EFEITOS ANTIPROLIFERATIVOS E APOPTÓTICOS DA
FOSFOETANOLAMINA SINTÉTICA NO MELANOMA B16F10.

RENATO MENEGUELO

Dissertação de mestrado apresentada ao Programa de Pós
­ Graduação Interunidades em Bioengenharia ­ Escola de
Engenharia de São Carlos / Faculdade de Medicina de
Ribeirão Preto / Instituto de Química de São Carlos da
Universidade de São Paulo como parte dos requisitos para a
obtenção do título de mestre em Bioengenharia.

Área de Concentração: Bioengenharia
Orientador: Prof. Dr. Gilberto Orivaldo Chierice

São Carlos,
2007.

AUTORIZO A REPRODUÇÃO E DIVULGAÇÃO TOTAL OU PARCIAL DESTE
TRABALHO, POR QUALQUER MEIO CONVENCIONAL OU ELETRÔNICO,
PARA FINS DE ESTUDO E PESQUISA, DESDE QUE CITADA A FONTE.

Ficha catalográfica preparada pela Seção de Tratamento
da Informação do Serviço de Biblioteca ­ EESC/USP

M541e

Meneguelo, Renato
Efeitos antiproliferativos e apoptóticos da
fosfoetanolamina sintética no melanoma B16F10 / Renato
Meneguelo ; orientador Gilberto Orivaldo Chierice. ­- São
Carlos, 2007.

Dissertação (Mestrado-Programa de Pós-Graduação
Interunidades em Bioengenharia. Área de Concentração:
Bioengenharia) ­- Escola de Engenharia de São Carlos,
Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto e Instituto de
Química de São Carlos da Universidade de São Paulo, 2007.

1. Fármacos. 2. Fosfoetanolamina sintética.
3. Melanoma animal. 4. Metástase neoplásica. 5. Câncer.
I. Título.

2

AGRADECIMENTOS:

"Quando todos pensam da mesma maneira, é porque nenhum pensa grande coisa."
Walter Junior

Em primeiro lugar gostaria de agradecer do fundo do coração aquele que
acreditou em um sonho, por mais louco que parecesse por mais inatingível que
fosse um visionário, SR. NELSON CIANFLONE in memória, de onde estiver
nos vendo, sei que está muito feliz por nossa conquista.......
A meus pais Reinaldo e Ana Maria que me ensinaram que o estudo é tudo.
Meu irmão Sandro, Ivone e o pequeno Oto.
A minha esposa luz da minha vida Vivianne Paternostro Santa Rosa, minha
filhinha querida Anna Clara, minha outra bebê que chegou este mês para
iluminar ainda mais nossas vidas Geovanna, a nosso braço direito Lurilene,
haja paciência.
Ao grande amigo, professor, mestre, que me acolheu em seu laboratório sem
pedir nada em troca, acreditou em minhas maluquices, e acrescentou muitas
outras, foram quase três anos de uma troca gratificante de experiências, onde
aprendi que devemos defender nossos pontos de vista para podermos ampliar
nosso horizonte acadêmico. Sei que obrigado é muito pouco Prof. DR.
Durvanei Augusto Maria. Agradeço a Deus o dia em que você me deu um
voto de confiança, você sabe que foi o único. Muito Obrigado.
Amigo!! Agora Prof. Marcos Vinicius de Almeida, só nos sabemos como foi
difícil, quantas vezes passou por nossas cabeças o pensamento em desistir,
sem seu exemplo eu não teria conseguido.
Prof. Dr. Salvador Claro Neto obrigado pela paciência em nossas longas
discussões, cheguei até vocês sem base alguma do que falava hoje
amadurecido, posso discutir de igual com muita gente.
Ao amigo Toninho, sem ele não teríamos o material para estudo...
À Dr. Sandra Vasconcellos Al-Asfour por toda a parte química que está
desenvolvendo.
Ao pessoal do Butantã, um obrigado muito especial, Ricardo e Iara eu torço
muito por vocês, também ao Rogério, Danilo, Fernanda, Kamila, Norma e
Tiago.

3

E principalmente aquele que foi os meus dois braços neste trabalho Adilson
Kleber Ferreira, nós somos uma grande equipe...
Minha sempre amiga Janete Ferreira Rodrigues, obrigado pela paciência,
você vai para o céu com certeza.
Aquele que me mostrou um formidável mundo novo de possibilidades, que
acreditou em minha capacidade, que me escolheu, para mim foi muito mais
que um orientador, me conduziu como se cuida de um filho. Prof. Dr. Gilberto
Orivaldo Chierice. A mente mais brilhante que conheci em minha vida, sou
uma pessoa de muita sorte.

Certa vez uma senhora me procurou desesperada para saber se eu
poderia ajudar seu esposo que tem câncer cerebral, onde os médicos
afirmaram que ele já estava em estado terminal e que a única coisa a ser
feito era amor de família, eu lhe disse: "Senhora não sei se posso ajudar
muito, pois o que fazemos é pesquisa". Respondeu-me ela: "Dr. qualquer
dúvida que o senhor me colocar na cabeça será melhor do que a certeza
que tenho; que daqui três meses não terei mais meu marido". Abraçoume e chorou.
Essas pessoas que mostram o valor real do trabalho que realizamos na
busca da cura para esta doença que mutila tantas famílias. Não podemos
parar....

Não se preocupe com o futuro, cante, não se sinta culpado por não saber o que
fazer da vida...
As pessoas mais interessantes que conheço não sabiam aos vinte e dois o que
queriam fazer da vida, alguns dos quarentões mais interessantes que conheço
não sabem...
As suas escolhas tem sempre metade de chances de dar certo, é assim pra
todo mundo...Desfrute de seu corpo, dedique-se a conhecer os seus pais
impossível prever quando eles terão ido embora de vez, seja legal com seus
irmãos eles serão a melhor fonte com o seu passado e, possivelmente quem
vai mesmo te apoiar no futuro...
Entenda que Amigos vão e vem, mas, nunca abra mão dos poucos e
bons...aceite certas verdades inescapáveis, respeite os mais velhos, você
também vai envelhecer....acredite....
Esforce-se de verdade para diminuir as distâncias geográficas e destinos de
vida, por que quanto mais velho você ficar, mais vai precisar das pessoas que
conheceu quando jovem, aceite certas verdades inescapáveis, respeite os mais
velhos, você também vai envelhecer.

4

Lista de Abreviações:

1 ­ %: Porcentagem.
2 ­ MTT: Método Colorimétrico.
3 ­ IC 50 %: Concentração Inibitória 50%.
4 ­ ug: micrograma.
5 ­ ml: mililitro.
6 ­ CDKs: Quinases Dependentes de Ciclinas.
7 ­ G1: Fase do ciclo celular.
8 ­ S: Fase do ciclo celular.
9 ­ G2: Fase do ciclo celular.
10 ­ M: Fase do ciclo celular.
11 ­ CDKIs: Inibidores de Quinase Dependente de Ciclinas.
12 ­ P15, P16, P21, P53,...: Proteínas específica de ativação.
13 ­ ATP: Aenosina Trifosfato.
14 ­ FO: Fosforilação Oxidativa.
15 ­ DNA: Ácido Desoxirribonucléico.
16 ­ GTP: Glutamina Trifosfato.
17 ­ mvolts: milivolts.
18 ­ Bcl2: mediador químico.

5

19 ­ Apaf-1: Proteína de ativação.
20 ­ Bcl-xl: Proteína antiapoptótica.
21 ­ Iaps: Proteína de inibição de apoptose.
22 ­ PEA: Fosfoetanolamina.
23 ­ EA: Etanolamina.
24 ­ AMD: Adenosina Monofosfato.
25 ­ ADP: Adenosina Difosfato.
26 ­ Li: Lítio.
27 ­ SNC: Sistema Nervoso Central.
28 ­ mM: Milimol.
29 - cm²: Centímetro quadrado.
30 ­ DMSO: Dimetil Sulfóxido.
31 ­ NCI: National Institute of Câncer.
32 ­ mg: Miligrama.
33 ­ nm: Nanômetro.
34 ­ ul: Microlitro.
35 ­ um: Micromolar.
36 ­ ul: Microlitro.
37 ­ mm: milímetro.
38 ­ g: grama.
39 ­ g/l: gramas por litro.

6

40 ­ Ht: Hematócrito.
41 ­ EDTA: Anticoagulante.
42 ­ PHT: Fitohemaglutinina.
43 ­ SFB: Soro Fetal Bovino.
44 ­ Ts: Duração da fase S.
45 ­ Tpot: Tempo de Duplicação Potêncial.
46 ­ RPM: Rotações por Minuto.
47 ­ mg/ml: Miligramas por Mililitro.
48 ­ mg/kg: Miligramas por Kilograma.
49 ­ Hb: Hemoglobina.
50 ­ OMS: Organização Mundial de Saúde.
51 ­ Qt: Quimioterapia.
52 ­ MDR: Resistência a múltiplas drogas.
53 ­ T/C:Tratado por Controle.
54 ­ Gm ­ CSF: Fator estimulador de colônias do tipo granulócito-monócito.

7

Lista de Figuras:

Figura 1 ­ Determinação da atividade citotóxica da fosfoetanolamina sintética
em células de melanoma B16F10, avaliada pelo método colorimétrico MTT, as
barras do histograma representam a porcentagem relativa em cada
concentração das células viáveis e mortas.

Figura 2 ­ Curva de regressão linear e concentração inibitória 50% (IC50%) da
atividade citotóxica da fosfoetanolamina sintética em células de melanoma
B16F10, avaliada pelo método colorimétrico MTT.

