Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
Diretoria de Avaliação

DOCUMENTO DE ÁREA 2013

Identificação
Área de Avaliação: ENGENHARIAS III
Coordenador de Área: Nei Yoshihiro Soma (ITA)
Coordenador-Adjunto de Área: Helcio Rangel Barreto Orlande (UFRJ)
Coordenador-Adjunto de Mestrado Profissional: Ana Paula Cabral Seixas Costa (UFPE)
I. Considerações gerais sobre o estágio atual da Área

As Engenharias III, no Sistema Nacional da Pós-Graduação da CAPES, têm programas de
Mestrado Acadêmico, Doutorado e Mestrado Profissional, nas áreas da Engenharia Mecânica;
Produção; Aeroespacial; Aeronáutica; Gestão; Petróleo; Oceânica; Naval; Energia e
Planejamento Energético; Pesquisa Operacional; Automotiva e Automobilística.
Esta grande área da Engenharia, durante o presente triênio de avaliação, contou com 119
Programas os quais perfizeram um total de 169 cursos de Pós-Graduação. Há programas que
foram desativados durante este triênio e outros que ainda não iniciaram suas atividades
acadêmicas. A distribuição do total de programas é apresentada a seguir, sendo que há um
programa que possui somente Doutorado Acadêmico que foi computado dentre os 44% da
Figura 1:

A atribuição de notas será feita aos programas e não aos cursos individuais. As informações
necessárias para que se pudesse ter a geração das figuras de 2 à 8 foram obtidas utilizando o
Sistema Unificado de Currículos e Programas: Identificação de Redes Acadêmicas que obteve

1

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
Diretoria de Avaliação

DOCUMENTO DE ÁREA 2013
auxílio da CAPES a partir de 2008, no programa Pró-Engenharias. Os dados foram obtidos
junto à CAPES e ao CNPq.
As Figuras 2 a 4 apresentam a localização geográfica dos programas. A partir da análise da
Figura 2, que apresenta a localização do total dos programas, é nítido que há diversos estados
da Federação que ainda não possuem curso de pós-graduação na área, e que a reversão deste
quadro deve ser objeto de atenção já em futuro próximo.

Fonte: CAPES, Google Maps e GPSVisualizer

Figura 2: Distribuição geográfica atual dos Programas de Pós-Graduação das
Engenharias III ­ 2013

2

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
Diretoria de Avaliação

DOCUMENTO DE ÁREA 2013

Fonte: CAPES, Google Maps e GPSVisualizer

Figura 3: Distribuição geográfica dos Programas de Mestrado Profissional das
Engenharias III

Fonte: CAPES, Google Maps e GPSVisualizer

Figura 4: Distribuição geográfica dos Programas de Mestrado e Doutorado Acadêmicos das
Engenharias III

3

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
Diretoria de Avaliação

DOCUMENTO DE ÁREA 2013
As Figuras de 5 a 8 mostram, respectivamente, a área básica de formação dos docentes, e dos
discentes titulados no Doutorado, Mestrado Acadêmico e Mestrado Profissional a partir de
2004, nas Engenharias III. O tamanho das palavras é proporcional à quantidade de vezes que
as mesmas são declaradas (tag cloud, ou word cloud). Observa-se que há correlação estrita
entre as áreas temáticas das Engenharias III e da atuação dos docentes e discentes titulados.
Observa-se que, embora haja predomínio da Engenharia Mecânica e da Engenharia de
Produção, tanto no Corpo Docente quanto no Corpo Discente, há quantidade significativa
também das demais Engenharias, e.g. Materiais e Metalúrgica, Elétrica, Aeroespacial e
Bioengenharia. Outrossim, as áreas de formação incluem Ciência da Computação,
Administração, Economia e Matemática. Ainda quanto ao corpo discente, suas áreas
declaradas no CVLattes também incluem Administração Hospitalar e Zootecnia.

Fonte: CAPES, CVLattes e WordleTM

Figura 5: Área Básica da Formação dos docentes informada no CVLattes.

Fonte: CAPES, CVLattes e WordleTM

Figura 6: Incidência da Área Básica de Formação discentes (titulados) de doutorado
informada no CVLattes.

4

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
Diretoria de Avaliação

DOCUMENTO DE ÁREA 2013

Fonte: CAPES, CVLattes e WordleTM

Figura 7: Incidência da Área Básica de Formação discentes (titulados) de Mestrado
Acadêmico informada no CVLattes.

Fonte: CAPES, CVLattes e WordleTM

Figura 8: Incidência da Área Básica de Formação discentes (titulados) de Mestrado
Profissional informada no CVLattes das Engenharias III a partir de 2004.

5

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
Diretoria de Avaliação

DOCUMENTO DE ÁREA 2013

Fonte: CAPES

Figura 9: Distribuição da titulação discente dos programas das Engenharias III por Região do
País a partir de 2004.
A Figura 9 apresenta a distribuição de titulação dos discentes de todos os programas de pósgraduação das Engenharias III, distribuídos por região do País. Observa-se que a titulação
discente por região é diretamente proporcional à densidade populacional. Os programas das
Engenharias III estão distribuídos em 15 estados do País, sendo que os quatro estados que
mais titularam foram, respectivamente, São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande
do Sul. Os programas do estado de São Paulo titularam mais que a soma dos outros três
estados que imediatamente o seguem.
Ao se examinar aquela parte dos egressos, que após titulação como mestre/doutor
continuaram no setor acadêmico, tomando as informações mais atualizadas que existem nos
CVLattes de cada um destes egressos, constata-se que estes aparecem em todos os estados do
Brasil. Os quatro estados que mais receberam egressos são, respectivamente, Bahia, Paraná,
Espírito Santo e Ceará. Por outro lado, os quatro estados com programas em que seus egressos
mais mudaram foram, respectivamente, São Paulo, Paraíba, Santa Catarina e Rio de Janeiro. É
importante ser observado que, ao se levar em conta não somente a quantidade, mas também a
relação quanto à formação, no estado da Paraíba mais de 50% dos egressos declararam que
atuam em outros estados atualmente.
A partir das informações públicas nos portais do CNPq e da CAPES, em particular na página
6

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
Diretoria de Avaliação

DOCUMENTO DE ÁREA 2013
da Diretoria de Avaliação (DAV), entende-se que é prioritário que a pós-graduação em
Engenharia nas áreas de atuação das Engenharias III cresça em direção ao interior do País.
Também é importante que, mesmo em áreas com grande adensamento de programas e cursos,
que a quantidade de titulados cresça, para conseguir fazer face aos permanentes desafios de
crescimento continuado do Brasil.

INTERDISCIPLINARIDADE
Entende-se por Multidisciplinar o estudo que agrega diferentes áreas do conhecimento em
torno de um ou mais temas, no qual cada área ainda preserva sua metodologia e
independência.
Neste contexto, cada um dos Programas da Área de Engenharias III tem características de
multidisciplinaridade, agregando áreas do conhecimento que incluem:
Fenômenos de Transporte, Ciências Térmicas, Mecânica dos Fluidos, Mecânica dos Sólidos,
Dinâmica, Projeto Mecânico, Processos de Fabricação, Biomecânica, Mecatrônica,
Metrologia, Materiais, Mecânica Computacional, Acústica, Energia, Petróleo, Meio
Ambiente, Engenharia Naval e Oceânica, Engenharia Aeroespacial, Engenharia Automotiva,
Micro e Nano Sistemas, Engenharia de Operações e Processos da Produção, Logística,
Pesquisa Operacional, Engenharia da Qualidade, Engenharia do Produto, Engenharia
Organizacional, Engenharia Econômica, Engenharia do Trabalho, Engenharia da
Sustentabilidade e Inovação Tecnológica.
A Interdisciplinaridade é entendida como a convergência de duas ou mais áreas de
conhecimento, não pertencentes à mesma classe, que contribua para o avanço da fronteira da
ciência e tecnologia, transfira métodos de uma área para outra, gerando novos conhecimentos
ou disciplinas e faça surgir um novo profissional com um perfil distinto dos existentes, com
formação sólida e integradora.
Por sua vez, a Engenharia é definida como a área da ciência que trata da aquisição, difusão e
aplicação de conhecimentos qualitativos e quantitativos no projeto, na construção e na
operação de materiais, estruturas, máquinas, aparelhos, sistemas ou processos, de forma
inovadora e sustentável. Neste contexto, cada um dos programas da Área Engenharias III
pode ser entendido como interdisciplinar.
ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO
Nas Engenharias III não há programas com ações ou políticas voltadas para
inserção/incidência do Ensino Fundamental e Médio. Existem algumas iniciativas das
agências de fomento direcionadas para o Ensino Médio e muito pouco ou quase nada para o
Ensino Fundamental.
Observam-se iniciativas pontuais de interação entre os Programas de Pós-Graduação das
7

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
Diretoria de Avaliação

DOCUMENTO DE ÁREA 2013
diversas áreas da Engenharia com o Ensino Médio, incluindo, por exemplo: (i) a Chamada
CNPq-Vale ­ Forma Engenharia, que fornece apoio financeiro a projetos que visem estimular
a formação de engenheiros no Brasil, combatendo a evasão que ocorre principalmente nos
primeiros anos dos cursos de engenharia e despertando o interesse vocacional dos alunos de
ensino médio pela profissão de engenheiro e pela pesquisa cientifica e tecnológica; (ii) o
Programa Cientista de Nosso Estado, promovido pela FAPERJ, que exige ao pesquisador
financiado a realização de atividades como palestras, cursos, exposições, etc. em escolas
públicas (níveis fundamental ou médio) sediadas no Estado do Rio de Janeiro; (iii) Programa
de Iniciação Científica Júnior, com disponibilização de bolsas pelo CNPq, que tem o objetivo
de despertar vocação científica e incentivar talentos potenciais entre estudantes do ensino
fundamental, médio e profissional da Rede Pública, mediante sua participação em atividades
de pesquisa científica ou tecnológica, orientadas por pesquisador qualificado, em instituições
de ensino superior ou institutos/centros de pesquisas; (iv) Programas de bolsas de
Treinamento, ou Aperfeiçoamento, ou Estágio Técnico oferecidas pelas FAPS, com o
objetivo de treinar e aperfeiçoar técnicos e alunos de cursos técnicos de nível médio que
participem de atividades de apoio a projetos de pesquisa vigentes em Instituições de Ensino
ou Pesquisa.

