Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo

Maria Lúcia Solera

Avaliação de técnicas da bioengenharia de solos para proteção de
taludes: estudo de caso para aplicação nas encostas do
reservatório da barragem da UHE Engº Sergio Motta, Rio Paraná,
SP/MS.

São Paulo
2010

Maria Lúcia Solera

Avaliação de técnicas da bioengenharia de solos para proteção de taludes: estudo
de caso para aplicação nas encostas do reservatório da barragem da UHE Engº
Sergio Motta, Rio Paraná, SP/MS.

Dissertação
de
Mestrado
apresentada
ao
Instituto
de
Pesquisas Tecnológicas do Estado
de São Paulo para obtenção do título
de Mestre em Tecnologia Ambiental.
Data da Aprovação ____/____/____
_____________________________
Prof. Dr. José Luiz Albuquerque
Filho (orientador)
Instituto de Pesquisas Tecnológicas
do Estado de São Paulo
Membros da Banca Examinadora:
Prof. Dr. José Luiz Albuquerque Filho (Orientador)
IPT ­ Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo
Prof. Dr. Lindolfo Soares (Membro)
Escola Politécnica ­ Departamento de Engenharia de Minas e Petróleo ­
Universidade de São Paulo
Prof. Dr. Marcio Augusto Rabelo Nahuz (Membro)
IPT ­ Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo

Maria Lúcia Solera

Avaliação de técnicas da bioengenharia de solos para proteção de taludes: estudo
de caso para aplicação nas encostas do reservatório da barragem da UHE Engº
Sergio Motta, Rio Paraná, SP/MS.

Dissertação
de
Mestrado
apresentada
ao
Instituto
de
Pesquisas Tecnológicas do Estado
de São Paulo para obtenção do título
de Mestre em Tecnologia Ambiental.
Área de
Ambiental

Concentração:

Orientador: Prof.
Albuquerque Filho

São Paulo
Maio/2010

Dr.

Gestão

José

Luiz

Ficha Catalográfica
Elaborada pelo Departamento de Acervo e Informação Tecnológica ­ DAIT
do Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo ­ IPT
S685a

Solera, Maria Lúcia
Avaliação de técnicas da bioengenharia de solos para proteção de taludes: estudo
de caso para aplicação nas encostas do reservatório da barragem da UHE Eng. Sergio
Motta, Rio Paraná, SP/MS. / Maria Lúcia Solera. São Paulo, 2010.
71p.
Dissertação (Mestrado em Tecnologia Ambiental) - Instituto de Pesquisas
Tecnológicas do Estado de São Paulo. Área de concentração: Gestão Ambiental.
Orientador: Prof. Dr. José Luiz Albuquerque Filho

1. Estabilidade de taludes 2. Erosão 3. Reservatório 4. Porto Primavera 5.
Bioengenharia de solos 6. Tese I. Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de
São Paulo. Coordenadoria de Ensino Tecnológico II. Título
10-50

CDU

624.137.2(043)

DEDICATÓRIA

A memória do meu pai (Antonio Solera)

AGRADECIMENTOS
A Deus, à minha mãe Maria Helena e irmã Maria Cristina.
Ao Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo pela oportunidade
da realização do mestrado.
À CESP ­ Companhia Energética de São Paulo, por intermédio da gerência do
Projeto de P&D da CESP ­ Código ANEEL 0061-013/2006 "Estudo de alternativas
de proteção para o controle de erosão nas margens do reservatório da UHE Engo
Sergio Motta (Porto Primavera)", geóla Silvia Maria Kitahara, por autorizar consulta
aos relatórios técnicos de monitoramento das encostas marginais do reservatório da
barragem da UHE de Porto Primavera e pela revisão e comentários que
enriqueceram o conteúdo desta dissertação.
A ANEEL ­ Agência Nacional de Energia Elétrica, por meio do Programa de
Pesquisa e Desenvolvimento do Setor de Energia Elétrica.
Ao Prof. Dr. José Luiz Albuquerque Filho, pela orientação.
Aos membros da banca examinadora Prof. Dr. Lindolfo Soares e Prof. Dr. Marcio
Augusto Rabelo Nahuz.
Ao geól o Dr. Adalberto Aurélio Azevedo, coordenador pelo IPT do Projeto de P&D da
CESP, pelos comentários tecidos e sugestões valiosas.
À Profa Edna, pelo apoio incondicional nas revisões das referências bibliográficas.
Ao Prof. Dr. Nilson Franco e Prof. Dr. Rubens Dias Rumphreys pelo apoio durante o
desenvolvimento desta dissertação.
À amiga, Alessandra, geóloga, pelos esclarecimentos na área da geologia, pelo
apoio e pelas palavras de incentivo nos momentos difíceis.
A Prof. Dra. Amarílis L. C. F. Gallardo, pela amizade de sempre.
Ao amigo Aroldo, técnico do IPT, por sua atenção sempre que solicitada.
A todos os colegas do IPT e da CESP que, direta ou indiretamente, estiveram
envolvidos com esta dissertação.

RESUMO
A barragem de Porto Primavera, localizada no rio Paraná, na divisa entre os
estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul, tem como principal fator de
instabilização de taludes o processo erosivo decorrente da ação dos ventos no
espelho de água do reservatório, que provoca a formação de ondas que impactam
os taludes com grande energia. O processo erosivo nos taludes marginais de
reservatórios formados pelas barragens das hidrelétricas, provoca recuo de
margens, considerado um problema ambiental bastante sério, pois, destrói áreas de
encostas e o que nelas existem, mobilizando, por vezes, grandes volumes de
material para o interior do reservatório. Em porções da margem direita do
reservatório (Estado do Mato Grosso do Sul), a erosão é facilitada pela baixa coesão
dos sedimentos colúvio-aluvionar, que possuem menor resistência ao embate de
ondas. Na margem esquerda (Estado de São Paulo), a existência desses
sedimentos e do arenito Caiuá, pertencente à formação geológica denominada de
Grupo Bauru, apresenta coesão variada, proporcionando resistência diferenciada ao
embate de ondas. Com o intuito de ampliar o conhecimento técnico sobre processos
de erosão de encostas em reservatórios, como o formado pela barragem de Porto
Primavera e, minimizar o efeito das ondas nos taludes, foi desenvolvido pelo IPT ­
Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo e será implantado pela
CESP ­ Companhia Energética de São Paulo, conforme regulamentações da
ANEEL ­ Agência Nacional de Energia Elétrica, por meio do Programa de Pesquisa
e Desenvolvimento do Setor de Energia Elétrica, o Projeto ANEEL 0061-013/2006
"Estudo de alternativas de proteção para o controle de erosão nas margens do
reservatório da UHE Engº Sergio Motta (Porto Primavera)", dentro do qual se insere
este trabalho de pesquisa. O objetivo do presente estudo foi pesquisar e analisar
técnicas alternativas de proteção possíveis de serem instaladas em taludes de
encostas de reservatórios formados por barragens tendo como critério de seleção,
aquelas que utilizam materiais naturais como pedra, madeira e plantas, com vistas a
oferecer a melhor relação custo-benefício do ponto de vista econômico e sócioambiental. Portanto, dentro do escopo do Projeto CESP/IPT/ANEEL, foi efetuada
ampla pesquisa bibliográfica nas áreas de bioengenharia de solos, tecnologia
utilizada na estabilização de taludes de terra e de encostas com vistas a identificar
técnicas existentes nesse campo de conhecimento já utilizadas em situações
similares no contexto internacional e nacional. Na discussão das técnicas
selecionadas passíveis de serem indicadas para aplicação no caso em estudo,
procurou-se analisar a possibilidade de consórcios com outras técnicas já
empregadas em áreas do reservatório da barragem de Porto Primavera.
Palavras-chave: Porto Primavera; reservatório; erosão; bioengenharia de solos;
proteção de encostas.

ABSTRACT
Assessment of soil bioengineering techniques for slope protection: a case
study for application on the slopes of the reservoir of the UHE Engo Sergio
Motta - Porto Primavera, Paraná River, SP/MS.
The UHE Engo Sergio Motta - Porto Primavera dam is located on the Paraná
River, in the border of the states of São Paulo and Mato Grosso do Sul. It has, as the
main factor for slopes instability, the erosion process caused by the waves formed by
wind action on the water surface which impact the slopes with great energy. The
erosion process in the foreshore slopes of reservoirs from hydroelectric power plants
is considered a serious environmental problem since it destroys the slopes and, as a
consequence, all the cover vegetation, carrying, most of times, large amounts of
material into the reservoir. On several locations of the right margin of the reservoir
(State of Mato Grosso do Sul), the erosion process is more intense due to the low
cohesion and consequent weakness of the soil of the coluvio-alluvial sediments,
resulting in low resistance to wave impact. On the other hand, at the left margin
(State of São Paulo), although the presence of those sediments and the sandstone
called "Arenito Caiuá", belonging to the geological formation known as the "Bauru
Group", the cohesion varies, but offers good resistance against the impact of the
waves. In order to improve the technical knowledge about erosion processes on
slopes of reservoirs, like the Porto Primavera, and to minimize the effects wave
impacts, IPT ­ Technological Research Institute of the State of São Paulo, in
association with CESP ­ Energetic Company of São Paulo, implemented the project
ANEEL 0061-013/2006 "Study of alternatives of protections for erosion control in the
margins of the reservoir of the UHE Sergio Motta (Porto Primavera)", within which
this research work was included. The objective of this study was to search and
analyze alternative techniques for shore protection, to be installed on the slopes
along the reservoir margins requiring, as selection criteria, the use of natural
elements such as stones, wood and plants, and which provided the best cost-benefit
ratio under the economic and socio-environmental points of view. To attend the
CESP/IPT/ANNEEL project objectives, an intense literature survey was conducted in
the areas of soil bioengineering and in technology used for land slope stabilization
and slopes, looking for identifying existing techniques in these fields of knowledge
that have already been used in similar situations in both national and international
contexts. In the discussion of the most promising selected techniques care was taken
in order to analyze the possibility of association of them with the ones already
employed for shore protection on the reservoir.
Keywords: Porto Primavera, reservoir, erosion, bioengineering, slopes

Lista de Ilustrações
Figura 1
Figura 2
Figura 3
Figura 4
Figura 5
Figura 6
Figura 7
Figura 8

Figura 9
Figura 10

Figura 11
Figura 12
Figura 13
Figura 14
Fotografia 1
Fotografia 2
Fotografia 3
Fotografia 4
Fotografia 5
Fotografia 6
Fotografia 7
Fotografia 8
Fotografia 9
Fotografia 10
Fotografia 11
Fotografia 12
Fotografia 13
Fotografia 14
Fotografia 15
Fotografia 16

-Mapa
simplificado
das
unidades
geológicas
e
geomorfológicas.
-Esquema do comportamento das encostas frente ao
processo erosivo.
-Diagrama esquemático do material e aplicação da
tecnologia Bioengenharia de Solos.
China 28 a.C. reparo de diques.
-China China séc. XX ­ Transporte de feixes vivos de
vegetação.
-Efeitos de uma árvore sobre um talude fluvial.
-Live Stakes: (a) estacas mortas resistentes; (b) rolos de
coco; (c) estacas vivas.
-Live Live Fascine: (a) fardos de ramos vivos; (b) estacas vivas;
(c) estacas mortas resistentes; (d) reaterro de solo úmido; (e)
geotextil: (g) ramos de feixes vivos; (g) cordas..
-Brush Layering: (a) cortes vivos de plantas; (b) material de
preenchimento solo compactado.
-Branch Packing: (a) chumaço de raízes; (b) cortes vivos de
plantas; (c) material de preenchimento compactado; (d)
estacas vivas.
-Live Cribwalls: (a) cortes de ramos vivos; (b) material de
preenchimento compactado; (c) geotextil; (d) enrocamento.
-Geogrelha vegetada: (a) geotextil; (b) estaca rígida morta;
(c) camada de solo compactado; (d) ramos vivos.
-Simulação do emprego de uma Parede Krainer.
-Simulação do emprego de uma Parede Krainer.
-Ilhotas flutuantes "camalotes".
-Taboas (Typha sp., 2007).
-Processo erosivo na margem esquerda (SP).
-Processo erosivo nos paredões de arenito por ação
constante do embate de ondas.
-Processo erosivo na margem direita no município de
Anaurilândia (MS).
-Processo erosivo no Paredão das Araras na margem
direita (MS), à montante do rio Verde.
-Foz do rio Pardo. Margem direita (MS) com baixo recuo e
talude praticamente estável.
-Proteções diretas flexíveis: enrocamento arrumado.
-Proteções diretas flexíveis: colchões articulados de
concreto.
-Proteções diretas rígidas: painéis de concreto armado.
-Proteções diretas rígidas: painéis de concreto rígido com
elementos drenante.
-Proteções indiretas: enchimento de espigão de
enrocamento com pilares de madeira no rio Arkansas.
-Proteções indiretas: espigões de madeira no rio Missouri.
-Proteções indiretas: diques laterais em cerca de madeira.
-Proteções indiretas: diques de madeira.
-Anteparo de sacos de areia.

