UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO
ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS
ENGENHARIA AMBIENTAL

PRÁTICAS DE MICRODRENAGEM SUSTENTÁVEIS PARA A REDUÇÃO DO
ESCOAMENTO SUPERFICIAL URBANO

Aluno: Rafael Guerreiro Imada
Orientadora: Prof. Dra. Luciana Bongiovanni Martins Schenk

Monografia apresentada ao curso de
graduação
em
Engenharia
Ambiental da Escola de Engenharia
de São Carlos da Universidade de
São Paulo.

SÃO CARLOS
2014

AUTORIZO A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL DESTE TRABALHO,
POR QUALQUER MEIO CONVENCIONAL OU ELETRÔNICO, PARA FINS
DE ESTUDO E PESQUISA, DESDE QUE CITADA A FONTE.

I31p

Imada, Rafael G.
Práticas de microdrenagem sustentáveis para a
redução do escoamento superficial urbano / Rafael G.
Imada; orientadora Luciana Bongiovanni Martins Schenk .
São Carlos, .

Monografia (Graduação em Engenharia Ambiental) -Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de
São Paulo, .

1. Drenagem urbana. 2. Drenagem urbana sustentável.
3. Escoamento superficial. 4. Microdrenagem. I. Título.

!

V

AGRADECIMENTOS

À minha mãe Nilce e a meu Pai Sérgio, pelo suporte e encorajamento incondicional,
essa conquista é nossa.

À minha Irmã Thaís e demais familiares pela confiança e carinho.

À Kim pelo companheirismo e cumplicidade.

À Prof. Dra. Luciana Bongiovanni Martins Schenk, pela dedicação nas correções e
orientações para o desenvolvimento dessa monografia.

Aos meus colegas de graduação que tornaram este período de aprendizado em algo
divertido e único.

À minha equipe de trabalho, pelo apoio e compreensão.

VI

VII

"O mundo não será destruído por aqueles que fazem o
mal, mas por aqueles que assistem sem fazer nada"
ALBERT EINSTEIN

VIII

IX

RESUMO

IMADA, R. G. Práticas de microdrenagem sustentáveis para a redução do
escoamento superficial urbano. São Carlos, Monografia, Escola de Engenharia de
São Carlos. 2014.

As estruturas que compõem o sistema de drenagem urbana possuem
grande importância para o funcionamento do meio urbano. A crescente ocorrência
de enchentes e inundações nas cidades brasileiras indica que o sistema de
drenagem urbana existente não é capaz de suprir as demandas impostas pelos
modelos de urbanização adotados. O presente trabalho apresenta práticas
alternativas, em contrapartida ao conceito higienista de escoamento rápido das
águas superficiais, como mecanismos para melhorar o cenário atual da drenagem
urbana. Para tanto, primeiramente é exibido um breve resumo do desenvolvimento
da drenagem urbana ao longo dos séculos culminando no modelo adotado
atualmente e, paralelamente apresentado o desenvolvimento do planejamento
urbano a partir do final do século XIX e sua relação com o sistema de drenagem, na
sequência é feita uma explicação das características do ciclo hidrológico urbano. O
trabalho explica as medidas de controle utilizadas atualmente e apresenta as novas
práticas a serem empregadas no meio urbano. Por fim é fornecida um estudo de
aplicabilidade e eficiência no emprego dessas práticas em um lote na área urbana
do município de São Carlos, São Paulo.

Palavras Chave : drenagem urbana; drenagem urbana sustentável; escoamento
superficial; microdrenagem.

X

XI

ABSTRACT

IMADA, R. G. Sustainable micro-drainage practices for reduction of urban
runoff. São Carlos, Monograph, School of Engineering of São Carlos. 2014.

The structures that compose the urban drainage system have a significant
importance for the operation of the urban environment. The increasing occurrence of
floods and inundations in Brazilian cities indicates that the existing urban drainage
system is not capable of meeting the demands imposed by the adopted model of
urbanization. This paper presents alternative practices, in contrast to the hygienist
concept of fast runoff of the surface water, as mechanisms to improve the current
scenario of the Brazilian urban drainage. To do so, first of all, the development of
urban drainage over the centuries culminating in the model adopted nowadays was
summarized. Following, the course of urban planning, starting in the second half of
the 19th century, and its relationship with the drainage system is presented. Next, the
characteristics of the urban hydrological cycle are explained. The paper also
expounds the control measurements currently used and consequently the new
practices to be implemented in the urban environment. Finally, a study of the
applicability and efficiency of said practices in the urban area of São Carlos, in São
Paulo State, is provided.

Key words: urban drainage; sustainable urban drainage; runoff; micro-drainage.

XII

XIII

LISTA DE FIGURAS

Figura 1:

Situação das civilizações mundiais em 2000 a.C.. ..................................... 25!

Figura 2:

Civilizações do Vale do Rio Indo: Sistema de drenagem (a) e
banhos coletivos (b) de Mohenjo-Daro; Sistema de drenagem e
esgotos (a) e reconstrução artística (b) de Harappa. .................................. 26!

Figura 3:

Coletor central de esgoto e sistema de drenagem: no Palácio de
Phaistos (a) e no Palácio de Knossos (b). .................................................. 27!

Figura 4:

Cloaca Máxima: atualmente no seu encontro com o rio Tibre (a) e
representação artística com seu percurso (b). Latrina em Óstia, as
margens do rio Tibre (c) e cisterna em Fermo (d). ...................................... 28!

Figura 5:

Representação Situação das cidades medievais. ...................................... 29!

Figura 6:

Seções transversais típicas das ruas de Paris durante o período de
Haussmann. ................................................................................................ 31!

Figura 7:

Manual para apresentação de proposta - Drenagem Urbana e
Controle de Erosão Marítima e Fluvial. ....................................................... 36!

Figura 8:

Porcentagem da população mundial habitando áreas urbanas entre
1960 e 2010. ............................................................................................... 37!

Figura 9:

População Urbana em países de baixa e média renda entre 1975 e
2009. ........................................................................................................... 38!

Figura 10: Efeitos da urbanização nos processos hidrológicos. .................................. 42!
Figura 11: Efeitos da urbanização sobre o sistema de drenagem urbana. .................. 45!
Figura 12: Política de controle do ciclo da água das cidades. ..................................... 49!
Figura 13: Estrutura do Plano de Drenagem Urbana. .................................................. 51!
Figura 14: Ciclo Hidrológico. ........................................................................................ 55!
Figura 15: Visão esquemática de uma bacia hidrográfica. ........................................... 57!
Figura 16: Hidrograma Típico. ...................................................................................... 57!
Figura 17: Sub-bacia urbanizada. ................................................................................ 59!
Figura 18: Coeficiente de distribuição da chuva. .......................................................... 67!
Figura 19: Estruturas da microdrenagem. Fonte: (DAEE/CETESB, 1980). ................. 73!
Figura 20: Exemplo de Bio-retenção. ........................................................................... 78!
Figura 21: Exemplo de Faixa Filtrante e de Vala Gramada. ........................................ 79!

XIV

Figura 22: Exemplos de Barris e Cisternas: !
(a) e (d) Típico barril de plástico.
(b) Cisterna de concreto integrada a um estacionamento.
(c) Cisterna de concreto enterrada. ............................................................ 80!
Figura 23: Exemplos de Poço de Infiltração e de Trincheiras de Infiltração. ............... 81!
Figura 24: Componentes de um sistema de aproveitamento de águas pluviais
através do uso de cisterna. ......................................................................... 85!
Figura 25: Esquema de um telhado verde com divisão de suas camadas. ................. 88!
Figura 26: Esquema de um poço de infiltração em lote residencial............................. 89!
Figura 27: Exemplo de Bio-retentor. ............................................................................ 91!
Figura 28: Exemplo de faixa filtrante............................................................................ 94!
Figura 29: Exemplo de vala gramada. ......................................................................... 95!
Figura 30: Seção típica de pavimento permeável. ....................................................... 97!
Figura 31: Área de estudo para aplicação das práticas sustentáveis de
drenagem. ................................................................................................... 99!
Figura 32: Hidrograma trapezoidal do método racional. ............................................ 101!

XV

LISTA DE QUADROS

Quadro 1: Causas e efeitos da urbanização sobre as inundações urbanas. ............... 43!
Quadro 2: Respostas do ecossistema à urbanização. ................................................. 46!
Quadro 3: Impacto da impermeabilização sobre o ciclo hidrológico. ........................... 46!
Quadro 4: Classificação de Bacias. ............................................................................. 60!
Quadro 5: Coeficientes volumétricos de escoamento (C2)........................................... 69!
Quadro 6: Divisão do sistema de drenagem. ............................................................... 70!
Quadro 7: Resumo das medidas estruturais ................................................................ 71!
Quadro 8: Comparação entre as respostas do sistema hidrológico às praticas
LID e convencionais. ................................................................................... 77!
Quadro 9: Funções Hidrológicas associadas às práticas de gestão integradas IMPs. ........................................................................................................... 81!
Quadro 10: Estimativa da infiltração final de Horton. ................................................... 103!

XVI

LISTA DE TABELAS

Tabela 1:

Valores de C adotados pela Prefeitura de São Paulo. ............................... 65!

Tabela 2:

Variação do coeficiente de escoamento superficial em função do
período de retorno. ..................................................................................... 66!

Tabela 3:

Grau de impermeabilização do solo em função do seu uso. ...................... 69!

Tabela 4:

Estratégias, Objetivos e Ações LID. ........................................................... 76!

Tabela 5:

Sumário

da

comparação

de

custo

entre

desenvolvimento

convencional e o LID. ................................................................................. 83!
Tabela 6:

Estimativa de redução no escoamento superficial para cada prática
de drenagem sustentável............................................................................ 98!

Tabela 7:

Principais dimensões da área de estudo. ................................................. 100!

Tabela 8:

Vazões de prico para a área de estudo. ................................................... 101!

Tabela 9:

Volumes produzidos para a chuva de projeto........................................... 102!

Tabela 10: Redução do escoamento superficial com o uso de cisternas. .................. 103!
Tabela 11: Redução do escoamento superficial com o uso de telhado verde. .......... 103!
Tabela 12: Redução do escoamento superficial com o uso de poços de
infiltração................................................................................................... 104!
Tabela 13: Redução do escoamento superficial com o uso de poços de
infiltração................................................................................................... 105!
Tabela 14: Redução do escoamento superficial com o uso de poços de
infiltração................................................................................................... 106!
Tabela 14: Comparação entre as práticas adotadas para a redução do
escoamento superficial. ............................................................................ 106!

XVII

SUMÁRIO

1! INTRODUÇÃO ........................................................................................................... 21!
2! OBJETIVOS ............................................................................................................... 23!
3! A HISTÓRIA DA DRENAGEM .................................................................................. 24!
3.1! DA ANTIGUIDADE ATÉ A CIVILIZAÇÃO ROMANA ............................................ 24!
3.2! DA IDADE MÉDIA ATÉ O FINAL DO SÉCULO XIX ............................................. 28!
3.3! A EVOLUÇÃO DA DRENAGEM NO BRASIL A PARTIR DO SÉCULO XIX ......... 32!
4! A INFLUÊNCIA DA URBANIZAÇÃO E DO PLANEJAMENTO URBANO
SOBRE O SISTEMA DE DRENAGEM URBANA ..................................................... 37!
4.1! UM RESUMO DO PROCESSO DE URBANIZAÇÃO A PARTIR DA
SEGUNDA METADE DO SÉCULO XIX ............................................................... 37!
4.2! UM RESUMO DO PLANEJAMENTO URBANO NO BRASIL ............................... 39!
4.3! IMPACTOS DO DESENVOLVIMENTO E PLANEJAMENTO URBANOS
SOBRE O SISTEMA DE DRENAGEM URBANA ................................................. 41!
4.4! A INTEGRAÇÃO DO SISTEMA DE DRENAGEM URBANA AO
PROCESSO DE PLANEJAMENTO URBANO ..................................................... 48!
4.5! A IMPORTÂNCIA DA INCLUSÃO SOCIAL PARA O SISTEMA DE
DRENAGEM URBANA ........................................................................................ 51!
5! ESTUDO HIDROLÓGICO URBANO ......................................................................... 55!
5.1! O CICLO HIDROLÓGICO CONTINENTAL .......................................................... 55!
5.2! BACIA HIDROGRÁFICA ...................................................................................... 56!
5.2.1!Classificação das Bacias Urbanas .............................................................. 58!
5.3! DETERMINAÇÃO DA CHUVA DE PROJETO ..................................................... 60!
5.3.1!Período de retorno ...................................................................................... 63!
5.4! DETERMINAÇÃO DA VAZÃO DE PROJETO ..................................................... 64!
5.4.1!Método Racional ......................................................................................... 64!
5.4.1.1!Coeficiente de escoamento do método racional ...................................... 64!
5.4.2!Método de I-Pai-Wu .................................................................................... 66!
5.4.2.1!Coeficientes de Escoamento do Método de I-Pai-Wu ............................. 67!
6! OBRAS DE DRENAGEM E OUTRAS MEDIDAS DE CONTROLE .......................... 70!

XVIII

6.1!ESTRUTURAS CLÁSSICAS DA DRENAGEM .................................................... 72!
6.1.1!Elementos da Microdrenagem .................................................................... 72!
6.1.2!Elementos da Macrodrenagem .................................................................. 74!
6.2! NOVOS ELEMENTOS A SEREM ADOTADOS ­ O CONCEITO DE
DRENAGEM SUSTENTÁVEL ............................................................................ 74!
7! APLICAÇÃO DAS PRÁTICAS DE DRENAGEM SUSTENTÁVEL EM
ÁREAS URBANAS ................................................................................................... 84!
7.1! APROVEITAMENTO DAS ÁGUAS PLUVIAIS .................................................... 84!
7.2! TELHADO VERDE .............................................................................................. 86!
7.3! POÇOS E TRINCHEIRAS DE INFILTRAÇÃO .................................................... 88!
7.4! BIO-RETENÇÃO ................................................................................................. 90!
7.5! FAIXA FILTRANTE E VALA GRAMADA ............................................................. 93!
7.6! PAVIMENTO PERMEÁVEL ................................................................................ 95!
7.7! DISCUSSÃO DAS PRÁTICAS DE DRENAGEM SUSTENTÁVEL ...................... 97!
7.8! APLICAÇÃO NA ÁREA URBANA DO MUNICÍPIO DE SÃO CARLOS ............... 99!
7.8.1!Área de estudo ........................................................................................... 99!
7.8.2!Estudo hidrológico da área ....................................................................... 100!
7.8.3!Práticas aplicáveis para redução do escoamento superficial ................... 102!
7.8.3.1!Aproveitamento de águas pluviais ................................................ 102!
7.8.3.2!Telhado verde ............................................................................... 103!
7.8.3.3!Poço de infiltração ........................................................................ 103!
7.8.3.4!Bio-retenção ................................................................................. 104!
7.8.3.5!Faixa filtrante e vala gramada ...................................................... 105!
7.8.3.6!Pavimento permeável ................................................................... 105!
7.8.4!Comparação

das

práticas

adotadas

quanto

à

redução

do

escoamento pluvial ................................................................................... 106!
8! !CONCLUSÃO ......................................................................................................... 108!
9! !BIBLIOGRAFIA ...................................................................................................... 110!
10!!ANEXOS ................................................................................................................. 114!
10.1! ANEXO A ­ CONSTANTES PARA A EQUAÇÃO USUAL ............................... 114!
10.2! ANEXO B ­ CONSTANTES PARA A EQUAÇÃO ENG. OTTO
PFAFSTETTER ............................................................................................... 115!

XIX

10.4! ANEXO D ­ CONSTANTES PARA A EQUAÇÃO DAEE .................................. 118!
10.5! ANEXO

E

­

EXEMPLOS

DE

POÇOS

E

TRINCHEIRAS

DE

INFILTRAÇÃO ................................................................................................. 119!

XX

21

1

INTRODUÇÃO
Desde que as primeiras comunidades humanas trocaram a vida nômade

pelo sedentarismo, assentando-se em uma determinada área, normalmente
próximas a corpos d'água, surgiu a necessidade de criação de mecanismos para
evitar que o poder das águas da chuva viessem a destruir as diversas estruturas
construídas.
Ao longo dos séculos as civilizações desenvolveram diversas técnicas para
manejar as águas pluviais, aperfeiçoando e desenvolvendo novos modelos de
interação. Esse processo de construção dos conceitos de drenagem convergiram
para o modelo amplamente difundido e empregado ao longo do século XX, visto na
maioria das cidades brasileiras.
A partir da segunda metade do século XIX houve um aumento expressivo da
urbanização, milhões de pessoas abandonaram o campo em busca de melhores
condições de vida nas cidades. Essa mudança no modelo de ocupação trouxe
diversas consequências para o meio urbano.
Uma das principais consequências da urbanização é seu efeito sobre o ciclo
hidrológico urbano, gerando um aumento significativo da parcela de águas pluviais
que escoa superficialmente a ampliação da parcela de solo impermeável. Em
decorrência desse processo há um aumento na ocorrência de enchentes e
inundações em diversos centros urbanos.
O modelo de drenagem clássico mostra-se incapaz de apresentar soluções,
sozinho, para a questão da drenagem urbana. Através de mecanismos e politicas
públicas integrando o planejamento urbano e a drenagem urbana, surgiram novas
práticas para substituir e complementar o sistema clássico de drenagem,
apresentando uma alternativa para reduzir a ocorrência de enchentes e inundações
urbanas, propondo soluções sustentáveis para o desenvolvimento urbano.
O presente trabalho buscou apresentar práticas de drenagem sustentáveis
para a redução do escoamento superficial nos centros urbanos. Para tanto o
trabalho foi estruturado de forma que cada uma dos temas desenvolvidos pudesse
ser consultando de forma independente. Primeiramente foi realizado um
levantamento do conceito de drenagem ao longo dos séculos culminando nos
modelos empregados no Brasil a partir do final do século XIX. Na sequência foi
relacionada a influência da intensificação da urbanização e do planejamento urbano

22

sobre o sistema de drenagem urbana desde a segunda metade do século XIX,
partindo para o planejamento no Brasil e como a urbanização impactou a drenagem
terminando na inclusão do sistema de drenagem no processo de planejamento
urbano. Ainda relacionado ao planejamento do setor da drenagem urbana, foi
discutida a importância da inclusão da sociedade no processo de desenvolvimento e
aplicação das práticas de drenagem. O capítulo seguinte apresentou uma breve
explicação da dinâmica do ciclo hidrológico no meio urbano e as formas existentes
para obtenção das chuvas e vazões para projetos hidráulicos. Em seguida foram
expostas as obras e outras medidas de controle da drenagem urbana, comparando
o modelo clássico com novas propostas. Por fim foram apresentadas as aplicações
das práticas sustentáveis de drenagem em centros urbanos, explicitando suas
vantagens para a redução do escoamento superficial.

23

2

OBJETIVOS
Apresentar uma alternativa para o planejamento da drenagem urbana

através de práticas sustentáveis com a finalidade de reduzir os efeitos da
urbanização sobre o ciclo hidrológico urbano, especialmente sobre o escoamento
superficial. Para tanto, foram considerados os seguintes objetivos específicos:
·

Contextualizar historicamente a estruturação do sistema de drenagem
urbana, apresentando suas características ao longo dos anos, com maior
enfoque a partir do último século.

·

Explicitar a inter-relação entre a drenagem urbana e o planejamento urbano.

·

Explicar a importância da inclusão social no processo de planejamento do
setor de drenagem urbana.

·

Caracterizar o ciclo hidrológico no meio urbano.

·

Caracterizar as estruturas de drenagem clássicas e novos modelos.

·

Aplicar o conceito de drenagem sustentável no meio urbano.

24

3
3.1

A HISTÓRIA DA DRENAGEM
DA ANTIGUIDADE ATÉ A CIVILIZAÇÃO ROMANA
A origem da drenagem está intrinsicamente associada à mudança de hábito

das populações humanas, passando de pequenos grupos nômades para
comunidades fixas. Com o aprendizado do cultivo de trigo e cevada surgiram
técnicas de drenagem para a irrigação que, associado a domesticação de ovelhas,
permitiu a essas comunidades uma vida mais sedentária, fornecendo a estruturação
necessária para a aparição das primeiras cidades (FERNANDES, 2002).
A princípio o conceito de drenagem era atribuído apenas a um conjunto de
instrumentos para a prática da agricultura, visando a irrigação das culturas. Porém,
com o surgimento de novas civilizações ao longo da história humana, ocorreu um
desenvolvimento de novas práticas e modelos de drenagem, compreendendo desde
a regulação da umidade do solo, desvio de águas em terrenos destinados à
ocupação e coleta e transporte de águas pluviais e servidas.
Para MORRIS, 1998, o estabelecimento das primeiras civilizações urbanas
ocorreu de fato durante a idade de bronze, cujo início está compreendido entre 3500
e 3000 a.C., durando cerca de 2000 anos. Com os avanços e descobertas
arqueológicos acredita-se que as primeiras civilizações tenham surgido, em suposta
ordem de aparição, no sul da Mesopotâmia, no Egito, no vale do rio Indo, no rio
Amarelo na China, no vale do México, nas florestas da Guatemala e de Honduras, e
na costa e planalto do Peru (DANIEL, 1968).
Neste trabalho foram consideradas somente algumas das civilizações que, de
alguma forma, contribuíram para a formação e evolução do conceito de drenagem
no mundo ocidental.

25

Figura 1: Situação das civilizações mundiais em 2000 a.C..
Adaptado de Haywood, J. et all. The Cassell Atlas of World History. Andromeda Oxford Ltd., 1997. p.
1.04.

