RENATURALIZAÇÃO DE RIOS, EM ÁREAS DE TRECHOS, URBANOS
COM A APLICAÇÃO DE TÉCNICAS DE BIOENGENHARIA EM OBRAS
DE ENGENHARIA HIDRÁULICA.
Pedro José da Silva1 & Maria Aparecida Faustino Pires2
RESUMO --- O meio ambiente de uma bacia hidrográfica é formado por duas porções, uma
biogeofísica e a outra sócio-econômico-cultural, embora o homem seja parte destas porções,
normalmente, coloca-se como se não o fosse, e continuamente tenta mantê-las sobre seu domínio. A
ocupação e uso da porção física do meio ambiente identificada como solo e localizada nas áreas de
recursos hídricos, e mais especificamente em trechos marginais de rios em áreas urbanas são
responsáveis por inúmeros impactos ambientais adversos ao meio ambiente. Os impactos que
ocorrem nos trechos urbanos dos rios, se elevam consideravelmente quando ocorre a ocupação
desordenada da bacia hidrográfica, alcançado a faixa de proteção, e qualquer intervenção de
engenharia, visando a execução de obras hidráulicas em um rio, exige um estudo preliminar da
bacia hidrográfica. A adoção de obras de mitigação, visando a minimizar os efeitos dos impactos
oriundos da ocupação desordenada do solo, nem sempre apresenta a resposta desejada. Frente ao
exposto, estudos são realizados de modo a permitir o conhecimento da biota natural, a
instrumentação da engenharia hidráulica com técnicas de bioengenharia para a renaturalização dos
rios urbanos.
ABSTRACT --- The environment of a hydrographic basin is formed by two portions, a
biogeophysical and to another partner-economic-cultural one, even so the man is part of these
portions, normally, he is placed as if it he was not, and continuously he tries to keep them on its
domain. The occupation and use of the physical portion of the environment identified as alone and
located in the areas of hydric resources, and more specifically in stretches delinquents of rivers in
urban areas are responsible for innumerable adverse ambient impacts to the environment. The
impacts that occur in, urban stretches, of the rivers if raise considerably when the disordered
occupation of the hydrographic basin occurs, reached the band of protection, and any intervention
of engineering, aiming at the execution of water works in a river, demands a preliminary study of
the hydrographic basin. The adoption of mitigation works, aiming at to minimize the effect of the
deriving impacts of the disordered occupation of the ground, nor always presents the desired reply.
Front to the displayed one, studies are carried through in order to allow the knowledge of biota
natural, of instrumentation hydraulical engineering with techniques of bioengineering for the
recovery of the urban rivers.

PALAVRAS-CHAVE: Renaturalização de rios, bioengenharia, obras hidráulicas.

1) Professor das Faculdades de Engenharia Civil e Arquitetura da Fundação Armando Álvares Penteado/FAAP; Pós
Doutorando ­ Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares/IPEN. Rua Conde de Assumar, 191, 02255-020. São
Paulo. E-mail [email protected]
2) Gerente do Centro de Química e Meio Ambiente ­ CQMA/IPEN. Av. Prof. Lineu Prestes, 2242, 05508-000.
USP ­ São Paulo. E-mail [email protected]

"XVII Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos"

-1-

1 - INTRODUÇÃO
O uso de plantas para a restauração de margens de rios com trechos urbanos, não deve ser
visto, simplesmente, como uma questão de paisagismo, pois a se tratar a questão com este enfoque,
comete-se um erro de grandes extensões. O conceito de renaturalização dos cursos de água,
especificamente os rios, empregado neste artigo é emprestado daquele utilizado nas linhas básicas
da renaturalização de rios da Europa. A renaturalização tem como objetivos: recuperar rios e
córregos de modo a regenerar o mais próximo possível a biota natural, através do manejo regular
ou de programas de renaturalização; preservar as áreas naturais de inundação e impedir
quaisquer usos que inviabilizem tal função.
Os objetivos da renaturalização são alcançados à medida que o plano de renaturalização
considera, simultaneamente, os conhecimentos de engenharia hidráulica e técnicas de
bioengenharia, em seu desenvolvimento.
A renaturalização de um rio, não significa a volta a uma paisagem original não influenciada
pelo homem, mas corresponde ao desenvolvimento sustentável dos rios e da paisagem em
conformidade com as necessidades e conhecimentos contemporâneos.
A abordagem do tema renaturalização aplicado ao Brasil, exige alguns cuidados, pois, alguns
países da Europa, apresentam dimensões físicas que correspondem a um estado brasileiro, sendo
assim a porção física do meio ambiente que corresponde às águas, mais especificamente o local das
águas, "rios", encontra-se extremamente alterado, pois qualquer obra hidráulica, como por exemplo,
a retificação de meandros, produz grande impactação nesse curso de água, além das suas águas
poderem apresentar em diferentes trechos do rio, diferentes tipos de poluição, a saber: poluição
biológica, poluição química, poluição radioativa, etc. não existindo portanto uma biota.
2 - OBJETIVO
O presente trabalho tem por objetivo geral estudar a utilização das técnicas de bioengenharia
em obras hidráulicas destinadas a renaturalização de cursos de água, em especial nos trechos
urbanos de rios.
3 - METODOLOGIA
O trabalho apresentado é um estudo descritivo/correlacional, pois consiste da observação e
registro dos eventos que ocorrem nos rios urbanos e na sua referida bacia hidrográfica. Investiga-se
a relação entre os eventos, analisando-se se estes eventos variam no tempo e espaço,
simultaneamente, concluindo então a existência de uma correlação entre eles.