21
25
40
41
41
51
56
57

57
58

58
59
62
62
20
20
27
27
28
28
29
32
32
32
32
32
32
33
33
34

Fotografia 17
Fotografia 18
Fotografia 19
Fotografia 20
Fotografia 21
Fotografia 22
Fotografia 23
Fotografia 24
Fotografia 25
Fotografia 26
Fotografia 27
Fotografia 28
Fotografia 29
Fotografia 30
Fotografia 31
Fotografia 32
Fotografia 33
Fotografia 34
Fotografia 35
Fotografia 36
Fotografia 37
Fotografia 38
Fotografia 39
Fotografia 40
Quadro 1
Quadro 2
Quadro 3
Quadro 4
Quadro 5

-Anteparo de aço e dormentes.
-Anteparo de concreto usado.
-Anteparo de pneus usados.
-Anteparo de pneus inservíveis.
-Anteparo de tubo de polietileno (Tubo Longard).
-"Quebra-ondas" utilizando pneus ­ Reservatório de
Paraibuna, Estado de São Paulo.
-"Tapete" de pneus - Reservatório de Paraibuna, Estado de
São Paulo.
-Talude protegido por gabião tipo "colchão reno".
-Bolsacreto na proteção de talude (Presidente Epitácio, SP).
-"Proteção" com galhadas sustentadas por pilotis.
-"Proteção" de paliçada com mourões.
-"Proteção" com pilotis de madeira e pneus preenchidos
com solo.
-"Proteção" com sacos de areia.
-"Proteção" de solocimento.
-Live Cribwall: estabilização de margem no rio Kenai
(Alaska).
-Geogrelhas vegetadas: restauração do ambiente aquático
e da qualidade da água em Portland, Oregon.
-Margem erodida em janeiro de 2003.
-Margem recuperada em agosto de 2005.
-Instalação do biotêxtil e retentores de sedimentos (a); 30
dias após (b); 60 dias após (c) e 90 dias após (d).
-Cribwall de madeira instalado na margem do reservatório
da UHE Volta Grande.
-Retentores orgânicos de sedimentos instalados na margem
do reservatório da UHE Volta Grande.
-Geotêxtil misto (sintético e orgânico) instalado na margem
do reservatório da UHE Volta Grande.
-Talude erodido na margem direita do reservatório (MS).
-Talude erodido na margem direita do reservatório (MS).
-Principais tipos de proteção de margens.
-Quadro resumo da história da bioengenharia de solos.
-Aplicações da bioengenharia de solos.
-Principais formas de plantio utilizadas na bioengenharia de
solos.
-Efeitos hidrológicos e mecânicos da vegetação

34
34
34
34
34
35
35
36
36
37
37
37
37
38
43
44
45
45
46
47
48
48
62
62
31
42
49
52
53

SUMÁRIO
p
1 INTRODUÇÃO...................................................................................................... 11
2 OBJETIVOS.......................................................................................................... 13
2.1 Objetivo Geral ..............................................................................................................13
2.2 Objetivos Específicos ..................................................................................................13
3 ETAPAS DA PESQUISA...................................................................................... 14
3.1 Atividades Desenvolvidas ...........................................................................................14
4 ASPECTOS GERAIS DA BARRAGEM E DO RESERVATÓRIO DE PORTO
PRIMAVERA ....................................................................................................... 15
4.1 Geologia, Geomorfologia, Declividade e Cobertura Vegetal .....................................16
4.1.1
4.1.2
4.1.3
4.1.4

Geologia....................................................................................................... 16
Geomorfologia.............................................................................................. 17
Declividade do Relevo ................................................................................. 17
Aspetos Gerais da Cobertura Vegetal.......................................................... 18

5 ASPECTOS GERAIS DA EROSÃO ..................................................................... 22
5.1 Erosão por Embate de Ondas no Reservatório da Barragem de Porto Primavera..24
6 PROTEÇÃO DE MARGENS................................................................................. 30
6.1 Técnicas de Proteção..................................................................................................30
6.2 Proteção de Margens no Reservatório da Barragem de Porto Primavera ...............35
7 BIOENGENHARIA DE SOLOS ............................................................................ 39
7.1
7.2
7.3
7.4

Histórico .......................................................................................................................41
Bioengenharia de Solos no Mundo e no Brasil ..........................................................42
Aplicações da Bioengenharia de Solos ......................................................................48
Função da Vegetação na Bioengenharia de Solos....................................................50

8 MÉTODOS DE PROTEÇÃO E TÉCNICAS DE BIOENGENHARIA DE SOLOS . 55
9 CONSIDERAÇÕES GERAIS................................................................................ 60
10 CONCLUSÃO E RECOMENDAÇÕES ................................................................. 63
REFERÊNCIAS.......................................................................................................... 65
APÊNDICE ................................................................................................................ 69

11

1

INTRODUÇÃO

A construção de uma barragem para fins hidrelétricos gera diferentes impactos
ambientais, positivos e negativos, associados a alguma de suas características
como tamanho (área de inundação), volume de água, vida útil projetada para o
reservatório, tempo de retenção do reservatório, localização geográfica etc.
Nesse contexto, a erosão está entre os impactos ambientais negativos gerados com
a instalação de empreendimentos hidrelétricos. O impacto da erosão pode levar ao
assoreamento do corpo d'água e à degradação das encostas marginais do
reservatório, quando existe a possibilidade de movimentos de massa pelo
desenvolvimento de ondas no lago (STEIN et al., 1994).
Os processos erosivos também geram impactos negativos em Áreas de Preservação
Permanente (APP), comprometem a qualidade das águas, provocam recuo das
margens com consequente perda de terras férteis e afetam ecossistemas aquático e
terrestre.
Em reservatórios destinados à geração de energia elétrica, o assoreamento, a partir
do transporte de sedimentos, tem influência direta na redução da vida útil do
empreendimento, reduzindo o volume de água acumulado como também tem
implicações sobre as estruturas com o aumento de pressão na barragem, corrosão
dos canais de adução e fuga, pás das turbinas e obstrução do sistema de
refrigeração (MÜLLER, 1995).
No caso do reservatório da barragem da UHE Engº Sergio Motta (Porto Primavera),
tem-se como principal processo de instabilização de suas margens a erosão que
ocorre devido às encostas serem altamente susceptíveis aos processos erosivos e
da área do espelho d'água proporcionar condições favoráveis ao desenvolvimento
de ondas.
À exceção do Paredão das Araras, na margem direita (MS) do reservatório,
constituída pelo arenito Caiuá, a erosão é facilitada pela baixa coesão dos
sedimentos arenosos do terraço colúvio-aluvionar e baixa declividade predominante
em praticamente toda sua extensão. A margem esquerda (SP), por sua vez,
apresenta maior resistência ao embate de ondas devido à maior exposição de
arenito mais coeso, favorável à estabilidade e às declividades variadas.

12

Para proteger e/ou conter os efeitos do embate das ondas, foram empregadas nos
taludes das encostas da área urbana e periurbana de Presidente Epitácio proteções
como gabião tipo "colchão reno" e bolsacreto. No entanto, observou-se que após
algum tempo, a proteção realizada com gabião necessitava de reparos localizados
devido ao rompimento, quer por ação de vandalismo quer decorrente da ação direta
das ondas sobre a estrutura.
No que tange a outros tipos de proteções, o Projeto CESP ­ Código ANEEL 0061013/2006 ­ "Estudo de alternativas de proteção para o controle de erosão nas
margens do reservatório da UHE Engo Sergio Motta (Porto Primavera)", possibilitou
a realização deste estudo na busca por alternativas tecnológicas com vistas a
minimizar os efeitos da erosão que afetam os taludes das encostas do reservatório
da barragem de Porto Primavera.
Nesse contexto, a realização desta pesquisa mostra alguns tipos de proteções de
margens inseridas na engenharia convencional e não-convencional e faz uma
reavaliação de algumas técnicas da bioengenharia de solos que se valem do uso de
materiais naturais como pedras, madeiras e plantas, utilizadas para estabilizar
taludes de terra e encostas, passíveis de serem praticadas em consórcio com outras
técnicas na proteção dos taludes das encostas do reservatório da barragem de Porto
Primavera.
Acredita-se que os resultados do estudo de caso realizado em Porto Primavera,
possam ser estendidos para outras situações de instabilizações de encostas
marginais de lagos e reservatórios. Ressalta-se, entretanto, a necessidade de
adequações às especificidades de cada local.

13

2

OBJETIVOS

Para esta pesquisa, os objetivos estão subdivididos em geral e específicos.
2.1

Objetivo Geral

Buscar alternativas de proteção/contenção de encostas para situação de erosão em
margens de reservatórios de barragens voltados a geração de energia elétrica,
tendo como estudo de caso os taludes das encostas do reservatório da barragem de
Porto Primavera, no rio Paraná, divisa entre os estados de São Paulo e Mato Grosso do
Sul.
2.2

Objetivos Específicos

Para atender o objetivo a que se propôs esta pesquisa, foi necessário o
cumprimento dos seguintes objetivos específicos:
a) efetuar investigações de campo para conhecimento das diferentes situações de
evolução da erosão nas encostas do reservatório para subsidiar proposições
quanto ao uso da bioengenharia de solos;
b) desenvolver pesquisa bibliográfica para caracterização do estado da arte de
técnicas da bioengeharia de solos;
c) efetuar levantamento bibliográfico acerca de estruturas de proteção da
engenharia convencional e não-convencional; e
d) analisar, de forma integrada, o uso de técnicas da bioengenharia de solos
consorciado a técnicas convencionais de proteção/contenção de encostas para
os taludes das encostas do reservatório da barragem de Porto Primavera.

14

3

ETAPAS DA PESQUISA

Para realização desta pesquisa, as atividades foram distribuídas em três etapas:
Na Etapa 1 foram definidos os objetivos deste estudo, realizada pesquisa bibliográfica
referente aos processos erosivos que afetam as encostas do reservatório da barragem
de Porto Primavera, local escolhido como estudo de caso, observações de campo feitas
em 2007 e 2008 e levantamento de dados relevantes de técnicas convencionais e da
bioengeharia de solos empregadas na proteção/contenção de margens que sofrem
processos erosivos. Em seguida, os dados foram examinados e organizados de modo a
transformarem-se

em

informações

pertinentes

ao

estudo

e

permitir

melhor

compreensão dos aspectos de interesse.
A Etapa 2 consistiu em elaborar uma síntese das informações disponíveis e a Etapa 3,
consistiu na compilação das etapas anteriores e elaboração desta dissertação.
3.1

Atividades Desenvolvidas

Para o desenvolvimento desta pesquisa buscaram-se as informações gerais
disponíveis sobre processos erosivos por embate de ondas, com foco nos processos
que atuam sobre os taludes das encostas marginais do reservatório da barragem de
Porto Primavera da Companhia Energética de São Paulo (CESP).
Também foi realizada pesquisa bibliográfica em artigos nacionais e internacionais,
dissertações de mestrado e teses de doutorado disponíveis, entre outros, na busca
por informações sobre estruturas de proteção que agregassem critérios ecológicos,
passíveis de serem empregados na estabilização dos processos erosivos, em
consórcio com outras técnicas nos taludes das encostas do reservatório da
barragem de Porto Primavera.
Além das pesquisas bibliográficas, foram realizadas visitas técnicas ao reservatório
da barragem de Porto Primavera que possibilitaram observar os processos erosivos
que atuam nos taludes das encostas marginais do reservatório.
Foram visitados trechos situados entre o ribeirão do Cateto, córrego Machado e os
rios Quiterói, Quiteroizinho e Três Barras, no município de Anaurilândia (MS) e
trechos situados entre Presidente Epitácio (SP) e a barragem de Jupiá, quando
foram observados tratamentos realizados com gabiões e bolsacreto nos taludes das
encostas da área urbana e periurbana de Presidente Epitácio.

15

4

ASPECTOS GERAIS DA BARRAGEM E DO RESERVATÓRIO DE PORTO
PRIMAVERA

A barragem de Porto Primavera está localizada no rio Paraná, 28 km à montante da
sua confluência com o rio Paranapanema. Possui comprimento total de 11.380 m,
sendo 1.004 m em barragem de concreto, com altura de 78,5 m e 10.376 m em
barragem de terra, com altura de 38 m.
O reservatório, formado por essa barragem, possui largura máxima aproximada
de 20 km, extensão de 250 km em direção à UHE de Jupiá e área inundada de
2.250 km2. O processo de enchimento do reservatório da barragem de Porto
Primavera ocorreu 18 anos após o início de sua construção, em junho de 1980 e,
consistiu em duas etapas, sendo a primeira até a cota 253,00 m, concluída em
dezembro de 1998 e a segunda até a cota 257,00 m, em março de 2001
(COMPANHIA ENERGÉTICA DE SÃO PAULO, 2008).
Ainda, segundo a CESP, com o enchimento do reservatório, 16 municípios foram
afetados em diversos graus. No extremo oeste do estado de São Paulo, os
municípios de Rosana, Teodoro Sampaio, Presidente Epitácio, Caiuá, Presidente
Venceslau, Panorama, Ouro Verde, Paulicéia, Santa Mercedes, São João do Pau
D'Alho e Castilho e, no sudeste do Mato Grosso do Sul, os municípios de
Anaurilândia, Bataguassú, Santa Rita do Pardo, Brasilândia e Três Lagoas.
Cabe ressaltar que os municípios diretamente afetados pela barragem, são aqueles
situados às margens do rio Paraná, identificados no mapa de localização
(Apêndice).