II. Requisitos e orientações para Propostas de Cursos Novos
MESTRADO (ACADÊMICO)
Na Proposta de Curso Novo deve ser destacada a proposta do programa; o corpo docente e
como se dará a formação discente. A proposta de curso novo também deve conter, de forma
clara e objetiva, no mínimo os seguintes pontos importantes:
Conexão entre Áreas de Concentração, Linhas de Pesquisa e Disciplinas. Deve ser
demonstrada, na proposta, relação estreita entre a(s) Área(s) de Concentração e Linha(s)
de Pesquisa. As disciplinas a serem ministradas devem ser associadas a uma ou mais
Linhas de Pesquisa apontadas, devendo ter equilíbrio na carga horária destinada às
diferentes Linhas de Pesquisa, caso haja mais de uma.
Devem ser claramente definidos os objetivos de criação do curso, devendo ser
adicionada à proposta a demanda regional, ou nacional, de alunos.
A Estrutura Curricular deve estar presente, contendo o número de disciplinas
obrigatórias, eletivas e opcionais, quando existirem.
Deve estar definido na proposta o Número de Vagas a serem oferecidas (anualmente,
8

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
Diretoria de Avaliação

DOCUMENTO DE ÁREA 2013
semestralmente, trimestralmente, etc.).
Cópia do Regimento Interno do futuro Programa deve estar na proposta.
Requisitos mínimos, estabelecidos pela área, para credenciamento dos docentes que irão
compor o corpo docente do novo curso:
A proposta deve conter, de maneira bastante clara, o nome dos Docentes Permanentes e
Docentes Colaboradores.
Deve ser evidenciado que o Corpo Docente já vem interagindo antes do envio da
proposta. Não é desejável que o Corpo Docente seja montado apenas para a submissão
da proposta.
O curso deve apresentar pelo menos 70% dos docentes como Docentes Permanentes. É
desejável um número mínimo de 10 Docentes Permanentes e em casos excepcionais um
mínimo de 8. O Corpo de Docentes Permanentes deve comprovar a exequibilidade do
curso proposto. Não é desejável que uma ou mais Linhas de Pesquisa contenham um
número de docentes muito inferior ao das outras linhas.
A participação de docentes colaboradores não deve caracterizar dependência externa,
nem ser utilizada para o atendimento das exigências mínimas de produção científica.
O Corpo Docente deve ser formado exclusivamente por Doutores. É bastante desejável a
presença de docentes com Bolsa de Produtividade ou equivalente, Desenvolvimento
Tecnológico ou Sênior do CNPq. Deve estar inclusa, na proposta, a lista com os nomes
dos docentes com Bolsa de Produtividade do CNPq, ou equivalente e sua respectiva
classificação (2, 1-D, 1-C, 1-B ou 1-A).
Todos os Docentes Permanentes devem comprovar experiência prévia mínima em
orientações de TCC (trabalhos de conclusão de curso) e alunos de Iniciação Científica.
No caso de docentes que pertençam ou pertenceram a outro Programa de Mestrado,
deseja-se que estes tenham titulado pelo menos um aluno de mestrado.
Requisitos da área para a organização das linhas e atividades de pesquisa:
Os Docentes do Programa devem demonstrar experiência na aprovação e execução de
projetos de pesquisa.
Os Projetos de Pesquisa apresentados na proposta devem ser relacionados com as
9

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
Diretoria de Avaliação

DOCUMENTO DE ÁREA 2013
Linhas de Pesquisa.
O número de Linhas de Pesquisa deve ser compatível com o número de docentes,
principalmente com o número de Docentes Permanentes. Estas linhas de Pesquisa
devem estar balanceadas entre si, apresentando, de forma proporcional, número de
docentes, projetos de pesquisa, publicações associadas, etc. Não é desejável que uma ou
mais Linhas de Pesquisa contenham um número de docentes muito inferior ao das outras
linhas.
Critérios e recomendações da área quanto à produção bibliográfica, técnica e/ou artística do
curso novo:
A produção intelectual do Corpo Docente, principalmente do Corpo Docente
Permanente, deve estar relacionada com a Proposta do Programa, Áreas de
Concentração e Linhas de Pesquisa.
O Corpo Docente Permanente deve apresentar produção técnico-científica suficiente
para demonstrar o seu envolvimento em Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação - P,D&I
na área do Programa.
É necessário que os docentes, principalmente os Docentes Permanentes, apresentem
produção científica adequada em periódicos de circulação internacional, classificados no
Qualis-Periódicos das Engenharias III como B1, A2 ou A1.
Recomendações específicas da área sobre o comprometimento institucional para a implantação
e o êxito do curso novo (ex.: biblioteca, acesso à Internet, laboratórios, etc.):
As seguintes condições devem ser garantidas pela Instituição:
Documento oficial da Instituição (Reitoria, Pró-Reitoria, ou autoridade equivalente)
concordando e demonstrando interesse na abertura do curso;
Infraestrutura mínima adequada de laboratórios, salas de aula e biblioteca, etc.;
Regimento interno com regras claras de admissão e titulação dos candidatos.
A proposta a ser encaminhada deve comprovar claramente o desejo da Instituição e dos
Docentes na criação deste novo curso, bem como a coerência da proposta, a demanda de alunos,
e a sua importância regional e/ou nacional.

10

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
Diretoria de Avaliação

DOCUMENTO DE ÁREA 2013

DOUTORADO
A proposta de Curso Novo deve conter, de forma clara e objetiva, no mínimo os seguintes
pontos importantes:
Conexão entre Áreas de Concentração, Linhas de Pesquisa e Disciplinas. Deve ser
demonstrada, na proposta, relação estreita entre a(s) Área(s) de Concentração e Linha(s)
de Pesquisa. As disciplinas a serem ministradas devem ser associadas a uma ou mais
Linhas de Pesquisa apontadas, devendo ter equilíbrio na carga horária destinada às
diferentes Linhas de Pesquisa, caso haja mais de uma.
Devem ser claramente definidos os objetivos de criação do curso, devendo ser
adicionada à proposta a demanda regional, ou nacional, de alunos.
A Estrutura Curricular deve estar presente, contendo o número de disciplinas
obrigatórias, eletivas e opcionais, quando existirem.
Deve estar definido na proposta o Número de Vagas a serem oferecidas (anualmente,
semestralmente, trimestralmente, etc.).
Cópia do Regimento Interno do futuro Programa deve estar na proposta.
Requisitos mínimos, estabelecidos pela área, para credenciamento dos docentes do novo curso:
A proposta deve conter, de maneira bastante clara, o nome dos Docentes Permanentes e
Docentes Colaboradores.
Deve ser evidenciado que o Corpo Docente já vem interagindo antes do envio da
proposta. Não é desejável que o Corpo Docente seja montado apenas para a submissão
da proposta.
O curso deve apresentar pelo menos 70% dos docentes como Docentes Permanentes. É
desejável um número mínimo de 10 Docentes Permanentes e em casos excepcionais um
mínimo de 8. O Corpo de Docentes Permanentes deve comprovar a exequibilidade do
curso proposto. Não é desejável que uma ou mais Linhas de Pesquisa contenham um
número de docentes muito inferior ao das outras linhas.
A participação de docentes colaboradores não deve caracterizar dependência externa,
nem ser utilizada para o atendimento das exigências mínimas de produção científica.
11

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
Diretoria de Avaliação

DOCUMENTO DE ÁREA 2013

O Corpo Docente deve ser formado exclusivamente por Doutores. É bastante desejável a
presença de docentes com Bolsa de Produtividade ou equivalente classificados no nível
1, Desenvolvimento Tecnológico ou Sênior, pelo CNPq. Deve estar inclusa, na
proposta, a lista com os nomes dos docentes com Bolsa de Produtividade ou equivalente
do CNPq e sua respectiva classificação (2, 1-D, 1-C, 1-B ou 1-A).
Todos os Docentes Permanentes devem comprovar experiência prévia em orientações
de pelo menos 2 Mestres (com defesa já realizada e aprovada).
Requisitos da área para a organização das linhas e atividades de pesquisa:
Os Docentes do Programa devem demonstrar experiência na aprovação e execução de
projetos de pesquisa. Deve ser colocada na proposta a lista com os projetos aprovados.
A lista deve conter: título do projeto, fonte financiadora, valores aprovados,
coordenação e membros da equipe executora.
Os Projetos de Pesquisa apresentados na proposta devem ser relacionados com as
Linhas de Pesquisa.
O número de Linhas de Pesquisa deve ser compatível com o número de docentes,
principalmente com o número de Docentes Permanentes. Estas linhas de Pesquisa
devem estar balanceadas entre si, apresentando, de forma proporcional, número de
docentes, projetos de pesquisa, publicações associadas, etc. Não é desejável que uma ou
mais Linhas de Pesquisa contenham um número de docentes muito inferior ao das outras
linhas.
Critérios e recomendações da área quanto à produção bibliográfica, técnica e/ou artística do
curso novo:
A produção intelectual do Corpo Docente, principalmente do Corpo Docente
Permanente, deve estar relacionada com a Proposta do Programa, Áreas de
Concentração e Linhas de Pesquisa.
O Corpo Docente Permanente deve apresentar produção técnico-científica suficiente
para demonstrar o seu envolvimento em P,D&I na área do Programa.
É necessário que os docentes, principalmente os Docentes Permanentes, apresentem
produção científica adequada em periódicos de circulação internacional, classificados no
Qualis-Periódicos das Engenharias III como A2 ou A1.
12

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
Diretoria de Avaliação

DOCUMENTO DE ÁREA 2013

Recomendações específicas da área sobre o comprometimento institucional para a implantação
e o êxito do curso novo (ex.: biblioteca, acesso à Internet, laboratórios, etc.):
As seguintes condições devem ser garantidas pela Instituição:
Documento oficial da Instituição (Reitoria, Pró-Reitoria, ou autoridade equivalente)
concordando e demonstrando interesse na abertura do curso;
Infraestrutura mínima adequada de laboratórios, salas de aula, salas de estudo,
biblioteca, etc.;
Regimento interno com regras claras de admissão e titulação dos candidatos.
A proposta a ser encaminhada deve comprovar claramente o desejo da Instituição e dos
Docentes na criação deste novo curso, bem como a coerência da proposta, a demanda de alunos,
e a sua importância regional e/ou nacional.
MESTRADO PROFISSIONAL
A proposta de Curso Novo deve conter, de forma clara e objetiva, no mínimo os seguintes
pontos importantes:
Conexão entre Áreas de Concentração, Linhas de Pesquisa e Disciplinas. Deve ser
demonstrada, na proposta, relação estreita entre a(s) Área(s) de Concentração e Linha(s)
de Pesquisa. As disciplinas a serem ministradas devem ser associadas a uma ou mais
Linhas de Pesquisa apontadas, devendo ter equilíbrio na carga horária destinada às
diferentes Linhas de Pesquisa, caso haja mais de uma.
Devem ser claramente definidos os objetivos de criação do curso, devendo ser
adicionada a demanda regional, ou nacional, de alunos para este curso de Mestrado
Profissional. Se houver algum segmento industrial associado, este deve ser discutido e
justificado.
O Perfil dos Profissionais a serem titulados deve ser definido e associado ao segmento
industrial, onde estes deverão atuar.
A Estrutura Curricular deve estar presente, contendo o número de disciplinas
obrigatórias, eletivas e opcionais, quando existirem.
Deve ser descrito como serão ministradas as disciplinas: à noite, nos finais de semana,
concentradas em um curto período de tempo, etc.

