CAPÍTULO

Higiene e saúde
ambiental

11

Mais vale prevenir do que remediar! A higiene pessoal, a limpeza da casa e da comunidade, o controlo dos insectos, e um estilo de vida saudável são estratégias
simples, mas muito importantes, que podem ajudar a prevenir muitas doenças.

Falta de higiene (limpeza)
A limpeza é muito importante na prevenção de infecções. Tanto a higiene pessoal, das casas, dos alimentos e da água, como a limpeza da comunidade em que
vivemos (saneamento) são muito importantes.
Muitas infecções do intestino são transmitidas duma pessoa para outra, por
causa da falta de higiene e de saneamento básico. Muitos micróbios e parasitas
são transmitidos através das fezes de pessoas ou animais infectados. Eles podem
ser levados das fezes duma pessoa, para a boca de outra pessoa, quer através
dos alimentos, da água, das moscas e outros animais, quer directamente através
das mãos mal lavadas. Basta uma quantidade minúscula e invisível de fezes entrar
na boca para infectar uma pessoa.
Esta forma de transmissão chama-se transmissão fecal-oral (das fezes para a
boca).
As vias de transmissão fecal-oral podem ser resumidas no seguinte diagrama:

HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL

181

QUAL É A ORIGEM DA CÓLERA, DAS DIARREIAS E DOS
PARASITAS INTESTINAIS?

AS FEZES!
1 grama de fezes duma pessoa
infectada pode conter:

Doenças comuns de transmissão fecal-oral
Estas são algumas doenças que são frequentes na comunidade e que estão directamente relacionadas com a falta de higiene e de saneamento. Isto é, são
doenças de transmissão fecal-oral:

z Diarreias
z Cólera
z Disenteria
z Febre tifóide
z Hepatite A
z Lombrigas e outros parasitas intestinais
A transmissão destas doenças pode ser muito directa:
Por exemplo: uma criança que tem diarreia e
não lava as mãos com sabão depois de defecar,
oferece um biscoito ao amigo. Os seus dedos,
ainda sujos com fezes, estão cheios de micróbios
(tão pequenos que não são visíveis). Alguns
destes ficam agarrados ao biscoito. Ao comer
o biscoito, o amigo engole também os
micróbios. Em breve o amigo também terá
diarreia.
Ou pode ser mais indirecta:
Por exemplo: as fezes duma pessoa com cólera podem entrar na água e esta fica
contaminada. A partir desse momento qualquer pessoa que beber dessa água
corre o risco de apanhar cólera, porque bebeu água contaminada com a bactéria
que estava nas fezes da outra pessoa.

182

HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL

Muitas vezes os porcos, cães, cabritos, galinhas e outros animais facilitam a
transmissão de micróbios e ovos de parasitas para as pessoas. Por exemplo:

Um homem com diarreia
ou com parasitas defeca
nas traseiras da casa.

O cão cheira as fezes
e suja o nariz e as
patas.

No quintal, uma criança está a brincar no
chão. Deste modo, parte das fezes do
homem passam para a criança também.
A criança corre o risco de contrair
diarreia se levar as mãos contaminadas
com as fezes do homem à boca.

Depois, a mãe prepara a comida mas
esqueceu-se de lavar as mãos depois
de pegar na criança.

Depois o cão passeia
pelo quintal.

Mais tarde, a criança começa a
chorar e a mãe pega nela ao colo.

A família ingere a comida.

E em seguida a família toda
fica com diarreia ou vermes.

HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL

183

Se a família tivesse tomado qualquer das precauções abaixo indicadas, podia
ter evitado a transmissão da doença:

z Se o homem tivesse defecado numa latrina ou casa de banho
z Se a família não tivesse deixado o cão solto no quintal
z Se não tivessem deixado a criança brincar onde o cão tinha estado
z Se a mãe tivesse lavado as mãos com sabão após ter pegado a criança e antes
de preparar a comida

Doenças relacionadas com a falta de água
Muitas doenças são causadas pela falta de água, ou pelo uso de quantidades
insuficientes de água para a higiene pessoal dos membros da família (banhos,
lavagem de mãos e do rosto). As doenças de transmissão fecal-oral também
se transmitem facilmente quando há falta de água para as pessoas lavarem as
mãos.
Algumas doenças da pele como, por exemplo, a sarna e os piolhos, são mais
facilmente transmitidas a pessoas que não tomam banho todos os dias. Os piolhos também persistem em famílias que não dispõem de água suficiente para a
higiene pessoal e doméstica (lavagem de roupa) da família.
Algumas doenças dos olhos como, por exemplo, o tracoma e a conjuntivite são mais facilmente transmitidas quando as pessoas não lavam a cara com
frequência.
É preciso que haja água e sabão, em quantidade suficiente, não só para garantir
a higiene pessoal, mas também para a lavagem das toalhas, lençóis e mantas.
A prevenção de muitas doenças depende mais da quantidade de água utilizada para a higiene do que da sua qualidade.

Doenças causadas por agentes baseados na água
São aquelas cujo vector, que transmite a doença, vive na água. Um exemplo é a
bilharziose, que é causada por um parasita (o schistosoma) que para completar
o seu ciclo de vida na natureza depende dum tipo de caracol que vive na água.
Para evitar este tipo de doenças deve-se evitar o contacto com águas paradas e
pouco profundas.

184

HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL

Conceitos básicos de higiene
Higiene pessoal
1. Lavar sempre as mãos com água corrente
e sabão (ou cinzas): antes de comer, de preparar
alimentos e de dar comida às crianças; bem como
depois de utilizar a latrina, de defecar ou de limpar o
rabo duma criança. Não basta passar os dedos por água
­ é necessário esfregar as duas mãos com sabão ou com
cinza. A falta de sabão não deve ser obstáculo para não
lavar as mãos, porque muitas vezes há soluções locais
ou tradicionais que são boas alternativas.
É sempre melhor lavar as mãos em água corrente.
Se não existirem torneiras, existem invenções muito
simples, como por exemplo:

z Fazer um pequeno furo perto da base duma garrafa
plástica de dois litros.

z Pendurar a garrafa, enchê-la com água e fechar
bem a tampa.
Sempre que se quiser lavar as mãos, abrir um pouco
a tampa da garrafa para que entre ar e um jacto de
água escorrerá através do pequeno furo, como se
fosse uma torneira de pouca pressão.
2. Tomar banho e dar banho às crianças todos os
dias, se possível.
3. Para prevenir o tracoma (ver pág. 536), é
importante que as crianças tenham sempre as caras
lavadas para evitar que a doença se transmita duma
criança para outra.
4. Escovar bem os dentes, todos os dias, e,
sempre, depois de comer doces.