16

4.1

Geologia, Geomorfologia, Declividade e Cobertura Vegetal

Este capítulo aborda, de forma geral, a geologia e geomorfologia (Figura 1), a
declividade do relevo das margens do reservatório da barragem de Porto Primavera
e os aspectos gerais da cobertura vegetal.
4.1.1 Geologia
Regionalmente, a área de estudo insere-se no domínio das rochas sedimentares do
Grupo Bauru, constituídas pelas formações Caiuá, Santo Anastácio, Adamantina e
Marília e, depósitos cenozóicos do Grupo Bauru (ALMEIDA et al., 1980).
Segundo o Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo (2001a),
nas encostas do reservatório foram observados tipos litológicos diferentes
compondo os terraços e os tipos de feições erosivas presentes na área. Somente no
leito do rio, na área de implantação da barragem de Porto Primavera, nas
adjacências da Barragem de Jupiá e, entre esta e a região à jusante da foz do Rio
Aguapeí, em pequenos lajeiros, ocorrem basaltos da formação Serra Geral.
Os litotipos da Formação Caiuá estão representados por arenitos de finos a médios,
bem arredondados, coloração arroxeada típica, estratificações cruzadas de grande a
médio porte, com ocorrência local de cimento e nódulos carbonáticos e sedimentos
aluvionares cenozóicos (INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO
ESTADO DE SÃO PAULO, 2001a).
Quanto à estratigrafia das encostas do reservatório, esta apresenta constituição
diferenciada, ou seja, a margem esquerda (lado paulista) está constituída pelo
arenito Caiuá e seus solos de alteração e depósitos de terraços aluvionares e
coluvionares, com relevo de colinas pequenas, médias e amplas, alongadas e
suavemente onduladas e relevo de terraços, enquanto que na margem direita (lado
sulmatogrossense), predominam os depósitos dos terraços aluvionares do rio
Paraná e de seus afluentes e os depósitos coluvionares, sendo que o arenito Caiuá,
apresenta grande exposição somente na região do Paredão das Araras e aflora de
modo

esparso

à

montante

do

rio

Verde

(INSTITUTO

DE

PESQUISAS

TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO, 2001a).
No geral, a geologia está composta por arenitos finos a médios da Formação Caiuá
e por depósitos aluvionares do rio Paraná e de seus afluentes, apresentando pouca

17

matriz silto-argilosa, cimentação predominantemente ferruginosa e coloração
arroxeada a avermelhada. Os depósitos aluvionares são predominantemente
arenosos, inconsolidados, com intercalações de níveis areno-argilosos, argiloarenosos e/ou cascalho, por vezes com cimentação limonítica, denominados de
conglomerados limoníticos (INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO
ESTADO DE SÃO PAULO, 2004).
4.1.2 Geomorfologia
Na área do reservatório, estão identificadas três unidades geomorfológicas: Planalto
Rebaixado do Paraná, Planície Fluvial do rio Paraná e Planície Fluvial dos Afluentes
do rio Paraná (THEMAG; ENGEA; UMAH; 1993, apud AZEVEDO; SIQUEIRA;
GARCIA, 2002).
A unidade geomorfológica do Planalto Rebaixado do Paraná, sustentada pelo
arenito Caiuá e seus solos de alteração é constituída por relevo de colinas amplas e
subordinadamente

por

colinas

médias

e

pequenas,

enquanto

a

unidade

geomorfológica das Planícies Fluvial do rio Paraná e dos seus afluentes está
representada por terraços e planícies de inundação, apresentando relevo de plano a
levemente ondulado, confundindo-se localmente com os relevos de colinas amplas
das regiões adjacentes (INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO
ESTADO DE SÃO PAULO, 2006).
4.1.3 Declividade do Relevo
Segundo Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo (2001b,
2006), a declividade das encostas do reservatório apresenta variações, tanto na
margem esquerda quanto na direita.
A declividade é um importante fator que permite analisar as variações da inclinação
do terreno associando-a as formas de relevo e às características dos materiais
constituintes das encostas, permite identificar áreas com maior ou menor
susceptibilidade ao escoamento superficial e aos processos erosivos e, associar as
áreas às características de seus materiais constituintes, às formas de relevo e aos
processos erosivos presentes em cada uma delas.
Em Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo (2004), a margem
esquerda (SP) apresenta maior variação na declividade do relevo, com passagem

18

gradual de colinas pequenas a médias, alongadas e suavemente onduladas para
colinas amplas a planas, até atingir terrenos representados por terraços, cujo relevo
é muito plano. As declividades das encostas da margem esquerda variam entre 6o e
15o até 20o e 35o, com alguns trechos acima de 35o.
A margem direita (MS) apresenta menor variação na declividade, com predomínio de
relevo plano, levemente ondulado, com exceção da região do Paredão das Araras,
caracterizado por um relevo suave, de colinas amplas e topos aplainados. As
encostas da margem direita apresentam declividades, predominantemente, menores
que 3o e variam entre 3o e 6o, atingindo ângulos de até 20o e 30o, em locais
específicos, onde ocorrem escarpas muito íngremes, como o Paredão das Araras,
anteriormente citado (INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO
DE SÃO PAULO, 2004).
No reservatório, segundo Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São
Paulo (2004), onde as encostas são constituídas por materiais arenosos
inconsolidados dos terraços aluvionares e/ou coluvio-aluvionares, cujas declividades
são maiores que 3º, a tendência é dos taludes evoluírem até a estabilização final,
resultando em ângulos muito baixos, próximos daqueles verificados em praias, cujas
relações H:V são da ordem de 1:20, mesmo para taludes com declividade pouco
superior a 3º.
Ainda em Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo (2004), nas
situações em que há ocorrência do arenito, as diferenças encontram-se nas
variações das propriedades geotécnicas, ou seja, quando este apresenta coesão de
baixa a média, o ângulo de estabilidade final varia amplamente. Foram observados
valores médios da relação H:V de 1:15 e 1:10 para arenitos com baixa e média
coesão, respectivamente.
4.1.4 Aspetos Gerais da Cobertura Vegetal
Na região do Pontal do Paranapanema, os remanescentes secundários da
vegetação original estão representados por fragmentos da Floresta Estacional
Semidecidual, cujo conceito ecológico está condicionado ao clima de duas estações
bem definidas (seca e chuvosa), ocorrendo a estacionalidade foliar dos elementos
arbóreos dominantes.

19

Nesse tipo de vegetação, a porcentagem das árvores caducifólias, que perdem as
folhas durante o período seco, no conjunto florestal e não das espécies como
indivíduos, situa-se entre 20 e 50%.
Além dos fragmentos da Floresta Estacional Semidecidual, o Cerrado também está
representado por espécies adaptadas a ambientes secos, podendo ocorrer em
ambientes mais úmidos (SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE, 2001).
Atualmente, na região do Pontal do Paranapanema, esta formação florestal se encontra
praticamente extinta e, os poucos remanescentes estão descaracterizados ou em
estágio inicial de regeneração, sob forte influência antrópica.
Como parte da cobertura vegetal, existe na região, extensas áreas voltadas às
atividades agropastoris e áreas destinadas ao reflorestamento com espécies nativas
da Floresta Estacional Semidecidual e do Cerrado, tanto em áreas do Estado do
Mato Grosso do Sul quanto do Estado de São Paulo, que tem como principal
finalidade a compensação ambiental decorrente da implantação da barragem.
Cabe ressaltar que o reflorestamento também exerce a função de proteger as
encostas de reservatórios e aumentar sua vida útil. Porém, no caso do reservatório
da barragem de Porto Primavera, o reflorestamento realizado, diretamente nas
encostas do reservatório, foi suprimido devido o solapamento ocasionado pelo
embate constante de ondas na base do talude, deixando de exercer essa função.
A região, também se apresenta como uma grande bacia de alagamento, compondo
os "varjões", que são extensas faixas de várzea do rio do Peixe, de grande valor
ecológico. As áreas alagáveis da Bacia do Paraná, tem como vegetação inúmeras
macrófitas aquáticas (TRAVASSOS, 2001), que compõe a paisagem, formando
ilhotas flutuantes, denominadas de "camalotes" e as taboas (Typha sp.) entre os rios
Pardo e Taquaruçu, conforme mostram as Fotografias 1 e 2, respectivamente.
Nas áreas onde a vegetação é mais densa e arbórea, têm-se os cursos d'água
acompanhados pelas matas ciliares, que se apresentam como fragmentos da
vegetação original de Mata Atlântica, com a função de regular e estabilizar as
margens dos cursos d'água, contribuindo para a sobrevivência e manutenção do
fluxo gênico entre populações de espécies animais e vegetais que habitam as faixas
ciliares ou mesmo fragmentos florestais maiores por elas conectados.

20

Fotografia 1 ­ Ilhotas flutuantes "camalotes".
Fonte: autora (2008).

Fotografia 2 ­ Taboas (Typha sp., 2007).
Fonte: autora (2008).

21

UHE-JUPIÁ
E=380000

N=7700000

E=340000

N=7660000

52°15'

N=7620000

PRESIDENTE VENCESLAU

N=7580000
E=420000

E=300000

Bataguassu

QUEBRACHO

N=7540000
380

390

UHE
PORTO
PRIMAVERA

ROSANA
LEGENDA
Formação Adamantina
arenitos finos, siltitos e lamitos intercalados em
delgadas lentes
Formação Santo Anastácio
maciços, homogêneos, com incipientes planos de
estratificação cruzada
Formação Caiuá
arenitos finos a médios, com notável estratificação
cruzada

Baixo terraço
areia lavada com delgada camada de cascalho

Formação Serra Geral
basaltos maciços ou vesículo-amigdaloidais

Terraço intermediário
areias médias a grossas, com nível basal de
cascalho grosso
Terraços superiores
areias médias e grossas com nível basal de
conglomerado
Áreas úmidas dentro dos terraços caracterizando
baixios encharcados, com ocorrência de areias
quartzosas lavadas

Planície de inundação
areias finas, siltes e argilas, com ou sem camada
basal de cascalho

Planícies fluviais dos afluentes:
incluem terraços e planícies de inundação

Figura 1 ­ Mapa simplificado das unidades geológicas e geomorfológicas.
Fonte: Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo (2001).

22

5

ASPECTOS GERAIS DA EROSÃO

Para melhor compreender os processos do meio físico que envolvem a construção
de barragens voltadas à geração de energia elétrica, este capítulo faz uma
abordagem geral dos conceitos de erosão apresentados por alguns autores, seja
pela ação da água ou do vento.
Os processos do meio físico são entendidos como o desenvolvimento e sucessão de
fenômenos, potencializados pela interação de componentes materiais e tipos de
energia, podendo ser deflagrado, acelerado ou retardado por agentes físicos,
químicos e biológicos ou humanos (FORNASARI FILHO; BITAR, 1995).
Segundo Stein et al. (1994), existem dois grupos de fatores considerados principais
condicionantes da erosão: os naturais ­ ligados à natureza do solo, à morfologia do
terreno e ao clima; e os antrópicos ­ considerados pela interação dos fatores do uso
do solo, manejos e práticas conservacionistas.
Pela ação combinada da gravidade com a água, vento, gelo e organismos ­ plantas
e animais, a erosão desagrega e remove as partículas do solo ou de fragmentos e
partículas de rocha (SALOMÃO; IWASA, 1995 apud INFANTI JUNIOR; FORNASARI
FILHO, 1998, cap.9, p.134).
Segundo Fornasari Filho et al. (1992), nesse processo, podem ser consideradas as
ações de fluxos d'água, embate de ondas e de oscilações de nível d'água em áreas
marginais, continentais e costeiras.
A erosão por ação da água resulta do desgaste abrasivo ou desagregação por
embate da água sobre um substrato mineral. Ela destrói as camadas férteis dos
solos agrícolas, especialmente, nos períodos que compreendem o preparo para o
cultivo e deposita o material erodido em várzeas, nos leitos dos rios e em
reservatórios, interferindo de forma direta nas suas funções (MÜLLER, 1995).
Para a Tennessee Valley Authority (2008), as margens de cursos d'água e encostas
estão sempre condicionadas à variação do processo natural de erosão, onde o solo
erodido transportado é depositado em outro local e que, em certas condições, a
velocidade da erosão pode aumentar, destacando-se como causas a remoção da
cobertura vegetal; aumento da vazão dos rios; ação das ondas provenientes dos
ventos e do movimento de embarcações.

23

Ao longo de reservatórios, pela ação das ondas, a erosão se revela, sendo
intensamente condicionada pelos tipos de materiais que constituem suas margens e
pela energia das ondas (MARQUES FILHO et al., 1998).
De acordo com Fendrich (1979, apud MÜLLER, 1995, p.147), o efeito físico dos
ventos que formam as ondas é um fenômeno que ocorre devido à ação contínua e
direcionada do vento sobre a superfície das águas, ou seja, a formação de ondas é
o resultado da atuação de forças tangenciais entre o vento e a água, em atuação
combinada com diferenças de pressão atmosférica sobre a superfície dos
reservatórios.
A turbulência das correntes eólicas faz surgir pequenas ondas que vão aumentando
de altura e comprimento, impulsionadas pela ação contínua do vento em sua parte
superior até atingir velocidades aproximadas às dos ventos (FENDRICH, 1979, apud
MÜLLER, 1995, p.148).
O efeito físico das ondas dependerá da força (energia acumulada) com que essa irá
bater no obstáculo, a qual está sujeita à velocidade do vento e do espaço (pista de
vento) existente no reservatório para gerar a onda (fetch1) (MÜLLER, 1995).
Ainda segundo Müller (1995), a força de embate das ondas provoca uma
desagregação do solo, combinando: o meio mecânico, que influi no peso da massa
líquida contra o obstáculo; a erosão superficial, que é o retorno da água que se
constituiu no acréscimo de onda, que com seu embate acabou sendo lançada sobre
o solo; a solifluxão ou deslizamento de encosta, originada pelo encharcamento e
saturação dos solos umedecidos pelas ondas que excedem os taludes e,
solapamento, gerado pelas correntes de retorno interno da massa d'água ou corpos
flutuantes (troncos etc.), impulsionados pelas ondas, que aplicam golpes de impacto,
como aríetes, contra a base o talude.

