Centro de Gestão e Estudos Estratégicos
Ciência, Tecnologia e Inovação

Biomateriais

Gloria de Almeida Soares

Rio de Janeiro
Dezembro, 2005

3

Biomateriais

Fórum de Biotecnologia Biomateriais
Universidade Federal do Rio de Janeiro
Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-graduação e Pesquisa de
Engenharia
Programa de Engenharia Metalúrgica e de Materiais

Pesquisador responsável
Prof. Dra. Gloria de Almeida Soares ­ PEMM/COPPE/UFRJ

4

SUMÁRIO EXECUTIVO

Biomateriais é uma parte importante dos cerca de 300.000 produtos para uso na
área da saúde. Em 2000, o mercado mundial de biomateriais foi estimado em 23
bilhões de dólares, com taxa de crescimento de 12% ao ano1, o que significaria já
ter, em 2005, ultrapassado os US$ 40 bilhões. A participação dos EUA se situa
entre 35-45% do mercado mundial, enquanto o mercado europeu é responsável
por cerca de 25%. Somente o mercado músculo-esqueletal foi estimado em 24
bilhões de dólares em 2005, com US$13,3 bilhões correspondendo ao mercado
norte-americano2.

Dada a diversidade de produtos enquadrados sob o rótulo "biomateriais" houve a
necessidade de se identificar grupo ou produtos com relevância econômica,
médica ou social. Para tal, utilizou-se priorização feita pela ANVISA que
considerou gastos públicos; gastos privados; variações dos preços segundo a
revista Simpro e dados de Comércio Exterior entre 2000 e 2004. Considerando os
itens de maior impacto em cada grupo, os maiores gastos são com as áreas
cardiovascular (variando de 56 a 80%), seguido pela ortopedia (de 36 a 20%)3.

Na área cardiovascular cerca de 58% dos gastos corresponde a equipamentos
biomédicos (cardioversores, cardiodesfibriladores e marcapassos), seguido por
próteses endovasculares ("stents") e válvulas cardíacas, correspondendo a,
respectivamente, 22 e 4% dos gastos de um hospital de cardiologia4. No caso dos
stents, há uma tendência clara de aumento do uso de stents recobertos com
fármacos (drug-eluting stents), com custo cerca de 4 vezes superior aos stents
convencionais e produzido por grandes empresas multinacionais. Não foram
encontradas patentes brasileiras na área de stents.

1

http://www.sric-bi.com/Explorer/BM.shtml, acesso em 14/04/2006.
http://www.biomet.com/ci/investors/financials/2005.pdf
3
A variação desses percentuais é função de quantos itens de maior impacto foram considerados em cada caso. Quanto
menor o número de itens considerado, maior o peso do setor cardiovascular, pois os produtos têm valor unitário mais
elevado, quando comparado com os demais setores.
4
RR Andrade, Seminário Produtos para a Saúde: mercado e regulação, 8 e 9 de dezembro de 2005, Brasília, DF.
2

2

No Brasil, vale destacar o desenvolvimento de próteses endovasculares ocorrido
na UFSC, fruto da interação entre os Departamentos de Engenharia Mecânica e
Cirurgia Vascular, que resultou na criação da Nano Endoluminal Ltda. Essa
empresa desenvolveu o Sistema Endovascular Apolo que recebeu o Prêmio
FINEP de Inovação (categoria produto) de 20005. Uma outra iniciativa nessa área
visando desenvolver stents recobertos com tecnologia nacional, agrupa uma
empresa incubada na USP (Inovatech Medical), uma "spin-off" (Lasertools),
pesquisadores da Unicamp liderados pelo prof. Ganzarolli de Oliveira e o
INCOR/Fundação Zerbini. O projeto é financiado pelo Programa Inovação
Tecnológica em Pequenas Empresas (PIPE) da FAPESP6.

Em 2004, os gastos do SUS com ortopedia totalizaram cerca de 60 milhões de
reais, com 6.337 itens (exceto insumos) fornecidos por 39 empresas e preços de
lista variando entre R$ 3,17 e R$ 48.000,007. Somente o procedimento de
artroplastia total de quadril gerou - no âmbito do SUS - quase 10 mil internações e
um gasto total de quase R$ 30 milhões para a compra de próteses. Somado a
isso, houve - somente em 2004 - cerca de 1500 cirurgias de revisão, responsáveis
por um gasto adicional de quase R$ 7 milhões em próteses8. Estes números não
refletem a demanda real por estes serviços, uma vez que com o aumento
continuado da longevidade do brasileiro, haverá necessidade de se ampliar a
oferta desta tecnologia.
Segundo dados da ANVISA9, existem 12 fabricantes nacionais registrados
atendendo à área de artroplastia, um no Paraná e os demais em São Paulo. Os
produtos fabricados são em sua maioria de aço inoxidável, principalmente o aço
316L, sendo a "Villares Metals" o maior fornecedor dessa matéria prima. As
matérias primas mais indicadas para a fabricação próteses permanentes - ligas de
titânio e ligas cobalto-cromo-molibdênio - apresentam a desvantagem de serem
importadas e caras. Este fato gera uma disparidade no preço das próteses, com
as importadas a um custo de cerca de US$ 4,5 mil, enquanto as de aço inoxidável
5

http://www.nano.com.br/index_ie.htm,em 23/11/2005
http://www.universia.com.br/html/materia/materia_ghaa.html, em 23//11/2005
7
F Rebello e V Santos, Seminário Produtos para a Saúde: mercado e regulação, 8 e 9 de dezembro de 2005, Brasília, DF.
8
DATASUS, 2004.
9 UINSP/ANVISA em 13/06/2005
6

3

saem por US$ 60010. A consulta à base de patentes do INPI indica que existiu,
especialmente na década de 90, iniciativas brasileiras na área de design, projeto
ou material, mas a maioria dos processos, após tramitação de 5-10 anos,
acabaram sendo arquivados.

A base normativa nacional, no âmbito de artroplastia, atende, em grande parte as
exigências para a maioria dos implantes.

Essas normas foram criadas ou

internalizadas pelo Comitê Brasileiro Odonto Médico Hospitalar (CB-26),

da

Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) que alcançou, em 2004, a
marca de 203 normas. Recursos da ordem de 7 milhões de reais estão sendo
disponibilizados, em 2006, por meio da chamada pública MCT/MS/DECIT/FINEP
que objetiva capacitar instituições científicas e tecnológicas para integrarem a
Rede Multicêntrica de Avaliação de Implantes Ortopédicos (REMATO), com o
Instituto Nacional de Traumato Ortopedia (INTO) atuando como Centro
Coordenador. Os recursos alocados a esse programa são um primeiro passo na
viabilização da certificação de próteses.

Outros materiais à base de hidroxiapatita, juntamente com materiais poliméricos
ou compósitos, têm sido bastante empregados em sistemas de liberação
controlada de fármacos ou como arcabouços para tecidos celularizados. Ambas as
áreas ("drug delivery" e terapia celular) são novíssimas, com inter e
transdisciplinaridade. Biomateriais para odontologia também é uma área
importante ­ não coberta pelo SUS ­ com várias iniciativas e grupos de pesquisa
atuantes. O estágio atual das pesquisas no Brasil indica que a competitividade
poderá ser mantida, se houver investimentos suficientes nesta área e incentivo à
inovação e à transferência de tecnologia.

O mapeamento das principais empresas internacionais que atuam em biomateriais
mostra a importância da inovação tecnológica, com destaque para 65 empresas
(num total de quase 400) atuando prioritariamente em nanotecnologia, terapia
celular e/ou engenharia tecidual e outras 80 com atuação na área de polímeros,
muitas deles como carreador de proteínas e fármacos ("drug delivery"). Em termos
10

http://www.pmt.usp.br/Pesquisa%20FAPESP.htm, acesso em 20/10/2005.

4

de setores, aparecem, pela ordem, o setor músculo-esqueletal (77 empresas),
seguido de cardiologia (39 empresas) e odontologia (33 empresas).

Adicionalmente à formação científica dos mestrandos e doutorandos, é preciso
introduzir conhecimentos em gestão e avaliação tecnológica, bem como estimular
o empreendedorismo. É urgente a definição de políticas de fixação de recursos
humanos e o incentivo à criação de novas empresas de base tecnológica, pois
nem o mercado, nem as universidades tem como absorver a totalidade de
pesquisadores que estão se graduando.

O processo de obtenção de patentes precisa ser agilizado e é importante se
introduzir

a presença do profissional "facilitador" nesta etapa, bem como

na

relação ICTIs - empresas. Quanto ao financiamento da pesquisa, um aspecto que
tem preocupado os pesquisadores é a multiplicidade de editais existentes. Esse
fato, aliado a uma falta de definição de políticas de médio-longo prazo, faz com
que o pesquisador direcione seu trabalho ao sabor dos editais vigentes. Para o
governo, também significa baixo rendimento no investimento feito, uma vez que
projetos importantes são - muitas vezes - descontinuados, após grandes
investimentos materiais e em recursos humanos. Está em discussão nas
Instituições de Ciência, Tecnologia e Inovação (ICTI) a Lei de Inovação que dispõe
sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente
produtivo. Existem dúvidas como se efetivar o compartilhamento de infraestrutura,
a remuneração docente e como viabilizar os afastamentos sem

prejuízo dos

departamentos/programas.

O quadro, a seguir, resume as características da indústria nacional para cada
produto e algumas ações que poderiam ser implementadas com o objetivo de
promover, o mais rapidamente possível, acesso de todas as parcelas da
população a produtos que aliem qualidade e baixo custo.

5

ITEM

CARACTERÍSTICAS

AÇÕES

Stents e
stents
recobertos

mercado é dominado por empresas
multinacionais, com pouquíssimas "spin off"
investindo no desenvolvimento de produtos

Identificar nichos de atuação
competitiva e financiar maciçamente
os projetos.

Próteses totais

indústria nacional com perfil irregular, muitas com
terceirização de etapas fundamentais do
processo e, em geral, bastante criticadas quanto
à qualidade do que produzem

A rede REMATO equacionará parte
dos problemas relacionados a esses
produtos, mas é preciso que a rede se
mantenha em funcionamento por um
longo prazo.
Alguns estudos precisariam ser
desenvolvidos visando melhor definir
as políticas públicas para esse setor.

Materiais para
enxertos e
scaffolds

Indústria nacional compete com produtos
importados, produtos de origem animal e bancos
de ossos.

Scaffolds (HA, polímeros ou compósitos) estão
sendo desenvolvidos em ICTIs

Definir fatias de mercado para cada
tipo de produto, como forma a
estimular a ampliação/criação de
novas empresas.
Investir na certificação desses
produtos
Identificar projetos/redes a serem
financiados, com perspectivas de
médio-longo prazo, via editais
específicos

6

SUMÁRIO
INTRODUÇÃO.................................................................................................................... 7
1 SETOR CARDIOVASCULAR..................................................................................... 11
1.1 JUSTIFICATIVA............................................................................................................. 11
1.2 INDÚSTRIA E PATENTES............................................................................................... 12
1.3 P&D NAS INSTITUIÇÕES DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (ICTIS).............. 14
1.4 NORMATIZAÇÃO .......................................................................................................... 14
2 SETOR ORTOPEDIA................................................................................................... 16
2.1 PRÓTESES TOTAIS DE QUADRIL.................................................................................. 16
2.1.1 JUSTIFICATIVA.......................................................................................................... 16
2.1.2 INDÚSTRIA NACIONAL E PATENTES ......................................................................... 18
2.1.3 NORMATIZAÇÃO E QUALIDADE DAS PRÓTESES ...................................................... 20
2.2 ENXERTOS ÓSSEOS E ARCABOUÇOS PARA TERAPIA CELULAR ................................. 24
2.2.1 JUSTIFICATIVA.......................................................................................................... 24
2.2.2 INDÚSTRIA NACIONAL E PATENTES ......................................................................... 25
2.2.3 NORMATIZAÇÃO E QUALIDADE DOS MATERIAIS PARA ENXERTO ......................... 25
2.3 ORTOPEDIA - P&D NAS ICTIS .................................................................................... 26
3 OUTROS EXEMPLOS ................................................................................................. 29
3.1
3.2

MATERIAIS PARA ODONTOLOGIA ............................................................................... 29
LENTES INTRAOCULARES............................................................................................ 30

4 MERCADO E EMPRESAS INTERNACIONAIS ..................................................... 31
5 FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS .............................................................. 32
6 FINANCIAMENTO, PATENTES, INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE
TECNOLOGIA .................................................................................................................. 35
6.1 FINANCIAMENTO ......................................................................................................... 35
6.2 PATENTES .................................................................................................................... 37
6.3 INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA ........................................................ 39
6.3.1 A BUSCA DA LINGUAGEM COMUM ........................................................................... 41
6.3.2 PESQUISA VERSUS INOVAÇÃO .................................................................................. 43
6.3.3 PROPOSTA DE AÇÃO ................................................................................................. 44
7 CONCLUSÃO E RECOMENDAÇÕES...................................................................... 46

5

Biomateriais

ANEXOS............................................................................................................................. 48
ANEXO 1: PATENTES ............................................................................................................ 48
ANEXO 2: NORMAS TÉCNICAS ............................................................................................. 53
ANEXO 3: INDÚSTRIAS QUE ATUAM NO SETOR ORTOPEDIA............................................... 57
ANEXO 4: P&D EM BIOMATERIAIS NO SETOR ORTOPEDIA ............................................... 59
ANEXO 5: EMPRESAS INTERNACIONAIS COM ATUAÇÃO EM BIOMATERIAIS .................... 66

6

INTRODUÇÃO
Biomateriais, bioengenharia, engenharia biomédica, biotecnologia, biomecânica,
liberação controlada de fármacos (drug delivery), engenharia de tecidos e medicina
regenerativa são especialidades do conhecimento relativamente novas, cuja
definição nem sempre é clara, sendo praticamente impossível evitar a
superposição entre essas áreas e temas1. Por ordem de abrangência teríamos:
biotecnologia (definida como o uso de organismos vivos, suas células ou
moléculas para produção racionalizada de substâncias, gerando produtos
comercializáveis)2, bioengenharia (aplicação dos princípios de engenharia ao
estudo de processos biológicos, desenvolvimento de componentes, equipamentos
e processos para prevenção, diagnóstico e tratamento de doenças; reabilitação e
promoção da saúde)3, e, por último, Biomateriais que é uma parte importante dos
cerca de 300.000 produtos para a saúde.
Segundo a ANVISA4, o setor "produtos para saúde" (PS) engloba 4 grupos a
saber5:


materiais de uso em saúde: luvas, cateteres, seringas, stents, próteses, etc.



equipamentos de uso em saúde: marcapassos, bisturis eletrônicos, bombas
de cobalto, etc.



produtos para diagnóstico in vitro: meios de cultura, kits, etc.



materiais para uso em educação física, embelezamento ou correção
estética.

Uma das definições correntes diz que "Biomateriais são materiais (sintéticos ou
naturais; sólidos ou, às vezes, líquidos) utilizados em dispositivos médicos ou em
contacto com sistemas biológicos"6 enquanto que na definição clássica biomaterial
é "parte de um sistema que trata, aumenta ou substitua qualquer tecido, órgão ou

1

www.genomicglossaries.com em 01/11/2005
www.abrabi.org.br em 01/11/2005
3
www.becon.nih.gov/nihreport.htm em 01/11//2005
4
Agência Nacional de Vigilância Sanitária, www.anvisa.gov.br
5
Dr. P.S. Araki, Seminário Produtos para a Saúde: mercado e regulação, 8 e 9 de dezembro de 2005, Brasília, DF.
6
Buddy D. Ratner, Biomaterials Science: An Introduction to Materials in Medicine, 2004
2

7

Biomateriais

função do corpo"7.

Grande parte dos "materiais de uso em saúde", conforme

definição anterior da ANVISA são enquadrados como biomateriais: próteses,
lentes, enxertos, stents, cateteres, tubos de circulação extra-corpórea e
arcabouços

(scaffolds)

empregados

na

Engenharia

de

tecidos

(Tissue

Engineering), entre outros.

A engenharia de tecidos é hoje fundamental ao exercício da medicina
regenerativa8 e o mercado potencial de produtos desenvolvidos via Engenharia de
tecidos como pele, osso, cartilagem, etc. é estimado em cerca de 100 bilhões de
dólares ao ano9.

Embora, a formação in vitro de tecidos necessite, em muitos

casos, de um biomaterial (natural ou sintético) na forma de arcabouço para células,
há uma tendência crescente de se considerar - dada a sua complexidade - a
Engenharia de Tecidos como uma área à parte. Dessa forma, o desenvolvimento e
produção de biomateriais deve visar seu uso direto e, também, o atendimento às
necessidades dessas áreas correlatas.

A relação entre "biomateriais" e "nano" é maior do que se imagina, pois o
desenvolvimento de produtos, passa, na maioria das vezes, pelo entendimento do
papel da interação (em escala nano) do material com o meio biológico que definirá
se haverá formação óssea (caso de hastes femorais ou implantes dentários) ou
uma indesejável adesão plaquetária (caso das próteses endovasculares). Além
disso, existem várias linhas de pesquisa voltadas para a produção de
nanopartículas como carreadoras de fármacos ou para uso em terapias
localizadas. Dos 25 artigos científicos mais lidos da área de ciência dos materiais
("The ScienceDirect TOP25 Hottest Articles")10, 12 deles tem como tema
nanociência ou nanotecnologia aplicada à área "bio".

7

MN Helmus & K Tweden, "Materials Selection", In: Encyclopedic Handbook of Biomaterials and Bioengineering, Part A,
Vol.1, pp.27-59, 1995.

8

A medicina regenerativa visa, com o auxílio da engenharia celular e tecidual, reparar tecidos lesados ou degenerados por
substitutos funcionalmente e estruturalmente equivalentes. Dr. Radovan Borojevic, 2005
9
Dr. Tim Woodfield, Research Fellow, Centre for Bioengineering,
http://www.bioengineering.canterbury.ac.nz/seminar_info/seminars.shtml, em 02/11/2005
10
http://top25.sciencedirect.com/signup/, em 14/11/2005.

8

A rede NANOBIOTEC11 tem como objetivos gerais o encapsulamento de fármacos
em nanopartículas para tratamento de diversas doenças como câncer, tuberculose
e leishimaniose, entre outras; síntese e caracterização de fluidos magnéticos
nanoparticulados para uso em diagnóstico e tratamentos de cancer e o
desenvolvimento de nanobiosensores12. Em 16 meses (2001 a 2003) o grupo, que
inclui também pesquisadores da UNB13, indica um total de 674 publicações, 25
patentes

(mais

14

submetidas),

resultando

numa

produtividade

de

7.8

publicações/pesquisador e 5.8 publicações/pesquisador/ano. Essas pesquisas se
situam na interface biomateriais-nanotecnologia-fármacos, ou no que tem se
chamado de ciência convergente. As empresas para as quais estão sendo (ou
foram) repassados os processos/produtos desenvolvidos são, em sua ampla
maioria, da área química-farmacêutica.

Dada a diversidade de produtos enquadrados sob o rótulo "biomateriais" houve a
necessidade de se escolher um grupo que apresentasse relevância econômica,
médica ou social. No Seminário promovido pela ANVISA e ANS14 sobre "Produtos
para a Saúde: mercado e regulação"15, foi apresentado pela ANVISA um estudo
onde é sugerida uma priorização dos produtos para a saúde, a partir do impacto
econômico e/ou alto valor unitário de cada um dos produtos16. A lista ainda é
passível de modificações, em função de críticas e/ou sugestões recebidas e inclui:


cardiovascular: cardioversores/cardiodesfribilador, cateteres, marcapassos,
stents e válvulas cardíacas.



ortopedia: Próteses de quadril, joelho e ombro, implantes de coluna,
parafusos bioabsorvíveis, cimentos ortopédicos,

âncoras e

implantes

neurológicos.


análises clínicas e kits diagnósticos



terapia renal: equipamentos para hemodiálise, entre outros.



oftalmologia; lentes intraoculares, entre outros.



otorrinolaringologia: próteses auditivas, entre outros.

11

Uma das quatro redes de nanotecnologia vigentes no país. A rede NANOBIOTEC é coordenada pelo prof. Nelson Duran
da UNICAMP
12
http://www.mct.gov.br/Temas/Nano/relatorio-nanobiotec-2003-2004-brasilia.pdf, em 23/11/2005
13
Profs. Paulo Cesar de Morais do Instituto de Física e Zulmira G.M. Lacava do Departamento de Genética e Morfologia.
14
Agência Nacional de Saúde Suplementar, www.ans.gov.br.
15
08 e 09 de dezembro de 2005, Brasília, DF.
16
A. Lemgruber, Seminário Produtos para a Saúde: mercado e regulação, 8 e 9 de dezembro de 2005, Brasília, DF.