13

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
Diretoria de Avaliação

DOCUMENTO DE ÁREA 2013
Deve estar definido na proposta o Número de Vagas a serem oferecidas (anualmente,
semestralmente, trimestralmente, etc.).
Cópia do Regimento Interno do futuro Programa deve constar da proposta; idem quanto
aos critérios de credenciamento dos docentes.
A proposta deve conter, de maneira bastante clara, o nome dos Docentes Permanentes e
Docentes Colaboradores.
Deve ser evidenciado que o Corpo Docente já vem interagindo antes do envio da
proposta. Não é desejável que o Corpo Docente seja montado apenas para a submissão
da proposta.
A Área reconhece que há propostas de cursos que podem ter objetivos muito
específicos, e restritos a poucos profissionais. O Corpo de Docentes Permanentes deve,
contudo, comprovar a exequibilidade do curso proposto.
A participação de docentes colaboradores não deve caracterizar dependência externa,
nem ser utilizada para o atendimento das exigências mínimas de produção científica.
O Corpo Docente deverá estar de acordo com o preconizado pela Portaria Normativa
MEC no 17/2009 conforme descrito abaixo:
O corpo docente deve ser integrado, de forma equilibrada por doutores,
profissionais e técnicos com experiência em pesquisa aplicada ao desenvolvimento e à
inovação,
o § 1º O corpo docente do curso deve ser altamente qualificado, conforme
demonstrado pela produção intelectual constituída por publicações específicas,
produção artística ou produção técnico científica, ou ainda por reconhecida
experiência profissional, conforme o caso.
o § 2º A qualificação docente deve ser compatível com a área e a proposta do
curso, de modo a oferecer adequadas oportunidades de treinamento para os
estudantes e proporcionar temas relevantes para o seu trabalho de mestrado.
Os Docentes do Programa devem demonstrar experiência na aprovação e execução de
projetos de pesquisa.
Os Projetos de Pesquisa apresentados na proposta devem ser relacionados com as
Linhas de Pesquisa.

14

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
Diretoria de Avaliação

DOCUMENTO DE ÁREA 2013
O número de Linhas de Pesquisa deve ser compatível com o número de docentes,
principalmente com o número de Docentes Permanentes. Estas linhas de Pesquisa
devem estar balanceadas entre si, apresentando, de forma proporcional, número de
docentes, projetos de pesquisa, publicações associadas, etc. Não é desejável que uma ou
mais Linhas de Pesquisa contenham um número pequeno de docentes.
A produção intelectual do Corpo Docente, principalmente do Corpo Docente
Permanente, deve estar relacionada com a Proposta do Programa, Áreas de
Concentração e Linhas de Pesquisa.
O Corpo Docente Permanente deve apresentar produção técnico-científica suficiente
para demonstrar o seu envolvimento em P,D&I na área do Programa.
É desejável que os docentes apresentem produção tecnológica adequada, tal como:
patentes, desenvolvimento de produtos e protótipos, desenvolvimento de processos
industriais, etc. Esta Produção Tecnológica demonstra a experiência e capacidade dos
docentes em criar um Mestrado Profissional.
Recomendações específicas da área sobre o comprometimento institucional para a implantação
e o êxito do curso novo (ex.: biblioteca, acesso à Internet, laboratórios, etc.):
As seguintes condições devem ser garantidas pela Instituição:
Documento oficial da Instituição (Reitoria, Pró-Reitoria, ou autoridade equivalente)
concordando e demonstrando interesse na abertura do curso;
Infraestrutura mínima adequada de laboratórios, salas de aula e biblioteca, etc.;
Regimento interno com regras claras de admissão e titulação dos candidatos.
A proposta a ser encaminhada deve comprovar claramente o desejo da Instituição e dos
Docentes na criação deste novo curso, bem como a coerência da proposta, a demanda de alunos,
e a sua importância regional e/ou nacional.

15

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
Diretoria de Avaliação

DOCUMENTO DE ÁREA 2013

III. Considerações gerais sobre a Avaliação Trienal 2013
As Regras de Avaliação a serem utilizadas na Trienal 2013 são, basicamente, as mesmas
utilizadas na trienal anterior. Ocorreram apenas alguns poucos ajustes para sua adequação às
regras do CTC-ES.
O procedimento de avaliação a ser realizado seguirá as seguintes etapas:
Inicialmente serão atribuídos conceitos para todos os Subitens, Itens e Quesitos dos Programas
avaliados, de acordo com as Regras de Avaliação das Engenharias III. Estes conceitos serão
transformados em pontuação, segundo norma CAPES. Após, será calculado o total de pontos
para cada Programa (2010, 2011 e 2012), levando-se em conta os pesos dos Itens e Subitens.
O valor ponderado no triênio será chamado de "Nota do Programa".
Os Programas serão, então, classificados, em ordem decrescente, pela Nota do Programa.
Serão definidos grupos de Programas com tendência a receber notas 3, 4 e 5 bem como
Programas com tendência a receber notas 6 e 7.
Serão levados em conta os principais indicadores considerados importantes nas Engenharias
III, a saber:
- Número de Docentes Permanentes, Colaboradores e Visitantes. Serão verificados o número e
nominata desses Docentes em cada ano de avaliação, para se verificar a estabilidade do corpo
docente;
- Número de Docentes Permanentes que possuem Bolsa de Produtividade em Pesquisa ou
equivalente, Desenvolvimento Tecnológico e Sênior junto ao CNPq, bem como o seu
percentual em relação ao total dos Docentes Permanentes. A verificação será feita a partir do
site do CNPq;
- Mestres e Doutores titulados pelos Docentes Permanentes. Serão identificados todos os
titulados orientados por cada docente permanente do programa;
- Número de publicações A1, A2, B1, B2, B3, B4, B5, Total e em Congressos, por Docente
Permanente. Sendo estes números decisivos para a nota final de cada Programa, será
verificado cada periódico publicado de acordo com o Qualis das Engenharias III, atualizado
em 2013, segundo critérios da área;
- Número de Publicações por Docente Permanente;
Deve ser destacado que os parâmetros determinantes de nota final serão verificados um a um
nos cadernos dos Programas.
Com os Programas previamente classificados (notas 3 e 4; e notas 5, 6 ou 7), serão analisados
os dados acima listados. Para cada Programa, será proposta a seguinte alternativa: Programa
16

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
Diretoria de Avaliação

DOCUMENTO DE ÁREA 2013
fica com a mesma nota do triênio anterior; Programa tem redução da nota do triênio anterior;
ou Programa tem aumento da nota do triênio anterior.
Assim, serão fixados grupos de Programas com nota 3, nota 4 e nota 5 (ou superior).
Dos Programas que receberem indicação para notas 6 e 7 será feito um trabalho exaustivo de
análise de dados para classificá-los com notas 5, 6 ou 7. Os dados a serem observados são os
seguintes:
- Média no triênio de publicações em periódicos A e B, bem como em Congressos, por
docente permanente;
- Média no triênio de publicações em periódicos A e B publicadas apenas pelos Docentes
Permanentes;
- Média no triênio de doutores e mestres titulados por Docente Permanente;
- Número absoluto de mestres e doutores formados no triênio;
- Percentual dos Docentes Permanentes que participou em pelo menos 1 artigo em periódicos
A ou B1 por ano;
- Cooperação internacional oficial, financiada por agentes fomentadores, que o Programa
realizou no triênio;
- Projetos de pesquisa de médio e grande porte recebidos pelos pesquisadores no triênio;
- Participação dos pesquisadores em eventos de importância internacional (presidente de mesa,
organizador, membro de comitê científico, palestrante convidado, etc.);
- Participação relevante (direção, comissões, conselhos) em organismos profissionais e
técnico-científicos nacionais e internacionais;
- Premiações e distinções nacionais e internacionais; e
- Participação em corpo editorial de periódicos nacionais e internacionais.
- Captação de recursos com apoio internacional.
- Ultrapassar níveis de produção (intelectual e de teses de doutorado) que demonstrem
excepcionalidade em cada uma das áreas das engenharias e
- Apresentar consolidação e liderança nacional do programa como formador de recursos
humanos para a pesquisa e a pós-graduação;
De posse desta avaliação exaustiva de dados, serão indicadas as notas 6 e 7.
Esta metodologia já foi utilizada na Avaliação Trienal 2010, tendo sido amplamente discutida
com os coordenadores de Programas de Pós-Graduação, tanto nas reuniões anuais como
naquelas dos Eventos Científicos Nacionais/Internacionais organizados por Sociedades e
Associações da área.

17

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
Diretoria de Avaliação

DOCUMENTO DE ÁREA 2013
SEMINÁRIOS DE ACOMPANHAMENTO
Foram realizados dois Seminários de Acompanhamento anuais na CAPES as quais contaram
com a participação dos coordenadores dos programas das Engenharias III. Em ambas as
ocasiões a área fez apresentações e a comunidade manifestou com diversas questões e
sugestões. Os pontos mais importantes estão sumarizados a seguir.
As quatro maiores observações feitas pelos coordenadores de programas da área a partir dos
Seminários de Acompanhamento foram:
1. o limite máximo de 08 (oito) orientandos por docente permanente deveria ser
aumentado na área. As informações constantes nos Cadernos de Avaliação podem indicar que
um docente tem mais que 08 (oito) discentes sob sua orientação ou ter indicação de atuação
em mais do que 2 (ou 3 conforme Portaria CAPES Nº 1, de 4 de janeiro de 2012), mas que tais
extrapolações dos limites podem advir, por exemplo, de aposentadorias ou de mudanças de
programa.
2. sob quais condições um discente das Engenharias pode receber bolsa de estudos e ter
outra atividade remunerada?
3. como será medido o impacto advindo do retorno dos discentes para o programa
Ciência Sem Fronteiras?
4. para a classificação da lista Qualis das Engenharias III, ao se utilizar a base Journal
Citation Reports, JCR, caso um periódico esteja indexado em mais de uma categoria, ao invés
de se usar a menor mediana, que seja utilizada a mediana das medianas das categorias nas
quais o mesmo aparece.

