40

APLICAÇÕES DA BIOENGENHARIA
EM MEDICINA DENTÁRIA
Alexandre Arribança
Licenciado em Medicina Dentária
Faculdade de Ciências da Saúde ­ UFP

Inês Lopes Cardoso
Professora Associada
Faculdade de Ciências da Saúde ­ UFP
[email protected]

como referenciar este artigo: ARRIBANÇA, Alexandra ; CARDOSO, Inês Lopes - Aplicações da bioengenharia
em medicina dentária. Revista da Faculdade de Ciências da Saúde. Porto : Edições Universidade Fernando Pessoa.
ISSN 1646-0480. 6 (2009) 40-49.

41

Resumo
A engenharia de tecidos é um novo campo da medicina que tenta criar tecidos e órgãos
funcionais que serão usados em caso de lesão. Devido à relativa simplicidade e grande potencial, a medicina dentária é um dos primeiros candidatos a esta tecnologia. A dentística e
a endodontia parecem ser duas áreas com grande potencial. O desenvolvimento de novos
materiais e de novos protocolos clínicos poderá tornar obsoletos os actualmente usados.
Palavras-chave
Células estaminais, dentina, esmalte, dentes naturais

Abstract
Tissue engineering is a new field of medicine, which tries to create healthy as well as functional tissues and organs to replace injured ones. Due to its simplicity and its profit potential,
dentistry is one of the preferential candidates for this technology. Dentistics and endodontics seem to be areas with great potential. New materials and clinical protocols development
may cause the current state of affairs to become obsolete.
Keywords
Stem cells, dentin, enamel, natural teeth

42

1. Introdução
A Bioengenharia define-se como o estudo da fisiologia e estrutura tecidular com o objectivo de regenerar tecidos danificados por tumores, outras patologias ou trauma (Nakashima,
2005). O corpo humano tem uma espantosa capacidade de regeneração. Células de tecidos
como sangue e epitélio, dividem-se rapidamente e são regeneradas continuamente durante toda a vida, enquanto que as células da maioria dos outros tecidos têm um turn-over
celular mais lento respondendo a sinais biológicos específicos (Krebsbach et al., 2002). Esta
capacidade de regeneração dos tecidos é conferida pelas células estaminais pós-natais, que
têm capacidade de divisão, proliferação e diferenciação (Harada et al., 1999; Bluteau et al.,
2008; Honda et al., 2008). Células estaminais embrionárias e adultas têm sido sujeitas a profundas investigações para o desenvolvimento in vitro de novos órgãos como cabelo, pele
e osso. As células estaminais adultas, que possuem um restrito potencial de diferenciação,
podem facilmente ser isoladas a partir de um paciente e, após amplificação in vitro e/ou
diferenciação poderiam ser re-injectadas no mesmo paciente evitando rejeição.
Alguns investigadores, devido à complexidade da bioengenharia de órgãos, consideraram
que a medicina dentária seria a melhor área para começar investigações relacionadas com
bioengenharia de órgãos vitais (Silva et al., 2004), uma vez que as características de barreira
de dentina reparativa/regenerativa constituem uma melhor protecção para a polpa comparativamente a material artificial, e devido à dependência da prática clínica dentária em materiais de restauração, que na sua maioria não têm as mesmas características físicas e químicas
que a dentina (Nakashima, 2005; Silva et al., 2004; Bluteau et al., 2008; Honda et al., 2008).
O grande potencial da engenharia de tecidos é o tratamento de cárie dentária através do
desenvolvimento de técnicas de regeneração tecidular (pulpar ou dentinária) (Kaigler et al.,
2001; Bluteau et al., 2008). Outra perspectiva a longo prazo seria a colaboração entre engenheiros genéticos e médicos dentistas na reabilitação oral de pacientes (Silva et al., 2004;
Bluteau et al., 2008).

2. Bioengenharia em Medicina Dentária
A engenharia de tecidos é um campo multidisciplinar em expansão com elevado potencial
para o desenvolvimento de tecidos e órgãos de modo a recuperar a sua função ou mesmo
substitui-los. Os princípios da embriogénese dentária têm vindo a ser usados para o desenvolvimento de métodos de reconstruir estruturas dentárias e craniofaciais ou mesmo para
a formação de dentes que possam ser usados para substituir peças dentárias em humanos.
Uma vez que a formação do dente resulta de interacções epitélio-mesênquima, duas distintas populações de células embrionárias devem ser tidas em conta: células estaminais
epiteliais que darão origem a ameloblastos, células estaminais de mesênquima que darão
origem a odontoblastos, cementoblastos, osteoblastos e fibroblastos de ligamento periodontal (Bluteau et al., 2008).
Assim, a bioengenharia de dentes através da utilização de células estaminais baseia-se no
isolamento e cultura em condições in vitro ou ex vivo para o desenvolvimento da morfogénese do dente e em seguida a diferenciação celular em células específicas de dentes que
irão dar origem a dentina, esmalte, cemento e osso alveolar.

