XXIV Congresso Brasileiro de Engenharia Biomédica ­ CBEB 2014

METODOLOGIA PARA CLASSIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS MÉDICOHOSPITALARES NO HOSPITAL DE CLÍNICAS DE UBERLÂNDIA
C. M. Godoi**, A. C. Pazeto*, M. F. Rezende**, R. C. Oliveira** e S. T. Milagre***
* Programa de Pós-graduação em Engenharia Biomédica (PPGEB) - Universidade Federal de
Uberlândia (UFU), Uberlândia, Brasil
** Setor de BioEngenharia HCU-UFU, Uberlândia, Brasil
*** Departamento de Engenharia Biomédica - Faculdade de Engenharia Elétrica (FEELT) Universidade Federal de Uberlândia (UFU), Uberlândia, Brasil
e-mail: [email protected]

Resumo: A organização hospitalar utiliza tecnologias
variadas, merecendo o cuidado e o estudo de
profissionais habilitados. Sistemas de gerenciamento de
tecnologias informatizados são ferramentas importantes
para uma gestão de qualidade. Porém, existe um
problema vivenciado no dia-a-dia dos Estabelecimentos
Assistenciais de Saúde (EAS) relativo ao processo de
gestão dos equipamentos médico-hospitalares (EMH)
que reside na dificuldade de organizá-los em grupos
classificatórios visando facilitar o gerenciamento da
manutenção, dentre outras atividades. Neste sentido,
este trabalho apresenta o desenvolvimento de uma
metodologia de classificação dos equipamentos médicohospitalares para ser utilizada no sistema de
gerenciamento de manutenção do Hospital de Clínicas
de Uberlândia da Universidade Federal de Uberlândia
(HCU-UFU). Após levantamento realizado em 41
setores do hospital e no Sistema de Gerenciamento de
Equipamentos (SGE), foram criados 27 grupos
funcionais, sendo que a escolha de cada um dos grupos
partiu do princípio de funcionamento dos equipamentos
que estão alocados no EAS. O método classificatório
realizado nesse trabalho já está implantado no setor de
BioEngenharia do HCU-UFU e apresenta resultados
positivos.
Palavras-chave: Engenharia Clínica, Equipamento
Médico-Hospitalar, Grupo Funcional.

functional groups were created, the way that each one
has been chosen came from principle of operation of
equipment that are allocated in HCF. The classificatory
method realized in the paper is already used in the
BioEngenharia of HCU-UFU and has positive results.
Keywords: Clinical Engineering, Hospital-Medical
Equipment, Functional Group.
Introdução
A organização hospitalar atualmente envolve um
grande número de especialidades e especialistas. São
utilizadas tecnologias variáveis, das mais simples
(estufa) até as mais sofisticadas (tomógrafo e
ressonância magnética), merecendo o cuidado e o
estudo de profissionais habilitados e/ou a habilitarem-se
na área administrativa e/ou gerencial [1].
Segundo [2], "uma organização como instrumento
de intervenção terapêutica com o objetivo de alcançar a
cura de doentes é uma invenção relativamente nova".
Assim, o desenvolvimento dos Estabelecimentos
Assistenciais de Saúde (EAS) passou por grande
processo e, ainda é possível afirmar que o
estabelecimento é um tipo organizacional em franco
crescimento, pois novas tecnologias estão surgindo
ininterruptamente.
Essa crescente demanda pelos serviços de saúde,
levou o sistema hospitalar a alargar suas atividades,
exigindo pessoas qualificadas para execução de suas
tarefas, as quais devem estar direcionadas para a
qualidade assistencial [3].
Diante de tantas transformações e em prol de uma
gestão adequada e resolutiva, concebe-se que é
importante para os administradores e os demais
profissionais que atuam nas instituições de saúde
conhecer os aspectos pertinentes ao desenvolvimento da
organização hospitalar [1].
Assim, quando ocorreu o rápido processo de
implantação de equipamentos eletromédicos em EAS,
em virtude das questões de segurança do paciente,
surgiu a Engenharia Clínica que aplica conhecimentos
da Engenharia e Administração à tecnologia médicohospitalar com o intuito de apoiar e aprimorar os
serviços de saúde [4,5,6].

