CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES
CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL

BIOENGENHARIA NA RECUPERAÇÃO DAS MARGENS DO
ARROIO FORQUETINHA/RS

Nara Paula Schmeier

Lajeado, 29 de novembro de 2012.

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

Nara Paula Schmeier

BIOENGENHARIA NA RECUPERAÇÃO DAS MARGENS DO
ARROIO FORQUETINHA/RS

Monografia

apresentada

na

disciplina

de

Trabalho de Conclusão de Curso II, na linha de
formação específica em Engenharia Ambiental,
do Centro Universitário UNIVATES, como parte
da exigência para a obtenção do título de
Bacharela em Engenharia Ambiental.

Orientador: Prof. Ms. Rafael Rodrigo Eckhardt

Lajeado, 29 de novembro de 2012.

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

Nara Paula Schmeier

BIOENGENHARIA NA RECUPERAÇÃO DAS MARGENS DO
ARROIO FORQUETINHA/RS

A banca examinadora abaixo aprova a Monografia apresentada ao Programa de
Graduação em Engenharia Ambiental, do Centro Universitário UNIVATES, como
parte da exigência para a obtenção do grau de Bacharela em Engenharia Ambiental,
na área de Meio Ambiente:

Prof. Ms. Rafael Rodrigo Eckhardt ­ Orientador
UNIVATES

Prof. Ms. Everaldo Rigelo Ferreira
UNIVATES

Prof. Ms. Emerson Luís Musskopf
Secretaria do Meio Ambiente de Estrela

Lajeado, 29 de novembro de 2012.

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

Dedico este trabalho à minha mãe Nair,
meu exemplo de força e humildade, por
todo o amor e dedicação para comigo,
por ter sido a peça fundamental para que
eu tenha me tornado a pessoa que hoje
sou.

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

AGRADECIMENTOS

Aos meus pais, Dario Schmeier e Nair Gisch Schmeier, pelos ensinamentos e
exemplo que são na minha vida;
Aos meus tios, Ademar e Haide Schaeffer, pelo carinho e ajuda que sempre
proporcionaram e por me tratarem como filha;
Ao Gastão Pilger e a Leila Sibele Pilger Glufke, que foram os responsáveis
pelo meu ingresso na graduação, meu eterno agradecimento;
Ao meu namorado Éder Cristiano Feil, pelo amor, companheirismo,
compreensão, paciência e amizade dispensada ao longo desses anos;
Aos amigos que fiz durante o curso, pela amizade construída e por todos os
momentos que passamos meu especial agradecimento. Sem vocês essa trajetória
não teria sido tão prazerosa;
A todos os professores da graduação, pela dedicação e ensinamentos
disponibilizados nas aulas, cada um de forma especial contribuiu para a conclusão
deste trabalho e consequentemente para minha formação profissional e pessoal;
Ao meu orientador Prof. Ms. Rafael Rodrigo Eckhardt, pelo incentivo e
confiança, pelas contribuições para a realização deste trabalho, pela paciência em
ouvir e esclarecer minhas dúvidas;
Aos Profs. Ms. Emerson Luís Musskopf e Everaldo Rigelo Ferreira, pela
disponibilidade, esclarecimentos e sugestões proporcionadas.
Por fim, aos meus amigos e familiares, pelo carinho e pela compreensão nos
momentos em que a dedicação aos estudos foi exclusiva, a todos que contribuíram
direta ou indiretamente para que esse trabalho fosse realizado.

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

1

RESUMO

As matas ciliares exercem importante papel na proteção dos cursos de água,
principalmente no que diz respeito à proteção de taludes, além de, em muitos casos,
se constituírem nos únicos remanescentes florestais das propriedades rurais sendo,
portanto, importantes para a conservação da fauna e flora. A dinâmica natural de um
curso de água e as ações antropogênicas alteram a estabilidade dos taludes,
podendo impactar as margens e os próprios cursos de água. A recuperação desses
ambientes exige a adoção de medidas, como por exemplo, as técnicas de
bioengenharia de solos, que consistem no uso de elementos biologicamente ativos
associados a elementos inertes em obras de estabilização de solos e taludes. O
estudo objetivou analisar as margens degradadas do Arroio Forquetinha, por meio
da interpretação de imagens de satélite de alta resolução e atividades in loco, com
vistas a indicar o uso de técnicas de bioengenharia de solos para estabilizar os
taludes degradados e melhorar a qualidade ambiental de um desses locais. Os
resultados evidenciaram que 20,88% (9,19 km) das margens ciliares estão
degradados, totalizando 123 locais comprometidos, refletindo em um recurso hídrico
com significativo grau de degradação das margens. Em 21 locais são necessárias
intervenções de curtíssimo prazo, 59 de curto prazo, 27 de médio prazo e 16 de
longo prazo. Na ponte da localidade de Bauereck, que apresenta as margens
comprometidas pelas últimas inundações, foi indicado como proposta de
bioengenharia a implantação de um defletor, enrocamento de pedra, esteira viva,
plantio de inhame e banquetas invertidas, buscando consolidar o talude à ação dos
processos erosivos, além de favorecer a sua revegetação e a elevação da qualidade
ambiental nesse local.
Palavras ­ chave: Dinâmica fluvial. Processos erosivos. Mata ciliar. Qualidade
ambiental. Bioengenharia de solos.

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

2

ABSTRACT

Riparian forests play an important role in the protection of watercourses, especially
with regard to protection of slopes, and in many cases, they constitute the only
remaining forests of rural properties is therefore important for the conservation of
wildlife and flora. The natural dynamics of a watercourse and anthropogenic activities
affect the stability of slopes and may impact margins and own waterways. The
recovery of these environments requires the adoption of measures, such as the soil
bioengineering techniques, which consist of the use of biologically active elements
associated with inert elements in soil stabilization works and embankments. The
study aimed to analyze the margins of degraded to Arroio Forquetinha, through
interpretation of satellite imagery and high-resolution in situ activities, in order to
indicate the use of soil bioengineering techniques to stabilize the slopes degraded
and improve the environmental quality of one of these locations. The results showed
that 20.88% (9.19 km) of riparian margins are degraded, totaling 123 compromised
sites, reflecting on a water resource with a significant degree of degradation of
margins. On 21 local interventions are needed short-term, 59 short-term, 27 medium
term and 16 long-term. On the bridge of the town of Bauereck presenting the margins
compromised by recent floods, was nominated as the proposed deployment of a
bioengineering deflector, riprap stone, wake alive, planting yams and banquettes
reversed, seeking to consolidate the slope to action processes erosion, and promote
their revegetation and raising environmental quality there.
Key - words: River dynamics. Erosion. Riparian vegetation. Environmental quality.
Soil bioengineering.

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

3

LISTA DE FIGURAS

Figura 1: Padrões geométricos de drenagem ........................................................... 23
Figura 2: Determinação do fator de forma de duas bacias hidrográficas .................. 25
Figura 3: Tipos de canais .......................................................................................... 26
Figura 4: Diagrama esquemático dos índices de sinuosidade. ................................. 27
Figura 5: Mudança das características de um curso de água ................................... 29
Figura 6: Distribuição das velocidades e turbulências máximas ............................... 32
Figura 7: Distribuição da velocidade em pontos característicos de um canal
meândrico ................................................................................................... 33
Figura 8: Esquematização de escorregamento Translacional e Rotacional .............. 35
Figura 9: Esquematização de escorregamento em cunha ........................................ 35
Figura 10: Esquematização do processo de solapamento (A) e riscos associados
com as infraestruturas (B) ......................................................................................... 36
Figura 11: Largura das áreas de preservação permanente no entorno dos cursos de
água ......................................................................................................... 39
Figura 12: Efeitos da presença de uma árvore na estabilidade de um talude. .......... 40
Figura 13: Regressão florestal em decorrência da morte ou retirada de espécies
arbóreas. .................................................................................................. 42
Figura 14: Deslizamentos naturais e induzidos pelo homem .................................... 44
Figura 15: Persistência e resiliência de uma paisagem ............................................ 45
Figura 16: Determinação do método apropriado em função da inclinação da margem
................................................................................................................. 51
Figura 17: Divisão da margem de curso de água em zonas ..................................... 54
Figura 18: Matriz de avaliação do custo/força ........................................................... 54
Figura 19: Estacas .................................................................................................... 60
Figura 20: Feixes / caniçadas vivas .......................................................................... 60
Figura 21: Banquetas ................................................................................................ 60
Figura 22: Empacotamento de ramos ....................................................................... 60
Figura 23: Geogrelhas vegetadas ............................................................................. 60
Figura 24: Parede Krainer ......................................................................................... 60
Figura 25: Enrocamento vivo..................................................................................... 61
Figura 26: Esteira viva ............................................................................................... 61

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

4
Figura 27: Revestimento com árvores ....................................................................... 61
Figura 28: Defletores ................................................................................................. 61
Figura 29: Plantação de lenhosas ............................................................................. 61
Figura 30: Revestimento de pedregulhos e troncos com raízes ............................ 61
Figura 31: Nível mínimo de energia .......................................................................... 62
Figura 32: Balança de estabilidade das obras de bioengenharia .............................. 64
Figura 33: Custos comparativos médios e manutenção de obras de bioengenharia 65
Figura 34: Base Cartográfica digital do município de Forquetinha ............................ 69
Figura 35: Fluxograma metodológico da proposta de estudo.................................... 73
Figura 36: Localização do município de Forquetinha ................................................ 74
Figura 37: Uso e cobertura do solo na APP de 50 metros do Arroio Forquetinha ..... 78
Figura 38: Uso e cobertura do solo na APP de 50 metros do Arroio Forquetinha ..... 78
Figura 39: Uso e cobertura do solo na faixa de recuperação ambiental ................... 79
Figura 40: Uso e cobertura do solo na faixa de recuperação ambiental ................... 79
Figura 41: Local que requer recuperação/intervenção em Curtíssimo prazo ............ 81
Figura 42: Local que requer recuperação/intervenção em Curto prazo .................... 81
Figura 43: Local que requer recuperação/intervenção em Médio prazo ................... 82
Figura 44: Local que requer recuperação/intervenção em Longo ............................. 82
Figura 45: Recuperação de Curtíssimo (A) e Curto (B) prazo ................................... 83
Figura 46: Recuperação: Curtíssimo prazo ............................................................... 83
Figura 47: Recuperação: Curto prazo ....................................................................... 83
Figura 48: Recuperação: Curto prazo ....................................................................... 83
Figura 49: Recuperação: Médio prazo ...................................................................... 83
Figura 50: Recuperação: Médio prazo ...................................................................... 83
Figura 51: Recuperação: Longo prazo ...................................................................... 84
Figura 52: Recuperação: Longo prazo ...................................................................... 84
Figura 53: Localização do local de proposição das intervenções biotécnicas ........... 85
Figura 54: Perfil longitudinal do leito menor .............................................................. 86
Figura 55: Perfil longitudinal do leito maior excepcional (seção de inundação) ........ 87
Figura 56: Local de proposição das intervenções biotécnicas .................................. 88
Figura 57: Perfil da margem ...................................................................................... 89
Figura 58: Perfil da porção a montante (A) e jusante (B) do local de proposição das
tipologias biotécnicas ............................................................................... 90
Figura 59: Esquematização do defletor (A) e seu posicionamento em relação à
margem (B) .............................................................................................. 91
Figura 60: Esquematização do posicionamento das banquetas invertidas ............... 94
Figura 61: Esquematização do perfil a montante (A) e jusante (B) com as tipologias
propostas .................................................................................................. 95

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

5

LISTA DE TABELAS

Tabela 1 - Efeitos da vegetação na estabilidade de encostas. .................................. 41
Tabela 2 - Tipologias biotécnicas............................................................................... 56
Tabela 3: Critérios de categorização dos locais degradados .................................... 71
Tabela 4: Informações da sub-bacia hidrográfica do Arroio Forquetinha ................... 76
Tabela 5: Índices fisiográficos da sub-bacia hidrográfica do Arroio Forquetinha ....... 77
Tabela 6: Quantificação dos usos na faixa APP de 50 metros .................................. 77
Tabela 7: Quantificação dos usos na faixa de 5 metros de recuperação ambiental .. 78
Tabela 8: Categorização dos locais com margem degradada. .................................. 80
Tabela 9: Estimativa de custos para construção do defletor...................................... 96
Tabela 10: Estimativa de custos para recuperação da porção a montante ............... 97
Tabela 11: Estimativa de custos para recuperação da porção a jusante ................... 98

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

6

LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS

A ­ Área
APP ­ Área de Proteção Permanente
b ­ Maior dimensão do bloco
DLT ­ Dimensão Limite de Transporte
GPS ­ Global Positioning System (Sistema de Posicionamento Global)
I ­ Inclinação do terreno
Ic ­ Índice de circularidade
Ic ­ Índice de conformação
Is ­ Índice de sinuosidade
K ­ Coeficiente de rugosidade
Kc ­ Coeficiente de compacidade
Kf ­ Fator de forma
Kg ­ Índice de Gravelius
L ­ Comprimento do eixo da bacia
P ­ Perímetro
R ­ Raio hidráulico
SIG ­ Sistemas de Informação Geográfica
SMMASBE ­ Secretaria Municipal do Meio Ambiente e Saneamento Básico de
Estrela
UTM ­ Universal Transversa de Mercator
V ­ Velocidade média

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

7

LISTA DE EQUAÇÕES

Equação (1) ............................................................................................................... 23
Equação (2)........ ....................................................................................................... 24
Equação (3) ....... ....................................................................................................... 24
Equação (4) ..................... ......................................................................................... 25
Equação (5) .......................... .................................................................................... 63
Equação (6) ............. ................................................................................................. 63

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

8

SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO ....................................................................................................... 15
2 OBJETIVOS ........................................................................................................... 19
2.1 Objetivo geral .......................................................................................... 19
2.2 Objetivos específicos ............................................................................. 19
3 REFERENCIAL TEÓRICO ..................................................................................... 21
3.1 Sistemas fluviais ..................................................................................... 21
3.1.1 Fisiografia fluvial .............................................................................. 22
3.1.1.1 Rede de drenagem ..................................................................... 22
3.1.1.2 Canal .......................................................................................... 26
3.1.1.3 Leito............................................................................................ 28
3.1.2 Processos erosivos fluviais.............................................................. 30
3.1.2.1 Movimentos de massa fluviais .................................................... 33
3.2 Matas Ciliares .......................................................................................... 37
3.2.1 Efeitos da mata ciliar sobre taludes fluviais ..................................... 39
3.3 Qualidade ambiental dos taludes fluviais ............................................. 43
3.3.1 Bioengenharia de solos ................................................................... 46
3.3.1.1 Manejo de cursos de água ......................................................... 49
3.3.1.2 Tipologias de intervenção ........................................................... 53
3.3.1.3 Dimensionamento das obras de biengenharia ........................... 62
3.3.1.4 Limitações da Bioengenharia ..................................................... 64
4 METODOLOGIA .................................................................................................... 67
4.1 Materiais .................................................................................................. 67
4.2 Procedimentos metodológicos.............................................................. 67
4.2.1 Caracterização fisiográfica da bacia hidrográfica do Arroio
Forquetinha ...................................................................................... 68
4.2.2 Delimitação do Arroio Forquetinha, da mata ciliar e da APP ........... 69
4.2.3 Identificação das margens degradadas ........................................... 70
4.2.4 Levantamento topográfico do local alvo de proposição das tipologias
biotécnicas ....................................................................................... 72
4.2.5 Proposição das tipologias de intervenção e estimativa do custo da
obra .................................................................................................. 72

9

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

5 RESULTADOS ....................................................................................................... 74
5.1 Descrição da área de estudo ................................................................. 74
5.2 Análise fisiográfica da bacia hidrográfica do Arroio Forquetinha ...... 76
5.3 Delimitação da mata ciliar e dos locais com margem degradada ...... 77
5.4 Proposição de implantação de tipologias biotécnicas ........................ 84
5.4.1 Escolha do local .............................................................................. 84
5.4.2 Levantamento topográfico do local alvo de proposição das tipologias
biotécnicas ....................................................................................... 86
5.4.3 Descrição do local ........................................................................... 88
5.4.4 Proposição das técnicas de bioengenharia de solos ....................... 90
5.4.4.1 Defletor ....................................................................................... 91
5.4.4.2 Enrocamento de pedras ............................................................. 92
5.4.4.3 Esteira viva ................................................................................. 92
5.4.4.4 Inhame ....................................................................................... 93
5.4.4.5 Banquetas invertidas .................................................................. 94
5.4.4.6 Custo das tipologias propostas .................................................. 96
6 CONCLUSÕES .................................................................................................... 100
6.1 Sugestões de trabalhos futuros .......................................................... 102
REFERÊNCIAS ....................................................................................................... 104
ANEXO ­ Breve descrição das espécies vegetais sugeridas na recuperação da
margem .................................................................................................................. 110

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

15

1 INTRODUÇÃO

A morfogênese refere-se à origem e ao desenvolvimento das formas de
relevo, as quais são resultantes da atuação dos processos endógenos e exógenos.
Os processos endógenos tem origem no interior da terra e manifestam-se por meio
de movimentos sísmicos, do vulcanismo, do magmatismo intrusivo e do tectonismo,
já os processos exógenos são movimentos externos que atuam na superfície da
Terra destruindo elevações, construindo formas e preenchendo depressões. Os
agentes dos processos exógenos são a água e o gelo (ação mecânica e química), o
vento, a ação da gravidade, as alterações de temperatura, os organismos (fauna e
flora) e o homem (FLORENZANO, 2008).
O homem depende da existência do meio em que vive e, portanto, é preciso
considerar que toda alteração sobre o meio resulta em uma modificação na
configuração espacial da paisagem ­ haverá resposta do meio para cada alteração
sofrida ­ sendo o equilíbrio desta afetado. O rearranjo dos componentes modificados
resultará em uma situação diferente da anterior. A Qualidade Ambiental depende da
harmonia existente entre o homem e o meio (SANTOS, 2007), ou seja, do equilíbrio
entre elementos da paisagem através de um ordenamento do espaço, conciliando
principalmente os benefícios da vegetação com os diversos tipos de usos do solo
através de um planejamento (LIMA; ZAKIA, 2000).
Ao se pensar em planejar a utilização ou intervenção de recursos naturais, é
necessário antes o conhecimento da qualidade ambiental do espaço para que ela
possa auxiliar na tomada de decisão. Uma das tecnologias que possibilitam avaliar o
nível de qualidade é denominada de geotecnologia, uma tecnologia que permite o
emprego de diversas ferramentas para caracterizar, avaliar e propor a solução para

16
problemas decorrentes da intensificação das relações humanas e meio físico
geológico (BITAR; IYOMASA; CABRAL JR, 2000). Essa tecnologia possibilita

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

identificar e delimitar os locais com qualidade ambiental comprometida (por exemplo,
sem mata ciliar e/ou com a margem do arroio desestabilizada), para que então se
possa intervir com técnica(s) de bioengenharia adequada(s).
As correntes fluviais, que representam possivelmente um dos mais
importantes agentes, desempenham papel de grande relevância não só na escultura
do modelado da superfície terrestre, como também no condicionamento ambiental
da vida do Homem. Na antiguidade, os rios constituíram um meio de penetração
natural do homem em direção ao interior dos continentes, sendo que as civilizações
antigas floresceram as margens de grandes rios, como por exemplo, no Tigres e Nilo
(SUGUIO; BIGARELLA, 1979). Até hoje, muitos rios prestam-se à navegação,
pesca, recreação, entre outros, contudo, seu papel mais importante reside no
abastecimento de água, irrigação e na produção de energia elétrica.
Chaves (2009) destaca que entre os fatores que interferem sobre o volume e
qualidade da água disponível no Brasil, merece destaque a destruição da vegetação
existente nas margens e entorno das nascentes e dos cursos de água (mata ciliar),
promovida por razões diversos, que é de fundamental importância para a
preservação ambiental, para a manutenção das fontes de água, da biodiversidade e,
em

especial,

para

a

estabilização

dos

taludes

fluviais.