Figura 3 ­ Avaliação da resposta linfoproliferativa de linfócitos T normais, após
96 horas de cultura com fosfoetanolamina sintética e com o mitógeno
fitohemaglutinina (PHA). A porcentagem da capacidade proliferativa foi
calculada comparando-se a resposta basal (ausência de mitógeno) e o controle
na presença de PHA e 10% e 1% de soro fetal bovino (SFB).

Figura 4 ­ Determinação da distribuição das populações de células tumorais
dos tumores dorsais melanoma dos animais do grupo controle (A) e tratados
com 6.6 mg de fosfoetanolamina sintética (B) nas diferentes fases do ciclo
celular obtidos por citometria de fluxo.

Figura 5 - Determinação da distribuição das populações de células tumorais
dos tumores dorsais melanoma dos animais do grupo controle (A) e tratados

8

com 1.65 mg de fosfoetanolamina sintética (B) nas diferentes fases do ciclo
celular obtidos por citometria de fluxo.

Figura 6 - Análise comparativa da distribuição das populações celulares nas
fases do ciclo celular dos tumores tratados com 6.6 mg de fosfoetanolamina (A)
e tratados com o quimioterápico Taxol (B), obtidos por citometria de fluxo.

Figura 7 - Análise comparativa da distribuição das populações celulares nas
fases do ciclo celular dos tumores tratados com 1.65 mg de fosfoetanolamina
(A) e tratados com o quimioterápico Taxol (B), obtidos por citometria de fluxo.

Figura 8 - Aspectos macroscópicos dos tumores dorsais melanoma do grupo
tratado com 1.65mg de fosfoetanolamina sintética, após 20 dias. Observa-se
massa tumoral não pigmentada, com raras áreas de irrigação (*) e formação de
cápsula fibrótica (&).

Figura 9 ­ Aspectos macroscópicos dos tumores dorsais melanoma do grupo
controle que recebeu solução salina, após 20 dias. Observa-se extensa massa
tumoral nodular, com grandes áreas de irrigação (#), necrose (*) e ulceração
(&).

Figura 10 ­ Aspecto macroscópico dos tumores dorsais melanoma do grupo
tratado com 6.6 mg de fosfoetanolamina sintética, após 20 dias. Observa-se
pequena massa tumoral amorfa (&) ou pequenos pontos de aplicação no local

9

da implantação das células tumorais (#), com ausência de irrigação vascular
(* @).

Figura 11 ­ Aspecto macroscópico dos tumores dorsais melanoma do grupo
tratado com o quimioterápico Taxol 3.7 uM, após 20 dias. Observa-se
volumosa massa pigmentada dorsal (&) com extensa área de irrigação,
neoangiogênese (*) e metástases ganglionares satélites (# @).

Figura 12 ­ Aspecto macroscópico das lesões metastáticas presentes nos
parênquimas hepático (&) e pulmonar (*) do grupo controle e dos animais com
o quimioterápico comercial Taxol 3.7 uM (#) após 20 dias. Observa-se
acentuado grau de anemia nos animais do grupo controle em relação aos
animais tratados.

Figura 13 ­ Avaliação da área tumoral dorsal dos animais portadores de
melanoma B16F10 durante o tratamento com fosfoetanolamina sintética nas
concentrações de 9.9, 6.6 e 1.65 mg, durante 20 dias de tratamento. Os
animais tratados com fosfoetanolamina sintética apresentaram uma redução
significativa na carga tumoral de 78%, 87% e 89%, nas respectivas doses 1.65,
6.6 e 9.9 mg.

Figura 14 ­ Análise do número de metástases internas obtidas após a
necropsia dos grupos de animais tratados com 9.9, 6.6 e 1.65 mg de
fosfoetanolamina sintética e grupo controle.

10

Figura 15 ­ Avaliação do crescimento da massa tumoral dorsal do melanoma
B16F10 implantado em camundongos e tratados com os quimioterápicos
combinados Taxol (Paclitaxel) nas concentrações de 3.75 e 7mg/Kg

e

o

Etoposideo (Vipeside) nas concentrações de 2.5 e 5 mg/Kg.

Figura 16 ­ Aspecto histopatológico dos tumores dorsais B16F10 do grupo
controle. Observam-se células tumorais em divisão celular (A), pigmentos
melânicos (B), vasos sanguíneos neoformados, irregulares (C), células e debris
celulares pincóticos (D) e áreas de hemorragia intra-tumoral (E).

Figura 17 ­ Aspectos histopatológicos das lesões metastáticas dos
parênquimas hepático e pulmonar. Observa-se nódulo metastático hepático
(A), vasos neoformados (B) e áreas hemorrágicas (C) de lesões metastáticas
do pulmão.

Figura 18 ­ Aspectos histopatológicos dos tumores melanoma dorsais tratados
com 1.65 mg/ml de fosfoetanolamina sintética. Observa-se extensa área de
necrose intra-tumoral (A), infiltrado inflamatório intra-tumoral (B e C).

Figura 19 ­ Aspecto histopatológico dos tumores dorsais corados pelo método
citoquímico Picrosirius, evidenciando-se raras áreas com presença de fibras de
colágeno deflagradas em vermelho ao redor dos vasos sanguíneos (A) e no
interior do estroma tumoral (B), do grupo controle, que receberam solução
salina.

11

Figura 20 ­ Aspectos histopatológicos dos tumores melanoma dorsais tratados
com 6.6 mg/ml de fosfoetanolamina sintética. Observa-se extensa área de
necrose intra-tumoral (A), células apoptóticas (B) e vasos neoformados (C).

Figura 21 ­ Aspecto histopatológico dos tumores dorsais corados pelo método
citoquímico Picrosirius, evidenciando-se moderadas áreas com presença de
fibras de colágeno em vermelho das lesões primárias, tratadas com 1.65 mg/ml
de fosfoetanolamina sintética.

Figura 22 ­ Aspecto histopatológico dos tumores dorsais corados pelo método
citoquímico Picrosirius, evidenciando-se extensas áreas com presença de
fibras de colágeno em vermelho das lesões primárias, tratadas com 6.6mg/ml
de fosfoetanolamina sintética.

Figura 23 ­ Aspecto histopatológico dos tumores dorsais do grupo controle
corados pelo método histoquímico de Verloff. Observam-se, nas setas vasos
sanguíneos neoformados irregulares e distribuídos no interior da massa
tumoral.

Figura 24 ­ Aspecto histopatológico dos tumores dorsais do grupo de animais
tratados com fosfoetanolamina sintética 1.65 mg/ml (A) e 6.6 mg/ml, corados
pelo método histoquímico de Verloff. Observa-se nas setas pequena rede de
vasos sanguíneos neoformados irregulares e distribuídos no interior da massa
tumoral, os quais apresentaram pequeno diâmetro.

12

Figura 25 ­ Análise do número de glóbulos vermelhos dos animais portadores
de melanoma B16F10, grupos controle e tratados com fosfoetanolamina
sintética.

Figura 26 ­ Análise do hematócrito (Ht) dos animais portadores de melanoma
B16F10, grupos controle e tratados com fosfoetanolamina sintética.

Figura 27 ­ Análise quantitativa da hemoglobina (Hb) dos animais portadores
de melanoma B16F10, grupos controle e tratados com fosfoetanolamina
sintética.

Figura 29 ­ Análise quantitativa do número de leucócitos dos animais
portadores

de

melanoma

B16F10,

grupos

controle

e

tratados

com

fosfoetanolamina sintética.

LISTA DE TABELAS:

Tabela 1. Análises das fases do ciclo celular obtidas por citometria de fluxo das
células de melanoma B16F10 dos grupos: controle, tratados com 6.6 e 1.65
mg/ml de fosfoetanolamina sintética e com o quimioterápico Taxol.

13

14

Resumo:
MENEGUELO, R.(2007). EFEITOS ANTIPROLIFERATIVOS E
APOPTÓTICOS DA FOSFOETANOLAMINA SINTÉTICA NO MELANOMA
B16F10. 106 f. Dissertação (Mestrado) ­ Programa de Pós-graduação da
Interunidades em Bioengenharia (EESC/FMRP/IQSC), Universidade de São
Paulo, São Carlos, 2007.

A fosfoetanolamina sintética é uma molécula fosforilada artificialmente, com
síntese inédita realizada pela primeira vez pelo nosso grupo, diferindo-se das
moléculas atuais pelo seu nível de absorção de aproximadamente 90%, com
diversas propriedades antiinflamatórias e apoptóticas. O objetivo principal
desse estudo e avaliar os efeitos antitumorais "in vitro" e "in vivo" da
fosfoetanolamina sintética em células de melanoma B16F10 implantados em
camundongos Balb-c. Foram utilizados grupos de 60 camundongos Balb-c,
fêmeas com aproximadamente 20g, tratados com água e ração "ad libidum". A
atividade citotóxica do composto foi testada em linhagens tumorais pelo
método colorimétrico MTT, e determinada à concentração inibitória (IC50%),
sua toxicidade foi também testada em linfócitos T normais, em ensaios de
proliferação celular, estimulados por mitógeno. Os animais portadores de
tumores foram tratados após o 14º dia do implante tumoral com solução
aquosa (i.p) de fosfoetanolamina sintética e o grupo controle recebeu solução
salina, e foram avaliados os seguintes parâmetros: volume tumoral, área e
número de metástases em órgãos internos. Foi também realizada a
comparação da fosofetanolamina sintética em relação aos quimioterápicos
comerciais Taxol e Etoposideo separados nas diferentes fases do ciclo celular.

