E APLICAÇÃO DE MEDICAMENTOS E
VACINAS

CURSO VACINAÇÃO EM ITABORAI

PARA A REGIÃO METROPOLITANA DO
ESTADO DO RIO DE JANEIRO
JOSÉ HENRIQUE CARVALHO MORAES
MÉDICO-VETERINÁRO CRMV 5/1995
GERENTE DE PEQUENOSE MÉDIOSANIMAIS DA
EMATER-RIO

INTRODUÇÃO
A Bovinocultura de Leite no Estado do Rio de Janeiro tem uma longa
tradição, assim como a própria criação de Bovinos para a Produção de
Leite em todo o Brasil. Essa atividade tem se perpetuado mantendo o modo
de vida de vários criadores e gerando emprego para diversas famílias no
setor rural. Infelizmente diversos problemas ocorrem pela não capacitação
do trabalhador rural na sua atividade onde ele praticamente desenvolve
mecanicamente seu trabalho segundo as ordens do criador e da sua
capacidade de compreender essas ordens. Sem entender o por quê das
coisas evidentemente muitos erros acontecem pois o trabalhador não está
capacitado a compreender um sinal de uma doença e nem como evitá-la
gerando assim aumento de custos de produção para o criador. Além disso,
o correto manejo dos animais irá proporcionar um menor índice de
acidentes na propriedade e evitar que os animais tenham problemas
agravados por detalhes na condução da atividade. Essa apostila pretende
passar as noções básicas para um correto manejo de bovinos para a
produção de leite desde seu nascimento até o descarte enfatizando
principalmente o Manejo Sanitário para evitar doenças que possam trazer
prejuízos ao criador como também riscos ao trabalhador rural pois muitas
delas são as chamadas zoonoses ( doenças que passam de animais para
pessoas ).

CAPÍTULO I
AS DOENÇAS INFECTO-CONTAGIOSAS
Doenças Infecto-Contagiosas são aquelas que pegam nos animais e se
espalham entre eles, passando de um animal para outro. Algumas dessas
doenças, além de passarem de um animal para outro também passam para o
Ser Humano ( como a Raiva, a Bruceloses e outras ). Essas doenças como
vimos anteriormente são conhecidas como ZOONOSES ( passam de um
animais para o Ser Humano e por isso devemos ter muito cuidado com
animais portadores delas ). Vamos abaixo falar sobre as principais doenças
as quais devemos conhecer:

1-) A FEBRE AFTOSA:
A) É uma grave doença que ataca os Bovinos além dos animais que têm os
CASCOS BIUNGULADOS, isto é, que têm cascos fendidos, que possuem
2 unhas tais como os Porcos, as Cabras, as Ovelhas, os Búfalos e inclusive
animais que vivem na mata como os Veados Silvestres, os Porcos do Mato
etc...

B)CAUSA: Ela é causada por um vírus Picornaviridae ARN.
C) Ela é de ALTÍSSIMA TRANSMISSÃO. Ao entrar num rebanho
rapidamente se espalha e logo muitos animais ficam contaminados.
D) Os animais que não morrem podem acabar ficando PORTADORES
SÃOS ( isto é, não apresentam os sintomas dela mas transmitem para
outros animais que estão sadios... olha que perigo manter animais que
tiveram essa doença no rebanho !!! ).
E) Ela se transmite através da saliva do animal, pelo chão onde animais
doentes passaram e até pelo ar onde muitos animais doente estão. Nós
podemos passar a Febre Aftosa para outros animais quando pisamos no
chão onde eles passaram ou temos contato com a saliva deles e depois nos
dirigimos para outras áreas onde a doença não atingiu. Ao suspeitar da
doença não vá para o vizinho chamá-lo; Você pode levar a doença para o
rebanho dele. PROCURE IMEDIATAMENTE UM VETERINÁRIO que
irá orientá-lo.
F) SINTOMAS:
- Febre Alta que dura de 3 a 5 dias.
- Pelos Arrepiados.
- Baba constante devido a ferida na língua ( AFTA ).
- Dificuldade de andar devido a ferida entre os casco.

FERIDAS NA LÍNGUA

FERIDAS NOS CASCOS

G) PREJUÍZOS:
- Como não anda pelas feridas do casco e não consegue comer pelas feridas
na língua o animal emagrece muito rapidamente perdendo muitas arroubas
e dando um sério prejuízo ao criador.
- Pode causar mamites ( Doença nas mamas das Vacas ).
- Pode causar Aborto ( o animal perde a cria que está na Barriga ).

- Os animais infectados pela doença e identificados pelo Serviço de Defesa
Sanitária Animal são SACRIFICADOS com um rifle sanitário ( são mortos
a tiro e enterrados profundamente com cal ).
- O criador é notificado e a propriedade é interditada.
H) TRATAMENTO: NÃO HÁ. O que as pessoas fazem é tratar do
Sintomas ( da Febre, da Língua e dos Cascos ) mas com isso podem
estarem formando o tal animal Portador São como comentamos no início,
por isso nem pensar em tratar; O animal deve ser sacrificado para o bem
dos outros animais e da economia de toda a região.
I) PREVENÇÃO: VACINAÇÃO. Ela é muito eficaz desde que sigamos as
regras que iremos descrever no capítulo adiante sobre a Vacinação. Na
nossa Região vacinamos nos meses de MARÇO e SETEMBRO quando as
vacinas ficam disponíveis no Mercado. A vacinação nesses períodos é uma
estratégia do Serviço de Defesa Sanitária Animal para que tenhamos a
maioria dos nossos animais com uma alta taxa de anti-corpos ( as defesas
do organismo ) de forma uniforme. Por isso não adianta tentar vacinar os
animais fora desse período na nossa região. Você não irá encontrar a
Vacina e se insistir muito ainda toma uma multa por não ter vacinado seus
animais no período correto ( POR LEI você é Obrigado a vacinar seus
animais contra a Febre Aftosa sob o risco de levar uma multa ). Fique
ligado; Essa é uma doença que causa muitos prejuízos ao Brasil
principalmente na Exportação ( no Mercado Mundial não se compra Carne
de Países co Febre Aftosa no seu rebanho ). Outra coisa: SÓ COMPRE
ANIMAIS COM O ATESTADO DE VACINAÇÃO CONTRA A FEBRE
AFTOSA EM DIA. Evite trazer essa doença para o seu rebanho e causar
um prejuízo enorme em toda a região.

2-) A BRUCELOSE:
A) Essa doença e braba e cheia de manhas: ­ É UMA ZOONOSE,
portanto muito cuidado. O Bovino passa ela para o Homem e no homem é
uma doença difícil de curar ( causa aborto, dores nas juntas, infertilidade e
pode até causar problemas na atividade sexual ).
B) SINTOMAS: O principal Sintoma é o Aborto na Vacas e inflamação
nos testículos e no pênis do Touro. Mas aí que ela é braba: Muitas vezes a
vaca aborta 1, 2 e até 3 vezes mas depois para de abortar e vira portadora sã
espalhando a doença para as outras ( e para o ser humano também ). O
aborto normalmente acontece no 7º mês de gestação.

