MINISTÉRIO DA SAÚDE

Anexo 01: PROTOCOLO PARA A PRÁTICA DE
HIGIENE DAS MÃOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE*

Ministério da Saúde/ Anvisa/ Fiocruz
09/07/2013

Protocolo integrante do Programa Nacional de Segurança do Paciente.

HIGIENE DAS MÃOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE

1. Finalidade
Instituir e promover a higiene das mãos nos serviços de saúde do país com o intuito de
prevenir e controlar as infecções relacionadas à assistência à saúde (IRAS), visando à segurança
do paciente, dos profissionais de saúde e de todos aqueles envolvidos nos cuidados aos
pacientes.
2. Abrangência
Este protocolo deverá ser aplicado em todas os serviços de saúde, públicos ou privados, que
prestam cuidados à saúde, seja qual for o nível de complexidade, no ponto de assistência.
Entende-se por Ponto de Assistência, o local onde três elementos estejam presentes: o
paciente, o profissional de saúde e a assistência ou tratamento envolvendo o contato com o
paciente ou suas imediações (ambiente do paciente).
O protocolo deve ser aplicado em todos os Pontos de Assistência, tendo em vista a
necessidade de realização da higiene das mãos exatamente onde o atendimento ocorre. Para tal,
é necessário o fácil acesso a um produto de higienização das mãos, como por exemplo, a
preparação alcoólica. O Produto de higienização das mãos deverá estar tão próximo quanto
possível do profissional, ou seja, ao alcance das mãos no ponto de atenção ou local de
tratamento, sem a necessidade do profissional se deslocar do ambiente no qual se encontra o
paciente 1.
O produto mais comumente disponível é a preparação alcóolica para as mãos, que deve
estar em dispensadores fixados na parede, frascos fixados na cama / na mesa de cabeceira do
paciente, nos carrinhos de curativos / medicamentos levados para o ponto de assistência,
podendo também ser portado pelos profissionais em frascos individuais de bolso2.
Definição
"Higiene das mãos" é um termo geral, que se refere a qualquer ação de higienizar as mãos
para prevenir a transmissão de micro-organismos e consequentemente evitar que pacientes e
profissionais de saúde adquiram IRAS1. De acordo com a Agência Nacional de Vigilância
Sanitária ­ Anvisa3, o termo engloba a higiene simples, a higiene antisséptica, a fricção

1

antisséptica das mãos com preparação alcoólica, definidas a seguir, e a antissepsia cirúrgica das
mãos, que não será abordada neste protocolo.
2.1. Higiene simples das mãos: ato de higienizar as mãos com água e sabonete comum,
sob a forma líquida.
2.2. Higiene antisséptica das mãos: ato de higienizar as mãos com água e sabonete
associado a agente antisséptico.
2.3. Fricção antisséptica das mãos com preparação alcoólica: aplicação de preparação
alcoólica nas mãos para reduzir a carga de microrganismos sem a necessidade de
enxague em água ou secagem com papel toalha ou outros equipamentos.
3.3.1. Preparação alcoólica para higiene das mãos sob a forma líquida: preparação
contendo álcool, na concentração final entre 60% a 80% destinadas à aplicação nas
mãos para reduzir o número de micro-organismos. Recomenda-se que contenha
emolientes em sua formulação para evitar o ressecamento da pele.
3.3.2. Preparação alcoólica para higiene das mãos sob as formas gel, espuma e
outras: preparações contendo álcool, na concentração final mínima de 70% com
atividade antibacteriana comprovada por testes de laboratório in vitro (teste de
suspensão) ou in vivo, destinadas a reduzir o número de micro-organismos.
Recomenda-se que contenha emolientes em sua formulação para evitar o ressecamento
da pele.
3. Intervenções
3.1. Momentos
As mãos devem ser higienizadas em momentos essenciais e necessários de acordo com
o fluxo de cuidados assistenciais para prevenção de IRAS causadas por transmissão cruzada
pelas mãos: "Meus cinco momentos para a higiene das mãos" 1.
A ação correta no momento certo é a garantia de cuidado seguro para os pacientes.
3.1.1. Antes de tocar o paciente
3.1.2. Antes de realizar procedimento limpo/asséptico
a) Antes de manusear um dispositivo invasivo, independentemente do uso ou não
de luvas.
2

