Andreia Aparecida Guimarães Strohschoen
Franciele Dietrich
Luana Carla Salvi

BIOLOGIA TECIDUAL
ATLAS VISUAL - TESTES

Andreia Aparecida Guimarães Strohschoen
Franciele Dietrich
Luana Carla Salvi

BIOLOGIA TECIDUAL:
ATLAS VISUAL - TESTES

1ª edição

Lajeado, 2013

Coordenação e revisão final: Ivete Maria Hammes
Editoração: Bruno Henrique Braun e Marlon Alceu Cristófoli
Capa: Bruno Henrique Braun
Avelino Tallini, 171 - Bairro Universitário - Cx. Postal 155 - CEP 95900-000,
Lajeado - RS, Brasil. Fone: (51) 3714-7024 / Fone/Fax: (51) 3714-7000
E-mail: [email protected] / http://www.univates.br/editora

S919

Strohschoen, Andreia Aparecida Guimarães
Biologia Tecidual: atlas visual - teses / Andreia
Aparecida Guimarães Strohschoen, Franciele Dietrich,
Luana Carla Salvi - Lajeado: Ed. da Univates, 2012.
128 p.
ISBN 978-85-8167-043-0
1. Histologia. 2. Biologia tecidual. 3. Atlas. I. Título
CDU: 57.086(084.4)

Ficha catalográfica elaborada por Nalin Ferreira da Silveira CRB 10/2186

Todos os textos são de exclusiva
responsabilidade das autoras.
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

-3-

DADOS CADASTRAIS DAS AUTORAS

ANDREIA APARECIDA
GUIMARÃES STROHSCHOEN
Graduação
em
Licenciatura
em
Ciências com habilitação Plena em
Biologia pelo Centro Universitário
UNIVATES (1998). Especialização em
Planejamento e Gestão Ambiental pelo
Centro Universitário UNIVATES (2000).
Mestrado em Biologia Animal pela
Universidade Federal do Rio Grande
do Sul (UFRGS) (2002) e Doutorado em
Ciências: Ecologia pela Universidade
Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
(2011). É professora do Departamento
de Ciências Biológicas e da Saúde do
Centro Universitário UNIVATES, nos
cursos de graduação, especialização e
no Programa de Mestrado em Ensino de
Ciências Exatas.

BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

FRANCIELE DIETRICH

LUANA CARLA SALVI

Graduação em Ciências Biológicas
Licenciatura
Plena
pelo
Centro
Universitário UNIVATES (2010). Mestre
em Medicina e Ciências da Saúde, área
de concentração Clínica Cirúrgica,
pela Pontifícia Universidade Católica
do Rio Grande do Sul (PUCRS/2012).
Possui experiência em Histotecnologia,
atuando em pesquisas em sua
maioria experimentais, envolvendo a
bioengenharia de tecidos, tais como a
terapia celular, regeneração e reparo
tecidual. Além disso, atua na área da
pesquisa no Laboratório de Habilidades
Médicas e Pesquisa Cirúrgica (LHMPC),
da Faculdade de Medicina da PUCRS.

Graduanda em Ciências Biológicas Bacharelado pelo Centro Universitário
UNIVATES. É Funcionária Pública
na Prefeitura Municipal de Lajeado e
Estagiária no Projeto de Melhoria da
Qualidade do Ensino das Disciplinas
Biológicas dos Cursos da Área da
Saúde - Qualificação em Estatística
aplicada à pesquisa nas Ciências da
Saúde e capacitação em Museologia,
desenvolvido pela UNIVATES.

-4-

APRESENTAÇÃO
A Biologia Tecidual é fundamental
para diversos campos, especialmente a
área da saúde. Aliar a teoria à prática
muitas vezes acaba se tornando um fator
complicador na histologia humana. Deter
o conhecimento de todas as estruturas
celulares é fator relevante para
profissionais associados à área da saúde
bem como pesquisadores clínicos e
experimentais. Como a Biologia Tecidual
é um assunto basicamente visual,
torna-se
imprescindível
ilustrações
que auxiliem em seu estudo. Assim, o
presente material foi organizado como
um auxiliar das aulas práticas de Biologia
Tecidual tanto para cursos de graduação
quanto para pós-graduação.

Esta proposta faz parte de um projeto
institucional denominado: Proposta de
melhoria da qualidade do ensino das
disciplinas biológicas dos cursos da área
da saúde, qualificação em estatística
aplicada à pesquisa nas Ciências da
Saúde e capacitação em Museologia,
implementado no Centro Universitário
UNIVATES, Lajeado/RS.
Espera-se que a utilização de aulas
práticas nos laboratórios de microscopia
e as atividades laboratoriais de
pesquisadores destas áreas permitam
aos
estudantes
e
pesquisadores
visualizar com maior facilidade as
estruturas histológicas.
As autoras

BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

-5-

AGRADECIMENTO
Agradecemos ao Centro Universitário
UNIVATES pela disponibilidade das
lâminas histológicas para a realização
das imagens, e também pelo apoio
financeiro para a execução deste projeto.
Igualmente, agradecemos ao Professor
Doutor Vinícius Duval da Silva, pelos
empréstimos da sala de Patologia do
Hospital São Lucas da PUCRS, onde
todas as imagens foram obtidas.
As autoras

BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

-6-

SUMÁRIO

BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

CÉLULAS EUCARIONTES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
CÉLULA VEGETAL - MITOSE. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
TECIDO EPITELIAL SIMPLES CÚBICO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
TECIDO EPITELIAL SIMPLES CÚBICO E SIMPLES PAVIMENTOSO . . . . . . . . . . . . . . . 22
TECIDO EPITELIAL SIMPLES CILÍNDRICO. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
TECIDO EPITELIAL ESTRATIFICADO PAVIMENTOSO NÃO QUERATINIZADO. . . . . 27
TECIDO EPITELIAL ESTRATIFICADO PAVIMENTOSO QUERATINIZADO. . . . . . . . . . 29
TECIDO EPITELIAL PSEUDOESTRATIFICADO. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
TECIDO EPITELIAL DE TRANSIÇÃO (UROTÉLIO). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
TECIDO EPITELIAL GLANDULAR . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
TECIDO EPITELIAL GLANDULAR ENDÓCRINO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
TECIDO CONJUNTIVO ESPECIAL - SANGUE. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
TECIDO CONJUNTIVO FROUXO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
TECIDO CONJUNTIVO DENSO NÃO MODELADO. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
TECIDO CONJUNTIVO DENSO MODELADO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
TECIDO CONJUNTIVO ADIPOSO. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77
TECIDO CARTILAGINOSO HIALINO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
TECIDO CARTILAGINOSO ELÁSTICO. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86
TECIDO ÓSSEO COMPACTO. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
TECIDO MUSCULAR ESTRIADO ESQUELÉTICO. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98
TECIDO MUSCULAR ESTRIADO CARDÍACO. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102
TECIDO MUSCULAR LISO. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110
TECIDO NERVOSO. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 124
GABARITO. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 132
REFERÊNCIAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 144

-7-

A

B

CÉLULAS
As células são as unidades funcionais
básicas
dos
organismos
vivos.
Apresentam membrana citoplasmática,
citoplasma com organelas e núcleo.
Quando elas estão relacionadas entre
si, agrupam-se formando TECIDOS
(JUNQUEIRA; CARNEIRO, 2007).
A)

B)

Corte de bexiga urinária, representando o
tecido epitelial.
AUM. 400X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

-8-

CÉLULA ANIMAL
A)

B)

A
B

Corte da glândula tireóide, representando o
tecido epitelial.
AUM. 400X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

-9-

CÉLULA ANIMAL
A)

A

B)

B

Corte de pele grossa, representando tecido
epitelial.
AUM. 400X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 10 -

CÉLULA VEGETAL
A)

A

Corte de epiderme de cebola, representando as células vegetais.
AUM. 50X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 11 -

CÉLULA VEGETAL
A)

A

Corte de epiderme de cebola, representando as células vegetais.
AUM. 100X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 12 -

CÉLULA VEGETAL
A)

A

Corte de epiderme de cebola, representando as células vegetais.
AUM. 400X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 13 -

CÉLULA VEGETAL - MITOSE
A)

A

Corte de raiz de cebola, representando as
células vegetais.
AUM. 50X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 14 -

CÉLULA VEGETAL - MITOSE
A)

A

Corte de raiz de cebola, representando as
células vegetais.
AUM. 100X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 15 -

CÉLULA VEGETAL - MITOSE
A)

B)

C)

A

D)

C

E)

B
E

D

BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

Corte de raiz de cebola, representando as
células vegetais.
AUM. 400X

- 16 -

A

CÉLULA VEGETAL - MITOSE
A)

C

B

B)

C)

Corte de raiz de cebola, representando as
células vegetais.
AUM. 400X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 17 -

CÉLULA VEGETAL - MITOSE
A)

B)

C)

A

B

C

Corte de raiz de cebola, representando as
células vegetais.
AUM. 400X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 18 -

TECIDO EPITELIAL
SIMPLES CÚBICO
Apresenta uma camada de células
cúbicas, sendo comum nos ductos
de muitas glândulas, cobertura do
ovário, formando os túbulos renais
(JUNQUEIRA; CARNEIRO, 2007).