"XVII Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos"

-2-

4. PLANEJAMENTO, DIAGNÓSTICO E OBJETIVOS DA RENATURALIZAÇÃO DOS
RIOS
Para avaliar-se a situação de um rio, é necessária a avaliação do seu entorno, isto é, sua bacia
hidrográfica, bem como definir os objetivos específicos da recuperação. É preciso comparar a
realidade atual com a situação ideal, considerando as condições ecológicas da zona ribeirinha. A
partir daí é possível propor-se uma situação ideal, lembrando-se que ela deverá estar apoiada no
conhecimento da situação natural.
5. ADOÇÃO DE CONCEITOS DE RENATURALIZAÇÃO NA ÁREA RURAL
Em zonas não urbanas, há novos métodos para manejo das águas e para a manutenção dos
cursos de água. A interrupção do uso agrícola na parte superior da margem do rio também chamada
de "berma", que só é atingida pelas enchentes excepcionais, permitiria a recuperação da vegetação
ciliar. Essa vegetação também ocuparia parte da ribanceira ou "talude", que se constitui na parte da
margem compreendida entre o nível de estiagem mínima e o das enchentes normais.
Quando se fala em substituição de obras hidráulicas tradicionais por métodos de engenharia
ambiental, comete-se um "grande erro", pois a substituição do material empregado para a execução
de uma determinada obra hidráulica fluvial, não se constitui em substituição de obra, mas sim de
material, compreendendo diferenças na sua execução.
A substituição de materiais para a execução de obras fluviais, permite a recuperação de
múltiplas estruturas morfológicas naturais, proporcionando o aumento de biótopos.
A implementação do processo de renaturalização de rios, além de exigir um grande cabedal de
conhecimentos a respeito de sua dinâmica morfológica bem como habilidade na aplicação desses
conhecimentos também requer a compreensão e a aceitação de população ribeirinha. A demanda
por áreas adicionais é avaliada em relação às características do rio, isto é, dinâmica do leito, vazões
de enchentes, perfil longitudinal, material transportado, vegetação, etc. É importante lembrar que o
rio deixa de ser retilíneo e volta a ser meandrante.
Dependendo do tipo de rio, a transformação anual do seu curso pode limitar-se a poucos
centímetros, mas também pode chegar a vários metros. A avaliação de demanda de áreas adicionais
orienta-se pelo prazo de 20 a 25 anos. Mapas históricos, levantamentos aerofotogramétricos e
observações das condições naturais, trazem informações importantes.
A recuperação da condição natural de rios anteriormente retificados tem como pré-requisito a
existência de áreas disponíveis de modo a garantir a exclusão de riscos e prejuízos para terceiros,
permitindo assim melhorar as condições do ecossistema.
Para assegurar a recuperação das áreas lindeiras em longo prazo, é necessário indicá-las em
todos os planos estaduais e municipais de uso e ocupação do solo, atendendo a lei.

"XVII Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos"

-3-

6 - ANÁLISE DE OBRAS FLUVIAS PARA RENATURALIZAÇÃO DOS RIOS
As primeiras obras hidráulicas provavelmente, foram executadas antes que o homem fosse
homem, Homo Sapiens. Tal quais os castores e outros seres construtores, o homem primitivo já se
envolvia com obras hidráulicas. Mas eram oriundas de uma inteligência instintiva, do que fruto de
reflexão. Muitos conceitos errôneos e a falta de transmissão do conhecimento, dentre outros, foram
fatores que limitaram a evolução científica da hidráulica durante todo período, desde a antigüidade
até o renascimento. É claro que vários outros fatores histórico-tecnológicos reforçaram esta
limitação (Pereira, 1994).
A materialização da inteligência reflexiva, entretanto, só começou a tomar forma com as
civilizações advindas do encontro de água com o deserto. Ou seja, os Sumérios, e as demais
culturas Mesopotâmicas, e em especial o Egito, a dádiva do Nilo. Até etimologicamente
Mesopotâmia tem relação com a água (Pereira, 1994).
Diversas outras civilizações antigas deixaram vestígios, e mesmo obras intactas, no campo da
hidráulica, desde a China até a América (Astecas, Incas, Maias e outros). Mas foram os grandes
pensadores gregos que muito contribuíram para o desenvolvimento da ciência hidráulica, mas
poucos realizaram em termos de grandes obras, devidos entre outros fatores, ao desprezo pelo
trabalho braçal. Coube aos romanos, povo de comportamento mais prático, a realização das grandes
e inúmeras obras hidráulicas que até hoje marcam a paisagem do antigo império (Pereira, 1994).
Antes de se dar início a análise de casos voltados a renaturalização, é necessário que se tenha
conhecimento dos seguintes parâmetros, sem os quais o empreendimento estará fadado ao fracasso:
1. Em casos de limitações de áreas disponíveis, devem-se buscar soluções não passíveis de serem
"adaptadas", mas soluções "adequadas" às necessidades de evolução natural, como por exemplo, a
fixação de margem de modo a não permitir evolução em área limitada, enquanto a outra margem
evolui em área não limitada.
2. A substituição de obras longitudinais por obras transversais para conter uma erosão é
procedimento errado, pois as condições que definem um outro tipo de obra são diferentes.
7 - CLASSIFICAÇÃO DE VAN RAALTEN - TIPOS DE OBRAS FLUVIAIS
Poucos são os cursos de água que em condições naturais apresentam características que
permitem o uso múltiplo de suas águas, atendendo as diferentes condições de sustentabilidade,
necessitando, portanto da implantação, execução e operação de obras fluviais.
Entende-se neste artigo, por obras fluviais a intervenção de engenharia, direta ou
indiretamente no curso de água, de modo a resultar em obras de engenharia civil que viabilizam o
uso destes cursos de água atendendo as sustentabilidades técnica, econômica, financeira, jurídica,
política, social e ambiental.
"XVII Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos"

