BOLETIM TÉCNICO

Ano 01- n.°003- Setembro 2006

USO DO VETIVER NA
ESTABILIZAÇÃO DE TALUDES
E ENCOSTAS

Barreiras Vivas de Vetiver em taludes

Proteção margem curso d'água

Sistema radicular do Vetiver

Grampeamento verde em aterros

Construção de barreiras Vivas

Bioengenharia

Bioengenharia

BOLETIM TÉCNICO:
Veículo de divulgação de material técnico da DEFLOR Bioengenharia.
O Boletim Técnico publica, trimestralmente, trabalhos originais de
contribuição técnica-científica no campo da engenharia ambiental e
áreas afins. Os trabalhos são submetidos à comissão editorial, para
avaliação, revisão e aprovação.

COMISSÃO EDITORIAL:
Aloísio Rodrigues Pereira - DEFLOR Bioengenharia.
Terezinha Cássia Brito Galvão - UFMG - Universidade Federal de Minas Gerais
Gustavo Ferreira Simões - UFMG - Universidade Federal de Minas Gerais
Luiz Augusto Barreto Lucena - DEFLOR Bioengenharia.
Diego Aniceto Oliveira - ENGETA Engenharia e Tecnologia Ambiental
Arnaldo Teixeira Coelho - Ingá Engenharia

REVISOR: Maria de Lourdes (Tucha)

CIRCULAÇÃO: Departamento de Comunicação da DEFLOR Bioengenharia

IMPRESSÃO: Editora FAPI Ltda.

ENDEREÇO PARA CORRESPONDÊNCIA:
Rua Major Lopes, 852 - São Pedro - CEP: 30330-050 - Belo Horizonte, MG
Tel.: 55(31)3284-5622
FAX: 55(31)3284-5688
E-MAIL: [email protected]

TIRAGEM: 5000 exemplares

DISTRIBUIÇÃO GRATUITA (Reprodução permitida desde que indicada a fonte)

USO DO VETIVER NA ESTABILIZAÇÃO DE
TALUDES E ENCOSTAS
Aloísio Rodrigues Pereira*

RESUMO
O capim vetiver é uma gramínea utilizada pelo Banco Mundial na década de 1980 para auxiliar
no controle de erosões, conservação de solos e água em áreas com poucos recursos, especialmente para os países em desenvolvimento.
Os resultados obtidos foram excelentes, e desde o início da década de 1990, essa planta se
tornou importante ferramenta na engenharia ambiental, na estabilização de taludes, na proteção de cursos d'água e de praias, difundindo seu uso para todos os continentes.
O vetiver não é uma planta invasora, pois só se reproduz por meio de mudas, não disseminando por sementes, rizomas ou estolões, facilitando, assim, sua recomendação para qualquer
sítio ecológico.
No Brasil, apesar de a produção de vetiver ainda ser pequena e haver pouco conhecimento
sobre a função da planta no controle da erosão, as perspectivas são animadoras nesse
sentido, por isso, certamente, será ampliado o uso dela.
Neste trabalho são apresentados os principais usos do capim vetiver, sua aplicação no Brasil
e em vários países do mundo e, ainda, as técnicas e metodologias usadas na estabilização de
taludes, controle de erosões e áreas degradadas.

1 ­ INTRODUÇÃO
O vetiver, uma gramínea de origem indiana, conhecido no mundo científico como Vetiveria
zizanioides, tem sido utilizado para diversas finalidades, como aromatizantes, perfumes finos,
planta medicinal e protetores do solo. Entretanto, o vetiver tem sido plantado, em sua
maioria, junto a banquetas de arroz, nas margens de rios e lagos, taludes de canais, para
estabilizar e evitar o carreamento de sedimentos para os cursos d'água.
Desde 1931 foi observado o desenvolvimento do vetiver em Kuala Lumpur, na Malásia, com o
objetivo de contenção de encostas e taludes íngremes. No Brasil, o uso do vetiver para controle
de erosão, estabilização de encostas e recuperação de áreas degradadas ainda é muito restrito,
em razão da deficiência de produção de mudas e do pouco conhecimento das técnicas.

*

Eng.° Ambiental; Eng.° Civil e Eng.° Florestal; Doutor em Solos e Diretor da DEFLOR Bioengenharia
Rua Major Lopes, 852 ­ São Pedro ­ CEP: 30.330.050 ­ Belo Horizonte, MG ­ Brasil ­ E-mail:
[email protected]

Boletim Técnico, Belo Horizonte ­ MG, Ano 01 ­ N.° 003 ­ Setembro 2006

BOLETIM TÉCNICO n 03.pmd

1

17/7/2008, 16:13

1

Uso do vetiver na
estabilidade de taludes e encostas

PEREIRA, A. R.

O vetiver tem múltiplas aplicações a favor do ambiente: ela controla a erosão, é um filtro
biológico, recarrega aqüíferos, permite recuperar zonas marginais ou degradadas, etc. Além
disso, tem um impacto social positivo, fornecendo matéria-prima para atividades como artesanato e também para a construção civil.
É utilizada há mais de 3 mil anos na Índia e em grande parte da Ásia como base para perfumes
e medicamentos, repelente de insetos, para possibilitar um ambiente natural e, também, para
o controle de erosão em solos cultivados.
Das raízes de vetiver são extraídas essências para a fabricação de perfumes masculinos em
reconhecidas marcas francesas, bem como de outros países.
Inicialmente, o uso do vetiver se deu para a confecção de diversos produtos artesanais e
também como forro para as casas. Não sabemos ao certo quando se começou a utilizar o
vetiver como barreiras vivas para o controle de erosão. Após o cultivo, o vetiver passou a ser
utilizado em obras civis como estradas e ferrovias, mas o maior avanço foi na década de
1970, que compreende a fase do desenvolvimento das teorias e práticas modernas para o
controle de erosão utilizando o sistema Vetiver. Os pioneiros que impulsionaram essa tecnologia
foram os pesquisadores John Greenfield da Nova Zelândia e o norte-americano Richard Grimshaw,
que receberam grande apoio do Banco Mundial. Posteriormente foram-se descobrindo diversas potencialidades do vetiver na biorremediação. Nesse aspecto, o australiano Paul Truong
trouxe muitas contribuições importantes, enfatizando as ótimas características dessa planta
na criação de barreiras vivas e outros usos na conservação dos solos.
De acordo com Greenfield (2002) em seu livro Vetiver: a barreira contra erosão, escrito
publicado pelo Banco Mundial em 1990, para que uma espécie tenha ótimas condições para
conservar a umidade dos solos deverá cumprir com uma série de medidas que resumimos em
seguida: não se propague por sementes nem crie corredores ou rizomas, de modo a não se
tornar uma planta invasora; que seja resistente ao fogo, ao pisoteio e pastejo; por outro
lado, deverá ser uma planta perene e permanente, formando perfilhos densos que permitam
minimizar o efeito erosivo das águas de enxurradas, e agir como um filtro, promovendo a
infiltração da água das chuvas; além disso, deverá ter características das plantas xeróficas e
hidróficas, que permitam sobreviver em condições ambientais extremas; a planta ideal deverá
ter um sistema radicular profundo ocupando o solo e o subsolo verticalmente e vegetar em
condições de solos não favoráveis; finalmente, que tenha ampla adaptação de pH, de salinidade
e presença de metais tóxicos.
Se possível uma planta ideal para a proteção ambiental deve ser tolerante a doenças e pouco
atacada por pragas, sobreviver em ampla faixa de variedade de climas, suportar a secas e
inundações sucessivas e, em relação à reprodução, deverá ser de fácil execução e de baixo
custo econômico.
Na Venezuela, pelo que se sabe, o vetiver foi introduzido, possivelmente, há mais de 100
anos, mas há 25 anos que se vem estudando sobre suas propriedades antierosivas. Esses
estudos iniciaram-se na Faculdade de Agronomia da Universidade Central da Venezuela, pelos
professores Napoléon Fernandez e Oscar Rodrigues, tendo sido introduzida anteriormente nos
campos de experimentação nessa faculdade pelo professor Jaime Henao Jaramillo. Contudo foi
graças ao apoio da Rede Mundial do vetiver, criada por iniciativa do Sr. R. G. Grimshaw, que se
desenvolveu desde 1996 um programa de divulgação na Venezuela. Posteriormente apoiou-se
a criação da Rede Latino-americana do Vetiver, estabelecida em Costa Rica, a cargo de James
Smyle e Joan Miller, atualmente fixada na Venezuela, com sede na Sociedad Conservacionista
Aragua, situada em Limón, Maracay.

