ATUAÇÃO DO ESTETICISTA PODÓLOGO NA PREVENÇÃO E
TRATAMENTO PODAL DE ONICOMICOSES DE UNHAS
1

Fernanda Maria dos Santos , Mario René Souza

2

1 Podóloga e acadêmica do curso superior de Tecnologia em Estética e Imagem Pessoal da
Universidade Tuiuti do Paraná (Curitiba, PR)
2 Biólogo, Prof. Universidade Tuiuti do Paraná

Endereço para correspondência: Fernanda Maria dos Santos, [email protected]

RESUMO: Micoses são doenças causadas por fungos. São mais de 230 mil
tipos de fungos existentes, porém apenas 100 causam micose. Quando encontram
condições favoráveis, como umidade e calor excessivos, os fungos se reproduzem e
podem desencadear a infecção. As onicomicoses ou micoses de unha são
classificadas clinicamente em: subungueais distais ou laterais subungueais
proximais, superficiais brancas, distrófica total, paroníquia e oníquea. Alteração da
cor da unha, diminuição do crescimento; unhas quebradiças são alguns dos sinais
da onicomicose. O esteticista-podólogo acompanha o tratamento dos seus paciente
que vindos do médico, nem sempre seguem adequadamente as recomendações,
também atua promovendo a assepsia e a higienização do pé atingido pela patologia.
Palavras-chave: prevenção de patologias nas unhas, onicomicoses,
tratamentos para onicomicoses.

ABSTRACT: Mycoses are diseases caused by fungi. More than 230 000
kinds of fungi exist, but only 100 cause ringworm. When conditions are favorable,
such as excessive heat and humidity, fungi reproduce and can trigger the infection.
The onychomycosis or nail fungal infections are classified clinically into: distal
subungual or lateral proximal subungual, white superficial, total dystrophic,
paronychia and oníquea. Discoloration of the nail, reduced growth, brittle nails are all
signs of onychomycosis. The beautician, chiropodist / podiatrist monitors the
treatment of his patient from the doctor, do not always follow the recommendations
properly, also acts to promote hygiene and asepsis of the foot affected by the
disease.
Keywords: prevention of diseases in the nails, onychomycosis, treatments for
onicomicos

1

INTRODUÇÃO
As patologias que acometem a unhas dos pés podem causar desde um
simples desconforto até a perda de unhas em situações mais graves, a amputação.
O comprometimento estético causado por enfermidades dos pés pode ainda inibir o
paciente nas situações de exposição como o uso de calçados abertos. O esteticista
tem um papel importante no sentido de analisar a saúde dos pés e promover a
profilaxia de problemas relacionados a beleza dos pés.
A unha é uma estrutura composta por queratina, proteína, enxofre, cistina,
argina, água, cálcio e ferro. Possui diversas funções dentre elas: proteção, contribuir
com a sensibilidade tátil, manipulação fina e a capacidade de arranhar. O aparelho
ungueal (unha) se desenvolve entre as 19ª e 24ª semanas de vida uterina.1
Dentre as diversas patologias que acometem as unhas dos pés está a
onicomicose, sendo muito abrangente, pois há diversos tipos de ataques micóticos
às lâminas ungueais.2
Para que não venha ocorrer tais patologias são necessários alguns cuidados
dentre eles a esterilização, que é um processo de destruição de todas as formas de
vida microbiana (bactérias na forma vegetativa e esporulada); o controle de
segurança dos processos de esterilização é multifatorial e depende do tipo de
equipamento, da natureza do material processado, do acondicionamento e do
carregamento do material no equipamento. Na introdução de novas tecnologias
devem ser analisados a segurança, eficácia, impacto social e relação custobenefício.3
O artigo tem como objetivo demonstrar a importância da orientação da
estética na profilaxia dos pés e unhas, como fator de promoção a saúde e beleza
das unhas dos pés, descrevendo as principais micoses que afetam os pés e unhas e
o papel do esteticista-podólogo na prevenção e seus cuidados. Sendo levantada as
seguintes questões: quais os melhores métodos de esterilização e desinfecção
adequados em procedimentos de podologia, quais os aspectos epidemiológicos das
micoses dos pés, as principais micoses dos pés e das unhas, mostrando alguns dos
tratamentos dermatológicos e podal para a patologia.