IV. Considerações sobre Qualis-Periódicos (Artístico), Roteiro para Classificação de
Livros / Eventos /Produtos Técnicos e os critérios para a estratificação e uso dos
mesmos na avaliação
QUALIS-PERIÓDICOS
É importante esclarecer que os critérios utilizados para a classificação da Lista Qualis de
Periódicos geram estratificações somente daqueles títulos de periódicos que tiveram

18

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
Diretoria de Avaliação

DOCUMENTO DE ÁREA 2013
publicação nas Engenharias III.
A lista Qualis se aplica tão somente à Avaliação de Programas de Pós-Graduação, não
devendo ser utilizada para a avaliação do desempenho individual de docente ou pesquisador.
O Qualis Periódicos das Engenharias III foi elaborado com base nos seguintes critérios:
Somente periódicos nos quais os docentes dos Programas de Pós-Graduação das
Engenharias III já publicaram integram o Qualis da área.

Periódicos indexados na base JCR/ISI (Journal Citation Report) são classificados nos
estratos A1 a B2 de acordo com a seguinte metodologia:
o Considera-se a base de dados do JCR referente de 2012 referente ao ano base de
2011.
o Calcula-se o Fator de Impacto Ponderado (FIP) de cada periódico, relativizando
seu Fator de Impacto por área de acordo com a mesma sistemática adotada no
triênio anterior, de modo a evitar eventuais distorções na classificação;
o Uma vez ordenados de acordo com o FIP, os títulos são classificados nos estratos
A1 a B2 de modo a satisfazer as seguintes restrições:


Número de títulos A1 < número de títulos A2,



Soma dos títulos A1 e A2 < 25% dos títulos da área,



Soma dos títulos A1, A2 e B1 < 50% dos títulos da área,



Se 0 < FIP < 0,1 então o título é classificado como B2.

Periódicos indexados na base Scopus e que não integram a base JCR são classificados nos
estratos B2 e B3, após ordenamento com base no indicador cites per doc constantes do
SCImago.
Periódicos científicos de abrangência nacional ou internacional que não integram as bases
JCR ou Scopus, mas que tenham política editorial bem definida, com Corpo Editorial

19

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
Diretoria de Avaliação

DOCUMENTO DE ÁREA 2013
qualificado são classificados no estrato B4.
Periódicos científicos de abrangência regional, com política editorial bem definida, são
classificados no estrato B5.
Periódicos não científicos são classificados no estrato C.
Periódicos que tiveram troca de nome ao longo do triênio anterior são classificados no
mesmo estrato.

CLASSIFICAÇÃO DE LIVROS
A área de Engenharias III não trabalha com classificação de livros, e os mesmos serão de um
modo geral, contabilizados na Produção Técnica. A produção em livros de natureza científica
publicados por membros do programa será analisada caso a caso pela Comissão de Avaliação
Trienal, mas não deve predominar sobre a produção intelectual em periódicos nos estratos
superiores. Os livros que forem indicados como sendo de caráter científico por parte do
programa não serão computados na Produção Técnica.
PRODUÇÃO TÉCNICA/ EVENTOS
No que tange à produção dos docentes do Programa, as publicações em congressos nacionais
ou internacionais serão contabilizadas junto com a produção técnica.
Exceto pelo número destas publicações, assim como os números de patentes e registros
depositados no INPI (ou equivalente internacional) produzidos por um Programa no período
de avaliação, entende-se que os outros tipos de produção passíveis de análise neste item
devam ser avaliados de forma qualitativa. Mesmo em relação à produção de patentes e
registros, a qualidade das mesmas deve ser aferida. Isto se deve ao fato de que mesmo a
concessão de uma patente por instituto de propriedade intelectual no Brasil ou no exterior não
caracteriza sua aplicabilidade industrial, comercial ou mesmo social. De fato, patentes
representam um meio legal de proteção de um invento e podem ser interpretadas como um
indicador de invenção. Por outro lado, antes que uma invenção possa se transformar em uma
inovação, esforços empresariais são necessários para o seu desenvolvimento, fabricação e
comercialização. Isto resulta em muitas patentes nunca serem de fato usadas e poucas terem
alto valor comercial. Além disso, muitas invenções não são patenteadas, sendo que empresas

20

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
Diretoria de Avaliação

DOCUMENTO DE ÁREA 2013
podem utilizar-se de segredo industrial ou outros mecanismos para dominar mercados.
Em função disto, entende-se que aspectos ligados à inovação, além do depósito, concessão ou
licenciamento de patentes, tenham grande importância neste item de avaliação. Seguindo os
conceitos estabelecidos pelo IBGE relativos à PINTEC, devem ser consideradas: (i) A
inovação tecnológica, definida pela introdução no mercado de um produto (bem ou serviço)
que seja novo ou substancialmente aprimorado pelo menos para a empresa, ou pela introdução
na empresa de um processo que seja novo ou substancialmente aprimorado pelo menos para a
empresa; (ii) As atividades inovativas que se referem aos esforços empreendidos pela empresa
no desenvolvimento e implementação de produtos (bens ou serviços) e processos novos ou
aperfeiçoados; (iii) A inovação organizacional, que compreende a implementação de novas
técnicas de gestão ou de significativas mudanças na organização do trabalho e nas relações
externas da empresa; (iv) A inovação de marketing, que consiste na implementação de novas
estratégias ou conceitos de marketing ou de mudanças significativas na estética, desenho ou
embalagem dos produtos, sem modificar suas características funcionais e de uso.
Em igual importância, deve ser considerada a inovação ligada às tecnologias sociais, que
envolvem todo o produto, método, processo ou técnica, criado para solucionar algum tipo de
problema social e que atenda aos quesitos de simplicidade, baixo custo, fácil aplicabilidade e
impacto social comprovado.
Tratando-se da avaliação de programas de pós-graduação, deve ser contabilizada apenas a
produção tecnológica desenvolvida dentro do âmbito de trabalhos de Pesquisa &
Desenvolvimento, privilegiando aqueles ligados às dissertações de mestrado ou teses de
doutorado defendidas no Programa. Não devem ser contabilizados trabalhos de consultoria
que envolvam assuntos corriqueiros e que não possam ser caracterizados como Pesquisa &
Desenvolvimento. Da mesma forma, não devem ser contabilizados projetos que envolvam
apenas a realização de testes repetitivos realizados em equipamentos-padrão. Diferentes
aspectos podem ser considerados para a distinção de um projeto de Pesquisa &
Desenvolvimento de outros, tais como: duração, fonte de financiamento, valor do
financiamento, produção bibliográfica associada, patente licenciadas, participação de alunos
de pós-graduação, etc.

21

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
Diretoria de Avaliação

DOCUMENTO DE ÁREA 2013
V. Ficha de Avaliação para o Triênio 2010-2012
MESTRADO (ACADÊMICO) E DOUTORADO
Definições e Comentários sobre o
Quesitos / Itens
Peso
Quesito/Itens
1 ­ Proposta do Programa
0%
1.1. Coerência, consistência, abrangência 40% Deve-se examinar se há coerência e consistência
e atualização das áreas de concentração,
das linhas de pesquisa com as áreas de
linhas de pesquisa, projetos em
concentração; das linhas de pesquisa com os
andamento e proposta curricular.
projetos em andamento e das áreas de concentração
com a proposta e estrutura curricular.
Deve-se verificar também a abrangência e
atualização da estrutura curricular para as áreas de
concentração, verificando o conjunto de disciplinas
e suas respectivas ementas e se estão em
consonância com o corpo docente permanente.
1.2. Planejamento do programa com 40% Deve-se verificar se o programa tem uma visão ou
vistas a seu desenvolvimento futuro,
planejamento para o seu desenvolvimento futuro.
contemplando os desafios internacionais
Verificar de que forma visualiza sua trajetória e a
da área na produção do conhecimento,
evolução de sua nota na avaliação trienal,
seus propósitos na melhor formação de
observando seus propósitos na melhor formação de
seus alunos, suas metas quanto à
seus alunos, suas metas quanto à inserção social dos
inserção social mais rica dos seus
seus egressos, conforme os parâmetros da área. Para
egressos, conforme os parâmetros da
os Programas que estão acima da nota 3, observar
área.
de que forma contemplam os desafios
internacionais na produção do conhecimento.
1.3. Infraestrutura para ensino, pesquisa 20% Analisar a adequação da infraestrutura para o
e, se for o caso, extensão.
ensino, a pesquisa, a administração do Programa,
observando se os principais equipamentos e
infraestrutura estão relacionados à proposta do
programa e suas linhas de pesquisa.

2 ­ Corpo Docente
2.1.
Perfil
do
corpo
docente,
considerados titulação, diversificação na
origem de formação, aprimoramento e
experiência, e sua compatibilidade e
adequação à Proposta do Programa.

20%
30% O número Total de Docentes (TD) que compõem o
corpo docente do Programa é o denominador de
muitos dos indicadores per capita utilizados e de
fundamental importância para a avaliação. Serão
considerados como Total de Docentes os docentes
declarados pelo Programa como Docentes
Permanentes (DP) juntamente com aqueles que são
declarados como Colaboradores no programa.
Docentes permanentes sem orientação alguma
poderão ser considerados como colaboradores.