5. Corte as unhas frequentemente. Os micróbios
e ovos dos vermes escondem-se, muitas vezes, debaixo
das unhas compridas.

HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL

185

6. Mudar e lavar frequentemente a roupa pessoal, as toalhas e os lençóis.
Sempre que possível, a roupa deve ser lavada em casa com água limpa.
7. Não tomar banho nos charcos, nas valas de drenagem ou nas águas provenientes dos esgotos.
8. Evitar que as crianças brinquem ou tomem banho em pequenas lagoas
e rios. Podem apanhar bilharziose, doença causada por um parasita (ver pág.
322).
Há pessoas que não podem evitar este contacto, por exemplo: pescadores de
água doce, cultivadores de arroz, pessoas que trabalham nas plantações de cana
ou que tenham que cortar caniço em zonas pantanosas. Estas pessoas devem ser
aconselhadas a usar botas de borracha para se protegerem.
9. Se for possível, nunca se deve andar
descalço, nem deixar que as crianças andem
descalças. O ancilostoma é um parasita que
penetra no corpo pela planta dos pés (ver pág.
317). A infecção pelo ancilostoma causa uma
anemia que pode ser muito grave.
10. Despiolhar, frequentemente, toda a
família. Os piolhos e as pulgas são portadores de
doenças. Não se deve deixar entrar em casa cães
e outros animais que possam ter pulgas.
11. Não cuspir para o chão. A saliva pode
transmitir doenças. Ao tossir ou espirrar, deve-se
cobrir a boca com a mão, ou com um pano ou
lenço. Se for possível, lavar as mãos com sabão
logo a seguir.

Higiene do lar
O local adequado e a estrutura apropriada para uma casa
A casa é o local mais importante para a vida familiar. Uma casa bem localizada e
em boas condições de higiene pode proteger a saúde da família.
Em termos de saúde, a localização da casa é muito importante. A casa deve
estar localizada:

z Próxima duma fonte de abastecimento de água limpa
z Afastada das zonas baixas ou pantanosas

186

HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL

É muito importante aconselhar as pessoas que querem construir uma casa,
que esta deverá ter:

z Cobertura adequada, para evitar a entrada da água da chuva
z Portas e janelas, para permitir a ventilação da casa
z Redes nas portas e janelas para evitar a entrada de animais e insectos
z Possibilidade de drenagem da água das chuvas. A casa deve estar localizada
numa zona alta para evitar que a água das chuvas fique acumulada e haja
humidade dentro

z Chão e paredes bem maticados para evitar poeiras, permitir uma boa limpeza
e evitar a entrada de insectos

z Um local para cozinhar e para guardar os alimentos
z Um local para os membros da família tomarem banho
z Drenagem adequada para recolher as águas dos banhos e da lavagem da
roupa numa fossa. Esta fossa deverá ter no fundo pedras grandes e em cima
pequenas

z Locais apropriados para depositar o lixo
z Locais apropriados para construir uma latrina. É uma boa ideia que os líderes
comunitários garantam que antes de a família ser autorizada a construir o seu
novo lar, seja construída a latrina
A casa deve ser suficientemente espaçosa para alojar todos os membros da
família. Há doenças que se transmitem facilmente, duma pessoa para outra,
quando numa casa pequena vivem e dormem muitas pessoas.

Como manter uma boa higiene da casa?
1. Limpar, frequentemente, o interior da
casa. Varrer e lavar o chão, as paredes e por
baixo dos móveis.
2. Manter o quintal e o pátio da casa
sempre limpo: varrer e lavar todos os dias.
3. Usar sempre a latrina. Não praticar fecalismo a céu aberto (isto é, evitar
fazer necessidades maiores ao ar livre). Ver na pág. 205 como tratar as fezes das
crianças.
4. Não deixar que os animais (patos, cabritos, porcos ou outros) entrem dentro da casa,
ou andem à solta nos locais onde brincam as
crianças.

HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL

187

5. Não deixar que os cães lambam
as crianças. Os cães também podem
transmitir doenças.

6. Os lençóis e os cobertores devem ser lavados e estendidos ao sol com frequência. Se em casa
houver percevejos, ou pessoas com sarna, toda a
roupa pessoal, de cama e as toalhas de banho, têm
de ser lavadas e secas ao sol. Depois, e sempre que
possível, devem ser passadas a ferro.

7. Remover diariamente o lixo proveniente da cozinha, da casa e do quintal
e depositá-lo numa cova preparada para esse efeito ­ aterro sanitário. De cada
vez que se deposita lixo, deve ser colocado um pouco de terra por cima.
8. Tapar buracos e aberturas do chão ou das
paredes, onde as baratas, carraças, percevejos e
escorpiões se possam esconder.
9. Destruir e/ou aterrar poças de água e
charcos, que são lugares onde os mosquitos se
multiplicam.

Higiene dos alimentos
A higiene dos alimentos que a família consome constitui um factor muito importante para a prevenção das doenças, principalmente as diarreias e algumas parasitoses. Isto é muito importante nas crianças que apanham diarreia com maior
facilidade e frequência. As diarreias nas crianças, principalmente se repetidas,
podem levar à desidratação e morte da criança, ou fazer com que esta vá perdendo peso, afectando o seu estado nutricional e, consequentemente, o seu
crescimento e desenvolvimento.
Por isso, é necessário garantir que: os alimentos que a família consome são
frescos e seguros; quem cuida da alimentação da família cumpre todos os cuidados de higiene necessários à preparação e conservação dos mesmos.

188

HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL

Preparação dos alimentos
1. Lavar sempre as mãos com sabão antes de começar a preparação duma
refeição. Também é preciso ter o cuidado de voltar a lavar as mãos, de cada vez
que se interrompe a preparação da comida ­ especialmente quando se interrompe
para limpar ou mudar as fraldas dum bebé, ou limpar uma criança depois de defecar, ou ainda se a pessoa que prepara os alimentos interrompe para ir defecar.
2. Lavar bem as verduras e os
legumes, com água limpa, antes de os
preparar, principalmente se estes não
vão ser cozidos (por exemplo: saladas).
3. Lavar muita bem a fruta, antes
de a comer. Se isto não for possível, a
fruta deve ser descascada, antes de ser
comida.
4. Os alimentos crus, especialmente a carne, o frango e o peixe, podem
ser contaminados com micróbios perigosos. Por isso, deve-se evitar o contacto
entre alimentos crus, especialmente a carne e o peixe, e alimentos já cozinhados.
Depois de preparar os alimentos crus, é muito importante lavar bem as mãos antes de tocar noutros alimentos. Os alimentos que vão ser cozidos, não devem ser
lavados juntamente com alimentos que vão ser consumidos crus ou semicozidos,
tais como saladas e frutas.
5. Manter limpas todas as superfícies onde se preparam os alimentos e usar
utensílios limpos para preparar e servir os alimentos. Lavar também a faca com
que se prepara os alimentos!
6.

Utilizar sempre copos, pratos e tigelas limpos.

Cozinhar os alimentos
1. Deve-se cozer bem todos os alimentos, em particular as carnes, peixes,
mariscos e vegetais.
2. Não se deve comer ovos crus. Os ovos devem ser cozidos até a clara
(a parte branca) ficar cozida e a gema (a parte amarela) ficar firme.

Conservação dos alimentos cozidos
1. A comida deve ser preparada na altura da refeição. Deve-se sempre garantir que todos os alimentos são consumidos logo após serem cozidos.
2. Todo o alimento que tenha sido guardado à temperatura ambiente por
4 horas ou mais após ser cozido deve ser muito bem reaquecido antes de ser
consumido.

HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL

189

Protecção dos alimentos e limpeza dos utensílios
1. Não deixar que as moscas, ou outros insectos pousem ou andem sobre
os alimentos. Estes insectos são portadores de micróbios e transmitem doenças.
Não deixar restos de comida espalhados nem pratos sujos, porque isso atrai as
moscas e faz multiplicar os micróbios. Os alimentos devem ser protegidos, mantendo-os tapados ou guardados em recipientes com tampas.
2. Proteger os alimentos e as áreas da cozinha contra animais domésticos e
outros animais.
3. Não deixar no chão os pratos, as panelas e
outros utensílios de cozinha. Quando numa casa o
local para preparar os alimentos é o quintal, deve
ser aí construída uma copa simples apenas feita de
estacas e uma chapa. No mínimo, deve ser construída
uma banca ou usar uma bacia grande para colocar os
utensílios da cozinha e os pratos depois de lavados,
para evitar que se sujem com terra que pode estar
contaminada. Com a copa, ou uma boa plataforma,
os pratos, panelas e os outros utensílios também ficam
fora do alcance dos animais. Se for possível, guardar
os pratos e todos os utensílios de cozinha num lugar
coberto (exemplo: um armário).
4. Evitar utilizar biberões para dar o leite aos bebés. Dentro de biberões não
fervidos e mal lavados podem crescer bactérias que causam diarreia e podem
levar à morte das crianças.
5. Não deixar as crianças apanharem coisas do chão, nem deixar que comam algo que tenha caído no chão sem antes ter sido lavado.
6. Guardar/armazenar os alimentos que não se estragam num lugar seguro
(separados dos pesticidas, agentes desinfectantes ou outros químicos tóxicos).

Consumir alimentos frescos e seguros
1. Quando não se tem a certeza da origem dos produtos, nem como foram
preparados, é mais seguro não os comer.
2. Não consumir comida preparada há muito tempo (antiga) ou que cheira
mal. Deitar fora toda a comida com bolor, ou que se desconfia que está estragada. Pode provocar intoxicações.
3. Sempre que possível, dar só alimentos que foram preparados de fresco,
principalmente às crianças, aos idosos e às pessoas doentes.

190

HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL

4.

Não consumir comida enlatada, quando a lata se apresenta:

z com a tampa abaulada (parece que está inchada);
z amolgada;
z a derramar o conteúdo;
z a esguichar líquido quando é aberta.
CUIDADO com os vendedores desonestos que aliciam as pessoas,
com descontos, para venderem alimentos enlatados fora de prazo!!

5. Hoje em dia, a maioria dos alimentos enlatados ou vendidos em embalagens industriais, apresentam o prazo de validade escrito nos rótulos, como:
"Vender até..."; "Consumir de preferência até..."; ou "Consumir até..."; ou
"Consumir antes de...". É necessário procurar e ler esta informação nos rótulos.
Não é seguro consumir alimentos depois da data indicada.
6. Nunca se deve comprar ovos partidos. As rachas permitem a entrada de
micróbios.
7. Usar somente leite pasteurizado ou fervido. A pasteurização é um processo através do qual o leite é aquecido a temperaturas muito altas, o que destrói
os micróbios. Pode não ser seguro beber leite de produção caseira. Este leite deve
ser fervido antes de ser bebido.

Higiene da água
A água é um líquido precioso e sem ela não há vida nem saúde.
Para as actividades diárias da vida duma comunidade, e para que esta viva
com saúde, é necessário que haja água disponível para:

z Beber
z Cozinhar
z Tomar banho
z Lavar as mãos
z Lavar a louça
z Lavar a roupa
z Regar as machambas
z Dar de beber aos animais

HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL

191

No entanto, é preciso ter cuidado porque através de consumo de água contaminada, pode-se apanhar doenças perigosas, tais como a cólera e outras doenças
diarreicas. Muitas vezes, embora parecendo límpida, a água pode conter micróbios que provocam doenças.
A água considerada LIMPA para beber (potável) pode ser obtida nas seguintes fontes seguras:

z Torneiras e fontanários
z Poços protegidos (com tampa), e revestidos de blocos
z Furos protegidos
z Nascentes protegidas
z Cisternas protegidas
Nem sempre é possível utilizar a água proveniente de fontes seguras
de abastecimento. Muitas vezes, a água a que uma comunidade tem acesso
provém de:

z Pequenos lagos
z Rios
z Poços ou furos não protegidos
z Reservatórios para recolha de água das chuvas
A água que se tira destas fontes pode não ser limpa e provocar doenças. Existem
vários métodos descritos adiante para purificá-la e torná-la limpa (potável).
É muito importante identificar as fontes de água a que uma comunidade
tem acesso. É necessário saber de onde e como as pessoas tiram a água, antes
de as aconselhar sobre o que pode e deve ser feito, para garantir o consumo de
água potável.

Se as pessoas da comunidade tiram a água de lagos, aconselhar a:
z Tratar a água para beber
z Evitar tomar banho nos lagos
z Procurar, com a ajuda das estruturas locais, uma fonte alternativa, o mais segura possível, de onde se possa tirar água potável.

A água dos lagos não é boa para beber, mas pode ser utilizada para
regar as machambas e para dar de beber aos animais.

192

HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL

Se a comunidade tira água do rio e não é possível arranjar outro local,
aconselhar a fazer o seguinte:
z Escolher um local adequado para tirar a água do rio. Como mostra a figura,
este deve estar localizado acima do local onde se lava a roupa, se toma banho
e se dá de beber aos animais.

z Tratar a água para beber (ver em baixo).
z É importante informar a comunidade que a presença dum rio ou dum lago
demonstra que naquela zona a água está perto da superfície, portanto a comunidade pode facilmente se organizar para cavar um poço e de certeza
encontrará água a poucos metros de profundidade.

O que fazer quando a população
tira a água das nascentes?
A água da nascente pode ser limpa e
boa para beber (potável), se a nascente
estiver devidamente protegida. Se a
nascente não está protegida e se não
existe outro sítio para tirar a água, as
pessoas devem ser aconselhadas a:

z Colocar uma vedação à volta de toda a nascente.
z Fazer uma vala à volta da nascente para drenar a água da chuva.
z Construir um dreno para a água em excesso, protegido contra a erosão.
z Manter os animais afastados da nascente incluindo, se possível, as aves, e tudo
o que possa provocar sujidade.

Se a comunidade tira água de poços não protegidos:
Se o poço não está bem protegido, é importante discutir com a população o que
pode ser feito para o proteger.
Considera-se que um poço é bem protegido quando:

z Está colocado a pelo menos 20 metros duma latrina
z Tem pelo menos 3 metros de profundidade
z Tem à volta uma protecção com uma parede de pelo menos meio metro de
altura

z Tem uma tampa
z Tem uma bomba ou um balde para tirar a água
z Existe uma vala à volta para drenar a água das chuvas e a própria água que as
pessoas deixam verter quando usam o poço.

HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL

193

Se a população utiliza a água das chuvas, aconselhar a:
z Esvaziar e limpar o reservatório onde é recolhida a água no início de cada
época chuvosa

z Utilizar objectos limpos e/ou aplicar uma torneira para tirar a água do
reservatório

z Tapar o reservatório durante o período em que não chove
z Tratar a água para beber, sempre que possível.
É importante manter bem limpos os poços e as fontes de água públicas.
Não deixar que os animais se aproximem dos lugares onde as pessoas vão
buscar água para beber. Se for necessário, colocar uma cerca em volta, para manter os animais longe da fonte.
Ninguém deve defecar (fazer cocó), nem atirar lixo perto da fonte de água.
Também não se deve deixar que as pessoas tomem banho, ou lavem a roupa
e/ou a loiça perto da fonte de água.
A água duma fonte pode ficar contaminada se não for recolhida num recipiente adequado.

