Conceição Silva Oliveira et al.

ARTIGO DE REVISÃO
ISSN 1677-5090
2010 Revista de Ciências Médicas e Biológicas

Avanços e aplicações da bioengenharia tecidual
Advances and applications of tissue bioengineering
Conceição Silva Oliveira ¹ , Marion Nascimento ¹ , Erasmo de Almeida Junior ², Mady Crusoé ² , Poliana Bahia³,
Fabiana Paim Rosa 4
¹Mestrandos do Programa de Pós-graduação em Processos Interativos dos Órgãos e Sistemas ­Instituto de Ciências da Saúde,
UFBA, Salvador, Bahia, Brasil; ²Doutorandos do Programa de Pós-graduação em Processos Interativos dos Órgãos e Sistemas ­
Instituto de Ciências da Saúde, UFBA, Salvador, Bahia, Brasil; ³Graduanda do curso de Farmácia - Universidade Federal da
Bahia (UFBA), Salvador, Bahia, Brasil; 4Professora do Programa de Pós-graduação em Processos Interativos dos Órgãos e
Sistemas ­ Instituto de Ciências da Saúde, UFBA, Salvador, Bahia, Brasil
Resumo
A bioengenharia compila conhecimentos de grandes áreas da ciência, como a biologia e a engenharia, que são aplicados
atualmente na medicina reparadora. Recentes avanços na área da engenharia tecidual possibilitaram o desenvolvimento e
aperfeiçoamento de novos biomateriais. Estes devem estimular a adesão, diferenciação e proliferação celular, e ainda promover
a produção de moléculas específicas do tecido-alvo. As células usadas na terapia podem ser mesenquimais de medula óssea,
células adultas específicas do próprio paciente e também as células-tronco embrionárias, as quais têm capacidade de se
diferenciar em múltiplas linhagens in vitro. As células-tronco têm sido empregadas em diversas áreas da saúde. Células
mesenquimais e polpa dental são fontes de células-tronco que podem se diferenciar em fibroblastos, cementoblastos e
osteoblastos. Para que ocorra tal diferenciação, são necessários alguns sinais para direcionar as etapas do desenvolvimento e
da regeneração tecidual. Um dos grandes desafios da engenharia tecidual é desvendar esses sinais e etapas para tentar entender
as sinalizações necessárias à reprodução do tecido. Os avanços das pesquisas com células-tronco e a bioengenharia tecidual
abrem oportunidades para desenvolver novas terapias, como a terapia gênica e os estudos relacionados com a angiogênese.
Hoje em dia, sabe-se que as células-tronco adultas estão presentes nos vasos sanguíneos, no pâncreas, no fígado, no cérebro,
na polpa dentária, entre outros tecidos, mas são as células da medula óssea as mais estudadas no contexto de muitas doenças,
especialmente as cardiovasculares. Depois das células-tronco embrionárias, o tratamento biológico mais questionado é a
terapia gênica. Para corrigir defeitos genéticos, é preciso inserir genes na célula que, na maioria das vezes, são introduzidos por
meio de vírus. Este artigo tem como escopo abordar a atuação das células-tronco, a angiogênese, a terapia gênica na bioengenharia
tecidual e a interação celular associada aos biomateriais.
Palavras-chave: Bioengenharia Tecidual ­ Biomateriais ­ Células-Tronco ­ Angiogênese ­ Terapia Gênica ­ Interação Celular.
Abstract
Bioengineering compiles knowledge of major areas of science such as biology and engineering, which are currently used in
restorative medicine. Recent advances in tissue engineering have enabled the development and improvement of new
biomaterials. These should encourage adherence, differentiation and proliferation, and yet promote the production of specific
molecules of the target tissue. The cells used in therapy can be the bone marrow's mesenchymal cells, specific adult cells from
the patient, as well as the embryonic stem cells which have the capacity to differentiate themselves into multiple lineages in
vitro. Stem cells have been used in several areas of health. Mesenchymal cells and dental pulp are sources of stem cells that can
differentiate themselves into fibroblasts, cementoblasts and osteoblasts. In order to obtain such differentiation some signs are
necessary to direct the development's and the tissue's regeneration's steps. One of the major challenges of tissue engineering
is to discover these signs and steps with the purpose of understanding the necessary signals for the tissue's reproduction. Advances
in research on stem cells and on tissue bioengineering offer opportunities to develop new therapies such as gene therapy, as well
as studies related to angiogenesis. Nowadays, it is known that the adult stem cells are present in blood vessels, pancreas, liver,
brain, dental pulp, among other tissues, however the bone marrow cells are the most studied in the context of many diseases,
especially the cardiovascular ones. After the embryonic stem cells, the most questionable biological treatment is the gene
therapy. In order to correct genetic defects, it is necessary to insert genes into the cells which, most of the times, are introduced
by means of virus. This article has the scope of approaching the role of the stem cells, the angiogenesis, the gene therapy in tissue
bioengineering and the cell's interaction associated with biomaterials.
Keywords: Tissue Bioengineering ­ Biomaterials- Stem-Cells ­ Angiogenesis ­ Gene Therapy ­ Cell Interaction.

INTRODUÇÃO
A biotecnologia conheceu, nas últimas décadas do
Recebido em 22 de janeiro de 2010; revisado em 18 de maio de
2010.
Correspondência / Correspondence: Universidade Federal da
Bahia. Av. Reitor Miguel Calmon, s/n, Vale do Canela. 40.110-100
Salvador Bahia Brasil.

28

século XX, uma expansão intensa, tanto na aquisição de
novos conhecimentos, quanto no desenvolvimento de
processos tecnológicos e de sua aplicação na área de
produção de insumos para a área de saúde e de prestação
de serviços. Ela segue atualmente múltiplas vertentes,
frequentemente complementares e interativas
(BOROJEVIC, 2009).
R. Ci. méd. biol. 2010; 9(Supl.1):28-36