2.1. Bioengenharia de Tecidos Dentários
A cultura de células da polpa dentária, extraídas de terceiros molares imaturos, levou à produção de fibras de colagénio tipo I seguida de início da deposição mineral. Durante 8 semanas a formação de fibras e deposição de minerais foi contínua. As células contíguas à
estrutura mineralizada apresentavam uma estrutura polarizada, tal como aquela observada
in vivo, apesar de não se observar a formação de túbulos dentinários. Só foram obtidos estes
resultados em culturas tratadas com -glicerofosfato (About et al., 2000). As células desta
cultura para além de expressarem colagénio tipo I, também expressavam osteonectina e
nestina. Análise em espectofotómetro revela que, quer a composição mineral quer a orgânica têm características semelhantes à da dentina (About et al., 2000).
Outros autores (Batouli et al 2003, Gronthos et al. 2002) transplantaram para o dorso de ratinhos imunocomprometidos uma mistura de células estaminais da polpa dentária (DPSC),
hidroxiapatite (HA) e fosfato tricálcico. Após quatro semanas observou-se a diferenciação
destas células em odontoblastos e produção de dentina reparativa. Mais ainda, observou-se
a formação de polpa dentária e a existência de vasos e tecido conjuntivo, onde se encontraram nichos de células estaminais que não se diferenciaram. Após 16 semanas de transplante
ainda existia a capacidade de produzir dentina. Para além de serem capazes de produzir um
complexo pulpo-dentinário, estas células também eram capazes de induzir as células do
hospedeiro a participar no processo reparativo/produtivo (Batouli et al., 2003). Gronthos et
al (2002) observaram a formação de dentina similar à dentina primária (figura 1). Após análise dos odontoblastos existentes, concluíram que 85% são originários das células transplantadas e 15% do hospedeiro. Em 2004, Goldberg demonstrou em ratinhos que moléculas
bioactivas presentes na matriz extracelular, induzem a formação de uma ponte de dentina
ou uma área mineralizada na polpa coronária. Em estudos recentes (Goldberg et al., 2009)
demonstrou-se a formação de dentina reparativa após implantação de moléculas da matriz
dentinária extracelular em polpas expostas.

Figura 1. Corte sagital de transplantes de DPSC 6 semanas pós-transplante. A) Observa-se a estrutura de HA/TCP (c)
circundada por uma área de dentina (d) seguida de uma camada de odontoblastos (od) na zona pulpar onde também
se observam vasos sanguíneos (bv). B) Visão ampliada da matriz dentinária onde se observam os processos odontoblásticos (setas). C) luz polarizada mostra a perpendicularidade entre odontoblastos e a fibras de cloagénio da dentina
(Adaptado de Gronthos et al., 2000).

43

44

O uso de células estaminais parece ainda ser promissor no tratamento da doença periodontal. Kramer et al. (2004) conduziram estudos para determinar o potencial das células
estaminais de mesênquima e células progenitoras do tecido do ligamento periodontal,
para produzir diferentes tipos de tecidos orais assim como a possibilidade de reparar lesões
causadas por doenças orais. Neste estudo demonstraram o desenvolvimento de tecido semelhante a ligamento periodontal a partir das células testadas. Num estudo piloto de Marei et al. (2009) foram utilizadas células estaminais de mesênquima de medula óssea numa
tentativa de regeneração de tecido periodontal junto a implantes dentários. Este estudo
permitiu a formação experimental de estruturas periodontais rodeando implantes de titânio
em cabras.
O epitélio do orgão do esmalte só permanece como camada protectora do esmalte até à
erupção dentária. Por esta razão, em contraste com a dentina, o esmalte não regenera após
trauma. Mesmo assim, algumas células epiteliais poderão ter a capacidade de se diferenciarem em ameloblastos, como em certos animais (ratinhos), que apresentam reservatórios de
células estaminais epiteliais como forma de substituir dentes perdidos. Thesleff et al. (2003)
consideram que o estudo do processo de diferenciação do epitélio dentário poderá levar
a soluções para a regeneração do esmalte. Uma nova estratégia para a bioengenharia de
tecido de esmalte in vitro foi utilizada por Honda et al. (2009). Neste estudo foram cultivadas
células do epitélio de esmalte, isoladas a partir de esmalte. Estas células em cultura retêm
a capacidade de produzir estruturas de esmalte. Estas células foram colocadas sobre uma
esponja de colagénio, juntamente com células primárias de polpa dentária, isoladas na fase
inicial de formação da coroa, e estas construções foram transplantadas para ratos. Após 4
semanas foram detectadas nos implantes, estruturas complexas de esmalte-dentina. Este
estudo demonstra a possibilidade de produzir esmalte in vivo. Um outro estudo (Wang et
al., 2009) explorou o crescimento directo de estruturas humanas semelhantes a esmalte em
dentes humanos, através da utilização de pastas de fluoroapatite/ácido fosfórico.