2

BOLETIM TÉCNICO n 03.pmd

Boletim Técnico, Belo Horizonte ­ MG, Ano 01 ­ N.° 003 ­ Setembro 2006

2

17/7/2008, 16:13

Uso do vetiver na
estabilidade de taludes e encostas

PEREIRA, A. R.

2 ­ CARACTERÍSTICAS BOTÂNICAS
O vetiver é uma planta herbácea, ereta, pertencente ao grupo das gramíneas (Poaceae) do
tipo C4, portanto se desenvolve melhor em plena exposição solar, alcançando uma altura
que varia de 1,5 a 2 m, com folhas de 2 cm de largura na base, terminando em pontas
pontiagudas. Por meio de testes de DNA, tem-se comprovado que a maioria dos cultivos de
Vetiveria zizanioides, distribuídos entre mais de 120 países tropicais e subtropicais, são
estéreis, apesar de apresentarem uma inflorescência de coloração avermelhada bastante
atraente.
A esterilidade e a incapacidade de produzir rizomas e estolões são características que podem
parecer uma desvantagem, mas favorecem sua utilização como uma barreira viva não invasora que vai se formando por perfilhos que crescem paralelamente à planta mãe. Um grande
perfilho pode gerar 100 novas mudas partindo de apenas uma, dentro de um ano ou mais,
sendo necessário o arranquio desses novos perfilhos pela ação do homem, para que a planta
se perpetue em outras áreas.

3 ­ TAXONOMIA
Foi Linneo, em 1771, que classificou o vetiver como Phalaris zizanioides. É uma das dez
espécies de gramíneas do gênero vetiver encontradas por Nasa, e uma recente revisão feita
por Roberty a coloca no gênero Chrysopogon. Sem restrições, o autor, com grande autoridade
como Greenfield, utiliza a tradicional nomenclatura Vetiveria zizanioides. Sem desmerecer os
valores sobre a validez de Chrysopogon zizanioides, a literatura mundial, em sua maioria
segue os mesmos critérios utilizados por Greenfield sobre essa planta.

4 ­ CARACTERÍSTICAS ECOLÓGICAS DO VETIVER
Muitos estudos demonstram com bastante convicção que o vetiver é uma planta com
ampla faixa de adaptação às mais diversas condições ambientais. O certo é que pode
sobreviver em solos áridos ou com alta umidade. É considerada uma planta xerófica e
hidrófica, o que parece um parodoxo, mas é um fato amplamente demonstrado e comprovado. O vetiver pode vegetar em solos extremamente ácidos e básicos com pH que variam
de 3,5 até 9,6, e altos níveis de saturação de alumínio de até 68%, desde que preencham
os níveis adequados de nitrogênio e fósforo. Pode vegetar em solos leves, como os da
beira de rios, até os bastante argilosos, como os vertissolos que são freqüentes nas
savanas inundáveis.
O vetiver pode sobreviver em solos desde os moderadamente salinos até os muito salinos.
Também é muito tolerante a níveis altos de metais pesados, como cádmio, mercúrio, níquel,
cobre, zinco, arsênico, cromo e selênio.
As raízes do vetiver formam uma densa rede que, normalmente, alcançam 3 m de profundidade, e em alguns casos tem-se observado raízes de até 5 m de comprimento.

Boletim Técnico, Belo Horizonte ­ MG, Ano 01 ­ N.° 003 ­ Setembro 2006

BOLETIM TÉCNICO n 03.pmd

3

17/7/2008, 16:13

3

Uso do vetiver na
estabilidade de taludes e encostas

PEREIRA, A. R.

5 ­ O PROBLEMA DA EROSÃO
No mundo inteiro a perda de solos cultivados em decorrência do arraste de partículas por
águas provenientes de precipitações representa milhões de toneladas por ano. Isso provoca
o empobrecimento dos terrenos cultivados, tornando-os cada vez mais improdutivos, numa
época em que a população mundial aumenta significativamente, a demanda por alimentos,
conseqüentemente, também aumentando .
Civilizações inteiras desapareceram como as dos Maias por causa do empobrecimento das
terras cultivadas, como conseqüência da erosão. A África do Norte foi chamada de "O Grande
Império Romano" e hoje possui um grande deserto infértil. Em todo o mundo, muito solos
agrícolas estão em processo de degradação cada vez maior. Na América Latina, em particular
no Brasil, as perdas de solos agrícolas por causa da erosão hídrica são muito preocupantes.
A erosão hídrica tem causado diversos danos às terras cultivadas, assim como às estradas,
oleodutos e gasodutos, diversas infra-estruturas são danificadas pela erosão causada pela
enxurrada descontrolada.
O transporte de sedimentos para represas, lagos e rios reduz a capacidade de armazenamento
de água e, se os sedimentos forem originados de áreas de mineração, poderá ocorrer poluição
de córregos, rios e reservatórios.
Comprovou-se que os solos erodidos diminuem o volume de água subterrânea, acelerando a
escassez de água e até a seca de poços que são utilizados para o consumo humano, na
irrigação ou para uso industrial.
A falta de estabilização em áreas ao redor de estradas, taludes e lagoas podem contribuir
para falhas estruturais e perdas valiosas de infra-estrutura, incluindo residências familiares, e
em alguns casos ocorrendo também perdas de vidas humanas. No controle de todos esses
processos degradantes, tem-se comprovado a eficácia do vetiver como barreiras vivas. É
uma prática bem mais econômica quando comparada a diversas outras utilizadas pela engenharia na recuperação e conservação de solos e águas.

6 ­ USO DAS PLANTAS VIVAS DE VETIVER
Deve-se distinguir entre usos agrícolas e não agrícolas. O vetiver, tradicionalmente, é utilizado
na Índia e em outros países asiáticos na conservação dos solos e águas em zonas rurais.
A função primordial dessa planta na agricultura é conservar os solos e águas, formando linhas
localizadas que são barreiras vivas permeáveis controlando o efeito da erosão promovido pela
ação das águas. Perpendiculares à direção dos ventos, controlam a erosão eólica, desde que
devidamente espaçadas. Dependendo do grau de proteção às culturas, protege contra os
processos erosivos, ajudando a reter mais a umidade no solo, promovendo a infiltração da água
e reduzindo a evaporação promovida pelos ventos. Ensaios realizados na Estación Experimental
Bajo Seco da Universidad Central de Venezuela durante as décadas de 1980 e 1990 confirmaram a utilização do vetiver como planta conservacionista em solos de encostas, possibilitando
volumosa informação sobre essa planta, encontradas na literatura mundial.
O plantio de barreiras de vetiver, ao longo do tempo, irá formar um terraço natural, promovendo a acumulação de sedimentos a montante das barreiras, bem como a infiltração das águas,

4

BOLETIM TÉCNICO n 03.pmd

Boletim Técnico, Belo Horizonte ­ MG, Ano 01 ­ N.° 003 ­ Setembro 2006

4

17/7/2008, 16:13

Uso do vetiver na
estabilidade de taludes e encostas

PEREIRA, A. R.

diminuindo a velocidade de escoamento. Ao mesmo tempo, os contaminantes produzidos pelas
atividades agrícolas, como os agroquímicos e excessos de cargas orgânicas são também
retidos em diversas proporções em terraços e barreiras associadas.
Além do papel conservacionista, existem outros usos em terras cultivadas. Por ser uma planta
não invasora e de larga permanência (dezenas de anos), as linhas formadas pelo crescimento
do vetiver podem ser usadas para demarcar fronteiras e as áreas de cultivo. Atuam como uma
cortina contra os ventos, que trazem poeiras, combatendo plantas daninhas e algumas pragas que comprometem o cultivo de diversas culturas.

