7. SEÇÃO DE MICOLOGIA
7.1 Orientações gerais de coleta e transporte das amostras em relação ao
exame solicitado
EXAMES

MATERIAL BIOLÓGICO

ONDE COLHER

Pele, couro cabeludo, unha,
cabelo



em placa de Petri estéril ou
em
envelope
de
papel
impermeável estéril;

secreções



em seringas, ou swab;

escarro



em pote ou frasco com boca
larga estéril;

líquido pleural



em frasco estéril;

aspirado ou lavado brônquico,



em frasco estéril;

sangue



em
frasco
hemocultura;

medula óssea



em frasco contendo 0,5 ml de
heparina diluída 1:1000

raspado das lesões



em placa de Petri estéril;

escarro



em pote descartável próprio;

lavado ou aspirado brônquico



em frasco estéril.

Imunodifusão dupla (IDD) para
BLASTOMICOSE ou
Paracoccidioides brasiliensis,

sangue (soro)



em tubo seco - 5 ml

Imunodifusão dupla
(IDD)Aspergilus fumigatus,

sangue (soro)



em tubo seco - 5 ml

Pesquisa direta ou cultura para
Candida albicans,

qualquer material biológico



próprio para cada tipo

Imunodifusão dupla para Candida
albicans ou CANDIDÍASE -

sangue (soro)



em tubo seco - 5 ml

Pesquisa de fungos (ou Exame
Direto ou Exame Micológico
Direto)
FUNGOS, cultura para

Pesquisa ou cultura para
BLASTOMICOSE ou
Paracoccidioides brasiliensis,

próprio

de

EXAMES

MATERIAL BIOLÓGICO

ONDE COLHER

Pesquisa de Criptococcus
neoformans pelo método direto

LCR (líquor)
ou qualquer outro material
biológico



em frasco estéril

Pesquisa de Criptococcus
neoformans, pelo método da tinta
da china

LCR (líquor)



em frasco estéril

Cultura para Criptococcus
neoformans,

LCR (líquor)
ou qualquer outro material
biológico a critério médico



em frasco estéril

Prova do Látex para Criptococcus
neoformans,

LCR (líquor)



em frasco estéril

sangue (soro)



em tubo seco.

7.2 Orientações específicas de coleta
7.2.1 Micoses Superficiais
7.2.1.1 Pele
a) As amostras de lesões de pele como escamas, crostas, ou cascas,
devem ser colhidas preferencialmente com uma lâmina de bisturi
descartável ou com a borda da lâmina de vidro de microscopia, muito
limpa;
b) Deve-se colher, raspando em vários pontos da lesão, procurando as
bordas das lesões mais recentes;
c) Nos casos em que não há escamas aparentes, procura-se raspar
bem o local e retirar o material que for possível.
7.2.1.2 Couro Cabeludo
a) As amostras de lesões no couro cabeludo devem ser obtidas através
da raspagem do local;
b) A amostra deve conter tocos de cabelo, o conteúdo dos folículos
tapados e as escamas de pele;
c) Os cabelos da área também podem ser puxados com pinça (os
cabelos infectados são facilmente removíveis).
7.2.1.3 Cabelos e Pelos
a) Se a lesão for ao longo do cabelo ou pelo, como nódulos, por
exemplo, esses devem ser cortados com tesoura.

7.2.1.4 Unhas
a) Os fragmentos de unhas alteradas podem ser colhidos, raspando-os
com o bisturi ou com o auxílio de uma tesoura limpa;
b) Material que se deposita embaixo da unha pode ser retirado
cuidadosamente com o bisturi, com um palito (tipo de manicure),
previamente esterilizado, ou outro objeto pontiagudo estéril;
c) Em casos de paroníquia (lesões na região da cutícula), colhem-se as
escamas e, se possível, o pus, com um swab;
d) Se a lesão é uma mancha esbranquiçada em baixo da unha, raspar
por cima da unha com o bisturi até chegar na parte com a lesão;
desprezar este material e raspar todo o conteúdo da mancha.
Nota:

Quando o material da lesão é seco, reduz a contaminação bacteriana e
a amostra pode ser estocada, em placas de petri estéreis ou em envelopes, por
meses, sem perder a viabilidade do fungo dermatófito. O transporte é sem
refrigeração.
7.2.1.5 Membranas Mucosas
a) Para as infecções de boca ou vagina, o raspado com lâmina de
bisturi ou espátula, nas partes afetadas (áreas com eritema e/ou
placas brancas), é melhor do que o swab, se o material for
processado imediatamente;
b) No caso de coleta vulvar/vaginal, o swab (sempre embebido em
salina ou água estéril) é o mais adequado. Não esquecer que o swab
tem que ser mantido úmido até ser processado o exame.
7.2.1.6 Ouvido
As infecções fúngicas de ouvido são geralmente secas, exceto quanto
associadas a infecções bacterianas;
A raspagem do material é sempre melhor para o diagnóstico laboratorial,
embora o swab também possa ser usado.
7.2.1.7 Olho
a) Deve ser solicitado meio de cultura ao laboratório e o material
retirado das áreas de ulcerações e supurações pelo oftalmologista
deve ser inoculado imediatamente no meio;
b) Lágrima e fluídos podem se coletados com pipeta plástica estéril chamada de pipeta Pasteur descartável ou pipeta de transferência
(Figura 16). O swab não é adequado para este tipo de material.