Em 3500 a.C. os sumérios, habitantes das margens dos rios Tigre e Eufrates,
aumentaram consideravelmente a escala da agricultura irrigada, fazendo uso das
técnicas de drenagem adquiridas, passaram a cultivar em vastas áreas antes
estéreis. Devido as características geográficas da região os sumérios estavam
sujeitos a ocorrência de inundações constantes, lhes obrigando a elaborar algumas
obras de engenharia, como os diques. Com o avanço das habilidades arquitetônicas
e de engenharia, construíram cidades ao longo das margens dos rios, cercadas por
muralhas, e com construções distintas em seu interior (McNEILL et alli, 1989 apud
FERNANDES, 2002).
Analogamente, no Egito, o rio Nilo e suas férteis planícies propiciaram o
aparecimento de importantes cidades, através da produção de excedentes agrícolas.
A civilização egípcia, marcada por uma forte estratificação social, distingue-se da
suméria uma vez que o poder concentrava-se nos faraós, enquanto as civilizações
sumérias foram marcadas por cidades estado independentes (MORRIS, 1998).
No vale do rio Indo, descobertas recentes atribuem a origem de suas
civilizações 2150 a.C., aproximadamente. Nessas cidades, em especial Harappa e
Mohenjo-Daro, os sistemas de drenagem constituíam estruturas construídas com
grande cuidado, visando o transporte de águas de chuva e servidas e a proteção

26

contra inundações devido ao degelo sazonal do Himalaia. As cidades possuíam uma
cidadela construída numa cota mais elevada e protegida por muralhas enquanto o
restante da cidade encontrava-se numa cota mais baixa, porém também cercada por
muralhas. Dentre as três primeiras civilizações, as do vale do Indo são consideradas
as que mais avançaram no emprego mecanismos de drenagem (MORRIS, 1998).

Figura 2: Civilizações do Vale do Rio Indo: Sistema de drenagem (a) e banhos coletivos (b) de
Mohenjo-Daro; Sistema de drenagem e esgotos (c) e reconstrução artística (d) de Harappa.
Imagens cedidas por Dr. Jonathan Mark Kenoyer. Universidade de Wisconsin, Madison. Disponíveis
em: http://www.harappa.com

Nessas três civilizações os mecanismos de drenagem estiveram muito
associados a prática da agricultura. Um traço comum as três é a ocupação das
margens de rios para o aproveitamento da fertilidade dos solos de aluvião para a
produção de alimentos. O excedente produzido propiciou o crescimento dessas
civilizações. Esse aumento populacional por sua vez, tornou necessária a produção
de mais alimentos, expandindo os mecanismos de drenagem para tornar solos
inférteis em agricultáveis. Devido a sazonalidade dos níveis dos rios essas
civilizações desenvolveram técnicas para impedir que o aumento do nível de água
viesse a destruir tanto a produção agrícola quanto as construções de suas cidades.

27

Para os persas as águas pluviais eram sagradas e, poluí-las era considerado
um pecado. A água da chuva era armazenada em cisternas e utilizada para
abastecimento. Porém, com o passar do tempo mudanças das atitudes e
comportamentos dos persas resultaram a poluição das águas e contribuíram para a
queda dessa civilização (NIEMCZYNOWICZ, 1997).
Na ilha de Creta, entre 3000 e 1000 a.C., um sistema elaborado foi
construído, em pedra, para transportar o esgoto sanitário, as águas dos telhados e o
escoamento superficial em geral. Ruínas do palácio-cidade de Knossos indicam que
esse sistema era composto por dois condutores separados, o primeiro para o
transportar os esgotos sanitários e o segundo para águas da chuva (GRAY, 1940).

Figura 3: Coletor central de esgoto e sistema de drenagem: no Palácio de Phaistos (a) e no
Palácio de Knossos (b).
Fonte: ANGELAKIS A.N., DE FEO G., LAUREANO P., ZOUROU A. (2013). MINOAN AND
ETRUSCAN HYDRO-TECHNOLOGIES. WATER 5(3) P. 972-987.

Ao longo do tempo o conhecimento adquirido pelas primeiras civilizações foi
aprimorado por outros povos. Os maiores avanços tecnológicos na área de
drenagem urbana são atribuídos à civilização romana.
Os romanos construíram sistemas de estradas cuidadosamente planejados,
contendo condutos para efetuar o escoamento superficial das águas pluviais e,
dessa forma, drenar suas estradas (HILL, 1984). Além disso, construíram um
complexo sistema composto por canais abertos e dutos subterrâneos para o
transporte de esgotos conhecido como cloacas, sendo a maior delas conhecida
como Cloaca Máxima, responsável pela drenagem da região acerca do Fórum para

28

o rio Tibre (GEST, 1963). A utilização de cisternas, localizadas no interior das casas,
para captação de água da chuva para diversos usos, também foi amplamente
empregada pelos romanos (HODGE, 1992).

Figura 4: Cloaca Máxima: atualmente no seu encontro com o rio Tibre (a) e representação
artística com seu percurso (b). Latrina em Óstia, as margens do rio Tibre (c) e cisterna em
Fermo (d).
Fontes: (a) fotografia de Margaret M. Curran. Copyright © 1999 Leo C. Curran, 1999.
(b) http://www.romanaqueducts.info (c) AlMere/Wikimedia Commons.
(d) (BURIAN e EDWARDS, 2002).

3.2

DA IDADE MÉDIA ATÉ O FINAL DO SÉCULO XIX
Após a queda do império romano a maioria das cidades européias e

algumas cidades asiáticas começaram a reduzir em tamanho consideravelmente na
medida que seus residentes migraram para fora dos centros urbanos. As práticas de
saneamento se deterioraram progressivamente, e valas abertas nas ruas eram
utilizadas indiscriminadamente para escoar e dispor de águas servidas (BISHOP,
1968).
As cidades medievais enfrentaram o grande desafio de integrar a cultura dos
invasores bárbaros ao legado dos romanos, em conjunto com os ensinamentos da
doutrina cristã. Estas cidades possuíam origens distintas porém como característica

29

comum continham edifícios amontoados em ruas estreitas, construídos de maneira
aleatória, sem a existência de um planejamento prévio. Algumas cidades como
Londres, Colônia, Florença e Milão, embora tivessem surgido de antigos
assentamentos romanos, conservando no centro um traçado quadriculado
retangular, possuíam construções oriundas do crescimento periférico e afastavam-se
distintivamente desse traçado original (FERNANDES, 2002).
Durante este período poucos avanços tecnológicos de maneira geral foram
feitos e grande parte do conhecimento concentrava-se nas mãos da igreja católica.
Seguindo esta tendência, as práticas de drenagem urbana pouco evoluíram. As
valas abertas nas ruas, embora possuíssem o propósito de escoar as águas da
chuva, eram utilizados para dispor de lixo e esgoto. Caso a vazão de água fosse
suficiente, estes detritos eram carregados para fora das cidades, caso contrário,
acumulavam nestas valas (BURIAN e EDWARDS, 2002).

Figura 5: Representação Situação das cidades medievais.
Fontes: (a) A Batalha entre o Carnaval e a Quaresma. Pieter Bruegel o Velho, 1559.
(b) Provérbios Flamengos. Pieter Brueghel o Novo, 1607.

A disposição de fezes humanas se tornou um problema em Paris e Londres
na medida que estas cidades expandiam em número de habitantes. Até 1530 a
disposição de esgotos não era regulada em Paris, até que um decreto determinou
que os proprietários de novas residências construíssem fossas (REID, 1991).
Ocorreu uma grande transição de pensamentos entre os séculos XVI e
XVIII, o Renascimento, fomentado pelo surgimento de uma nova classe social, a
burguesia comercial, deu origem a uma nova classe intelectual que impulsionou a
geração de escolas e o aperfeiçoamento das ciências naturais (REZENDE e
HELLER, 2008). Ampliou-se o uso de pavimentação nas ruas e aumentou-se o

30

número de canais de drenagem para os rejeitos indesejáveis das ruas em direção a
corpos de água (FERNANDES, 2002).
Em 1721, na cidade de Paris, uma portaria estabeleceu que os proprietários
de residências em Paris pagassem pela limpeza de condutos de esgoto cobertos
que passassem por suas propriedades, porém estes proprietários concluíram que
lhes foi permitido jogar todos os seus rejeitos nestes esgotos, já que estavam
pagando por isso, o que ocasionou o entupimento de grande número desses
coletores (KRUPA). Embora houvesse conhecimento dos problemas de entupimento
dos sistemas de esgotamento e drenagem, pouco foi feito, pois a nobreza e a classe
dominante não demonstravam muito interesse com a infraestrutura das massas
populares.
Entre 1789 e 1848 disseminou-se a revolução industrial, que teve início na
França e Inglaterra. Essa revolução foi marcada pelo rápido aumento de
trabalhadores em diversas fábricas e, consequentemente, uma deterioração da
qualidade de vida nos centros urbanos. Ainda neste contexto, surgiu o movimento
iluminista, com fundamentação na valorização social da inteligência, que teve uma
participação decisiva no progresso social (REZENDE e HELLER, 2008, p.66).
Em Paris, juntamente com as mudanças tecnológicas e o avanço cultural
consequentes da revolução industrial, ocorreu um grande aumento da população e a
disseminação de doenças, principalmente nas periferias da cidade, por não
possuírem a capacidade de suportar o superpovoamento (KRUPA). Praticamente
intocada desde a idade média, necessitava de uma intervenção refletida nos
modernos modelos de pensamento buscando, principalmente, desacelerar o avanço
das epidemias que assolavam a cidade. Napoleão III, imperador desde 1852,
buscou trazer ordem e estruturação para o estado caótico e superlotado da cidade.
Para tanto encarregou o Barão Georges-Eugene Haussmann como responsável por
projetar e construir novas estradas, parques e monumentos públicos, bem como
instalar novos sistemas de esgotos e modificar a fachada arquitetônica da cidade.
Napoleão III tinha um grande interesse em novas técnicas e materiais enquanto
Haussmann primava pelo aspecto estético do projeto de modernização (KIRKMAN,
2007).
Em 1857 começou a construção de um largo sistema de drenagem capaz de
suportar o grande volume escoado da crescente metrópole. Com a popularização
dos banheiros, principalmente nos distritos mais ricos, tornou-se imprescindível

31

conduzir os desejos humanos através do sistema de esgotamento. A proposta de se
escoar dejetos humanos junto com a água pluvial e lança-los no rio Sena era uma
ideia a qual Haussmann se opunha. Para o barão era necessário manter separadas
as águas servidas e sujas das águas limpas. Ao utilizar o novo sistema de
esgotamento para transportar os dejetos humanos Haussmann acreditava que a
cidade se tornaria mais limpa e menos propensa a proliferação de vetores de
doenças e eliminando o mau odor de esgotos em putrefação acumulados pela
cidade (KIRKMAN, 2007).

Figura 6: Seções transversais típicas das ruas de Paris durante o período de Haussmann.
Fontes: (a) Gravura de Louis Poyet. RATP, Paris.
(b) Cartão Postal disponível em: http://www.corkscrew-balloon.com.

Observa-se que as reformas sanitárias, em especial nos países europeus,
onde

foram

caracterizadas

por

um

saneamento

amplo,

basearam-se

na

modernização das práticas e modelos de ações de saneamento, e os estudos
desenvolvidos envolviam questões demográficas, econômicas e de engenharia
sanitária (REZENDE e HELLER, 2008). Na cidade de Hamburgo, Alemanha, no ano
de 1843, foi construído o primeiro sistema extensivo de esgotamento em uma cidade
de grande porte. Diferentemente das obras realizadas antes do século XIX em que
cálculos numéricos desenvolvidos não eram empregados, na construção deste
sistema foram utilizados cálculos desenvolvidos por engenheiros (BURIAN e
EDWARDS, 2002).

32

A intensificação da revolução industrial após 1830 conduziu as comunidades
a um novo estilo de vida, baseado no progresso e na tecnologia. Países
industrializados foram modernizando-se, enquanto países não industrializados
buscaram seguir essa nova tendência mundial. Houve um aumento na integração
socioeconômica entre os povos na medida em que as distâncias diminuíram graças
à evolução dos sistemas de transporte. A intensificação do comércio e da demanda
por mão-de-obra trouxeram, na mesma proporção, um aumento da pobreza e da
desigualdade social (REZENDE e HELLER, 2008). Este excedente populacional
amontoava-se em periferias urbanas desprovidas de infraestrutura de saneamento,
evidenciando que, neste primeiro momento, o crescimento das cidades beneficiou
apenas as classes dominantes.
Uma

dos

principais

consequências

negativas

do

processo

de

industrialização, urbanização e crescimento populacional em uma determinada
sociedade era o aumento de doenças, em especial quando surgiam sob a forma
epidêmica (HOCHMAN, 1998). Diversos estudos que discutiam as tendências de
crescimento populacional durante o período da revolução industrial destacavam a
importância de se reduzir as perdas econômicas de produtividade devido a doenças
e epidemias, que afetavam as classes trabalhadoras (REZENDE e HELLER, 2008).
Além disso, a doença tornou-se um elo de ligação entre ricos e pobres, sendo um
fator de interdependência social, uma vez que afetava todas as camadas sociais,
independentemente do status econômico (HOCHMAN, 1998). Durante este período,
em muitas cidades, a implantação dos sistemas de saneamento foi precedida pela
ocorrência de epidemias, explicitando o pensamento predominante desta época de
conexão entre saneamento básico e saúde pública.

3.3

A EVOLUÇÃO DA DRENAGEM NO BRASIL A PARTIR DO SÉCULO XIX
O conceito de drenagem urbana utilizado hoje no Brasil é resultando de um

processo de construção contínua desde meados do século XIX. Segundo
DESBORDES apud SILVEIRA (2000), esta sequência é caracterizada por três
etapas:
1. Conceito Higienista;
2. Racionalização e Normatização dos cálculos hidrológicos;
3. Abordagem científica e ambiental do ciclo hidrológico.

33

O conceito higienista de saneamento urbano consolidou-se Brasil após a
proclamação da República em 1889, embora tenha começado logo após seu
aparecimento na Europa. Esse movimento fundamentou-se no ideal de se afastar as
águas nocivas o mais rápido possível das cidades, de forma ordenada para um
corpo de água receptor, buscando, assim, reduzir a ocorrência de doenças e
epidemias (SILVEIRA, 2000).
A produção brasileira, até o momento, esteve voltada a atender o mercado
externo, e o poder econômico encontrava-se concentrado nas mãos dos produtores
agropecuários, em especial dos fazendeiros de café. A comercialização do café
impulsionou a modernização da região sudeste de forma significativa. Os ideais
fizeram com que algumas cidades, principalmente portuárias, como Rio de Janeiro e
Santos, passassem por reformas portuárias, destacando-se o trabalho do
engenheiro Saturnino de Brito (REZENDE e HELLER, 2008).
Antes da atuação de Saturnino de Brito, a engenharia sanitária brasileira
apresentava uma atuação bastante embrionária. As poucas formulações utilizadas
para projetos faziam referência a métodos utilizados para as capitais européias,
cujas características hidrológicas diferem muito das cidades brasileiras, resultando
em sistemas mau dimensionados.
Saturnino defendeu o uso de tecnologias apropriadas, observando a
dinâmica das cidades brasileiras, levando em consideração suas variáveis físicas,
culturais, sociais e econômicas. Para Yassuda (1964), Saturnino de Brito foi
responsável pelo surgimento de uma visão técnica voltada para a realidade nacional,
tendo influenciado incisivamente na adoção do sistema separador absoluto de
esgotamento sanitário (apud REZENDE e HELLER, 2008).
Neste período pode-se destacar a construção de uma nova capital para o
Estado de Minas Gerais, Belo Horizonte, devido a condição de isolamento em que
se encontrava Ouro Preto em conjunto com capital excedente da produção de café.
O projeto urbanístico fora proposto pelo engenheiro Aarão Reis, fortemente
inspirado pelos padrões higienistas europeus, contemplando uma forte intervenção
no espaço urbano (REZENDE e HELLER, 2008). Saturnino de Brito participou de
forma incisiva na crítica de tal projeto, questionando a inexistência de um traçado
sanitário que levasse em consideração os rios da região (FUNDAÇÃO JOÃO
PINHEIRO, 1997).

34

Foram utilizadas as modernas tecnologias inglesas e francesas na
construção de Belo Horizonte, como as tubulações em ferro fundido e aço, sistemas
de bombeamento a vapor e o sistema tout-à-l'égout1, mais conhecido como unitário,
coletando águas pluviais e residuárias simultaneamente. O sistema unitário foi
bastante criticado por Saturnino, por sua inviabilidade econômica devido aos
elevados índices pluviométricos (REZENDE e HELLER, 2008). Entretanto, as
opiniões de Saturnino não foram consideradas, sendo as consequências sentidas
logo nos primeiros anos da ocupação da cidade. A ausência do traçado sanitário
dificultou a implantação do sistema de esgotamento bem como a ocupação do
território, e o uso do sistema unitário representou um grande problema durante a
estação chuvosa, quando enchentes eram recorrentes (FUNDAÇÃO JOÃO
PINHEIRO, 1997).
Quanto aos serviços prestados por Saturnino de Brito, sua mais importante
participação ocorreu na cidade de Santos, na primeira década do século XX. A
reforma sanitária da cidade de Santos constituiu um dos mais audaciosos
empreendimentos realizados em cidades brasileiras até então, e a consistente
posição de Saturnino foi decisiva na implantação do sistema separador absoluto de
esgotos nessa cidade (YASSUDA, 1964 apud REZENDE e HELLER, 2008).
A segunda etapa conserva o conceito de evacuação rápida das águas
urbanas porém, busca estabelecer cálculos hidrológicos mais aprimorados para o
dimensionamento das obras hidráulicas. É nessa etapa que surge o método
racional, uma relação analítica empírica que relaciona a intensidade de precipitação
com a duração e o período de retorno, uma das primeiras expressões IDF
(intensidade-duração-frequência) a estabelecidas no Brasil (SILVEIRA, 2000).
Desde o final dos anos 1940, a expansão capitalista e urbana aumentou a
participação de novas classes sociais ­ burguesia industrial e financeira, proletariado
urbano e camadas médias ­ ligadas ao governo, à empresas privadas e ao setor de
serviço. O setor de saneamento, por sua vez, desvinculou-se progressivamente do
setor de saúde, passando a apresentar um caráter mais dinâmico, com novos
modelos de gestão. Entre as décadas de 1950 e 1960 verificou-se uma transição
entre a gestão centralizada do saneamento para serviços de natureza autônoma
(REZENDE e HELLER, 2008).

1

Tudo no esgoto.

34

Foram utilizadas as modernas tecnologias inglesas e francesas na
construção de Belo Horizonte, como as tubulações em ferro fundido e aço, sistemas
de bombeamento a vapor e o sistema tout à l'égout1, mais conhecido como unitário,
coletando águas pluviais e residuárias simultaneamente. O sistema unitário foi
bastante criticado por Saturnino, por sua inviabilidade econômica devido aos
elevados índices pluviométricos (REZENDE e HELLER, 2008). Entretanto, as
opiniões de Saturnino não foram consideradas, sendo as consequências sentidas
logo nos primeiros anos da ocupação da cidade. A ausência do traçado sanitário
dificultou a implantação do sistema de esgotamento bem como a ocupação do
território, e o uso do sistema unitário representou um grande problema durante a
estação chuvosa, quando enchentes eram recorrentes (FUNDAÇÃO JOÃO
PINHEIRO, 1997).
Quanto aos serviços prestados por Saturnino de Brito, sua mais importante
participação ocorreu na cidade de Santos, na primeira década do século XX. A
reforma sanitária da cidade de Santos constituiu um dos mais audaciosos
empreendimentos realizados em cidades brasileiras até então, e a consistente
posição de Saturnino foi decisiva na implantação do sistema separador absoluto de
esgotos nessa cidade (YASSUDA, 1964 apud REZENDE e HELLER, 2008).
A segunda etapa conserva o conceito de evacuação rápida das águas
urbanas porém, busca estabelecer cálculos hidrológicos mais aprimorados para o
dimensionamento das obras hidráulicas. É nessa etapa que surge o método
racional, uma relação analítica empírica que relaciona a intensidade de precipitação
com a duração e o período de retorno, uma das primeiras expressões IDF
(intensidade-duração-frequência) a estabelecidas no Brasil (SILVEIRA, 2000).
Desde o final dos anos 1940, a expansão capitalista e urbana aumentou a
participação de novas classes sociais ­ burguesia industrial e financeira, proletariado
urbano e camadas médias ­ ligadas ao governo, à empresas privadas e ao setor de
serviço. O setor de saneamento, por sua vez, desvinculou-se progressivamente do
setor de saúde, passando a apresentar um caráter mais dinâmico, com novos
modelos de gestão. Entre as décadas de 1950 e 1960 verificou-se uma transição
entre a gestão centralizada do saneamento para serviços de natureza autônoma
(REZENDE e HELLER, 2008).

1

Tudo no esgoto.

36

em

Maryland,

nos

Estados

Unidos,

iniciativas

denominadas

Low

Impact

2

Development ­ LID , tratando o escoamento superficial em pequena escala, próximo
de sua fonte (SOUZA, GONÇALVES e GOLDENFUM, 2007). No Brasil esta prática
tem sido encorajada, estando presente em publicação do Ministério da Integração3,
para implantação e ampliação de sistemas de drenagem urbana.

Figura 7: Manual para apresentação de proposta - Drenagem Urbana e Controle de Erosão
Marítima e Fluvial.
Fonte: MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL, 2009.

2

O modelo LID é apresentado em maior detalhe no item 7.2 do presente trabalho.
Em 2009 o Ministério da Integração Nacional publicou o Manual para apresentação de propostas
para o Programa Drenagem Urbana e Controle de Erosão Marítima e Fluvial.
Disponível em:
3

37

4

4.1

A INFLUÊNCIA DA URBANIZAÇÃO E DO PLANEJAMENTO URBANO
SOBRE O SISTEMA DE DRENAGEM URBANA
UM RESUMO DO PROCESSO DE URBANIZAÇÃO A PARTIR DA SEGUNDA
METADE DO SÉCULO XIX
A urbanização é um processo que acompanhou a trajetória humana ao

longo da história, podendo ser caracterizada por três etapas distintas: (i) préindustrial, (ii) industrial e (iii) atual ou das comunicações (também conhecida como
"terceirização das decisões") (TUCCI e BERTONI, 2003).
Desde da segunda metade do século XVIII, como consequência da
revolução industrial, o processo de urbanização incrementou-se mundialmente em
um ritmo cada vez mais acelerado. Em 1800 somente 1% da população mundial
vivia em cidades, enquanto que na primeira metade do século XX ocorreu um
aumento de 49% da população mundial e, subsequentemente, um aumento de
240% da população urbana (TUCCI e BERTONI, 2003). A Figura 8 ilustra o
crescimento urbano entre 1960 e 2010, há uma acelerada expansão da parcela
urbana, passando de pouco mais de 30% em 1960 para mais da metade da
população mundial em 2010.