15

Os resultados do tratamento com a fosfoetanolamina sintética "in vitro"
mostraram que o composto induz citotoxicidade seletiva para as células
tumorais com IC 50% de 1.69ug/ml sem afetar a capacidade proliferativa de
células normais. Os animais portadores de tumores dorsais de melanoma
B16F10 apresentaram significativa redução carga tumoral, mostrando inibição
da capacidade de crescimento e a metastatização. A avaliação hematológica
não

demonstrou

alterações

relevantes

após

a

administração

da

fosfoetanolamina sintética pela via intraperitoneal nos animais portadores de
melanoma.

Conclui-se

que

a

fosfoetanolamina

sintética

diminuiu

significativamente o tamanho de tumores de forma seletiva, sem alterações em
células normais, com vantagem em relação aos quimioterápicos comerciais,
pois a mesma não apresentou os terríveis efeitos colaterias dos mesmos.
Neste trabalho ficou evidente a capacidade inibitória da fosfoetanolamina
sintética na inibição da progressão e disseminação das células tumorais.

Palavras chaves: fármaco, fosfoetanolamina sintética, melanoma, metástases,
fosfolipideos, câncer.

16

Summary:
MENEGUELO, R.(2007). EFECTS ANTIPROLIFERATION AND APOPTOTIC
OF THE SYNTHETIC PHOSPHOETHANOLAMINE IN MELANOMA B16F10.
106 f. Dissertação (Mestrado) ­ Programa de Pós-graduação da Interunidades
em Bioengenharia (EESC/FMRP/IQSC), Universidade de São Paulo, São
Carlos, 2007.

The synthetic phosphoethanolamine is a phosphorilad artificially
molecule, with unknown synthesis carried through for the first time for our
group, differing itself from current molecules for its level of absorption of
approximately 90%, with diverse anti-inflammatory and apoptotic as properties.
The main objective of this study and to evaluate the anti tumor effect "in vitro"
and "in vivo" of the synthetic phosphoethanolamine in cells of melanoma
B16F10 implanted in mice Balb-c. Groups of 60 Balb-c mice had been used,
females with approximately 20g, treated with water and ration "ad libidum". The
cytotoxic activity of the composition was tested in lives tumor or normal cells for
colorimetric method MTT, and determined to the inhibitory concentration
(IC50%) its toxicid also it was tested in normal linphocytes T, in assays of
cellular proliferation, stimulated for mitogen. The bearing animals of tumors had
been dealt with after 14º day the tumor inoculation with watery solution (i.p) of
synthetic phosphoethanolamine and the group control received solution saline,
and had been evaluated the following parameters: tumor volume, area and
number of metastases in internal agencies. Also the comparison of the synthetic
phosphoethanolamine in relation to the convencionaly treatment with
quimioterapics separate Taxol and Etoposideo in the different phases of the

17

cellular cycle was carried through. The results of the treatment with the
synthetic phosphoethanolamine "in vitro" had shows that the composition
induces selective citotoxicity for the tumor cells with IC 50% of 1.69ug/ml
without affecting the proliferative capacity of normal cells. The bearing animals
of dorsal tumors of melanoma B16F10 had presented significant reduction
tumor load, showing to inhibition of the capacity of growth and the
metastatization. The hematological evaluation did not show alterations the
administration of the synthetic phosphoethanolamine by the intraperitoneal way
in the bearing animals of melanoma. The synthetic phosphoethanolamine
significantly reduced the size of tumors of selective form, without alterations in
normal cells; with advantage in relation to the commercial quimioterapics
therefore the same one did not present the terrible collaterals effect of the same
ones. In this work it was evident the inhibitory capacity of the synthetic
phosphoethanolamine in the inhibition of the progression and dissemination of
the tumor cells.

Key words: drougs, synthetic phosphoethanolamine, melanoma, phospholipids,
cancer.

18

SUMÁRIO:

1 ­ INTRODUÇÃO:

1.1 ­ Pele.............................................................................................................1
1.2 ­ Câncer.......................................................................................................3
1.3 ­ Etiologia......................................................................................................3
1.4 ­ Tumorigênese e Melanoma........................................................................5
1.5 ­ Epidemiologia do Melanoma Cutâneo........................................................8
1.6 ­ Aspectos Clínicos do Melanoma...............................................................10
1.7 ­ Citotoxicidade: morte celular ­ apoptose e necrose.................................11
1.8 ­ Apoptose...................................................................................................13
1.9 ­ Aletrações Ultraestruturais Mitocondriais.................................................14
1.10 ­ Apoptose mediado pela via mitocôndrial................................................16
1.11 ­ Fosfoetanolamina...................................................................................17

2 ­ OBJETIVOS:

3 ­ MATERIAIS E MÉTODOS:

3.1 ­ Linhagens celulares tumorais e células normais......................................24
3.2 ­ Determinação da atividade citotóxica pelo método colorimétrico MTT.....24
3.3 ­ Análise das fases do ciclo celular por citometria de fluxo........................25

19

3.4 ­ Determinação do conteúdo de DNA por citometria de fluxo....................25
3.5 ­ Determinação das fases do ciclo celular por citometia de fluxo...............26
3.6 ­ Implantação de células tumorais..............................................................27
3.7 ­ Animais e delineamento experimental......................................................27
3.8 ­ Divisão dos grupos experimentais............................................................28
3.9 ­ Observação do crescimento tumoral........................................................28
3.10 ­ Contagem e quantificação dos glóbulos vermelhos, hemoglobina,
hematócrito, leucócitos e plaquetas...................................................................29
3.11 ­ Análises hematológicas..........................................................................31
3.12 ­ Análises histopatológicas........................................................................31
3.13 ­ Preparo das amostras para análises histoquímicas: Picrosirius ­red e
Van Gienson-Verlof............................................................................................32

4 ­ RESULTADOS:

4.1 ­ Avaliação da atividade citotóxica "in vitro" da fosfoetanolamina sintética
em linhagens celulares......................................................................................35
4.2 ­ Análise das fases do ciclo celular por citometria de fluxo.........................39
4.3 ­ Análise dos parâmetros tumorais dos camundongos portadores de
melanoma B16F10 tratados com fosfoetanolamina sintética............................48
4.4 ­ Avaliação histopatológica dos tumores dorsais e lesões metastáticas dos
grupos tratados com fosfoetanolamina sintética e controle...............................60
4.5 ­ Avaliação dos parâmetros hematológicos dos animais portadores de
melanoma B16F10 tratados e não tratados com fosfoetanolamina sintética....75

20

5 ­ DISCUSSÃO:........................................................................................82

6 ­ CONCLUSÕES:....................................................................................93

7 ­ REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS......................................................96.

21

Introdução:
22

1- INTRODUÇÃO:

1.1 - Pele:
A pele é constituída por dois principais componentes, a derme e a
epiderme. A derme é basicamente constituída por tecido conectivo formando
por fibras de colágeno, elásticas e reticulares, ricamente irrigadas por vasos
sanguíneos e linfáticos, além de conter estruturas originalmente derivadas da
epiderme, que são as glândulas sebáceas e sudoríparas, folículos pilosos e
pelos. A derme possui terminações nervosas de medeiam às sensações de
tato, calor, frio e dor, entre nervos do sistema nervoso autônomo simpático que
regulam a atividade das glândulas sudoríparas e arteríola1.
Em contraste, a epiderme é uma fina camada (0,1 a 0,15 milímetros de
espessura) desprovida de vasos sanguíneos e terminações nervosas. É
composta por duas populações distintas de células, células epiteliais ou
queratinócitos

(também

conhecidas

como

células

de

Malpighi,

que

compreendem cerca de 95% da epiderme) e pelas células pigmentares ou
melanócitos. A epiderme encontra-se dividida em 4 camadas ou estratos:
·

Estrato

basal

(camada

basal

ou

estrato

germinativo):

constituído por uma camada única de células colunares que
delineia a superfície da derme. Os melanócitos constituem
cerca de 10% das células presentes nessa camada, e a
melanina é freqüentemente encontrada nos queratinócitos
basais.
·

Estrato espinhoso: constituído por varias camadas espessas de
células

poliédricas

irregulares

cobertas

por

estruturas

23

semelhantes a pequenos espinhos ou projeções, formando uma
espécie de ponte com as células adjacentes.
·

Estrato granuloso: consiste em inúmeras camadas de células
irregulares e poliédricas, cujo o citoplasma contem grânulos de
queratihialina (que aparentemente contribuem para a formação
da queratina); como esses grânulos crescem em tamanho e
numero, o núcleo da célula gradualmente se degenera
culminando na morte da mesma.

·

Estrato córneo: composto por um numero variável de camadas
de

células

queratinizadas

mortas,

próximas

umas

das

outras2, 3,4.
Os melanócitos são células altamente especializadas que produzem e
exportam melanina, um heteropolímero cuja estrutura precisa é até hoje
desconhecida. Em mamíferos, estão presentes na camada basal da epiderme,
nos folículos pilosos, na derme, na retina e íris. Na pele, os melanossomos
(organelas que contém melanina produzida nos melanócitos são transferidas
para os queratinócitos vizinhos por um mecanismo ainda não totalmente
esclarecido, mas que parece envolver a fagocitose da ponta dos processos
dendriticos dos melanócitos pelos queratinócitos)5, 6,7.
Por serem altamente diferenciados, os melanócitos apresentam baixa
atividade mitótica "in vitro" e "in vivo" estas células necessitam de uma
combinação de fatores de crescimento e agentes que elevem a atividade das
proteínas quinase A e C, para manter uma taxa ótima de proliferação8, 9,10.

