USO
DA
TERBINAFINA
ORAL
NO
TRATAMENTO
DA

TINEA
UNGUIUM
DOS
PODODÁCTILOS

ADMINISTRADA
DE
FORMA
INTERMITENTE


Autora: Isabella Brasil Succi
Orientadora: Profa. Rosane Orofino Costa




2


SUMÁRIO
1. JUSTIFICATIVA E APLICABILIDADE NO SUS--------------------------------- 3
2. INTRODUÇÃO -------------------------------------------------------------------------- 5
3.1 ­ CLÍNICA ---------------------------------------------------------------------- 5
3.2 ­ FATORES PREDISPONENTES ------------------------------------------

6

3.3 ­ DIAGNÓSTICO LABORATORIAL --------------------------------------

6

3.4 ­ TERAPÊUTICA --------------------------------------------------------------

7

3. OBJETIVOS ----------------------------------------------------------------------------- 11
5. METODOLOGIA ---------------------------------------------------------------------- 12
A. CASUÍSTICA ------------------------------------------------------------------- 12
1- PACIENTES------------------------------------------------------------- 12
1.1-CRITÉRIOS DE INCLUSÃO E DIAGNÓSTICO -----

12

B. MÉTODOS ---------------------------------------------------------------------- 12
1-TRATAMENTO -------------------------------------------------------- 13
2-AVALIAÇÃO CLÍNICA ----------------------------------------------- 13
3-EXAMES LABORATORIAIS --------------------------------------- 13
3.1-EXAME MICOLÓGICO ----------------------------------- 13
3.1.1- DIRETO ------------------------------------------- 13
3.1.2- CULTURA --------------------------------------- 13
3.2- HEMATOLOGIA E BIOQUÍMICA --------------------- 14
4- DOCUMENTAÇÃO FOTOGRÁFICA ---------------------------- 14
5- CRITÉRIO DE CURA E RESPOSTA AO TRATAMENTO --- 14
6. RESULTADOS -------------------------------------------------------------------------- 15
7. CONCLUSÃO ---------------------------------------------------------------------------- 17
8. REFERÊNCIAS ------------------------------------------------------------------------ 18




3


2 ­ JUSTIFICATIVA E APLICABILIDADE NO SUS


A queixa "micose na unha" não é incomum para os dermatologistas. Ao

contrário, a onicomicose é responsável por mais da metade de todas as alterações das
unhas e afeta grande parte da população de todo o mundo, sendo que a porcentagem
tende a aumentar ainda mais com o avanço da idade, podendo chegar a 60% em
pacientes acima de 70 anos.
Por

não

apresentar

sintomas

dolorosos

inicialmente,

sendo

predominantemente estético; o paciente costuma postergar a procura por atendimento
especializado. Tenta a cura através de manicures/podólogos, e quando a infecção
chega ao médico, esta já se encontra num estádio mais avançado, necessitando de
medicação oral.
O tratamento desta afecção é longo, difícil e oneroso, exigindo múltiplas
visitas ao médico, exames complementares, dificultando o tratamento de populações
de baixa renda. Além disso, causa impacto também na qualidade de vida do paciente,
o que é corroborado pelo fato de que 74% dos pacientes referem situações
embaraçosas relacionadas com a doença.4
Além de afetar a qualidade de vida, a onicomicose altera a estrutura da unha,
causando microtraumas na pele ao redor, que podem se tornar porta de entrada para
outras infecções, incluindo erisipela.
A onicomicose é causada em 85% dos casos por fungos dermatófitos. As
infecções por dermatófitos são denominadas tineas seguido do nome da região
acometida (i.e. tinea unguium ou onicomicose por dermatófitos).
Os antimicóticos orais disponíveis na rede pública atualmente são: fluconazol,
cetoconazol e itraconazol. O primeiro não é muito eficaz para o tratamento de
infecções por dermatófitos, estando mais indicado para candidíases. Já o cetoconazol,
encontra-se em desuso pelo seu potencial hepatotóxico. E o itraconazol apresenta
como desvantagem as interações medicamentosas e, para o tratamento desta afecção é
importante o uso de uma droga com poucas interações, por ser uma doença mais
comum em pacientes mais idosos, que provavelmente já possuem comorbidades
(HAS, DM) fazendo uso de outros medicamentos.
Além das infecções nas unhas, os pacientes também podem apresentar tinea
pedis plantar ou interdigital; que, em geral, precedem o acometimento ungueal5,
sendo importante o uso de uma droga sistêmica para poder debelar todos os focos de