Figura 8: Porcentagem da população mundial habitando áreas urbanas entre 1960 e 2010.
Fonte: Divisão de Populações ONU. Panorama da População Mundial: revisão de 2008. Nova Iorque,
2009.

38

Já a Figura 9 ilustra o crescimento da população urbana pela classe de
renda. Observa-se um crescimento expressivo da parcela urbana em países de
baixa e média renda desde 1975, enquanto que, em países com alta renda esse
crescimento foi pouco significativo.

Figura 9: População Urbana em países de baixa e média renda entre 1975 e 2009.
Fonte: Divisão de Populações ONU. Panorama da População Mundial: revisão de 2008. Nova Iorque,
2009.

O processo de urbanização ocorreu de forma mais intensa desde a
revolução industrial até o começo do século XX em países hoje considerados
desenvolvidos, ao passo que a urbanização intensa em países em desenvolvimento
começou de fato a partir da segunda metade do século XX, possuindo um caráter
mais explosivo, ou seja, mais acelerado e pouco organizado. Em ambos os casos, o
crescimento populacional, foi acompanhado por uma expansão espacial. Para
comportar o crescente número de residentes urbanos, novos bairros foram criados,
principalmente nas periferias dos centros urbanos.
No

Brasil,

a

recente

mudança

da

distribuição

populacional

de

predominantemente rural para urbana vem ocorrendo, também, desde da metade do
século XX. Estimasse que, por volta de 1950, 33 milhões de pessoas habitavam a
área rural enquanto 19 milhões habitavam as cidades (GOUVÊA, 2005). Atualmente
84,4% dos 190 milhões de habitantes encontram-se em áreas urbanas (Censo
IBGE, 2010).

39

A transição da área rural para as cidades não foi acompanhada pelo
desenvolvimento da infraestrutura disponível, explicitando um molde de urbanização
marcado pelo processo de inchamento populacional comprometendo a qualidade de
vida oferecida nas cidades. A partir desse fenômeno de transição populacional,
problemas como a favelização, cortiços, desvalorização dos centros, entre outros,
passaram a integrar os desafios do planejamento urbano brasileiro (CAPACIDADES,
2013).

4.2

UM RESUMO DO PLANEJAMENTO URBANO NO BRASIL
Para José Afonso da Silva (2006), planejamento pode ser definido como "[...]

um processo técnico instrumentado para transformar a realidade existente no
sentido de objetivos previamente estabelecidos" (SILVA, 2006).
Muito embora a definição formal de planejamento urbano estar relacionada a
um período posterior, verifica-se que o início de suas práticas pode ser atribuído ao
último quarto do século XIX. Nesse período somavam-se a preocupação com a
saúde nas cidades, a necessidade do rompimento com o passado colonial e ao
desejo de implementar o novo conceito de "moderno" alavancado por uma nova
classe dominante, exigindo o "embelezamento das cidades", dando início ao
processo de transformação das cidades (CAPACIDADES, 2013).
O planejamento urbano no Brasil pode ser dividido em três períodos
(VILLAÇA, 2010): o primeiro tendo início no final do século XIX, por volta de 1875
indo até 1930. O segundo de 1930 até meados de 1992, quando inicia-se o terceiro
período.
O primeiro período é marcado por um caráter ideológico, utilizando o
preceito de embelezamento urbano para afirmar o Estado e a classe dirigente
capitalista (VILLAÇA, 2010). É o mecanismo utilizado pela burguesia para
abandonar o passado colonial e impor seus novos valores. É quando ocorre o
surgimento de grandes avenidas, praças e monumentos (CAPACIDADES, 2013).
Essas novas intervenções seguem os modelos introduzidos por Haussmann à Paris,
primando por "cidades cartesianas e geométricas, iluministas, que modificariam a

40

sociedade por meio de uma reforma urbana" (PELUSO, 2003, p. 6) em conjunto com
os preceitos higienistas4.
Este tipo de planejamento, porém, não abrangia todas as camadas da
sociedade. As parcelas sociais que, por algum motivo, não pudessem executar os
melhoramentos propostos pelas Comissões Sanitárias em seus imóveis ou não
pudessem tê-los, eram postos às margens da cidade "bela, moderna e sadia".
Ressalta-se a contribuição de Pereira Passos a história do planejamento urbano
brasileiro, em uma primeira fase marcada pelo higienismo, com a predominância de
médicos sanitaristas, e uma segunda em que engenheiros e técnicos visavam
soluções para o saneamento e a circulação urbana que iam além do cuidado com os
padrões construtivos (CAPACIDADES, 2013).
Já o segundo período, iniciado na década de 1930, é marcado pelo
pensamento de planejamento como técnica com embasamentos científicos,
fundamental para a resolução dos "problemas urbanos" (VILLAÇA, 2010). É o
momento da história nacional onde o aumento no preparo e consciência das classes
operárias reflete na diminuição de poder das classes dominantes e "da hegemonia
política da burguesia do café" (CAPACIDADES, 2013, p.5).
Nesta etapa os planos apresentam uma nova estrutura:
É o período do plano intelectual, que pretende impor-se e ser
executado por que contém `boas idéias', tem base científica e é
correto tecnicamente. É o plano-discurso que se satisfaz com sua
própria `verdade' e não se preocupa com sua operacionalização e
sua exequibilidade. Sua `verdade' bastaria (VILLAÇA, 2010, p.204).

Este período é divido em três subperíodos (CAPACIDADES, 2013), o
primeiro chamado de urbanismo e planos diretores, entre 1930 e 1965, é definido
pela tentativa de se justificar a falta de solução para o "caos urbano" e "crescimento
descontrolado" atentando para a necessidade do planejamento. Neste subperíodo
foram introduzidos planos para as duas maiores cidades brasileiras, São Paulo e Rio
de Janeiro, em que se destacavam o enfoque para a infraestrutura, principalmente
para saneamento e transportes. O segundo, o planejamento integrado e
4

"O higienismo é uma doutrina que nasce com o liberalismo, na primeira metade do século XIX
quando os governantes começam a dar maior atenção à saúde dos habitantes das cidades.
Considerava-se que a doença era um fenômeno social que abarcava todos os aspectos da vida
humana. Havia, portanto, a necessidade de manter determinadas condições de salubridade no
ambiente da cidade mediante a instalação de adução e tratamento da água, esgotos, iluminação nas
ruas e etc. Tais preceitos justificaram grandes intervenções urbanas que culminaram com a expulsão
da população mais pobre dos centros urbanos" (CAPACIDADES, 2013, p.4).

41

superplanos, entre 1965 e 1971, consolida o distanciamento entre o plano e a
realidade das cidades, ou seja, o distanciamento entre a proposta e sua
possibilidade de implementação. Estes planos passaram a ser elaborados por
escritórios privados, baseando-se em conceitos de globalidade, sofisticação técnica
e interdisciplinaridade do planejamento. O terceiro subperíodo, denominado o plano
sem mapa, entre 1971 e 1992, em que "os planos passam da complexidade, do
rebuscamento técnico e da sofisticação intelectual para o plano singelo, simples ­ na
verdade, simplório ­ feito pelos próprios técnicos municipais, quase sem mapas,
sem diagnósticos técnicos" (VILLAÇA, 2010, p.221).
O terceiro período do planejamento urbano no Brasil, com início em 1992,
é marcado pela reação ao segundo período, migrando dos planos tecnocráticos para
os planos políticos. Tem-se então a busca pela extrapolação das barreiras dos
escritórios técnicos, de forma que seja discutida técnica e politicamente a cidade
real, explicitando suas necessidades e os diversos atores envolvidos. Entende-se
que este período vigore até 2001, quando da promulgação do Estatuto da Cidade,
dando início ao período atual, que busca promover a função social da propriedade e
a participação social e estabelece instrumentos legais para assegurar o direito à
cidade "de todos e para todos", propondo a elaboração de um Plano Diretor
Municipal elaborado de forma integrada e participativa (CAPACIDADES, 2013).

4.3

IMPACTOS DO DESENVOLVIMENTO E PLANEJAMENTO URBANOS
SOBRE O SISTEMA DE DRENAGEM URBANA
Como consequência do processo de desenvolvimento urbano, tendo em

vista os modelos de planejamento adotados, verifica-se a ocorrência de diversos
impactos negativos da urbanização sobre o sistema de drenagem urbana. Neste
item buscou-se apresentar, resumidamente, as principais perturbações causadas ao
sistema de drenagem urbana.
O crescimento populacional aumenta a demanda por água, constituindo o
primeiro desafio do planejamento e desenvolvimento urbano, o desenvolvimento
proporcional aos recursos hídricos existentes. Com a impermeabilização da
superfície decorrente do processo de urbanização de uma bacia hidrográfica,
incluindo a alteração da drenagem natural que é substituída por canais artificiais,
aumenta as vazões escoadas superficialmente por diminuir a parcela de água capaz

42

de infiltrar o solo (NETO, [200-?]). Além disso verifica-se uma menor vazão nos rios,
entre os períodos de chuva, quando estes seriam abastecidos pelos aquíferos, que
passam a ser menos recarregados (TUCCI e MARQUES, 2000). A Figura 10 ilustra
as consequências da urbanização sobre os recursos hídricos.

Figura 10: Efeitos da urbanização nos processos hidrológicos.
Fonte: Hall, M. J. Urban Hydrology. London and New York : Elsevier Applied Science Publisher,1986.

O processo de desenvolvimento urbano trouxe diversas consequências no
que concerne a água, segundo TUCCI e BERTONI, 2003, destacam-se:
·

A contaminação dos mananciais superficiais e subterrâneos por efluentes
urbanos como esgoto doméstico, pluvial e resíduos sólidos;

·

Inadequada disposição de esgotos, águas pluviais e resíduos sólidos;

43

·

Intensificação de processos erosivos e de sedimentação, gerando áreas
degradadas;

·

Ocupação de áreas ribeirinhas com elevado risco de inundação e áreas com
grande declividades, como morros, propensas a deslizamentos após períodos
chuvosos.

O Quadro 1 fornece uma relação entre processos decorrentes da urbanização
e seus efeitos na ocorrência de inundações urbanas.
Quadro 1: Causas e efeitos da urbanização sobre as inundações urbanas.

CAUSAS

EFEITOS

Impermeabilização

Maiores picos de vazão

Redes de drenagem

Maiores picos a jusante

Resíduos sólidos urbanos
Redes de esgotos sanitários deficientes
Desmatamento e desenvolvimento
indisciplinado
Ocupação das várzeas e fundos de vale

Entupimento de galerias e degradação
da qualidade das águas
Degradação da qualidade das águas e
doenças de veiculação hídrica
Maiores picos e volumes, maior erosão e
assoreamento
Maiores picos de vazão, maiores
prejuízos e doenças de veiculação
hídrica

Fonte: FEAM, 2006.

A partir do Quadro 1 é possível definir a sequência de eventos referentes a
interação entre a urbanização e a ocorrência de inundações urbanas. Esse processo
inicia-se pelo desmatamento de áreas vegetadas, cuja função ecológica, vai além de
habitat, sendo fundamental para o equilíbrio hidrológico. Esse desmatamento ocorre
devido a "necessidade" imposta pela expansão urbana, seja pelo aumento
populacional, devido a especulação imobiliária, por fatores econômicos e políticos,
ou ainda por uma combinação desses fatores. A retirada da cobertura vegetal
promove uma mudança no processo hidrológico local, aumentando a parcela de
água que passa a escoar superficialmente. Além disso, o solo exposto é erodido e
escoado para os canais de drenagem. A urbanização, nos moldes clássicos, é
acompanhada por uma intensa impermeabilização dos solos, o que aumenta
significantemente o volume escoado, diminuindo ainda mais a infiltração no solo. O
aumento do escoamento superficial, por sua vez, se apresenta um inconveniente
para a área em questão, sendo necessário direcioná-lo através da instalação de

44

galerias de drenagem para corpos hídricos receptores. Ao instalar-se estes tipos de
dispositivos aumenta-se o volume de água que chega em um ponto a jusante da
área em questão o que, por sua vez, aumenta a possibilidade de ocorrência de
inundações nesse ponto. O sistema de drenagem ainda interage com outros setores
do sistema urbano e, muitas vezes as deficiências de qualquer um desses setores
afeta, direta ou indiretamente, os demais componentes do sistema. Sendo assim,
ineficiências no sistema de esgotamento sanitário podem impactar a qualidade das
águas pluviais escoadas, que podem transportar esgotos, indevidamente, aos
corpos hídricos. Já as deficiências do sistema de coleta de resíduos sólidos podem
afetar a drenagem urbana por entupir as galerias de drenagem e também deteriorar
a qualidade da água devido ao aporte de lixo escoado.
A Figura 11 ilustra os efeitos sobre o sistema de drenagem urbana devido a
alterações no balanço hídrico e no

padrão de escoamento e a consequente

resposta da geometria de escoamento.
Como consequência da urbanização, há uma redução na vazão base, ou
seja, a vazão nos períodos não chuvosos, devido a redução da infiltração e
consequente recarga dos aquíferos. Durante o período chuvoso, após a
urbanização, há um maior pico de vazão, já que grande parte da chuva passa a
escoar superficialmente e, consequentemente, o limite da área de inundação do rio é
alterado, passando a afetar uma maior área.

45

Figura 11: Efeitos da urbanização sobre o sistema de drenagem urbana.
Fonte: SCHUELER, 1987.

46

O Quadro 2 apresenta os impactos negativos provenientes da resposta do
ecossistema às mudanças provocadas pelo aumento da impermeabilização causada
pelo processo de urbanização. Já o Quadro 3 fornece os impactos sobre o ciclo
hidrológico para diferentes graus de impermeabilização do solo.
Quadro 2: Respostas do ecossistema à urbanização.

IMPACTOS RESULTANTES
Resultados do
aumento da
impermeabilização

Inundações
e alteração
no fluxo
dos rios

Perda
de
habitat

Erosão e
Sedimentação

Alargamento
do canal

Alteração
do leito
do canal

Alteração
da
qualidade
da água

Aumento do volume
!
!
!
!
!
!
escoado
Aumento do volume
!
!
!
!
!
!
de pico
Aumento da duração
!
!
!
!
!
!
do pico
Aumento da
!
!
temperatura dos rios
Diminuição do
!
!
!
escoamento de base
Alteração na carga
!
!
!
!
!
!
de sedimentos
Fonte: (CREDIT VALLEY CONSERVATION; TORONTO AND REGION CONSERVATION, 2010).
Quadro 3: Impacto da impermeabilização sobre o ciclo hidrológico.

PROCESSO5
Evapotranspiração
Escoamento superficial
Infiltração
Infiltração profunda

DISTRIBUIÇÃO DOS PROCESSOS NO CICLO
HIDROLÓGICO (%)
Grau de impermeabilização (%)
0-10
10-20
35-50
75-100
40
38
35
30
10
20
30
55
25
21
20
10
25
21
15
5

Fonte: Adaptado de U.S. EPA, 2007.

Através das informações contidas no Quadro 3, é possível verificar como a
impermeabilização do solo, consequente do processo de urbanização, é capaz de
alterar a distribuição dos processos que compõem o ciclo hidrológico. Com o
aumento da impermeabilização ocorre uma diminuição dos processos de infiltração
no solo, sendo que esta redução pode chegar a 80% dos valores iniciais. O mesmo
ocorre com a evapotranspiração, porém em menor escala, podendo ser reduzida em
até 25%. Na contra partida, o escoamento superficial apresenta uma grande
ampliação, uma vez que toda a redução dos demais processos são convertidas em
aumento do escoamento superficial. Este crescimento pode chegar a 450% dos
valores iniciais.
5

Os processos do ciclo hidrológico serão abordados no item 5.1 deste documento.

47

O sistema de drenagem pluviais sofre, ainda, grande influência das demais
atividades urbanas, impactando e sofrendo impacto de cada uma destas. Dentre as
relações existentes entre o sistema de drenagem e setores da gestão das cidades
destacam-se (SOUZA, GONÇALVES e GOLDENFUM, 2007):
·

Planejamento Urbano ­ como já mencionado acima, a alteração do uso dos
solos

reflete

em

um

aumento

dos

volumes

de

águas

escoado

superficialmente.
·

Transportes ­ a malha viária, via de regra, é projetada de forma a
impermeabilizar o solo onde esta se encontrará. Seus sistemas de drenagem
seguem os conceitos higienistas e conduzem águas com baixa qualidade
devido ao vazamento de fluídos automotivos. Estas acabam por direcionar o
trajeto do sistema de drenagem, que segue adjacente a suas vias e, em
locais mais baixos, sofrem com inundações urbanas que impedem o tráfego
de veículos e pessoas.

·

Limpeza urbana ­ a deposição indevida de lixo, rejeitos e entulhos de
diversas origens veem a entupir os dispositivos de drenagem urbana que,
muitas vezes, não são dimensionados para considerar tais circunstâncias. Em
decorrência dessa situação tem-se origem inundações urbanas, que, por sua
vez, espalham o lixo que seria coletado, dificultando a operação de limpeza
urbana.

·

Esgoto sanitário ­ conexões irregulares acabam por conduzir esgotos
domiciliares nas redes de águas pluviais. A ocorrência de tais ligações
acarreta em uma redução da qualidade da água escoada bem como num
aumento do volume que é conduzido, podendo sobrecarregar o sistema
projetado.

·

Abastecimento de água ­ a transferência de água entre bacias para
satisfazer as necessidades da população pode gerar um excedente hídrico a
ser veiculado pelo sistema de drenagem, sendo que este pode não suportar
este aporte.

·

Setor construtivo ­ há um lançamento de sedimentos provenientes deste
sistema a serem conduzidos pelos dispositivos de drenagem urbana. A
sedimentação desses materiais reduz a vida útil do sistema, além de
deteriorar a qualidade da água e assorear os corpos receptores.

48

Desta forma verifica-se que, para o desenvolvimento de uma drenagem
urbana eficiente é necessário que haja uma integração todos estes setores que
estão relacionados, direta ou indiretamente à gestão da água no espaço urbano.

4.4

A INTEGRAÇÃO DO SISTEMA DE DRENAGEM URBANA AO PROCESSO
DE PLANEJAMENTO URBANO
O gerenciamento dos recursos hídricos urbanos e de suas políticas de

controle é uma função da estrutura institucional existente no pais. Tal estrutura é
dependente do espaço de abrangência, referente aos âmbitos legal e de gestão,
inter-relacionando água, uso do solo e meio ambiente, abrangendo dois contextos
espaciais distintos (TUCCI, 2002):
·

Os impactos que ultrapassam os limites do município, como a ampliação de
enchentes e contaminação a jusante de sistemas hídricos (rios, lagos e
reservatórios), devem ser controlados por padrões e regulações existentes
em legislações ambientas e de recursos hídricos federal ou estadual.

·

Os impactos que atingem o município, com consequências a sua própria
população, requerem controle através de medidas desenvolvidas localmente,
através de legislação municipal e proposições estruturais especificas.

No contexto externo à cidade, as legislações que envolvem a drenagem
urbana estão relacionadas com os recursos hídricos, uso do solo e licenciamento
ambiental, como pode ser observado na Figura 12. Quanto aos recursos hídricos, a
principal ferramenta de controle da drenagem urbana é o Plano de Bacia. Os
Estados e a União podem estabelecer normas para o disciplinamento do uso do solo
em busca da proteção ambiental, controle da poluição, saúde pública e segurança.
No âmbito do licenciamento, a legislação estabelece limites de construção e
operação dos canais de drenagem bem como a necessidade de licenças para obras
hidráulicas (SILVEIRA, 2002).
Quanto a gestão municipal, ainda conforme apresentado na Figura 12, deve
existir uma legislação municipal específica definida pelo Plano Diretor Urbano,
abordando o uso do solo e as legislações ambientais e, menos comumente, a
drenagem urbana (TUCCI, 2002).

49

Figura 12: Política de controle do ciclo da água das cidades.
Fonte: (SILVEIRA, 2002)

Para SILVEIRA (2002), existem diversos fatores que dificultam a
modernização da drenagem urbana em países em desenvolvimento, incluindo:
·

Novidade do enfoque ambiental em relação ao modelo higienista;

·

O processo de urbanização, legal e clandestino, não possui controle efetivo;

·

Contaminação do escoamento superficial;

·

Excessiva produção de sedimentos e lixo;

·

Fatores climáticos que agravam riscos epidemiológicos e agregam custos às
obras;

·

Falta de interação com a população por parte da administração pública.

Com o intuito de se superar tais dificuldades, a principal ferramenta
municipal é o Plano Diretor de Drenagem Urbana, levando em consideração a inter-

50

relação entre os usos do solo, controle ambiental e recursos hídricos tanto
internamente na cidade como também na bacia hidrográfica.
O principal objetivo do Plano Diretor de Drenagem Urbana ­ PDDU, é
desenvolver mecanismos para a gestão do escoamento das águas pluviais e dos
rios no contexto da infraestrutura urbana (TUCCI, 2002). As principais metas desse
planejamento, estruturadas visando a melhoria das condições de saúde e do meio
ambiente, incluem:
·

Planejamento da distribuição de água no tempo e no espaço, baseando-se no
perfil de ocupação urbana, de forma que tal desenvolvimento seja estruturado
em conjunto com a infraestrutura necessária para prevenir-se danos
econômicos e ambientais;

·

Controle sobre a ocupação de áreas de risco de inundação, impondo-se
restrições de ocupação em locais cujo risco seja alto;

·

Integração das enchentes no contexto urbano em áreas de baixo risco.

As etapas de desenvolvimento do PDDU podem ser divididas, conforme
apesentado

na

Figura

13,

da

seguinte

forma

(UFG;

LOUGHBOROUGH

UNIVERSITY, 2003):
·

Etapa 1 ­ Fundamentos/Concepção: levantamento dos dados existentes.
Incialmente são coletadas as informações já existentes, incluindo
coletas de campo e diagnósticos e legislação pertinente. Na etapa de
fundamentação são definidos os princípios, objetivos e estratégias a
comporem o PDDU. A cidade deve ser dividida em sub-bacias para
facilitar a elaboração de um diagnóstico da drenagem urbana.