Avanços e aplicações da bioengenharia tecidual

A biotecnologia celular aplicada à medicina e saúde
envolve a área de genômica, com sua extensão para a
terapia gênica, que é uma nova técnica que emerge como
um resultado direto da revolução de DNA recombinante
(ABDULLAH et al., 2008); envolvendo diagnóstico,
prognóstico, tratamento e prevenção de doenças e de
modulação de defeitos metabólicos. Uma área emergente
da biotecnologia médica é a engenharia de tecidos e
órgãos, associada com a biologia estrutural e a
biomimética. Essa área é profundamente ancorada em
conhecimentos da biologia dos sistemas
supramoleculares, da biologia celular e tecidual, da
biologia do desenvolvimento e da forma, e dos sistemas
integradores dos organismos superiores (CARVALHO,
2009; BOROJEVIC, 2009).
A engenharia tecidual constitui uma área recente de
pesquisa multidisciplinar e a definição mais ampla desta
área incluiria entre seus objetivos o desenvolvimento e
manipulação de implantes artificiais, de tecidos gerados
em laboratório e/ou de células ou moléculas capazes de
substituir ou estimular funcionalmente partes
defeituosas ou lesadas de nossos organismos
(CARVALHO, 2009).
Tecidos altamente expostos ao estresse externo são
intensamente regenerados, como o epitélio intestinal ou
cutâneo, bem como tecidos caracterizados por alta taxa
de renovação, como as células sanguíneas. Além disso,
tecidos lesados por trauma, doença ou senescência
podem ser eventualmente regenerados, quando
necessário (CARVALHO, 2009).
A grande importância dessa área é devida às
modificações demográficas e sociais. O aumento
progressivo da idade média das populações humanas, e
em particular das populações urbanas, gera a
necessidade de garantir cada vez mais a qualidade da
vida, compatível com um custo e uma carga social
aceitáveis. Por outro lado, as populações jovens, vivendo
em aglomerações de alta densidade, estão mais expostas
a lesões traumáticas. Ambas as situações exigem
terapias que possam preservar, melhorar e/ou restaurar
as funções teciduais (BOROJEVIC, 2009).
Neste sentido, a bioengenharia pode representar uma
ação de restauração local (como um implante dentário
com otimização da osteo-integração) ou a indução de
diferenciação de células-tronco para produção de
células tecido-específicas (CARVALHO, 2009). A célulatronco é um tipo especial de célula que possui a
capacidade de se diferenciar em células de vários tecidos
e regenerá-los (CARVALHO, 2001; SANTOS; SOARES;
CARVALHO, 2004). Assim, ao se multiplicarem mantêm a
quantidade de células indiferenciadas constantes
(LACERDA; MARTINS, 2007).
A integração de terapia gênica, engenharia tecidual
e biomateriais apresentam o potencial para criar
ambientes sintéticos que forneçam os sinais necessários
para promover a formação dos tecidos funcionais (JANG
et al., 2006). A biocompatibilidade dos materiais está
R. Ci. méd. biol. 2010; 9(Supl.1):28-36

diretamente associada ao comportamento das células
em contato com o material e particularmente pela
adesão na superfície (ANSELME, 2000; VAN KOOTEN;
SPIJKER; BUSSCHER, 2004; LUCCHESI et al., 2008).
A finalidade deste trabalho é contextualizar a
importância da Bioengenharia Tecidual e suas
aplicabilidades e, consequentemente, na qualidade de
vida de pacientes. Para isso expomos as tendências de
alguns estudos que empregam esse recurso tecnológico.
CÉLULAS-TRONCO E SUAS APLICABILIDADES EM
BIOENGENHARIA TECIDUAL
Definição e classificação de células-tronco
As células-tronco (CT) funcionam como um
mecanismo de manutenção, diferenciando-se
fisiologicamente em vários tipos de células do
organismo, uma vez adultas, são conhecidas como
células-tronco somáticas (CARVALHO, 2001). É uma célula
indiferenciada capaz de proliferar e de originar outras
células-tronco (o que é denominado auto-regeneração)
e células com capacidade de se diferenciar, originando
células diferenciadas com capacidade funcional normal
(CARVALHO, 2001; SANTOS; SOARES; CARVALHO, 2004).
Assim, ao se multiplicarem mantêm a quantidade de
células indiferenciadas constantes (LACERDA; MARTINS,
2007).
As CTs podem ser classificadas como totipotentes,
pluripotentes ou multipotentes, oligopotentes e
unipotentes (LACERDA; MARTINS, 2007).
· As CTs totipotentes estão presentes apenas no estágio
anterior à blástula, por volta do quarto dia de
formação do embrião. Estas são capazes de se
diferenciarem em todos os 216 tipos de tecidos do
corpo humano, incluindo placenta e anexos
embrionários;
· As CTs pluripotentes ou multipotentes diferenciamse nos tecidos humanos, com exceção da placenta e
anexos embrionários. Surgem quando atingem a fase
de blastocisto, quinto dia de desenvolvimento, e
proliferam-se rapidamente;
· As CTs oligopotentes são as que conseguem se
diferenciar em poucos tecidos e podem ser
encontradas no intestino;
· As CTs unipotentes são as que conseguem se
diferenciar em um único tipo de tecido, normalmente
no tecido de origem.
As CTs oligopotentes e unipotentes são consideradas
CTs somáticas, assim como as do cordão umbilical de
um feto recém-nascido. Costumam serem denominadas
de acordo com a sua origem como as CTs
hematopoiéticas,
queratinócitas,
adipócitas,
mesenquimais. Essas não podem ser utilizadas em
qualquer tratamento por não apresentarem a mesma
plasticidade das células-tronco embrionárias. As CTs
somáticas são encontradas em vários tecidos de
crianças e adultos. Elas ocorrem em número reduzido,
pelo fato dos tecidos já estarem bem especializados, e
29

Conceição Silva Oliveira et al.

para isolá-las é necessária a utilização de técnicas mais
precisas (LACERDA; MARTINS, 2007).
As CTs embrionárias são pluripotentes, sendo
capazes de gerar qualquer célula do organismo e são
encontradas apenas em embriões. Caso as condições
do meio mudem, elas podem se diferenciar e não
possuírem mais a capacidade de gerar um embrião
(CARVALHO, 2001). Só podem ser utilizadas em
tratamentos após sua diferenciação total, ou seja, não
restando uma célula sequer indiferenciada no meio
produzido para garantir uma correta regeneração do
tecido sem causar tumores (LACERDA; MARTINS, 2007).
As CTs hematopoiéticas pluripotentes são
encontradas na placenta e no cordão umbilical, podendo
ser colhidas por punção. Pela técnica de criopreservação
em nitrogênio líquido, estas poderão ser utilizadas no
futuro como terapia celular (BOROJEVIC; BALDUINO,
2004; PARK; EVE, 2009). De acordo com Gowdak (2006),
estas também podem ser encontradas na medula óssea
vermelha, possuindo a capacidade de se diferenciar em
granulócitos, mielóides e linfóides, com função de
recuperação hematológica por meio de transplante e
em várias outras células especializadas (GOWDAK,
2006). Nesta última década, populações de célulastronco adultas têm sido encontradas em muitos tecidos
adultos além da medula óssea e do trato gastrointestinal,
incluindo o cérebro, pele e músculo (ATALA, 2009).
As CTs mesenquimais dão origem a fibroblastos,
osteócitos, condrócitos e adipócitos possuindo
potencial oncogênicos (LACERDA; MARTINS, 2007). São
conhecidas também como CT do estroma (OKAMOTO;
MOREIRA-FILHO, 2004) com a capacidade de se
diferenciar em células de linhagem dos tecidos
conjuntivos, além dos já citados. Podem ser encontradas
em adultos e em embriões (WU et al., 2006). Quando o
deslocamento ocorre de modo indevido, essas células
podem originar tumores com vários tipos de tecidos em
seu interior como dente, cabelo, pedaços de osso
(MOORE; PERSAUD, 2000).
Todas as CTs possuem uma problemática inerente, a
saber, uma eventual desregulação em seu ciclo celular,
que pode originar células cancerígenas. Isso
provavelmente ocorre devido ao acúmulo de mutações
em alguns genes e, algumas vezes, estímulos do
microambiente acontecem e promovem a reprodução
desordenada dessas células (LACERDA; MARTINS, 2007).
A bioengenharia tecidual e a medicina regenerativa
compõem novas áreas que investigam técnicas de
regeneração tecidual a partir de marcadores naturais
(fatores de crescimento) e componentes do próprio
organismo (células-tronco mesenquimais) (ROSE;
OREFFO, 2002).
Há aproximadamente quatro décadas, descobriu-se
a potencialidade das células-tronco hematopoiéticas
diferenciarem-se em múltiplos tipos distintos (COSTA;
MIGUEL; ROSA, 2005). Apesar da existência de questões
éticas envolvidas, o poder científico na manipulação
30