b) Ao se mover de um sítio anatômico contaminado para outro durante o
atendimento do mesmo paciente.
3.1.3. Após o risco de exposição a fluidos corporais ou excreções
a) Após contato com fluidos corporais ou excretas, membranas mucosas, pele não
íntegra ou curativo.
b) Ao se mover de um sítio anatômico contaminado para outro durante o
atendimento do mesmo paciente.
c) Após remover luvas esterilizadas ou não esterilizadas
3.1.4. Após tocar o paciente
a) Antes e depois do contato com o paciente
b) Após remover luvas esterilizadas ou não esterilizadas
3.1.5. Após tocar superfícies próximas ao paciente
a) Após contato com superfícies e objetos inanimados (incluindo equipamentos
para a saúde) nas proximidades do paciente
b) Após remover luvas esterilizadas ou não esterilizadas

Figura 1. Meus cinco momentos para a higiene das mãos
Fonte:1,2.

3

3.2. Recomendações
As recomendações formuladas foram baseadas em evidências descritas nas várias seções
das diretrizes e consensos de especialistas, conforme mostra o Quadro 1 do Apêndice4,1 .
Recomendações para a higiene das mãos
As indicações para higiene das mãos contemplam 1 :
a)

Higienizar as mãos com sabonete líquido e água
i. Quando estiverem visivelmente sujas ou manchadas de sangue ou
outros fluidos corporais (IB) ou após uso do banheiro (II);
ii. Quando a exposição a potenciais patógenos formadores de esporos
for fortemente suspeita ou comprovada, inclusive surtos de C.
difficile. (IB);
iii. Em todas as outras situações, nas quais houver impossibilidade de
obter preparação alcoólica (IB).

b)

Higienizar as mãos com preparação alcoólica
i. Quando as mãos não estiverem visivelmente sujas (IA) e antes e
depois de tocar o paciente e após remover luvas (IB);
ii. Antes do manuseio de medicação ou preparação de alimentos (IB);

Obs. Sabonete líquido e preparação alcoólica para a higiene das mãos não devem ser
utilizados concomitantemente (II).
5. Procedimentos Operacionais
5.1. Higienização simples: com sabonete líquido e água
5.1.1. Finalidade
Remover os micro-organismos que colonizam as camadas superficiais da pele, assim como
o suor, a oleosidade e as células mortas, retirando a sujidade propícia à permanência e à
proliferação de micro-organismos.

4

5.1.2. Duração do procedimento
A higienização simples das mãos deve ter duração mínima de 40 a 60 segundos.
5.1.3. Técnica
A técnica de higiene simples das mãos envolve os passos a seguir5 :
0 - Molhe as mãos com água;
1 - Aplique na palma da mão quantidade suficiente de sabonete líquido para cobrir toda a
superfície das mãos;
2 - Ensaboe as palmas das mãos friccionando-as entre si;
3 - Esfregue a palma da mão direita contra o dorso da mão esquerda, entrelaçando os dedos
e vice-versa;
4 - Entrelace os dedos e friccione os espaços interdigitais;
5 - Esfregue o dorso dos dedos de uma mão com a palma da mão oposta, segurando os
dedos, com movimentos de vai-e-vem e vice-versa;
6 - Esfregue o polegar esquerdo com o auxílio da palma da mão direita utilizando-se de
movimento circular e vice-versa;
7 ­ Friccione as polpas digitais e unhas da mão direita contra a palma da mão esquerda,
fazendo movimento circular e vice-versa;
8 ­ enxague bem as mãos com água;
9 ­ Seque as mãos com papel toalha descartável
10 ­ No caso de torneiras de fechamento manual, para fechar sempre utilize o papel toalha;
11 ­ Agora as suas mãos estão seguras.

5

5.2. Higienização antisséptica: antisséptico degermante e água
5.2.1. Finalidade
Promover a remoção de sujidades e da microbiota transitória, reduzindo a microbiota
residente das mãos, com auxílio de um antisséptico.