Figura 16: Modelos de pipeta plástica. As estéreis vem embaladas
individualmente ou em mais unidades.
7.2.2 Micoses Subcutâneas
a) Pode ser raspado as escamas ou crostas da parte superficial da
lesão;
b) Aspirado do pus e/ou biopsia, são mais apropriados para o exame;
c) O pus é coletado assepticamente de abscessos não drenados com
uma agulha estéril em seringa. Após a coleta, retirar a agulha com
uma pinça e passar o material para um frasco estéril;
d) Nas lesões ulceradas, caso o material tenha que ser colhido com
swab (o que não é recomendado), deve ser retirado da parte mais
profunda da lesão, evitando encostar na periferia e na pele
adjacente;
e) Se algum grão for visível no pus, este deve ser incluído na amostra.
Notas Importantes:
Para todas as coletas descritas acima, colher todo o material disponível
na lesão. Quanto mais material mais viabilidade na visualização e no
crescimento em cultura.
Todas as vezes que a coleta for com swab, este deve ser umedecido em
salina ou água estéril antes da coleta. Após a coleta, deve permanecer
em um frasco estéril com salina suficiente para mantê-lo úmido até o
procedimento do exame.
7.2.3 Micoses Profundas (Sistêmicas)
7.2.3.1 Escarro
a) Preferencialmente deve ser colhido por broncoscopia: lavado ou
aspirado brônquico;
b) Quando não for possível, o escarro deve ser colhido da mesma
maneira como é colhido para o exame de tuberculose, não
esquecendo da higiene da boca antes da coleta, para diminuir a
contaminação pelos saprófitas da cavidade bucal e da faringe;

c) O exame de escarro, tanto o direto como a cultura, na maioria das
vezes não é satisfatório, porque não é confiável, já que é uma
amostra muito contaminada. Portanto, quando houver a possibilidade
do exame sorológico, deve-se optar pelo último.
7.2.3.2 Líquor (LCR ­ Líquido Céfalo Raquidiano)
a) É colhido pelo médico. Não é recomendável que a mesma amostra
seja utilizada para os exames bacteriológicos, micológicos ou de
tuberculose, porque pode haver contaminação;
b) O ideal é uma alíquota da amostra para cada setor;
c) Para um bom exame direto com cultura e Prova do Látex, é
necessário 2 a 3ml de líquor.
7.2.3.3 Sangue (Hemocultura)
a) Técnica de Coleta
Lavar as mãos com água e sabão, enxaguar bem, enxugar com
papel toalha e calçar as luvas;
Fazer a anti-sepsia da área com PVPI, por no mínimo 30
segundos. Deixar secar;
Passar álcool 70%;
Coletar assepticamente no mínimo 5ml de sangue de indivíduos
adultos e 1ml de crianças, cuidar para que não hajam bolhas de ar
na seringa;
Não trocar de agulha antes de injetar o sangue no frasco.
b) Volume de sangue para cada amostra
É recomendado de duas a três amostras de cada paciente, com
intervalos de 30 minutos. Deve ser respeitada a quantidade de sangue de 1:10
em relação ao meio de cultura, isto é: 5ml de sangue para 45ml de meio de
TSB -Trypticase Soy Broth - (hemocultura adulto) e 1ml de sangue para 9ml de
TSB (hemocultura pediátrico).
c) Inoculação e Incubação






Romper o lacre central dos frascos e fazer assepsia na tampa de
borracha dos frascos de meio com TSB (frasco de hemocultura)
com álcool 70%;
Inocular 5ml de sangue direto da seringa de coleta no frasco de
hemocultura adulto (45ml) ou 1ml de sangue em frasco de
hemocultura pediátrico (9ml). Misturar bem (sem agitar) para
evitar coagulação;
Se a coleta for próxima do LACEN, encaminhar imediatamente
em temperatura ambiente;
Para distâncias maiores, proceder como o descrito abaixo:

- Em caso de mais de um frasco, em um deles deverá ser
introduzindo na tampa de borracha uma agulha estéril com uma
pequena porção de algodão na parte posterior, para aeração;
- Incubar a 35ºC por 24 horas antes de enviar para o LACEN.
d) Transporte
Após decorrido o tempo de incubação de 24 horas, o TSB deverá ser
encaminhado ao LACEN em temperatura ambiente, juntamente com a Ficha de
Encaminhamento de Amostras Clínicas devidamente preenchida.
7.2.3.4 Medula Óssea
a) Coletar de 3 a 5 ml de sangue e colocar em um frasco estéril
contendo 0,5 ml de heparina diluída 1:1000.
7.2.3.5 Fluidos
a) PLEURAL, ABDOMINAL e SINOVIAL: aspirados ou drenados, são
coletados assepticamente em frasco estéril contendo heparina estéril
1:1000.;
b) A quantidade de heparina usada varia de acordo com o volume da
amostra (aproximadamente 1 ml por 10 ml de fluído);
c) Em casos de fluído abdominal de pacientes de diálise peritoneal,
colher sem heparina ou em frasco de hemocultura.
7.2.3.6 Biópsias
a) Devem ser enviadas ao laboratório em salina estéril e não em
formalina.
7.2.3.7 Sorologias
a) Para as sorologias, as amostras de sangue são coletadas em tubo
seco. 5 a 10 ml são suficientes.
Nota Importante:
Para todos os exames, é necessário constar na requisição a suspeita
clínica para que o laboratório possa fazer uso dos meios e condições de cultivo
mais adequados.
7.3 Transporte
a) Para os líquidos assépticos recomenda-se que o material seja
enviado imediatamente ao laboratório para que a semeadura seja
feita o mais rápido possível, para maiores chances de viabilidade do
fungo;

b) Portanto, ressalvando as emergências, é necessário observar o
horário da coleta para que chegue no laboratório em horário
conveniente para semeadura imediata (preferencialmente pela
manhã).
c) No transporte das amostras deve-se considerar três condições
importantes: manter sob refrigeração, proteger da luz solar e
acondicionar de forma adequada para que não haja risco de
derramamento.