Autor
convidado
SINHORETI
MAC; VITTI RP; SOBRINHO LC

Biomateriais na Odontologia: panorama
atual e perspectivas futuras
Biomaterials in Dentistry: current view and future perspectives
Mário Alexandre Coelho Sinhoreti
Mestre e Doutor em Materiais Dentários
e Professor titular da área de Materiais
Dentários da Faculdade de Odontologia
de Piracicaba (FOP) da Unicamp

Rafael Pino Vitti
Doutor em Materiais Dentários e pósdoutorando na área Materiais Dentários
pela FOP/Unicamp

Lourenço Correr-Sobrinho
Mestre em Materiais Dentários, Doutor
em Reabilitação Oral e Professor titular
da área de Materiais Dentários da FOP/
Unicamp
Autor Correspondência:
Mário Alexandre Coelho Sinhoreti
Depto. Materiais Dentários
Av. Limeira, 901
Areião ­ Piracicaba ­ SP
13414-018
Brasil
[email protected]

Resumo
A estrutura dental é um tecido mineralizado onde são realizados diversos procedimentos
clínicos com o objetivo de reparar os defeitos de origem congênita ou causados por traumas e
doenças, como a cárie. A utilização de materiais naturais, artificiais ou sintéticos, para substituição total ou parcial, restauração ou aumento dos tecidos biológicos, sempre foi uma grande
preocupação na Odontologia. Os materiais utilizados para a substituição e regeneração da estrutura óssea enquadram-se na classe de materiais denominados biomateriais. Esses materiais
têm contribuído significativamente para o avanço da Odontologia Moderna. Para desempenhar
a função desejada e estimular uma resposta adequada dos tecidos vivos por meio de reparo
histológico, os biomateriais devem apresentar um conjunto satisfatório de propriedades físicas,
químicas e biológicas. Diante da realização de constantes pesquisas científicas e do aumento
significante do uso clínico dos biomateriais, além da grande concorrência existente entre as
empresas de tecnologia responsáveis pelo desenvolvimento dos materiais, um rápido progresso
vem ocorrendo dentro dessa área, resultando na síntese de novos biomateriais e no conhecimento sobre as interações entre biomateriais e tecidos biológicos. Dessa forma, este estudo
teve como objetivo analisar, por meio de extensa revisão bibliográfica, o atual estado no qual
se encontram os biomateriais na Odontologia, além de tentar traçar as perspectivas futuras,
examinando principalmente os biomateriais sintéticos.
Descritores: materiais dentários; histocompatibilidade; ligas dentárias; polímeros; fosfatos de cálcio
Abstract
The tooth structure is a mineralized tissue which are realized several clinical procedures with
the aim to repair the congenital defects or problems caused by trauma and diseases such as caries. The use of natural, artificial or synthetic materials, for total or partial replacement, restoration or growth of biological tissues was always a major concern in dentistry. The materials used
for the replacement and regeneration of bone structure belong to the materials class called
biomaterials. These materials have contributed significantly to the advance of Modern Dentistry.
To perform the desired function and to stimulate an adequate response of biological tissues by
histological repair, the biomaterials need to show a group of satisfactory physical, chemical and
biological properties. Before the realization of constant scientific research and of the significant
increase in clinical use of biomaterials, besides of great competition between technology companies responsible for the development of materials, a quick progress has occurred in this area,
resulting in the synthesis of new biomaterials and knowledge about the interactions between
biomaterials and biological tissues. Thus, the aim of this study was to analyze, through extensive
literature review, the current state of the biomaterials in dentistry, besides to attempt to delineate future perspectives, looking mainly the synthetic biomaterials.
Descriptors: dental materials; histocompatibility; dental alloys; polymers; calcium phosphates