9

Biomateriais

A priorização feita pela ANVISA considerou, para cada grupo: os gastos públicos
(DATASUS/MS e hospitais-sentinela); os gastos privados (operadora de plano de
saúde de grande porte); variações dos preços segundo a revista Simpro e dados
de Comércio Exterior (MDIC/Sistema Alice) entre 2000 e 200417. Considerando os
itens de maior impacto em cada grupo, os maiores gastos são com as áreas
cardiovascular (variando de 56 a 80%), seguido pela ortopedia (de 36 a 20%)18.

Usando critérios similares, mas de forma superficial, havíamos chegado à mesma
priorização, ou seja, o trabalho aqui apresentado focaliza dois setores:
cardiovascular (mais especificamente próteses endovasculares e válvulas
cardíacas) e ortopedia (próteses totais de quadril e materiais de enxerto).
Entretanto, serão apresentados também exemplos de outros materiais/produtos
que estão sendo desenvolvidos em algumas instituições brasileiras e que são
passíveis de serem produzidos no país, substituindo importações, como os
materiais odontológicos. A abordagem, aqui, se limitará a citar um ou outro caso,
exemplificando o estágio em que se encontra o desenvolvimento e a transferência
de tecnologia.

17

RR Andrade, Seminário Produtos para a Saúde: mercado e regulação, 8 e 9 de dezembro de 2005, Brasília, DF.
A variação desses percentuais é função de quantos itens de maior impacto foram considerados em cada caso. Quanto
menor o número de itens considerado, maior o peso do setor cardiovascular, pois os produtos têm valor unitário mais
elevado, quando comparado com os demais setores.

18

10

1

SETOR CARDIOVASCULAR

1.1 Justificativa
Dos produtos da área cardiovascular, cardioversores/cardiodesfibriladores e
marcapassos respondem por cerca de 58% dos gastos, seguido dos stents (22%)
e válvulas cardíacas (4%)19. Como os três primeiros itens são enquadrados como
equipamentos biomédicos, o trabalho se restringirá a próteses endovasculares
(stents) e válvulas cardíacas.

O Infarto agudo do miocárdio (IAM) é uma das grandes causas de mortalidade na
população de nosso país, tendo correspondido em 2003, a cerca de 50% dos
óbitos por cardiopatias. Entre os sobreviventes do infarto do miocárdio, muitos
desenvolvem como seqüela a insuficiência cardíaca (IC), o que gera grande
morbidade com piora da qualidade de vida destes pacientes e enorme consumo de
recursos do sistema de saúde. A probabilidade de evoluir para a insuficiência
cardíaca após um IAM é maior nos pacientes não submetidos à terapia de
reperfusão nas primeiras horas após o início dos sintomas ou naqueles em que
houve insucesso na tentativa de reperfusão miocárdica.

Pacientes com IAM

submetidos à reperfusão miocárdica bem sucedida - que ocorre em 80% dos
casos com o uso de trombolíticos e em mais de 90% com a angioplastia primária apresentam mortalidade intra-hospitalar inferior a 5%. Pacientes submetidos à
terapia de reperfusão apresentam grau de recuperação do miocárdio variável
relacionado principalmente ao tempo de isquemia miocárdica e a efetividade da
terapia de reperfusão.

Insuficiência cardíaca é um mal epidêmico, que afeta de 2 a 4 milhões de pessoas
nos Estados Unidos (EUA), e cerca de 15 milhões de pessoas ao redor do planeta.
No Brasil, segundo o DATASUS, a insuficiência cardíaca gera mais de 400.000
internações/ano, sendo a quarta maior causa de internação hospitalar (3,58% de
todas as internações feitas em 1997). Este total representa cerca de 37% de todas
19

RR Andrade, Seminário Produtos para a Saúde: mercado e regulação, 8 e 9 de dezembro de 2005, Brasília, DF.

11

Biomateriais

as internações por doenças circulatórias, sendo a mortalidade hospitalar superior a
6%.

A reestenose coronariana foi considerada a principal limitação que impede a
eficácia da revascularização percutânea. O uso de próteses endovasculares
(stents) nas intervenções coronarianas percutâneas revolucionou os resultados até
então obtidos com angioplastia por balão ao reduzir as complicações relacionadas
ao procedimento e re-estenose das lesões abordadas. Os stents coronarianos são
estruturas metálicas tubulares aplicadas sobre lesões que obstruem as artérias
coronarianas por meio de técnicas de cateterismo cardíaco. Foram utilizados, pela
primeira vez, em 1986 e sua aprovação nos EUA data de 199420. Ao longo da
última década, vários aperfeiçoamentos técnicos nestes stents coronarianos
melhoraram a sua aplicabilidade e manuseio no procedimento, com destaque para
os recobertos (com heparina) e os "drug-eluting" stents com liberação controlada
de fármacos. O foco no desenvolvimento dos fármacos visa interromper ou
minimizar os processos biológicos que causam a re-estenose. Segundo trabalho
de Polasczyk et al.21, o recobrimento aumenta o custo do stent de
aproximadamente R$ 3 mil (stent convencional) para valores na faixa de R$
9.500,00-17.000,00 (stent recoberto ­ SR), dependendo do Estado e do hospital.
Apesar do custo mais elevado, os autores concluem que o SR tem benefício maior,
especialmente em subgrupos de alto risco de re-estenose ou com custo do manejo
da re-estenose muito elevado. Uma grande operadora de planos de saúde estima
que para cada três stents empregado, dois sejam associados a fármacos.22

1.2 Indústria e Patentes
As empresas multinacionais dominam o mercado e as patentes. Pesquisa na base
USPTO23 indicou que no período 1976-2005 foram concedidas 1687 patentes
contendo a palavra "stent" no título. Somente ao longo do ano de 2005 foram 127
patentes, a última com data de 20/12/2005. A associação das palavras "stent" e
20

http://www.ptca.org/articles/des1.html, em 22/11/2005
C.A. Polasczyk et al., Custo-efetividade de stents recobertos com drogas no Brasil,
http://dtr2001.saude.gov.br/sctie/portal_des/eventos/jornada_2005
22
Dr. A.J. Kropf, Seminário Produtos para a Saúde: mercado e regulação, 8 e 9 de dezembro de 2005, Brasília, DF.
23
United States Patent and Trademark Office, http://www.uspto.gov/
21

12

"drug" no título restringe os resultados a 27 patentes. Merecem atenção as
patentes que incluem recobrimentos multicamadas e materiais biodegradáveis, ou
ainda a liberação do fármaco associada ao aquecimento produzido por aplicação
de um campo magnético.
Pesquisa similar na base do INPI24 indicou um total de 21 patentes com a palavra
"stent" no título, com datas de depósito variando de março de 1994 a dezembro de
2003. Dessas 21 patentes, 19 tem os Estados Unidos como país de origem. No
ANEXO 1 são resumidas as buscas realizadas na base do INPI para os setores
analisados neste trabalho.

A competição pelo desenvolvimento e comercialização dos stents de última
geração ("drug eluting" ou stents recobertos com fármacos) dobrou o mercado
mundial para 5 bilhões de dólares anuais, onde basicamente são empregadas
duas substâncias: sirolimus (rapamicina) ou paclitaxel (taxol). Dois produtos são
comercializados com aprovação do FDA e CE: "Cordis CYPHERTM sirolimuseluting stent" da Johnson & Johnson25 e o "Boston Scientific TAXUSTM paclitaxeleluting stent system"26, enquanto dois outros produtos americanos tem aprovação,
por enquanto, somente no mercado europeu: "paclitaxel-coated V-FlexTM Plus PTX
Coronary Stent System"27 e "EndeavorTM Drug-Eluting Coronary Stent System"28.

No Brasil, vale destacar o desenvolvimento de próteses endovasculares ocorrido
na UFSC, fruto da interação entre os Departamentos de Engenharia Mecânica e
Cirurgia Vascular, que resultou na criação da Nano Endoluminal Ltda. Essa
empresa desenvolveu o Sistema Endovascular Apolo que recebeu o Prêmio
FINEP de Inovação (categoria produto) de 200029. Uma outra iniciativa nessa área
visando desenvolver stents recobertos com tecnologia nacional, agrupa uma
empresa incubada na USP (Inovatech Medical), uma "spin-off" (Lasertools),
pesquisadores da Unicamp liderados pelo prof. Ganzarolli de Oliveira e o

24

http://www.inpi.gov.br
http://www.cypherusa.com/cypher-j2ee/cypherjsp/index.jsp, em 22/11/2005
26
www.taxus-stent.com/, em 23/11/2005
27
http://www.cookgroup.com/index.html, em 23/11/2005
28
http://wwwp.medtronic.com/Newsroom/, em 23/11/2005
29
http://www.nano.com.br/index_ie.htm,em 23/11/2005
25

13

Biomateriais

INCOR/Fundação Zerbini. O projeto é financiado pelo Programa Inovação
Tecnológica em Pequenas Empresas (PIPE) da FAPESP30.

1.3 P&D nas Instituições de Ciência, Tecnologia e Inovação (ICTIs)
A Tabela 1, na página seguinte, apresenta algumas ICTIs31 onde estes
materiais/produtos estão sendo desenvolvidos e onde se efetuam pesquisas
laboratoriais, desenvolvimento de produtos, testes pré-clínicos ou clínicos. Os
testes clínicos basicamente consistem em redes multicêntricas para avaliação de
stents importados.

1.4 Normatização
Com relação a "implantes cardiovasculares", A ABNT internalizou somente duas
normas ISO (NBRISO5840:1999 e NBRISO7199:1998). Os códigos e títulos
dessas normas, bem como as ISO e ASTM estão relacionados no ANEXO 2.
Também neste anexo são apresentadas as normas encontradas para o setor
ortopedia e comentários sobre testes biológicos gerais, segundo a NORMA ISO
10993-1:2003.
Tabela 1: Algumas instituições brasileiras com P&D no setor cardiovascular
INST. /Lider

TEMA

PRODUTOS TECNOLÓGICOS & PATENTES32

IQ/USP/São Carlos
Gilberto Goissis33
Virginia C.A. Martins

Colágeno aniônico
Membranas



IQ/UNICAMP

recobrimentos de

30

Processo para reticulação de tecidos ricos em
colágeno com acetais de glutaraldeído para confecção de
válvulas cardíacas. 1997.

Processo de extracao de colágeno de tecidos animais
com auxilio de solvente orgânico em meio alcalino
(PI9405043). 1996

Membranas de colágeno para o tratamento das
doenças periodontais. 1995.

Processo para a preparação de colágeno com auxílio
de solvente orgânico em meio ácido (PI94045950). 1994

http://www.universia.com.br/html/materia/materia_ghaa.html, em 23//11/2005
Instituição Científica e Tecnológica (ICT) consiste em órgão ou entidade da administração pública que tenha por missão
institucional, dentre outras, executar atividades de pesquisa básica ou aplicada de caráter científico e tecnológico (Lei no.
10.973, de 02/12/2004). Compreendem universidades e institutos/centros de pesquisa.
32
Quando a patente foi concedida, o número da mesma é informado entre parênteses.
33
O pesquisador se aposentou em 2005.
31

14

Marcelo Ganzarolli de
34
Oliveira

stents e liberação de
fármacos

Instituto Dante
Pazzanese
Aron J.P Andrade

Órgãos artificiais
Coração artificial










Instituto Dante
Pazzanese
José Eduardo M.Rego
35
Sousa

Bomba de Assistência Ventricular Direita para cirurgia
sem circulação extracorpórea e sem parar o coração.
2001
Dispositivo de furação do músculo cardíaco. 2000
Coração Artificial Eletromecânico (PI9900391).1999
Instrumentais para cirurgia cardíaca. 1994
Bomba Centrífuga de Sangue. 1991
Monitor Cardíaco. 1990Desfribilador Cardíaco. 1989
Prótese valvar cardíaca de pericárdio bovino com perfil
baixo. 1988
Bomba Infusora Peristáltica de Drogas. 1987
Medidor de tempo de coagulação ativada. 1986

Pesquisa clínica na
área de cardiologia e
stents

36

INCOR
Eulógio E. Martinez
Filho

Resumo:
Gargalos atuais

Ações necessárias

competição de
universidades e/ou
empresas incubadas com
grandes multinacionais



identificar nichos possíveis de atuação competitiva e investir maciçamente
para se chegar o mais rapidamente a produtos

34

Não é bolsista do CNPq.
O Dr. Eduardo Sousa foi o primeiro pesquisador a aplicar, em 1999, a combinação de uma protese tubular e uma droga
de acao local. http://inventabrasilnet.t5.com.br/stentra.htm, em 15/12, 2005.
36
O INCOR participou da rede de avaliação de stents recobertos RAVEL e atualmente compõe a rede ASPECT (stents
com placitaxel), http://www.incor.usp.br/conteudomedico/geral/novos%20avancos%20da%20angioplastia%20miocardica.html
35

15

Biomateriais

2

SETOR ORTOPEDIA

2.1 Próteses Totais de Quadril

2.1.1 Justificativa
O mercado norte americano de produtos relacionados ao sistema músculoesqueletal foi estimado em 2004 em 11,3 bilhões de dólares, correspondendo a
cerca de 55% do total gasto no mundo37. As vendas globais de produtos
relacionados com a artroplastia total ou parcial de quadril alcançaram, em 2002,
cerca de 2,5 bilhões de dólares, representando, aproximadamente, 700 mil
procedimentos cirúrgicos38. Na Europa, foi criada a "The Bone and Joint Decade
2000-2010"

39

- organização mutidisciplinar sem fins lucrativos - para promover e

implementar iniciativas que possam melhorar a qualidade de vida de pessoas que
sofrem de distúrbios musculo-esqueletais. Diversos autores alertam para a
premência na priorização de políticas públicas voltadas aos problemas osteoarticulares, relacionados principalmente com o envelhecimento da população
mundial. Estima-se que as fraturas de colo de fêmur (devido a oesteoporose)
passarão de cerca de 1,7 milhões (em 1990) para mais de 6 milhões em 205040.
Essa população, se não convenientemente tratada, demandará intervenção
cirúrgica para colocação de implantes ortopédicos. Dessa forma, fica claro que
também será necessário se investir em prevenção.41

Em 2004, os gastos do SUS com ortopedia totalizaram cerca de 60 milhões de
reais, com 6.337 itens (exceto insumos) fornecidos por 39 empresas e preços de
lista variando entre R$ 3,17 e R$ 48.000,0042. Somente o procedimento de
artroplastia total de quadril gerou - no âmbito do SUS - quase 10 mil internações e
37

www.biomet.com em jan 2005.
apud CVM Rodrigues, Próteses totais de quadril: diagnóstico e elaboração de diretrizes , exame de qualificação,
COPPE/UFRJ, jun 2005.
39
www.boneandjointdecade.org em 10/10/2005.
40
http://www.boneandjointdecade.org/ViewDocument.aspx?ContId=529, junho 2005.
41
O Instituto de Ortopedia e Traumatologia (IOT) da USP tem, há 2 anos, um programa de condiiconamento físico e
musculação dedicado a adultos e idosos.
42
F Rebello e V Santos, Seminário Produtos para a Saúde: mercado e regulação, 8 e 9 de dezembro de 2005, Brasília, DF.
38

16

um gasto total de quase R$ 30 milhões para a compra de próteses, valor esse
correspondente a 38% do gasto com implantes ortopédicos. Somado a isso, houve
- somente em 2004 - cerca de 1500 cirurgias de revisão, responsáveis por um
gasto adicional de quase R$ 7 milhões em próteses43.

Estes números não

refletem a demanda real por estes serviços, uma vez que, a esperança de vida do
brasileiro vem aumentando ano a ano (passando de 71,3 anos44 em 2003 para
71,7 anos em 2004). Com o aumento continuado da longevidade do brasileiro,
haverá necessidade de se ampliar a oferta desta tecnologia.

Esse tema é objeto de estudo de uma tese de doutorado desenvolvida na
COPPE/UFRJ por Carla Valéria Martins Rodrigues intitulada "Próteses Totais de
Quadril: diagnóstico do panorama nacional e elaboração de diretrizes para as
políticas públicas". Um dos objetivos deste trabalho foi uma atualização da revisão
sistemática de Fitzpatrick e colaboradores que confirmou a dificuldade de se obter
evidências confiáveis de vantagens clínicas relativas ao uso das próteses totais.
Os aspectos apontados como negativos foram: pequena quantidade de ensaios
clínicos randomizados, falta de uniformização dos parâmetros e desfechos a
serem avaliados e falta de padronização dos tempos de seguimentos utilizados
para análise dos desfechos clínicos e radiológicos. No Brasil, a situação é ainda
mais crítica pela falta de certificação dos produtos fabricados ou comercializados
no país.

As complicações potenciais da artroplastia de quadril incluem infecção,
deslocamento, ruptura ou perda da prótese, perda de massa óssea e fratura óssea
nas proximidades do implante; fragmentação do cimento ósseo e/ou desgaste do
componente de polietileno da prótese, além da elevação da concentração de íons
metálicos no sangue. Algumas dessas complicações como fragmentação do
cimento ósseo, desgaste do componente de polietileno da prótese ou corrosão dos
componentes metálicos são conseqüência direta do material empregado, enquanto
as demais falhas podem ser consideradas causas indiretas ou podem ser

43

DATASUS, 2004.
Expressa o número de anos que se espera viver um recém-nascido que, ao longo de sua vida , esteja exposto às taxas de
mortalidade observadas na população ao momento do nascimento do mesmo. http://www.ibge.gov.br/, em 5/12/2005
44

17

Biomateriais

atribuídas a outros fatores. A maior parte dos estudos corresponde à avaliação da
prótese do tipo Charnley, desenvolvida na década de 60, com haste femoral em
aço inoxidável e acetábulo em polietileno que foi classificada como "padrão ouro"
para a artroplastia de quadril. Este sistema ainda é bastante empregado até os
dias de hoje e apresentou de bons a excelentes desfechos clínicos45. Contudo, na
opinião de diversos pesquisadores e clínicos, o desgaste do componente
acetabular polimérico tem sido considerado a principal falha das próteses
empregadas.
Recentemente46, o Dr. Sergio Cortes (atual Diretor-Geral do Instituto Nacional de
Traumato-Ortopedia - INTO) confirmou que considera o desgaste da articulação
artificial uma falha importante e presente nos sistemas de próteses existentes
mundialmente, mas alertou para a metalose como um problema típico de países
do terceiro mundo. A metalose é conseqüência da corrosão do material e é
geralmente associada ao uso do aço inoxidável em próteses permanentes. Devido
ao baixo custo, alguns poucos países (dentre os quais o Brasil) ainda utilizam o
aço inoxidável em próteses articulares permanentes47.

2.1.2 Indústria Nacional e Patentes
Segundo dados da ANVISA48, existem 12 fabricantes nacionais registrados
atendendo à área de artroplastia, um no Paraná e os demais em São Paulo. No
ANEXO 3 estão listadas as empresas e os setores de atuação de cada uma. Os
produtos fabricados são em sua maioria de aço inoxidável, principalmente o aço
316L (ASTM F318, F319), sendo a "Villares Metals" o maior fornecedor dessa
matéria prima. As matérias primas mais indicadas para a fabricação próteses
permanentes - ligas de titânio e ligas cobalto-cromo-molibdênio - apresentam a
desvantagem de serem importadas e caras. Este fato gera uma disparidade no

45

CVM Rodrigues, Próteses totais de quadril: diagnóstico e elaboração de diretrizes , exame de qualificação, COPPE/UFRJ,
jun 2005
46 o
2 Seminário Nacional sobre o Complexo Industrial da Saúde, BNDES, Rio de Janeiro, 29/09 a 01/10/2003
47
LL Hench e JR Jones, Biomaterials, artificial organs and tissue engineering, cap. 12 e 13, 2005
48 UINSP/ANVISA em 13/06/2005

18

preço das próteses, com as importadas a um custo de cerca de US$ 4,5 mil,
enquanto as de aço inoxidável saem por US$ 60049.

Cabe aqui uma reflexão sobre a oportunidade de se retomar/ampliar a fabricação
de metais e ligas especiais no Brasil. O país já possuiu know-how, desenvolvido
principalmente pelo CTA e Embraer, para produção de ligas especiais, sendo que
esse conhecimento foi repassado a empresas como Acesita e Eletrometal (hoje
Villares Metals). A reestruturação do setor metalúrgico-mecânico na década de 90
visou ajustar as empresas às necessidades concorrenciais dos mercados
globalizados, resultando na desativação de vários projetos de interesse nãoimediato dos seus clientes. Com isso, perdeu-se conhecimento já adquirido,
aumentando a dependência externa. Talvez seja este o momento de se retomar o
caminho interrompido, visando dominar toda a cadeia de produção.