1

Fetch: Distância sobre uma área contínua de água onde o vento sopra em direção
constante.

24

5.1

Erosão por Embate de Ondas no Reservatório da Barragem de Porto
Primavera

Segundo Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo (2001b),
diversos são os fatores que inter-relacionados determinam o comportamento das
encostas frente aos processos erosivos, destacando-se as características e
propriedades geológico-geotécnicas dos estratos presentes no reservatório,
declividade das encostas, formas de relevo das áreas adjacentes e a posição
relativa do nível d'água do reservatório na superfície do talude.
O reservatório da barragem de Porto Primavera tem como principal processo de
instabilização a erosão e o solapamento da base (pé) dos taludes e, que o
comportamento das encostas marginais frente aos processos erosivos por embate de
ondas apresenta-se diferenciado em suas margens (INSTITUTO DE PESQUISAS
TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO, 2004), conforme mostra a Figura 2.
Ainda em Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo (2004), na
identificação dos principais processos de instabilização ocorridos nas margens do
reservatório da barragem de Porto Primavera, buscou-ser contemplar todas as
variações geológicas e geomorfológicas dos seus entornos.
As ondas geradas no reservatório, provenientes da ação dos ventos sobre a superfície
da água podem atuar, continuamente, por dias, semanas ou meses a cada ano,
provocando a desagregação do solo ou da rocha branda das margens e seu transporte
para o interior do reservatório, com aparecimento de falésias, em uma ação contínua,
progredindo até a estabilização final de praia (ENGECORPS, 2000).
Segundo Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo (2004), o
processo erosivo que ocorre nos taludes das encostas do reservatório da barragem
de Porto Primavera está associado a fatores determinantes no comportamento delas
que condicionam a evolução do recuo e a estabilização final.
Ainda segundo o autor, esses fatores são as características geológicas, as formas e
declividades do relevo e que, o avanço desse processo está associado à ocorrência e
à magnitude das ondas geradas no reservatório, decorrentes e proporcionais a diversos
fatores como velocidade e direção dos ventos, distância (fetch) e o tempo de incidência
do vento sobre a superfície do reservatório e a profundidade do lago.

25

PROCESSOS EROSIVOS

Embate de Ondas

Margem Esquerda (SP),
Predomínio de Arenito
Caiuá. Terraços
Coluvionares e
Aluvionares

Margem Direita (MS)
Terraços Aluvionares e/ou
Coluvionares/Aluvionares
(exceção Paredão das
Araras)

Coesão variada

Baixa coesão

Declividades variadas

Predomínio de baixa
declividade

Resistência variada

Baixa resistência

Recuos diferenciados.
Maior heterogeneidade

Maiores recuos
Maior homogeneidade

Figura 2 ­ Esquema do comportamento das encostas frente ao processo erosivo.
Fonte: Elaborado pela autora com dados do Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado
de São Paulo (2004).

26

Frente ao processo erosivo que afetam os taludes das encostas do reservatório da
barragem de Porto Primavera, foi estabelecido um plano de monitoramento para as
encostas marginais do reservatório, de acordo com procedimentos metodológicos
desenvolvidos pelo Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo
(2001b), que forneceu subsídios para setorização das encostas, conjugando os
diferentes fatores que regem seu comportamento.
A setorização foi definida com base nos diferentes fatores que condicionam a
evolução dos processos erosivos, permitindo, de acordo com as dimensões do
reservatório, estabelecer parâmetros de análise, elaborar prognósticos acerca do
comportamento das margens e hierarquizar os setores em função do potencial de
risco (AZEVEDO et al., 2006).
Segundo o referido autor, a realização do monitoramento das encostas ocorreu após
sua setorização, para tanto, foram utilizados os parâmetros da geologia, forma de
relevo e declividade das encostas naturais e das margens do reservatório.
Ressalta-se que a implantação do monitoramento teve como objetivo avaliar a
velocidade de recuo das encostas, a extensão e o tempo necessário para que os
processos

erosivos

atinjam

seu

equilíbrio

(INSTITUTO

DE

PESQUISAS

TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO, 2001b).
Quanto ao recuo das margens do reservatório, segundo Instituto de Pesquisas
Tecnológicas do Estado de São Paulo (2004), na elaboração do prognóstico de
recuo das encostas, admitiu-se que a onda máxima que poderia atuar nas encostas
é da ordem de 2,0 m de altura.
Ondas de maior magnitude, que provocam maiores recuos são geradas apenas
durante a ocorrência de ventos com altas velocidades, incidindo sobre a superfície
do reservatório por um tempo e por uma distância relativamente longos. No entanto,
o período de recorrência destes eventos é relativamente grande, ou seja, ventos
com essa magnitude são mais raros quando comparados àqueles de baixas
velocidades,

de

ocorrência

mais

frequente

(INSTITUTO

DE

PESQUISAS

TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO, 2006).
As Fotografias 3 e 4 mostram os efeitos dos processos erosivos na margem esquerda
(SP) do reservatório no trecho compreendido entre a barragem de Porto Primavera e
Presidente Epitácio onde se pode observar a presença do arenito em suas margens.

27

Fotografia 3 ­ Processo erosivo na margem esquerda (SP).
Notar palmeira tombada (seta vermelha) e a barragem de
Porto Primavera no segundo plano, ao fundo (seta azul).
Fonte: Franco (2007).

Fotografia 4 ­ Processo erosivo nos paredões de arenito por
ação constante do embate de ondas.
Fonte: Franco (2008).

As Fotografias 5, 6 e 7 mostram, respectivamente, os efeitos dos processos erosivos
por embate de ondas no município de Anaurilândia, no Paredão das Araras e na Foz
do Rio Pardo (MS).

28

Fotografia 5 ­ Processo erosivo na margem direita no
município de Anaurilândia (MS).
Fonte: Franco (2007).

Fotografia 6 ­ Processo erosivo no Paredão das Araras na
margem direita (MS), à montante do rio Verde.
Fonte: A autora (2007).

29

Fotografia 7 ­ Foz do rio Pardo. Margem direita (MS) com
baixo recuo e talude praticamente estável.
Fonte: Franco (2008).

30

6

PROTEÇÃO DE MARGENS

Mundialmente conhecidos da engenharia convencional, os gabiões, solocimento,
bolsacreto, enrocamento etc. são técnicas de proteção comumente empregadas
como alternativas para estabilizar e proteger margens de rios com diferentes
finalidades.
6.1

Técnicas de Proteção

Atualmente as técnicas de proteção utilizadas em margens de cursos d'água para
estabilização e proteção, sob o ponto de vista hidráulico, buscam manter a
estabilidade da seção do curso d'água e dentro dos limites de uso estabelecidos,
seja para navegação, aproveitamento hidrelétrico, irrigação ou abastecimento de
água (BRIGHETTI; MARTINS, 2001).
Para os autores, os enrocamentos naturais e sintéticos, colchões, proteções
vegetais naturais ou consolidadas, gabiões não revestidos, sacos de areia,
solocimento e argamassa arranjada, são proteções diretas (contínuas), enquanto os
painéis de concreto moldado e pré-moldado, muros de alvenaria, gabiões e
elementos revestidos de concreto ou argamassa são proteções indiretas
(descontínuas).
O Quadro 1 mostra os tipos de proteção, diretas e indiretas, que podem ser flexíveis,
quando admitem alterações, sem perder suas características ou rígidas, quando não
admitem

alterações

sem

perder

algumas

impermeabilidade, rugosidade e aspecto visual.

de

suas

características,

como

31

enrocamento
colchões

PROTEÇÕES CONTÍNUAS

enrocamento
sintético
Flexíveis

vegetação
gabiões

outros

Revestiment
os

concreto
Rígidos
enrocamento
pedra

PROTEÇÕES
DESCONTÍNUAS

cercas
enrocamento
Diques ou
Espigões

Flexíveis

Rígidos

enrocamento
sintético
concreto

§ lançado
§ elementos
de
concreto
articulados
§ bolsas de concreto
§ bolsas de solocimento
§ bolsas de argamassa
§ blocos pré-fabricados
§ gramíneas
§ plantas semi-aquáticas
§ caixa
§ saco
§ reno (colchão reno)
§ pneus usados
§ troncos de árvores lançados
§ painéis armados
§ gabiões revestidos
§ muros de gravidade
§ painéis pré-moldados
§ blocos pré-fabricados
§ paredes diafragma
§ argamassado
§ com injeção de consolidação
§ argamassada/alvenaria
de
pedras
§ madeira e metálicas
§ lançado
§ enrocamento com pilares de
concreto ou madeira
§ bolsas
de
concreto,
solocimento e argamassa
§ blocos pré-moldados
§ muros de gravidade
§ muros de concreto armado

Quadro 1 ­ Principais tipos de proteção de margens.
Fonte: modificado de Brighetti e Martins (2001).

Segundo Brighetti e Martins (2001), proteções diretas podem ser apoiadas ou
executadas diretamente no talude das margens, tendo algumas obras principais
como a redução do ângulo do talude, o revestimento das margens com pedregulhos,
cascalhos, vegetação, enrocamento com pedras lançadas e gabiões.
As proteções indiretas se constituem na construção de obras com certa distância da
margem desviando as correntes e provocando a decantação do material sólido,
tendo como obra principal os espigões e os diques (BRIGHETTI; MARTINS, 2001).
As Fotografias 8 e 9 e Fotografias 10 e 11 ilustram, respectivamente, alguns tipos de
proteções diretas flexíveis e rígidas, enquanto que as Fotografias 12 a 15 mostram
as proteções indiretas, comumente empregadas contra a ação hídrica.

32

Fotografia 8 ­ Proteções diretas flexíveis: Fotografia 9 ­ Proteções diretas flexíveis:
enrocamento arrumado
colchões articulados de concreto.
Fonte: Brighetti e Martins (2001).
Fonte: Brighetti e Martins (2001).

Fotografia 10 ­ Proteções diretas rígidas: Fotografia 11 ­ Proteções diretas rígidas:
painéis de concreto armado.
painéis de concreto rígido com elementos
Fonte: Brighetti e Martins (2001).
drenante.
Fonte: Brighetti e Martins (2001).

Fotografia 12 ­ Proteções indiretas: Fotografia 13 ­ Proteções indiretas:
enchimento de espigão de enrocamento espigões de madeira no rio Missouri.
com pilares de madeira no rio Arkansas.
Fonte: Brighetti e Martins (2001).
Fonte: Brighetti e Martins (2001).

33

Fotografia 14 ­ Proteções indiretas: diques
laterais em cerca de madeira.
Fonte: Petersen (1981 apud BRIGHETTI;
MARTINS, 2001).

Fotografia 15 ­ Proteções indiretas: diques
de madeira.
Fonte: Petersen (1981 apud BRIGHETTI;
MARTINS, 2001).

Para proteção de áreas costeiras que sofrem com o ataque da erosão por ação das
ondas, causa mais evidente da erosão, o U.S. Army Corps of Engineers, elaborou
relatório contendo diferentes métodos de proteção de baixo custo, com vistas a
avaliar a eficácia dessas proteções nesse tipo de ambiente ao longo do Atlântico, do
Golfo e da Costa do Pacífico, Alaska e os Grandes Lagos.
Essas proteções ou técnicas de proteção utilizadas em linhas de costa, segundo o
U.S. Army Corps of Engineers, comumente utilizadas em águas protegidas, não
devem ser entendidas como técnicas de proteção para linhas de costa, onde
poderão estar expostas ao ataque de grandes ondas oceânicas.
Ainda, conforme o relatório do U.S. Army Corps of Engineers, método construtivo de
baixo custo não significa ser um método barato, ou seja, nem sempre materiais de
baixo custo representam uma obra barata, considerando que qualquer método de
proteção em áreas costeiras se, devidamente aplicado, poderá ser mais caro.
Salienta ainda que o custo da execução irá variar de acordo com as diferentes
alternativas e, além disso, devem ser considerados os limites das soluções, a
adequação e a disponibilidade de material para execução da obra.
As Fotografias 16 a 21 mostram alguns dos diferentes métodos de proteção
utilizados em linhas de costa, descritas no relatório elaborado pelo U.S. Army Corps
of Engineers (2004).

34

Fotografia 16 ­ Anteparo de sacos de areia. Fotografia 17 ­ Anteparo de aço e dormentes.
Fonte: U.S. Army Corps of Engineers (2004). Fonte: U.S. Army Corps of Engineers (2004).

Fotografia 18 ­ Anteparo de concreto usado. Fotografia 19 ­ Anteparo de pneus usados.
Fonte: U.S. Army Corps of Engineers (2004). Fonte: U.S. Army Corps of Engineers (2004).