Abstract: The hospital organization use various
technologies, deserving the careful and the study of
skilled professionals.
Management's systems of
computerized technologies are important tools to a
quality management. However there is a problem
experienced every day on Health Care Facilities (HCF)
relative to the process of management of hospital
medical equipment (HME) that is the difficulty of
organize them in qualifying groups that aim to facilitate
the management of maintenance, among other activities.
In this way, this work presents the development of a
methodology for the classification of medical equipment
for use in the maintenance management of the Hospital
of the Federal University of Uberlândia (HCU-UFU)
system. After the survey in 41 sector of the hospital and
the Management Equipment System (MES), 27

1
1565

XXIV Congresso Brasileiro de Engenharia Biomédica ­ CBEB 2014
Desempenhando papel importante no processo de
gestão de tecnologias realizada pelos profissionais da
Engenharia Clínica estão os sistemas de gerenciamento
informatizados. A maioria deles realiza o controle de
atividades de manutenção tais como, as corretivas e
preventivas, agrupamento de observações pertinentes ao
equipamento e um conjunto de relatórios que asseguram
a melhor tomada de decisões.
No entanto, um problema vivenciado no dia-a-dia
dos EAS, relativo ao processo de gestão dos
equipamentos
médico-hospitalares,
reside
na
dificuldade de organização dos mesmos em famílias
para facilitar a instalação da infraestrutura necessária
para manutenção de cada grupo de equipamentos, o
gerenciamento de equipamentos cuja manutenção será
executada externamente, a quantificação dos recursos
materiais e humanos, assim como a definição do perfil
do pessoal a ser contratado para atuar em cada grupo de
equipamento.
Porém, a literatura sobre o assunto é muito vaga e
quase inexistente.
Um exemplo de classificação é o agrupamento por
sistema fisiológico, ou seja, equipamentos destinados ao
tratamento ou diagnóstico de sistemas fisiológicos:
cardiovascular, pulmonar, nervoso, endócrino, etc. Esse
tipo de classificação causa uma superposição
considerável de equipamento com o mesmo princípio de
funcionamento [7]. Outro exemplo é o agrupamento por
especialidade clínica, ou seja, equipamentos utilizados
em serviços médicos tais como: pediatria, obstetrícia,
cardiologia, radiologia, etc.
Pode-se notar que, em qualquer desses modos de
divisão adotado, vários equipamentos se encaixam em
mais de um grupo, como é o caso de equipamentos de
raio X que se encaixam tanto no grupo de imagem como
no grupo de diagnóstico.
Segundo [7] a maneira pela qual o responsável pela
gestão da manutenção irá dividir os grupos deve levar
também em consideração especificidades que dependem
de cada tipo de EAS e a experiência pessoal do gestor.
Assim, a divisão em grupos tem a finalidade de [7]:
Facilitar a instalação da infraestrutura necessária para manutenção de cada grupo de equipamentos (local de gases para teste dos ventiladores, pontos de energia de diferentes tensões para
equipamentos eletrônicos, tanque de limpeza de
materiais empoeirados ou com graxa, capela de
fluxo para limpeza de equipamentos de ótica,
etc.);
Facilitar o gerenciamento de equipamentos cuja
manutenção será executada externamente;
Auxiliar na definição do perfil dos técnicos que
devem atuar em cada grupo de equipamentos;
Facilitar o sistema de gerenciamento de produtividade e custo da mão de obra por grupo.