·

Etapa 2 ­ Desenvolvimento/Medidas: diagnóstico da situação atual.
Nessa etapa, medidas de caráter urgente, verificadas no diagnóstico
da situação atual, podem ser implementadas enquanto o plano passa
pelo processo de detalhamento e aprovação (medidas ­ estruturais e
não estruturais, viabilidade econômico-financeira).

·

Etapa 3 ­ Produtos: proposições para ampliação e melhoria do sistema.
As medidas desenvolvidas na etapa anterior (divididas entre o tempo
de ação ­ curto, médio ou longo prazo) são distribuídas em produtos

51

necessários para a implementação do PDDU, incluindo: planos de
ação, planos de obras, legislação e manuais.
·

Etapa 4 ­ Programas: plano de ações e sistema de supervisão e
controle.
Nesta etapa estão inclusos todos os processos de longo prazo, como
o monitoramento, a coleta de dados adicionais e programas de
educação ambiental. Dessa forma é necessário a elaboração de um
plano que considere os cenários futuros de desenvolvimento da bacia.

Figura 13: Estrutura do Plano de Drenagem Urbana.
Fonte: (SILVEIRA, 2002).

4.5

A IMPORTÂNCIA DA INCLUSÃO SOCIAL PARA O SISTEMA DE DRENAGEM
URBANA
A Política Federal de Saneamento preconiza o sistema de drenagem urbana

como parte integrante e fundamental do saneamento básico. Dessa forma, a sua
imposição é assegurada por meios legais. Porém, a solução ou minimização de
diversos dos problemas relacionados a este setor, e aos demais, só é possível caso

52

haja, primeiramente, uma sensibilização da comunidade afetada quanto a
necessidade de se implementar tais mudanças. Sendo este o primeiro passo para
que estas pessoas se mobilizem quanto a problemática existente no sentido de
buscar as transformações desejadas e alterar o seu padrão de atitudes (BRASIL,
2009).
Os diversos atores da sociedade civil organizada ­ Organizações não
Governamentais (ONG's), Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público
(OSCIP), associações, cooperativas, sindicatos e grupos organizados ­ possuem
poder de reinvindicação e influência nas políticas públicas de educação ambiental e
saneamento. Estes grupos e instituições são agentes fundamentais na relação entre
estado e sociedade, ampliando a participação social nos processos decisórios,
podendo aturar junto a órgão públicos cobrando investimentos, monitorando e
fiscalizando ações, visando o aumento da eficiência do setor e uma possível
minimização

dos

impactos

socioambientais

associados

ao

processo

de

desenvolvimento e urbanização (BRASIL, 2009).
Uma ferramenta comumente utilizada para aumentar a participação social é
a prática do orçamento participativo, no qual a prefeitura municipal aprova seu
orçamento anual após discussão com a população, o que aumenta a colaboração e
compreensão da comunidade acerca dos problemas que afligem o município,
incluindo, no caso da drenagem urbana, a ocorrência de enchentes e a importância
de seu amortecimento (UFG; LOUGHBOROUGH UNIVERSITY, 2003).
Outra prática de inclusão da população no manejo do sistema de drenagem
urbana acontece na implementação de um sistema de alerta. Esta prática é utilizada
quando existe a necessidade de melhorias estruturais em uma determinada área em
que não haja a disponibilidade de recursos para sua execução. Essa rede de alerta
deve estar ligada ao sistema da Defesa Civil, que, dada a previsão meteorológica de
um evento pluviométrico com magnitude expressiva, avisa a população e executa
um plano de retirada (UFG; LOUGHBOROUGH UNIVERSITY, 2003). Observa-se
que, para o sucesso deste tipo de sistema é fundamental a participação social e que,
esta é assegurada pelo interesse direto que existe por parte desta comunidade, em
especial no que concerne a segurança, diminuindo o risco de fatalidades durante a
ocorrência de fortes chuvas.
Um dos principais elementos que asseguram a eficácia das técnicas
apresentadas pelo LID é a participação social, uma vez que a manutenção das IMPs

53

deverão ser realizadas pelos proprietários dos lotes ou entidade responsável. Essa é
uma das razões dos custos de implantação e manutenção

dessas ferramentas

serem reduzidos, tornando-as economicamente viáveis e socialmente interessantes.
Além disso os governos locais podem ser capazes de reduzir impostos sobre os
terrenos uma vez que ocorrerá uma redução na necessidade de manutenção dos
dispositivos de drenagem pluviais de domínio público (MARYLAND, 1999).
Para assegurar a participação social, o LID prevê que os desenvolvedores,
agências públicas e autoridades comuniquem, com eficiência, os benefícios de
implementação das IMPs bem como as responsabilidades de manutenção, para
potenciais

proprietários

e

para

os

existentes.

Para

tanto

é

sugerido

o

desenvolvimento de um programa público de divulgação (MARYLAND, 1999),
seguindo o modelo apresentado a seguir:

54

Passo 1: Definição dos objetivos do programa, como:
-

Criação de mecanismos de marketing para atração de compradores
ambientalmente conscientes.

-

Promoção de proteção dos recursos naturais através da atribuição de poder
aos cidadãos para tomarem iniciativas de proteção ambiental.

-

Promoção de desenvolvimento urbanístico esteticamente atrativo através de
projetos paisagísticos.

-

Educação de proprietários quanto a práticas de prevenção da poluição.

-

Educação de proprietários residenciais e comerciais quanto a economia de
instalação e uso de práticas LID.

-

Desenvolvimento de um senso de comunidade através das características
de integração ambiental propostas.

-

Garantia de manutenção dos dispositivos instalados.

Passo 2: Identificação do público alvo:
-

Potenciais compradores.

-

Construtoras e gerentes de obra.

-

Proprietários de novos lotes.

-

Proprietários existentes.

-

Proprietários comerciais e industriais.

Passo 3: Desenvolvimento de materiais para esse público:
-

Manuais (bio-retenção, infiltração, LID, drenagem, IMPs, prevenção da
poluição).

-

Panfletos e brochuras informativos.

Passo 4: Distribuição do material.

55

5

ESTUDO HIDROLÓGICO URBANO

5.1

O CICLO HIDROLÓGICO CONTINENTAL
O ciclo hidrológico constitui um fenômeno em escala mundial de circulação

fechada da água entre a superfície terrestre (continentes e oceanos) e a atmosfera,
em função, principalmente, da energia solar associada à força gravitacional e à
rotação do planeta (SILVEIRA, 2002). A Figura 14 fornece uma ilustração do ciclo
hidrológico, apresentando o fluxo de água em um corte hipotético do terreno.

Figura 14: Ciclo Hidrológico.
Fonte: , acessado em 04/07/2014.

SILVEIRA, 2002, define os principais elementos que constituem este ciclo da
seguinte maneira:
·

Precipitação: é o resultando da condensação de água atmosférica que é
atraída para a superfície terrestre pela gravidade. Possui uma constituição
complexa de origem meteorológica, possuindo significativa variância
temporal e espacial.

·

Interceptação: é a parcela do volume precipitado que, devido a cobertura
vegetal ou construções antrópicas, deixa de atingir o solo.

·

Evaporação: é a parcela de água que devido as ações de fatores climáticos
como radiação solar, período de insolação, temperatura do ar, umidade

56

relativa, perfil de velocidade do vento e pressão atmosférica, retornam a
atmosfera na forma de vapor.
·

Evapotranspiração: é o conjunto evaporação e transpiração, sendo esta
última um fenômeno biológico que depende da vegetação e umidade do solo.

·

Infiltração: é a parcela do volume precipitado que, ao atingir a superfície,
promove a recarga da umidade do solo, penetrando a sua zona não
saturada.

·

Escoamento superficial: é o excesso não infiltrado da precipitação que
atinge o solo, percorrendo-o em direção a cotas mais baixas, após vencer o
atrito com esta superfície.

5.2

BACIA HIDROGRÁFICA
A bacia hidrográfica é uma unidade fisiográfica, cujos limites são compostos

por divisores topográficos ou divisores de água, sendo estes as cristas das
elevações do terreno, separando o escoamento da precipitação entre duas bacias
adjacentes (SECRETARIA NACIONAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL , 2008). A
bacia hidrográfica é composta por conjunto de superfícies vertentes e uma rede de
drenagem formada por cursos d'água confluentes, possuindo um rio principal com
seus afluentes e suas respectivas nascentes, sendo que toda a precipitação
escoada converge para um único ponto de saída, o exutório da bacia. Desta forma
verifica-se que, neste sistema, a entrada de água é composta pelo volume
precipitado enquanto a saída é compreendida pelo volume escoado pelo exutório
(SILVEIRA, 2002). A Figura 15 ilustra a uma bacia hidrográfica e seus elementos.
O gráfico que relaciona a vazão pelo tempo é denominado de hidrograma,
possuindo propriedades típicas, resultantes dos atributos geomorfológicos da bacia
a que se referem. Dentre estas propriedades destacam-se a extensão e forma da
bacia, distribuição do relevo, declividade, comprimento do rio principal, densidade de
drenagem, cobertura vegetal e tipo e uso do solo (SECRETARIA NACIONAL DE
SANEAMENTO AMBIENTAL , 2008). A Figura 16 apresenta um hidrograma típico
de uma bacia após a ocorrência de uma sequência de precipitações.

57

Nascentes

Afluentes

Rio Principal

Divisor de Águas
Exutório

Figura 15: Visão esquemática de uma bacia hidrográfica.
Fonte: SECRETARIA NACIONAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL , 2008.

Figura 16: Hidrograma Típico.
Fonte: TUCCI, 2004, p.392.

É possível observar na Figura 16 que, após o início da chuva, há a
ocorrência de intervalo de tempo antes do aumento de vazão. Esse retardamento
ocorre, principalmente, devido as perdas por interceptação vegetal e depressões do
solo, além do tempo de deslocamento da água dentro da própria bacia. O intervalo
de elevação da vazão até o pico é composto principalmente pela contribuição do
escoamento superficial, possuindo um gradiente mais elevado do que a parcela
seguinte do hidrograma. Ainda nesse intervalo é possível observar uma redução da
participação do escoamento subterrâneo, cujo comportamento muda de A para B,

58

devido ao processo de infiltração e percolação que, consequentemente aumentam o
nível do aquífero. Essa mudança de nível gera um represamento do fluxo do
aquífero nas proximidades com o rio e esse processo inverte-se quando a
percolação aumenta e o escoamento superficial diminui, representado pelo ponto D
(SECRETARIA NACIONAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL , 2008).
Os elementos que constituem o hidrograma apresentado são (NETO, [200?]) :
·

Tempo de retardo ­ Tl : é o intervalo de tempo entre os centros de gravidade
da precipitação e do hidrograma.

·

Tempo de pico ­ Tp: é o intervalo entre o centro de massa da precipitação e
o tempo em que ocorre o pico do hidrograma.

·

Tempo de ascensão ­ Tm: é o intervalo de tempo decorrido entre o início da
chuva e o pico do hidrograma.

·

Tempo de base ­ Tb: é o tempo entre o início da precipitação e aquele em
que a precipitação ocorrida já escoou através da superfície, com o retorno
das condições anteriores ao início da precipitação.

·

Tempo de recessão ­ Te: é o tempo necessário para a vazão baixar até o
ponto C, quando termina o escoamento superficial proveniente da
precipitação.

·

Tempo de concentração ­ Tc: é o tempo requerido para que a água
precipitada no ponto mais distante da bacia participe na vazão no fundo do
vale, ou ainda o tempo entre o fim da precipitação e o ponto de inflexão do
hidrograma.

5.2.1 Classificação das Bacias Urbanas
O estudo da hidrologia urbana considera todas as inter-relações entre
causas e efeitos provenientes dos impactos hidrológicos. De maneira geral, as
bacias urbanas possuem pequeno e médio porte e, considerando a variância natural
dos elementos que influenciam o comportamento hidrológico da bacia, esta distinção
entre bacias pequenas e médias é imprecisa e, de certa forma, subjetiva. Uma
classificação amplamente utilizada classifica bacias pequenas como possuindo
tempo de concentração inferior a 1 hora e/ou área de drenagem inferior a 2,5 km2.
Já as bacias de grande porte possuem tempo de concentração superior a 12 horas

59

e/ou área de drenagem maior do que 1.000 km2, dessa forma infere-se que as
bacias médias encontram-se entre esses dois intervalos (NETO, [200-?]).
Em bacias urbanizadas, a ocupação das margens e várzeas do rio encontrase consolidada, reduzindo e limitando as ações que buscam a renaturalização ou
mesmo a revalorização ecológica da área. Desta forma, o enfoque usual de ação
para reduzir os picos de vazão referem-se a intervenções a montante do trecho.
Estas soluções devem visar a minimização de enchentes através do aumento da
infiltração da parcela que atinge a superfície do solo (FUNDAÇÃO ESTADUAL DO
MEIO AMBIENTE, 2006).
Este trabalho apresenta ações a serem implementadas diretamente na bacia
urbanizada e não em trechos a montantes, uma vez que, embora ações executadas
a montante da área urbanizada reduza o volume de água que chega a este trecho,
não influencia significativamente nos trechos a jusante da área urbanizada, que
continuariam a receber o escoamento superficial da área urbanizada, devido a
impermeabilização do solo. A Figura 17 ilustra uma sub-bacia urbanizada.

Figura 17: Sub-bacia urbanizada.
Fonte: FEAM, 2006.

Muitas vezes registros e informações de vazão das áreas nas quais se
deseja realizar obras de drenagem urbana não encontram-se disponibilizados, o que
dificulta a execução de tais projetos. Uma alternativa de contorno para essa
limitação é a utilização de vazões sintéticas6 a partir de dados de precipitação. Para
tanto, a distinção entre bacias pequenas e médias é fundamental (NETO, [200-?]). O

6

Vazão sintética refere-se ao uso de formulações matemáticas que busquem fornecer uma
estimativa da vazão com base nas características locais de uma determinada área.

60

Quadro 4 auxilia a escolha do método de cálculo a ser utilizado em função de alguns
dos atributos das bacias pequenas e médias.
Quadro 4: Classificação de Bacias.

Características
Variação temporal da intensidade da
chuva
Variação espacial da intensidade da
chuva
Escoamento superficial
Armazenamento na rede de canais

Bacia Pequena

Bacia Média

Constante

Variável

Uniforme

Uniforme

Predominantemente
em superfícies

Em superfícies e
canais

Desprezível

Desprezível

Fonte: Sugerida por Ponce (1989) e citada por Tucci (1993).

Em bacias de pequeno porte utiliza-se o método racional, pois os
parâmetros desse método se adaptam ao comportamento hidrológico característico
dessas bacias. Já para bacias médias normalmente utilizam-se técnicas baseadas
na teoria do Hidrograma Unitário (HU) uma vez que possibilitam considerar a
variação da intensidade da chuva no tempo (SECRETARIA NACIONAL DE
SANEAMENTO AMBIENTAL , 2008).

5.3

DETERMINAÇÃO DA CHUVA DE PROJETO
Dentre as formas de precipitação que ocorrem naturalmente, a pluviométrica

é a que gera maiores problemas para a drenagem urbana. O mecanismo básico de
formação das chuvas é composto pela condensação do vapor de água existente na
atmosfera, que é elevado às maiores altitudes, constituindo as nuvens. Sob a ação
de certas condições hidrometeorológicas como pressão atmosférica, temperatura do
ar e saturação, as nuvens carregadas podem produzir a precipitação pluviométrica
(SÃO PAULO (CIDADE), 2012):
Precipitações máximas ou chuvas intensas são definidas como
aquelas cujas intensidades ultrapassam um determinado valor
mínimo. Essa intensidade é obtida a partir da relação entre o total
precipitado e o tempo decorrido, normalmente expressa em
milímetros por hora ou milímetros por segundo. A determinação
dessas intensidades é de fundamental importância em drenagem
urbana, pois em muitas metodologias as vazões de projeto são
obtidas indiretamente por transformação chuva-vazão (SÃO PAULO
(CIDADE), 2012, p.15).

61

O DAEE ­ Departamento de Águas e Energia Elétrica juntamente com a
Escola Politécnica da Universidade elaborou informações sobre as equações de
chuva do Estado de São Paulo conforme apresentado a seguir.
Nesse ponto vale ressaltar que as equações desenvolvidas para a
caracterização das chuvas foram formuladas empiricamente com base em séries
históricas de chuvas de diversas estações pluviométricas espalhadas pelo estado de
São Paulo. Tais equações foram desenvolvidas, de maneira geral, a partir da
segunda metade do século XX e utilizam dados pluviométricos referentes a séries
históricas entre 1930 e 1990.
Tendo em vista a variabilidade temporal das chuvas e a data dos dados
utilizados, além dos erros intrinsecamente inerentes de formulações, associados a
mudanças das características locais ao longo do tempo é possível que tais
equações não representem fielmente a realidade, porém ainda constituem a melhor
opção para os cálculos de chuvas7.

Equação Usual

A equação usual para obtenção da relação IDF é elaborada a partir do ajuste
de distribuição de frequência, como apresentada a seguir:
!=!

!!!
(! + !! )!

Onde:
i: intensidade pluviométrica média máxima para a duração t (mm/min);
t: duração da chuva (min);
T: período de retorno (anos);
K, m, n e t0: parâmetros relativos ao ajuste da equação8.
Equação Eng. Otto Pfafstetter

Em 1957 o engenheiro Otto Pfafstetter desenvolveu uma equação empírica
após analisar 98 postos pluviográficos espalhados pelo Brasil. Essa equação

7

Para mais informações: ZUFFO, A. C. Equações de chuvas são Eternas? XXI Congresso Latinoamericano de Hidráulica. São Pedro. 2004.
8
Os valores dos coeficientes encontram-se em tabelas disponíveis no Anexo A.

62

empírica que define a precipitação máxima em função de sua duração tempo de
recorrência segue a seguinte forma:
!=!

!
!! !
!

!" + ! log(1 + !")

Onde:
P: precipitação total máxima (mm);
T: período de retorno (anos);
t: duração da precipitação (horas);
: coeficiente que depende da duração da precipitação;
: coeficiente que varia com o posto considerado e a duração da
precipitação;
: coeficiente que assume o valor 0,25 para todo o Brasil;
a, b e c: coeficientes constantes para cada posto pluviográfico9.

Equação tipo "lnln"

As equações do tipo "lnln", desenvolvidas entre 1979 e 1982 para o Estado
de São Paulo levam em consideração as séries anuais e parciais de intensidades de
chuvas (MERO, SALEMI FILHO e MAGNI, 1979) têm a forma:

!!,! = !! ! + !!

!!

+ ! + !!

!!

× !! + !! × ln ln

!
!-1

+ !! ! + !!

!!

× ln(! - 0,5)

Sendo:
j=k=1, para 10 min t 60 min.
j=k=2, para 60 min < t 180 min.
j=2 e k=3, para 180 min < t 1440min.

Onde:
i: intensidade da chuva, correspondente à duração t e período de retorno T
(mm/min);
t: duração da chuva (min);
T: período de retorno em (anos);
9

Os valores dos coeficientes encontram-se em tabelas disponíveis no Anexo B.

63

A, B, C, D, E, F, G, M, P, Q: parâmetros que variam com o posto e a
duração da chuva10.

Equação DAEE

O DAEE, em 1999 desenvolveu a seguinte equação de chuvas intensas
para diversos municípios do Estado de São Paulo.
!
!

!
!

!!, !! = !!(! + !) + !!!(! + !) . [! + !. !"!"![!/(! - 1)]!
Para 10 t 1440
Com:
it,T: intensidade da chuva (mm/min);
t: duração da chuva (min);
T: período de retorno (anos);
A, B, C, D, E, F, G e H: parâmetros que variam com o posto11.

5.3.1 Período de retorno
O período de retorno indica o número médio de anos transcorridos entre a
ocorrência de dois eventos iguais. Em projetos de drenagem, o período de retorno é
estabelecido para chuvas intensas, de modo a evitar danos e inconvenientes, sendo
que estes podem variar desde uma proteção absoluta (estimativa do máximo evento
possível) até 50 ou menos anos, dependendo da magnitude da cidade e das obras.
Para projetos de microdrenagem adota-se, usualmente de 2 a 25 anos como período
de retorno. Porém, dependendo das características locais e das estruturas
existentes esse valor pode variar.

10
11

Os valores dos coeficientes se encontram em tabelas disponíveis no Anexo C.
Os valores dos coeficientes se encontram em tabelas disponíveis no Anexo D.

64

5.4

DETERMINAÇÃO DA VAZÃO DE PROJETO

5.4.1 Método Racional
Poucas bacias urbanas possuem rede de monitoramento de vazões. Dessa
forma, para a obtenção das vazões de projeto utiliza-se modelos de chuva-vazão,
como o método racional ou o hidrograma unitário. A metodologia geral parte da
definição da chuva de projeto, geralmente da relação I-D-F, do cálculo da chuva
excedente e da determinação do hidrograma ou vazão de projeto (SÃO PAULO
(CIDADE), 2012).
A equação do método racional é a seguinte:
! = 0,278×!×!×!
Onde:
Q: vazão máxima (m3/s)
0,278: fator de correção de unidade
C: coeficiente de escoamento superficial da bacia
I: intensidade da precipitação de projeto (mm/h)
A: área da bacia (km2)

5.4.1.1

Coeficiente de escoamento do método racional
O coeficiente de escoamento superficial pode ser definido através de tabelas

elaboradas considerando as características da bacia hidrográfica, ou da área de
drenagem em questão. Tais tabelas relacionam o escoamento superficial com base
no tipo de solo, vegetação e outros aspectos associados ao manuseio do solo e a
urbanização (JÚNIOR). A tabela a seguir apresenta os valores do coeficiente de
escoamento superficial para diferentes usos do solo adotado pela Prefeitura de São
Paulo.

65
Tabela 1: Valores de C adotados pela Prefeitura de São Paulo.

Zona

Descrição

C

Edificações muito
densas

Partes centrais densamente construídas
de uma cidade com ruas e calçadas 0,70 ­ 0,95
pavimentadas

Edificações não muito
densas

Partes adjacentes ao centro, de menor
densidade de habitações, mas com ruas 0,60 ­ 0,70
e calçadas pavimentadas

Edificações com
poucas superfícies
livres

Partes residenciais com construções
0,50 ­ 0,60
cerradas, ruas pavimentadas

Edificações com muitas
superfícies livres

Partes
residenciais
com
macadamizadas ou pavimentadas

Subúrbios com
algumas edificações

Partes de arrabaldes e subúrbios com
0,10 ­ 0,25
pequena densidade de construção

Matas, parques e
campos de esporte

Partes rurais, áreas verdes, superfícies
arborizadas,
parques
ajardinados, 0,05 ­ 0,20
campos de esporte sem pavimentação

ruas

0,25 ­ 0,50

Fonte: (JÚNIOR).