6

5.2.2. Duração do procedimento
A higienização antisséptica das mãos deve ter duração mínima de 40 a 60 segundos.
5.2.3. Técnica
A técnica de higienização antisséptica é igual àquela utilizada para a higienização simples
das mãos, substituindo-se o sabonete líquido comum por um associado a antisséptico, como
antisséptico degermante 3 .
5.3. Fricção antisséptica das mãos com preparação alcoólica
5.3.1. Finalidade
A utilização de preparação alcoólica para higiene das mãos sob as formas gel, espuma e
outras (na concentração final mínima de 70%) ou sob a forma líquida (na concentração final
entre 60% a 80%) tem como finalidade reduzir a carga microbiana das mãos e pode substituir a
higienização com água e sabonete líquido quando as mãos não estiverem visivelmente sujas 6 .
A Fricção antisséptica das mãos com preparação alcoólica não realiza remoção de sujidades.
5.3.2. Duração do procedimento
A fricção das mãos com preparação alcoólica antisséptica deve ter duração de no mínimo 20
a 30 segundos.
5.3.3. Técnica
Os seguintes passos devem ser seguidos durante a realização da técnica de fricção
antisséptica das mãos com preparação alcoólica 5 :
1 ­ Aplique uma quantidade suficiente de preparação alcóolica em uma mão em forma de
concha para cobrir todas as superfícies das mãos.
2 ­ Friccione as palmas das mãos entre si;
3 - Friccione a palma de mão direita contra o dorso da mão esquerda, entrelaçando os dedos
e vice-versa;
4 ­ Friccione a palma das mãos entre si com os dedos entrelaçados;
5 - Friccione o dorso dos dedos de uma mão com a palma da mão oposta, segurando os
dedos, com movimento vai-e-vem e vice-versa;
6 ­ Friccione o polegar esquerdo com o auxílio da palma da mão direita, utilizando-se de
movimento circular e vice-versa;

7

7 - Friccione as polpas digitais e unhas da mão direita contra a palma da mão esquerda,
fazendo um movimento circular e vice-versa;
8 ­ Quando estiverem secas, suas mãos estarão seguras.

6. Estratégia multimodal
A melhora da prática de higienização das mãos, de forma bem sucedida e sustentada, é
alcançada por meio da implementação de estratégia multimodal, ou seja, um conjunto de ações
para transpor diferentes obstáculos e barreiras comportamentais.
8

A Estratégia Multimodal da Organização Mundial de Saúde - OMS para a Melhoria da
Higienização das Mãos1,2,7 ,foi proposta para traduzir, na prática, as recomendações sobre a
higiene das mãos e é acompanhada por uma ampla gama de ferramentas práticas e de
implementação prontas para serem aplicadas nos serviços de saúde.
Todas as ferramentas de higiene das mãos, direcionadas para gestores, profissionais de
saúde e profissionais que atuam no Serviço de Controle de Infecção Hospitalar (SCIH) e
qualidade estão disponíveis no Portal da Anvisa, em: http://bit.ly/wL0d6V.
Os componentes-chave da Estratégia Multimodal da OMS para a Melhoria da Higienização
das Mãos são descritos a seguir1 :
6.1. Mudança de sistema: assegurar que a infraestrutura necessária esteja disponível para
permitir a prática correta de higiene das mãos pelos profissionais de saúde. Isto inclui
algumas condições essenciais:


Acesso a sabonete líquido e papel toalha, bem como a um fornecimento contínuo e
seguro de água, de acordo com o disposto na Portaria GM/MS nº 2.914, de 12 de
dezembro de 2011;



Acesso imediato a preparações alcoólicas para a higiene das mãos no ponto de
assistência;



Pias no quantitativo de uma para cada dez leitos, preferencialmente com torneira de
acionamento automático em unidades não críticas e obrigatoriamente em unidades
críticas.

6.2. Educação e treinamento: fornecer capacitação regular a todos os profissionais de
saúde sobre a importância da higienização das mãos, com base na abordagem "Meus 5
Momentos para a Higiene das Mãos" e os procedimentos corretos de higiene das mãos.
6.3. Avaliação e retroalimentação: monitorar as práticas de higiene das mãos e a
infraestrutura, assim como a percepção e conhecimento sobre o tema entre os
profissionais da saúde retroalimentando estes resultados.
6.4. Lembretes no local de trabalho: alertar e lembrar os profissionais de saúde sobre a
importância da higienização das mãos e sobre as indicações e procedimentos
adequados para realizá-la.

9

6.5. Clima de segurança institucional: criar um ambiente que facilite a sensibilização dos
profissionais quanto à segurança do paciente e no qual o aprimoramento da
higieneização das mãos constitui prioridade máxima em todos os níveis, incluindo:


A participação ativa em nível institucional e individual;



A consciência da capacidade individual e institucional para mudar e aprimorar
(auto eficácia); e



Parcerias com pacientes, acompanhantes e com associações de pacientes.