22

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
Diretoria de Avaliação

DOCUMENTO DE ÁREA 2013
Neste item deve-se avaliar o perfil do corpo
docente, considerando a titulação, a diversificação
não apenas na origem de formação, mas
especialmente no aprimoramento e na experiência
acumulada, no seu posicionamento atual como
pesquisadores e sua compatibilidade e adequação à
Proposta do Programa.
Subitem 1. Docentes bolsistas
. Conforme Portaria CAPES nº 01/2012 e
deliberação da 141ª reunião do CTC a área define
em 20 o número máximo de orientandos por
orientador. A extrapolação deste limite será
considerada individualmente pela área.
FOR = (Número de pesquisadores do CNPq, PQ e
DT dos DP) / (TD) x 100
TD é a soma de docentes Permanentes e
Colaboradores do Programa.
DP é o número de docentes Permanentes declarados
pelo Programa.
No cálculo do número de pesquisadores do CNPq
serão contabilizados os Bolsistas PQ (Produtividade
em Pesquisa, incluindo Pesquisador Sênior) e DT
(Bolsa de Produtividade ou equivalente em
Desenvolvimento
Tecnológico
e
Extensão
Inovadora).
Subitem 2. Docentes permanentes
ADE: Percentual de Docentes Permanentes (DP)
que compõem o Corpo Docente Total do Programa.
ADE = (DP /TD) x 100
Se o número total de docentes Permanentes for
muito pequeno o Programa poderá ter seu conceito
final reduzido.
2.2. Adequação e dedicação dos 30% Serão considerados com conceito MUITO BOM os
docentes permanentes em relação às
programas com os melhores desempenhos
atividades de pesquisa e de formação do
comparativos nos dois subitens a seguir.
programa.
Subitem 1. Disciplinas da Pós-Graduação
ATI: indica a quantidade de disciplinas ministradas
na pós-graduação por docente Permanente do
Programa, por ano.
Obs.1: O conceito desse item poderá ser reduzido
caso haja concentração da carga didática em poucos
docentes.
Obs.2: Obterão o conceito MUITO BOM os

23

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
Diretoria de Avaliação

DOCUMENTO DE ÁREA 2013
programas com bom balanceamento na distribuição
da carga didática na pós-graduação entre os
docentes.
Subitem 2. Projetos de Pesquisa Verificar
qualitativamente a relevância dos projetos e a
participação efetiva dos docentes.
Verificar os valores dos projetos de pesquisa
aprovados junto aos órgãos de fomento.
Os Programas devem incluir no Coleta-CAPES
informações sobre os projetos, valores e tipos de
financiamentos, etc.
A classificação desse subitem obedecerá à escala
MB, B, R, F e D.
2.3. Distribuição das atividades de 30% Este item objetiva verificar qual é a porcentagem de
pesquisa e de formação entre os docentes
docentes Permanentes envolvidos em atividades de
do programa.
pesquisa e de formação. Nos numeradores deste
item serão contabilizados aqueles Docentes
Permanentes que atenderem a todos os itens abaixo:
1. Lecionou pelo menos uma disciplina no
Programa por ano;
2. Participou de pelo menos uma publicação
em periódico A1, A2, ou B1 no triênio;
3. Teve pelo menos duas orientações
concluídas no Programa no triênio.
D3A é composto pelo percentual da quantidade dos
Docentes Permanentes que tiveram as 3 atividades
descritas tendo como base os próprios Docentes
Permanentes.
D3A1 = [(número de docentes Permanentes com
todas duas atividades do item 1 acima)/DP] x 100 e
D3A2 = [(número de docentes Permanentes com
pelo menos uma atividade do item 2 e pelo menos
uma atividade do item 3)/DP] x 100

2.4. Contribuição dos docentes para 10% A classificação desse item obedecerá a escala MB,
atividades de ensino e/ou de pesquisa na
B, R, F e D.
graduação, com atenção tanto à
Verificar:
repercussão que este item pode ter na
Se os docentes ministram disciplinas na
formação de futuros ingressantes na PG,
graduação (se for o caso);
quanto (conforme a área) na formação de
Se há participação de alunos da graduação
profissionais mais capacitados no plano
nos projetos de pesquisa e nas publicações

24

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
Diretoria de Avaliação

DOCUMENTO DE ÁREA 2013
da graduação.

3 ­ Corpo Discente, Teses e
Dissertações

em periódicos, e principalmente, em
congressos.
Se os docentes orientam discentes de
Iniciação Científica.
Este item só vale para IES. Não se aplica a
Instituições de Pesquisa, que não tenham curso de
graduação. Neste caso, seu peso será redistribuído
proporcionalmente entre os demais itens do quesito.

35%

3.1. Quantidade de teses e dissertações 30% ORI é indicador de Orientação, em relação ao corpo
defendidas no período de avaliação, em
docente permanente, juntamente com aqueles que
relação ao corpo docente permanente e à
são declarados como colaboradores e visitantes no
dimensão do corpo discente.
programa, e é calculado por:
ORI = (número de Mestres titulados + 2x Doutores
titulados) / TD.
Obterão o conceito MUITO BOM os programas
com bom balanceamento no número de titulados
por docente.
3.2. Distribuição das orientações das 10% PSA é indicador do percentual de Docentes
teses e dissertações defendidas no
Permanentes que não tiveram conclusões de
período de avaliação em relação aos
mestrado ou de doutorado em relação ao Corpo
docentes do programa.
Docente Permanente Total.
PSA = [(número de Docentes Permanentes que não
concluíram orientações de mestrado ou doutorado) /
(DP)] x 100.
Obterão o conceito MUITO BOM os programas
que tiverem um número pequeno de docentes
permanentes que não concluíram orientações de
Mestrado ou de Doutorado.
É importante mencionar que conforme Portaria
CAPES nº 01/2012 e deliberação da 141ª reunião
do CTC-ES a área define em 20 o número máximo
de orientandos por orientador. A extapolação deste
limite será considerado individualmente pela área.
3.3. Qualidade das Teses e Dissertações 40% Para a avaliação deste item será usado o indicador
e da produção de discentes autores da
dos Programas com Doutorado e/ou Mestrado
pós-graduação e da graduação (no caso
(PRDD) para Programas que tenham mestrado e
de IES com curso de graduação na área)
doutorado ou apenas doutorado. Para programas
na produção científica do programa,
com apenas o mestrado será usado o indicador
aferida por publicações e outros
levando em conta somente o Mestrado (PRDM),
indicadores pertinentes à área.
conforme segue:

25

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
Diretoria de Avaliação

DOCUMENTO DE ÁREA 2013
PRDD = produção de discentes e egressos (QTD) /
número de teses e dissertações defendidas no
triênio.
Obs: Para o cálculo de PRDD, somar as publicações
dos Discentes Autores com as dos Egressos, que
concluíram até os últimos 5 anos;
PRDM = produção de discentes e egressos (QTD) /
número de dissertações defendidas no triênio.
Obs: Para o cálculo de PRDM, somar as
publicações dos Discentes Autores com as dos
Egressos, que concluíram até os últimos 5 anos.
As produções técnica e / ou científica dos discentes
e egressos (QTD) são avaliadas de acordo com a
seguinte expressão:
QTD = 4 x PIL + 3 x PNL + 2PI + PN + 0,1 x PID
+ 0,05 x PND + 0,05 x SNR + A1 + A2x0,85 +
B1x0,7 +B2x0,5 + B3x0,2 + B4x0,10 + B5x0,05 +
Anais (0,1 x Internacional + 0,05 x Nacionais +
0,025 x Resumos Estendidos Internacionais).
PIL = Número de patentes internacionais
licenciadas,
PNL = Número de patentes nacionais licenciadas.
PI = Número de patentes internacionais concedidas,
PN = Número de patentes nacionais concedidas.
PID = Número de patentes internacionais
depositadas,
PND = Número de patentes nacionais depositadas
SNR = Software registrado
A1 = Número de publicações classificadas como
A1 no Qualis Periódicos das Engenharias III.
A2 = Número de publicações classificadas como
A2 no Qualis Periódicos das Engenharias III.
B1 = Número de publicações classificadas como B1
no Qualis Periódicos das Engenharias III.
B2 = Número de publicações classificadas como B2
no Qualis Periódicos das Engenharias III.
B3 = Número de publicações classificadas como B3
no Qualis Periódicos das Engenharias III.
B4 = Número de publicações classificadas como B4
no Qualis Periódicos das Engenharias III.
B5 = Número de publicações classificadas como B5
no Qualis Periódicos das Engenharias III

26

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
Diretoria de Avaliação

DOCUMENTO DE ÁREA 2013

3.4. Eficiência do Programa na formação 20% Subitem 1. Tempo Médio de titulação dos
de mestres e doutores bolsistas: Tempo
bolsistas de mestrado.
de formação de mestres e doutores e
EFT é indicador da Eficiência do Programa quanto
percentual de bolsistas titulados.
ao tempo médio de Titulação dos bolsistas de
Mestrado.
EFT = tempo médio, em meses, para a titulação dos
discentes de mestrado bolsistas.
Obterão o conceito MUITO BOM aqueles
programas com tempo médio de titulação de
bolsistas compatível com o tempo máximo de
duração das bolsas de agências de fomento
institucionais.
Subitem 2. Tempo Médio de titulação dos
bolsistas de doutorado.
EFT é indicador da Eficiência do Programa quanto
ao tempo médio de Titulação dos bolsistas de
Doutorado.
EFD = tempo médio, em meses, para a titulação dos
discentes de doutorado bolsistas.
Obterão o conceito MUITO BOM aqueles
programas com tempo médio de titulação de
bolsistas compatível com o tempo máximo de
duração das bolsas de agências de fomento
institucionais.
Caso o programa de pós-graduação conceda apenas
um dos títulos (mestrado ou doutorado) este
subitem terá o peso de somente um destes

4 ­ Produção Intelectual
4.1. Publicações qualificadas
Programa por docente permanente.

35%
do 50% PQD é o indicador referente às Publicações
Qualificadas dos Docentes permanentes em relação
ao Total de Docentes (TD) do programa.
PQD = número de publicações dos docentes
permanentes / TD
Numerador de PQD = A1 + A2x0,85 + B1x0,7
+B2x0,5 + B3x0,2 + B4x0,10 + B5x0,05.
onde:
A1 = Número de publicações classificadas como
A1 no Qualis Periódicos das Engenharias III.
A2 = Número de publicações classificadas como
A2 no Qualis Periódicos das Engenharias III.

27

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
Diretoria de Avaliação

DOCUMENTO DE ÁREA 2013
B1 = Número de publicações classificadas como B1
no Qualis Periódicos das Engenharias III.
B2 = Número de publicações classificadas como B2
no Qualis Periódicos das Engenharias III.
B3 = Número de publicações classificadas como B3
no Qualis Periódicos das Engenharias III.
B4 = Número de publicações classificadas como B4
no Qualis Periódicos das Engenharias III.
B5 = Número de publicações classificadas como B5
no Qualis Periódicos das Engenharias III.
A produção intelectual qualificada do corpo
docente permanente deve ser representada
majoritariamente por artigos publicados em
periódicos classificados nos estratos superiores do
Qualis da área.
A área de Engenharias III não trabalha com
classificação de livros. A produção em livros de
natureza científica publicados por membros do
programa será analisada caso a caso pela Comissão
de Avaliação Trienal, mas não deve predominar
sobre a produção intelectual em periódicos nos
estratos superiores. Os livros que forem indicados
como sendo de caráter científico por parte do
programa não serão computados na Produção
Técnica.
Obs. 1 ­ Os valores são considerados para produção
média no triênio.
Obs. 2 ­ Os itens B2, B3, B4 e B5 são, cada um,
saturados em 1 (uma) publicação, em média, por
docente por ano. Por exemplo, a pontuação máxima
que este tipo de publicação em B2 poderá contribuir
para o cálculo de PQD será de 0,5.
4.2. Distribuição de publicações 30% DPD é indicador da Distribuição das Publicações
qualificadas em relação ao corpo docente
por Docente permanente do programa:
permanente do Programa.
DPD = porcentagem de docentes permanentes que
tiveram participação em publicações A1, A2 e B1,
no triênio.
Obterão o conceito MUITO BOM os programas
que exibirem uma distribuição equilibrada de
publicações qualificadas entre os docentes
permanentes.
4.3. Produção técnica, patentes e outras 20% Recomenda-se que cada Programa demonstre a
produções consideradas relevantes.
existência dessa produção, destacando aquela que é
mais relevante para a proposta do programa

