INTRODUÇÃO À
TECNOLOGIA ASSISTIVA

Rita Bersch

ASSISTIVA · TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO
Porto Alegre · RS
2013

TECNOLOGIA ASSISTIVA
Rita Bersch

1. Conceito e Objetivo

Tecnologia Assistiva - TA é um termo ainda novo, utilizado para identificar todo o arsenal de
recursos e serviços que contribuem para proporcionar ou ampliar habilidades funcionais de
pessoas com deficiência e conseqüentemente promover vida independente e inclusão. (BERSCH &
TONOLLI, 2006)
Num sentido amplo percebemos que a evolução tecnológica caminha na direção de tornar a
vida mais fácil. Sem nos apercebermos utilizamos constantemente ferramentas que foram
especialmente desenvolvidas para favorecer e simplificar as atividades do cotidiano, como os
talheres, canetas, computadores, controle remoto, automóveis, telefones celulares, relógio,
enfim, uma interminável lista de recursos, que já estão assimilados à nossa rotina e, num senso
geral, "são instrumentos que facilitam nosso desempenho em funções pretendidas".
Introduzirmos o conceito da TA com a seguinte citação:
"Para as pessoas sem deficiência a tecnologia torna as coisas mais fáceis.
Para as pessoas com deficiência, a tecnologia torna as coisas possíveis".
(RADABAUGH, 1993)
Cook e Hussey definem a TA citando o conceito do ADA - American with Disabilities Act,
como "uma ampla gama de equipamentos, serviços, estratégias e práticas concebidas e aplicadas
para minorar os problemas funcionais encontrados pelos indivíduos com deficiências". (COOK &
HUSSEY, 1995)
A TA deve ser entendida como um auxílio que promoverá a ampliação de uma habilidade
funcional deficitária ou possibilitará a realização da função desejada e que se encontra impedida
por circunstância de deficiência ou pelo envelhecimento.
Podemos então dizer que o objetivo maior da TA é proporcionar à pessoa com deficiência
maior independência, qualidade de vida e inclusão social, através da ampliação de sua
comunicação, mobilidade, controle de seu ambiente, habilidades de seu aprendizado e trabalho.

2. Tecnologia Assistiva ­ Conceito Brasileiro
Em 16 de novembro de 2006, a Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da
República - SEDH/PR, através da portaria nº 142, instituiu o Comitê de Ajudas Técnicas - CAT, que
reúne um grupo de especialistas brasileiros e representantes de órgãos governamentais, em uma

© 2013 Rita Bersch · www.assistiva.com.br · [email protected]

2

agenda de trabalho. O CAT foi instituído como objetivos principais de: apresentar propostas de
políticas governamentais e parcerias entre a sociedade civil e órgãos públicos referentes à área de
tecnologia assistiva; estruturar as diretrizes da área de conhecimento; realizar levantamento dos
recursos humanos que atualmente trabalham com o tema; detectar os centros regionais de
referência, objetivando a formação de rede nacional integrada; estimular nas esferas federal,
estadual, municipal, a criação de centros de referência; propor a criação de cursos na área de
tecnologia assistiva, bem como o desenvolvimento de outras ações com o objetivo de formar
recursos humanos qualificados e propor a elaboração de estudos e pesquisas, relacionados com o
tema da tecnologia assistiva. (BRASIL ­ SDHPR, 2012)
Para elaborar um conceito de tecnologia assistiva que pudesse subsidiar as políticas públicas
brasileiras os membros do CAT fizeram uma profunda revisão no referencial teórico internacional,
pesquisando os termos Ayudas Tecnicas, Ajudas Técnicas, Assistive Tecnology, Tecnologia Assistiva
e Tecnologia de Apoio. Alguns dos conceitos pesquisados são citados e analisados no texto que
segue.
De acordo com o Secretariado Nacional para a Reabilitação e Integração das Pessoas com
Deficiência (SNRIPD) de Portugal afirma:
"Entende-se por ajudas técnicas qualquer produto, instrumento, estratégia, serviço e prática
utilizada por pessoas com deficiência e pessoas idosas, especialmente, produzido ou geralmente
disponível para prevenir, compensar, aliviar ou neutralizar uma deficiência, incapacidade ou
desvantagem e melhorar a autonomia e a qualidade de vida dos indivíduos". (PORTUGAL, 2007).
Nesta descrição percebemos a grande abrangência do tema, que extrapola a concepção de
produto e agrega outras atribuições ao conceito de ajudas técnicas como: estratégias, serviços e
práticas que favorecem o desenvolvimento de habilidades de pessoas com deficiência.
O conceito proposto no documento "Empowering Users Through Assistive Technology" EUSTAT, elaborado por uma comissão de países da União Européia traz incorporado ao conceito
da tecnologia assistiva as varias ações em favor da funcionalidade das pessoas com deficiência
afirmando:
"...em primeiro lugar, o termo tecnologia não indica apenas objetos físicos, como dispositivos
ou equipamento, mas antes se refere mais genericamente a produtos, contextos organizacionais
ou modos de agir, que encerram uma série de princípios e componentes técnicos". (EUROPEAN
COMMISSION - DGXIII, 1998)
Já os documentos de legislação nos Estados Unidos apresentam a TA como recursos e
serviços sendo que:
"Recursos são todo e qualquer item, equipamento ou parte dele, produto ou sistema
fabricado em série ou sob-medida utilizado para aumentar, manter ou melhorar as capacidades
funcionais das pessoas com deficiência. Serviços são definidos como aqueles que auxiliam
diretamente uma pessoa com deficiência a selecionar, comprar ou usar os recursos acima
definidos". (ADA - American with Disabilities ACT 1994.)
A partir destes e outros referenciais o CAT - aprovou, em 14 de dezembro de 2007, um
conceito que pudesse subsidiar as políticas públicas brasileiras. Afirma este conceito:

© 2013 Rita Bersch · www.assistiva.com.br · [email protected]

3

"Tecnologia Assistiva é uma área do conhecimento, de característica interdisciplinar, que
engloba produtos, recursos, metodologias, estratégias, práticas e serviços que objetivam promover
a funcionalidade, relacionada à atividade e participação, de pessoas com deficiência,
incapacidades ou mobilidade reduzida, visando sua autonomia, independência, qualidade de vida e
inclusão social". (BRASIL - SDHPR. ­ Comitê de Ajudas Técnicas ­ ATA VII)

3. Classificação em categorias
Os recursos de tecnologia assistiva são organizados ou classificados de acordo com objetivos
funcionais a que se destinam.
Várias classificações de TA foram desenvolvidas para finalidades distintas e citamos a ISO
9999/2002 como uma importante classificação internacional de recursos, aplicada em vários
países.1
O Sistema Nacional de Classificação dos Recursos e Serviços de TA, dos Estados Unidos,
diferencia-se da ISO ao apresentar, além da descrição ordenada dos recursos, o conceito e a
descrição de serviços de TA. 2
A classificação HEART, é apresentada de forma adaptada no documento EUSTATEmpowering Users Through Assistive Technology, que foi elaborado por um grupo de
pesquisadores de vários países da União Européia e é considerada por eles, como sendo a mais
apropriada para a formação dos usuários finais de TA, bem como para formação de recursos
humanos nesta área. 3
Ao apresentar uma classificação de TA, seguida de redefinições por categorias, destaca-se
que a sua importância está no fato de organizar a utilização, prescrição, estudo e pesquisa de
recursos e serviços em TA, além de oferecer ao mercado focos específicos de trabalho e
especialização.
A classificação que segue foi escrita em 1998 por José Tonolli e Rita Bersch. Ela tem uma
finalidade didática e em cada tópico considera a existência de recursos e serviços; foi desenhada
com base em outras classificações utilizadas em bancos de dados de TA e especialmente a partir
da formação dos autores no Programa de Certificação em Aplicações da Tecnologia Assistiva ­
ATACP da California State University Northridge, College of Extended Learning and Center on
Disabilities. 4 Recentemente esta classificação foi utilizada pelo Ministério da Fazenda; Ciência,
Tecnologia e Inovação e pela Secretaria Nacional de Direitos Humanos da Presidência da República
na publicação da Portaria Interministerial Nº 362, de 24 de Outubro de 2012 que trata sobre a
linha de crédito subsidiado para aquisição de bens e serviços de Tecnologia Assistiva destinados às
1

Iso 9999 pode ser pesquisada em: http://atiid.incubadora.fapesp.br/portal/taat/normas-relacionadas-ataat/CopiaGlossario-ClassificacaoIntlAT-ISO9999-2002.xls/view http://www.inr.pt/content/1/2/lista-homologada ou
http://www.lerparaver.com/node/492
2
O Sistema Nacional de Classificação dos Recursos e Serviços de TA, dos Estados Unidos, pode ser encontrada em:
www.ed.gov/offices/OSERS/NIDRR/Products/National_Classification_System.doc
3
O documento EUSTAT pode ser encontrado em http://www.siva.it/research/eustat/index.html
4
Para maiores informações sobre o Programa de Certificação em Aplicações da Tecnologia Assistiva ­ ATACP da
Califórnia State University Northridge, College of Extended Learning and Center on Disabilities, consulte
http://www.csun.edu/cod/conf/2008/

© 2013 Rita Bersch · www.assistiva.com.br · [email protected]

4

pessoas com deficiência e sobre o rol dos bens e serviços.
4. Categorias de Tecnologia Assistiva
4.1 Auxílios para a vida diária e vida prática
Materiais e produtos que favorecem desempenho autônomo e independente em tarefas
rotineiras ou facilitam o cuidado de pessoas em situação de dependência de auxílio, nas atividades
como se alimentar, cozinhar, vestir-se, tomar banho e executar necessidades pessoais.
São exemplos os talheres modificados, suportes para utensílios domésticos, roupas
desenhadas para facilitar o vestir e despir, abotoadores, velcro, recursos para transferência, barras
de apoio, etc. Também estão incluídos nesta categoria os equipamentos que promovem a
independência das pessoas com deficiência visual na realização de tarefas como: consultar o
relógio, usar calculadora, verificar a temperatura do corpo, identificar se as luzes estão acesas ou
apagadas, cozinhar, identificar cores e peças do vestuário, verificar pressão arterial, identificar
chamadas telefônicas, escrever etc.

Alimentação (fixador do talher à mão, anteparo de alimentos no prato, fatiados de pão)

Vestuário (abotoador, argola para zíper e cadarço mola)

© 2013 Rita Bersch · www.assistiva.com.br · [email protected]

5

Materiais escolares (aranha mola para fixação da caneta, pulseira de imã estabilizadora da mão, plano inclinado,
engrossadores de lápis, virador de página por acionadores)

4.2 CAA - Comunicação Aumentativa e Alternativa
Destinada a atender pessoas sem fala ou escrita funcional ou em defasagem entre sua
necessidade comunicativa e sua habilidade em falar e/ou escrever. Recursos como as pranchas de
comunicação, construídas com simbologia gráfica (BLISS, PCS e outros), letras ou palavras escritas,
são utilizados pelo usuário da CAA para expressar suas questões, desejos, sentimentos,
entendimentos. A alta tecnologia dos vocalizadores (pranchas com produção de voz) ou o
computador com softwares específicos e pranchas dinâmicas em computadores tipo tablets,
garantem grande eficiência à função comunicativa.

