Métodos de contenção e estabilização de processos erosivos
avançados e voçorocas no Brasil
Natália Campos Teixeira ­ UFSJ
Mestre em Bioengenharia de Sistemas Ecológicos ­ UFSJ
E-mail: [email protected]
Fone: (32) 9922-3501
Carla Daniele de Carvalho Guimarães ­ UFSJ
Mestre em Ecologia Aplicada ­ UFLA
E-mail: [email protected]
Fone: (32) 9163-0039
Data de recepção: 17/09/2012
Data de aprovação: 28/10/2012

Resumo: A voçoroca é a evolução de um processo erosivo intenso causado
pela concentração de enxurradas em depressões mal protegidas que
acumulam grandes volumes de água a uma alta velocidade. Devido a prejuízos
trazidos pela perda de terras agrícolas, redução na produção das lavouras e
aumento acentuado no acúmulo de sedimentos dos rios, as áreas voçorocadas
têm recebido grande atenção. Na tentativa de minimizar tal problema, muitas
técnicas estão sendo aprimoradas. Essas técnicas, baseadas na pesquisa
bibliográfica e descrição, serão alvo da discussão deste artigo.
Palavras-chave: Voçorocas ­ Estabilização ­ Contenção

1

Introdução
Atualmente é crescente a preocupação com o meio ambiente. Desse
modo, pelos inúmeros danos que podem causar, as voçorocas têm recebido
uma grande atenção.
De acordo com Lopes e Guerra (2001), `voçoroca' pode ser
compreendida como uma escavação ou rasgão de solo ou rocha decomposta,
que permite a exposição do lençol subterrâneo.
Desde os tempos mais remotos, as causas para a degradação do solo já
eram apontadas: implantação de estradas rurais, trilhas de carros de boi,
divisórias de fazendas na forma de sulcos resultaram em erosões, que se
transformaram em imensas voçorocas. Atualmente, o desmatamento para a
fabricação de carvão vegetal, o uso incorreto do solo para a agricultura, a
pecuária e obras de engenharia civil são os principais responsáveis pelos
danos ambientais causados pelas voçorocas (CABRAL et al, 2002).
As voçorocas podem ser formadas através de erosão superficial, erosão
subsuperficial e movimentos de massa (BACELLAR, 2006). Além disso, seu
grau de desenvolvimento determina sua atividade; assim, voçorocas com
baixos níveis de vegetação e com encostas mais íngremes são classificadas
como ativas (PEREIRA et al, s. d.).
Fatores como a erosividade do agente (potencial de erosão da água) e a
erodibilidade do solo (suscetibilidade à erosão do solo) contribuem para
intensificar a erosão. Fatores antrópicos, como queimadas, desmatamento e
manejo inadequado de plantações; fatores geológicos passivos e ativos;
fatores

pedológicos,

geomorfológicos

fatores

também

são

climáticos

ativos

apontados

por

e

passivos

Bacellar

e

(2006)

fatores
como

determinantes para o desenvolvimento e surgimento de áreas voçorocadas.
A perda de sedimentos devido à precipitação é a principal causa para o
surgimento e o consequente crescimento de uma voçoroca: quanto maior o
volume de chuvas em uma área, maior a propensão ao surgimento desse tipo
de erosão. Outro fator hidrológico importante é a taxa de infiltração do solo:
regiões onde essa taxa é baixa são mais propensas ao escoamento superficial
causando, assim, o deslocamento de um grande volume de sedimentos e,
dessa forma, a lixiviação de massa, que poderá culminar na formação da
voçoroca (CARDOSO; PIRES, 2009).
2