A)

A

Corte de útero, corado com Hematoxilina e
Eosina (HE), apresentando cortes transversais de ductos de glândulas uterinas.
AUM. 50X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 19 -

TECIDO EPITELIAL
SIMPLES CÚBICO
A)

B)

C

B

C)

A

Corte de útero, corado com Hematoxilina e
Eosina, apresentando cortes transversais
de ductos de glândulas uterinas. Na periferia visualiza-se o tecido epitelial simples cilíndrico e internamente visualiza-se tecido
conjuntivo frouxo.
AUM. 100X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 20 -

TECIDO EPITELIAL
SIMPLES CÚBICO
A)

B)

A

B
Corte de útero, corado com Hematoxilina e
Eosina, apresentando cortes transversais
de ductos de glândulas uterinas.
AUM. 400X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 21 -

TECIDO EPITELIAL
SIMPLES CÚBICO E
SIMPLES PAVIMENTOSO

C

O tecido epitelial simples pavimentoso
apresenta células achatadas, ocorrendo
nos alvéolos pulmonares, ouvido
interno e médio, vasos sanguíneos e
linfáticos, cavidade pleural e peritonial
(JUNQUEIRA; CARNEIRO, 2007).
A)

A

B)

C)

B
Corte de útero, corado com Hematoxilina e
Eosina, apresentando cortes transversais
de ductos de glândulas uterinas.
AUM. 400X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 22 -

TECIDO EPITELIAL
SIMPLES CILÍNDRICO

A

Formado por uma única camada de
células, que são mais altas do que
largas. O núcleo é ovoide. Ocorre no
revestimento das tubas uterinas, ductos
eferentes dos testículos, útero, grande
parte do trato digestivo, grandes ductos
de algumas glândulas (JUNQUEIRA;
CARNEIRO, 2007).
A)

B)

B

Corte longitudinal de intestino grosso,
corado com HE.
AUM. 50X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 23 -

TECIDO EPITELIAL
SIMPLES CILÍNDRICO
A)

A
B)

C)

B

C

Corte longitudinal de intestino grosso,
corado com HE.
AUM. 100X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 24 -

TECIDO EPITELIAL
SIMPLES CILÍNDRICO

A

A)

B)

B

Corte longitudinal de intestino delgado,
corado com HE.
AUM. 100X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 25 -

TECIDO EPITELIAL
SIMPLES CILÍNDRICO
A)

B
B)

A

Corte longitudinal de intestino delgado,
corado com HE. Observam-se as células
caliciformes.
AUM. 100X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 26 -

TECIDO EPITELIAL ESTRATIFICADO PAVIMENTOSO
NÃO QUERATINIZADO

C
A
Lúmen

D
B

Formado por muitas camadas de células
que principalmente fornecem proteção
contra atritos, desidratação e invasão de
patógenos. As camadas de células mais
externas apresentam formato achatado.
As células próximas da membrana basal apresentam alto índice mitótico, que
se dividem continuamente em células-filhas que amadurecem e são empurradas
em direção à superfície para morrerem e
serem descamadas. Reveste a cavidade
oral, epiglote, esôfago, cordas vocais, vagina (OVALLE; NAHIRNEY, 2008).
A)

B)

C)

D)

Corte transversal de esôfago, corado com
HE. AUM. 50X

BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 27 -

TECIDO EPITELIAL ESTRATIFICADO PAVIMENTOSO
NÃO QUERATINIZADO
A)

B)

C
A

Lúmen

C)

B

Corte transversal de esôfago, corado com
HE. Internamente, observa-se os ácinos
das glândulas esofágicas.
AUM. 400X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 28 -

TECIDO EPITELIAL ESTRATIFICADO PAVIMENTOSO
QUERATINIZADO

A
B

Apresenta células achatadas nas camadas superficiais. Forma a epiderme da
pele e regiões da cavidade oral (JUNQUEIRA; CARNEIRO, 2007).
A)

C
B)

C)

Corte de lábio ­ pele fina, corado com HE.
AUM. 50X

BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 29 -

TECIDO EPITELIAL ESTRATIFICADO PAVIMENTOSO
QUERATINIZADO

A

A)

B
B)

C

C)

D)

D
Corte de lábio ­ pele fina, corado com HE.
AUM. 100X

BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 30 -

TECIDO EPITELIAL ESTRATIFICADO PAVIMENTOSO
QUERATINIZADO

A

A)

B)

B

C)

C
Corte de lábio ­ pele fina, corado com HE.
AUM. 400X

BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 31 -

B

A

TECIDO EPITELIAL ESTRATIFICADO PAVIMENTOSO
QUERATINIZADO
A)

C

B)

C)

Corte de orelha, representando a periferia,
corado com Orceína.
AUM. 50X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 32 -

TECIDO EPITELIAL ESTRATIFICADO PAVIMENTOSO
QUERATINIZADO
A)

B)

C)

C
A

B

Corte de orelha, representando a periferia,
corado com Orceína.
AUM. 100X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 33 -

TECIDO EPITELIAL ESTRATIFICADO PAVIMENTOSO
QUERATINIZADO

C

A)

B)

C)

A
B
Corte de orelha, representando a periferia,
corado com Orceína.
AUM. 400X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 34 -

TECIDO EPITELIAL ESTRATIFICADO PAVIMENTOSO
QUERATINIZADO
A

A)

B)

C)

B

C

Corte de pele grossa da pele na parte superior da imagem, representando a periferia, corado com HE.
AUM. 50X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 35 -

TECIDO EPITELIAL ESTRATIFICADO PAVIMENTOSO
QUERATINIZADO
A)

A

B)

C)

B

C
Corte de pele grossa, representando a periferia, corado com HE.
AUM. 400X

BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 36 -

TECIDO EPITELIAL ESTRATIFICADO PAVIMENTOSO
QUERATINIZADO
A)

A

B)

B

Corte de pele grossa, representando a
periferia formada pela queratina, corado
com HE.
AUM. 400X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 37 -

TECIDO EPITELIAL
PSEUDOESTRATIFICADO
Formado por mais de um tipo de célula
epitelial, de variados tamanhos e formatos. Os núcleos aparecem em diferentes
níveis, assim apresentam um falso aspecto de estratificação (OVALLE; NAHIRNEY; 2008).
A)

B)

D

C)

C

D)

B

A
Corte transversal de traqueia, corado com
HE.
AUM. 50X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 38 -

TECIDO EPITELIAL
PSEUDOESTRATIFICADO
A)

D

B)

C)

C

D)

B

A
Corte transversal de traqueia, corado com
HE.
AUM. 100X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 39 -

TECIDO EPITELIAL
PSEUDOESTRATIFICADO
A)

B)

D

C)

D)

A
C
B

Corte transversal de traqueia, corado com
HE. Observa-se os cílios como especialização apical da membrana.
AUM. 400X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 40 -

TECIDO EPITELIAL
PSEUDOESTRATIFICADO
A)

C

B)

D

C)

D)

B

A

Corte transversal de traqueia, corado com
HE.
AUM. 400X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 41 -

TECIDO EPITELIAL DE
TRANSIÇÃO (UROTÉLIO)

C

B

A

Apresenta várias camadas de células e é
restrito a partes inferiores do trato urinário, onde reveste as pelves renais, ureteres, bexiga urinária e parte da uretra.
Este tecido se adapta à contração e à
distensão do local, mudando de um epitélio alto com cinco a sete camadas de
células (relaxado), para um estado mais
delgado com apenas duas camadas de
células (distendido) (OVALLE; NAHIRNEY, 2008).