Prancha de comunicação impressa; vocalizadores de mensagens gravadas; prancha de comunicação gerada com o
software Boardmaker SDP no equipamento EyeMax (símbolos são selecionados pelo movimento ocular e a mensagem
é ativada pelo piscar) e pranchas dinâmicas de comunicação no tablet.

© 2013 Rita Bersch · www.assistiva.com.br · [email protected]

6

4.3 Recursos de acessibilidade ao computador
Conjunto de hardware e software especialmente idealizado para tornar o computador
acessível a pessoas com privações sensoriais (visuais e auditivas), intelectuais e motoras. Inclui
dispositivos de entrada (mouses, teclados e acionadores diferenciados) e dispositivos de saída
(sons, imagens, informações táteis).
São exemplos de dispositivos de entrada os teclados modificados, os teclados virtuais com
varredura, mouses especiais e acionadores diversos, software de reconhecimento de voz,
dispositivos apontadores que valorizam movimento de cabeça, movimento de olhos, ondas
cerebrais (pensamento), órteses e ponteiras para digitação, entre outros.
Como dispositivos de saída podemos citar softwares leitores de tela, software para ajustes
de cores e tamanhos das informações (efeito lupa), os softwares leitores de texto impresso (OCR),
impressoras braile e linha braile, impressão em relevo, entre outros.

Teclado expandido e programável IntelliKeys, diferentes modelos de mouse e sistema EyeMax para controle do
computador com movimento ocular.

Linha Braille, mapa tátil com impressão em relevo.

4.4 Sistemas de controle de ambiente
Através de um controle remoto as pessoas com limitações motoras, podem ligar, desligar e
ajustar aparelhos eletroeletrônicos como a luz, o som, televisores, ventiladores, executar a
abertura e fechamento de portas e janelas, receber e fazer chamadas telefônicas, acionar sistemas
de segurança, entre outros, localizados em seu quarto, sala, escritório, casa e arredores. O
controle remoto pode ser acionado de forma direta ou indireta e neste caso, um sistema de
varredura é disparado e a seleção do aparelho, bem como a determinação de que seja ativado, se
dará por acionadores (localizados em qualquer parte do corpo) que podem ser de pressão, de
tração, de sopro, de piscar de olhos, por comando de voz etc.

© 2013 Rita Bersch · www.assistiva.com.br · [email protected]

7

As casas inteligentes podem também se auto ajustar às informações do ambiente como
temperatura, luz, hora do dia, presença de ou ausência de objetos e movimentos, entre outros.
Estas informações ativam uma programação de funções como apagar ou acender luzes, desligar
fogo ou torneira, trancar ou abrir portas. No campo da Tecnologia Assistiva a automação
residencial visa a promoção de maior independência no lar e também a proteção, a educação e o
cuidado de pessoas idosas, dos que sofrem de demência ou que possuem deficiência intelectual.

Representação esquemática de controle de ambiente a partir do controle remoto.

4.5 Projetos arquitetônicos para acessibilidade
Projetos de edificação e urbanismo que garantem acesso, funcionalidade e mobilidade a
todas as pessoas, independente de sua condição física e sensorial. Adaptações estruturais e
reformas na casa e/ou ambiente de trabalho, através de rampas, elevadores, adaptações em
banheiros, mobiliário entre outras, que retiram ou reduzem as barreiras físicas.

Projeto de acessibilidade no banheiro, cozinha, elevador e rampa externa.

4.6 Órteses e próteses
Próteses são peças artificiais que substituem partes ausentes do corpo.
Órteses são colocadas junto a um segmento corpo, garantindo-lhe um melhor
posicionamento, estabilização e/ou função. São normalmente confeccionadas sob medida e
servem no auxílio de mobilidade, de funções manuais (escrita, digitação, utilização de talheres,
manejo de objetos para higiene pessoal), correção postural, entre outros.

© 2013 Rita Bersch · www.assistiva.com.br · [email protected]

8

Próteses de membros superiores e órtese de membro inferior.

4.7 Adequação Postural
Ter uma postura estável e confortável é fundamental para que se consiga um bom
desempenho funcional. Fica difícil a realização de qualquer tarefa quando se está inseguro com
relação a possíveis quedas ou sentindo desconforto.
Um projeto de adequação postural diz respeito à seleção de recursos que garantam posturas
alinhadas, estáveis, confortáveis e com boa distribuição do peso corporal.
Indivíduos que utilizam cadeiras de rodas serão os grandes beneficiados da prescrição de
sistemas especiais de assentos e encostos que levem em consideração suas medidas, peso e
flexibilidade ou alterações músculo-esqueléticas existentes.
Recursos que auxiliam e estabilizam a postura deitada e de pé também estão incluídos,
portanto, as almofadas no leito ou os estabilizadores ortostáticos, entre outros, fazem parte deste
grupo de recursos da TA.
Quando utilizados precocemente os recursos de adequação postural auxiliam na prevenção
de deformidades corporais.

Desenho representativo da adequação postural, poltrona postural e estabilizador ortostático.

4.8 Auxílios de mobilidade
A mobilidade pode ser auxiliada por bengalas, muletas, andadores, carrinhos, cadeiras de
rodas manuais ou elétricas, scooters e qualquer outro veículo, equipamento ou estratégia utilizada
na melhoria da mobilidade pessoal.

© 2013 Rita Bersch · www.assistiva.com.br · [email protected]

9

Cadeiras de rodas motorizadas; equipamento para cadeiras de rodas subirem e desceram escadas.