4


infecção. Além disso, se o tratamento for interrompido quando as unhas estiverem
com aparência normal, os fungos podem se re-estabelecer, mantendo a infecção.9
Então a medicação deve permanecer na unha por algum tempo após a interrupção do
tratamento.
Outro fato relevante é que todas as medicações citadas acima (fluconazol,
cetoconazol e itraconazol) são fungistáticas e não fungicidas, dificultando ainda mais
atingir a cura da onicomicose. Assim, torna-se necessária uma droga fungicida, com
poucas interações medicamentosas e com ampla ação para dermatófitos, para o
tratamento desta entidade tão comum.
A droga que mais se encaixa neste perfil é a terbinafina, por ser atualmente o
único antimicótico fungicida disponível para administração oral e o mais potente
agente contra dermatófitos in vitro. Diferente dos azólicos, a terbinafina tem um baixo
potencial de afetar o metabolismo de outras drogas, pois tem pouca afinidade pelo
citocromo P450 (< 5%).
O esquema padrão para o tratamento da onicomicose usando a terbinafina é na
dose de 250 mg/dia por três meses. Há poucos estudos controlados, randomizados
que avaliaram um esquema não-contínuo para a terbinafina. Regimes intermitentes
ou pulsoterapia têm reduzido o custo do tratamento assim como a exposição total à
droga, diminuindo os efeitos adversos.
Procurando um tratamento eficaz, seguro e com menor custo para esta afecção
tão comum, propomos o uso da terbinafina em um esquema posológico diferente do
habitual, sendo 250mg/dia, durante 7 dias por mês, durante 6 meses. Isto reduz o
número total de comprimidos de 90 para 42, reduzindo os efeitos colaterais e o custo
pela metade; tornando o tratamento acessível à população de baixa renda, e mantendo
a mesma eficácia e segurança do tratamento convencional. Nosso público-alvo é a
população de renda mais baixa, dos ambulatórios de serviços públicos que atendem à
rede

do

SUS.




5


3
-
INTRODUÇÃO

A
onicomicose
é
uma
doença
bastante
comum,
sendo
responsável
por

cerca
de
50%
das
alterações
ungueais.2
Afeta
7­9%
da
população
dos
Estados

Unidos
e
entre
2
a
8%
dos
europeus.10

Esta
prevalência
pode
aumentar,

tornando-se
próxima
dos
60%
em
indivíduos
acima
de
70
anos.2

Este aumento
pode ser explicado por alguns fatores, tais como o aumento da idade da população,
das imunodeficiências, melhora da vigilância médica e dos cuidados em relação às
unhas.3 Pessoas de idade mais avançada, portadores de tinea pedis, psoríase,
imunodeficiências, diabéticos, tabagistas, aqueles que co-habitam com portadores de
onicomicose, ou praticam esportes aquáticos, estão mais sujeitos à onicomicose.4
A maioria dos casos das infecções das unhas dos pés, 80-90%, são causadas
por fungos dermatófitos5,6,7 (80-90% dermatófitos, 7% leveduras (cândida), 2-12%
não ­ dermatófitos).

As
infecções
por
dermatófitos
são
denominadas
tineas
ou
tinhas,
seguido

pelo
nome
da
região
do
corpo
acometida.
Nesse
estudo
vamos
avaliar
os
casos
de

infecções
na
unha,

i.e.
tinea
unguium,
que
podem
ser
denominadas
também

onicomicose
por
dermatófitos.11


Os
fungos
dermatófitos
compreendem
três
gêneros:
Trichophyton,

Epidermophyton
e
Microsporum.
Os
principais
agentes
etiológicos
da
tinea

unguium
são:
Trichophyon
rubrum,
Trichophyton
mentagrophytes
var.

interdigitale,


Trichophyton


mentagrophytes


var.


mentagrophytes


e


Epidermophyton
floccosum.
O
gênero
Microsporum
raramente
causa
onicomicose.



3.1
­
CLÍNICA




quatro
formas
de
apresentação
clínica
da
tinea
unguium
(Classificação


de
Zaias,
modificada
por
Baran):
12

a. Subungueal
distal/lateral
­
mais
comum.



Nesta
forma,
o
fungo
invade
a
camada
córnea
do
hiponíquio
e
leito

ungueal,
causa
espessamento
da
camada
córnea,
eleva
a
borda
livre
e,

consequentemente,
causa
onicólise.