A)

B)

C)

Corte de bexiga urinária, corado com HE.
AUM. 50X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 42 -

TECIDO EPITELIAL DE
TRANSIÇÃO (UROTÉLIO)
A)

B)

A

B

Corte de bexiga urinária, corado com HE.
AUM. 100X

BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 43 -

TECIDO EPITELIAL DE
TRANSIÇÃO (UROTÉLIO)
A

A)

B)

B

BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

Corte de bexiga urinária, corado com HE.
Pode-se observar células com núcleo e
membrana plasmática bem definidos.
AUM. 400X

- 44 -

TECIDO EPITELIAL
GLANDULAR
A

A)

B)

A

B

B

B

BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

Corte de pâncreas, corado com HE. Observa-se a porção exócrina, com seus ácinos
serosos, e a porção endócrina, denominada
Ilhota de Langerhans.
AUM. 100X

- 45 -

TECIDO EPITELIAL
GLANDULAR
A)

A
B)

B

Corte de pâncreas, corado com HE. Neste corte, evidencia-se a porção endócrina
pancreática.
AUM. 400X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 46 -

TECIDO EPITELIAL
GLANDULAR ENDÓCRINO
A)

A

B)

B

Corte da glândula endócrina folicular tireoide, corado com HE. Observa-se os coloides
contraídos pela preparação da lâmina.
AUM. 50X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 47 -

TECIDO EPITELIAL
GLANDULAR ENDÓCRINO
A)

B)

B
A

Corte da glândula endócrina folicular tireoide, corado com HE. Observa-se os coloides
contraídos pela preparação da lâmina.
AUM. 100X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 48 -

TECIDO EPITELIAL
GLANDULAR ENDÓCRINO
A)

B)

A
B

Corte da glândula endócrina folicular tireoide, corado com HE. Observa-se os coloides
contraídos pela preparação da lâmina.
AUM. 400X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 49 -

TECIDO EPITELIAL
GLANDULAR ENDÓCRINO
A)

C

B)

C)

B

A

Corte da glândula endócrina folicular tireoide, corado com HE. Observa-se os coloides
contraídos pela preparação da lâmina.
AUM. 400X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 50 -

TECIDO CONJUNTIVO
ESPECIAL - SANGUE
A)

B)

A

B

Esfregaço de sangue, corado pelo método
de Rosenfeld.
AUM. 100X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 51 -

C

TECIDO CONJUNTIVO
ESPECIAL - SANGUE
A)

B)

C)

A

B

Esfregaço de sangue, corado pelo método
de Rosenfeld.
AUM. 400X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 52 -

TECIDO CONJUNTIVO
ESPECIAL - SANGUE
A)

B)

C
E

C)

B

D)

E)

A

D

Esfregaço de sangue, corado pelo método
de Rosenfeld.
AUM. 400X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 53 -

TECIDO CONJUNTIVO
ESPECIAL - SANGUE
A)

B)

C)

B
A

C

Esfregaço de sangue, corado pelo método
de Rosenfeld.
AUM. 400X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 54 -

TECIDO CONJUNTIVO
ESPECIAL - SANGUE
A)

B)

C)

B

A

C

Esfregaço de sangue, corado pelo método
de Rosenfeld.
AUM. 400X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 55 -

TECIDO CONJUNTIVO
ESPECIAL - SANGUE

A

A)

B)

B

C)

C
Esfregaço de sangue, corado pelo método
de Rosenfeld.
AUM. 400X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 56 -

TECIDO CONJUNTIVO
ESPECIAL - SANGUE
A)

B)

A

C)

B

C

Esfregaço de sangue, corado pelo método
de Rosenfeld.
AUM. 1000X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 57 -

TECIDO CONJUNTIVO
ESPECIAL - SANGUE
A)

B)

A

B

Esfregaço de sangue, corado pelo método
de Rosenfeld.
AUM. 1000X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 58 -

TECIDO CONJUNTIVO
ESPECIAL - SANGUE
A)

B)

A
C)

B

C

Esfregaço de sangue, corado pelo método
de Rosenfeld.
AUM. 1000X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 59 -

TECIDO CONJUNTIVO
ESPECIAL - SANGUE
A

A)

B)

B

Esfregaço de sangue, corado pelo método
de Rosenfeld.
AUM. 1000X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 60 -

TECIDO CONJUNTIVO
FROUXO

A

B

C

Apresenta muitos fibroblastos estrelados
e fusiformes, macrófagos, leucócitos e
abundantes fibras colágenas e reticulares embebidas em uma substância fundamental amorfa gelatinosa. É encontrado
imediatamente abaixo da pele, forma a
túnica adventícia dos vasos sanguíneos
e envolve o parênquima de certas glândulas. É denominado de lâmina própria
nas membranas mucosas (JUNQUEIRA;
CARNEIRO, 2007).
A)

B)

C)

Corte de útero, representando a periferia
com o tecido epitelial simples cilíndrico,
cortes transversais de ductos e o tecido
conjuntivo internamente, corado com HE.
AUM. 50X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 61 -

TECIDO CONJUNTIVO
FROUXO
A)

B)

A
B

Corte de útero, representando a periferia,
corado com HE.
AUM. 100X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 62 -

TECIDO CONJUNTIVO
FROUXO
A)

A

B)

C)

B
D)

C

D

BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

Corte de útero, representando a periferia,
corado com HE. Observa-se abaixo do
tecido conjuntivo, o tecido muscular liso ­
longitudinal e transversalmente.
AUM. 100X

- 63 -

TECIDO CONJUNTIVO
FROUXO
A)

A
B)

C

B

C)

D)

D

Corte de útero, corado com HE.
AUM. 400X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 64 -

TECIDO CONJUNTIVO
FROUXO
A)

C

B)

C)

B

A
Corte transversal de traqueia, corado com
HE. Observa-se a lâmina própria formada
pelo tecido conjuntivo frouxo.
AUM. 100X

BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 65 -

TECIDO CONJUNTIVO
FROUXO
A)

C

A

B)

C)

B

Corte transversal de traqueia, corado com
HE.
AUM. 400X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 66 -

TECIDO CONJUNTIVO
FROUXO
C

A)

D

B)

C)

D)

E)

B
A

E

Corte transversal de traqueia, corado com
HE.
AUM. 400X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 67 -

B
A

D

TECIDO CONJUNTIVO
DENSO NÃO MODELADO
Contém fibras colágenas grosseiras entrelaçadas formando uma rede resistente a trações em todas as direções. Pode
apresentar delicadas fibras elásticas dispersas em torno dos feixes de colágeno.
Constitui a derme da pele, as bainhas
externas dos nervos e as cápsulas do
baço, testículo, ovário, rim e linfonodos
(JUNQUEIRA;CARNEIRO, 2007).
A) Tecido

E

C
B)

C) Tecido

D) Célula

E) Fibra

Corte de orelha, representando a periferia,
corado com Orceína.
AUM. 100X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 68 -

TECIDO CONJUNTIVO
DENSO NÃO MODELADO
A) Tecido

B)

E
C

C) Tecido

D) Célula

D
E) Fibra

A
B

Corte de orelha, representando a periferia,
corado com Orceína.
AUM. 100X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 69 -

TECIDO CONJUNTIVO
DENSO NÃO MODELADO
A

A)

B)

B

Corte de orelha, representando a periferia,
corado com Orceína.
AUM. 400X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 70 -

TECIDO CONJUNTIVO
DENSO NÃO MODELADO
A) Tecido

A

B)

B

Corte de lábio, representando a periferia,
corado com HE.
AUM. 100X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 71 -

TECIDO CONJUNTIVO
DENSO NÃO MODELADO
A)

A
B)

B

Corte de lábio, representando a periferia,
corado com HE.
AUM. 400X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 72 -

TECIDO CONJUNTIVO
DENSO NÃO MODELADO
A

A)

B)

C)

D)

B

C

D

BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

Corte de pele grossa, representando a periferia, corado com HE.
AUM. 50X

- 73 -

TECIDO CONJUNTIVO
DENSO MODELADO
Rico em fibras colágenas fortemente
compactadas e orientadas como feixes de
fibras em cilindros ou lâminas paralelas
resistentes a trações. Há pouco espaço
para as células e substância fundamental
amorfa. Forma os tendões, ligamentos e
aponeuroses (JUNQUEIRA; CARNEIRO,
2007).
A)

A

Corte longitudinal de tendão, corado com
HE.
AUM. 50X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 74 -

TECIDO CONJUNTIVO
DENSO MODELADO
A)

B)

B

A

Corte longitudinal de tendão, corado com
HE.
AUM. 400X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 75 -

TECIDO CONJUNTIVO
DENSO MODELADO
A)

B)

B

C)

C

A

Corte longitudinal de tendão, corado com
HE.
AUM. 400X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 76 -

TECIDO CONJUNTIVO
ADIPOSO
A

Classificado em unilocular ou multilocular. A gordura branca (unilocular) contém
uma única gotícula de gordura; é fortemente irrigado por vasos sanguíneos; presente na camada subcutânea do corpo. A
gordura parda (multilocular) tem células
com múltiplas gotículas de gordura; com
extensa vascularização; encontrado em
animais que hibernam, recém-nascidos;
em algumas áreas de adultos; associado
à produção de calor (JUNQUEIRA; CARNEIRO, 2007).
A)

B)

B

Corte de pele grossa, representando a hipoderme, corado com HE.
AUM. 50X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 77 -

TECIDO CONJUNTIVO
ADIPOSO
A)

A
B)

B

Corte de pele grossa, representando a hipoderme, corado com HE.
AUM. 50X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 78 -

TECIDO CONJUNTIVO
ADIPOSO
A)

A

Corte de pele grossa, representando a hipoderme, corado com HE.
AUM. 50X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 79 -

TECIDO CONJUNTIVO
ADIPOSO

C

A)

B)

B

A

C)

Corte de pele grossa, representando a hipoderme, corado com HE.
AUM. 100X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 80 -

TECIDO CONJUNTIVO
ADIPOSO
A)

A

Corte de pele grossa, representando a hipoderme, corado com HE.
AUM. 400X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 81 -

TECIDO CONJUNTIVO
ADIPOSO
A)

A
B)

B

Corte de pele grossa, representando a
hipoderme, corado com HE.
AUM. 400X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 82 -

TECIDO CARTILAGINOSO
HIALINO
É o tipo mais abundante no corpo, forma
o molde para a ossificação endocondral
da maioria dos ossos do esqueleto. Encontrada no nariz, laringe, extremidade
das costelas, anéis da traquéia e dos brônquios, e nas superfícies articulares das
articulações móveis do corpo (JUNQUEIRA; CARNEIRO, 2007).