7 ­ O VETIVER NA BIOENGENHARIA
Na bioengenharia, o vetiver tem apresentado bons resultados em obras civis, para a proteção
de taludes em beiras de estradas, proteção de lagos, em terraços e canais, tanto pela sua
eficiência quanto pelo seu baixo custo quando comparado com outras práticas utilizadas em
engenharia. Em muitos casos se utiliza essa técnica de forma complementar a outras tecnologias
para proteger diversas obras, diminuindo custos com manutenção e aumentando a vida útil de
muitas estruturas. De acordo com Hengchaovanich (1998), as raízes do vetiver apresentam
resistência à tração de 75 MPa e oferecem grande aumento na resistência ao cizalhamento,
que esta entre 6 a 10 KPa por quilo de raiz por m³ de solo, em comparação com valores entre
3,2 a 3,7 KPa por m³ de solo de raízes de árvores.
É importante que essas aplicações sejam realizadas por especialistas e técnicos que conheçam os requisitos de proteção segundo as características estabelecidas e apliquem essa
tecnologia do sistema vetiver associada a outras tecnologias que asseguram a efetividade da
execução dos projetos de estabilização das áreas. As folhas de vetiver podem ser colhidas e
preparadas adequadamente, podendo ser usadas como barreiras mortas, intercaladas a barreiras vivas de vetiver ou até mesmo com outras espécies de ação antierosiva.

8 ­ PROTEÇÃO E REABILITAÇÃO AMBIENTAL
Nesse aspecto têm-se realizado diversos estudos, especialmente por Truong e Baker (1998),
que tem revolucionado e ampliando os usos do vetiver para o controle e a mitigação de
problemas de contaminação de solos e águas. Dada a capacidade extraordinária de adaptação do vetiver às diversas situações como: tolerância a solos ácidos e alcalinos; tolera a
presença de sais nos solos e altas concentrações de sódio e alumínio, e até mesmo de metais
pesados; pode ser utilizado em áreas de mineração, onde há perigo de contaminação dos
corpos hídricos; pode ser utilizado no tratamento de efluentes industriais e domésticos; no
controle de lixiviação em aterros sanitários; na remoção de nutrientes em corpos hídricos
eutrofizados; etc, o plantio de vetiver é considerado uma técnica aplicável à diversas áreas
para a recuperação e conservação do meio ambiente.
Existem outras aplicações do vetiver em áreas de gestão de bacias hidrográficas, na mitigação
de desastres associados a áreas instáveis, em áreas alagadas e/ou contaminadas que devem
ser exploradas e valorizadas juntamente com outras estratégias que garantam o melhor uso de
ocupação do solo e dos demais recursos naturais, promovendo o desenvolvimento sustentável.

Boletim Técnico, Belo Horizonte ­ MG, Ano 01 ­ N.° 003 ­ Setembro 2006

BOLETIM TÉCNICO n 03.pmd

5

17/7/2008, 16:13

5

Uso do vetiver na
estabilidade de taludes e encostas

PEREIRA, A. R.

9 ­ USO DAS PARTES COLHIDAS DO VETIVER
9.1 ­ Atividades relacionadas à agricultura
As folhas do vetiver podem ser utilizadas como cobertura morta para minimizar o efeito
erosivo provocado pelas águas da chuva, pois diminuem as variações de temperatura no
solo, conservam a umidade e controlam plantas indesejáveis. As folhas e as raízes do
vetiver misturadas agem no solo como repelente a diversas pragas. Esse material tem longa
duração podendo ser aplicado em diversas atividades no cultivo de culturas perenes e de
horticulturas. Diversos experimentos demonstram que o vetiver possui substâncias que
agem contra diversas pragas, sendo, por isso, considerado um herbicida natural.

9.2 ­ Materiais de construção
As folhagens de vetiver são utilizadas como forros em construções rurais. Em alguns casos,
pequenas cabanas são totalmente cobertas por folhas vetiver. Fibras de vetiver são utilizadas na fabricação de blocos de argila e cimentos, uma vez que diminuem as rachaduras e a
condutividade térmica, promovendo melhor conforto em casas construídas com esses blocos.
As fibras têm sido utilizadas na fabricação de painéis e chapas substituindo aquelas feitas de
madeiras. Nimityongskul et al. (2003) realizaram diversos estudos que relatam que as cinzas
do vetiver podem ser utilizadas como argamassa em construções, substituindo o cimento.

9.3 ­ Fonte de energia
Os resíduos de vetiver podem ser processados para a produção de álcool combustível. Dada
sua grande produtividade por área, em situações ideais de cultivo, o vetiver representa um
forte potencial de fonte de energia.

9.4 ­ Produtos industriais
A adição de 30% a 40% de fibras de vetiver na fabricação de papel contribui para diminuir a
quantidade de árvores cortadas.

9.5 ­ Diversos usos
O vetiver pode ser utilizado na confecção de arranjos florais. Na Etiópia, as fibras de vetiver
são utilizadas na fabricação de colchões. No Brasil é utilizado como componente na fabricação de pastilhas de freios (PARISCA; TAMAYO, 2006), em artesanatos, na produção de
tapetes, cestas, persianas. Suas raízes possuem aromas por isso são utilizadas para odorizar
guarda-roupas, armários, etc. Em aplicações medicinais, seu óleo e suas raízes são utilizados em tratamentos terapêuticos e estéticos, bem como na fabricação de perfumes.

6

BOLETIM TÉCNICO n 03.pmd

Boletim Técnico, Belo Horizonte ­ MG, Ano 01 ­ N.° 003 ­ Setembro 2006

6

17/7/2008, 16:13

Uso do vetiver na
estabilidade de taludes e encostas

PEREIRA, A. R.

10 ­ CONDIÇÕES PARA SE OBTER ÊXITO COM A APLICAÇÃO DO
SISTEMA VETIVER
Embora a aplicação do Sistema Vetiver seja de fácil execução, infelizmente têm-se observado
resultados negativos na sua utilização. É necessário, por isso, aplicar medidas tecnológicas com
base ética para que o emprego dessa técnica apresente bons resultados. Em um anexo da
publicação "Taller de Bioiengenería para Reconstrucción del (huracán) post Mitch", cita um
projeto elaborado pela empresa CAP Madagascar, que obteve êxito na recuperação da malha
ferroviária comprometida por dois furacões. Com base nesse trabalho, a empresa propõe oito
passos necessários para a aplicação do Sistema Vetiver: 1. planejamento; 2. produção de material para o cultivo; 3. embalagens, preparação e transporte; 4. preparação da área a ser plantada; 5. plantio; 6. preparação e capacitação das pessoas envolvidas na atividade; 7. acompanhamento e manutenção; 8) relato e documentação das atividades e resultados obtidos.
Recomenda-se cumprir essas recomendações e, se possível, utilizar plantas de vetiver
enraizadas em saquinhos produzidas em viveiros quando se tratar de grandes obras que
requerem grande quantidade de mudas e também de mão-de-obra. Apesar do aumento do
custo quando se realiza a produção de mudas em saquinhos em viveiros, não convém comprometer a eficiência dessa tecnologia por uma economia inicial, pois isso poderá levar a um
fracasso nos resultados obtidos na fase final de conclusão da obra.