28

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
Diretoria de Avaliação

DOCUMENTO DE ÁREA 2013
(patentes de invenção, de modelo de utilidade ou de
desenho industrial, protótipos, produtos, processos,
softwares, desenvolvimento de técnica, trabalhos
em anais de congressos e livros técnicos) e o
impacto no setor em que se insere. PTC indica a
Produção Técnica dos Docentes Permanentes face
ao Total de Docentes (TD) do Programa. QTP é a
Produção Técnica dos Docentes Permanentes. OT é
uma avaliação Qualitativa do conjunto da Produção
Técnica produzida pelo Programa.
Esse item será avaliado pela comissão conforme
segue:
PTC= [QTP (produção técnica quantificada dos
docentes Permanentes) /TD] +OT
QTP = 4 x PIL + 3 x PNL + 2 x PIC + PNC + 0,1 x
PID + 0,05 x PND + 0,05 x SNR + 0,2 x CLI + 0,1
x CLN + 0,5 x LID + 0,2 x Anais (Internacional) +
0,1 x Anais (Nacionais) + 0,05 x Resumos
Estendidos Internacionais
onde:
PIL = Número de patentes internacionais
licenciadas,
PNL = Número de patentes nacionais licenciadas.
PIC = Número de patentes internacionais
concedidas,
PNC = Número de patentes nacionais concedidas.
PID = Número de patentes internacionais
depositadas,
PND = Número de patentes nacionais depositadas
SNR = Software registrado
CLI = Número de Capítulos de livros de circulação
internacional
CLN = Número de Capítulos de livros de circulação
nacional.
LID = Número de livros (texto integral) com
repercussão tecnológica, de extensão ou didáticos
(não científica).
OT = avaliação qualitativa. Neste tópico, a partir de
uma avaliação global, devem ser considerados e
pontuados outros itens de produção técnica dos
docentes permanentes, tais como:
·
Prestação de serviço (serviços técnicos,
consultorias, assessorias, pareceres, auditorias,
análises econômicas, relatórios técnicos e

29

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
Diretoria de Avaliação

DOCUMENTO DE ÁREA 2013
similares).
·
Desenvolvimento de material didático e
instrucional (manuais, protocolos).
·
Desenvolvimento
de
produto
(desenvolvimento de aplicativo, protótipo, software
livre / sem registro, serviços de informação).
·
Desenvolvimento de técnica ou processo
(aperfeiçoamento de processos de produção,
controle da produção e da qualidade; proposição e
desenvolvimento de modelos de gestão).
·
Elaboração de projeto
·
Divulgação Técnica (artigos publicados em
revistas técnicas, jornais e revistas de divulgação
para o público em geral; apresentações de trabalhos;
publicações em conferências; programas de rádio
ou televisão; divulgações dos trabalhos realizados e
resultados obtidos em congressos técnicos com
efetiva participação dos profissionais do setor
produtivo; e publicações técnicas com expressiva
circulação no setor produtivo, as quais devem ser
especialmente valorizadas).
·
Revisões para Periódicos Nacionais e
Internacionais; Pareceres para Órgãos de Fomento
Institucionais.
·
Outro Tipo de Produção Técnica
considerada relevante e relatada pelo próprio
Programa.
Obs. Nesse item, apenas as patentes concedidas e
licenciadas não são passíveis de saturação.
O programa com maior índice receberá a totalidade
dos pontos percentuais e os demais programas serão
pontuados proporcionalmente.

5 ­ Inserção Social

10%

5.1. Inserção e impacto regional e (ou) 40% Neste item será verificada a participação de
nacional do programa.
membros do corpo docente e discente em ações que
favoreçam a inserção e o impacto regional e/ou
nacional.
5.2. Integração e cooperação com outros 40% Neste item será verificada a participação formal em
programas e centros de pesquisa e
projetos de cooperação entre programas com níveis
desenvolvimento
profissional
de consolidação diferentes, voltados para a
relacionados à área de conhecimento do
inovação na pesquisa ou o desenvolvimento da pós-

30

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
Diretoria de Avaliação

DOCUMENTO DE ÁREA 2013
programa,
com
vistas
ao
graduação. Na participação, de forma geral, em
desenvolvimento da pesquisa e da pósprogramas de cooperação e intercâmbio formais e
graduação.
sistemáticos.
5.3 - Visibilidade ou transparência dada 20% Neste item será verificada a transparência do
pelo programa à sua atuação.
programa na disseminação de informações,
eletronicamente, tanto de dados atualizados sobre o
funcionamento e a atuação do programa quanto
deixar disponível, na íntegra, as teses e dissertações
defendidas e aprovadas.

MESTRADO PROFISSIONAL
Quesitos / Itens

1 ­ Proposta do Curso

Peso

Definições e Comentários sobre o Quesito/Itens

0%

1.1.
Coerência,
consistência, 25% - Examinar se o conjunto de atividades e
abrangência e atualização da(s) área(s)
disciplinas, com suas ementas, atende às
de concentração, linha(s) de atuação,
características do campo profissional, à(s) área(s)
projetos em andamento, proposta
de concentração proposta(s), linha(s) de atuação e
curricular com os objetivos do Programa
objetivos definidos pelo Programa em consonância
com os objetivos da modalidade Mestrado
Profissional.
1.2.
Coerência,
consistência
e 25% - Examinar se o conjunto de mecanismos de
abrangência dos mecanismos de
interação e as atividades previstas junto aos
interação efetiva com outras instituições,
respectivos campos profissionais são efetivos e
atendendo
a
demandas
sociais,
coerentes para o desenvolvimento desses
organizacionais ou profissionais.
campos/setores e se estão em consonância com o
corpo docente.
1.3. Infraestrutura para ensino, pesquisa 20% - Examinar a adequação da infraestrutura para o
e administração.
ensino, a pesquisa, a administração, as condições
laboratoriais ou de pesquisa de campo, áreas de
informática e a biblioteca disponível para o
Programa.
1.4. Planejamento do Programa visando
30% - Examinar as perspectivas do Programa, com
ao atendimento de demandas atuais ou
vistas a seu desenvolvimento futuro, contemplando
futuras de desenvolvimento nacional,
os desafios da área na produção e aplicação do
regional ou local, por meio da formação
conhecimento, seus propósitos na melhor formação
de profissionais capacitados para a
de seus alunos, suas metas quanto à inserção social
solução de problemas de forma
e profissional mais rica dos seus egressos conforme
inovadora.
os parâmetros da área.

31

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
Diretoria de Avaliação

DOCUMENTO DE ÁREA 2013
2. Corpo Docente

20%

2.1. Perfil do corpo docente,
50%
considerando experiência como
pesquisador e/ou profissional, titulação e
sua adequação à Proposta do Programa.

Este item será analisado através de dois subitens:
1) Subitem 1. (Peso no Quesito = 20%)
- Examinar o número de DP que possuem Bolsa de
Produtividade CNPq ou equivalente: PQ
(Produtividade em Pesquisa, incluindo Pesquisador
Sênior) e DT (Bolsa de Produtividade em
Desenvolvimento
Tecnológico
e
Extensão
Inovadora) ou bolsas equivalentes
2) Subitem 2. (Peso no Quesito = 30)
Examinar se o Corpo Docente Permanente (DP) é
formado por doutores, profissionais e técnicos com
experiência
em
pesquisa
aplicada
ao
desenvolvimento e à inovação (conforme o
estabelecido no art 7o da Portaria Normativa MEC
no 17, de 28 de dezembro de 2009 - Portaria
Ministerial sobre Mestrado Profissional).
Verificar e valorizar a participação no corpo
docente de membros que agreguem e integrem os
perfis de pesquisa e experiência profissional extraacadêmica, através do envolvimento em atividades
com organizações externas ao meio acadêmico,
com efetiva atuação em atividades de extensão ou
inovação. Uma forma de mensurar e identificar
atuação integrada nestes dois segmentos é
considerar a produção bibliográfica qualificada e a
produção técnica. A participação de docentes, com
este perfil, deve ser mais valorizada do que a de
docentes com envolvimento unicamente em
atividades acadêmicas ou profissionais. Docentes
permanentes sem orientação alguma poderão ser
considerados como colaboradores.
- Examinar se o Corpo Docente atua em P,D&I nas
áreas de concentração do Mestrado Profissional.
Conforme Portaria 01 de 02/2012 da CAPES e
deliberação da 141ª reunião do CTC a área define
em 20 o número máximo de orientandos por
orientador. A extapolação deste limite será
considerado individualmente pela área.

32

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
Diretoria de Avaliação

DOCUMENTO DE ÁREA 2013
2.2. Adequação da dimensão,
composição e dedicação dos docentes
permanentes para o desenvolvimento das
atividades de pesquisa e formação do
Programa.

30%

- Examinar a adequada proporção de Docentes
Permanentes em relação ao total de docentes para
verificar a existência ou não de dependência em
relação a docentes colaboradores ou visitantes.
- Examinar a participação de docentes em projetos
de pesquisa científicos e tecnológicos financiados
pelo setor industrial ou pela área de política social
correspondente.
- Examinar a carga horária de dedicação dos
docentes permanentes considerando o estabelecido
pelo inciso VI do artigo 7 da Portaria Normativa
MEC no 17, de 28 de dezembro de 2009: "o
programa deve comprovar carga horaria e condição
de trabalho dos docentes compatíveis com as
necessidades do curso, admitido o regime de
dedicação parcial".

2.3.
Distribuição das atividades de 20% - Examinar a distribuição das atividades de ensino,
pesquisa, projetos de desenvolvimento e
pesquisa e desenvolvimento e orientação do
inovação e de formação entre os
programa entre os Docentes Permanentes.
docentes do Programa.
Este item deve verificar qual é a porcentagem de
docentes Permanentes envolvidos em atividades de
pesquisa e de formação, observando-se a seguinte
participação mínima:
1.
Lecionar pelo menos duas disciplinas no
Programa no triênio;
2.
Participar de pelo menos uma publicação
em periódicos A1, A2, B1 no triênio;
3.
Ter pelo menos duas orientações
concluídas no Programa no triênio.