As voçorocas são classificadas pela sua profundidade e pela área de
sua bacia. De acordo com Bertoni e Lombardi Neto (1990), elas são profundas
quando têm mais de 5m de profundidade; médias, quando têm de 1 a 5m; e
pequenas, com menos de 1m. Pela área da bacia, elas são consideradas
pequenas quando a área de drenagem é menor do que 2 hectares; médias,
quando de 2 a 20 hectares, e grandes, quando têm mais de 20 hectares.
Eliminação de terras férteis, destruição de estradas e outras obras de
engenharia; riscos de desmoronamentos de casas; assoreamento de rios e
reservatórios; recobrimento de solos férteis nas planícies de inundação;
destruição de habitats; rebaixamento do lençol freático no entorno, com
secagem de nascentes; deterioração de pastagens e culturas agrícolas e
redução da produção de cisternas; dificuldade de acesso a determinadas áreas
­ essas são algumas das consequências mais graves de erosões intensas.
A prevenção ainda é a melhor maneira de se livrar do problema, pois,
uma vez instalada essa forma de erosão, torna-se quase sempre inviável sua
eliminação, restando como alternativa a sua estabilização para evitar a
intensidade do problema (GOULART, 2006). A

recuperação

depende

da

disponibilidade de nutrientes e da umidade do solo, fatores que normalmente
se acham em níveis inadequados em áreas erodidas (RESENDE et al, 1995).
O conhecimento das espécies vegetais com capacidade de estabelecimento
em locais de condições adversas, associadas aos padrões de dispersão e de
regeneração natural, é fundamental para o controle dos processos erosivos,
ampliando as possibilidades de sucesso nas intervenções direcionadas para a
recuperação de áreas degradadas (SEITZ, 1994).
Para Bertoni e Lombardi Neto (1990), o controle das áreas críticas em
processo de voçorocamento deve ser realizado com os seguintes objetivos: (a)
intercepção da enxurrada acima da área de voçorocas, com terraços de
diversão; (b) retenção de enxurrada na área de drenagem, por meio de práticas
de cultivo, de vegetação e estruturas específicas; (c) eliminação das grotas e
voçorocas, com acertos do terreno executados com grandes equipamentos e
movimentação de terra; (d) revegetação da área; (e) construção de estruturas
para deter a velocidade das águas ou até mesmo armazená-las; (f) completa
exclusão do gado; (g) controle de sedimentação das grotas e voçorocas ativas.

3

A retenção da água que provoca a voçoroca, a proteção contra
pastoreio, pisoteamento do gado e fogo, e a remoção de outras causas
prejudiciais são as principais medidas mitigadoras. Desse modo, este trabalho
objetiva discutir as técnicas utilizadas para impedir tais causas prejudiciais e,
assim, o controle e a contenção das voçorocas.

1. Referencial teórico
Segundo a EMBRAPA (2002), para que haja soluções eficazes para a
minimização dos processos erosivos acentuados, primeiramente é necessário
que se isole a área afetada. Realizar análises químicas e texturais do solo para
o conhecimento da fertilidade também se torna extremamente necessário, pois
são dados importantes para a aplicação de insumos necessários ao
desenvolvimento das plantas a serem cultivadas no local e para a implantação
das melhores práticas para controle da erosão. Podem ainda ser construídas
estruturas físicas, diminuindo, assim, a perda e movimentação de sedimentos
que são as principais causas do aparecimento das voçorocas. A seguir, as
principais medidas de contenção aplicadas no contexto atual.
1.1 Revegetação
De acordo com Bertoni e Lombardi Neto (1990), a cobertura vegetal é a
defesa natural de um terreno contra a erosão, através dos seguintes
benefícios: (1) proteção direta contra o impacto das gotas de chuvas; (2)
dispersão da água, interceptando-a e vaporando-a antes de atingir o solo; (3)
decomposição das raízes das plantas que, formando canalículos no solo
aumentam a infiltração de água; (4) melhoramento da estrutura do solo pela
adição de matéria orgânica, aumentando assim sua capacidade de retenção de
água e (5) diminuição da velocidade de escoamento da enxurrada pelo
aumento do atrito na superfície.
Para Guerra et al. (2007), após a retirada da cobertura vegetal, o solo
fica exposto a diversas intempéries, como o sol, a chuva, os ventos. Isso
culmina na redução de sua permeabilidade. A redução da permeabilidade
aumenta a compactação do solo, desencadeando sérios problemas, como
processos erosivos, principalmente do tipo laminar, que além de o degradarem
também o empobrecem. Para Derisio (2000), todo esse processo pode se
4