Quando a área de estudo for heterogênea, com ocupações diferenciadas,
deve-se atribuir a cada sub-região um valor diferente para o escoamento superficial
seguindo o seguinte modelo:
!=

!! !! + !! !! + + !! !!
!

Onde:
C: coeficiente de escoamento superficial;
A: área de estudo;
Cn: coeficiente de escoamento superficial da área An;
An: área de contribuição atribuída a um tipo de ocupação.
Diferentes intensidades de precipitação geram diferente magnitude de
escoamento superficial. Como a intensidade de precipitação é função do período de
retorno, a dependência do coeficiente de escoamento superficial está apresentada
na tabela a seguir:

66
Tabela 2: Variação do coeficiente de escoamento superficial em função do período de retorno.

Tr (Anos)
2 a 10
25
50
100

Multiplicador de C
1,00
1,10
1,20
1,25

Porém, o método racional é limitado a bacias de até 2 km2 e tempo de
concentração de até uma hora (TOMAZ, 2013). Para as demais bacias pode-se
optar pelo método de I-Pai-Wu.

5.4.2 Método de I-Pai-Wu
O Método de I-Pai-Wu é aplicado em bacias que apresentam até 200 km2 de
área de drenagem, e constitui-se num aprimoramento do Método Racional. Este
permite uma análise criteriosa dos diversos fatores intervenientes, como o
armazenamento na bacia, distribuição da chuva e à forma da bacia.
Nos projetos de bacias urbanas mais comuns desenvolvidos, tem sido
adotado na maioria das vezes, chuvas com duração de 2 ou 3 horas (SÃO PAULO
(CIDADE), 1999).
A equação base para aplicação do método I-Pai-Wu é:
! = 0,278×!×!×!!,! ×!
!!"#$ = !! + !
Em que:
!: a vazão de cheia (m³ s-1);
!! : a vazão base (m³ s-1), sendo !! = 0,10×!;
!: o coeficiente de escoamento superficial;
!: a intensidade da chuva crítica (mm h-1);
!: a área da bacia de contribuição (km2);
!: coeficiente de distribuição espacial da chuva.

O coeficiente de distribuição da chuva (K) é função da área de drenagem
2

(km ) e do tempo de concentração (horas), obtido de maneira gráfica, na seguinte
Figura:

67

Figura 18: Coeficiente de distribuição da chuva.
Fonte: Diretrizes de projeto para estudos hidrológicos, São Paulo (1999).

5.4.2.1 Coeficientes de Escoamento do Método de I-Pai-Wu
O coeficiente de escoamento superficial é função de uma série de fatores,
dentre os quais, o tipo de solo, a ocupação da bacia, a umidade antecedente, a
intensidade da chuva e outros de menor importância. A adoção, portanto, de um
valor de C constante é uma hipótese pouco realista e deve ser feita tomando-se
alguns cuidados.
Em bacias de forma alongada, no sentido do talvegue, o tempo de
concentração poderá ser superior ao tempo de pico da chuva crítica, geralmente em
bacias com área superior a 2 km2. Dessa maneira, para calcular o coeficiente de
escoamento (C) da bacia hidrográfica pelo Método de I-Pai-Wu, deve-se considerar
o efeito da forma através do coeficiente de forma (C1) e o coeficiente volumétrico de
escoamento (C2). O valor de C é dado pela expressão:

!=

!2
2
.
!1 1 + !

68

Em que:
!: o coeficiente de escoamento superficial;
!1: o coeficiente de forma;
!2: o coeficiente volumétrico de escoamento;
!: o fator de forma da bacia.

O coeficiente de forma, C1, é calculado através da seguinte equação:

!! =

4
!
(2 + !)

O fator de forma, F, pode ser dado por:

!=

!
2. ! !

!,!

Em que:
!: o comprimento do talvegue (km);
!: a área de contribuição (km2);
F: o fator de forma da bacia.

Conforme Morano, 2006 (apud Tomaz, 2010) quando:
F = 1 a bacia tem formato circular perfeito
F < 1 a bacia tem forma circular para a elíptica e o seu dreno principal está na
transversal da área.
F > 1 a bacia foge da forma circular para elíptica e seu dreno principal está na
longitudinal da área.

69

A Tabela abaixo fornece valores para o coeficiente volumétrico de
escoamento C2 adotados pela prefeitura de São Paulo para diferentes superfícies:

Tabela 3: Grau de impermeabilização do solo em função do seu uso.

GRAU DE
IMPERMEABILIZAÇÃO
DO SOLO
Baixo

Médio

Alto

COBERTURA OU TIPO DE
SOLO
Vegetação rala e/ou esparsa
Solo arenoso seco
Terrenos cultivados
Terrenos com manto fino de
material poroso
Solos com pouca vegetação
Gramados amplos
Declividades médias
Terrenos pavimentados
Solos argilosos
Terrenos rochosos estéreis
ondulados
Vegetação quase inexistente

USO DO SOLO OU
GRAU DE
URBANIZAÇÃO
Zonas verdes não
urbanizadas
Zona residencial com
lotes amplos (maior
que 1000 m3)
Zona residencial
rarefeita
Zona residencial com
lotes pequenos (100 a
1000 m3)

Fonte: Diretrizes de projeto para estudos hidrológicos, São Paulo, 1999.

O coeficiente C2 deverá ser obtido pela ponderação dos coeficientes das
áreas parciais ou sub-bacias, coeficientes que são classificados pelo grau de
impermeabilização como especificado no Quadro 5.

Quadro 5: Coeficientes volumétricos de escoamento (C2).

GRAU DE IMPERMEABILIZAÇÃO DA
SUPERFÍCIE
Baixo
Médio
Alto
Fonte: DAEE, São Paulo, 1999.

COEFICIENTE VOLUMÉTRICO DE
ESCOAMENTO
0,30
0,50
0,80

70

6

OBRAS DE DRENAGEM E OUTRAS MEDIDAS DE CONTROLE
O sistema de drenagem inclui toda a infraestrutura existente em um

município para a realização da coleta, transporte e lançamento final das águas
pluviais que escoam superficialmente e, ainda, compreende a hidrografia e seus
talvegues. Esse sistema é formado por diversas medidas que buscam minimizar os
efeitos do aumento do escoamento superficial, como os riscos e prejuízos a que as
populações

estão

expostas

quando

ocorrem

inundações,

visando

um

desenvolvimento urbano articulado, considerando os aspectos econômicos, sociais e
ambientais (FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE, 2006). O sistema pode
ser dividido em:
Quadro 6: Divisão do sistema de drenagem.

MICRODRENAGEM

MACRODRENAGEM

São estruturas que conduzem as águas
do escoamento superficial para galerias
ou canais urbanos.

São dispositivos responsáveis pelo
escoamento final das águas pluviais
provenientes do sistema de
microdrenagem urbana.

É constituída pelas redes coletoras de
águas pluviais, poços de visita, sarjetas,
bocas-de-lobo e meios-fios.

É constituída pelos principais talvegues,
fundos de vale, cursos d'água,
independentemente da execução de
obras específicas e tampouco da
localização de extensas áreas
urbanizadas, por ser o escoadouro
natural das águas pluviais.

Fonte: FEAM, 2006.

Quanto ao tipo de medidas a serem adotadas para o funcionamento
adequado do sistema de drenagem existe uma distinção entre estruturais e não
estruturais.
As medidas estruturais são realizadas através de obras de engenharia cuja
função é reduzir os riscos de ocorrência de inundações. Essas medidas podem ser
subdividas em extensivas e intensivas. As medidas extensivas atuam diretamente na
bacia hidrográfica, buscando modificar a relação entre o escoamento e a
precipitação. As medidas intensivas são ações implementadas diretamente nos rios
e podem ser de três tipos: (a) aceleramento do escoamento: construção de diques;
aumento da capacidade de descarga; retificação de canais. (b) redução do
escoamento: reservatórios e bacias de retenção. (c) divergência do escoamento:

71

estruturas como canais de desvio (TUCCI, 2007). O quadro a seguir fornece um
resumo das principais medidas estruturais.
Quadro 7: Resumo das medidas estruturais

MEDIDA

Alteração da
cobertura vegetal
Controle da perda
de solo

Diques e polders

Redução da
rugosidade através
da remoção de
obstruções
Corte de meandro

Todos os
reservatórios
Reservatórios com
comportas
Reservatórios de
controle de
enchentes
No curso da cheia
Desvios

VANTAGEM
PRINCIPAL

DESVANTAGEM
PRINCIPAL

Medidas Extensivas
Redução nos picos
Impraticável para
de inundações
áreas muito grande
Redução da
Impraticável para
sedimentação
áreas muito grande
Medidas Intensivas
Impacto
Alto nível de
significativo em
proteção de uma
caso de falha
área
eventual
Melhorias no canal de drenagem
Aumento do fluxo
com baixo custo

Efeito local

Aumento da
Impacto negativo
proteção da área e
em rios com fundo
aceleramento do
aluvionar
fluxo
Reservatório
Dificuldade de
Controle a jusante
locação devido a
desapropriação
Mais eficientes
Vulnerável a erros
com o mesmo
humanos
volume
Fácil operação

Custo não
compartilhado

Alteração do canal
Atenuação do
Depende da
volume
topografia
Reduz o
Depende da
escoamento no
topografia
canal principal

APLICAÇÃO

Pequenas bacias
Pequenas bacias

Grandes rios de
planícies

Pequenos rios

Áreas de
inundação estreitas

Bacias médias
Projetos com
propósitos
múltiplos
Limitado ao
controle de
enchentes
Grandes bacias
Bacias médias e
grandes

Fonte: Adaptado de Simons et al, 1977 apud Tucci, 2007.

As medidas estruturais, embora sejam eficientes mecanismos do sistema de
drenagem, não fornecem uma proteção total contra enchentes. Medidas não
estruturais, em conjunto ou não com medidas estruturais, auxiliam a minimizar os
custos e prejuízos relacionados a ocorrência de eventos pluviométricos intensos. As

72

principais medidas não estruturais envolvem ações preventivas tais como: Sistema
de previsão e aviso de enchentes, zoneamento de áreas de risco de inundação e
seguro e proteção individual contra enchentes (TUCCI, 2007).

6.1

ESTRUTURAS CLÁSSICAS DA DRENAGEM

6.1.1 Elementos da Microdrenagem
As principais estruturas que compõem o sistema de microdrenagem são
apresentados por BIDONE e TUCCI (1995) e estão relacionados a seguir:
·

Meios-fios: são estruturas de concreto ou pedra, alocado entre a via pública
e o passeio, paralelamente ao eixo da via e com face superior no mesmo
nível do passeio.

·

Sarjetas: são faixas de vias públicas paralelas e adjacentes ao meio-fio.
Possui um formato de calha que recepta as águas pluviais que escoam sobre
as vias públicas.

·

Sarjetões: são calhas instaladas nos cruzamentos entre vias públicas com o
intuito de direcionar o fluxo de escoamento das águas pelas sarjetas.

·

Bocas-de-lobo: são elementos localizados nas sarjetas para a captação da
água pluvial que por elas escoam. Usualmente são instaladas em ambos os
lados da via, com um espaçamento máximo de 60 metros até a próxima bocade-lobo. É conveniente que estas sejam alocadas ligeiramente a montante de
cada faixa de cruzamento utilizada pelos pedestres, próximo às esquinas.

·

Galerias: são canalizações de domínio público destinadas a condução das
águas pluviais captadas pelas bocas-de-lobo e ligações provadas.

·

Condutos forçados: estruturas semelhantes às galerias porém operando
com sua seção transversal completamente preenchida pela água escoada.

·

Poços de visita: são dispositivos alocados ao longo das galerias em pontos
estratégicos por permitirem mudanças de direção, declividade, diâmetro e
convergência de várias galerias, além de propiciar a inspeção e limpeza das
canalizações.

·

Estações de bombeamento: compreendem um conjunto de elementos
destinados a retirar a água de um canal de drenagem na condição em que o

73

escoamento pela atuação da gravidade não for mais viável para um outro
canal num nível mais elevado ou para um receptor final.

A Figura 19 a seguir ilustra algumas das estruturas que constituem a
microdrenagem.

Figura 19: Estruturas da microdrenagem.
Fonte: (DAEE/CETESB, 1980).

Observa-se, então, que as estruturas que compõem o sistema clássico de
microdrenagem são frutos da visão de escoamento rápido das águas pluviais
urbanas. Ou seja, essas estruturas, embora cumpram suas funções de encaminhar
as águas superficiais até os corpos de drenagem, não contribuem para a redução do
volume de água escoado. Dessa forma, ao se empregar apenas as estruturas
clássicas de drenagem em uma determinada área urbana, as chances de
ocorrências de inundações serão significativas, uma vez que estas são projetadas
com uma determinada capacidade, porém, na medida que a impermeabilização
aumenta, se tornam insuficientes para transportar toda a vazão produzida pelas
chuvas.

74

6.1.2 Elementos da Macrodrenagem
Os elementos da macrodrenagem são aqueles que recebem o escoamento
proveniente das estruturas da microdrenagem, sendo constituídos por córregos,
riachos e rios da área urbana do município. De maneira geral pequenos córregos e
riachos são retificados e tamponados. As obras clássicas de macrodrenagem
compreendem a retificação e ampliação das seções dos leitos naturais, a dissipação
de energia, o amortecimento de picos, a proteção contra erosões e assoreamentos,
a construção de travessias e estações de bombeamento (SILVEIRA, 2002).
Verifica-se,

novamente,

uma

atuação

intimamente

relacionada

ao

escoamento veloz do volume de água gerado pelas chuvas. Ao optar-se por
soluções que envolvam a alteração dos canais naturais dos rios urbanos, tornandoos capazes de suportar a vazão superficial excedente, proporciona-se a mesma
situação observada para as estruturas da microdrenagem. Ao aumentar-se a
impermeabilização do solo e, consequentemente, o escoamento superficial, as obras
executadas nos canais de drenagem se tornarão incapazes de comportar o novo
volume de água escoado. Evidenciando a necessidade de inclusão de medidas que
visem reduzir o volume de água que chega aos elementos da macrodrenagem.

6.2

NOVOS ELEMENTOS A SEREM ADOTADOS ­ O CONCEITO DE
DRENAGEM SUSTENTÁVEL
A utilização das medidas clássicas de drenagem tem-se mostrado ineficiente

para assegurar o bom funcionamento do sistema e solucionar os problemas
encontrados nas bacias urbanizadas. Mesmo em projetos atuais ainda são
empregados os conceitos clássicos de drenagem urbana, promovendo soluções que
incluem apenas prevenir a ocorrência de enchentes através de uma sistema de
escoamento eficiente.
Como já explicado anteriormente, essa visão de que a solução para as
enchentes urbanas encontra-se no transporte das águas pluviais da forma mais
rápida possível está ultrapassada e não condiz com a complexa realidade do meio
urbano.
Ao se considerar somente o escoamento das águas pluviais pelo sistema de
drenagem urbano, pelo fato do dimensionamento das estruturas ser estático, ou
seja, capaz de suportar uma dada vazão (referente a uma determinada equação de

75

chuva ou dados pluviométricos), sujeita-se a área a um risco de inundações na
medida que se aumenta o nível de impermeabilização e, consequentemente,
sobrecarregando o sistema de drenagem.
Uma alternativa a este cenário é a utilização de medidas não convencionais.
Essas medidas compreendem estruturas, obras, dispositivos e demais conceitos de
projeto, cujo emprego ainda não é amplamente adotado. São soluções que distam
do conceito clássico de canalização e escoamento rápido, mas podem estar a eles
associadas, visando a adequação e melhoria do sistema de drenagem. Uma vez
que, diversas bacias afetadas por inundações apresentam um padrão de ocupação
de jusante para montante. Sendo assim, os picos de vazão afluentes às
canalizações nas áreas de jusante aumentam a medida que a bacia se urbaniza,
tornando a compatibilização das soluções adotadas difíceis ou mesmo inviáveis de
serem implementadas (CANHOLI, 2009).
Nesse

contexto

surge

como

opção

as

estratégias

de

LID,

ou

desenvolvimento de baixo impacto. O LID combina técnicas de design funcionais do
ponto de vista hidrológico com medidas de prevenção de poluição com vistas a
compensar pelos impactos causados pelo desenvolvimento urbano sobre a
hidrologia e qualidade hídrica (MARYLAND, 1999).
O LID é composto por uma variedade de estratégias de projeto associadas a
técnicas de controle na fonte, em pequena escala, localizadas, denominadas
práticas de gestão integrada, ou Integrated Management Practices ­ IMPs. Ao
contrário das medidas clássica, de coleta e escoamento em encanamento ou redes
canalizadas com controle de fluxo à jusante com auxílio de grandes dispositivos de
gestão de águas pluviais, o LID apresenta uma abordagem descentralizada que
diverge o fluxo e promove o manejo do escoamento próximo ao local de onde este
se origina (SOUZA e TUCCI, 2005).
Resumidamente

as

principais

estratégias,

objetivos

e

ações

que

compreendem o LID estão dispostos na Tabela 1, a seguir. Observa-se que o LID
prevê a manutenção das funções hidrológicas fundamentais de uma determinada
área a ser desenvolvida, buscando a minimização dos impactos hidrológicos, ao
associar técnicas e medidas de controle as etapas de planejamento e projeto bem
como na promoção da educação ambiental para o beneficiamento da comunidade
em questão.

76
Tabela 4: Estratégias, Objetivos e Ações LID.

ESTRATÉGIAS LID

Minimização de
impactos
causados pelas
águas pluviais

Medidas de
armazenamento
uniformemente
dispersas (práticas de
retenção, detenção e
escoamento)

Manutenção do
tempo de
Implementação de
concentração para
programas de
atingir valores
educação pública
semelhantes aos de
efetiva
pré-urbanização

OBJETIVOS

Providenciar incentivos
econômicos encorajando o
desenvolvimento
ambientalmente consciente

Desenvolver
completamente o
potencial de projeto e
planejamento
ambientalmente
consciente

Promover a flexibilidade em
regulamentos para permissão de
inovações na engenharia e planejamento
no âmbito do "crescimento inteligente"

Auxiliar na construção de
comunidades baseadas em
uma administração ambiental

Fomentar debates sobre a viabilidade
técnica, econômica e ambiental, sobre
práticas a serem adotadas e
proposições de alternativas

AÇÕES

Redução/minimização da
impermeabilidade

Distanciamento entre
superfícies
impermeáveis
inevitáveis

Preservação e proteção de
locais ambientalmente
sensíveis

Manutenção do tempo de
concentração

Aplicação de IMPs em
superfícies
impermeáveis

Escolha de solos menos
permeáveis para locação de
elementos impermeáveis

Fonte: Adaptado de (MARYLAND, 1999) e (SOUZA e TUCCI, 2005).

Uma das principais vantagens do LID em relação às medidas convencionais
é a relação custo pela distância da fonte uma vez que prevê a instalação de
dispositivos próximos ao ponto de geração, caracterizados pela descentralização
das estruturas, o que significa menores dimensões e custos associados
(MARYLAND, 1999), porém essa não é a única vantagem relacionada a aplicação
dessas medidas. A seguir são apresentadas as principais relações entre as medidas
convencionais e LID com alguns dos parâmetros hidrológicos.

77
Quadro 8: Comparação entre as respostas do sistema hidrológico às praticas LID e
convencionais.

PARÂMETRO
HIDROLÓGICO

DISPOSITIVOS
CONVENCIONAIS

DISPOSITIVOS LID

In loco
Cobertura Impermeável
Cobertura
Natural/Vegetação
Tempo de Concentração

Volume de Escoamento
Descarga de Pico
Frequência de Escoamento
Duração do Escoamento
Interceptação, Infiltração,
depressão e
Armazenamento das
Chuvas
Recarga de Água
Subterrânea

Qualidade da Água

Corpos Receptores

Encorajada para obtenção
de uma drenagem efetiva
Reduzida para melhorar a
drenagem local
eficientemente
Reduzido devido à eficiência
do escoamento
Ocorre um aumento do
volume escoado sem
controle
Controlado para chuva de
projeto (2 anos)
Aumentada, em especial
para chuvas frequentes
Aumentada para todas as
chuvas devido a falta de
controle do volume
Elevada redução em todos
os elementos
Redução na recarga devido
à impermeabilização
Dispersas
Redução em cargas
poluidoras, com pouco
controle para eventos com
descarga menor do que a de
projeto
Impactos significativos:
erosão e degradação dos
canais; aumento da
sedimentação; redução da
vazão de base; perda de
habitat

Reduzida para minimizar
impactos
Maximizada para manter o
equilíbrio hidrológico
Potencializado para
assemelhar-se as condições
de pré-desenvolvimento
Controlado para aproximarse das condições de prédesenvolvimento
Controlado para todas as
chuvas
Controlada para todas as
chuvas
Controlada para a condição
de pré-desenvolvimento

As condições de prédesenvolvimento são
mantidas

Aumento da redução de
poluentes com controle total
sobre os possíveis eventos

Ecologia do sistema é
mantida semelhante a
condição de prédesenvolvimento

78

PARÂMETRO
HIDROLÓGICO

DISPOSITIVOS
CONVENCIONAIS

DISPOSITIVOS LID

Inundações a Jusante

Há redução nas inundações
imediatamente abaixo das
estruturas, porém podem
aumentar as inundações a
jusante devido a impactos
cumulativos

Controladas para a situação
de pré-desenvolvimento12

Fonte: Adaptado de (MARYLAND, 1999) e (SOUZA e TUCCI, 2005).

As principais práticas de gestão integradas, IMPs, estão descritas a seguir,
conforme MARYLAND (1999) e CREDIT VALLEY CONSERVATION; TORONTO
AND REGION CONSERVATION (2010):

a. Bio-retenção: consiste na utilização de uma depressão rasa contendo solo
preparado para plantação, capaz de filtrar e armazenar águas pluviais,
combinando processo físico de filtragem com adsorção por processos
biológicos. Sua utilização inclui desde lotes individuais até áreas públicas,
incluindo parques e estacionamentos.