178

Rev assoc paul cir dent 2013;67(3):178-86

Autor convidado.indd 178

15/10/13 14:51

Materiais Dentários
Introdução
Biomateriais são materiais naturais ou sintéticos utilizados em
contato com sistemas biológicos cuja finalidade é reparar ou substituir tecidos, órgãos ou funções do organismo, com o objetivo de
manter ou melhorar a qualidade de vida do paciente.1
Há mais de um século, guiados por estudos clínicos e experimentais, os pesquisadores procuram desenvolver materiais com
características adequadas para substituição total ou parcial dos
tecidos biológicos presentes no corpo humano por ocasião de
alguma patologia ou traumatismos diversos, visando assim uma
recomposição mais próxima possível da ideal para anatomia e a
função da região comprometida. Os primeiros registros da utilização de biomateriais datam de 4.000 A.C.2; entretanto, o uso
desses materiais estavam fadados ao insucesso, uma vez que eram
desconhecidos os conceitos relativos aos materiais, a infecção e
as reações biológicas.3 Os biomateriais devem apresentar propriedades físicas e biológicas compatíveis com os tecidos biológicos
do hospedeiro, de modo a estimular uma resposta adequada dos
mesmos. Sendo assim, para se utilizar um biomaterial com segurança, o mesmo deve apresentar três características básicas: (1)
biocompatibilidade, não induzindo respostas biológicas adversas,
como reações alérgicas e inflamatórias não toleráveis pelo organismo; (2) alta osteocondutividade, estimulando o crescimento de
células ósseas; e (3) bioatividade, que é a capacidade do material
em se unir com tecido biológico.1
Os dois grandes marcos no desenvolvimento dos biomateriais
foram as duas grandes guerras mundiais. Na tentativa de evitar
a amputação ou promover a recuperação dos membros que tiveram suas funções comprometidas, ocorreu uma busca incessante
por materiais que não fossem nocivos e não induzissem rejeição.
Até meados da I Guerra Mundial, apesar de avanços consideráveis na ciência dos biomateriais, nenhum dos materiais aplicados
apresentava biocompatibilidade com o hospedeiro. Os maiores
avanços nesse campo ocorreram após a II Guerra Mundial, com
importante papel da Odontologia, principalmente após o advento da osseointegração, conceito introduzido por pesquisadores
liderados pelo médico ortopedista sueco Per-Ingvar Brånemark.4
Com isso, as pesquisas passaram a se concentrar em materiais
que visam acelerar a osseointegração, ou seja, diminuir o tempo
necessário para a aposição óssea.
A ciência dos biomateriais tem apresentado grande evolução,
graças ao desenvolvimento científico e tecnológico multidisciplinar
de diversas áreas como Medicina, Odontologia, Biologia, Engenharia, Física e Química. No decorrer das últimas décadas observa-se um
significante aumento na utilização dos biomateriais, justificado pelo
aumento da expectativa de vida da população e, consequentemente, ao elevado índice de traumas e doenças que demandam a necessidade de se realizar tratamentos cada vez mais eficazes.1,5 Isso tudo
está aliado a grande concorrência entre as corporações industriais
de inovação tecnológica, principalmente no campo da nanotecnologia, a qual tem promovido rápido progresso na área de biomateriais, proporcionando o desenvolvimento de novos materiais e dispositivos para aplicações biomédicas, além de maior conhecimento
sobre a interação entre biomateriais e tecidos biológicos.5