ATENÇÃO
Para manter a água potável desde a fonte até que seja consumida em casa,
aconselha-se o seguinte:

z Utilizar, sempre que possível, recipientes para transportar a água, que
tenham uma boca (ou abertura) pequena

z Manter os recipientes bem limpos
z Lavar os recipientes, pelo menos uma vez por semana, de preferência
com sabão

z Tapar os recipientes durante o transporte da água para casa
z Armazenar a água, dentro de casa, em recipientes limpos e tapados
z Sempre que possível, a água que se utiliza em casa deve ser entornada
a partir dos recipientes onde está armazenada

z Se não é possível evitar mergulhar um objecto na água, utilizar um
utensílio com pega (ex.: jarro ou púcaro), para evitar que os dedos toquem na água do recipiente

194

HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL

Como tratar a água
O ideal seria que toda a água fosse proveniente duma fonte segura de água, com
garantia de que a água para beber é limpa (potável). Mas, quando isso não é
possível, toda a água deverá ser tratada em casa. Esta medida é muito importante
para as crianças, as pessoas com o HIV, e quando há muitos casos de diarreia e/ou
epidemias de cólera ou disenteria.
Muitas vezes é possível transformar água que não é própria para beber em
água potável, mas nalguns casos não. No entanto, mesmo a água imprópria para
consumo humano pode ser útil para satisfazer outras necessidades de higiene
doméstica, para as machambas, ou para os animais.

Algumas sugestões para o tratamento da água
Os métodos de tratamento de água que podem ser utilizados em casa ou na
comunidade são:

Decantação
É possível reduzir os micróbios que provocam doenças deixando a água no recipiente durante 3 dias, em repouso. Quando se deixa a água durante 3 dias a
sujidade fica acumulada no fundo do recipiente. Depois, quando se começa a
utilizar a água isto deve ser feito com cuidado para esta não turvar, ou seja, para
não levantar a sujidade que se acumulou no fundo. A água deve ser retirada com
um púcaro com asa. Este método não é suficiente para eliminar todos os micróbios nocivos (que provocam doenças) da água.

Sujidade não acumulada no fundo
(espalhada)

Sujidade acumulada no fundo
(decantação)

HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL

195

Filtração
É outro método seguro para tratar a água.
Existem filtros já preparados para filtrar a água,
mas uma alternativa é o uso de panos limpos. A
filtração da água através de panos não oferece
muita segurança, mas é um método que pode
ser utilizado em situações de emergência, ou
durante uma epidemia de cólera. Os filtros de
cerâmica oferecem muito mais segurança do que
qualquer outro método de filtração
Depois da filtração, é sempre aconselhável ferver ou tratar a água com cloro.
Também é possível construir filtros simples de areia. Pode-se pedir ajuda a
uma pessoa com experiência nesta área, principalmente a pessoas ligadas à abertura de poços.

Fervura
Um bom método de tratamento da água consiste em colocar a água ao lume e
deixar ferver durante algum tempo. No entanto, uma vez que este método exige
disponibilidade de fogo e de tempo (para ferver e depois arrefecer), nem sempre
existem condições para que possa ser utilizado.

COMO FAZER?
1. Colocar a água numa panela ao lume;
2. Quando começar a ferver, deixar que continue a ferver durante mais um
minuto e depois tirar do fogo
3. Deixar arrefecer a água antes de consumir, mantendo-a em recipiente tapado.

196

HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL

Cloragem
Quando surge uma epidemia de cólera numa comunidade, é necessário dar mais
atenção ao tratamento da água para beber. O ideal seria que todas as famílias tivessem possibilidade de ferver a água, uma vez que a bactéria que causa a cólera
(vibrião) é facilmente destruída pela fervura.
Mas, quando não há condições para ferver a água, pode-se utilizar o cloro
para tratá-la. O vibrião e outros micróbios morrem em contacto com o cloro.
O cloro pode ser obtido através da utilização de lixívia (javel) que geralmente
se encontra à venda no mercado. No entanto, a concentração de cloro varia de
acordo com o tipo de lixívia. Por isso, nem sempre é fácil saber qual a quantidade
de lixívia a acrescentar à água que se utiliza em casa. As instruções sobre a quantidade de lixívia a utilizar encontram-se na pág. 740.
Existem produtos com uma concentração mais fixa e que já apresentam, no
rótulo, as instruções sobre as quantidades que devem ser utilizadas para a desinfecção da água. São estes produtos comerciais, específicos para a purificação da
água, que devem ser procurados e aconselhados a utilizar.

NOTA: Numa situação de cólera, a cloragem dos poços é uma
medida que pode ajudar. Mas é necessária uma boa monitorização
em relação à medição dos níveis de cloro e é necessário que esta
medida seja complementada com o tratamento da água em casa.

Tratamento solar
Este é um método simples, mas exige paciência. Só se deve usar este método
quando não houver nenhuma hipótese de ferver a água.
1.

Arranjar uma garrafa transparente de vidro ou de plástico.

2.

Começar por lavar muito bem a garrafa e a tampa.

3.

Logo de manhã pôr água limpa até a metade da garrafa.

4. Agitar bem a garrafa, umas 30 vezes. A água tem que ser bem agitada
até ficar cheia de oxigénio. Quando está com oxigénio aparecem bolhas de ar
dentro da água. Isto ajuda os raios de sol a matar os micróbios que estão dentro
da água.
5.

Depois disso encher o resto da garrafa com mais água limpa.

HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL

197

6. Colocar a garrafa deitada (na posição horizontal) a apanhar sol. Se possível, colocar no telhado de chapa de zinco ou por cima duma superfície preta.
NÃO DEIXAR A GARRAFA À SOMBRA durante este processo.
7.

Deixar a garrafa ao sol até ao fim da tarde (17 horas).

8.

Ao fim do dia esta água já está boa para ser bebida.

Se for um dia de pouco sol, é preciso deixar a garrafa ao sol durante dois
dias. Deve-se manter a água armazenada na mesma garrafa que se usou para
o tratamento ao sol. Se isto não for possível, a água deve ser armazenada num
recipiente bem lavado para evitar contaminação.

Para beber, use sempre água de fontes seguras.
MAS... Para a prevenção de doenças de transmissão fecal-oral, é
muito importante usar água em quantidades suficientes, ainda que
esta não seja totalmente purificada, para garantir a lavagem das
mãos e a higiene pessoal e da família.

Ambiente saudável
Garantir e manter a higiene pessoal, da casa, dos alimentos e da água são medidas fundamentais para a prevenção de doenças no seio da família. Mas, para
que haja boa saúde numa comunidade, é necessário garantir que esta viva num
ambiente saudável.
As fezes humanas, o lixo doméstico e a água estagnada facilitam o crescimento de insectos e outros transmissores de doenças. Para garantir um ambiente
saudável é necessário organizar medidas de saneamento básico no seio da comunidade. Por outro lado, é necessário garantir que o ambiente não fique poluído por produtos químicos ou pesticidas tóxicos.

Deposição e tratamento dos dejectos humanos
A prática de fecalismo a céu aberto (fazer cocó no chão e ao ar livre) é muito
prejudicial para o ambiente e as pessoas. Ela facilita a criação de moscas e de
outros insectos que transportam micróbios das fezes para as pessoas e/ou para a
comida e a água que as pessoas consomem.
As necessidades de saneamento urbano e rural são muito diferentes entre si.
Numa comunidade rural ou suburbana, o melhor método de deposição de fezes
é o uso de latrinas.