dessas células torna-se ilimitado, na medida em que as
suas características fenotípicas sejam adequadamente
mapeadas. Assim, a bioengenharia tecidual é uma área
sem fim aparente, onde os maiores entraves residem na
aplicação clínica dos seus achados in vitro (COSTA;
MIGUEL; ROSA, 2005).
Dessa forma, as células-tronco mesenquimais
proporcionam, ao menos teoricamente, essa inesgotável
fonte celular que, a depender do tipo e do fator de
crescimento envolvido, pode originar determinado tecido
ou vários tecidos do corpo, tais como ósseo, cartilaginoso,
adiposo, fibroso, muscular e medular. Os fatores de
crescimento, por sua vez, desempenham papel fundamental
no controle da proliferação e diferenciação desses tipos
específicos de células (COSTA; MIGUEL; ROSA, 2005).
Terapia celular
A pesquisa básica de biologia celular e da medicina
está ativamente em curso para selecionar células
candidatas adequadas para terapia celular (TABATA,
2009). As terapias celulares e a bioengenharia atuam
no contexto da medicina regenerativa, procurando
controlar e ampliar a capacidade natural da
regeneração de tecidos. A regeneração mantém
naturalmente a homeostasia tecidual, substituindo
continuamente as células inutilizadas (BOROJEVIC,
2008).
Os elementos celulares são o ingrediente
fundamental para as terapias celulares e a
bioengenharia. O conceito de células-tronco ou células
progenitoras foi claramente definido no contexto de
regeneração tecidual. Organismos primitivos que
possuem uma alta capacidade de regeneração serviram
de modelos ricos para a compreensão dos processos
morfogenéticos regenerativos (BEKKUM, 2004). A
presença de células pluripotentes, com ampla
capacidade de reconstituição de novos tecidos foi
visivelmente definida nesses modelos. No fim do século
XX, o conceito amplo de células-tronco em animais
superiores foi confirmado, e a sua aplicação em medicina
regenerativa abriu novos caminhos de terapias celulares
(BIANCO; ROBEY, 2001; PRENTICE, 2006).
Tecido sanguíneo
Uma das doenças que mais causa mortalidade no
mundo é o infarto no miocárdio. O corpo tenta reparar o
tecido que morreu, mas não o substitui com atividade
fisiológica cardíaca, pois os miócitos não se dividem.
As CTs hematopoiéticas recebem comando genético por
proteínas
específicas,
transformam-se
em
cardiomiócitos e recuperam o miocárdio e o
bombeamento sanguíneo. Vários pacientes obtiveram
sucesso com essa técnica, não necessitando mais de um
transplante de coração (LACERDA; MARTINS, 2007).
Algumas pesquisas envolvendo tecidos já obtiveram
êxito em se diferenciar a partir de CTs hematopoiéticas
(tecido sanguíneo). Os hemocitoblastos, que originam
R. Ci. méd. biol. 2010; 9(Supl.1):28-36

Avanços e aplicações da bioengenharia tecidual

essas células, reconstituem o tecido lesado,
principalmente o miocárdio. Tecidos como a medula
óssea e o tecido adiposo são ótimas fontes de CTs
somáticas (LACERDA; MARTINS, 2007).
Regeneração óssea
Caplan e colaboradores (1992 apud REICHERT et al.,
2009) foram os primeiros a investigar o potencial das
CTs mesenquimais na área de engenharia de tecido ósseo
através da combinação de CTs mesenquimais humanas
com um arcabouço. Um número seguido de grupos
utilizando exclusivamente polímeros sintéticos ou
arcabouço de cerâmica (REICHERT et al., 2009).
Em contraste com outros tecidos, o osso é
remodelado de forma contínua, durante toda a vida da
maioria dos vertebrados, inclusive o homem. Quando
lesões ou defeitos ósseos ocorrem, nas mais variadas
situações clínicas, a reconstrução tecidual que devolve
integridades funcionais e mecânicas constitui-se num
passo necessário para a reabilitação do indivíduo. A
maior parte dessas lesões, em virtude do seu potencial
de regeneração espontânea, repara-se adequadamente
pelo emprego de terapias conservadoras ou técnicas
cirúrgicas convencionais (COSTA; MIGUEL; ROSA, 2005).
No entanto, procedimentos de enxertia e substituição
óssea são frequentemente necessários, quando da
existência de defeitos extensos decorrentes de traumas,
procedimentos cirúrgicos e deformidades ósseas
congênitas (COSTA; MIGUEL; ROSA, 2005; ZHANG et al.,
2010).
Uma descrição resumida do procedimento de
reconstrução óssea, a partir de células-tronco
mesenquimais, provenientes de um determinado volume
dessas células, como sendo: o isolamento das células
em cultura; a posterior expansão das mesmas ex vivo; o
cultivo e transporte dessas células por meio de uma
substância carreadora e a implantação local. Entretanto,
por se tratar de reconstrução tecidual extremamente
complexa, uma vez ser o tecido ósseo estrutura
tridimensional com componentes internos, e apresentar
taxa de renovação tecidual marcadamente inferior à pele
ou sangue, pode-se presumir que esse remodelamento
corresponda a uma etapa de longa duração (BIANCO;
ROBEY, 2001).
Regeneração do epitélio da pele
A pele é o primeiro contato que o corpo possui com o
meio exterior. É constituída de três camadas, a epiderme,
a derme e a hipoderme ou tecido subcutâneo. A epiderme
é constituída de tecido epitelial, a derme de tecido
conjuntivo propriamente dito e a hipoderme de tecido
adiposo. Na epiderme existe a camada córnea, que é a
mais externa de todas, onde as células estão mortas,
com aspecto morfológico achatado (pavimentoso). Essa
camada apresenta abundância em queratina, impedindo
que a água evapore ou entre no organismo e altere a
osmolaridade (LACERDA; MARTINS, 2007).
R. Ci. méd. biol. 2010; 9(Supl.1):28-36