Esses,

quando

desestabilizados, segundo Guidicini e Nieble (1983), Fernandes e Amaral (2000) e
Tomonaga, Santoro e Amaral (2009), podem provocar diferentes tipos de
movimentos

de

massa,

classificados

em

escorregamentos

(translacionais,

rotacionais e em cunha) e, segundo Carvalho e Galvão (2006), em solapamentos.
As matas ciliares possuem extrema importância na preservação das margens,
pois evitam a erosão dos solos adjacentes, impedindo a sedimentação e
assoreamento do leito do rio (BARRELLA et al, 2000). Para Martins (2007),
funcionam como filtros, retendo defensivos agrícolas, poluentes e sedimentos que
seriam transportados para os cursos de água, afetando diretamente a quantidade e
a qualidade da água e, consequentemente, a fauna aquática e a população humana.
As matas ciliares são importantes, também, como corredores ecológicos,
ligando fragmentos florestais e, portanto, facilitando o deslocamento da fauna e o
fluxo gênico entre as populações de espécies animais e vegetais. Em regiões com

17
topografia acidentada favorecem a proteção do solo contra os processos erosivos
intensos, uma vez que atuam na estabilização de taludes através da grande malha

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

de raízes (MARTINS, 2007). As raízes, além de dificultar o cisalhamento do solo,
formam uma rede de canais que permitem a interação da vazão com a margem, ou
seja, a água fluvial consegue percolar através do solo marginal, reduzindo a taxa de
erosão

e

permitindo,

consequentemente,

a

estabilização

da

margem

(GOMES, 2005).
Historicamente, ao se buscar técnicas para evitar, atenuar ou combater os
efeitos indesejados da remoção de mata ciliar, surgem modelos que vão desde a
construção de obras de engenharia, até as fugazes campanhas de educação
ambiental, que apresentam a simples revegetação (o reflorestamento) das margens
como solução. As primeiras certamente solucionam os problemas, porém, além de
onerosas, produzem drásticas modificações na paisagem, por vezes são
desnecessárias e nem sempre respondem da melhor maneira aos anseios
ecológicos, econômicos e estéticos. Por outro lado, as numerosas campanhas de
educação ambiental e a distribuição de mudas à comunidade, sem que se leve em
consideração aspectos técnicos que garantam a estabilização das margens, quase
nunca são capazes de produzir os efeitos práticos esperados (DURLO; SUTILI,
2005). Nesse contexto, como alternativa ao exposto, é possível optar por um campo
especial da ciência conhecido como bioengenharia, engenharia natural ou ainda,
mais propriamente, bioengenharia de solos.
A bioengenharia de solos consiste no uso de elementos biologicamente ativos
junto com elementos inertes em obras de estabilização de solos e taludes. Como
elementos vivos pode-se citar a vegetação, e os elementos inertes podem ser
representadas por concretos, madeiras, ligas metálicas, polímeros naturais e
sintéticos. Essa técnica de estabilização utiliza raízes e os caules como elementos
estruturais e mecânicos para a contenção e proteção de solos, em diferentes
arranjos geométricos. Atua, assim, no fortalecimento do solo, na melhoria das
condições da margem e na retenção das movimentações de terra (PINTO, 2009) e
favorecendo o desenvolvimento da cobertura vegetal (GOMES, 2005).
No município de Forquetinha, área do presente estudo, os terrenos planos e
de boa fertilidade natural, por favorecerem a mecanização e um alto rendimento da
produção, fizeram com que os ambientes ciliares que se encontravam às margens

18
do Arroio Forquetinha, sofressem forte interferência antrópica para a expansão das
atividades agrícolas. Ao decorrer de vários anos, as matas ciliares foram suprimidas

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

a fim de expandir a área agricultável, no entanto, hoje, muitas das parcelas de terra
até então agricultáveis, já sofrem as consequências da remoção de mata ciliar.
Atualmente, a erosão dos solos e das margens do arroio não são apenas um
problema ambiental, mas também econômico, haja vista que os produtores rurais
estão perdendo parcelas de suas terras em decorrência da atividade erosiva nas
margens, além destas ainda serem lixiviadas durante os períodos de cheia,
tornando-se necessário repor os nutrientes perdidos, o que costuma ser feito por
meio do uso de fertilizantes.
Diante do exposto, o presente trabalho possui como objetivo geral analisar a
presença de mata ciliar e os processos erosivos nas margens do Arroio Forquetinha,
procurando identificar os trechos que poderiam ser recuperados por meio de
técnicas de bioengenharia, bem como propor a intervenção biotécnica mais
adequada para um dos pontos identificados, uma vez que a pressão antrópica sobre
essas áreas é constante, interferindo de maneira negativa sobre persistência e
resiliência, tornando-se necessária a aplicação de mecanismos de recuperação.

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

19

2 OBJETIVOS

2.1 Objetivo geral

O presente estudo tem como objetivo analisar a presença de mata ciliar e os
processos erosivos nas margens do Arroio Forquetinha, no município de
Forquetinha, procurando identificar os trechos degradados e que poderiam ser
recuperados por meio de técnicas de bioengenharia, bem como propor a intervenção
biotécnica mais adequada para um dos pontos identificados, além da estimativa do
custo de implementação da obra.

2.2 Objetivos específicos

O alcance do objetivo geral apresentado baseia-se no desdobramento de
alguns objetivos específicos, conforme disposto a seguir:


Determinar as características fisiográficas da bacia hidrográfica do
Arroio Forquetinha;



Delimitar o leito do curso de água do Arroio Forquetinha;



Delimitar a mata ciliar existente no entorno do Arroio Forquetinha;



Delimitar as Áreas de Preservação Permanente (APPs) do arroio e as
faixas de recuperação ambiental das referidas áreas com usos
antrópicos consolidados;

20


Identificar e demarcar locais com margem degradada (desprovidos
parcial

ou

totalmente

de

mata

ciliar

e/ou

com

a

margem

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

desestabilizada) na faixa de recuperação ambiental e da APP.


Quantificar os locais em que as margens se encontram comprometidas
e caracterizá-las quantitativamente;



Propor as tipologias de bioengenharia mais adequadas para as
características do leito, vazão e velocidade do escoamento fluvial, na
recuperação de um dos pontos identificados como degradados na
margem do Arroio Forquetinha;



Estimar os custos de implementação das tipologias de bioengenharia
propostas.

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

21

3 REFERENCIAL TEÓRICO

A água é um dos agentes modeladores exógenos do relevo mais importantes
na construção e composição da paisagem terrestre. Está ligada aos processos de
erosão e sua influência sobre a estabilidade de encostas e taludes fluviais é
decisiva. Do escoamento superficial nos cursos de água resultam processos fluviais
que participam da constante esculturação das formas de relevo e correlacionam-se,
de forma dinâmica, com aspectos ecológicos, econômicos e sociais (DURLO;
SUTILI, 2005).

3.1 Sistemas fluviais
Um sistema, segundo Christofoletti (1980), é o conjunto dos elementos e das
relações entre si e entre seus atributos. Neste sentido, um rio e sua bacia de
drenagem são considerados como um sistema geomórfico, onde o sistema fluvial
funciona como uma base de interação de processos e formas responsáveis pela
configuração

da

paisagem,

mantida

pelo

equilíbrio

dinâmico

de

entrada,

transferência e saída de energia e matéria.
O sistema fluvial abarca e/ou resulta de uma interação de fatores que
condicionam o desenvolvimento dos processos e das formas dentro dos canais. A
respeito dessa interação de fatores, Christofoletti (1980) destaca que os fatores
hidrológicos, cujos mais importantes são a quantidade e a distribuição das
precipitações, a estrutura geológica, as condições topográficas e a cobertura
vegetal, influenciam a formação do material intemperizado na bacia hidrográfica e o
carregamento desses materiais até os rios. O fluxo e o transporte de sedimentos são
respostas aos processos e ao estado de equilíbrio atuante no sistema fluvial.

22
Como se pode perceber, existe uma relação cíclica e interdependente entre
os elementos e processos que compõem um sistema fluvial, onde o fluxo se constitui

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

no agente principal. A dinâmica dos fluxos no canal fluvial está condicionada por
duas forças: gravitacional e fricção. A primeira impele a água para jusante, para as
regiões mais baixas da bacia, que por sua vez, se relaciona com o perfil longitudinal
do segmento. A segunda age colocando resistência a esse escoamento
(FLORENZANO, 2008).
Essas características dos fluxos são evidenciadas a partir da forma do canal e
das feições morfológicas nele presentes. Nesse sentido, a alteração no fluxo se
reflete nas características dos processos e formas dos canais, pois, segundo Suguio
e Bigarella (1979), o ajuste do rio às diversas variáveis hidrológicas reflete-se na
morfologia, isto é, em seu perfil longitudinal e transversal, que, segundo Durlo e
Sutili (2005) correlacionam-se, seguramente, com suas demais características
fisiográficas e hidráulicas e, consequentemente, relaciona-se com os processos
fluviais. A fisiografia fluvial, segundo Cunha (2007), pode ser entendida sob os
pontos de vista de rede de drenagem, canal e leito.

3.1.1 Fisiografia fluvial
Os dados fisiográficos são aqueles que podem ser extraídos de mapas,
fotografias aéreas ou imagens de satélites. Basicamente são áreas, comprimentos,
declividades e padrões, que expressam as características fluviais. O reconhecimento
de alguns desses aspectos é importante para a compreensão dos processos fluviais
e para a adoção adequada de técnicas de correção e estabilização (SUTILI, 2004).

3.1.1.1 Rede de drenagem
Ao conjunto de canais que se interligam, escoando em uma determinada
direção, dá-se o nome de rede drenagem fluvial. A área drenada por essa rede é
denominada de bacia hidrográfica ou bacia de drenagem (DURLO; SUTILI, 2005).
A rede de drenagem, segundo Cunha (2007), pode exibir diferentes padrões
de drenagem, possibilitando a realização de classificações que levem em conta a
forma de escoamento, a gênese e a geometria dos canais. De acordo com o

23
escoamento, as bacias de drenagem são classificadas como exorréicas, quando a
drenagem se dirige para o mar, e em endorréicas, quando a drenagem se dirige para

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

uma depressão interna do continente.
A classificação dos padrões de drenagem, com base na geometria dos seus
canais, apresenta os seguintes tipos fundamentais: dendrítico, paralelo, retangular,
radial, anelar, treliça e irregular (FIGURA 1).
Figura 1: Padrões geométricos de drenagem

Fonte: Durlo e Sutilli (2005)

Além do padrão de drenagem, para a comparação entre bacias distintas, é
importante conhecer a densidade da drenagem (DURLO; SUTILI, 2005). Sousa
(1977) apud Durlo e Sutilli (2005) afirma que a densidade é determinada pela
relação entre o somatório do comprimento dos cursos de água e a área da bacia
hidrográfica (Equação 1), logo, considera alto o valor da densidade quando superior
a 4,1 Km/Km2; médio, quando varia entre 2,1 a 4,0 Km/Km2; e baixo, quando é
inferior a 2,0 Km/Km2.
DD

L
A

(1)

Sendo DD = densidade de drenagem (Km/Km²), L = comprimento total de
todos os canais (Km) e A = área da bacia hidrográfica (Km²). É um índice importante,
pois reflete a influência da geologia, topografia, do solo e da vegetação da bacia
hidrográfica, e está relacionado com o tempo gasto para a saída do escoamento
superficial da bacia.

24
Outro dado importante a considerar a respeito da rede de drenagem de uma
bacia hidrográfica é sua susceptibilidade à ocorrência de cheias, que pode ser

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

observado a partir de determinados coeficientes, como Coeficiente de compacidade
(Kc) ou Índice de Gravelius (Kg), que relaciona a forma da bacia hidrográfica com
um círculo, o Fator de forma (Kf) ou Índice de conformação (Ic), que relaciona a
forma da bacia hidrográfica com um retângulo e avalia o grau de alongamento da
bacia e o Índice de circularidade (Ic) (LIMA, 2008). A partir dos valores que esses
coeficientes atingirem é possível avaliar se a propensão da bacia analisada é maior
ou menor à eventos de cheias.
O Coeficiente de compacidade é a relação entre o perímetro e a área da bacia
(Equação 2). Quanto mais próximo o valor de 1, mais compacta é a bacia, e maior a
tendência em produzir escoamentos rápidos, o que, consequentemente, faz com
que ela seja mais suscetível a enchentes acentuadas. Este coeficiente é um número
adimensional que varia com a forma da bacia, independentemente do seu tamanho;
quanto mais irregular for à bacia, tanto maior será o coeficiente de compacidade
(LIMA, 2008).

Kc 0,28

P
A

( 2)

Onde Kc = Coeficiente de compacidade, P = Perímetro da bacia (Km) e
A = Área da bacia (Km2).
Com relação ao Fator de forma (Kf) é importante ressaltar que a forma é uma
das características físicas mais difíceis de ser expressas em termos quantitativos. A
forma da bacia, bem como a forma do sistema de drenagem, pode ser influenciada
por algumas outras características da bacia, principalmente pela geologia. A forma
pode, também, atuar sobre alguns dos processos hidrológicos, ou sobre o
comportamento hidrológico da bacia (LIMA, 2008). O fator de forma relaciona a área
da bacia e comprimento axial do seu curso de água (Equação 3)
f

A


( 3)

Sendo Kf = Fator de forma, A = Área da bacia (Km) e L = comprimento do eixo
da bacia (Km).

25
Esse índice indica que numa bacia com Kf baixo, ou seja, com comprimento
do eixo maior, haverá menor propensão a enchentes que noutra com mesma área,

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

mas Kf maior. Isto se deve a fato de, numa bacia estreita e longa (Kf baixo), haver
menor possibilidade de ocorrência de chuvas intensas cobrindo simultaneamente
toda a sua extensão, conforme pode ser observado na Figura 2.
Figura 2: Determinação do fator de forma de duas bacias hidrográficas

Fonte: Lima (2008)

Outro índice de forma é o Índice de circularidade (Ic), proposto por Miller em
1953, citado por Christofoletti (1980), que avalia a circularidade de uma bacia
hidrográfica. Nessa avaliação, quanto mais próximo de 1 for o Ic, mais próxima da
forma circular será a bacia hidrográfica. Esse índice leva em consideração a área da
bacia (A), em Km2 e o seu perímetro (P) em Km (Equação 4).
Ic 12,57

A


( 4)

Também relacionado à rede de drenagem, tem-se a determinação da
hierarquia fluvial, um critério de ordenação dos cursos de água proposto por Horton
(1945) e modificado por Strahler (1952) apud Cunha (2007): os canais de 1 a ordem
são os que não possuem tributários, estendendo-se desde a nascente até a
confluência; os de 2a ordem resultam da confluência de dois canais de 1a ordem; os
canais de 3a ordem são formados pela confluência de dois canais de 2 a ordem; os
de 4a ordem surgem da confluência de dois canais de 3a ordem, recebendo afluentes
das ordens anteriores; e assim sucessivamente.

26
O desenvolvimento de um sistema de drenagem e o estudo das ramificações
são relevantes para indicar a maior ou menor velocidade com que a água deixa a

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

bacia hidrográfica. Todas essas características de um rio propiciam quantidades
variadas de volume para cada área. Ao associar estas características naturais com
as interferências humanas, as duas juntas refletem significativamente nessa
variação (qualidade e quantidade) da água de um rio. Em geral essas interferências
influenciam negativamente na evolução de eventos como os naturais (processos
erosivos) e hidrológicos (enchentes e inundações) (REIS, 2011).

3.1.1.2 Canal
A fisionomia que o rio exibe ao longo do seu perfil longitudinal é descrita como
retilínea, meândrica e anastomosada (FIGURA 3), constituindo o chamado padrão
de canais (CUNHA, 2007).
Figura 3: Tipos de canais

Fonte: Sutili (2004)

Os padrões retilíneos, segundo Christofoletti (1980), são aqueles em que o rio
percorre um trajeto sem se desviar significativamente de sua trajetória normal em
direção à foz. Os canais verdadeiramente retos são muito raros na natureza,
existindo principalmente quando o rio está controlado por linhas tectônicas, além de
da existência de um embasamento rochoso homogêneo (rochas de igual
resistência), pois do contrário se desviaria em sua trajetória.
Os padrões meândricos são aqueles em que os rios descrevem curvas
sinuosas, largas, harmoniosas e semelhantes entre si, através de um trabalho
contínuo de escavação na margem côncava (ponto de maior velocidade da corrente)
e

de

deposição

na

(CHRISTOFOLETTI,1980).

margem

convexa

(ponto

de

menor

velocidade)

27
Os padrões anastomosados, segundo Cunha (2007), caracterizam-se por
apresentar grande volume de carga de fundo que, conjugado com as flutuações de

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

descarga, ocasionam sucessivas ramificações, ou múltiplos canais que se
subdividem e se reencontram, separados por ilhas assimétricas e barras arenosas.
Os padrões de canais refletem um estado de quase equilíbrio entre vários
fatores inter-relacionados. Alguns desses fatores, como carga sedimentar e diâmetro
dos sedimentos, atuam de maneira independente dentro do canal, pois são
controlados por elementos externos como litologia e estrutura do substrato, relevo e
clima. O declive do canal, por sua vez, é um fator dependente, comumente ajustado
aos processos atuantes dentro do canal. Outros fatores básicos dependentes
incluem a largura e profundidade do canal, velocidade de fluxo, e rugosidade do leito
(SUGUIO; BIGARELLA, 1979).
Segundo Christofoletti (1980), o parâmetro principal na determinação dos
limites entre as três classes é o índice de sinuosidade (Is), dado pelo coeficiente
entre o comprimento do canal em determinado trecho e o comprimento do vale no
mesmo trecho medido. Canais com índice igual ou superior a 1,5 são considerados
meandrantes; inferiores são considerados sinuosos ou retilíneos (FIGURA 4).
Figura 4: Diagrama esquemático dos índices de sinuosidade.

Fonte: Dury (1969) apud Christofoletti (1980)

Para Christofoletti (1980), esses padrões decorrem do ajuste do canal à sua
seção transversal. Da mesma maneira que o tipo de leito, o padrão que o canal
assume também fica na dependência das características de cada trecho do curso de
água, podendo um mesmo rio demonstrar, em pontos distintos, os três tipos de canal

28
ou mesmo certa combinação deles. Para Schumm (1972) apud Sutilli (2004), essa
característica é determinada principalmente pelo tipo de carga detrítica, que

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

corresponde à granulometria e à quantidade do material transportado pelo curso de
água em um determinado trecho. Característica que pode ser bastante variável tanto
no espaço como no tempo, para um mesmo curso de água.

3.1.1.3 Leito
Segundo Cunha (2007), o leito fluvial corresponde ao espaço ocupado pelo
escoamento das águas, sendo que esse espaço varia com a frequência das
descargas e de um setor a outro em um mesmo curso de água, em decorrência das
características particulares do trecho, principalmente da topografia (inclinação do
leito). A classificação do leito, com relação ao perfil transversal, segundo
Christofoletti

(1980)

e Tricart

(1966)

apud

Cunha

(2007),

pode

assumir

nomenclaturas como leito de vazante, o leito menor, leito maior e maior excepcional.
Leito de vazante e leito menor correspondem à parte ocupada pelas águas,
cuja frequência impede o surgimento de vegetação, sendo que as águas do leito de
vazante divagam dentro do leito menor seguindo o talvegue, linha de máxima
profundidade ao longo do canal e que é mais bem identificada na seção transversal
do canal. O leito maior é de ocupação sazonal, ocupado pelas águas do rio e pelo
menos uma vez ao ano, durante as cheias, e o maior excepcional, somente durante
as grandes cheias, que seguem intervalos irregulares, que podem se entender a
algumas dezenas de anos (CUNHA, 2007).
Quanto ao perfil longitudinal de um curso de água, Christofoletti (1980) afirma
que este mostra a variação da sua declividade ou gradiente ao longo de seu
desenvolvimento. Consiste na representação visual (gráfica) da relação entre a
altimetria e o comprimento de determinado curso de água, para diversos pontos
entre a nascente e a foz. Lima (2008) acrescenta que a declividade é um dos fatores
principais que regulam o tempo de duração do escoamento superficial e de
concentração da precipitação nos leitos dos cursos de água, logo, trata-se de uma
informação fisiográfica, especialmente importante, para a compreensão e controle
dos processos fluviais.

29
A configuração longitudinal de um rio e a velocidade de suas águas depende
de diversos fatores, tais como o regime pluvial da área de drenagem, a constituição

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

litológica do substrato e da topografia, que intervém na declividade do canal.
Conforme a região percorrida, um rio pode possuir um gradiente heterogêneo
durante seu percurso, isto é, a velocidade e, por consequência, outras
características, podem variar com a maior ou menor inclinação do leito
(LEINZ; AMARAL, 1978 citado por DURLO; SUTILI, 2005).
Em geral, o perfil longitudinal típico é côncavo (considerado em equilíbrio, ou
seja, os processos de erosão, transporte e deposição estão em equilíbrio entre si),
com declividades altas em direção à nascente e baixas em direção à jusante
(FLORENZANO, 2008). FISRWG (1998) fez uma série de correlações lógicas do
comportamento de um curso de água quando observado ao longo do
desenvolvimento do seu perfil longitudinal (FIGURA 5).
Figura 5: Mudança das características de um curso de água

Fonte: Adaptado de FISRWG (1998)

30
Na correlação apresentada na Figura 5, percebe-se que enquanto a
profundidade e a largura do canal aumentam, elevando a vazão, a velocidade média

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

da água e a ocorrência de deslizamentos diminuem. O decréscimo na granulometria
do material transportado está relacionado ao alcance das velocidades limites
(críticas) de transporte correspondente à granulometria e à densidade de cada
material, à medida que a velocidade da água diminui. Assim, é possível que a
jusante, normalmente, se desenvolva uma área de sedimentação caracterizada pela
formação de regiões meândricas, deltas ou cones de dejeção, nos quais o volume
de material depositado aumenta consideravelmente (FISRWG, 1998).
A forma do perfil longitudinal de um curso de água correlaciona-se,
seguramente, com suas demais características fisiográficas e hidráulicas e,
consequentemente, relaciona-se com os processos fluviais (DURLO; SUTILI, 2005).

3.1.2 Processos erosivos fluviais
Erosão é a remoção das camadas superficiais do solo e rochas, que pode ser
causada, principalmente, pela ação do vento, água (pluvial, fluvial, subterrânea,
correntes marinhas, ondas) e pela atividade antrópica (ARAUJO; ALMEIDA;
GUERRA, 2011). A ação do homem é vista como importante agente modificador da
dinâmica natural do relevo e, por conseguinte, da estabilidade das encostas. É
considerado o causador da erosão acelerada, que Cunha (2007) trata como sendo a
erosão causada pela ação humana que, em geral, ocasiona um desequilíbrio no
meio natural.
A erosão fluvial é um dos fatores desencadeadores do movimento de massa
em ambientes fluviais. Apresenta fase de ocorrência, durante a subida das águas,
onde remove as paredes das margens, retirando vegetação, solo e material clástico
pela força da água, ocasionando a instabilidade dos barrancos e, em seguida, o
material removido, passa a depositar-se no sopé do barranco, dentro do canal e, ao
longo das margens, onde se inicia o ciclo de erosão, transporte e deposição pelo
fluxo do rio (LIMA, 1998).
A erosão marginal em canais fluviais está intimamente associada com as
mudanças no curso dos rios e com o desenvolvimento das planícies de inundação,

31
portanto, a compreensão dos seus processos é fundamental para se entender o
desenvolvimento das feições dos rios (CHRISTOFOLETTI, 1980; CUNHA, 2007).