1. Classificação e evolução
Os biomateriais podem ser classificados de acordo com a sua
origem, sendo biológicos (autógenos ­ paciente; alógenos ­ doador; ou xenógenos - animal) ou sintéticos/aloplásticos (metais,
cerâmicos e polímeros), ou através da resposta induzida ao meio
biológico (bioinertes, bioabsorvíveis e bioativos). Os materiais
bioativos possuem a capacidade de interagir intimamente com
o tecido biológico (bioadesão), diferentemente dos materiais
bioinertes e bioabsorvíveis, onde a resposta induzida por esses
materiais se dá por meio da formação de uma camada de tecido
fibroso entre o material e o tecido biológico, impossibilitando
assim, a interação direta entre material e tecido, o que poderá
acarretar em instabilidades e falhas.1
A evolução dos biomateriais é caracterizada por três diferentes
gerações. A primeira geração corresponde aos materiais bioinertes, cujo foco é o de não provocar reação de corpo estranho no
organismo. Já a segunda geração engloba os materiais bioativos
e biodegradáveis e a terceira geração os materiais responsáveis
por estimular respostas celulares em níveis moleculares (biomimética e engenharia tecidual). É importante ter em mente que
essas gerações são interpretadas de forma conceitual e não cronológica, uma vez que cada uma delas representa evolução nas
propriedades dos materiais, ou seja, os biomateriais desenvolvidos
atualmente não necessariamente pertencem a terceira geração.6
2. Biomateriais na Odontologia
Na Odontologia, novos produtos são lançados constantemente no mercado. Tais produtos são utilizados em íntimo contato
com tecidos biológicos como polpa, dentina, tecido periodontal
e osso alveolar. Dessa forma, os biomateriais devem ser utilizados
com cautela. Sua indicação nas diversas situações clínicas deve ser
sempre bem avaliada, levando em consideração critérios clínicos e
éticos quanto aos riscos e benefícios do tratamento. Para isso, há
a necessidade de o Cirurgião-Dentista conhecer as características
e propriedades dos biomateriais.
A ciência dos materiais dentários visa pesquisar e desenvolver
biomateriais sintéticos a serem empregados na cavidade bucal. A
utilização de biomateriais sintéticos, ao invés dos naturais, apresenta algumas vantagens, tais como: evitar a coleta de materiais
autógenos ou o uso de materiais alógenos a partir de um banco de
tecidos; redução de tempo clínico no tratamento; diminuição da
extensão da ferida cirúrgica, evitando complicações como danos
nos nervos e vasos sanguíneos, formação de hematoma ou desenvolvimento de um processo inflamatório, proporcionando maior
conforto para o paciente; e o fato dos materiais sintéticos serem
sintetizados sob condições controladas, sendo suas composições
químicas e propriedades físicas e químicas conhecidas, além de
estarem disponíveis em qualquer tempo e quantidade.7,8
Dessa forma, especial atenção tem sido dada à pesquisa e
síntese de novos biomateriais sintéticos. Atualmente, três tipos
de biomateriais são comumente utilizados em aplicações na
Odontologia: metais, polímeros e cerâmicas (Tabela 1). Estes biomateriais podem ser classificados de acordo com suas propriedades físico-químicas e mecânicas.

Rev assoc paul cir dent 2013;67(3):178-86

Autor convidado.indd 179

179

15/10/13 14:51

SINHORETI MAC; VITTI RP; SOBRINHO LC

2.1. Metais
Os biomateriais metálicos são considerados os menos biocompatíveis de todos os biomateriais sintéticos.9 Poucos materiais metálicos utilizados na indústria são biocompatíveis e possíveis de
serem usados no corpo humano.10 Eles são propensos a apresentar
corrosão em meio fisiológico. Mesmo se utilizando metais mais
resistentes à corrosão, como o aço inoxidável e as ligas de cobalto-cromo e de titânio, ainda assim esses materiais são corroídos.
Assim, devido à corrosão, possíveis efeitos sistêmicos dos produtos de degradação dessas ligas metálicas devem ser considerados.
Outras desvantagens das ligas metálicas são suas altas densidades
e elevados módulos de elasticidade, quando comparados com os
dentes e outros tecidos da cavidade bucal. Entretanto, embora os
biomateriais metálicos apresentem esses inconvenientes, eles possuem propriedades mecânicas superiores aos outros biomateriais,9
como a capacidade em suportar estresse sob tensão, podendo certas ligas atingir valores muito elevados, apresentando dessa forma
natureza dinâmica.10 Por isso, biomateriais metálicos resistentes o
suficiente para suportar altas cargas sem fraturar por fadiga são
amplamente utilizados para reconstruções parciais ou totais de
dentes e outras estruturas ósseas da cavidade bucal.10

Biomaterial

Exemplos

Aplicações

Titânio CP, ligas à base
de titânio, ligas de
cobalto-cromo, ligas de
níquel-cromo, ligas à
base de prata, ligas de
ouro, aço inoxidável

Próteses unitárias,
próteses parciais
removíveis, aparelhos
ortodônticos,
núcleos metálicos,
implantes, fixação
óssea em cirurgias
bucomaxilofaciais

Cerâmicos

Vidros bioativos, óxidos
de alumínio e zircônia,
fosfatos de cálcio

Restaurações diretas e
indiretas, próteses fixas,
cimentos endodônticos
obturadores e retroobturadores, cirurgias
periodontais

Polímeros

Silicone, monômeros
resinosos, teflon,
poliéster, polietileno,
poliuretano,
politetrafluoretileno

Sistemas adesivos,
resinas compostas,
materiais de moldagem,
fios de sutura, material
de obturação radicular,
próteses totais e parciais,
dentes artificiais,
próteses faciais