A
princípio,
ocorre
onicólise
com
um

mínimo
de
ceratose
subungueal
e
as
unhas
podem
ter
coloração
amarelo-
acastanhada.

É
causada
principalmente
pelo
Trichophyton
rubrum
(T.





6

rubrum),
em
que
o
acometimento
do
leito
ungueal
comumente
resulta
da

infecção
plantar.
12

b.
Leuconíquia
superficial
­

Em
90%
dos
casos
o
agente
etiológico
é
o



Trichophyton
mentagrophytes
var.
interdigitale
(T.
mentagrophytes


var.

interdigitale).

Clinicamente,
observam-se
pequenas
placas
brancas

na



região
dorsal
da
placa
ungueal.

Estas
podem
coalescer
e


gradualmente,



cobrir
toda
a
superfície
da
unha.12


c.
Leuconíquia
subungueal
proximal
-
é
incomum.

Está
particularmente
associada
a
casos
de
pacientes
com
AIDS,
sendo
hoje

reconhecida
como
um
marcador
para
esta
imunodeficiência.

Ocorre

invasão
fúngica
na
parte
ventral
da
prega
ungueal
proximal
gerando
áreas

brancas
além
da
cutícula,

que
avançam
distalmente.

É
causada

principalmente
pelo
T.
rubrum.
12

d.
Distrófica
total


Todas
estas
apresentações
clínicas
podem
evoluir
para
uma
forma

avançada
chamada
de
distrófica
total.12

3.2
­
FATORES
PREDISPONENTES



Algumas
condições
podem
predispor
o
indivíduo
a
adquirir

esta


infecção:
atividades
esportivas
que
predispõem
a
injúrias
ou
microtraumas
às

unhas,
atividades
aquáticas,
andar
descalço
em
superfícies
com
grande

quantidade
de
esporos
fúngicos,14

idade
avançada,
fatores
genéticos,
psoríase,

infecções
fúngicas
cutâneas,8

pacientes
imunodeprimidos,
e
circulação
periférica

reduzida.10,15
Nesta
última
condição
em
que

uma
perfusão
diminuída
nos

dedos,
a
taxa
de
crescimento
da
unha
se
reduz
podendo
impedir
a
resolução
da

infecção,
deixando
o
paciente
mais
suscetível
a
uma
reinfecção.14

3.3
­
DIAGNÓSTICO
LABORATORIAL

a.
Exame
Micológico
Direto

O
diagnóstico
é
baseado
no
reconhecimento
de
hifas
hialinas,
septadas,

ramificadas
com
ou
sem
artroconídios
nas
escamas
epidérmicas
examinadas

após
o
tratamento
com
hidróxido
de
potássio
(KOH)
e
pela
morfologia
das

colônias.

b.
Cultura
e
identificação
do
fungo





7

A
infecção
por
T.
rubrum
é
a
mais
comum,
ocorrendo
em
cerca
de
71%


dos
casos,8
geralmente
forma
colônias
brancas,
flocosas,
com
um
pigmento

vermelho
escuro
a
marrom
no
reverso.

A
microscopia
da
cultura
revela

microconídios
ovais,
formando-se
ao
longo
dos
lados
das
hifas.11


Outro
agente
comum
é
o
T.
mentagrophytes,
sendo
responsável
por
20%

dos
casos.8
A
variedade
mentagrophytes
apresenta-se
como
uma
colônia
de

superfície
branca
ou
creme,
pulverulenta
ou
granular,
com
uma
margem
raiada.


No
reverso
pode
haver
um
pigmento
vermelho
ou
marrom.

No
caso
da

variedade
interdigitale,
observam-se
colônias
brancas
de
superfície
algodonosa.


Na
microscopia
da
cultura
de
T.
mentagrophytes
existem
numerosos

microconídios
esféricos
que
se
formam
em
aglomerados
dispostos
lateralmente

ao
longo
das
hifas.

Macroconídios
cilíndricos
de
paredes
lisas
podem
estar

presentes,
assim
como
hifas
em
espiral.11



O
Epidermophyton
floccosum
apresenta
colônia
filamentosa
de
aspecto

arborescente,
de
cor
verde-limão,
que
é
precocemente
coberta
por
micélio

branco
algodonoso.
Os
macroconídios
são
piriformes
de
parede
discretamente

rugosa.