Em muitas situações, a pele pode ser lesionada de
diferentes formas, tais como queimaduras ou lesões
perfurantes causando a perda de sua função. Muitos
tratamentos se baseiam na substituição da região lesada
(enxerto), com variados graus de eficiência. Atualmente,
têm surgido novas possibilidades de correções deste
tecido com a utilização das células-tronco (LACERDA;
MARTINS, 2007).
As células epiteliais estão em constante desgaste,
possuindo capacidade de renovação, em determinadas
localizações. CTs epiteliais irão repor as células lesadas,
podendo ser encontradas na epiderme e no epitélio
gastrintestinal por estarem em locais protegidos
(TORTORA; GRABOWSKI, 2002).
As feridas muito extensas induzem à ativação de
células do estroma e do parênquima, as quais se
multiplicam rapidamente para produzir fibras de
colágeno e fornecer resistência. Vasos sanguíneos
emitem novos brotamentos para nutrir a parte
regenerada, formando um tecido de granulação. Este
formará um arcabouço para sustentar células epiteliais,
preenchendo a área aberta e liberando um líquido
bactericida. O reparo tecidual é dependente de fatores
como a nutrição, a circulação sanguínea e a idade.
Grandes quantidades de proteínas são necessárias nesta
situação. Desta forma, uma adequada dieta alimentar e
a circulação de oxigênio estão diretamente ligados ao
reparo do tecido (LACERDA; MARTINS, 2007).
Reposição dentária
A ausência dos dentes pode ocorrer a partir de
defeitos genéticos, anomalias congênitas ou perdas
precoces causadas por trauma, doença periodontal e
cárie dentária, o que pode resultar em movimentação
dos dentes remanescentes, dificuldades na mastigação e
baixa auto-estima. Até o momento existem muitas
possibilidades de substituição dos dentes perdidos,
incluindo o uso de próteses e implantes, porém todos os
procedimentos disponíveis são baseados em técnicas não
biológicas. O desenvolvimento de uma técnica que
permitisse aos indivíduos o crescimento de dentes de
reposição em sua cavidade bucal, a partir da engenharia
tecidual, evitaria as complicações das técnicas
atualmente em uso e seria uma terapia altamente desejável
para reposição de dentes in situ (HAU et al., 2006).
Após a odontogênese, CTs remanescentes podem ser
encontradas na polpa dentária, sendo responsáveis pela
diferenciação de novas células que substituem
odontoblastos necróticos e secretam dentina reparadora
em casos de lesões cariosas ou preparos cavitários
profundos (HAU et al., 2006).
Alguns estudos demonstraram que existe a
possibilidade de se obter germes dentários a partir de
células-tronco devidamente sinalizadas, os quais se
desenvolvem quando transplantados em nichos
adequados. Embora genes e sinais regulatórios
envolvidos na odontogênese sejam conhecidos, e apesar
31

Conceição Silva Oliveira et al.

dos avanços obtidos no desenvolvimento de estruturas
dentárias a partir de células-tronco, ainda existem
obstáculos a serem superados para se conseguir
substituir um dente humano perdido através da
engenharia tecidual (HAU et al., 2006).
Regeneração hepática
A cirrose hepática representa uma crescente carga
nos cuidados da saúde por todo o mundo. Atualmente, o
único tratamento alternativo é o transplante de fígado.
Enquanto o transplante de fígado representa uma
sobrevivência de cinco anos relativamente boa, a
escassez de doadores de órgãos custa muitas vidas, todo
o ano, e resulta em imunossupressão ao longo da vida.
Estratégias de tratamento alternativo são, portanto,
urgentemente necessárias. É devido a esse histórico que
existe um entusiasmo compreensível pelo
desenvolvimento com terapia de células-tronco para
regeneração do fígado (KUNG; FORBES, 2009).
Recentes avanços na produção de células-tronco
derivadas de hepatócitos representam uma grande
promessa para o tratamento de doenças do fígado. O
próximo passo essencial será definir a segurança e
eficácia que precisam ser alcançadas antes da aplicação
clínica das terapias com células-tronco hepáticas (KUNG;
FORBES, 2009).
Regeneração orelha interna
Com base na evidência extraída de modelos animais,
esforços para regenerar a orelha interna humana
afetada podem envolver tanto proliferação renovada de
células do epitélio auditivo mitoticamente quiescentes
ou transplante de células que possam se diferenciar em
células sensoriais altamente especializadas do epitélio
sensorial. Neste contexto, a manipulação de genes e a
terapia com células-tronco representam abordagens
relativamente novas e excitantes ao tratamento de perda
auditiva sensorineural (VLASTARAKOS et al., 2008).
As marcas alcançadas neste campo durante as últimas
décadas do segundo milênio conduziram ao caminho de
novas pesquisas que prometem a "audição" para
pacientes que a perderam ou nunca a tiveram
(VLASTARAKOS et al., 2008).

Células-tronco embrionárias derivadas do
blastocisto embrionário são providas de capacidade
fundamental de diferenciação em todos os outros tipos
de células do organismo (Figura 1). Isto tem sido
recentemente confirmado, na prática, pela geração de
células progenitoras de orelha interna de células-tronco
embrionárias de ratos in vitro (LI et al., 2003).
Isolamento das células-tronco da orelha interna tem
sido intensamente perseguido, uma vez que elas parecem
se diferenciar de forma mais completa em células
ciliadas, comparado com outras células-tronco. No
entanto, a população destas células pode ser
diferenciada em modelos de animais mamíferos e
invertebrados. Nas aves, células de suporte dentro do
epitélio sensorial parecem ser os precursores celulares
para a regeneração de células ciliadas (VLASTARAKOS et
al., 2008).
Levando-se em consideração os resultados
devastadores da surdez em humanos, esforços para
regenerar a orelha interna danificada e recuperar a
audição contínua é um dos mais desafiadores objetivos
do terceiro milênio. Isto pode ser realizado tanto pelo
transplante de células-tronco, quanto pela proliferação
de células renovadas do epitélio auditivo mitoticamente
quiescente (VLASTARAKOS et al., 2008).
ATUAÇÃO DA ANGIOGÊNESE NA BIOENGENHARIA E
REPARO TECIDUAL
A angiogênese é a formação de novos vasos
sanguíneos a partir de uma rede de vasos pré-existentes,
como uma contínua expansão de um ramo vascular, em
resposta ao aumento da massa tecidual (CARMELIET,
2005; DAI; RABIE, 2007). A vasculatura transporta
oxigênio, nutrientes, fatores solúveis e numerosos tipos
celulares para todos os tecidos do corpo (KANCZLER;
OREFFO, 2008). Os vasos sanguíneos são constituídos
de células epiteliais que recobrem todo o vaso, chamadas
de células endoteliais, separadas do tecido subjacente
pela lâmina basal (JUNQUEIRA; CARNEIRO, 2004).
Durante a formação embrionária dos vasos
sanguíneos, células precursoras ou angioblastos se
agregam formando as ilhotas sanguíneas. Em seguida,
os angioblastos se diferenciam em células endoteliais,

Figura 1. Células pluripotentes no feto humano.