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

A evolução do processo de erosão marginal é rápida se comparada com
muitos outros processos naturais geomorfológicos, isso porque a água exerce
grande força de atrito nos canais dos rios, continuamente. A erosão acelerada das
margens ocorre em velocidade muito grande, principalmente em grandes rios, que
têm grandes fluxos. A complexidade dos fatores ambientais (hidrológicos,
sedimentológicos,

geomorfológicos,

climáticos,

biológicos

e

pedológicos)

e

antropológicos que intervém e participam dessa dinâmica, em muitos casos
dificultam o estabelecimento das causas específicas e das tendências de evolução
dos processos erosivos e das feições dos rios. Dificultam precisar até que ponto o
desencadeamento de erosões marginais aceleradas e mudanças acentuadas na
morfologia do canal são uma resposta do meio às intervenções humanas ou se são
um fenômeno natural na evolução do sistema fluvial (FONTES, 2002).
Os principais fatores que condicionam os processos de erosão, transporte e
sedimentação nos rios são: as velocidades de corrente; as características físicas dos
sedimentos, especificamente o seu tamanho, densidade e forma; a existência de
acidentes ou obstáculos no leito; e as variações da vazão do rio, que por sua vez,
estão

diretamente

relacionados

com

as

variações

climáticas

(CHRISTOFOLETTI, 1980).
Segundo Christofoletti (1980), a velocidade da corrente é o fator principal de
um curso de água para erodir, transportar e depositar. Uma elevada velocidade
geralmente resulta em erosão e transporte, ao passo que uma baixa provoca
deposição. Para arrancar partículas do leito ou margem é necessária uma
velocidade superior a que se requer para transportar, que por sua vez é maior do
que a velocidade de sedimentação. A velocidade de uma corrente de água em um rio
depende essencialmente do declive, forma ou irregularidades no canal. Quanto
maior for a declive do canal, maior será a velocidade, logo, visto que as partes mais
baixas do continente vão ficando cada vez mais planas devido à sedimentação,
verifica-se de um modo geral, uma diminuição na velocidade de montante para
jusante.
Segundo Leighley (1934 apud CHRISTOFOLETTI, 1980), em canais
simétricos, a velocidade máxima da água está abaixo da superfície e centralizada. A

32
partir do centro, em direção às laterais estão as velocidades moderadas, porém de
alta turbulência. Nas partes próximas às paredes e ao fundo, o fluxo apresenta

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

baixas velocidades e turbulência, sendo estas maiores nas proximidades do fundo.
Em canais assimétricos, a zona de velocidade máxima desloca-se do centro para o
lado de águas mais profundas, enquanto que os setores de máxima turbulência
apresentam comportamento diferente, elevando-se o do lado mais raso e
rebaixando-se o do lado mais profundo, o que explica o deslocamento lateral que se
verifica na distribuição das velocidades em canais meandrantes (FIGURA 6).
Figura 6: Distribuição das velocidades e turbulências máximas

Canal Simétrico

Canal Assimétrico

Fonte: Leighley (1934) apud Christofoletti (1980)

As variações de vazão alteram os processos de erosão, transporte e
sedimentação, grandes ou frequentes variações causam um forte desequilíbrio e,
geralmente, aumentam a capacidade de erosão. A erosão fluvial, também chamada
de erosão marginal, ocorre em toda a face do canal, visto que é o arraste de
partículas pelo fluxo do rio. Esse tipo de erosão aumenta à medida que aumenta a
quantidade de água e sua velocidade no canal fluvial. Nas margens côncavas a
velocidade é maior (CUNHA, 2007).
A dinâmica de atuação das forças pode ser observada na Figura 7, onde nos
perfis transversais I e III, situados em trechos retilíneos, a velocidade da água tem
uma distribuição uniforme e relativamente menor próximo às margens. Ao contrário
dos perfis II e IV, que mostram grande velocidade da água próximo ao raio externo
das respectivas curvas (DURLO; SUTILI, 2005).

33

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

Figura 7: Distribuição da velocidade em pontos característicos de um canal
meândrico

Fonte: Weisnmeister apud Durlo e Sutilli (2005)

O fluxo de água do canal provoca erosão que atua de três formas: corrasiva,
corrosiva e pelo impacto hidráulico. A corrasão é o efeito abrasivo que o transporte
de partículas sobre rochas ou sobre outras partículas provoca, é o desgaste pelo
atrito mecânico, e que tende a reduzir a rugosidade do leito. A corrosão resulta do
processo químico de dissolução de material solúvel no decorrer da percolação da
água ainda no solo e o impacto hidráulico da força da água no canal do rio, originada
pelo movimento turbilhonar do rio (CHRISTOFOLETTI, 1980; CUNHA, 2007).
Conforme já mencionado, a erosão fluvial é um dos fatores desencadeadores dos
movimentos de massa em ambientes fluviais, que serão abordados a seguir.

3.1.2.1 Movimentos de massa fluviais
Os processos da dinâmica fluvial responsáveis pela erosão e degradação das
margens geralmente estão associados à elevação dos níveis da água (FERREIRA;
BOTH, 2005), que podem ser fatores determinantes para que alguns dos processos
erosivos anteriormente citados aconteçam, bem como desencadearem determinados
movimentos de massa nos ambientes fluviais. Os movimentos de massa podem ser
de diversos tipos, pois envolvem uma variedade de materiais e processos, além da
variedade de ambientes em que podem ocorrer (FERNANDES; AMARAL, 2000,
GUIDICINI; NIEBLE, 1983, TOMONAGA; SANTORO; AMARAL, 2009). De acordo com Selby
(1993) citado por Florenzano (2008), as classificações seguem de acordo com critérios

34
como: o tipo de material mobilizado, a velocidade e o mecanismo do movimento, o
modo de deformação, a geometria da massa movimentada e o conteúdo de água.

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

Os movimentos de

massa são processos naturais e/ou induzidos,

principalmente por atividades humanas, que fazem parte da evolução da paisagem.
Correspondem à remoção de material (solo, rocha e ou vegetação) ao longo de uma
encosta ou barranco, acionado pela água e deslocado pela ação da gravidade
(MAGALHAES et al. 2011). Dentre as classificações brasileiras, destacam-se as de
Freire (1965) citadas por Guidicini e Nieble (1983), Fernandes e Amaral (2000) e
Tomonaga, Santoro e Amaral (2009), que classificam os movimentos de massa em
escorregamentos (translacionais, rotacionais e em cunha), e, segundo Carvalho e
Galvão (2006), em solapamentos.
A velocidade do movimento depende da inclinação da superfície de
escorregamento, da causa inicial de movimentação e da natureza do terreno. Variam
de quase zero a alguns metros por segundo. Os movimentos mais bruscos ocorrem
em terrenos relativamente homogêneos, que combinam coesão com atrito interno
elevado. Nestes terrenos a superfície de escorregamento é mais inclinada
(GUIDICINI; NIEBLE, 1983).
Levando em consideração a geometria e a natureza dos materiais
instabilizados, os escorregamentos podem ser subdivididos em: escorregamentos
translacionais

ou

planares,

escorregamentos

rotacionais

ou

circulares

e

escorregamentos em cunha. Varnes (1978) apud Durlo e Sutilli (2005), afirma que os
translacionais

ocorrem,

normalmente

sobre

superfícies

de

deslizamento

preexistentes enquanto que, nos rotacionais, não é possível fazer uma distinção
clara entre a massa que deslizou e a que ficou estável (FIGURA 8).

35

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

Figura 8: Esquematização de escorregamento Translacional e Rotacional

Fonte: http://www.rc.unesp.br/igce/aplicada/ead/interacao/inter09b.html

Os escorregamentos em cunha (FIGURA 9), segundo Tomonaga, Santoro e
Amaral (2009) possuem ocorrência mais restrita às regiões que apresentam um
relevo fortemente controlado por estruturas geológicas, ocorrendo principalmente em
taludes de corte ou em encostas que sofreram algum tipo de desconfinamento,
natural ou antrópico.
Figura 9: Esquematização de escorregamento em cunha

Fonte: Tomonaga, Santoro e Amaral (2009)

Ferreira e Both (2005), acrescentam que os escorregamentos em cursos de
água sofrem forte influência da "poro pressão". Explicam que com a elevação do
nível do rio, os poros do solo existente nas margens podem ser preenchidos com
água, que consequentemente, após o rebaixamento do nível e pressão da água
existente nos poros, associada à diminuição do atrito entre partículas do solo, faz
com que as margens sofram um colapso, deslocando-se para dentro do rio.

36
Em se tratando de solapamentos, também chamados de desbarrancamentos,
Carvalho e Galvão (2006) afirmam que são processos que podem afetar áreas

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

adjacentes aos cursos de água (rios e córregos), visto que estão associados à
erosão das margens ou do talude de um canal fluvial, comumente acarretando a
desestabilização da margem. Lima (1998) descreve que com a elevação do nível do
rio, pode ocorrer a perda da sustentação da margem (talude) em decorrência da
ação erosiva da água, e esta vir a cair (FIGURA 10 ­ A). Ferreira e Both (2005)
afirmam que esse solapamento pode ser total ou parcial na margem, podendo deixar
uma feição na forma de degraus.
Carvalho e Galvão (2006) também observam que quando a ocupação se
instala nas faixas muito próximas às margens dos arroios e córregos e, em muitos
casos, até no próprio leito dos cursos de água surgem áreas de risco, ou seja,
quando acontecem chuvas mais intensas, as moradias são ameaçadas pela
possibilidade de ocorrência de solapamentos das margens das drenagens ou pela
própria ação direta da água sobre as edificações (FIGURA 10 - B).
Figura 10: Esquematização do processo de solapamento (A) e riscos associados
com as infraestruturas (B)
A

B

Ação direta das águas ­ AD
Solapamento das margens - S

S

Ação direta
das águas

AD

Solapamento

Fonte: Adaptado de www.ga.gov.au/
hazards/landslide/landslide-basics/
bauses. html

Fonte: Carvalho e Galvão (2006)

Na natureza, ao longo dos anos, a fixação de uma vegetação nas margens
dos rios vem sendo de fundamental importância para a estabilização das margens e
a existência dos leitos, além de proporcionar inúmeros outros benefícios ao local que
se encontram: as Matas Ciliares.

37
3.2 Matas Ciliares
Segundo Oliveira Filho (1994), as matas ciliares são formações vegetais do

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

tipo florestal, que se encontram associadas aos corpos de água, ao longo dos quais
podem estender-se por dezenas de metros a partir das margens e apresentar
marcantes variações na composição florística e na estrutura comunitária,
dependendo das interações que se estabelecem entre o ecossistema aquático e sua
vizinhança.
Segundo Alvarenga (2004), as florestas ciliares são responsáveis pela
manutenção da qualidade de água, regularização do regime hídrico e estabilidade
dos solos, possuindo importantes funções ambientais. Gomes (2005) acrescenta que
recebem o nome de ciliar por exercerem a função de proteção física e química do rio
funcionando como um filtro, semelhante aos cílios dos olhos.
Para Martins (2007), as matas ciliares também funcionam como filtros,
retendo defensivos agrícolas, poluentes e sedimentos que seriam transportados para
os cursos de água, afetando diretamente a quantidade e a qualidade da água e,
consequentemente, a fauna aquática e a população humana. São importantes,
também, como corredores ecológicos, ligando fragmentos florestais e, portanto,
facilitando o deslocamento da fauna e o fluxo gênico entre as populações de
espécies animais e vegetais.
Vegetação ciliar, ripária ou ripícola é aquela que margeia os corpos de água,
como rios, riachos e lagoas, tendo comumente porte arbóreo ou arbustivo em
ambientes não perturbados (CECONI, 2010). Para Carpanezzi (2000) apud Ceconi
(2010), a vegetação ciliar influencia de vários modos os corpos de água, e sua
remoção causa prejuízos para o homem e para a natureza. Com objetivo de evitar a
ocupação em áreas frágeis, obrigar a conservação de um mínimo da flora nativa
para garantir um mínimo de equilíbrio ecossistêmico e estimular a plantação e o uso
racional das florestas, foi criado em 1965, a lei nº 4771, conhecida como o Código
Florestal (BRASIL, 1965).
Nessa lei, as matas ciliares, segundo o art. 2º, estão inseridas nas APPs,
assim como as florestas e demais formas de vegetação existentes ao redor dos rios,
lagos, nascentes, lagoas e reservatórios, pois possuem a função ambiental de
preservar os recursos hídricos, a paisagem, a estabilidade geológica, a

38
biodiversidade, o fluxo gênico de fauna e flora, proteger o solo e assegurar o bemestar das populações humanas (BRASIL, 1965).

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

A referida lei, que teve sua redação alterada pela Lei Federal nº 7.803, de 18
de julho de 1989 (BRASIL, 1989) e pela Leis Federais nº 12.651, de 25 de maio de
2012 (BRASIL, 2012a) e nº 12.727, de 17 de outubro de 2012 (BRASIL, 2012b),
define que deve ser respeitada uma largura mínima da faixa marginal, entre 30 a 500
m, dependendo da largura dos cursos de água (FIGURA 11), e determinando a
manutenção ou recuperação da vegetação original. Focada na recuperação
ambiental de áreas com usos consolidados, Brasil (2012b) no Artigo 61-A, define que
nas

APPs

é

autorizada,

exclusivamente,

a

continuidade

das

atividades

agrossilvopastoris, de ecoturismo e de turismo rural em áreas rurais consolidadas
até 22 de julho de 2008, sendo que:
o

1

§ 1 Para os imóveis rurais com área de até 1 (um) módulo fiscal que
possuam áreas consolidadas em Áreas de Preservação Permanente ao
longo de cursos d'água naturais, será obrigatória a recomposição das
respectivas faixas marginais em 5 (cinco) metros, contados da borda da
calha do leito regular, independentemente da largura do curso d´água.
o

§ 2 Para os imóveis rurais com área superior a 1 (um) módulo fiscal e de
até 2 (dois) módulos fiscais que possuam áreas consolidadas em Áreas de
Preservação Permanente ao longo de cursos d'água naturais, será
obrigatória a recomposição das respectivas faixas marginais em 8 (oito)
metros, contados da borda da calha do leito regular, independente da
largura do curso d´água.
o

§ 3 Para os imóveis rurais com área superior a 2 (dois) módulos fiscais e
de até 4 (quatro) módulos fiscais que possuam áreas consolidadas em
Áreas de Preservação Permanente ao longo de cursos d'água naturais, será
obrigatória a recomposição das respectivas faixas marginais em 15 (quinze)
metros, contados da borda da calha do leito regular, independentemente da
largura do curso d'água.
o

§ 4 Para os imóveis rurais com área superior a 4 (quatro) módulos fiscais
que possuam áreas consolidadas em Áreas de Preservação Permanente ao
longo de cursos d'água naturais, será obrigatória a recomposição das
respectivas faixas marginais:
I ­ VETADO; e
II - nos demais casos, em extensão correspondente à metade da largura do
curso d'água, observado o mínimo de 30 (trinta) e o máximo de 100 (cem)
metros, contados da borda da calha do leito regular (BRASIL, 2012).

Além de ainda determinar que se somadas todas as APPs do imóvel, está não
poderá ultrapassar 10% (dez por cento) da área total, para imóveis rurais com área
de até 2 (dois) módulos fiscais e 20% (vinte por cento) da área total do imóvel, para
1

No município de Forquetinha, 1 (um) módulo fiscal corresponde a 18 hectares (ha)
(FISCONET, 2012)

39
imóveis rurais com área superior a 2 (dois) e de até 4 (quatro) módulos fiscais
(BRASIL, 2012b).

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

Figura 11: Largura das áreas de preservação permanente no entorno dos cursos de
água

Fonte: Sema (2007)

Em regiões com topografia acidentada, as matas ciliares exercem a proteção
do solo contra os processos erosivos, uma vez que atuam na estabilização de
taludes através da grande malha de raízes que dá estabilidade aos barrancos
(MARTINS, 2007), que além de dificultar o cisalhamento do solo, forma uma rede de
canais que permite a interação da vazão com a margem, ou seja, a água fluvial
consegue percolar através do solo marginal, reduzindo a taxa de erosão e
permitindo, consequentemente, a estabilização da margem (GOMES, 2005).

3.2.1 Efeitos da mata ciliar sobre taludes fluviais
A vegetação ciliar possui características técnicas que podem ser utilizadas
para controlar alguns processos fluviais, principalmente estabilizando taludes
(SUTILI, 2004). De modo geral, citam-se os seguintes efeitos sobre taludes fluviais:
interceptação de água da chuva, aumento da evopotranspiração, adição de peso,
ancoragem do talude, produzem efeito de alavanca sobre o mesmo e recobrem o
solo

pelo

acúmulo

(DURLO; SUTILI, 2005).

de

serapilheira

na

superfície

(FIGURA

12)

40

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

Figura 12: Efeitos da presença de uma árvore na estabilidade de um talude.

Fonte: Sutilli (2004)

Na maioria das vezes, a vegetação ciliar tem influência benéfica na
estabilidade de encostas. Porém, ocasionalmente, pode afetar a estabilidade de
maneira adversa ou apresentar outros impactos indesejáveis. Como exemplo, Durlo
e Sutili (2005), mencionam o efeito do sistema radical da vegetação, que providencia
um reforço mecânico, acrescendo substancialmente a resistência das massas
terrosas ao cisalhamento. No entanto, a vegetação origina uma sobrecarga vertical
no talude, e a ação do vento sobre a copa de árvores altas transmite fortes tensões
a este, enfraquecendo-a ou mesmo alavancando-a.
Nesse sentido, Sutili (2004) apresenta uma adaptação, da concepção de
diversos autores, dos efeitos hidrológicos e mecânicos da vegetação sobre a
estabilidade de encostas e taludes (TABELA 1).

41

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

Tabela 1 - Efeitos da vegetação na estabilidade de encostas.

A-adverso B-benéfico. Fonte: Sutilli (2004)

Diversas estratégias e procedimentos podem ser adotados para maximizar os
efeitos benéficos da vegetação e minimizar seu ônus. Essa estratégia inclui a
seleção de espécies apropriadas para as condições específicas do local e os
objetivos de estabilização, monitoramento da vegetação, de forma a mitigar
quaisquer características indesejáveis, nesse caso, estão inclusos procedimentos
como podas, desbastes, capinas e adubação (ARAUJO; ALMEIDA; GUERRA, 2011).
Durlo e Sutili (2005) também aconselham a poda ou desbaste da vegetação
nos taludes, afirmando que pode gerar efeito de renovação e estímulo ao
enraizamento. Por vezes, a retirada singular de árvores maduras (de grande porte)

42
não só é possível como, por vezes, necessária à manutenção da estabilidade da
encosta, favorecendo novas brotações ou para que as mesmas sejam natural ou

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

artificialmente substituídas.
Se por um lado o desenvolvimento da vegetação ciliar em encostas reforça o
solo e melhora a estabilidade do talude. De forma recíproca, a sua remoção pode
enfraquecer o solo e desestabilizar as encostas (ARAUJO; ALMEIDA; GUERRA,
2011). Um dos primeiros estudos sobre essa questão foi conduzido por Bishop e
Stevens (1964), em áreas desmatadas do sudeste do Alasca. Os pesquisadores
notaram um aumento significativo na frequência e tamanho da área afetada pelos
deslizamentos, após um desmatamento. Eles concluíram que a destruição e a
gradual deterioração dos sistemas radiculares interconectados eram a causa
principal do aumento de deslizamentos.
Corrêa (2004) afirma que a morte ou retirada das espécies vegetais arbóreas
implica no apodrecimento das raízes de ancoragem destes indivíduos e,
consequentemente, também dos solos em sua volta, permanecendo apenas os
dutos (ou drenos) que favorecem a recarga de água da chuva em profundidade
(FIGURA 13).
Figura 13: Regressão florestal em decorrência da morte ou retirada de espécies
arbóreas.

Fonte: Santos (2007)

O surgimento de dutos implica, por um lado, na perda de resistência dos
solos, anteriormente adicionada pelas raízes e, por outro, na alteração das funções
reguladoras da evapotranspiração que controlavam a perda gradual de água do

43
solo. Em outras palavras, a infiltração das águas de chuvas e a saturação dos solos
tendem a manter as mesmas taxas e, neste contexto, tanto as áreas de florestas

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

degradadas, como as áreas sob gramíneas tendem a se tornar mais susceptíveis
aos deslizamentos. As áreas com solos expostos, onde a capacidade de infiltração
decresce acentuadamente, tornam-se produtoras de escoamento e erosão
superficial, que na ausência de medidas corretivas imediatas tendem a expandir e se
aprofundar com descarga pluvial concentrada durante as chuvas subsequentes
(SANTOS, 2007).
O desflorestamento de zonas ripárias aumenta a violência do impacto de
eventos de chuva. Após a precipitação, a água alcança o curso do rio com grande
velocidade, pois não existem as regiões de armazenamento proporcionadas pela
vegetação ripária. A água precipitada, que geralmente alcançava o curso do rio por
escoamento subsuperficial, escoamento subterrâneo e escoamento superficial,
agora chega predominantemente por escoamento superficial. Com o transbordo da
calha do rio em áreas desflorestadas e, portanto, desprotegidas, irá ocorrer erosão
laminar e perda de solo fértil, que será depositado no leito do curso de água,
reduzindo sua profundidade e aumentando a probabilidade de enchentes
(CHECCHIA, 2003).
Percebe-se, diante do exposto, que a vegetação ciliar afeta a estabilidade dos
taludes dos cursos de água e das encostas de diversas maneiras. Na maior parte
das vezes, tem uma influência benéfica, entretanto, sua ausência ou porte podem
afetar a estabilidade de maneira adversa ou apresentar outros impactos
indesejáveis, que afetam a vulnerabilidade de um ambiente e, consequentemente,
sua qualidade ambiental. Nesse sentido, a bioengenharia de solos e os métodos
biotécnicos podem ser vistos como estratégias e procedimentos para minimizar o
ônus da vegetação ou sua ausência, enquanto maximiza seus benefícios
(ARAUJO; ALMEIDA; GUERRA, 2011).

