Painel de Avaliação de Bioengenharia & Biotecnologia
O Coordenador do painel de Bioengenharia & Biotecnologia preparou uma proposta de subcritérios a
adoptar na avaliação de candidaturas submetidas nesta área. Esta proposta foi enviada para os seguintes
membros do painel:
Duarte Miguel de França Teixeira dos Prazeres
Eugénio Manuel de Faria Campos Ferreira
Francisco Xavier Delgado Domingos Antunes Malcata
Maria Raquel Múrias dos Santos Aires Barros
Paula Maria Lima e Castro
Gabriel António Amaro Monteiro
Ana Colette Pereira de Castro Osório Maurício
João Ramalho de Sousa Santos
Guilherme Nuno Matos Ferreira
José António Belo
Jorge Fernando Jordão Coelho
Maria Goreti Ferreira Sales
Mário António Forjaz Secca
Rita Gouveia Nunes
Após análise e discussão da proposta pelos membros do painel, a versão final aprovada dos subcritérios
a adoptar no painel de Bioengenharia & Biotecnologia encontra-se descrita a seguir.

1

Painel de Avaliação de Bioengenharia & Biotecnologia
Subcritérios de avaliação de Bolsas de Doutoramento e Pós-Doutoramento ­
2014

BOLSAS DOUTORAMENTO
I- Mérito do Candidato (50%)
Valorização (máximo 3 valores)
1) Publicações em revistas internacionais com arbitragem científica
Autor
(2)

1º posição
Outra posição

Q1
0,6
0,4

Quartil ISI JCR 2013 (1)
Q2
Q3
Q4
0,5
0,3
0,2
0,3
0,2
0,1

Sem
0,1
0,05

(1)

Havendo diferença de classificação em várias categorias escolher o melhor quartil. Considerar as categorias científicas
afins ao Painel.
(2)
Ou autor que contribui igualmente como o 1º autor ou autor correspondente

2) Patentes Concedidas
- 0,4 valores - Patentes concedidas (caso necessário, verificar o registo na internet).
3) Livros e capítulos de livros com circulação internacional
- 0,15 valores - por cada Capítulo de livro de editora internacional, como 1º autor.
- 0,10 valores - por cada Capítulo de livro de editora internacional, como 2º, 3º, etc., autor.
4) Artigos em conferências
- 0,10 valores -Publicações de texto completo em atas de congressos indexadas no ISI. Não se
consideram resumos (abstracts). Máximo: 0.3 valores
5) Comunicações orais
- 0,10 valores - Comunicações orais em congressos internacionais reconhecidos. Máximo: 0.2 valores.
6) Prémios internacionais, organização de eventos científicos, direção de sociedades científicas, corpo
editorial de revistas, orientações, docência, etc.
- 0,10 - 0,15 valores por cada item.
Contar apenas um item em cada categoria.
Máximo: 0.2 valores.

2

7) Participação e ou liderança em projetos de investigação científica aprovados em concursos
competitivos e consultadoria
- 0,10 valores - participação como membro de um projeto nacional.
- 0,15 valores - participação como membro de um projeto internacional.
- 0,30 valores - como coordenador do projeto.
Nota: valorizar apenas uma participação como membro de um projeto e uma coordenação de um
projeto.
Máximo: 0.45 valores.

II- Mérito e exequibilidade do Plano de trabalho (50%)
Avaliar o mérito e exequibilidade do programa de trabalhos com os seguintes subcritérios gerais:
1 - Clareza, organização e conhecimento do estado da arte a nível internacional - 10%.
2 - Relevância, mérito científico e natureza inovadora do programa de trabalhos - 30%.
3 - Adequação da metodologia proposta e exequibilidade - 25%.
4 - Resultados esperados e a sua contribuição para o conhecimento científico, estratégia portuguesa /
europeia e impacto socioeconómico potencial - 10%.
5 - Adequação das condições de acolhimento e da orientação científica do projeto à exequibilidade do
plano de trabalhos - 20%.
6 - Adequação do percurso profissional e experiência científica do candidato ao plano de trabalhos - 5%.
Relativamente ao ponto 5, distribuir os 20% pelos responsáveis pela formação: dar um peso de 50% ao
orientador e os restantes 50% distribuir pelos coorientadores.
Subcritérios para a valorização do orientador/coorientador e respetiva ponderação:
Competências do orientado /
coorientador
Produção científica (artigos ISI)
45% (máx 2,25 valores)
Projectos 20%
(máx 1,0 valores)
Experiência de orientação
15% (máx 0,75 valores)
Enquadramentos dos orientadores
no plano de trabalho, 15%
Outros indicadores relevantes
(Experiência industrial, prémios,
editor de revistas, etc.), 5%

Sénior >= 10 anos após PhD

Junior < 10 anos após PhD

(Análise dos últimos 5 anos)

(Análise dos últimos 5 anos)

10 artigos -1.5 valores
Cada artigo adicional - 0,5 valores
Europeus : 0,3 valores cada
Nacionais: 0,2 valores cada
Teses PhD concluídas - 0,25 valores
cada

5 artigos -1.5 valores
Cada artigo adicional - 0,5 valores
Europeus 0,4 valores cada
Nacionais: 0,3 valores cada
Teses PhD concluídas - 0,5 valores
cada