32

R. Ci. méd. biol. 2010; 9(Supl.1):28-36

Avanços e aplicações da bioengenharia tecidual

tornando-se células pavimentosas ao redor das
cavidades das ilhotas (Endotélio Primitivo).
Subsequentemente ocorre uma fusão das cavidades
formando redes de canais endoteliais e os vasos
proliferam para áreas adjacentes através de brotos
endoteliais e fusionam-se com outros vasos (MOORE;
PERSAUD, 2000; KANCZLER; OREFFO, 2008). O crescimento
e desenvolvimento da estrutura vascular madura é um
dos eventos mais precoces da organogênese (KANCZLER;
OREFFO, 2008).
A angiogênese pode ser um processo fisiológico ou
um processo patológico. A angiogênese fisiológica pode
ser desencadeada durante a cicatrização de feridas,
regeneração de órgãos, ovulação e crescimento
placentário. Já a angiogênese patológica pode ser
desencadeada durante o crescimento e metástase de
tumores, artrite reumatóide, retinopatia diabética,
inflamação, obesidade, aterosclerose, isquemia e
osteoporose (CAPP et al., 2009).
Para que ocorra angiogênese, é necessário
acontecimento de eventos como: aumento da
permeabilidade vascular e deposição de fibrina
extravascular; desarranjo da parede vascular, com
remoção dos pericitos; fragmentação da membrana
basal e da matriz extracelular por proteases (colagenase
tipo IV e estromelisina); migração da célula endotelial
através da matriz extracelular remodelada; proliferação
da célula endotelial e formação de brotos; formação de
estruturas tubulares pelo fusionamento dos vacúolos
citoplasmáticos; reconstituição da membrana basal;
maturação dos complexos juncionais; construção da
parede vascular e o estabelecimento de fluxo sanguíneo
no novo vaso (KANCZLER; OREFFO, 2008).
Os fatores e eventos que controlam o
desenvolvimento embriogênico normal da vasculatura
são também utilizados durante situações de
neoangiogênese no adulto (KANCZLER; OREFFO, 2008).
Fatores angiogênicos e fatores antiangiogênicos fazem
parte deste sistema de controle. Dentre eles podem ser
citados como fatores angiogênicos: citocinas, como o
fator de crescimento endotelial vascular (VEGF), o fator
de crescimento tumoral alfa (TNF-á); as quimiocinas;
angiogenina; fator de crescimento de Fibroblasto (FGF);
fator de angiogênese derivado do macrófago; heparina;
fator de crescimento derivado de plaquetas (PDGF); fator
de transformação de crescimento beta (TGF-â). E como
fatores antiangiogênicos, ou angiostáticos, podem ser
citados: pericitos; endostatina; fragmentos de colágeno
tipo XVIII e IV; trombospondina (KANCZLER; OREFFO,
2008).
Durante a formação de novos vasos sanguíneos, as
células endoteliais recebem estímulos de fatores de
crescimento endoteliais para sua proliferação celular.
O fator de crescimento endotelial vascular (VEGF) é uma
proteína hemodímera de 34 a 42 kDa, que se constitui
um agente regulador fundamental para angiogênese
normal e anormal. Ele é produzido por muitos tipos
R. Ci. méd. biol. 2010; 9(Supl.1):28-36

celulares, dentre eles os fibroblastos, células do músculo
liso, condrócitos hipertróficos e osteoblastos. O VEGF é
essencial para a diferenciação de células em alguns
tecidos (DAÍ; RABIE, 2007) e, principalmente, bem
caracterizado durante a formação e crescimento dos
vasos (HELOTERA; ALITALO, 2007). A importância do VEGF
tem sido adicionalmente comprovada pelo emprego de
substâncias que neutralizam a ação do VEGF (STREET et
al., 2002).
O receptor para VEGF (VEGFR) é um receptor tirosinocinase com alta afinidade para VEGF, presente
principalmente nas células endoteliais (CAO, 2009).
Assim como existem cinco glicoproteínas estruturalmente
semelhantes que participam da mesma família de fatores
de crescimento VEGF, também existem três receptores
com diferentes domínios de ligação transmembrana
para o VEGF, o VEGFR-1, VEGFR-2 (NIIDA et al., 2005; CAO,
2009) e VEGFR-3 (CAO, 2009). Portanto, a sinalização
para angiogênese ocorre diretamente sobre as células
endoteliais, via receptor de VEGF. Porém, a ação do VEGF
também depende de sinalização parácrina, a qual inclui
fator de crescimento derivado de plaquetas (PDGF) e
angiopoientins (Ang), que estão relacionados à
estabilização da vasculatura e proteção da
sobrevivência do endotélio (HELOTERA; ALITALO, 2007).
O crescimento tumoral é um processo dependente
da angiogênese (FOLKMAN, 2000). As células tumorais
sintetizam VEGF para estimular a angiogênese patológica
ao redor do tumor. Sem a formação de novos vasos
sanguíneos as células tumorais não sobrevivem. Bem
irrigadas pelos novos vasos, as células tumorais, então,
podem se destacar da massa tumoral e alcançar a
corrente sanguínea. Consequentemente, outros tecidos
também podem ser alcançados por estas células
tumorais, gerando assim a metástase (KINDT; GOLDSBY;
OSBORNE, 2008).
A angiogênese e vascularização como estratégia
terapêutica são de enorme benefício para as aplicações
da bioengenharia tecidual (ROUWKEMA et al., 2008),
principalmente nas construções teciduais da
Bioengenharia tecidual (ROUWKEMA et al., 2008). Nestes
casos, o suprimento de oxigênio e nutrientes à
implantação tecidual é limitado ao processo de difusão
que pode chegar de 100 a 200µm de distância do vaso
mais próximo, ocorrendo, portanto, angiogênese por uma
reação à hipóxia celular da implantação. Apesar disso,
o crescimento vascular espontâneo é limitado a
micrômetros por dia e essa é a grande limitação das
grandes construções teciduais através de recursos da
Bioengenharia Tecidual (ROUWKEMA et al., 2008).
Entretanto, existem algumas estratégias para a
angiogênese na Bioengenharia Tecidual. Dentre elas
temos: desenho do arcabouço; inclusão de fatores
angiogênicos; pré-vascularização in vivo; prévascularização in vitro. Cada um deles concentra
recursos que podem aumentar a vascularização ao redor
das reconstruções teciduais, prezando sempre pela
33