2

A importância do Esteticista Podólogo na prevenção de patologias nos
pés e unhas
Embora sua atuação esteja limitada ao nível superficial, é da competência
do

esteticista-podólogo

orientar

os

pacientes

quando

é

necessário

o

acompanhamento médico para proceder um tratamento em conjunto, 5 pois ele
conhece e diagnostica as afecções e patologias que acometem os pés e unhas, 4
sendo que muitas vezes o esteticista podólogo incorre a um erro muito comum que é
olhar o problema e afirmar que é uma afecção, sendo este um problema de
competência médica.2
Cabe

ao

esteticista

podólogo

ou

podólogo

realizar

os

seguintes

procedimentos: cortar adequadamente as unhas; limpar cuidadosamente todas as
pregas ungueais e interdígitos de cada artelho; examinar as plantas dos pés, dedos
e unhas, identificando as patologias; higienizar cuidadosamente todo o pé, para
combater fungos e micoses; cuidar de encravamentos causados por calçados
inadequados, cortes incorretos de unhas ou por traumas; remover e cuidar de
verrugas plantares; remover e cuidar de calos e calosidades; proporcionar
hidratação adequada à idade, à estação do ano, ao tipo físico e ao tipo de trabalho
exercido; estimular a circulação através de massagens, relaxando de modo
simultâneo a estrutura muscular; elaborar suportes e dispositivos de alívio para pés
com desvios nos artelhos; definir modelos e tipos de calçados adequados para o
uso; 4
Porém, esse profissional não cuida somente dos casos descritos acima, seu
trabalho vai muito além disso. Ele atua principalmente como agente preventivo de
patologias, indicando e recomendando hábitos específicos de higiene, tipo de
calçado adequado ao tipo do pé, praticas de hidratação, limites a respeitar em
relação ao corpo, à atividade profissional exercida e ao esporte praticado. As unhas
bem cuidadas e saudáveis são tão importantes quanto a uma pele ou cabelo bem
tratados. 4
As condutas básicas de saúde podem evitar o contágio de várias doenças,
algumas irreversíveis, proporcionando um serviço de melhor qualidade e segurança
para o paciente e também para o profissional.9
Dentre essas condutas básicas, esta a esterilização que é um processo que
promove completa eliminação e destruição de todas as formas de micro-organismos
para um nível aceitável de segurança. Esse processo é fundamental no controle de

3

infecções nos serviços de saúde, eliminando vírus, bactérias, fungos, protozoários e
esporos. 9
Os métodos de esterilização podem ser químicos (glutaraldeído, formaldeído
e ácido peracético), e físicos (vapor saturado sob pressão ­ autoclave, calor seco ­
estufa, raio gama/gobalto). 3

Unha
È um complexo formado por queratina compacta, proteína, enxofre, cistinia,
argina, água (7ª 16%), cálcio e ferro. Não tem elasticidade, é translúcida e com
pouca flexibilidade. Trata-se de uma lâmina cartilaginosa fina, transparente e curva,
que recobre a parte dorsal da extremidade dos dedos da mão e pé. Tem as funções
de proteção (sendo uma lâmina dura e flexível, protege as extremidade dos dedos),
preensão (para pegar principalmente objetos pequenos), agressão (arranha, corta) e
sensibilidade (tem seu papel na sensibilidade tátil da popa digital).

5

Micoses de Unha
Denomina-se micose doenças que são causadas por fungos. São mais de
230 mil tipos de fungos existentes, porém apenas 100 causam micose. Quando
encontram condições favoráveis, como umidade e calor excessivos, os fungos se
reproduzem e podem desencadear a infecção.

6

Nas micoses superficiais, os fungos ficam na camada externa da pele, ao
redor de pelos ou nas unhas, alimentando-se de queratina. Nas micoses profundas,
os fungos disseminam-se através da circulação sanguínea e linfática, podendo
infectar a pele e órgãos internos como pulmões, intestinos, ossos ou sistema
nervoso. Cerca de 30% da população mundial tem problemas causados por micoses
superficiais.6
As onicomicoses ou micoses de unha são classificadas clinicamente em:
subungueais distais ou laterais (representam a maioria dos casos), subungueais
proximais, superficiais brancas, distrófica total, paroníquia e oníquea.
1.) Onicomicose Subungueal Distal/ Lateral: Essa micose é caracterizada
pela unha opaca, esbranquiçada e espessa, as unhas aumentam de espessura,

4

ficando endurecidas e grossas, podendo ser acompanha por dor e levar ao aspecto
"unha em telha" (figura 1).1 É o deslocamento da borda livre da unha, a unha descola
do seu leito, geralmente iniciando pelos cantos e fica oca (onicólise). É a mais
comum das micoses.