24

1.2 - Câncer:
Câncer é o nome dado a uma patologia com mais de 100 subdivisões
que têm em comum o crescimento desordenado (maligno) de células que
invadem os tecidos e órgãos, podendo espalhar-se (metástase) para outras
regiões do corpo. A maioria dos cânceres origina-se de uma única célula
alterada. O câncer é o resultado de uma série de alterações que controlam
o crescimento e o comportamento celular. Dividindo-se rapidamente, estas
células tendem a ser muito agressivas e incontroláveis, determinando a
formação de tumores (acúmulo de células cancerosas) ou neoplasias
malignas. Por outro lado, um tumor benigno significa simplesmente uma
massa localizada de células que se multiplicam vagarosamente e se
assemelham ao seu tecido original, raramente constituindo risco de vida. As
células

cancerosas

mostram

uma

variedade

de

características

e

propriedades notáveis11.
As células malignas possuem traços morfológicos que as distinguem,
incluindo um núcleo maior, mitocôndrias pouco funcionais, alterações ultra
estruturais

do

citoesqueleto,

variação

na

diferença

de

potencial

transmembrana, maior produção de energia anaeróbia, entre outras12.

1.3 - Etiologia:
As causas de câncer são variadas, podendo ser externas ou internas ao
organismo,

estando

ambas

inter-relacionadas.

As

causas

externas

relacionam-se ao meio ambiente e aos hábitos ou costumes próprios de um
ambiente social e cultural. As causas internas são, na maioria das vezes,
geneticamente pré-determinadas, estão ligadas à capacidade do organismo de

25

se defender das agressões externas. Esses fatores causais podem interagir de
várias formas, aumentando a probabilidade de transformações malignas nas
células normais.
De todos os casos, 80% a 90% dos cânceres estão associados a fatores
ambientais. Alguns desses fatores são bem conhecidos: o cigarro, exposição
excessiva ao sol, alguns vírus. O envelhecimento traz mudanças nas células
que aumentam a sua suscetibilidade à transformação maligna, porem o
surgimento do câncer depende da intensidade e duração da exposição das
células aos agentes causadores do câncer13, 14.
As alterações são principalmente observadas dentro dos cromossomos
das células cancerosas, bem como das "células transformadas" em
cancerosas. As células normais mantêm seus cromossomos diplóides
direcionados ao crescimento e divisão celular, tanto "in vivo" quanto "in vitro".
Em contraste, as células cancerosas freqüentemente têm aberrações
cromossômicas, uma condição patológica conhecida por aneuploidia. Assim, os
cromossomos diplóides de uma célula normal podem sofrer lesões, porém,
antes que a célula sofra uma transformação em célula cancerosa, ocorre à
ativação de proteínas específicas da célula que causam a sua eliminação, num
processo conhecido por apoptose15.
Entretanto a célula cancerosa freqüentemente falha na estimulação da
apoptose, e dessa forma seus cromossomos se desorganizam com mais
intensidade.
As mais notáveis alterações morfológicas que ocorrem no citoplasma de
uma célula cancerosa envolvem o citoesqueleto. Enquanto uma célula normal
contém organizada rede de microtúbulos, microfilamentos, e filamentos

26

intermediários, o citoesqueleto da célula cancerosa é desorganizado e com
redução na quantidade dessas organelas. Muitas mudanças morfológicas
também são observadas na superfície da célula, incluindo o aparecimento (ou
desaparecimento) de componentes específicos, como proteínas de superfície.
Algumas células cancerosas possuem novas proteínas de superfícies,
conhecidas por antígenos associados a tumores, que induzem a formação de
anticorpos específicos contra as células16,

17

. Sendo que, quando as ações

desses anticorpos se tornam insuficientes, as células cancerosas crescem
desordenadamente em número e diferenciando-se em células tumorais. Essas
mudanças nas superfícies das células cancerosas alteram a adesividade para
com outras células teciduais bem como com substratos não celulares
(proteínas de adesão). Assim, a perda da adesividade permite que as células
cancerosas se destaquem da massa tumoral e migrem para outros tecidos e
órgãos do corpo, cujo processo é conhecido por metástase18.

1.4 - Tumorigênese e Melanoma:
O câncer é uma doença genética no sentido de que o fenótipo maligno
resulta de uma alteração genética que é transmitida da célula alterada para
suas células filhas. Todos os dias, milhões de células se dividem no organismo
adulto normal. A cada divisão celular, estamos expostos a sofrer o efeito dos
inúmeros

carcinógenos

ambientais.

No

entanto,

o

aparecimento

e

desenvolvimento de um clone de células tumorais é um evento relativamente
raro. Isto ocorre porque a célula necessita romper uma série de barreiras
fisiológicas para se tornar cancerígena. As barreiras mais primárias são os
próprios pontos de controle do ciclo celular. Esta seqüência de fases, com

27

seus respectivos pontos de controle permitem que a célula complete seu ciclo
normal, replicando-se sem dar origem a células anormais. A divisão celular
normal é positivamente regulada ou estimulada através de vias sinalizadoras.
Estas vias respondem a fatores extracelulares, os quais agem através de uma
seqüência de proteínas ­ por exemplo: receptores proteína G proteínaquinase fatores de transcrição. A progressão pelo ciclo celular a seguir, em
parte, é controlada, por uma série de proteínas chamadas "quinases
dependentes de ciclinas" (CDKs), particularmente nas transições de fases,
tanto de G1 para S quanto de G2 para M19. Os níveis de ciclinas oscilam
durante as fases do ciclo, determinando o momento apropriado de sua ligação
com CDKs. Este grupo de enzimas, por sua vez, fosforila a progressão de uma
fase a outra do ciclo celular. Por outro lado, um grupo de inibidores do ciclo
atua impedindo ou regulando negativamente as vias sinalizadoras de tal
progressão no ciclo de divisão celular. À semelhança dos fatores estimuladores
que levam à produção de ciclinas/CDKs, os reguladores negativos ativarão
inibidores dos CDKs: os CDKIs19.
Podemos distinguir duas famílias de CDKIs, de acordo com seu
mecanismo de ação, homologia e CDK alvo:
1) o grupo do p21, p27 e p57.
2) o grupo do p15, p16, p18 e p1919 .
Anormalidades tanto nos genes estimuladores de divisão celular
(chamados de oncogenes), como nos protetores ou bloqueadores do ciclo
celular (chamados de genes supressores tumorais), podem conferir a uma
célula vantagens de crescimento e desenvolvimento sobre as células normais.

28

Cada uma das proteínas envolvidas no ciclo celular é codificada por um gene.
Mutações nestes genes podem levar à desregulação do ciclo celular.
Os genes que atuam de forma positiva, induzindo ou estimulando a
progressão do ciclo, são chamados proto-oncogenes, pois ao sofrerem
mutações se tornarão oncogenes, cuja ação permitirá ganho de função à célula
mutante. Ao contrário, as proteínas envolvidas no controle negativo do ciclo
celular são codificadas pelos assim chamados genes supressores tumorais.
Mutações neste grupo de genes se manifestarão pela sua falta de ação, mas o
efeito final será similar: perda dos mecanismos controladores do ciclo celular
normal17. Já se sabe há muito tempo que expressão imprópria de fatores de
crescimento ou de seus receptores contribui para o desenvolvimento de
neoplasias. Mais recentemente, demonstrou-se que hiper-expressão da
ciclina D1 induz progressão de hiperplasia a carcinomas em camundongos.
Amplificações da ciclina D1 também foram encontradas em tumores primários
e linhagens celulares tumorais19. No ser humano, medidas indiretas baseadas
na prevalência de tumores em diferentes faixas etárias, permitem inferir que
são necessárias cerca de cinco a seis mutações sucessivas para que uma
célula se torne maligna e agressiva18.
Os mecanismos pelos quais os melanócitos tornam-se malignos "in vivo"
ainda é pouco conhecido; no entanto, a ativação e inativação de oncogenes
dominantes e recessivos estão envolvidos no processo tumoral. Sabe-se que
as células neoplásicas apresentam profunda anormalidade quando interagem
com seu micro ambiente, as transformações malignas são provavelmente
também alterações gênicas que codificam fatores de crescimento e/ou seus

29

receptores, o que confere autonomia de sinais proliferativos positivos,
independente do meio extracelular.
Outra evidência que suporta a idéia do envolvimento de pré-disposição
genética e o fato que 10% dos pacientes portadores de melanoma possuem
histórico familiar da doença (pelo menos um parente também desenvolveu o
tumor)20.

1.5 - Epidemiologia do Melanoma Cutâneo:

Os melanócitos são células dendríticas originárias da crista neural, que
migram durante o desenvolvimento embrionário para a epiderme e cuja
principal função é a síntese e transferência dos grânulos de melanina para os
queratinócitos circunvizinhos28.