3. Corpo Discente e Trabalhos de
Conclusão
3.1. Quantidade de trabalhos de
conclusão aprovados no período e sua
distribuição em relação ao corpo
discente matriculado e ao corpo docente
do programa

25%
30% Este item deverá ser avaliado de forma comparativa
com base no desempenho médio da área.
Deve-se observar que o mestrado profissional é
orientado para atender a demanda, não podendo
ultrapassar uma quantidade de orientação que

33

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
Diretoria de Avaliação

DOCUMENTO DE ÁREA 2013
comprometa a qualidade das dissertações. Deve-se
também observar que pode haver Programas que
funcionam de forma intermitente, em função de
características da demanda (com diferenciações
regionais) podendo não haver turmas em alguns
períodos. Isto não deve prejudicar a avaliação do
Programa.
Este item é composto de três subitens:
Subitem 1.
- Examinar a relação entre o número de trabalhos
(conforme preconizado no art 10o da Portaria
Normativa MEC no 17, de 28 de dezembro de 2009)
concluídos e o número total de docentes do
programa.
Subitem 2.
PSA = (número de Docentes Permanentes que não
apresentaram Mestres titulados) / (número de
docentes permanentes).
Subitem 3. (Peso no Quesito = 5%)
-Examinar a relação entre o número de trabalhos
(conforme preconizado no art 10oda Portaria
Normativa MEC nº 17, de 28 de dezembro de
2009) concluídos e o número de alunos
matriculados no período.
3.2. Qualidade dos trabalhos de
conclusão produzidos por discentes e
egressos

40% Este item deverá ser avaliado de forma comparativa
com base no desempenho médio da área.
Examinar as publicações em congressos,
periódicos, revistas, livros e outros meios de
divulgação científica ou técnica.
Examinar a produção técnica, que não foi objeto de
publicação dos alunos e egressos.
Neste item deve-se fazer uma compensação nas
faixas, para os casos em que a demanda para o
curso está sujeita a variações que levam a um
funcionamento intermitente.
É esperado que todo trabalho de conclusão venha a
gerar produção intelectual relacionada aos seus
resultados. Isso pode ou não envolver produção
científica mais qualificada, mas a produção técnica
com efetiva participação do discente deve ser
valorizada.
Pode não ser possível publicar todos os trabalhos,
dada a sua natureza bastante diferenciada do MP,

34

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
Diretoria de Avaliação

DOCUMENTO DE ÁREA 2013
podendo haver situações de sigilo. Devem-se
considerar as informações recebidas sobre estes
casos.
A quantidade de publicações de discentes e
egressos é avaliada de acordo com a seguinte
expressão:
QTD = 2PI + PN + 0,1 x PID + 0,05 x PND + 0,05
x SNR + A1 + A2x0,85 + B1x0,7 +B2x0,5 +
B3x0,2 + B4x0,10 + B5x0,05 + Anais (0,1 x
Internacional + 0,05 x Nacionais + 0,025 x
Resumos Estendidos Internacionais)
onde:
PI =
Número de patentes internacionais
concedidas,
PN = Número de patentes nacionais concedidas.
PID =
Número de patentes internacionais
depositadas,
PND = Número de patentes nacionais depositadas
SNR = Software registrado
A1 = Número de publicações classificadas como
A1 no Qualis Periódicos das Engenharias III.
A2 = Número de publicações classificadas como
A2 no Qualis Periódicos das Engenharias III.
B1 = Número de publicações classificadas como B1
no Qualis Periódicos das Engenharias III.
B2 = Número de publicações classificadas como B2
no Qualis Periódicos das Engenharias III.
B3 = Número de publicações classificadas como B3
no Qualis Periódicos das Engenharias III.
B4 = Número de publicações classificadas como B4
no Qualis Periódicos das Engenharias III.
B5 = Número de publicações classificadas como B5
no Qualis Periódicos das Engenharias III.
3.3. Aplicabilidade dos trabalhos
produzidos

30%

4. Produção Intelectual

35%

4.1. Publicações qualificadas do
Programa por docente permanente

35% Examinar o número total de publicações de
docentes permanentes do programa no triênio,
considerando o PQD, que é indicador referente às
Publicações
Qualificadas
dos
Docentes
permanentes em relação ao total de Docentes do

Examinar a aplicabilidade do trabalho de mestrado
desenvolvido junto à empresa, ao órgão
público/privado, etc., impacto dos Trabalhos de
Conclusão e da atuação profissional do egresso.

35

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
Diretoria de Avaliação

DOCUMENTO DE ÁREA 2013

4.2. Produção artística, técnica, patentes
e outras produções consideradas
relevantes.

programa.
PQD = número de publicações dos docentes
permanentes / TD.
Numerador de PQD = A1 + A2x0,85 + B1x0,7
+B2x0,5 + B3x0,2 + B4x0,10 + B5x0,05.
onde:
A1 = Número de publicações classificadas como
A1 no Qualis Periódicos das Engenharias III.
A2 = Número de publicações classificadas como
A2 no Qualis Periódicos das Engenharias III.
B1 = Número de publicações classificadas como
B1 no Qualis Periódicos das Engenharias III.
B2 = Número de publicações classificadas como
B2 no Qualis Periódicos das Engenharias III.
B3 = Número de publicações classificadas como
B3 no Qualis Periódicos das Engenharias III.
B4 = Número de publicações classificadas como
B4 no Qualis Periódicos das Engenharias III.
B5 = Número de publicações classificadas como
B5 no Qualis Periódicos das Engenharias III.
25% Esse item será avaliado pela comissão conforme
segue:
PTC= [QTP (produção técnica quantificada dos
docentes Permanentes) /TD] +OT
QTP = 4 x PIL + 3 x PNL + 2 x PIC + PNC + 0,1 x
PID + 0,05 x PND + 0,05 x SNR + 0,2 x CLI + 0,1
x CLN + 0,5 x LID + 0,2 x Anais (Internacional) +
0,1 x Anais (Nacionais) + 0,05 x Resumos
Estendidos Internacionais
onde:
PIL = Número de patentes internacionais
licenciadas,
PNL = Número de patentes nacionais licenciadas.
PIC = Número de patentes internacionais
concedidas,
PNC = Número de patentes nacionais concedidas.
PID = Número de patentes internacionais
depositadas,
PND = Número de patentes nacionais depositadas
SNR = Software registrado
CLI = Número de Capítulos de livros de circulação
internacional
CLN = Número de Capítulos de livros de
circulação nacional.

36

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
Diretoria de Avaliação

DOCUMENTO DE ÁREA 2013
LID = Número de livros (texto integral) com
repercussão tecnológica, de extensão ou didáticos
(não científica).
OT = avaliação qualitativa. Neste tópico devem-se
considerar outros itens de produção técnica dos
docentes permanentes, e pontuado com base nos
seguintes tópicos, com base em uma avaliação
global.
4.3. Distribuição da produção científica e 20% - Examinar a distribuição da publicação qualificada
técnica ou artística em relação ao corpo
e da produção técnica entre os docentes
docente permanente do Programa
permanentes do programa.
DPD é indicador da Distribuição das Publicações
por Docente permanente do programa:
DPD = porcentagem de docentes permanentes que
tiveram participação em publicações A1, A2, B1,
patentes e softwares, no triênio.
Obterão o conceito MUITO BOM os programas
que exibirem uma distribuição de publicações
qualificadas equilibrada entre os docentes
permanentes.
4.4. Articulação entre a produção
artística, técnica e científica entre si e
com a proposta do programa.

20% - Examinar a articulação entre a publicação
científica qualificada do programa e a produção
técnica, observando sua conexão com a proposta
do programa. Examinar também, em que grau há
uma relação entre a produção qualificada do
programa e as dissertações desenvolvidas.
Observa-se que a produção de pesquisa
desenvolvida por membros do corpo docente do
programa, mesmo sem a participação direta de
membros do corpo discente, pode ter impacto sobre
a qualidade dos trabalhos de dissertação, quando
tematicamente relacionados, provocando uma
ampliação no grau de inovação que se espera
destas dissertações.

5. Inserção Social

20%

5.1. Impacto do Programa

40%

- Examinar se a formação de recursos humanos
qualificados para a sociedade busca atender aos
objetivos definidos para a modalidade Mestrado
Profissional, contribuindo para o desenvolvimento
dos discentes envolvidos no projeto, das

37

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
Diretoria de Avaliação

DOCUMENTO DE ÁREA 2013
organizações públicas ou privadas do Brasil.
- Examinar se o Mestrado Profissional atende
obrigatoriamente a uma ou mais dimensões de
impacto (tais como dimensão: social, educacional,
sanitário, tecnológico, econômico, ambiental,
cultural, artístico, legal, etc.), nos níveis local,
regional ou nacional.
a) Impacto social: formação de recursos humanos
qualificados para a Administração Pública ou a
sociedade que possam contribuir para o
aprimoramento da gestão pública e a redução da
dívida social, ou para a formação de um público
que faça uso dos recursos da ciência e do
conhecimento no melhoramento das condições de
vida da população e na resolução dos mais
importantes problemas sociais do Brasil.
b) Impacto educacional: contribuição para a
melhoria da educação básica e superior, o ensino
técnico/profissional e para o desenvolvimento de
propostas inovadoras de ensino.
c) Impacto tecnológico: contribuição para o
desenvolvimento local, regional e/ou nacional
destacando os avanços gerados no setor
empresarial; disseminação de técnicas e de
conhecimentos.
d) Impacto econômico: contribuição para maior
eficiência nas organizações públicas ou privadas,
tanto de forma direta como indireta.
e)Impacto sanitário: contribuição para a formação
de recursos humanos qualificados para a gestão
sanitária bem como na formulação de políticas
específicas da área da Saúde.
f) Impacto profissional: contribuição para a
formação de profissionais que possam introduzir
mudanças na forma como vem sendo exercida a
profissão, com avanços reconhecidos pela
categoria profissional.

38

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
Diretoria de Avaliação

DOCUMENTO DE ÁREA 2013

5.2. Integração e cooperação com outros
Cursos/Programas com vistas ao
desenvolvimento da pós-graduação.

5.3. Integração e cooperação com
organizações e/ou instituições setoriais
relacionados à área de conhecimento do
Programa, com vistas ao
desenvolvimento de novas soluções,
práticas, produtos ou serviços nos
ambientes profissional e/ou acadêmico.