Figura 20: Exemplo de Bio-retenção.
Fonte: Schollen & Company Inc.

12

Entende-se por condição de pré-desenvolvimento como sendo o conjunto dos parâmetros
hidrológicos, com seus respectivos valores, para a situação anterior ao início do processo de
urbanização. Dessa forma, ao buscar-se manter tais parâmetros nos mesmos níveis de antes da
urbanização evita-se contribuir para a ocorrência de inundações.

79

b. Poço de Infiltração: são escavações retangulares ou circulares cobertas com
uma manta geotêxtil e preenchida com material granular (como pedras) para
a formação de espaços vazios entre os grãos, recebendo o escoamento
superficial através de canos com perfurações, permitindo assim a infiltração
para o solo.

c. Faixa Filtrante e de Proteção: as faixas filtrantes são normalmente
compostas por vegetação rasteira, tipicamente, gramíneas, plantadas entre
uma fonte potencial de poluição e um corpo receptor, também podem ser
utilizadas como pré-tratamento quando associadas com outros mecanismos.
Já as faixas de proteção são compostas por vegetação, nativa ou plantada,
ao redor das chamadas áreas sensíveis como corpos d'água, remanescentes
de florestas, solos propensos a erosão, entre outras, protegendo-as por
reduzirem o escoamento e reterem parte dos sedimentos (possíveis fontes de
poluição).

d. Vala Gramada: tradicionalmente utilizadas para a drenagem de rodovias, as
valas gramadas resultam em um armazenamento temporário do volume
escoado e proporcionam um pré-tratamento desse volume antes de seu
encontro com o corpo receptor.

Figura 21: Exemplo de Faixa Filtrante e de Vala Gramada.
Fonte: Trinkaus Engineering (Esquerda); Seattle Public Utilities (Direita).

e. Barril: os barris são instalações com favorável relação custo x eficiência,
apresentando baixa necessidade de manutenção, sendo um mecanismo LID
que pode ser utilizado em lotes residenciais ou comerciais/industriais. Seu

80

funcionamento consiste na retenção de parte do volume (definido pelo seu
tamanho) proveniente do escoamento de telhados em um barril instalado na
lateral do, o excedente é escoado através de um cano de extravasamento. A
água retida por ser utilizada, posteriormente, em jardins e gramados ou para
limpeza de calçadas.

f. Cisterna: é um mecanismo semelhante ao barril, porém é instalado no
subsolo, possuindo uma maior capacidade de retenção (devido as dimensões
da

cisterna).

Também

possibilita

o

uso

do

volume

armazenado

posteriormente, reduzindo o consumo de água tratada para fins menos
nobres como limpeza do lote e irrigação de jardins.

(a)

(b)

(c)

(d)

Figura 22: Exemplos de Barris e Cisternas:
(a) e (d) Típico barril de plástico.
(b) Cisterna de concreto integrada a um estacionamento.
(c) Cisterna de concreto enterrada.
Fontes: TRCA e University of Guelph.

81

g. Trincheira de Infiltração: semelhantes ao poço de infiltração, as trincheiras
de infiltração são estruturas retangulares cobertas com uma manta geotêxtil e
preenchidas com material granular. Normalmente são instaladas em
depressões. A eficiência da trincheira aumenta se sua instalação for
acompanhada do uso de técnicas como as valas gramadas ou faixas de
proteção, aumentando o aporte de escoamento captado.

Figura 23: Exemplos de Poço de Infiltração e de Trincheiras de Infiltração.
Fonte: Lanark Consultants (Esquerda); Cahill Associates (centro); North Dakota State
University (direita).

O Quadro 9 apresenta a interação desses mecanismos LID com algumas
das funções hidrológicas que são alteradas devido ao processo de urbanização.

FAIXA
FILTRANTE E
DE PROTEÇÃO

VALA
GRAMADA

BARRIL

CISTERNA

TRINCHEIRA
DE
INFILTRAÇÃO

Interceptação
Armazenamento em
Depressões
Infiltração
Recarga Subterrânea
Volume de Escoamento
Descarga de Pico
Frequência de Escoamento
Qualidade da Água
Fluxo de Base
Qualidade do Rio

POÇO DE
INFILTRAÇÃO

FUNÇÕES HIDROLÓGICAS

BIO-RETENÇÃO

Quadro 9: Funções Hidrológicas associadas às práticas de gestão integradas - IMPs.

A

N

A

M

N

N

N

A

N

A

A

N

N

M

M
M
M
B
M
A
A
A

M
M
M
M
M
A
M
M

N
N
B
M
M
B
M
N

N
N
M
M
M
B
N
B

A
A
A
M
M
A
B
A

A
A
A
M
A
A
M
A

A
A
A
B
M
A
A
A
Legenda

Alta
Moderada
Baixa
Fonte: Adaptado de (MARYLAND, 1999) e (SOUZA e TUCCI, 2005).

Nenhuma

Observa-se que a técnica de Bio-retenção influencia significantemente as
diversas funções apresentadas, apresentando-se como importante ferramenta para
integrar o sistema de drenagem devido a sua capacidade em reverter efeitos

82

adversos do processo de urbanização. Outras vantagens desse mecanismo incluem
a facilidade de instalação e de manutenção e, além destas, essa técnica apresenta
um baixo custo de implementação, o que expande suas possibilidades de
aplicabilidade nos diversos extratos do meio urbano.
Os poços e trincheiras de infiltração também possuem um significável efeito
sobre as funções hidrológicas alteradas pela urbanização. Devido a sua ampla
variação de escala, esses mecanismos também agregam propriedade ao sistema de
drenagem, podendo ser utilizados em pequenas escalas, como em lotes individuais,
até em espaços públicos.
As faixas filtrantes e de proteção e as valas gramadas possuem uma menor
influencia sobre os elementos hidráulicos analisados, porém, são ferramentas
importantes principalmente devido a sua capacidade em remover possíveis
poluentes que, em contato com corpos d'água ou vegetações mais sensíveis, podem
causar danos significativos.
Os barris e cisternas são os mecanismos com menor influência sobre os
parâmetros hidrológicos apresentados, porém seu uso em escala local é muito
interessante devido a sua capacidade de armazenar, mesmo em pequenas
quantidades, uma parcela de água que, inevitavelmente, contribuiria para o
sobrecarregamento do sistema de drenagem. A instalação desses mecanismos,
quando em maiores quantidades, pode fornecer uma retenção significativa de água,
reduzindo a ocorrência de enchentes. Além disso, o uso desses elementos promove
o reuso dessa parcela d'água para outros fins, reduzindo o consumo de água tratada
para fins de limpeza e aguamento de plantas.
A Agência de Proteção Ambiental americana ­ EPA examinou os custos das
práticas LID na publicação Redução dos Custos do Sistema de Águas Pluviais
através de Estratégias e Práticas de Desenvolvimento de Baixo Impacto (LID)13, em
Dezembro de 2007. O relatório avaliou 17 casos nos Estados Unidos e Canadá em
que o LID fora empregado para gerenciar as águas pluviais, a comparação de
custos de aplicação do LID e das medidas convencionais é apresentada na Tabela 5
a seguir.

13

Título original: Reducing Stormwater Costs through Low Impact Development (LID) Strategies and
Practices.

83
Tabela 5: Sumário da comparação de custo entre desenvolvimento convencional e o LID.

PROJETOS1

CUSTO
CONVENCIONAL

CUSTO
LID

DIFERENÇA
DE CUSTO2

DIFERENÇA EM
PORCENTAGEM2

nd

2 Avenue SEA Street,
$868.803
$651.548
$217.255
25%
Seattle, Washington
Auburn Hills,
$2.360.385
$1.598.989
$761.396
32%
southwestern Wisconsin
Bellingham City Hall,
$27.600
$5.600
$22.000
80%
Bellingham, Washington
Bloedel Donovan Park,
$52.800
$12.800
$40.000
76%
Bellingham, Washington
Gap Creek, Sherwood,
$4.620.600
$3.942.100
$678.500
15%
Arkansas
Garden Valley, Pierce
$324.400
$260.700
$63.700
20%
County, Washington
Kensington Estates,
Pierce County,
$765.700
$1.502.900
-$737.200
-96%
Washington
Laurel Springs, Jackson,
$1.654.021
$1.149.552
$504.469
30%
Wisconsin
Mill Creek, Kane
$12.510
$9.099
$3.411
27%
3
County, Illinois
Prairie Glen,
$1.004.84
$599.536
$405.312
40%
Germantown, Wisconsin
Somerset, Prince
George's County,
$2.456.843
$1.671.461
$785.382
32%
Maryland
Tellabs Corporate
Campus, Naperville,
$3.162.160
$2.700.650
$461.510
15%
Illinois
Fonte: US EPA, 2007 apud (CREDIT VALLEY CONSERVATION; TORONTO AND REGION
CONSERVATION, 2010).
Notas:
1. Embora mais projetos terem sido analisados, os projetos não apresentados não forneciam
informações que possibilitassem a comparação de custos.
2. Valores negativos denotam custos LID superiores aos custos convencionais.
3. Os custos desse empreendimento são apresentados por lote.

As

principais

conclusões

do

estudo

são

(CREDIT

VALLEY

CONSERVATION; TORONTO AND REGION CONSERVATION, 2010):
·

Dentre os 12 estudos de caso a economia na aplicação dos métodos LID
variaram entre 15 e 80%. Em apenas um estudo os custos do LID foram
superiores aos custos dos mecanismos convencionais.

·

O estudo não incluiu benefícios associados a implantação do LID como
aumento do valor da propriedade, maior facilidade de venda, melhoria de
habitats, melhorias estéticas e de qualidade de vida, embora seja mencionado
que tais benefícios sejam reais e significativos.

·

Há a necessidade de realização de pesquisas que incluam o custo de ciclo de
vida completo de ambos os sistemas (LID e convencional), considerando a
operação, manutenção e eventual troca de componentes.

84

7

7.1

APLICAÇÃO DAS PRÁTICAS DE DRENAGEM SUSTENTÁVEL EM ÁREAS
URBANAS
APROVEITAMENTO DAS ÁGUAS PLUVIAIS
O aproveitamento das águas pluviais consiste na aplicação de métodos que

interceptem, transportem e armazenem a água da chuva para usos futuros. Sua
aplicação no meio urbano mostra-se altamente interessante por, além de reduzir o
escoamento superficial, diminuir a utilização de água potável. Ao se utilizar a água
captada para irrigação, por exemplo, a água será evapotranspirada pela vegetação
ou infiltrará no solo o que, em ambos os casos reduz o escoamento superficial,
auxiliando na restauração do balanço hídrico existente antes da urbanização.
As chuvas que incidem sobre superfícies impermeáveis, tais como telhados,
são coletadas e transportadas para um tanque de armazenamento. A capacidade
desses tanques varia conforme a área, em terrenos residenciais podem ser
utilizados barris, com capacidade típica variando entre 190 a 400 litros, ou cisternas
para áreas residenciais, comerciais ou industriais, com capacidade variando entre
750 a 40.000 litros (CREDIT VALLEY CONSERVATION; TORONTO AND REGION
CONSERVATION, 2010).
Existem dois tipos de design e operação para sistemas de aproveitamento
de águas pluviais:
a. Para usos no interior da edificação (água do vaso sanitário, por exemplo) e
exterior (irrigação de jardins), chamados de sistemas de uso duplo, no qual se
utiliza a água durante o ano todo.
b. Para usos externos, onde o uso da água está relacionado a sazonalidade
(capta-se a água durante a estação chuvosa e a utiliza-se durante a estação
seca).

Observa-se, então, que o aproveitamento de águas pluviais é uma prática
que pode ser aplicada a maioria dos lotes residenciais, comerciais, industriais e
institucionais, desde que a água da chuva possa ser capturada e armazenada para
usos posteriores. Uma das vantagens dessa técnica é sua flexibilidade locacional,
podendo ser instalada no interior ou exterior de construções, acima ou abaixo do
nível do terreno, sendo ideal para áreas já urbanizadas, em que o espaço físico e
disposição das estruturas sejam considerados fatores limitantes significativos.

85

A Figura 24 apresenta um esquema típico de aproveitamento de águas
pluviais em uma residência.
ÁREA%DE%CAPTAÇÃO%
CALHA%

CALHA%

FILTRO%
POÇO%DE%VISITA%
CISTERNA%
ENTERRADA%

CAPTAÇÃO%/%
BOMBEAMENTO%

DRENO%DE%SAÍDA%

Figura 24: Componentes de um sistema de aproveitamento de águas pluviais através do uso
de cisterna.
Fonte: Adaptado de RUPP, 1998.

Pela figura acima é possível verificar que o sistema de aproveitamento de
águas pluviais é composto por sete elementos principais, sendo eles (CREDIT
VALLEY CONSERVATION; TORONTO AND REGION CONSERVATION, 2010):
·

Área de captação: constitui a superfície na qual a chuva incidente será
coletada. Tipicamente considera-se o telhado dos lotes como a área de
captação porém, áreas como estacionamentos e calçadas também podem ser
utilizadas para captar água para usos posteriores não-potáveis.

·

Coleta e Transporte: composto pelas calhas e canos que coletam a água da
área de captação e a transportam para o tanque de armazenamento.

·

Pré-tratamento: é necessário para remoção de elementos que possam estar
depositados na área de captação como poeira, folhas e outros detritos,
prevenindo o entupimento da tubulação de transporte.

·

Tanque de armazenamento: é a parte central do sistema, e, comumente, a
mais dispendiosa. Seu dimensionamento leva em consideração variáveis
como a pluviosidade local, os usos pretendidos para a água captada, a área
de captação, estética e orçamento disponível. Cisternas residenciais
possuem, tipicamente, 5.000 Litros de capacidade.

86

Distribuição/Uso: representa o modo como a água a ser utilizada vai ser

·

transportada do tanque de armazenamento, sendo através da ação da
gravidade ou com o uso de bombeamento.
Dreno de transbordo: peça fundamental do sistema, o dreno de transbordo

·

entra em ação quando o tanque de armazenamento atinge sua capacidade
máxima, permitindo que o excesso de água seja escoado para fora do
sistema e para o sistema convencional de drenagem.
Poço de visita: indispensável elemento que permite a manutenção do tanque

·

de armazenamento e outros elementos do sistema de reaproveitamento de
águas pluviais.

7.2

TELHADO VERDE
O telhado verde é composto basicamente por uma dada vegetação

crescendo sobre uma camada de solo e outros elementos no topo de edificações
planas ou mesmo em declive. Seus benefícios para o meio urbano além de auxiliar
na redução do escoamento superficial, promovendo o equilíbrio hídrico, incluem o
aumento da eficiência energética, atuando na atenuação do efeito de ilhas de calor.
Além disso representam áreas verdes urbanas passíveis de usos recreativos e de
lazer.
Do ponto de vista de projeto, o telhado verde pode ser considerado um bioretentor. Existem dois tipos de telhados verdes (CREDIT VALLEY CONSERVATION;
TORONTO AND REGION CONSERVATION, 2010):
·

Intensivos: possuem mais de 15 centímetros de espessura do meio de
crescimento, podendo aportar plantas com raízes mais profundas e são
projetados para suportar o tráfego de pessoas. Para tanto a edificação deve
ser capaz de suportar tais cargas.

·

Extensivos: consistem em uma camada mais fina do que 15 centímetros de
espessura, comportando plantas herbáceas.

Telhados verdes podem ser instalados em diferentes tipos de telhado, desde
de pequenos telhados residenciais a largos telhados de instalações comerciais e
industriais. É particularmente útil em áreas urbanas densamente ocupadas onde o
espaço na superfície é extremamente limitado.

87

Os telhados verdes são compostos por múltiplas camadas que incluem
(CREDIT VALLEY CONSERVATION; TORONTO AND REGION CONSERVATION,
2010):
·

Estrutura do telhado: deve ser capaz de suportar a carga das estruturas a
serem instaladas, sendo assim é necessária análise técnica específica, por
exemplo, de um engenheiro de estruturas. Telhados com declive de até 10%
também podem comportar o telhado verde.

·

Membrana a prova d'água: é a primeira camada acima do telhado, para
proteger a estrutura do telhado e da edificação.

·

Camada de drenagem: é composta por uma camada porosa e uma camada
geosintética para prevenir o entupimento dos poros.

·

Captação e escoamento: quando o meio poroso estiver saturado o
excedente deve ser coletado e transportado para o sistema tradicional de
drenagem.

·

Meio de crescimento (solo): tipicamente composto por uma mistura de
areia, cascalho, pedaços de tijolos quebrados, composto orgânico ou solo.

·

Vegetação: as plantas selecionadas para o telhado verde devem levar em
consideração as características da estrutura. Deve-se encorajar o uso de
plantas nativas, porém deve-se verificar a profundidade que suas raízes
podem atingir, sendo assim, o auxilio de especialista em botânica é
fundamental.

A Figura 25 apresenta um esquema de telhado verde e a visão das diversas
camadas que compõem sua estrutura.

88

Vegetação)
Solo)

Plantas'
Solo'

Drenagem,)Aeração,)armazenamento)de)
água)e)barreira)para)as)raízes)

Contenção'

Isolante)

Camada'filtrante'

Membrana)de)proteção)e)
barreira)para)as)raízes)

Camada'drenante'
Camada'protetora'
Membrana'

Membrana)do)telhado)
Suporte)estrutural)

Isolante'
Telhado'de'aço'

Figura 25: Esquema de um telhado verde com divisão de suas camadas.
Fonte: Adaptado de SHADE CONSULTING, 2003 e GREAT LAKE WATER INSTITUTE.

7.3

POÇOS E TRINCHEIRAS DE INFILTRAÇÃO
Poços e trincheiras de infiltração podem ser utilizados em locais cujas

condições do solo sejam propícias para a infiltração. Além de auxiliar na redução do
pico de vazão, essas práticas também promovem uma melhor qualidade da água, já
que ocorre a filtração de materiais poluentes transportados pelo escoamento
superficial.
Poços de infiltração são normalmente utilizados em lotes individuais. Em
maior escala existem poços manufaturados e instalados no subsolo, utilizados
tipicamente em estacionamentos ou parques e praças, criando largos espaços
vazios para o armazenamento temporário, permitindo a infiltração da água no solo
por proporcionarem, tipicamente, contato direto com o solo na base e perfurações
nas paredes laterais. Ademais podem possuir uma camada de material granular.
Este tipo de poço é capaz de reter o escoamento de telhados, calçadas,
estacionamentos e ruas.
Com funcionamento semelhante ao poço, aplicação da trincheira de
infiltração é atribuída a lotes e áreas publicas como passeios e estacionamento cujo
espaço de instalação seja limitado por faixas lineares.
Como a maioria dos componentes dessas estruturas encontram-se abaixo
da superfície estas práticas são apropriadas para áreas densamente ocupadas,
especialmente

levando-se

em

consideração

que

outras

estruturas

como

89

estacionamentos, parques e campos de esporte podem ser instalados acima desses
mecanismos.
A Figura 26 apresenta um esquema de poço de infiltração em um lote
residencial14.
Calha%

Dreno%de%transbordo%
Tela%an'(
entupimento%

Dissipador%

Tampa%

Cano%de%
entrada%

Dreno%de%
transbordo%

12"%até%o%poço%
Tecido%filtrante%
em%todas%as%
paredes%do%
poço%

12"%até%as%perfurações%
Pedras%
com%
diâmetro%
1,5%a%3,0"%

Cano%de%PVC%
perfurado%
Ba%
do%

Figura 26: Esquema de um poço de infiltração em lote residencial.
Fonte: Adaptado de (CREDIT VALLEY CONSERVATION; TORONTO
CONSERVATION, 2010).

Os

principais

parâmetros

de

projeto

são

AND

(CREDIT

REGION

VALLEY

CONSERVATION; TORONTO AND REGION CONSERVATION, 2010):
·

Geometria: os poços infiltração podem ser desenhados com diversos
formatos enquanto as trincheiras são, normalmente, retangulares. A
profundidade de ambos depende da taxa de infiltração do solo, da porosidade
do cascalho utilizado para preenche-los e do período necessário para
alcançar-se a drenagem completa entre eventos pluviométricos (recomendase 48 horas). Para situações em que não esteja prevista a instalação de um
dreno abaixo da estrutura, o dimensionamento pode ser feito seguindo a
seguinte equação:
!!á! =

!×!!

!!

Em que:
dmáx: profundidade máxima (mm);
14

E.

Outros exemplos de aplicação de poços e trincheiras de infiltração estão esquematizados no Anexo

90

i: taxa de infiltração do solo (mm/h);
td: tempo de drenagem (recomendado 48 horas);
Po: Porosidade do material (tipicamente 0,4 para pedras com
50 mm).
·

Pré-tratamento: importante etapa para evitar que sedimentos e outros
detritos obstruam os poros existentes nos poços e trincheiras. Podem ser
utilizados grades para reter folhas, filtros no solo antes da entrada no poço ou
faixas gramadas e filtrantes.

·

Transporte e transbordo: os canos de entrada nos poços e trincheiras são
tipicamente perfurados. O cano de transbordo pode ser o mesmo cano de
entrada que, encaminhe o excesso de água para um dissipador ou para o
sistema convencional de drenagem.

·

Poço de inspeção: recomendado para inspeção, composto por um cano
perfurado que vá até a base do poço ou trincheira com uma tampa na parte
superior, é útil para verificar o tempo de drenagem.

·

Meio filtrante: o poço ou trincheira deve estar envolto em uma manta
geotêxtil capaz de prevenir que o solo venha a obstruir os poros da estrutura.
Esses poros devem representar 30 a 40% do espaço, com a utilização de
pedras de diâmetro médio de 50 mm.