tornar ainda mais agressivo ao ambiente, pois o solo retirado de um
determinado lugar pelo escoamento laminar irá se acumular no leito dos rios,
causando assoreamentos que desestabilizarão todo o ecossistema aquático.
Assim, Farias (1992) acredita que a importância da revegetação em
áreas degradadas por erosão está na captação e transformação de energia,
que manterá toda a cadeia trófica, gerando sítios ecológicos associados aos
fatores ambientais e melhorando também o seu impacto visual. Objetiva
também atrair dispersores como pássaros, insetos e outros animais de
pequeno porte que são importantes para promover a autossustentabilidade de
ecossistema.
Entretanto, é necessário salientar que nem todas as espécies ou grupos
de plantas são adequados para o processo. Mathias et al (2002) sugerem que
as pastagens não se constituem coberturas vegetacionais efetivas na
conservação dos solos, fato que, aliado ao pisoteio do gado, favorece a
formação de sulcos erosivos, agravando ainda mais o problema das erosões.
Para o controle do processo erosivo, é importante a presença de
espécies vegetais com capacidade de estabelecimento em locais de condição
adversa, já que sua existência e vigor dependem da disponibilidade de
nutrientes e umidade do solo, fatores que prevalecem em níveis insuficientes
nas áreas erodidas (STOCKING, 1982).
No processo de sucessão ecológica, as espécies de pequeno porte
tendem a ser substituídas por outras de porte arbóreo, que tornam esses
ambientes mais estáveis (SALAS, 1987). Esse processo passa por várias
etapas até atingir o que se denomina clímax, fase que coincide com a
estabilização da voçoroca.
Estudos realizados por Goulart et al (2006) comprovaram que a Acacia
mangium e a Inga uruguensis são espécies que crescem rapidamente,
podendo, então, ser utilizadas na estabilização de voçorocas em processo mais
avançado. Ressalta-se ainda o uso de Inga uruguensis, porque apresentou
relação positiva entre teor de umidade e crescimento.
De forma geral, muitos autores destacam a importância da plantação de
gramíneas em áreas voçorocadas, pois são plantas que conseguem se adaptar
a baixos teores de oxigênio e nutrientes, característicos de regiões com
processos de voçorocamento acelerados.
5

Dorneles et al (2007) constataram que a espécie Lupinus albescens
apresenta as características necessárias para a contenção dos processos
erosivos em solos arenizados do sudoeste gaúcho. Esta leguminosa possui
alto potencial de simbiose com bactérias fixadoras de nitrogênio, rusticidade e
adaptabilidade à baixa fertilidade e à baixa retenção de umidade de solos
arenosos, acelerando o processo de regeneração.
1.2 Paliçadas (cortinas de estacas justapostas) e estruturas de
cercamento da área
Segundo Bertoni e Lombardi Neto (1990), todos os sistemas de controle
de voçorocas se baseiam no estabelecimento de uma vegetação protetora,
entretanto, quando o estádio de erosão está bem avançado na área, é mais
difícil conseguir a cobertura vegetal necessária. Dessa forma, é necessária a
utilização de outras técnicas. O uso das paliçadas é uma alternativa para
cercar a área problematizada.
As paliçadas são estruturas de arrimo formadas por sucessão de
estacas posicionadas próximas umas das outras. Esse tipo de solução é
indicado

quando se pretende

implantar

uma

contenção em terreno

relativamente instável, construindo-se com segurança, a partir da superfície.
Uma vez construída a cortina, escava-se de um lado sem haver perigo de
deslizamento do terreno (MENEZES, 2002). Elas apresentam como funções
quebrar a força da enxurrada e reter os sedimentos.
Tratando-se de uma cortina em balanço, a estabilidade depende
fundamentalmente do solo onde as estacas deverão ficar encaixadas e a
profundidade do trecho enterrado (Figura 1).