Conceição Silva Oliveira et al.

quantidade de vasos funcionais e o sangue que ele
transporta (ROUWKEMA et al., 2008).
TERAPIA GÊNICA NA BIOENGENHARIA TECIDUAL
A combinação de terapia gênica e engenharia
tecidual têm envolvido a implantação de células
geneticamente modificadas, que tem sido aplicada a
vários tecidos como osso, cartilagem e nervo. Ossos e
cartilagens estão sob investigação extensiva em pesquisa
de engenharia de tecidos. Um número de materiais
biodegradáveis e reabsorvíeis tem sido clinicamente e/
ou experimentalmente testados (BOROJEVIC, 2008).
Terapia gênica é uma nova técnica que emerge como
um resultado direto da revolução de DNA recombinante
(ABDULLAH et al., 2008). Embora ainda experimental,
envolve a transferência de informação genética para
células alvo, sintetizando assim, uma proteína de
interesse para tratar doenças. Na maioria dos estudos a
respeito de terapia genética, um gene "normal" é inserido
no genoma para substituir um gene "anômalo" causador
de doença. Uma molécula transportadora, chamada
vetor, precisa ser usada para enviar o gene terapêutico
para as células-alvo do paciente. Atualmente, o vetor
mais comum é um vírus que geneticamente é alterado
para transportar DNA humano normal.
A bioengenharia tecidual fornece meios alternativos
que possibilitam o desenvolvimento e aperfeiçoamento
de biomateriais para incrementar a terapia gênica,
visando também às construções moleculares
necessárias para a expressão de proteínas em
bioprocessos industriais, ou produção de vetores. Os
vetores mais usados são os virais e não virais (RAMSEIER
et al., 2006). Pode-se exemplificar os vírus adenoassociados, retrovírus e adenovírus como os vetores
virais e complexos de polímeros de DNA e plasmídeos
como os não virais. Dentre os virais, os sistemas
adenoviral e retroviral são bem sucedidos na engenharia
tecidual óssea. Sua vantagem corresponde à alta
eficiência de transdução, porém apresentam como
desvantagens o potencial para mutagênese,
carcinogênese e resposta imune (PARTRIDGE; OREFFO,
2004). Diante destas desvantagens as alternativas para
vetores não virais foram desenvolvidas, mas existem
poucos dados referentes a estes vetores na engenharia
tecidual óssea. Entretanto, eles têm sido utilizados na
entrega de genes para regenerar cartilagem.
O desenvolvimento de sistemas de transferência de
gene é justificado para alcançar altos níveis de expressão
do potencial terapêutico. Isso evitaria a necessidade de
enriquecimento seletivo e cultura em longo prazo que
podem contribuir para a senescência ou comprometer o
enxerto em longo prazo. Além disso, através do aumento
eficiência da transferência de genes, são necessárias
menos células para obter um efeito terapêutico. Isto
justifica a utilização de lentivirus, vetores de transdução
de células mesenquimais (VAN DAMME et al., 2006). O
uso de vetores na bioengenharia tecidual melhora as
34

perspectivas terapêuticas desta nova abordagem de
terapia gênica, entrega de proteína, ou engenharia de
tecidos. O uso de entrega de proteínas pode ser uma
alternativa favorável, pois existe a possibilidade de
recuperação no caso de uma reação adversa inesperada
ou quando a expressão da proteína de interesse não for
mais necessária.
A integração de terapia gênica, engenharia tecidual e
biomateriais apresentam o potencial para criar
ambientes sintéticos que forneçam os sinais necessários
para promover a formação dos tecidos funcionais. Os
biomateriais proporcionam um suporte físico para a
adesão celular e um modelo para formação de tecidos.
Uma variedade de materiais sintéticos ou naturais tem
sido utilizada como arcabouço (scaffolds) para formação
de um novo tecido (JANG et al., 2006). A bioatividade dos
arcabouços pode ser melhorada através de sua utilização
como veículos para entrega eficiente do gene, o que pode
induzir a expressão localizada de fatores indutivos de
tecidos. No entanto, as abordagens baseadas na entrega
direta de vetores virais e não virais podem fornecer
alternativas que evitem a necessidade de manipulação
de células em ex vivo e transplantação (JANG et al., 2006).
Vale salientar que existem vários métodos de entrega de
genes disponíveis para administrar fatores de crescimento
em defeitos periodontais que oferecem grandes aplicações
para a engenharia tecidual. Avanços significativos têm
sido feito no uso dos arcabouços, os quais promovem a
entrega de células, genes e proteínas para lesões
periodontais crônicas.
INTERAÇÃO CÉLULA (SINALIZAÇÃO) E BIOMATERIAIS
A biocompatibilidade dos materiais está diretamente
associada ao comportamento das células em contato
com o material e particularmente pela adesão na
superfície. As características da superfície do material,
topografia, composição química e superfície energética,
são parâmetros importantes em estudos da
biocompatibilidade e citocompatibilidade in vitro e
correspondem à primeira fase na interação célula/
material, que irá influenciar na capacidade das células
se diferenciarem em contato com o implante,
promovendo a reconstituição inicial do tecido original
(ANSELME, 2000; VAN KOOTEN; SPIJKER; BUSSCHER, 2004;
LUCCHESI et al., 2008).
Para Craighead, James e Turner (2001), a interação
das células com as superfícies dos materiais é de extrema
importância na efetivação de implantes médicos,
podendo definir o seu grau de rejeição. O conhecimento
dos mecanismos básicos de interação célula/material e
um melhor entendimento dos processos a nível celular
durante a adesão podem colaborar para o
desenvolvimento de novos biomateriais e para o
desenvolvimento de novos produtos biomédicos (KUMARI
et al., 2002). Segundo Barbanti, Zavaglia e Duek (2005),
quando se trata de regeneração de órgãos e tecidos, tornase fundamental o estudo do comportamento e
R. Ci. méd. biol. 2010; 9(Supl.1):28-36