198

HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL

Uso de latrinas
Cada casa deve ter uma latrina. É necessário que cada família garanta a construção da sua própria latrina e que todos os membros da família, incluindo as
crianças, a utilizem realmente.
O posto de saúde, a escola e outros locais públicos, devem ter latrinas que
deverão ser mantidas limpas, bem como água para lavar as mãos depois de as
usar.

Onde construir latrinas?
As latrinas devem ser construídas a, pelo menos, 20 metros das fontes de água e
sempre num ponto mais baixo em relação ao poço, para evitar que o conteúdo
da latrina possa contaminar a água.
Se existirem poços ou outras fontes de água muito perto da latrina, os líquidos
que se encontram na cova da latrina podem-se misturar com a água dos poços e
esta fica contaminada com fezes.

HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL

199

Tipos de latrinas
Existem muitos tipos de latrinas. A decisão do tipo de latrina a construir depende
de vários factores: o material local disponível, o tipo de terreno; e os recursos
financeiros da família e da comunidade.
Algumas ideias para construir latrinas:

Latrina tradicional de fossa simples aberta
Um buraco fundo, protegido por uma casinha, funciona muito bem. Quanto
mais profundo for o buraco, menos problemas haverá com as moscas e com o
mau cheiro.
Aqui está o desenho duma latrina simples e fácil de construir:

1. Fazer um buraco com 1,8 m de profundidade e 1,1 m de diâmetro.
2. Depois, cobre-se o buraco com paus fortes, deixando um espaço na parte central para se fazerem as necessidades.
3. O buraco deverá ficar sempre coberto
com uma tampa.
Este tipo de latrina funciona, a curto
prazo. A longo prazo, não é a melhor solução para os problemas de saneamento
comunitário.

Quando se cava a terra para abrir o
buraco, é preciso ter o cuidado de
verificar se o terreno é firme e seguro.
Se não for seguro e para evitar a
queda das paredes, estas têm que ser
protegidas com pau-a-pique.

200

HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL

Um inconveniente destas latrinas é que quando a cova fica cheia, tem de ser
tapada e é preciso procurar outro lugar para abrir uma nova cova. Em lugares
onde há muita concentração de pessoas isso pode ser um problema.

NUNCA se deve abrir uma latrina muito perto da antiga porque
o seu conteúdo pode invadir a nova e provocar a queda desta. A
nova cova deve estar a, pelo menos, 2,7 m da antiga (se esta tiver
as medidas aconselhadas por este livro).

Em lugares onde chove muito, a cova pode-se encher de água e fazer transbordar as fezes. Em locais onde o nível da agua é muito alto (isto é, onde basta
cavar alguns metros para encontrar água), as fezes da latrina podem contaminar
as fontes de água da comunidade.
Nestas zonas é muito importante revestir a cova com blocos ou um tambor
para evitar que ela caia. Para além disso, pode-se usar a areia retirada da cova
para se construir uma base à volta da cova, onde se põe a laje, para que o
piso (chão em volta da cova) da latrina esteja acima do nível da água quando
chove.
Uma latrina de fossa simples aberta pode ter os seguintes problemas:

z É difícil manter o piso limpo, o que pode
favorecer a transmissão de doenças (por exemplo,
ancilostomíase);

z As moscas multiplicam-se no buraco e transportam
os micróbios para o ambiente;

z Cheira mal;
z As crianças podem cair na cova;
z O piso pode cair fazendo a latrina desabar;
z Quando a cova fica cheia, é necessário procurar outro
local para a nova latrina.
A latrina de fossa aberta é fácil de construir e muito
barata, porque só implica o custo da mão-de-obra, mas,
como a cova é aberta por cima, deixa entrar moscas.
Em seguida se apresenta duas sugestões para a construção de dois tipos de
latrinas melhoradas. Estas foram concebidas de modo a não serem criadouros
de moscas, nem fontes de maus cheiros.

HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL

201

Latrina melhorada de fossa fechada
A latrina fechada tem, por cima do buraco
(fossa), uma laje com uma abertura no
meio e uma tampa por cima da abertura.
A laje pode ser feita de madeira ou de
cimento. O cimento é melhor porque se
mantém mais firme sobre a terra e não
apodrece. Também ajuda a manter a
latrina seca e evita que caia.
Existem lajes redondas de cimento que são fabricadas e vendidas em estaleiros.
Para construir uma latrina de fossa fechada:

z Cavar um buraco (fossa) redondo, com cerca de 1,1 metro de diâmetro, e
com 1 a 1,8 metros de profundidade;

z Colocar a laje por cima da fossa redonda;
z Para maior comodidade, pode-se fazer um assento de cimento, por cima da
laje, utilizando um molde. Se não existir um molde já preparado, este pode
ser improvisado, utilizando dois baldes de tamanhos diferentes, um dentro do
outro.
Em certas comunidades as pessoas fazem
assentos usando um alguidar de cerâmica
(barro). Depois de fazer um buraco de cerca
de 15 cm de diâmetro na base do alguidar,
este recipiente é invertido e colocado por
cima da laje da latrina.

Latrina ventilada melhorada (VIP)
Este tipo de latrina tem um tubo de ventilação que também serve como armadilha para as moscas.
Como construir uma latrina VIP?
1. A laje da latrina VIP deve ser um pouco mais larga e com dois buracos,
um para a abertura da latrina e o outro para o tubo de ventilação. Assim:

z Cavar um buraco quadrado e raso, com 7cm de profundidade e 2 metros de
lado.

z Colocar, por cima, uma rede de arame e fazer na rede 2 buracos com uma
serra, um com o diâmetro de cerca de 20 cm, com o centro a 0,5 m duma
borda do quadrado, e o outro com cerca de 15 cm de diâmetro, com o centro
a 75 cm da borda oposta;

202

HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL

z Colocar um balde velho ou um vaso
grande no buraco de 20 cm e um vaso
mais pequeno no buraco de 15 cm.
Depois, deitar o cimento para continuar
a construir a laje.

2. Cavar um buraco redondo para a
fossa da latrina, como o da latrina fechada,
mas um pouco maior, ou seja: com 1,5 m de
diâmetro e 3 m de profundidade. Em cima
da cova, fazer um círculo ao redor do buraco
com tijolos de cimento, de modo a que estes
estejam ao nível do chão. Depois da laje estar
seca, coloca-se por cima da fossa.
3. Construir um tubo de ventilação, de 2,75 a 3 metros de altura, por cima
do buraco grande, e uma casinha sobre o resto da laje, utilizando o material disponível. O desenho mostra uma casinha feita de tijolos ou blocos de cimento de
10 cm. A casinha não pode ter janelas e a abertura da porta deve ter mais uma
parede no meio para evitar a entrada de muita luz. O telhado deve ser bastante
firme para que a casinha fique relativamente escura por dentro.

É importante que a porta da
latrina esteja virada para o
lado da casa onde há mais
corrente de ar. A latrina VIP
não pode ser construída
num lugar que impede
a circulação de corrente.
Por exemplo, debaixo
duma árvore. Ela tem que
ser construída num lugar
muito aberto para que haja
circulação máxima de ar
pelo tubo.

4. A parte superior do tubo de
ventilação deve ser coberta com um
pedaço de rede mosquiteira, bem
apertada à volta do tubo. A abertura
da latrina na laje não pode ser
coberta.