3.3 Qualidade ambiental dos taludes fluviais
Os processos erosivos e os movimentos de massa são fenômenos naturais
que já acorrem há milhões de anos, mas que se intensificaram nos últimos anos em
decorrência da interferência resultante das formas de ocupar o espaço pelo ser

44
humano. Em um curto período de tempo, foi capaz transformar e extinguir paisagens
por meio de suas ações. O homem gera impactos ambientais, ou seja,

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

consequências indesejadas ou que comprometem o equilíbrio e o estado existente
de um ambiente, em virtude do tipo, da intensidade e da velocidade de promover
mudanças por meio de suas atividades. Muitas vezes, basta olhar as condições em
que se encontra um território, os tipos, a estrutura e a forma de manejo das
atividades humanas, que facilmente conduzimos a interpretação dos impactos
existentes (SANTOS, 2007) (FIGURA 14).
Figura 14: Deslizamentos naturais e induzidos pelo homem

Fonte: Santos (2007)

A partir do momento que se provoca uma perturbação em um ambiente, a
resposta do meio pode ser bastante diferente em função das características locais
naturais e humanas. Ou seja, cada fração de território tem uma condição intrínseca
que, em interação com o tipo e magnitude do evento induzido, resulta numa
grandeza de efeitos adversos. Essa condição é conceituada de vulnerabilidade. Se
for possível observar e medir as relações entre características de um meio, eventos
induzidos e efeitos adversos estar-se-á, na verdade, medindo a vulnerabilidade
ambiental de uma área (SANTOS, 2007).
Segundo Santos (2007), para entender vulnerabilidade deve-se considerar
duas outras questões: a persistência e a resiliência de uma paisagem, onde:
Persistência é um atributo do quanto um sistema, quando perturbado, se
afasta do seu equilíbrio ou estabilidade sem mudar essencialmente seu
estado;
Resiliência é a capacidade de um sistema retornar a seu estado de equilíbrio,
após sofrer um distúrbio (FIGURA 15).

45

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

Figura 15: Persistência e resiliência de uma paisagem

Fonte: Santos (2007)

Em um território de baixa persistência e baixa resiliência provavelmente a
vulnerabilidade é alta e, neste caso, quase sempre se provoca danos irreparáveis,
resultantes de um ou mais eventos adversos sobre um espaço vulnerável que
podem ser de origem natural ou provocada pelo homem (SANTOS, 2007).
Associado a vulnerabilidade, tem-se a qualidade ambiental, que pode ser
considerada como um equilíbrio entre os elementos da paisagem através de um
ordenamento do espaço, conciliando principalmente os benefícios da vegetação com
os diversos tipos de usos do solo através de um planejamento (LIMA; ZAKIA, 2000).
Quando alterada, pode provocar alterações por toda cadeia a qual pertence, ou seja,
o estado de um elemento é condicionante e determinante do estado de outro
elemento, e, assim, sucessivamente (SANTOS, 2007). Logo, conclui-se que mais
facilmente a qualidade ambiental pode ser comprometida em função de alterações
de ordem natural e antropogênica.
Para Santos (2007), não existe dúvida de que o ser humano precisa ser
responsabilizado pela qualidade ambiental de um ambiente, devendo garantir um
conjunto de condições que, de forma interativa, assegurem a necessidades e a
sobrevivência dos seres vivos, bem como possa proporcionar níveis de persistência
e resiliência elevados para os ambientes em que se insere ou já está inserido.
Historicamente, ao se buscar técnicas passíveis de contribuir na melhora da
qualidade ambiental de um local, surgem modelos que vão desde a construção de
pesadas obras de engenharia, até as fugazes campanhas de educação ambiental,
que apresentam a simples revegetação (o reflorestamento) das margens como
solução. As primeiras solucionam os problemas, porém, além de onerosas,
produzem drásticas modificações na paisagem, por vezes são desnecessárias e

46
nem sempre respondem da melhor maneira aos anseios ecológicos, econômicos e
estéticos. Por outro lado, as numerosas campanhas de educação ambiental e

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

distribuição de mudas à comunidade, sem que se leve em consideração aspectos
técnicos que garantam a estabilização das margens, quase nunca são capazes de
produzir os efeitos práticos esperados (DURLO; SUTILI, 2005).

3.3.1 Bioengenharia de solos
Atualmente, as tradicionais técnicas de engenharia, além de causarem a
perda dos benefícios ecológicos de um ambiente fluvial, também costumam
transferir os problemas decorrentes dos processos erosivos para outras áreas do
fluxo. Os métodos tradicionais costumam focar sua solução especificamente nas
áreas que apresentam o problema, sem levar em conta quais as consequências que
poderão advir da intervenção realizada. A função de equilíbrio, normalmente, é
interrompida quando os métodos tradicionais são usados para forçar condições
artificiais em uma rede de drenagem e separar a forma física do fluxo e do processo
fluvial (LI; EDDLEMAN, 2002).
Nesse contexto, como alternativa ao exposto, é possível optar por um campo
conhecido como bioengenharia, que consiste no uso de elementos biologicamente
ativos, combinados a elementos inertes em obras de estabilização e/ou de
recomposição de encostas, áreas degradadas e margens de sangas, arroios,
córregos e rios. Como elementos ativos, pode citar-se a vegetação, e como
elementos inertes, os concretos, madeiras, ligas metálicas, polímeros naturais e
sintéticos. Essa técnica de estabilização utiliza as raízes e os caules como
elementos estruturais e mecânicos para a contenção e proteção de solos, em
diferentes arranjos geométricos (PINTO, 2009, DURLO; SUTILI, 2005).
As referidas tecnologias, hoje conhecidas como bioengenharia de solos,
podem ser atribuídas a povos antigos da Ásia e da Europa. Historiadores chineses,
por exemplo, registraram utilização de técnicas de bioengenharia para a reparação
de diques, desde o ano de 28 a. C. Relatos de antigos visitantes acidentais à China
evidenciam que eram utilizados grandes cestos de tecidos com salgueiro, cânhamo
ou bambu, preenchidos com pedras, para estabilizar margens de rios e barragens.
Na Europa, os camponeses celtas criaram técnicas para tecer galhos de salgueiro
para criar cercas e paredes (LEWIS, 2000).

47
Por volta do século XVI, as técnicas de bioengenharia desenvolvidas estavam
sendo utilizadas e sistematizadas por toda Europa, enquanto que, durante o mesmo

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

período na Áustria, bioengenheiros estavam desenvolvendo técnicas de construção
de barreiras vivas contra sedimentação, plantando linhas de estacas de plantas em
cursos de água para aprisionamento de sedimentos e reforma de canais. Nos
Estados Unidos, o uso da bioengenharia data os anos de 1920, nos quais foram
realizadas estabilizações de erosões em margens de rios e taludes (SUTILI, 2004).
O

maior incentivo

para

o desenvolvimento de

novas técnicas de

bioengenharia de solos na Europa aconteceu durante o desenvolvimento político na
década de 1930. Restrições financeiras de pré-guerra, que aconteceram durante
anos na Alemanha e na Áustria, favoreceram o uso de técnicas de custo moderado,
de materiais locais e métodos construtivos tradicionais para projetos públicos
(LEWIS, 2000).
Posteriormente, após a Segunda Guerra Mundial, com o aumento do
emprego de equipamentos para movimentação de terra e com o surgimento de
técnicas estruturais para estabilização de erosões, as práticas de bioengenharia
praticamente desapareceram (SUTILI, 2004). Alguns bioengenheiros alemães e
austríacos continuaram a estudar, desenvolver e avaliar novas técnicas, bem como
publicá-las durante as décadas de 1950 e 1960, fato que é considerado importante
no lançamento de uma abordagem mais estrutural e incentivando o desenvolvimento
do campo profissional da Bioengenharia (ARAUJO; ALMEIDA; GUERRA, 2011).
As principais publicações decorrentes desse período foram feitas por Arthur
von Kruedener, em 1951, com o livro Ingenieurbiologie (Engenharia de Biologia),
cuja tradução inadequada do título alemão, deu origem ao termo Inglês,
bioengineering (bioengenharia), utilizado atualmente. Posteriormente, surgiu Hugo
Schiechtl, em 1980, que juntamente com diversos outros bioengenheiros (Lorenz,
Hassenteufel, Hoffman e Courtorier) publicaram o livro Bioengineering for Land
Reclamation and Conservation (Bioengenharia para recuperação e conservação da
terra). Hugo Schiechtl também publicou, em 1997, o livro Ground Bioengineering
Techniques for Slope Protection and Erosion Control (Técnicas de Bioengenharia de
solos para proteção de taludes e controle da erosão) (LEWIS, 2000).
Publicações subsequentes tornaram as tecnologias de bioengenharia mais
conhecidas no exterior, principalmente nos Estados Unidos e Europa (em especial

48
na Alemanha, Suíça e Austria), onde as técnicas têm sido utilizadas e reconhecidas
cada vez mais como excelentes alternativas no combate à erosão (LEWIS, 2000).

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

No entanto, ainda há resistência em muitos países, inclusive no Brasil, justamente
pelo fato de ser pouco conhecida e divulgada (ARAUJO; ALMEIDA; GUERRA,
2011), além dos poucos conhecimentos sobre as características das plantas
potencialmente utilizáveis, o que possibilitaria a implantação segura desse tipo de
obra (DURLO; SUTILI, 2005).
No Rio Grande do Sul, em Santa Maria, diversos estudos e experimentos vêm
sendo conduzidos, ao longo de vários anos, por Durlo e Sutili (2005) na área da
bioengenharia e tidos como referência nessa área. No Vale do Taquari, destaca-se a
iniciativa do município de Estrela, que utilizou técnicas de bioengenharia no controle
de processos erosivos fluviais, nas margens do Rio Taquari/RS. As obras nesse
município são coordenadas e supervisionadas pelo Biólogo Émerson Musskopf.
A bioengenharia de solos atua no fortalecimento do solo, na melhoria das
condições da margem de drenagem e na retenção das movimentações de terra
(PINTO, 2009; DURLO; SUTILI, 2005) e favorecem o desenvolvimento da cobertura
vegetal (GOMES, 2005). De acordo com Venti et al. (2003), essas intervenções
apresentam uma variedade de funções relacionadas em diversos âmbitos, como:
- Técnico - Funcionais: Resolução de problemas técnicos, como a
consolidação de margens fluviais ou a estabilização de uma vertente em risco
de desmoronamento, redução da erosão fluvial, proteção do terreno contra a
erosão,

sistematização

hidrogeológica

e

aumento

da

retenção

das

precipitações, bem como para o melhoramento da drenagem.
- Naturalísticas - Ecológicas: Permitem a recriação das condições
ecológicas de base, dando início aos processos que tendem para
ecossistemas

evoluídos

com

um

máximo

de

biodiversidade

e

heterogeneidade. Além disso, contribuem para o melhoramento das
características físico-químicas do terreno e dos cursos de água, permitindo a
recuperação de áreas degradadas e o desenvolvimento de associações
vegetais autóctones. Com a criação de macro e micro ambientes naturais, é
possível obter um aumento da biodiversidade local e territorial.

49
- Estético - Paisagístico: Enriquecimento da paisagem por meio da criação
de novos elementos, estruturas, formas e cores de vegetação, bem como

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

integração de estruturas na paisagem.
- Socioeconômica: Relativa ao benefício social induzido, à gestão econômica
dos recursos naturais e à economia obtida em comparação às técnicas
tradicionais em termos de custos de construção e de manutenção de algumas
obras.
A técnica também é conhecida como bioengenharia de solos (PINTO, 2009),
engenharia biotécnica (ARAUJO; ALMEIDA; GUERRA, 2011, DURLO; SUTILI,
2005),

engenharia

biofísica

(FREITAS,

2006),

além

de

inúmeras

outras

nomenclaturas. Segundo Durlo e Sutili (2005), quando se restringe aos cursos de
água, a bioengenharia pode ser denominada de manejo biotécnico de cursos de
água, cuja ideia é aproveitar as vantagens dos dois tipos de material (inerte e vivo),
para se conseguir a estabilização e ou recuperação das áreas tratadas, sem se
descuidar dos aspectos ecológicos e econômicos envolvidos.

3.3.1.1 Manejo de cursos de água
Lewis (2000) afirma que ao se conhecer o clima e a vegetação de uma área, é
possível prever a natureza dos solos. No entanto, existem muitas exceções
resultantes da diferença de materiais de origem, drenagem, declividade e o tempo
que o solo foi exposto a essas condições ambientais. A autora afirma que se deve
considerar a história natural e evolutiva, bem como, cultural e social da paisagem
circundante. A consciência desses fatores, e como eles moldam a paisagem atual e
futura, é fundamental para o sucesso do projeto.
Em casos em que se busca a estabilidade de um talude fluvial, pode-se optar
por reduzir a velocidade da água e, consequentemente, o seu potencial erosivo e ou
aumentar as forças de resistência do talude. Neste caso, as biotécnicas podem
proporcionar tanto um quanto outro, ou ainda ambos os efeitos (SUTILI, 2004).
No tratamento de cursos de água com o uso de biotécnicas, devem-se seguir
os princípios da manutenção da morfologia típica do curso e a dinâmica das águas.
Logo, é necessário evitar a retificação, a eliminação de poços, a uniformização da
velocidade e da largura do curso de água. Ao mesmo tempo, deve-se buscar a

50
implantação, o desenvolvimento e o tratamento com vegetação ecologicamente
adequada para o lugar, levando-se em conta a multifuncionalidade do curso de água

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

e, ao fazer exploração agrícola ou florestal das áreas ribeirinhas, ter em vista a
proteção dos rios (SCHIECHTL; STERN, 1997).
Além da solução técnica do problema, devem ser considerados os critérios
ecológicos, econômicos e estéticos. Procura-se, desta forma, manter a morfologia do
canal natural, com meandros e perfis transversais assimétricos, e sugere-se a
preservação ou a criação de habitats naturais para a flora e a fauna. Muitas vezes,
os efeitos da corrasão e dos deslizamentos em um talude fluvial evoluem a tal ponto
que o desenvolvimento de vegetação torna-se difícil ou mesmo impossível
(SUTILI, 2004).
Segundo Fisrwg (1998), quando o declive apresentado pelo talude da margem
de um curso de água não proporcionar a estabilidade necessária, o primeiro passo é
redesenhá-lo, buscando um gradiente adequado. Nos gradientes superiores a
aproximadamente 1:1 (45º), o restabelecimento da vegetação torna-se muito difícil,
necessitando-se do uso de métodos mais tradicionais, com um maior investimento
em estruturas inertes ou o uso de geotêxteis.
Fisrwg (1998) aconselha o uso de diferentes técnicas (métodos) de
estabilização, com base na inclinação do talude (FIGURA 16). À medida que as
encostas ou taludes fluviais se tornam mais abruptos e ou mais estáveis, tanto mais
é necessária a utilização de formas e arranjos especiais para a revegetação, como
também o emprego e combinação das estruturas inertes e estruturas ativas.
Ressalta que declives cortados em terraços pequenos, com próximas de 3:1 podem
ser mais adequados, proporcionando melhor acúmulo de umidade e melhorando o
desenvolvimento das plantas.

51

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

Figura 16: Determinação do método apropriado em função da inclinação da margem

Fonte: Sutili (2004), adaptado de Fisrwg (1998).

Nas margens de um curso de água, Durlo e Sutili (2005) ressaltam que a
corrasão acontece pela retirada do apoio do talude da margem devido à força da
correnteza, ao turbilhonamento e a ação das ondas junto à faixa que acompanha o
nível normal da água. Esta região deve, então, receber atenção especial,
principalmente com o apoio de materiais inertes na sua base, que auxiliam o futuro
estabelecimento da vegetação.
Durlo e Sutili (2005), ainda destacam que se precisa ter em mente que as
obras de biengenharia não alcançam total efetividade logo após a implantação e que
primeiro é necessário aguardar a pega e o desenvolvimento radicial e aéreo das
plantas. Afirmam que durante a fase de pega e desenvolvimento, podem ser
necessárias intervenções de reposição vegetal e ou tratos culturais e que somente
após a fase de implantação, cuja duração depende de diversos fatores, é que as
obras começam a desempenhar integralmente sua ação corretiva e duradoura sobre
o problema que se pretende solucionar.
A atuação da água sobre as margens, embora possa ser prevista com certa
probabilidade, só é detectada e levada em consideração, quando os problemas dela
decorrentes são bem visíveis e começam a causar preocupação. Ao observar uma
erosão recente, deve-se pensar em tomar tão logo uma medida corretiva,
especialmente se determinados bens materiais estiveram ameaçados. Diversas
vezes, no entanto, a adoção de medidas estabilizadoras de duração mais longa

52
torna-se impossível, por diversos motivos, como falta de tempo, a limitação de
recursos ou por se estar em um período de cheias, que dificultam ou impedem o

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

acesso e o trabalho nos locais problemáticos (DURLO; SUTILI, 2005).
Durlo e Sutili (2005) afirmam que nos casos em que a tomada de medidas
duradouras for apenas à falta de recursos ou de tempo, a solução parcial dos
problemas pode ser a adoção de uma solução temporária que representa,
simultaneamente, uma medida preventiva e preparatória para ações mais incisivas
posteriormente.
Os métodos disponíveis para o manejo de cursos de água são separados em
dois grupos distintos: manejo passivo e manejo ativo de cursos de água. No
manejo passivo, não há interferência direta na fisiografia fluvial, enquanto que, no
manejo ativo, são feitas diversas modificações físicas no canal (produzindo
retificação, suavização das curvas, eliminação de empecilhos ao livre fluir da água) e
no leito (modificando características de seu perfil longitudinal e transversal, como a
inclinação, a profundidade, a largura e características dos taludes). Enquadram-se,
no manejo passivo de cursos de água, as ações preventivas feitas geralmente para
a

bacia

hidrográfica

como

um

todo,

visando

interferir

indiretamente

no

comportamento hídrico. Essas ações consistem, basicamente, na alocação das
diferentes atividades econômicas em harmonia com as características ecológicas
(edáficas, hidrológicas e topográficas) dos diferentes locais (DURLO; SUTILI, 2005).
Dentre as medidas tomadas pelo manejo passivo estão o isolamento de faixa
marginal (prevista no Código Florestal Brasileiro, referido anteriormente) e a
proteção da regeneração natural. A proteção da regeneração natural consiste,
sobretudo, no compromisso de não efetuar roçadas, queimas, capinas e de não usar
herbicidas e similares na faixa de isolamento marginal. Exceção a este preceito
deveria ser conferida às ações que venham a contribuir para o estabelecimento e
desenvolvimento de espécies de características biotécnicas mais desejáveis
(DURLO; SUTILI, 2005).
Afirmam ainda que no manejo ativo de cursos de água, as ações direcionamse a áreas relativamente pequenas, que apresentam problemas mais intensos. Este
grupo engloba as atividades de limpeza dos leitos, além de medidas biotécnicas que
utilizam obras longitudinais e transversais isoladas ou combinadas, além do
recapeamento vegetal das margens valendo-se de diferentes métodos de plantio.

53
3.3.1.2 Tipologias de intervenção
Segundo Fisrwg (1998), a bioengenharia preconiza diversas formas de

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

revegetação e modelos de construção. O efeito proporcionado e os resultados
conseguidos ficam na dependência tanto do tipo de material e modelo de
construção, bem como das espécies vegetais e forma de revegetação que se
combinam à estrutura. Os efeitos, em comparação a outros métodos, são ganhos
para ecologia, economia e para os aspectos paisagísticos que, na da dependência
dos objetivos e tipologia da construção, pode-se dar mais ênfase a um ou outro dos
aspectos. O objetivo é evitar construções grandes e pesadas, procurando-se
modificar o mínimo as condições naturais preexistentes (DURLO; SUTILI, 2005).
Durlo e Sutili (2005) dividem as obras de bioengenharia em dois grupos,
segundo a sua posição em relação ao eixo do curso de água e sua função: as
longitudinais e as transversais. As obras longitudinais não alteram a declividade do
leito e sua função é mais especificamente reconstruir e ou proteger e estabilizar as
margens. As transversais têm como principal efeito a redução da velocidade da água
através do desenvolvimento de um perfil de compensação que modifica a inclinação
original do leito e, consequentemente, força o depósito de sedimentos, consolida o
leito e estabiliza as margens.
À divisão dos autores acima citados, acrescenta-se a de Allen e Leech (1997)
e Hoag e Fripp (2002) que dividiram as margens dos cursos de água em quatro
zonas, considerando os diferentes níveis de elevação, frequência e duração da
permanência das águas, sendo elas denominadas de Toe zone, Splash zone, Bank
zone e Terrace zone (FIGURA 17), para então indicar as intervenções adequadas
para cada zona.
Toe zone: A parte da margem situada entre o fundo e a fase média normal
atingida pela água.
Splash zone: A parte da margem situada entre níveis de fase média normal e
alta das águas.
Bank zone: A parte da margem situada acima do nível alto de alcance das
águas, mas que também pode ser alcançados quando da ocorrência de casos mais
extremos de cheias.

54
Terrace zone: A parte da margem que se situa fora do alcance habitual dos
níveis de água. Essa zona é menos significativa para a proteção da margem, em

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

virtude da baixa frequencia de inundaçao, mas que pode ser facilmente erodida
quando for inundada e nao possuir vegetação presente.
Figura 17: Divisão da margem de curso de água em zonas

Fonte: Li e Eddleman (2002)

À divisão das zonas, Li e Eddleman (2002), contribuíram com o
desenvolvimento de uma matriz que avalia o custo e a força das obras de
bioengenharia. Desenvolveram uma matriz em que os eixos X e Y são divididos em
três níveis: baixo (L), médio (M) e alto (H), sendo que o eixo X indica força e o eixo Y
indica os custos estimados da obra (FIGURA 18).
Figura 18: Matriz de avaliação do custo/força

Fonte: Li e Eddleman (2002)

55
Na matriz, apresentada pela Figura 18, também pode ser observado um
círculo concêntrico, cuja localização indica os valores de custo/força, sendo que o

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

círculo pequeno está localizado, aproximadamente, no valor médio e o círculo
grande, no valor que cobre a maior parte dos valores informados nas
literaturas. Para métodos que apresentam resistência fraca na fase inicial, após a
conclusão, é mostrado um círculo cinzento concêntrico que indica a resistência
durante essa fase. Na possibilidade da força do método biotécnico aumentar com o
tempo, ainda é apresentado um círculo concentrico escuro. As unidades para o
"custo" e "força" foram dólares americanos por metro pascal (newtons por metro
quadrado), respectivamente, com os valores relativos mostrados na Figura 18
(LI; EDDLEMAN, 2002).
As tipologias de intervenção comumente utilizadas pela bioengenharia, com
base nas contribuições de Li e Eddleman (2002); Durlo e Sutili (2005); Allen e Leech
(1997), Gray e Sotir (1996) e Hoag e Fripp (2002), são apresentadas na Tabela 2.