Outro aspecto que demandaria uma ampla discussão é a conveniência de manter
o uso das próteses fabricadas em aço inoxidável, visando ampliar o número de
atendidos na rede SUS ou a opção por investir na substituição destes materiais por
outros potencialmente superiores (Ligas Ti, ligas Co-Cr-Mo, acetábulos cerâmicos,
etc.).

Um estudo, utilizando revisão sistemática, poderia recuperar os motivos

(desfechos clínicos) que levaram os países de primeiro mundo a substituir o aço
inoxidável. Paralelamente, no âmbito da Rede Multicêntrica de Avaliação de
Implantes Ortopédicos (REMATO), poderia ser feito um estudo da causa de falhas
relacionadas com o material. A comparação destes dois trabalhos, com a
perspectiva da eficiência e custo-efetividade, auxiliaria na definição de uma política
para o setor.

A consulta à base de patentes do INPI (ANEXO 1) indica que existiu, especialmente
na década de 90, iniciativas brasileiras na área de design, projeto ou material, mas
a maioria dos processos, após tramitação de 5-10 anos, acabaram sendo
arquivados.

49

http://www.pmt.usp.br/Pesquisa%20FAPESP.htm, acesso em 20/10/2005.

19

Biomateriais

Resumo:
Gargalos atuais

Ações necessárias

Matéria-Prima



Uso intensivo do aço
inoxidável em próteses
permanentes



Discutir a conveniência de manter o uso dessas próteses visando ampliar
o número de atendidos na rede SUS ou investir na substituição destes
materiais por outros potencialmente superiores (Ligas Ti, ligas Co-Cr-Mo,
acetábulos cerâmicos, etc.).

Produção



Deve-se, sempre que possível, evitar a terceirização de etapas
fundamentais do processo de fabricação. Também as BPF deveriam ser
estendidas às empresas terceirizadas.

Instrumental inadequado
51
ou de baixa qualidade



Fortalecimento da infra-estrutura laboratorial nacional, visando a análise
da conformidade destes produtos e sua posterior certificação.

Validação clínica e
valorização do produto
nacional



Realização de ensaios clínicos randomizados controlados. Embora caros,
seriam vitais para se avaliar a segurança e a efetividade das próteses
fabricadas a partir de tecnologia nacional.

Altos custos de produção



Garantia de qualidade da matéria-prima (nacional ou importada),
parâmetro crítico para qualidade dos produtos e facilmente assegurada pela
aplicação da norma técnica pertinente
50

Investir na produção de aços especiais e ligas especiais no país

Criação de parques tecnológicos regionais, considerando-se as
diferentes realidades locais, possibilitando a produção em larga escala das
próteses nacionais e a redução dos custos de produção.

Incentivos financeiros e fiscais para o desenvolvimento de novas
tecnologias nacionais, reduzindo a dependência nacional no campo
tecnológico e produtivo.

2.1.3 Normatização e Qualidade das Próteses
A avaliação da qualidade de implantes ortopédicos tem sido objeto de discussão
na sociedade, há mais de dez anos, quando surgiram as primeiras propostas
para estruturação de um sistema para certificação destes produtos, como forma
para reduzir a incidência de eventos adversos tanto na área de artroplastia,
quanto na de osteossíntese.

A comercialização de implantes no País está sujeita à legislação específica, que
exige que os produtos sejam submetidos a processo de registro, junto à Agência
Nacional de Vigilância Sanitária ­ ANVISA, num processo declaratório da
competência por parte da empresa interessada. A partir de 2002, o registro
destes produtos para os fabricantes nacionais passou a estar condicionado à
50

Está em discussão um projeto de criação de um Laboratório Nacional de Fusão, visando - num primeiro estágio produção de ligas de zircônio para a indústria nuclear e, muito provavelmente, num segundo momento a produção de ligas
de titânio para uso aeronáutico e biomédico.
51
Não há estatísticas sobre esse ponto, mas vários clínicos citam o instrumental de fabricação nacional como inadequado e
de qualidade inferior ao das próteses fabricadas no país.

20

certificação das empresas para as Boas Práticas de Fabricação (BPF),
introduzindo

um

instrumento

sanitário

complementar

que

avaliaria

as

informações apresentadas no processo de registro, no que tange à qualidade dos
produtos.

Este controle é claramente insuficiente, pois algumas empresas

terceirizam o processo de fabricação que fica, então, fora do alcance das BPF.

A ANVISA trabalha a partir de notificações que são em número reduzido, quando
comparado com os casos comentados ou que chegam à mídia. Além de
problemas que possam advir das empresas com registro e as BPF, uma
quantidade não-desprezível de produtos são comercializados sem registro da
ANVISA. Somente em 2002 foram descobertas quinze empresas irregulares
fabricantes de próteses52

Ao longo dos últimos anos, diversas instituições, tais como o

INTO, o Instituto

Nacional de Tecnologia ­ INT, o Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e
Qualidade Industrial - INMETRO, a Secretaria de Assistência à Saúde ­ SAS e,
mais recentemente, a ANVISA e a Secretaria de Ciência e Tecnologia e Insumos
Estratégicos - SCTIE, bem como entidades representativas de produtores,
usuários e consumidores, iniciaram ações para monitorar a qualidade dos
implantes ortopédicos comercializados no país. Dois pontos críticos são a
existência de uma base normativa nacional e infraestrutura laboratorial para a
realização de ensaios.

A base normativa nacional, no âmbito de artroplastia, atende, em grande parte as
exigências para a maioria dos implantes.

Essas normas foram criadas ou

internalizadas pelo Comitê Brasileiro Odonto Médico Hospitalar (CB-26),

da

Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) que funciona desde 1995 (ver
listagem das normas no ANEXO 2).
alcançou a marca de 203 normas.

Em 2004, o acervo normativo do CB-26
Muitos dos ensaios previstos nas normas

técnicas podem ser realizados em laboratórios, situados, na maioria dos casos, em
Institutos de Pesquisa ou Universidades.

52

www.anvisa.gov.br/divulga/noticias/2002/280302.htm, em 20/11/2005.

21

Biomateriais

Em 2002/2003 a ANVISA fez um "Levantamento dos Ensaios Realizados por
Laboratórios Prestadores de Serviço na Área de Implantes Ortopédicos"
levantamento participaram

53

. Desse

23 laboratórios/instituições, sendo 20 na região

Sudeste e 3 do Sul. Os ensaios foram subdivididos em 5 grupos (ensaios de
materiais e produtos metálicos; ensaios de materiais poliméricos; ensaios de
materiais cerâmicos à base de zircônia; ensaios do cimento ósseo; ensaios de
caracterização da cerâmica à base de hidroxiapatita). Laboratórios como os do
Instituto Nacional de Tecnologia (INT), Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT),
Instituto de Tecnologia do Paraná (TECPAR) e Instituto de Pesquisas Energéticas
(IPEN); e laboratórios ligados a universidades como Centro de Caracterização de
Materiais (CCDM), COPPE/UFRJ, IMA/UFRJ e USP participaram do levantamento,
se habilitando a compor a rede ANVISA-REBLAS. Entretanto, nenhum deles
sozinho seria capaz de cobrir toda a gama de ensaios previstos que inclui quase
200 ensaios. Assim, é fundamental a formação de redes de cooperação interinstitucional.

Recursos da ordem de 7 milhões de reais serão disponibilizados, em 2006, por
meio da chamada pública MCT/MS/DECIT/FINEP que objetivou capacitar
instituições científicas e tecnológicas para integrarem a Rede Multicêntrica de
Avaliação de Implantes Ortopédicos (REMATO). O Instituto Nacional de Traumato
Ortopedia (INTO) foi selecionado para atuar como Centro Coordenador da
REMATO e foram selecionados 10 projetos, sendo 6 na Área 1 (projetos de entre
500 mil e 1,5 milhões de reais)54. Os recursos alocados a esse programa são
claramente insuficientes para o que se propõe a rede, mas é um primeiro passo na
tão sonhada certificação de próteses.

Nos países desenvolvidos existem mecanismos reguladores e normas técnicas
específicas para guiar os procedimentos de retirada, notificação e análise dos
implantes que falharam. No Brasil, ainda não há uma legislação específica que
regulamente a comercialização de implantes cirúrgicos, nem um procedimento
53

Levantamento dos Ensaios Realizados por Laboratórios Prestadores de Serviço na Área de Implantes Ortopédicos,
Pesquisa elaborada pela GGLAS, ANVISA/Reblas, abril 2003. http://www.anvisa.gov.br/reblas/pesquisa_implante.pdf, em
23/11/2005.
54
www.finep.gov.br, em 29/11/2005. As seguintes instituições tiveram projetos contemplados na Área 1: INT,
CCDM,UFRGS, UNICAMP, PUC-Rio e SENAI/CIMATEC (Bahia).

22

para a notificação e a investigação dos casos de falha. Dessa maneira, não
existem dados estatísticos que descrevam aspectos técnicos e econômicos destas
falhas (gastos diretos e indiretos com re-operações, principais causas de falhas,
etc.)55. Neste contexto, algumas instituições brasileiras, a exemplo da Santa Casa
da Misericórdia de São Paulo (ISCMSP), o Instituto de Ortopedia e Traumatologia
(IOT) da USP e o Centro de Estudos do Serviço de Cirurgia e Reabilitação
Ortopédico-Traumatológica de Batatais (SECROT/SP) vêm tomando iniciativas
para a produção de protocolos de acompanhamento e estudo transversal de
observação de implantes ortopédicos removidos de pacientes. Desta forma, serão
desenvolvidos programas para análise de todo o material de implante retirado
devido a causas biológicas, mecânicas ou à falhas dos implantes, possibilitando o
controle de qualidade, fundamental para apoio ao desenvolvimento de novos
biomateriais e de materiais de implantes.

O déficit de equipamentos, metodologia de ensaio e pessoal treinado, será
parcialmente equacionado com o funcionamento continuado da REMATO, mas
outro problema que surge é a necessidade de implantação de sistemas de gestão
de qualidade segundo os critérios estabelecidos na ABTN ISO/IEC-17025, BPL,
BPLC e a ISO/Guias-43, instrumentos internacionais sobre qualidade de serviços e
produtos. 56

A implantação da gestão de qualidade de laboratórios é crucial pois, na maioria
das vezes, os resultados são contestados judicialmente. O custo dessa
implantação é elevado57 ­ especialmente para universidades e instituições de
pesquisa ­ e só se justifica se houver garantia de demanda continuada de
serviços. Poder-se-ia copiar a iniciativa da Petrobrás que está apoiando técnica e
financeiramente a certificação de todos os laboratórios de universidades que
prestam serviços de interesse da empresa. Um esforço conjunto do Ministério da
Saúde, MCT e INMETRO poderia reduzir os custos com a implantação de gestão
de qualidade, possibilitando

se avançar no processo de avaliação da

55

CRF Azevedo e E Hippert, "Análise de Falhas de Implantes Cirúrgicos no Brasil: a Necessidade de uma Regulamentação
Adequada", Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 2002, 18 (5).
56
http://www.anvisa.gov.br/reblas/apresentacao.htm, em 22/11/2005.
57
A COPPE/UFRJ estima em cerca de 30 milhões de reais os gastos para adequar, de uma única vez, todos os laboratórios
dos seus 12 Programas, mais as áreas interdisciplinares.

23

Biomateriais

conformidade. A avaliação da conformidade de próteses fabricadas ou
comercializadas no país é umas das metas do INMETRO58 que contribuiria para
aumentar a credibilidade de produtos nacionais, expurgando do mercado os que
não seguissem os padrões de qualidade necessários à função que exercem.

Resumo:
Gargalos atuais

Ações necessárias

Avaliação da
conformidade



Infra-estrutura para
ensaios





Desencadear processo de discussão visando definir os mecanismos regulatórios
e as normas técnicas pertinentes

Diminuição das taxas tributárias como forma de compensar os gastos com
certificação

Investimento em laboratórios credenciados para aplicação das normas técnicas
Capacitação técnica especializada
Expandir o conceito de redes de cooperação inter-institucional e criar
mecanismos de gestões dessas redes

Implantação de gestão de qualidade em laboratórios

manutenção e ampliação da rede REMATO

2.2 Enxertos Ósseos e Arcabouços para Terapia Celular
2.2.1 Justificativa
Em 2002, cerca de 1500 procedimentos mensais do SUS na área de ortopedia
demandaram enxertos ósseos e esse número aumentou em 2003 para 3200
procedimentos/mês59. Fosfatos de cálcio (CaP) ou cerâmicas fosfo-cálcicas (como
denominadas pelo SUS) como a hidroxiapatita (HA) são boas opções ao uso de
osso autólogo, materiais provenientes de banco de ossos e, principalmente, ao uso
de enxertos de origem animal, que sofrem restrição em função do tecido animal e
da região de onde provém o animal60. Estes enxertos são empregados tanto na
área de ortopedia, quanto na de cirurgia buco-maxilo-facial.

Materiais à base de fosfato de cálcio, juntamente com materiais poliméricos ou
compósitos, têm sido bastante empregados em sistemas de liberação controlada
de fármacos ou como arcabouços para tecidos celularizados. Ambas as áreas
58

II Seminário sobre o Complexo Industrial da Saúde, BNDES, out. 2003.
DATASUS, 2003.
60
ANVISA, Resolução RDC no 305, de 14/11/2002.
59

24

("drug delivery" e terapia celular) são novíssimas, com inter e transdisciplinaridade.
O estágio atual das pesquisas no Brasil indica que a competitividade poderá ser
mantida, se houver investimentos suficientes nessa área.

2.2.2 Indústria Nacional e Patentes
Na Tabela do ANEXO 3 pode se identificar as empresas que produzem
comercializam produtos para buco-maxilo, coluna e osteossíntese, onde juntamente com placas, parafusos e ferramental cirúrgico - se encontram materiais
de enxerto. Os materiais à base de fosfatos de cálcio (hidroxiapatita ou fosfatos
bifásicos) são empregados também em odontologia e cirurgias buco-maxilo-faciais.

A portaria número 88 de 17/04/2003 altera a definição das cerâmicas fosfocálcicas (CaP) e as re-inclui na Tabela de Órteses, Próteses e Materiais Especiais
da SIH/SUS para uso em associação ou não com enxertos autólogos ou
homólogos. Desta portaria também consta a preço pago pelo SUS (R$ 650,00 por
10 gramas), enquanto no mercado avulso os preços variam de R$ 50,00 a 300,00
o grama. Em 2003, cerca de 3200 procedimentos mensais (com 46% na região
sudeste) foram realizados e houve uma quadruplicação dos gastos em 2004,
quando comparado a 2003. Embora o consumo dessas cerâmicas tenda a crescer
de forma consistente, não há uma política clara do SUS que incentive a criação de
novas empresas ou a ampliação das existentes.

A consulta à base de patentes do INPI (ANEXO 1) mostra uma situação similar ao
do sub-setor de próteses, com brasileiros participando, ainda que timidamente, do
esforço de solicitar patentes.

2.2.3 Normatização e Qualidade dos Materiais para Enxerto
Existe, um quase consenso entre os profissionais de odontologia que os produtos
importados são melhores, mas falta embasamento científico para apoiar essa

25

Biomateriais

opinião. A quantidade de marcas comerciais é muito grande e as características
apontadas pelo fabricante (nacional ou estrangeiro), nem sempre confirmadas em
testes laboratoriais61.
Quanto à base normativa, ela é claramente menor que a da área de próteses e
ainda não internalizada pela ABNT (ANEXO 2). Existem laboratórios, mas falta
definição de que normas/ensaios são fundamentais para a garantia de qualidade
desses produtos, que laboratórios estão habilitados, etc. Essa falta de definição faz
com que convivam no mercado produtos com diferentes padrões de qualidade,
restando ao profissional - na dúvida - optar pelos de grandes empresas
multinacionais, a um custo não, necessariamente,

proporcional à qualidade

oferecida.

2.3 Ortopedia - P&D nas ICTIs
No item 8.4.1 do ANEXO 4 estão listados alguns departamentos/instituições onde
estão sendo realizadas pesquisas relacionadas com próteses ortopédicas (matéria
prima, processo e desgaste, entre outros), enxertos e scaffolds (arcabouços ou
matrizes tri-dimensionais para terapia celular); se existe patente já concedida e o
estágio de transferência de tecnologia do grupo. Os critérios utilizados para
inclusão de um dado grupo foram os seguintes:


Universidades: pesquisadores-líderes com bolsa de produtividade em
pesquisa do CNPq, área de atuação em biomateriais, projetos e/ou patentes,
participação em congressos da área



Institutos de Pesquisa: critérios similares, sendo que não foi exigido, como
critério de inclusão, a bolsa de produtividade de pesquisa

Desta tabela constam 21 grupos de P&D62, que atuam nessa área há algum
tempo, mas certamente o número de grupos existentes é maior que o
apresentado63. Estes grupos estão em Departamentos de química, física ou

61 MB Conz et al, "Physicochemical characterization of six commercial hydroxyapatite for medical-dental applications as
bone graft". Journal of Applied Oral Science,2005, 13 (2): 136:140.
62
Com várias superposições pois os grupos interinstitucionais se organizam em função do tema do projeto.
63
Pesquisa na base de Currículos Lattes com a palavra "hidroxiapatita" resultou em 99 pesquisadores com doutorado e
bolsa de produtividade de diversas áreas de concentração

26

engenharia e tem em comum a forte interação com pesquisadores das áreas de
biologia, medicina e odontologia, entre outras (item 8.4.2).

A observação do item 8.4.1 confirma a idéia geral que poucos são os
produtos/processos já patenteados e também as dificuldades encontradas pelos
grupos para a efetiva transferência de tecnologia. Alguns projetos de transferência
estão em andamento, fruto dos recentes investimentos governamentais. Estes
assuntos (patentes e transferência de tecnologia) serão abordados mais a frente,
nos itens 7.2 e 7.3.
Projetos PADCT, PRONEX64, Institutos do Milênio65, entre outros, estimularam a
interação inter-institucional e interdisciplinar. Fruto desses contatos, o número de
pesquisadores e alunos envolvidos cresceu muito, a Sociedade Latino Americana
de Biomateriais, Órgãos Artificiais e Engenharia de Tecidos (SLABO) - fundada em
1998 ­ se consolidou, e o tema "biomateriais" incorporado em praticamente todos
os congressos relacionados com engenharia de materiais, mecânica, física, etc.
Infelizmente os recursos alocados a essa especialidade66 ainda se encontram
dispersos em múltiplos editais e são claramente insuficientes para cobrir as
pesquisas em curso. Esse aspecto será novamente discutido mais a frente (item
7.1).

Dos produtos abordados nesse trabalho, "enxertos e scaffolds" é o segmento
onde, a meu ver, o país apresenta maior competitividade. No setor de próteses e
válvulas endovasculares a distância tecnológica, e o fato do mercado ser
dominado pelas multinacionais, restringe as possibilidades de desenvolvimento
nacional; na área de próteses totais, existe espaço para aprimoramento
tecnológico e/ou substituição de importação, mas não se vislumbra, a médio-longo
prazo, grandes inovações. Já, a medicina regenerativa baseada em terapia celular
impõe importantes avanços clínicos, podendo ser considerada uma "atividade
portadora de futuro"67, ou seja, com elevada probabilidade de romper barreiras

64

Núcleo de Excelência (PRONEX) em Biomateriais, Unicamp, 1996
Instituto do Milênio em Bioengenharia Tecidual, Fiocruz-Ba, 2001-2003
66
A reforma das áreas de conhecimento do CNPq prevê "biomateriais"como especialidade
67
a
Definição apresentada pelo Dr. Maurício Mendonça Jorge, CNI na 3 CNCT&I, 16-18 nov 2005, Brasília, DF
65

27

Biomateriais

tecnológicas e mercadológicas. Percebendo a importância do tema, a Chamada
Pública MS/MCT/FINEP qualificou 3 instituições para atuarem como instituições
âncoras do Estudo Multicêntrico Randomizado de Terapia Celular em Cardiopatias
- EMRTCC68. Nas terapias aplicadas a cardiopatias as células do paciente são
cultivadas in vitro e re-inseridas no local da lesão, sem a intermediação do
arcabouço. Já a aplicação da terapia celular na área músculo-esquelética
(cartilagens e ossos) exige, quase sempre, a presença do arcabouço (scaffold)
natural ou sintético.