Carrinho de transporte infantil, cadeira de rodas de auto-propulsão, andador com freio.

4.9 Auxílios para qualificação da habilidade visual e recursos que ampliam a informação a
pessoas com baixa visão ou cegas.
São exemplos: Auxílios ópticos, lentes, lupas manuais e lupas eletrônicas; os softwares
ampliadores de tela. Material gráfico com texturas e relevos, mapas e gráficos táteis, software
OCR em celulares para identificação de texto informativo, etc.

Lupas manuais, lupa eletrônica, aplicativos para celulares com retorno de voz, leitor autônomo.

4.10 Auxílios para pessoas com surdez ou com déficit auditivo
Auxílios que incluem vários equipamentos (infravermelho, FM), aparelhos para surdez,
telefones com teclado-teletipo (TTY), sistemas com alerta táctil-visual, celular com mensagens
escritas e chamadas por vibração, software que favorece a comunicação ao telefone celular
transformando em voz o texto digitado no celular e em texto a mensagem falada. Livros, textos e
dicionários digitais em língua de sinais. Sistema de legendas (close-caption/subtitles).

© 2013 Rita Bersch · www.assistiva.com.br · [email protected]

10

Aparelho auditivo; celular com mensagens escritas e chamadas por vibração, aplicativo que traduz em língua de sinais
mensagens de texto, voz e texto fotografado.

4.11 Mobilidade em veículos
Acessórios que possibilitam uma pessoa com deficiência física dirigir um automóvel,
facilitadores de embarque e desembarque como elevadores para cadeiras de rodas (utilizados nos
carros particulares ou de transporte coletivo), rampas para cadeiras de rodas, serviços de
autoescola para pessoas com deficiência.

Adequações no automóvel para dirigir somente com as mãos e elevador para cadeiras de rodas.

4.12 Esporte e Lazer
Recursos que favorecem a prática de esporte e participação em atividades de lazer.

Cadeira de rodas/basquete, bola sonora, auxílio para segurar cartas e prótese para escalada no gelo.

5. O que é e o que não é Tecnologia Assistiva
A TA deve ser entendida como o "recurso do usuário" e não como "recurso do profissional".
Isto se justifica pelo fato de que ela serve à pessoa com deficiência que necessita desempenhar
funções do cotidiano de forma independente. Por exemplo: a bengala é da pessoa cega ou
daquela que precisa de um apoio para a locomoção; a cadeira de rodas é de quem possui uma
deficiência física e com este recurso chega aos lugares que necessita; a lente servirá a quem
precisa melhorar sua eficiência visual. O software leitor, fala o conteúdo de textos digitalizados à

© 2013 Rita Bersch · www.assistiva.com.br · [email protected]

11

pessoa com deficiência visual ou a quem não consegue ler em função da dislexia ou deficiência
intelectual. Todos estes recursos promovem maior eficiência e autonomia nas várias atividades de
interesse de seus usuários. Por princípio, o recurso de TA acompanha naturalmente o usuário que
o utilizará em diferentes espaços na sua vida cotidiana.
Devemos diferenciar a TA de outras tecnologias como as aplicadas na área médica e de
reabilitação. No campo da saúde a tecnologia visa facilitar e qualificar a atividade dos profissionais
em procedimentos de avaliação e intervenção terapêutica. São equipamentos utilizados no
diagnóstico de saúde, no tratamento de doenças ou na atividade específica de reabilitação, como
melhorar a força muscular de um indivíduo, sua amplitude de movimentos ou equilíbrio. Estes
equipamentos não são tecnologia assistiva e sim tecnologia médica ou de reabilitação.
A tecnologia educacional também é facilmente confundida com a Tecnologia Assistiva. Um
aluno com deficiência física nos membros inferiores e que faz uso de cadeira de rodas, utilizará o
computador com o mesmo objetivo que seus colegas: pesquisar na web, construir textos, tabular
informações, organizar suas apresentações etc. O computador é para este aluno, como para seus
colegas, uma ferramenta tecnológica aplicada no contexto educacional e, neste caso, não se trata
de Tecnologia Assistiva. Qualquer aluno, tendo ou não deficiência ao utilizar um software
educacional está se beneficiando da tecnologia para o aprendizado. Na escola o professor propõe
novas ferramentas tecnológicas com objetivo de diversificar e qualificar o acesso ativo dos alunos
às informações e também proporcionar a eles múltiplas formas de organizarem, expressarem e
apresentarem os conhecimentos construídos.
Quando então a tecnologia pode ser considerada Assistiva no contexto educacional?
Quando ela é utilizada por um aluno com deficiência e tem por objetivo romper barreiras
sensoriais, motoras ou cognitivas que limitam/impedem seu acesso às informações ou
limitam/impedem o registro e expressão sobre os conhecimentos adquiridos por ele; quando
favorecem seu acesso e participação ativa e autônoma em projetos pedagógicos; quando
possibilitam a manipulação de objetos de estudos; quando percebemos que sem este recurso
tecnológico a participação ativa do aluno no desafio de aprendizagem seria restrito ou inexistente.
São exemplos de TA no contexto educacional os mouses diferenciados, teclados virtuais com
varreduras e acionadores, softwares de comunicação alternativa, leitores de texto, textos
ampliados, textos em Braille, textos com símbolos, mobiliário acessível, recursos de mobilidade
pessoal etc.