11 ­ SISTEMA VETIVER
O Sistema vetiver (SV), o qual é baseado nas aplicações da planta vetiver (Vetiveria
zizanioides L.), recentemente classificado como Chrysopogon zizanioides, foi desenvolvido
inicialmente pelo Banco Mundial, com o objetivo de ser utilizado para a conservação dos solos
e águas na Índia, durante a década de 1980. Além da grande importância de aplicação do
sistema em terrenos cultivados, os experimentos científicos conduzidos ao longo desses anos
demonstram claramente que o Sistema Vetiver é um método natural muito eficaz e de baixo
custo. Como resultado, observa-se a utilização desse sistema em diversas partes do mundo.
Por essa razão o vetiver é conhecido mundialmente como a planta maravilhosa e milagrosa.

11.1 ­ Por que usar o capim vetiver
O vetiver possui as seguintes características que a tornam uma planta que pode ser usada
com segurança, eficiência, sem agredir o meio ambiente e ter utilidade para a sociedade, a
agricultura e a engenharia:
· Não é uma planta invasora, ou seja, as sementes são estéreis e não se propagam por
meio de rizomas ou estolões, portanto, não se autopropagando e não se tornando uma
erva-daninha.
· É resistente ao fogo, pois o vetiver tem sua coroa abaixo da superfície do solo, permanentemente se protegendo do fogo e pisoteio.
· Tem perenidade permanente, com grande capacidade de sobrevivência, como uma barreira
vegetal densa por longo período, desenvolvendo-se apenas no local onde foi plantado.

Boletim Técnico, Belo Horizonte ­ MG, Ano 01 ­ N.° 003 ­ Setembro 2006

BOLETIM TÉCNICO n 03.pmd

7

17/7/2008, 16:13

7

Uso do vetiver na
estabilidade de taludes e encostas

PEREIRA, A. R.

· Forma uma barreira vegetal viva e densa permanentemente, acima do nível do terreno,
que funciona como um filtro, retendo sedimentos e reduzindo a energia potencial do
escorrimento superficial (run off).
· Cresce e se desenvolve em diferentes tipos de solo, independentemente de pH, toxidez,
salinidade, resíduos industriais e rejeitos de mineração.
· Desenvolve novas raízes quando sua coroa ficar encoberta de sedimentos, cresce até
atinge o novo nível do terreno e continua a formação de terraços naturais.
· É facilmente eliminada ou removida quando não mais se deseja mantê-la na área, sem a
preocupação com a autopropagação ou o enraizamento.
· Tem baixo custo de implantação e manutenção, não necessitando de podas periódicas,
adubação ou irrigação, dada sua rusticidade e tolerância à seca, ao fogo, ao alagamento, etc.
· Não compete com espécies que estão protegendo, em razão, principalmente, da profundidade de seu sistema radicular, que apresenta grande geotropismo positivo.
· Não é hospedeira de insetos e fungos, apresentando-se livre de pragas e doenças.
· Tem o sistema radicular penetrante, capaz de suportar entubamentos (túneis) e rachaduras nas estruturas do solo. As raízes atingem pelo menos 3 m de profundidade.
· É planta xerófica e hidrófica e sobrevive em condições intempéricas, por isso o vetiver,
após seu estabelecimento, suporta condições extremas de seca e enchentes.
· Possui colmos eretos e resistentes, de maneira a conter o fluxo de água de pelo menos
1.500 litros/minuto e 30 cm de altura da lâmina d'água.
· Tem grande adaptabilidade a extremas condições edafoclimáticas, com precipitações de
300 mm a 6.000 mm, temperaturas de -9°C até 50°C, capaz de suportar grande período
de estiagem, superior a 6 meses.

11.2 ­ Barreiras vivas de capim vetiver
As barreiras para a retenção de sedimentos podem ser feitas de elementos inertes, de fibras
ou elementos vivos, como as plantas de vetiver. Essas barreiras são construídas em nível, no
sentido transversal à declividade dos taludes e encostas, com o objetivo de reter sedimentos
e reduzir a energia potencial da água pluvial.
As barreiras vivas de capim vetiver apresentam as seguintes vantagens:
· Sob o ponto de vista ecológico e ambiental, o vetiver é perfeito, pois não é uma planta
invasora, não se reproduz por sementes, estolões ou rizomas, mas somente por mudas. A
esterilidade das sementes, combinada com um sistema radicular não invasor, faz do
vetiver uma das plantas mais seguras do mundo, por ocasião de sua introdução em novos
habitats e condições de cultivo (MADRUGA; SALOMÃO, 2005).
· O vetiver apresenta uma característica fantástica para garantir o sucesso e a eficiência
da barreira viva, pois apresenta biotactismo positivo, ou seja, é uma planta cresce e se

8

BOLETIM TÉCNICO n 03.pmd

Boletim Técnico, Belo Horizonte ­ MG, Ano 01 ­ N.° 003 ­ Setembro 2006

8

17/7/2008, 16:13

Uso do vetiver na
estabilidade de taludes e encostas

PEREIRA, A. R.

desenvolve em direção a outra, acelerando a formação, o desenvolvimento e a densidade da barreira vegetal.
· A barreira viva de vetiver é de baixo custo, de rápida e fácil implementação, de baixa
manutenção e de grande eficiência. Além disso, o vetiver não é planta hospedeira de
pragas e doenças.
· A barreira viva de vetiver forma uma cerca viva muito densa e com grande capacidade de
retenção de até 80 cm de lamina d'água em suas hastes de até 2 m de altura.
· A barreira de vetiver emite grande volume de raízes quando sua base é recoberta por
sedimentos, portanto, quanto maior for a capa de sedimentos retidos, maior será a
densidade de raízes, tornando o sistema mais eficiente.
· As raízes da barreira de vetiver se adaptam a todos os tipos de terrenos, penetrando em
coberturas rochosas e apresentando grande resistência. Podem penetrar no solo com
grande profundidade, formando uma malha de solo estruturado natural com alta resistência (raízes com resistência à tração equivalente a 1/6 da resistência do aço doce).
· As barreiras de vetiver são permeáveis, o que reduz a velocidade do escoamento, filtra e
regula a passagem da água, evitando o carreamento de sedimentos.
· As barreiras de vetiver devem ser construídas em nível e transversalmente à declividade
de taludes e encostas. A distância entre as barreiras sucessivas de vetiver depende da
coesão do solo, da declividade e da segurança requerida.
Em geral, as barreiras de vetiver devem ser distanciadas de 1 m de desnível. Para obter o
estabelecimento imediato da barreira de vetiver, devem ser utilizados retentores de sedimentos à base de seis plantas/m linear e mudas já enraizadas em viveiros.