7.4

BIO-RETENÇÃO
As estruturas da bio-retenção armazenam temporariamente águas pluviais

coletadas, tratando-as e promovem a infiltração no solo. Essa prática pode
apresentar algumas variações dependendo das condições de infiltração do solo e do
espaço físico disponível, podendo ser dimensionada sem um dreno inferior para
promover somente a infiltração, com um dreno inferior para infiltração parcial, ou
com um fundo impermeável, promovendo somente a filtração da água, sendo
comumente referido como bio-filtro.
Os bio-retentores são compostos por uma camada filtrante formada por uma
mistura de areia e materiais finos e orgânicos, acima desta camada encontram-se as
plantas adaptadas ao aporte de água dessa prática de controle. Sendo assim, uma
das principais vantagens da bio-retenção, além da redução do escoamento

91

superficial, é a melhoria da qualidade da água. Além disso, também contribui para a
diminuição do efeito de ilha de calor em áreas altamente urbanizadas.
Esse tipo de estrutura apresenta grande flexibilidade de aplicação no meio
urbano, podendo ser empregado em diferentes contextos. Podem ser utilizados em
áreas públicas como parques ou em estacionamentos, recebendo o escoamento de
ruas e calçadas. Em áreas com densidade média de ocupação, como subúrbios, são
chamados de jardins de chuva, recebendo o aporte do telhado e grama numa área
com leve depressão em relação ao restante do terreno. Em áreas urbanas com
grande densidade de ocupação podem ser utilizados em construções e praças,
recebendo o escoamento das estruturas adjacentes. Também podem ser instalados
entre a calçada e a rua, para receber o escoamento de ambas. Sendo assim
verifica-se que sua aplicação é válida tanto para áreas industriais, comerciais,
residenciais ou públicas.
A Figura 27 apresenta um exemplo de bio-retenção com infiltração para
receber o escoamento proveniente do telhado de uma construção.

!
Plantas!
Construção!
Tubulação!
de!entrada!

!
Transbordo!

!

Solo!

Filtro!

Cascalho!

Segunda!
camada!
de!solo!

Cascalho!

!

Dissipador!de!
energia!
Camada!
impermeável!
Fundação!
!

Solo!existente!

Figura 27: Exemplo de Bio-retentor.
Fonte: Adaptado de CITY OF PORTLAND, 2004.

As principais características de design dos bio-retentores incluem (CREDIT
VALLEY CONSERVATION; TORONTO AND REGION CONSERVATION, 2010):
·

Geometria e disposição no terreno: o dimensionamento depende da área a
ser drenada para o bio-retentor, sendo esta área, tipicamente, entre 100m2 a
0,5 hectares. A geometria da estrutura pode considerar fatores como

92

construções adjacentes, calçadas, corredores, paredes, entre outros, sendo
altamente adaptável a diversas situações.
Para bio-retentores sem dreno inferior a profundidade necessária pode ser
calculada através da seguinte equação:
!!á!

!
(!! - !! )
= !×

!!

Em que:
dmáx: profundidade máxima (mm);
i: taxa de infiltração do solo (mm/h);
td: tempo de drenagem (recomendado 48 horas);
Po: Porosidade do material (tipicamente 0,4 para pedras com
50 mm);
ds: profundidade máxima da lâmina d'água na superfície (mm).
Para os bio-retentores com dreno inferior a camada filtrante deve possuir
profundidade entre 1,00 a 1,25 metros. Para calcular a altura da camada de
armazenamento abaixo do dreno pode utilizar-se a seguinte equação:
!!á! =

!×!!

!!

Em que:
dmáx: profundidade máxima abaixo do dreno (mm);
i: taxa de infiltração do solo (mm/h);
td: tempo de drenagem (recomendado 48 horas);
Po: Porosidade do material (tipicamente 0,4 para pedras com
50 mm).
·

Pré-tratamento: o pré-tratamento da água drenada para o bio-retentor evita a
ocorrência de entupimento dos poros do meio filtrante, reduzindo a
necessidade de manutenção. No caso de áreas de contribuição que
produzam poucos sedimentos, como telhados, o bio-retentor pode operar sem
um pré-tratamento.

·

Entrada e saída: os bio-retentores podem estar conectados diretamente ou
não com o sistema convencional de drenagem. Quando estão conectados,
toda a água drenada de uma determinada superfície passa pela estrutura, o
volume que excede a capacidade de infiltração dimensionada é escoado por
um dreno de saída, sendo encaminhado para o sistema convencional.

93

Quando não estão conectados, somente uma parcela da água escoada entra
na estrutura, normalmente através de um sistema by-pass, formado por
tubulações ou bocas de lobo, assim o volume excedente segue no sistema
convencional sem afetar a estrutura do bio-retentor. As estruturas de entrada
e saída devem ser projetadas de forma a não colaborarem com erosão ou
sedimentação, caso necessário podem ser instalados dissipadores de
energia.
·

Elementos paisagísticos: esta prática proporciona a oportunidade de se
associar estruturas de controle da drenagem com elementos artísticos
urbanos. A entrada do sistema pode ser realizada através de cascatas ou
rodas d'água, por exemplo, integrando a estrutura a paisagem urbana.

·

Poços de inspeção: recomenda-se a instalação de uma tubulação vertical
perfurada, com a mesma dimensão da estrutura, com uma tampa na
superfície para verificar o tempo de dreno da água infiltrada e avaliar a
necessidade de manutenção.

·

Camada de armazenamento: a camada de armazenamento, composta por
cascalhos, deve possuir uma profundidade mínima de 300 mm, sendo
dimensionada para armazenar o volume desejado. O material granular deve
possuir diâmetro médio de 50 mm.

·

Meio filtrante: deve ser composto pela mistura de 85-88% em peso de areia
com diâmetro entre 2,00 a 0,050 mm, 8-12% material granular fino, com
diâmetro inferior a 0,050 mm e 3-5% de matéria orgânica. A profundidade
usual é de 1,00 a 1,50 metros.

·

Dreno inferior: utilizado quando a taxa de infiltração do solo é inferior a 15
mm/hr. Consiste em um tubo perfurado localizado a pelo menos 100 mm da
base da camada de armazenamento. O volume captado é encaminhado ao
sistema convencional de drenagem.

7.5

FAIXA FILTRANTE E VALA GRAMADA
Faixas filtrantes são estruturas com moderada declividade e densamente

vegetadas que recebem o escoamento superficial de áreas impermeáveis
adjacentes. Sua função inclui reduzir a velocidade do escoamento e filtrar
sedimentos suspensos e materiais poluentes, além de promover a infiltração de

94

parcela desse volume. Podem ser associados a outras práticas de drenagem,
fornecendo um pré-tratamento para o volume escoado. Não é recomendada a
instalação de valas gramadas em áreas altamente urbanizadas por necessitarem de
um grande espaço na superfície. Podem ser empregadas em estacionamentos de
áreas menos densas ou ao longo de estradas. A Figura 28 ilustra uma faixa filtrante.
Declividade%não%
excedendo%8%%
Vegetação%
%

Boca%de%lobo%
%

%
Asfalto%padrão%

Camada%superficial%%
de%solo%

Extensão%da%faixa%
(conforme%necessidade)%
%

%
Camada%de%solo%não%
compactada%
%

Figura 28: Exemplo de faixa filtrante.
Fonte: adaptado de GVRD, 2005.

As valas gramadas transportam, tratam e atenuam o escoamento superficial
das superfícies adjacentes. Essas estruturas reduzem a velocidade do escoamento,
favorecendo a sedimentação, a infiltração e a evapotranspiração. Em áreas cuja
densidade de ocupação, topografia e profundidade do lençol freático permitam, as
valas gramadas podem substituir o sistema convencional de drenagem, podendo ser
incorporadas ao desenho do entorno, proporcionando maior área permeável,
aumento da área verde urbana e efeito visual agradável. A Figura 29 exemplifica o
uso de vala gramada como substituta do sistema convencional de drenagem. Assim
como a faixa filtrante, a vala gramada é uma estrutura que demanda uma área
superficial que normalmente não está disponível em áreas já altamente urbanizadas.
Sua aplicação é adequada para locais menos adensados ou ainda na etapa de
planejamento da urbanização.

95

Entrada'

Riprap'
Degrau'
'''''''Dreno'

'
Trincheira'de'
cascalhos'

Bacia'de'
contenção'

Galeria'

Tubulação'
circular'

Figura 29: Exemplo de vala gramada.
Fonte: Adaptado de OMOE, 2003.

7.6

PAVIMENTO PERMEÁVEL
Em contrapartida ao pavimento tradicional, o pavimento permeável permite o

escoamento da água da chuva através de seus poros para um reservatório
preenchido por pedras de onde, dependendo das características locais, infiltra para
o solo abaixo, ou é drenado parcialmente ou totalmente para o sistema de
drenagem, sendo assim armazenado temporariamente. Sua utilização no meio
urbano é variada, sendo viável em ruas de baixo tráfego, estacionamentos,
garagens, praças e calçadas, sendo uma alternativa interessante para áreas com
baixa disponibilidade de espaço na superfície.
Existem algumas variações do tipo de pavimento:
·

Blocos de concreto permeáveis;

·

Grid de concreto ou plástico;

·

Concreto permeável;

·

Asfalto poroso.
Além de reduzirem o volume de águas pluviais escoadas superficialmente,

outras vantagens dessa prática incluem a redução do efeito de ilha de calor em
centros urbanos, pois apresentam menor condutividade e capacidade térmica do
que os pavimentos tradicionais, e resultam em ruas mais silenciosas, pois a
superfície porosa absorve a energia sonora e dissipa a pressão do ar antes que o

96

som seja gerado (FERGUNSON, 2005). A Figura 30 apresenta a seção típica do
pavimento permeável.
O dimensionamento de pavimentos permeáveis devem seguir as seguintes
características (CAHILL ASSOCIATES, 1993), (CREDIT VALLEY CONSERVATION;
TORONTO AND REGION CONSERVATION, 2010):
·

Geometria e disposição no terreno: podem ser instalados em toda a área
do estacionamento ou garagem e podem receber o escoamento de áreas
impermeáveis adjacentes. De maneira geral a área impermeável de
contribuição não deve exceder em 1,2 vezes a área do pavimento permeável.
Para situações que não incluam o dreno, a seguinte equação pode ser
utilizada para determinar a altura da camada de reserva:
!=

(!×! + ! - !×!)

!!

Em que:
d: profundidade do reservatório granular (m);
P: altura da chuva de projeto (m);
i: taxa de infiltração do solo (m/hr);
R: Área de contribuição/Área do pavimento;
Po: Porosidade do material (tipicamente 0,4 para pedras com
50 mm);
T: tempo para preenchimento do reservatório (tipicamente 2 horas).
Para os projetos que incluem um dreno no reservatório granular, a altura
dessa camada pode ser obtida pela equação:
!!á! =

!×!!

!!

Em que:
dmáx: altura abaixo do dreno (mm);
i: taxa de infiltração do solo (mm/h);
td: tempo de drenagem (recomendado 48 horas);
Po: Porosidade do material (tipicamente 0,4 para pedras com
50 mm).
·

Pré-tratamento: normalmente a superfície do pavimento atua como prétratamento do escoamento para a camada de reserva.

·

Entrada e saída: o projeto deve prever a instalação de um mecanismo de
transbordo que conecte a estrutura projetada com o sistema tradicional de

97

drenagem. A entrada é realizada através de toda a superfície da estrutura.
Em áreas com taxa de infiltração inferior a 15 mm/hr é necessária a
instalação de um dreno perfurado próximo ao topo da camada granular de
reserva.
·

Monitoramento: deve ser projetado um tubo vertical perfurado para
monitoramento do tempo de infiltração do mecanismo e verificar a
necessidade de manutenção. Além disso é necessário realizar a limpeza
periódica da superfície para evitar o entupimento dos poros.

·

Reservatório granular: esta camada deve ser projetada de forma a atender
a demanda de reserva bem como a demanda de suporte estrutural.

·

Camada geotêxtil: a utilização de uma camada geotêxtil entre o reservatório
granular e o solo é opcional, porém é uma estrutura interessante por prevenir
que os grãos do solo venham a entupir os espaços vazios existentes no
reservatório.

·

Restrições nas bordas: as bordas da estrutura devem ser projetada de
forma a fornecer estabilidade a superfície do pavimento, prevenindo a
movimentação das partes quando estiverem sobre o efeitos de cargas.
Podem ser utilizadas estruturas semelhantes a meios-fios como bordas do
pavimento.

Figura 30: Seção típica de pavimento permeável.
Fonte: ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CIMENTO PORTLAND, 2011.

7.7

DISCUSSÃO DAS PRÁTICAS DE DRENAGEM SUSTENTÁVEL
A Tabela 6 apresenta uma estimativa da redução no escoamento superficial

pelas práticas de drenagem sustentável apresentadas anteriormente. Essas
estimativas são apenas valores iniciais para balizar a escolha de tais práticas para

98

aplicação no manejo das águas pluviais urbanas. A eficiência de cada prática varia
com base nas especificidades do local de instalação e, portanto, deve ser
dimensionada levando em consideração tais características.
Tabela 6: Estimativa de redução no escoamento superficial para cada prática de drenagem
sustentável.

PRÁTICA
Aproveitamento de águas pluviais
Telhado verde
Poço e trincheira de infiltração
Sem dreno inferior
Bio-retenção
Com dreno inferior
Vala gramada
Sem dreno inferior
Faixa filtrante
Com dreno inferior
Sem dreno inferior
Pavimento permeável
Com dreno inferior

ESTIMATIVA DA REDUÇÃO NO
ESCOAMENTO SUPERFICIAL15
40%
45 a 55%
85%
85%
45%
25 a 50%
85%
45%
85%
45%

Fonte: (CREDIT VALLEY CONSERVATION; TORONTO AND REGION CONSERVATION, 2010).

Observa-se que todas as práticas apresentadas resultam em uma redução
estimada do escoamento superficial de pelo menos 25%, alcançando valores de até
85%. Sendo assim parece ser inegável a eficiência de tais mecanismos como
medidas de controle da drenagem urbana.
Técnicas que, além de resultarem na retenção do escoamento superficial, e
consequente redução das vazões de pico, promovem a infiltração no solo auxiliam
na promoção do reequilíbrio do ciclo hidrológico urbano, como é o caso dos poços e
trincheiras de infiltração, da bio-retenção, das faixas filtrantes, das valas gramadas e
do pavimento permeável. Outra vantagem que algumas das práticas sustentáveis
podem apresentar é melhoria da sensação térmica por preverem a incorporação de
vegetação em seu projeto. A cobertura vegetal é fundamental para o funcionamento
adequado

das

estruturas

as

quais

estão

associadas

estimulando

a

evapotranspiração, atuando na atenuação do efeito da urbanização convencional
sobre o ciclo hidrológico.
Uma das principais características que diferenciam as práticas apresentadas
do modelo clássico de drenagem é o repasse da responsabilidade pelo escoamento
superficial para o local de geração, ou seja, cada lote seria responsável por controlar
15

Vale ressaltar que os valores estimados foram produzidos levando em consideração as
características climáticas da região de Toronto, no Canadá. Sendo assim, são necessários estudos
aprofundados que considerem as características de áreas tropicais ou subtropicais para relacionar a
eficiência em cidades Brasileiras.

99

sua contribuição para o escoamento superficial urbano. Dessa forma verifica-se que,
para o funcionamento dessas medidas, é necessário haver um planejamento no
sentido de mobilizar e conscientizar a sociedade quanto ao emprego de tais
mecanismos.

7.8

APLICAÇÃO NA ÁREA URBANA DO MUNICÍPIO DE SÃO CARLOS
Nesse item são apresentados exemplos de aplicações das práticas de

drenagem sustentáveis discutidas nesse trabalho levando em consideração seu
benefício para a redução do escoamento superficial. Sendo assim são discutidos os
aspectos construtivos referentes ao caráter hidráulico e hidrológico. Numa situação
de projeto existem outros elementos a serem considerados para garantir a
viabilidade e eficiência de tais mecanismos.

7.8.1 Área de estudo
O município de São Carlos está inserido no Estado de São Paulo possuindo
uma população de 221.95016 habitantes, sendo a população urbana equivalente a
96% da total. A área de estudo está localizada na área urbana do município de São
Carlos em uma das principais avenidas da cidade, a Avenida São Carlos, próxima
ao cemitério municipal nas coordenadas 201543.20 mE e 7564186.24 mS da zona
23 K. A Figura 31 apresenta a área de estudo para a aplicação das práticas
sustentáveis de drenagem urbana.

Figura 31: Área de estudo para aplicação das práticas sustentáveis de drenagem.
Fonte: Adaptado de Google Earth Pro.
16

IBGE, Censo Demográfico 2010.

100

Trata-se de um terreno comercial, mais especificamente um supermercado.
A Tabela 7 apresenta as principais dimensões da área de estudo. Os valores foram
obtidos com o uso do Google Earth Pro através das ferramentas de cálculo de área
e distância.
Tabela 7: Principais dimensões da área de estudo.

LEGENDA

DIMENSÃO
5.939 m2
2.868 m2
2.303 m2
108,74 m

Área total
Área do telhado
Área do estacionamento
Maior distância
7.8.2 Estudo hidrológico da área

Nesse estudo considerou-se o período de retorno como sendo de 10 anos
(valor típico para elementos de microdrenagem) para uma chuva de 1 hora de
duração. Para o cálculo da chuva de projeto utilizou-se a equação geral para o
município de São Carlos, conforme BARBASSA (1991). A equação com os devidos
parâmetros é apresentada a seguir:
! = 25,330

10!,!"#
(60 + 16,000)!,!"#

Sendo assim, uma chuva com período de retorno de 10 anos produz uma
precipitação de 45,93 mm/h.

Para o cálculo da vazão de projeto utilizou-se o método racional (uma vez
que a área em questão é menor do que 2 km2). Por se tratar de uma área altamente
urbanizada (quase completamente impermeabilizada) considerou-se o coeficiente de
escoamento superficial como sendo 0,95, como pode ser observado na equação a
seguir:
! = 0,278×0,95×45,63×!
Onde:
Q: vazão máxima (m3/s)
0,278: fator de correção de unidade
A: área (km2)

101

A tabela a seguir apresenta as vazões para a chuva de projeto calculada. Os
valores são referentes à área total estudada bem como à área do telhado e à área
do estacionamento.
Tabela 8: Vazões de pico para a área de estudo.

DESCRIÇÃO
Área total
Área do telhado
Área do estacionamento

ÁREA (km2)
0,005939
0,002868
0,002303

VAZÃO DE PICO
(m /s)
(L/s)
0,07157
71,57
0,03456
34,56
0,02775
27,75
3

Sendo assim é possível estimar o volume total de água que será produzido
por uma chuva de uma hora de duração e 10 anos de período de retorno. Para tanto
utilizou-se o hidrograma do método racional.
O primeiro passo foi calcular o tempo de concentração e, para tanto, utilizouse o método cinemático, considerando que só ocorra escoamento superficial e que a
declividade seja de 0,1%, conforme apresentado a seguir:

!! =

!
108,74
=
= !, !"!!"#
!,!
(6,10×! )×60 (6,10×0,001!,! )×60

Como a duração da chuva (d) é superior ao tempo de concentração (tc) o
hidrograma do método racional possuirá um formato trapezoidal, conforme
apresentado na Figura 32.

Figura 32: Hidrograma trapezoidal do método racional.
Fonte: Adaptado de (TOMAZ, 2013).

Os volumes produzidos pela chuva de projeto estão dispostos na Tabela 9.
Estes volumes podem ser obtidos pela área do trapézio do hidrograma do método
racional.

102
Tabela 9: Volumes produzidos para a chuva de projeto.

DESCRIÇÃO
Área total
Área do telhado
Área do estacionamento

VOLUME PRODUZIDO
(m3)
(L)
108,65
108.647,57
52,47
52.466,95
42,13
42.130,89

7.8.3 Práticas aplicáveis para redução do escoamento superficial
7.8.3.1 Aproveitamento de águas pluviais
Por se tratar de uma área comercial a instalação de uma cisterna apresentase como uma opção interessante tanto do ponto de vista da drenagem quanto do
ponto de vista econômico, pois a água armazenada pode ser utilizada para limpeza
da área externa, por exemplo.
Construtivamente é mais fácil projetar uma cisterna que armazene a água
proveniente do telhado e esteja localizada acima do nível da superfície (opção 1).
Porém, esta opção pode não ser tão interessante por utilizar uma área significante
da superfície disponível no terreno. Pode-se optar por uma cisterna que retenha a
água do telhado, mas que esteja enterrada, aumentando o nível de dificuldade da
obra, mas reduzindo o uso da área superficial do terreno (opção 2). Por fim pode-se
construir uma cisterna capaz de armazenar tanto a água do telhado quanto a do
estacionamento, porém há uma maior complexidade construtiva, uma vez que a
água escoada pelo estacionamento deve ser encaminhada para a cisterna,
aumentando o custo da obra (opção 3). A Tabela 10 apresenta as possíveis
reduções no escoamento superficial para as alternativas propostas.
·

Opção 1: para esta opção, como o espaço pode ser um fator limitante, optouse por uma cisterna com 3 metros de comprimento por 2 metros de largura e
2 metros de altura.

·

Opção 2: por ser enterrada o sistema pode ter dimensões maiores, porém
não deve ser muito profunda por questões construtivas e para não atingir o
lençol freático. Optou-se por duas cisternas com 4 metros de comprimento
por 3 metros de largura e 1,8 metros de altura.

·

Opção 3: nessa situação dobrou-se o número de cisternas da opção 2,
mantendo as mesmas dimensões.

103
Tabela 10: Redução do escoamento superficial com o uso de cisternas.

OPÇÃO
1
2
3

CAPACIDADE DE
ARMAZENAMENTO
12,0 m3
43,2 m3
86,4 m3

REDUÇÃO DO ESCOAMENTO
SUPERFICIAL
11,04%
39,76%
79,52%

7.8.3.2 Telhado verde
Nesse estudo considerou-se apenas a participação da camada porosa para
retenção da água da chuva, admitindo-se porosidade de 40%. Além disso
considerou-se que esta prática pudesse ser instalada em toda a área telhada e que
o telhado verde a ser instalado fosse do tipo extensivo, devido a sua maior facilidade
de instalação e operação e menor custo associado. Considerou-se 2 opções para a
espessura da camada porosa ou camada de drenagem, 3 ou 5 centímetros. A
Tabela 11 apresenta os valores encontrados.

Tabela 11: Redução do escoamento superficial com o uso de telhado verde.

ESPESSURA
3 cm
5 cm

CAPACIDADE DE
ARMAZENAMENTO
34,42 m3
57,36 m3

REDUÇÃO DO ESCOAMENTO
SUPERFICIAL
31,68%
48,29%(a)ii

(a)

Como a capacidade de armazenamento ultrapassa o volume de chuva que incide no telhado
utilizou-se o volume produzido para o cálculo da redução do escoamento superficial.