2.2. Bioengenharia de dentes
Têm sido referenciados dois nichos diferentes de células estaminais para a bioengenharia de
dentes: a ansa cervical de incisivos de roedores para as células estaminais epiteliais (Harada
et al., 1999; Mitsiadis et al., 2007) e o nicho perivascular na polpa dentária adulta para as
células estaminais de mesênquima (Shi e Gronthos, 2003). Para além destas últimas, outras
populações de células estaminais de mesênquima foram já isoladas de tecidos dentários
humanos como por exemplo o ligamento periodontal (Seo et al., 2004, 2005) e o folículo
dentário (Morsczeck et al., 2005) não se sabendo da existência de nichos nestes tecidos.
Usando células estaminais do epitélio recolhidas de germens dentários de terceiros molares
de porco na fase de botão, Young et al. (2002, 2005) produziram dentes em laboratório. As
células foram transplantadas para ratinhos imunocomprometidos num scaffold tridimensional em forma de dentes incisivos e molares. O material usado para produzir o scaffold foi
um copolímero de ácido poliglicólico e ácido poliláctico (PLGA). Após 20 semanas verificouse a formação de uma estrutura de 2 por 2 mm com forma semelhante à de uma coroa
dentária. Foi observada a presença de uma camada de odontoblastos seguidos de uma
camada de pré-dentina e outra de dentina mineralizada, não se observando formação de
esmalte (Young et al., 2002). Às 25 semanas, observou-se a formação de matriz de esmalte
não calcificado (presença de amelogénica na imunofluorescência), adjacente à dentina. Às

30 semanas, observou-se a formação de uma camada de esmalte. Circundando o esmalte
existia uma estrutura semelhante ao órgão de esmalte com um retículo estrelado e epitélio
do esmalte externo e interno. Adjacente à dentina observou-se a presença de cimentoblastos e de uma camada de cimento (Young et al., 2002).
Em 2004, Duailibi et al. repetiram as experiências descritas, usando dois materiais diferentes
para produção do Scaffold 3D - ácido poliglicólico (PGA) e PLGA ­ e usando células estaminais de duas espécies animais diferentes (rato e porco). Estes autores realizaram para além
de análise histológica, uma análise radiográfica que permitiu observar uma estrutura mineralizada com forma semelhante a um dente (Duailibi et al., 2004).
Experiências semelhantes às descritas anteriormente, foram efectuadas com células estaminais retiradas de germens dentários de terceiros molares imaturos. As fases de desenvolvimento destes dentes são semelhantes às da embriogénese dentária, com algumas
diferenças, como por exemplo a formação radicular começa ao mesmo tempo que a formação do esmalte. Apesar de se usarem scaffolds de PGA, a forma e tamanho dos dentes não é
previsível (Honda et al., 2005).
Ohazama et al. (2004) sujeitaram diferentes populações de células estaminais ao estímulo
do epitélio oral da fase embrionária E 10. As populações de células estaminais usadas foram
células estaminais embrionárias, células estaminais neurais e células estaminais da medula
óssea (BMSCs). Após 3 semanas todas as populações expressavam marcadores exclusivos do
mesênquima odontogénico. Após transplante para cápsulas renais de ratinhos imunosuprimidos, foi observada a formação de coroas dentárias associadas a tecido ósseo e mucosa
em todas as populações celulares usadas. Este estudo prova que, nem só as DPSCs têm capacidade de formar tecido dentário, mas também outras populações de células estaminais,
quando estimuladas pelo epitélio oral embrionário (Ohazama et al., 2004).
No estudo de Young et al. (2005) foram criados tecidos híbridos dente-osso. Na interface dos
tecidos dentário e ósseo produzidos estavam presentes: tecido conjuntivo positivo para colagénio tipo III semelhante a ligamento periodontal, e estruturas de raízes dentárias (Young
et al, 2005). Estratégias semelhantes foram usadas em estudos de Honda et al. (2005, 2007)
que são bastante promissoras para a formação do dente e regeneração.
Vários autores executaram transplantes de germens dentários para a mandíbula de ratinhos
adultos e observaram que os dentes continuavam a desenvolver-se, formando dentes de
tamanho normal (Modino et al., 2005; Ohazama et al., 2004). Duailibi et al. (2008) mostraram
que células de gérmens dentários de rato em cultura, colocadas em scaffolds biodegradáveis, implantadas nas mandíbulas de ratos adultos e crescidas durante 12 semanas, formam
pequenas e organizadas coroas dentárias, contendo dentina, esmalte, polpa, e tecidos de
ligamento periodontal.
De modo a corrigir defeitos da mandíbula, Abukawa et al. (2009) prepararam construções de
dentes e osso a partir de tecido dentário de terceiros molares e osteoblastos derivados de
medula óssea de porco, que foram implantados no mesmo animal. Após 20 semanas foram
identificadas pequenas estruturas dentárias que eram constituídas por dentina organizada,
esmalte, polpa, e tecidos de ligamento periodontal, rodeados por novo osso.