Direcção
do sol ao
meio-dia

Coberta de
Protecção

Cano de
ventilação

Entrada

Moscas e
cheiros
1,8 m

1,1 m

HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL

203

O tubo de ventilação é a grande inovação deste tipo de latrina, porque retira
os maus cheiros. O ar é puxado para dentro da fossa pelo buraco da latrina ­ por
isso a necessidade de mantê-lo aberto. As moscas podem entrar dentro da fossa
e são atraídas pela claridade do tubo de ventilação onde encontram a rede de
protecção, não podem escapar e morrem. Assim, não há moscas, não há maus
cheiros e a laje não precisa de tampa.

Como fazer a manutenção das latrinas?
z Deitar na fossa duas mãos cheias de cinza, folhas de limoeiro ou areia depois
de usar a latrina.

z Nas latrinas melhoradas, varrer e lavar a laje frequentemente (ter o cuidado de
não deixar água entrar na cova).

z Manter a tampa da laje no lugar.
z Quando a latrina não é melhorada, varrer em volta da cova frequentemente.
Não usar água para limpar o piso destas se o buraco da fossa não estiver revestido, pois pode fazer a latrina desabar.

z Não usar a latrina para deitar a água que foi utilizada nos banhos e nas
lavagens.

z Evitar que entre água das chuvas, elevando portanto o terreno em volta da
latrina.

z Quando a cova estiver cheia, tapá-la com areia e plantar uma árvore por cima.

204

HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL

O que fazer se não houver latrina?
Se não houver latrina, as fezes devem ser sempre enterradas. Este método é
conhecido como "saneamento de gato" mas não é bom porque os animais
podem desenterrar as fezes e o espaço disponível para essa actividade pode esgotar-se. No entanto, é melhor do que deixar as fezes ao ar livre.
Nunca se deve defecar nos seguintes locais:

z Ao redor da casa ou da fonte de água.
z Nas lagoas, charcos, rios e outros locais onde as pessoas tomam banho (também não urinar nestes locais).

z No mar ou na praia.
z Nas machambas e hortas.

Higiene das crianças
Muita gente acredita que as fezes das crianças não são perigosas como as dos
adultos, mas isto não é verdade.

As fezes das crianças são portadoras de micróbios perigosos para a saúde.
Se uma mãe acha que as fezes das crianças não são perigosas, estas irão defecar ao ar livre. Se as fezes ficam expostas, podem transmitir doenças.
Cuidados a ter quando a criança defecar:

t

Lavar a criança ou o bebé com água e
sabão após defecar;

t

Evitar usar folhas ou outro material para
limpar a criança;

t
t

Deitar as fezes na latrina ou enterrá-las;

t

Quando se lava a roupa numa bacia,
deve-se deitar a água fora para evitar que
outras pessoas que não sabem que a água
está suja a utilizem;

t

Não deitar a água suja no meio do quintal, ou em lugares onde as crianças
brincam. A água pode secar mas os micróbios e parasitas podem sobreviver
na areia;

Lavar as fraldas e a roupa que o bebé
sujou, longe das fontes de água;

Lavar bem as mãos com água e sabão quando acabar de lavar a roupa.

HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL

205

Para as crianças maiores:

t

É preciso ensinar às crianças, desde pequenas, as regras
de higiene. O melhor local onde elas podem aprender é
em casa;

t

Se a latrina é aberta, ensinar as crianças a usar um
penico; e deitar sempre as fezes na latrina;

t

Se a latrina é fechada, as crianças devem ser
encorajadas a usá-la;

t

Acompanhar as crianças à latrina e ensiná-las a pôr a
tampa no lugar depois de a usar;

t

Se a criança defecar ao ar livre (fecalismo a céu aberto),
deitar as fezes na latrina ou enterrar, se não houver
latrina ou se esta estiver cheia;

t

Ensinar as crianças a lavar as mãos com água e sabão,
ou cinza, depois de defecar;

t

As meninas devem aprender a limpar-se de frente para
trás para evitar infecções urinárias e vaginais.

Remoção e tratamento do lixo doméstico
Todas as casas produzem lixo. O lixo inclui restos de comida, papel, plásticos,
latas, etc. Onde há muito lixo existem moscas, baratas e ratos. Estes podem provocar muitas doenças, incluindo diarreias, cólera e peste.
Se as crianças tiverem feridas e brincarem no lixo, podem ficar infectadas.
Quando se deita o lixo perto dum rio, lago ou poço, a água pode ficar contaminada e as pessoas que beberem essa água podem apanhar diarreia.

Como eliminar o lixo de maneira segura?
O lixo deve ser sempre enterrado ou queimado. Todo o lixo que não for queimado ou enterrado, deve ser coberto com areia para que seja protegido das
moscas e ratos.

ATENÇÃO! Não queime:
­ Plásticos
­ Aerossóis
­ Pilhas, baterias
Este tipo de material pode libertar químicos perigosos para a saúde, e os
aerossóis podem explodir.

206

HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL

O melhor método para o tratamento do
lixo é a construção de aterros sanitários. O
aterro sanitário é uma cova grande onde
se deposita o lixo. O ideal é que cada casa
tenha o seu próprio aterro sanitário, mas
também se pode construir aterros sanitários
públicos, para uso da comunidade

Construção de aterros sanitários
z O aterro sanitário deve ter 1 m de profundidade, 2 m de comprimento e 2-3
m de largura.

z Deve ter uma inclinação das bermas que evita que as águas escorram para
dentro do aterro sanitário. Se o aterro acumular água pode constituir uma
fonte de reprodução de mosquitos.

z Para evitar que as crianças e os animais entrem na cova deve fazer-se uma
vedação simples à volta do aterro.

z Quando um aterro está cheio, deve ser fechado e bem coberto com uma camada de terra. Depois abre-se outra cova, para um novo aterro sanitário.

Localização de aterros sanitários
Considera-se que um aterro sanitário está bem localizado quando ele se apresenta:

z Afastado das casas (pelo menos 20 metros) se for usado por uma família ou
grupo pequeno de famílias.

z A pelo menos 100 metros das casas, se for um aterro maior, usado por várias
famílias.

z Afastado, pelo menos 20 metros, de qualquer rio, poço ou nascente.
z Com o lixo tapado por uma camada de terra de pelo menos 3 cm.
Uso de aterros sanitários

z Cada vez que se deita lixo na cova, este deve ser coberto por uma camada de
terra. Isto evita maus cheiros e moscas.

z O lixo não deve ser espalhado à volta do aterro.
GUARDAR O LIXO NUMA LATA
O lixo também pode ser guardado numa lata com tampa, para ser
posteriormente queimado num local afastado das casas para evitar o
fumo e o mau cheiro.

HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL

207

Utilizar o lixo para adubar a terra
Às vezes o lixo pode ser utilizado para adubar a terra. Normalmente, o extensionista rural ou outro trabalhador da agricultura pode dar conselhos e mais informações sobre como se pode utilizar o lixo para adubar as machambas.

A eliminação correcta do lixo pode ajudar a:

z Prevenir as doenças
z Aumentar a produção através do uso do lixo para adubar a terra

Controlo de insectos
Alguns insectos transmitem doenças. Os mosquitos, por exemplo, podem transmitir a malária (ver pág. 332), a filaríase (ver pág. 324) e a febre do dengue (ver
pág. 462). As moscas também contribuem para a transmissão de várias doenças,
principalmente as diarreias, a cólera e a disenteria (ver capítulo 18).

