UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
GRUPO DE PESQUISA EM GESTÃO HIDROAMBIENTAL DO
BAIXO SÃO FRANCISCO
LABORATÓRIO DE EROSÃO E SEDIMENTAÇÃO

AVALIAÇÃO DE TÉCNICAS DE
BIOENGENHARIA DE SOLOS PARA
CONTROLE DA EROSÃO MARGINAL NO
BAIXO SÃO FRANCISCO SERGIPANO

Acadêmico: Renisson Neponuceno de Araújo Filho
Orientador: Prof. Dr. Francisco Sandro Rodrigues Holanda

Aracaju- SE, 26 de Março de 2009

INTRODUÇÃO
· ALTERAÇÕES HIDROSEDIMENTOLÓGICAS (Barragens ­
Variação da vazão ­ Dinâmica fluvial)
· DEGRADAÇÃO AMBIENTAL (Retirada da mata ciliar cultivo das margens)
· EROSÃO MARGINAL (Ação da chuva
Assoreamento ­ Alterações do canal do rio)

e

vento

-

· BIOENGENHARIA DE SOLOS (Elementos biologicamente
ativos + materiais inertes)

OBJETIVO
· Estudar a aplicação da bioengenharia de solos
visando o controle da erosão por meio da
estabilização dos taludes marginais, para posterior
recuperação da vegetação ciliar.

METODOLOGIA

· Localização e caracterização da área experimental:

Fonte: LABES, 2008
UTM: 744,704 E / 8.868,410 N

ALTURA DO TALUDE: 3,49m
COMPRIMENTO: 192,0 m
DECLIVIDADE MÉDIA : 28,5%
TIPO DE SOLO: NEOSSOLO FLÚVICO

METODOLOGIA

· Determinação dos atributos físicos do solo :
·

Análise granulométrica

·

Peso específico

·

Teor de umidade,

·

Limites de Atterberg,

· Cisalhamento direto (coesão e o ângulo de
atrito do solo).

METODOLOGIA

· Levantamento topobatimétrico do sítio experimental:
·Irradiação

Fonte: LABES, 2008

·Batimetria

METODOLOGIA

· Cálculo das áreas das seções:

V=Axd

Fonte: LABES, 2008

METODOLOGIA

· Processamento dos dados:
Cálculo e desenho da poligonal do sitio
experimental;
Desenhos das seções transversais;
Interpolação e traçado de curvas de nível;
Utilização do Software Topograph.

METODOLOGIA

·Elementos da bioengenharia de solos:

Crotalaria

Colchão -Reno

Feijão de porco

Geotêxtil Fibrax
400BF

Vetiver

Fonte: LABES, 2008

METODOLOGIA

·Produção do vetiver:
Tecnica Propagação Vegetativa

Fonte: LABES, 2008

METODOLOGIA

·Ensaio experimental:

T1 ­ Testemunha
T2 ­ Vetiver + Colchão Reno
T3 ­ Coquetel de Leguminosas + Colchão Reno
T4 ­ Vetiver
T5 ­ Coquetel de Leguminosas

Fonte: LABES, 2008

METODOLOGIA

·Tecnica Bioengenharia de Solos:

Fonte: LABES, 2008

RESULTADOS E DISCUSSÃO

a) Atributos físicos
Quadro1. Granulometria (g.kg-1) do sítio
s tio experimental
Porção
Seixos Grânulos
do talude

Areia
Areia Areia
muito
grossa média
grossa

Areia
fina

Areia
muito
fina

Silte

Argila

Superior

0,1

0,6

0,3

2,8

312,3

228,0

406,9

27,3

21,7

Médio

14,0

24,0

14,0

83,0

411,0

138,4

340,0

62,0

35,1

Inferior

0,5

5,3

22,5

82,4

365,5

130,0

369,8

20,0

4,0

Fonte: LABES, 2008

RESULTADOS E DISCUSSÃO

b) Levantamento batimétrico

Fonte: LABES, 2008

RESULTADOS E DISCUSSÃO

c) Quantificação das seções erodidas
300
Sem geotêxtil

141,1

178,0

130,8

118,9

50

142,6

100

171,5

150

129,2

Volumes (m³)

Com geotêxtil

208,0

234,2

200

266,5

250

0
T1

T2

T3

T4

Volume total erodido por tratamento nos
monitoramento do talude em estudo. LABES, 2008.

T5
Tratamentos

meses

de

RESULTADOS E DISCUSSÃO

d) Recuperação da margem por meio da
bioengenharia dos solos:

b)

a)

c)

CONCLUSÕES
· A bioengenharia de solos se mostrou como uma

alternativa viável, tecnicamente e ecologicamente no
desenvolvimento da vegetação e na redução do
processo erosivo.
· O geotêxtil Fibrax 400 BF teve sua ação facilitadora
das espécies vegetais na cobertura do talude
contribuindo na diminuição da taxa de erosão, além de
resgatar
com
maior
facilidade
o
equilíbrio
geomorfológico e ecológico do rio.
·O
capim
vetiver
(Chrysopogon
zizanioides)
apresentou um rápido desenvolvimento na área de
estudo melhorando as características físicas do solo,
favorecendo a redução da taxa de erosão.

Obrigado!
[email protected]