6

Figura 1 - Representação das paliçadas de bambu.
Fonte: PRÁTICAS... (2010)

As cortinas de contenção são uma alternativa de solução em termos
técnicos e econômicos, pois atingem os objetivos de estabilizar as encostas de
solo, oferecem resistência, apresentam custo compatível e condições de
implantação viáveis para o local.
Segundo Ferreira (2003), as estacas das paliçadas com eucalipto
tratado são suficientes para estabilizar as encostas com altura máxima de 3,0
metros, oferecendo resistência à movimentação do solo/rocha.
As paliçadas devem ser construídas com mourões de eucalipto de 2,20
metros de altura e 15 cm de diâmetro. Devem ser monitoradas anualmente e,
em caso de deterioração das peças de eucalipto, estas deverão ser
substituídas.
Cercar a área é uma forma de isolar a voçoroca, visando diminuir ou
conter sua expansão de forma ainda mais acelerada. O objetivo do isolamento
é manter os processos de regeneração natural das vegetações pré-existentes,
além de diminuir, os riscos relacionados às ações antrópicas (corte de madeira,
queimada, deposição de lixo e outros). Segundo Brandão (1985), quando a
perturbação cessa ou reduz, espécies nativas são capazes de colonizar áreas
7

descontínuas nesses ambientes, permitindo também o retorno da fauna
adaptada

ao

gradiente

vegetacional,

o

que

contribui

para

a

autossustentabilidade e recuperação do ambiente.
A utilização de barragens vegetais no controle de voçorocas é uma
técnica que vem sendo largamente utilizada, pois não requer altos custos para
manejo. No assentamento Dona Antônia, na Paraíba, pesquisadores utilizaram
capim e bambu dentro da erosão para disciplinar as águas superficiais e
concluíram que essa técnica, aliada à implantação de curvas de nível, conteve
o avanço erosivo (LIMA, 2006).
Carvalho et al (2006) propuseram uma solução para a recuperação de
erosões lineares, impedindo sua evolução através

da instalação de

barramentos transversais ao eixo longitudinal da erosão, onde se utilizam,
basicamente, elementos estruturais de madeira, tela metálica e geotêxtil. É um
método utilizado para controle e recuperação definitiva de erosões e consiste
na diminuição da produção e barramento de sedimentos (Figura 2).

Figura 2 - Barragem de arrimo reforçada com geotêxtil para retenção de sedimentos
Fonte: CARVALHO et al, 2006

1.3 Obras de dreno
Drenar é a primeira medida a ser tomada para a estabilização de uma
voçoroca.
Um estudo realizado no assentamento Dona Antônia, na Paraíba,
realizou práticas de caráter mecânico com a finalidade de controlar o
8

escoamento superficial das águas e facilitar a infiltração da água. Uma das
técnicas empregadas foi a marcação do terreno acompanhando as curvas de
nível num tipo de sulco ou canal, que teve como finalidade interceptar as águas
das enxurradas e conduzir o excesso de água pelo canal, criando uma
infiltração forçada e desviando os fluxos de água da erosão (LIMA, 2006).
1.4 Retaludamento
Segundo Caputo (1998), taludes são quaisquer superfícies inclinadas
que limitam um maciço de terra, de rocha ou de terra e rocha. Podem ser
naturais, casos das encostas, ou artificiais, como os taludes de cortes e
aterros.
Processos erosivos podem se iniciar a partir de taludes