C) TRANSMISSÃO: Normalmente o Touro se infecta com uma vaca e
vai passando para as outras, mas a maior infecção acontece quando uma
vaca com brucelose aborta uma cria; Todo o líquido que sai na parição é
Altamente contaminante e rapidamente espalha a doença. O leite da vaca
brucélica também transmite a doenças
C) É Causada por uma Bactéria chamada Brucella Bovis ( nos Bovinos ).
D) PREJUÍZOS: Perda de crias, diminuição na produção do leite e doença
nos empregados e até no criador da propriedade.
E) TRATAMENTO: NÃO HÁ: Não se trata ( pelo menos oficialmente ) a
Brucelose pois é caríssimo e com muitas chances de não dar certo. O ideal
e fazer um exame de sangue nos animais a cada 6 meses e descartar os
positivos ( o exame é feito no sangue do animal, portanto é necessário
saber retirar o sangue ).
F) PREVENÇÃO: VACINAR SOMENTE AS FÊMEAS De 3 a 8 MESES
de IDADE uma vez só com uma vacina chamada B-19. Elas ficarão
protegidas por toda a vida. MAS ATENÇÃO: A Vacina só pode ser
aplicada por Veterinário credenciado pelo Ministério da Agricultura. Ela se
mal manuseada pode causar Brucelose na pessoa que está mexendo com
ela. Os animais vacinados recebem uma marca no rosto ( com um ferro
quente ) identificando que estão vacinados além de receberem um
certificado de vacinação emitido pelo Veterinário. Isso porque esse animal,
caso façam exame de sangue nele dará positivo para as titulações normais
para animais que não são vacinados. Por isso a importância da marca e do
certificado. NÃO COMPRE VACAS SEM O CERTIFICADO DE
VACINAÇÃO E A MARCA NA CARA Identificando-a como vacinada
contra Brucelose. Se não for vacinada EXIJA EXAME DE SANGUE
NEGATIVO PARA BRUCELOSE ANTES DE ADQUIRI-LA.
OBS: Algumas Prefeituras fazem uma Campanha contra a Brucelose
vacinando os animais ( como a de Itaboraí ) através de um Veterinário da
Secretaria Municipal de Agricultura do Município. Procure se informar na
Secretaria do seu Município, na EMATER ou no SINDICATO local.

3-) A TUBERCULOSE:
A) Essa aí é outra ZOONOSE muito perigosa para o homem. A
tuuberculose é uma doença que ataca quase todos os tipos de animais e é
dificílima de se curar. Atualmente existem casos de tuberculose sem
chances de cura pois a bactéria se tornou resistente a praticamente todos os
antibióticos. Existem pessoas que vivem dentro de um Hospital direto pois
pegaram uma dessas bactérias resistentes e não conseguem se
curar;Portanto muito cuidado com ela.

B) SINTOMAS:
- Tosse.
- Secreção mucosa ( catarro escorrendo pelo nariz ).
- Dificuldade de Respiração.
- Emagrecimento.
- Diminuição na produção de leite.
- Nódulos ( caroços ) principalmente na região do pescoço.
- O pior é que muitos animais com tuberculose não apresentam sintomas,
por isso é importante o teste da tuberculina pelo menos uma vez ao ano. A
tuberculose pode matar o seu animal e comprometer a saúde de todos na
propriedade.
C) TRANSMISSÃO: Pelo contato com as secreções dos animais, pelo
leite, queijo, cremes e manteigas preparados de produtos de animais
infectados.
D) A Tuberculose é causada por uma bactéria do grupo Mycobacterium.
E) PREVENÇÃO: NÃO EXISTE VACINA PARA OS ANIMAIS; Devese uma vez por ano chamar um veterinário para fazer um teste de
TUBERCULINA no gado. Bezerros a partir de 6 semanas de vida já devem
ser testados. O Veterinário vai a propriedade e injeta na base da cauda do
animal um reagente ( a tuberculina ). Posteriormente ele volta a
propriedade e analisa a reação que houve no local com um instrumento
próprio chamado paquímetro. Caso positivo esse animal é marcado com a
letra P ( de positivo ) com um ferro quente na cara e encaminhado para o
Abate Sanitário. As pessoas que tiveram contato com animais positivos
devem ser encaminhadas a um Posto de Saúde para serem avaliadas e
orientadas por um Médico.

4-) O CARBÚNCULO SINTOMÁTICO:
A) O Carbúnculo Sintomático é também conhecido pelo apelido de
MANQUEIRA, MAL DO QUARTO E MAL DE ANO. Ele ataca
principalmente bezerros na fase de desmame, quando estão mais fraco (
quando saem do leite, um alimento nobre, para o capim que é um elemento
de menor qualidade, por isso é importante nesse período cuidar bem do
animal e fornecer sal mineral alem de colocá-los em boas pastagens. Não é
uma Zoonose mas mata os animais rapidamente. Animais adultos também
são acometidos mas possuem mais resistência.
B) O Agente causador do Carbúnculo Sintomático é o Costridium ( uma
Bactéria ).

C) SINTOMAS:
- Febre Alta.
- Dificuldade de locomoção.
- As fezes caem no chão e se espalham como se fossem borras de café.
- Aparece um tumor na altura da pá com um inchaço. Ao se apertar esse
tumor ele se mostra crepitante ( dá uns estalinhos por causa do ar que se
forma dentro dele juntamente com o material purulento ).
- O animal nesse estágio falece 2 a 3 dias depois. É uma doença de alta
mortalidade para os bezerros e novilhos e se transmite rapidamente.
D) TRATAMENTO: É feito com antibióticos, mas, 90% das vezes
quando se descobre a doença é tarde demais para salvar o animal ( além do
custo do tratamento que é bem mais caro que a sua prevenção ).
E) PREVENÇÃO: VACINAÇÃO. É uma vacina muito barata. Vacina-se
o bezerro aos 3 meses de idade e se faz um mês depois uma outra dose de
reforço. Daí por diante vacina-se somente uma vez ao ano. Na nossa região
ela é endêmica ( está constantemente atacando nossos animais ) portanto
previna-se com a vacinação.
OBS: Existe uma doença causada por um Costridium também chamada
Carbúnculo Hemático, mais comum na região Central do Brasil. Não
confunda pois ela é bem diferente e mata adultos e bezerros de mesmo
jeito; Mas os sintomas são diferentes do Carbúnculo Sintomático.

5-) A RAIVA:
A-) De longe a doença infecto-contagiosa mais agressiva e mortal para os
animais e para o Ser Humano. Não existe cura e é 100% mortal . É uma
ZOONOSE e passa do animal para o Ser Humano.
B-) SINTOMAS: O animal se afasta do rebanho, tem um andar
cambaleante ( a doença afeta o cérebro ), arrasta a ponta dos cascos, há
uma paralisia nas patas traseiras e o animal cai, no chão faz o movimento
de pedalar, as fezes ficam ressecadas, o animal baba bastante, fica
prostrado ( isso é cansado, abatido ) e acaba não resistido a doença que é
mortal. No Bovino a raiva pode também fazer com que ele ataque qualquer
coisa no período antes que se instale a paralisia nas pernas (á mais raro,
mas, pode acontecer ). No cachorro, gato e no ser humano a raiva faz com
que eles ataquem qualquer um tentando morder ou arranhar numa tentativa
do vírus em se disseminar ( espalhar, transmitir para outro ).
C-) TRANSMISSÃO: O principal transmissor da raiva é o Morcego
Hematófago ( que suga sangue ). O Morcego contaminado morde o bovino
para sugar seu sangue e transmite a raiva. É claro que o Morcego acaba
morrendo de raiva também, mas, nesse período acaba transmitindo a raiva.