Não

produção
de
microconídios.11


3.4
-
TERAPÊUTICA


A terbinafina é uma alilamina desenvolvida em 1979, sendo atualmente o
único antimicótico fungicida disponível para administração oral e o mais potente
agente contra dermatófitos in vitro.15,17

Foi aprovada para o tratamento da

onicomicose pela primeira vez no início dos anos 90 no Reino Unido19, sendo
registrada no Brasil em 1992.18 Estudos comparativos mostraram resultados
superiores do que ambos itraconazol e fluconazol no tratamento da onicomicose por
dermatófitos nas unhas dos pés. Apresenta custo-benefício melhor do que
griseofulvina, fluconazol e itraconazol.
É uma droga altamente lipofílica, que penetra na unha através da matriz e do
leito ungueal17 e é metabolizada pelo fígado. Diferente dos azólicos (cetoconazol,
itraconazol e fluconazol), a terbinafina tem um baixo potencial de afetar o
metabolismo de outras drogas, pois tem pouca afinidade pelo citocromo P450 (< 5%).
Entretanto, ela é um potente inibidor da isoenzima 2D6 do citocromo P 450, e pode
afetar o perfil farmacocinético de outras drogas que são substratos para esta enzima.




8


O clearance da terbinafina pode estar diminuído quando co-administrado com
cimetidina e aumentado pela rifampicina. Aproximadamente 70 a 80% de uma dose
de terbinafina é excretada na urina (como metabólito) com o restante sendo eliminado
nas fezes.5
Os efeitos colaterais são principalmente gastrointestinais e costumam ocorrer
durante as duas primeiras semanas da terapia.20 Podem incluir diarréia (5,6%),
náuseas (2,6%), vômitos, e dor abdominal (2,4%).22 Também foram relatados
eritema/rash cutâneo (5,6%), prurido (2,8%), urticária (1,1%) e cefaléia (12,9%).22
Há relatos de exacerbação ou indução da psoríase20 e do lúpus eritematoso cutâneo e
sistêmico.22 Perversão do paladar pode ocorrer principalmente durante a primeira
semana de tratamento e perda do paladar após 4 a 8 semanas. Pacientes maiores de
60 anos, ou portadores de IMC < 21, ou com baixa ingestão de zinco, estão mais
propensos a apresentarem alteração do paladar. Esta perda costuma ser reversível até
42 dias após a medicação ser interrompida. A prevalência do acometimento hepático é
baixa (3,3%).20 Para avaliar a injúria hepática deve ser solicitada a dosagem das
enzimas transaminase glutâmico oxalacética (TGO), transaminase glutâmico pirúvica
(TGP) e bilirrubinas (total e frações), assim como fosfatase alcalina e gama
glutamiltransferase.23,24 Os exames devem ser realizados antes, durante e após o
tratamento.22
As principais classes de antimicóticos atuam na membrana celular, na
biossíntese do ergosterol. O ergosterol é um componente importante das membranas
celulares fúngicas e é necessário para manter a integridade da membrana e o
crescimento do fungo. As alilaminas, incluindo a terbinafina, inibem a formação do
ergosterol num estágio mais precoce do que os azólicos (itraconazol, cetoconazol,
fluconazol). A terbinafina bloqueia o passo no qual o esqualeno é transformado pela
enzima esqualeno epoxidase.

A inibição desta enzima resulta num acúmulo

intracelular de esqualeno, que rompe as membranas celulares, possivelmente pela
formação de vesículas de esqualeno que enfraquecem as paredes fúngicas pela
extração de componentes lipídicos essenciais da membrana. O acúmulo de esqualeno
é essencialmente fungicida, pois ocorre o rompimento da membrana celular. A
deficiência do ergosterol tem um papel secundário, fungistático, cessando o
crescimento e a divisão celular fúngica, pela interrupção da síntese da parede. Esta
dupla ação da terbinafina em produzir uma deficiência de ergosterol e causar um
acúmulo de esqualeno é única entre os agentes antimicóticos sistêmicos. 25, 26




9





10

Aproximadamente 70-80% de uma dose de terbinafina administrada oralmente

é absorvida pelo trato gastrointestinal.