através do

escoamento concentrado de água, com o qual ocorre a formação de ravinas
(sulcos aprofundados) que evoluirão em voçorocas. Mesmo com o escoamento
lento, mas contínuo, tais taludes têm um alto poder destrutivo, principalmente
pela considerável proporção de deslizamentos de terra.
Retaludar significa fornecer uma maior consistência aos taludes,
evitando, assim, consequências mais graves.
Dantas e Ferreira (2008) discutiram que terrenos suscetíveis à erosão
devem ter aplicados métodos de conservação do solo que basicamente
compreendem uma série de dispositivos de controle do escoamento das águas
superficiais e manutenção da proteção do solo, com medidas de caráter
preventivo e corretivo. Recomenda-se a implantação de estruturas de retenção
e infiltração do tipo lagoas secas e terraços em nível, disciplinamento das
águas superficiais através de drenos, retaludamento das paredes laterais da
voçoroca, proteção superficial dos taludes resultantes através de vegetação
tipo gramínea.
As erosões e voçorocas podem ser contidas controlando-se a vazão, a
declividade ou a natureza do terreno. O controle da vazão é obtido com desvio
ou condução da água por caminhos preferíveis em relação ao sulco erosivo. O
controle do sulco é obtido com retaludamento ou colocação de obstáculos que
diminuem a velocidade de escoamento (DANTAS; FERREIRA, 2008).

9

1.5 Terraceamento
Os terraços são sulcos ou valas construídos transversalmente à direção
do maior declive, com a função de controlar a erosão e aumentar a penetração
da água no solo. Os objetivos dos terraços são: (1) diminuir a velocidade e o
volume da enxurrada; (2) diminuir as perdas de solo, sementes e adubos; (3)
aumentar a infiltração de água, aumentando a umidade no solo e a recarga da
água subterrânea; (4) reduzir o pico de descarga dos cursos d'água; (5)
amenizar a topografia e melhorar as condições de mecanização das áreas
agrícolas.
De todas as práticas mencionadas até o momento, o terraceamento é a
mais cara delas; por isso, deve ser usado apenas quando não é possível
controlar a erosão em níveis satisfatórios com a adoção de outras práticas mais
simples de conservação do solo.
Apesar dos altos custos, o terraceamento é fundamental em locais onde
é comum a ocorrência de chuvas cuja intensidade e volume superam a
capacidade de infiltração da água do solo e onde outras práticas
conservacionistas são insuficientes para controlar a enxurrada.
Cada terraço protege a faixa que está logo abaixo dele, ao receber as
águas da faixa que está acima. O terraço pode reduzir as perdas de solo em
até 70-80%, e de água em até 100%, desde que seja criteriosamente planejado
(tipo, dimensionamento), executado (locado, construído) e conservado (limpo,
reforçado). Embora apresente custo elevado (e que aumenta com a
declividade), essa prática é necessária em muitas áreas agrícolas onde
técnicas mais simples (como o plantio em nível, as culturas em faixas ou a
rotação de culturas), por si só, não são suficientes para uma eficaz proteção do
solo contra a erosão hídrica.
Macedo et al (1998) controlaram uma voçoroca em Prados, Minas
Gerais, construindo paliçadas de bambu e eucalipto, bacias de contenção e
represas. Ficou comprovado que essas práticas são muito eficientes quando
trabalhadas em conjunto com o terraceamento e o plantio de mudas da espécie
Acacia holosericea.
O terraceamento, quando bem planejado e bem construído, reduz as
perdas de solo e água pela erosão e previne a formação de sulcos e grotas,

10

sendo mais eficiente e menos oneroso quando usado em combinação com
outras práticas.