Animal Atacado por Morcego

O Morcego Hematófago

para outros Morcegos da Colônia que disseminam a doença. A baba dos
animais contaminados também transmite a raiva por isso MUITO
CUIDADO ao suspeitar de raiva num animal; Não chegue perto, não
examine, procure imediatamente um veterinário; Os sintomas de
intoxicação por plantas tóxicas pode se confundir com a raiva; Somente um
Veterinário pode distinguir se é raiva ou não. Uma curiosidade: O Morcego
ataca sempre o mesmo animal identificando-o no rebanho toda a noite; A
disseminação da raiva se dá pela contaminação dos outros Morcegos na
colônia e pela baba dos animais contaminados.
D) TRATAMENTO: Não existe; É uma doença mortal em 100% dos
casos. Pessoas que tiveram contato com animais infectados devem procurar
urgentemente um Posto de Saúde pois se detectada a tempo, existe uma
série de vacinas que o Ser Humano deve tomar para evitar que a doença
progrida ( se for mordido por um animal lave muito bem a ferida com água
e sabão espremendo para sair sangue e procure um Médico urgente ).
E) PREVENÇÃO: VACINAÇÃO. Vacinar os animais a partir dos 3
meses de idade e revacinar todo o ano no mesmo período. Existe uma
vacina chamada ERA que é feita por vírus vivo inativado ( leia na parte de
vacinações ) e tem validade por 3 anos. Só que é uma vacina que precisa de
muitos cuidado ( mal aplicada pode causar raiva ) e só deve ser utilizada
por Médicos-Veterinários.
F-) O COMBATE AO MORCEGO: O Morcego é um animal
extremamente útil a natureza pois os frutíferos ( que comem frutas )
polinizam as frutas fertilizando-as e os insetívoros ( que comem insetos )
diminuem a quantidade de doenças que estes transmitem. Só pouquíssimas
espécies de Morcegos sugam sangue. Não mate morcegos
indiscriminadamente; Procure orientação de um Médico-Veterinário;
Rarissimamente os morcegos que se escondem em casas e telhados são
Hematófagos. Existem produtos para espantá-los sem matá-los;

Em caso de surtos de Raiva na região procure o Serviço de Defesa Sanitária
da Região ( se não souber onde é procure a Emater ou o Sindicato que eles
indicarão ); Eles possuem equipes qualificadas que identificam onde está a
colônia infectada e combatem esse tipo de Morcego de forma seletiva, sem
prejudicar os outros.

6-) A MAMITE OU MASTITE:
A-) Mamite ou Mastite ( é a mesma coisa ) é a inflamação das mamas da
vaca causada por bactérias, fungos e vírus ou por uma reação inflamatória
devido a picadas de insetos e pancadas. A mamite é transmitida
principalmente pela mão do ordenhador. Muitas vezes temos no nosso
rebanho de corte algumas vacas separadas para produzir leite para nossas
famílias e devemos estar atentos para que não contaminemos nossos
animais.
B-) CAUSAS: Picada de insetos ( marimbondos por exemplo ), pancadas e
principalmente as mãos das pessoas que tiram o leite da vaca. Quando
ordenhamos a vaca, ao apertarmos as tetas provocamos a abertura de uma
válvula no canal galactófaro ( que conduz o leite para fora da mama ); Esse
abertura é rápida e o leite sai durante esse período; Quando acabamos de
ordenhar essa válvula leva de 15 a 20 minutos para fechar; É nessa hora
que os germes que estão em volta da teta penetram nas mamas através
desse canal causando a mamite. Por isso é fundamental que o ordenhador
lave as mãos e as tetas antes da ordenha e PRINCIPALMENTE coloque
um produto desinfetante DEPOIS da ordenha nas tetas para evitar que esses
germes cheguem as mamas ( existem vários produtos no mercado para
fazer essa desinfecção ).
C-) TRATAMENTO: Deve ser feito por Médico-Veterinário de acordo
com a causa da Mamite; O tratamento da Mamite normalmente é na teta
infeccionada ( intra-mamário ) e sistêmico ( aplicação de antibióticos no
músculo ). Se conseguirmos identificar a Mamite antes que ela se instale,
podemos somente com o tratamento local evitá-la diminuindo custos e
aumentando as chances de cura; COMO FAZEMOS?: Usamos uma caneca
com um fundo escuro e uma tela cobrindo sua boca; Antes de ordenhar
espirar um a três jatos do leite das tetas na caneca ( desprezar os 2
primeiros jatos ). Se formar grumos ( isto é, pequenas massas brancas ) na
tela, aquela teta está começando a fazer uma Mamite; Aí deixamos a vaca
para ser ordenhada por último ( para não espalhar para outras vacas pela
mão do ordenhador ) e após esgotar o leite dessa teta injetar um produto
indicado por um Médico-Veterinário.

D-) PREVENÇÃO: Utilizar Salas de Ordenha limpas e desinfetadas,
Lavar e Desinfetar as tetas das vacas e as mãos do Ordenhador antes de
depois da ordenha ( PRINCIPALMENTE DEPOIS ), evitar casas de
marimbondos no estábulo e evitar pastos com muitos tocos, arames e
outros objetos que possam ferir as tetas das vacas.

7-) PNEUMOENTERITES:
A) As pneumoenterites são as doenças que atacam os pulmões ( pneumo )
dos bezerros causando pneumonias e as que atacam principalmente o
sistema digestivo ( enterites ) que causam diarréias desidratando os
animais.
B)CAUSAS: São causadas por germes comuns encontrados no meio
ambiente ( Salmonellas, Strepto e Stafiloccocus, coccídios etc... ) e o meio
de contaminação mais comum é pelo umbigo do bezerro recém-nascido e
bezerreiros úmidos e mal higienizados.
C)TRATAMENTO: Antibióticos, coccidiostáticos, anti-inflamatórios e
outros recursos caros são utilizados no combate as pneumoenterites de
acordo com os germes que estão atacando o animal. O Médico-Veterinário
deve ser SEMPRE consultado para orientar o melhor tratamento.
D) PREVENÇÃO: Vacinar a vaca 1 mes antes da parição com a vacina
contra peneumoenterites, para que o bezerro ao mamar possa receber anticorpos produzidos pela sua mãe através do leite, e vacinar o bezerro com 7
e 15 dias de idade como reforço; No nascimento do bezerro cortar o
umbigo em torno de 15 a 20 cm e mergulhá-lo numa garrafa contendo
álcool iodado ( em 1 litro de álcool adicionar 200 ml de iodo ); Manter os
bezerreiros limpos e ventilados durante o dia e fechar com uma cortina o
lado de onde vem os ventos dominantes ( também outra causa das
pneumonias ); Deixar o bezerro mamar todo o COLOSTRO ( o 1º leite que
sai da vaca após o parto, bem amarelado ) durante os 3 primeiros dias pós
parto já que é por ele que a vaca passa sua imunidades adquiridas durante a
sua vida para o bezerro.

CAPÍTULO II
A APLICAÇÃO DE MEDICAMENTOS
O tratador ou retireiro muitas vezes precisa auxiliar o Médico-Veterinário
no tratamento de um animal; Normalmente a aplicação de algumas vacinas
(autógenas ) e medicamentos ( principalmente os antibióticos ) são feitas
em várias aplicações e o Veterinário não pode visitar, por exemplo, 5 dias
seguidos a propriedade. Tendo um trabalhador rural treinado para esse fim,

os custos diminuem e o tratamento é mais eficaz. É claro que cada
medicamento tem sua característica e só um Veterinário deve prescrevê-los
( para evitar que os germes peguem resistência a aquele medicamento ou
para evitar choque anafiláticos nos animais que podem se fatais ).
A-) QUANTO DAR DE MEDICAMENTO?: AS BULAS dos
Medicamentos devem ser lidas antes da aplicação dos Medicamentos; Lá
está a dose recomendada para o animal ( com a orientação do Veterinário ).
Mas normalmente a dose é por Quilo de peso do animal ( tipo: aplicar 10
ml para cada tantos Quilos de peso vivo ). Como a maioria das
propriedades não possuem balança, no anexo dessa apostila fornecemos
uma forma de calcular o peso aproximado de um Bovino com o auxílio de
um fita métrica comum de costureira. Calculada a dose a ser aplicada ( não
mude a dose por conta própria, pode tornar o medicamento ineficiente ou
até ser mortal para o animal ) vamos ver as vias de aplicação de
Medicamentos.
B-) VIA INTRAMUSCULAR: É a injeção no músculo ( na parte externa
da perna e no pescoço preferencialmente ). A agulha penetra no músculo do
animal e o produto se espalha. A aplicação deve ser profunda pois caso ao
contrário poderá formar um abcesso ( caroço ) no local. Caso o couro seja
muito rígido pode-se bater primeiro a agulha no músculo com é feito na
aplicação intravenosa e depois colocar a seringa e injetar o produto.
C-) VIA SUBCUTÂNEA: É a injeção por debaixo do couro do animal,
entre o couro e a carne. Muitas vacinas utilizam essa via. É a menos
perigosa pois o medicamento se espalha mais lentamente e o risco de
formar um caroço é menor.
D-) VIA INTRAMAMÁRIA: É a colocação do medicamento dentro da
teta da vaca para curar a Mamite. Os produtos para esse fim normalmente
vêm com um aplicador para injetar o produto.Caso não venha existe uma
agulha ( que não tem ponta aguda e sim orifícios por onde sai o
Medicamento ) que é utilizada com uma seringa para injetar o produto. Não
esquecer de esgotar o leite antes injetar o medicamento e injetá-lo TODO e
PROFUNDAMENTE na teta afetada. Após a aplicação fazer uma
massagem com o dedo para cima da teta em direção a mama a fim de que o
produto penetre mais.