leva a repetições de grupos dificultando o sistema de
gerenciamento dos mesmos.
Assim, diante de toda esta perspectiva o objetivo
desse trabalho foi desenvolver uma nova metodologia
de classificação de equipamentos médico-hospitalares,
bem como dos demais tipos de equipamentos
cadastrados, para ser utilizado no sistema de
gerenciamento de manutenção do HCU-UFU, que é um
hospital de grande porte, e que esse possa servir de base
para o desenvolvimento de estruturas de classificação
em outros EAS.
Materiais e métodos
Essa pesquisa foi realizada no setor de
Bioengenharia do Hospital de Clínicas de Uberlândia da
Universidade Federal de Uberlândia (HCU-UFU).
O HCU-UFU possui 520 leitos e é o maior
prestador de serviços pelo Sistema Único de Saúde
(SUS), em Minas Gerais. O setor de BioEngenharia do
HCU-UFU, que hoje conta com uma equipe de 70
colaboradores, tem como principais áreas de atuação a
Engenharia Clínica e a Engenharia Hospitalar.
O atual sistema de gerenciamento de manutenção
hospitalar implantado no HCU-UFU é o SisBiE ­
Sistema de BioEngenharia (em implantação durante a
realização dessa pesquisa), sendo que por meio do
mesmo é possível estabelecer um controle eficiente de
todo o parque tecnológico existente no hospital,
gerenciar todas as manutenções internas e externas que
o setor de BioEngenharia realiza e ainda gerar
indicadores sobre a qualidade da prestação dos serviços
realizados pelo setor.
A metodologia utilizada nesse trabalho foi do tipo
exploratória, onde buscou-se criar um sistema de
classificação para os equipamentos médico-hospitalares
e demais equipamentos que são gerenciados pela
Bioengenharia existentes no HCU-UFU.
Inicialmente foi criada uma planilha (Figura 1), de
acordo com o proposto por [7], baseada no Formulário
para Cadastramento Individual de Equipamento que tem
informações fundamentais para o conhecimento da
quantidade e outros dados relevantes dos equipamentos
existentes no hospital.

Figura 1. Modelo dos dados necessários para a
realização do inventário de equipamentos médicohospitalares do HCU-UFU.
O preenchimento dos campos Equipamento, Marca,
Modelo e Número de Série foi obrigatório, tendo em
vista que estes dados são importantes para o cadastro e
registro do equipamento no sistema. Esse conjunto serve
para identificar os equipamentos existentes na unidade
com relação ao tipo (ventilador, desfibrilador, etc.), ao
fabricante, ao modelo e ao número de série [7].
Os campos ANVISA, Tensão, Corrente e Potência
foram integrados nessa tabela a fim de se ter um

Atualmente no HCU-UFU o sistema de classificação
utilizado se baseia no princípio de funcionamento do
equipamento médico-hospitalar, porém esse método

2
1566

XXIV Congresso Brasileiro de Engenharia Biomédica ­ CBEB 2014
conhecimento maior sobre cada equipamento. No caso
do registro da ANVISA, para equipamentos de mesma
marca e modelo, porém número de série diferente, o
registro da Vigilância Sanitária é o mesmo. Os demais
campos variam de acordo com o equipamento e a rede
elétrica do local onde o mesmo está instalado ou é
utilizado.
Os campos Patrimônio e Código de BioEngenharia
(Cód. Bio), são informações internas do HCU-UFU. O
Código de BioEngenharia é um número inteiro,
seqüencial e único, gerado automaticamente pelo
SisBiE quando é realizado o cadastramento de um
equipamento. Esse número é de vital importância, pois
por meio deste é possível localizar o equipamento, bem
como todas as informações referentes ao mesmo, por
exemplo: número de patrimônio, número de série, data
de aquisição, data de garantia, além de ter acesso a
todos os Pedidos de Serviço de Manutenção (PSM´s) e
Pedidos de Manutenção de Terceiros (PMT´s)
pertencentes ao equipamento.
Com a definição de todos os campos da Figura 1,
deu-se início ao trabalho de campo. Foram percorridos
41 setores do HCU-UFU que continham equipamentos a
serem cadastrados no SisBiE.
Após o levantamento realizado nos setores foi
realizada uma pesquisa no sistema de gerenciamento
anterior (Sistema de Gerenciamento de Equipamentos ­
SGE) desenvolvido em 2004, para verificar, por
exemplo, quais equipamentos não estão em uso no
hospital, porém fazem parte do histórico do parque
tecnológico do hospital e foram também agrupados. A
consulta a essa base objetivou também a visualização de
como os agrupamentos dos equipamentos era montada e
quais eram os seus maiores problemas.
A tabela desenvolvida, mostrada na Figura 1,
permitiu contabilizar a quantidade de equipamentos
médico-hospitalares existentes no HCU-UFU.
A próxima etapa consistiu da definição da equipe
para discutir e definir quais seriam os principais grupos
classificatórios dos equipamentos existentes no Hospital
de Clínicas de Uberlândia da Universidade Federal de
Uberlândia, a serem gerenciados por meio do SisBiE.