-4-

Escolher entre os diferentes tipos de obras fluviais, não é das missões mais fáceis para o
engenheiro, pois além da necessidade do conhecimento teórico a respeito deste tipo de obra, deve
também apresentar habilidade, o que lhe permite identificar situações onde é possível aplicar seus
conhecimentos teóricos.
A bibliografia referente às obras fluviais, é estritamente restrita, tanto em nível nacional
quanto internacional, visando a facilitar o entendimento deste artigo apresentam-se as classificações
de Van Raalten (1981) apud Camargo Junior (2000) e Silva (2004).
Genericamente, existem quatro tipos de obras fluviais, de acordo com Van Raalten (1981) apud
Camargo Junior (2000), sendo elas:
1. Obras Simples ­ demolição e retirada de obstáculos (desenrocamento) e sedimentos
(desassoreamento) para viabilizar a navegação.
2. Obras de fixação do leito e proteção de estruturas ­ aplicação de métodos construtivos
tradicionais, como concretagem, enrocamento, atirantamento, aplicação de gabiões, espigões,
muros-guia, etc., que fixam as margens e a calha do rio, que protegem pilares, vãos de pontes,
entrada de eclusas, etc., promovendo a segurança da navegação.
3. Obras de regularização de vazão ­ construção de obras como barragens. No caso da construção
de barragens, são necessárias obras de transposição para as embarcações.
4. Obras de canalização ­ trata-se de obras de regularização do leito total de um rio, de interligação
de rios ou de criação de ramais paralelos ao leito natural. O primeiro caso é muito comum em
hidrovias européias. O canal de Bariri e o canal de Pereira Barreto, são exemplos de ramal paralelo
e interligação (Oliveira & Brito, 1998).
8 - CLASSIFICAÇÃO PROPOSTA - TIPOS DE OBRAS FLUVIAIS
Segundo Silva (2004), existe a necessidade de se adequar à classificação de Van Raalten, a
realidade brasileira, portanto, adotaremos neste artigo a seguinte proposta de classificação:

1. Gerais ou de Normalização - São obras locais visando problemas específicos, do tipo: trecho
raso ou curva muito brusca ou margem instável; de modo geral visam o melhoramento dos cursos
de água e não influem no regime hidráulico ou morfológico do rio. Dificilmente são usadas
sozinhas, sendo comum a sua utilização em conjunto com os outros tipos de obras. As principais
obras de normalização são:

1.1.Desobstrução e Limpeza - Consiste na retirada de obstáculos estranhos ao leito, que dificultam o
escoamento ou desviam os filetes líquidos. Geralmente são vegetais ou embarcações sossobradas.

"XVII Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos"

-5-

Utilizam-se embarcações destocadeiras e guindastes. Este tipo de obra não intervém no equilíbrio
do rio, portanto, não produz impactos ambientais.
1.2.Limitação dos Leitos de Inundação - Tem a finalidade de facilitar a navegação, concentrando o
escoamento num leito bem definido. Outra finalidade pode ser a de proteger os terrenos ribeirinhos.
As obras utilizadas neste caso são diques longitudinais. Podem ser construídos a seco, aproveitando
o período de estiagem, localizados no leito menor e de maneira geral em argila
(impermeável).Verificar-se que este tipo de obra, intervém no equilíbrio do rio, dando origem a
impactos ambientais, que serão minimizados com a execução de obras complementares para a
proteção do leito.
1.3.Fechamento de Braços Secundários - Este tipo de obra é utilizado para aumentar a profundidade
num dos trechos dos braços do curso de água, mediante o fechamento dos outros. O fechamento é
efetuado através de obras permeáveis ou não, geralmente com altura até a cota mínima de
navegação, ficando submersos para as vazões maiores. Estas obras são pequenas barragens, que
podem ser galgadas, devendo, portanto ter a superfície protegida para evitar a sua destruição, ou
soleiras de fundo. Podem ser construídas em enrocamento de pedras ou terra, com proteção na
superfície ou ainda em estaqueamento simples ou duplo.
1.4. Proteção das Margens - De um modo geral denominaremos por margem a superfície inclinada
do terreno em contato direto com a água ou imediatamente acima, distinguindo-se: a parte superior
ou "berma", que só é atingida pelas enchentes excepcionais e que muitas vezes é constituída pelos
diques de proteção contra inundações, a "ribanceira" ou "talude", entre o nível de estiagem mínima
e o das enchentes normais e o "pé da margem" ou "base", a parte inferior. Abaixo do nível de
estiagem, permanentemente submersa (Brighetti & Almeida, 2002).