11.3 ­ Disposição e tratamento de esgotos
· Tem crescimento denso, formando uma barreira viva e permeável, que atua como um
filtro muito eficiente, retendo sedimentos grossos e finos.
· Apresenta sistema de raízes profundas, extensas e penetrantes, diminuindo e prevenindo
que esses resíduos penetrem no solo, o que poderia comprometer a contaminação do
lençol freático.
· Altamente resistente a enfermidades, pragas e fogo.
· Tolerante a uma grande variação de temperatura, desde de -9 até 50 oC.
· Tolerante a secas e inundações prolongadas.
· Alta tolerância a solos muito ácidos, básicos, salinos, sódicos e com altos níveis de
magnésio.
· Alta tolerância a elementos como Al,Mn,As, Cd, Ni, Pb, Hg, Se e Zn nos solos.
· Tolerante a herbicidas e praguicidas.
· Muito eficiente na absorção de N, P, Hg, Cd e Pb dissolvidos em corpos hídricos.

Boletim Técnico, Belo Horizonte ­ MG, Ano 01 ­ N.° 003 ­ Setembro 2006

BOLETIM TÉCNICO n 03.pmd

9

17/7/2008, 16:13

9

Uso do vetiver na
estabilidade de taludes e encostas

PEREIRA, A. R.

· Consome maior volume de água quando comparadas com plantas aquáticas como Typha
spp, Phragmites australis e Schoenoplectus validus.
· Possui habilidade de recuperação rápida após distúrbios ambientais.
· Não apresenta estolões subterrâneos e suas flores são estéreis, não representando risco
de se tornar uma planta invasora.

11.3.1 ­ Reduzindo o volume de águas contaminadas
Para a redução em larga escala de esgotos, os métodos vegetativos são os únicos viáveis e
práticos hoje em dia. Na Austrália, gramíneas e árvores têm sido muito utilizadas no passado
para a disposição de lixiviados, bem como de efluentes industriais e domésticos:
· Terras irrigadas ­ Em condições de casa de vegetação, houve o estabelecimento de
uma boa correlação entre o uso da água e a produção de biomassa. Dessa correlação
estimou-se que para cada 1 kg de biomassa de vetiver há consumo de 6,86 litros/dia de
água. Recentemente, em uma área de campo, observou-se que poderá chegar o consumo de 3,8 litros/m 2/dia.
· Bacias de sedimentação ­ Bacias de sedimentação e construções têm se mostrado
efetivos em reduzir a quantidade de contaminantes provenientes da agricultura e de
zonas industriais. O uso de bacias de sedimentação para a redução de contaminantes
envolve uma variedade de processos biológicos complexos, como as transformações
microbianas e processos fisicoquímicos ­ por exemplo, a absorção, a precipitação e a
sedimentação. Bacias de sedimentação com vetiver têm sido utilizadas com resultados
positivos na Austrália para a disposição de esgotos.

11.3.2 ­ Melhorando a qualidade de águas contaminadas
A contaminação de corpos hídricos é um dos maiores problemas mundiais, muito difundido nos
países industrializados, principalmente nos países em desenvolvimento que muitas vezes não
possuem recursos para combatê-la. Os métodos vegetativos geralmente são os mais comuns
e eficientes para melhorar a qualidade da água. Para que não haja restrições à sua utilização,
as plantas utilizadas devem ser:
· tolerantes a condições extremas de crescimento;
· tolerantes a altos níveis de agroquímicos, metais pesados, compostos orgânicos e
inorgânicos;
· tolerantes a elevados níveis de nutrientes;
· capazes de crescer rapidamente com uma boa produção de biomassa.
O vetiver é uma dentre as muito poucas plantas, senão a única, que atende a todos esses
requisitos.

10

BOLETIM TÉCNICO n 03.pmd

Boletim Técnico, Belo Horizonte ­ MG, Ano 01 ­ N.° 003 ­ Setembro 2006

10

17/7/2008, 16:13

Uso do vetiver na
estabilidade de taludes e encostas

PEREIRA, A. R.

Na Austrália estudos feitos em áreas de cultivo de cana-de-açúcar e algodão têm demonstrado
que as barreiras vivas de vetiver são altamente efetivas em absorver os nutrientes associados
às partículas do solo, como fósforo, cálcio; e os herbicidas, como diúron, trifluralin, prometryn e
fluometuron; além de diversos pesticidas. Esses nutrientes e agroquímicos podem ser retidos
pelas barreiras de vetiver estabelecidas perpendicularmente aos canais de drenagem.
Na Tailândia, um experimento conduzido pelo Centro de Estudos de Desenvolvimento Real Huai
Sai demonstrou que as barreiras de vetiver plantadas em terreno inclinado formam um dique
vivo, enquanto as raízes formam uma barreira abaixo da superfície, evitando que os praguicidas
e outras substâncias tóxicas atinjam o lençol freático. Os perfilhos formados na superfície
também impedem que as partículas de solos sejam transportadas para os cursos de água.

11.3.3 ­ Absorvendo e tolerando contaminantes e metais pesados
O ponto-chave do Sistema Vetiver está em tratar águas contaminadas e sua capacidade de
absorver nutrientes e metais pesados. Possui muita tolerância a níveis elevados de diversos
elementos. Apesar de as concentrações desses elementos não serem tão altas no vetiver
como nas plantas hiperacumuladoras, ele não possui restrições em relação à produção de
biomassa. O vetiver pode remover maior quantidade de nutrientes e de metais pesados
quando comparado à maioria das plantas hiperacumuladoras.
Na Austrália, um projeto para demonstrar os efeitos do Sistema Vetiver para reduzir o
volume e melhorar a qualidade dos efluentes demonstrou que, depois de cinco meses de
crescimento no plantio de duas barreiras de vetiver, houve redução de 83% e de 82% dos
níveis totais de N e P, respectivamente, e no plantio de cinco barreiras houve redução de
99% de N e de 85% de P.
Na China, os efluentes gerados pelas granjas de porcos representam uma fonte preocupante
na contaminação dos recursos hídricos. Os esgotos gerados por essa atividade possuem alta
concentração de N, P, Cu e Zn, sendo usados em rações para acelerar o crescimento dos
animais. Os resultados demonstraram que o vetiver possui grande capacidade de purificação
desses efluentes. As relações de assimilação e purificação dos elementos são apresentadas
no Quadro 1:

QUADRO 1

Elementos assimilados em efluentes gerados por granjas de suínos

ELEMENTOS

PORCENTAGEM

Cu e Zn

>90%

As e N

> 75%

Pb

30-71%

P

15-58%

Fonte: Elaborado pelos autores.

Boletim Técnico, Belo Horizonte ­ MG, Ano 01 ­ N.° 003 ­ Setembro 2006

BOLETIM TÉCNICO n 03.pmd

11

17/7/2008, 16:13

11

Uso do vetiver na
estabilidade de taludes e encostas

PEREIRA, A. R.

Dada a escassez de água em nível global, o tratamento de efluentes vem se tornando um
novo recurso, e não mais como um problema a ser resolvido. Em vez de lançar diretamente o
esgoto nos corpos hídricos, a tendência, hoje é de reciclar essas águas para serem reutilizadas
como uso doméstico e/ou industrial. Portanto, o Sistema Vetiver tem um potencial enorme,
uma vez que apresenta baixo ou médio custo, é higiênico e facilita o tratamento dos esgotos
gerados pelas atividades humanas.