especialidades técnicas (equipes de manutenção)
existentes dentro da BioEngenharia, sendo essas:
eletrônica, elétrica, mecânica, refrigeração, entre outras.
Atualmente, os equipamentos não necessitam mais
serem divididos por uma só especialidade técnica, visto
que muitos deles têm componentes mecânicos, elétricos
e eletrônicos. Dessa forma, partiu-se do pressuposto de
que o novo método de agrupamento deveria ser algo
mais ligado à função do equipamento.
A primeira tentativa de montagem dos grupos
classificatórios foi levando em consideração que o
mesmo poderia ser realizado por meio de um
agrupamento por sistema fisiológico. Segundo [7] isso
aconteceria da seguinte forma: os equipamentos seriam
classificados de acordo com o tratamento ou diagnóstico
de sistemas fisiológicos aos quais são destinados, por
exemplo, cardiovascular, pulmonar, nervoso, etc. O
grupo foi denominado Grupo Funcional, porém após a
montagem foi possível visualizar que esse tipo de
classificação causava uma superposição considerável
com o mesmo princípio de funcionamento.
Após essa conclusão, foi proposto pela equipe que o
primeiro grupo deveria adotar uma classificação simples,
que pudesse ser de fácil entendimento e visualização
para todos os usuários do sistema. Foram utilizadas
diversas descrições, como as citadas em [7] e [8].
Sendo assim, a idéia adotada foi de que o Grupo
Funcional deveria ter a mais simples funcionalidade do
equipamento, por exemplo, o raio-X é um equipamento
que produz uma imagem; um monitor cardíaco é um
equipamento médico-hospitalar que monitora sinais do
paciente; um berço aquecido é utilizado somente para
aquecer bebês; etc. Dessa forma, foram criados os
grupos funcionais descritos na Figura 2.

Resultados e Discussão
A equipe de elaboração do novo sistema de
agrupamentos de equipamentos foi composta por
engenheiros, técnicos e estagiários.
Ao todo foram localizados 10.730 equipamentos.
Analisando os agrupamentos existentes no SGE foram
encontrados vários problemas, dentre eles: a triplicação
de um mesmo grupo classificatório de equipamentos. O
grupo classificatório "Optica", por exemplo, aparecia
três vezes agrupando diferentes equipamentos. Cabe
ressaltar que era permitido que diversos profissionais da
BioEngenharia pudessem alterar e incluir dados no SGE,
criando muitas vezes grupos desnecessários e sem um
estudo detalhado.
Outro problema encontrado foi que o principal grupo
classificatório desses equipamentos, eram os nomes das

Figura 2: Grupos Funcionais do SisBiE.

3
1567

XXIV Congresso Brasileiro de Engenharia Biomédica ­ CBEB 2014
Agradecimentos
A criação desses grupos foi baseada na
funcionalidade dos 10.730 equipamentos médicohospitalares que tem registro de atividade no HCU-UFU
e o nome dos mesmos foi adotado de forma que todos
os membros da equipe estivessem de acordo e
conseguissem distinguir que um determinado
equipamento estaria presente em um grupo funcional
específico.