A ribanceira e o pé da margem são muitas vezes sujeitos às elevadas velocidades, sendo então
submetidos a fortes erosões, sobretudo nas zonas inferiores que sustentam o talude, merecendo,
pois, maiores atenções e proteção (Brighetti & Almeida, 2002).
A proteção das margens tem por finalidade:

1. Proteger os terrenos marginais (ribeirinhos), isto é, terrenos que ladeiam um curso de água ou que
circundam um lago, beira, orla, da ação do escoamento e das ondas naturais ou artificiais;
2. Reduzir a descarga sólida nos (as) cursos de águas naturais, hidrovias, canais [de irrigação, de
drenagem, de adução (usinas)], etc. (Brighetti, 2000).

"XVII Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos"

-6-

A proteção das margens tem como conseqüentes vantagens: redução dos bancos de areia;
melhoria geral do escoamento; redução da erosão; aprofundamento do leito; fixação do leito
navegável, etc.
Em cada situação é necessário procurar o revestimento (obra) que possui as exigências
características de: permeabilidade ou impermeabilidade, robustez, flexibilidade, rugosidade,
durabilidade e economia, e entre eles adotar o que melhor se adapte às necessidades da obra.
A proteção das margens poderá ser obtida através da proteção direta ou proteção indireta
utilizando-se técnicas de bioengenharia.
9 - TÉCNICAS DE BIOENGENHARIA
As técnicas baseadas no uso de plantas para restauração de taludes e vertentes são chamadas
técnicas de bioengenharia. São técnicas antigas, originadas nas civilizações sumária e romana.
Registros mostram o uso deste tipo de medida na China desde o século XIX, onde gravetos eram
usados para estabilizar margens. No início do século XX, a China passou a usar técnicas similares
para controle de erosão e inundações ao longo do Rio Amarelo. Os países europeus, especialmente
Alemanha, utilizam soluções de bioengenharia no solo a mais de cento e cinqüenta anos. Nos
Estados Unidos, tais medidas tiveram maior difusão a partir dos anos trinta.
Entretanto, no pós-segunda guerra, com o crescimento de maquinário pesado para uso na terra
e o desenvolvimento de novas técnicas estruturais de estabilização de margens e controle de erosão,
as práticas de bioengenharia praticamente desapareceram importância na área de recursos hídricos,
têm promovido o uso das medidas de bioengenharia como intervenções eficientes e menos
impactantes nos cursos de água.
10 - MEDIDAS PARA RESTAURAÇÃO DAS MARGENS DOS RIOS
Escolher entre os diversos tipos de obras para a estabilização das margens, é uma missão
difícil para o engenheiro, pois estamos protegendo a margem "contra o que?".
Muitos projetos de recuperação de canais tinham como objetivo implícito seu
desenvolvimento para navegação. Removiam-se obstáculos e entulhos naturais, como galhos e
sedimentos, para que possibilitassem a passagem de embarcações. Posteriormente, segundo
estratégias conservacionistas, a restauração do habitat aquático passou a ocupar papel central nas
medidas de recuperação dos rios e difundiu-se o conceito de instream estruturas, estruturas
colocadas dentro do leito do rio, como pedaços de madeira e bancos dissipadores de energia.
Embora tais medidas tenham sido fundamentais para o desenvolvimento de práticas de
renaturalização fluvial, elas foram adotadas sem o entendimento integrado da dinâmica do curso
d'água (Rirley, 1998:354).

"XVII Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos"

-7-

Mais tarde, novos conceitos foram incorporados nas abordagens de recuperação dos rios,
considerando que estes deveriam estar o mais próximo possível de seu estado natural, ou seja,
deveriam ser "renaturalizados".
Com

isto,

os

processos

hidrológicos

naturais,

como

infiltração,

escoamento,

evapotranspiração e armazenamento, seriam afetados em menor grau, com minimização de impacto
no balanço hídrico natural global da bacia. Em conseqüência, ocorreria a diminuição de distúrbios
ambientais, como os relacionados a inundações, escassez hídrica e desequilíbrios no transporte de
sedimentos.
11 - RENATURALIZAÇÃO DOS RIOS - OBRAS FLUVIAIS & BIONGENHARIA
As intervenções humanas na bacia hidrográfica, nas áreas urbanas, apresentam como
conseqüência imediata, por exemplo, alterações nos parâmetros que caracterizam o regime de
escoamento de um curso de água, resultando, então num aumento da velocidade da água, e havendo
a necessidade de obras hidráulicas de proteção de margens, no trecho urbano do rio. Estas obras de
proteção podem ser classificadas em obras de proteção contínua e proteção descontínua.
No caso de obras de proteção contínua, de margens que já se encontram erodidas, isto é, já
impactada, a proteção contínua visa restabelecer o equilíbrio. No caso de proteção indireta, com a
utilização de espigões, reduz-se a seção hídrica, afetando o equilíbrio do rio. Em ambos os casos, os
impactos ambientais decorrentes da execução das obras encontram-se localizados naquele trecho de
margem e será função do tipo de revestimento. Em cada situação é necessário procurar o
revestimento