Em parte, é o tipo de grânulo de melanina

sintetizado pelo melanócito, o qual pode ser composto por eumelanina
(pigmento marrom ou preto), feomelanina (pigmento amarelo ou vermelho) ou
uma mistura de ambos, que irá determinar a coloração da pele. A quantidade
de melanócitos presentes na epiderme varia segundo a região anatômica,
sendo cabeça e antebraço as regiões com maior densidade dessas células26.
Estímulos externos tais como a radiação ultravioleta, podem induzir à
proliferação dos melanócitos. Em indivíduos expostos à radiação solar,
observa-se um aumento da sua quantidade em regiões do corpo mais
expostas21.
As mudanças proliferativas no sistema melanocítico, da menos para a
mais agressiva, são classificadas como:
1 - nevo melanocítico benigno;

30

2 - nevo displásico;
3 - melanoma de crescimento radial;
4 - melanoma de crescimento vertical;
5 - melanoma metastático.28
Tanto

o

nevo

melanocítico

benigno

quanto

o

displásico

são

considerados marcadores para o melanoma, e sua presença aumenta o risco
de desenvolvê-lo57,

21, 24, 28

. Considera-se o nevo displásico como uma lesão

precursora do melanoma15. De fato, em estudos clínicos de seguimento de
lesões cutâneas, observou-se a evolução do nevo displásico para melanoma24.
O

melanoma

corresponde

ao

estágio

final

da

carcinogênese

melanocítica, no qual a instabilidade genética das células iniciadas leva a um
aumento da sua capacidade proliferativa e de invasão15. Seu processo de
progressão aumenta em agressividade, passando pelas fases de crescimento
radial, vertical e no final, a metastática24.
O melanoma cutâneo é classificado em quatro grupos clínicohistológicos:
1 - melanoma em lentigo maligno;
2 - melanoma disseminativo superficial;
3 - melanoma nodular;
4 - melanoma acral lentiginoso.
O primeiro subtipo corresponde a 5% dos melanomas em caucasianos,
e é mais freqüentemente diagnosticado em mulheres, indivíduos com idade
superior a 60 anos e em áreas anatômicas mais intensamente expostas ao sol.
O subtipo mais comum em indivíduos de pele clara é o disseminativo
superficial, correspondendo a 70% dos melanomas diagnosticados. A

31

localização anatômica predominante varia em função da idade, ocorrendo nos
indivíduos mais jovens em áreas menos expostas ao sol (costas, braços,
ombro, perna e coxa) e entre os mais velhos nas mais expostas (cabeça e
pescoço)25. O subtipo nodular é o segundo mais comum entre caucasianos, e
corresponde entre 10 - 12% dos melanomas diagnosticados28. Similarmente ao
disseminativo superficial, a sua distribuição anatômica varia com a idade25. O
subtipo mais raro é o melanoma acral lentiginoso24. Esse é mais comum entre
negros e as áreas anatômicas predominantes são as palmas, solas e leito
ungueal23, 25.
O prognóstico para melanoma é melhor para os subtipos; lentigo
maligno e disseminativo superficial. O pior prognóstico está associado à idade
superior a 60 anos, gênero masculino, lesões localizadas no tronco, tumores de
maior espessura, e padrão sócio econômico mais baixo8, 27, 28,31.

1.6 - Aspectos Clínicos do Melanoma:

O tumor apresenta, na maioria das vezes, duas fases distintas:
1 - fase inicial ou de crescimento radial, no qual a lesão ainda é plana,
pequena e possui comportamento mais benigno,
2 - fase de crescimento vertical, com pior prognóstico, apresentando
células malignas profundamente localizadas na derme reticular ou mesmo
invadindo o subcutâneo.
A impressão clínica é de que aproximadamente metade dos melanomas
surgem em associação com nevos preexistentes.

32

Sinais precoces em um nevo que podem sugerir malignidade incluem
variações de cor, prurido, aumento do tamanho, irregularidade das bordas e
desenvolvimento de satelitose ulceração e sangramento que são sinais
tardios29, 30.
Uma recente proposta divide as lesões de pele em três classes:
A - Classe I representa o nevo precursor;
B - Classe II são lesões intermediaras nas quais as células
melanocíticas encontram-se confinadas a epiderme ou em micro invasões na
derme e representada pelos melanomas in situ ou melanomas invasivos;
C - Classe III compreende os melanomas tumorigênicos.
Assim como em qualquer sistema neoplásico, o melanoma pode
eventualmente escapar de etapas durante seu desenvolvimento, isto é,
aparecer mesmo na ausência de lesões intermediarias, alternativamente o
melanoma pode surgir da transformação maligna de células precursoras32.

1.7 - Citotoxidade: morte celular-apoptose e necrose:
Fatores como estresse oxidativo, anóxia, isquemia e uma grande
variedade de substancias tóxica são capazes de causar danos severos,
culminando na morte celular o que pode ocorrer pelo processo conhecido por
apoptose ou por outro extremo denominado necrose. Estudos demonstram que
células cancerígenas têm uma peculiaridade em comum em relação à
produção de energia, onde a via preferencial de produção de coenzimas

33

reduzidas (ATPs), é a glicólise anaeróbica que contra põem a fosforilação
oxidativa33.
A fosforilação oxidativa mitocôndrial é o meio mais comum e eficaz de
produção de ATP pelas células, através da via do ciclo de Krebs, onde produz
a maior parte energia que será disponibilizada para os vários compartimentos
celulares, em quantidades diferentes para cada organela. Sabemos que a
fosforilação oxidativa (FO) produz 17 vezes mais ATPs em relação à glicólise
anaeróbia. O ponto em comum e focado por nós esta relacionado na teoria de
Cabtree. Que existe inibição da FO que ocorre quando se estimula a glicólise
anaeróbia, este efeito e observado somente em células tumorais e leveduras. A
FO fornece energia para o citoplasma e a glicólise anaeróbia para o núcleo
celular, em células cancerígenas temos uma diminuição de ATPs no citosol
conseqüentemente aumento da função glicolítica que produzirá energia para o
núcleo celular gerando conseqüências para o hospedeiro, como divisão celular
perpétua33
As células cancerígenas apresentam grande variedade de estágios de
diferenciação, indo de células altamente diferenciadas, semelhantes a célula
original com glicólise anaeróbia próxima do normal e uma baixa taxa de
crescimento, até células altamente indiferenciadas com alta glicólise anaeróbia
e rápida velocidade de crescimento. A perda de ATPs pelo núcleo das células
malignas fazem com que haja um impedimento de algumas funções celulares
primordiais, como, transcrição e replicação de DNA, diminuindo a proliferação
celular e iniciando os mecanismos de apoptose. Em alguns tipos celulares a
decisão de morrer por apoptose ou necrose é determinada pela quantidade de

34

ATPs presente na célula, de modo que a necrose acontece quando a
quantidade de coenzimas é limitante34, 35.

1.8 - Apoptose:
O termo apoptose e usado nos casos de morte celular quando, a célula
diminui seu volume, apresenta alterações em sua superfície como a
externalização de fosfatidilserina (que se liga com alta afinidade a proteína
anexina V), alterações nucleares típicas como condensação e marginalização
da cromatina, além da quebra do DNA em pequenos fragmentos36.
Com respeito aos mecanismos intracelulares que participam da
apoptose, estes processos podem ter início com a ativação de um receptor
específico ou por alterações nas mitoncôndrias, sendo que ambos levam ao
vazamento do citocromo c dessa organela e a ativação de caspases, família de
sisteínas proteases que coordenam e atuam como efetores da apoptose,
promovendo a hidrólise de proteínas e DNA, alterações do citoesqueleto,
dentre outros processos apoptoticos37.
A resistência a apoptose é uma característica das células cancerígenas.
O conceito de que a apoptose pode influenciar o fenótipo maligno de uma
célula foi primeiramente mencionado em 197236. Contudo, a importância do
processo na patogênese do câncer permaneceu sob investigação por quase
duas décadas, até que evidencias de genes reguladores da apoptose no
processo de tumorigênese

começassem a sugir. Sabe-se, que em grande

parte as terapias existentes contra os diversos tipos de câncer eliminam as
células malignas através da indução de apoptose, de modo que, alterações na

35

regulação deste tipo de morte celular podem tornar o tumor mais resistente ao
tratamento, assim especulasse que um desequilibrio das proteínas reguladoras
do processo apoptótico possa contribuir a resistência do melanoma maligno ao
tratamento. As bases moleculares para a resistência a apoptose em melanoma
ainda não são bem compreendidas, alterações nas diversas etapas do
programa da morte celular, tem sido descritos, variando desde a ineficiência da
sinalização extracelular, ativação de caspase 8 até o desbalanço na expressão
de proteínas pró e anti apoptótica37.

1.9 - Alterações Ultraestuturais Mitocondriais:

Mitocôndria é uma organela citoplasmática que está envolvida nos
processos primordiais de respiração celular a qual pertence à maquinaria
celular, sendo também uma das mais importantes organelas celulares. A
mitocôndria é abastecida pela célula que a hospeda por substâncias orgânicas
como oxigênio e glicose, as quais processam e convertem em energia na forma
de ATP, e fornece para a célula hospedeira. Tendo como função a produção de
coenzimas reduzidas pela cadeia de fosforilação oxidativa, função essa
essencial para as células de mamíferos. São responsáveis pela produção de
grande parte dos compostos fosfatados de alta energia (ATP, GTP, creatina
fosfato) e também participam da geração de calor celular, controle das
concentrações de cálcio citosolicos, regulação da morte celular, geração e
detoxificação de radicais livres e espécies reativas de oxigênio.
Existe uma intima relação entre o potencial trasmembrana mitocondrial
(Deltpsi-m), e proliferação celular onde a queda do potencial trasmembrana a

36

níveis inferiores a -15mvolts, desencadeia um mecanismo de síntese de DNA
nuclear dependente de glicolise e conseqüente mitose, os valores normais dos
potencias trasmembranas devem permanecer em torno de -20mvolts à
-90mvolts, dependendo do tipo celular, e sendo mantidos estes valores através
da FO38.
A alteração ultraestrutural da cadeia de transporte de elétrons como uma
das explicações para diminuição do processo respiratório, uma seqüência de
enzimas respiratória que se localizam na membrana interna mitocondrial estão
cobertas por lipídeos para isolar o transporte de elétrons da fase aquosa e
evitar um curto-circuito.
O sistema efetor-mecâno-químico responsável pelo inchaço e contração
da mitocôndria onde está intimamente ligado a cadeia respiratória, e sua
seqüência de acoplamento responsável pela FO, este sistema pode sofrer
lesão devido alterações metabólicas dos ácidos graxos, fosfolipídios e
colesterol, componentes estes da membrana interna da mitocôndria. Uma vez
que a perda da habilidade do inchaço-contração mitocondrial parece ser um
fator constante de todas as mitocôndrias tumorais é possível que a maioria dos
tumores apresente lesão da camada lipídica isolante.
Em relação as mitocôndria podemos seguir os seguintes passos, um
carcinogeno lesa a membrana mitocondrial, provoca escape de elétrons que
alimenta a geração de radicais livres que vão lesar o DNA, ocorrendo então a
fase de iniciação do câncer38. A lesão da mitocôndria diminui a FO que faz
surgir o predomínio das glicólise anaeróbia que gera a proliferação celular
maligna. O sistema mitocondrial defeituoso existente nas células cancerosas
pode ser melhorado e o fenômeno sendo reversível do ponto de vista estrutural

37

e funcional com a mudança do metabolismo anaeróbio para o aeróbio (FO),
promovendo diferenciação de célula maligna em célula não tumoral33.
A região lesada da membrana mitocondrial interna pode ser susceptível
a reparo porque o impedimento respiratório "in vitro", é substancialmente
diminuído ou abolido pela adição de lipídeos totais, obtidos de mitocôndrias
normais38.