Fotografia 20 ­ Anteparo de pneus Fotografia 21 ­ Anteparo de tubo de
polietileno (Tubo Longard).
inservíveis
Fonte: U.S. Army Corps of Engineers (2004). Fonte: U.S. Army Corps of Engineers (2004).

Cabe ressaltar que os métodos de proteção descritos no documento do U.S. Army
Corps of Engineers (2004), apresentam vantagens e desvantagens com relação ao

35

material a ser utilizado, sua resistência e disponibilidade, instalação, custos e vida
útil do método de proteção.
O uso de pneus como material construtivo descrito no documento do U.S. Army
Corps of Engineers (2004), também foi utilizado como obra de contenção no
reservatório Paraibuna-Paraitinga denominadas de "quebra-ondas" e "tapete" de
pneus.
As contenções "quebra-ondas" (Fotografia 22) e o "tapete" de pneus (Fotografia 23)
apresentaram bom desempenho quanto à estabilização dos escorregamentos. O
"quebra-ondas" atuou como estrutura flutuante, reduzindo, de forma significativa, as
dimensões e a frequência das ondas incidentes na superfície do escorregamento. O
"tapete" de pneus, estrutura empregada sobre o talude, funcionou com o objetivo de
evitar o impacto direto das ondas no material rompido (INSTITUTO DE PESQUISAS
TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO, 1985).
Ainda em Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo (1985),
problemas relacionados ao método construtivo, principalmente, devem ser
equacionados, além do material utilizado na obra e materiais de preenchimento.

Fotografia 22 ­ "Quebra-ondas" utilizando
pneus ­ Reservatório de Paraibuna, Estado
de São Paulo.
Fonte: Instituto de Pesquisas Tecnológicas
do Estado de São Paulo (1985).

6.2

Fotografia 23 ­ "Tapete" de pneus ­
Reservatório de Paraibuna, Estado de São
Paulo.
Fonte: Instituto de Pesquisas Tecnológicas
do Estado de São Paulo (1985).

Proteção de Margens no Reservatório da Barragem de Porto Primavera

Para os taludes das encostas do reservatório da barragem de Porto Primavera foram
empregadas estruturas de proteção de margem, semelhantes às empregadas em

36

margens de rio e em linhas de costa, visando estabilizar os impactos causados pelo
embate das ondas.
As Fotografias 24 e 25 mostram dois tipos de estruturas de proteção empregados
pela CESP como gabiões tipo colchão reno e bolsacreto para estabilizar processos
erosivos nas margens do reservatório da barragem de Porto Primavera nas áreas
urbanas e periurbanas de Presidente Epitácio.

Fotografia 24 ­ Talude protegido por gabião tipo "colchão
reno". Notar rompimento da estrutura com reparo executado
com argamassa, abaixo da linha assinalada em vermelho.
Fonte: Franco (2007).

Fotografia 25 ­ Bolsacreto na proteção de talude (Presidente
Epitácio, SP).
Fonte: Franco (2007).

37

Em termos de proteção não-convencional, os ribeirinhos se têm valido, de modo
empírico, do uso de outros tipos de materiais como galhadas, madeira de eucalipto,
pilotis de madeira e pneus preenchidos com solo, sacos de areia e solo-cimento,
com a finalidade de proteger os taludes do embate das ondas em suas
propriedades.
Cabe ressaltar que as tentativas de "proteção" adotadas pelos proprietários lindeiros,
conforme mostram as Fotografias 26 a 30, não produziram o efeito de proteção
desejado, constatando-se a ocorrência de rompimentos das "proteções", devido à
ausência de um embasamento técnico e adoção de todas as medidas necessárias.

Fotografia 26 ­ "Proteção" com galhadas Fotografia 27 ­ "Proteção" de paliçada com
sustentadas por pilotis.
mourões.
Fonte: Franco (2008).
Fonte: Franco (2008).

Fotografia 28 ­ "Proteção" com pilotis de Fotografia 29 ­ "Proteção" com sacos de
madeira e pneus preenchidos com solo.
areia.
Fonte: Franco (2008).
Fonte: Franco (2008).

38

Fotografia 30 ­ "Proteção" de solocimento.
Fonte: Franco (2008).

39

7

BIOENGENHARIA DE SOLOS

O emprego de técnicas inseridas no contexto ecológico é visto como uma alternativa
tecnológica que pode ser usada para contribuir com a solução de problemas em
áreas que sofrem processos erosivos naturais de cursos d'água ou resultantes de
ações antrópicas.
O problema dessas áreas pode ser mitigado ou solucionado, contribuindo para a
estabilização de taludes marginais e estabilização de processos erosivos em
margens de reservatório destinados à geração de energia elétrica.
A bioengenharia de solos é uma tecnologia que preconiza uma série de formas de
revegetação e modelos de construção que, se comparada a outros métodos e
técnicas, pode trazer ganhos ecológicos, econômicos e paisagísticos. O efeito e o
resultado de sua aplicação dependem do tipo de material e do modelo de
construção, das espécies vegetais e formas de revegetação a ser combinada com
outras estruturas (DURLO; SUTILI, 2005).
Para Sutili (2008), nas técnicas de bioengenharia de solos, o uso da vegetação é
entendido como elemento construtivo em obras de perenização de cursos d'água,
estabilização e recomposição de áreas que sofrem processos erosivos, seja em
taludes, encostas, voçorocas e taludes fluviais, conforme esquema apresentado na
Figura 3.

40

MATERIAIS

Vivo
(vegetação)

Inerte

Apoio

TÉCNICA

BIOENGENHARIA DE SOLOS

APLICAÇÃO

Construção Terra

Taludes e
Encostas

Voçorocas

Ambiente Fluvial

Erosão
de margens

Renaturalização
de cursos d'água

Figura 3 ­ Diagrama esquemático do material e aplicação da tecnologia Bioengenharia de
Solos.
Fonte: Modificado de Sutili (2008).

41

7.1

Histórico

O uso de uma tecnologia atualmente conhecida como bioengenharia de solos,
remonta aos antigos povos da Ásia e Europa. Na China, o uso de técnicas da
bioengenharia de solos, como registrado por historiadores chineses, visava reparar
margens de rios e diques, utilizando feixes de plantas vivas, data do ano 28 a.C.
(LEWIS, 2000) (Figura 4).

Figura 4 ­ China 28 a.C. reparo de diques.
Fonte: Lewis (2000).

No início do século XX, a China passou a utilizar técnicas similares (Figura 5), para
controle de erosão e enchentes ao longo do rio Amarelo. Nos Estados Unidos, os
primeiros registros datam de 1920, quando foi utilizada na estabilização de erosões
em margens de cursos d'água e taludes (DURLO; SUTILI, 2005).

Figura 5 ­ China séc. XX ­
Transporte de feixes vivos de
vegetação.
Fonte: Lewis (2000).

42

Conforme Lewis (2000), na China, margens de rios e barragens eram estabilizadas
por grandes cestos tecidos com salgueiro, cânhamo ou bambu, preenchidos com
pedras. Na Europa, técnicas para tecer galhos de salgueiro para criar cercas e
paredes foram desenvolvidas pelos camponeses Celtas, enquanto os Romanos
utilizavam caniçadas e fardos de varas de salgueiro para a hidroconstrução.
O Quadro 2 apresenta uma sinopse da evolução histórica do uso de técnicas da
bioengenharia de solos, principalmente, em países da Europa.
§

Século XVI _ utilizada e sistematizada por toda Europa;

§

1791 (Áustria) _ linhas de estacas vivas em curso d'água contra o surgimento
e aporte de sedimentos e reforma de canais;

§

Anos 30 (Europa) _ surgimento de novas técnicas favorecendo o uso de
materiais locais;

§

1936 (Munique) _ estabelecimento de um Instituto de Pesquisa para
desenvolvimento de técnicas de bioengeharia de solos para construir estradas;

§

1936 (Califórnia) _ desenvolvimento de técnicas para estabilizar talude de
corte em rodovias;

§

Anos 50 e 60 (Alemanha e Áustria) _ aperfeiçoamento e publicação de
técnicas;

§

Anos 70 e 80 (EUA) _ projetos com técnicas de bioengenharia de solos na
Bacia do Lago Tahoe e revegetação no Parque Nacional das Sequóias.

Quadro 2 ­ Quadro resumo da história da bioengenharia de solos.
Fonte: Lewis (2000).

7.2

Bioengenharia de Solos no Mundo e no Brasil

Na literatura internacional foram encontradas diversas técnicas inseridas na
bioengenharia de solos. No entanto, essas técnicas estão voltadas à proteção de
taludes de corte e aterro ao longo de rodovias e taludes fluviais, não sendo
mencionada sua utilização no processo de estabilizar erosões em taludes de
encostas de reservatórios.
Amplamente difundidas no exterior e utilizadas há décadas na Europa Central, em
países como Alemanha, Suíça, Norte da Itália e Áustria e, também, na América do
Norte, as técnicas de bioengenharia de solos são reconhecidas como importante
ferramenta na estabilização e/ou recomposição de encostas, áreas degradadas,

43

margens de cursos d'água, córregos, barragens e na resolução problemas
ambientais que afetam taludes de rodovias.
O cribwall, por exemplo, é uma estrutura de contenção que consiste em um arranjo
estrutural de madeira ou pré-moldado de concreto, na forma de gaiola ("berço"),
preenchido com solo compactado, pedras e mudas de uma determinada planta. Esta
técnica foi empregada ao longo das margens do rio Kenai, no Alaska (Fotografia 31)
para estabilizar o processo erosivo e restabelecer a vegetação. Esta técnica pode
ser aplicada para diferentes abordagens e objetivos.

Fotografia 31 ­ Live Cribwall: estabilização de margem no rio Kenai (Alaska).
Fonte: Robbin B. Sotir & Associates, Inc. (2009).

A bioengenharia de solos nas margens de um curso d'água em área urbana de
Portland, Oregon, nos Estados Unidos da América (Fotografia 32), teve como
objetivo restaurar o ambiente aquático e a qualidade da água, afetados durante a
construção de uma nova ponte.
O projeto que consistiu no emprego de geogrelhas vegetadas, utilizada para
reconstruir taludes, onde o solo é acondicionado pela geogrelha e os ramos de
vegetação são colocados entre as camadas do solo. A técnica se mostrou eficiente
na função ambiental para a qual foi projetada, mesmo após a ocorrência de várias
enchentes com longos fluxos.

44

Fotografia 32 ­ Geogrelhas vegetadas: restauração do ambiente aquático e da
qualidade da água em Portland, Oregon.
Fonte: Robbin B. Sotir & Associates, Inc. (2009).

Na Europa, em muitos casos, a bioengenharia de solos é praticada como alternativa às
técnicas convencionais de engenharia na solução de problemas ambientais, quando
corretamente empregadas. Especialmente na Áustria, a bioengenharia de solos é
empregada na renaturalização de cursos d'água que, no passado, foram quase
totalmente retificados, calçados e/ou concretados por técnicas convencionais (SUTILI,
2007).
No Brasil, as técnicas de bioengenharia de solos ainda são pouco conhecidas e
utilizadas por escassez de pesquisas, estando restritas a aplicações em taludes de
rodovias, cursos d'água e lagos artificiais. No entanto, já se tem conhecimento da
aplicação da bioengenharia de solos em cursos d'água e em margens de
reservatórios de barragens voltadas à geração de energia elétrica.
No caso de cursos d'água, em caráter experimental, técnicas da bioengenharia de solos
foram empregadas por pesquisadores da Universidade de Santa Maria, em drenagem
do Arroio Guarda-mor, no município de Faxinal do Soturno, Rio Grande do Sul.
Nessa área ocorreram problemas de instabilidade, resultantes da ação da água e,
provavelmente, pela existência de touceiras de taquaras plantadas sobre o talude
que ocasionou uma sobrecarga (DURLO; SUTILI, 2005).
Após a intervenção física no talude, com o objetivo de proporcionar condições mais
estáveis para então receber a vegetação e um tratamento vegetativo, os
pesquisadores construíram uma parede vegetada de madeira ou Parede-Krainer
(Krainerwand em alemão), utilizando material vegetativo como mudas, estacas vivas

45

e feixes vivos e, como material construtivo, troncos e pilotis de eucalipto, estacas
roliças, arames e grampos de cerca, em uma sequência construtiva que permitiu o
desenvolvimento adequado das espécies naquelas condições ambientais, conforme
mostram as Fotografias 33 e 34.

Fotografia 33 ­ margem erodida em janeiro Fotografia 34 ­ margem recuperada em
de 2003.
agosto de 2005.
Fonte: Sutili (2009).
Fonte: Sutili (2009).

O resultado obtido com a implantação da Parede-Krainer (DURLO; SUTILI, 2005)
produziu os efeitos esperados na proteção e estabilização da nova margem do
Arroio Guarda-mor, mostrando-se capaz de solucionar problemas com grau razoável
de dificuldade, mantendo a estabilidade do talude em situação de eventos
torrenciais.
No caso da bacia hidrográfica do rio São Francisco, a implantação de barragens
voltadas à geração de energia elétrica ocasionou a alteração do seu regime hídrico,
provocando no seu baixo curso um adiantado processo erosivo, por meio do
solapamento da base do talude, devido à diminuição da altura do nível da água e do
desmatamento da vegetação ciliar, expondo o talude marginal constituído quase que
predominantemente por solos arenosos de baixa coesão (HOLANDA; ROCHA;
OLIVEIRA, 2008).
Para controlar a erosão marginal no Baixo São Francisco, próximo ao perímetro
Cotinguaba-Pindoba, no município de Propriá (SE), pesquisadores da Universidade
Federal de Sergipe, desenvolveram modelos para controlar a erosão marginal e,
consequentemente, promover a recuperação da vegetação ciliar, por meio de materiais
utilizados na bioengeharia de solos.