6

Na onicólise primaria os fungos podem colonizar a placa

ungueal destacada, já na oncólise secundária a infecção fungica produz
hiperqueratose subungueal. Os fungos invadem a porção inferior da placa ungueal,
na camada córnea do hiponíquio e no leito ungueal. 1 Neste caso os fungos
patogênicos mais comuns são T.rubrum e T.mentagrophytes. Epidermophyton
floccosum é ocasionalmente isolado, da mesma forma que leveduras como a
Candida albicans e Candida parapsilosis (pés), ou bolores não dermatóficos com
Scopulariopsis brevivaulis.1

Figura 1- Onicomicose Subungueal Distal/ Lateral
FONTE: Rossana Sette; Disponível em: http://www.micologia.com.br/onicomicose.shtml

2.) Onicomicose Subungueal Proximal: essa micose é a forma mais rara,
geralmente apresenta-se em portadores de HIV. Inicia-se pela extremidade proximal,
observando-se manchas brancas ou amareladas ao nível da lúnula comprometendo
toda a unha, (figura 2) depois adquire características da forma de micose
subungueal distal.6

Figura 2 Onicomicose Subungueal Proximal
FONTE: Rossana Sette; Disponível em: http://www.micologia.com.br/onicomicose.shtml

3.) Onicomicose Superficial Branca: é mais comum nas unhas dos pés. É
caracterizada por manchas brancas na superfície da unha, com a evolução as

5

manchas ficam amareladas e pode destruir toda a unha (figura 3). 6 A invasão
fúngica se inicia abaixo da borda ungueal proximal, penetrando na camada ventral
da parte proximal da placa ungueal. Os dermatófitos são responsáveis por esse
padrão de invasão. O patógeno mais comuns é T.rubrum. Esse padrão tem sido
relatado em associação à infecção pelo vírus da imunodeficiência humana. 1 Alguns
autores classificam esse tipo de micose como Onicomicose

branca subungueal

proximal.

Figura 3- Onicomicose Superficial Branca
FONTE: Rossana Sette; Disponível em: http://www.micologia.com.br/onicomicose.shtml

4.) Onicomicose Distrófica Total: a unha fica frágil, quebradiça e quebrase nas porções anteriores ficando deformada ou restando alguns restos de queratina
aderida ao leito ungueal (figura 4).

6

Esse tipo de micose pode aparecer na forma

primaria ou de forma evolutiva das micoses anteriormente citadas. A forma primaria
ocorre

em

pacientes

com

candidíase

mucocutânea.

A

placa

ungueal

é

hiperqueratinosa, amarela ou marrom, porém não é quebradiça. Exibe estrias
longitudinais esbranquiçadas. Ocorre uma reação inflamatória dérmica acentuada,
com espessamento da borda ungueal proximal, do leito ungueal e do hiponíquio,
associada à invasão por Candida da matriz ungueal e da borda posterior. Isso
resulta na formação de pseudobastões.

1

Figura 4 ­ Onicomicose Distrófica Total
FONTE: Rossana Sette; Disponível em: http://www.micologia.com.br/onicomicose.shtml

6

5.) Paroníquea: é mais comum nas unhas das mãos e ocorre em pessoas
que geralmente estão com a mão na água (figura 5). A região peri-ungueal fica
inflamada, dolorida, inchada, avermelhada e pode se apresentar com coleção
purulenta na base da unha. Com a evolução leva ao quadro de oníquea. 1

Figura 5- Paroníquea
FONTE: Rossana Sette; Disponível em: http://www.micologia.com.br/onicomicose.shtml

6.) Oníquea: também é mais comum nas unhas das mãos. Há modificação
da coloração da unha para um castanho-amarelado, marrom ou amareloesverdeado; ocorre opacificação e destruição total das unhas (figura 6). Como
conseqüência da paroníquia altera a formação da unha, que cresce ondulada e com
alterações na superfície. 1

Figura 6- Oníquea
FONTE: Rossana Sette; Disponível em: http://www.micologia.com.br/onicomicose.shtml

Como fatores predisponentes das micoses podem ser mencionados:
excesso de cuidados com as unhas removendo as cutículas com espátulas sem
esterilização do instrumento de corte; sapatos fechados, condição que envolve calor,