Avanços e aplicações da bioengenharia tecidual

diferenciação celular induzidos pela estrutura,
composição e presença de elementos biológicos dos
suportes, para otimizar os mesmos e avançar em técnicas
de cultivo celular, que possam permitir a reprodução dos
tecidos e órgãos em toda sua complexidade. A anexação,
a adesão e o alongamento das células dependentes de
ancoragem, pertencem à primeira fase de interação entre
célula-suporte, sendo que a qualidade desta primeira
etapa influenciará as respostas subsequentes das células
e tecidos, como na capacidade das células de se
proliferarem e diferenciarem em contato com o
biomaterial (ANSELME, 2000; KUMARI et al., 2002).
A adesão celular a um biomaterial está relacionada
a dois fenômenos diferentes: fase de anexação e fase de
adesão. A anexação, que ocorre rapidamente, é o
movimento da célula em direção ao biomaterial recém
implantado, nesta ocorrem alguns eventos como ligações
físico-químicas, através de forças iônicas e forças de
Van der Walls (ANSELME, 2000). A fase de adesão ocorre
posteriormente e envolve diversas moléculas biológicas
como proteínas de matriz extracelular, proteínas de
membrana celular e do citoesqueleto, que interagem
conjuntamente pata induzir a transdução do sinal,
promovendo a ação de fatores de transcrição e
consequentemente regulando a expressão gênica
(ANSELME, 2000; BAXTER et al., 2002).
Para Gumbiner (1996), os aspectos da dinâmica da
adesão celular necessitam de regulação destes
receptores de adesão celular, que se encontram na
superfície da célula. A capacidade adesiva dos
conjuntos de receptores de adesão ou dos processos
citoesqueleto-dependentes como o espalhamento
celular, são cruciais para uma boa adesão celular,
controle do crescimento e mobilidade celular. As
características hidrofílicas e hidrofóbicas dos
materiais são muito importantes nestas interações
entre células e substrato, ou seja, as células aderem
mais fortemente a superfícies de materiais mais
hidrofílicos, isto pode ser explicado em parte pela
própria constituição de algumas regiões da membrana
celular lipídica, que sendo altamente hidratadas tendem
a desenvolver contatos com superfícies igualmente
hidratadas (YANG; ZHAO; CHEN, 2002; PAN; JIANG; CHEN,
2006). A adesão celular influencia vários fenômenos
naturais, como: embriogênese, manutenção estrutural
dos tecidos, cicatrização, resposta imune, metástase, e
interação célula/material. Para que novos biomateriais
possam ser aplicados com sucesso na engenharia de
tecidos, há a necessidade fundamental do estudo das
interações entre as células e estes materiais (PERTILE,
2007).
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Atualmente, ainda existe muita polêmica quanto às
questões éticas, políticas e sociais em relação à
utilização das células-tronco para aplicações
terapêuticas. Apesar disso, muitas pesquisas já foram
R. Ci. méd. biol. 2010; 9(Supl.1):28-36

realizadas com muitos tipos de células-tronco existentes,
como abordado. Entretanto, são necessários maiores
estudos em nível molecular para entender
precisamente os fatores que influenciam a
diferenciação das células-tronco. Acredita-se que
dentro de alguns anos, com apoio da bioengenharia
que visa produzir estruturas capazes de substituírem
tecidos ou órgãos que perderam a sua estrutura e/ou
função, as técnicas existentes possam ser
aperfeiçoadas e serem aplicadas como qualidade de
recuperação tecidual em pacientes.
A integração de terapia gênica, engenharia tecidual
e biomateriais apresentam o potencial para criar
ambientes sintéticos que forneçam os sinais necessários
para promover a formação dos tecidos funcionais.
Avanços significativos têm sido feito no uso dos
arcabouços, os quais promovem a entrega de células,
genes e proteínas para lesões. Para que novos
biomateriais possam ser aplicados com sucesso na
engenharia de tecidos, há a necessidade fundamental
do estudo das interações entre as células e estes
materiais.
Pelo caráter multidisciplinar do desafio, somente a
cooperação entre as ciências biológicas básicas, ciências
exatas e clínica médica poderão trazer propostas que
servirão para melhorar a qualidade de vida e adequar o
custo social da medicina às realidades do novo milênio.
REFERÊNCIAS
ABDULLAH, M.A. et al. Cell engineering and molecular pharming for
biopharmaceuticals. Open Med. Chem. J., v.14, n.2, p.49-61, 2008.
ANSELME, K. Osteoblast adhesion on biomaterials. Biomaterials,
v.21, n.7, p.667-681, 2000.
ATALA, A. Engineering organs. Curr. Opin. Biotechnol., v.20, n.5,
p.575-592, 2009.
BARBANTI, S.H.; ZAVAGLIA, C.A.C.; DUEK, E.A.R. Polímeros
bioreabsorvíveis na engenharia de tecidos. Polímeros: Ciência e
Tecnologia, v.15, n.1, p.13-21, 2005.
BAXTER, L.C. et al. Fibroblast and osteoblast adhesion and
morphology on calcium phosphate surfaces. Eur. Cell Mater., v.4,
p.1-17, 2002.
BEKKUM, D.W. Phylogenetic aspects of tissue regeneration: role of
stem cells. A concise overview. Blood Cells Mol. Dis., v.32, n.1, p.1116, 2004.
BIANCO, P.; ROBEY, P.G. Stem cells in tissue engineering. Nature,
v.414, n.6859, p.118-121, 2001.
BOROJEVIC, R. Biotecnologia na área de saúde humana e animal:
bioengenharia e biomimética. Disponível em: .
Acesso em: 25 nov. 2009.
BOROJEVIC, R. Terapias Celulares e Bioengenharia. Gaz. Med. Bahia,
v.78, supl.1, p.42-46, 2008.
BOROJEVIC, R.; BALDUINO, A. Terapias Celulares e Bioengenharia
Tecidual. In: MIR, L. (Org.). Genômica. São Paulo: Atheneu, 2004.
p.295-310.
CAO, Y. Positive and negative modulation of angiogenesis by VEGFR1
ligands. Sci. Signal., v.2, n.59, p.1-11, 2009.

35

Conceição Silva Oliveira et al.
CAPP, C. et al. Papel do fator de crescimento endotelial vascular
nos carcinomas de tireóide. HCPA, v.29, n.1, p.51-59, 2009.
CARMELIET, P. Angiogenesis in life, disease and medicine. Nature,
v.438, n.7070, p.932-936, 2005.
CARVALHO, A.C.C. Bioengenharia tecidual: uso de células-tronco na
prática médica. Disponível em: . Acesso em: 20 nov.
2009.
CARVALHO, A.C.C. Células-tronco é promessa para medicina do
futuro. Ciência Hoje, v.29, n.172, 2001.
COSTA, R.C.C.; MIGUEL, F.B.; ROSA, F.P. Estratégias de bioengenharia
tecidual na reconstrução óssea. R. Ci. Med. Biol., v.4, n.1, p.70-76,
2005.
CRAIGHEAD, H.G.; JAMES, C.D.; TURNER, A.M.P. Chemical and
topographical patterning for directed cell attachment. Curr. Opin.
Solid. St. M., v.5, n.2-3, p.177-184, 2001.