Aplicação intra-mamária
Massagem na teta após aplicação
E-) VIA ORAL: Pela boca. Pode ser através de uma seringa ou pistola
com um aplicador na ponta. Também pode ser através de uma garrafada
como veremos na prática. Cuidado ao administrar o medicamento. Não
espirre na goela do animal: injete na boca para que ele engula pois caso ao
contrário você pode levar o produto diretamente para os pulmões e não
para o rumem ( causando uma pneumonia no animal ou ser mortal pela
quantidade de medicamento ).

Aplicação Oral com Pistola

Uso de Garrafadas

F-) VIA INTRADÉRMICA: É exatamente no couro, utilizado para exame
de tuberculose por exemplo ( nas aves é feito na vacinação contra a Bouba
Aviária ). Não faremos na prática pois não é usual para trabalhadores
rurais, mas estamos citando para que você possa saber que existe.
G-) VIA INTRAVENOSA: É sem dúvida a aplicação mais difícil e a mais
perigosa para o animal ( porém a mais eficiente e a mais utilizada em
emergências ). Pode ser através da veia do pescoço ou a veia que leva o
sangue a teta. Para ultrapassar o couro até chegar a veia temos que bater a
agulha no animal transpassando o couro até chegar a veia ( sem atravessar a
veia, por isso o tamanho da agulha é muito importante ). Ao acertar a veia o
sangue jorra pela agulha; O trabalhador então coloca a seringa ou o soro na
agulha e faz o produto ir para a corrente sanguínea do animal. Como o
produto vai direto no sangue o efeito é imediato e muito eficaz. Porém
alguns medicamentos devem ser administrados de forma vagarosa para não
causar um choque no animal ( Cálcio por exemplo ). Caso haja dúvida
consulte antes um Médico-Veterinário.
H-) APLICAÇÕES TÓPICAS: Nada mais é que a aplicação de produtos
na parte externa do animal para curar feridas. Deve-se sempre LAVAR
BEM o ferimento, de preferência com Soro Fisiológico, a seguir enxugar o
local com algodão ou gaze e passar o produto indicado cobrindo todo o
ferimento incluindo os bordas. Curativos com esparadrapo em bovinos
dificilmente ficam no lugar; Para cobrir ferimentos existem produtos que
criam uma camada sobre ele para evitar moscas e acelerar a cicatrização (
Os ungüentos por exemplo ).

Lembre-se que alguns ferimentos podem estar contaminados não só por
bactérias como também por fungos; Só um Médico-Veterinário poderá
indicar qual o produto deve ser utilizado naquele ferimento. Em lesões de
casco ( principalmente entre os dedos dos animais ) deve-se limpar o
ferimento retirando cuidadosamente a sujeira e com uma faca o tecido
morto ( enegrecido ) do local; A seguir fazer o animal passar por um
PEDILÚVIO que é um reservatório feito de alvenaria no chão do Brete ou
na entrada e/ou saída do curral. Nesse local é colocado um desinfetante
onde o animal passa e tem o medicamento incorporado a ferida. Ele deve
ficar parado algum tempo no local para que o produto faça efeito; O casco
deve ficar coberto com o produto diluído nesse reservatório. Vários
produtos estão a disposição do criador para serem utilizados no pedilúvio (
Biocid, Kilol etc... ). O pedilúvio também pode ser utilizado na
PREVENÇÃO de doenças de casco principalmente em propriedade que
tem pasto encharcados o que torna os animais susceptíveis ( propensos ) a
ter o GABARRO ( que é uma podo-dermatite ) e causa infecções no casco.
A passagem dos animais pelo pedilúvio na entrada dos currais utilizando
esses produtos ou até mesmo CAL auxilia na prevenção da doença.
ALGUNS TIPOS DE MEDICAMENTOS UTILIZADOS:
1-) ANTIBIÓTICOS: Para combater infecções causadas normalmente por
bactérias.Podem ser bacteriostáticos pois impedem as bactérias de se
reproduzir e realizar algumas funções metabólicas (Sulfas) ou Bactericidas
que matam as bactérias (Penicilinas). Os antibióticos devem ser prescritos
por um Veterinário pois cada um ataca um tipo de doença e as doses podem
ser alteradas em função da doença ou da fase dela. Não use antibióticos
sem a recomendação do Médico-Veterinário. Você pode causar um dano
maior que a doença que está tentando curar.
2-) ANTI-INFLAMATÓRIOS: Para combater inflamações que não têm
presença de germes e podem ser causadas por pancadas e doenças autoimunes. Os anti-inflamatórios de uma maneira geral atacam o estômago dos
monogástricos ( nós, os eqüinos, os suínos etc... ) mas são bem tolerados
por ruminantes. Podem ser Hormonais e não Hormonais.
3-) ANALGÉSICOS: Para tirar a dor do animal.
4-) ANTI-ESPAMÓSDICOS: Para combater a cólica que é a dor
abdominal ( na barriga ). Utilizados em diarréias agudas que causam dor.
5-) ANTI-PIRÉTICOS: Para combaterem a febre. A febre é uma reação
positiva do organismo. Significa que o corpo está tentando combater
alguma doença. Só que o excesso de febre nos trás prejuízo ( ataca os
órgãos, causa desidratação etc... ) e portanto em excesso deve ser
combatida.

6-) ANTI-HISTAMÍNICOS: Para diminuírem reações alérgicas dos
animais causada por picadas de insetos, reação alérgica a algum tipo de
produto ou vegetal etc...
7-) COCCIDIOSTÁTICOS: Combate coccídios ( protozoários de uma
maneira geral tais como amebas, giárdias, anaplasma, babésia etc... )
8-) ANTI-FISIÁTICOS: Combatem o excesso de gases no estômago ou
nos intestinos que causam dor e desconforto abdominal.
9-) ANTI-ÁCIDOS: Para combater o excesso de ácido clorídrico no
estômago ( as azias e as dores estomacais por úlceras e gastrites ).
10-) VERMÍFUGOS: Para combater os vermes nos intestinos dos animais
que causam emagrecimento e diarréias. Existem vermífugos que combatem
vermes chatos ( Taenias e Dipilídios ) e verme redondos ( Lombrigas )
sendo que o ideal é utilizar vermífugos de ampla espectro ( que combatem
os 2 tipos de vermes ( consulte um Veterinário ).
11-) ANTI-PARASITOS EXTERNOS: Combatem parasitas externos no
animal tais como pulgas, carrapatos e bernes. São aplicados em banhos ou
colocados no dorso ( costas ) do animal. Alguns também são injetáveis.
12-) ANTI-FÚNGICOS: Para combater fungos que atacam os animais
principalmente os que vivem em ambientes úmidos e sem ventilação. Os
fungos são do reino vegetal e também parasitam animais.
13-) ANTI-TÓXICOS: Para as intoxicações causadas por alimentos
estragados e excesso de medicamentos. Lembre-se que os anti-tóxicos têm
pouca validade em intoxicações por plantas tóxicas pois elas têm efeito
acumulativo. Quando o animal ingere a DML ( Dose Mínima Letal ) o
veneno se espalha pelo seu corpo o que é mortal ( geralmente morre perto
de água pois quando ele a bebe faz o veneno espalhar pelo corpo; O animal
costuma inchar a barriga depois disso ).
14-) COMPLEXOS VITAMÍNICOS: Produtos contendo vitaminas além
de outras substâncias para fortalecer e recuperar animais doentes. São
complementos da dieta animal.
15-) DIURÉTICOS: São auxiliares na desintoxicação, para diminuir
edemas ( inchaços com líquido ) e para diminuir a pressão arterial.