7

umidade e ausência de luz; pacientes imunodeprimidos como aidéticos, anêmicos,
pessoas com tireóide e câncer; uso de chuveiros públicos; saunas, piscinas,
banheiro; angiopatias que acometem os membros inferiores, em particular os pés;
calçados sintéticos e falta de cuidado com os mesmo; entre outros fatores; 7
Os sinais e sintomas da onicomicose são: alteração da cor (esverdeada,
acastanhada esbranquiçada); diminuição do crescimento; unhas quebradiças;
estrias

longitudinais

ou

sulcos

transversais,

ondulações,

espessamento;

descolamento; odor fétido; dor; engrossamento da lâmina ungueal, perda definitiva
da unha; hiperqueratose subungueal; fungos nos pés, agindo sobre a pele e
destruição total ou parcial da unha.6

Tratamentos
É de extrema importância chegar ao agente causal em cada paciente, e
mesmo de se descobrir casos com multietiologia, sendo de maior importância para o
tratamento, já que as drogas antifúngicas têm diferentes espectros de ação. Para o
diagnóstico etiológico é importante se classificar o quadro clinico da micose e se
proceder ao exame micológico, direto e cultura, do raspado da lesão.

8

Há vários tratamentos sistêmicos e locais para onicomicoses, sendo de mais
facilidade para os dermatologistas prescrever o tratamento oral do que o tópico. No
geral a terapia via oral é mais eficiente, porém as vezes é rejeitada pelo fato de
produzir efeitos colaterais e ter o custo mais elevado.1
A cura pode ser lenta devido ao crescimento lento das unhas, na mão pode
levar de 4 a 6 meses e no pé de 12 meses á 18 meses. O tratamento sistêmico é
escolhido quando grande parte da unha esta infectada, quando há alguma
predisposição ou imunodeficiência que comprometera o sucesso da terapia tópica.

1

Dentre os tratamentos sistêmicos estão a Terbinafina, tendo efeito pela
interrupção da formação da membrana celular de fungos, sendo requerido apenas
três meses de tratamento para onicomicoses nos pés e seis semanas nas mãos, seu
efeito colateral é perda do paladar (sendo recuperado após a suspensão do
medicamento) e distúrbios gastrointestinais. Fluconazol e Itraconazol, são ativos
contra dermatófitos e C. albicans, seus efeitos colaterais são mais acentuados do

8

que com terbinafina. Cetoconazol, possui efeito contra onicomicose por dermatófitos
e também contra C. albicans, com o uso dessa droga pode ocorrer hepatite, sendo
raramente

utilizada

dermatófitos,

tendo

na

onicomicose.

poucos

efeitos

Griseofulvina
colaterais

é

como

ativa

apenas

náuseas,

contra

cefaléia

e

fotossensibilidade, o problema maior do seu uso é o tempo longo de terapia e baixa
eficácia (aproximadamente 40%), em unhas dos pés pode demorar cerca de 18
meses de tratamento, porém é uma droga barata, permitida o uso em crianças e ser
comprovadamente segura.1
Os antifúngicos tópicos são Tioconazol a 28% em esmalte usado
topicamente, com índice de eficácia modesto, com taxa de cura total e 20 a 22%.
Amorolfina a 5% em verniz tópico, usado para onicomicoses superficiais. Ciclopirox
a 8%, uma preparação aplicada de mesma forma que a amorolfina. Um modelo de
terapia por remoção pode vincular o uso de antifúngicos com o queratolítico, sendo
feito com a incoporração do bifonazol a 1% em pasta de uréia. Esse método tem
sucesso comprovado em 34% a 70% das onicomicoses.1
È importante relatar que em muitos casos o paciente pode confundir
onicopatias (a psoríase ungueal, hiperqueratose subungueal, dermatite de contato,
entre outras) com onicomicoses, devido a semelhança dos sinais e sintomas dessas
doenças. Recomenda-se conhece-las mais para ajudar no diagnóstico correto da
patologia, sempre solicitando exames e acompanhamento multidisciplinar, assim
podendo tratar de forma correta, pois muitas vezes é feito o diagnóstico errado não
tendo sucesso no tratamento dermatológico e podal. 2
Existem muitos medicamentos tópicos e sistêmicos, o esteticista-podólogo,
acompanha o tratamento dos seus paciente que vindos do médico, nem sempre
seguem adequadamente as recomendações. 2
É função do esteticista-podólogo promover a assepsia e a higienização do
pé atingido pela patologia, usando técnicas como: cortes das lâminas com
descobrimentos, rebaixamento das lâminas ungueais, remoção de detritos córneos
nas pregas das unhas, remoção das partes já destruídas pelas lâminas, aplicação
de órteses acrílicas compensadoras no lugar das partes removidas para evitar a
desconfiguração do formato espacial ideal da lâmina na estrutura do artelho, orientar
seu paciente quanto aos cuidados com os pés e os calçados, sendo coadjuvante no
tratamento médico. 4