Os scaffolds atualmente produzidos ainda estão aquém do desejado, pela
dificuldade de compatibilizar propriedades biológicas com requisitos mecânicos.
Dessa forma, há espaço para os grupos brasileiros pesquisarem e inovarem. Outra
vantagem apresentada pelo Brasil, é a possibilidade de realização de testes em
cobaias (desde que devidamente aprovados pela CONEP), etapa fundamental
para se viabilizar o desenvolvimento de um produto/processo e de uso bastante
restrito em países do primeiro mundo.

Resumo:
Gargalos atuais

Ações necessárias

enxertos: setor tradicional




scaffolds: Intensa atuação de P&D com forte
interação entre grupos ligados a "materiais"com os de
formação "bio".



68

substituir importações
garantir qualidade do produto

identificar nichos possíveis de atuação
competitiva e investir maciçamente para se
chegar o mais rapidamente a produtos

incubação de empresas, inovação

www.finep.gov.br/fundos_setoriais/outras_chamadas?resultados/resultado_celulas_tronco.pdf, em 24/11/2005

28

3 OUTROS EXEMPLOS

3.1 Materiais para Odontologia

Segundo dados da balança comercial brasileira do segmento médico-hospitalar
1999-2003, a odontologia é o único segmento superavitário do setor, graças
principalmente a exportação de cadeiras, enquanto que os itens mais importados
são: materiais para restauração; instrumentos e aparelhos, e próteses dentárias69.

Praticamente todos os grupos listados na Tabelas 1 do Anexo 4 realizam alguma
pesquisa/ desenvolvimento de biomateriais para a odontologia. Essa interação se
iniciou na década de 90, tendo como início a aproximação de alguns
pesquisadores com pequenas empresas fabricantes de implantes e outros
materiais. A multiplicidade de materiais (a maioria importada) empregados na área
clínica, e a necessidade de entender, comparar e selecionar os mais adequados a
cada caso, levou parte dos profissionais de odontologia a procurarem, ainda na
década de 9070, pós-graduações na área de materiais.

Como exemplo dessa interação foi aprovado, em 2004, um PRONEX em
Cerâmicas Dentais71 coordenado pelo Prof. Ogasawara do Programa de Eng.
Metalúrgica (PEMM/COPPE) em parceria com pesquisadores do CETEM,
Faculdade de Odontologia da UERJ e da Universidade Veiga de Almeida. O
projeto tem como objetivo nacionalizar os insumos das porcelanas odontológicas,
principalmente aqueles utilizados para a obtenção das restaurações dentárias de
ligas metálicas e de cerâmica revestidas com porcelanas feldspáticas. O projeto
cobre toda a cadeia de produção da matéria prima às próteses propriamente ditas.

69

RMV Gutierrez & PVM Alexandre, Complexo industrial da saúde: uma introdução ao setor de insumos e equipamentos de
uso médico, BNDES, março de 2004.
70
O Programa de Eng. Metalúrgica e de Materiais (PEMM) da COPPE recebeu os primeiros alunos dentistas em 1998 e até
agosto de 2005 foram defendidas 35 dissertações de mestrado e 2 teses de doutorado.
71
www.metalmat.ufrj.br, em 20/11/2005.

29

Biomateriais

Outros projetos incluem desenvolvimento de resinas nanoreforçadas72, limas
ortodônticas e materiais de endodontia73.

3.2 Lentes Intraoculares
O consumo de lentes intraoculares é crescente, fruto do envelhecimento
populacional e o mercado é dominado por empresas multinacionais. Em 2004,
quase 300 mil cirurgias foram realizadas e considerando-se preço médio da ordem
de R$ 500,00 cada lente, totaliza um gasto da ordem de 150 milhões de reais/ano.
São poucos os pesquisadores que atuam nessa área e não foi identificado nenhum
grupo

em

estágio

de

transferência

do

conhecimento,

embora

existam

pesquisadores com forte atuação em polímeros que poderiam se direcionar ao
desenvolvimento de lentes.

72
73

Dr. FL Bastian, PEMM/COPPE/UFRJ.
Dr. CN Elias, IME.

30

4

MERCADO E EMPRESAS INTERNACIONAIS

Em 2000 o mercado mundial de biomateriais foi estimado em 23 bilhões de
dólares, com taxa de crescimento de 12% ao ano74, o que significaria já ter
ultrapassado os US$ 40 bilhões. A participação dos EUA se situa entre 35-45% do
mercado mundial, enquanto o mercado europeu é responsável por cerca de 25%.

As empresas que atuam no setor de biomateriais tendem a ser pequenas
empresas de base inovativa ou subsidiárias de grandes conglomerados da área
farmacêutica ou médica.

A sociedade americana de biomateriais (Society for

Biomaterials75) lista em seu sítio um número pequeno de empresas, sendo 27
americanas e 1 francesa, esta com atuação em engenharia tecidual. Das
empresas americanas se destacam nove (9) com atuação na área de
recobrimentos; seis (6) em polímeros biodegradáveis (normalmente associado a
"drug delivery") e seis (6) voltadas para a fabricação de máquinas de testes, com
emprego, entre outros, na avaliação de próteses.
Um excelente sítio para pesquisa em biomateriais é o "Biomaterials Network"76,
criado em 1998 com a missão de prover cientistas, empresários e o público em
geral com informações sobre biomateriais e áreas correlatas, como engenharia
tecidual. As indústrias ­ da ordem de 400 - aparecem cadastradas por continente77
(lista completa no Anexo 5), sendo

possível se identificar as atuações

predominantes. Destacam-se cerca de 65 empresas em nanotecnologia/terapia
celular/engenharia tecidual e outras 80 na área de polímeros (naturais ou
sintéticos)/"drug delivery". Em termos de setores, aparecem, pela ordem, o setor
músculo-esqueletal (77 empresas), seguido de cardiologia (39 empresas) e
odontologia (33 empresas).

74

http://www.sric-bi.com/Explorer/BM.shtml, acesso em 14/04/2006.
www.biomaterials.org
76
www.biomat.net
77
O número de empresas da Ásia é certamente muito superior ao indicado no sítio, praticamente não aparecendo empresas
japonesas, chinesas ou indianas. Para os demais continentes o número de empresas e a distribuição pelos países parece
mais coerente.
75

31

Biomateriais

5

FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS

Não se tem claro o número exato de pós-graduações com mestrados/doutorados
em biomateriais. De uma forma geral, pesquisas em biomateriais estão sendo
realizadas em praticamente todos os departamentos de eng. metalúrgica, eng. de
materiais e em muitos departamentos de física, química, eng. mecânica e química,
entre outros. Isso sem contar os departamentos ligados à área de ciências da
saúde que tendem a atuar em parceria com as áreas tecnológicas, contribuindo
fortemente para o desenvolvimento da ciência básica e aplicada e a formação de
recursos humanos. Considerando que os congressos ligados à Sociedade Latino
Americana de Biomateriais, Órgãos Artificiais e Eng. de Tecidos (SLABO) e a
Sociedade Brasileira de Pesquisas em Materiais (SBPMat) tem reunido a maior
parte dos pesquisadores que atuam em biomateriais, bioengenharia, órgãos
artificiais, etc., há um predomínio (quantitativo) claro de grupos na região sudeste
(ver Anexo 4).

Do último Congresso Latino Americano de Órgãos Artificiais e

Biomateriais (COLAOB) realizado em 2004 em Campinas, 56% dos participantes
tinham formação tecnológica (o que indica uma boa interação com os grupos da
área da saúde) e cerca da metade dos participantes era aluno de pós-graduação
(2/3) ou de graduação (1/3), indicando a tendência de crescimento das áreas
ligadas à temática do congresso. Estima-se para o próximo COLAOB78 a
participação de cerca de 500 pesquisadores/alunos. Entretanto, apesar do
congresso ser latino-americano, a presença de pesquisadores de outros países
que não o Brasil é, infelizmente, ainda muito pequena.

A procura dos alunos por mestrado ou doutorado em temas de biomateriais é
crescente, sendo que muitos alunos não são aceitos por falta de orientadores.
Paradoxalmente à elevada procura, os alunos tendem a se sentir inseguros por
não terem claro se (e como) o mercado os acolherá. Isso é mais freqüente na
área das Engenharias, onde as grandes empresas (principalmente as da área de
petróleo) absorvem praticamente todos os alunos, antes mesmo da conclusão dos
cursos. O baixo valor das bolsas79 aliado a incertezas quanto ao futuro80, tendem a
78

Caxambu, 8 a 11 de agosto de 2006, www. metalmat.ufrj.br/colaob.
Com a inclusão de gratificações diversas aos salários docentes foi perdida a vinculação dos valores das bolsas de posgraduação com o salário dos docentes.
79

32

desestimular a procura pela pós-graduação. O governo planeja atingir o patamar
de 10 mil doutores/ano em 2006, mas o somatório da indefinição quanto ao
aproveitamento desses mestres e doutores com a política européia de estimular a
imigração qualificada81 pode ser catastrófica para o sistema de CT&I no país. A
fixação desse contingente de doutores em áreas onde não existe uma indústria
forte no país (como é o caso de biomateriais) passa necessariamente pela
inovação, incubação de empresas ou criação de microempresas.

Existem excelentes cursos de pós-graduação, mas de uma forma geral os alunos
são preparados unicamente para a pesquisa e/ou docência. Estruturas
acadêmicas rígidas restringem o número de créditos cursados em outros
departamentos/instituições82, limitando assim a interdisciplinaridade. A saída seria
a criação de Áreas Interdisciplinares entre Centros Tecnológicos e Centros da
Saúde. Adicionalmente à formação científica, é preciso introduzir/ampliar
conhecimentos em "gestão e avaliação tecnológica", bem como estimular o
empreendedorismo. Em instituições como a COPPE/UFRJ, por exemplo, tem sido
apresentados seminários e palestras sobre o assunto, mas de uma forma geral, o
público presente é muito pequeno. Outra opção seria a criação de cursos de
especialização ou de mestrado profissional em gestão tecnológica em saúde e
temas correlatos.

Algumas iniciativas em nível de graduação, como a criação da habilitação em
Engenharia Química- biológica (Escola de Química da UFRJ)83, indicam a
tendência crescente de se ter cursos inter e multidisciplinares. Entretanto, a
criação de um novo curso ou uma ampla reforma curricular levam de 3 a 5 anos
para serem aprovados e mais 5 anos para que a primeira turma se diplome
(considerando um curso regular de engenharia e um aluno com padrão de
aproveitamento acima da média). Similarmente, é necessário remodelar a
estrutura curricular das escolas técnicas de forma a integrar mais as áreas
tecnológicas com as de saúde.
80

Existem doutores com elevada qualificação que aos 40 anos ainda são "bolsistas", com as preocupações e inseguranças
naturais de quem se encontra nessa situação.
81
a
Apresentação do prof Celso Melo na 3 CNCT&I, 16 a 18 de novembro de 2005, Brasília, DF.
82
A COPPE/UFRJ aceita - um máximo de - duas disciplinas de outra unidade/universidade.
83
www.eq.ufrj.br, em 25/11/2005.

33

Biomateriais

Resumo:
Gargalos atuais

Ações necessárias

Formação de RH





fixação de RH



34

incluir formação mais generalista no doutorado
criar/ampliar a formação de RH em áreas gerenciais ligadas à saúde
incentivar cursos de pós-graduaçao e de graduação interdepartamentais e
interdisciplinares

aumentar do valor das bolsas como forma de valorizar a pós-graduação
definir, com urgência, políticas de fixação de RH qualificados

6

FINANCIAMENTO, PATENTES, INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE
TECNOLOGIA

6.1 Financiamento

Quanto tem sido investido em pesquisas na área de biomateriais? Essa é uma
pergunta difícil de ser respondida: Em primeiro lugar, como comentado
anteriormente, a especialidade "biomateriais" se insere (ou se confunde) com
outras

sub-áreas/especialidades

como

bioengenharia

e

biotecnologia84.

Comumente projetos voltados para o desenvolvimento e/ou produção de
biomateriais são aprovados em editais com foco em novos materiais, editais do
CT-Saúde como trauma ou avaliação de próteses ou ainda em editais voltados
para nanociência ou nanotecnologia e, mais recentemente, terapia celular.

Diversas diretrizes e ações vêm sendo consolidadas pelo Governo Federal com
vistas à capacitação e alcance da autonomia tecnológica e desenvolvimento
industrial do país, em especial dentro do contexto do Complexo Médico-Industrial
ou Complexo Produtivo da Saúde. Para tanto, foi promulgada a Lei de Inovação
(Lei no. 10.973, de 2 de dezembro de 2004) que dispõe sobre incentivos à
inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo. Ações de
cooperação técnica do Ministério da Saúde com o Ministério da Ciência e
Tecnologia, por meio do CNPq, da Finep e das FAP's Estaduais têm contribuído
para o aumento do fomento à pesquisa e desenvolvimento científico e tecnológico.
Desta forma, objetiva-se estimular o desenvolvimento de novas tecnologias em
saúde, incluindo kits diagnóstico, vacinas, hemoderivados, terapia celular,
biomateriais, equipamentos, softwares e outros produtos para a saúde, visando
melhorar a assistência à saúde no âmbito do SUS. Além disso, o Ministério da
Ciência e Tecnologia, por meio do Programa de Tecnologia Industrial Básica (TIB),
vem incentivando, orientando e capacitando a indústria nacional quanto às
84

Embora biomateriais possa ser considerado um aplicação da biotecnologia na área da saúde humana, os CTs saúde e
biotecnologia são fundos setoriais distintos.

35

Biomateriais

atividades de metrologia, normatização, regulamentação técnica e avaliação de
conformidade dos produtos, bem como de propriedade intelectual dos produtos
gerados. Na 3a Conferência em Ciência, Tecnologia e Inovação85, foi bastante
discutida a questão do financiamento na área da saúde e foi praticamente um
consenso necessidade de institucionalizar uma agência de fomento dentro do
Ministério da Saúde, sem que isso signifique reduzir sua interação com as
tradicionais agências de fomento como FINEP, CNPq e as FAP's.

Um aspecto, não exclusivo ao tema "biomateriais" e que tem preocupado os
pesquisadores é a multiplicidade de editais existentes, oriundos de diferentes
agências de fomento. Esse fato, aliado a uma falta de definição de políticas de
médio-longo prazo, faz com que o pesquisador direcione seu trabalho ao sabor
dos editais vigentes. Isso significa para o pesquisador um gasto de energia/tempo
absurdo86. Para o governo, também significa baixo rendimento no investimento
feito, uma vez que projetos importantes são - muitas vezes - descontinuados, após
grandes investimentos materiais e em recursos humanos. Claramente, existe uma
demanda reprimida que atinge todas as áreas. Como exemplo, poderia citar o
Edital MCT/CNPq 01-2005 - Institutos do Milênio que selecionou 34 projetos dentre
236 propostas87. Qual o custo envolvido na preparação dos 202 projetos que não
foram selecionados? Se estimarmos o custo total em cerca de R$ 10mil por projeto
(incluindo pesquisador-hora em reuniões, consultas e viagens; apoio de secretaria
etc.), teríamos um gasto total de uns dois milhões de reais, sem contar atividades
que deixaram de ser realizadas em função da mobilização em torno dos projetos.

Segundo o National Institute of Health (NIH), os investimentos em bioengenharia
podem ser subdivididos em pesquisa básica, pesquisa aplicada e pesquisa de
desenvolvimento (escala piloto), sendo que no mínimo de 1/3 do valor total deve
ser reservado à pesquisa básica como forma de garantir a inovação88,89.

Um

estudo de 1994 do NIH indicou a possibilidade dos EUA perder a liderança na área
85

16 a 18 de novembro, Brasilia, DF, http://www.cgee.org.br/cncti3/.
Universidades como a UNICAMP já financiam a atividade de "preparar projeto" como forma de auxiliar o
professor/pesquisador a submeter projetos mais competitivos, uma vez que parte dos recursos podem ser usados para
viagens e diárias da equipe proponente e apoio de secretaria.
87
http://www.cnpq.br/noticias/2005/220905.htm, em 15/11/2005.
88
www.becon.nih.gov/nihreport.htm?Display=Text
89
Essa concepção segue o chamado "modelo linear de desenvolvimento" que, hoje, é considerado ultrapassado. Carlos M.
a
Morei, 2 CNTIS, jul 2004
86

36

de bioengenharia em decorrência da retirada do mercado de vários produtos
(devido à perda de confiabilidade), sem o correspondente lançamento de novos
produtos. Outro aspecto importante citado neste trabalho, é a relação entre
pesquisa básica e inovação que foi avaliada por meio da quantidade de referências
bibliográficas citadas nas patentes do decênio anterior. Embora não conclusivo,
esse estudo mostrou que próteses implantáveis apresentavam maior base
cientifica do que

outras áreas tecnológicas, reforçando a importância do

investimento continuado em ciência básica. No Brasil, e particularmente na área de
engenharias, há uma tendência em não se separar a pesquisa básica da aplicada,
mas não se discute que investimentos (e políticas) de médio-longo prazo são
fundamentais.

Resumo:
Gargalos atuais

Ações necessárias

recursos insuficientes e pulverizados




editais com grande complexidade como o Instituto
do Milênio




ampliar a articulação entre as agências de fomento
priorizar projetos de médio-longo prazo, com
avaliações intermediárias
criar etapas de pré-seleção
ampliar o número de projetos sob encomenda

6.2 Patentes
Tem sido bastante comentada a necessidade de ampliar o número de patentes,
tendo como base o fato de que os pesquisadores brasileiros são responsáveis por
1,5% do total de artigos e relatórios publicados em revistas científicas e apenas
0,2% do pedido de patentes90. Alguns aspectos explicam, a meu ver, essa
diferença. O crescimento no número de publicações se inicia em 1993, tornandose consistente a partir de 95-9691, que coincide com a implantação das bolsas de
produtividade em pesquisa (CNPq) e com a consolidação da avaliação dos cursos
de pós-graduação em bases quantitativas (CAPES). A maior parte da pesquisa
científica é realizada em instituições públicas (universidades ou institutos), sendo

90
91

Prof. Jorge Guimarães, presidente da CAPES
Produção científica brasileira e mundial entre 1981 e 2001, CAPES.

37

Biomateriais

que nas universidades o professor acumula atividades didáticas (pós-graduação
e/ou graduação) com atividades de extensão, administração e pesquisa.

O processo para pedido de patente é demorado, difícil, caro, e ainda pouco
valorizado pelas agências de fomento. Nas engenharias, a CAPES concentra a
avaliação em teses (especialmente de doutorado) e publicações internacionais,
com os demais itens (incluindo patentes) fazendo parte de um relatório qualitativo,
de pouco peso (ou peso indefinido) na atribuição do conceito ao Programa. O
Conselho Assessor (CA) M&M92 do CNPq - que reúne parte significativa dos que
pesquisam em biomateriais ­ tem regras bastante claras para pontuação da
produção bibliográfica e tecnológica do candidato à bolsa de produtividade em
pesquisa. Patentes recebem pontuação equivalente a de uma publicação
internacional, mas como a seleção para a concessão das bolsas é feita em etapas,
o pesquisador pode ser eliminado da disputa, antes mesmo de ter suas patentes
avaliadas.

O processo de registro de patentes adotado por Cuba foi apresentado pela direção
do Centro Nacional de Investigação Científica (CNIC) à missão da Coordenação
de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior do Ministério da Educação
(Capes/MEC) que realizou uma série de reuniões de trabalho no país cubano93.
Segundo a pesquisadora Maria de Fátima Grossi de Sá, cada instituto de pesquisa
cubano tem de forma clara a política de registro de patentes. O processo é
realizado por um escritório, instalado dentro de cada instituto, formado por um
advogado, um economista e três profissionais da área científica.

Resumo:
Gargalos atuais

Ações necessárias

patentes




92

Incentivar o registro de patentes por meio de apoio técnico, financeiro e jurídico
Valorização da produção tecnológica pelas agências de fomento

Conselho Assessor de Minas, Metalurgia e Materiais, http://www.cnpq.br/sobrecnpq/instanciasdecisorias/ca/camm_b1.htm, em 14/11/2005.
93
www.capes.gov.br/capes/ portal/conteudo/10/N01_07122005S.htm, em 21//1/2005.