C

D

A)

B)

B

A

Lúmen

BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

Corte transversal de traqueia, corado com
HE.
AUM. 50X

- 83 -

TECIDO CARTILAGINOSO
HIALINO
A)

B)

D
C

C)

D)

B

A

Lúmen
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

Corte transversal de traqueia, corado com
HE.
AUM. 100X

- 84 -

TECIDO CARTILAGINOSO
HIALINO
A)

B

B)

A

Corte de traqueia, representando a cartilagem em detalhe, corado com HE.
AUM. 400X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 85 -

TECIDO CARTILAGINOSO
ELÁSTICO

B

A

É rico em fibras elásticas em sua matriz,
a qual possui pequena quantidade de
substância fundamental amorfa. Os
condrócitos localizam-se em lacunas,
frequentemente isolados, poucos formam
grupos isógenos. Na matriz há um
pequeno número de fibras de colágeno
tipo II. É envolvida por pericôndrio.
Sofre
crescimento
aposicional,
a
partir do pericôndrio, ou crescimento
intersticial, por mitose dos condrócitos.
Não se calcifica com a idade (OVALLE;
NAHIRNEY, 2008).
A)

B)

C)

C

Corte transversal de traqueia, corado com
HE.
AUM. 50X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 86 -

TECIDO CARTILAGINOSO
ELÁSTICO
A)

B)

B
A

Corte longitudinal de orelha, corada com
HE.
AUM. 100X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 87 -

TECIDO CARTILAGINOSO
ELÁSTICO
A)

B)

C)

A
B

C

Corte longitudinal de orelha, corada com
HE.
AUM. 400X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 88 -

A
B

TECIDO CARTILAGINOSO
ELÁSTICO
A)

B)

C)

C

Corte longitudinal de orelha, corada com
Orceína.
AUM. 50X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 89 -

TECIDO CARTILAGINOSO
ELÁSTICO
A)

A
B)

C)

B

C

Corte longitudinal de orelha, corada com
Orceína.
AUM. 400X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 90 -

TECIDO CARTILAGINOSO
ELÁSTICO
A)

A

B)

B

Corte longitudinal de orelha, corada com
Orceína.
AUM. 400X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 91 -

TECIDO CARTILAGINOSO
ELÁSTICO
PERICÔNDRIO

A

A)

B)

C)

D)

B

C

D
Corte longitudinal de orelha, corada com
Orceína.
AUM. 400X

BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 92 -

TECIDO CARTILAGINOSO
ELÁSTICO
A)

A

B)

B
C)

C

Corte longitudinal de epiglote, corada com
HE.
AUM. 50X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 93 -

TECIDO CARTILAGINOSO
ELÁSTICO
A)

B)

A

B

Corte longitudinal de epiglote, corada com
HE.
AUM. 400X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 94 -

TECIDO ÓSSEO
COMPACTO
Apresenta matriz orgânica e mineral. Os
osteócitos ficam aprisionados na matriz
firme. Há sistema de Havers contendo
canal de Havers e lamelas concêntricas,
com canalículos na matriz (JUNQUEIRA;
CARNEIRO, 2007).

B

A)

B)

A

Corte de osso compacto desgastado.
AUM. 400X

BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 95 -

B

TECIDO ÓSSEO
COMPACTO
A)

B)

A

Corte de osso compacto desgastado.
AUM. 400X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 96 -

TECIDO ÓSSEO
COMPACTO
A

A)

B
B)

C)

C

Corte de osso compacto descalcificado,
corado com HE.
AUM. 400X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 97 -

B

TECIDO MUSCULAR
ESTRIADO ESQUELÉTICO
A)

B)

A

Corte de orelha, representando a parte da
musculatura, corado com Orceína. - vista
transversal do tecido muscular
AUM. 100X

BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 98 -

TECIDO MUSCULAR
ESTRIADO ESQUELÉTICO
A)

C

B)

C)

D)

D
B

A
Corte de tecido muscular, representando o
tecido epitelial e conjuntivo. - vista transversal e longitudinal do tecido muscular.
AUM. 100X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 99 -

TECIDO MUSCULAR
ESTRIADO ESQUELÉTICO
B

A)

B)

A

Corte de tecido muscular, vista longitudinal do tecido muscular.
AUM. 400X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 100 -

TECIDO MUSCULAR
ESTRIADO ESQUELÉTICO
A)

A

Corte de disco intervertebral, corado com
HE. - vista longitudinal do tecido muscular.
AUM. 50X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 101 -

TECIDO MUSCULAR
ESTRIADO CARDÍACO
A)

A

Corte longitudinal de miocárdio, corado
com HE.
AUM. 100X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 102 -

TECIDO MUSCULAR
ESTRIADO CARDÍACO
A)

B)

B

A
Corte longitudinal de coração, corado com
HE.
AUM. 400X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 103 -

TECIDO MUSCULAR
ESTRIADO CARDÍACO
A)

B
B)

A

Corte longitudinal de coração, corado com
HE. Observa-se as estrias transversais nas
fibras musculares.
AUM. 400X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 104 -

TECIDO MUSCULAR
ESTRIADO CARDÍACO
A)

B)

A
B

Corte transversal de coração, corado com
HE. Observam-se os núcleos centrais nas
células musculares.
AUM. 400X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 105 -

TECIDO MUSCULAR
ESTRIADO CARDÍACO
A)

A

Corte longitudinal de coração, corado com
HE.
AUM. 400X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 106 -

TECIDO MUSCULAR
ESTRIADO CARDÍACO
A)

C
B)

C)

B
A

Corte longitudinal de coração, corado com
HE. Observa-se os discos intercalares
formados pelas interdigitações, zonas de
adesão e desmossomos entre as células
próximas.
AUM. 400X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 107 -

TECIDO MUSCULAR
ESTRIADO CARDÍACO
A)

A
B)

C)

B

C

Corte longitudinal de coração, corado com
HE.
AUM. 400X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 108 -

TECIDO MUSCULAR
ESTRIADO CARDÍACO
A)

A

Corte transversal de coração, corado com
HE.
AUM. 50X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 109 -

A

TECIDO MUSCULAR LISO
Túnica adventícia

B

As
artérias
apresentam
como
revestimento interno o tecido epitelial
simples pavimentoso, formando o
endotélio. O músculo liso domina a túnica
média, que é a camada mais espessa das
artérias. Neste local as células musculares
lisas estão dispostas circularmente ou
de modo helicoidal e se comunicam com
as células adjacentes por junções gap.
Entre as camadas de músculo liso há
numerosas fibras elásticas, misturadas
a fibras colágenas e fibroblastos. A
túnica adventícia é formada por tecido
conjuntivo frouxo com fibras colágenas
e elásticas em trajeto helicoidal ou
longitudinal (OVALLE; NAHIRNEY, 2008).
A)

B)

Túnica média

BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

Corte transversal de uma artéria, corada
com HE.
AUM. 100X

- 110 -

TECIDO MUSCULAR LISO
Túnica média

A)

B)

B

A

Corte transversal de uma artéria, corada
com HE.
AUM. 400X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 111 -

TECIDO MUSCULAR LISO
Túnica média

A)

B)

A
B

Corte transversal da artéria aorta, corada
com Orceína Unna-Tänzer..
AUM. 100X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 112 -

TECIDO MUSCULAR LISO
Túnica média

A)

B)

A

B

Corte transversal da artéria aorta, corada
com Orceína Unna-Tänzer..
AUM. 100X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 113 -

TECIDO MUSCULAR LISO

A

A)