11.4 ­ Fitorremediação e reabilitação de terras contaminadas
O vetiver é uma planta xerófica e hidrófica e uma vez estabelecida na área não é afetada por
secas e inundações.
As características do vetiver, que fazem dessa planta uma espécie fitorremediadora, promovendo a reabilitação de áreas contaminadas, podem ser assim resumidas:
· tolerância à acidez e a níveis altos de alumínio e magnésio. O crescimento e o desenvolvimento do vetiver não são comprometidos em condições extremas de acidez (com pH
até 3,0) e com alta porcentagem de saturação de alumínio de 68%. O vetiver pode
tolerar níveis altos de magnésio no solo acima de 578 mgkg-1, e na planta os níveis podem
chegar a valores de 890 mgKg-1;
· tolerância a altos níveis de salinidade;
· em solos sódicos, o vetiver cresce satisfatoriamente, desde que haja disponibilidade de
níveis adequados de N e P;
· tolerante a metais pesados como: As, Cd, Cr, Cu, Hg, Ni, Pb, Se e Zn.
Apenas 1% dos elementos Cd, Cr e Hg, e de 16% a 33% dos elementos Cu, Pb, Ni e Se são
translocados para a parte aérea. O elemento Zn possui boa distribuição ao longo da planta
(Quadro 2).
Com essas extraordinárias características, o vetiver tem sido muito utilizado na reabilitação
de áreas mineradas na Austrália, no Chile, na China, na África do Sul e na Venezuela.

12

BOLETIM TÉCNICO n 03.pmd

Boletim Técnico, Belo Horizonte ­ MG, Ano 01 ­ N.° 003 ­ Setembro 2006

12

17/7/2008, 16:13

Uso do vetiver na
estabilidade de taludes e encostas

PEREIRA, A. R.

QUADRO 2

Comparação do vetiver com as demais plantas para
níveis de tolerância de metais pesados
Metais
Pesados

Níveis para crescimento das plantas
em geral (mg/Kg)

Níveis para crescimento
do vetiver (mg/Kg)

Nivéis
hidropônicos

Níveis
no solo

Níveis
no solo

Níveis na parte
aérea da planta

Arsênio

0,02-7,5

2

100-250

21-72

Cádmio

0,2-9,0

1,5

20-60

45-48

Cobre

0,5-8,0

NA

50-100

13-15

Cromo

0,5-10,0

NA

200-600

5-18

Bromo

NA

NA

>1500

>78

NA

NA

>6

>0,12

Níquel

0,5-2,0

7-10

100

347

Selênio

NA

2-14

>74

>11

Zinco

NA

NA

>750

880

Mercúrio

Fonte: TRUONG, 2006.

11.4.1 ­ Minas de carvão
Na Austrália, havia uma área de material de rejeitos com teores de sódio bem elevados e
baixos teores de nitrogênio e fósforos. Esse substrato também apresentava altos níveis de
enxofre, cálcio e magnésio solúveis. Foram utilizadas cinco espécies tolerantes à salinidade
para recuperar as cavas, dentre elas Vetiveria zizanioides, Sporobulus virginicus, Phragmites
australis, Typha domingensis e Sarcocornia spp. Após 210 dias de plantio, observou-se a
mortalidade de grande parte das espécies, sendo que as espécies de V. zizanioides e de S.
virginicus permaneceram no local. Com a aplicação de mulch e de fertilizante na área, o
crescimento e o desenvolvimento do vetiver foram superiores à espécie S. virginicus. Assim, o
vetiver tem sido muito utilizado para recuperar cavas de minas a céu aberto de carvão na
Austrália.

11.4.2 ­ Minas de ouro
Na Austrália, o material de rejeitos é bastante alcalino com pH de 8 a 9, pobre em nutrientes
e rico em sulfatos livres (830 mg/kg), de sódio e enxofre total (1-4%). O vetiver cresceu
muito bem nesse material, principalmente após a aplicação de fosfato. Essa gramínea tem
sido muito utilizada para controlar a movimentação de partículas sólidas provenientes da ação
dos ventos. Essas partículas possuem altos teores de elementos sulfúricos, que são extremamente ácidos (pH 2,5-3,5). É necessário, portanto, impedir o contato desses elementos com
os corpos hídricos.

Boletim Técnico, Belo Horizonte ­ MG, Ano 01 ­ N.° 003 ­ Setembro 2006

BOLETIM TÉCNICO n 03.pmd

13

17/7/2008, 16:13

13

Uso do vetiver na
estabilidade de taludes e encostas

PEREIRA, A. R.

11.4.3 ­ Minas de Pb e Zn
Em minas de extração de Pb e Zn, o vetiver tem-se demonstrado tolerante quando é plantado
no material estéril gerado por essas minas. É muito utilizado no controle de erosão de minas
de bentonita na Austrália; de cobre, no Chile; de bauxita, na Venezuela e na Austrália; e em
minas de diamante, na África do Sul.

11.5 ­ Resistência à tração
Relatos na Tailândia demonstram que as forças de resistência a tensões das raízes de vetiver
são aumentadas dada a redução dos diâmetros delas, ou seja, as raízes finas possuem maior
resistência que as raízes mais grossas. As forças de tração das raízes de vetiver podem variar
de 40-120 Mpa, com o diâmetro variando de 0,2 a 2,2 mm. As raízes do vetiver apresentam
maior resistência à tração do que muitas espécies vegetais utilizadas para estabilizar áreas
(Quadro 3).

QUADRO 3

Resistência à tração de raízes de diferentes espécies vegetais

ESPÉCIES VEGETAIS

RESISTÊNCIA À TRAÇÃO (MPa)

Nome Científico

Nome Comum

Mínima

Média

Máxima

Vaccinum sp.

Uva dos Montes

10,00

16,00

22,00

Populus sp.

Álamo

5,00

22,00

38,00

Salix sp.

Salgueiro

9,00

23,00

26,00

Acer sacharunum

Carvalho Silvestre

15,00

23,00

30,00

Horderum vulgare

Cevada

15,00

23,00

31,00

Tsuga heterophylla

Zicuta

18,00

27,00

36,00

Alamus sp.

Aliso

4,00

39,00

74,00

Pseudotsuga sp.

Douglas fir

19,00

40,00

61,00

Vetiveria zizanioides

Capim Vetiver

40,00

80,00

120,00

Fonte: WU, 1995.

Na China, estudou-se a relação entre o diâmetro das raízes de várias espécies vegetais e a
resistência a tração. O Quadro 4 ,a seguir, mostra que o vetiver possui a segunda maior
quantidade de raízes finas e com valores de até três vezes superior de resistência à tração
entre o grupo de espécies estudadas.

14

BOLETIM TÉCNICO n 03.pmd

Boletim Técnico, Belo Horizonte ­ MG, Ano 01 ­ N.° 003 ­ Setembro 2006

14

17/7/2008, 16:13

Uso do vetiver na
estabilidade de taludes e encostas

PEREIRA, A. R.

QUADRO 4

Resistência à tração de raízes de plantas em função da
espécie e diâmetro das raízes
ESPÉCIE

DIÂMETRO DAS RAÍZES (mm)

RESISTÊNCIA À TRAÇÃO (MPa)

Grama Bermuda

0,99 + 0,17

13,45 + 2,18

Grama Pensacola

0,77 + 0,67

17,55 + 2,85

Grama Bahia

0,73 + 0,07

19,23 + 3,59

Grama Dallis

0,92 + 0,28

19,74 + 3,00

Late Juncellus

0,38 + 0,43

24,50 + 4,20

White Clover

0,91 + 0,11

24,64 + 3,36

Grama Batatais

0,66 + 0,05

27,30 + 1,74

Grama Vetiver

0,66 + 0,32

85,10 + 31,20

Fonte: HENGCHAOVAMICH, 1998.
Estudos tailandeses mostram que a presença de barreiras de vetiver com 2 anos de idade e
espaçadas por 15 cm aumentam a resistência de corte do solo. Isso se deve ao denso e forte
sistema de raízes formadas pelo vetiver. Essas raízes fortes permitem a penetração de solos
difíceis e a estabilização de solos com falhas geológicas. Aliado ao fato de o vetiver apresentar crescimento rápido, essa espécie apresenta bons resultados quando plantado em taludes
instáveis (Quadro 5).
QUADRO 5

Perda de solo e escorrimento superficial em vários tratamentos
com vegetação em taludes inclinados
VEGETAL

PERDA DE SOLO
(t/ha)

Escorrimento Superficial
(%)

Inclinação (15%)

Inclinação (30%)

Testemunha

16,81

35,52

88,00

Lírio

11,98

16,06

76,00

Zacate Limón

7,58

7,62

81,00

Helecho

4,22

5,55

76,00

vetiver

1,13

4,90

72,00

Fonte: HENGCHAOVAMICH, 1998.