38

6.3 Inovação e Transferência de Tecnologia
Em áreas com forte embasamento científico, comumente as empresas nascem
como empresas incubadas, evidenciando a importância da formação gerencial do
aluno de pós-graduação. Empresas "spin off" (ex-incubadas) tendem a - sempre
que preciso - recorrer a universidades ou institutos de pesquisa, induzindo novas
incubações. Este parece

ser o único caminho para o país crescer de forma

continuada e com base em produtos de alto valor agregado. A Tabela 2 na página
seguinte mostra alguns exemplos (na área de biomateriais)94, que se somam a
outros casos citados ao longo deste documento. Se destacam os substitutos da
pele e os polímeros à base de mamona. Os primeiros complementam a produção
de pele a partir de cultivo celular em laboratório95. Já os polímeros à base de
mamona apresentam bons resultados clínicos96 , mas são bastante questionados
por alguns pesquisadores.

O estabelecimento de uma política industrial que tenha como foco a incorporação
de novas tecnologias aos produtos brasileiros, de forma a aumentar seu valor
agregado, tem exigido novas estratégias que facilitem a transferência de
tecnologia e a incorporação de inovações pelo setor produtivo. Observações
empíricas indicam que oportunidades de colocação de produtos inovadores no
mercado vêm sendo perdidas pelas dificuldades de aproximação, diálogo e
negociação entre os atores envolvidos no processo: grupos de pesquisa ligados às
Instituições de Ciência, Tecnologia e Inovação (ICTIs), setores produtivos
interessados no novo conhecimento e o poder público. Dentro das ICTIs os papéis
também não são claramente definidos, com grupos universitários altamente
competitivos em tecnologia e institutos tecnológicos priorizando a formação de
mestres e doutores.

94

Algumas informações foram obtidas no sítio www.inventabrasilnet.t5.com.br, somadas a pesquisas em outras fontes.
http://www.faperj.br/boletim_interna.phtml?obj_id=2431
96
http://www.scielo.br/pdf/acb/v18s2/v18s2a02.pdf
95

39

Biomateriais

Tabela 2: Parceria Universidade-Empresa
UNIVERSIDADE

EMPRESA

PRODUTO

FMRP/USP
Pele Nova Biotecnologia, SP
Joaquim Coutinho Neto www.pelenova.com.br
Fac. Medicina/UFG
Fatima Mrue

biomembrana para cicatrização

IQSC/USP
Gilberto O. Chierice
UNESP Araraquara
Lizeti T. Ramalho

implantes de resina à base de mamona
PI 0006544

Poliquil Araraquara Polímeros
Químicos Ltda, SP

Biocure® PI0207426

UFPR
BioFill Produtos Biotecnológicos, PR
Luis Fernando X. Farah www.biofill.com.br

Película de celulose (pele artificial)

IQSC/USP
Gilberto Goissis

Braile Biomédica, SP
www.braile.com.br

válvulas cardíacas (de pericárdio bovino e
porcina) e enxertos biológicos
válvulas mecânicas à base de ligas de
titânio e carbono pirolítico

CTA
IPT

HP Bioprótese, SP

válvula híbrida (material sintético com
revestimento de material orgânico)
MU7400335

Gengiflex®
PI 8404937-5

Dada a natureza de cada uma das partes envolvidas é natural o conflito. De um
lado nos deparamos com pesquisadores/instituições preocupados em avançar no
conhecimento científico (necessário para se publicar em periódicos com alto fator
de impacto) e do outro lado o setor produtivo com um mercado dinâmico, ágil,
urgência de solução e - muitas vezes - foco em lucratividade de curto prazo, razão
da sua pouca capacidade de investimento e de credibilidade na aposta de longo
prazo.

Um exemplo pioneiro na aproximação universidade-empresa foi a criação da
COPPE/UFRJ há mais de 40 anos e logo a seguir da Fundação COPPETEC, que
começou a atuar em 1975. Mais recentemente, a UFMG criou a Coordenadoria de
Transferência e Inovação Tecnológica (CT&IT) com o propósito de proteger o
conhecimento gerado e promover a interface com o setor privado97. Essa
coordenadoria estabeleceu, em 2004, parceria com o Núcleo de Relações
Institucionais e Desenvolvimento de Oportunidades da FUNDEP que objetiva a
97

Sérgio Oliveira Costa, Coordenador de Transferência & Inovação Tecnológica (CT&IT) da UFMG.

40

prospecção de oportunidades. Grandes universidades como a USP, UNICAMP,
UFRGS e UFRJ criaram também seus grupos98, e com a aprovação da Lei de
Inovação iniciativas a tendência é que esse processo se acelere. O MCT lançou,
em dezembro de 2005, o Portal Inovação com o objetivo de aproximar e promover
a

interação

entre

Empresas,

Comunidade

Técnico-Científica,

ICTIs)

e

Organizações de Apoio visando à cooperação e à inovação nos diversos setores
sócio-econômicos. Embora importantes, estas iniciativas tendem a demandar um
certo tempo para apresentar resultados.

As grandes empresas, que não sofrem limitação quanto a investimento, mantêm
setores de pesquisa próprios ou são capazes de gerenciar a terceirização desta
demanda respaldada na "compra" das competências necessárias. Como exemplo
temos a Petrobrás, os grandes laboratórios farmacêuticos e as multinacionais que
desenvolvem stents. As micros, pequenas e médias empresas (caso da maioria ds
empresas do setor "biomateriais"), ficam alijadas do processo não tendo papel próativo no projeto de desenvolvimento do país por falta de visão, know-how e/ou
capacidade de investimento. Já as universidades e centros de pesquisa
colecionam "invenções" em "carteira" se debatendo em dúvidas quanto ao
encaminhamento a ser dado, enquanto que as instituições de fomento
disponibilizam recursos financeiros sem o acompanhamento dos resultados
efetivos da pesquisa ao longo de seu desenvolvimento através de suporte real à
colocação

no

mercado.



o

relacionamento

honesto,

baseado

no

desenvolvimento de uma linguagem comum, pode reverter esse quadro caótico.

6.3.1 A busca da Linguagem Comum
Um

sistema

de

inovação

tem

natureza

interdisciplinar,

uma

vez

que

necessariamente inclui - não apenas os fatores econômicos - mas também os
fatores institucionais, organizacionais e políticos que influenciam a inovação. As
instituições ou organizações também evoluem temporalmente e esses processos
são interligados, sendo capturados apenas por modelos cujos elementos
98

no endereço http://www.portalinovacao.info/ISPublish/inovacao/portal/ existem links para alguns escritórios de Inovação
das Instituições de Ciência, Tecnologia e Inovação (ICTIs).

41

Biomateriais

considerem esta dinâmica no relacionamento. Inovação decorre de um processo
interativo, que envolve aprendizado e acontece mesmo durante a incorporação e
uso das tecnologias no meio sócio-econômico. No caso de "biomateriais" a
temática também é multidisciplinar, exigindo que os parceiros acertem seus
objetivos e discursos em prol de um bem comum.

Vários atores participam do processo que se inicia num estudo científico e pode
levar até a inovação e a promoção de ofertas de produtos ou serviços aceitos e
usados pelo mercado. Dentre as várias etapas do processo de inovação, a que
tem relevância para este documento diz respeito aos estabelecimento da relação
entre ICTI e setor produtivo. Entretanto existem obstáculos neste relacionamento.
De uma forma generalista poderíamos afirmar que as "empresas desconfiam da
"utilidade" de grande parte da pesquisa desenvolvida nos institutos" e por outro
lado nos "institutos de pesquisa teme-se a perda de sua autonomia científica" 99. É,
necessário, portanto, criar espaços para reflexão conjunta dos atores envolvidos
no processo, com vistas a harmonizar as expectativas. Mesmo admitindo a
complexidade do diálogo e sem negar seus antagonismos é possível fazer emergir
estratégias que, de forma participativa, possam minimizar o distanciamento e
garantir a efetividade do relacionamento. Integrar pesquisa e ação de forma
participativa é uma decisão que pode levar a uma mudança profunda, tanto na
reflexão, como na ação100.

Enquanto alguns autores sugerem que as instituições de pesquisa desenvolvam
um padrão de gestão cada vez mais parecido com os princípios da gestão
empresarial, observações de experiências práticas desta intermediação (entre
ICTIs e empresas de pequeno ou médio porte, que é o que predomina no setor de
biomateriais) apontam para a necessidade de haver um "facilitador" destas
relações101. Com o papel de cobrir os "gap's" existentes, os "facilitadores"
funcionam como integradores de solução que buscam identificar dimensões que
não podem ser solucionadas por cada um dos atores isoladamente. Numa visão

99

DM Zouain, Gestão de instituições de pesquisa, Editora FGV, 2001
A Morin, Pesquisa-ação integral e sistêmica: uma antropopedagoia Renovada,/Trad. Michel Thiollent ­ rio de janeiro:
DP&A, 2004
101
DC Alvim, Pré-Projeto de Dissertação de Mestrado. FGV.2005
100

42

sistêmica, este "facilitador" se faz presente nos momentos em que a pesquisa
básica aponte para uma aplicação ou que o mercado demande ou oportunize uma
solução. A partir da prospecção de interessados, seja num novo conhecimento,
numa nova tecnologia, seja no atendimento de uma demanda de um novo
conhecimento, amplia os conceitos incorporando novos atores, variáveis e novas
relações ao processo. O agente "facilitador" garante ainda a troca de
conhecimentos, trazendo a dimensão mercado e pesquisa para uma permanente
retro-alimentação entre pesquisadores e setores produtivos.

Exigir que o

pesquisador assuma também essa função é ­ provavelmente - superestimar sua
capacidade criativa ou de improvização.

6.3.2 Pesquisa Versus Inovação
"Nas empresas, a emergência do conhecimento como fator de produção obriga ao
questionamento do princípio da racionalização, uma vez que o trabalho criativo
não é sistemático ou linear. Em decorrência dessa dialética entre racionalidade e
criatividade, surge o embate entre linhas de pensamento opostas: "modelo
mecanicista" x "modelo orgânico", "criação imediata de valor" x "cultura corporativa
de longevidade", "foco na técnica" x "foco no componente humano", etc. A gestão
da inovação deve ser encarada em grande parte como a gestão desta tensão, uma
busca permanente de equilíbrio o "ser" e o "vir-a-ser". A idéia de inovação está
associada à necessidade da empresa de se adaptar aos ambientes sócioeconômicos onde se encontra visando a garantir sua inserção, prosperidade e
perpetuidade. A inovação é também alavanca para a vantagem competitiva
sustentável no contexto da sociedade pós-industrial e nesse sentido está
novamente relacionada à questão da interação com o ambiente. O comportamento
de inovação é percebido pelos elementos externos à organização por sua
capacidade de promover mudanças de comportamento nas pessoas e instituições
à sua volta"102.

102

A C Ritto, Organizações Caórdicas - Modelagem de Organizações Inovadoras. Rio de Janeiro, Editora Ciência Moderna,
2005.

43

Biomateriais

A Academia tem privilegiado a construção de modelos descritivos, matrizes
conceituais, reflexões filosóficas, análise e estrutura do conhecimento, voltando-se,
portanto, para entender o "o que" e o "porque", mas tem sido lenta em considerar e
tratar as mudanças e suas implicações nos ambientes econômicos e sociais. Tem
criado mais conhecimento que inovação. Isso se reflete no pequeno número de
patentes, comentado anteriormente. Inovação é manifestação econômica e social
e, portanto, o foco não pode se ater em ciência ou tecnologia e sim nas mudanças,
verificadas e potenciais no ambiente econômico e social. Há dificuldades e
desafios como decorrência da existência de um paradoxo entre a criação de
conhecimento, que é linear e disciplinar, e a inovação que é emergente e
transdisciplinar. Assim políticas públicas devem favorecer o encontro entre os
agentes da pesquisa e do mercado e políticas e estratégias podem estimular este
encontro e potencializar resultados. A formação de recursos humanos deve
contemplar também a formação dos "facilitadores".

Resumo:
Gargalos atuais

Ações necessárias

Interação
universidadeempresa









transferência de
tecnologia

Incentivar conexões entre pesquisa pública e privada, com organizações no país e
no exterior facilitando as interações.
Incentivar alianças estratégicas entre atores de pesquisa e de mercado
Formalizar e divulgar os interesses e as intervenções planejadas pelos órgãos do
governo
Criar regime fiscal para capital de risco em pesquisa e desenvolvimento
comprometido com a solução de problemas reais e com pesquisa associada a
questões e oportunidades nos ambientes econômicos e sociais
Encorajar projetos transdisciplinares de pesquisa ­ focados em problemas e
oportunidades dos ambientes econômicos e sociais e não no conhecimento
disciplinar
Introduzir a presença do profissional "facilitador" na relação ICTIs - empresas




Incubação de empresas nas universidades e parques tecnológicos
criação de pólos de alta tecnologia como forma de absorver mão de obra
qualificada

repassar os conteúdos de ponta à iniciativa privada

6.3.3 Proposta de Ação
Partindo desta constatação, é necessário identificar os fatores impeditivos deste
entendimento com vistas a uma mudança drástica tanto na gestão da transferência
de tecnologia como no processo de desenvolvimento da pesquisa. As questões, a

44

seguir listadas, cobrem algumas das preocupações identificadas no exercício do
papel de um agente "facilitador". São todos assuntos não afeitos, diretamente, ao
desenvolvimento da pesquisa, mas fundamentais para que a relação ICTIsindústria possa se estabelecer em bases consistentes.

Etapas

Preocupações

Relacionamento









Produto





Sistematização do processo de produção, da matéria prima ao produto final
Definição dos recursos (equipamentos e colaboradores) envolvidos
Definição de custo de produção

Comercialização








Identificação de interessados no setor produtivo
Identificação da demanda e mercado
Preços praticados no mercado
Empresa do Setor Produtivo
Posicionamento no mercado (marketing share)
Simulação de resultados

Contrato de sigilo
Patente ­já existe? Registrar ou não registrar? Propriedade da patente de quem?
Como ressarcir o custo da pesquisa?
Como garantir o investimento na melhoria do produto?
Como garantir a independência no desenvolvimento de novos produtos?
Como envolver outros parceiros no projeto?
Como criar um domínio lingüístico adequado às específicas relações entre os
ambientes de pesquisa e produção?

Para tornar realidade esta intenção, um leque de medidas devem ser tomadas:


Identificar o agente que cumpriria este papel.



Formar mão de obra qualificada, inserindo nos cursos de pós graduação
questões relacionadas à patente, inovação e transferência de tecnologia.



Criar espaços permanentes de discussões de visões do setor de pesquisa e
de áreas de produção.



Criar incentivos para que as empresas promovam a criação e transformem
estas iniciativas em inovação.



Criar prêmios para reconhecer e promover a inovação.



Criar incentivos para parcerias entre os Centros de Pesquisa e as Empresas
para o desenvolvimento de inovações.

45

Biomateriais

7

CONCLUSÃO E RECOMENDAÇÕES

A área de Biomateriais agrupa uma série de produtos - de complexidade variada relacionados com vários setores da saúde como ortopedia, cardiologia,
odontologia, entre outros. Também são veículos para o carreamento de fármacos
e/ou células como "drug delivery" e terapia celular baseada em células tronco.

46

ANEXOS

Anexo 1: Patentes
PATENTES DEPOSITADAS NO INPI COM A PALAVRA "STENT" NO TÍTULO, APLICADAS À ÁREA DE CARDIOLOGIA:
Processo

Depósito

Título

Depositante Observações

PI0317909-5

31/12/2003

STENT METODO PARA A FABRICAÇAO DE UM STENT METODO PARA TRATAR OU
EVITAR UMA DOENÇA ...

EUA

stent contendo inibidor de cinase Nterminal c-Jun ('JNK'),

PI0305720-8

31/07/2003

STENT E METODO DE FAZER EM STENT NAO EXPANSIVEL

EUA

Design de stent

PI0303669-3

27/03/2003

STENT APERFEIÇOADO

EUA

Design de stent

PI0212880-2

27/09/2002

USO DE UMA DROGA MODULADORA DE LIPIDEO KIT PARA TRATAMENTO OU
REDUÇAO STENT REVESTIDO

EUA

Apolipoproteína como material de
revestimento

PI0209377-4

01/05/2002

METODO PARA A FABRICAÇAO DE ENXERTOS DE STENT

Reino Unido

Método de fabricação

PI0103205-4

18/05/2001

STENT BIFURCADO COM ABERTURA DE RAMIFICAÇAO LATERAL APERFEIÇOADA E
METODO PARA FABRICAÇAO DO MESMO

EUA

Design e método de fabricação;
pedido arquivado em 12/2005.

PI0107897-6

29/01/2001

VALVULA CARDIACA PROSTETICA SEM STENT VALVULA CARDIACA SEMILUNAR SEM EUA
STENT PROCESSO PARA PRODUÇAO DE UMA VALVULA CARDIACA PROSTETICA
TUBULAR SEM STENT ...

Design e fabricação de válvula
cardíaca semilunar ou átrioventricular

PI9916636-4

30/12/1999

ENXERTOS DE STENT COM REVESTIMENTOS BIOATIVOS

EUA

Stent e enxerto para adesão do stent
à parede do vaso

PI9911565-4

23/06/1999

PROTESE DE VALVULA ISENTA DE STENT CONSTRUIDA INTEIRAMENTE DE TECIDO
E PROCESSOS DE FORMAR UMA PROTESE DE VALVULA ISENTA DE STENT ...

EUA

Válvula biológica

PI9915195-2

30/04/1999

MODULO DE STENT STENT E PROCESSOS DE FORMAÇAO DE UM MODULO DE

EUA

Pedido desarquivado em 08/2004.

STENT E DE UM STENT ALONGADO
PI9901182-4

22/03/1999

STENT BIFURCADO COM ABERTURA DE RAMIFICAÇAO LATERAL E METODO PARA
FABRICAÇAO DO MESMO

EUA

Suspensão do andameno de pedido
de patente em 2003.
Concessão da patente em 2005

15/12/1998

PROCESSO DE FIXAÇAO DE UMA BIOPROTESE AORTICA ANIMAL E KIT DE FIXAÇAO
PARA FABRICAR UMA VALVULA CARDIACA SEM STENT IMPLANTAVEL COLHIDA DE
UM ANIMAL DOADOR MAMIFERO

EUA

PI9814485-5

11/12/1998

BIOPROTESE DE VALVULA CARDIACA SEM STENT E PROCESSOS PARA
SUBSTITUIÇAO TOTAL DE RAIZ DE UMA VALVULA CARDIACA AORTICA ENDOGENA
NUM PACIENTE MAMIFERO E ...

EUA

PI9814491-0

Suspensão do andameno de pedido
de patente em 2003.

03/12/1997

ESTRUTURA TUBULAR COMPOSITA DE MULTICAMADAS PARA EMPREGO COMO UM
STENT EM PROCEDIMENTOS CIRURGICOS E PROCESSO PARA FORMAÇAO E
APLICAÇAO DA MESMA

EUA

PI9714324-3

Estrutura tubular em camadas.
Patente concedida em 03/2002

PI9706814-4

25/09/1997

DISPOSITIVO TIPO STENT RADIALMENTE EXPANSIVEL

EUA

Design. Patente concedida em
07/2003.

PI9709036-0

20/05/1997

METODO BOMBA INTRAVENTRICULAR E CONJUNTO DE BOMBA INTRAVENTRICULAR Israel
PARA A REVASCULARIZAÇAO E PERFURAÇAO DE UM MIOCARDIO STENT
INTRAVENCULAR ....

Técnica cirúrgica. Suspensão do
andameno de pedido de patente em
2004.

PI9703058-9

05/05/1997

PROTESE PARA CONFERIR UMA INTEGRIDADE ESTRUTURAL A UM VASO
SANGUINEO TENDO UM ANEURISMA APARELHO DE STENT

EUA

Design. Patente concedida em
04/2002.

EUA
PI9610607-7

05/09/1996

PROCESSO DE REVESTIMENTO DE STENT DE LIBERAÇAO DE DROGA

Revestimentos poliméricos.
Suspensão do andameno de pedido
de patente em 2002.

PI9609181-9

07/06/1996

STENT BIOPROTETICO PARA VALVULA DE CORAÇAO TENDO ESTRUTURA DE
SUSTENTAÇAO INTEGRAL

EUA

Processo arquivado em 2003

PI9405969-1

11/03/1994

PROCESSO PARA FABRICAR UM STENT A PARTIR DE UM ARAME E STENT

EUA

Design e processo de fabricação.
Patente concedida em 03/2003

11/03/1994

PROCESSO PARA AQUECER UM STENT DE NITINOL PARA LEVAR O STENT A
EFETUAR A TRANSIÇAO DE SUA FASE MARTENSITICA PARA SUA FASE
AUSTENITICA E DETECTAR A MUDANÇA DE FASE

EUA

PI9408687-7

Processo de fabricação; Patente
concedida em 03/2003

49

Biomateriais

PATENTES DEPOSITADAS NO INPI COM A PALAVRA "PRÓTESE" NO TÍTULO E "QUADRIL" NO RESUMO; ACETÁBULO
NO "TÍTULO"OU NO "RESUMO":
Processo

Depósito

Título

Depositante Observações
Brasil (SC)

Pedido publicado em 08/2004.