7. Indicadores
Os seguintes indicadores de desempenho devem ser utilizados pela Comissão de Controle
de Infecção Hospitalar (CCIH) para a mensuração da melhoria da adesão às práticas de higiene
das mãos4,1,8 :
7.1. Indicador obrigatório:
a) Consumo de preparação alcoólica para as mãos: monitoramento do volume de
preparação alcoólica para as mãos utilizado para cada 1.000 pacientes-dia.
b) Consumo de sabonete monitoramento do volume de sabonete líquido associado ou
não a antisséptico utilizado para cada 1.000 pacientes-dia.
7.2. Indicador recomendável:
c) Percentual (%) de adesão: número de ações de higiene das mãos realizados pelos
profissionais de saúde/número de oportunidades ocorridas para higiene das mãos,
multiplicado por 100.
Nota: o retorno da informação à direção do estabelecimento e aos profissionais pelo resultado
dos indicadores deverá ser providenciada pela CCIH.
8. Cuidados Especiais
8.1. Cuidado com o uso de luvas
O uso de luvas não altera nem substitui a higienização das mãos, seu uso por profissionais
de saúde não deve ser adotado indiscriminadamente, devendo ser restrito às indicações a
seguir1,8 :

10



Utilizá-las para proteção individual, nos casos de contato com sangue e líquidos
corporais e contato com mucosas e pele não íntegra de todos os pacientes;



Utilizá-las para reduzir a possibilidade de os micro-organismos das mãos do
profissional contaminarem o campo operatório (luvas cirúrgicas);



Utilizá-las para reduzir a possibilidade de transmissão de micro-organismos de um
paciente para outro nas situações de precaução de contato;



Trocar de luvas sempre que entrar em contato com outro paciente;



Trocar de luvas durante o contato com o paciente se for mudar de um sítio corporal
contaminado para outro, limpo;



Trocar de luvas quando estas estiverem danificadas;



Nunca tocar desnecessariamente superfícies e materiais (tais como telefones,
maçanetas, portas) quando estiver com luvas;



Higienizar as mãos antes e após o uso de luvas; e

8.2. Cuidados com a pele das mãos
8.2.1. Os seguintes aspectos devem ser levados em consideração para garantir o bom
estado da pele das mãos 9 :


a fricção das mãos com preparação alcoólica contendo um agente umectante agride
menos a pele do que a higiene com sabonete líquido e água;



as luvas entalcadas podem causar irritação quando utilizadas simultaneamente com
produtos alcoólicos;



o uso de cremes de proteção para as mãos ajudam a melhorar a condição da pele,
desde que sejam compatíveis com os produtos de higiene das mãos e as luvas
utilizadas.

8.2.2. Os seguintes comportamentos devem ser evitados 9 :


utilizar sabonete líquido e água, simultaneamente a produtos alcoólicos;

11



utilizar água quente para lavar mãos com sabonete líquido e água;



calçar luvas com as mãos molhadas, levando a riscos de causar irritação;



higienizar as mãos além das indicações recomendadas;



usar luvas fora das recomendações.

8.2.3. Os seguintes princípios devem ser seguidos 3,8,9 :


Enxaguar abundantemente as mãos para remover resíduos de sabonete líquido e
sabonete antisséptico;



friccionar as mãos até a completa evaporação da preparação alcoólica;



secar cuidadosamente as mãos após lavar com sabonete líquido e água;



manter as unhas naturais, limpas e curtas;



não usar unhas postiças quando entrar em contato direto com os pacientes;



deixar punhos e dedos livres, sem a presença de adornos como relógios, pulseiras e
anéis, etc;



aplicar regularmente um creme protetor para as mãos (uso individual).

12

Referências Bibliográficas
1.

BRASIL. AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA ­ ANVISA.
Assistência Segura: Uma Reflexão Teórica Aplicada à Prática. Série Segurança do
Paciente e Qualidade em Serviços de Saúde. Brasília, 2013.

2.

BRASIL.

AGÊNCIA

NACIONAL

DE

VIGILÂNCIA

­

SANITÁRIA

ANVISA.Higienização das Mãos em Serviços de Saúde. Brasília, 2007. Disponível
em:. Acesso em: 21
mar. 2013.
3.