45

46

2.3. Perspectivas para o futuro
Os primórdios dentários, formados in vitro através de bioreactores e/ou in vivo em modelos
animais, podem ser a base para transplante para a boca, onde poderão continuar a desenvolver-se (figura 2).
Células estaminais implantadas num scaffold podem ser usadas para produção de um complexo pulpo-dentinário funcional, podendo este ser transplantado para a polpa dentária
exposta (figura 3) (Nakashima, 2005).

Figura 2. Esquema de possível terapêutica para substituição dentária usando células estaminais. Células estaminais
epiteliais podem ser colhidas do palato enquanto que células mesenquimatosas podem ser colhidas da medula óssea
ou da polpa dentária. Estas células são multiplicadas in vitro. Com uma combinação de células mesenquimatosas e
células epiteliais, um gérmen dentário pode desenvolver-se, com o uso de sinais que são fornecidos, quer através
de um bioreactor quer através de um ser vivo. Entre a fase de capuz e campânula transplanta-se o gérmen para um
espaço desdentado. O seu desenvolvimento continua, posteriormente dá-se a erupção dentária e o início de função
oclusal. (Adaptado de Chai et al., 2003).

47

Figura 3. Formação de dentina tubular com orientação e forma pré-determinada para utilização clínica. As células
podem ser cultivadas num meio com proteína morfogénica do osso para indução de diferenciação em odontoblastos
e formação de dentina tubular in vivo para posterior transplante sob polpa exposta. (Adaptado de Nakashima, 2005).

O possível desenvolvimento de células estaminais, universalmente imunocompatíveis, poderá tornar possível a produção em massa de células estaminais, podendo ser uma mais
valia para tornar esta tecnologia acessível à prática clínica diária (Nakashima, 2005; Bluteau
et al., 2008; Honda et al., 2008).

Bibliografia
About I., Bottero M. J. et al. (2000) Human dentin production in vitro. In: Exp Cell Res,
258, 1, pp.33-41.
Abukawa H., Zhang W. et al. (2009) Reconstructing mandibular defects using autologous
tissue-engineered tooth and bone constructs, In: J Oral Maxillofac Surg, 67, 2, pp. 335-347.
Batouli S., Miura M., et al. (2003) Comparison of stem-cell-mediated osteogenesis and
dentinogenesis, In: J Dent Res, 82, 12, pp. 976-981.
Bluteau G, Luder H-U. et al. (2008) Stem Cells for tooth engineering, In: Eur Cells and
Mat, 16, pp. 1-9.
Chai, Y. e Slavkin, H.C. (2003) Prospects for tooth regeneration in the 21st century: a perspective, In: Microsc Res Tech, 60, 5, pp. 469-479.
Duailibi M.T., Duailibi S.E. et al. (2004) Bioengineered teeth from cultured rat tooth bud
cells, In: J Dent Res, 83, 7, pp. 523-528.
Duailibi S.E., Duailibi M.T. et al. (2008) Bioengineered dental tissues grown in the rat
jaw, In : J Dent Res, 87, 8, pp. 745-750.
Goldberg M (2004) Cells and extracellular matrices of dentin and pulp: a biological basis
for repair and tissue engineering, In: Crit Rev Oral Biol Med, 15, 1, pp. 13-27.