AS BULAS
Todos os Medicamentos vêm com um papel chamado BULA onde estão
decritas as características do produto ( para que serve, como tomar, quais as
reações que ele pode causar etc... ). Assim, mesmo com a orientação de um

Médico-Veterinário devemos ler a Bula do que estamos aplicando para que
possamos estar cientes do produto que estamos utilizando e quais os danos
que ele pode causar se aplicarmos ou utilizarmos de forma incorreta. Na
Bula as indicações básicas são:
- COMPOSIÇÃO: É a base do Medicamento. O produto que ele contêm.
- INFORMAÇÕES SOBRE A AÇÃO DO PRODUTO OU INDICAÇÕES:
É o que devemos esperar daquele medicamento; Pará que ele serve.
- CONTRA-INDICAÇÕES: As situações em que não devemos administrar
aquele produto ( o animal pode ser alérgico a ele, pode ter alguma doença
ou deficiência que impeça de tomar aquele produto etc... ).
- INFORMAÇÕES TÉCNICAS: Destinadas ao Médico-Veterinário para
que possa se orientar melhor na utilização do produto.
- INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS: São os remédios que não podem
ser tomados junto com esse produto pois podem anular seu efeito ou
aumentá-lo trazendo riscos ao animal.
- POSOLOGIA: È aqui que devemos ler bem: Diz a quantidade que o
produto deve ser administrado. Aqui só diz a dose diária; A quantidade de
dias que o produto deve ser administrado só deverá ser informado por um
Médico-Veterinário. Nesse local também informa a via que o animal deve
receber o medicamento ( intramuscular, oral, subcutânea etc... ).
TODO O MEDICAMENTO DEVER SER VENDIDO SOB
PRESCRIÇÃO MÉDICA,
- Isto é, só deve ser administrado sob a orientação de um MédicoVeterinário. Devemos ler a BULA para conhecermos com que estamos
lidando ( alguns medicamentos vêm até com um local que descreve para o
paciente ­ no caso aqui para o dono do animal ­ o que é aquele
medicamento e para que ele serve ) mas nunca devemos medicar um
animal sem consultarmos um Veterinário para que o tratamento tenha o
efeito desejado sem prejudicar o animal e a sua saúde.

CAPÍTULO III
O MANEJO DOS BEZERROS
Na Bovinocultura de leite, além da produção de leite o criador pode ter 3
tipos de atividade podendo elas serem realizadas na mesma propriedade ou
serem feitas uma fase em outra propriedade ou por outro criador; São elas:
A Cria ( a criação do bezerro nascido na propriedade ), a Recria ( quando
se cria os bezerros até a idade de desmame com 5 a 6 arroubas para vender
a outro criador ) e a Engorda ( quando se cria os garrotes e novilhos
desmamados até o abate ).

No caso da Cria temos o produto dela que é o Bezerro. Para que ele nasça
forte temos várias medidas a tomar, mas, a principal e a seguinte:
Alimentar bem a Vaca Gestante. Nada de invernadas e retiros onde os
pastos são os piores da propriedade. Esse animal irá produzir uma cria e
estará comendo por 2. O alimento deve ser de boa qualidade e em
quantidades adequadas para que não haja problemas na parição e que o
bezerro nasça forte e saudável. As medidas são as seguintes:
1-) VACINAR A VACA CONTRA PNEUMOENTERITE UM MÊS
ANTES DA PARIÇÃO: O Bezerro já no útero da Vaca estará recebendo a
proteção contra a maioria das diarréias e pneumonias.
2-) NO PARTO: CASO ASSISTA A PARIÇÃO NÃO SE ENVOLVER
COM ELA; A Vaca sabe o que faz; Ela limpa o bezerro lambendo-o e com
isso ativa a circulação sanguínea do mesmo. Só interfira se observar se o
bezerro nasce muito fraco e a vaca também por estar muito fraca não
proceder as lambidas no bezerro; Neste caso auxilie na saída do bezerro,
limpe das narinas dele e passe a mão sobre todo o corpo dele,
principalmente no tórax retirando os resíduos do parto e ativando a
circulação. MAS CUIDADO COM A BRUCELOSE. Só faça isso se a
Vaca tiver sido examinada para Brucelose e o resultado for negativo. A
maior contaminação por Brucella no ser Humano são nos casos de parto.
3-) CORTAR E DESINFECTAR O UMBIGO: O umbigo é o local onde
os germes costumam entrar para causar diarréias e pneumonias. Cortar o
umbigo a um palmo da sua base ( de 15 a 20 cm mais ou menos ). Ficará
um cordão do umbigo pendurado.Pegue um frasco com uma boca larga,
coloque um desinfetante ou álcool iodado. Mergulhe o umbigo totalmente
nessa solução e deixe pelo menos por 30 segundos. Evite que bezerros
durmam em locais sujos nos primeiros dias de vida.
4-) APLICAR UMA DOSE DE REFORÇO CONTRA
PNEUMOENTERITE: Entre o 7º e o 15º dia reforçando suas defesas.
5-) MOCHAR O BEZERRO: É a retirada do botão germinativo do chifre
do animal. Issop impede que o chifre cresça deixando o animal mais dócil e
diminuindo os acidentes entre os animal ( fora a quantidade de cálcio que o
animal deixara de utilizar na formação do chifre ). Deve ser feita no 1º mês
quando o chifre é apenas um botão. Se o chifre crescer haverá a
necessidade de uma cirurgia chamada descorna que é traumática e exige
anestesia, fios cirúrgicos além dos riscos de infecções. O processo é o
seguinte: imobiliza-se o animal no chão enquanto deixamos o ferro de
mochar num fogo forte; Cortamos o pelo que estão em volta do chifre e
cortamos com uma faca a ponta do chifre deixando em exposição o botão

germinativo ( a parte branca do centro do chifre ); Com o ferro de mochar
queimamos o botão germinativo e imediatamente após o processo passar
ungüento no local. Existe uma pasta chamada R-15 que é utilizada ao invés
do ferro quente, mas, por incrível que pareça é mais traumática pois fica
queimando o botão causando desconforto ao bezerro que, ao mamar na
vaca encosta o local na barriga dela queimando-a.

Bezerro sendo Mochado
6-) VERMIFUGAR O BEZERRO COM 1 A 2 MESES DE IDADE:
Utilizando vermífugos de amplo espectro como vimos no capítulo anterior.
7-) VACINAR CONTRA MANQUEIRA ( Carbúnculo Sintomático ):
Aos 3 meses de idade e repetir com 4 meses.
8-) VACINAR CONTRA A RAIVA: A partir dos 4 meses de idade.
9-) NOS MESES DE MARÇO E SETEMBRO VACINAR CONTRA
AFTOSA.
10-) A PARTIR DO DESMAME VACINAR E VERMIFUGAR
PERIODICAMENTE OS ANIMAIS.

A CASTRAÇÃO DOS MACHOS
Animais com 18 meses a no máximo 24 meses devem sr castrados
utilizando um instrumento chamado BURDÍZZO ( figura abaixo ). A
utilização é simples: Segurar os testículos e localizar os cordões
espermáticos na base da bolsa escrotal; Prenda os cordões com a boca do
Burdízzo , loga acima dos testículos e feche o Burdízzo mantendo apertado
por 1 minuto; Aplique um repelente no local para evitar Bicheira. A
castração deixa os animais mais calmos , os machos castrados podem ficar
com as fêmeas no pasto e além disso engordam mais rapidamente e ficam
com a carne mais saborosa.