56

Nome

Estacas

Feixes /
caniçadas
vivas

Banquetas

Continua.

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

Tabela 2 - Tipologias biotécnicas
Ilustração

Breve descrição

Zona de
aplicação

Característica principal
(função)

Corresponde a utilização
de troços de troncos ou
ramos com mais de 3
anos, com casca fina, sem
ramagem
lateral,
com
comprimentos entre 40 e
100 cm, cravadas no
talude.

Estabilizar
taludes
e
margens fluviais de baixo
declive, como também
podem ser utilizadas como
elementos de fixação de
outras
tipologias
de
bioengenharia.

Ramos longos, amarrados,
formando
feixes.
São
usados
parcialmente
enterrados e fixados com
estacas
e
pedras,
dispostos ao longo da
margem.

Além do efeito esperado
pelo desenvolvimento da
vegetação,
também
produzem
imediata
proteção física. Oferecem
excelente proteção contra a
erosão superficial. É a
forma ideal para ser usada
entre
os
vãos
das
estruturas de madeira.

Ramos intercalados entre
camadas do solo. Os
feixes são colocados em
um modelo entrelaçado ou
sobreposto, de forma que
as
extremidades
se
projetem além da face da
margem.

Utilizados para estabilizar a
margem a deslizamentos
superficiais,
além
de
fornecer proteção contra a
erosão. Os ramos que se
projetam além da face da
margem,
retardam
a
velocidade do fluxo e
filtram os sedimentos para
fora
do
escoamento
superficial.

Matriz
Custo/resistência

57

Nome

Empacotamento
de ramos

Geogrelhas
vegetadas

Parede
vegetada de
madeira
(Parede
Krainer)

Continuação.

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

Tabela 2: Tipologias biotécnicas
Ilustração

Breve descrição

Zona de
aplicação

Característica principal
(função)

O empacotamento dos
ramos consiste em se
alternarem camadas de
estacas de ramos vivos e
solo compactado para
reparar
cicatrizes
e
depressões nas margens.

Utilizados no reparo e
preenchimento
de
movimentos de massa
menores (depressões de
até 1,20 m de profundidade
e 1,50 m de largura).
Reforça a margem e
protege
contra
o
escoamento superficial e
processos erosivos.

É semelhante à técnica de
empacotamento de ramos,
no
entanto
é
mais
apropriada para o reparo e
preenchimento
de
depressões alongadas. O
empacotamento pode ser
natural ou com materiais
sintéticos (geotêxteis).

Utilizados no reparo e
preenchimento
de
movimentos de massa
maiores (até 0,60 m de
profundidade, 4,50 m de
comprimento e 0,60 m de
largura). Reforça a margem
e
protege
contra
o
escoamento superficial e
processos erosivos.

Combinação de madeira e
blocos de pedras, porém
sempre complementadas
por material vegetativo
(estacas ou feixes vivos).

Tem
por
finalidade
organizar
e
fixar
os
materiais
sobre
as
margens, de maneira a
conseguir o máximo de
estabilidade e proteção
física. O material vegetativo
serve para acelerar e
garantir a estabilidade, bem
como melhorar o aspecto
estético da margem.

Matriz
Custo/resistência

58

Nome

Enrocamento
vivo

Esteira viva

Revestimento

com árvores

Continuação.

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

Tabela 2: Tipologias biotécnicas
Ilustração

Breve descrição

Zona de
aplicação

Característica principal
(função)

Consiste na colocação de
pedras
de
grandes
dimensões nas margens,
sendo que nos interstícios
entre as pedras, são
colocadas estacas vivas.

É eficaz em reduzir a
erosão nas margens, além
de melhorar a estética de
enrocamento existente pelo
desenvolvimento
das
estacas.

Ramos no seu máximo
comprimento,
dispostos
acompanhando
a
inclinação da margem e
com suas bases dentro da
água, fixados a pedras ou
troncos por ramos de
bambu ou arame, e
cobertos por uma camada
de solo.

Restringe-se a taludes
fluviais e requer grande
quantidade de material
vegetativo. Muito eficiente
em margens nas quais a
força da água é de impacto
frontal.

Uma fileira de árvores
interconectadas
e
colocadas ao longo da
margem do curso de água.

Vantajoso em fluxos onde o
leito é instável. Atua
principalmente nos raios
externos
das
curvas
dissipando a capacidade
erosiva
do
fluxo
e
estimulando a deposiçao
de
sedimentos
nesse
ponto.

Matriz
Custo/resistência

Não avaliada

59

Nome

Revestimento
de pedregulhos
e troncos com
raízes

Plantação de
lenhosas

Defletores,
râmprolas ou
espigões
transversais.

Conclusão.

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

Tabela 2: Tipologias biotécnicas
Ilustração

Característica principal
(função)

Matriz
Custo/resistência

Pedras e troncos com raiz,
colocados no interior e às
margens de cursos de
água.

Propiciam
estruturas
ecológicas que melhoram o
habitat de peixes, reforçam
a margem e protegem
contra processos erosivos,
além de possibilitarem a
deposição de sedimentos
nos locais em que estão
instalados.

Não avaliada

Técnica semelhante do
revestimento com árvores,
porém nesse as árvores
são plantadas na margem,
ao modo que formam filas
adjacentes
ao
fluxo,
formando uma barreira
permeável.

Atuam na redução da
velocidade do fluxo da
água e favorecem o
deposição de sedimentos
nas margens.

Estruturas que se projetam
a partir da margem, mas
que
não
chegam
a
atravessar toda a seção
transversal do curso de
água.

São
responsáveis
por
conduzir a água para o
centro
da
torrente
e
provocar
depósito
de
materiais transportados, em
locais desejados.

Breve descrição

Zona de
aplicação

Não avaliada

60
As Figuras 19 ­ 30, apresentadas na sequência, ilustram as tipologias

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

biotécnicas aplicadas em situações reais.
Figura 19: Estacas

Figura 20: Feixes / caniçadas vivas

Fonte: www.terraerosion.com/Cottonwood Creek
CommunityProject.htm

Fonte: www.terraerosion.com/projects/work /
riparian-restoration/project3-baldface/restoration
-project3.htm

Figura 21: Banquetas

Figura 22: Empacotamento de ramos

Fonte: www.dot.ca.gov/hq/LandArch/ec/ plants
/brush_layering.htm

Fonte: www.dot.ca.gov/hq/LandArch/ec/plants/fre
f_with_brush_layering.htm

Figura 23: Geogrelhas vegetadas

Figura 24: Parede Krainer

Fonte:www.sotir.com/publications/use_riprap.hml

Fonte: Sutilli (2004)

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

61
Figura 25: Enrocamento vivo

Figura 26: Esteira viva

Fonte: http://www.sotir.com/publications/use_
riprap.html

Fonte: SMMASBE (2010)

Figura 27: Revestimento com árvores

Figura 28: Defletores

Fonte: http://www.chestchattrcd.org/id6.html

Fonte: SMMASBE (2010)

Figura 29: Plantação de lenhosas

Figura 30: Revestimento de pedregulhos
e troncos com raízes

Fonte: web.extension.illinois.edu/cca/? Stream
bank/slide/48

Fonte: Fisrwg (1998)

62
Comumente, as técnicas de bioengenharia descritas e apresentadas são
empregadas para solucionar problemas nos ambientes fluviais, notadamente

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

decorrentes do processo erosivo natural dos cursos de água e/ou resultantes de
ações antrópicas, envolvendo tanto as perdas econômicas quanto situações de
riscos. No entanto, essas técnicas podem ser estudadas, adaptadas e aplicadas
para conter processos erosivos de outros locais que não margens de recursos
hídricos (SOLERA, 2010).

3.3.1.3 Dimensionamento das obras de biengenharia
De acordo com Venti et al. (2003), quando se efetuarem obras onde se
apliquem as técnicas de bioengenharia, é necessário respeitar um critério muito
importante: usar a mínima tecnologia necessária para a resolução dos problemas
(Lei do Mínimo) (FIGURA 31). Este é um aspecto importante, que se deve ter em
conta nas fases de programação das planificações, de projetar e de execução das
intervenções e das obras relativas à tutela do solo e à prevenção dos riscos
hidrogeológicos, para além da mitigação dos impactos derivados da realização de
obras

e

infraestruturas.

Deste

modo,

não

se

deverão

efetuar

obras

superdimensionadas, ou de qualquer modo, obras de complexidade excessiva em
respeito ao problema a resolver, nem tão pouco obras subdimensionadas.
Figura 31: Nível mínimo de energia

Fonte: Adaptado de Venti et al. (2003)

63
Para a maioria das obras de bioengenharia utilizadas no manejo de cursos de
água, não é exigido (legalmente), bem como também nem foram desenvolvidos

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

métodos matemáticos exatos para o seu dimensionamento. Uma grande variedade
de pequenas obras é executada com base em experiências práticas, sem que para
elas seja necessária a demonstração matemática de sua estabilidade, fato que é
fortemente evidenciado à medida que aumenta a quantidade de materiais vivos nas
obras de correção ou prevenção dos problemas (DURLO; SUTILI, 2005).
Apesar da dispensa do dimensionamento estático para a maioria das obras de
bioengenharia (DURLO; SUTILI, 2005), e de bacias hidrográficas menores
raramente possuírem dados observados de vazão e velocidade, é possível fazer uso
de fórmulas para calcular essas variáveis. Uma dessas fórmulas é a de Strikber, que
possibilita calcular a velocidade média da água, levando em consideração a maior
cheia já registrada em determinado local (BARRO, 2011; BAPTISTA, 2010).

V KR 2 / 3 I 1 / 5

( 5)

Onde V: Velocidade média (m/s); K: Coeficiente de rugosidade; R: Raio
hidráulico (m) (que advém da relação entre a área da seção transversal (m 2) com o
seu perímetro molhado) e I: inclinação do terreno.
Conforme visto, a Equação 5 possibilita calcular a velocidade média do
escoamento, variável que é de extrema importância para calcular a dimensão limite
de transporte (DLT) das pedras/blocos (BARRO, 2011) a serem utilizadas nas
tipologias biotécnicas como enrocamento vivo e defletores, râmprolas ou espigões
transversais. Para o dimensionamento da DLT é utilizada a Equação 6,
apresentação por Barro (2011), adaptada de Durlo e Sutili (2005).

b

V2
14

( 6)

Em que b corresponde a maior dimensão do bloco (m), V a Velocidade média
(m/s) e 14 uma constante, decorrente da adoção de valores constantes para peso
específico da água (1000kg/m3) dos sedimentos (2400 kg/m3), para o coeficiente de
atrito (0,76) e para material anguloso (1,46). Barro, 2011 explica que com o uso da
Equação 6 chega-se ao valor da DLT, que, numa situação semelhante a maior cheia
já registrada, mostra que o rio, no trecho analisado, tem a capacidade de
movimentar qualquer bloco cuja maior dimensão seja inferior ao valor de b.

64
Apesar dos métodos apresentados serem de grande relevância para algumas
tipologias, segundo Durlo e Sutili (2005), prevalece à ausência de metodologias

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

comprovadas para as demais, fazendo com que a compreensão da influência dos
diversos fatores envolvidos na dinâmica do processo, torne-se uma ferramenta
indispensável para a construção de obras de bioengenharia. Os autores ainda
trazem, de forma esquemática (FIGURA 32), um conjunto de fatores que determinam
a estabilidade de uma obra de bioengenharia.
Figura 32: Balança de estabilidade das obras de bioengenharia

Fonte: Durlo e Sutili (2005)

Ressaltam que é possível perceber que se qualquer um dos fatores
relacionados na Figura 19 sofrer alteração fará com que a balança movimente mais
para o lado da estabilização ou da deformação, e que será função da bioengenharia
fazer com que o ponteiro da balança esteja sempre indicando estabilidade. Além
disso, também afirmam que diversos fatores no grupo das forças de resistência
podem ser utilizados convenientemente para aumentar a estabilidade dessas
construções. Por fim, afirmam que a ciência da biengenharia consiste em arranjar os
diferentes fatores, ao modo que as forças favoráveis à estabilidade prevaleçam
sobre as demais, que agem em sentido da deformação.

3.3.1.4 Limitações da Bioengenharia
A bioengenharia apenas pode substituir em parte a engenharia clássica, e nas
condições físicas, técnicas e ambientais adequadas. Um dos fatores que se coloca

65
muitas vezes como um aspecto limitante tem a ver com a falta de formação da mão
de obra sendo, portanto, necessário a sua promoção. Outro aspecto importante

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

prende-se com o fato das obras de bioengenharia estarem dependentes de um fator
muito determinante como a estacionalidade. Ou seja, os trabalhos devem ser
realizados nas estações em que o material vegetal está no estado vegetativo
adequado e também quando as características climáticas locais são favoráveis ao
enraizamento da vegetação. Este aspecto deve-se ter em conta na fase de
programação de trabalhos. Depois de efetuados os trabalhos torna-se necessário a
existência de um controle, verificação e manutenção constantes das obras
(VENTI et al., 2003).
A manutenção é uma das exigências mais importantes das intervenções de
biengenharia. Apesar de poder ser menos custosa e exigir prazos de realização com
espaçamentos bastante diferentes das técnicas tradicionais (FIGURA 33), implicam
numa cuidadosa manutenção, quer para garantir a plena instalação da vegetação
projetada, como para garantir a longo prazo a sua eficácia técnica dentro dos
referidos objetivos (FERNANDES; FREITAS, 2011).
Figura 33: Custos comparativos médios e manutenção de obras de bioengenharia

Fonte: Fernandes e Freitas (2011)

Ao nível da manutenção, Fernandes e Freitas (2011) aconselham diferentes
tipos e objetos:


Manutenção de curto ou de longo prazo;



Manutenção das plantas e sistemas vivos ou manutenção, reparação e
substituição de sistemas inertes complementares;

66


Manutenção de estabelecimento ­ garantia do estabelecimento das
espécies definidas no projeto com as densidades e as características

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

estabelecidas;


Manutenção de desenvolvimento ­ condução da vegetação no sentido
do desenvolvimento das formações e comunidades-alvo;



Manutenção de acompanhamento ­ gestão da vegetação e das
formações vegetais de modo a garantir a manutenção das suas
funções

de

estabilização

e

proteção

(por

ex.

elasticidade

e

comportamento hidráulico).
Segundo Fernandes e Freitas (2011), a manutenção é sempre orientada de
acordo com o objetivo construtivo e condicionada pelo preenchimento das funções
definidas (geotécnicas, hidráulicas, ecológicas etc.). Observam ainda que sempre se
devem evitar intervenções generalizadas e concentradas (por exemplo, desbastes)
que, se realizados dessa forma, implicarão em impactos muito violentes nos habitats
faunísticos com consequências negativas para a funcionalidade ecológica local e da
própria obra de bioengenharia.
Diante do contexto apresentado, reitera-se que objetivo desta monografia é
analisar a presença de mata ciliar e os processos erosivos nas margens do Arroio
Forquetinha, no município de Forquetinha ­ RS, procurando identificar os trechos
que poderiam ser recuperados por meio de técnicas de bioengenharia, bem como
propor a intervenção biotécnica mais adequada um dos locais identificados, além da
estimativa dos custos de implementação.

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

67

4 METODOLOGIA

4.1 Materiais
- Base cartográfica digital, formada por uma imagem do satélite Ikonos,
composição colorida pan-sharpened RGB, datada de 23/11/2002.
- Software AutoCAD, Spring e Google Earth
- GPS Garmin MAP 76 Csx
- Máquina fotográfica digital
- Estação total PENTAX, modelo V227N

4.2 Procedimentos metodológicos
O diagnóstico das características físicas de determinada área é uma
ferramenta importante para fornecer subsídios à sua gestão, bem como promover
intervenções a fim de preservá-la ou recuperá-la. Uma das tecnologias que
possibilita a caracterização física de uma região são as geotecnologias, que podem
ser definidas como um conjunto de ferramentas que possibilitam a coleta, análise,
armazenamento, processamento, visualização e disponibilização da informação com
referência espacial, ou seja, a informação tem a sua localização geográfica
associada como fator de integração e análise (CRUZ, 2009). Dentre as ferramentas
geotecnológicas destacam-se os Sistemas de Informação Geográfica (SIG), o
Sensoriamento Remoto por satélite e o Sistema de Posicionamento Global (GPS).
Os SIGs constituem-se em um conjunto harmônico composto por uma base
de dados, um ou mais softwares que permitem a manipulação de informações

68
espaciais e uma interface gráfica para acesso do usuário. Com esse tipo de
tecnologia é possível, por exemplo, produzir um Modelo Numérico do Terreno a partir

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

de cartas topográficas da bacia hidrográfica. O Modelo Numérico do Terreno tem
inúmeras aplicações no manejo de bacias hidrográficas que vão desde a
determinação de seus limites geográficos até a avaliação de áreas suscetíveis a
processos erosivos (CRUZ, 2009).
Sensoriamento remoto pode ser entendido como a utilização de sensores
para a aquisição de informações sobre objetos ou fenômenos sem que haja contato
direto entre eles. Os sensores a bordo dos satélites são equipamentos capazes de
coletar radiação eletromagnética proveniente do alvo, convertê-la em sinal passível
de ser registrado e apresentá-lo em forma adequada à extração de informações.
Esta tecnologia vem sendo aplicada em diversas áreas do conhecimento, devido à
possibilidade de se obter uma grande quantidade de informações a respeito de uma
área ou ecossistema, em tempos diversos, apresentando baixo custo (comparando
aos métodos tradicionais de amostragens de dados em campo), assim como uma
boa qualidade, permitindo a visualização integrada do ambiente, entre outras
vantagens (NOVO, 1992).
A coleta de dados no campo ganhou muito em precisão e capacidade de
interpretação com o desenvolvimento e a disseminação dos aparelhos GPS. Com o
uso desta geotecnologia tornou-se muito mais simples a visualização e manipulação
dos dados de campo em um SIG, bem como a realização de análises espaciais e a
detecção de padrões similares, que se constituem em recursos poderosos para o
entendimento dos fenômenos naturais (CRUZ, 2009).

4.2.1 Caracterização fisiográfica da bacia hidrográfica do Arroio Forquetinha
Para a caracterização fisiográfica da bacia levou-se em consideração toda
área que contribui ao escoamento do Arroio Forquetinha, desde as cotas altimétricas
mais elevadas, onde se situam as nascentes dos cursos de água contribuintes, a fim
de avaliar a propensão a ocorrência de eventos de cheia no Arroio Forquetinha.
Para esta caracterização utilizou-se a base cartográfica vetorial contínua do
Rio Grande do Sul, na escala 1:50.000 (HASENACK; WEBER, 2010), contendo a
malha rodoviária, as curvas de nível e a hidrografia. Da referida base digital

69
delimitou-se, por meio do uso do Software AutoCAD, a bacia hidrográfica do Arroio
Forquetinha e extraiu-se, com auxílio do software Spring, informações a respeito da

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

área de abrangência, perímetro, comprimento dos cursos de água, do eixo da bacia
e do vale e declividade da mesma.

4.2.2 Delimitação do Arroio Forquetinha, da mata ciliar e da APP
O município de Forquetinha disponibilizou uma base cartográfica digital
georreferenciada (FIGURA 34) disponível no software AutoCAD, contendo uma
imagem de alta resolução espacial do satélite Ikonos, composição colorida RGB,
com 1 metro de resolução espacial, além da divisa administrativa municipal e da
malha rodoviária do município.
Figura 34: Base Cartográfica digital do município de Forquetinha

Fonte: Autores

A base cartográfica digital foi utilizada para delimitar, por intermédio de
digitalização em tela, o leito do Arroio Forquetinha e a mata ciliar do referido arroio.
Para a delimitação da APP do arroio, levou-se em consideração o Código Florestal

70
(BRASIL,1965; BRASIL, 2012), em que é exigido respeitar uma faixa de 50 metros
para cursos de água que apresentem largura da ordem de 30 metros, que é o caso

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

do Arroio Forquetinha. Além da delimitação da faixa de 50 metros, baseado no novo
Código Florestal (BRASIL, 2012b), também se delimitou a faixa mínima de
recuperação ambiental requerida para áreas que possuíam usos consolidados, visto
que as propriedades rurais não excedem a equivalência de 1 (um) módulo fiscal.
Essas delimitações foram realizadas nas duas margens do arroio, após a
delimitação do curso de água, pelo comando offset do Software AutoCAD,
permitindo determinar a APP do arroio e a faixa mínima de 5 metros que deverá ser
recuperada nos casos de usos consolidados.

4.2.3 Identificação das margens degradadas
Para alcançar uma melhor qualidade ambiental, a tomada de decisão sobre
proposições corretas do uso e cobertura da terra deve considerar se os referidos
usos estão contribuindo ou induzindo a ocorrência de uma transformação
indesejada. Quando o objetivo é evitar ou minimizar a ocorrência de um impacto
negativo, como a erosão, é necessário, em primeiro lugar, perceber os principais
padrões, mecanismos e fatores condicionantes que a paisagem apresenta, para
depois tomar decisões sobre o seu controle (SANTOS, 2007). Sobre a base
cartográfica digital, também foram identificados e demarcados os locais que
apresentavam margem degradada, com ausência parcial ou total de vegetação, além
de categorizá-los de acordo com a necessidade de recuperação: Curtíssimo, Curto,
Médio ou Longo prazo de acordo com os critérios apresentados na Tabela 3.