B)

D

C)

B
D)

C
Corte transversal de bexiga urinária, corada com HE. Tecido muscular liso internamente.
AUM. 50X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 114 -

TECIDO MUSCULAR LISO
A)

A

Corte transversal de bexiga urinária, corada com HE.
AUM. 100X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 115 -

TECIDO MUSCULAR LISO
A)

B

B)

A

Corte transversal de bexiga urinária, corada com HE.
AUM. 400X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 116 -

TECIDO MUSCULAR LISO
A)

A

B)

C)

B
C

Corte longitudinal de intestino grosso,
representado o tecido Epitelial, tecido
Conjuntivo frouxo e tecido muscular liso,
corada com HE.
AUM. 100X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 117 -

TECIDO MUSCULAR LISO
A)

B)

B

A

Corte de intestino grosso, corada com HE.
Observa-se tecido muscular liso longitudinal e transversalmente.
AUM. 100X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 118 -

TECIDO MUSCULAR LISO
A)

A

B)

C)

B

C

BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

Corte de intestino grosso, corada com HE.
Observa-se tecido muscular liso longitudinal e transversalmente.
AUM. 50X

- 119 -

TECIDO MUSCULAR LISO
A
B

A)

B)

C)

C

Corte de intestino grosso, corada com HE.
AUM. 100X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 120 -

TECIDO MUSCULAR LISO
A)

A

Corte de intestino grosso, corada com HE.
AUM. 400X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 121 -

TECIDO MUSCULAR LISO
A)

A

B)

C)

B

D)

C

D

BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

Corte de útero, corado com HE. Observa-se o tecido conjuntivo com os ductos
das glândulas e abaixo o tecido muscular
liso,em corte longitudinal e transversalmente.
AUM. 100X

- 122 -

TECIDO MUSCULAR LISO
A)

B)

A

B

Corte de útero, corado com HE.
AUM. 400X

BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 123 -

TECIDO NERVOSO
A)

B)

A

B

Corte de cérebro, corado com HE.
AUM. 100X

BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 124 -

TECIDO NERVOSO
A)

B)

A

B

Corte de cérebro, corado com HE.
AUM. 400X

BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 125 -

TECIDO NERVOSO
A)

B)

A

B

Corte de cérebro, corado com HE.
AUM. 100X

BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 126 -

TECIDO NERVOSO
A)

B)

A

B

Corte de cérebro, corado com HE.
AUM. 400X

BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 127 -

TECIDO NERVOSO
A)

B)

C)

A

B

C

BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

Corte de cerebelo, corado com HE.
AUM. 50X

- 128 -

TECIDO NERVOSO
A)

B)

B

C)

A

C

Corte de cerebelo, corado com HE.
AUM. 100X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 129 -

TECIDO NERVOSO
A)

A

B)

B

Corte de cerebelo, corado com HE.
AUM. 400X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 130 -

TECIDO NERVOSO
A)

B)

A

B

Corte de cerebelo, corado com HE.
AUM. 400X
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 131 -

GABARITO
I ­ CÉLULAS
1. CÉLULAS

II ­ MITOSE CELULAR
CÉLULA VEGETAL - MITOSE
A ­ região apical da raiz de cebola evidenciando
as células com núcleo definido.

A ­ núcleo celular
B ­ membrana plasmática

2. CÉLULA ANIMAL

CÉLULA VEGETAL ­ MITOSE
A ­ célula vegetal com parede celular,
núcleo e citoplasma evidente.

A ­ membrana plasmática

B ­ núcleo celular

CÉLULA VEGETAL ­ MITOSE
A ­ parede celular da célula vegetal

3. CÉLULA ANIMAL
A ­citoplasma celular
B ­ nucléolo

B ­ núcleo celular com nucléolo visível
C ­ célula em metáfase com núcleo metafásico
D ­ célula vegetal com núcleo em organização
E ­célula em anáfase com cromossomos
afastando-se.

4. CÉLULA VEGETAL
A ­ célula vegetal com parede celular visível.

5. CÉLULA VEGETAL
A ­ núcleo celular.

CÉLULA VEGETAL ­ MITOSE
A -
célula vegetal com núcleo em
organização, é possível visualizar o
nucléolo.
B ­ célula vegetal com núcleo organizado.

6. CÉLULA VEGETAL
A ­ citoplasma celular.

BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

C ­célula vegetal em telófase, é possível
observar os cromossomos bem
separados e a formação da parede
celular entre as duas células em
formação.

CÉLULA VEGETAL ­ MITOSE
A -
célula
vegetal
organização

com

núcleo

em

B ­ célula vegetal em anáfase, cromossomos
afastando-se.
C ­ célula vegetal em início de anáfase.

III ­ TECIDO EPITELIAL SIMPLES
CÚBICO
1. TECIDO EPITELIAL SIMPLES CÚBICO
A ­
ducto de uma glândula em corte
transversal, sendo possível visualizar o
revestimento epitelial.

2. TECIDO EPITELIAL SIMPLES CÚBICO E
CILÍNDRICO
A ­
ducto de uma glândula em corte
transversal, sendo possível visualizar o
revestimento epitelial.
B ­ revestimento uterino formado por tecido
epitelial simples cilíndrico.
C ­ tecido conjuntivo frouxo com núcleo das
células visíveis.

- 132 -

3. TECIDO EPITELIAL SIMPLES CÚBICO
A -ducto de uma glândula em corte
transversal, sendo possível visualizar
o revestimento epitelial simples
cúbico.
B - tecido conjuntivo frouxo com núcleo
das células visíveis.
4. TECIDO EPITELIAL SIMPLES CÚBICO E
PAVIMENTOSO
A ­ducto de uma glândula em corte
transversal, sendo possível visualizar
o revestimento epitelial simples
cúbico.
B ­tecido conjuntivo frouxo com núcleo
das células visíveis.
C ­
corte transversal de um vaso
sanguíneo, sendo possível visualizar
o revestimento epitelial simples
pavimentoso.

IV ­ TECIDO EPITELIAL SIMPLES
CILÍNDRICO
1. TECIDO EPITELIAL SIMPLES
CILÍNDRICO
A ­Região da mucosa - tecido epitelial
simples cilíndrico

BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

B ­ Região da submucosa - tecido
conjuntivo frouxo.

4. TECIDO EPITELIAL SIMPLES
CILÍNDRICO
A ­célula caliciforme
B ­
lúmen do vilo
microvilosidades
epiteliais.

2. TECIDO EPITELIAL SIMPLES
CILÍNDRICO
A ­ camada muscular formada por tecido
muscular liso.
B - Região da submucosa - tecido
conjuntivo frouxo.
C - Região da mucosa - tecido epitelial
simples cilíndrico.
3. TECIDO EPITELIAL SIMPLES
CILÍNDRICO

V ­ TECIDO EPITELIAL
ESTRATIFICADO PAVIMENTOSO
NÃO QUERATINIZADO
1. TECIDO EPITELIAL ESTRATIFICADO
PAVIMENTOSO NÃO QUERATINIZADO
A -
Tecido
epitelial
estratificado
pavimentoso não queratinizado.

A ­ mucosa intestinal formada por vilos
que são projeções da lâmina própria
(tecido conjuntivo frouxo) revestidas
por tecido epitelial simples cilíndrico.
É possível visualizar enterócitos e
células caliciformes (glandulares).
B ­ Entre os vilos, o epitélio se invagina
para formar estruturas simples
semelhantes a tubos, chamadas
glândulas intestinais, ou criptas de
Lieberkühn, as quais se estendem
até a camada muscular da mucosa,
formada por tecido muscular liso.

revestido por
das
células

B ­ Tecido conjuntivo frouxo
C ­
glândulas submucosas esofágicas,
mostrando os ácinos glandulares.
D ­camada muscular circular formada
por tecido muscular liso.

2. TECIDO EPITELIAL ESTRATIFICADO
PAVIMENTOSO NÃO QUERATINIZADO
A -
Tecido
epitelial
estratificado
pavimentoso não queratinizado
B - Tecido conjuntivo frouxo
C -glândulas submucosas esofágicas,
mostrando os ácinos glandulares.