O Burdizo

CAPÍTULO IV
CONTROLE DE ENDO E ECTOPARASITOS.
Endoparasitos são os vermes e protozoários que parasitam os animais
internamente ( nos órgãos internos tais como intestinos, estômago, pulmões
etc... ) e Ectoparasitos são os que parasitam o animal externamente (
Pulgas, Carrapatos e Bernes ). Cada qual tem um controle e nesse capítulo
iremos descreve-los:
1-) ENDO PARASITOS: São em maioria os vermes chatos e
redondos e os protozoários ( amebas, anaplasmas, babésias etc... ).
VERMES CHATOS E REDONDOS: Combatê-los com aplicações de
vermifugos de forma estratégica. Aplicar nos bezerros 4 doses/ano sendo
que 1 dessas doses deve coincidir com a entrada do período da Secas (
Abril/Maio ) e uma dose na saída do período das secas ( Setembro/Outubro
). Nos adultos somente uma dose na entrada das Secas e uma dose na saída
da Secas. No caso dos adultos avaliar a real necessidade da vermifugação
fazendo um exame de fezes uma vez por ano numa amostragem ( pegar
fezes de 10 a 12 animais aleatoriamente e enviar ao laboratório ). O
vermífugo deverá ser de amplo espectro ( eliminar vermes chatos e
redondos ). Existem produtos orais e injetáveis. Um Veterinário deverá
avaliar qual o vermífugo ideal para a região baseado no exame de fezes.
PROTOZOÁRIOS: Caso apareça no exame de fezes utilizar
medicamentos apropriados para a eliminação do mesmo. Não se faz
aplicação de prevenção. Animais anêmicos ( com o sangue ralo ) são
suspeitos de doenças chamadas piroplasmoses ( causadas por anasplasmas
e Babésias ). São protozoários que atacam o sangue rompendo hemácia e
deixando o animal numa anemia profunda sendo mortal. Notando os
sintomas chamar um Veterinário que indicara o tratamento.

2-) ECTO PARASITOS:

Fêmea do Carrapato

Ataque de carrapatos em bovinos

CARRAPATOS: São ÁCARO parasitas externos que sugam o sangue do
boi. Causam grande prejuízo pois além de sugarem o sangue fazendo o
animal perder peso, transmitem doenças tais como a anaplasmose e a
Babesiose que também atacam o sangue do animal. O Carrapato tem um
ciclo descrito abaixo:

Os carrapatos macho e fêmea encontram-se no corpo do animal; Acontece
a fecundação e a fêmea suga bastante sangue ficando quase 10 vezes maior
do que o normal. Ela faz isso para alimentar os ovos que estão no seu corpo
( normalmente o macho é o carrapato pequeno que fica embaixo da fêmea
no corpo de boi ). A fêmea ingurgitada ( bem cheia ) de sangue cai no chão

libera os ovos no pasto ( de 2.000 a 4.000 ovos ). De 7 a 13 dias há a
eclosão e as larvas infestantes vão para a ponta do capim. Ao passar um
animal pelo pasto as larvas sobem no corpo dele crescem e novamente
iniciam o Ciclo. Esse Ciclo dura em média 21 dias mas nesse período 100
fêmeas de carrapato fazem o animal perder cerca de 20 Kg de peso/ano (
fora a transmissão de doenças )

Carrapatos no pasto aguardando a passagem de um animal
O CONTROLE ESTRATÉGICO DO CARRAPATO
Sabemos que o período de reprodução do carrapato ( Boophilus microplus
que é o carrapato do boi ) é no período das águas. Nesse período 95% deles
estão no chão reproduzindo-se e 5% no animal. No período das secas é o
período de infestação, por isso vemos tantos carrapatos no boi nos meses
frios. Só que ele está mais vunerável no período reprodutivo. O QUE
FAZER ENTÃO?
- FAZER PULVERIZAÇÕES CARRAPATICIDAS DE 21 EM 21
DIAS NOS MESES DE JANEIRO A ABRIL DIMINUINDO
CONSIDERAVELMENTE A QUANTIDADE DE CARRAPATOS
NOS ANIMAIS NO PERÍODO SECO POR ESTAR QUEBRANDO
O CICLO DELE NO INÍCIO: Quando a larva tenta subir no animal
para realizar o ciclo reprodutivo no período das águas recebe uma
carga de carrapaticida e não consegue terminar o ciclo. A carga de
carrapatos no boi diminui muito.
Para Que o Tratamento seja eficiente é necessário seguir as seguintes regras
na aplicação do Produto:
1-)
PREPARAR
O
CARRAPATICIDA
NA
DOSAGEM
RECOMENDADA PELO FABRICANTE.
2-) MISTURAR BEM O PRODUTO COM A ÁGUA.
3-)
UTILIZAR
PULVERIZADORES
BEM
REGULADOS
PROPORCIONANDO A FORMAÇÃO DE MICROGOTÍCULAS.
4-) EVITAR DIAS CHUVOSOS OU DE SOL FORTE.

5-) APLICAR EM TODO O CORPO DO ANIMAL.
6-) NOS PRODUTOS ¨POUR ON¨ CONHECER BEM O PESO DO
ANIMAL PARA UTILIZAR A QUANTIDADE RECOMENDADA.
7-)
BANHAR O ANIMAL ATÉ QUE O PRODUTO ESTEJA
PINGANDO DO COURO E NÃO APENAS ¨ BATIZAR ¨ O ANIMAL.
8-) SEMPRE PULVERIZAR CONTRA O PELO DOS ANIMAIS.
9-) PREFERENCIALMENTE UTILIZAR BOMBAS CAPETAS OU
MECÂNICAS.
MIÍASES: São as BICHEIRAS causadas por moscas. Elas utilizam o
Animal para colocar seus ovos que penetram no couro do animal e viram
larvas alimentando-se dele. Assim fazem o Ciclo e viram moscas indo
procurar outros animais. Dão sempre preferência em colocar seus ovos em
feridas abertas por isso é importante tratar as feridas com repelentes de
moscas.
As BICHEIRAS podem ter somente uma larva ( As moscas Dermatobias,
que chamamosde varejeiras, aquelas grandes, colocam uma larva no animal
ou sobre outra mosca que leva o ovo para ela ao animal ) ou várias larvas (
As mosca Coclyomia colocam vários ovos no animal causando as bicheiras
com várias larvas ).
A PREVENÇÃO DAS MIÍASES se dá no controle das moscas. Ambientes
sombrados e úmidos abrigam moscas ( Bambuzais por exemplo ), além de
estábulos sujos e sem esterqueiras. Deve-se evitar moscas com papéis pega
moscas ou barbantes pendurados banhados com melaço e um produto letal
para elas misturado. No animal deve-se curar feridas sempre que possível
utilizando repelentes cicatrizantes ou unguentos com o mesmo efeito. O
óleo queimado ajuda pois há necessidade da Bicheira ter um orifício para
que as larvas respirem e o óleo queimado, além de repelir outras moscas,
atrapalha a respiração das larvas.
A MOSCA DO CHIFRE: É uma mosca muito pequena ( a Dermatóbia
Irritans ) com uma minúscula asa-delta. Ela pica o animal deixando-o
muito irritado e diminuindo a produção de leite e carne. Existem casos de
5.000 a 10.000 moscas encontradas em um só animal. O inseto pousa
sempre de cabeça para baixo e prefere animais escuros ou com manchas
escuras. Ela recebeu esse nome por causa do hábito de se situar entre os
chifres do animal, mas ataca todo o corpo, principalmente o dorso dos
animais. Um Boi infestado por moscas do chifre chega a perder 40 Kg/ano
( 500 moscas retiram 60ml de sangue do animal por dia ). Elas se acasalam
no boi e depois depositam seus ovos no esterco.
CONTROLE:
1-) Manter as instalações limpas e uma esterqueira bem manejada.
2-) Aplicar no animal produto a base de piretróides caso o ataque seja
muito

intenso ( Barrage é um bom produto por exemplo desde que seja
corretamente utilizado com as diluições corretas ).
3-) Não tratar nos meses de junho, julho e agosto pois na época seca o nº de
moscas é baixo.
4-) Tratar 2 vezes em setembro com um produto a base de organofosforado.
5-) O tratamento deve-se intensificar no período chuvoso quando as moscas
mais incomodam os bovinos.
6-) Uma vez introduzida na propriedade dificilmente haverá erradicação
dela; Deve-se utilizar as estratégias comentadas acima para diminuir os
prejuízos causados por ela.