48

Goldberg M., Six N. et al. (2009) Dentin extracellular matrix molecules implanted into
exposed pulps generate reparative dentin: a novel strategy in regenerative dentistry, In: J
Den Res, 88, 5, pp. 396-399.
Gronthos S. Brahim J. et al. (2002) Stem cell properties of human dental pulp stem
cells, In: J Dent Res, 81, 8, pp. 531-535.
Gronthos S., Mankani M. et al. (2000) Postnatal human dental pulp stem cells (DPSCs)
in vitro and in vivo, In: Proc Natl Acad Sci USA, 97, 25, pp. 13625-13630.
Harada H., Kettunen P. et al. (1999) Localization of putative stem cells in dental epithelium and their association with Notch and FGF signaling, In: J Cell Biol, 147, 1, pp. 105-120.
Honda M.J., Fong H. et al. (2008) Tooth-forming potential in embryonic and postnatal
tooth bud cells, In: Med Mol Morphol, 41, 4, pp. 183-192.
Honda M.J., Shinmura Y. et al. (2009) Enamel tissue engineering using subcultured
enamel organ epithelial cells in combination with dental pulp cells, In: Cells Tissues Organs,
189, 1-4, pp. 261-267.
Honda M.J., Sumita Y. et al. (2005) Histological and immunohistochemical studies of
tissue engineered odontogenesis, In: Arch Histol Cytol, 68, 2, pp. 89-101.
Honda M.J., Tsuchiya S. et al. (2007) The sequential seeding of epithelial and mesenchymal cells for tissue-engineering tooth regeneration, In: Biomaterials, 28, pp. 80-89.
Kaigler D. e Mooney D. (2001) Tissue engineering's impact on dentistry, In: J Dent Educ,
65, 5, pp. 456-462.
Kramer P.R., Nares S. et al. (2004) Mesenchymal Stem Cells acquire characteristics of
cells in the periodontal ligament in vitro, In: Dent Res, 83, 1, pp. 27-34.
Krebsbach P.H. e Robey P.G. (2002) Dental and skeletal stem cells: potential cellular therapeutics for craniofacial regeneration, In: J Dent Educ, 66, 6, pp. 766-773.
Marei M.K., Saad M.M. et al. (2009) Experimental formation of periodontal structure
around titanium implants utilizing bone marrow mesenchymal stem cells: a pilot study, In: J
Oral Implantol, 35, 3, pp. 106-129.
Mitsiadis T.A., Barrandou O. et al. (2007) Stem cell niches in mammals, In: Exp Cell Res,
313, pp. 3377-3385.
Modino S.A. e Sharpe P.T. (2005) Tissue engineering of teeth using adult stem cells, In:
Arch Oral Biol, 50, 2, pp. 255-258.
Morsczeck C., Gotz W. et al. (2005) Isolation of precursor cells (PCs) from human dental
follicle of wisdom teeth, In: Matrix Biol, 24: 155-165.
Nakashima M. (2005) Bone morphogenetic proteins in dentin regeneration for potential
use in endodontic therapy, In: Cytokine Growth Factor Rev, 16, 3, pp. 369-376.
Ohazama A, Modino, S.A. et al. (2004) Stem-cell-based tissue engineering of murine
teeth, In: J Dent Res, 83, 7, pp. 518-522.
Seo B.M., Miura M. et al. (2004) Investigation of multipotent postnatal stem cells from
human periodontal ligament, In: Lancet, 364, pp. 149-155.
Seo B.M., Miura M. et al. (2005) Recovery of stem cells from cryopreserved periodontal
ligament, In: J Dent Res, 84, pp. 907-912.
Shi S., Gronthos S. (2003) Perivascular niche of postnatal mesenchymal stem cells in
human boné marrow and dental pulp, In: J Bone Miner Res, 18, pp. 696-704.
Silva A.P., Sousa N.S. et al. (2004) Medicina Dentária. que futuro! Terceira Dentição Natural, será Possível? In: STOMA, 71, pp. 30-33.
Thesleff I. (2003) Epithelial-mesenchymal signalling regulating tooth morphogenesis, In:
J Cell Sci, 116, 9, pp.1647-1648.
Wang X., Xia C. et al. (2009) Direct growth of human enamel-like calcium phosphate
microstructures on human tooth, In: J Nanosci Nanotechnol, 9, 2, pp. 1361-1364.

Young C.S., Abukawa H. et al. (2005) Tissue-engineered hybrid tooth and bone, In: Tissue Eng, 11, 9-10, pp. 1599-1610.
Young C.S., Terada, S. et al. (2002) Tissue engineering of complex tooth structures on
biodegradable polymer scaffolds, In: J Dent Res, 81, 10, pp.695-700.

49