Mosquitos
Existem vários tipos de mosquitos, mas só o Anopheles transmite a malária. Este
mosquito é diferente dos outros, quando está em repouso tem a cauda voltada
para cima.
O mosquito que transmite a malária prefere climas
quentes e húmidos. Em geral, a transmissão é maior na
época chuvosa e nos meses seguintes.
Para combater cada tipo de mosquito, é importante
conhecer os locais onde o mosquito nasce e se reproduz
­ criadouros ­ bem como os seus hábitos.

Os criadouros dos mosquitos
O mosquito nasce na água, a partir dos ovos que foram depositados pela fêmea
do mosquito adulto. Dois ou 3 dias depois de os ovos terem sido depositados na
água, surgem as larvas. A larva cresce, e torna-se um mosquito adulto que abandona a água e voa. Depois do acasalamento e de ingerir sangue dum animal ou
duma pessoa, as novas fêmeas vão depositar os ovos na água.
Os vários tipos de mosquito preferem diferentes tipos de água para depositar
os seus ovos.

208

HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL

O mosquito que transmite a malária prefere águas estagnadas, ou de muito
pouca corrente, e limpa. Por exemplo: charcos, margens pouco profundas de
lagoas, valas de drenagem agrícola, campos de arroz, margens de rios e riachos,
e zonas alagadas.
Outro tipo de mosquito comum, o Aedes,
não transmite malária, mas o vírus que provoca
a febre do dengue e de chikungunya. Estes
mosquitos depositam os seus ovos na água que
se acumula em recipientes, como pneus, latas,
garrafas, vasos de plantas e jarros de água.

Os hábitos dos mosquitos
Para depositar os ovos, a fêmea precisa de se alimentar de sangue. O macho não
precisa de sangue, e alimenta-se de sucos vegetais e néctar de flores e por isso
não transmite a malária.
O mosquito que transmite a malária gosta de pousar no interior das casas para
descansar. As fêmeas alimentam-se de sangue entre as primeiras horas da noite e
as primeiras horas da manhã, quando as pessoas estão a dormir. Por isso o maior
perigo é dentro das casas. Normalmente, depois de se alimentar, o mosquito
pousa numa superfície para descansar, antes de voar para longe.
O mosquito que transmite o dengue e chikungunya gosta de estar dentro das
casas ou nos quintais e nas escolas, bem perto das pessoas. O mosquito descansa
dentro de casa nos armários e cantos escuros, e fora de casa fica em locais frescos
e com sombra. Prefere picar durante o dia.

Como evitar os mosquitos no ambiente doméstico?
Não é fácil distinguir o mosquito Anopheles dos outros mosquitos. Por isso, é
melhor tomar medidas para evitar a picada de qualquer tipo de mosquito. Estas
medidas incluem:

t
t
t

Construir as casas longe de zonas pantanosas

t

Eliminar a água que se acumula à volta das torneiras e dos poços de água
usando drenos

t

Destruir recipientes que acumulam água, como latas, pneus velhos à volta
das habitações (funciona melhor para o mosquito que transmite dengue, não
para o que transmite a malária)

Plantar árvores nas zonas alagadas para absorver a água e secar a terra
Eliminar charcos e pequenas colecções de água, principalmente em redor das
casas

HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL

209

t

Colocar areia nos vasos de flores ornamentais (para impedir a multiplicação
do mosquito da dengue)

t
t

Tapar bem os recipientes de armazenamento de água

t

Se não há condições para colocar redes em todas as portas e janelas, dar prioridade aos quartos.

t

Maticar bem as casas de caniço com terra ou restos de cimento

Colocar, sempre que possível, redes nas portas e janelas da casa. Ou, então
manter as portas e janelas fechadas

Como evitar o contacto directo com os mosquitos que causam malária?
Medidas para evitar a picada do mosquito que causa a malária:

t
t
t

Não dormir ao ar livre

t
t

Pulverização intradomiciliária (dentro das casas)

Evitar actividades ao ar livre durante a noite
Usar redes mosquiteiras, de preferência impregnadas com insecticida, sobre
as camas ou esteiras

Uso de repelentes

Uso de redes mosquiteiras
Redes não tratadas
As redes mosquiteiras simples (não tratadas) protegem contra picadas de mosquito, mas têm alguns inconvenientes tais como:

z Os mosquitos e outros
insectos continuam a voar
em volta da rede e a fazer
barulho que perturba o sono

z Se a pessoa que estiver a
dormir encostar na rede, os
mosquitos conseguem picar

z Se houver alguns buracos os
mosquitos conseguem entrar
e picar

210

HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL

Redes mosquiteiras impregnadas (tratadas) com insecticida
As redes mosquiteiras tratadas já vêm impregnadas com insecticida. Elas são mais
eficazes para prevenir as picadas porque o insecticida repele e mata os mosquitos
que pousam na rede.
O efeito do insecticida pode permanecer 3 a 5 anos se a rede for utilizada de
maneira normal.
Para além dos mosquitos, a rede tratada também é útil porque mata percevejos, piolhos, e pulgas que chegam perto da rede.
No início, uma rede mosquiteira pode parecer cara, mas acaba por ser barata porque a família pode passar cerca de 5-6 anos sem ter que comprar uma
nova rede.

Cuidados a ter com as redes
As pessoas que têm redes rotas ou furadas
não devem ficar preocupadas, porque
estas podem servir. Basta pegar em agulha
e linha e cozer a parte furada para que a
rede continue em condições de proteger
da picada dos mosquitos.
As redes não devem ser lavadas com muita
frequência, ou com força, porque isto
pode provocar buracos.

O que fazer quando não há redes suficientes?
Dar prioridade às crianças pequenas (menores de 5 anos) e às mulheres grávidas,
porque elas correm maior risco de contrair a doença e de morrer por malária.

ATENCÃO: Se tem rede, use-a todas as noites durante o ano inteiro,
mesmo nas épocas em que não há muitos mosquitos. Basta uma
picada para apanhar malária.

HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL

211

Pulverização
A Pulverização Intradomiciliária (PIDOM) é a aplicação de insecticida nas paredes internas da casa antes do início da época chuvosa, geralmente por brigadas
organizadas pelas autoridades de saúde. O insecticida mata os mosquitos adultos
que pousam nessas paredes.
O papel das comunidades é colaborar aderindo aos programas de pulverização. Não se deve maticar, pintar, ou lavar as paredes durante 6 a 12 meses após a
pulverização. Isto só pode ser feito poucos dias antes da próxima pulverização.
Para evitar o surgimento de mosquitos, também se pode tratar as águas onde
vivem as larvas com certos produtos.

ATENÇÃO: A pulverização intradomiciliária é feita DENTRO de casa!

Uso de repelentes
Existem vários tipos de repelentes de mosquitos:

Repelentes químicos

z Espirais (serpentinas, também conhecidos
em muitas comunidades por "dragão") que
existem à venda no mercado;

z Produtos que se colocam na pele.
Repelentes tradicionais
Certas comunidades usam o fumo provocado
por vários materiais para afugentar mosquitos:

z Folhas húmidas de eucalipto
z Lenha ou restos de madeira (serradura) humedecida
z Às vezes acrescentam às folhas restos de vela ou bocados de serpentina para
o preparado arder durante mais tempo
Em muitos países onde há mosquitos, as pessoas plantam citronela (uma
árvore com propriedades repelentes contra mosquitos), dentro dos quintais e
perto dos quartos.
Os métodos tradicionais de evitar as picadas dos mosquitos têm mais inconvenientes do que vantagens, especialmente se não forem bem controlados.