A Minúscula Mosca do Chifre

CAPÍTULO V
CONTENÇÃO DE BOVINOS
Para trabalhar com Bovinos muitas vezes é necessário imobilizá-los para
realizar tratamentos, vacinações etc... Para vacinações a melhor estrutura
para esse tipo de trabalha é o TRONCO ou BRETE; Essa estrutura é um
corredor com 0,50 a 0,60 cm de base, 1,80 a 2,00 metros de altura e 1,00 a
1,10 metros de largura no alto ( isso devido ao tamanho dos animais a
serem trabalhados ). O ideal é que um lado seja ereto e o outro caído saindo
de 0,60 cm do solo até 1,10 metros no topo. Os animais ao entrarem num
local assim têm a sensação de desequilíbrio e se preocupam em não cair
facilitando a vacinação e aplicação de medicamentos. TODA A
PROPRIEDADE que criam Bovinos devem ter OBRIGATÓRIAMENTE
essa estrutura para facilitar as vacinações diminuindo significativamente os
acidentes para o empregado e para os animais. Deve haver uma passarela
paralela ao Brete na altura de 50 cm para facilitar a vacinação pelo
empregado.Toda a estrutura é feita em réguas de madeira. Não esquecer de
uma seringa ( que é um funil feito em madeira para direcionar o gado para
o Brete ).

O Brete ou Tronco é a melhor estrutura para realizar Vacinações
PARA A CONTENÇÃO DE BOVINOS COM CORDAS EXISTEM
DIVERSOS PROCESSOS; VAMOS INDICAR OS MAIS SIMPLES:
1-) PARA DERRUBAR UM ANIMAL NO CHÃO:
- Prender o animal num mourão com uma corda; Utilizar uma corda de
10 metros; Passar a corda pelo pescoço do animal e cruze por baixo
das axilas; Cruze a corda por cima do lombo do animal; Cruze a
corda passando-as pelas pernas traseiras; Puxe a corda para trás, a
pressão fará o animal cair; Afrouxar a corda do pescoço e amarrar as
patas.

2-) PARA IMOBILIZAR O ANIMAL EM PÉ:
- Amarrar a cabeça do animal num mourão; Puxar o animal até o
mourão; Pegar uma corda com as duas mão, uma na ponta e outra no
meio da corda; Jogar a corda pelas patas traseiras do animal acima
do joelho; Puxe a corda juntando as pernas; Passe a corda entre as
pernas do animal envolvendo a outra corda por cima; Puxe a corda
juntando as pernas; Amarre a corda fazendo um laço de maneira que
possa ser solto puxando uma das pontas.

Amarrar no mourão e pear o animal a fim de contê-lo em pé
Amarre sempre as cordas de forma que possa solta-las rapidamente caso
haja necessidade ( sempre em laço ); Todo o objetivo é conter o animal sem
machucá-lo em sem machucar alguém; O animal não tem noção da força
que tem e sempre tentará se desvencilhar das cordas; Trabalhe com calma e
atento ao trabalho para evitar acidentes desnecessários.

CAPÍTULO VI
VACINAÇÃO DE BOVINOS
1-) O QUE É VACINA ?
- É UMA SUBSTÂNCIA QUE UMA VEZ INTRODUZIDA NO
ANIMAL ESTIMULA A PRODUÇÃO DE ANTI-CORPOS DE
DEFESA DO ORGANISMO CONTRA A DOENÇA A QUAL A
SUBSTÂNCIA ORIGINOU.
2-) DE QUE É FEITA A VACINA ?
- É FEITA DOS MICRÓBIOS MORTOS OU DE FORÇA
ATENUADA .
3-) PARA QUE SERVEM AS VACINAS ?
- PREVENTIVAS = SÂO AS MAIS COMUNS. ELAS NÃO
CURAM SE A DOENÇA ESTIVER INSTALADA. ELAS
APLICADAS NO ANIMAL EVITAM QUE ELE PEGUE
AQUELA DOENÇA EX: New Castle, Bouba, Aftosa, Raiva ,
Coriza, Manqueira etc...
- CURATIVAS =
AS QUE OBRIGAM O ORGANISMO A
REAGIR CONTRA A DOENÇA JÁ INSTALADA; SÃO
CHAMADAS DE VACINAS AUTÓGENAS Ex: Papilomatose (
Figueira ).

4-) POR QUÊ VACINAR ?
- PORQUE A VACINAÇÃO É A MEDIDA MAIS BARATA E
ECONÔMICA PARA DAR PROTEÇÃO AOS ANIMAIS.
- O HOMEM INTELIGENTE AGE EVITANDO A DOENÇA.
PESSOAS DE BAIXO NÍVEL APENAS REAGEM QUANDO
VÊM UMA DOENÇA TENDO MAIOR CUSTO E TRABALHO.
A INTELIGÊNCIA NÃO È MEDIDA PELA QUANTIDADE DE
CONHECIMENTOS QUE A PESSOA TEM MAS SIM PELO
EFETIVO USO DOS CONHECIMENTOS ADQUIRIDOS.
10 MANDAMENTOS PARA VACINAR CORRETAMENTE:
1-) APLICAR A DOSE INDICADA NA BULA.
2-)VERIFICAR O PRAZO DE VALIDADE DA VACINA
3-) VERIFICAR A VIA DE APLICAÇÃO DA VACINA.
- VIA SUB-CUTANEA ( Sobre a pele ).
- VIA INTRA-MUSCULAR ( No músculo ).
- INTRADÉRMICA ( Na pele ).
4-) VERIFICAR SE A AGULHA A SER UTILIZADA É COMPATIVEL
COM A VIA DE APLICAÇÃO.

5-) NÃO DEIXAR VACINA EXPOSTA AO SOL.
6-) VACINA CONGELADA É VACINA INUTILIZADA.
7-) A VACINA DEVE ESTAR A TEMPERATURA ENTRE 4º A 8º C.
8-) SACUDIR O FRASCO DE VACINA PARA MISTUTAR A
SUBSTÂNCIA SÓLIDA ( A VACINA ) COM A PARTE LÍQUIDA ( O
VEÍCULO DE APLICAÇÃO ).
9-) VACINAR ANIMAIS SADIOS E DESCANÇADOS.
10-) LAVAR E ESTERILIZAR OS MATERIAIS DE VACINAÇÃO (
PRINCIPALMENTE AS AGULHAS ) ANTES E DEPOIS DO
TRABALHO.
LEMBRETE: ÁLCOOL É FIXADOR E NÃO DESINFETANTE. É UTILIZADO NA
APLICAÇÃO DE MEDICAMENTOS PARA EVITAR QUE OS GERMES ANDEM ATÉ
O ORIFICIO FEITO PELA AGULHA DANDO TEMPO PARA O ORGANISMO
CICATRIZAR A ABERTURA.