(obra)

que

possui

as

exigências

características

de:

permeabilidade

ou

impermeabilidade, robustez, flexibilidade, rugosidade, durabilidade e economia, e entre eles adotar
o que melhor se adapte às necessidades da obra. Apresenta-se a seguir alguns exemplos de obras
fluviais de proteção de margem, onde se faz o emprego de técnicas de bioengenharia, visando à
minimização de impactos ambientais.
11.1 - Utilização de cobertura vegetal
O sistema radicular dos taludes que tem origem na cobertura vegetal faz com que os vazios
entre os blocos de rocha que compõem os solos superficiais, sejam literalmente preenchidos por
raízes que os envolve e mergulham para níveis inferiores. Evidencia-se, assim, uma verdadeira
malha de tecido lenhoso que amarra os blocos e estrutura os solos coluviais, porém é necessária
uma manutenção periódica de modo a evitar o desaparecimento da cobertura vegetal.
Na cobertura vegetal, a altura da vegetação deve ser limitada, pois o conjunto de copas e
demais partes aéreas da vegetação apresenta os seguintes efeitos desfavoráveis à estabilidade das
margens: efeito alavanca, efeito cunha e sobrecarga vegetal.

"XVII Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos"

-8-

O "Princípio do Nível Mínimo de Energia" permite definir o melhor tipo de cobertura vegetal
a ser aplicado, na margem de um rio. Neste artigo apresentamos como exemplo de aplicação do
referido princípio os métodos possíveis de serem aplicados na parte superior da margem (berma),
que só é atingida pela água, quando ocorrem as enchentes excepcionais, apresentando declividade
praticamente nula e na parte inclinada da margem (talude ou ribanceira). Em função da declividade
os métodos de restauração baseiam-se no uso de material formado por plantas mortas ou vivas.
Estes métodos estão divididos em quatro categorias principais, a saber:
11.1.1 - Utilização de galhos, gravetos, troncos, árvores, raízes
A substituição de galhos e gravetos, varas finas e flexíveis, ramos e paus curtos por árvores
inteiras dispostas horizontalmente ao longo da margem dos rios, constituem-se na substituição de
um material vegetal por outro, também de baixo custo e relativa eficiência na contenção de erosão.
A linha de árvores diminui a velocidade do escoamento e captura sedimentos e gravetos,
tornando o local adequado para o crescimento vegetal. Entre as árvores podem ser colocadas mudas
de plantas que, protegidas, tem desenvolvimento mais rápido. Tanto a técnica de revestimento com
árvores como o uso de gravetos e galhos tem como princípio a diminuição da velocidade do
escoamento que leva à erosão de margens. Ver figura 1.

Figura 1 - Uso de árvores para controle de erosão
Fonte: SANTANA, (2006).
A restauração de canais com o uso combinado de revestimento com troncos transversais e
pedras é uma prática bastante difundida e refinada. Os troncos estabilizam as margens e criam
correntes circulares que mantém o sedimento em suspensão facilitando seu transporte ao longo do
curso d'água. Ver figura 2.
O nome de rootwads ocorre porque a parte mais visível do tronco, direcionada para o leito,
são as raízes. As pedras direcionam o fluxo, possibilitam a formação dos meandros e a dissipação
de energia. Este arranjo também permite a criação de zonas que servem de habitat para peixes e
invertebrados.

"XVII Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos"

-9-

Figura 2: Restauração de canal com troncos e pedras
Fonte: RIRLEY, (1998).
11.1.2 - Utilização de mudas menores ou maiores cortadas da vegetação ribeirinha
Cortes de espécies ribeirinhas plantadas nas margens servem como base para a prática de
restauração de rios, pois estruturam e estabilizam o terreno. Ver figura. Por meio delas, podem ser
restabelecidas a comunidade de plantas do local. Além de mudas menores (cuttings) podem ser
usadas mudas de maior dimensão. O uso de cortes de ramos ou troncos, utilizados como estacas
vivas, dispostos em padrões pré-estabelecidos, representam grande potencial na restauração de rios.
Estacas vivas de maior dimensão (pole plantings) transformam-se mais rapidamente em árvores
com ganhos significativos na estruturação da margem, porém os efeitos desfavoráveis à estabilidade
das margens com o uso de árvores devem ficar limitados às dimensões das árvores. Ver figura 3.