Metálicos

Tabela 1
Exemplos e aplicações de biomateriais sintéticos na Odontologia

Em razão das propriedades mecânicas, da resistência à
corrosão e da biocompatibilidade, o titânio puro e suas ligas
figuram hoje entre os biomateriais metálicos mais utilizado
na Odontologia,11 sejam nos implantes osseointegrados ou em
estruturas metálicas de prótese sobre implantes, eliminando,
dessa forma, possíveis efeitos biológicos adversos entre as dife180

rentes ligas metálicas empregadas nas mais diversas situações
clínicas.12 Dentre as propriedades favoráveis intrínsecas ao titânio, pode-se citar seu baixo peso específico, que o torna um
material muito mais leve que as ligas metálicas usuais; sua boa
relação entre peso e resistência mecânica, oferecendo assim
a possibilidade de fabricação de materiais leves e ao mesmo
tempo resistentes; seu módulo de elasticidade mais próximo
ao do osso que o de outros biomateriais metálicos, permitindo
melhor distribuição das cargas mastigatórias; e sua excelente
biocompatibilidade, além de elevada resistência à corrosão.10,13
A despeito da existência de vários tipos e marcas de biomateriais à base de titânio para uso na Odontologia, diversos estudos in vitro e in vivo mostram maior formação de tecido ósseo
ao redor de quaisquer implantes feitos de titânio em contraste
a fixações feitas por outros materiais metálicos, favorecendo
assim a osseointegração e reforçando a ideia de que os implantes de titânio possuem maior capacidade de interagir com os
tecidos biológicos do hospedeiro do que implantes fabricados
a partir de outros materiais.14,15 Deve-se levar em consideração as características superficiais dos implantes de titânio no
processo de osseointegração, pois o contato inicial dos fluidos
corpóreos com o biomaterial se dá por meio de sua superfície,
onde irão ocorrer as interações moleculares que desencadeiam
uma gama de reações entre o biomaterial, os fluidos e as células teciduais, responsáveis pelo crescimento de tecido ósseo ao
longo da superfície do implante.14
2.2. Polímeros
Os biomateriais poliméricos sintéticos foram utilizados
pela primeira vez na Odontologia no século 19, quando a
guta-percha, material derivado do látex, foi utilizada como
material de moldagem. Ainda hoje, a guta-percha é um material de extrema relevância clínica, com ampla utilização nos
tratamentos endodônticos. 16 O primeiro polímero rígido introduzido na Odontologia foi o polimetil metacrilato (PMMA),
o qual vem sendo utilizado desde 1930 para as mais diversas
situações clínicas, principalmente a confecção de dentes e
próteses artificiais, além de aparelhos ortodônticos. Em 1963,
foi desenvolvida a molécula de Bis-GMA (Bisfenol Glicidil
Metacrilato)17, um importante passo no desenvolvimento dos
biomateriais poliméricos, visto que, até hoje, o Bis-GMA e várias outras moléculas continuam sendo desenvolvidas e estudadas para serem empregadas na Odontologia Restauradora.
Atualmente, grande parte das pesquisas continuam focadas
na síntese de novos monômeros resinosos para fabricação de
adesivos dentinários que formem polímeros cada vez mais estáveis no que diz respeito à união dente-restauração. 18-20
Os polímeros abrangem uma variedade imensa de materiais
odontológicos, que vão desde os materiais de moldagem até os
materiais utilizados em cirurgias, como fios de sutura ou biomateriais à base de silicone usados nos procedimentos de reconstrução facial.16 Devido a baixa densidade, os polímeros são
adequados para substituição de tecidos moles da cavidade bucal.
Entretanto, eles não devem ser tóxicos ou apresentar resíduos