Brasil (RS)

Modelo; Publicação do pedido em
03/2003.

Alemanha

Design. Concessão da patente em
08/2003.

PI0205698-4

25/10/2002

ACETÁBULO COM SUPERFÍCIE ARTICULAR METÁLICA PARA USO EM
ARTROPLASTIA TOTAL DE QUADRIL

MU8101357-4

24/05/2001

PROTESE NAO CIMENTADA DE QUADRIL

PI9800976-1

26/03/1998

PROTESE PARA ARTICULAÇAO DE QUADRIS

PI9606183-9

20/12/1996

PRÓTESE FIXA DE ARTICULAÇÃO ARTIFICIAL EM CRUZ OU EM X UTILIZADA EM
SERES VIVOS.

Brasil (PR)

Arquivado em 2003.

PI9504641-0

11/09/1995

PROTESE PUNTIFORME OU DE CONTATO MINIMO

Brasil (SP)

Design/material. Arquivado em 2003.

MU7201921-2

20/11/1992

APERFEIÇOAMENTO EM PROTESE TOTAL DE QUADRIL

Brasil (RS)

Projeto. Arquivado em 1997.

PI9006535-2

17/12/1990

APERFEIÇOAMENTO EM PROTESE ACETABULAR PARA USO COM OU SEM
CIMENTO

Brasil (SP)

Pedido publicado em 1992.

PI9004777-0

19/09/1990

PROTESE FEMORAL

Brasil (SP)

Projeto. Patente concedida em 08/1999.

PI8907794-6

28/11/1989

POLIETILENO LINEAR DE PESO MOLECULAR ULTRA ALTO, ARTIGOS E PROCESSOS EUA
DE PRODUÇÃO

Material. Arquivado em 1999.

PI8906220-5

28/11/1989

ACETABULO BIOATIVO

Brasil (SP)

Arquivado em 1996.

PI8601357-2

26/03/1986

COMPONENTE FEMURAL DE PROTESE DE QUADRIL NAO CIMENTADO

França

Arquivado em 1991.

50

PATENTES DEPOSITADAS NO INPI COM A PALAVRA "HIDROXIAPATITA" NO "TÍTULO" OU NO "RESUMO":

Processo

Depósito

Título

Depositante Observações

PI0204440-4

23/10/2002

PROCESSO DE PREPARAÇÃO A BAIXA TEMPERATURA DE BIOCERÂMICAS
DE FOSFATO DE CÁLCIO

Brasil (SC)

Publicação do pedido em 06/2004.

PI0202117-0

07/06/2002

PROCESSO DE OBTENÇAO DE HIDROXIAPATITA NANOCRISTALINA POR
MOAGEM DE ALTA ENERGIA

Brasil
(CNPq)

Publicação do pedido em 03/2004.

PI0208385-0

25/04/2002

DISPERSOES DE HIDROXIAPATITA QUE COMPREENDEM UM AMINOACIDO
COMO AGENTE ESTABILIZANTE E SEU PROCESSO DE PREPARAÇAO

França

Produção de fabricação. Notificação
fase nacional em 2004.

PI0209040-6

19/04/2002

PROCESSO PARA PREPARAR UMA FASE DE FOSFATO DE CÁLCIO, FASE DE EUA
FOSFATO DE CÁLCIO, SUBSTRATO DE FASE DE FOSFATO DE CÁLCIO, E,
MICROESFERA

Carreador. Notificação fase nacional
em 08/2004.

23/08/2001

PROCESSO DE OBTENÇÃO DE COMPÓSITO DE ZIRCÔNIA PARCIALMENTE
ESTABILIZADA COM CÁLCIA-HIDROXIAPATITA (ZH), APARELHAGEM,
PRODUTO E USOS

Brasil (MG)

PI0105243-8

Material. Publicação do pedido em
08/2003.

PI0013553-4

15/08/2000

PRÓTESE DE DISCO APERFEIÇOADA

EUA

Notificação fase nacional em 04/2002

PI9906101-5

23/12/1999

COMPÓSITO DE HIDROXIAPATITA E COLÁGENO PARA REGENERAÇÃO
ÓSSEA

Brasil (MG)

Publicação do pedido em 07/2001.

PI9908701-4

25/02/1999

PRODUTO ORAL PARA REMINERALIZAR DENTES, E, PROCESSO PARA
REMINERALIZAR O ESMALTE DE DENTE

EUA

Projeto e material.

19/11/1998

COMPOSIÇÃO SÓLIDA SECA PARA LIBERAÇÃO DE DROGA, PROCESSO
PARA A PREPARAÇÃO DA MESMA, E, USO DE UM GRANDE NÚMERO DE
PARTÍCULAS POROSAS INORGÂNICAS ...

Suécia

PI9814751-0

Carreador de drogas. Notificação fase
nacional em 2000.

Brasil (SP)

Publicação do pedido em 11/1998.

PI9701570-9

27/03/1997

PREPARADO DE FIBRAS RECONSTITUIDAS DE COLÁGENO, COM GRAU
ELEVADO DE AUTO - AGREGAÇÃO, CRISTALINAS E COM ARRANJO
HELICOIDAL SÍMILE AO NATURAL, PARA MÚLTIPLOS FINS E PARA FORMAR
COM HIDROXIAPATITA ÓSSEA UM COMPLEXO PARA IMPLANTES ÓSSEOS

PI9610357-4

30/08/1996

UMA COMPOSIÇÃO ESTABILIZADA ARTIFICIAL DE FASES DE FOSFATO DE
CÁLCIO PARTICULARMENTE ADAPTADAS PARA SUPORTAR ATIVIDADE DE

EUA

Suspensão do andamento do pedido

51

Biomateriais

CÉLULA DE OSSO

52

em 2003.

PI9608344-1

03/06/1996

FORMULAÇOES DE HIDROXIAPATITA BIOCOMPATIVEL E USOS DAS
MESMAS

EUA

Arquivado em 10/2001.
Arquivado em 10/2001.

20/05/1996

PROCESSO PARA A PREPARAÇÃO DE UM FOSFATO DE CÁLCIO AMORFO
REATIVO VE DE HIDROXÍAPATITA FRANCAMENTE CRISTALINA E PARA A
PROMOÇÃO DE CRESCIMENTO DE OSSO...

EUA

PI9608409-0

PI9400256-8

01/02/1994

DISPOSITIVO DE COBERTURA

Alemanha

Patente concedida em 06/2000.
Cimentos. Arquivado em 2000.

PI9307825-0

15/09/1993

COMPOSIÇÃO CONTENDO FOSFATO DE CÁLCIO, PROCESSO
EUA
APERFEIÇOADO PARA A PREPARAÇÃO DA MESMA, E DE UM CIMENTO DE
FOSFATO DE CÁLCIO, FOSFATO TETRACÁLCICO, CONJUNTO DE MATERIAIS
PRECURSORES DE COMPOSIÇÃO CONTENDO FOSFATO DE CÁLCIO E
POLPA

PI9104220-8

11/09/1991

PROCESSO DE OBTENÇÃO DE MATERIAL BIOCERÂMICO E IMPLANTE DE
COMPLEXO MORFOGENÉTICO ÓSSEO

Brasil (MG)

Patente concedida em 02/2000.

PI9101453-0

05/04/1991

Endoprótese femoral e joelho articulados

Brasil (SP0

Titãnio revestido com HÁ, Patente
concedida em 07/1998.

PI8903641-7

04/07/1989

PROCESSO DE OBTENÇÃO DE MATERIAL BIOCERÂMICO (HIDROXIAPATITA) Brasil (MG)

Arquivado em 1994.

Anexo 2: Normas Técnicas
NORMAS ESPECÍFICAS SOBRE "STENTS" OU "NON-ACTIVE CARDIOVASCULAR IMPLANTS"
ABNT

NBRISO5840:1999 Implantes cardiovasculares - Próteses de válvulas cardíacas
NBRISO7199:1998 Implantes cardiovasculares e órgãos artificiais - Oxigenadores de sangue extracorpóreos (trocadores de gás-sangue)

ISO

ISO 14630:2005 Non-active surgical implants -- General requirements
ISO/TS 15539:2000 Cardiovascular implants -- Endovascular prostheses
ISO 25539-1:2003 Cardiovascular implants -- Endovascular devices -- Part 1: Endovascular prostheses
ISO/CD 25539-2 Cardiovascular implants -- Endovascular devices -- Part 2: Vascular stents

ASTM

F2394-04 Standard Guide for Measuring Securement of Balloon Expandable Stent Mounted on Delivery System
F2081-01 Standard Guide for Characterization and Presentation of the Dimensional Attributes of Vascular Stents
F2129-01 Standard Test Method for Conducting Cyclic Potentiodynamic Polarization Measurements to Determine the Corrosion
Susceptibility of Small Implant Devices
WK4370 Standard Test Method for InVitro Pulsatile Durability Testing of Vascular Stents

NORMAS ABNT (ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS) ­ PRÓTESES TOTAIS DE QUADRIL
Genéricas
NBRISO7207-1:1999

Implantes para cirurgia - Componentes femoral e tibial para próteses parcial e total de articulação de joelho - Parte 1: Classificação e
designação de dimensões

NBRISO7207-2:2000

Implantes para cirurgia - Componentes femoral e tibial para próteses parcial e total de articulação de joelho - Parte 2: Superfícies de
articulação feitas de materiais metálicos, cerâmicos e plásticos

NBRISO8828:1997

Implantes para cirurgia - Orientações sobre cuidado e manuseio de implantes ortopédicos

NBR12932:1997

Implantes para cirurgia - Materiais metálicos - Tratamento superficial

NBR15165:2004

Implantes em odontologia - Requisitos gerais para marcação, embalagem e rotulagem

NBR14233:1998

Implantes cirúrgicos - Materiais metálicos - Limpeza e decapagem de superfícies de titânio e de ligas de titânio

Material ­ Metais e ligas
ISO 5832-1:1999

Implantes para cirurgia - Materiais metálicos - Parte 1: Aço inoxidável conformado

NBRISO5832-2:2001

Implantes para cirurgia - Materiais metálicos - Parte 2: Titânio puro

NBRISO5832-4:1997

Implantes para cirurgia - Materiais metálicos - Parte 4: Liga fundida de cobalto-cromo-molibdênio

53

Biomateriais

NBRISO5832-5:1997

Implantes para cirurgia - Materiais metálicos - Parte 5: Liga conformada de cobalto-cromo-tungstênio-níquel

NBRISO5832-6:1997

Implantes para cirurgia - Materiais metálicos - Parte 6: Liga conformada de cobalto-níquel-cromo-molibdênio

NBRISO5832-7:1997

Implantes para cirurgia - Materiais metálicos - Parte 7: Liga forjada e conformada a frio de cobalto-cromo-níquel-molibdênio-ferro

NBRISO 5832-8:1998

Implantes para cirurgia - Materiais metálicos - Parte 8: Liga conformada de cobalto-níquel-cromo-molibdênio-tungstênio-ferro

NBRISO 5832-9:1997

Implantes para cirurgia - Materiais metálicos - Parte 9: Aço inoxidável conformado de alto nitrogênio

NBRISO5832-10:1997

Implantes para cirurgia - Materiais metálicos - Parte 10: Liga conformada de titânio 5-alumínio 2,5-ferro

ISO 5832-11:1997

Implantes para cirurgia - Materiais metálicos - Parte 11: Liga conformada de titânio 6-alumínio 7-nióbio

ISO 5832-12:1997

Implantes para cirurgia - Materiais metálicos - Parte 12: Liga conformada de cobalto-cromo-molibdênio

ISO 13782:1998

Implantes para cirurgia - Materiais metálicos - Tântalo puro para aplicações em implantes cirúrgicos

NBR15252:2005

Produtos para saúde - Passivação de aços inoxidáveis por eletropolimento

Material - Polímeros
NBRISO 5834-1:1999

Implantes para cirurgia - Polietileno de ultra-alto peso molecular - Parte 1: Produtos na forma de pó

NBRISO 5834-2:1999

Implantes para cirurgia ­ Polietileno de ultra-alto peso molecular ­ Parte 2: Produtos na forma moldada

Material ­ Cerâmica
NBRISO 6474:1998

Implantes para cirurgia - Materiais cerâmicos à base de alumina de alta pureza

ISO 13356:1999

Implantes para cirurgia - Materiais cerâmicos à base de zircônia tetragonal estabilizada com itria (Y-TZP)

Produto - Prótese total de articulação de quadril - (Prótese femoral + acetábulo)
ISO 7206-1:1998

Implantes para cirurgia - Próteses parcial e total de articulação de quadril - Parte 1: Classificação e designação de dimensões

ISO 7206-2:1999

Implantes para cirurgia - Próteses parcial e total de articulação de quadril - Parte 2: Superfícies de articulação feitas de materiais metálico,
cerâmico e plástico

ISO 7206-4:2004

Implantes para cirurgia - Próteses parcial e total de articulação de quadril - Parte 4: Determinação das propriedades de resistência à fadiga
dos componentes de hastes femorais

ISO 7206-6:2004

Implantes para cirurgia - Próteses parcial e total de articulação de quadril - Parte 6: Determinação de propriedades de fadiga de cabeça e
região de pescoço de hastes femorais

ISO 7206-8:1999

Implantes para cirurgia - Próteses parcial e total de articulação de quadril - Parte 8: Resistência à fadiga de hastes femorais com aplicação
de torção

NBRISO7206-9:2000

Implantes para cirurgia - Próteses parcial e total de articulação de quadril - Parte 9: Determinação da resistência ao torque da fixação de
cabeça de hastes femorais

54

NBR14396-1:1999

Próteses parcial e total de articulação de quadril - Parte 1: Determinação de resistência à fadiga de hastes femorais sem aplicação de
torção

NBR14396-2:1999

Próteses parcial e total de articulação de quadril - Parte 2: Resistência à fadiga de hastes femorais sem aplicação de torção

NBR14396-3:2001

Implantes para cirurgia - Próteses parcial e total de articulação de quadril - Parte 3: Determinação de resistência à carga estática da
cabeça e pescoço de componentes de hastes femorais

NBR ISO 21535:2005

Implantes cirúrgicos não ativos - Implantes para substituição de articulação - Requisitos específicos para implantes de substituição da
articulação do quadril

NORMAS ESPECÍFICAS SOBRE "HIDROXIAPATITA"
ABNT

Não foram encontradas

ISO

ISO 13779-1:2000 Implants for surgery -- Hydroxyapatite -- Part 1: Ceramic hydroxyapatite
ISO 13779-2:2000 Implants for surgery -- Hydroxyapatite -- Part 2: Coatings of hydroxyapatite
ISO/CD 13779-3 Implants for surgery -- Hydroxyapatite -- Part 3: Chemical analysis and characterization of crystallinity and phase purity em desenvolvimento
ISO 13779-4:2002 Implants for surgery -- Hydroxyapatite -- Part 4: Determination of coating adhesion strength
ISO 14602:1998 Non-active surgical implants -- Implants for osteosynthesis -- Particular requirements

ASTM

F1185-03 Standard Specification for Composition of Hydroxylapatite for Surgical Implants
F1609-03 Standard Specification for Calcium Phosphate Coatings for Implantable Materials
F1926-99 Standard Test Method for Evaluation of the Environmental Stability of Calcium Phosphate Coatings
F2024-00 Standard Practice for X-ray Diffraction Determination of Phase Content of Plasma-Sprayed Hydroxyapatite Coatings

55

Biomateriais

TESTES BIOLÓGICOS
A norma "ISO 10993-1: General Principles"

apresenta os princípios fundamentais que governam a avaliação biológica de

biomateriais e dispositivos biomédicos. Os ensaios devem ser realizados no material em condições de uso e qualquer
modificação na matéria prima, processamento, esterilização ou indicação clínica vão exigir a reavaliação do biomaterial. Os
testes são categorizados em função da natureza do contato (não contato; contato de superfície como pele ou mucosa; contato
externo ­ circulação extra-corpórea, por exemplo; implantes) e da duração do contato (exposição limitada, prolongada ou
permanente). Dois ensaios são sempre indicados, independente do tipo de contato ou duração: citoxicidade e sensitização. Mais
seis testes são exigidos para implantes permanentes (ou seja, com duração superior a um mês) em contato com sangue.

56

Anexo 3: Indústrias que Atuam no Setor Ortopedia
LISTA DE FABRICANTES NACIONAIS103
Empresa

UF Cidade

Produtos*

BAUMER

SP Mogi Mirim

A

BIO ENGENHARIA

B C

O

RS São Leopoldo -

-

C

-

BIOMECÂNICA

SP Jaú

A

-

C

O

BIOTECHNOLOGY

SP Rio Claro

A

B C

O

4

ENGIMPLAN

SP Rio Claro

A

B C

O

4

EQUIMED

RS Porto Alegre

?

? C

?

GM REIS

SP Campinas

-

B C

O

HEXAGON

SP Campinas

-

-

O

IMPOL

SP Diadema

A

B C

O

INCOMEPE

SP Cotia

A

-

-

-

IOL IMPLANTES

SP S B Campo

A

-

-

O

MDT

SP Rio Claro

A

B C

O

METABIO

SP Rio Claro

A

C

O

NEUROMED

PR Curitiba

-

-

C

-

1

ONIX ORTHOPAEDIC

PE Itamaracá

?

? ?

O

1

ORTOBIO

PR Maringá

A

-

-

O

ORTOSÍNTESE

SP São Paulo

A

-

C

O

-

-

C

-

ÓSSEA TECHNOLOGY SP Valinhos

103

No linhas

-

4
1
3

1
3
1
4
1
2
4
3

2
3
1

Inclui as empresas informadas pela UINSP/ANVISA, em 13/06/05

57

Biomateriais

OSTEOMED

SP Rio Claro

A

B C

O

SPINE IMPLANTE

SP Rio Claro

-

-

-

SYNTHES

SP Rio Claro

TRAUMÉDICA

SP Campinas

22 EMPRESAS

-

C

B C

O

-

O

-

4
1
3
1

12 8 16 16 9 2 5 6

* - A ­ artroplastia / B ­ buco-maxilo / C ­ coluna / O ­ osteossíntese (traumatologia)

58

Anexo 4: P&D em Biomateriais no Setor Ortopedia
Como o número de pesquisadores e grupos é muito grande optou-se por subdividi-los em pesquisadores ligados a "materiais"
(departamentos/programas de engenharia, física ou química) e pesquisadores dos diversos departamentos das "áreas da
saúde" (biologia, histologia, hospitais, etc). Para a primeira tabela a organização é por instituição e tema, enquanto que para o
segundo grupo a ordenação foi feita pelo pesquisador líder.
Os critérios utilizados para inclusão de um dado grupo foram os seguintes104:


Universidades: pesquisadores bolsistas do CNPq105, com área de atuação em biomateriais, projetos e/ou patentes,
participação continuada em congressos da área.



Institutos de Pesquisa: critérios similares, sendo que não foi exigido, como critério de inclusão, a bolsa de produtividade de pesquisa.

PESQUISADORES LIGADOS À ÁREA DE MATERIAIS
INST.
Lider/pesquisadores
AMR/IAE/CTA
Carlos A.Cairo
Vinicius A.R. Henriques

TEMAS

PATENTE106

Produção de pós de Ti
Produção de novas ligas de Ti sem vanádio a
partir da metalurgia do pó para uso orto

Processo para a obtenção de peças de ligas de titânio com elevada
densificação a partir de mistura de pós elementares. 2004
Processo para a obtenção de ligas de titânio por metalurgia do pó. 2000

TRANSF.
TECNOLOGIA*
I

104

Fonte: currículo Lattes, grupos de pesquisa do CNPq, particpação no Congresso da SLABO (2004) e no SBPMat (2004 ou 2005).
Excepcionalmente um, ou outro, pesquisador-lider não-bolsista foi incluido, mas sua inclusão é sempre explicitada em nota de rodapé
106
Nem sempre o produto tecnológico/processo indicado pelo pesquisador em seu lattes é efetivamente uma patente concedida. Sempre que foi identificada a concessão, o número da patente
foi incluído após o título.
105

59

Biomateriais

CBPF
Alexandre M. Rossi
Marcelo H.P. Silva
Maria Helena R. Leão
INT
Marize Varella
CCTM/IPEN
José Carlos Bressiani
Ana Helena Bressiani
DEMA/UFSCar
108
Anselmo O. Boschi
Univ. São Francisco
Eliana C.S. Rigo
DEMAT/EE/UFRGS
Carlos Perez Bergmann
Luis Alberto dos Santos
DFTE/UFRN
Clodomiro Alves Jr.