Figura 3: Uso de árvores para controle de erosão
Fonte: SANTANA, (2006).
11.1.3 - Utilização de uma estrutura de sustentação de talude formada com vegetação morta e viva
A utilização de varas finas e flexíveis, ramos e paus curtos com que se fazem feixes
(assemelhando-se a diques), entretecendo-as com outras varas horizontais mais grossas, formando o
que se denomina faxina. É uma técnica, de utilização relativamente simples, de pequeno custo e
sendo adequada para pequenos córregos. Ver figura 4. Embora às proteções com ramos, varas e
ervas, sejam os menos permanentes de todos os tipos de proteção, apresentam certas dificuldades na
sua construção, porém com uma periódica conservação podem ser mantidas em bom estado de
funcionamento. Atualmente poderiam ser utilizadas como obras provisórias em regiões de extrema
pobreza.
"XVII Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos"

- 10 -

Figura 4: Proteção Direta de Margens ­ Faxinas
Fonte: SILVA, (2004).
11.1.4 - Utilização de estruturas reforçadas para a recuperação de margens em trechos urbanos
A restauração de margens de cursos d'água localizados em bacias hidrográficas, consolidadas
pela ocupada desordenada, torna-se viável com a utilização de estruturas, tais como espigões,
diques, enrocamentos, gabiões, cribwall e outras. Estas estruturas quando implantadas e,
incorporadas com um mínimo impacto estético e ambiental podem trazer à cidade um
embelezamento e criar áreas de convivência. Segundo Rirley (1998), a combinação de medidas
estruturais com soluções vegetativas são as melhores soluções para as situações mais críticas. A
seguir são fornecidos exemplos destas estruturas.
11.2 - Utilização de espigões
São estruturas transversais que avançam desde a margem em direção ao leito do rio, até a
nova linha de margem que se pretende formar. Funcionam como defletores do escoamento,
afastando-o da margem e combatendo a erosão. Os espigões permeáveis apresentam a vantagem de
reduzir velocidades da corrente em vez de desviá-las, o que acelera a sedimentação, em ambiente
aquoso, de substâncias minerais ou rochosas e substâncias de origem orgânica. Ver figura 5.

Figura 5 ­ Proteção Indireta ­ Espigão permeável, confeccionado troncos, tábuas e bambu
Fonte: GÓIS & ARAÚJO, (2000).
"XVII Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos"

- 11 -

11.3 - Utilização de diques
São estruturas longitudinais construídas em geral quando as margens estão sendo erodidas,
para facilitar a manutenção de uma continuidade até a nova margem. Os diques assim como os
espigões desviam e orientam o fluxo de forma contínua, protegendo a margem e ao mesmo tempo
definindo um melhor traçado ao canal. Usa-se, por exemplo, estacas de bambu, entrelaçados de
bambu ou outros vegetais, que formam painéis facilitando a sedimentação e formando verdadeiros
diques de pestana nos rios de muito transporte sólido em suspensão. Ver figura 6.

Figura 6 ­ Proteção Indireta ­ Construção de diques com troncos e tábuas e troncos de madeira
Fonte: SILVA, (2004).
11.4 - Utilização de peças pré-moldadas em concreto
As peças pré-moldadas em concreto identificadas como "Jakes" são utilizadas como
estruturas de reconstrução de taludes para rios de portes variados. São estruturas de fácil manuseio e
instalação. Podem ser ajustadas para locais condições variadas e causam impactos ambientais
relativamente pequenos. A estrutura "A-Jakes" pode prover a estabilidade no talude ou linha de
costa em proporções maiores do que, por exemplo, o uso de um conjunto de rochas com peso
similar. Apresentam como características principais, resistência a esforços mecânicos oriundos do
transporte e colocação, resistência a esforços mecânicos transmitidos pelo maciço terroso e ou
rochoso.Ver figura 7.

Figura 7 ­ Proteção Indireta ­ Uso de "A- Jack"
Fonte: SANTANA, (2006).

"XVII Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos"

- 12 -

11.5 - Utilização de caixotes em madeira
O uso de caixotes de madeira na base de taludes surgiu, inicialmente, como uma forma de
desenvolver locais para os peixes nos cursos de água. Em conjunto com outras técnicas de
estabilização, como a cobertura vegetal de encostas, atua na estabilização de margens. Ver figura 8.