- 133 -

VI ­ TECIDO EPITELIAL
ESTRATIFICADO PAVIMENTOSO
QUERATINIZADO
1. TECIDO EPITELIAL ESTRATIFICADO
PAVIMENTOSO QUERATINIZADO
A ­células queratinizadas soltando-se na
superfície.
B ­tecido epitelial estratificado ­ área
das células vivas.
C ­ tecido conjuntivo denso não-modelado
formando a derme subjacente.
TECIDO EPITELIAL ESTRATIFICADO
PAVIMENTOSO QUERATINIZADO

3. TECIDO EPITELIAL ESTRATIFICADO
PAVIMENTOSO QUERATINIZADO
A ­células queratinizadas soltando-se na
superfície.
B ­
tecido epitelial estratificado ­
observam-se os núcleos com o
nucléolo interno, além do citoplasma
e membrana plasmática.
C ­ tecido conjuntivo denso não-modelado
formando a derme subjacente.
Observa-se núcleos celulares e fibras
de colágeno.
4. TECIDO EPITELIAL ESTRATIFICADO
PAVIMENTOSO QUERATINIZADO

C ­ tecido conjuntivo denso não-modelado
formando a derme subjacente.
6. TECIDO EPITELIAL ESTRATIFICADO
PAVIMENTOSO QUERATINIZADO
A ­tecido epitelial estratificado ­ área
das células vivas, visualiza-se nesta
área núcleos definidos.
B ­ células queratinizadas soltando-se na
superfície.
C ­ tecido conjuntivo denso não-modelado
formando a derme subjacente.
7. TECIDO EPITELIAL ESTRATIFICADO
PAVIMENTOSO QUERATINIZADO

A ­células queratinizadas soltando-se na
superfície.

A ­células queratinizadas soltando-se na
superfície.

B ­tecido epitelial estratificado ­ área
das células vivas.

B ­tecido epitelial estratificado ­ área
das células vivas.

B ­tecido epitelial estratificado ­ área
das células vivas.

C ­ tecido conjuntivo denso não-modelado
formando a derme subjacente, é
possível observar as papilas de tecido
conjuntivo que chegam bem próximo
à superfície epitelial.

C ­ tecido conjuntivo denso não-modelado
formando a derme subjacente.

C ­ tecido conjuntivo denso não-modelado
formando a derme subjacente.

D ­
camadas de fibras de colágeno
presentes no tecido conjuntivo denso
não-modelado.

5. TECIDO EPITELIAL ESTRATIFICADO
PAVIMENTOSO QUERATINIZADO
A ­tecido epitelial estratificado ­ área
das células vivas.
B ­ células queratinizadas soltando-se na
superfície.

BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

A ­camada de células queratinizadas.

8. TECIDO EPITELIAL ESTRATIFICADO
PAVIMENTOSO QUERATINIZADO
A ­tecido epitelial estratificado ­ área
das células vivas, é possível visualizar
núcleos e membranas plasmáticas.
B ­ tecido epitelial estratificado ­ área das
células vivas, é possível visualizar núcleos

- 134 -

definidos bem próximos, pois é uma área
de intensa mitose celular.
C - tecido conjuntivo denso não-modelado
formando a derme subjacente, possível
visualizar núcleos das células do
conjuntivo e fibras colágenas.

9. TECIDO EPITELIAL ESTRATIFICADO
PAVIMENTOSO QUERATINIZADO
A - camada de células queratinizadas.
B - tecido epitelial estratificado ­ área das
células vivas.

VII ­ TECIDO EPITELIAL
PSEUDOESTRATIFICADO
1. TECIDO EPITELIAL
PSEUDOESTRATIFICADO
A ­ mucosa formada por camada de tecido
epitelial pseudoestratificado cilíndrico
ciliado.
B ­ tecido conjuntivo frouxo rico em fibras
elásticas formando a lâmina própria.
C ­ submucosa formada por tecido conjuntivo
frouxo que contém glândulas seromucosas
mistas. Há células mioepiteliais estreladas
que por contração auxiliam a expulsão
das secreções para os ductos.

BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

D ­ cartilagem hialina. Ao redor da cartilagem
há o pericôndrio formado por tecido
conjuntivo denso.

2. TECIDO EPITELIAL
PSEUDOESTRATIFICADO
A ­ mucosa formada por camada de tecido
epitelial pseudoestratificado cilíndrico
ciliado.
B ­ tecido conjuntivo frouxo rico em fibras
elásticas formando a lâmina própria.

D ­ corte transversal de um ducto de uma
glândula presente no tecido conjuntivo.
Observa-se a camada de tecido epitelial
simples cúbico.

4. TECIDO EPITELIAL
PSEUDOESTRATIFICADO
A ­ região apical das células do tecido
epitelial pseudoestratificado cilíndrico
com os cílios.

C ­ submucosa formada por tecido conjuntivo
frouxo que contém glândulas seromucosas
mistas. Há células mioepiteliais estreladas
que por contração auxiliam a expulsão
das secreções para os ductos.

B ­ camada de células do tecido epitelial
pseudoestratificado cilíndrico, possível
ver as células caliciformes.

D ­ cartilagem hialina. Ao redor da cartilagem
há o pericôndrio formado por tecido
conjuntivo denso.

D ­ corte transversal de um vaso sanguíneo
formado por tecido epitelial simples
pavimentoso.

3. TECIDO EPITELIAL
PSEUDOESTRATIFICADO
A ­ região apical das células do tecido
epitelial pseudoestratificado cilíndrico
com os cílios.
B ­ camada de células do tecido epitelial
pseudoestratificado cilíndrico, possível
ver as células caliciformes.
C ­ submucosa formada por tecido conjuntivo
frouxo que contém glândulas seromucosas
mistas.

C ­ submucosa formada por tecido conjuntivo
frouxo.

VIII ­ TECIDO EPITELIAL DE
TRANSIÇÃO
1. TECIDO EPITELIAL DE TRANSIÇÃO
(UROTÉLIO)
A ­ tecido epitelial de transição.
B ­ tecido conjuntivo frouxo formando a
lâmina própria.
C ­ tecido muscular liso.

- 135 -

2. TECIDO EPITELIAL DE TRANSIÇÃO
(UROTÉLIO)
A ­ tecido epitelial de transição.
B ­ tecido conjuntivo frouxo formando a
lâmina própria.

3. TECIDO EPITELIAL DE TRANSIÇÃO
(UROTÉLIO)
A ­ tecido epitelial de transição. Observa-se
as células em raquete que se distendem
quando a bexiga está distendida.
B ­ tecido conjuntivo frouxo formando a
lâmina própria.

IX ­ TECIDO EPITELIAL GLANDULAR


X ­ TECIDO EPITELIAL GLANDULAR
ENDÓCRINO
1. TECIDO EPITELIAL GLANDULAR
ENDÓCRINO
A­ colóide formado por hormônios produzidos
pela tireoide.
B ­ folículo sendo formado por células
foliculares secretoras dos hormônios
tireoidianos.

2. TECIDO EPITELIAL GLANDULAR
ENDÓCRINO
A ­ colóide formado por hormônios produzidos
pela tireoide.
B ­ folículo sendo formado por células
foliculares secretoras dos hormônios
tireoidianos.

C ­ vaso sanguíneo na área do estroma,
formado por tecido conjuntivo frouxo.

XI ­ TECIDO CONJUNTIVO ESPECIAL
- SANGUE
1. TECIDO SANGUÍNEO
A ­ hemácias
B ­ leucócito.

2. TECIDO SANGUÍNEO
A ­ linfócito

1. TECIDO EPITELIAL GLANDULAR
A ­ tecido epitelial exócrino, apresentando
os ácinos secretores de enzimas
pancreáticas.
B ­ tecido epitelial endócrino ­
pancreáticas (de Langerhans).

B ­ folículo sendo formado por células
foliculares secretoras dos hormônios
tireoidianos. As células foliculares estão
dispostas em tecido epitelial simples
cúbico.

ilhotas

2. TECIDO EPITELIAL GLANDULAR
A ­ vaso sanguíneo com hemácias visíveis no
interior.
B ­ tecido epitelial endócrino cordonal ­
ilhota pancreática.

BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

3. TECIDO EPITELIAL GLANDULAR
ENDÓCRINO
A ­ colóide formado por hormônios produzidos
pela tireoide.
B ­ folículo sendo formado por células
foliculares secretoras dos hormônios
tireoidianos.

4. TECIDO EPITELIAL GLANDULAR
ENDÓCRINO
A ­ colóide formado por hormônios produzidos
pela tireoide.

B ­ hemácia
C ­ plaquetas.

3. TECIDO SANGUÍNEO
A ­ monócito
B ­ hemácia
C ­ linfócito
D ­ plaquetas
E ­ linfócito.

- 136 -

4. TECIDO SANGUÍNEO

9. TECIDO SANGUÍNEO

B ­ ducto das glândulas exócrinas em corte
transversal

A ­ monócito

A ­ neutrófilo

C ­ tecido muscular liso em corte longitudinal

B ­ neutrófilo

B ­ plaquetas

D ­ tecido muscular liso em corte transversal.

C ­ linfócito

C ­ hemácia.


5. TECIDO SANGUÍNEO

10. TECIDO SANGUÍNEO

A ­ neutrófilo

A ­ eosinófilo

B ­ linfócito

B ­ plaqueta

C ­ plaquetas.