Rev assoc paul cir dent 2013;67(3):178-86

Autor convidado.indd 180

15/10/13 14:51

Materiais Dentários
monoméricos. As principais características desses polímeros são
a alta ductilidade, boa compatibilidade e resiliência, além de não
serem susceptíveis ao processo corrosivo. Baixas resistências
mecânicas inerentes a esses materiais podem ser melhoradas
reforçando-os com fibras de carbono.16
Um polímero muito utilizado em cirurgias faciais é o polietileno poroso, que possui uma estrutura linear da cadeia de carbono e
serve como polímero base para outros materiais, tais como o polipropileno e o politetrafluoretileno.21 O polietileno poroso não sofre
degradação e não reabsorve significativamente, além de apresentar a vantagem de permitir o crescimento vascular e de tecido
mole e ósseo.22 Há também os polímeros reabsorvíveis, que podem
ser utilizados nas cirurgias de fixação óssea como alternativa ao
titânio e suas ligas. Esses polímeros geralmente são formados por
copolímeros, compostos por substâncias como o ácido poli-L-lático (PLLA) e o ácido poligligólico (PGA).23
2.3. Cerâmicos
Biocerâmicas são definidas como biomateriais sólidos inorgânicos e inertes constituídos por uma ou mais fases cristalinas
ou amorfas. Elas se destacam dos biomateriais metálicos e poliméricos por apresentarem maior estabilidade química superficial. As cerâmicas compostas de alumina, zircônia, leucita, entre
outras, são exemplos de biocerâmicas utilizadas na confecção de
coroas unitárias, próteses fixas, inlays, onlays e facetas estéticas.
São materiais estáveis a altas temperaturas e possuem resistência à corrosão e fraturas, baixo coeficiente de fricção, grande resistência ao desgaste e dureza.24 Entretanto, esses materiais não
possuem a mesma eficiência na integração com o tecido ósseo
que os fosfatos biocerâmicos.
Atualmente, as biocerâmicas de fosfato de cálcio são os principais materiais pesquisados e utilizados na formulação de biomateriais empregados em casos clínicos onde há a necessidade
de neoformação óssea. E isso é justificado pelo fato dos fosfatos
de cálcio possuirem características mineralógicas semelhantes à
estrutura dental e tecidos ósseos. Além disso, são materiais que
apresentam excelente biocompatibilidade, bioatividade e variadas
taxas de dissolução e adsorção, que são condições propícias aos
processos de osteoindução e osseointegração.25
Existem fosfatos de cálcio em diversas fases cristalinas que são
obtidos por diferentes métodos de fabricação e utilizados posteriormente na composição de cimentos odontológicos (cimentos
de fosfato de cálcio). Uma forma de se classificar os fosfatos de
cálcio é por meio da razão molar entre os átomos de cálcio e fósforo (relação Ca/P). A Tabela 2 mostra algumas fases cristalinas e
composições de fosfatos de cálcio, representados por suas respectivas razões molares.26 (Ver tabela 2)
Algumas pesquisas in vivo que utilizaram diferentes metodologias e composições de biocerâmicas avaliaram a formação do
tecido ósseo e da osseointegração em função do tempo de aplicação do material.27 Os resultados colocam em evidência duas diferentes biocerâmicas e que são até hoje os fosfatos de cálcio mais
conhecidos e estudados: hidroxiapatita (HA) e fosfato tricálcico

Fosfato
de cálcio

Fórmula
química

Ca/P

Fosfato tetracálcico
(TeCP)

Ca4O(PO4)2

2,0

Hidroxiapatita
(HA)

Ca10(PO4)6(OH)2

1,67

Fosfato de cálcio amorfo
(ACP)

Ca3(PO4)2.nH2O

1,5

Fosfato tricálcico
(TCP)

Ca3(PO4)2

1,5

Fosfato octacálcico
(OCP)

Ca8H2(PO4)6.5H2O

1,33

Fosfato dibásico de cálcio diidratado
(DCPD)

CaHPO4.2H2O

1,0

Mono-hidrogênio fosfato de cálcio
(DCP)

CaHPO4

1,0

Pirofosfato de cálcio
(CPP)

Ca2P2O7

1,0

Pirofosfato de cálcio di-hidratado
(CPPD)

Ca2P2O7.2H2O

1,0

Fosfato heptacálcico
(HCP)

Ca7(P5O16)2

0,7

Di-hidrogênio fosfato tetracálcico
(TDHP)

Ca4H2P6O20

0,67

Fosfato monocálcico mono-hidratado
(MCPM)

Ca(H2PO4)2.H20

0,5

Metafosfato de cálcio
(CMP)

Ca(PO3)2

0,5

Tabela 2
Formulação química e relação Ca/P de fosfatos
de Cálcio usados em cimentos odontológicos