107

Biocerâmicas
Hidroxiapatita
Compósitos HA-alginatos

Desenvolvimento de Biocerâmicas Nanoestruturadas, para Uso Clínico
107
como Material para Regeneração Óssea.
Processo de Produção de Novas Biocerâmicas à Base de Óxido de Nióbio e
Óxido de Tântalo (PI0103588-6). 2003

Em andamento

Cerâmicos à base de alumina e de zircônia para
encaixes acetabulares e cabeças de fêmur

I

Recobrimentos biomiméticos

Processo de Recobrimento Biomimético Utilizando Solução de Silicato de
Sódio como Agente Nucleante. 2003.

n.i.

Cimentos de fosfato de cálcio como substituto
ao PMMA

Cimentos de Fosfatos de Cálcio de Dupla Pega. 2000.
Cimentos de Fosfato de Cálcio Reforçados com Fibras. (PI9802097)1998

I

Nitretação de titânio a plasma

Fonte de tensao versatil para pesquisa em processo a plasma. 1995
Equipamento versátil para nitretação iônica. 1993

109

N

projeto financiado no Edital Chamada Pública MCT/FINEP - Ação Transversal - Nanotecnologia - 03/2005 e com participação da empresa Óssea Technology. Também participam deste
projeto pesquisadores do CCS/UFRJ (Radovan Borojevic e Marcos Farina) e do Instituto de Biologia da UFF (José Mauro Granjeiro)
108
O pesquisador não é bolsista do CNPq, mas dada a importância do DEMA da UFScar, o grupo foi incluído
109
O pesquisador também atua na área de implantes, onde tem uma patente em preparação e interesse de uma empresa.

60

/UFMG
Wander L. Vasconcelos
Marivalda Pereira
Rodrigo L. Oréfice
Herman S. Mansur

EE/UFMG
Marcos Pinotti Barbosa

Recobrimentos cerâmicos
Matrizes 3D porosas de vidros bioativos
reabsorvíveis e espumas híbridas vidro
bioativo/álcool polivinílico e vidro
bioativo/quitosana
Projeto e a construção de bioreatores para
cultivo tridimensional.
Compósitos de matriz polimérica
bioengenharia cardiovascular
engenharia de reabilitação

EE/UFRGS
Lirio Schaeffer
Telmo Strohaecker
Alexandre S. Rocha

Conformação mecânica de pós de Ti
nitretação a plasma

EESC/USP
Benedito M. Purquerio
Carlos Alberto Fortulan

Processos de conformação de arcabouços
porosos CT-Saúde/MCT /MS
Desenvolvimento de próteses e implantes para
cranioplastia de bucomaxila utilizando materiais
biocompatíveis e biodegradáveis.

EESC/USP
João Manuel D.A. Rollo

Ligas metálicas para aplicações biomédicas
Materiais para implantes ortopédicos
Caracterização do material e do produto

Recobrimentos cerâmicos. 2003
Processo para fabricação de compósito metal/recobrimento preparado via
sol-gel e compósito metal/recobrimento. 2002.
Bioactive composites comprising silane functionalized polyaryl polymers.
2002
Processo de fabricação de vidros porosos. 2000

n.i.

Estrutura treliçada para cadeira de rodas. 2004
Andador dobrável com assento basculante e suporte para as mãos. 2004
Caminho Acessivel: Padrao de Textura e Geometria de Faixas Pintadas
no Piso ou Pavimento para Auxiliar a Orientacao de Portadores de
Necessidades Especiais. 2003
Padrao Reflexivo de Visualizacao para Uso em Dispositivos e/ou
Equipamentos com Rodas. 2003
Telefone publico com regulagem de altura. 2003
Dispositivo Optico para biomodulação de tecido epitelial, osseo e
muscular por meio de diodos emissores. 2003
Composição Protetora da Pele em Tratamentos com Crioterapia ou
Criocirurgia (PI9104489) 1991

n.i.

Em andamento

Prensa de elementos de moagem cerâmicos. 2005
Corpos Porosos Estruturais (Escafoldes) Cerâmicos e Poliméricos para
Engenharia de Tecidos. 2004.
Próteses para Cranioplastia e Buco - Maxila. 2003.
Dispositivo para ensaios de juntas de quadril. 1999
Prensa Isostática tipo 'Wet-Bag'. 1997
Aço inoxidável supermartensítico para ferramental cirúrgico. 2005
Processo de tratamento de osteoporose não invasivo e sem regime
medicamentoso. 2004

N

Em andamento

110

110

O pesquisador relata sucesso na transferência de tecnologia, especialmente na área de materiais dentários (fios ortodônticos de aços inox duplex e ligas para restauração metalocerâmica),
graças ao apoio PIPE/FAPESP.

61

Biomateriais

EPUSP
André P. Tschiptschin
FEM/UNICAMP
Cecília Zavaglia
Vanessa P. Bavaresco
UNIMEP
Sonia M. Malmonge
FEM/UNICAMP
Cecília Zavaglia
FEM/UNICAMP
Cecilia Zavaglia
DCF/PUC/SP
Eliana A. R. Duek
FEQ/UNICAMP
César Costapinto
Santana
Marisa Beppu
IQ/USP/São Carlos113
Ana Maria G. Plepis
Sérgio Akinobu
Yoshioka
Virginia C. A. Martins
IME
Carlos Nelson Elias

111

Revestimentos com hidroxiapatita por
aspersão a plasma
Recobrimentos DLC
Cartilagem artificial







Revestimentos Biomiméticos
Recobrimentos DLC
Ligas de Ti
Estruturas tridimensionais de PLGA e PCL
Polímeros bioreabsorvíveis para recuperação
óssea. CT-Saude 024/2004

n.i.
Hidrogel Polimérico para Emprego na Reparação de Defeitos
Osteocondrais (PI9805634). 2000.

62

111

I
Sintese de polímeros bioreabsorvíveis. 2005

polímeros naturais (quitosana , colágeno) para
reparo tecidual

Processo de obtenção de membranas de quitosana com tamanho de
poros controlados. 2002.

Colágeno aniônico
Membranas
Biocerâmicas

Biocerâmicas com ou sem antibióticos para reconstrução e tratamento de
processos infecciosos do tecido ósseo. 1997.
Processo de extracao de colageno de tecidos animais com auxilio de
solvente organico em meio alcalino (PI9405043). 1996
Processo para preparação de colágeno com auxilio de solvente orgânico
em meio acido (PI940595). 1994.

implantes, materiais para ortodontia e
endodontia

Houve interesse de pequenas empresas, mas a interação foi interrompida
Com financiamento PIPE/FAPESP de apoio à inovação tecnológica em pequenas empresas
113
Esse grupo foi liderado pelo prof. Gilberto Goissis até a sua aposentadoria em 2005. Os membros desse grupo não são bolsistas do CNPq..
112

I

Em andamento

n.i.

N

n.i.

112

PEMM/COPPE
Gloria de Almeida
Soares Sergio
Camargo Jr.
CBPF
Alexandre Rossi
PEMM/COPPE/UFRJ
Luiz Carlos Pereira
INT
Marize V. de Oliveira
CTA
Carlos A. Cairo
PMT/EPUSP
André P. Tschiptschin






Recobrimentos com hidroxiapatita
Recobrimentos DLC
enxertos e scafolds CaP
scafolds compósitos

N

Recobrimentos com titânio por metalurgia do pó

Processo para fabricação de produto composto de substrato e
revestimento para utilização em implantes cirúrgicos. 2005

Projeto PADCT Nitrox - Aços Inoxidáveis ao N2
- Metalurgia do Pó (1998-2004)

Em andamento

114

n.i.

* N ­ não houve contato com empresas;
I ­ incipiente Em andamento
T ­ transferência efetuada com sucesso
n.i. ­ não informado
PESQUISADORES COM FORMAÇÃO NA ÁREA BIO115
Pesquisadores em Biologia Celular e Engenharia de Tecidos
Nome

Instituição

Maior
formação

Área de atuação

Alfredo Miranda de Goes

Instituto de Ciências Biológicas - ICB/ UFMG

D.Sc.

Biologia celular, eng. de tecidos, inter. materialcélula

Fátima Theresinha Costa Rodrigues
Guma

Dep. de Bioquímica ­UFRGS

D.Sc.

Biologia celular, eng. de tecidos

Fernando Costa e Silva Filho

Instituto de Biofísica ­ IB/UFRJ

D.Sc.

Biologia celular

Fernando Oréfice

Fac. de Medicina ­ FM/UFMG

D.Sc.

Oftalmologia

114

Com financiamento CT-Saúde
Lista de pesquisadores participantes do projeto Insituto do Milênio "Biomateriais: Desenvolvimento de produtos, bio-integração e aplicações clínicas" submetido no edital Edital MCT/CNPq
01/2005 ­ Institutos do Milênio 2005 - 2008, mas não contemplado.
115

63

Biomateriais

Gildásio de Cerqueira Daltro

Fac. Odontologia - UFBA

D.Sc.

Biologia celular, eng. de tecidos

Hamilton da Silva Junior

Dep. de Histologia e Embriologia ­ HISTO/UFRJ

D.Sc.

Biologia celular, eng. de tecidos

Idemar Monteiro de Palma

Inst. Nacional de Tráumato-Ortopedia ­ INTO/MS

D.Sc.

Eng. de tecidos

José Adson Santos Rubem

Fac. Odontologia - UFBA

D.Sc.

Biologia celular, eng. de tecidos

Laís Turqueto Veiga

Inst. Nacional de Tráumato-Ortopedia ­ INTO/MS

D.Sc.

Eng. de tecidos

Leonardo Rodrigues de Andrade

Instituto de Microbiologia - UFRJ

D.Sc.

Biomineraliz, caract. estrutural, cartilagem,
polímeros

Lucas Machado

Faculdade de Medicina - UFMG

M.Sc.

Estudos pré-clinicos e clínicos, modelo biológico

Marco Bernardo Cury Fernandes

Inst. Nacional de Tráumato-Ortopedia ­ INTO/MS

Médico

Eng. de tecidos

Marcos Farina de Souza

Dep. de Histologia e Embriologia ­ HISTO/UFRJ

D.Sc.

Biomineraliz., caract. estrutural

Maria de Fátima Leite

Instituto de Ciências Biológicas - ICB/ UFMG

D.Sc.

Biologia celular, eng. de tecidos

Maria Eugênia Leite Duarte

Dep. de Histologia e Embriologia ­ HISTO/UFRJ

D.Sc

Biolog. celular, eng. tecidos

Mario Donato D´Ângelo

Inst. Nacional de Tráumato-Ortopedia ­ INTO/MS

D.Sc.

Eng. de tecidos

Radovan Borojevic

Dep. de Histologia e Embriologia ­ HISTO/UFRJ

D.Sc.

Biolog. celular, eng. tecidos

Sérgio Eduardo Vianna

Inst. Nacional de Tráumato-Ortopedia ­ INTO/MS

D.Sc.

Eng. de tecidos

Ulysses Garcia Casado Lins

Dep. de Microbiologia ­ Inst. de Microbiologia - UFRJ

D.Sc.

Caracterização de materiais, MEV, MET

Interação de Materiais com Células (in vitro)
Nome

Instituição

Maior
formação

Área de atuação

Andréa Cecília D. Rodas

Centro de Ciência e Tecnologia de Materiais ­
CCTM/IPEN/USP

D.Sc.

Testes in vitro

Anilton Cesar Vasconcelos

Instituto de Ciências Biológicas - ICB/ UFMG

D.Sc.

Testes in vitro e in vivo

Arnaldo Rodrigues dos Santos Jr.

Instituto de Biologia ­ IB/UNICAMP

D.Sc.

Testes in vitro, interação biomaterial-células

Eleny Balducci Roslindo

Fac. de Odontologia Araraquara ­ FOAR/UNESP

D.Sc.

Testes in vitro

José Mauro Granjeiro

Dep. de Biologia Celular ­ Inst. de Biologia- IB/UFF

D.Sc.

Culturas celulares

Miriam Teresa Paes Lopes

Instituto de Ciências Biológicas - ICB/ UFMG

D.Sc.

Testes in vitro

Olga Z. Higa

7CCTM/IPEN/USP

D.Sc.

Testes in vitro, avaliação de citotoxidade

Selma Candelária Genari

Instituto de Biologia ­ IB/UNICAMP

D.Sc.

Testes in vitro, interação biomaterial-células

64

Estudos Pré-clínicos
Nome

Instituição

Maior
formação

Área de atuação

Ana Maria Minarelli Gaspar

FOAR/UNESP

D.Sc.

Biocompatibilidade in vivo

Anilton Cesar Vasconcelos

Instituto de Ciências Biológicas - ICB/ UFMG

D.Sc.

Testes in vitro e in vivo

Aryon de Almeida Barbosa Júnior

Centro de Pesquisa Gonçalo Moniz - CPQgM Fiocruz BA D.Sc.

Bruno Konig Jr.

Dep. de Anatomia ICB/USP

D.Sc.

Osseointegração

Celso Eduardo Sakakura

Fac. de Odontologia de Araraquara ­ FOAR/UNESP

MSc.

Caracterização de doenças buco-faciais

Cleuza Maria de Faria Rezende

Escola de Veterinária - UFMG

D.Sc.

Testes in vivo, reg. óssea

Reg. Óssea, testes in vivo

Edel Figueiredo Barbosa.Stancioli

Instituto de Ciências Biológicas - ICB - UFMG

D.Sc.

Imunologia, microbiologia

Elcio Marcantonio Jr.

Fac. de Odont. Araraquara ­ FOAR/UNESP

D.Sc.

Reg. Óssea, Testes in vivo

Eliane Mansur

Hospital Felício Rocho

M.Sc.

Ensaios clínicos, cirurgia

Fabiana Paim

Inst. de Ciências da Saúde ­ ICS/UFBA

D.Sc.

Reg. Óssea, testes in vivo

Lucas Machado

Faculdade de Medicina - UFMG

M.Sc.

Estudos pré-clinicos e clínicos, mod. biológica

Luiz Guilherme Heneine

Lab. de Imunologia - Fundação Ezequiel Dias -FUNED

D.Sc.

Purif. de proteínas, imunodiagnóstico

Marcelo Yoshimoto

Dep. de Anatomia ICB/USP

D.Sc.

Osseointegração

Maria Aparecida P. Camillo

CCTM/IPEN/USP

D.Sc.

Testes in vivo, caracterização de proteínas

Nanci do Nascimento

CCTM/IPEN/USP

D.Sc.

Testes in vivo,

Olindo Assis Martins Filho

Centro de Pesquisas René Rachouz -FIOCRUZ

D.Sc.

Imunologia

Rosemary A. Chierici Marcantonio

Fac. de Odontologia de Araraquara ­ FOAR/UNESP

D.Sc.

Reg. Óssea, testes in vivo

Tarcísio Eloy P. de Barros Fo

IOT/HC/USP

D.Sc.

Biologia molecular in vivo

Willian Dias Belangero

LABIM/FCM/UNICAMP

D.Sc.

Ensaios biocompatibilidade in vivo

Yasmin Rodarte Carvalho

FOSJC/UNESP

D.Sc.

Testes in vivo

Zelia Inês P. Lobato

Escola de Veterinária ­ DMVP/EVUFMG

D.Sc.

Imunologia

65

Biomateriais

Anexo 5: Empresas Internacionais com Atuação em Biomateriais

su

rg

ery

di c
al
me

l
nta
de

he
a
int lthca
en
siv re /
ec
are
co
ns
ult
i ng

r
ula
va
sc
rdi
o
ca

PAÍS

ins
tru
m
se enta
ns
or/ l / tes
de
t
na
vic s /
no
es
the tech
rap . / c
e
y
/ T ll
co
.E.
ati
ng
mo s / s
dif urf
ica ace
po
tio
ly m
n
ers
/
e
nz
ug
de i m e
liv
ery s/dr
ce
ram
ics
/g
la s
s
me
tal
s/
all
oy
s
or
tho
pa
ed
ic

SETORES DE ATUAÇÃO

Asia
1

A. R. K. Habib International

2

Advanced Technology & Materials

Paquistão

x

x

China

3

Al Ghani Associates

Paquistão

4

EndoCor

Singapura

5

HUFA

Paquistão

6

Kyocera

7

Major Products pvt.

8

NT-MDT

9

x

x

x

x
x

Japão

x

x

x

x

x

x

x

x

x

Paquistão

x

Russia

x

NTZ Surgical Company

Paquistão

x

10 Olympus Biomaterial Corp.

Japão

x
x

11 P.H.Industries

Paquistão

x

12 Ping International

Paquistão

x

13 Sangam International

Paquistão

x

Alemanha

x

x
x

Europa

66

1

Admedes

2
3

Advanced Medical Solutions
Aesculap

4
5
6

Anatomical Surgical Products

7

Ars Arthro

x

Alemanha

x

Algeo's

Grã-Bretanha

x

Amalgomer Technologies

Grã-Bretanha

8

Artimplant

9

Atec Dental

x

Grã-Bretanha

Suécia

x

x

x

Alemanha

x

Suécia

x

x
x

Alemanha

10 Atlantech Medical Devices
11 Avniel & Sons Ltd.

Grã-Bretanha

12 B!PP Biopolymer Products
13 B. Braun

Holanda

x
x

Israel
Alemanha

x
x

x
x
x

14 Bachem
15 Bekaert VDS
16 Biocompatibles
17 Bionicsurfaces
18 Bioretec
19 Biotrin
20 BÖHLER Edelstahl
21 BoneSystem
22 BTG

x

Grã-Bretanha

x

x

Alemanha

x

Finlândia

x

x

Irlanda

x

Austria

x

Itália

x

x
x
x

x

x

x

x

Grã-Bretanha

x

Israel

x

x

x

x

Grã-Bretanha

x

x

27 CellTran
28 Centerpulse

Grã-Bretanha

x

29 Cera Dynamics
30 CeramTec Ag

Grã-Bretanha

x

x

x
x
x

Suiça

x

x

x

x

Alemanha

x

Bélgica

x

Grã-Bretanha

x

x
x

Grã-Bretanha

x

x

x

x

Grã-Bretanha

x

35 Danfoss Tantalum Technologies
36 Dartec Ltd.

Grã-Bretanha

x

37 Dedienne Sante
38 Detail Plastics

França

x

Grã-Bretanha

x

x

Itália

x

x

43 First Hand Design

he
a
int lthca
en
siv re /
ec
are
co
ns
ult
i ng

x

Holanda

41 Evolva Biotech
42 Fidia Group

x

x

25 CellCoTec
26 CellTran

39 Donawa
40 Espicom

ery

x

x

Holanda

33 Corin
34 Cryo Care

su
rg

x

Bélgica

23 CAM Implants
24 Cell Transplantation Innovations

31 Cordatec
32 Corifix

me
di c
al

tru
m
se enta
ns
or/ l / tes
t
de
na
vic s /
no
es
t
e
the ch
rap . / c
e
y
/ T ll
co
.E.
ati
ng
mo s / s
dif urf
ica ace
po
tio
lym
n
ers
ug /enz
de i m e
liv
s
ery /dr
ce
ram
ics
/g
las
s
me
tal
s/
a ll
oy
s
or
tho
pa
ed
ic
ca
rd
i ov
as
cu
lar
de
nta
l

ins

PAÍS
Suiça

Dinamarca

x

x
x
x

Grã-Bretanha

x

Suiça

x

Itália
Grã-Bretanha

x
x

x

x

x

67

44 FLUENT
45 Fresenius Medical Care
46 Geistlich
47 Geistlich Biomaterials
48 Hardiff
49 Hemoteq
50 ICI
51 Imedex Biomatériaux
52 Industrias Quírurgicas de Levante, S.L.
53 Innowep GmbH
54 Inspire Brand Medical Components
55 Interdigit
56 IsoTis
57 Karl Storz
58 KSV Instruments
59 Laboratory of the Government Chemist
60 Leica Microsystems
61 LPE Medical
62 Materials.co.uk
63 Mathys Medical
64 Matroc Bioceramics
65 Medical Engineering Technologies
66 Medicarb
67 Medicarb
68 MediTeam
69 Membrana
70 Mepax
71 Metoxit
72 MINVASYS
73 mnemoScience