6. TECIDO SANGUÍNEO
A ­ linfócito

XII ­ TECIDO CONJUNTIVO FROUXO
1. TECIDO CONJUNTIVO FROUXO

B ­ eosinófilo

A ­ tecido epitelial simples cilíndrico

C ­ monócito

B ­ ducto das glândulas exócrinas em corte
transversal

7. TECIDO SANGUÍNEO

C ­ tecido conjuntivo frouxo.

A ­ monócito
B ­ linfócito
C ­ hemácia.

8. TECIDO SANGUÍNEO
A ­ eosinófilo
B ­ neutrófilo.

2. TECIDO CONJUNTIVO FROUXO

A ­ tecido conjuntivo frouxo, observa-se a
matriz, fibras delicadas de colágeno e
núcleo das células do conjuntivo.
B ­ ducto de uma glândula exócrina em corte
transversal revestida internamente por
tecido epitelial simples cúbico.
C ­ vaso sanguíneo em corte transversal
formado por tecido epitelial simples
pavimentoso.
D ­ fibroblasto, célula mais característica do
tecido conjuntivo.

5. TECIDO CONJUNTIVO FROUXO
A ­ tecido
epitelial
cilíndrico ciliado

pseudoestratificado

A ­ ducto das glândulas exócrinas em corte
transversal

B ­ tecido conjuntivo frouxo formando a
lâmina própria.

B ­ tecido conjuntivo frouxo.

C ­ cartilagem hialina.

3. TECIDO CONJUNTIVO FROUXO
A ­ tecido conjuntivo frouxo

BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

4. TECIDO CONJUNTIVO FROUXO

6. TECIDO CONJUNTIVO FROUXO
A ­ tecido
epitelial
pseudoestratificado
cilíndrico ciliado, salientando uma célula
caliciforme.

- 137 -

B ­ células serosas, ciliadas e em escova (não
é possível diferenciá-las nesta imagem).
C ­ tecido conjuntivo frouxo formando a lâmina
própria.

7. TECIDO CONJUNTIVO FROUXO
A

­ tecido epitelial
cilíndrico ciliado.

pseudoestratificado

B ­ tecido conjuntivo frouxo formando a lâmina
própria.
C ­ vaso sanguíneo com as hemácias em seu
interior.
D ­ ducto de uma glândula em corte
transversal formado por tecido epitelial
simples cúbico.
E ­ cílios na superfície apical do tecido epitelial
pseudoestratificado cilíndrico.

XIII ­ TECIDO CONJUNTIVO DENSO
NÃO MODELADO
1. TECIDO CONJUNTIVO DENSO NÃO
MODELADO
A ­ tecido epitelial estratificado pavimentoso
queratinizado ­ área com as células vivas.
B ­ células queratinizadas.
C ­ tecido conjuntivo denso não modelado

2. TECIDO CONJUNTIVO DENSO NÃO
MODELADO
A ­ tecido epitelial estratificado pavimentoso
queratinizado ­ área com as células vivas.
B ­ células queratinizadas.
C ­ tecido conjuntivo denso não modelado
D ­ fibroblasto
E ­ fibra de colágeno.

3. TECIDO CONJUNTIVO DENSO NÃO
MODELADO
A ­ fibroblasto
B ­ fibra de colágeno.

4. TECIDO CONJUNTIVO DENSO NÃO
MODELADO

6. TECIDO CONJUNTIVO DENSO NÃO
MODELADO
A ­ tecido epitelial estratificado pavimentoso
queratinizado ­ área de células
queratinizadas
B ­ tecido epitelial estratificado pavimentoso
queratinizado ­ área de células vivas.
C ­ tecido conjuntivo frouxo
D ­ tecido conjuntivo denso não modelado.

XIV ­ TECIDO CONJUNTIVO DENSO
MODELADO
1. TECIDO CONJUNTIVO DENSO
MODELADO
A ­ tecido conjuntivo denso modelado com os
núcleos celulares visíveis.

A ­ tecido epitelial estratificado pavimentoso
B ­ tecido conjuntivo denso não modelado.

5. TECIDO CONJUNTIVO DENSO NÃO
MODELADO
A ­ tecido conjuntivo denso não modelado

2. TECIDO CONJUNTIVO DENSO
MODELADO
A ­ núcleo do
alongado.

fibroblasto

com

aspecto

B ­ fibra de colágeno.

B ­ fibra de colágeno.

D ­ fibroblasto
E ­ fibra de colágeno.

BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 138 -

3. TECIDO CONJUNTIVO DENSO
MODELADO

C ­ vaso sanguíneo em corte transversal com
células sanguíneas visíveis no interior.

A ­ tecido conjuntivo denso não modelado
B ­ tecido conjuntivo denso modelado
com fibras de colágeno organizadas
longitudinalmente.
C ­ núcleo do
alongado.

fibroblasto

com

5. TECIDO CONJUNTIVO ADIPOSO
A ­ adipócito do tecido conjuntivo adiposo
unilocular.

aspecto

XV ­ TECIDO CONJUNTIVO ADIPOSO
1. TECIDO CONJUNTIVO ADIPOSO

6. TECIDO CONJUNTIVO ADIPOSO
A ­ adipócito do tecido conjuntivo adiposo
multilocular
B ­ adipócito do tecido conjuntivo adiposo
unilocular.

A ­ tecido conjuntivo adiposo
B ­ tecido conjuntivo denso não modelado.

2. TECIDO CONJUNTIVO ADIPOSO
A ­ tecido conjuntivo adiposo multilocular.
B ­ tecido conjuntivo adiposo unilocular.

3. TECIDO CONJUNTIVO ADIPOSO
A ­ tecido conjuntivo adiposo multilocular.

4. TECIDO CONJUNTIVO ADIPOSO
A ­ adipócito do tecido conjuntivo adiposo
unilocular.

D ­ cartilagem hialina. Ao redor da cartilagem
há o pericôndrio formado por tecido
conjuntivo denso.

XVI ­ TECIDO CARTILAGINOSO
HIALINO
1. TECIDO CARTILAGINOSO HIALINO
A ­ mucosa formada por camada de tecido
epitelial pseudoestratificado cilíndrico
ciliado.
B ­ tecido conjuntivo frouxo rico em fibras
elásticas formando a lâmina própria.

2. TECIDO CARTILAGINOSO HIALINO
A ­ mucosa formada por camada de tecido
epitelial pseudoestratificado cilíndrico
ciliado.
B ­ tecido conjuntivo frouxo rico em fibras
elásticas formando a lâmina própria.
C ­ submucosa formada por tecido conjuntivo
frouxo que contém glândulas seromucosas
mistas. Há células mioepiteliais estreladas
que por contração auxiliam a expulsão
das secreções para os ductos.
D ­ cartilagem hialina. Ao redor da cartilagem
há o pericôndrio formado por tecido
conjuntivo denso não modelado.

3. TECIDO CARTILAGINOSO HIALINO
A ­ lacuna com condrócito no interior.
B ­ matriz da cartilagem.

C ­ submucosa formada por tecido conjuntivo
frouxo que contém glândulas seromucosas
mistas. Há células mioepiteliais estreladas
que por contração auxiliam a expulsão
das secreções para os ductos.

B ­ adipócito do tecido conjuntivo adiposo
multilocular.
BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 139 -

XVII ­ TECIDO CARTILAGINOSO
ELÁSTICO

C ­ área rica em condrócitos no interior do
tecido cartilaginoso elástico.

1. TECIDO CARTILAGINOSO ELÁSTICO
A ­ pericôndrio formado por tecido conjuntivo
denso não modelado ao redor da
cartilagem.
B ­ tecido cartilaginoso elástico.

5. TECIDO CARTILAGINOSO ELÁSTICO
A ­ lacuna com condrócito no interior, podese observar o núcleo celular.
B ­ fibras elásticas coradas em negro.

C ­ dobra do tecido formada no processo de
produção da lâmina histológica.

2. TECIDO CARTILAGINOSO ELÁSTICO
A ­ pericôndrio formado por tecido conjuntivo
denso não modelado ao redor da
cartilagem.

6. TECIDO CARTILAGINOSO ELÁSTICO

B ­ lacuna com condrócito no interior.
C ­ matriz da cartilagem rica em fibras
elásticas.

4. TECIDO CARTILAGINOSO ELÁSTICO
A ­ pericôndrio formado por tecido conjuntivo
denso não modelado ao redor da
cartilagem.
B ­ área rica em condroblastos.

BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

9. TECIDO CARTILAGINOSO ELÁSTICO
A - lacuna com condrócito no interior, pode-se
observar o núcleo celular.
B ­ matriz da cartilagem elástica.

XVIII ­ TECIDO ÓSSEO COMPACTO

B ­ fibras elásticas coradas em negro.