2. Metodologia
A metodologia desenvolvida nesta pesquisa propõe dois critérios
básicos: quanto aos fins e quanto aos meios.
Quanto aos fins, ela classifica-se como descritiva, uma vez que expõe
características de um fenômeno de extrema importância: as voçorocas.
Quanto aos meios, a pesquisa foi bibliográfica, porque se baseia na
discussão de diferentes alternativas para a contenção e estabilização das
voçorocas, pela perspectiva de variados pesquisadores.
Considerações finais
A atuação antrópica ao longo dos anos contribui efetivamente para que
uma área apresente maior ou menor degradação ambiental. Uma área mais
sensível devido à suscetibilidade erosiva deve ser utilizada atendendo-se a
certos cuidados, fundamentados, sobretudo, num prévio conhecimento de
características intrínsecas e no planejamento de ações conservacionistas a fim
de se evitarem os efeitos negativos advindos da degradação ambiental.
As estratégias de controle de erosão propostas para a recuperação de
áreas com presença de voçorocas constituem-se normalmente de práticas
mecânicas e vegetativas de baixo custo. Apesar do alto grau de degradação
morfológica, física, química e biológica do solo presente nas voçorocas, é
possível sua reincorporação ao sistema de preservação, desde que sejam
adotadas práticas de recuperação, manejo e conservação do solo e da água.
Além de todos os problemas ambientais causados pelas voçorocas já
discutidos nesta pesquisa, o maior problema gerado pelo seu surgimento está
associado aos problemas sociais que elas podem gerar: desalojamento de
pessoas que vivem em áreas de risco, deslizes de terras colocando em risco a
vida dos seres vivos, entre outros.
Entretanto, melhor do que buscar as formas para se conter uma
voçoroca é adotar as medidas que previnam a sua formação. Prevenir o
aparecimento delas diminui os custos, pois há economia na compra de

11

nutrientes sintéticos para o solo, uma vez que o solo fértil é perdido no
processo e ainda minimiza os danos ambientais e sociais.
Referências
BACELLAR, L. de A. P. Processos de formação de voçorocas e medidas
preventivas e corretivas. Ouro Preto: UFOP, 2006.
BERTONI, J. F.; LOMBARDI NETO. Conservação do solo. São Paulo: Cone,
1990.
BRANDÃO, M. Plantas invasoras de pastagens no município de Cantagalo-RJ.
In: XXXVI Congresso de Botânica. Curitiba: Sociedade de Botânica do Brasil,
1985.
CABRAL, V. et al. Seleção de espécies leguminosas fixadoras de nitrogênio
para utilização na recuperação de áreas mineradas pela Companhia Vale do
Rio Doce. In: SIMPÓSIO NACIONAL SOBRE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS
DEGRADAS: ÁGUA E BIODIVERSIDADE, 5, 2002, Belo Horizonte. Anais...
Belo Horizonte: SOBRADE, 2002. p. 463-465
CAPUTO, H. P. Mecânica dos solos e suas aplicações: fundamentos. 6. ed.,
vol. 1. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1998.
CARDOSO, R. S. B.; PIRES, L. V. Voçorocas: processos de formação,
prevenção
e
medidas
corretivas.
Disponível
em:
. Acesso em: 21 set. 2010.
CARVALHO, J. C. C. de et al. Processos erosivos no centro oeste brasileiro.
Brasília: FINATEC, 2006.
DANTAS, C. S.; FERREIRA, O. M. Erosões rurais origem e processo de
evolução: estudo do caso da fazenda São Sebastião no município de São Luis
dos Montes Belo-GO. Artigo apresentado à Universidade Católica de Goiás
como exigência parcial para obtenção do título de bacharel em Engenharia
Ambiental. 2008.
DORNELES, F. O. et al. Produção de fitomassa e acúmulo de nutrientes de
Lupinus albescens em solos arenosos da fronteira oeste do Rio Grande do Sul.
In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA DO SOLO, 31, 2007. Gramado:
Anais..., 2007. 1 CDROM.
DERISIO, J. C. Introdução ao controle de poluição ambiental. 2. ed. São Paulo:
Signus, 2000.
EMBRAPA. SOLOS. Relatório técnico e plano de monitoramento do projeto de
recuperação de áreas degradadas. Rio de Janeiro, 2002.
FARIAS, C. A. Dinâmica da revegetação natural de voçorocas na região de
Cachoeira do Campo ­ MG (dissertação de Mestrado) Viçosa: Universidade
Federal de Viçosa, 1992. 63 p.
FERREIRA, V. M. et al. Avaliação da estabilização de uma voçoroca por
práticas vegetativas no município de Nazareno (MG). In: CONGRESSO
BRASILEIRO DE CIÊNCIA DO SOLO, 29, 2003, Ribeirão Preto: Anais...;
Ribeirão Preto: SBCS, 2003. CD-ROM.
GOULART, R. M. et al. Caracterização de sítios e comportamento de espécies
florestais em processo de estabilização de Voçorocas. Cerne, v.12, n. 1, p. 6879. Lavras, 2006.