6. Interdisciplinaridade e a organização de serviços em TA.
O serviço de Tecnologia Assistiva atuará realizando a avaliação; a seleção do recurso mais
apropriado a cada caso; o ensino do usuário sobre a utilização de seu recurso; o acompanhamento
durante a implementação da TA no contexto de vida real; as reavaliações e ajustes no processo.
Também é atribuição do prestador de serviço conhecer e orientar o usuário quanto ao acesso
público e particular aos recursos de TA.
O serviço de TA agregará profissionais de distintas formações como os educadores,
engenheiros, arquitetos, designers, terapeutas ocupacionais, fonoaudiólogos, fisioterapeutas,

© 2013 Rita Bersch · www.assistiva.com.br · [email protected]

12

médicos, assistentes sociais, psicólogos, entre outros, para o atendimento do usuário da TA. A
equipe de profissionais envolvidos e a coordenação do serviço de TA poderá variar, a depender da
característica deste serviço, da modalidade de TA que se propõe a orientar e colocar em prática e
do local onde está inserido, como por exemplo, uma sala de recursos multifuncionais dentro de
uma escola, um centro de reabilitação, uma Universidade com serviço especializado e pesquisa na
área da comunicação alternativa, uma serviço de arquitetura especializado em acessibilidade
ambiental, um centro formador de paraatletas, um serviço de reabilitação profissional, etc.
Todo o trabalho desenvolvido em um serviço de TA deverá envolver diretamente o usuário
e terá como base o conhecimento de seu contexto de vida, a valorização de suas intenções e
necessidades funcionais pessoais, bem como a identificação de suas habilidades atuais. A equipe
de profissionais contribuirá com a avaliação do potencial físico, sensorial e cognitivo do usuário;
com o conhecimento a respeito dos recursos de TA disponíveis no mercado ou que deverão ser
projetados para uma necessidade particular.
Uma característica importante do serviço de TA é que ele deve voltar-se à formação do
usuário para que este possa se tornar um consumidor informado e competente, ou seja, que o
usuário e seus familiares adquiram a habilidade de:
· DEFINIR O PROBLEMA: Explicitar claramente a dificuldade que pretendem superar;
· PARTICIPAR ATIVAMENTE DE TODO O PROCESSO DE SELEÇÃO: Ser ativo no processo de
experimentação de várias alternativas tecnológicas, retroalimentando a equipe de
profissionais com suas considerações, em cada item de TA experimentado. O usuário e
familiares conhecem profundamente o problema e a organização do ambiente onde a
tecnologia será implementada. Estas informações serão fundamentais para que a equipe
defina de forma exitosa a melhor solução em TA.
· DEFINIR A SOLUÇÃO: Durante o percurso de consultoria o usuário deverá adquirir os
conhecimentos necessários para definir, junto com a equipe, no ponto final deste
processo, a escolha da melhor tecnologia que atenderá seu problema específico.
Os usuários e familiares, ao participarem ativamente do processo de seleção da Tecnologia
Assistiva, tomarão consciência das possibilidades e das limitações das tecnologias exploradas no
processo avaliativo e isto os ajudará a tomar a decisão de qual recurso atende melhor à
necessidade perseguida. Compreenderão também que mudanças de rotina e novos empenhos
diários aparecerão para todos os envolvidos e que os objetivos de maior autonomia para o usuário
serão alcançados se efetivamente todos se envolverem no aprendizado e na utilização da TA
durante o período de implementação. A participação do usuário é considerada como ponto
fundamental para que se evite o abandono ou a subutilização posterior do investimento em TA.
Um dos papéis do serviço de TA é a Educação do usuário à autonomia. Ao descrever um
serviço de TA podemos afirmar que os profissionais e os usuários formam uma única equipe. Nela,
os profissionais serão os consultores e os formadores e os usuários assumem um papel ativo
desde a definição do problema até a escolha da solução.

© 2013 Rita Bersch · www.assistiva.com.br · [email protected]

13

7. Terminologia aplicada em nosso país
Ao pesquisar o tema da Tecnologia Assistiva deveremos direcionar a busca a partir dos
termos: tecnologia assistiva, ajudas técnicas, tecnologia de apoio.
Na legislação brasileira, o que aprofundaremos a seguir, ainda é aplicado o termo "ajudas
técnicas", quando trata dar garantias ao cidadão brasileiro com deficiência de acesso a recursos
destinados a melhorar suas habilidades funcionais.
Em agosto de 2007, o CAT/ SEDH / PR aprovou o termo Tecnologia Assistiva como sendo o
mais adequado e passa a utilizá-lo em toda a documentação legal ele produzida. Desta forma,
estimula que o termo tecnologia assistiva seja aplicado nas formações de recursos humanos, nas
pesquisas e referenciais teóricos brasileiros.5 O comitê sugere também que se façam os possíveis
encaminhamentos para revisão da nomenclatura em instrumentos legais.
A aprovação no CAT para a oficialização do termo tecnologia assistiva leva em conta a
ausência de consenso sobre haver diferença conceitual entre os termos pesquisados no
referencial teórico internacional. Os conceitos aplicados a cada um destes termos ora se
assemelham, ora mostram algumas diferenças, principalmente na abrangência, pois podem
referir-se especificamente a um artefato ou podem ainda incluir serviços, práticas e metodologias
aplicadas ao alcance da ampliação da funcionalidade de pessoas com deficiência.
O CAT considera também que há uma tendência nacional já firmada da utilização do termo
Tecnologia Assistiva no meio acadêmico, nas organizações de pessoas com deficiência, em setores
governamentais (MEC, MCT, CNPq) e no mercado de produtos. Justifica ainda que tecnologia
assistiva por ser um termo criado para representar um conceito específico nos remete
diretamente à compreensão deste conceito e se solidifica.
O CAT propõe ainda que as expressões "tecnologia assistiva" e "ajudas técnicas", neste
momento, continuem sendo entendidas como sinônimos, pois em nossa legislação oficial ainda
consta o termo "ajudas técnicas".
Outro ponto importante na definição terminológica é que na documentação produzida pelo
CAT está indicado que a expressão Tecnologia Assistiva seja utilizada sempre no singular, por
referir-se a uma área de conhecimento e não a uma coleção específicas de produtos. (BRASIL ­
SDHPR ­ Comitê de Ajudas Técnicas, 2009). Utilizar corretamente o termo no singular ajuda à
compreensão da abrangência deste conceito. Sendo assim, é incorreto dizer "as tecnologias
assistivas". Para nos referirmos a um conjunto de equipamentos deveremos dizer: Recursos de TA.
Para especificar serviços e procedimentos utilizamos: os serviços de TA, os procedimentos em TA.