46

A aplicação da técnica caracterizada pela associação de biotêxtil2, retentor de
sedimentos e gramíneas, além de materiais inertes como grampos de metal e
estacas de madeira, sobre os taludes da margem direita do Baixo São Francisco ao
longo da linha d'água (Fotografia 25) objetivou a redução do impacto das ondas na
margem, evitando o solapamento na base do talude devido aos fortes ventos e às
variações da cota do rio.
A aplicação da técnica promoveu a estabilidade dos taludes e o desenvolvimento da
vegetação ciliar e se mostrou eficiente como ferramenta para diminuir a taxa de
erosão por corrosão e solapamento da base do talude.

Fotografia 35 ­ Instalação do biotêxtil e retentores de sedimentos (a); 30
dias após (b); 60 dias após (c) e 90 dias após (d).
Fonte: Rocha (2006).

Técnicas e materiais da bioengenharia de solos também foram utilizadas pela
Universidade Federal de Minas Gerais, com o objetivo de controlar os processos
erosivos nas margens do reservatório da UHE Volta Grande, no sudeste brasileiro,
localizado entre os municípios de Conceição das Alagoas (MG) e Miguelópolis (SP).
O Cribwall (Fotografia 36), técnica empregada nas margens do reservatório, é uma
estrutura de contenção ou reforço do terreno formado por toras de madeira

2

Biotêxtil: manta confeccionada com fibras vegetais.

47

preenchidas por pedras, terra e mudas, gerando um volume de raízes que, junto
com madeira estabilizam o talude e controlam o processo erosivo, possibilitando
uma

proteção

efetiva

e

imediata

para

margens

íngremes

com

rápido

estabelecimento da vegetação.

Fotografia 36 ­ Cribwall de madeira
instalado na margem do reservatório da
UHE Volta Grande.
Fonte: Galvão et al., ([2006]).

Além do Cribwall, outros tipos de proteção de margem também foram utilizados
como retentores orgânicos de sedimentos e geotêxtil misto (sintético e orgânico),
conforme mostram as Fotografias 37 e 38.

48

Fotografia 37 ­ Retentores orgânicos de
sedimentos instalados na margem do
reservatório da UHE Volta Grande.
Fonte: Galvão et al. ([2006]).

Fotografia 38 ­ Geotêxtil misto (sintético e orgânico) instalado
na margem do reservatório da UHE Volta Grande.
Fonte: Galvão et al. ([2006]).

7.3

Aplicações da Bioengenharia de Solos

As técnicas da bioengenharia de solos podem ser adotadas para uma grande
variedade de aplicações, que vão desde a estabilização de taludes de corte e aterro
até margens de cursos d'água conforme mostra o Quadro 3.

49

Avaliação ambiental

Linhas de transmissão

Áreas de lazer

Locais de construção

Proteção de margens

Reservatórios e barragens

Drenagem

Cursos d'água

Aeroportos e heliportos

Disposição de resíduos

Canteiros de obras

Rodovias e ferrovias

APLICAÇÕES

Mineração e recuperação

SITUAÇÕES

Estabilização de encostas ­ taludes de
corte e aterro
Estabilização de encostas ­ penhascos e
faces rochosas
Controle da erosão hídrica ­ precipitação
e escoamento superficial
Controle da erosão hídrica - voçorocas
Proteção de margens e da costa ­ canais
de fluxo contínuo
Proteção de margens e da costa ­ canais
de fluxo descontínuo
Proteção de margens e da costa ­
grandes corpos d'água (margens)
Controle da erosão eólica
Barreiras vegetativas
Barreiras vegetativas ­ redução de ruídos
Proteção da superfície do solo
Controle do runoff em pequenas bacias
Plantas como indicadores
Quadro 3 ­ Aplicações da bioengenharia de solos.
Fonte: Coppin; Richards (1990 apud ARAUJO; ALMEIDA; GUERRA, 2007).

A bioengenharia de solos pode ser uma solução igualmente eficaz se comparada às
técnicas da engenharia convencional ou até mais eficaz, porém, não significa ser a
solução de todos os problemas relacionados à estabilização de solos, taludes,
controle de erosão em reservatórios etc. (EUBANKS; MEADOWS, 2006).
Embora a existência de uma grande variedade de técnicas que a bioengenharia de
solos oferece para proteger, restaurar, controlar ou estabilizar diversas situações
envolvendo processos erosivos e, proporcionar uma aparência mais natural, ao
contrário dos enrocamentos e estruturas de concreto, as vantagens e limitações nãotécnicas que o uso dessa tecnologia impõe devem ser consideradas (FRANTI, 2006).

50

Entre as vantagens tem-se o custo-benefício de implantação da obra, o auxílio ao
desenvolvimento das raízes, aumentando a resistência do solo, benefícios
ambientais ao habitat faunístico e melhoria dos aspectos paisagísticos e, enquanto
limitações têm-se o período de dormência das sementes, a disponibilidade de
plantas adaptadas às condições sociais, a disponibilidade de mão-de-obra
experiente e a necessidade de treinamento de mão-de-obra devido à ausência de
familiarização com as técnicas de bioengeharia de solos.
Além das limitações e vantagens da bioengenharia de solos já mencionadas,
existem outras que devem ser avaliadas, considerando uma série de fatores
condicionantes como: clima, geologia, solo, hidrografia, vegetação, local e os
agentes como água, vento, temperatura e o próprio homem.
7.4

Função da Vegetação na Bioengenharia de Solos

Conforme o histórico do uso da bioengenharia de solos, considerando que ela utiliza
elementos vivos (vegetação) combinados com elementos inertes (pedra, madeira,
concreto etc.), o conhecimento do funcionamento da vegetação na construção de
obras como proteção de margens contra processos erosivos é fundamental, por
desempenhar um importante papel na proteção do solo.
A bioengenharia de solos prioriza a reprodução vegetativa, contudo, os métodos
germinativos têm sua importância em situações específicas, sendo normalmente
utilizados de maneira associada ou complementar aos tratamentos vegetativos
(MORGAN; RICKSON, 1995, apud DURLO; SUTILI, 2005, cap.7, p.116).
A vegetação é uma das principais ferramentas da bioengenharia de solos no
controle de processos erosivos. No entanto, para o sucesso de uma revegetação,
faz-se necessário uma compreensão do projeto, execução e manutenção, além de
uma análise do local, considerando todas as variáveis que possam interferir no
desenvolvimento e crescimento da vegetação (DURLO; SUTILI, 2005).
No geral, nas técnicas de bioengenharia de solos, a vegetação exerce papel
fundamental quanto ao aumento da estabilidade dos taludes e, principalmente, no
caso das raízes, estas exercem a função de estabilizar as partículas do solo com o
aumento da resistência ao cisalhamento, principalmente, pelas radicelas3 mantendo

3

Radicelas: raízes pequenas e finas responsáveis pela absorção de água e nutrientes.

51

maior relação superfície/volume radicular e, com a estabilização do movimento de
massa pelo efeito das raízes, em especial, as pivotantes, promovem o ancoramento
de grandes massas de solo (PEREIRA, 2008).
Existem vários métodos de revegetação que podem ser usados, bem como uma
grande quantidade de plantas, observando que, logo de início, proceda-se à escolha
das espécies, entre nativas ou exóticas, a serem utilizadas, considerando as
implicações da sucessão vegetal, além dos obstáculos físicos, legais e econômicos
(DURLO, SUTILI, 2005).
Ainda segundo os autores, a vegetação atua na proteção e reforço de obras civis e,
entre outras características, as plantas selecionadas devem possuir caules flexíveis,
principalmente, em casos de taludes fluviais, podendo produzir os efeitos de
interceptar a água das chuvas, aumentar a evapotranspiração, adicionar peso,
ancorar o talude, produzir efeito de alavanca e recobrir o solo por acúmulo de
serrapilheira, conforme mostra a Figura 6.

Figura 6 ­ Efeitos de uma árvore sobre um talude fluvial.
Fonte: Durlo e Sutili (2005).

Entretanto, os efeitos da vegetação sobre taludes fluviais podem não ser benéficos,
daí a necessidade de se escolher espécies aptas para cada situação específica,
empregando-se os métodos de plantio mais adequados (DURLO; SUTILI, 2005,
p.73), conforme mostra o Quadro 4.

52

Plantio

Métodos Germinativos

Sementes

lançadas manualmente sobre o
talude após retaludamento.

Característica principal
ideais para locais com pequena
inclinação. Considerada medida
complementar
em
taludes
fluviais.
alternativa de alto custo, porém
produz rápida estabilização,
podendo ser usado em taludes
muito
íngremes
e
bem
degradados.

malhas construídas com restos
culturais ou fibras vegetais
degradáveis e saturadas de
Geotêxteis
sementes e adubos e fixadas
com estacas contra o talude.
jateamento
de
sementes
misturadas
com
adubos método dispendioso, técnica e
Hidrossemeadura minerais, massa orgânica e economicamente, porém de
adesivos, utilizando água como rápida e fácil implantação.
veículo de propagação.
produzidas em viveiros e quanto
Ideal para espécies de difícil
atingem o tamanho ideal são
Mudas
reprodução.
lançadas no talude.
Quadro 4 ­ Principais formas de plantio utilizadas na bioengenharia de solos.
Fonte: Modificada de Durlo e Sutili (2005).

Quanto aos efeitos hidrológicos e mecânicos exercidos pela vegetação sobre os
taludes fluviais e encostas, conforme se pode observar no Quadro 5, estes podem
ser benéficos (B), o que se dá, principalmente, pelo efeito do sistema radicular por
meio do reforço mecânico ou adversos (A), nos quais a vegetação origina uma
sobrecarga vertical no talude associado à ação de ventos fortes sobre sua copa,
transmitindo fortes tensões sobre o talude (DURLO; SUTILI, 2005).
Cabe ressaltar que, dependendo das condições do solo e da encosta, os efeitos
poderão ser benéficos e adversos, a exemplo do efeito da sobrecarga no talude, do
efeito da alavanca, da diminuição da seção de vazão, que é proporcionada de modo
acentuado por árvores de grande porte (DURLO e SUTLI, 2005).
O Quadro 5 mostra, de forma resumida, os efeitos hidrológicos e mecânicos das
copas, da serrapilheira e das raízes.

53

Efeitos Hidrológicos

Efeitos Mecânicos
Copas

-retêm (evaporam) parte do volume da
água, reduzindo a precipitação efetiva (B); -aumentam a força normal pelo peso da
-reduzem a força de impacto das gotas da copa e do tronco (B/A);
-protegem o solo da ação direta dos raios
chuva, consequentemente a erosão (B);
-aumentam o tamanho das gotas, solares e do vento (B/A);
resultando em maior impacto localizado -captam as forças dinâmicas do vento e as
transmitem ao talude pelo tronco e sistema
(A);
-reduzem a infiltração efetiva no talude, radical (A).
devido à evapotranspiração (B/A).

Serrapilheira
-absorve, em parte, o impacto mecânico que
-aumenta a velocidade e a capacidade de
resulta do gotejamento e do trânsito de
armazenamento de água (B/A).
máquinas e animais (B);
-torna irregular e reduz a velocidade de
-proteje o solo de outras forças erosivas
escoamento superficial da água (B).
como vento, temperatura etc. (B).

Raízes
-auxiliam na criação de agregados do solo
por ação física e biológica (B);
-aumentam substancialmente a resistência
do solo ao cisalhamento (B);
-redistribuem as tensões formadas nos
ponto críticos (B);
-ancoram as linhas de fratura (B);
-restringem os movimentos e ajudam a
suportar o peso do talude (B).
Quadro 5 ­ Efeitos hidrológicos e mecânicos da vegetação,
Fonte: Modificado de Durlo e Sutili (2005)
-melhoram a infiltração superficial da água
no solo (B/A);
-com o aumento da porosidade do solo,
aumenta a sua permeabilidade (B/A);
-retiram parte da água infiltrada que será
transformada ou evapotranspirada (B);
-criam pressões neutras nos poros,
aumentando a coesão do solo (B/A).

A = Adverso; B = Benéfico; A/B = Adverso/Benéfico
Na utilização da vegetação em áreas com processos erosivos devem ser
considerados critérios ecológicos, sociológicos e reprodutivos (DURLO; SUTILI,
2005), bem como contar com um planejamento multidisciplinar, sabendo-se que o
seu uso não pode ser visto como solução para todos os problemas.
Enquanto componente físico e biológico de ambientes costeiros e lacustres, a
vegetação aquática tem sua importância amplamente reconhecida no fornecimento
de alimentos e abrigo para diversos organismos, modificando parâmetros ambientais
e dissipando energia e turbulência de ondas e correntes (BRUNO; KENNEDY, 2000;
MENDEZ; LOSADA, 2004, apud LIMA; NEVES; ROSAURO, 2007).