OKAMOTO, O.K.; MOREIRA FILHO, C.A. Células-Tronco: genômica
funcional e aplicações terapêuticas. In: MIR, L. (org.). Genômica.
São Paulo: Atheneu, 2004. p.311-327.
PAN, H.; JIANG, H.; CHEN, W. Interaction of dermal fibroblasts with
electrospun composite polymer scaffolds prepared from dextran and
poly lactide-coglycolide. Biomaterials, v.27, n.17, p.3209-3220, 2006.
PARK, D-H.; EVE, D.J. Regenerative medicine: Advances in new
methods and technologies. Med. Sci. Monit., v.15, n.11, p.RA233251, 2009.
PARTRIDGE, K.A.; OREFFO, R.O. Gene Delivery in bone tissue
engineering: progress and prospects using viral and nonviral
strategies. Tissue Eng., v.10, n.1/2, p.295-307, 2004.

DAI, J.; RABIE, A.B. VEGF: an essential mediator of both angiogenesis
and endochondral ossification. J. Dent. Res., v.86, n.10, p.937-950,
2007.

PERTILE, R.A.N. Estudo in vitro da interação da linhagem de
fibroblastos L929 com membrane de cellulose bacteriana para
aplicações em engenharia de tecidos. 2007. Dissertação (Mestrado)
- Universidade Federal de Santa Catarina, Santa Catarina, 2007.

FOLKMAN, J. Incipient angiogenesis. J. Natl. Cancer Inst., v.92, n.2,
p.94-95, 2000.

PRENTICE, D.A. Current science of regenerative medicine with stem
cells. J. Invest. Med., v.54, n.1, p.33-37, 2006.

GOWDAK, L.H.W. Terapia celular em cardiologia, n.51, 2004.
Disponível
em:
. Acesso em: 20 nov. 2009.

RAMSEIER et al. Gene Therapeutics for periodontal regenerative
medicine. Dent. Clin. North Am., v.50, n.2, p.245-263, 2006.

GUMBINER, B.M. Cell adhesion: the molecular basis of tissue
architecture and

REICHERT, J.C. et al. Fabrication of polycaprolactone collagen
hydrogel constructs seeded with mesenchymal stem cells for bone
regeneration. Biomed. Mater., v.4, n.1, p.1-11, 2009.

morphogenesis. Cell, v.84, n.3, p.345-357, 1996.
HAU, G.R. et al. Levantamento preliminar sobre a possibilidade de
obtenção de dentes de reposição a partir de Células-tronco. Ci.
Biol. Saúde, v.12, n.2, p.29-38, 2006.
HELOTERA, A.; ALITALO, K. The VEGF family, the inside story. Cell,
v.130, n.4, p.591-592, 2007.
JANG, J.H. et al. Surface adsorption of DNA to tissue engineering
scaffolds for efficient gene delivery. J. Biomed. Master Res. A, v.77,
n.1, p.50-58, 2006.
JUNQUEIRA, L.; CARNEIRO, J. Histologia básica. Décima edição. Rio
de Janeiro: Guanabara Koogan, 2004.
KANCZLER, J.M.; OREFFO, R.O. Osteogenesis and angiogenesis: the
potential for engineering bone. Eur. Cell Maters, v.15, p.100-114,
2008.
KINDT, T.J.; GOLDSBY, R.A.; OSBORNE, B. A. Imunologia de Kuby. 6ª
Edição. Rio de janeiro: Guanabara Koogan, 2008.
KUMARI, T.V. et al. Cell surface interactions in the study of
biocompatibility. Trends Biomater. Artif. Organs, v.15, n.2, p.37-41,
2002.
KUNG, J.W.C.; FORBES, S.J. Stem cells and liver repair. Curr. Opin.
Biotechnol., v.20, n.5, p.568-574, 2009.
LACERDA, V.A.M.; MARTINS, C.F. Capacidade das células-tronco em
regenerar o epitélio da pele. Univ. Ci. Saúde, v.5, n.1/2, p.135-154,
2007.
LI, H. et al. Generation of hair cells by stepwise differentiation of
embryonic stem cells. Proc. Natl. Acad. Sci. USA, v.100, n.23,
p.13495­13500, 2003.
LUCCHESI, C. et al. Increased response of Vero cells to PHBV matrices
treated by plasma. J. Mater. Sci. Mater. Med., v.19, n.2, p.635-643,
2008.
MOORE, K.K.; PERSAUD, T.V.N. Embriologia básica. 5. ed. Rio de
Janeiro: Guanabara Koogan, 2000. 451 p.

36

NIIDA, S. et al. VEGF receptor 1 signaling is essential for osteoclast
development and bone marrow formation in colony-stimulating
factor 1-deficient mice. Proc. Nati. Acad. Sci. USA, v.102, n.39,
p.14016-14021, 2005.

ROSE, F.R.; OREFFO, R.O. Bone tissue engineering: hope vs hype.
Biochem. Biophys. Res. Commun., v.292, n.1, p.1-7, 2002.
ROUWKEMA, J. et al. Vascularization in tissue engineering. Trends
Biotechnol., v.26, n.8, p.434-441, 2008.
SANTOS, R.R.; SOARES, M.B.P.A.; CARVALHO, A.C.C. Transplante de
células da medula óssea no tratamento da cardiopatia chagásica
crônica. Rev. Soc. Bras. Med. Trop., v.37, n.6, p.490-495, 2004.
STREET, J. et al. Vascular endothelial growth factor stimulates bone
repair by promoting angiogenesis and bone turnover. Proc. Natl.
Acad. Sci. USA, v.99, n.15, p.9656-9661, 2002.
TABATA, Y. Biomaterial technology for tissue engineering
applications. J. R. Soc. Interface, v.6, supl.3, p.S311­S324, 2009.
TORTORA; GRABOWSKI. Princípios de anatomia e fisiologia. 9. ed.
Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002.
VAN DAMME et al. Efficient lentiviral transduction and improved
engraftament of human bone marrow mesenchymal cells. Stem
Cells, v.24, n.4, p.896-907, 2006.
VAN KOOTEN, T.G.; SPIJKER, H.T.; BUSSCHER, H.J. Plasma-treated
polysterene surfaces: model surfaces for studying cell-biomaterial
interactions. Biomaterials, v.25, n.10, p.1735-1747, 2004.
VLASTARAKOS, P.V. et al. Novel approaches to treating sensorineural
hearing loss. Auditory genetics and necessary factors for stem cell
transplant. Med. Sci. Monit., v.14, n.8, p.RA114-125, 2008.
WU, M. et al. Differentiation potential of human embryonic
mesenchymal stem cells for skin-related tissue. Br. J. Dermatol.,
v.155, n.2, p.282-291, 2006.
YANG, X.; ZHAO, K.; CHEN, G.Q. Effect of surface treatment on the
biocompatibility
of
microbial
polyhydroxyalkanoates.
Biomaterials, v.23, n.5, p.1391-1397, 2002.
ZHANG, Z-Y et al. Neo-vascularization and bone formation mediated
by fetal mesenchymal stem cell tissue-engineered bone grafts in
critical-size femoral defects. Biomaterials, v.31, n.4, p.608-620, 2010.

R. Ci. méd. biol. 2010; 9(Supl.1):28-36