8. A Legislação Brasileira em TA e as Ações Governamentais
5

A aprovação da terminologia tecnologia assistiva pelo CAT está em sua ATA V disponível em:
http://www.mj.gov.br/sedh/ct/corde/dpdh/corde/comite_at.asp

© 2013 Rita Bersch · www.assistiva.com.br · [email protected]

14

Apesar de a legislação brasileira apontar para o direito do cidadão com deficiência da
concessão dos recursos de tecnologia assistiva dos quais necessita, estamos no início de um
trabalho para o reconhecimento e estruturação desta área de conhecimento em nosso país. Inicial
também é o estágio de incentivos à pesquisa e à produção nacional de recursos de TA, que
venham a atender a grande demanda reprimida existente, no entanto, passos importantes estão
acontecendo nestes últimos anos.
No que se refere à legislação nacional podemos mencionar a promulgação do Decreto 3.298
de 1999, que no artigo 19, fala do direito do cidadão brasileiro com deficiência às Ajudas Técnicas.
Nele consta que:
"Consideram-se ajudas técnicas, para os efeitos deste Decreto, os elementos que permitem
compensar uma ou mais limitações funcionais motoras, sensoriais ou mentais da pessoa
portadora de deficiência, com o objetivo de permitir-lhe superar as barreiras da comunicação e da
mobilidade e de possibilitar sua plena inclusão social.
Parágrafo único. São ajudas técnicas:
I - próteses auditivas, visuais e físicas;
II - órteses que favoreçam a adequação funcional;
III - equipamentos e elementos necessários à terapia e reabilitação da pessoa portadora de
deficiência;
IV - equipamentos, maquinarias e utensílios de trabalho especialmente desenhados ou
adaptados para uso por pessoa portadora de deficiência;
V - elementos de mobilidade, cuidado e higiene pessoal necessários para facilitar a
autonomia e a segurança da pessoa portadora de deficiência;
VI - elementos especiais para facilitar a comunicação, a informação e a sinalização para
pessoa portadora de deficiência;
VII - equipamentos e material pedagógico especial para educação, capacitação e recreação
da pessoa portadora de deficiência;
VIII - adaptações ambientais e outras que garantam o acesso, a melhoria funcional e a
autonomia pessoal; e
IX - bolsas coletoras para os portadores de ostomia." (LIMA.2007).
Também o decreto 5.296 de 2002 que dá prioridade de atendimento e estabelece normas
gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas com deficiência ou com
mobilidade reduzida, possui um capítulo específico sobre as ajudas técnicas (VII) onde descreve
várias intenções governamentais na área da tecnologia assistiva, além de referir a constituição do
CAT/SEDH. Neste decreto encontramos que:
"Consideram-se ajudas técnicas os produtos, instrumentos, equipamentos ou tecnologia
adaptados ou especialmente projetados para melhorar a funcionalidade de pessoas portadoras de

© 2013 Rita Bersch · www.assistiva.com.br · [email protected]

15

deficiência, com habilidade reduzida favorecendo autonomia pessoal, total ou assistida", (LIMA,
2007).
O Brasil ratificou a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com deficiência da ONU e a
incorporou ao seu ordenamento jurídico conferindo-lhe equivalência constitucional. (BRASIL,
SDHPR - Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência - SNPD. 2012)
Os Estados Partes desta Convenção comprometem-se a assegurar os direitos nela impressos
e aqui destacamos todos os artigos referentes ao tema da Tecnologia Assistiva:
"Artigo 4. Das obrigações gerais:
Realizar ou promover a pesquisa e o desenvolvimento, bem como a disponibilidade e o
emprego de novas tecnologias, inclusive as tecnologias da informação e comunicação, ajudas
técnicas para locomoção, dispositivos e tecnologias assistivas, adequados a pessoas com
deficiência, dando prioridade a tecnologias de custo acessível;
Propiciar informação acessível para as pessoas com deficiência a respeito de ajudas técnicas
para locomoção, dispositivos e tecnologias assistivas, incluindo novas tecnologias bem como
outras formas de assistência, serviços de apoio e instalações;
Artigo 20: Mobilidade pessoal
Facilitando às pessoas com deficiência o acesso a tecnologias assistivas, dispositivos e ajudas
técnicas de qualidade, e formas de assistência humana ou animal e de mediadores, inclusive
tornando-os disponíveis a custo acessível;
Incentivando entidades que produzem ajudas técnicas de mobilidade, dispositivos e
tecnologias assistivas a levarem em conta todos os aspectos relativos à mobilidade de pessoas com
deficiência.
Artigo 26: Habilitação e reabilitação
Os Estados Partes promoverão a disponibilidade, o conhecimento e o uso de dispositivos e
tecnologias assistivas, projetados para pessoas com deficiência e relacionados com a habilitação e
a reabilitação.
Artigo 29: Participação na vida política e pública.
Proteção do direito das pessoas com deficiência ao voto secreto em eleições e plebiscitos,
sem intimidação, e a candidatar-se nas eleições, efetivamente ocupar cargos eletivos e
desempenhar quaisquer funções públicas em todos os níveis de governo, usando novas tecnologias
assistivas, quando apropriado;
Artigo 32: Cooperação Internacional
Propiciar, de maneira apropriada, assistência técnica e financeira, inclusive mediante
facilitação do acesso a tecnologias assistivas e acessíveis e seu compartilhamento, bem como por
meio de transferência de tecnologias."