(TCP). Estes biomateriais são naturalmente bioativos e apresentam
excelente biocompatibilidade, bioatividade, diferentes taxas de
dissolução, ausência de toxicidade e osteocondutividade (indicam
o caminho para o crescimento ósseo), favorecendo dessa forma
a osteoindução, osseointegração e a neoformação óssea quando
colocados em meio biológico.1
2.3.1. Hidroxiapatita (HA)
O termo apatita tem origem na palavra grega "apato",
que significa engano, pois esse biomaterial era frequentemente confundido com outros minerais. A HA pode ser encontrada em estruturas ósseas, sendo o principal constituinte do esmalte dentário. Além da forma natural, vários tipos
de HA podem ser sintetizadas por diferentes métodos de fabricação, sendo a mais pesquisada e utilizada na odontologia a HA estequiométrica na composição Ca 10(PO4) 6(OH) 2. A
forma sintética da HA apresenta similaridade química e cristalográfica; entretanto, não idêntica à HA natural. Pode-se
encontrar a HA em duas formas: densa, sendo inteiramente
sintética, sem poros e fabricadas a partir de blocos ou grãos;
porosa, podendo ser produzida sinteticamente ou por meio
de esqueletos de corais marinhos. 8

Rev assoc paul cir dent 2013;67(3):178-86

Autor convidado.indd 181

181

15/10/13 14:51

SINHORETI MAC; VITTI RP; SOBRINHO LC

Com promissoras aplicações clínicas, a HA tem sido produzida e utilizada clinicamente desde o início dos anos 80
como biomaterial na reconstituição de tecido ósseo e em revestimento de substratos metálicos. É um material que apresenta adesão ao tecido dental, ausência de toxicidade local
e sistêmica, ausência de respostas inflamatórias e excelentes
propriedades de biocompatibilidade e osteocondutividade,
permitindo a proliferação de células ósseas, como fibroblastos
e osteoblastos. 25 Entretanto, a HA possui um baixo índice de
bioatividade e lenta taxa de degradação, fatores que são limitantes para sua utilização, uma vez que a reabsorção é uma
característica desejada para os biomateriais, já que o processo de degradação ocorre concomitantemente a reposição do
osso em formação. 1
Na Odontologia, além da utilização da HA em procedimentos cirúrgicos onde há a necessidade de reparação óssea,
muitas pesquisas vêm adicionando a HA na composição de cimentos endodônticos na tentativa de melhorar as propriedades físico-químicas e biológicas desses materiais. 28 Comercialmente, a HA sintética pode ser encontrada como componente
principal em alguns cimentos endodônticos como Bioseal
(Ogna Laboratori Farmaceutici, Muggiò, Itália) e Apatite Root
Sealer I, II e III (Dentsply-Sankin, Tóquio, Japão).
2.3.2. Fosfato tricálcico (TCP)
TCP é um biomaterial de fácil dissolução em meio biológico, uma vez que ele não é estável em solução aquosa ou
na presença de umidade. Sua capacidade de dissolução e
adsorção nos tecidos biológicos chega a ser 12 vezes maior
que a HA. Naturalmente, encontramos TCP em calcificações
patológicas, como cálculos dentários e urinários, além de ser
o principal constituinte inorgânico nas lesões de cárie dentária.1 Sinteticamente, esse tipo de fosfato pode ser encontrado
nas formas de pó (grânulos microporosos) e gel, sendo a forma de pó a mais utilizada na Odontologia por favorecer a microporosidade entre os grânulos, estimulando a proliferação
das células osteogenitoras e contribuindo, dessa forma, com
os processos de osteoindução, osseointegração e formação de
novo tecido ósseo. Devido ao seu comportamento biodegradável, o TCP nas formas alotrópicas e tem se tornado
objeto de interesse na área de biomateriais, sendo utilizado na
Odontologia como material de preenchimento em cavidades,
regiões com defeitos ósseos e fixação de tecidos moles.1,25
2.3.3. Agregado de trióxido mineral (MTA)
Outro biomaterial cerâmico com grande destaque nas
pesquisas científicas e de ampla utilização na Odontologia
é o MTA. Cimentos à base de MTA são materiais bioativos e
biocompatíveis que tomam presa em contato com a água,
sangue ou outros fluidos, formando hidróxido de cálcio. O
hidróxido de cálcio eleva o pH do meio promovendo a ativação da fosfatase alcalina e, consequentemente, iniciando o
processo de mineralização. E mais, em contato com fluidos
teciduais esse hidróxido de cálcio se dissocia em íons cálcio
182