1.10 - Apoptose mediado pela via mitocondrial:

A via mitocondrial envolve membros pró-apoptóticos da família Bcl-2,
mais precisamente, elementos da sub-família BH3 estas proteínas, que incluem
a Bid, Bim, Harakiri, Noxa, entre outras, possuem apenas um dos domínio (o
BH 3) característicos da família Bcl-2. Em resposta a um estímulo, que
compromete outro conjunto de membros pró apoptóticos, a sub-família da Bax,
que inclui a Bax, Bak e, provavelmente, a Bok, que normalmente se encontram
fracamente associados à membrana externa da mitocôndria, prevalecendo
majoritariamente no citosol. A interação entre proteínas das subfamílias BH3 e
Bax leva à oligomerização dos elementos do último grupo, seguido de inserção
na membrana externa da mitocôndria. Estas moléculas passam, então, a
constituir canais de saída de proteínas intermembranares desde a mitocôndria
até ao citoplasma, incluindo o citocromo c e o factor indutor da apoptose. O
citocromo c, uma vez liberado, ativa uma proteína citoplasmática designada de
Apaf-1, a qual recruta e ativa a pró-caspase-9, constituindo um complexo
proteico denominado de apoptossoma. A caspase-9, na sua função de
"caspase iniciadora", irá requerer e ativar a caspase-3, "executora", a qual

38

degradará proteínas importantes para a viabilidade celular, e também, outras
caspases. As proteínas Bcl-2 e Bcl-XL, membros anti-apoptóticos da família
Bcl-2, bloqueiam a morte celular por prevenirem a liberação das proteínas
intermembranares da mitocôndria. No entanto, uma vez ultrapassada a fase de
morte celular que envolve, as proteínas anti-apoptóticas, deixam de ter
qualquer efeito na inibição da apoptose. As proteínas pró-apoptóticas e as antiapoptóticas pertencentes à família Bcl-2, podem inter atuar entre si através dos
domínios de homologia BH, formando homo e heterodímeros e regular, assim,
reciprocamente, as suas funções. Por outro lado, a função das "caspases
executoras" também pode ser modulada por outro tipo de proteínas, as IAPs
(inhibitor of apoptosis proteins), que podem ligar à caspase 9 e inibir sua
atividade de protease, bloqueando a este nível o processo apoptótico. Contudo,
também a atividade destas proteínas podem ser reguladas por outra proteína
de nome duplo Smac/DIABLO, a qual, juntamente com o citocromo c, é
liberada do espaço intermembranar da mitocôndria durante a apoptose. A
Smac/DIABLO associa-se às IAPs e inibe sua ação, permitindo a ativação da
caspase 9 a partir do complexo Apaf-1, e consequentemente, favorecendo a
apoptose40, 41,42.

1.11 - Fosfoetanolamina:

A fosfoetanolamina (PEA) foi isolada em 1936 por OUTHOUSE, (um
monoéster cujo grupo R corresponde a NH2-CH2-CH2-), de tumores malignos
bovinos, fornecendo a primeira comprovação da existência deste composto no
estado livre na natureza43. Após seus trabalhos, outros pesquisadores

39

encontraram a fosfoetanolamina em intestinos de ratos e em tecidos cerebrais
de bovinos 44,45.
Por estarem presentes em tecidos orgânicos, surgiu um especial
interesse científico nos compostos fosforilados, com o objetivo de se elucidar o
papel bioquímico destas substâncias. Assim, vários trabalhos enfocaram os
diferentes comportamentos químicos dos fosfolipídios, fosfoproteínas e outras
classes de organofosforados 45.
Os aspectos da interação entre ésteres fosfóricos, como a lecitina, a
cefalina e a serina, com íons metálicos como sódio e potássio. Sugeriram, na
época, um papel bioquímico destas substâncias, no controle do equilíbrio entre
os eletrólitos nos organismos vivos. Desde então, o interesse na interação
fosfolipídeos-metais

tem

aumentado

e

outros

trabalhos

abrangendo

complexações com outros cátions metálicos foram publicados, como o exemplo
do estudo onde foram medidas as constantes de estabilidade dos complexos
formados entre adenosina mono, di e trifosfato (AMP, ADP e ATP) com cálcio.
Tais complexações são de grande importância na formação das lipoproteínas,
transporte de cátions e outros processos bioquímicos46, 47, 48.
Verificou-se existir uma interação específica e atípica entre a
fosfatidilserina e o cátion Li(I), resultando na cristalização de um complexo
cristalino. Como o lítio costuma ser usado na terapia de doenças maníacodepressivas, esses autores sugeriram que esta interação representaria
provavelmente um papel na ação farmacológica do lítio49. Com relação ao
equilíbrio de dissociação da fosfoetanolamina, preocupados em manter um
rigor para cálculo termodinâmico, surpreendentemente ignoraram o desvio
ocorrido do pK da forma protonada e a forma livre da protonação. Esse estudo

40

do comportamento da FO gerou interesse de verificar se outros aminoácidos
apresentariam também tal fenômeno de dimerização, já que possuem a mesma
estrutura50.
A fosfoetanolamina orgânica e a etanolamina (EA) estão presentes no
cérebro normal em grandes quantidades e sua concentração também se
encontra aumentada em vários tipos de tumores, onde este aumento pode ser
da ordem de até 10 vezes51. Essas aminas estão envolvidas no metabolismo
dos fosfolípides e são precursoras da fosfatidiletanolamina e da fosfatidilcolina,
dois dos quatro fosfolípides que compõe a membrana celular52. Foi
demonstrado por vários pesquisadores que a PEA e a EA são liberadas por
despolarização em algumas circunstâncias, embora não se saiba qual é o
verdadeiro significado fisiológico desta constatação, discute-se ainda quais as
reais interações eletroquímicas envolvidas na dimerização do composto
fosfoetanolamina no organismo52, 53.
As funções precisas da PEA e da EA ainda são desconhecidas. No
coelho a PEA é liberada do hipocampus após despolarização com potássio,
glutamato ou metil-aspartato. A liberação de PEA está sempre associada com
o aumento da concentração de taurina. A interação entre taurina e PEA foi
confirmada quando se mostrou que a taurina exógena e os bloqueadores da
recaptação de taurina aumentam os níveis de PEA. O metil-aspartato induz a
liberação de taurina e PEA dos locais dendrosomáticos, mas não nos
sinaptosomáticos54.
A EA se converte em PEA no sistema nervoso sob a ação da
etanolamina-kinase. No próximo passo, através da via de Kennedy, forma-se a
fosfatidiletanolamina, um dos quatro fosfolípides componentes da membrana

41

celular55. Uma segunda via envolve o cálcio estimulando a incorporação de
serina, etanolamina e colina nos fosfolípides endógenos já existentes, em
reações que não precisam de ATP

56

. A colina é uma trimetil-etanolamina e se

transforma por acetilação em acetilcolina.
Estudos recentes indicam que muitas patologias de SNC e tumores
inespecíficos, têm causa provável na deficiência de fosfoetanolamina. Em
pacientes com doença de Alzheimer confirmadas neuropatologicamente, foram
dosados a fosfoetanolamina nas regiões de predileção da doença. Os dados
foram comparados com cérebros normais da mesma idade. Constataram que
com diferenças estatisticamente significantes, quando comparados com
cérebros normais da mesma idade, os níveis de fosfoetanolamina se
encontravam 64% reduzidos no cortex temporal (área 21 de Brodmann), 48%
no cortex frontal (área 9 de Brodmann) e 40% no hipocampus57.

42

Objetivo:
43

2 - Objetivos:

O objetivo principal deste trabalho foi avaliar os efeitos anti-tumorais e
anti-proliferativos "in vitro" e "in vivo" da fosfoetanolamina sintética em células
normais e linhagens de células tumorais de Melanoma Murino B16F10. Foram
avaliados os seguintes aspectos na inibição do crescimento e disseminação
das células tumorais em animais portadores de melanoma:
·

A

determinação

das

concentrações

inibitórias

(IC50%)

e

toxicidade nas linhagens tumorais e células normais por ensaios
colorimétricos (MTT);
·

Analisar as modificações na distribuição das células tumorais nas
fases do ciclo celular por citometria de fluxo e as proporções de
células mortas por necrose e ou apoptose;

·

Avaliar "in vivo" os efeitos anti-tumorais nos camundongos
portadores de melanoma B16F10 e as comparações com os
quimioterápicos comerciais Taxol e Etoposideo;

·

Avaliar as alterações histopatológicas e histoquímicas da matriz
extracelular e dos vasos sanguíneos dos tumores nos animais
tratados com diferentes concentrações da fosfoetanolamina
sintética

·

Determinar as alterações hematológicas (leucócitos, eritrócitos e
plaquetas) nos animais portadores de melanoma submetidos ao
tratamento com fosfoetanolamina sintética.