© 2013 Rita Bersch · www.assistiva.com.br · [email protected]

16

(Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência - UNU, 2007)
A legislação brasileira estabelece o direito à tecnologia assistiva e preconiza uma ação
propositiva da parte do governo, para atender esta demanda, no entanto, o cidadão brasileiro
com deficiência carece primeiramente da informação sobre a existência desta legislação e da
implicação disto sobre o que lhe é de direito. Não há ainda uma orientação pública acessível
(texto orientador ou site institucional) que concentre as informações necessárias sobre Tecnologia
Assistiva e aponte aos usuários finais, de forma clara e fácil, os caminhos para o acesso a estes
bens e serviços públicos. As informações existentes estão pulverizadas e ficam, muitas vezes,
restritas aos diferentes agentes de governo e a poucos profissionais que atuam nas áreas saúde,
educação, assistência social, direitos humanos, trabalho, fazenda etc.
Apesar desta realidade, vários programas governamentais estão em pleno curso e
constantemente se atualizando. De 2007 a 2010 tivemos importantes ações decorrentes da
Agenda Social da Presidência da República e mais recentemente, 2011 para cá, do Programa Viver
sem Limites, também da Presidência. Recursos financeiros públicos estão sendo aplicados em
políticas sociais que integram ações de vários Ministérios e são voltadas as pessoas com
deficiência. Entre elas, está o incremento da pesquisa, desenvolvimento e inovação em TA
(Ministério da Ciência Tecnologia e Inovação) e a organização de redes de serviços de reabilitação
e concessão de Tecnologia Assistiva (Ministério da Saúde). A Política Nacional de Educação
Especial na Perspectiva Inclusiva (Ministério da Educação) efetiva programas que disponibilizam
recursos e serviços de TA nas escolas. Uma ação conjunta entre Secretaria Nacional de Direitos
Humanos, Ministério da Fazenda e Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação, em parceria com
o Banco do Brasil, promoveu a criação de um crédito especial subsidiado para compra direta de
250 itens de produtos de TA. O usuário possui acesso a crédito facilitado, o "BB Crédito
Acessibilidade", que conta com taxa de juros de 0,57% ao mês para quem recebe até cinco salários
mínimos, ou 0,64% para quem recebe de seis a dez salários mínimos mensais. Para compra do
bem ou serviço o financiamento pode ser de até 100% do valor, com limite máximo de até R$ 30
mil por pessoa e prestações debitadas diretamente na conta corrente. O prazo para quitação é de
quatro a 60 meses e a primeira prestação pode ser paga em até 59 dias.
Segundo resultados divulgados pelo IBGE, do Censo 2010, o País possui 45,6 milhões de
pessoas com alguma deficiência, o que representa 23,91% da população. Estes números revelam a
grande demanda existente para o desenvolvimento de tecnologia nacional, inserção do tema da
TA nos cursos de formação profissional, organização de serviços específicos e, especialmente,
ações governamentais de concessão de TA que atendam a grande demanda reprimida. A
tecnologia assistiva na mão do usuário será fundamental para a promoção da inclusão das pessoas
com deficiência, tanto no campo da educação, inserção no trabalho como na vida em sociedade.
Apesar de visualizarmos ações importantes podemos afirmar que estamos dando os primeiros
passos e o que conseguimos fazer no momento atual ainda é insuficiente.

© 2013 Rita Bersch · www.assistiva.com.br · [email protected]

17

9. Como ter acesso a financiamento para compra de TA no âmbito das
escolas públicas?
As redes públicas de educação possuem financiamento para compra de recursos de TA por
meio dos programas Salas de Recursos Multifuncionais, Escola Acessível, do Plano de Ações
Articuladas - PAR e do Fundeb duplo.
O Ministério da Educação introduziu o Serviço de Tecnologia Assistiva nas escolas públicas
por meio do Programa "Salas de Recursos Multifuncionais" (SRMF). As SRMF são espaços onde o
professor especializado realiza o "Atendimento Educacional Especializado" (AEE) para alunos com
deficiência, no contraturno escolar. É atribuição do professor do AEE reconhecer as necessidades
de recursos pedagógicos e de recursos de Tecnologia Assistiva que serão necessários à
participação de seu aluno nos desafios de aprendizagem que acontecem no dia a dia da escola
comum. Identificando o recurso de TA apropriado o professor encaminhará a sua aquisição e
trabalhará junto com seu aluno capacitando-o no uso da tecnologia. Juntos, levarão esta
ferramenta para a escola, visando a superação das barreiras à plena participação do aluno nos
vários projetos, experimentos, acesso às informações, produções/registros pessoais, comunicação
e avaliações.
O programa Escola Acessível disponibiliza verba diretamente na escola na promoção da
acessibilidade arquitetônica e compra de recursos de TA.
No PAR ­ Plano de Ações Articuladas, as secretarias de educação municipais e estaduais
poderão demandar verbas para adequação do espaço físico de suas escolas, tornando-as
acessíveis, poderão ainda solicitar salas de recursos multifuncionais e verbas específicas para
compra de recursos de TA destinados à complementação dos equipamentos já existentes nas salas
de AEE ou que deverão servir diretamente aos alunos atendidos por este serviço. Ainda no PAR o
gestor poderá demandar verbas para a organização de eventos de formação dos profissionais da
educação e estes, poderão contemplar o Tema da Tecnologia Assistiva no contexto educacional.
As prefeituras e estados recebem do governo federal o valor referente ao Fundo de
Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da
Educação (Fundeb). No caso dos alunos com deficiência o repasse deste valor é acrescido de 1.2
nas matrículas daqueles que frequentam classes comuns do ensino regular e o atendimento
educacional especializado. Este valor adicional poderá ser utilizado para a compra de recursos de
tecnologia assistiva e também em outras ações destinadas a qualificar a educação inclusiva e a
ação da educação especial nesta perspectiva, sendo um exemplo o investimento na formação dos
gestores, dos profissionais do AEE e da escola comum.