9

Pode-se utilizar óleos essenciais no tratamento de onicomicoses. Foi
realizado um

estudo na Universidade Anhembi Morumbi com alguns óleos

essenciais aplicados no combate aos fungos, foi observado que alguns fungos são
mais suceptíveis a uma classe de óleos essenciais e que outros fungos são mais
resistentes, foi constatada a efetividade dos óleos essenciais de cravo, tomilho e
melalêuca, como os principais antimicóticos naturais. 10

METODOLOGIA
Realizou-se uma pesquisa bibliográfica em revistas, livros, artigos, como
consulta de acervo utilizou-se Evolução dos pés, Tratado de podologia entre outros.

DISCUSSÃO
Para BEGA, Armando, nenhum medicamento oral desenvolvido até hoje é
100% eficaz nos tratamentos, assim como os tópicos, que raramente se traduzem
em cura quando administrados sem medicamento sistêmico e imunização. Em
alguns casos de cura a unha ainda pode não voltar ao normal, podendo haver
seqüelas, sendo que um dado significativo na eficácia do tratamento é a colaboração
do paciente.
Para BARAN, R; BARKER, D; a cura é lenta devido ao crescimento lento
das unhas, na mão pode levar de 4 a 6 meses e no pé de 12 meses á 18 meses. O
tratamento sistêmico é escolhido quando grande parte da unha esta infectada,
quando há alguma predisposição ou imunodeficiência que comprometera o sucesso
da terapia tópica. O autor diz que dos antifúngicos tópicos exitem o Tioconazol com
taxa de cura total e 20 a 22%. Amorolfina e Ciclopirox, não citando a taxa de cura e
também existe um modelo de terapia por remoção, vinculando o uso de antifúngicos
com o queratolítico, sendo feito com a incoporração do bifonazol a 1% em pasta de
uréia. Esse método tem sucesso comprovado em 34% a 70% das onicomicoses.

10

Para

todos

os

autores

pesquisados

a

função

do

esteticista-

podólogo/podólogo é promover a assepsia e a higienização do pé atingido pela
patologia.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Os procedimentos básicos de saúde podem evitar o contagio de
onicomicoses, o paciente precisa sempre estar com os pés e mãos devidamente
higienizados, fazer serviços de manicure/ pedicure em locais apropriados
devidamente limpos e esterelizados, usar calçados adequados entre outras
condutas básicas.
O tratamento das micoses de unha requer paciência, principalmente se a
queixa principal da doença for por sua repercussão estética, pois a cura pode ser
lenta devido ao crescimento lento das unhas, podendo chegar a 1 ano e 6 meses.
Para se obter sucesso no tratamento, o fungo deve ser totalmente eliminado
da unha, para que isso ocorra o paciente deve usar a medicação oral ou tópica
corretamente, freqüentando um esteticista - podólogo para acompanhamento na
higienização e assepsia dos pés e unhas, entre outros tratamentos já citados que
são de extrema importância serem realizados.

REFERÊNCIAS
1) BARAN, R; BARKER, D; DAWBER,R; Doença das unhas. Rio de
janeiro: Revinter, 2000.
2) BEGA, A; Tratado de Podologia. São Paulo: Yendis, 2006
3) GRAZIANO, K.U. Materiais e Equipamentos. MAIO, M. Tratado
de medicina estética. 2 ed. v 3. São Paulo: Rocca, 2011. p 1461-1480
4) PIEDADE, P. Podologia Técnicas de trabalho e instrumentação
no atendimento de patologia dos pés. São Paulo: Editora Senac São Paulo,
1999

11

5) MADELLA, O.J. Cuidado com as Unhas. Evolução dos Pés. São
Paulo, n.12 ano II
6)

SUPINO,M.L.I

;

SUPINO,

D.R.A.

Micose

de

Unha

ou

Onicomicose. Evolução dos Pés. São Paulo, n.1, ago 2008
7) AZUALY, R.D. Dermatologia. 5 ed. Rio de janeiro: Guanabana
Koogan, 2011
8) SILVA, M. R . Onicomicoses diagnóstico diferencial. Disponível
em: http://www.dermato.med.br/publicações/artigos/2000onicomicoses.htm.
Acesso em: 07.10.2011
9) GIOCONDO, M.A. Biossegurança, transmissão e saúde.
Evolução dos Pés. São Paulo, n 15 ano III
10) BEGA, A. O universo das Micoses e a Podologia. Evolução dos
pés. São Paulo, n 4 , fev-mar 2009