71
Tabela 3: Critérios de categorização dos locais degradados

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

Prazo
Curtíssimo
Até 2 anos

Curto
Até 5 anos

Critério
- Compromete ou pode vir a comprometer estradas, pontes, vias de
acesso e imóveis (residências, galpões).
- Localiza-se em zona de processo erosivo mais intenso (margem
externa, de erosão/remoção de sedimentos).
- Compromete ou pode vir a comprometer vias de acesso (estradas,
pontes) e imóveis (residências, galpões).
- Localiza-se em zona de processo erosivo pouco intenso (margem
interna, de deposição/acumulo de sedimentos).
- Compromete áreas de cultivo das propriedades.
- Localiza-se em zona de processo erosivo intenso (margem externa,
de erosão/remoção de sedimentos).

Médio
Até 10 anos

Longo
Acima de 10 anos

- Compromete áreas de cultivo das propriedades.
- Localiza-se em zona de processo erosivo menos intenso (margem
interna, de deposição/acumulo de sedimentos).
- Apresenta extensão inferior a 100 metros.
- Compromete áreas de cultivo das propriedades.
- Localiza-se em zona de processo erosivo menos intenso (margem
interna, de deposição/acumulo de sedimentos).
- Apresenta extensão superior a 100 metros.

Fonte: Autor

A partir da delimitação da vegetação ciliar na imagem de satélite e o
cruzamento da referida delimitação com a faixa de 5 metros de recuperação e de 50
metros de APP, foram realizadas atividades in loco em alguns pontos para aferir as
condições observadas na imagem. Nesta etapa, buscou-se validar se as condições
observadas na imagem condiziam com as condições reais do local e se os critérios
adotados na categorização das margens comprometidas foram satisfatórios.
As técnicas utilizadas nos levantamentos de campo incluíram: observações
diretas, anotações em caderneta, uso do receptor GPS de navegação, levantamento
com estação total e máquina fotográfica digital para registro das condições dos
locais visitados.

72

4.2.4 Levantamento topográfico do local alvo de proposição das tipologias

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

biotécnicas
No local alvo de proposição das tipologias biotécnicas, foi realizado
levantamento topográfico bem como observadas as características e condições do
leito e da margem. Para a realização desse levantamento levou-se em consideração
um evento extremo de precipitação pluviométrico, ocorrido nos dias 3 e 4 de janeiro
de 2010, em que foi registrado um acumulado de chuva superior a 200 milímetros
(CIH, 2012), em um período de aproximadamente 24 horas. Esse evento extremo de
precipitação foi considerado catastrófico para a região da Bacia Hidrográfica do Rio
Forqueta e do Arroio Forquetinha, de modo que levou alguns municípios a
decretarem estado de emergência em decorrência dos estragos que foram
causados. Dos municípios atingidos, menciona-se o de Marques de Souza como um
dos mais devastados. Em Forquetinha, o referido evento resultou em elevada
alteração das margens do arroio, além de danificar estradas e algumas pontes.
Desta forma, a fim de estimar a capacidade erosiva do fluxo de água num dos
maiores eventos de cheia já registrados e dimensionar algumas das tipologias a
serem propostas à recuperação da margem, foi realizado o levantamento
topográfico, com estação total PENTAX, do leito maior excepcional (zona inundada
durante a cheia de 2010), do leito normal e da margem alvo das tipologias
biotécnicas.

4.2.5 Proposição das tipologias de intervenção e estimativa do custo da obra
As geotecnologias possibilitam mostrar que para cada arranjo espacial de uso
e cobertura da terra sobre um determinado tipo de terreno, com certo grau de
vulnerabilidade ambiental e com atividades de manejo próprio da região, pode-se
identificar um conjunto específico de problemas ambientais. Esses problemas podem
interferir nos níveis da qualidade ambiental de determinado ambiente e auxiliar na
tomada de decisão quanto às tipologias de intervenção (SANTOS, 2007).
Com base nas características observadas na imagem, no enquadramento da
necessidade de intervenção/recuperação, visitas in loco aos locais degradados,
levantamento topográfico e das características do local e a importância que

73
determinado local representa para a comunidade, propôs-se intervenção no mesmo,
utilizando as técnicas de bioengenharia, além de também apresentar o levantamento

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

dos custos que estariam envolvidos na implementação do que fora proposto.
A proposição das tipologias passíveis de serem empregadas na estabilização
dos processos erosivos da margem do Arroio Forquetinha foi baseada em pesquisa
bibliográfica de livros, artigos nacionais e internacionais, dissertações de mestrado e
teses de doutorado disponíveis, sempre levando em conta aspectos como
funcionalidade, aspecto e eficiência.
A Figura 35 apresenta o fluxograma geral do desenvolvimento metodológico
adotado no estudo.
Figura 35: Fluxograma metodológico da proposta de estudo

Fonte: Autor

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

74

5 RESULTADOS

5.1 Descrição da área de estudo
O município de Forquetinha está localizado na porção Centro-Oeste da região
geopolítica do Vale do Taquari. Faz divisa com o município de Marques de Souza ao
Norte e Nordeste, Canudos do Vale e Sério a Oeste, Santa Clara a Sul e Lajeado a
Sudeste e Leste (FIGURA 36). A sede do município localiza-se nas coordenadas
geográficas UTM SAD69, Fuso 22J, 6748935 N e 393610 E. Foi criado em 16 de
abril de 1996, pela lei n° 10756, emancipado do município de Lajeado. Apresenta
área de 93,57 km2 e segundo a Contagem da População realizada pelo IBGE (2010)
apresenta 2.479 habitantes.
Figura 36: Localização do município de Forquetinha

Fonte: Adaptado de Eckhardt (2009)

75
Em termos hidrográficos, pertence à bacia hidrográfica do Rio Forqueta, que
constitui em umas das principais sub-bacias hidrográficas do Rio Taquari. O principal

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

curso hídrico e que dá nome ao município é o Arroio Forquetinha. Esse arroio
apresenta aproximadamente 22 km de extensão no município, e segundo a
classificação de Strahler, consiste em um curso hídrico de 5a ordem. Outros dois
arroios que se destacam no município de Forquetinha são o Arroio Alegre e o Arroio
Abelha, respectivamente classificados como arroios de 4a e 3a ordem.
O padrão de drenagem é considerado irregular, no entanto assemelhando-se
consideravelmente ao padrão de drenagem dendrítico, que é também conhecido
como arborescente pela sua semelhança com os galhos de uma árvore. Com
relação ao seu canal, baseando-se nos critérios de Christofoletti (1980), pode-se
atrelá-lo aos perfis longitudinais meandrantes, pelas curvas sinuosas, largas,
harmoniosas e semelhantes entre si, resultantes do trabalho contínuo de escavação
da margem côncava e de deposição na margem convexa; ao perfil retilíneo, por
apresentar alguns trechos retilíneos contínuos, de baixa profundidade e sinuosidade
e ainda ao perfil anastomosado, identificado em pontos em que a deposição da
carga de fundo propicia o desenvolvimento de barras que obstruem a corrente e
ramificam-na, processo decorrente das margens que atualmente são facilmente
erodidas.
No que diz respeito às altitudes, Forquetinha apresenta como local mais baixo
o nível altimétrico de 40 metros e 500 metros como a altitude mais alta. As altitudes
de 40 a 100 metros, que formam o Vale do Arroio Forquetinha, formam a classe de
altitude que concentra grande percentual das áreas agrícolas do município, que
apresenta terrenos planos e com boa fertilidade natural, aspecto que favorece a
mecanização e um alto rendimento da produção.
Os solos que ocorrem adjacentes ao Arroio Forquetinha são de forma
predominante, segundo Streck et al. (2002), do tipo Chernossolos Háplicos Órticos,
que apresentam perfis mais profundos derivados de material alúvio-coluvionar
proveniente do basalto das áreas adjacentes. Desenvolvem-se quase sempre de
rochas básicas, ricas em cálcio e magnésio, ou de rochas sedimentares, que
apresentam lentes ou intercalações de calcário, o que favorece sua ótima fertilidade
natural. Com alto potencial do solo para o desenvolvimento da atividade agrícola,
possuem destaque as culturas do milho, fumo, cana-de-açúcar, soja e mandioca,

76
que faz com que o município tenha sua economia centrada na atividade
agropecuária e na criação de animais de corte, com destaque para a criação de

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

suínos e frangos.
Os terrenos planos e de boa fertilidade natural, por favorecerem a
mecanização e um alto rendimento da produção, fizeram com que os ambientes
ciliares do Arroio Forquetinha sofressem forte interferência antrópica. Ao longo de
muitos anos, as matas ciliares foram suprimidas a fim de expandir a área agricultável
nesse município, resultando em erosão, impactos ambientais e em perda de
qualidade ambiental em termos gerais.
Atualmente, a erosão dos solos e das margens do arroio não é apenas um
problema ambiental, mas também econômico, haja vista que os produtores rurais
estão perdendo parcelas de suas terras em decorrência da atividade erosiva nas
margens, além destas ainda serem lixiviadas durante os períodos de cheia,
tornando-se necessário repor os nutrientes perdidos, o que costuma ser feito por
meio do uso de fertilizantes.

5.2 Análise fisiográfica da bacia hidrográfica do Arroio Forquetinha
Em relação à análise fisiográfica da bacia do Arroio Forquetinha, avaliada até
o local de proposição das tipologias biotécnicas, obteve-se os dados apresentados
na Tabela 4.
Tabela 4: Informações da sub-bacia hidrográfica do Arroio Forquetinha
Informação da bacia

Extensão

Área (km2)

306,40

Perímetro (km)

101,59

Comprimento do eixo (km)

39,05

Comprimento do vale (km)

35,36

Comprimento de todos os canais (km)

366,10

Fonte: Autor

A partir dos dados da tabela acima, foi possível determinar índices da bacia
relacionados à sua suscetibilidade à ocorrência de cheias (TABELA 5).

77

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

Tabela 5: Índices fisiográficos da sub-bacia hidrográfica do Arroio Forquetinha
Índice

Resultado

Densidade de drenagem (DD) (km/km2)

1,19

Coeficiente de compacidade (Kc)

1,62

Fator de forma (Kf)

0,13

Índice de circularidade (Ic)

0,37

Índice de sinuosidade (Is)

1,35

Declividade (%)

0,77

Fonte: Autor

Analisando as Tabelas 4 e 5 é perceptível que, de forma geral, a bacia a qual
pertence o Arroio Forquetinha apresenta forma alongada, sendo pouco sujeita a
inundações. A declividade, que pode ser considerada alta, corrobora com um canal
considerado sinuoso ou retilíneo, com velocidade do fluxo elevada e a rápida
resposta da bacia quando ocorrem precipitações mais intensas na área. O baixo
valor da DD pode ser associado aos solos permeáveis e ao regime pluviométrico
médio da região, caracterizado por chuvas de baixa intensidade.

5.3 Delimitação da mata ciliar e dos locais com margem degradada
A partir da delimitação do Arroio Forquetinha e da vegetação ciliar existente
em ambas as margens foi possível avaliar o percentual de vegetação existente na
APP de 50 metros e na faixa de recuperação ambiental de 5 metros, que são
apresentadas a seguir. A Tabela 6 e as Figuras 37 e 38 apresentam a condição de
adequação e de conflito do uso e cobertura do solo na faixa de 50 metros da APP do
Arroio Forquetinha. Por sua vez, a Tabela 7 e as Figuras 39 e 40 apresentam a
mesma condição na faixa de 5 metros de recuperação ambiental.
Tabela 6: Quantificação dos usos na faixa APP de 50 metros
Dispositivo

Área

Vegetação

Vegetação

Legal

(ha)

(ha)

(%)

APP 50 metros

221,92

85,62

38,58

Fonte: Autor

Uso
Uso
agropecuário agropecuário
(ha)
(%)
136,3

61,42

78
Figura 37: Uso e cobertura do solo na APP de 50 metros do Arroio Forquetinha

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

Faixa de vegetação
APP

Fonte: Autor

Figura 38: Uso e cobertura do solo na APP de 50 metros do Arroio Forquetinha
Faixa de vegetação
APP

Fonte: Autor

Tabela 7: Quantificação dos usos na faixa de 5 metros de recuperação ambiental
Dispositivo

Área

Vegetação

Vegetação

Legal

(ha)

(ha)

(%)

APP 5 metros

22,32

17,38

77,87

Fonte: Autor

Uso
agropecuário
(ha)
4,94

Uso
agropecuário
(%)
22,13

79
Figura 39: Uso e cobertura do solo na faixa de recuperação ambiental

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

Faixa de vegetação
Recuperação

Fonte: Autor

Figura 40: Uso e cobertura do solo na faixa de recuperação ambiental
Faixa de vegetação
Recuperação

Fonte: Autor

Ao analisar as Tabelas 6 e 7, constata-se que o percentual de vegetação e de
uso agropecuário presente nas faixas avaliadas são bastante distintos. Na APP, o
percentual de vegetação e de uso agropecuário, representam 38,58% e 61,42%
respectivamente, enquanto que na faixa de recuperação de 5 m representam
77,87% e 22,13%, respectivamente.

80
Nota-se que a largura da APP, que para o curso hídrico avaliado é de 50
metros, não é respeitada conforme determina a lei, no entanto, é perceptível que

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

existe certa preocupação no que diz respeito à conservação do ambiente ciliar
quando avaliamos a vegetação existente na faixa de 5 metros, faixa está a ser
recuperada pelas áreas com usos já consolidados até 2008, conforme o novo
Código Florestal (BRASIL, 2012b).
Os locais que não apresentaram vegetação ciliar na faixa de 5 metros foram
considerados locais degradados, os quais foram quantificados, caracterizados e
categorizados conforme a necessidade de intervenção e/ou recuperação (Tabela 8).
Tabela 8: Categorização dos locais com margem degradada.
Prazo

Locais identificados

Extensão total (metros)

Curtíssimo (até 2 anos)

21

1.197,5

Curto (até 5 anos)

59

4.429,3

Médio (até 10 anos)

27

1.078,8

Longo (acima de 10 anos)

16

2.480,4

Total

123

9.186,0

Fonte: Autor

Conforme pode ser observado na Tabela 8, de 123 locais degradados, 21
requerem uma intervenção com vistas a sua recuperação em Curtíssimo prazo, 59
em Curto prazo, 27 em Médio prazo e 16 em Longo prazo, totalizando uma extensão
9.186 metros de margem degradada que requer algum tipo de intervenção e/ou
recuperação. Dada à extensão do Arroio Forquetinha, que é de 21,97 Km, o que
representa aproximadamente 44 km de margens, percebe-se que dessa totalidade,
mais de 20% apresentam problemas de degradação decorrentes da dinâmica natural
do curso de água e/ou das às ações antropogênicas.
As Figuras 41 a 44 apresentam locais degradados de acordo com a categoria
de recuperação em que se enquadraram.

81
Figura 41: Local que requer recuperação/intervenção em Curtíssimo prazo

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

Recuperação em Curtíssimo prazo

Fonte: Autor

Figura 42: Local que requer recuperação/intervenção em Curto prazo
Recuperação de Curto prazo

Fonte: Autor

82
Figura 43: Local que requer recuperação/intervenção em Médio prazo

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

Recuperação de Médio prazo

Fonte: Autor

Figura 44: Local que requer recuperação/intervenção em Longo
Recuperação Longo prazo

Fonte: Autor

As Figuras 45 a 52 apresentam a situação atual de alguns dos locais
categorizados, com base nas atividades de campo, sendo que também é indicada a
categorização da necessidade de intervenção, com base nos critérios apresentados
na Tabela 3, do Capítulo 4.2.2.

83
Figura 45: Recuperação de Curtíssimo Figura

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

(A) e Curto (B) prazo

46:

Recuperação:

Curtíssimo

prazo

B
A

Fonte: Autor

Fonte: Autor

Figura 47: Recuperação: Curto prazo

Figura 48: Recuperação: Curto prazo

Fonte: Autor

Fonte: Autor

Figura 49: Recuperação: Médio prazo

Figura 50: Recuperação: Médio prazo

Fonte: Autor

Fonte: Autor

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

84
Figura 51: Recuperação: Longo prazo

Figura 52: Recuperação: Longo prazo

Fonte: Autor

Fonte: Autor

Analisando as imagens e as visitas in loco, foi possível avaliar que em todos
os locais nos quais se identificou processo de degradação mais ou menos intenso,
não era perceptível uma vegetação adequada ou significativa sob a margem, apenas
o desenvolvimento de gramíneas em alguns pontos, além de também observar-se
que o cultivo de determinadas áreas se estendia até o limite da barranca do curso de
água.

5.4 Proposição de implantação de tipologias biotécnicas
5.4.1 Escolha do local
O local escolhido para a proposição da implantação das técnicas de
bioengenharia de solos está localizado próximo à ponte Bauereck, da localidade de
mesmo nome, nas coordenadas geográficas UTM SAD69, Fuso 22J, 6751358 N e
390640 E (FIGURA 53). A margem direita desse local, responsável por sustentar a
cabeceira da ponte, está enquadrada na categoria que requer intervenção em
curtíssimo e curto prazo, pois se situa na porção à jusante da margem onde ocorre
processo erosivo intenso e na porção a montante, na margem com processo erosivo
menos intenso. Ambas as porções podem comprometer a via de acesso (estrada e
ponte) e danificar as residências próximas do local.
A intervenção proposta neste local vai contra a hidrodinâmica do curso de
água, cuja tendência é abandonar o canal meandrante pelo qual segue na
atualidade e seguir de forma mais retilínea o seu curso (FIGURA 53). Contudo, dada
à importância justificada a seguir, mantém-se a proposta de recuperação no local.

85
Figura 53: Localização do local de proposição das intervenções biotécnicas

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

Local da proposição

Ponte Bauereck

Tendência do curso de água

Canudos do Vale

RST 421

Centro de Forquetinha

Fonte: Adaptado de Google Earth

O referido local é de extrema importância para a comunidade local por se
tratar de uma das principais vias que interliga as comunidades situadas em ambas
às margens do Arroio Forquetinha, bem como também é amplamente utilizada para
os deslocamentos até o centro da cidade. Outro fator que também faz com que a
acesso seja utilizado com frequência é a pavimentação da estrada que está situada
na margem direita do arroio, possibilitando melhor deslocamento e escoamento de
produções que provem das localidades situadas na margem esquerda do arroio e
até de municípios vizinhos como Canudos do Vale e Marques de Souza.
Outro fator que justifica a escolha do local foi um evento de chuva intensa,
ocorrido nos dias 3 e 4 de janeiro de 2010, quando foi registrado um acumulado de
chuvas com índice superior a 200 mm (CIH, 2012). Esse evento ocasionou, dentre
diversos outros problemas, a queda do barranco responsável por sustentação da
cabeceira da ponte de Bauereck, impossibilitando a travessia até a margem oposta.
A solução adotada na época, e que se mostra eficaz até o momento, foi aterrar parte
da margem e construir um aumento em concreto para reestabelecer o acesso do
local. No entanto, o restante da margem que antecede esse aterro vem, desde
então, sofrendo intensamente com os processos erosivos, comprometendo cada vez
mais, a cada nova cheia que ocorre, esse local importante ao município em questão.

86
5.4.2 Levantamento topográfico do local alvo de proposição das tipologias
biotécnicas

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

No que corresponde ao levantamento topográfico, são apresentados os perfis
das Figuras 54 e 55, que possibilitaram a determinação da área da seção de
inundação e do perímetro molhado no evento de chuva intensa de 2010,
correspondente a 321,32 m2 e 339,02 metros, respectivamente.
Figura 54: Perfil longitudinal do leito menor

Fonte: Autor

87

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

Figura 55: Perfil longitudinal do leito maior excepcional (seção de inundação)

88
5.4.3 Descrição do local
Conforme pode ser observado na Figura 56, a margem do local se encontra,

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

quase que em toda sua extensão, desprovida de vegetação, exceto por algumas
gramíneas no topo e árvores de porte inadequado para margens de cursos de água,
neste caso, espécimes de araucária (Araucaria angustifolia). O solo existente na
margem é considerado argilo-arenoso, cuja composição é de aproximadamente
30 ­ 40% de argila e 60 ­ 70% de areia (que torna o solo mais friável e menos
compacto) e com alguns níveis de cascalho, composição típica de depósitos aluviais.
Devido a essa composição diferenciada do solo, argilo-arenoso e cascalhos, é
perceptível que também ocorre um processo erosivo diferenciado ao longo da
margem, em que o solo, por sua característica friável, é mais facilmente erodido que
os níveis de cascalho, que estão na base no talude.
Figura 56: Local de proposição das intervenções biotécnicas

Fonte: Autor

A margem direita sofre contínuo processo erosivo, desmoronamento e
transporte de material, causado pelo solapamento da base do talude decorrente da
força com que a água se choca contra a margem, além do processo se intensificar
com as enchentes, muito comuns na região nos meses de junho a setembro, que
encharcam a margem aumentando seu peso e facilitando o desconfinamento.

89
A seção transversal do arroio no local é caracterizada por uma largura média
de 24 m, com profundidade média de 1,2 metros, inclinação do leito do canal de 77

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

cm/km (0,077%) e fundo do canal constituído por rocha e coberto, em alguns pontos,
por cascalhos e pequena quantidade de lama. Em relação ao perfil do talude
(FIGURA 57), o mesmo apresenta pequena variação em sua extensão que é de
aproximadamente 50 metros.
Figura 57: Perfil da margem

Fonte: Autor

A porção a montante do local de proposição das técnicas apresenta um altura
de 4,75 metros acima do nível de referência da água, posicionado em um ângulo de
aproximadamente 90º, sendo que o fundo do leito se estabiliza a uma distância de
1,5 metros da margem, com profundidade em torno de 1 metro (FIGURA 58-A). A
porção a jusante do local apresenta altura de 6,3 metros acima do nível de
referência da água, posicionado em um ângulo de aproximadamente 90º na base e
no topo do talude e 15º no desnível que ocorre entre ambos (FIGURA 58-B). O fundo
do leito se estabiliza a uma distância de 2 metros da margem, com profundidade em
torno de 2 metros, sendo perceptível uma área adjacente mais inclinada nesse
ponto.