10. Desenho Universal
O Decreto N° 5.296 de 2004 apresenta o conceito do "Desenho Universal" considerado neste
documento legal como: "concepção de espaços, artefatos e produtos que visam atender
simultaneamente todas as pessoas, com diferentes características antropométricas e sensoriais, de
forma autônoma, segura e confortável, constituindo-se nos elementos ou soluções que compõem a
acessibilidade". (LIMA, 2007).

© 2013 Rita Bersch · www.assistiva.com.br · [email protected]

18

Acreditamos que este importante conceito do desenho universal, que contempla a realidade
da diversidade humana, deva estar cada vez mais presente na formação das nossas engenharias
de edificações e de produtos. Desta forma, não precisaríamos investir em reformas e adaptações
para atender a um grupo específico de pessoas, mas novos ambientes e produtos serão
originalmente criados buscando atender a todos, independente de sua idade, tamanho, condição
física, intelectual ou sensorial.
Precisamos também ultrapassar o entendimento de que o Desenho Universal se destina
exclusivamente à concepção e desenvolvimento de espaços e artefatos. Ele se aplica devidamente
à ação educacional, quando esta é preparada e exercida levando-se em conta a diversidade
existente na escola e o seu valor, na qualificação da educação para todos.
Segundo Rose e Meyer, "O Desenho Universal para Aprendizagem (Universal Design for
Learning - UDL), é um conjunto de princípios baseados na pesquisa e constitui um modelo prático
para maximizar as oportunidades de aprendizagem para todos os estudantes. Os princípios do
Desenho Universal se baseiam na pesquisa do cérebro e mídia para ajudar educadores a atingir
todos os estudantes a partir da adoção de objetivos de aprendizagem adequados, escolhendo e
desenvolvendo materiais e métodos eficientes, e desenvolvendo modos justos e acurados para
avaliar o progresso dos estudantes". (ROSE e MEYER, 2002)

© 2013 Rita Bersch · www.assistiva.com.br · [email protected]

19

Referências Bibliográficas

ADA - AMERICAN WITH DISABILITIES ACT 1994. Disponível em:
http://www.resna.org/taproject/library/laws/techact94.htm Acesso em 05/10/2007.
BRASIL. SDHPR - Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência - SNPD. 2009. Disponível
em: http://www.pessoacomdeficiencia.gov.br/app/publicacoes/tecnologia-assistiva Acesso em 06/12/2012

BRASIL. SDHPR - Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência - SNPD. 2012 Disponível em:
http://www.pessoacomdeficiencia.gov.br/app/ Acesso em 06/12/2012

COOK, A.M. & HUSSEY, S. M. (1995) Assistive Technologies: Principles and Practices. St. Louis, Missouri. Mosby - Year
Book, Inc.
DECRETO Nº 5.296 de 02 de dezembro de 2004 - DOU de 03/122004. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato20042006/2004/decreto/d5296.htm Acesso em 06/12/2012
DECRETO Nº 3.298, de 29 de dezembro de 1999. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d3298.htm Acesso em
06/12/2012
EUROPEAN COMMISSION - DGXIII - Empowering Users Trought Assistive Technology, 1998 Disponível em:
http://www.siva.it/research/eustat/index.html Acesso em 05/10/2007.
GOOSSENS,C. & CRAIN, S.S. (1992) Utilizing Switch Interfaces with Children who are Severely Phisically Challenged.
Autin, Texas. Pro.ed, Inc.
LIMA, Niusarete Margarida de. Legislação Federal Básica na área da pessoa portadora de Deficiência. Brasília:
Secretaria Especial dos Direitos Humanos, Coordenadoria Nacional para Integração da Pessoa Portadora de
Deficiência, 2007.
PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 362, DE 24 DE OUTUBRO DE 2012. Disponível em:
http://www.pessoacomdeficiencia.gov.br/app/sites/default/files/arquivos/%5Bfield_generico_imagens-filefielddescription%5D_58.pdf Acesso em 07/02/2013.
PORTUGAL. Secretariado Nacional de Reabilitação e Integração da Pessoa com Deficiência. Disponível em
http://www.snripd.pt/default.aspx?IdLang=1 Acesso em 03/10/2007.
RADABAUGH, M. P. NIDRR's Long Range Plan - Technology for Access and Function Research Section Two: NIDDR
Research Agenda Chapter 5: TECHNOLOGY FOR ACCESS AND FUNCTION http://www.ncddr.org/rpp/techaf/lrp_ov.html
ROSE D. H. e MEYER, A. Teaching Every Student in the Digital Age: Universal Design for Learning. 2002. Disponível em
http://www.cast.org/teachingeverystudent/ideas/tes/ Acesso em 02/03/08

© 2013 Rita Bersch · www.assistiva.com.br · [email protected]

20