212

HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL

As vantagens são:

z Afugentam, temporariamente, os mosquitos
z Diminuem o número de picadas dos mosquitos
z São à base de material local (facilmente disponível)
z Não têm muitos custos
As desvantagens são:

z Não matam os mosquitos, que voltam a picar após o desaparecimento do fumo
z Deve-se pôr o fumo muito tempo antes de ir dormir, porque pode provocar
asfixiamento

z O fumo polui o ar, o que pode provocar bronquite nas crianças
z Pode provocar incêndios

Moscas
As moscas transmitem muitas doenças como por exemplo a diarreia, a cólera, a
disenteria e o tracoma. A mosca tsé-tsé é responsável pela transmissão da doença
do sono (ver pág. 468).
As moscas reproduzem-se nos lixos e nas fezes do homem e dos animais,
onde depositam os seus ovos.
As moscas pousam nas fezes ou no lixo e levam nas suas patas e nas asas,
os micróbios que causam doenças. Quando pousam na comida deixam nela os
micróbios. Se as pessoas comerem os alimentos onde as moscas pousaram, engolem também os micróbios e podem ficar doentes.
A mosca que provoca o tracoma, reproduz-se nas fezes e transporta os micróbios directamente para a cara das pessoas, principalmente para os olhos das
crianças.
O combate às doenças causadas pelas moscas consiste em:

t
t
t
t
t
t

Construir e utilizar bem as latrinas
Eliminar correctamente o lixo
Manter os alimentos e a água tapados
Não deixar restos de comida espalhados, nem os pratos sujos
Lavar bem os alimentos que se comem crus
Existem armadilhas próprias para controlar a mosca tsé-tsé. Se ela constitui
um problema na comunidade, peça ajuda às autoridades veterinárias

HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL

213

Intoxicação por pesticidas
Os pesticidas são químicos usados para matar certas plantas (herbicidas), fungos
(fungicidas), insectos (insecticidas) ou outros animais (por exemplo, veneno para
ratos). O uso inadequado de pesticidas é um grande problema nos países em
desenvolvimento.
Os pesticidas são perigosos e podem causar problemas graves para a saúde.
Também podem ser prejudiciais para o meio ambiente. Por isso devem ser usados com muito cuidado.
Os pesticidas são extremamente perigosos. Os
camponeses utilizam-nos muitas vezes, sem saber quais
os seus riscos, ou como se devem proteger. Por isso, muitas pessoas ficam doentes, cegas, estéreis, paralíticas,
ou as crianças podem nascer com defeitos. Trabalhar com
pesticidas, ou comer alimentos pulverizados ou contaminados acidentalmente por eles pode, por vezes, causar
cancro.
No início, os químicos usados para matar insectos
e pragas, permitem ao agricultor obter colheitas
mais produtivas. Mas hoje já se verifica que, muitas
vezes, as sementeiras tratadas com pesticidas acabam
por produzir colheitas mais pequenas do que as que
não foram tratadas com pesticidas. Isto acontece
porque os pesticidas também matam os pássaros e
os insectos "bons" que controlam as pragas de forma
natural e que são proveitosos para a terra. À medida
que os insectos e as pragas se tornam resistentes aos
pesticidas, é necessário usar quantidades maiores, ou
outros tipos mais tóxicos. Quando os agricultores usam
estes químicos, acabam por depender deles.

Os pesticidas matam
também os animais
benéficos ­ como
abelhas e minhocas.

Com o aumento da dependência dos agricultores em relação aos pesticidas e
fertilizantes, os custos dos produtos agrícolas aumentam.
Para alguns trabalhadores rurais e suas famílias, o risco de serem intoxicados
por pesticidas é alto. Alguns vivem perto dos campos pulverizados com pesticidas e o veneno pode facilmente penetrar nas casas ou contaminar a água. Isto
é mais perigoso para as crianças, que podem ficar incapacitadas mesmo com
pequenas quantidades de pesticida.
Os trabalhadores que fazem a pulverização (a aplicação dos pesticidas) também correm risco.

214

HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL

A maioria dos pesticidas não desaparecem facilmente e não são solúveis na
água. Por isso, quando contaminam os rios, lagos e fontes, vão se acumulando
pondo em risco as comunidades que consomem a água e o peixe desses locais.

Trabalhadores rurais e as suas
famílias que vivem em palhotas na
periferia das machambas sofrem,
muitas vezes, intoxicações por
pesticidas.

É necessário dar avisos e informações bem claras sobre o uso de pesticidas.
Exemplos de pesticidas perigosos:

z Organoclorados: ex., DDT
z Píretro e Piretrinas: Cypermetrina, Decametrina, Permetrina
z Carbamatos: Carbaril, Carbofurão
z Organofosfatos: Diazinão, Endosulfan, Fosfamidão, Isazofos, Malatião,
Metidatião, Monocrotofos, Parathion, Phoxin, Profenofos, Triazofos

z Herbicidas: Paraquat, Atrazina, Simazina, Fluometurão, Carbutilato, Tiazafurão,
Ametrina, Prometrina, Terbutrina, Dimetametrina, Metolaclor, Propanos

z Rodenticidas (servem para matar ratos): ex., Warfarina
É muito importante ler os rótulos dos recipientes dos pesticidas. Ler também,
com atenção, as letras pequenas, porque o nome do pesticida pode não constar
no nome comercial.
Cada produto tóxico deve vir rotulado com o nome químico, com sintomas
que surgem em caso de intoxicação e com as normas de tratamento de pessoas
intoxicadas.

Se a cor da faixa do rótulo for:
Vermelha
Amarela
Verde

Significa que o produto é:
altamente tóxico
moderadamente tóxico
ligeiramente tóxico

CUIDADO: Quando se maneja pesticidas, é necessário tomar as
seguintes precauções:

HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL

215

máscara
luvas

verificar se
o tanque do
pulverizador
não está roto

t
t
t
t
t
t

usar roupas
que cobrem
os braços e
pernas

botas
(sandálias não)

Vestir roupa protectora, cobrindo o corpo todo
Misturar os químicos e preparar o pulverizador com cuidado
Verificar se o tanque do pulverizador não está roto
Trabalhar de costas para o vento para que o pó seja soprado para longe
Tomar banho e mudar de roupa imediatamente depois de pulverizar
Lavar as roupas depois de pulverizar

z Marcar claramente os recipientes onde se encontram os pesticidas, e mantêlos fora do alcance das crianças. Nunca usar os recipientes de pesticida para
comida ou água
Lavar as mãos antes de comer.

ATENÇÃO: É preciso garantir que as crianças e as mulheres grávidas
ou a amamentar fiquem longe do alcance de pesticidas.
As regras de tratamento indicadas na pág. 274 podem ajudar a socorrer de
imediato uma pessoa que sofreu uma intoxicação por pesticida. Mas para resolver os problemas de base, é necessário educar as pessoas para evitarem o uso de
pesticidas perigosos.

216

HIGIENE E SAÚDE AMBIENTAL