44

Materiais e Métodos:
45

3 - Materiais e Métodos:

3.1 - Linhagens celulares tumorais e células normais.

A linhagem tumoral de melanoma murino B16F10 foi gentilmente cedida
pelo Instituto de Pesquisa para o Câncer Ludwig, Genebra, Suíça. As células
serão cultivadas em frascos de cultura de 75 cm² em meio de cultura
(RPMI - 1640), suplementado com 10% de soro bovino fetal inativado, 2 mM de
L-glutamina e antibióticos. Antes das células atingirem confluência, as células
serão subcultivadas para ampliação e congelamento (meio completo contendo
10% de dimetil-sulfóxido), e mantidas em nitrogênio líquido. As suspensões
celulares utilizadas para a implantação no flanco dorsal dos animais serão
obtidas após o tratamento dos frascos de cultura com Tripsina 0,2% por 5
minutos e inativação com 10% de soro fetal bovino. As células desprendidas
serão centrifugadas duas vezes, ressuspensas em meio de cultura e a
concentração celular ajustada por contagem em câmera de Mallassez.

3.2 - Determinação da atividade citotóxica pelo método colorimétrico MTT.

A viabilidade celular das linhagens celulares tumorais e normais foram
tratadas com as diferentes concentrações de fosfoetanolamina sintética e
avaliadas pelo método colorimétrico do MTT (3-(4,5-dimethylthiazol-2-y1)2,5diphenil tetrazolium bromide)58. Este método é baseado na redução do MTT a
Formazan pelas células vivas. A determinação da sensibilidade das diferentes
doses foi otimizada de acordo com as normas estabelecidas pelo Instituto

46

Nacional de Câncer, USA (NCI). Foi determinada a atividade citotóxica das
suspensões das linhagens celulares e das células tumorais "in vivo", retiradas
cirurgicamente e em condições estéreis, incubadas em placas de 96 orifícios.
Foram adicionados 10 ml de MTT (5mg/ml) às células, incubadas por 3 horas
em estufa contendo 5% de C02 a 37°C. Após este período, o meio foi removido
e acrescentado 100 ml de dimetilsulfoxido (DMSO) para dissolver os cristais de
Formazan formados e precipitados. A quantificação da absorbância foi feita em
leitor de ELISA em comprimento de onda de 540 nm (TiterTek Multiskan)59,71.

3.3 - Análise das fases do ciclo celular por citometria de fluxo.

A citometria de fluxo aplicada no estudo do ciclo celular registra os
parâmetros cinéticos da população celular, revelando o índice de DNA,
aploidia, a fração de proliferação celular, e a porcentagem de células
encontradas nas fases G0/G1, S e G2/M, indicando parâmetros uni ou
multivariáveis, prognósticos e possíveis rumos terapêuticos. A análise da
porcentagem de células fornece o percentual de células que estão sintetizando
DNA ("labeling index"), da duração da fase S (Ts) e do tempo de duplicação
potencial (Tpot).

3.4 - Determinação do conteúdo de DNA por Citometria de Fluxo.

Alíquotas das suspensões das células normais e tumorais tratadas e não
tratadas, foram imediatamente congeladas em tampão citrato (2mM), sucrose

47

25 mM e 0,05% dimetil sulfóxido (DMSO), e mantidas em nitrogênio líquido até
o momento de sua utilização.
Após o descongelamento das amostras em banho de gelo, as células
foram digeridas com 375 ml de tripsina 0,03 g/l (Sigma) por 10 minutos à
temperatura ambiente e neutralizada com o inibidor de tripsina 0,5 g/l (Sigma),
ribonuclease A 0,1 g/l (Sigma) e espermina 1,2 g/l (Sigma). As amostras foram
transferidas para tubos de citometria de fluxo e a quantidade de células nas
diferentes fases do ciclo, níveis de apoptose (Sub-G1) e conteúdo de DNA na
fase S, que serão obtidos pela análise em Software Mod-fit.

3.5 - Determinação das fases do ciclo celular por Citometria de Fluxo:

As suspensões celulares (106/ml) normais dos tumores dorsais e ou
metástases foram centrifugadas duas vezes a 3000 rpm com solução PBS e
ressuspensas em 200 ml solução de iodeto de propidium (20 mg/ml), contendo
20 ml Triton X-100 e 4 mg RNAse-A, por trinta minutos, à temperatura
ambiente, protegidas da luz. Após este período as amostras foram transferidas
para tubos de citometria, e as imagens adquiridas serão capturadas em
citômetro de Fluxo (Scalibur-Becton e DicKson) e analizadas em Software CellQuest. As fases do ciclo celular pré e pós-mitóticas (G0-G1, fase S e G2-M)
serão analisadas em software Modi-fit

48

3.6 - Implantação das células tumorais:

Os camundongos foram injetados subcutaneamente no dorso com
5x104 células tumorais de melanoma murino B16F10. Após o décimo quarto
dia do implante tumoral, os tumores dorsais foram medidos com o auxílio de
um paquímetro. Os tumores em média apresentaram diâmetro médio de 0,5
cm², foi iniciado o tratamento com a fosfoetanolamina sintética nas diferentes
concentrações descritas anteriormente, injetados pela via intraperitoneal.
Como grupo controle os animais receberam solução salina pelas
mesmas vias de tratamento. Após o 20º dia do tratamento, os animais foram
sacrificados por deslocamento cervical, e em seguida, realizados a necropsia,
os tumores dorsais analisados, lesões internas macroscópicas identificadas,
medidas e fotodocumentadas. Amostras dos tumores dos diferentes grupos de
tratamento e grupo controle, não tratado, foram processadas para as das
análises do conteúdo de DNA, ciclo celular e anatomopatológico.

3.7 - Animais e Delineamento Experimental:

Utilizaremos 40 camundongos da linhagem Balb c, fêmeas e machos,
com aproximadamente 25g, idade aproximada de 6 a 8 semanas, dieta e água
"ad libitum", dos quais serão divididos em 4 grupos distintos a seguir:

49

3.8 - Os grupos experimentais foram compostos por:

Grupo A ­ 10 camundongos Balb c, inoculados com 5x104 células
tumorais pela via subcutânea, após o 14º dia do implante os animais foram
tratados com fosfoetanolamina sintética pela via intraperitoneal com a
concentração de 0, 033g/ml em 100ul;
Grupo B ­ 10 camundongos Balb c, inoculados com 5x104 células
tumorais pela via subcutânea, após o 14º dia do implante os animais foram
tratados com fosfoetanolamina sintética pela via intraperitoneal com a
concentração de 0, 066g/ml em 200ul;
Grupo C ­ 10 camundongos Balb c, inoculados com 5x104 células
tumorais pela via subcutânea, após o 14º dia do implante os animais foram
tratados com fosfoetanolamina sintética pela via intraperitoneal com a
concentração de 0, 099g/ml em 300ul;
Grupo D ­ 10 camundongos Balb c, inoculados com 5x104 células
tumorais pela via intraperitoneal, após o 14º dia do implante os animais foram
tratados com solução salina pela via intraperitoneal;

3.9 - Observação do crescimento tumoral:

Após a injeção de células B16F10, o crescimento tumoral foi medido e
fotodocumentado, diariamente com o auxílio de um paquímetro para medições
longitudinais e transversais do tumor (duas medidas). Foram calculados a área
e o volume médio do tumor, através das seguintes fórmulas:

50

A=R2 e V= 4/3R3 onde:
A=área, R= raio, V= volume.

Os

animais

foram

sacrificados

a

cada

etapa

de

tratamento,

necropsiados e os nódulos tumorais macroscópicos presentes nos órgãos
internos foram contados e medidos.

3.10 - Contagem e quantificação dos glóbulos vermelhos, hemoglobina,
hematócrito, leucócitos e plaquetas:

Glóbulos Vermelhos: alíquotas de 10µl do sangue de cada grupo
experimental e controle foram diluídas 1:1000 em solução salina 0,9% e 0,01%
paraformoldeído para a análise do número total de glóbulos vermelhos. A
contagem foi realizada em câmera de Malassez, e o número de células será
expresso em 109 /ml.
Hematócrito: a determinação do hematócrito (Ht) foi realizada pela coleta
do sangue em microcapilar de 10ul heparinizado selado em uma das
extremidades com fogo no bico de Bunsen. O capilar foi colocado em
microcentrífuga com a extremidade fechada voltada para o círculo externo e
centrifugada a 11.000 rpm durante 5 minutos. Os resultados foram expressos
após a análise comparativa da relação do sedimento rico em glóbulos
vermelhos e o plasma, em tabela de referência padrão.
Hemoglobina: a determinação do teor de hemoglobina foi coletada 200ul
de sangue do plexo venoso retro orbital em tubos microcapilares contendo
como

anticoagulante

o

EDTA.

Utilizando-se

o

método

da

51

cianometa-hemoglobina, com leitura em espectrofotômetro 540nm, foram
analisadas as concentrações de hemoglobina.
Plaquetas: a contagem de plaquetas foi realizada em câmara de
Neubauer, utilizando como diluente a solução de oxalato de amônio a 1%
(líquido de Brecker). Também foram realizados esfregaços sanguíneos, dos
diferentes grupos de animais tratados e grupo controle para a avaliação da
morfologia e do diâmetro plaquetário médio.