A biodisponibilidade da droga não é

significativamente afetada pela presença de alimento.26
A terbinafina pode ser detectada nas unhas uma semana após iniciada a terapia
numa dose de 250mg/dia.27

A concentração máxima de terbinafina na unha

encontrada no estudo de Schatz em 1995 foi de 0,52 e 1,01 µg/mL na semana 18 em
pacientes que receberam 6 e 12 semanas de tratamento respectivamente.28 Após 6 a
12 semanas da terapia oral com 250 mg/dia, a medicação ainda é detectada na lâmina
ungueal por 30 a 36 semanas, respectivamente, numa concentração de 0,19 ­ 0,28 g/g,
o que está bem acima do MIC (concentração inibitória mínima) para a maioria dos
dermatófitos26 (entre 0,001 e 0,01 µg/mL). 20,26
Finlay (1990)29 examinou a cinética da terbinafina na matriz ungueal em
pacientes recebendo 250 mg/dia durante até 48 semanas. A droga foi primeiro
detectada no clipping distal de unhas infectadas dos dedos das mãos e dos pés 3 a 18
semanas, após iniciado o tratamento. A concentração média de terbinafina nas unhas
variou de 0,25 a 0,55 ng/mg e o perfil cinético da droga foi semelhante nas unhas
afetadas e não-afetadas. A primeira amostra foi colhida após três semanas de uso da
medicação, porém é provável que a droga já estivesse presente antes. A detecção
precoce da terbinafina no clipping ungueal distal sugere que a droga se difunda
através do leito ungueal mais rapidamente do que pela matriz, conforme o tecido
ungueal recém-formado avança. O exame micológico direto das unhas tornou-se
negativo depois da semana 29, e a cultura negativou-se na semana 7.
Na Europa e América do Norte o esquema padrão para o tratamento da
onicomicose dos pododáctilos usando a terbinafina é na dose de 250 mg/dia por três
meses.30

Há poucos estudos controlados, randomizados que avaliaram um esquema

não-contínuo para a terbinafina.31
Regimes intermitentes ou pulsoterapia têm reduzido o custo do tratamento
sistêmico assim como a exposição total à droga, diminuindo os efeitos adversos.32 A
pulsoterapia está associada a um menor risco de abandono do tratamento devido a
menos efeitos colaterais quando comparado à terapia contínua. 33




11


4
-
OBJETIVO
Avaliar a eficácia e segurança do tratamento da tinea unguium

dos

pododáctilos utilizando terbinafina oral de modo intermitente, reduzindo a dose total
da medicação, os efeitos colaterais e o custo do tratamento, mas mantendo a mesma
eficácia e segurança do tratamento convencional.




12


5
-
METODOLOGIA



O protocolo foi submetido ao Comitê de Ética em Pesquisa, tendo sido

aprovado.

A.
Casuística


1.
Pacientes



Foram incluídos pacientes com diagnóstico de tinea do SUS ou encaminhados
por outros médicos em regime ambulatorial. Foram utilizados como critérios de
exclusão pacientes que não pudessem comparecer às consultas agendadas, entender o
tratamento, gestantes ou lactantes, menores de 18 anos, imunodeprimidos ou aqueles
que apresentaram qualquer contra-indicação à medicação sistêmica usada nesta
pesquisa. Só foram incluídos os pacientes que entenderam e assinaram o termo de
consentimento livre e esclarecido.


Os pacientes responderam a um questionário sobre seus dados demográficos,

renda familiar etc. e sobre suas lesões, bem como relato de eventos adversos que
foram anotados pelo médico numa ficha clínica.

1.1
Critérios
de
inclusão
e
diagnóstico
de
tinea
unguium


- Quadro clínico compatível com onicomicose na(s) unha(s) do(s) pododáctilo(s);
- Exame micológico direto positivo evidenciando hifas hialinas, septadas,
ramificadas, com ou sem artroconídios;
- Isolamento e identificação de fungo do gênero de dermatófitos.

B. Métodos
Foi escolhida a unha do primeiro pododáctilo com maior comprometimento
como unha-alvo. Esta serviu como parâmetro para todas as avaliações clínicas,
micológicas e fotográficas subsequentes.




13


1- Tratamento
Terbinafina oral, 250 mg/dia, administrado na principal refeição, durante 7
dias a cada mês, durante 6 meses.
2- Avaliação clínica
A cada visita preenche-se a ficha de evolução na qual são registrados a medida
do crescimento da unha, o percentual de comprometimento e os efeitos adversos. A
medida do crescimento da unha saudável, é avaliada objetivamente através de
marcação feita sobre a unha e medida por um paquímetro digital (Mitutoyo®
modelo

500-196-20B).
3. Exames laboratoriais
3.1 Exame micológico
A
cada
retorno
dos
pacientes
é
colhido
material
para
exame
micológico

direto
e
cultura
para
fungos.