12

GUERRA, A. T. O início dos processos erosivos. In: GUERRA, J. T. et al.
Erosão e conservação dos solos: conceitos, temas e aplicações. 3. ed. Rio de
Janeiro: Bertrand Brasil, 2007. p. 17-50
LIMA, V. R. P. et al. Estabilização de voçoroca: subproduto ambiental do
diagnóstico dos recursos hídricos, o caso do assentamento Dona Antônia Conde - PB. In: Seminário Luso Brasileiro Caboverdiano, III Encontro
Paraibano de Geografia, III Semana de Geografia da UFPB. João Pessoa,
2006.
LOPES, S. L; GUERRA, A. J. T. Monitoramento de voçorocas por satélites
GPS em áreas de areia quartzosa podzolizada: Praia Mole, Florianópolis-SC.
In. VII Simpósio Nacional de Controle de Erosão, Goiânia-GO, 2001, v. 1, n. 1,
p. 106.
MACEDO, J. R. et al. Revegetação da área de contribuição e estabilização de
voçorocas através de práticas mecânicas e vegetativas. In: Pesq.and.CNPS, n.
9, dezembro, São Paulo, 1998. p. 1-6.
MATHIAS, D. T. et al. Avaliação de técnicas de monitoramento de processos
erosivos acelerados em área peri-urbana: São Menezes, S.M. Geotecnia
aplicada a projetos: estruturas de contenção em taludes. Lavras: UFLA/FAEPE,
2002.
MENEZES, S. M. Geotecnia aplicada a projetos: estruturas de contenção em
taludes. Lavras: UFLA/FAEPE, 2002.
PEREIRA, H. et al. Processos de formação de voçorocas e medidas
preventivas e corretivas. Campina Grande, sem data. 21slides.
PRÁTICAS
de
conservação.
Disponível
em:
.
Acesso em: 15 set. 2010.
RESENDE, M. et al. Pedologia: base para distinção de ambientes. Viçosa:
NEPUT, 1995.
SALAS, G. de Las. Suelos y ecosistemas forestales: com ênfases en América
Tropical. San José, Costa Rica: IICA, 1987.
SEITZ, R. A. A regeneração natural na recuperação de áreas degradadas.In: II
Simpósio Nacional de Áreas Degradadas. Curitiba, 1994.
STOCKING, J. Modelling soil losses: suggestions for a Brazilian approach.
Brasília: Ministério da agricultura. Mission Report, UNDP Project, 1982.

13

Methods of Containment and Stabilization of Advanced Erosion
Processes and Gullies in Brazil
Abstract: Gully is the evolution of an intense process of erosion caused by
running water on badly protected areas where there is the accumulation of a
very large amount of water at a high speed. Due to damages caused by loss of
agricultural lands, reduction of crop production and the sharp increase of river
sediments, erosion areas have received great attention. Many techniques are
being developed in order to reduce this problem. Based on bibliographical
research, these techniques are subject of debate.
Keywords: Gullies ­ Stabilization ­ Containment

14