54

Para Mork (1996, apud LIMA; NEVES; ROSAURO, 2007) "A natureza dos processos
envolvidos no amortecimento de ondas por vegetação ainda não é totalmente
compreendida e a quantificação dos esforços envolvidos está longe de ser
satisfatório".
Com relação ao uso de vegetação, segundo o U.S. Army Corps of Engineers,
(2004), ela tem sido muito utilizada para estabilizar margens de costa com
problemas de erosão, como um elemento substituto ou complementar a uma
estrutura. No entanto, não pode ser aplicada a todas as situações, é necessário
considerar uma solução combinada com algum dispositivo estrutural.
Ainda segundo o autor, a eficácia do uso da vegetação, para estabilizar processos
erosivos pelo embate de ondas em margens da costa, está limitada às
características da área que deverão determinar a eficácia ou não da vegetação, ou
seja, suas exigências quanto à inclinação do local, clima, exposição à ação das
ondas, propriedades do solo, regime de salinidade etc. Estas características deverão
determinar a eficácia ou não da vegetação.
Existe, ainda, uma dificuldade muito grande em encontrar plantas aquáticas,
principalmente nativas, na hora e no local certo, compatíveis com a área que fica
totalmente alagada, além da disponibilidade de sementes, segundo o relatório do
U.S. Army Corps of Engineers (2004).

55

8

MÉTODOS DE PROTEÇÃO E TÉCNICAS DE BIOENGENHARIA DE SOLOS

Conforme Gray e Sotir (1996), os diferentes modos de proteger encostas e controlar
erosão estão classificados em três principais categorias: construções vivas,
construções inertes e construções mistas.
Na categoria das construções vivas, têm-se o plantio convencional, onde a
vegetação pode ser estabelecida a partir da estaquia, semeadura direta, grama em
tapete, grama em placas e transplantio, utilizando variados tipos de gramíneas e
herbáceas.
Na categoria das construções inertes, estão as estruturas convencionais, admitindose que os materiais inertes como aço, concreto e polímeros sintéticos, possuem
propriedades previsíveis e invariáveis, podendo se degradar, decompor ou deteriorar
lentamente ao longo do tempo, destacando-se:
a) estruturas de contenção: cortinas atirantadas, muros de pedras, geogrelhas,
sistemas de confinamento celular etc.;
b) revestimentos:

enrocamento,

revestimento

de

concreto,

gabiões,

blocos

articulados etc.;
c) coberturas de solo: mulch4, mantas e redes e sistemas de confinamento celular.
Quanto às construções mistas, elas podem ser implementadas de diferentes formas,
a saber:
a) vegetação arbórea como reforço e barreira ao movimento de massa: estacas
vivas, feixes vivos, camadas de ramos e empacotamento de ramos;
b) associação de plantas/estruturas: muros de pedra com plantio na face do talude,
revestimento com plantio na face do talude; estruturas com plantio no terraço;
c) vegetação arbórea cultivada nos interstícios frontais de estruturas de contenção:
cribwalls, gabiões vegetados, muros de pedra vegetados;
d) vegetação arbórea cultivada nos interstícios frontais dos revestimentos e
coberturas do solo poroso: plantios em conjunto; gabiões com estacas vivas;
revestimentos de blocos de concreto vegetados.

4

Mulch: cobertura morta composta por material orgânico aplicado na superfície do solo para proteger
o solo e raízes.

56

Quanto às técnicas de bioengenharia de solos, utilizadas sozinhas ou combinadas
com métodos construtivos convencionais, em meio a uma gama de técnicas,
destacam-se: Live Stakes; Live Fascine; Brush Layering; Branch Packing; Live
Cribwalls e Geogrelha vegetada, as quais podem ser descritas da seguinte forma:
§ Live Stakes: as estacas vivas, como método vegetativo, são empregadas no
tratamento primário, que consiste do estaqueamento de estacas vegetativas vivas
e enraizadas no solo (Figura 7);

c
b
a

Figura 7 ­ Live Stakes: (a) estacas mortas resistentes; (b) rolos de fibra de coco; (c) estacas
vivas.
Fonte: Eubanks e Meadows (2006)

§ Live Fascine ou feixes vivos são galhos e ramos de material vegetal, com
potencial de enraizamento, amarrados com cordas em grandes fardos e
instalados em valas rasas com estacas de madeira e/ou estacas vivas (Figura 8);

57

d
c
b

e
f
g
a

Figura 8 ­ Live Fascine: (a) fardos de ramos vivos; (b) estacas vivas; (c) estacas mortas
resistentes; (d) reaterro de solo úmido; (e) geotextil: (g) ramos de feixes vivos; (g) cordas.
Fonte: Eubanks e Meadows (2006)
§ Brush Layering ou camadas de ramos consistem do corte de ramos vivos

podados, intercalados entre camadas de solos, dispostos perpendicularmente e
orientados para a face do talude, de forma que as extremidades dos ramos se
projetem além da face do talude, retardando o escoamento superficial e reduzindo
a erosão de superfície (Figura 9);

a
b

Figura 9 ­ Brush Layering: (a) cortes vivos de plantas; (b) material de preenchimento
compactado.
Fonte: Eubanks e Meadows (2006)

§

A técnica de empacotamento de ramos (Branch Packing) consiste em alternar
camadas de estacas vivas e aterro compactado. As raízes espalhadas deverão
formar uma massa unificada reparando as cicatrizes e depressões em encostas
(Figura 10);

58

b

c

a

d

Figura 10 ­ Branch Packing: (a) chumaço de raízes; (b) cortes vivos de plantas; (c) material
de preenchimento compactado; (d) estacas vivas.
Fonte: Eubanks e Meadows (2006)

§ O Cribwall é uma estrutura de contenção ou reforço de terreno, formado por toras de
madeira preenchidas por pedras, terras e mudas que geram um volume de raízes
que junto com a madeira estabilizam o talude, controlando o processo erosivo
(Figura 11); e

b

a
c

d

Figura 11 ­ Live Cribwalls: (a) cortes de ramos vivos; (b) material de preenchimento
compactado; (c) geotextil; (d) enrocamento.
Fonte: Eubanks e Meadows (2006)
§ Geogrelha Vegetada: intercalação de vegetação, estacas de ramos vivos, entre

camadas de solos acondicionadas por material geotêxtil natural ou sintético
(Figura 12).

59

b
a

c
d
Aplicação da geogrelha vegetada
em margem de curso d'água.

Detalhe da foto anterior.

Figura 12 ­ Geogrelha vegetada: (a) geotextil; (b) estaca morta; (c) camada de solo
compactado; (d) ramos vivos.
Fonte: Eubanks e Meadows (2006)

Comumente, as técnicas de bioengenharia de solos anteriormente descritas são
empregadas para solucionar casos de degradação ambiental, notadamente
decorrentes do processo erosivo natural dos cursos d'água ou resultantes de ações
antrópicas de ocupação, envolvendo tanto as perdas econômicas quanto situações
de riscos. No entanto, essas técnicas podem ser estudadas, adaptadas e aplicadas
para conter processos erosivos que ocorrem em margens de reservatórios com
processos erosivos.

60

9

CONSIDERAÇÕES GERAIS

Levando-se em conta as características do lago formado pela barragem de Porto
Primavera (largura de até 20 km e extensão de 250 km) e as diferenças de
comportamento das margens frente aos processos erosivos, as ondas sobre os
taludes das encostas do reservatório da barragem de Porto Primavera formaram
feições típicas e diferentes ao longo do perímetro do reservatório.
Entre a barragem de Porto Primavera e o Paredão das Araras, os processos
erosivos observados na margem do lado do Mato Grosso do Sul, principalmente, na
região de Anaurilândia, são decorrentes do embate de ondas sobre os terraços
coluvionares/aluvionares.
Na

margem

situada

no

estado

de

São

Paulo,

além

dos

terraços

coluvionares/aluvionares, a existência do arenito Caiuá, por ser mais coeso, oferece
uma resistência variada ao embate de ondas, com algumas formações de erosão
nos paredões constituídos por arenito.
Entretanto, no trecho compreendido entre Presidente Epitácio até a barragem de
Jupiá, também na margem situada no estado de São Paulo, a erosão por embate de
ondas, diferente dos processos citados, está associada a alterações do nível d'água
de operação da Barragem de Jupiá, não sendo significativa, como também da
pequena circulação de embarcações.
Diante dos cenários observados, as soluções a serem empregadas nas encostas do
reservatório devem considerar desde projetos de obras mais simples até algumas
situações mais complexas.
As técnicas de bioengenharia de solos, a despeito de serem consideradas obras
de relativa simplicidade, são obras de engenharia, devendo respeitar todo um
conceito inserido na engenharia convencional, pois requerem um planejamento e
intervenções para serem construídas.
No caso da aplicação de uma das técnicas da bioengenharia de solos pode-se
priorizar o uso de material local, a exemplo de madeiras trazidas pelo rio e
depositadas nas margens do reservatório como as galhadas, o corte dos fustes de
árvores da floresta submersa, notadamente disponível ao longo do reservatório,
como uma alternativa de material construtivo; além de outros tipos de materiais
comercializados como dormentes, cruzetas, pranchas, vigas e peças roliças.

61

Com relação ao uso da madeira deve ser considerado que a mesma, como
material orgânico, está susceptível ao ataque de organismos xilófagos (fungos
apodrecedores) que influenciam a sua vida útil e a durabilidade natural (relacionado
ao cerne do material).
Quanto à submersão parcial, a madeira pode apresentar em sua região de
afloramento condições ideais para o desenvolvimento de organismos xilófagos,
reduzindo a resistência mecânica das peças.
É possível ainda a utilização de madeira sem tratamento, porém com a aplicação de
preservativos de madeira por processos não-industriais (p.ex. imersão simples) ou
industriais (vácuo-pressão em autoclave), que podem aumentar em vários anos a
vida útil da madeira. Dentre os preservativos, destaca-se o arseniato de cobre
cromatado (CCA) e o composto de cobre, cromo e boro (CCB) são preservativos
hidrossolúveis e o creosoto, como preservativo oleossolúvel (ASSOCIAÇÃO
BRASILEIRA DE PREVERVAÇÃO DE MADEIRAS, 2009).
Quanto ao emprego da vegetação como material vivo, seja herbácea, arbustiva ou
arbórea, combinada com as estruturas de proteção, faz-se necessário que a
vegetação possua potencial de sobrevivência a situações adversas.
Cabe ressaltar que no Projeto CESP/IPT/ANEEL, o estudo da vegetação refere-se a
uma etapa do projeto, o qual está sendo realizado de forma muito ampla com vistas
a identificar a espécie ou as espécies existentes no local que apresentem as
características

ideais,

como

potencial

reprodutivo,

por

meios

vegetativos

(crescimento rápido), não excluindo aquelas que se propagam por sementes; época
de plantio, sistema radicular e sua flexibilidade e resistência dos ramos para serem
utilizadas como componente estrutural.
É desejável ainda que as espécies possuam um denso e profundo enraizamento e
capacidade de suportar condições de submersão ou exposição parcial de suas
raízes por períodos relativamente longos.
Ainda com relação à proteção do solo contra os agentes erosivos, principalmente a
água, que tem influência decisiva na estabilidade de encostas, as biomantas
também são uma opção de uso que, associadas com as estruturas de madeira
projetada sobre os taludes, exerce papel fundamental, estabelecendo o crescimento

62

da vegetação e, consequentemente, auxiliando no desenvolvimento e resistência
radicular da vegetação.
Como exemplo, as Fotografias 39 e 40 mostram diferentes cenários de taludes
erodidos localizados na margem direita do reservatório, na região de Anaurilândia
(MS) e, de forma ilustrativa, as Figuras 12 e 13 mostram, respectivamente,
simulação da aplicação da técnica denominada de Krainerwand (Parede Krainer)
inserida nessa tecnologia.

Fotografia 39 ­ Talude erodido na margem Figura 13 ­ Simulação do emprego de uma
direita do reservatório (MS).
Parede Krainer.
Fonte: Franco (2007).
Fonte: elaborado pela autora.

Fotografia 40 ­ Talude erodido na margem Figura 14 ­ Simulação do emprego de uma
direita do reservatório (MS).
Parede Krainer.
Fonte: Franco (2007).
Fonte: elaborado pela autora.