Agradecemos a todos da BioEngenharia que
contribuíram para a realização deste trabalho e aos
órgãos financiadores FAPEMIG, CAPES e CNPq por
tornarem possível a realização dessa pesquisa.
Referências
[1] Sousa MNA. Gestão hospitalar: da origem dos
hospitais aos aportes teóricos da ciência gerencial e
sua aplicabilidade no âmbito hospitalar. 1a ed.
Curitiba: Editora CRV, 2008.
[2] Gurgel Junior GD, Vieira MMF. Total quality
management and hospital administration: exploring
conceptual disjunctions. Ciênc. Saúde Coletiva.
2002;
7(2):325-334.
Available
from:
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&p
id=S1413-81232002000200012&lng=en&nrm=iso.
[3] Borba VR. Administração hospitalar: princípios
básicos. 2a ed. São Paulo: Cedas: 1988.
[4] Bronzino JD. Biomedical Engineering Handbook.
Boca Raton, FL: CRC Press, 2000.
[5] Dyro J, Et al. The Clinical Engineering Handbook.
Burlington: Elsevier, 2004.
[6] American College of Clinical Engineers (ACCE).
Clinical Engineer ­ defined. 1992. Available from :
http://accenet.org/default.asp?page=about§ion=
definition.
[7] Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão de
Investimentos em Saúde. Projeto REFORSUS.
Equipamentos
Médico-Hospitalares
e
o
Gerenciamento da Manutenção: capacitação a
distância. Brasília, DF. 2002.
[8] Farinha JMT. Uma Abordagem Terológica da
Manutenção dos Equipamentos Hospitalares. 1994.
320 f. Dissertação (Doutorado em Engenharia) ­
Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto.
Disponível
em:
http://repositorioaberto.up.pt/bitstream/10216/12810/2/Texto%20inte
gral.pdf.

Conclusão
A implantação e desenvolvimento de uma
metodologia de classificação de equipamentos médicohospitalares em um EAS de grande porte não é algo
simples e demanda tempo. Porém, é necessário e
importante para que a gestão da manutenção no EAS e
tudo que envolve a mesma sejam feita de forma
coerente e eficaz.
O desenvolvimento de uma metodologia de
classificação de equipamentos médico-hospitalares
utilizado no sistema de gerenciamento de manutenção
do HCU-UFU foi o objetivo deste trabalho. Nos 27
grupos funcionais criados, percebeu-se a necessidade de
cada um deles, visto que para se ter um bom
gerenciamento de todos os equipamentos médicohospitalares em um EAS de grande porte, é necessário
ter um controle bastante eficaz.
A escolha de cada um dos grupos foi de acordo com
o parque tecnológico do EAS, visto que foram levados
em consideração todos os equipamentos que pertencem
ao hospital desde a informatização do mesmo, ou seja,
foram considerados 10.730 equipamentos.
A metodologia de classificação apresentada nesse
trabalho já está implantada e em uso na BioEngenharia
e até o presente momento tem funcionado de modo
eficaz, sendo que todos os usuários do sistema
adaptaram-se de forma rápida e conseguiram
compreender a funcionalidade de cada grupo
classificatório.
Os grupos funcionais criados devem ser revistos
periodicamente, pois sempre são adquiridos novos
equipamentos, de marcas e modelos diferentes, que
devem ser inseridos em algum grupo classificatório para
que seja possível cadastrá-lo no SisBiE e assim,
gerenciar sua manutenção.
Além de reorganizar toda a base classificatória de
equipamentos do HCU-UFU, houve outras vantagens
que foram sendo conhecidas ao longo da montagem
dessa metodologia, dentre elas, o cadastramento das
manutenções preventivas. Antigamente, as mesmas
eram cadastradas em cada equipamento, agora, com a
organização e os grupos classificatórios bem definidos,
é possível fazer isso por meio do grupo classificatório, e
todos os equipamentos que se encontram cadastrados
nele são contemplados automaticamente com o
cadastramento da manutenção preventiva.

.

4
1568