Boletim Técnico, Belo Horizonte ­ MG, Ano 01 ­ N.° 003 ­ Setembro 2006

BOLETIM TÉCNICO n 03.pmd

15

17/7/2008, 16:13

15

Uso do vetiver na
estabilidade de taludes e encostas

PEREIRA, A. R.

A aplicabilidade do plantio do vetiver não é apenas para áreas inclinadas ou instáveis, sendo
recomendado, também, o plantio em diques. As extensas e fortes raízes do vetiver promovem
melhor proteção contra a erosão e, quando plantado em diques, aumenta a estabilidade dele.

11.6 ­ Estabilização de estradas e ferrovias
A erosão e a falha nas estruturas são as principais razões para a instabilidade dos taludes. A
erosão gera sulcos, falhas e até mesmo grande movimento de massa (deslizamentos), e
geralmente o emprego da cobertura vegetal poderá ser eficiente no controle da erosão. A
cobertura vegetal poderá basear-se no emprego de gramíneas, leguminosas e até mesmo de
árvores. Contudo, em áreas instáveis, a utilização de espécies arbóreas não será a melhor
opção. Em alguns casos, ela poderá até mesmo aumentar o processo erosivo. Recomenda-se
o plantio de espécies que sejam de rápido crescimento, com sistema radicular profundo e
denso, e que promovam melhor estabilidade às áreas instáveis. Assim, o vetiver é uma das
poucas espécies com essas características, promovendo a estabilidade estrutural em espaço
de tempo relativamente curto.

11.7 ­ Redução da incidência de deslizamentos
Deslizamentos de terras ocasionados por terremotos, por exemplo, ocorrem com freqüência
em regiões da América Central. O plantio de vetiver nessas áreas tem diminuído a incidência
desses deslizamentos, por causa do sistema de raízes fortes e profundos, que promovem
maior estabilidade dos solos, protegendo-os contra movimentos em massa.

11.8 ­ Desvios de enxurradas e retenção de sedimentos
O plantio de vetiver em fileiras forma uma barreira viva e densa com seus talos firmes que
resistem até 0,6 m, diminuindo a velocidade e dispersando a enxurrada. Com localização
adequada, as barreiras podem atuar como estruturas de desvio de águas, reduzindo o poder
erosivo das enxurradas. Portanto, o vetiver pode ser muito efetivo na estabilização de canais
e de outras estruturas de drenagem.

11.9 ­ Proteção de gabiões e estruturas de concreto
As raízes profundas das barreiras de vetiver protegem a superfície de terreno próximo a
estruturas de concreto, de gabiões ou de outras barreiras sólidas que possuem função de
diminuir a erosão promovida por correntes de águas de grande velocidade. Quando é feito o
plantio de vetiver em áreas acima dessas estruturas, o solo dessas áreas é protegido, diminuindo a quantidade de sedimentos carreados para essas estruturas.

11.10 ­ Conservação de solos e águas em terras agrícolas
Uma revisão realizada pelo Banco Mundial comparando a efetividade e a praticidade de diferentes sistemas de conservação dos solos demonstrou que as medidas de construções de
engenharia devem ser específicas para cada área, requerendo projetos precisos, detalhados

16

BOLETIM TÉCNICO n 03.pmd

Boletim Técnico, Belo Horizonte ­ MG, Ano 01 ­ N.° 003 ­ Setembro 2006

16

17/7/2008, 16:13

Uso do vetiver na
estabilidade de taludes e encostas

PEREIRA, A. R.

e de manutenção periódica. Essas medidas de construção reduzem as perdas de solos, mas
não reduzem significativamente a enxurrada e, em alguns casos, tem impacto negativo na
conservação da umidade no solo. Já o plantio vegetativo em curvas de nível forma uma
barreira protetora para áreas íngremes, diminuindo a enxurrada e fazendo com que os sedimentos se depositem (Quadro 6).

QUADRO 6

Distância entre as barreiras de vetiver em intervalo vertical
em função da inclinação do terreno
INCLINAÇÃO

DISTÂNCIA EM NÍVEL ENTRE BARREIRAS (m)

Graus

Porcentagem

2,00

3,50

28,70

5,00

8,80

11,50

10,00

17,60

5,80

15,00

27,00

4,00

25,00

46,60

2,40

30,00

57,70

2,00

Fonte: WORLD BANK, 1993.
Essas barreiras são permeáveis e promovem a infiltração da água no solo, interceptando e
diminuindo a velocidade da enxurrada. As espécies ideais para serem usadas como barreiras para o efetivo controle de erosão e de sedimentos devem apresentar as seguintes
características:
· formar uma barreira densa, uniforme, firme e ereta, de maneira que ofereça alta resistência ao fluxo de água superficial e que tenha um sistema de raízes extenso e profundo,
dando maior estabilidade aos solos e prevenindo a formação de sulcos erosivos;
· sobreviver às secas, ao baixo nível de nutrientes e ser capaz de recuperar o seu crescimento após as chuvas;
· ter a mínima perda de rendimento agrícola, o que implica que a barreira viva, não deve
proliferar como planta daninha, não competir por água e luz e não ser hospedeira de uma
série de pragas e doenças;
· ser de fácil plantio e de baixo custo econômico.

Boletim Técnico, Belo Horizonte ­ MG, Ano 01 ­ N.° 003 ­ Setembro 2006

BOLETIM TÉCNICO n 03.pmd

17

17/7/2008, 16:13

17

Uso do vetiver na
estabilidade de taludes e encostas

PEREIRA, A. R.

12 ­ VANTAGENS DA APLICAÇÃO DO SISTEMA VETIVER NO
TRATAMENTO DE ESGOTOS
· A aplicação do sistema vetiver é bastante simples, se comparado aos sistemas convencionais. Depois do projeto inicial, o solo requer a preparação convencional e o controle
de plantas daninhas na fase inicial de estabelecimento;
· A aplicação do sistema vetiver no tratamento de águas residuais possui custo bem
inferior quando comparado aos sistemas convencionais, tais como os mecânicos e os
químicos. A maior parte dos custos refere-se à aquisição de mudas e a pequenas quantidades de fertilizantes;
· Quando se estabelece o Sistema Vetiver, requer-se pouca manutenção do local. Essa
espécie exige a remoção da parte aérea para outros usos de duas a três vezes, o que
contrasta com outros métodos que necessitam de manutenção de custos muitas vezes
elevados e de mão-de-obra qualificada para operá-los eficientemente.