0 - 0,75 valores

0 - 0,75 valores

0 - 0,25 valores

0 - 0,25 valores

3

BOLSAS DE PÓS-DOUTORAMENTO
I- Mérito do Candidato (50%)
Pontuação de base
Condição necessária à admissibilidade: ser autor de, pelo menos, 1 IPC por cada triénio após
doutoramento. A pontuação de base será calculada considerando a seleção de 1 IPC/triénio que
maximiza a pontuação obtida na tabela seguinte:
Autor
1º posição (2)
2º posição
Outra posição

Q1
2,5
2,0
1,5

Quartil ISI JCR 2013 (1)
Q2
Q3
Q4
2,0
1,5
1,0
1,5
1,0
0,5
1,0
0,5
0,25

Sem
0,5
0,25
0,10

(1)

Havendo diferença de classificação em várias categorias escolher o melhor quartil. Considerar as categorias científicas afins
ao Painel.
(2)
Ou autor que contribui igualmente como o 1º autor ou autor correspondente.

Valorização
1) Publicações em revistas internacionais com arbitragem científica
Usar a tabela seguinte para a valorização das publicações:
Autor
1º posição (2)
2º posição
Outra posição

Q1
0,5
0,4
0,25

Quartil ISI JCR 2013 (1)
Q2
Q3
Q4
0,4
0,3
0,2
0,3
0,2
0,1
0,2
0,1
0,05

Sem
0,1
0,05
0,02

(1)

Havendo diferença de classificação em várias categorias escolher o melhor quartil. Considerar as categorias científicas
afins ao Painel.
(2)
Ou autor que contribui igualmente como o 1º autor ou autor correspondente.

À soma destas valorizações será descontada a valorização máxima obtida multiplicada pelo número
de IPCs considerado no cálculo da pontuação base.

2) Patentes Concedidas
- 0,4 valores - Patentes concedidas (caso necessário, verificar o registo na internet).
3) Livros e capítulos de livros com circulação internacional
- 0,15 valores -Capítulos de livros de editoras internacionais, como 1º autor
- 0,10 valores -Capítulos de livros de editoras internacionais reconhecidas, como 2º ,3º, etc. autor
Máximo: 0.3 valores.
4) Artigos em conferências
- 0,10 valores -Publicações em atas de congressos indexados ao ISI. Máximo: 0.3 valores

4

5) Comunicações orais
- 0,10 valores - Comunicações orais em congressos internacionais reconhecidos
Máximo: 0.2 valores.
6) Prémios internacionais, organização de eventos científicos, direção de sociedades cientificas, corpo
editorial de revistas, orientações, docência, etc.
- 0,10- 0,15 valores
Contar apenas um item de cada categoria - Máximo: 0.2 valores.
7) Participação e ou liderança em projetos de investigação científica aprovados no âmbito de
programas de financiamento em concursos competitivos e consultadoria
- 0,10 valores - participação como membro de um projeto Nacional.
- 0,15 valores - participação como membro de um projeto internacional.
- 0,30 valores - como coordenador do projeto.
Nota: valorizar apenas uma participação como membro de um projeto e uma coordenação de um
projeto.
Máximo: 0.45 valores.
À valorização obtida nos pontos 1 a 7 deve ser aplicado um malus de 10% por cada ano após o
Doutoramento, descontando o 1º ano e considerando um valor máximo de 60% (7 anos após o
Doutoramento).

II- Mérito e exequibilidade do Plano de trabalho
Avaliar o mérito e exequibilidade do programa de trabalhos com os seguintes subcritérios gerais:
1 - Clareza, organização e conhecimento do estado da arte a nível internacional - 10%.
2 - Relevância, mérito científico e natureza inovadora do programa de trabalhos - 30%.
3 - Adequação da metodologia proposta e exequibilidade - 25%.
4- Resultados esperados e a sua contribuição para o conhecimento científico, estratégia
portuguesa/europeia e impacto socioeconómico potencial -10%.
5 - Adequação das condições de acolhimento e da orientação científica do projeto à exequibilidade do
plano de trabalhos - 20%.
6 - Adequação do percurso profissional e experiência científica do candidato ao plano de trabalhos - 5%.

Relativamente ao ponto 5, distribuir os 20% pelos responsáveis pela formação: dar um peso de 50% ao
orientador e os restantes 50% distribuir pelos coorientadores.

5

Subcritérios para a valorização do orientador/coorientador e respetiva ponderação:
Competências do orientado /
coorientador
Produção científica (artigos ISI)
45% (máx 2,25 valores)
Projectos 20%
(máx 1,0 valores)
Experiência de orientação
15% (máx 0,75 valores)
Enquadramentos dos orientadores
no plano de trabalho, 15%
Outros indicadores relevantes
(Experiência industrial, prémios,
editor de revistas, etc.), 5%

Sénior >= 10 anos após PhD
(Análise dos últimos 5 anos)
10 artigos -1.5 valores
Cada artigo adicional - 0,5 valores
Europeus : 0,3 valores cada
Nacionais: 0,2 valores cada
Teses PhD concluídas - 0,25 valores
cada

Junior < 10 anos após PhD
(Análise dos últimos 5 anos)
5 artigos -1.5 valores
Cada artigo adicional - 0,5 valores
Europeus 0,4 valores cada
Nacionais: 0,3 valores cada
Teses PhD concluídas - 0,5 valores
cada

0 - 0,75 valores

0 - 0,75 valores

0 - 0,25 valores

0 - 0,25 valores

O Coordenador do painel de Bioengenharia & Biotecnologia

Maria Ascensão Miranda Reis
Lisboa 10 de Novembro de 2014

6