5.4. Divulgação e transparência das
atividades e da atuação do Programa

h) Impacto legal: contribuição para a formação de
profissionais que possam aprimorar procedimentos
e a normatização na área jurídica, em particular
entre os operadores do Direito, com resultados
aplicáveis na prática forense.
20% - Examinar a participação em programas de
cooperação e intercâmbio sistemáticos com outros
na mesma área; a participação em projetos de
cooperação entre cursos/Programas com níveis de
consolidação diferentes, voltados para a inovação,
na pesquisa, o desenvolvimento da pós-graduação
ou o desenvolvimento econômico, tecnológico e/ou
social, particularmente em locais com menor
capacitação científica ou tecnológica.
20% - Examinar a participação em convênios ou
programas
de
cooperação
com
organizações/instituições setoriais, voltados para a
inovação na pesquisa, o avanço da pós-graduação
ou o desenvolvimento tecnológico, econômico e/ou
social no respectivo setor ou região; a abrangência
e quantidade de organizações/instituições a que
estão vinculados os alunos; a introdução de novos
produtos ou serviços (tecnológicos, diagnósticos,
etc.), no âmbito do Programa, que contribuam para
o desenvolvimento local, regional ou nacional.
20% - Examinar a divulgação atualizada e sistemática
do Programa, poderá ser realizada de diversas
formas, com ênfase na manutenção de página na
internet. Entre outros itens, será importante a
descrição pública de objetivos, estrutura curricular,
critérios de seleção de alunos, corpo docente,
produção técnica, científica dos docentes e alunos,
financiamentos recebidos da Capes e de outras
agências públicas e entidades privadas, parcerias
institucionais, difusão do conhecimento relevante e
de boas práticas profissionais, entre outros. A
procura de candidatos pelo Programa pode ser
considerada desde que relativizada pelas
especificidades regionais e de campo de atuação.
- Examinar a divulgação dos trabalhos finais,
resguardadas as situações em que o sigilo deve ser
preservado (Portaria CAPES nº 13/2006)

39

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
Diretoria de Avaliação

DOCUMENTO DE ÁREA 2013

VI. Considerações e definições sobre internacionalização/inserção internacional
Os programas que estão no SNPG das quatro áreas da Engenharias no País tem tido uma
grande visibilidade internacional quanto à sua produção científica mais qualificada. Para esta
grande área do saber, o País, de 2004 à 2007, esteve entre os 25 países com maior quantidade
de artigos científicos indexados e a partir de 2008 entre os 20 maiores, base SCImago. A
evolução da quantidade de artigos das Engenharias é apresentada na figura 10.

Fonte: SCImago Journal & Country Ranking 2013

Figura 10. Evolução da quantidade de artigos indexados das Engenharias.

A Figura 11 apresenta as citações e quantidade de artigos indexados das Engenharias na
base SCImago do País.

40

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
Diretoria de Avaliação

DOCUMENTO DE ÁREA 2013

Fonte: SCImago Journal & Country Ranking 2013

Figura 11: Evolução das citações e publicações de artigos indexados das Engenharias

Há que se observar, todavia, que apesar do grande crescimento tido, há outros países que
igualmente tem tido grande crescimento e visibilidade internacional nas Engenharias. A
Figura 12 apresenta a relação da quantidade de artigos indexados em Engenharia dos EUA
pela dos países apresentados.

41

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
Diretoria de Avaliação

DOCUMENTO DE ÁREA 2013

Fonte: SCImago Journal & Country Ranking 2013

Figura 12: Razão da quantidade de artigos dos EUA por Países

Com o Programa Ciência Sem Fronteiras entende-se que em futuro próximo os impactos
positivos da maior Cooperação Internacional, junto aos grandes centros do saber, para a área
apareçam de forma significativa.
Considerações sobre atribuição de notas 6 e 7:
Parte da tradução desta internacionalização das Engenharias relaciona-se diretamente com os
programas mais consolidados da área, principalmente junto aos Programas com nota 6 e 7.
A seguir são listadas as características mínimas que um Programa deve apresentar, para que

42

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
Diretoria de Avaliação

DOCUMENTO DE ÁREA 2013
este seja indicado a receber as notas 6 ou 7:
·

Desempenho diferenciado no que diz respeito à produção científica.

·

Possuir nível de excelência equivalente a bons Programas semelhantes no exterior.

·
Sinais evidentes de que o corpo docente desempenha papel de liderança e
representatividade na sua respectiva comunidade.
·
Programas 7 devem ter desempenho claramente destacado dos demais, inclusive
daqueles com 6.
A seguir são listados alguns indicadores que os Programas 6 ou 7 devem atender em sua
grande maioria:
·
Ter produção científica compatível e bem distribuída entre seus docentes, com
participação de discentes ou egressos.
·
Demonstrar captação de recursos em órgãos de fomento nacionais e internacionais,
principalmente de grande porte, conforme o padrão das áreas e subáreas correlatas.
·

Apresentar participação destacada em projetos de cunho tecnológico.

·
A maior parte dos docentes do Programa deve apresentar bolsa de produtividade,
preferencialmente do nível 1 junto ao CNPq ou equivalente.
·
Ter docentes que fazem parte de Comitês Organizadores de congressos nacionais e
internacionais, bem como de Corpos Editoriais de periódicos de circulação nacional e
internacional, especialmente aqueles indexados no ISI e no SCOPUS.
·
Ter docentes com participação relevante (direção, comissões, conselhos) em
organismos profissionais e técnico-científicos.
·

Ter docentes com premiações e distinções nacionais e internacionais.

·
Apresentar publicações de seus docentes com alto número de citações nas bases
indexadoras.
·

Apresentar produção científica em conjunto com pesquisadores de centros de

43

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
Diretoria de Avaliação

DOCUMENTO DE ÁREA 2013
excelência do exterior, exceto os oriundos de teses de doutorado do próprio docente;
·

Conduzir programas efetivos de intercâmbio com centros de excelência do exterior;

·
Captar recursos em organismos, agências e empresas internacionais para o
desenvolvimento de projeto de pesquisa;
·
Ter docentes com participação relevante (presidente de mesa, organizador, membro de
Comitê Científico, palestrante convidado) em eventos internacionais importantes;
·
Ter docentes com participação como convidados em centros de excelência (não se trata
aqui da participação em programas de pós-doutorado);
·

Ter alunos oriundos de outros países.

·
Ultrapassar níveis de produção (intelectual e de teses de doutorado) que demonstrem
excepcionalidade em cada uma das áreas das engenharias;
·
Apresentar consolidação e liderança nacional do programa como formador de recursos
humanos para a pesquisa e a pós-graduação;
Seleção dos Programas.
Os Programas 6 e 7 devem representar a excelência da Área. Assim, a seleção dos Programas
será feita da seguinte forma:
·
Os Programas inicialmente classificados com nota 5 que se destacarem, serão indicados
para receber a nota 6 ou 7. Não serão considerados neste conjunto Programas que passaram
da nota 4 para 5 nesta avaliação.
As notas 6 e 7 são reservadas exclusivamente para os programas com doutorado que obtiveram
nota 5 e conceito "Muito Bom" em todos os quesitos (Proposta do Programa; Corpo Docente,
Teses e Dissertações; Produção Intelectual e Inserção Social) da ficha de avaliação e que
atendam, necessariamente, a três condições:
Nota 6: predomínio do conceito "Muito Bom" nos itens de todos os quesitos da
ficha de avaliação, mesmo com eventual conceito "Bom" em alguns itens; nível de
desempenho (formação de doutores e produção intelectual) diferenciado em relação
aos demais programas da área; e desempenho equivalente ao dos centros
internacionais de excelência na área (internacionalização e liderança).

44

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
Diretoria de Avaliação

DOCUMENTO DE ÁREA 2013
Nota 7: conceito "Muito Bom" em todos os itens de todos os quesitos da ficha de
avaliação; nível de desempenho (formação de doutores e produção intelectual)
altamente diferenciado em relação aos demais programas da área; e desempenho
equivalente ao dos centros internacionais de excelência na área (internacionalização
e liderança).

45

Comissão de Área - Avaliação
Período de Avaliação:
Área de Avaliação:

2010 a 2012
Etapa:
13 - ENGENHARIAS III

Avaliação Trienal 2013

Comissão Responsável pela Avaliação:

Sigla IES

ALISSON ROCHA MACHADO

UFU

Consultor(a)

ANA PAULA CABRAL SEIXAS COSTA

UFPE

Coordenador(a) Adjunto(a) Mestrado Profissional

ANGELA OURIVIO NIECKELE

PUC-RIO

Consultor(a)

ARMANDO ZEFERINO MILIONI

ITA

Consultor(a)

CRISTIANO ALEXANDRE VIRGINIO CAVALCANTE

UFPE

Consultor(a)

EDGAR NOBUO MAMIYA

UNB

Consultor(a)

EDSON LUIZ FRANCA SENNE

UNESP/GUAR

Consultor(a)

EMANUEL NEGRAO MACEDO

UFPA

Consultor(a)

EVE MARIA FREIRE DE AQUINO

UFRN

Consultor(a)

FLAVIO SANSON FOGLIATTO

UFRGS

Consultor(a)

HELCIO RANGEL BARRETO ORLANDE

UFRJ

Coordenador(a) Adjunto(a)

HORACIO HIDEKI YANASSE

UNIFESP

Consultor(a)

IDAGENE APARECIDA CESTARI

USP

Consultor(a)

JADER RISO BARBOSA JUNIOR

UFSC

Consultor(a)

JANES LANDRE JUNIOR

PUC/MG

Consultor(a)

JOAO ROBERTO FERREIRA

UNIFEI

Consultor(a)

JOSE ROBERTO DE FRANCA ARRUDA

UNICAMP

Consultor(a)

JOSE VIRIATO COELHO VARGAS

UFPR

Consultor(a)

JULIO ROMANO MENEGHINI

USP

Consultor(a)

LAURA SILVIA BAHIENSE DA SILVA LEITE

UFRJ

Consultor(a)

LEANDRO ALCOFORADO SPHAIER

UFF

Consultor(a)

LILIANE BASSO BARICHELLO

UFRGS

Consultor(a)

LUIS MAURO MOURA

PUC/PR

Consultor(a)

LUIZ CESAR RIBEIRO CARPINETTI

USP

Consultor(a)

MARCELO EMBIRUCU DE SOUZA

UFBA

Consultor(a)

MARIO SERGIO SALERNO

USP

Consultor(a)

NEI YOSHIHIRO SOMA

ITA

Coordenador(a)

OSMAR POSSAMAI

UFSC

Consultor(a)

OSVALDO LUIS GONCALVES QUELHAS

UFF

Consultor(a)

REGINALDO TEIXEIRA COELHO

USP/SC

Consultor(a)

REINALDO CASTRO SOUZA

PUC-RIO

Consultor(a)

REINALDO MORABITO NETO

UFSCAR

Consultor(a)

VICENTE LOPES JUNIOR

UNESP/IS

Consultor(a)

VILSON ROSA DE ALMEIDA

ITA

Consultor(a)

ZAQUEU ERNESTO DA SILVA

UFPB

Consultor(a)