
(CONFEA): oficializa às Instituições de Ensino Superior e aos
Conselhos Regionais a carga mínima estabelecida para os cursos de
graduação.
- Decreto da Presidência da República nº 5.622, de 19 de dezembro
de 2005: Regulamenta o art. 80 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de
1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional.
- Resolução CNE/CES no 2, de 18 de junho de 2007: Dispõe sobre
carga horária mínima e procedimentos relativos à integralização e
duração dos cursos de graduação, bacharelados, na modalidade
presencial.
- Decisão Plenária no PL-0575/2010, de 24 de maio de 2010, do
Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia
(CONFEA): homologa o cadastramento do Curso de Graduação
Engenharia Física oferecido pela Universidade Federal de São Carlos,
em São Carlos-SP, concedendo aos seus egressos o título de
ENGENHEIRO DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO (Código 121-03-00) e
com as atribuições do art. 1º da Resolução CONFEA nº 427, de 5 de
março de 1999, referentes somente ao controle e automação de
equipamentos e processos, e restrição das atividades 01 a 05 do art. 1º
da Resolução CONFEA nº 218, de 29 de junho de 1973.
B) Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação das Relações étnico-raciais
e para o Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Indígena:
- Resolução CNE/CP nº 1, de 17 de junho de 2004: Institui Diretrizes
Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e
para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana.
- Lei Federal nº 11.645, 10 de março de 2008: Altera a Lei no 9.394,
modificada pela Lei no 10.639, que estabelece as diretrizes e bases da
educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a
obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira e
Indígena.
Aspectos relacionados ao exposto na resolução e Lei Federal
supracitada são abordados em diversas disciplinas de Núcleo Livre oferecidas na
Universidade Federal de Goiás, nas quais os alunos poderão se inscrever, conforme
mencionado no item 4.6. Os alunos devem obrigatoriamente cursar 128 horas em
disciplinas de Núcleo Livre para a integralização curricular (Tabelas 1 e 3 do item
10).
O aspecto humanístico durante a formação de nossos estudantes não é
negligenciado. Na grade do curso, especificamente nas disciplinas: "Administração",
"Economia", "Engenharia de Segurança", "Estágio", "Evolução das Ideias da Física",
"Física e Meio Ambiente" e "Introdução à Engenharia Física" são oferecidas
oportunidades para que os professores e seus alunos contextualizem o
desenvolvimento da Física, e das ciências de uma maneira geral, e analisem suas
implicações econômicas, ambientais, sociais, morais e éticas. A oportunidade de se
discutir estas questões não se restringe, porém, ao ambiente formal de disciplinas
específicas. Em várias oportunidades e na apresentação e discussão de temas
próprios da Física, as questões humanísticas, sociais e filosóficas são recorrentes ao
longo do curso.
C) Disciplina LIBRAS:
62

- Decreto da Presidência da República nº 5.626, de 22 de dezembro
de 2005: Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que
dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS, e o art. 18 da Lei
no 10.098, de 19 de dezembro de 2000.
Para atender o decreto citado acima, incluiu-se a disciplina "Introdução
à Língua Brasileira de Sinais ­ LIBRAS" com carga horária semestral de 64 horas e
ofertada pela Faculdade de Letras (FL) da UFG, como integrante do núcleo de
disciplinas específicas, sendo de natureza optativa, conforme exposto no item 4.6 e
listada na Tabela 2 das disciplinas optativas (item 10). A ementa refere a disciplina
com número 73 incluída no item 10.1.3.
D) Políticas de educação ambiental:
- Lei Federal nº 9.795, 27 de abril de 1999: Dispõe sobre a educação
ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá
outras providências.
- Resolução CNE/CP nº 2, de 15 de junho de 2012: Estabelece as
Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental.
No que se refere à educação ambiental, o curso de Engenharia Física
contempla essa dimensão em grande parte das disciplinas de núcleo comum e
específicas relacionadas a Física e Química, por serem ciências da natureza. A
medida que os conteúdos são apresentados é imprescindível discutir esses aspectos
e na resolução/solução de inúmeros problemas (tanto de física quanto química) são
levados em consideração inúmeros exemplos relacionados ao meio em que vivemos.
Pode-se destacar as disciplinas de números 01, 09, 11 ­ 13, 16 ­ 17, 20, 22 ­ 34, 41
­ 43, 49, 52 ­ 59, 61 ­ 63, 65 e 68, listadas na Tabela 1 e no ementário no item 10.
Assim, essa vertente também permeia várias disciplinas do currículo. Inclusive, há
uma disciplina que trata de vários aspectos ambientais, cujo nome é "Física e Meio
Ambiente" e inclui vários tópicos relacionados à Biologia, Geografia e Geologia,
conforme citado no item 4.6 e listada na Tabela 1. Enfim, todo o conteúdo da
disciplina "Física e Meio Ambiente" (disciplina com número 24 incluída no item
10.1.2) contempla o que determina a Lei e a Resolução supracitadas. Sem sombra
de dúvidas, profissionais formados com o perfil do curso de Engenharia Física darão
contribuições científicas e tecnológicas relevantes para a melhoria da qualidade de
vida de nossa sociedade, desenvolvendo ou melhorando tecnologias e processos
empregados em fábricas, indústrias, centro de pesquisas, universidades, entre
outros.
E) Diretrizes para a realização de estágio:
- Lei Federal nº 11.788, de 25 de setembro de 2008: dispõe sobre
estágio de estudantes de estabelecimentos de ensino regular em
instituições de educação superior, de educação profissional, de ensino
médio, da educação especial e dos anos finais do ensino fundamental,
na modalidade profissional da educação de jovens e adultos e dá
outras providencias.
- Resolução CEPEC no 766/2005, de 6 de dezembro de 2005:
disciplina os estágios curriculares obrigatórios e não obrigatórios dos
Cursos de Bacharelado e Específicos da Profissão na Universidade
Federal de Goiás.
- Resolução CEPEC no 880/2008, de 17 de outubro de 2008: altera a
Resolução CEPEC no 766/2005.
Os itens 6.1 e 6.2 contemplam as políticas para a realização de estágio
curricular obrigatório e não obrigatório pelos alunos do curso de graduação em
63

Engenharia Física, estando em consonância com a Lei Federal no 11.788 e as
resoluções CEPEC/UFG nos 766 e 880. Os textos constantes nos itens 6.1 e 6.2
foram previamente avaliados pela Coordenação de Estágios da PROGRAD/UFG.
E) Regimento, Estatuto, Resolução e Regulamento Geral dos Cursos de
Graduação da UFG:
- Regimento da Universidade Federal de Goiás, aprovado em
Reunião conjunta dos Conselhos Superiores da Universidade:
Universitário, Coordenador de Ensino e Pesquisa e de Curadores,
realizada no dia 01 de novembro de 1995.
- Estatuto da Universidade Federal de Goiás, aprovado pela Portaria
nº 522 de 27 de março de 2003, do Ministério da Educação.
- Resolução CONSUNI/UFG no 23/2012, de 28 de setembro de 2012:
cria o Curso de Graduação em Engenharia Física ­ grau acadêmico
Bacharelado, no Instituto de Física, a partir do ano letivo de 2013.
- Resolução CEPEC no 1122/2012, de 9 de novembro de 2012:
aprova o novo Regulamento Geral dos Cursos de Graduação da
Universidade Federal de Goiás.

64