e hidroxila. 28 Os íons cálcio, quando em contato com o tecido conjuntivo, determinam uma área de necrose formando
o dióxido de carbono. Este, junto com o hidróxido de cálcio,
formam cristais de calcita (carbonato de cálcio) que servem
de núcleo de calcificação. A alcalinidade do meio estimula
o tecido conjuntivo a secretar uma glicoproteína, chamada
fibronectina, que, juntamente com os cristais de calcita, estimulam a formação de colágeno tipo I, o qual, com o cálcio,
induz a mineralização. 29
A literatura nos mostra diversos estudos avaliando as propriedades físico-químicas e biológicas de materiais à base de
MTA, principalmente cimentos endodônticos experimentais e
comerciais (MTA Fillapex, Angelus, Londrina, Brasil).30 Entretanto,
o emprego de MTA na composição desses cimentos, principalmente quando utilizados nos procedimentos de retro-obturação,
trazem algumas limitações clínicas por apresentarem difícil manipulação e longo tempo de presa. Mas, a composição dos cimentos à base de MTA pode ser modificada com o intuito de
melhorar suas propriedades biológicas e físico-químicas. Alguns
estudos mostram que a adição de outras fontes de cálcio na
composição de cimentos à base de MTA pode reduzir o tempo de
presa e induzir a formação de apatita.28
Conclusão
A utilização de biomateriais na Odontologia ocorre em
escala cada vez mais ampla. Diversas pesquisas têm demonstrado a síntese de novos biomateriais aplicados em
todas as áreas da Odontologia com promissores resultados.
O uso dos biomateriais clinicamente deve passar essencialmente por análises em todo seu percurso de avaliação científica englobando, desde os ensaios laboratoriais in vitro,
até os estudos clínicos longitudinais in vivo. Dessa forma, o
desenvolvimento de biocerâmicas e de próteses constituídas
por esses materiais deve ocorrer sob as mesmas condições
de interdisciplinaridade que determinam o desenvolvimento
de qualquer outro material odontológico. Além disso, há a
necessidade do conhecimento de todas as propriedades aqui
citadas por parte do Cirurgião-Dentista, para que exista uma
discussão crítica sobre a utilização dos biomateriais, evitando ficar somente com as informações comerciais, que muitas vezes são incompletas e superficiais. A oportunidade de
se discutir a utilização dos biomateriais na Odontologia, por
meio da ciência dos materiais dentários, amplia o conhecimento deste tema para os profissionais e pesquisadores.
A diversidade de aplicações dos biomateriais, assim como
suas diferenças químicas, físicas, biológicas e morfológicas,
faz da pesquisa nesta área do conhecimento um trabalho
com características eminentemente interdisciplinares. Dentro deste contexto, os profissionais da área de Engenharia
de Materiais podem contribuir de forma significativa para
a evolução desta área e para o aumento do leque de sua
aplicabilidade, por meio do desenvolvimento de novos e eficazes biomateriais e também na elucidação dos mecanismos
que governam a regeneração óssea.