Figura 8 ­ Proteção Indireta ­ Seção longitudinal de um curso d'água com caixote para peixes
Fonte: SANTANA, (2006).
11.6 ­ Utilização de geomanta
Os geossintéticos são uma nova família de materiais sintéticos empregados em geotecnia. O
termo deriva de "geo", referindo-se a terra, e "sintéticos", relacionando-se com a matéria-prima
com que são fabricados. Os principais tipos de geossintéticos são: geotêxteis; geogrelhas,
geomalhas; geomembranas; geomantas; geocompostos; geocélulas e outros geossintéticos (Silva,
2004).
Uma vegetação densa e bem fixada é a base para proteção natural de margens contra erosão.
Para isso, é necessário que tal vegetação apresente um bom sistema de raízes, podendo este ser
reforçado por elementos artificiais ou por outros meios. Além de desempenhar proteção contra
erosão, age como elemento de reforço para as raízes, proporciona baixo impacto ambiental,
permitindo às margens uma rápida recuperação de sua paisagem natural, após sua aplicação.
A geomanta tipo "flatback", apresenta em uma das faces (a inferior) um elemento
bidirecional, em monofilamentos de poliamida, termosoldados à estrutura tridimensional principal
formando uma geomanta com capacidade de confinar materiais granulares. Ver figura 9.
Esta geomanta é toda produzida em nylon e apresenta, devido ao seu processo produtivo,
elevado índice de vazios. Tal característica associada à presença da camada bidirecional em sua
face inferior permite a formação de um colchão que preenchido com pedrisco ( 2 a 6 mm de
diâmetro ) pode ser aplicado como revestimento em locais onde a vegetação não pode se
desenvolver ( margens de cursos d'água com baixa velocidade e lagos, abaixo do nível d'água ).
As biomantas desenvolvem a mesma função que as geomantas, isto é, a proteção contra
erosões superficiais, porém, por serem produzidas com materiais biodegradáveis, apresentam-se
como uma solução de baixo impacto ambiental, pois se degradarão após o desenvolvimento da
camada vegetal desejada. Ver figura 9.

"XVII Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos"

- 13 -

A utilização da biomanta, para a proteção de encostas, constitui-se numa alternativa
extremamente viável, pois atende várias viabilidades, inclusive a ambiental. Ver figura 10.

Figura 9 ­ Proteção direta ­ Geomanta tipo "flatback" Figura 10 ­ Proteção direta ­ Biomanta.
Fonte: SILVA, (2004).
Fonte: SILVA (2004).
11.7 - Utilização de gabiões
O gabião é indicado para construção de muros de contenção, em qualquer ambiente, clima ou
estação, bem como revestimentos de margens ou fundo de canais. Os tipos de gabiões mais
utilizados são os do tipo caixa, tipo manta e o tipo saco. É uma alternativa para projetos de
recuperação de cursos d'água quando a instabilidade do talude é mais grave, funcionando também
como suporte para revegetação. Segundo a maneira em que é feito é feito e instalado, o uso de
gabiões pode ser um interferência menos ou mais significativa na forma e propriedades naturais do
curso d'água.

Em projetos de recuperação de canais, o ideal é que os sacos em tela sejam

preenchidos com pedras e terras e cobertos pelo solo e plantas (Rirley, 1998:385).
Por outro lado, paredes em gabião, pela implantação inadequada ou pela própria instabilidade
do canal, podem sofrer rupturas, intensificando os problemas do curso d'água. No município de
Belo Horizonte, por exemplo, seu uso é cada vez mais restrito, pois existem casos freqüentes de sua
ruptura devido à instabilidade do solo. Além disso, a tela do gabião reduz a velocidade da água,
devido à sua alta rugosidade, e cria uma resistência ao escoamento o que, dependendo do local, não
é desejável. Adicionalmente, ela pode ser um fator de retenção de resíduos e lixo. As pedras
também podem reter material orgânico de esgotos e lixos, favorecendo o aparecimento de ratos,
baratas e escorpiões. Uma das conseqüências é que os peixes e outros animais aquáticos que antes
viviam naquele ambiente, com o gabião, tendem a ser substituídos por uma fauna nociva ao ser
humano. Ver figura 11.
A conclusão é que o uso de gabião em projeto de recuperação, quando necessária, deve ser
feito de forma criteriosa, segundo as condições do local, e, sempre que possível, com a

"XVII Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos"

- 14 -

incorporação de medidas vegetativas. A mostra uma forma de uso do gabião com ênfase na
recuperação do curso d'água.

Figura 11- Seção transversal do gabião com revestimento vegetal
Fonte: SILVA, (2004).
11.8 - Utilização de enrocamento
Os enrocamentos ou rip-raps consistem no simples revestimento de taludes com pedras ou
blocos artificiais, objetivando a formação de um maciço de pedras jogadas ou arrumadas, ou blocos
arrumados, destinadas a proteger as margens do rio dos efeitos da erosão. As dimensões das pedras
são compatíveis com as velocidades de escoamento. A estabilidade dos revestimentos com
enrocamento é função de diversos aspectos, tais como a velocidade de escoamento, as condições de
turbulência de fluxo, as propriedades físicas das rochas utilizadas.
As altas velocidades em rios, com trechos, intensamente urbanizados ocorre devido ao fato da
"passagem do rio ocorrer em espaço restrito". No enrocamento, o espaço entre as pedras, pode
receber muda de plantas, o que ressalta no surgimento de uma bela paisagem no ambiente urbano.
Ver figura 12.

Alvenaria Comum

Revestimento da Margem com Pedra Arrumada

Figura 12: Proteção Direta ­ Enrocamento
Fonte: SILVA, (2004)
11.9 - Utilização de crib-wall (parede de engradado / berço de madeira)

"XVII Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos"

- 15 -

São estruturas formadas por elementos de madeira (toras de madeira), que são montadas no
local em forma de "fogueiras" ou "gaiolas" justapostas e interligadas longitudinalmente, cujo
espaço interno e cheio, de preferência, com material granular graúdo (brita grossa ou pedra de mão),
solo e mudas.
As mudas geram um volume de raiz que junto com a madeira estabilizam o talude e
controlam o processo erosivo.
Estas estruturas possibilitam uma proteção efetiva e imediata para as margens íngremes, com
o rápido estabelecimento de vegetação. As pedras e toras de madeira abaixo da linha d'água
formam um local para descanso de peixes. Ver figura 13.