3.1.1 Direto
Realizado a partir das escamas colhidas das unhas acometidas dos
pododáctilos às quais foi adicionado hidróxido de potássio a 20% em DMSO (KOH +
DMSO), sem adição de corantes. Após intervalo de aproximadamente 10 minutos
procedendo-se à leitura. Considera-se exame direto positivo quando se observam
hifas
hialinas,
septadas,
ramificadas
com
ou
sem
artroconídios.

3.1.2 Cultura: Isolamento e identificação
Todas as amostras são semeadas em dois meios de cultura diferentes: ágar
Sabouraud dextrose e ágar seletivo para fungos patogênicos e deixados à temperatura
ambiente até três semanas, com observação semanal. As colônias são identificadas
pela sua macromorfologia e micromorfologia, conforme descritos na Fundamentação
teórica.




14


3.2 Hematologia e Bioquímica
É realizado em todos os pacientes e utilizado como um dos critérios de
inclusão/exclusão: hemograma completo, dosagem das enzimas transaminase
glutâmico oxalacética (TGO), transaminase glutâmico pirúvica (TGP) e bilirrubinas
(total e frações), assim como fosfatase alcalina e gama glutamiltransferase.

Foi

solicitado também a dosagem de creatinina. Na avaliação inicial também é solicitado
o anti-HCV.
4. Documentação fotográfica
Foi utilizada a máquina fotográfica digital Sony® modelo DSC-H10, sem uso
de flash.
5. Critério de cura e resposta ao tratamento
Adotamos o critério de cura total de Epstein, também conhecido como
disease-free nail (DFN), definido pela associação de unha sadia (clinicamente sem
lesão) e exame micológico direto e cultura negativos.
Será considerado cura parcial o paciente que tiver obtido melhora clínica
acentuada (menos de 25% de comprometimento longitudinal) e exame micológico
direto e cultura negativos.
Será considerada falha terapêutica quando o paciente tiver exame clínico
inalterado ou com piora e (ou) exame micológico direto e (ou) cultura positivos.
Será considerado recidiva/recaída o paciente que, após ter atingido cura total
apresente lesão clínica novamente e (ou) exame micológico direto e(ou) cultura
positivos para o mesmo dermatófito.




15


6 - RESULTADOS
Foram incluídos 40 pacientes com diagnóstico de onicomicose por
dermatófito, segundo critérios descritos na metodologia. Dois pacientes foram
excluídos pois não puderam comparecer às consultas de acompanhamento.
A diferença entre o número de pacientes do sexo feminino e masculino não foi
significativa.
Com relação à idade, a maioria dos pacientes tinha entre 40 e 70 anos, com
predomínio da faixa etária entre 51 e 60 anos.
A maior parte dos pacientes apresentava evolução da doença de até 10 anos.
A maioria dos pacientes apresentava porcentagem de comprometimento
ungueal acima de 50% no início do tratamento.
Predominou como agente causador o T. rubrum (65%) seguido do T.
mentagrophytes var. mentagrophytes (32%). Somente um paciente teve infecção
causada pelo T.mentagrophytes var. interdigitale. Nenhum paciente apresentou
infecção pelo E. floccossum.
A maioria dos pacientes apresentava acometimento na região distal/lateral.
Onicólise (descolamento da lâmina do leito ungueal), ceratose subungueal e
lâmina ungueal amarelada foram as alterações clínicas observadas com maior
freqüência. Onicorrexe, assim como a lâmina ungueal espessada, também foram
achados comuns.
O acometimento plantar foi freqüente, provável fonte do acometimento
ungueal, esteve presente em 80% dos pacientes.
Somente três pacientes referiam uso de tratamentos orais prévios. Destes, dois
fizeram uso de itraconazol e um de griseofulvina.


Somente dois pacientes apresentaram evento adverso. Um referiu diarréia que

surgiu uma semana após o término do pulso de terbinafina, em duas ocasiões, e não
parece estar relacionado à droga. Outro relatou cefaléia de leve intensidade após a
primeira dose da medicação apenas. Não houve alterações significativas nos exames
laboratoriais (hematologia e bioquímica).
Com relação aos exames micológicos, 75% apresentaram o exame direto
(EMD) negativo e 80% apresentaram a cultura negativa ao final do tratamento. A
porcentagem de cura total (melhora clínica com EMD e C negativos) foi de 70%. A
falha terapêutica (exame direto e/ou cultura positivos) ficou em 30%. Não foram
observadas recidivas no período. Todos os pacientes apresentaram melhora clínica (a




16


redução observada no percentual de comprometimento ungueal foi de no mínimo
75%).