1. TECIDO ÓSSEO COMPACTO

7. TECIDO CARTILAGINOSO ELÁSTICO
A ­ pericôndrio formado por tecido conjuntivo
denso não modelado ao redor da
cartilagem.

C - pericôndrio formado por tecido conjuntivo
denso não modelado ao redor da
cartilagem.

A ­ lacuna com condrócito no interior, podese observar o núcleo celular.

B ­ tecido cartilaginoso elástico.

3. TECIDO CARTILAGINOSO ELÁSTICO

B ­ área rica em condroblastos.

A ­ pericôndrio formado por tecido conjuntivo
denso não modelado ao redor da
cartilagem, observa-se fibras de colágeno
e fibroblastos alongados.
B ­ condroblasto na área mais periférica da
cartilagem.

A ­ osteócito preso em uma lacuna na matriz
óssea.
B ­ canalículos dos osteócitos na matriz óssea.

2. TECIDO ÓSSEO COMPACTO
A ­ canal de Havers.
B ­ osteócito preso na matriz óssea com os
canalículos visíveis.

C - fibras elásticas coradas em negro.
D ­ lacuna com condrócito no interior, podese observar o núcleo celular.

3. TECIDO ÓSSEO COMPACTO
A ­ canal de Havers.

8. TECIDO CARTILAGINOSO ELÁSTICO

B ­ osteócito preso na matriz óssea com os
canalículos visíveis.

A ­ tecido cartilaginoso elástico, observa-se
as lacunas com condrócitos no interior da
matriz.

- 140 -

XIX ­ TECIDO MUSCULAR ESTRIADO
ESQUELÉTICO

XX ­ TECIDO MUSCULAR ESTRIADO
CARDÍACO

1. TECIDO MUSCULAR ESTRIADO
ESQUELÉTICO

1. TECIDO MUSCULAR ESTRIADO
CARDÍACO

A ­ fibras musculares estriadas esqueléticas
em corte transversal, é possível visualizar
os núcleos periféricos.
B ­ perimísio formado por tecido conjuntivo
denso não modelado ao redor.

2. TECIDO MUSCULAR ESTRIADO
ESQUELÉTICO
A ­ tecido epitelial estratificado pavimentoso

A ­ tecido muscular estriado cardíaco.

2. TECIDO MUSCULAR ESTRIADO
CARDÍACO
A ­ cardiócito = célula do tecido muscular
estriado cardíaco, mostrando uma
ramificação da célula.
B ­ núcleo do cardiócito com localização mais
centralizada na célula.

B ­ tecido conjuntivo denso não modelado
C ­ tecido muscular estriado esquelético em
corte longitudinal
D - tecido muscular estriado esquelético em
corte transversal.

3. TECIDO MUSCULAR ESTRIADO
ESQUELÉTICO
A ­ fibra muscular estriada esquelética
B ­ núcleo celular periférico.

4. TECIDO MUSCULAR ESTRIADO
ESQUELÉTICO
A ­ fibra muscular estriada esquelética

BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

3. TECIDO MUSCULAR ESTRIADO
CARDÍACO
A ­ cardiócito = célula do tecido muscular
estriado cardíaco.
B ­ núcleo do cardiócito com localização mais
centralizada na célula.

4. TECIDO MUSCULAR ESTRIADO
CARDÍACO
A ­ cardiócito = célula do tecido muscular
estriado cardíaco, mostrando o núcleo
do cardiócito com localização mais
centralizada na célula.
B ­ cardiócito circundado por tecido conjuntivo
frouxo.

5. TECIDO MUSCULAR ESTRIADO
CARDÍACO
A ­ cardiócito = célula do tecido muscular
estriado cardíaco, mostrando o núcleo
do cardiócito com localização mais
centralizada na célula; além das estrias
transversais nas células.

6. TECIDO MUSCULAR ESTRIADO
CARDÍACO
A ­ vaso sanguíneo com células do sangue no
interior.
B ­ cardiócito = célula do tecido muscular
estriado cardíaco, mostrando o núcleo
do cardiócito com localização mais
centralizada na célula; além das estrias
transversais nas células.
C ­ interdigitações
cardiócitos.

presentes

entre

os

7. TECIDO MUSCULAR ESTRIADO
CARDÍACO
A ­ cardiócito = célula do tecido muscular
estriado cardíaco, mostrando o núcleo
do cardiócito com localização mais
centralizada na célula; além das estrias
transversais nas células.
B ­ interdigitações
cardiócitos.

presentes

entre

os

C ­ vaso sanguíneo com células do sangue no
interior.

- 141 -

B ­ núcleo da célula muscular lisa.

8. TECIDO MUSCULAR ESTRIADO
CARDÍACO
A ­ tecido muscular estriado cardíaco em
corte transversal.

A ­ tecido epitelial simples cilíndrico

5. TECIDO MUSCULAR LISO
A ­ tecido epitelial de transição.
B ­ tecido conjuntivo frouxo formando a lâmina
própria.
C ­ tecido muscular liso

XXI ­ TECIDO MUSCULAR LISO

D ­ tecido muscular liso.

1. TECIDO MUSCULAR LISO
A ­ túnica adventícia formada por tecido
conjuntivo frouxo.
B ­ túnica média formada por tecido muscular
liso em corte longitudinal.

6. TECIDO MUSCULAR LISO
A ­ tecido muscular liso em corte longitudinal.

7. TECIDO MUSCULAR LISO
2. TECIDO MUSCULAR LISO
A ­ fibras elásticas e colágenas dispostas
entre as camadas de células musculares.
B ­ núcleo da célula muscular lisa.

3. TECIDO MUSCULAR LISO
A - fibras elásticas e colágenas dispostas
entre as camadas de células musculares.
B ­ núcleo da célula muscular lisa.

4. TECIDO MUSCULAR LISO
A ­ fibras elásticas e colágenas dispostas
entre as camadas de células musculares.

BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

10. TECIDO MUSCULAR LISO

A - tecido muscular liso em corte longitudinal.
B ­ núcleo celular.

8. TECIDO MUSCULAR LISO

B - tecido muscular liso em corte longitudinal.
C - tecido muscular liso em corte transversal.

11. TECIDO MUSCULAR LISO
A ­ tecido epitelial simples cilíndrico
B ­ tecido muscular liso em corte transversal.
C ­ tecido muscular liso em corte longitudinal

12. TECIDO MUSCULAR LISO
A ­ núcleo da fibra muscular.
13. TECIDO MUSCULAR LISO
A ­ tecido conjuntivo frouxo
B ­ tecido epitelial simples cúbico formando
o revestimento dos ductos das glândulas
exócrinas presentes no tecido conjuntivo.

A - tecido muscular liso em corte longitudinal.

C ­ tecido muscular liso em corte longitudinal

B ­ tecido conjuntivo frouxo

D ­ tecido muscular liso em corte transversal.

C ­ tecido epitelial simples cilíndrico.

14. TECIDO MUSCULAR LISO
9. TECIDO MUSCULAR LISO
A ­ tecido muscular liso em corte longitudinal.

A ­ tecido muscular liso em corte longitudinal.
B ­ tecido muscular liso em corte transversal.

B ­ tecido muscular liso em corte transversal.

- 142 -

XXII ­ TECIDO NERVOSO

6. TECIDO NERVOSO
A ­ substância branca

1. TECIDO NERVOSO
A ­ matriz do tecido conjuntivo entre as células
do tecido nervoso
B ­ núcleo celular.

B ­ neurônios
C ­ substância cinzenta.

7. TECIDO NERVOSO

2. TECIDO NERVOSO
A ­ neurônio

A ­ substância cinzenta mostrando as fibras
nervosas em corte transversal.

B ­ núcleo de célula da glia.

B ­ neurônio.

3. TECIDO NERVOSO
A ­ células ependimárias
cavidades

8. TECIDO NERVOSO
revestindo

as

A ­ corpo celular do neurônio = soma.
B ­ prolongamento do neurônio.

B ­ núcleo das células

4. TECIDO NERVOSO
A ­ células ependimárias
cavidades

revestindo

as

B ­ neurônio

5. TECIDO NERVOSO
A ­ substância cinzenta
B ­ neurônios
C ­ substância branca

BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 143 -

REFERÊNCIAS
JUNQUEIRA, L. C.; CARNEIRO, José.
Histologia básica. Rio de Janeiro:
Guanabara Koogan, 2007.
OVALLE, William K.; NAHIRNEY,
Patrick C. Netter: bases da histologia.
Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.
Lâminas histológicas do Centro
Universitário UNIVATES
Imagens e captura de imagens:
Franciele Dietrich.

BIOLOGIA TECIDUAL ATLAS VISUAL - TESTES

- 144 -