7.8.3.3 Poço de infiltração
Considerando que o poço não possuirá dreno inferior e utilizando equação
apresentada no item 7.3 em conjunto com a taxa de infiltração conforme o Quadro
10 tem-se a seguinte expressão para a obtenção da espessura máxima (dmáx) do
poço de infiltração:
!!á! = 7,62×48 0,40 = !"#, !!!!
Quadro 10: Estimativa da infiltração final de Horton.

TIPO DE SOLO
Solo argiloso com areia, silte e húmus
Solo arenoso argiloso
Solo siltoso com areia, silte e húmus
Solo arenoso
Fonte: AKAN, 1993.

TAXA DE INFILTRAÇÃO (mm/h)
0 a 1,27
1,27 a 3,81
3,81 a 7,62
7,62 a 11,43

104

Como a área está inserida na formação Itaqueri, composta por arenitos mal
selecionados, médios a grosseiros, imaturos com níveis conglomeráticos basais,
considerou-se a taxa de infiltração como sendo 7,62 mm/hr.
Foram consideradas duas possibilidades, na primeira o poço de infiltração
receberia somente o escoamento proveniente do telhado enquanto que na segunda
receberia também o escoamento do estacionamento. As implicações são
semelhantes as apresentadas para as opções 2 e 3 do aproveitamento de águas
pluviais (item 7.8.3.1). A Tabela 12 apresenta as possíveis reduções no escoamento
superficial para as alternativas propostas.
Opção 1: optou-se por 4 poços com 6 metros de comprimento por 2 metros

·

de largura e 0,9 metros de altura.
Opção 2: nessa situação dobrou-se o número de poços de infiltração da

·

opção anterior, mantendo as mesmas dimensões.
Tabela 12: Redução do escoamento superficial com o uso de poços de infiltração.

OPÇÃO
1
2

CAPACIDADE DE
ARMAZENAMENTO
17,28 m3
34,56 m3

REDUÇÃO DO ESCOAMENTO
SUPERFICIAL
15,90%
31,81%

O anexo D apresenta um esquema de poço de infiltração abaixo de um
estacionamento de um estabelecimento comercial.

7.8.3.4 Bio-retenção
No dimensionamento do bio-retentor foram analisadas duas alternativas,
ambas considerando que não seria instalado um dreno inferior na estrutura. A
primeira alternativa consiste na instalação de um bio-retentor para o armazenamento
e infiltração do escoamento do telhado e a segunda alternativa somando mais um
bio-retentor para o escoamento do estacionamento. Em ambos os casos a
capacidade de redução do escoamento superficial foi avaliada apenas com base na
capacidade de reserva e infiltração da camada de cascalho acrescida da lâmina
d'água na superfície da estrutura.
Vale ressaltar que, embora este tipo de prática necessite de espaço na
superfície, também fornece a oportunidade de que se integre elementos
paisagísticos ao projeto, o que interessante para empreendimentos comerciais.

105

Para bio-retentores sem dreno inferior a profundidade necessária (dmáx) foi
calculada seguindo a equação apresentada no item 7.4 e considerando a mesma
taxa de infiltração utilizada anteriormente. Além disso considerou-se que a lâmina
d'água na superfície do bio-retentor pode atingir até 50 mm. A equação assume a
seguinte forma:
!!á! = 7,62×

50
(48 - 7,62)

0,4 = !"#, !!!!

A Tabela 13 apresenta as possíveis reduções no escoamento superficial
para as alternativas propostas.
Opção 1: optou-se por 2 bio-retentores com 6 metros de comprimento por 2

·

metros de largura e 0,75 metros de altura da camada filtrante.
Opção 2: nessa situação dobrou-se o número de poços de infiltração da

·

opção 1, mantendo as mesmas dimensões.
Tabela 13: Redução do escoamento superficial com o uso de poços de infiltração.

OPÇÃO
1
2

CAPACIDADE DE
ARMAZENAMENTO
7,68 m3
15,36 m3

REDUÇÃO DO ESCOAMENTO
SUPERFICIAL
7,07%
14,14%

7.8.3.5 Faixa filtrante e vala gramada
Tendo vista o perfil de ocupação da área de estudo verifica-se que a
aplicação dessas práticas sustentáveis não são adequadas, uma vez que, como já
explicado anteriormente, essas práticas são de difícil implementação em áreas
densamente ocupadas, como é o caso da área estudada. Exemplificando a limitação
de emprego dos mecanismos apresentados em determinadas circunstâncias de
ocupação urbana. Além disso esses tipos de práticas, devido a sua característica
linear, é mais compatível com áreas maiores, como condomínios, ruas e avenidas
em estágio de planejamento.

7.8.3.6 Pavimento permeável
Considerando a característica de infiltração do solo local, conforme
apresentada anteriormente (7,62 mm/hr), o dimensionamento do pavimento
permeável incluiu a instalação de um dreno inferior e, sendo assim, a altura da
camada de reserva é calculada seguindo a equação:

106

!!á! = 7,62×48 0,4 = 914,4!!!
Assim como nas demais práticas para efeito de verificação da capacidade
de redução do escoamento superficial considerou-se a capacidade de reserva na
camada granular. Para esta estimativa adotou-se a área do pavimento permeável
como sendo um quarto da área do estacionamento, ou seja, 575 m2 e que 1/3 do
volume escoado ou infiltrado é drenado para o sistema convencional de drenagem
urbana.
Tabela 14: Redução do escoamento superficial com o uso de poços de infiltração.

OPÇÃO
575 m2 x 0,5 m

CAPACIDADE DE
ARMAZENAMENTO
38,33 m3

REDUÇÃO DO ESCOAMENTO
SUPERFICIAL
35,28%

7.8.4 Comparação das práticas adotadas quanto à redução do escoamento pluvial
A Tabela 15 expressa a comparação entre as práticas de drenagem
sustentável aplicáveis à área de estudo quanto a redução do escoamento superficial.
Tabela 15: Comparação entre as práticas adotadas para a redução do escoamento superficial.

PRÁTICA
Aproveitamento de águas
pluviais
Telhado verde
Poço de infiltração
Bio-retenção
Pavimento permeável

CAPACIDADE DE
OPÇÃO
ARMAZENAMENTO
1
2
3
3 cm
5 cm
1
2
1
2
única

12,0 m3
43,2 m3
86,4 m3
34,42 m3
57,36 m3
17,28 m3
34,56 m3
7,68 m3
15,36 m3
38,33 m3

REDUÇÃO DO
ESCOAMENTO
SUPERFICIAL
11,04 %
39,76 %
79,52 %
31,68 %
48,29 %
15,90 %
31,81 %
7,07 %
14,14 %
35,28%

Dentre as práticas apresentadas, a cisterna (aproveitamento de águas
pluviais) resultou na maior redução do escoamento superficial, aproximadamente
80%, quando considerada a opção 3. Além da retenção do escoamento superficial
esse tipo de mecanismo proporciona a oportunidade de se empregar a água
reservada para outros usos. A principal desvantagem de utilização dessa prática é
dificuldade construtiva, existe a necessidade de escavar uma área extensiva,

107

impossibilitando o uso do estacionamento durante o período de implementação da
obra.
A prática do telhado verde também apresentou uma significante eficiência de
redução do escoamento superficial, alcançando valores próximos a 49% do total.
Porém vale ressaltar que o dimensionamento levou em consideração somente a
capacidade de armazenamento da camada especifica para este fim. Para valores
mais próximos da realidade devem ser considerados elementos como a taxa de
infiltração do solo e a lâmina d'água admissível na superfície da estrutura. A
principal desvantagem do mecanismo é a complexidade construtiva, necessitando
projetos que adequem a estrutura do telhado para suportar o peso da estrutura.
O pavimento permeável apresentou uma redução de 35% do escoamento
superficial, porém é uma prática que demandaria a reconstrução de grande parte do
estacionamento. Os valores obtidos são preliminares pois dependem da altura da
lâmina d'água na superfície da estrutura e de estudos da capacidade de infiltração
do solo.
O

poço

de

infiltração

apresenta

uma

eficiência

de

até

32%,

aproximadamente. Para este tipo de mecanismo um dos principais parâmetros
restritivos é a taxa de infiltração do solo, limitando a altura das células a serem
instaladas. A desvantagem dessa prática é apenas momentânea, fato semelhante
ao ocorrido em relação à cisterna, ou seja, a restrição ao uso do estacionamento
durante sua instalação.
A bio-retenção foi a prática que resultou menores reduções do escoamento
superficial, com valores de até 14%. Esse fato é observado devido a necessidade de
se utilizar áreas superficiais para a instalação da estrutura. Como grande parte da
área é ocupada por estacionamento para os clientes do supermercado, a aplicação
fica restrita a áreas marginais do terreno.
Considerando as técnicas apresentadas verifica-se, portanto, que a
instalação de cisternas subterrâneas seriam a prática mais adequada às
características da área de estudo, resultando em uma grande redução na
contribuição do lote com o escoamento superficial.

108

8

CONCLUSÃO
Desde os primórdios da formação das sociedades humanas foi verificada a

necessidade de interação com o ciclo hidrológico. Ao longo de milhares de anos as
maneiras pelas quais o ser humano passou a se relacionar com esses elementos
mudou. Novas técnicas, novos mecanismo, novas maneiras de pensar, agir e
planejar foram desenvolvidas para proporcionar soluções para as diversas
consequências da ocupação e alteração do meio físico pelas comunidades
humanas. O modelo de resposta também se modificou ao longo dos anos, o
planejamento tornou-se uma ferramenta fundamental para nortear as maneiras pela
qual o desenvolvimento deveria ocorrer.
No ambiente das cidades tem-se o planejamento urbano como elemento
fundamental para promover não somente o desenvolvimento nos âmbitos social e
econômico, mas, principalmente a partir do final do último século, incluir a
perspectiva ambiental. O manejo das águas superficiais urbanas está inserido dentro
do contexto do planejamento urbano e integra o novo modelo de planejar que
agregue o impacto ao meio ambiente.
As deficiências do sistema de drenagem urbana encontradas na maioria das
cidades brasileiras atualmente impactam não somente a qualidade do meio
ambiente físico, mas também geram graves problemas para as comunidades locais,
devido a ocorrência de enchentes e inundações. Esses sistemas de drenagem ainda
tem por prerrogativa o modelo de escoamento rápido, lançando volumes cada vez
maiores de água para jusante sem nenhum controle, tornando-se obsoletos com o
avanço da urbanização e sua consequente impermeabilização do solo.
Com a finalidade de se reverter este quadro é necessário incluir o uso de
práticas de drenagem que, ao invés de promoverem o escoamento superficial,
foquem na retenção das águas pluviais o mais próximo possível de sua fonte. Ao se
adotar tais práticas, diminui-se a carga aportada pelo sistema de drenagem clássico,
além de aumentar a parcela de água infiltrada, revertendo alguns dos efeitos
negativos da urbanização e contribuindo para o reequilíbrio do ciclo hidrológico.
A utilização de tais práticas, como apresentado nesse trabalho, é uma
maneira eficiente de se reduzir o volume escoado pelo sistema de drenagem
urbana, porém integra um conjunto de medidas a serem incluídas no planejamento
da drenagem urbana que necessitam de participação social ativa. Ao compartilhar a

109

responsabilidade da gestão da drenagem urbana com a sociedade é necessário
que, primeiramente, haja um extensivo programa de educação ambiental voltado a
informar a todos os interessados os benefícios associados ao planejamento e
emprego de tais práticas bem como os deveres referentes a manutenção do mesmo
e da importância da participação efetiva para o funcionamento adequado do sistema.
As práticas sustentáveis de drenagem podem representar alternativas
financeiramente viáveis para solucionar os defeitos existentes no modelo clássico de
drenagem, possibilitando sua utilização de modo extensivo nos centros urbanos
brasileiros.
Ao se aplicar essas práticas de drenagem sustentável na área de estudo
apresentada nesse trabalho foi possível verificar numericamente, de maneira
preliminar, os benefícios associados ao seu emprego na redução do escoamento
superficial. Para cada tipo de ocupação (residencial, comercial e industrial) existem
práticas que melhor se adequem, ainda levando em consideração o grau de
urbanização no qual a área a se implantar as práticas esteja inserida.
Verifica-se então que, para o sucesso das práticas de drenagem
sustentável, é necessário haver primeiramente o interesse do setor publico,
inserindo tais mecanismos no planejamento urbano e promovendo a participação da
sociedade. Dessa forma, residências, estacionamentos, subúrbios, praças, calçadas,
prédios públicos, áreas comerciais e industriais, deverão ser dotados de tais
mecanismos. A eficiência desse tipo de prática depende da extensão da adesão ao
seu uso. É necessário, portanto, que sejam previstas formas de divulgação dessas
práticas.

110

9

BIBLIOGRAFIA

BIDONE, F. R.; TUCCI, C. E. M. Microdrenagem. In: TUCCI, C. E. M.; PORTO, R.
M.; BARROS, M. T. Drenagem Urbana. Porto Alegre: Editora da Universidade,
1995. p. 77-105.
BISHOP, M. The Middle Ages. Boston: Houghton Mifflin Company , 1968.
BRASIL. Caderno metodológico para ações de educação ambiental e
mobilização social em saneamento. Ministério das Cidades. Brasília, p. 100. 2009.
BURIAN, S. J.; EDWARDS, F. G. Historical Perspectives of Urban Drainage.
Global Solutions for Urban Drainage. [S.l.]: American Society of Civil Engineers.
2002. p. 16.
CAHILL ASSOCIATES. Stormwater Management Systemas: Porous Pavement
with Underground Recharge Beds. West Chester: [s.n.], 1993.
CANHOLI, A. P. Drenagem Urbana e Controle de Enchente. São Paulo: Oficina de
Textos, 2009.
CAPACIDADES. Programa Nacional de Capacitação das Cidades - Curso:
Reabilitação Urbana com foco em Áreas Centrais. Brasília: Secretaria Nacional de
Acessibilidade e Programas Urbanos - SNAPU, v. Módulo 1 - Unidade 1, 2013.
CREDIT VALLEY CONSERVATION; TORONTO AND REGION CONSERVATION.
Low Impact Development Stormwater Management Planning and Design
Guide. Toronto: [s.n.], 2010.
DANIEL, G. The First Civilisations: The Archaeology of their Origins. Londres:
Thames and Hudson, 1968.
DEÁK, C.; SCHIFFER, S. R. O Processo de Urbanização no Brasil. Segunda. ed.
São Paulo: EdUSP, 1999.
DRENAGEM URBANA. Manual de Projeto. Segunda Edição. ed. São Paulo: DAEE:
CETESB, 1980.
FERGUNSON, B. K. Porous Pavements. Integrative Studies in Water
Management and Land Development. New York: Taylor and Francis, 2005.
FERNANDES,

C.

Microdrenagem,

um

estudo

inicial.

Campina

Grande:

DEC/CCT/UFPB, 2002. 196 p.
FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE. Orientações básicas para
drenagem urbana. Belo Horizonte: FEAM, 2006.

111

FUNDAÇÃO JOÃO PINHEIRO. Saneamento Básico em Belo Horizonte: Trajetória
em 100 Anos. Belo Horizonte: Sistema Estadual de Planejamento, 1997.
GEST, A. P. Engineering. In: ROBINSON, G. D.; HADZSITS, D. M. Our debt to
Greece and Rome. Nova Iorque: Cooper Square Publishers, Inc., 1963.
GOUVÊA, R. G. A questão metropolitana no Brasil. Rio de Janeiro: FGV Editora,
2005.
GRAY, H. F. Sewerage in ancient and mediaeval times. Sewage Works Journal , v.
12, n. 5, p. 939-946, Setembro 1940.
HILL, D. A history of engineering in classical and medieval times. Londres:
Croom Helm Ltd. , 1984.
HOCHMAN, G. A era do saneamento: as bases da política de saúde pública no
Brasil. São Paulo: Editora Hucitec, 1998.
HODGE, A. T. Roman aqueducts & water supply. Londres: Gerald Duckworth &
Co. Ltd. , 1992.
JÚNIOR, A. R. B. Escoamento Superficial. Elementos de Hidrologia Aplicada.
Disponivel

em:

. Acesso em: 11 ago. 2014.
KIRKMAN, E. Architecture in the Era of Napoleon III. Haussmann's Paris The Art
History

Archive

-

Architecture,

2007.

Disponivel

em:

. Acesso em: 04 Junho 2014.
KRUPA, F. Parisian Sanitation from 1200-1789. Paris - urban sanitation before the
20th

century.

Disponivel

em:

. Acesso em: 04 Junho 2014.
MARYLAND, P. G. C. Low-impact Development Design Strategies. Largo:
Department of Environmental Resource/ Programs and Planning Division, 1999.
MERO, F.; SALEMI FILHO, A.; MAGNI, N. L. G. &. P. B. Análise das precipitações
intensas na cidade de São Paulo. São Paulo: Comunicação Técnica - Centro
Tecnológico de Hidráulica, 1979. 98 p.
MORRIS, A. E. J. Historia De La Forma Urbana. [S.l.]: Editorial Gustavo Gili, 1998.
480 p.
NETO,

A.

C.

Agência

Nacional

das

Águas,

[200-?].

Disponivel

em:

. Acesso em: 30 Junho
2014.
NIEMCZYNOWICZ, J. State of the art in urban stormwater design and research,
Kuala Lumpur, Malaysia, 12-14 Novembro 1997. Invited paper presented at the
Workshop and Inaugural Meeting of UNESCO Center for Humid Tropics Hydrology.
PELUSO, M. L. Brasília: do mito ao plano, da cidade sonhada à cidade
administrativa. Espaço & Geografia , Brasília, 6, Dezembro 2003. 1-29.
REID, D. Paris sewers and sewermen - realities and representations. Londres:
Harvard University Press, 1991.
REZENDE, S. C.; HELLER, L. O Saneamento no Brasil - Políticas e Interfaces.
Belo Horizonte: EDITORAufmg, 2008.
SÃO PAULO (CIDADE). Diretrizes para projetos de hidráulica e drenagem. São
Paulo: Secretaria de Vias Públicas: Superintendências de projetos e deobras, 1999.
SÃO PAULO (CIDADE). Manual de drenagem e manejo de águas pluviais:
aspectos

tecnológicos;

fundamentos.

São

Paulo:

Secretaria

Municipal

de

Desenvolvimento Urbano, 2012.
SECRETARIA NACIONAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL. Águas Pluviais:
planejamento setorial de drenagem urbana: guia do profissional em treinamento:
nível 2. Salvador: ReCESA , 2008.
SILVA, J. A. D. Direito Urbanístico Brasileiro. São Paulo: Malheiros, 2006.
SILVEIRA, A. L. L. D. Hidrologia Urbana no Brasil. In: TUCCI, C. E. M.; MARQUES,
D. M. L. D. M. Avaliação e Controle da Drenagem Urbana. Porto Alegre: Editora
da Universidade UFRGS, 2000.
SILVEIRA, A. L. L. D. Drenagem Urbana - Aspectos de Gestão. POrto Alegre:
IPH-UFRGS e Fundo Setorial de Recursos Hídricos (CNPq), 2002.
SOUZA, C. F.; GONÇALVES, L. S.; GOLDENFUM, J. A. Planejamento Integrado
do Sistema de Drenagem Urbana. Porto Alegre: IPH-UFRGS, 2007.
SOUZA, C. F.; TUCCI, C. E. M. Desenvolvimento Urbano de Baixo Impacto.
Porto Alegre: IPH/UFRGS, 2005.
TOMAZ, P. Curso de Manejo de Águas Pluviais, 2013. Disponivel em:
. Acesso em: 11 ago. 2014.
TUCCI, C. E. M. Gerenciamento da drenagem urbana. Revista Brasileira de
Recursos Hídricos, v. 7, p. 5-27, Jan/Mar 2002.

113

TUCCI, C. E. M. Urban Flood Management. Porto Alegre: World Meteorological
Organization, 2007.
TUCCI, C. E. M.; BERTONI, J. C. Inundações Urbanas na América do Sul. Porto
Alegre: Associação Brasileira de Recursos Hídricos, 2003.
TUCCI, C. E. M.; MARQUES, D. M. L. D. M. Avaliação e controle da drenagem
urbana. Porto Alegre: Ed. da Universidade/UFRGS, 2000.
UFG; LOUGHBOROUGH UNIVERSITY. Drenagem Urbana no Brasil. Relatório do
Workshop em Goiânia-GO. Goiânia, p. 24. 2003.
VILLAÇA, F. Uma contribuição para a história do planejamento urbano no Brasil. In:
DEÁK, C.; SCHIFFER, S. R. O Processo de Urbanização no Brasil. Segunda. ed.
São Paulo: Fupam, 2010.

114

10 ANEXOS
10.1 ANEXO A ­ CONSTANTES PARA A EQUAÇÃO USUAL

115

10.2 ANEXO B ­ CONSTANTES PARA A EQUAÇÃO ENG. OTTO PFAFSTETTER
Valores de .
Minutos
5
15
30


0,108

0,122

0,138

Fonte: Pfafstetter, 1982.

Valores de .

1

2

0,156

0,166

Duração
Horas
4
8
14
0,174

0,176

0,174

24

48

3

Dias
4

0,170

0,166

0,160

0,156

6
0,152

116

117

10.3 ANEXO C ­ CONSTANTES PARA A EQUAÇÃO TIPO "LNLN"

118

10.4 ANEXO D ­ CONSTANTES PARA A EQUAÇÃO DAEE

ANEXO E ­ EXEMPLOS DE POÇOS E TRINCHEIRAS DE INFILTRAÇÃO

Fonte: (CREDIT VALLEY CONSERVATION; TORONTO AND REGION CONSERVATION, 2010)

Exemplo de poço de infiltração numa rotatória (rotunda).

1.1

119

120

Vista em planta de uma trincheira de infiltração abaixo de uma rua.

Fonte: (CREDIT VALLEY CONSERVATION; TORONTO AND REGION CONSERVATION, 2010)

Fonte: (CREDIT VALLEY CONSERVATION; TORONTO AND REGION CONSERVATION, 2010).

Vista em corte de uma trincheira de infiltração abaixo de uma rua.

121

122

Esquema de câmaras de infiltração abaixo de um estacionamento.

Fonte: (CREDIT VALLEY CONSERVATION; TORONTO AND REGION CONSERVATION, 2010).