90
Figura 58: Perfil da porção a montante (A) e jusante (B) do local de proposição das
tipologias biotécnicas

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

(A)

(B)

Fonte: Autor

5.4.4 Proposição das técnicas de bioengenharia de solos
Para a proposição das técnicas de bioengenharia de solos foi necessário
conhecer a capacidade erosiva do Arroio Forquetinha naquele local; para isso, levouse em consideração o alcance de uma das maiores cheias já registradas, ocorrida
em janeiro de 2010. Ela foi utilizada como base para conhecer a velocidade média
da água ( V KR 2 / 3 I 1 / 5 ), que possibilitaria o cálculo da Dimensão Limite de

V2
Transporte (DLT) ( b
) dos blocos a serem utilizados nas obras.
14
Para o cálculo da velocidade média considerou-se a inclinação de 77 cm/km
(tg de = 0,77/1000 = 0,0077), área da seção 721,317 m2, perímetro molhado de
345,6 metros e 25 como valor de K, correspondente a rios e arroios medianamente
rugosos. Aplicados os referidos valores nas Equações 5 e 6, referidas acima, obtevese, respectivamente, velocidade média de 3,58 m/s e DLT de 0,92 metros. A DLT
representa, numa situação semelhante a maior cheia já registrada no local, que o
Arroio Forquetinha tem a capacidade de movimentar qualquer bloco com dimensão
inferior a 0,92 metros.
Conhecidas a velocidade do escoamento, DLT, condições e características da
margem, propõem-se à recuperação da mesma por meio do uso de um defletor na
porção montante do local, enrocamento de pedras na base de toda extensão do
talude, seguido de esteira viva até uma altura de 3 metros e na extensão restante
até a linha do topo, inhame. Além disso, sob o topo, propõem-se o uso de
banquetas, no entanto, dispostas de forma invertida. O detalhamento das técnicas
propostas é apresentado a seguir.

91
5.4.4.1 Defletor
A utilização de um defletor na porção montante da margem visa desviar a

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

força do fluxo de água para o centro do canal e provocar o depósito dos materiais
transportados à jusante da estrutura. Desta forma, sugere-se que a mesma
apresente 2 metros de comprimento e 1 metro de largura junto ao nível normal da
água, com profundidade de 1 metro e altura de 0,5 metros e, em relação á margem
direita e em direção à foz, apresente inclinação de 45°. A largura e comprimento da
base dessa estrutura devem apresentar aproximadamente 3 metros e 3,5 metros,
respectivamente (FIGURA 59).
Os blocos a serem utilizados nessa estrutura podem ser de basalto e devem
respeitar a DLT anteriormente calculada (mínimo de 0,92 metros de face maior) em
aproximadamente 80% dos blocos utilizados e o restante com dimensões menores e
variadas. Segundo Barro (2011), considerando o fato de que os blocos não estão
isolados, mas sim interligados de forma irregular, acabam tendo uma resistência
maior pela sinergia de forças de resistência ao carreamento provocado pela força
das águas, permitindo uma maior segurança quanto à resistência da obra como um
todo.
Figura 59: Esquematização do defletor (A) e seu posicionamento em relação à
margem (B)
(A)

(B)

Defletor

Fonte: Autor

Dadas as condições do fundo do leito, que é rochoso, e da configuração
proposta ao defletor, sugere-se que as pedras sejam dispostas e organizadas
cuidadosamente para evitar que escorreguem sobre o fundo e que se consiga a
configuração e o efeito desejados.

92
Ressalta-se que, de modo geral, os defletores propiciam proteção à margem
em uma extensão aproximada de 3 a 4 vezes o seu comprimento, podendo esta

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

também ser à distância a ser respeitada quando da utilização de mais de um defletor
(DURLO; SUTILI, 2005). Para os casos em que se pretende utilizar mais de um
defletor, é sugerido, como medida de segurança à resistência, que a distância entre
o primeiro e segundo defletor seja menor que a dos defletores seguintes. Nesse
sentido, a proteção que o defletor proposto poderá proporcionar à margem ficará
entre 10,5 e 14 metros.

5.4.4.2 Enrocamento de pedras
A utilização de enrocamento de pedras tem como objetivo garantir a
resistência da base da estrutura do talude aos processos erosivos, dissipar a força
da água sobre a margem, além de proteger a base dos feixes a serem utilizados
para a implantação da esteira viva, uma vez que o movimento das águas pode
prejudicar a fixação dos feixes. Neste caso, também se sugere que seja respeitado o
mínimo de 0,92 metros de face maior em cerca de 80% dos blocos a serem
utilizados, principalmente nos que serão dispostos abaixo da linha da água,
enquanto que os demais podem apresentar dimensões menores, de modo possam
ser utilizados para manter os ramos da esteira viva dentro da água e fixados ao solo.
Recomenda-se que os blocos, também de basalto, sejam dispostos
cuidadosamente (dadas a condições do fundo do leito) a partir do defletor, tendo
uma altura mínima semelhante ao nível de referência da água (a altura nesse caso
irá variar entre 1 e 2 metros, devido à diferença de profundidade entre as porções
montante e jusante), com uma largura mínima de 1,5 metros a partir do talude
(FIGURA 61) e comprimento de aproximadamente 46 metros.

5.4.4.3 Esteira viva
A proposição do uso de esteira viva na recuperação da margem do Arroio
Forquetinha se justifica, segundo Durlo e Sutili (2005), pelo fato de ser um excelente
tratamento vegetativo, especialmente no raio externo das curvas dos cursos de
água, onde o impacto da água é frontal. A justaposição de hastes nas margens
proporciona uma proteção de caráter físico, que é reforçado posteriormente pelo

93
enraizamento da vegetação. É considerada uma das mais promissoras para esse
tipo de situação.

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

No caso em questão, para colocação da esteira viva, será necessário o
retaludamento da margem, que atualmente apresenta inclinação próxima à 90º, para
uma inclinação de 60°, até a altura de 3 metros (FIGURA 61). Ressalta-se que a
inclinação indicada para disposição dessa tipologia biotécnica é próxima de 40°, no
entanto, no município de Estrela, a referida técnica foi implementada em 2010, num
talude cuja inclinação ficou em 60°, demonstrando eficácia satisfatória até hoje.
Como espécies vegetais a serem utilizadas na confecção da esteira viva,
sugere-se o uso de plantas facilmente encontradas às margens do Arroio
Forquetinha, sendo elas sarandi-branco (Phyllanthus sellowianus), sarandi-vermelho
(Sebastiania schottiana), salseiro (Salix humboldtiana) e caliandra (Calliandra
brevipes).
As

plantas

citadas

acima

devem

ser

dispostas

paralelamente

ao

retaludamento da margem, com a base dos feixes dentro da água, protegida e presa
pelos blocos do enrocamento de pedras. O restante da extensão dos feixes deve ser
fixada ao solo com tirantes de arame galvanizado n° 16 (1,65 mm), transpassados
(primeiramente no sentido longitudinal e posteriormente no sentido transversal,
formando um "X" sobre os ramos) e fixados a estacas de 3 x 5 x 80 cm, com
espaçamento de 1 metro. Posterior à fixação, deve-se cobrir os feixes com uma fina
camada de solo, a fim de facilitar e estimular o enraizamento dos feixes.

5.4.4.4 Inhame
Ao passo de dar continuidade à revegetação e proteção da margem, sugerese o plantio de inhame (Alocasia macrorrhiza) até a linha do topo, sendo que essa
porção do talude também deverá passar por retaludamento, no entanto, para uma
inclinação de 45° (FIGURA 61). Os rizonas de inhame a serem utilizados devem ser
de qualidade, pesando entre 100 e 150 gramas, enterrados a 10 cm de profundidade
e distanciados entre si em 30 cm. Dada à propriedade do inhame, que é de
sustentação do solo, sugere-se que também sejam introduzidas estacas das
espécies vegetais propostas à esteira viva, a fim de proporcionar a revegetação
deste ponto também.

94
5.4.4.5 Banquetas invertidas
No topo da margem, com o intuito de recuperar a área das condições que ela

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

se encontra hoje e devido às movimentações, em decorrência da implantação das
outras tipologias propostas, e protegê-la da ação erosiva das águas que podem vir a
atingi-la novamente, propõe-se o uso de banquetas dispostas de forma invertida
(FIGURA 61). Sugere-se também que os espécimes de araucária sejam removidos
da margem, apesar de sua imunidade ao corte, por se tratar de uma espécie que
alcança dimensões elevadas, tanto de altura quanto de diâmetro do troco, gerando
sobrecarga e favorecendo o efeito alavanca sobre a margem.
O traçado das linhas das banquetas, em planta baixa, deve formar arcos,
devendo a porção convexa ser posicionada para choque frontal com fluxo da água
em período de enchente (FIGURA 60-A), a fim de desviar o fluxo da água. Além do
posicionamento, sugere-se que as mudas sejam plantadas em perfil oblíquo, com
inclinação de 40° no mesmo sentido da corrente, de modo que durante às
inundações as plantas se prostrem com facilidade, formando um manto sobre o solo,
amenizando o efeito erosivo do evento (FIGURA 60-B). As mudas devem ser fixadas
ao solo com estacas (3 x 5 x 80 cm), distanciadas 1 metro umas das outras e presas
a arame galvanizado n° 16 (1,65 mm).
Figura 60: Esquematização do posicionamento das banquetas invertidas
(A)

Posicionamento
das banquetas

(B)
Fluxo

Fonte: Autor

A Figura 61 ilustra o efeito esperado à recuperação da margem pelas
tipologias propostas.

95
Figura 61: Esquematização do perfil a montante (A) e jusante (B) com as tipologias
propostas

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

(A)

Banquetas invertidas
Perfil atual

Esteira Viva

Inhame

Enrocamento
de pedras

(B)

Banquetas invertidas
Perfil atual

Esteira Viva
Inhame
Enrocamento
de pedras

Fonte: Autor

96
5.4.4.6 Custo das tipologias propostas
Na sequência é apresentada a estimativa dos custos que envolvem a

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

execução das tipologias de bioengenharia de solos propostas à recuperação da
margem do Arroio Forquetinha, na altura da ponte de Bauereck (TABELAS 9 ­ 11).
Apesar das tipologias serem as mesmas ao longo de toda a extensão da margem,
exceto pelo defletor que é proposto apenas na porção a montante (TABELA 9),
ocorre relativa diferença de altura e profundidade entre a porção jusante e montante,
o que acarretará diferença entre ambas nos custos de recuperação. Devido a isso,
será apresentada a estimativa dos custos2 para recuperação de 10 metros na porção
jusante e 10 metros na porção montante, para que se possa fazer a média entre
ambas e apresentar o valor por metro linear de obra.
Ressalta-se que os valores apresentados na estimativa a seguir foram obtidos
com empresas do município de Forquetinha ou próximas a ele, no intuito de evitar
que custos com transporte e deslocamento elevassem a estimativa em questão.
Tabela 9: Estimativa de custos para construção do defletor
Descrição do material / serviço

Quantidade

Preço (R$)

Total (R$)

Pedras dispostas no local (m3)

8,5

70,00

595,00

Escavadeira hidráulica (Poclain) (hora)

1

115,00

115,00

TOTAL

710,00

Fonte: Autor

De acordo com a estimativa acima, para construção do defletor proposto
seriam necessários R$ 710,00 ou R$ 83,53 por m3 de pedras dispostas. Se levarmos
em consideração a proteção que o defletor poderá proporcionar à margem (entre
10,5 e 14 metros), teremos um custo entre R$ 67,62 e R$ 50,71 por metro de
margem protegida. A seguir (TABELA 10) são apresentadas as estimativas de custo
das porções montante e jusante, para que se obtenha o custo por metro linear de
obra no tratamento da margem em questão.

2

Na estimativa de custos não está inclusa a avaliação dos valores envolvidos com o processo de
Licenciamento Ambiental e de Projeto e Execução.

97
Tabela 10: Estimativa de custos para recuperação da porção a montante

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

Descrição do material / serviço

Quantidade

Preço (R$)

Total (R$)

Pedras para 10 metros de proteção (m3)

15

70,00

1050,00

Escavadeira hidráulica (Poclain) (hora)

2

115,00

230,00

Enrocamento de pedras

Total

1.280,00

Esteira viva
Pedras para ancorar material vegetal (m3)

1

70,00

70,00

Escavadeira hidráulica (Poclain) (hora)

2

115,00

230,00

Espécies vegetais (ramo)

70

10,00

700,00

10

35,00

350,00

Arame galvanizado nº 16 (1,65 mm)

4

7,40

29,6

Estacas de madeira (unidade)

30

1,00

30,00

Mão de obra para fixação da esteira
(2 dias X 5 pessoas)

Total

1.409,60

Inhame
Escavadeira hidráulica (Poclain) (hora)

2

115,00

230,00

Mão de obra (1 dia X 5 pessoas)

5

35,00

175,00

Rizomas de inhame (kg)

30

2,30

69,00

Total

474,00

Banquetas invertidas
Escavadeira hidráulica (Poclain) (hora)

2

115,00

230,00

5

35,00

175,00

Arame galvazinado nº 16 (1,65 mm)

1

7,40

7,40

Estacas de madeira (unidade)

30

1,00

30,00

Espécies vegetais (muda)

70

3,00

210,00

Mão de obra para fixação do material
vegetal (1 dia X 5 pessoas)

Fonte: Autor

Total

652,40

TOTAL GERAL

3.816,00

98
Tabela 11: Estimativa de custos para recuperação da porção a jusante

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

Descrição do material / serviço

Quantidade

Preço (R$)

Total (R$)

Pedras para 10 metros de proteção (m3)

30

70,00

2.100,00

Escavadeira hidráulica (Poclain) (hora)

4

115,00

460,00

Enrocamento de pedras

Total

2.560,00

Esteira viva
Pedras para ancorar material vegetal (m3)

1

70,00

70,00

Escavadeira hidráulica (Poclain) (hora)

4

115,00

460,00

Espécies vegetais (ramo)

70

10,00

700,00

10

35,00

350,00

Arame galvanizado nº 16 (1,65 mm)

4

7,40

29,60

Estacas de madeira (unidade)

30

1,00

30,00

Mão de obra para fixação da esteira
(2 dias X 5 pessoas)

Total

1.639,60

Inhame
Escavadeira hidráulica (Poclain) (hora)

4

115,00

460,00

Mão de obra (2 dias X 5 pessoas)

10

35,00

350,00

Rizomas de inhame (kg)

60

2,30

138,00

Total

948,00

Banquetas invertidas
Escavadeira hidráulica (Poclain) (hora)

2

115,00

230,00

5

35,00

175, 00

Arame galvazinado nº 16 (1,65 mm)

1

7,40

7,40

Estacas de madeira (unidade)

30

1,00

30,00

Espécies vegetais (muda)

70

3,00

210,00

Mão de obra para fixação do material
vegetal (1 dias X 5 pessoas)

Fonte: Autor

Total

652,40

TOTAL GERAL

5.800,00

99
Analisando as Tabelas 9 e 10, obtêm-se a estimativa de custo de R$ 3.816,00
para recuperar de 10 metros da porção montante e R$ 5.800,00 para a porção

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

jusante, implicando num custo médio por metro de margem recuperada com
enrocamento de pedras de R$ 192,00, com esteira viva de 152,46, plantio de
inhame de 71,10 e uso das banquetas invertidas de R$ 65,24, totalizando um gasto
de R$ 480,80 por metro linear que tenham sido aplicadas as tipologias citadas.
A partir dos valores acima apresentados e considerando também o custo do
defletor, o valor estimado a ser gasto para recuperar essa margem do Arroio
Forquetinha seria de R$ 22.826,80.

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

100

6 CONCLUSÕES

Os Sistemas de Informações Geográficas e as imagens de satélite
mostraram-se satisfatórias como complemento ao desenvolvimento deste estudo,
sendo possível, por meio deles a manipulação, o cruzamento e a quantificação de
dados necessários para atingir alguns dos objetivos propostos. A partir deles foi
possível avaliar a condição de adequação do uso e cobertura do solo das margens
do Arroio Forquetinha, bem como a condição de degradação que ocorre nessas
margens.
Em se tratando da identificação dos locais com a margem degradada, é
perceptível que o Arroio Forquetinha consiste em um recurso hídrico com
significativo grau de degradação, cujo quadro se intensifica principalmente nos locais
desprovidos de qualquer cobertura vegetal. Tal percepção é confirmada quando
comparados os percentuais de uso agropecuário na faixa de 5 metros e de locais
considerados degradados, evidenciando a importância da existência de mata ciliar
nesse

ambiente

para

proporcionar

proteção

e

estabilidade

às

margens,

principalmente dos períodos de cheias.
O quadro levantado faz refletir a respeito do novo Código Florestal, que
possibilitou a redução das áreas a serem recuperadas nas propriedades com usos
consolidados até 2008. Essa mudança poderá estimular ou obrigar os proprietários
rurais a recuperar até a largura de 5 metros dessas áreas. Possibilitando que
estejam de acordo com o determinado pela lei, além do fato de que recuperar essa
faixa representa um impacto menor ao que consideram como perda de área/espaço
da qual retiram seu sustento.

101
Em relação à suscetibilidade de ocorrência de cheias no Arroio Forquetinha,
apesar da constatação de se tratar de uma bacia pouco sujeita a inundações, alguns

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

eventos extremos de cheias ocorridos recentemente e às condições de degradação
observados nas margens, dado a condições naturais ou antropogênicas,
intensificam a necessidade de recuperação dessas áreas. Este estudo buscou
alicerçar a recuperação dessas áreas nas tipologias de bioengenharia de solos
encontradas na etapa da pesquisa exploratória, possibilitando assim o embasamento
da proposta de intervenção real.
Devido à impossibilidade de implementação das tipologias propostas e a
avaliação dos resultados que poderão proporcionar ao local degradado escolhido,
acredita-se que as mesmas proporcionariam o alcance dos objetivos para o qual
foram implantadas, ou seja, proteção e recuperação da qualidade ambiental da
margem do Arroio Forquetinha.
O efeito que poder-se-á esperar após a realização de uma obra deste tipo é,
de imediato, a estabilidade assegurada pelo material inerte e pelo efeito protetor da
esteira viva. Posteriormente, a tarefa de assegurar a estabilidade é desenrolada pelo
enraizamento da esteira viva e das demais partes vegetais propostas. As plantas irão
ser extremamente eficazes, pois permitirão um duplo efeito funcional, o aumento da
resistência mecânica da obra, através do seu aparelho radical e um gradual efeito
estético-ecológico, graças à função biológica que expõem.
Por meio das suas funções biotécnicas, as plantas irão satisfazer os requisitos
requeridos, aumentando, por exemplo, a capacidade de resistência ao arranque ou
ao corte por parte das raízes, a capacidade de resistir a elevadas solicitações
mecânicas, e a capacidade de consolidar o terreno permeabilizando-o com as
raízes. Desta forma, é de esperar no talude alvo da intervenção, um aumento não só
da resistência à erosão, como também um maior controle dos movimentos de massa
superficiais, decorrente do desenvolvimento da vegetação ao longo do tempo.
Defende-se aqui que a bioengenharia de solos é uma área de conhecimento
importante na recuperação e melhora da qualidade ambiental dos ambientes fluviais
degradados, não apenas por ser uma técnica simples que agrega material vegetal e
inerte, mas porque também pode ser executada, quando devidamente informado,
pelo próprio proprietário rural principalmente naquelas situações em que o processo
erosivo começa apresentar os primeiros sinais.

102
Percebe-se, contudo, a necessidade de realização de mais pesquisas na
área, principalmente para os cursos hídricos locais, pois a utilização da vegetação

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

para estabilidade de taludes é um assunto multidisciplinar e ainda pouco estudado.
Ao longo do desenvolvimento deste estudo, contatou-se a necessidade da
dedicação de diversas áreas além da engenharia ambiental, tais como engenharia
civil, botânica, meteorologia, geologia, agronomia, hidrogeologia, administração para
que se conseguisse um conhecimento satisfatório sobre materiais, métodos
relacionados à problemática, e custos envolvidos.
Em se tratando da análise de custos, avalia-se que o custo elevado das obras
convencionais de engenharia, possivelmente, seja um dos principais motivos pelo
qual se opta por obras de bioengenharia de solos. Conforme estimado, o valor
requerido pelas técnicas de bioengenharia não é elevado e ainda pode ser reduzido
se ações de recuperação forem tomadas logo que observados os problemas. Além
disso, muitos dos materiais necessários podem estar disponíveis próximo ao local,
principalmente o material vegetal e a mão de obra a ser empregada, no caso de
obras particulares, pode vir da própria família, vizinhos e amigos, ou dos funcionários
já contratados, no caso de obras publicas ou privadas.
Corrobora também ao baixo valor das obras, o fato das técnicas de
bioengenharia serem biologicamente e esteticamente mais adequadas que as
técnicas de engenharia tradicional visto que colaboram com o enriquecimento da
paisagem por meio da criação de novos elementos, estruturas, formas e cores de
vegetação, além de propiciarem a integração das estruturas com a paisagem.

6.1 Sugestões de trabalhos futuros
No decorrer do desenvolvimento desse estudo foi observada a carência de
dados que proporcionariam um resultado mais preciso, bem como também se
observou a possibilidade de ampliar ou estender o estudo apresentado. As
percepções e sugestões são listadas a seguir:
reavaliar a cobertura vegetal e os locais com margem degradada utilizando
base cartográfica atualizada;
monitorar as cheias do Arroio Forquetinha para que seja possível montar e
manter um banco de dados com o histórico das cheias;

103
avaliar a porção de solo que foi removida da margem nos últimos anos em
decorrência dos processos erosivos atuantes;

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

realizar o levantamento das espécies vegetais que se encontram sobre a
margem e remover as inadequadas ao ambiente ciliar;
comparar os custos de uma recuperação feita por meio da engenharia
tradicional à bioengenharia de solos;
avaliar se a faixa de recuperação prevista pelo novo Código Florestal é
adequada/suficiente à manutenção e existência do ambiente ciliar do Arroio
Forquetinha.