Rev assoc paul cir dent 2013;67(3):178-86

Autor convidado.indd 182

15/10/13 14:51

Materiais Dentários
REFERÊNCIAS
1. Guastaldi AC, Aparecida AH. Fosfatos de cálcio de interesse biológico: importância
como biomateriais, propriedades e métodos de obtenção de recobrimentos. Quim Nova
2010;33(6):1352-8.
2. Silver F, Doillon C. Interactions of biological and implantable materials. 1st ed. New Jersey:
John Wiley & Sons Inc; 1989.
3. Ratner BD, Bryant SJ. Biomaterials: where we have been and where we are going. Annu
Rev Biomed Eng 2004;6:47-75.
4. Brånemark PI. Osseointegration and its experimental background. J Prosthet Dent
1983;50:399-410.
5. Camargo NHA, Delima SA, Aguiar JF, Gemelli E, Tomiyama M. Synthesis and characterization of nanostructures calcium phosphates powders and calcium phosphates/Al2O3-
nanocomposites. JAM 2009;41(3):33-43.
6. Hench L, Polak J. Third generation biomedical materials. Science 2002:295(5557), 1014-7.
7. Rogers GF, Greene AK. Autogenous bone graft: basic science and clinical implications. J
Craniofac Surg 2012;23(1):323-7.
8. Aitasalo KM, Peltola MJ. Bioactive glass hydroxyapatite in fronto-orbital defect reconstruction. Plast Reconstr Surg 2007;120(7):1963-72.
9. Lima PM. Caracterização de revestimentos de hidroxiapatita depositados por aspersão térmica a plasma sobre a liga Ti-13Nb-13Zr para aplicação em implantes dentários [Tese de
Doutorado]. Campinas: Faculdade de Engenharia Mecânica; 2004.
10. Davis JR. Handbook of materials for medical devices. 1st ed. Ohio: ASM International; 2003.
11. Suba C, Velich N, Turi C, Szabó G. Surface analysis methods of biomaterials used in oral
surgery: literature review. J Craniofac Surg 2005;16(1):31-6.
12. Cecconi BT, Koeppen RG, Phoenix RD, Cecconi ML. Casting titanium partial denture frameworks: a radiographic evaluation. J Prosthet Dent 2002;87(3):277- 80.
13. Massar C. Comparative investigation of the surface properties of commercial titanium
dental implants. Part I: chemical composition. J Mater Sci Mater Med 2002; 13(6):535-48.
14. Lausmaa J. Surface Spectroscopic characterization of titanum implant materials. J. Electron Spectrosc Relat Phenom 1996;81(3):343-61.
15. Thomsen P, Larsson C, Ericson LE, Sennerby L, Lausmaa J, Kasemo B. Structure of the interface between rabbit cortica bone and implants of gold, zirconium and titanium. J Mater

Sci Mater Med 1997;8(11):653-65.
16. Bhaduri SB, Bhaduri S. Biomaterials for dental apliccations. In: Narayan R. Biomedical
Materials. 1st ed. New York, Springer, 2009:295-326
17. Bowen Rl. Properties of a silica-reinforced polymer for dental restorations. J Am Dent
Assoc 1963;66:57-64.
18. Epasinghe DJ, Yiu CK, Burrow MF, Tay FR, King NM. Effect of proanthocyanidin incorporation into dental adhesive resin on resin-dentine bond strength. J Dent 2012;40(3):173-80.
19. Yiu CK, Hiraishi N, Tay FR, King NM. Effect of chlorhexidine incorporation into dental
adhesive resin on durability of resin-dentin bond. J Adhes Dent 2012;14(4):355-62.
20. Leal FB, Lima GS, Collares FM, Samuel SM, Petzhold CL, Piva E, et al. Iodonium salt improves
the dentin bonding performance in an experimental dental adhesive resin. Int J Adhes
Adhes 2012;38:1-4.
21. Rah DK. Art of replacing craniofacial bone defects. Yonsei Med J 2000;41(6):756-65.
22. Maia M, Klein ES, Monje TV, Pagliosa C. Reconstrução da estrutura facial por biomateriais:
revisão de literatura. Rev Bras Cir Plást 2010;25(3):566-72.
23. Burstein FD. Resorbable distraction of the mandible: technical evolution and clinical experience. J Craniofac Surg 2008;19(3):637-43.
24. Anusavice KJ. Phillips - Materiais Dentários. 11ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2005.
25. Best SM, Porter AE, Thian ES, Huang JJ. Bioceramics: past, present and for the future. Eur
Ceram Soc 2008;28(7):1319-27.
26. Aoki H. Science and medical applications of hydroxyapatite. 1st ed. Tokio: JAAS; 1991.
27. Levandowski-JR N. Biocerâmicas nanoestruturadas para aumento ósseo guiado: um estudo comparativo in vivo. [Dissertação de Mestrado]. São Paulo: Faculdade de Odontologia
de Santo Amaro; 2009.
28. Gandolfi MG, Iacono F, Agee K, Siboni F, Tay F, Pashley DH, et al. Setting time and expansion in different soaking media of experimental accelerated calcium-silicate cements and
ProRoot MTA. Oral Surg Oral Med Oral Pathol Oral Radiol Endod 2009;108:39-45.
29. Yaltirik M, Ozbas H, Bilgic B, Issever H. Reactions of connective tissue to mineral trioxide
aggregate and amalgam. J Endod 2004;30(2):95-9.
30. Vitti RP, Prati C, Silva EJ, Sinhoreti MAC, Zanchi CH, Souza e Silva MG, et al. Physical Properties of MTA Fillapex Sealer. J Endod 2013; 39(7):915-8.

Rev assoc paul cir dent 2013;67(3):178-86

Autor convidado.indd 183

183

15/10/13 14:51