TIPOS DE MEDICAMENTOS:

OBS 1: A VACINA CONTRA AFTOSA DEVE SER APLICADA NA
TÁBUA DO PESCOÇO DO ANIMAL.
OBS 2: A PISTOLA DE VACINAÇÃO DEVE SER DESMONTADA E
LAVADA COM DETERGENTE APÓS VACINAÇÃO PASSANDO
VASELINA LÍQUIDA NAS PARTES DE BORRACHA E WD-40 ( UM
LUBRIFICANTE EM SPRAY ) NAS ROSCAS E PARTE INTERNA.
OBS 3: NÃO DEIXAR DE LEVAR A DECLARÇÃO DE VACINAÇÃO DE
AFTOSA NA DEFESA SANITÁRIA ANIMAL OU NA COOPERATIVA PARA
CONTROLE DO ESTADO DA VACINAÇÃO ( EVITE MULTAS POIS A
VACINAÇÃO CONTRA AFTOSA É OBRIGATÓRIA ).

CAPÍTULO VIII
HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO
O trabalhador rural vive num ambiente sadio, sem poluição, com poucos
momentos de estress e com uma alimentação sadia desde que ele plante e
colha o que come. Mas é evidente que existem momentos em que existem
risco a sua saúde e a sua integridade física, por isso deve estar atento as
seguintes regras, pois, em caso de doença ou acidente tanto o empregado
como o empregador têm prejuízo com os dias parados:
1-) Sempre que puder lavar as mãos principalmente antes das refeições.
ISSO É FUNDAMENTAL para a nossa saúde e a sua manutenção.
2-) Ao utilizar materiais cortante lav-los ANTES E DEPOIS DE UTILIZALO. Manter esses instrumentos em lugares limpos e seguros ( facas,
agulhas, serras etc... ).
3-) Andar calçado, de preferência de BOTAS para proteger de vermes,
carrapatos, cobras etc... A Bota pode ser quente e desconfortável, mas, o
que ela evita ( mordeduras, doenças por carrapatos, cortes profundos no pé
etc... ) é muito mais.
4-) Trabalhar com os animais com calma e sempre concentrando-se no
trabalho para evitar acidentes. Antes de qualquer trabalho verificar se o
material que irá utilizar ( cordas, ferros, agulhas, seringas etc... ) estão a
disposição e de fácil acesso. Não comece um trabalho sem antes de
PLANEJAR O QUE IRÁ FAZER; A maioria dos acidentes acontecem por
falta de planejamento; Não custa nada verificar se o Brete está em boas
condições de uso antes de utilizá-lo; De repente uma tábua solta ou uma
dobradiça enferrujada causa um grave acidente; Verifique tudo antes de
iniciar o trabalho.
5-) A vaca, o Touro e o Bezerro tem a tendência de dar o coice para o lado
e não para trás como o cavalo; E ELES SÃO RÁPIDOS E FORTES; Ao

chegar perto de um animal vá com calma. No caso aqui o SER
RACIONAL é você, portanto quem deve tomar os cuidados e planejar o
que fazer não é o animal.
6-) Tenha sempre em mãos para os Primeiros Socorros: GAZE,
ESPARADRAPO, MERCÚRIO CROMO OU MERTIOLATE, ÁGUA
OXIGENADA, UMA TESOURA E LUVAS.
7-) MANTENHA EM DIA A VACINA ANTI-TETÂNICA: Estamos no
meio rural num ambiente onde os cortes são constantes. Desses cortes
muitos são em materiais enferrujados onde vivem as bactérias do tétano,
doença perigosa e mortal para o ser humano. É importante procurar um
Posto de Saúde e manter o empregado vacinado contra essa doença já que é
bastante perigosa, mas, pode ser evitada com a vacina em dia.
8-) Lembre que quando você se arrisca e diz que o problema é seu, na
verdade não é pois alguém tem que levá-lo a um Hospital e muitas vezes
tem que ficar com você lá durante alguns dias; Portanto o problema é de
todos; Não se arrisque a toa, siga as normas de segurança e higiene e tenha
qualidade de vida para você e para a sua família.

A PROTEÇÃO DO MEIO AMBIENTE
- Em meio ao caos que está se tornando o nosso planeta em relação ao
clima, é fundamental que cada um faça a sua parte para preservar o meio
ambiente e para isso devemos começar pela nossa propriedade com as
seguintes regras básicas:
1-) TODAS as embalagens de produtos utilizados na propriedade tais
como: medicamentos, adubos, rações etc... devem ser descartados. Não
deixar embalagens e vidros jogados no estábulo, no pasto e ao redor das
construções pois, além de poderem causar acidentes graves contaminam o
ambiente com resíduos.
2-) AS embalagens de Agro-Tóxicos devem ser devolvidas para as casas
comerciais que as venderam, pois elas estão orientadas a recebê-las e dar o
destino correto a elas de acordo com a legislação ambiental.
3-) NÂO realizar queimadas sem a orientação de órgãos competentes.
Mesmo aceiros ( áreas abertas para evitar a propagação do fogo ) devem ter
a orientação de pessoas que têm a experiência no assunto ( bombeiros por
exemplo ). Agora, o certo mesmo e NÃO UTILIZAR O FOGO para limpar
áreas e outros procedimentos. O Fogo SEMPRE irá prejudicar o meio
ambiente e o seu solo destruindo o trabalho de centenas de ano da natureza
que formou aquele solo, dando vida a ele.
4-) AS árvores nativas não devem ser derrubadas sem a autorização do
órgão responsável no município. Mesmo as árvores plantadas para corte (
tais como eucalipto, pupunha etc... ) devem ter um registro para o corte
registrado no Ibama através do órgão ambiental municipal. Cortar árvores

é um crime ambiental e deve haver autorização com uma boa justificativa
para tal ato.
5-) Retirar aréola é crime ambiental dos mais graves. Só com autorização
expressa dos órgãos responsáveis do setor. A retirada causa estrago severo
a sua propriedade. O que a natureza leva anos e anos construindo, é
destruído pelo homem em poucas horas e a natureza levará centenas de
anos para reconstruir. Essa retirada causa um grande desequilíbrio ao meio
ambiente e a sua propriedade. Preserve a sua propriedade para seus filhos e
netos e não faça essa retirada que lhe dará recursos momentâneos mas
prejuízos duradouros.

BIBLIOGRAFIA
- O BOVINOCULTOR ­ Apostila da EMATER-RIO ­ Dr. Aldecy
José Hermerly e Dr. José Cantarino Villela.
- ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS ­ Livreto do SENAR ­
1998 ­ Elaboração ­ Administração Regional de Goiás.
- TRANSMISSÃO DE DOENÇAS POR CARRAPATOS ­ Apostila
da UFRrJ ­ Professor C. L Massard.
- REVISTA a Lavoura ­ Dezembro de 2002- Sociedade Nacional de
Agricultura.
- FOLHETOS DA DEFESA SANITÁRIA ANIMAL DO RJ ­ Aftosa,
Brucelose, Raiva e Carbúnculo Sintomático.
- CUIDADOS COM BEZERROS ­ Embrapa 1996 ­ Drª Márcia
Cristina de Sena Oliveira e Dr Gilson Pereira de Oliveira.
- CONTENÇÃO DE BOVINOS ­ Livreto do SENAR ­ Dr. Leon
Enrique Kalinowski Olivera.
- ALIMENTAÇÃO DE CANA X URÉIA ­ Livreto da EMATERRIO ­ Dr. Ivan Mondaini ­ Dr Waldir Terran de Carvalho ­ Dr
Carlos Alberto Ribeiro.
- AS LEIS DO VERMÍFUGO ­ Folheto da SAE ­ Tortuga 1999.
- IMPORTÂNCIA DOS ALIMENTOS VOLUMOSOS NA
NUTRIÇÃO DE RUMINANTES ­ Dr. Ivo Francisco Andrade.
- A MOSCA DO CHIFRE VIROU PRAGA ­ Folheto da Revista
PRODUTOR PARMALAT ­ Janeiro 1999
- PALESTRA SOBRE O CONTROLE DO CARRAPATO ­ DRª
MARCIA PRATA ­ Médica-Veterinária da EMBRAPA ­ Centro
Nacional de Pesquisa em Gado Leiteiro ­ Coronel Pacheco - MG