63

10 CONCLUSÃO E RECOMENDAÇÕES
A pesquisa identificou e analisou algumas das técnicas da bioengenharia de solos
utilizadas na estabilização de margens de cursos d'água, redução da velocidade da
água, restauração de ambientes aquáticos por meio do restabelecimento da
vegetação, podendo também ser aplicadas em taludes de rodovias, assim como
procedeu avaliação em relação a tipos de estruturas de proteção de margens
inseridas na engenharia convencional, destinadas a proteger áreas que sofrem
processos erosivos como margens de rios, reservatórios e áreas costeiras.
Apesar da eficiência de algumas estruturas de proteção de margem mostradas nesta
pesquisa como gabiões, blocos de concreto articulados ou não, bolsacreto, painéis
de concreto, sacos de areia, madeiras e geossintéticos, dependendo do local de sua
aplicação ou tipo de material, essas podem estar sujeitas a ruptura, deterioração,
corrosão ou mesmo estarem vulneráveis ao vandalismo.
Na bioengenharia de solos, a vegetação é o principal elemento construtivo e, mesmo
que essa forneça uma significativa ajuda na estabilização dos processos erosivos,
independente da área a ser protegida, sozinha, a bioengenharia de solos não
consegue impedir que a força das ondas atinja os taludes de encostas de
reservatórios, de modo que, ela deverá ser um complemento à implantação de
dispositivos estruturais em consórcio com outras técnicas.
No caso das técnicas da bioengenharia de solos, tecnologia com maior aplicação na
estabilização de ambientais fluviais de encostas e de taludes artificiais, deve-se
considerar as vantagens e limitações de sua aplicação, principalmente no que tange
ao uso da vegetação e do material construtivo.
Portanto, a realização de experimentos utilizando a bioengenharia de solos nas
encostas do reservatório da barragem de Porto Primavera, em consórcios com
outras técnicas já empregadas em áreas do reservatório, poderá fornecer
informações valiosas quanto à sua aplicabilidade e eficiência na estabilização de
processos erosivos que também ocorrem nas margens de outros reservatórios, seja
por embate de ondas, por ação dos ventos, pelo movimento de embarcações ou
mesmo pela alteração do nível d'água de operação da barragem.
Esta pesquisa mostrou que ainda há muito a se pesquisar sobre técnicas, da
bioengenharia de solos ou mesmo sobre tecnologias consorciadas que possam vir a

64

ser aplicadas para estabilizar processos erosivos de margens de reservatório de
barragens voltados à geração de energia elétrica, procurando encontrar alternativas
que reduzam as interferências no meio ambiente se comparadas aos métodos
puramente convencionais.
Considerando-se os resultados alcançados com a presente pesquisa, julga-se
pertinente recomendar a realização de estudos com a finalidade do preenchimento
de lacunas de conhecimento quanto à utilização da bioengenharia de solos na
proteção/contenção de processos erosivos de margens de reservatórios de
barragens para fins hidrelétricos, quais sejam:
a)

estudos para caracterização de campo acerca da dinâmica das ondas geradas
em reservatórios, suas alturas e direções principais;

b)

estudos sobre a influência dos ventos em lagos de reservatórios, como
velocidade, direção preferencial e frequência;

c)

levantamento topográfico e levantamento batimétrico de fundo de reservatórios
para utilização como elemento de projetos de contenção de encostas; e

d)

desenvolvimento de experimentos de monitoramento de desempenho da
utilização de técnicas de bioengenharia em contenção de encostas de
reservatórios e outros corpos hídricos.

65

REFERÊNCIAS
ALMEIDA, M. A.; STEIN, D. P.; MELO, M. S.; BISTRICHI, C. A.; PONÇANO, W. L.;
HASUI, Y.; ALMEIDA, F. F. M. Geologia do oeste paulista e áreas fronteiriças dos
Estados do Mato Grosso do Sul e Paraná. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE
GEOLOGIA, 31., 1980, Camburiú. Anais... São Paulo: SBG, 1980. p.1799-2812.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PRESERVAÇÃO DE MADEIRAS. Preservação.
Disponível em: . Acesso em 9 nov. 2009.
ARAUJO, G. H. S.; ALMEIDA, J. R.; GUERRA, A. J. T. Gestão ambiental de áreas
degradadas. 2. ed. Rio de Janeiro: Bertrand do Brasil, 2007.
AZEVEDO, A. A., SIQUEIRA, A. G., GARCIA, W. Procedimentos metodológicos
adotados para implantação do programa de monitoramento das encostas marginais
do reservatório de Porto Primavera ­ Rio Paraná. In: CONGRESSO BRASILEIRO
DE GEOLOGIA DE ENGENHARIA, 10., 2002, Ouro Preto. Anais... São Paulo:
ABGE, 2002. CD-ROM.
AZEVEDO, A. A., KITAHARA, S. M., SANTOS, N. B., SIQUEIRA, A. S.
Monitoramento das encostas marginais do reservatório de Porto Primavera (UHE
SERGIO MOTTA), Rio Paraná, SP/MS. In: SIMPÓSIO SOBRE
INSTRUMENTAÇÃO DE BARRAGENS, 3., 2006, São Paulo. Anais... São Paulo:
CBDB, 2006.
BRIGHETTI, G.; MARTINS, J. R. S. Estabilização e proteção de margens. São
Paulo: USP/POLI, 2001. Disponível em:
. Acesso em: 19 jun. 2008.
COMPANHIA ENERGÉTICA DE SÃO PAULO. Usina Hidrelétrica de Porto
Primavera. Disponível em: . Acesso em 14 jun. 2008.
DURLO, M. A; SUTILI, F. J. Bioengenharia: manejo biotécnico de cursos de água.
Porto Alegre: Edições EST, 2005. 189p.
ENGECORPS. Reservatório de Porto Primavera: erosão das margens do
reservatório entre Panorama e Paulicéia. São Paulo: Engecorps, 2000. (Relatório
nº 384-CSP-UPP-RT-E00/00).
EUBANKS, C. E.; MEADOWS, D. A soil bioengineering guide: for streambank and
lakeshore stabilization. Washington: U.S. Department of Agriculture Forest Service,
Technology and Development Program, 2006. Disponível em:
.
Acesso em: 26 jul. 2008.
FORNASARI FILHO, N. (Coord.) et al. Alterações no meio físico decorrentes de
obras de engenharia. São Paulo: Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado
de São Paulo, 1992.

66

FORNASARI FILHO, N.; BITAR, O. Y. O meio físico em estudos de impacto
ambiental-EIAs. In: ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE GEOLOGIA DE
ENGENHARIA. Curso de Geologia aplicada ao meio ambiente. São Paulo:
IPT/ABGE, 1995. p.151-163, (Série Meio Ambiente)
FRANCO, N. Fotografias cedidas sobre erosões na margem do Reservatório
de Porto Primavera. 2007-2008. (Album Pessoal).
FRANTI, T. G. Bioengineering for hillslope, streambank and lakeshore erosion
control. Lincoln: University of Nebraska, Lincoln Extension, Institute of Agriculture
and Natural Resources, 2006. Disponível em:
. Acesso em: 04 jul.
2008.
GALVÃO, T. C. B., COELHO, A. T., SILVINO, P. R. S., PARIZZI, M. G., REZENDE,
A. P. S., PRADO, N. J. S., CORREA, M. R., SILVEIRA, J. R., ZERLOTTINI, A.,
TORQUATO, V. C., RAMOS, S. M. Estudo de técnicas de bioengenharia de
solos para controle de erosão em margens de reservatórios. Belo Horizonte:
Cemig, ([2006]).
GRAY, D. H.; SOTIR, R. B. Biotechnical and soil bioengineering slope
stabilization: a practical guide for erosion control. New York: John Wiley and Sons,
1996. 385p.
HOLANDA, F. S. R.; ROCHA, I. P.; OLIVEIRA, V. S. Estabilização de taludes
marginais com técnicas de bioengenharia de solos no Baixo São Francisco. Revista
Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v.12, n.6,
p.570-575, abr. 2008. Disponível em:
. Acesso em: 12 nov. 2008.
INFANTI JUNIOR.; N.; FORNASARI FILHO, N. Processos de dinâmica superficial:
In: OLIVEIRA, A. M. S.; BRITO, S. N. A. (Ed.). Geologia de engenharia. São
Paulo: ABGE, 1998. Cap. 9, p.131-152.
INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO.
Implantação e desempenho das obras de contenção dos escorregamentos nas
encostas marginais do reservatório Paraibuna-Paraitinga. São Paulo:
IPT/DMGA, 1985. 55p. (Relatório Técnico no 21.528).
INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO.
Monitoramento das encostas marginais do reservatório da barragem de Porto
Primavera. Relatório Parcial: Caracterização geológico-geomorfológica da área
de interesse. São Paulo: IPT/Digeo, 2001a. 17p. (Relatório Técnico no 49.458).
INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO.
Encostas marginais do reservatório de Porto Primavera ­ Implantação do
Programa de Monitoramento. São Paulo: IPT/Digeo, 2001b. 35p (Relatório
Técnico no 51.195).

67

INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO.
Prognóstico de recuo das encostas marginais do reservatório da barragem de
Porto Primavera, rio Paraná, SP/MS. São Paulo: IPT/Digeo, 2004. 32p. (Relatório
Técnico no 73.592), v. 1/4.
INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO.
Monitoramento das encostas marginais do reservatório da barragem de Porto
Primavera: análise da evolução dos processos erosivos cinco anos após a
elevação do nível d'água para a cota 257. São Paulo: IPT/Digeo, 2006. 99p.
LEWIS, L. Soil Bioengineering: an alternative for roadside management: a practical
guide. Califórnia: United States Department of Agriculture Forest Service, 2000.
LIMA, S. F.; NEVES, C. F.; ROSAURO, N. M. L. Amortecimento de ondas
gravitacionais por campos de vegetação flexível parte I: formulação do modelo
teórico. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, Porto Alegre, v.12, n.3, p.151161, jul./set. 2007.
MARQUES FILHO, P. L. et al. Barragens e reservatórios. In: OLIVEIRA, A. M. S.;
BRITO, S. N. A. (Ed.). Geologia de engenharia. São Paulo: ABGE, 1998.
Cap.24, p.397-418.
MÜLLER, A. C. Hidrelétricas, meio ambiente e desenvolvimento. São Paulo:
Makrom Books, 1995. 412p.
PEREIRA, A. R. Como selecionar plantas para áreas degradadas e controle de
erosão. 2. ed. Belo Horizonte: Fapi, 2008. 239 p.
ROBBIN B. SOTIR & ASSOCIATES, INC. Soil Bioengineering Consultants.
Brushing off erosion. Disponível em:
. Acesso em: 24 abr.
2009.
ROCHA, I. P. Controle da erosão marginal no Baixo São Francisco: uso da
bioengenharia de solos associada à recuperação da vegetação ciliar. São
Cristóvão, SE, 2006. 60 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Engenharia
Florestal) - Departamento de Engenharia Agronômica, Universidade Federal de
Sergipe, Aracaju, 2006.
SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE ­ SMA. Atlas das unidades de conservação
ambiental do Estado de São Paulo. São Paulo: SMA, 2001. 64p.
STEIN, D. P., OLIVEIRA, A. M., PONÇANO, W. L., IWASA, O. Y., KERTZMAN, F.
F., SALOMÃO, F. X. T. Erosão. In: ENCONTRO TÉCNICO CESP/IPT: O MEIO
FÍSICO NOS ESTUDOS AMBIENTAIS DE PROJETOS HIDRELÉTRICOS, 1994,
Paraibuna. Anais... São Paulo: CESP, 1994. p.38.
SUTILI, F. J. Bioengenharia de solos no âmbito fluvial do sul do Brasil. 2007.
94 f. Tese (Doutorado) ­ Departamento de Engenharia Civil e Perigos Naturais,
Instituto de Bioengenharia de Solos e Planejamento da Paisagem, Universidade
Rural de Viena, Áustria, 2007.

68

SUTILI, F. J. Bioengenharia de solos: técnica, materiais e aplicação (esquema).
Disponível em: . Acesso em: 11 ago. 2008.
SUTILI, F. J. Fotografias cedidas sobre erosões na margem do Arroio Guardamor, Faxinal do Soturno, RS. Rio grande do Sul: 2009.
TENNESSEE VALLEY AUTHORITY - TVA. Riparian restoration. Understanding
erosion. Disponível em:
. Acesso
em: 18 jun. 2008.
TRAVASSOS, L. E. P. Impactos gerados pela UHE Porto Primavera sobre o meio
físico e biótico de Campinal, Presidente Epitácio, SP. Revista de Biologia e
Ciências da Terra, v.1, n.1, 2001.
U.S. ARMY CORPS OF ENGINEERS. Low cost shore protection: a guide for
engineers and contractors. Honolulu: University Press of the Pacific, 2004.

69

Apêndice
Mapa de Localização do Reservatório da Barragem de Porto Primavera

0

15 km

<

Três Lagoas

50°
00'
50°
50° 00'
00'

50°
50° 30'
30'

51°
51° 00'
00'

51°
51° 30'
30'

52°
52° 00'
00'

52°
52° 30'
30'

53°
53° 00'
00'

53°
53° 30'
30'

N

Itapura

Andradina

<

UHE
JUPIÁ
21°
21° 00'
00'

Castilho
Nova
Independência

Paulicéia

<

Brasilândia

<

São João do
Pau d'Alho

<
<

Santa
Mercedes

Santa Rita do Pardo

Tupi Paulista

Panorama

21°
21° 30'
30'

Ouro
Verde

Dracena
GOIÁS

<

<

Bataguassu

MINAS GERAIS

Presidente
Venceslau
MATO GROSSO DO SUL
JUPIÁ

Caiuá

Piquerobi

22°
22° 00'
00'

PORTO
PRIMAVERA

Presidente
Epitácio

Anaurilândia

UHE PORTO
PRIMAVERA

Marabá
Paulista

RIO DE
JANEIRO

Santo
Anastácio

SÃO PAULO
PARANÁ

<

Oc

ITAIPU
ITAIPU
IT AIPU

Mirante do
Paranapanema

Teodoro Sampaio
Batayporã

22°
22° 30'
30'

Rosana

<

Euclides da
Cunha Paulista

<

Mapa de localização do reservatório barragem de Porto Primavera
Fonte: Mapa elaborado a partir da Base de Dados Geoambientais (IPT, 1999)

PARAGUAI

SANTA CATARINA

no
ea


At

ico
nt