17


7 ­ CONCLUSÃO
Regimes terapêuticos intermitentes ou em "pulso" utilizados para o tratamento
da onicomicose foram bem estudados com outros antifúngicos, em especial o
itraconazol, cujo regime intermitente de uma semana de uso da medicação seguida de
3 semanas sem, durante 3 meses, tornou-se agora o esquema padrão. Entretanto, há
poucos estudos controlados, randomizados que avaliaram um esquema não-contínuo
para a terbinafina.
No nosso estudo pudemos verificar as vantagens de um esquema intermitente
com terbinafina quando comparado ao convencional (terbinafina 250mg/dia durante
3 meses). Os benefícios incluíram o baixo número de relatos de efeitos colaterais;
pois apenas dois pacientes referiram sintomas, os quais foram de leve intensidade,
sendo que em um dos casos não parece estar relacionado à droga.
Outro benefício foi em relação à eficácia do tratamento. Numa revisão de
estudos publicados sobre onicomicose, pacientes tratados com terbinafina 250 mg/dia
durante 12 semanas (esquema padrão) obtiveram cura completa em 62 +- 6%,
melhora importante em 91 +- 10% e cura micológica em 82 +- 3% dos pacientes.
Estes valores são muito semelhantes com os encontrados no nosso estudo (cura total
70%, melhora clínica 100% e cura micológica 80%), onde podemos concluir que o
esquema intermitente apresenta eficácia similar ao esquema contínuo de terbinafina,
padrão ouro. As semanas de pausa não afetam significativamente o tratamento
antifúngico quando comparado com o esquema contínuo, visto que a droga ainda
permanece na unha após a interrupção do tratamento.
O principal benefício tratando-se de população de baixa renda, de
ambulatórios de serviços públicos que atendem à rede do SUS, foi o custo total do
tratamento.

Este foi reduzido a menos da metade, pois o número total de

comprimidos necessários passou de 90 para 42.
Então podemos concluir que a onicomicose é uma condição muito comum,
que pode afetar a qualidade de vida do paciente significativamente, e que o uso de
terbinafina oral num regime intermitente (250mg/dia ­ 7dias/mês ­ durante 6 meses)
é uma terapia tão eficaz quanto a convencional, segura, porém apresenta um custo
bem menor.




18


8 - REFERÊNCIAS

1- Sarifakioglu E, Seçkin D, Demirbilek M et al. In vitro antifungal susceptibility
patterns of dermatophyte strains causing tinea unguium. Clin Exp Dermatol 2007;
32:675-9.

2 ­ Daniel C, Jellinek N. The illusory tinea unguium cure. J Am Acad Dermatol 2010;
62:415-7.

3- Zanardi D, Nunes DH, Pacheco AS, Tubone MQ, Souza Filho JJ. Avaliação dos
métodos diagnósticos para onicomicose. An Bras Dermatol. 2008; 83(2):119-24.

4 -Finch JJ, Warshaw EM. Toenail onychomycosis: current and future treatment
options. Dermatol Ther. 2007 Jan-Feb;20(1):31-46.

5- Darkes MJ, Scott LJ, Goa KL. Terbinafine: a review of its use in onychomycosis
in adults. Am J Clin Dermatol. 2003;4(1):39-65.

6- Araújo AJG, Bastos OMP, Souza MAJ, Oliveira JC. Onicomicoses por fungos
emergentes: análise clínica, diagnóstico laboratorial e revisão. An Bras Dermatol.
2003; 78 (4):445-55.

7- Lacaz CS, Porto E, Martins JEC, Vaccari EMH, Melo NT. Tratado de micologia
médica Lacaz. 9 ed. São Paulo: Servier; 2002.




19


8- Gupta AK, Tu LQ. Dermatophytes: Diagnosis and treatment. J Am Acad Dermatol
2006, 54:1050-5.

9-Lecha M, Effendy I, Di Chiacchio N, Baran R. Treatment options ­ development of
consensus guidelines. JEADV. 2005; 19 (Suppl. 1): 25-33.

10- Sigurgeirsson B. Prognostic factors for cure following treatment of
onichomycosis. JEADV. 2009; nov (19): 1-6.