Figura 13: Proteção Direta - Crib-Wall - Madeira disposta em forma de fogueira protegendo a
margem
Fonte: SILVA, (2004).
12 - CONCLUSÃO
As estratégias conservacionistas e a restauração do habitat aquático passaram a ocupar papel
de relevância científica e social no momento em que a recuperação de rios passou a ser feita com
base na morfologia fluvial, assim estruturas passaram a ser colocadas dentro do leito do rio, mas
sempre de forma a respeitar a conformação dos leitos, pois os mesmos evoluem livremente. A
incorporação da morfologia fluvial nas abordagens de recuperação de rios permite alcançar a sua
renaturalização de forma científica, resultando numa redução de distúrbios ambientais devido, em
parte, a adoção de técnicas de bioengenharia.
As técnicas de bioengenharia aplicadas à engenharia hidráulica apresentam como resultados,
vantagens e desvantagens.
As principais vantagens levantadas no desenvolvimento deste artigo, tendo por base a
consulta a outros trabalhos, são: baixo custo de implantação e manutenção em relação aos métodos
tradicionais; baixa manutenção da vegetação após o seu desenvolvimento; benefícios ambientais
para a vida animal e vegetal, além da incorporação de valores estéticos ao meio ambiente e
"XVII Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos"

- 16 -

melhoria da qualidade das suas porções físicas; aumento da estabilidade natural do solo;
possibilidade de adoção e execução de obras hidráulicas envolvendo técnicas de bioengenharia em
locais de difícil acesso e ambientalmente sensíveis tem-se como limitações: a temporada de
introdução das técnicas é frequentemente limitada à estação dormente das vegetações que serão
utilizadas; possibilidade de não adaptação das plantas introduzidas; necessidade de mão-de-obra
com habilidade e experiência específica, o que nem sempre é encontrado; necessidade de formação
de mão-de-obra com conhecimentos específicos; necessidade de desenvolvimento de um plano de
educação ambiental, divulgando as técnicas de bioengenharia aplicadas a execução de obras
hidráulicas fluviais.
13 - RECOMENDAÇÕES
A renaturalização dos rios urbanos exige a formação de equipes muldisciplinares, pois a
execução de obras hidráulicas com a utilização de técnicas de bioengenharia, faz com que
engenheiros tenham necessidade de conhecimentos específicos de outras áreas do saber, assim
como outros profissionais, também, terão a necessidade de conhecimentos da área da engenharia, e
em específico da hidráulica fluvial.
14 - REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA
1. BRIGHETTI, G. Notas de Aula: Curso de Pós-graduação na área de Concentração Engenharia
Hidráulica. Obras Fluviais. São Paulo. Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, 2000.
2. BRIGHETTI, G.; ALMEIDA, C. Apostila: Navegação Interior e Portos Marítimos. São Paulo:
Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, 2002. Fascículo I. 143 p.
3. CAMARGO JUNIOR, A. Sistema de gestão ambiental em terminais hidroviários e comboios
fluviais: contribuições para o desenvolvimento sustentável na hidrovia Tietê ­ Paraná. 2000. 179 p.
Tese (Doutorado) ­ Instituto de Geociências e Ciências Exatas, da Universidade Estadual Paulista.
São Paulo.
4. OLIVEIRA, A. M. S.; BRITO S. N. A. Geologia de engenharia. 1 ed. São Paulo: Associação
Brasileira de Geologia de Engenharia (ABGE), 1998. 586 p.
5. PEREIRA, A. Domador de rios: história e perfil de Kokei Uehara. 1 ed. Rio de Janeiro:
Expressão e Cultura; São Paulo: Associação dos Antigos Alunos da Escola Politécnica, 1994.
125 p.
6. RIRLEY, A. L. Restoring streams in cities: a guide for planners, policy makers and citizens.
Washington DC: Island Press,1998.
7. SANTANA, E. V. Revitalização de cursos d'água. 89 p. Monografia (Graduação) ­ Universidade
Guarulhos, Guarulhos, 2006.

"XVII Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos"

- 17 -

8. SILVA, P. J. Estrutura para identificação e avaliação de impactos ambientais e obras
hidroviárias. 2004. 511 p. Tese (Doutorado) ­ Escola Politécnica da Universidade de São Paulo.
Departamento de Engenharia Hidráulica e Sanitária.
9. SILVA, P. J., VIUDE, C. A., NASCIMENTO, J. A. Renaturalização dos cursos d'água. In:
EHWC'2006 ­ CONGRESSO MUNDIAL DE PESQUISAS AMBIENTAIS E SAÚDE, 2006,
Santos. Anais.CD ­ ROM.
10. TUCCI, C. E. M., Bertoni, J. C. (2003) Inundações urbanas em América Latina. ABRHEd.UFRGS, Porto Alegre, RS.

"XVII Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos"

- 18 -