Foram também avaliados

aspectos citológicos, como a presença de macro ou micro plaquetas, que são
mais funcionais que as plaquetas normais e indicam regeneração da medula
óssea e a presença de agregados plaquetários indicativos de alterações
tóxicas promovidas pelos compostos como também alguma alteração
morfológica celular.
Leucócitos: uma alíquota de 10µl do sangue de cada grupo experimental
e controle foram diluídos em 90µl de solução de Turk (azul de metileno 0,5%
em 30% de ácido acético glacial) para a análise do número total de glóbulos
brancos. A contagem foi realizada em câmera de Malassez, e o número de
células foi expresso em 106/ml. O sangue total dos camundongos portadores
de melanoma B16F10 tratados com fosfoetanolamina sintética durante 20 dias
e grupo controle que recebeu solução salina, foram coletados pela punção do
plexo venoso retro-orbital com o auxílio de um microcapilar de 10ul
heparinizado. Parte desse material foi utilizado para a confecção do esfregaço
sanguíneo.

52

3.11 - Análises Hematológicas:

A análise dos números globais de glóbulos vermelhos e leucócitos
constitui em um importante exame de auxílio diagnóstico para doenças
hematológicas,

sistêmicas

e

ações

farmacológicas

ou

terapêuticas.

Rotineiramente indicado para avaliação de anemias, neoplasias sistêmicas,
reações

infecciosas

e

inflamatórias,

acompanhamento

de

terapias

medicamentosas e avaliação de distúrbios plaquetários. Fornecem dados para
classificação das anemias de acordo com alterações na forma, tamanho, cor e
estrutura das hemácias e conseqüente direcionamento diagnóstico e
terapêutico, orienta na diferenciação entre infecções viróticas e bacterianas,
parasitoses,

inflamações,

intoxicações,

interações

medicamentosas

e

neoplasias através das contagens globais e diferenciação de leucócitos e
avaliação morfológica dos mesmos.
As lâminas para as análises diferenciais dos leucócitos foram fixadas em
metanol puro por cinco minutos, em seguida coradas em solução de Giemsa
por quinze minutos, lavadas em água corrente e secas à temperatura
ambiente. Após a secagem das lâminas foi realizada a contagem diferencial de
glóbulos brancos em microscopia óptica com aumento de 1000x em óleo de
imersão.

3.12 - Análises histopatológicas:

Foram retirados pequenos fragmentos de aproximadamente 0.2cm2 dos
órgãos (coração, pulmão, fígado, baço, pâncreas e rins), dos animais tratados

53

e controles, pesados e fixados por 24 horas em tampão formalina, tamponado
com o ph = 7.4 para a realização de análises histopatológicas, também como
de seus tumores e metástases, para serem corados de diversas maneiras
possibilitando uma melhor visualização das manifestações ocorridas no
microambiente celular, como diferenciação celular, neoformação vascular,
apoptose, necrose, regeneração tecidual, hemorragias entre outros.

3.13 - Preparo das amostras paras análises histoquímicas ­ PicrosiriusRed e Van Gienson-Verhoff:

Após período de fixação de 24 horas, utilizando-se lâmina histológica
sobre tábua de macroscopia foram retiradas duas amostras retangulares.
Todas as amostras foram acondicionadas em cápsula histológica e colocadas
no autotécnico (Leica® modelo RM 2145) para processamento "overnight",
sendo desidratadas em concentrações crescentes de álcool etílico a 70, 80 e
90%. Posteriormente, foram diafanizadas em xilol contendo misturas
seqüencialmente concentradas de parafina durante 12 horas. Realizada
inclusão em parafina quente (Leica® modelo EG 1160), os blocos foram
microtomizados (Leica® modelo RM 2145) em cortes de 5µm e dispostos em
lâmina de vidro de 75 x 25 mm, realizando-se dois níveis de corte para cada
área de estudo e a seguir as lâminas foram corados pelos métodos
citoquímicos de Picrosirius Red, para fibras de colágeno e Van Gienson ­
Verhoff para as fibras elásticas e vasos.
Os cortes histológicos (3µm) dos tumores dos grupos tratados com
fosfoetanolamina sintética e controles que receberam solução salina foram

54

fixados em tampão contendo 3% paraformaldeído, 0,2% de glutaraldeído e
0,1% triton X-100 em tampão fosfato de sódio pH= 7.4.
O colágeno, por ser uma proteína básica, provavelmente interage com
os grupos sulfônicos do corante Vermelho Sírio a 0,1%, e em pH baixo, com os
grupos amino da lisina e da hidroxilisina e os grupos guanidina da arginina. A
coloração pelo método do Picrosirius faz com que grande quantidade de
moléculas do Sirius Red, de caráter ácido e alongado, disponha-se
paralelamente às moléculas do colágeno, o que provoca aumento considerável
da birrefringência das fibras que contêm colágeno quando observadas à luz
polarizada. Assim, o método da coloração com Picrosirius associado à
microscopia de polarização é um método histoquímico específico para
detecção de estruturas compostas de moléculas de colágeno orientadas60, 61, 62,
63,64

.

55

Resultados:
56

4.1 - Avaliação da atividade citotóxica "in vitro" da fosfoetanolamina
sintética em linhagens celulares:

Após 24 horas de cultura, fase de crescimento exponencial das células
de melanoma B16F10 foram plaqueadas em microplacas de 96 orifícios e
adicionadas às diferentes concentrações do composto diluído em meio de
cultura. O tratamento com a fosfetanolamina sintética, em culturas celulares de
melanoma murino B16F10, mostrou efeito adverso sobre a toxicidade deste
composto, tempo e dose dependentes (Figura -1). A viabilidade celular após
24 horas de tratamento nas concentrações de 6 mg à 0.005 mg da
fosfoetanolamina sintética mostrou que este composto apresenta alta
citotoxicidade em células tumorais

somente nas altas concentrações

analisadas (6 a 1.5mg/ml), porém nas outras concentrações testadas não
foram observados efeitos deletérios significantes (menor 0.75mg/ml). Nessas
condições foi determinada a concentração inibitória 50% a partir da curva de
regressão linear, nosso resultado para as células de melanoma foi de 2.3
mg/ml (Figura ­ 2).
A

fosfoetanolamina

sintética

não

inibe

a

resposta

proliferativa

inespecífica de linfócitos T normais mantidos em cultura por 96 horas e
ativados pelo mitógeno PHA (fitohemaglutinina) (Figura - 3).

57

Mortas
Vivas

120

(%) Celulas B16F10

100

80

60

40

20

0
6000

3000

1500

750

325

162

81

40

20

10

5

2.5

Concentração (ug/ml) fosfoetanolamina

Figura

1

­

Determinação

da

atividade

citotóxica

da

fosfoetanolamina sintética em células de melanoma B16F10, avaliada pelo
método colorimétrico MTT, as barras do histograma representam a
porcentagem relativa em cada concentração de células viáveis e mortas.

58

(%) Inibição

80

Célula Tumoral B16F10

70

IC50% = 2.3mg/ml

60
50
40
30
20
10
0
0

2000

4000

6000

8000

Concentração da Fosfoetanolamina Sintética (10-6/mL)

Figura 2 ­ Curva de regressão linear e concentração inibitória 50%
(IC50%) da atividade citotóxica da fosfoetanolamina sintética em células
de melanoma B16F10, avaliada pelo método colorimétrico MTT.

59

(% ) A tivid a d e P ro life rativ a

150

100

50

0
Co 10%SFB25ug

125ug

6ug

3ug

1.5ug 0.75ug 0.37ug 0.15ug 0.075ug
Co 1% SFB

Concentracao Fitohemaglutinina (ug/ml)

Figura 3 ­ Avaliação da resposta linfoproliferativa de linfócitos T
normais, após 96 horas de cultura com fosfoetanolamina sintética e com
o mitógeno fitohemaglutinina (PHA). A porcentagem da capacidade
proliferativa foi calculada comparando-se a resposta basal (ausência de
mitógeno) e o controle na presença de PHA à 10% e 1% de soro fetal
bovino (SFB).

60

4.2 - Análise das fases do ciclo celular por citometria de fluxo:

Os animais portadores de melanoma B16F10 tratados durante 20
dias

consecutivos

com

fosfoetanolamina

sintética,

apresentaram

aumento significativo na taxa de sobrevida nas concentrações variando
de 9.9 mg até 1.65 mg em comparação ao grupo controle.

Após a

necrópsia destes grupos de animais portadores de tumor dorsal ou
metástases pulmonares e do grupo controle que recebeu solução salina,
foram avaliadas as fases do ciclo celular por citometria de fluxo e
determinadas a porcentagem das células nas seguintes fases: sub G1
ou apoptóticas que apresentam DNA fragmentado, G0/G1 células
quiescentes, Fase S em síntese de DNA e G2/M em mitose.
Nossos resultados mostraram que as células tumorais B16F10
obtidas do tumor dorsal do grupo controle apresentam 6.9%± 3.4 em
apoptose (sub-G1), 25.6%± 4.8 células quiescente (G0/G1) e em grande
proporção com capacidade proliferativa 51.3%±3.0 na fase (G2/M). Os
animais tratados com 9.9 mg apresentaram significante aumento na taxa
de mortalidade e seus tumores significativas áreas de necrose.
Os tumores dos animais tratados com a concentração de 6.6 mg
apresentaram aumento extremamente significante na proporção de
células em apoptose, sub G1 (12.8% ± 4.4) em comparação ao grupo
controle

não

tratado.

Também

foram

observadas

diminuições

significantes (p