11- Midgley G, Clayton Y, Hay R. Micologia médica. São Paulo: Ed. Manole, 1998.

12 ­Baran R, Hay R, Haneke E, Tosti A. Onychomycosis. Alemanha: Ed. Martin
Dunitz, 1999, pg 12-17.

13- Baran R, Dawber RPR, Tosti A, Haneke E. A text atlas of nail disorders.
Inglaterra: Ed. Martin Dunitz, 1996, pg 155-61.

14 ­ Gupta AK, Tu LQ. Onychomycosis therapies: strategies to improve efficacy.
Dermatol Clin. 2006; 24: 381-6.

15- Loo D. Systemic Antifungal Agents: An update of established and new therapies.
Advances in Dermatology. 2006; 22:101-24.

16- Sher R, Tavakkol A, Sigurgeirsson B. Onychomycosis: Diagnosis and definition
of cure. J Am Acad Dermatol. 2007; 56:939-44.




20


17- Welsh O, Cabrera L, Welsh E.

Onychomycosis. Clinics in Dermatology.

2010;28:151-9

18- BRASIL. RDC no. 137, de 29 de setembro de 1992. Histórico de Produtos.
Disponível em: www1.i-helps.com/HisProd/details/60563. Acesso em 18 jun. 2010.

19 - Gupta AK, Ryder JE, Lynch LE, Tavakkol A. The use of terbinafine in the
treatment of onychomycosis in adults and special populations: a review of the
evidence. J Drugs Dermatol. 2005 May-Jun;4(3):302-8.

20- Gupta AK, Shear NH. Terbinafine: an update. J Am Acad Dermatol. 1997
Dec;37(6):979-88.

21 - BRASIL. Resolução no. 1548/ANVISA, de 23 de setembro de 2003. Categorias
de risco destinadas à mulheres grávidas. Disponível em www.anvisa.gov.br/e-legis.
Acesso em: 18 jun. 2010.

22- Gupta AK, Cooper EA.

Update in antifungal therapy of dermatophytosis.

Mycopathologia. 2008 Nov-Dec;166(5-6):353-67.

23- Navarro V, Senior J. Drug-related hepatotoxicity. NEJM. 2006; 354(7):731-9.

24- Mehta N, Ozick L. Drug-induced hepatotoxicity. eMedicine, 2008. Disponível
em: http://emedicine.medscape.com/article/169814. Acesso em: 8 mar. 2009.




21


25- Elewski BE. Mechanisms of action of systemic antifungal agents. J Am Acad
Dermatol. 1993; 28:S28-S34.

26- Jain S, Sehgal V. Terbinafine, a unique oral antifungal: current perceptions. Intern
J Dermatol. 2000; 39:412-23.

27- Zhang A, Camp W, Elewski B. Advances in topical and systemic antifungals.
Dermatol Clin. 2007; 25:165-83.

28- Schatz F, Brautigam M, Dobrowolski E et al. Nail incorporation kinetics of
terbinafine in onychomycosis patients. Clin and Exp Dermatol. 1995; 20: 377-83.

29- Finlay AY. Pharmacokinetics of terbinafine in the nail. Br J Dermatol. 1992;
126(Suppl. 39):28-32.

30- Nakano N, Hiruma M, Shiraki Y, Chen X, Porgpermdee S, Ikeda S. Combination
of pulse therapy with terbinafine tablets and topical terbinafine cream for the
treatment of dermatophyte onychomycosis: a pilot study. J Dermatol. 2006
Nov;33(11):753-8.

31- Gupta AK, Lynch LE, Cooper EA. The use of an intermittent terbinafine regimen
for the treatment of dermatophyte toenail onychomycosis. JEADV. 2009; 23:256-62.




22


32- Gupta AK, Ryder JE, Skinner AR. Treatment of onychomycosis: pros and cons of
antifungal agents. J Cutan Med Surg. 2004; 25-30.

33- Chang CH, Young-Xu Y, Kurth T et al. The safety of oral antifungal treatments
for superficial dermatophytosis and onychomycosis: a meta-analysis. AM j Med.
2007; 120:791-8.

34- Gupta AK, Tu LQ. Therapies for onychomycosis: a review. Dermatol Clin. 2006
Jul;24(3):375-9.

35- Loo DS. Onychomycosis in the elderly: drug treatment options. Drugs Aging.
2007;24(4):293-302.