68

x

Suiça

x
x

Alemanha

x
x

Grã-Bretanha

x
x
x

França

x
x

Espanha

x
x

x

x

Grã-Bretanha

x

x
x

x

x

x

x

x

Suiça

x

Holanda

x

Alemanha
Finlândia

x
x

Grã-Bretanha
Alemanha

x
x

Grã-Bretanha
Grã-Bretanha

x
x

x

Suiça

x

Grã-Bretanha
Grã-Bretanha
Suiça
Suécia

x

x

x

x

x
x

x
x

Suécia
Alemanha

x
x

França

x

Suiça

x

França
Alemanha

he
a
int lthca
en
siv re /
ec
are
co
ns
ult
i ng

ery

x

Suiça

Alemanha

su
rg

x

Alemanha

Holanda

me
di c
al

ins

PAÍS
Grã-Bretanha

tru
m
se enta
ns
or/ l / tes
t
de
na
vic s /
no
es
t
e
the ch
rap . / c
e
y
/ T ll
co
.E.
ati
ng
mo s / s
dif urf
ica ace
po
tio
lym
n
ers
ug /enz
de i m e
liv
s
ery /dr
ce
ram
ics
/g
las
s
me
tal
s/
a ll
oy
s
or
tho
pa
ed
ic
ca
rd
i ov
as
cu
lar
de
nta
l

Biomateriais

x
x

74 Munich Innovative Biomaterials, MIB
75 NanoSurfaces
76 Nisco Engineering
77 Nobel BioCare
78 Novozymes
79 Orthodynamic SA
80 Ortopro
81 Otto Bock HealthCare

Suiça

x
x

86 Polyganics
87 Polymer Systems Technology

Grã-Bretanha

x

Holanda

90 Q-Sense
91 Quadrant

Suécia

92 RegenTec
93 Remes

Grã-Bretanha

x
x

x
x
x
x

x
x

x

x

Holanda

x
x

Suiça

x
x

Grã-Bretanha

x

Grã-Bretanha

x

x

Holanda

x

Suécia
Suécia

x

Suiça

x

x

x

x
x

x

Alemanha
Grã-Bretanha

x
x

Noruega
França

he
a
int lthca
en
siv re /
ec
are
co
ns
ult
i ng

x

x

Holanda

88 Progentix
89 Purac

ery

x

Alemanha
Holanda

su
rg

me
di c
al

tru
m
se enta
ns
or/ l / tes
t
de
na
vic s /
no
es
t
e
the ch
rap . / c
e
y
/ T ll
co
.E.
ati
ng
mo s / s
dif urf
ica ace
po
tio
lym
n
ers
ug /enz
de i m e
liv
s
ery /dr
ce
ram
ics
/g
las
s
me
tal
s/
a ll
oy
s
or
tho
pa
ed
ic
ca
rd
i ov
as
cu
lar
de
nta
l

x
x

Grécia

Grã-Bretanha

102 SIMS - Smiths Industries Medical Systems

x

x

Turquia

Grã-Bretanha

100 Separex
101 SFM

x

x

Suécia

84 Phase 3 Plastics
85 Plasma Biotal

98 Saphirwerk Industrieprodukte AG (SWIP)
99 Scandinavian Costumized Prosthesis

x

Dinamarca

Grã-Bretanha

96 Sandvik Bioline
97 Sandvik Steels

x

Itália

82 Oxford Performance Materials, Inc.
83 PANalytical

94 SafePharm Laboratories
95 Sakura

ins

PAÍS
Alemanha

x
x

x

x

69

103 Smith & Nephew
104 St. Francis Medical Technologies

França

107 TiGenix
108 Vacminho-Coatings and Surface Eng

Portugal

111 Xeno Medical

Suiça

he
a
int lthca
en
siv re /
ec
are
co
ns
ult
i ng

ery

x
x

x

x

x

x
x

x

x

x

x

Finlândia
Grã-Bretanha

su
rg

x
x

Bélgica
Alemanha

me
di c
al

x

Holanda

105 Sulzer Medica
106 Teknimed

109 Vascular Biotech
110 Vivoxid

ins

PAÍS
Grã-Bretanha

tru
m
se enta
ns
or/ l / tes
t
de
na
vic s /
no
es
t
e
the ch
rap . / c
e
y
/ T ll
co
.E.
ati
ng
mo s / s
dif urf
ica ace
po
tio
lym
n
ers
ug /enz
de i m e
liv
s
ery /dr
ce
ram
ics
/g
las
s
me
tal
s/
a ll
oy
s
or
tho
pa
ed
ic
ca
rd
i ov
as
cu
lar
de
nta
l

Biomateriais

x
x

x

x

x

x

América do Norte
1

3DM

EUA

2

3i (Implant Innovations, Inc.)

EUA

3

3M ESPE

EUA

4

Aastrom

EUA

5

Aastrom Biosciences

6

ACE Surgical Supply Co.

EUA

7

Acell

EUA

x

8

Acorda

EUA

x

9

ACORN Cardiovascular

EUA

x
x
x
x
x

10 Acorn Cardiovascular
11 Actuality Systems

EUA

12 Advance Nanotech Inc.
13 Advanced Biomaterial Systems, Inc.

EUA

14 Advanced Biomechanics
15 Advanced Bionics Corporation

EUA

EUA

x
x

x
x
x
x

x

x

x
x

EUA

x

x
x

EUA

x
x

16 Advanced Cell Technology
17 Advanced Cell Technology

EUA

x

EUA

x

18 Advanced Tissue Sciences
19 Advanced Tissues Sciences

EUA

x

EUA

x

70

x

24 Agennix
25 Agentase, LLC
26 Allvac
27 Allvivo Vascular
28 Alsius
29 ALung Technologies

x

EUA

x

x

EUA

x

EUA

x

EUA

x

x

EUA

x

EUA
EUA

30 Alveolus
31 Amadent

EUA

32 Anika
33 Anika Therapeutics

EUA

x

x

x

x

EUA

he
a
int lthca
en
siv re /
ec
are
co
ns
ult
i ng

x

x

ery

me
di c
al

x

EUA

su
rg

tru
m
se enta
ns
or/ l / tes
t
de
na
vic s /
no
es
t
e
the ch
rap . / c
e
y
/ T ll
co
.E.
ati
ng
mo s / s
dif urf
ica ace
po
tio
lym
n
ers
ug /enz
de i m e
liv
s
ery /dr
ce
ram
ics
/g
las
s
me
tal
s/
a ll
oy
s
or
tho
pa
ed
ic
ca
rd
i ov
as
cu
lar
de
nta
l

22 Affinergy
23 AgaMatrix

PAÍS
EUA

ins

20 AeroMed, Inc.
21 Aesthetic Concerns Prosthetics

x
x

x
x

EUA

x
x

EUA

34 Apex Biotechnoloy Corp.
35 Applied Biosystems

EUA
EUA

x

x

36 Applied Biosystems
37 APS Materials, Inc.

EUA

x

x

x

EUA

x
x

x

38 Argonide Nanomaterials
39 Arrow International

EUA

40 Articular Engineering, LLC
41 Astro-Med, Inc.

EUA
EUA

x

x

42 ATEK Medical Manufacturing
43 Atomasoft

EUA

x

x

EUA

x
x

Canadá

44 Augustine Medical
45 Bacterin

EUA

46 Baxter Healthcare Corporation
47 BD

EUA

48 Becker Orthopedic Appliance Company
49 Berkeley Advanced Biomaterials

EUA

x
x

x

EUA
EUA
EUA

x

x

x

x
x

x
x
x

71

50 Bicon Dental Implants
51 Biocoat
52 Bioheart
53 Biomedical Design
54 Biomet
55 Biomimetic Products
56 Bionic Technologies, Inc.
57 Biophan

EUA

x

EUA

x

EUA

x

EUA
x

EUA

x
x

60 Bioptechs
61 Biorthex

EUA

x

x

x

x
x
x
x

x
x

EUA

x

Canadá

x

EUA

x

64 Biosyntech
65 Bonecraft

Canadá

x
x

EUA

x

66 Boston Scientific
67 Boyd Coatings Research Co., Inc.

EUA

x

EUA

x

68 C.R. Bard
69 Calcitek

EUA

x

x

x
x

x
x

x

x

x
x

EUA

x

EUA

x

x
x

x

EUA

x

EUA

x

78 Ceradyne
79 CFDRC

EUA

EUA
EUA

x
x

EUA
EUA

EUA

x

x

EUA

76 Carmeda AB
77 Cell Factor Technologies

he
a
int lthca
en
siv re /
ec
are
co
ns
ult
i ng

x
x

x

62 Biosensing
63 Biosensor Systems Design

72

x

x
x

EUA

EUA

74 CardioTech International Inc.
75 CardioVations

ery

x

EUA

72 CarboMer
73 CardioDynamics

su
rg

x

EUA

58 Bioplant HTR
59 BioPro

70 Cambridge Polymer Group
71 CarboMedics

me
di c
al

ins

PAÍS
EUA

tru
m
se enta
ns
or/ l / tes
t
de
na
vic s /
no
es
t
e
the ch
rap . / c
e
y
/ T ll
co
.E.
ati
ng
mo s / s
dif urf
ica ace
po
tio
lym
n
ers
ug /enz
de i m e
liv
s
ery /dr
ce
ram
ics
/g
las
s
me
tal
s/
a ll
oy
s
or
tho
pa
ed
ic
ca
rd
i ov
as
cu
lar
de
nta
l

Biomateriais

x
x
x

x
x

x

x
x
x
x

80 Clinical Device Group
81 Collagen Corp.
82 Contract Laboratory
83 Cook Biotech Incorporated

x

EUA

x

86 CryoLife
87 Cytograft Tissue Engineering

EUA

x

EUA

x

x

EUA

x

EUA

x

EUA

92 DuPont Microcircuit Materials
93 Dynamet

EUA

x

94 Dynatek Dalta
95 DynoMed.com

EUA

x
x

x

x

x

x

x

x

EUA

x

x

x

x

EUA

96 East Development Group, Inc.
97 Eastern Plastics, Inc.

EUA

98 EBI
99 EBI Medical Systems

EUA

x
x

x

EUA
EUA

he
a
int lthca
en
siv re /
ec
are
co
ns
ult
i ng

x

x
x

102 enduraTEC
103 EnduraTEC Systems Corporation

x
x

EUA

100 Edwards
101 Encore

ery

x
x

EUA

90 Diacrin
91 DNA Sciences

x

x

EUA

84 Cordis
85 Crosscart

88 Datascope
89 Depuy

su
rg

x

EUA
EUA

me
di c
al

tru
m
se enta
ns
or/ l / tes
t
de
na
vic s /
no
es
t
e
the ch
rap . / c
e
y
/ T ll
co
.E.
ati
ng
mo s / s
dif urf
ica ace
po
tio
lym
n
ers
ug /enz
de i m e
liv
s
ery /dr
ce
ram
ics
/g
las
s
me
tal
s/
a ll
oy
s
or
tho
pa
ed
ic
ca
rd
i ov
as
cu
lar
de
nta
l

ins

PAÍS
EUA

x
x

x

x

x

x

EUA

x

x

EUA
EUA

x

EUA

x

104 Environmental Robots Incorporated
105 Estech

EUA

x

106 ETEX Corporation
107 Expodent Inc.

EUA

108 Exten Industries, Inc.
109 FibroGen

EUA

x

EUA

x

x

x

x

x

x

EUA

x

EUA

x

x

x
x
x
x

x

73

112 FMC BioPolymer
113 Freundenberg-NOK
114 G-Biosystems
115 Genentech
116 Genzyme
117 Gore Medical
118 Guidant Corp.
119 Haemacure Corporation
120 Haemonetics
121 Harland Medical Systems

EUA

x

EUA

x
x

x

x
x

x

EUA
Canadá

x
x

x

x

x

x

EUA

x
x

EUA

x
x

124 Howmedica Osteonics
125 Hydromer

EUA

126 Immunicom
127 Implex

EUA

128 Industrial NanoTech
129 Inovise Medical, Inc.

EUA

130 Instron
131 Integrated Surgical Sciences

EUA

x

EUA

x

Canadá

x

x
x

x

EUA

x
x

EUA
EUA

x

x

x

x

x

x

x

x

x
x
x
x

EUA

x
x

x
x

EUA

134 IntraTherapeutics
135 Invibio

EUA

136 Invitrogen
137 Islet Sheet Medical

EUA

74

x

x

EUA

138 Johnson & Johnson
139 Jova Solutions

x

x

EUA
EUA

x
x

x

x
x

EUA

x
x

x

x

EUA

x

EUA

x

EUA

he
a
int lthca
en
siv re /
ec
are
co
ns
ult
i ng

x

EUA
EUA

x

x

122 HealthpointCapital
123 Hollister

132 International Newtech Development
133 Interpore Cross International

x

ery

x

EUA

su
rg

x

ins

PAÍS
EUA

me
di c
al

110 Finnieston Group
111 First Circle Medical

tru
m
se enta
ns
or/ l / tes
t
de
na
vic s /
no
es
t
e
the ch
rap . / c
e
y
/ T ll
co
.E.
ati
ng
mo s / s
dif urf
ica ace
po
tio
lym
n
ers
ug /enz
de i m e
liv
s
ery /dr
ce
ram
ics
/g
las
s
me
tal
s/
a ll
oy
s
or
tho
pa
ed
ic
ca
rd
i ov
as
cu
lar
de
nta
l

Biomateriais

x

x
x

142 Lifecell
143 LifeCell
144 MacroMed
145 Manan Medical Products
146 Matroc Bioceramics
147 MatTek Corporation

x
x

EUA

x

EUA
EUA

x

x
x

EUA

x

EUA

x

148 me-92operations.com
149 MedConnection LLC

EUA

x

x

150 Medical Devices, Inc.
151 Medical Metrx Solutions

EUA

x

x

EUA

x

152 Medispectra
153 Medtronic

EUA

x

EUA

x

x

x

154 Medtronic Vascular
155 MicroHeart

EUA

x

x

x

156 Micronics
157 Millennium Research Group

EUA

158 Miller Medical Specialiies
159 Mitek Products

EUA

x

EUA

x

160 Mitek Worldwide
161 MiTiHeart

EUA

x

EUA

x

162 Modo
163 MVS Solutions

EUA

x

x

x
x
x
x

x
x

x
x

x
x
x

x

EUA

x
x

Canadá

x

x

x

x

x

x

x

x

EUA
EUA

x

x

EUA

EUA

x

x

EUA

166 NeoGraft
167 Nexia Biotechnologies
168 NovaBone Products
169 Optobionics

x

EUA

EUA

ery

x

x
x

EUA

164 Nanotherapeutics
165 Natural Biopolymer

he
a
int lthca
en
siv re /
ec
are
co
ns
ult
i ng

x

EUA

su
rg

EUA

me
di c
al

tru
m
se enta
ns
or/ l / tes
t
de
na
vic s /
no
es
t
e
the ch
rap . / c
e
y
/ T ll
co
.E.
ati
ng
mo s / s
dif urf
ica ace
po
tio
lym
n
ers
ug /enz
de i m e
liv
s
ery /dr
ce
ram
ics
/g
las
s
me
tal
s/
a ll
oy
s
or
tho
pa
ed
ic
ca
rd
i ov
as
cu
lar
de
nta
l

PAÍS
EUA

ins

140 Kensey Nash
141 Kyphon

x

x

75

170 Organogenesis Inc.
171 ORSEM
172 Orthonics, Inc.
173 Paladin Medical
174 Paxmed
175 Pentron
176 Pentron
177 Percardia

x

EUA

x

x

he
a
int lthca
en
siv re /
ec
are
co
ns
ult
i ng

x

EUA

x

EUA

x

EUA

x

x
x
x

EUA

x
x

EUA

x

x
x

EUA
EUA

x

x

x

x

x

x

EUA

x

EUA

x

186 SaluMedica, LLC
187 Scapa Medical

EUA

x

EUA

x

188 SCHOTT Biologically Active Glasses
189 SCT Group Inc.

EUA

x

x
x
x

x

x

EUA

190 SMT Hydrasil Inc.
191 SpectRx

Canadá

192 Spire Corporation
193 Sterilex

EUA

194 Stryker Biotech
195 Stryker Corporation

EUA

76

ery

x

EUA

EUA

198 Surgimedics
199 SurModics

x
x

180 Polymerix
181 Protein Polymer Technologies

196 STS Biopolymers
197 Surgica Corporation

x

EUA

EUA

184 Raymedica
185 Regeneration Technologies

su
rg

x

EUA

178 Pharmacia
179 Polymer Technology Group

182 PT Strategies Corporation
183 Quantachrome Instruments

me
di c
al

ins

PAÍS
EUA

tru
m
se enta
ns
or/ l / tes
t
de
na
vic s /
no
es
t
e
the ch
rap . / c
e
y
/ T ll
co
.E.
ati
ng
mo s / s
dif urf
ica ace
po
tio
lym
n
ers
ug /enz
de i m e
liv
s
ery /dr
ce
ram
ics
/g
las
s
me
tal
s/
a ll
oy
s
or
tho
pa
ed
ic
ca
rd
i ov
as
cu
lar
de
nta
l

Biomateriais

EUA

x
x

x

x

x
x

EUA

x
x

EUA

x

EUA

x

EUA

x
x

x

x

x

x

x

EUA

x

EUA

x

x
x

x

x

x

202 Theken Disc
203 Therics

EUA

204 Thoratec Laboratories
205 Tissue Growth Technologies

EUA

x

EUA

x

206 Titanium Industries
207 Tri County Schools Insurance Company
208 Ultramet
209 US Biomaterials
210 Vascular BioSciences
211 Vascular Solutions

x

x

EUA

x

x

x
x

x
x

x

x

EUA

x

x

EUA

x

EUA

x

x

EUA

x

x
x

x

EUA

x

x

x

EUA

x

x

x

212 Veeco Instruments
213 VERTEBRON

EUA

x

EUA

x

214 WR Medical Electronics Co.
215 Wyeth

EUA

x

216 X-Spine Systems
217 Xtrak Medical

EUA

x

EUA

x

x
x

x

x

x
x

EUA

x

218 Zassi Medical Evolutions
219 Zimmer

EUA

x

EUA

x

220 Z-KAT
221 Zonare

EUA

x

EUA

x

EUA

x

EUA

x

x

x

x

222 Zylon
223 Zylon's BioPolymers

he
a
int lthca
en
siv re /
ec
are
co
ns
ult
i ng

me
di c
al

x

ery

tru
m
se enta
ns
or/ l / tes
t
de
na
vic s /
no
es
t
e
the ch
rap . / c
e
y
/ T ll
co
.E.
ati
ng
mo s / s
dif urf
ica ace
po
tio
lym
n
ers
/
ug enz
de i m e
liv
s
ery /dr
ce
ram
ics
/g
las
s
me
tal
s/
a ll
oy
s
or
tho
pa
ed
ic
ca
rd
i ov
as
cu
lar
de
nta
l

EUA

su
rg

PAÍS
EUA

ins

200 Techvest, LLC
201 TestResources

x
x
x

x

x
x
x
x

x
x

Oceania
1

AorTech Biomaterials

Austrália

2

Australian Surgical Design & Manuf.

Austrália

3

Biomaterials and Chemical Devices

Austrália

x

4

Devro Biomedical Collagen Australia

Austrália

x

x

x

x

77

5

Mercy Tissue Engineering

1

Baumer

Brasil

x

x

2

Biomat

Brasil

x

x

3

Consulmat

Brasil

4

Dérig

Brasil

5

Dolsch

Brasil

6

NEODENT

Brasil

7

Óssea Medical Technology

Brasil

x

x

8

Practice Bone

Argentina

x

x

9

SIN - Sistema de Implante Nacional

he
a
int lthca
en
siv re /
ec
are
co
ns
ult
i ng

ery
su
rg

me
di c
al

ins

PAÍS
Austrália

tru
m
se enta
ns
or/ l / tes
t
de
na
vic s /
no
es
t
e
the ch
rap . / c
e
y
/ T ll
co
.E.
ati
ng
mo s / s
dif urf
ica ace
po
tio
lym
n
ers
ug /enz
de i m e
liv
s
ery /dr
ce
ram
ics
/g
las
s
me
tal
s/
a ll
oy
s
or
tho
pa
ed
ic
ca
rd
i ov
as
cu
lar
de
nta
l

Fórum de Biotecnologia Biomateriais

x

South America

10 VK Driller

x
x

x

x
x

Brasil
Brasil

x
x

x
x
x

x

x

Fórum de Biotecnologia Biomateriais

FÓRUM DE BIOTECNOLOGIA
BIOMATERIAIS

Rio de Janeiro, 03 de janeiro de 2006.

Prof. Gloria de Almeida Soares
Coordenadora do Projeto e do
Programa de Engenharia Metalúrgica e de Materiais

Carlos David Nassi
Diretor Executivo da Fundação Coppetec