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

104

REFERÊNCIAS

ALLEN, Hollis H.; LEECH, James R. Bioengineering for Streambank Erosion
Control, Report 1: Guidelines. US Army Corps of Engineers - Waterways
Experiment Station. Technical Report, 1997. p. 105.
ALVARENGA, Auwdréia. P. Avaliação inicial da recuperação de mata ciliar em
nascentes. 2004. 175f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2004.
ARAUJO, Gustavo Henrique de Sousa; ALMEIDA, Josimar Ribeiro de; GUERRA,
Antônio José Teixeira. Gestão Ambiental de Áreas Degradadas. Rio de Janeiro:
Bertrand Brasil, 2011.
BAPTISTA, Márcio Benedito; LARA Pinto Coelho, Márcia Maria. Fundamentos de
Engenharia Hidráulica. 3 ed. rev. e ampl. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.
480p.
BARRO, Esmael. Estudo de caso: Estabilização biotécnica no Rio Taquari em
Estrela - RS. 2011. 46 f. Monografia (Graduação em Agronomia) - Universidade
Federal de Santa Maria, 2011.
BARRELLA, Walter; PETRERE, Miguel; SMITH, Welber Senteio; MONTAG, Luciano
Fogaça de Assis. As relações entre as matas ciliares, os rios e os peixes. In:
RODRIGUES, R.R.; LEITÃO FILHO, H.F.L. (eds.) Matas ciliares: conversação e
recuperação. São Paulo: EdUSP, 2000. p.187-205.
BISHOP, Daniel; STEVENS, Mervin. Landslides on logged areas in southeast
Alaska. USDA Forest Research Service Papel NOR-1, 1964. p. 21.
BITAR, Omar Yazbek; IYOMASA, Wilson Shoji; CABRAL JR., Marsis.
Geotecnologia: tendências e desafios. São Paulo Perspec. [online]. 2000, vol.14,
n.3,
p.
78-90.
ISSN
0102-8839.
Disponível
em:
.
Acesso em 11 abr. 2012.

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

105
BRASIL. Lei Federal no. 12.651, de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre a proteção
da vegetação nativa; altera as Leis nos 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de
19 de dezembro de 1996, e 11.428, de 22 de dezembro de 2006; revoga as Leis
nos 4.771, de 15 de setembro de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, e a
Medida Provisória no 2.166-67, de 24 de agosto de 2001; e dá outras
providências. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato20112014/2012/Lei/L12651.htm>. Acesso em: 01 jun. 2012a.
BRASIL. Lei Federal no. 12.727, de 17 de outubro de 2012. Altera a Lei no 12.651,
de 25 de maio de 2012, que dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera
as Leis nos6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de dezembro de 1996, e
11.428, de 22 de dezembro de 2006; e revoga as Leis nos 4.771, de 15 de
setembro de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, a Medida Provisória n o 2.16667, de 24 de agosto de 2001, o item 22 do inciso II do art. 167 da Lei n o 6.015,
de 31 de dezembro de 1973, e o § 2o do art. 4o da Lei no 12.651, de 25 de maio
de 2012. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato20112014/2012/Lei/L12727.htm>. Acesso em: 09 nov. 2012b.
BRASIL. Lei Federal nº. 7.803, de 18 de julho de 1989. Altera a redação da Lei nº.
4.771, de 15 de setembro de 1965, e revoga as Leis n°s 6.535, de 15 de junho de
1978,
e
7.511,
de
7
de
julho
de
1986.
Disponível
em:
. Acesso em: 18 abr. 2012.
BRASIL. Lei Federal no. 4.771, de 15 de setembro de 1965. Institui o novo Código
Florestal. Disponível em: .
Acesso em: 18 abr. 2012.
CARVALHO, Celso Santos; GALVÃO, Thiago (orgs). Prevenção de Riscos de
Deslizamentos em Encostas: Guia para Elaboração de Políticas Municipais.
Ministério das Cidades: Cities Alliance, 2006. 111 p.
CECONI, Denise Ester. Diagnóstico e recuperação da mata ciliar da Sanga
Lagoão do Ouro na microbacia hidrográfica do Vacacaí-Mirim, Santa Maria ­
RS. 2010. 132 f. Tese (Doutorado) Programa de Pós-Graduação em Ciência do Solo,
Universidade Federal de Santa Maria, 2010.
CHAVES, Adilar. Importância da mata ciliar (Legislação) na proteção dos
recursos hídricos, alternativas para sua viabilização em pequenas
propriedades rurais. Passo Fundo, RS : [s. n.], 2009.19 f.
CHECCHIA, Tatiane. Influência da zona ripária sobre os recursos hídricos:
aspectos quantitativos e qualitativos. In: I Seminário de Hidrologia
Florestal: Zonas Ripárias, 2003, Alfredo Wagner. p. 87-101.
CHRISTOFOLETTI, Antônio. Geomorfologia. 2. ed. São Paulo: Edgar Blucher Ltda,
1980. 188 p.
CIH - Centro de Informações Hidrometeorológicas. Dados sobre Enchentes no
Vale do Taquari (informações não publicadas). Lajeado: UNIVATES, 2012.

106

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

CORRÊA, Ricardo Santos. Efeitos dos incêndios florestais na zona de
enraizamento em encostas íngremes: vertente norte, Maciço da Tijuca/RJ.
2004. 90 f. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Geografia,
Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2004.
CRUZ, Marcus. Geotecnologias e o manejo de bacias hidrográficas. Embrapa,
Brasília,
29
dez.
2009.
Disponível
em
<
http://www.embrapa.br/imprensa/artigos/2009/geotecnologias-e-o-manejo-de-baciashidrograficas >. Acesso em: 19 abr. 2012.
CUNHA, Sandra B. Geomorfologia Fluvial. In: GUERRA, A.J.T.; CUNHA, S.B. (orgs.)
Geomorfologia uma Atualização de Bases e Conceitos. 7. ed. Rio de Janeiro:
Bertrand Brasil, 2007. p. 211-252.
DURLO, Miguel. Antão; SUTILI, Fabrício Jaques. Bioengenharia: Manejo
biotécnico de cursos de água. Porto Alegre: EST Edições. 2005. 189p.
ECKHARDT , Rafael R. Mapeamento Temático do município de Forquetinha/RS.
Forquetinha: 2009. 78p.
FERNANDES, João P.; FREITAS, Aldo R. M. Introdução à Engenharia Natural.
Portugal: EPAL, 2011. 108 f.
FERNANDES, Nelson F; AMARAL, Cláudio P. do. Movimentos de massa: uma
abordagem geológico-gemorfológica. In: GUERRA, Antonio T. & CUNHA, Sandra B.
da. Geomorfologia e meio ambiente. 3. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000.
p.123-194.
FERREIRA, Everaldo; BOTH, Graziela. Aspectos hidrológicos na degradação das
zonas ripárias no Rio Taquari/RS. In: STROHSCHOEN, Andréia A. G.; REMPEL,
Claudete. Reflorestamento e Recuperação Ambiental: Ambiente e Tecnologia: o
desenvolvimento sustentável. Lajeado: Univates, 2005. p. 27-35.
Federal Interagency Stream Restoration Working Group - FISRWG. Stream Corridor
Restoration: Principles, Processes and Practices. The Federal Interagency
Stream Restoration Working Group, ISBN-0-934213-59-3, 1998.
FLORENZANO, Teresa Galloti, (org). Geomorfologia: conceitos e tecnologias
atuais. São Paulo: Oficina de Textos, 2008. 318p.
FONTES, Luiz C. S. Erosão Marginal no Baixo Curso do Rio São Francisco. Um
Estudo de Caso de Impactos Geomorfológicos à Jusante de Grandes Barragens.
2002. 249 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente) ­ Núcleo
de Pós-Graduação e Estudos do Semi-Árido Programa Regional de Pós-Graduação,
Universidade Federal de Sergipe. UFS, Aracaju/SE, 2002.
FREITAS, Aldo Renato Mendes. Proposta de requalificação biofísica e
paisagística de um talude num percurso do Parque Nacional Do Vesúvio com
técnicas de Engenharia Biofísica. 2006. 95 f. Monografia (Graduação) - Curso de
Engenharia Biofísica, Universidade de Évora, Itália, 2006.

107

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

GARCEZ, Lucas Nogueira; ALVAREZ, Guilhermo Acosta. Hidrologia. 2 ed. rev. e
atual. São Paulo: Edgar Blucher, 1988.291 p.
GOMES, Luviana G. Nery. A bioengenharia como ferramenta para restauração
ambiental das margens do rio São Francisco. 2005. 118 f. Dissertação (Mestrado)
- Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente (PRODEMA),
São Cristóvão, 2005.
GRAY, Donald H.; SOTIR, Robin D. Biotechnical and Soil Bioengineering Slope
Stabilization: A practical guide for erosion control. John Wiley & Sons Inc., Nova
Iorque, EUA, 1996.
GUIDICINI, Guido; NIEBLE, Carlos Manoel. Estabilidade de taludes naturais e de
escavação. 2. ed. São Paulo: Edgard Blücher, 1983. 194 p.
HASENACK, H.; WEBER, E. (orgs.). Base cartográfica vetorial contínua do Rio
Grande do Sul - escala 1:50.000. Porto Alegre: UFRGS-IB-Centro de Ecologia. 2010.
1 DVD-ROM (Série Geoprocessamento, 3).
HOAG, Chris; FRIPP, Jon. Streambank Soil Bioengineering Field Guide for Low
Precipitation Areas. USDA-NRCS Plant Material Center, Aberdeen, 2002.
Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Contagem da População de
2010.
Rio
de
Janeiro:
IBGE,
2010.
Disponível
em:. Acesso
em: 20 abr. 2012.
LEWIS, Lisa. Soil Bioengineering an Alternative for Roadside Management: a
pratical guide. San Dimas, California: United States Departament of Agriculture,
2000. 47 p.
LI, Ming-Han; EDDLEMAN, Karen E. Biotechnical engineering as an alternative to
traditional engineering methods: a biotechnical streambank stabilization
design approach. Landscape and Urban Plann 60, Issue 4, 2002. p. 225­242.
Disponível em: Acesso
em: 02. maio. 2012.
LIMA, Walter de Paula; ZAKIA, Maria José Brito. Hidrologia de Matas Ciliares. In:
RODRIGUES, R.R.; LEITÃO FILHO, H.F.L. (eds.) Matas ciliares: conversação e
recuperação. São Paulo: EdUSP, 2000. p.187-205.
LIMA, Maria do Socorro Bezerra de. Movimentos de Massa nos barrancos do Rio
Acre e implicações socioeconômicas na área urbana de Rio Branco ­ Acre.
1998. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Departamento de Geociências,
Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 1998.
LIMA, Walter de Paula. Hidrologia Florestal aplicada ao manejo de Bacias
Hidrográficas. Apostila da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Departamento de Ciências Florestais, Piracicaba, São Paulo. Disponível em:
www.ipef.br/hidrologia/hidrologia.pdf. Acesso em 28. set. 2012

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

108

MAGALHÃES, Regiane Campos; OLIVEIRA, Ercivan Gomes de; ALBUQUERQUE,
Adoréa Rebello da Cunha; AQUINO, Raimundo Nonato de Abreu. Análise
Geográfica Sobre Erosão de margens e movimentos de massa na comunidade
do Divino E. Santo ­ AM (Brasil). Revista Geográfica de América Central. Vol 2,

47E,
2011.
Disponível
em
<
http://
www.revistas.una.ac.cr/index.php/geografica/article/view/2586>. Acesso em 22. abr.
2012
MARTINS, Sebastião V. Recuperação de matas ciliares. 2. ed. Revista e ampliada.
Viçosa: Editora Aprenda Fácil, 2007. 255p.
NOVO, Evlyn M. L. M. Sensoriamento remoto: princípios e aplicações. São
Paulo: Editora Edgard Bücher Ltda, 1992. 308 p.
OLIVEIRA FILHO, Ary Teixeira de. Estudos ecológicos da vegetação como subsídios
para programas de revegetação com espécies nativas: uma proposta metodológica.
In:
Cerne.
Lavras,
v.1,
n.1,
p.64-72,
1994.
Disponível
em:
. Acesso em: 27 mar.
2012.
PINTO, Gabriela Martins. Bioengenharia de solos na estabilização de taludes:
comparação com uma solução tradicional. 2009. 78f. Monografia (Graduação) Departamento de Engenharia Civil da Escola de Escola de Engenharia da
Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFGRS) - Porto Alegre, 2009.
PINTO, Nelson L. de Sousa; HOLTZ, Antonio Carlos de Tatit; MARTINS, José
Augusto; GOMIDE, Francisco Luiz Sibut Gomide. Hidrologia Básica. São Paulo:
Edgar Blucher, 1976. 278p.
FISCONET. Prefixos e módulos fiscais dos municípios. Disponível em:
http://www.fisconet.com.br/icms/in45/apendices/ap-05.htm. Acesso em: 06 jun. 2012
REIS, Patrícia Elizamma. O escoamento superficial como condicionante de
inundação em Belo Horizonte, MG: estudo de caso da sub-bacia córrego do
Leitão, bacia do ribeirão Arrudas. 2011. 134 f. Dissertação (Mestrado) Universidade Federal de Minas Gerais, Instituto de Geociências, 2011.
SANTOS, Rozely Ferreira dos (org). Vulnerabilidade Ambiental: Desastres
naturais ou fenômenos induzidos?. Brasília: MMA, 2007. 196 f.
SCHIECHTL, Hugo M.; STERN, Ronald. Water Bioengineering Techniques for
Watercourse, Bank and Shoreline Protection. Blackwell Scientific Publication,
Oxford, 1997.
SOLERA, Maria L. Avaliação de técnicas da bioengenharia de solos para
proteção de taludes: estudo de caso para aplicação nas encostas do
reservatório da barragem da UHE Engº Sérgio Motta, Rio Paraná, SP/MS. 2010.
71 f. Dissertação (Mestrado) ­ Instituto de Pesquisas Tecnológicas de São Paulo/SP.
2010.

109

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

STRECK, Edemar V.; KÄMP, Nestor; DALMOLIN, Ricardo S. D.; KLAMT, Egon;
NASCIMENTO, Paulo C.; SCHNEIDER, Paulo. Solos do Rio Grande do Sul. 2. ed.
Porto Alegre: Emater/RS - ASCAR, 2008. 222 p.
SUGUIO, Kenitiro; BIGARELLA, João J. Ambientes Fluviais. 2. ed. Florianópolis:
A.D.E.A ­ Universidade Federal do Paraná, 1979. 183 p.
SUTILI, Fabrício J. Manejo biotécnico do arroio Guarda-Mor: princípios,
processos e práticas. 2004. 114 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia
Florestal) - Universidade Federal de Santa Maria, 2004.
TOMONAGA, Lídia Keiko; SANTOTO, Jair; AMARAL, Rosangela do (orgs.).
Desastres naturais: conhecer para prevenir. São Paulo: Instituto Geológico, 2009.
VENTI, Donatella; BAZZURRO, Federico; PALMERI, Fabio; UFFREDUZZI, Tonino;
VENANZONI, Roberto; GIBELLI, Gioia. Manuale Tecnico di Ingegneria
Naturalistica della Provincia di Terni. Servizio Assetto Del Territorio ­ Ufficio
Urbanistica, Terni, Itália, 2003.

110

ANEXO ­ Breve descrição das espécies vegetais sugeridas na recuperação da
margem

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

Calliandra brevipes

Calliandra brevipes comumente conhecida por caliandra, angiquinho, quebrafoice, esponjinha, topete-de-cardeal, entre outros nomes. É um arbusto muito
ramificado, da Família Fabaceae nativo da Mata Atlântica no sul e sudeste, de ramos
finos que pode atingir de 1 a 2 metros de altura, adaptada a reofilia, suportando
submersão temporária e desenvolvendo-se bem a pleno sol.
As folhas são alternas, compostas bipinadas unijugas, com folíolos pequenos
(7 x 1 mm) glabros. As flores são pequenas, com estames longos (6 cm) de cor rosa
e branca ou branca. A aparência da inflorescência e de um "pompom". Floresce da
primavera ao fim do verão e pode ser propagada por sementes e estacas.

Alocasia macrorrhiza

Inhame é uma planta herbácea caracterizada pelo seu rizoma tuberoso, de
onde nascem em roseta, na extremidade de longos pecíolos, que variam entre 1 e
1,5 metros, grandes folhas peltadas que podem atingir 70 cm de comprimento por

111
60 cm de largura. O limbo é cordiforme ou ligeiramente sagitado, de cor verde mais
ou menos carregado. A planta prospera bem nas condições edafoclimáticas das

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

regiões

tropicais

e

subtropicais,

desenvolvendo-se

satisfatoriamente

nos

ecossistemas brasileiros.
Apresenta ciclo de cultivo bastante influenciado pela disponibilidade de água,
luz e temperatura, grande produtividade, pouco exigente em mão de obra e insumos
e de fácil conservação.

Phyllanthus sellowianus

Pertencente à familia Euphorbiaceae, a espécie é conhecida vulgarmente
pelos nomes de sarandi e sarandi-branco. Trata-se de arbusto que vive à margem de
rios e arroios, invadindo as águas e estendendo-se, por vezes, por muitos
quilômetros.
É um arbusto com 2 a 3 metros de altura, glabro, de ramos compridos e muito
divididos, com folhas reduzidas e escamas perto dos ápices. Os ramos são
delgados, sinuosos, alguns comprimidos e angulados. As folhas, estreito-elípticas,
mucronuladas, delgadas e com nervuras laterais evidentes, planas de face inferior
pálida, alcançam 3 a 4 cm de comprimento. As flores, dióicas, são bastante
numerosas e dispostas em fascículos nas axilas da folhas. Os frutos são cápsulas
deprimido-globosas, de 2,5 mm de diâmetro, e as sementes, quase lisas, medem
pouco mais de 1 mm.
A planta de caule e ramos rijos, flexíveis, resiste a correntezas das águas
durante as enchentes sendo, por isso, indicada para fixar os terrenos contra as
fortes correntezas das águas, motivo pelo qual pertence ao grupo das reófitas.

112
Espécie heliófita e seletiva higrófita, até xerófita, adaptada às variações extremas de
umidade e estio. Muito frequente, característica e exclusiva das margens rochosas

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

ou lodosas dos rios e ilhas, em praticamente todo o Sul do Brasil, afixando-se
firmemente ao substrato, uma vez que se desenvolve preferencialmente nos locais
de corredeiras e cachoeiras dos rios

Salix humboldtiana

Vulgarmente conhecida como salgueiro ou salso, trata-se de uma árvore de
porte médio (20 metros), com tronco reto, inclinado ou tortuoso, de até 90 cm de
diâmetro, e copa ampla, de ramificação ascendente. A casca, espessa e com
profundas

fissuras,

é

dura

e

castanho-acinzentada.

As

folhas,

simples,

linearlanceoladas ou falcadas, alcançam até 15 cm de comprimento por 1,5 cm de
largura. Caducas, glabras e com pecíolo curto (4 a 6 mm), apresentam ápice
acuminado, base aguda e margem serreada, com nervura central proeminente. As
flores, unissexuais e aperiantadas, reúnem-se em amentilhos pendentes na
extremidade dos ramos novos. As sementes, muito pequenas, apresentam um tufo
de pêlos sedosos esbranquiçados, responsáveis pela dispersão anemocórica.
Trata-se de espécie útil no controle da erosão, indicada especialmente para
reflorestamentos em margens de rios, barragens e açudes. Possui fácil reprodução
por estaquia e sementes de curta viabilidade em armazenamento. Floresce durante
a primavera (setembro e outubro), amadurecendo seus frutos no final da primavera
até o início do verão. Apresenta rápido e vigoroso crescimento que, sobretudo em
solos muito úmidos e de elevada profundidade, contribui para a drenagem das
várzeas brejosas.

113
Possui extraordinária facilidade e eficiência de multiplicação vegetativa. A
madeira, leve (0,49 g/cm3), clara e sem distinção entre cerne e alburno, apresenta

BDU ­ Biblioteca Digital da UNIVATES (http://www.univates.br/bdu)

baixa durabilidade natural, restringindo sua utilização para caixotaria e obras
internas. Também presta-se para a fabricação de celulose e papel, bem como possui
flores nectaríferas.

Sebastiania schottiana

Sebastiania schottiana é conhecida no Rio Grande do Sul por amarilho,
sarandi, sarandi-vermelho ou sarandi-de-espinho. É considerada um arbusto
totalmente glabro, de 3 a 3,5 metros de altura, com ramos longos, pouco
ramificados, espinescentes e muito flexíveis.
Folhas, simples, alternas, de pecíolo curto (2 a 4 mm), membranáceas e
lanceoladas, variam de 1 a 5 cm de comprimento por 4 a 15 mm de largura,
apresentando ápice obtuso ou brevemente agudo-mucronado, margem inteira, com
uma ou duas glândulas engrossadas inferiormente e base cuneado-estreita.
Discolores e esbranquiçadas na face inferior possuem de 7 a 10 nervuras
secundárias evidentes, em cada lado da principal. As flores, pequenas e
amareladas, são produzidas em espigas terminais, sobre raminhos muito curtos (1 a
2 cm). O fruto é uma cápsula globosa, de aproximadamente 5 mm de diâmetro.
A espécie é seletiva higrófila até xerófita, (adaptada às variações extremas de
umidade ou seca) e altamente adaptada à reofilia, dispondo de denso sistema
radicial e de caules rijos, embora flexíveis, capazes de suportar a força das águas
nas enchentes. Como espécie reófila, assume grande importância ecológica,
auxiliando na fixação de barrancos e na perenização dos cursos de água. A madeira
carece de utilização devido ao pequeno diâmetro dos caules.