BRASIL. AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA ­ ANVISA. RDC
n°. 42, de 25 de outubro de 2010. Dispõe sobre a obrigatoriedade de disponibilização
de preparação alcoólica para fricção antisséptica das mãos, pelos serviços de saúde do
país e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 26 out. 2010.

4.

BRASIL. AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA ­ ANVISA.
Segurança do Paciente em Serviços de Saúde ­ Higienização das Mãos. Brasília, 2009.

5.

CENTERS FOR DISEASE CONTROL AND REVENTION. Guideline for Hand
Hygiene in Health-Care Settings: recommendations of the Healthcare Infection Control
Practices Advisory Committee and the HICPAC/SHEA/APIC/IDSA Hand Hygiene
Task Force. MMWR, v.51, n. RR-16, p.1-45, 2002.

6.

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ­ ORGANIZAÇÃO MUNDIAL
DE SAÚDE - OPAS/OMS; AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA
­ MINISTÉRIO DA SAÚDE ­ ANVISA/MS. Manual para Observadores. Brasília,
DF, 2008a.

7.

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ­ ORGANIZAÇÃO MUNDIAL
DE SAÚDE - OPAS/OMS; AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA
­ MINISTÉRIO DA SAÚDE ­ ANVISA/MS. Guia para Implantação. Um guia para
implantação da Estratégia Multimodal da OMS para a Melhoria da Higienização das
Mãos. Brasília, DF, 2008b.

8.

WORLD HEALTH ORGANIZATION - WHO. Hand Hygiene: Why, How and When.
SummaryBrochure on Hand Hygiene. World Alliance for Patient Safety, 2006. p. 1-4.

9.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. WHO Guidelines on Hand Hygiene in Health
Care. First Global Patient Safety Challenge. Clean Care is Safer Care Geneva: WHO
13

Press,

2009a.

270

p.

Disponível

em:

Acesso em: 20 mar. 2013.
10. WORLD HEALTH ORGANIZATION. Hand hygiene technical reference manual: to
be used by health-care workers, trainers and observers of hand hygiene
practices.Geneva: WHO Press, 2009b. 31 p.

14

APÊNDICE I
SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO DE EVIDÊNCIAS CIENTÍFICAS DAS
RECOMENDAÇÕES
Quadro 1 -Sistema de classificação das recomendações das Diretrizes.
Categoria
IA

Critérios
Fortemente recomendada para implementação e fortemente apoiada por estudos
experimentais, clínicos ou epidemiológicos bem elaborados

IB

Fortemente recomendada para implementação e apoiada por alguns estudos
experimentais, clínicos ou epidemiológicos e uma forte fundamentação teórica

IC

Necessária para a implementação, conforme estabelecido por regulamento ou
norma federal e/ou estadual

II

Sugerida para implementação e apoiada por estudos clínicos ou epidemiológicos
sugestivos ou uma fundamentação teórica ou o consenso de um painel de
especialistas

Fonte: 4,1.

Quadro 2 - Correspondência entre as indicações e as recomendações para higiene das
mãos 1 .
Os 5 Momentos

Recomendações
Diretrizes da Organização Mundial de Saúde - OMS sobre Higiene das
Mãos em Serviços de Saúde (WHO, 2009a)

1. Antes de tocar o
paciente

D.a) antes e após contato com o paciente (IB)

2. Antes de realizar
procedimento
limpo/asséptico

D.b) antes de manusear um dispositivo invasivo , independentemente do
uso ou não de luvas (IB)
D.d) ao se mover de um sítio anatômico contaminado para outro durante o
atendimento do mesmo paciente (IB)

3. Após o risco de
exposição a fluidos
corporais

D.c) após contato com fluidos corporais ou excretas, membranas mucosas,
pele não íntegra ou curativo (IA)
D.d) ao se mover de um sítio anatômico contaminado para outro durante o
atendimento do mesmo paciente (IB))
D.f) após remover luvas esterilizadas (II) ou não esterilizadas (IB)

4. Após tocar o paciente

D.a) antes e após contato com o paciente (IB)
D.f) após remover luvas esterilizadas (II) ou não esterilizadas (IB)

5. Após tocar as
superfícies próximas ao
paciente

D.e) após contato com superfícies e objetos inanimados (incluindo
equipamentos para a saúde) nas imediações do paciente (IB)
D.f) após remover luvas esterilizadas (II) ou não esterilizadas (IB)

Fonte:1 .
15