13 ­ USO DO SISTEMA VETIVER NO BRASIL
Vários trabalhos existem no Brasil com aplicação do sistema vetiver, especialmente na Região
Nordeste, em proteções de taludes em estradas e cultivo para produção de perfumaria. A
rede Brasil-Vetiver, tem sempre estimulado o desenvolvimento da planta em todo o País, e
cada região em que o vetiver é plantado o resultado é sempre promissor.
Na Região Sudeste vários trabalhos com uso do vetiver estão sendo conduzidos referentes
à estabilidade de taludes, barreiras vivas para retenção de sedimentos, filtros em áreas
contaminadas e atirantamento do solo. Mediante parceria entre a UFMG e a DEFLOR, os
trabalhos com o vetiver tem se apresentado promissores e inovadores, e as técnicas empregadas são eficientes e de baixo custo, quando comparadas às técnicas tradicionais de
engenharia.
Pereira (2007) conduziu vários trabalhos que relatam a importância do vetiver para aplicação
em estabilização de taludes, recuperação de áreas degradadas e proteção de margens de
cursos d'água. As mudas de vetiver podem ser produzidas pela separação de uma muda da
touceira de vetiver e colocada em sacolas plásticas, e após a pega e o enraizamento devem
ser plantadas, preferencialmente, em linhas em nível transversalmente à declividade da área,
à base de seis plantas/m.
Experimentos mostram a eficiência do Sistema Vetiver em várias situações como: controle de
erosão e sedimentos, proteção de margens de cursos d'água e atirantamento em taludes de
aterro.
Os trabalhos com vetiver apresentam baixo custo e eficiência. Por se tratar de uma espécie
não invasora, cujas características permitem a recomendação pelo Banco Mundial e pelos
órgãos ambientais em todo o mundo, deverá ter grande expansão no Brasil.

18

BOLETIM TÉCNICO n 03.pmd

Boletim Técnico, Belo Horizonte ­ MG, Ano 01 ­ N.° 003 ­ Setembro 2006

18

17/7/2008, 16:13

Uso do vetiver na
estabilidade de taludes e encostas

Foto 1 ­ Barreiras vivas de
vetiver, construídas em
nível e transversalmente
a declividade da área, a
cada 1 m de desnível
com 6 plantas/metro.

PEREIRA, A. R.

Foto 2 ­ Atiramento verde com
biomanta antierosiva e
vetiver de aterro sem
compactação e em apenas
30 dias, protegem o
talude, pois não houve
trincas, carreamento de
sedimentos e erosões.

Foto 3 ­ Proteção de margens
de curso d'água com
barreiras vivas de vetiver
em consorciação com
gramíneas e leguminosas
e biomanta antierosiva de
proteção definitiva.

14 ­ REFERÊNCIAS
CHENG, H. et al. A experimental study on mechanic perfomanceand mechanismof soilreinforcement by herb root system. Proceedings of the Third International Conference on
vetiver and Exhbition. Guaangzhou, China. 2003.
CHOWCHALOW, N. Veteveria 2:1. Bangkok: Pacific Rim Network, ORDPB,. 1997.
DALTON. P. Application of vetiver grass hedges to erosion control on the cropped flood plain
of the darling downs. Southern Queensland: Faculty of Engineering and Surveying, University
of Southern Queensland. 1997.
DUNG, L. V. et al. Vetiver system for wave and erosion control in the Mekong delta, Vietnam.
Proceedings of the third International Conference on Vetiver and Exhibition. Guangzhou,
China. 2003.
GREENFIELD, J. Vegetative vs. mechanical soil conservation systems they affect moisture
conservation and sustained production. Proceedings of the First International Conference on
Vetiver. Office of the Royal Development Projects Board, Bankok, 1996. p. 1-7.
GREENFIELD, J. Vetiver grass: the hedge against erosion. Haverford, U.SA. Infinity
Publishing.com. 2002.
GRIMSHAW, R. Vetiver grass: its use slope and structure stabilization under tropical and semitropical conditions. In: Vegetation and Slopes. Londres: Institutution of Civil Engineers, 1994.
p. 26-35.
GRIMSHAW, R. Vetiver grass: a world technology and its impact on water. Proceedings of the
Third International Conference on Vetiver and Exhibition. Guantgzhou, China. 2003.
HENGCHAOVANICH, D. 1998. Vetiver grass for slope stabilization and erosion control. Tech.
Bull., Pacific Rim Vetiver Network, Thailand, n. 2, 1998. 28 p.
HENGCHAOVANICH, D; FREUDENBERGER, K. Vetiver victorious: the systematic use of vetiver
to save Madagascar's FCE Railway. Tech. Bull, PRVN-ORDPB. Bangkok, Thailand, n. 2, 2003.

Boletim Técnico, Belo Horizonte ­ MG, Ano 01 ­ N.° 003 ­ Setembro 2006

BOLETIM TÉCNICO n 03.pmd

19

17/7/2008, 16:13

19

Uso do vetiver na
estabilidade de taludes e encostas

PEREIRA, A. R.

HUANG, B.; XIA, H.; DUAN, G. Study on Application of vetiver eco-engineering technique for
stabilization and revegetation of karst stoney slopes. Proceedings of the Third International
Conference on Vetiver and exhibition, Guangzhou, China. 2003.
ISLAM, M. Embankment erosion control: towards cheap and simple practical solutions for
Bangladesh. Proceedings of the Second International Conference on Vetiver. Office of the
Royal Development Projects Board. Bangkok, 2000. p. 307-321.
KE, C.; FENG, Z.; WU, X. et al. Desing principles and engineering samples of applying vetiver
eco-engineering technology for land landslide control and slope stabilization o riverbank.
Proceedings of the Third International Conference on Vetiver and Exhibition. Guangzhou,
China. 2003.
KE, C.; FENG. Z. Introducing key species of bio-green hedge for strengthening engineering ­
Vetiver. Pearl River,v. 2, p. 42-43, 49. 2000.
KON, K.; LIM, F. Vetiver research in Malaysia: some preliminary results on soli loss, runoff and
yield. Vetiver Newsletter, n. 5, p. 4-5, 1991.
KONG, X; LIN, W.; HAO, H. A preliminary experiment on slope rehabilitation with vetiver and
native plant technique. Proceedings of the Third International Conference on Vetiver and
Exhibition. Guangzhou, China. 2003.
METCALFE, O.; SMITH. R.; TRUONG, P. Hydraulic characteristics of vetiver hedges in deep
flows. Proceedings of the Third International Conference on Vetiver and Exhibition. Guangzhou,
China. 2003.
NANAKORN, M.; SURAEATTANANON, NAMWONGPORM, N., et al. In vitro selecton of NaCl
tolerance in vetiveria species. Paper presented at First int. Conference on Vetiver, Chiang
Rai, Thailand. 1996.
NATIONAL RESEARCH COUNCIL. Vetiver grass: a thin green line against erosion. Washington
DC, USA: National Academy Press. 1993.
PARISCA, O. R.; TAMAYO, G. Y.; Vetiver (Vetiver zizanioides): una extraordinaria planta para
la protección ambiental. Boletín Vetiver, Red Latinoamericana del Vetiver, Maracay ­ Venezuela,
p. 4-6, out. 2006.
SANGUANKAEO, S.; CHAISINTARAKUL, S.; VEERAPUNTH, E. The application of the vetiver
system in erosion control and stabilization for highways construction and maintenance in
Thailand. In: INTERNATIONAL CONFERENCE ON VETIVER AND EXHIBITION, 3, 2003, Guangzhou,
China. Anais... Guangzhou, 2003. p. 319-330. Disponível em: www.vetiver.com/TVN
greenEng.pdf. Acesso em: 29 abr. 2005.
SY, M. The vetiver: from nursery to the protection of infrastructures. Proceedings of the
Third International Conference on Vetiver and Exhibition. Guangzhou, China. 2003.
TRUONG, P. El Sistema vetiver: aplicaciones potenciales en Latinoamerica. Boletín Vetiver,
Red Latinoamericana del Vetiver, Maracay ­ Venezuela, p. 6-12, out. 2006.
WORLD BANK. Vetiver grass for soil and water conservation. Thechinical Paper, Washington
DC, Estados Unidos, R. G. Grimshaw (Ed.), n. 273, 1995.
WORLD BANK. Vetiver grass: the hedge against erosion. Washington, D.C., 1993. 43 p.
Disponível em: