Página 1 de 28- 04/08/11

Achados clínicos em dermatologia.
Ivan da Costa Barros

Rotina recomendada:
História clínica - Inspeção geral e específica
A HISTÓRIA DERMATOLÓGICA:
Associada à somatoscopia e a outros métodos de exame dermatológico, a anamnese contribui
sobremaneira na obtenção do diagnóstico das doenças da pele.
PROBLEMAS MAIS COMUNS:
Anormalidades localizadas interpretadas pelo paciente como de gravidade considerável, como
tumorações etc
NUNCA DEVEMOS TENTAR ADVINHAR A QUEIXA DE UM PACIENTE. Um jovem portador de acne facial
importante pode se queixar de uma micose plantar, ou de intertrigo.
Lembrar ainda que erupções generalizadas podem eventualmente acometer anexos como cabelo,
unhas e glândulas sudoríparas.
Devemos investigar sempre a queixa principal, sua duração, a natureza da lesão inicial e suas
alterações evolutivas, os sintomas associados, assim como sua resposta a medicamentos
previamente utilizados. Existem antecedente dermatológico ? Dermatite seborrêica na infância
(confundidas ou precursoras de psoríase)? alergias ? ; Doenças de outra natureza, como as
ocupacionais ou regionais ? Hobbies ? História familiar ??

Ao exame físico procuramos caracterizar:
A inspeção: sempre sob luz clara (se possível natural), obrigatoriamente sem a roupa, primeiro com o
paciente sentado na mesa de exame clínico, depois de pé para exame do dorso.
DISTRIBUIÇÃO DAS LESÕES - SUA MORFOLOGIA (elementar)
A COR ­ UMIDADE ­ ESPESSURA ­ SIMETRIA ­ HIGIENE
­ TEMPERATURA ­ TEXTURA ­ MARGENS - TURGOR ­ MOBILIDADE
A palpação (que nunca deve ser omitida):
ESPESSAMENTOS (ausente nas máculas)
PRESENÇA DE CÁLCIO OU CISTOS SUBCUTÂNEOS ­ TEMPERATURA CROSTAS quando presentes devem ser cuidadosamente removidas o que ajuda a diferencia-las de
queratina (QUE É PARTE INTEGRANTE DA LESÃO) ou descamações que devem ser escarificadas
para o diagnóstico da psoríase (sinal de Nicolsky ??)
Segue:

Página 2 de 28- 04/08/11
Caracterize a lesão quanto a:
TAMANHO ­ FORMA ­ COR ­ TEXTURA ­ ELEVAÇAO OU DEPRESSÃO ­ PEDUNCULAÇÃO ­ EXSUDAÇÃO
­ PADRÃO DE DISTRIBUIÇÃO ­ LOCALIZAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO.
CABELO E PELOS
COR ­ DISTRIBUIÇÃO ­ QUANTIDADE ­ PALPE A TEXTURA
OBSERVE NAS UNHAS :
COR ­ COMPRIMENTO ­ CONFIGURAÇÃO ­ SIMETRIA ­LIMPEZA ­ TEXTURA ­ FIRMEZA
UNIFORMIDADE E ADERÊNCIA AO LEITO
OBSERVE AINDA NA PARTE LATERAL :
HIPEREMIA ­ EDEMA ­ DOR ­ PRESENÇA DE PÚS
VERRUGAS, CISTOS OU TUMORES
Outras investigações:
PESQUISA do Acarus NA ESCABIOSE
EXAME COM A LUZ DE WOOD (que detecta vários graus de florescência e pigmentação)
BIOPSIA CUTÂNEA (complementada por colorações especiais ou imuno-histoquimica quando
necessário )

INTRODUÇÃO:

O exame da pele tem sido considerado de grande importância clínica não só
pelo seu importante papel fisiológico, que é a comunicação corporal com o mundo
exterior, como pela sua importância ao revelar precocemente doenças sistêmicas.
Que parte do exame físico pode ser mais fácil que o da pele ? A pele é visível em
todas as suas dimensões, pode ser diretamente palpável e é tão fina, que mesmo
suas camadas mais profundas estão a apenas alguns milímetros do examinador.
Mas, enquanto problemas internos podem evoluir ocultos,
dermatológicos, embora claramente visíveis,

os quadros

podem se exteriorizar de forma

amplamente variável dificultando sobremaneira sua análise e interpretação. Vários
destes achados podem reconhecidos prontamente (QUADRO 1).

Página 3 de 28- 04/08/11

QUADRO 1 :REAÇOES CUTÂNEAS QUE REVELAM PROBLEMAS
CLÏNICOS:
ACANTOSE NIGRICANS

CANCER / DIABETES (MODY)

DER,MATOMIOSITE

CANCER (Ovários , brônquios)

ERITEMA NODOSO

DROGAS, GRANULOMATOSES,COLAGENOSES

ICTIOSE

CANCER

NÓDULOS SUBCUTÂNEOS

D. REUMATÓIDE , GOTA

MIXEDEMA PRETIBIAL

HIPERTIREOIDISMO

PIODERMA GANCRENOSO

COLITE ULCERATIVA

LIVEDO RETICULARIS

POLIARTERITE NODOSA

XANTELASMAS

HIPERCOLESTEROLEMIA

Síndrome de Peutz-Jeugher, melanomas, mastocitomas, micose fungóide,
icterícia, colagenoses

entre tantas, são outros exemplos de doenças

reconhecidas pelo exame da pele.

O nosso objetivo é descrever de forma resumida alguns destes aspectos na
prática clínica. Com finalidade didática a pele costuma ser dividida em :

- Superfície cutânea propriamente dita
- Tecido celular subcutâneo .

A. SUPERFÍCIE CUTÂNEA
A pele normal tem coloração uniforme (exceto nas regiões pudendas e nas
áreas expostas), não apresenta soluções de continuidade, e costuma ser avaliada
clinicamente quanto a sua temperatura, umidade, textura, turgor, mobilidade,
elasticidade, vascularização e espessura.

a) Quanto a sua coloração pode ser classificada como:

Página 4 de 28- 04/08/11
Leucodermo: indivíduo de pele de coloração branca.
Melanodermo: indivíduo de pele de coloração escura.

As anormalidades de coloração, em geral de difícil avaliação em indivíduos de
pele escura podem ser divididas basicamente em:

1) Palidez que pode ser:

generalizada se decorrente de anemias,

estresse físico ou emocional (dor aguda, feocromocitoma e estados de baixo débito
cardíaco como síncopes, choque, etc) e localizada ou segmentar que tem como
causas principais as isquemias. Assim, uma obstrução arterial poderá, entre outros
sintomas e sinais, provocar palidez do membro acometido, tendo em vista a
isquemia regional. A arteriosclerose obliterante, síndrome de Raynaud, as arterites
de um modo geral, são exemplos de palidez segmentar causada por isquemia..
A

palidez

deve

ser

pesquisada

nas

regiões

palmo-plantares

(especialmente nos indivíduos de pele escura) e sempre correlacionada com a
coloração das mucosas corporais.

Assinalamos que os estados anêmicos

caracterizam-se por palidez cutâneo-mucosa, enquanto nos quadros de baixo débito
cardíaco a palidez é preferencialmente cutânea

2) Vermelhidão: - generalizada (que pode ser constitucional em indivíduos
obesos com policitemia relativa em geral hipertensos em uso de diurético = fácies
pletórica). Esta vermelhidão generalizada pode ainda ser vista em pacientes com
febres exantemáticas, escarlatina, policitemias ou a outras formas de eritrodermias,
tais como a síndrome carcinóide , as mastocitoses ou o eritema causado por sol ou
ambientes super aquecidos (fornalhas , caldeiras, etc).
A distribuição segmentar da vermelhidão pode ser encontrada em duas
formas principais: a) Vermelhidão segmentar persistente, comum aos processos
inflamatórios com dor e calor locais. Um tipo especial a ser valorizado clinicamente
é o eritema palmar que podendo ser constitucional em algumas pessoas em geral

Página 5 de 28- 04/08/11
revela quadros metabólicos como o da insuficiência hepática. b) fugaz ou de
duração efêmera, o que é visto em pessoas emotivas ou após a ingestão de bebidas
alcoólicas
O eritema da pele pode ainda ser decorrente de vasodilatação capilar
epidérmica o que pode ser visto em algumas doenças exantemáticas como sarampo,
rubéola, enteroviroses, mononucleose, SIDA/AIDS, escarlatina, erisipela, na sífilis
(roséola sifilítica),

febre reumática (eritema marginado), febre tifóide, alergias

medicamentosas, e outras septicemias bacterianas especialmente por bactérias
gram positivas.

2) Cianose

Conceituada como coloração azulada da pele que se relaciona à níveis elevados de
hemoglobina reduzida (que está ligada ao hidrogênio) acima de 5g/dl. no sangue
circulante.
Sofre influência de alguns fatores como :
-hematócrito
-débito cardíaco / perfusão tissular
-cor da pele
-temperatura corporal

Página 6 de 28- 04/08/11

- Formas clínicas: Clinicamente a cianose deve ser caracterizada como:

1.

Cianose central

- baixa saturação arterial de O2
2.

PODE SER MISTA !

Cianose periférica

- maior extração de O2 ( saturação normal )
3.

-

Cianose diferencial

quando é vista preferencialmente nos membros inferiores
ou superiores

Características clínicas da cianose central - com hipoxemia :
1. Generalizada
2. Acometendo mucosas - AVALIAR NA LÍNGUA !!!
3. História de depressão respiratória
4. Pneumopatia ou Tabagismo ?
5. Cardiopatia prévia
6. Época de aparecimento

Investigar quanto os seguintes aspectos:

A) FLUXO PULMONAR:
1.Aumentado ou hiperfluxo pulmonar encontrado em comunicação intracavitárias
com shunt esquerdo - direito, Presença de ventrículo único, Truncus arteriosus,
e transposição dos grandes vasos cardíacos
2.Diminuido ou hipofluxo pulmonar: vistos em pacientes com tetralogia de Fallot,
estenose pulmonar, hipoplasia ventricular direita, atresia da valva tricúspide etc

Página 7 de 28- 04/08/11
B) ÉPOCA DE APARECIMENTO

1.Cianose grave desde o nascimento
- Atresia Tricúspide. - Transposição dos grandes vasos. - Atresia pulmonar com
hipoplsia de ventriculo direito.

2. Cianose moderada durante a primeira semana de vida (hipofluxo
pulmonar é compensado pela patência inicial do ducto arterioso)
- Transposição dos grandes vasos- Atresia pulmonar acompanhada de comunicação
inter ventricular - Síndrome da angústia respiratória

3.Cianose progressiva
- Tetralogia de Fallot - Truncus arteriosus - Drenagem anômala das veias pulmonares

4.Cianose tardia na infância
- Síndrome de Eisenmenger nos pacientes com hiperfluxo pulmonar (*) Insuficiência cardíaca congestiva - Metahemoglobinemia (*) Hipertensão pulmonar
secundária a hiperfluxo com inversão do shunt cardíaco da direita para a esquerda.

5. Cianose periférica - sem hipoxemia

1.

Não acomete mucosas: DADO MAIS IMPORTANTE para o seu
reconhecimento clínico !!

2.

Localizada (ou generalizada)

3.

Aliviada pelo aquecimento da área acometida pela cianose

4.

Saturação normal de oxigênio na hemoglobina circulante

5.

Checar sempre a vascularização

Página 8 de 28- 04/08/11
Cianose diferencial

1. Nos PÉS - ductus arteriosus (Com complexo de Eisenmenger)
2. Nas MÃOS: - transposição dos grandes vasos e fluxo reverso através do
ducto arterioso (que melhora a oxigenação dos membros inferiores)

Complicações clínicas esperadas em pacientes com cianose crônica:

Baqueteamento digital
Policitemia secudária a hipoxemia
Embolia paradoxal / abscesso cerebral
Retardo mental e do crescimento
Distúrbios da coagulação (Htc >60%)
"Posição preferencial de cócoras"

4) Icterícia (ver capítulo especializado)
As diferentes colorações da pele além de depender de características raciais
traduz envolvimento de diferentes mecanismos fisiopatológicos na lesão
cutânea: Eritematoso - nos estados acompanhados por intensa dilatação
vascular; Carmim nas metahemogobinemias por monóxido de carbono;
Marron - na presença de melanina na epiderme ou Amarela quando derivada
da coloração do próprio colágeno normal ou pelo acúmulo tissular anormal de
bilirrubina ou caroteno. Hipercarotenemia - carotenose
coloração amarelada

(falsa icterícia)

decorrente do abuso de substâncias ou fórmulas

vitamínicas ricas em vitamina A (tomate, cenoura, mamão etc). Diferencia-se
da icterícia verdadeira por não comprometer as mucosas.
Doenças como a de Addison, Hemocromatose (ou "diabetes bronzeado),
SIDA / AIDS e a Síndrome de Nelson também são causas desta coloração

Página 9 de 28- 04/08/11
pardo-escura. Na hemocromatose a pele torna-se acastanhado-escura e existe
infiltração de ferro em outros órgãos vitais como o coração,
testículos etc.

pâncreas,

e) as Intoxicacões a pele de coloração acinzentada pode

decorrer da intoxicação pelos sais de prata (ou argiria) Outras doenças em que
podemos observar coloração anormal da pele são o albinismo onde a
descoloração da pele é devida à ausência congênita do pigmento melanina e
que por ser difuso é diferenciado de vitiligo (de distribuição irregular) ou de
anemia intensa (AMARELÃO ou necatorose) que se acompanha de palidez
mucosa.

PRINCIPAIS CAUSAS DE COLORAÇÃO ANORMAL DA PELE:
- MARROM
D. de Addison
hemocromatose
porfiria cutânea tarda
esclerodermia
neurofibromatose
- AMARELO
icterícia
anemia (especialmente perniciosa)
carotenemia
abuso de quinacrina
- CINZENTA
depósito de sais de ouro ou ferro (uso via IM)
depósito de prata (ARGIRIA)
uso crônico de fenotiazina

Página 10 de 28- 04/08/11

B) EXAMES DA SUPERFÍCIE DA PELE.


Exame da superfície da pele será estudado paralelamente ao
conhecimento das lesões elementares da pele e que são:

LESÕES ELEMENTARES DA PELE:
A- Lesões primárias: Mácula ou mancha; Pápula; Nódulo; Tumor;
Vesícula; Bolha; Pústula
B- Lesões secundárias: Crosta; Escama; Escoriação; Fissura;
Ulceração; Cicatriz; Pigmentação secundária; Liquenificação;
Atrofia.

LESÕES ELEMENTARES (VER FIGURA ABAIXO)

Página 11 de 28- 04/08/11
-PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS


Mácula ou mancha - área de coloração diferente circundada por pele sem
alteração do seu plano ou da sua superfície. Podem ser divididas em:

*

Hipocrômicas - vitiligo, lepra, ptiriase versicalor, etc.

*

Hipercrômicas - efélides, manchas hipercrômicas causadas por:
Depósitos pigmentares

- devido a estase venosa crônica dos membros

inferiores, lupus eritematoso (mancha em asa de borboleta na face), cloasma
gravídico, irradiações repetidas, manchas hipercrômicas dos processos de
cicatrização,

nevos pigmentares, etc. Depósitos pigmentares podem ainda ser

devido ao acúmulo de melanina ou hemossiderina, conseqüentes a uma série de
dermatopatias. O exemplo mais comum é representado pela pigmentação
acastanhada (hemossiderina) associada aos processos de estase nevosa crônica dos
membros inferiores. Outras formas comuns de pigmentação são as hemorrágicas
que dividimos em:
*

Petéquias - de forma arredondada com até 2 mm de diâmetro vistas na

plaquetopenia e anormalidade funcional dos capilares- pesrsistem após a vitro
pressão.
*

Equimoses - em forma de placa, decorre de traumatismos ou deficiências de

fatores de coagulação.

(Hematomas são volumosas equimoses confluentes que

ocupam espaço)
*

Víbices com forma linear (possuem fisiopatologia semelhante a das

petéquias)
Outras MANCHAS encontradas na prática clínica são as telangiectasias que
representam pequenas dilatações vasculares, observação comum nos membros
inferiores de pessoas (especialmente do sexo feminino, multíparas) que são
pequenas varizes ; as telangiectasias podem ainda ser encontradas na face anterior
do tronco de pacientes com cirrose hepática onde se denominam aranhas vasculares
(-"spider nevi"), nas extremidades de pacientes com a doença de Rendu-Osler
(telangiectasia hemorrágia familiar) ou com nevos vasculares, etc.

Página 12 de 28- 04/08/11
*

Pápula - são pequenas lesões (1 mm a 1 cm ), sólidas, delimitadas que fazem

relevo; involuindo sem deixar cicatriz. São causas comuns a sifílide papulosa, o
líquen plano, as placas de urticária e as lesões de prurigo. O tubérculo é uma lesão
que apresenta infiltração celular mais profunda que a pápula, e em geral com
maiores dimensões; atinge toda o derme e por isso mesmo, deixa cicatriz quando
involui. A lepra, sarcoidose, tuberculose, sífilis tardia entre outras são exemplos a
serem considerados em pacientes com esta anormalidade.
*

Nódulos

são formações sólidas que se localizam na hipoderme. São

exemplos os nódulos da lepra, tuberculose, eritema nodoso, metástase cutânea
carcinomatosa, os nódulos da artrite reumatóide, da febre reumática, etc. Um tipo
especial de nódulo é a goma que se acompanha de necrose e ulceração e que
ocorrem na sífilis, micoses, etc.
*

Chamamos PLACA - uma confluência de nódulos ou pápulas.
* Tumor - Nódulo acima de 2 cm de diâmetro, classicamente representado

pelos lipomas ,epiteliomas, ou doença de Von Recklinghausen que se exterioriza por
múltiplos tumores pediculados que se espalham pelo corpo em geral acompanhados
por uma mancha de cor "café com leite".
*

Vesícula - Elevação circunscrita da pele decorrente da coleção de líquido

seroso e de diâmetro entre 1 mm a ½ cm. A varicela e o herpes (nas fases iniciais de
evolução), queimaduras são seus exemplos mais comuns.
*

Bolha - Coleção líquida, serosa intra-epidérmica ou sub-epidérmica

acima de ½ cm. Encontrada nas queimaduras, pênfigos, etc.
*

Pústula - Coleção purulenta encontrada na varíola (já extinta) ou nas

piodermites.
Na prática diária é comum encontrarmos a associação de lesões elementares
como: lesões máculo-pápulosas, vésico-bolhosas, vésico-pápulo-bolhosas, etc.
*

Crosta - Resíduo proveniente do ressecamento de secreção serosa,

sangüínea, purulenta ou mista. Encontrada nas úlceras, feridas e piodermites.

Página 13 de 28- 04/08/11
*

Escoriação - Arrancamento epidérmico simples. É a lesão deixada

pelos arranhões ou ato de coçar o que deve nos levar a considerar nesses
pacientes possíveis doenças que possam causar prurido.

*

CAUSAS DE PRURIDO

A-GENERALIZADO:
tineas, escabiose, eczemas diversos, liquen plano, miliaria, dermatite herpetiforme,
pitiríase rósea ou prurido senil (devido ao ressecamento da pele)
B-SECUNDÁRIO A DOENÇAS SISTÊMICAS:
na colestase, linfomas, policitemia, deficiência de ferro e na insuficiência renal.
C- LOCALIZADO:
- palpebral (eczemas, alergias) , - perianal (oxiuríase, hemorróidas, - nas pernas
(eczemas), - vulvar (micoses, diabetes) e no couro cabeludo (eczemas e em crianças
com pediculose)



Fissura - Solução de continuidade da pele ou mucosa comprometendo

toda a extensão da camada epitelial. Comum nos eczemas, fissuras dos lábios
devidas ao frio, fissuras anais, etc.


Ulceração - Perda delimitada de camada epitelial, atingindo camadas

mais profundas (derma e submucosa). Deixa cicatriz. São exemplos: cancro, úlcera
dos processos de estase venosa crônica dos membros inferiores, proliferações
malignas, etc. Denomina-se escara ao ferimento conseqüente a processos abrasivos
ou isquêmicos de pacientes acamados, impossibilitados de se locomover
adequadamente.

*

Cicatriz - Reposição de tecido destruído, por tecido fibroso.

Página 14 de 28- 04/08/11


Liquenificação Espessamento da pele com exuberância dos acidentes
naturais da pele. Comuns nos eczemas de longa duração, linfedemas e
neurodermite.

*

Hiperqueratose - Aumento da espessura da camada córnea da pele, que

surge conseqüente a processos traumáticos, na avitaminose A (xerodermia), atrito
contínuo (calosidades).
*

Atrofia Adelgaçamento da pele que pode ser encontrada como seqüela das

dermatoses em geral, e na esclerodermia. A pele senil é o exemplo mais objetivo.

Nas lesões secundárias as combinações são também comuns, como por
exemplo: lesão escamato-crostosa, úlcero-crostosa etc.
As avaliações podem ser feitas ainda de acordo com a região acometida ­ conforme
exemplos apresentados a seguir:

Página 15 de 28- 04/08/11

Acometimento externo das orelhas
Existe lesão fora do pavilhão auricular ??
SIM

Dermatite seborréica
Psoríase
Eczema atópico

NÃO

Tumefações ?
auriculares

Ouvido
vermelho
descamativo ou purulento ??


Pruriginosa
Dolorosa


Dermatite de contato
Dermatite seborreica
Dermatite atópica
Psoríase
Otite externa:
infecciosa
viral
fúngica


- otite externa
- mastoidite

Indolores

- abscesso
- cisto, quelóide
- condrodermatite
nodularis

Dolorosas

tumores malignos
(cistos, queloides, nevus verrugas)
tumores malignos
( basocelular, escamoso, melanonas etc)

Página 16 de 28- 04/08/11

Acometimento das genitálias
Bolhas ou úlceras



Rash cutaneo-mucoso





Primeiro

Episódio

episódio

recorrente



Exclusivo no pênis Generalizado





Lupus, Sind Behcet

Doloroso



Eritema multiforme

balanite
liquen olano
cancer



Herpes
cancróide
Linf. venéreo
Herpes zoster
Eritema multiforme

NÃO

Sind. Behcet

sífilis primária

Trauma
Pioderma

psoríase
derm. seborreica
siifilos secundária
escabiose

SIM

Escabiose (c/ prurido)



cancer
granuloma inguinal

Página 17 de 28- 04/08/11

Tumores genitais
1- crescimento lento

2. Cresc. recente

(ANOS)

(DIAS A MESES)







Sardas
Papulas penianas

Múltiplos

Nevi melanocítico



Lentigo

Únicos


Cond. acuminado

Verrugas

Molusco contagioso
SIFILIS

fibromas

ceratose seborreica

cancer

TEMPERATURA DA PELE.

A temperatura da pele deve ser analisada com a face dorsal da mão, e
comparando simetricamente cada segmento examinado.
AS ALTERAÇÕES DA TEMPERATURA DA PELE SÃO:


Hipertermia
1) Generalizada

Febre - Que conceituamos como elevação da temperatura corporal, acima de 37,7
graus, que é mediada pela elevação do limiar termoregulatório hipotalâmico ou
Hipertermia

quando a elevação da temperatura corporal acima do limiar

Página 18 de 28- 04/08/11
hipotalâmico é secundária a dissipação de calor insuficiente. Como ocorres no
exercício intenso, uso de drogas que inibem a perspiração ou na presença de
aumento do calor ambiental.
2) Segmentar __ a hipertermia segmentar geralmente se acompanha de
dor, rubor e eventualmente tumor, tendo em vista serem os processos inflamatórios
as causas mais freqüentes de hipertermia segmentar. Outros exemplos de
hipertermia segmentar são:

hipertireoidismo (mãos quentes), cardiopatias

hipercinéticas (extremidades), fístulas arteriovenosas (local ou região da fístula),
tromboflebites etc.
Hipotermia
1) Generalizada nos casos de má perfusão tissular primária (estados de
choque) ou secundária a vasoconstrição por ansiedade, frio ambiental etc
2) Segmentar

comum nos processos de oclusão arterial. A hipotermia

segmentar pode ser encontrada nas síndromes paralíticas. A frialdade das
extremidades (mãos e pés) é achado freqüente em pessoas normais (constitucional)
e nos indivíduos simpaticotônicos e neuróticos.
Existem aparelhos especiais que podem registrar com precisão a temperatura
de diversos segmentos do corpo; são os chamados termômetros cutâneos, e que
fornecem com alta fidelidade a temperatura cutânea do segmento que interessa
investigar.

UMIDADE DA PELE.

A pele apresenta normalmente certo grau de umidade e oleosidade.
Estudaremos separadamente as alterações da secreção líquida e da secreção
sebácea.

ALTERAÇÕES DA UMIDADE e DA SECREÇÃO SEBÁCEA DA PELE.

Página 19 de 28- 04/08/11

1) Hiperidrose __ pode ser fisiológica, após exercícios, emoções, ambientes
quentes ou consequência de febres, hipertireoidismo, fístulas arteriovenosas
periféricas, dos distúrbios do sistema nervoso autônomo, decorrentes do uso de
drogas simpaticomiméticas, de neuroses, de quadros dolorosos excruciantes, de
choque enfim com quadros onde existe "hiperatividade simpática'.
2) Hipoidrose / anidrose - que é a diminuição ou ausência da sudorese
encontrada na desidratação ou em nuropatias e dermatopatias crônicas, ictiose,
esclerodermia,

mixedema, avitaminose A, diabete,

insuficiência renal crônica,

intoxicação pela atropina. Em alguns grupos de pacientes como os idosos, que
apresentam certo grau de atrofia das glândulas sudoríparas, esse achado pode ser
considerado constitucional.
A sudorese pode apresentar variações de coloração. Nos pacientes ictéricos,
por exemplo, podemos, às vezes, observar sudorese amarelada. Outros distúrbios do
metabolismo pigmentar podem provocar transpiração de coloração variada.

O

suor de odor forte e desagradável é denominado de bromidrose. Na mucoviscidose,
teores de sódio no suor acima de 60 mEq/L possui grande valor para o diagnóstico
da doença.
Aumento da secreção sebácea, reconhecido pela oleosidade excessiva da
pele, é chamado seborréia, condição que, ocasionalmente, pode acompanhar outras
alterações da pele que por se acompanharem de prurido e de descamacão, é mais
conhecida como dermatite seborréica.

A hipoleosidade da pele confere à mesma

uma aspereza discreta, anormalidade que será estudada na textura da pele.

TEXTURA DA PELE.

A textura corresponde à sensação que temos, quando deslizamos a mão
levemente sobre a pele, e a encontramos lisa, aveludada, áspera, ou com outra
qualquer qualidade contextual.

Página 20 de 28- 04/08/11
1) Pele fina __ encontrada nos estados de senilidade, na esclerodermia, em
regiões recentemente edemaciadas, no hipertireoidismo etc.
2) Pele áspera __ a pele das mão dos trabalhadores braçais, dos indivíduos
que mantêm contato prolongado e permanente com o sol ou ambientes
superaquecidos (pescadores, foguistas, etc.), mixedema, dermatoses
crônicas, etc.

TURGOR E ELASTICIDADE DA PELE.

É a propriedade que a pele normal tem de, ao ser pinçada entre dois dedos,
apresentar uma consistência tal que, quando desfeita a manobra, volte rapidamente
ao lugar primitivo, sem deixar pregas residuais.
1) Aumento do turgor __ encontrado nos edemas, nas pessoas com excesso
de panículo adiposo, etc.
2) Diminuição do turgor __ NÃO TRADUZ DESIDRATAÇÃO ! pessoas idosas
(fisiológico), e como importante sinal nos estados de desidratação ou não
em que ocorre depleção do sódio sérico (Hiponatremia dilucional).

A pele normal é móvel em relação aos seus planos mais profundos com os
quais entra em contato. A pele é menos móvel ou mesmo imóvel nos edemas,
tumores malignos, na esclerodermia e nos locais onde exista retração cicatricial.
Aumento da sua mobilidade pode ser vista em pessoas idosas, caquéticas, obesos
que perderam quantidade apreciável de peso ou no abdome das multíparas. A pele
hiperelástica tem como sua causa clássica as síndromes secundárias ao
acometimento do colágeno como a síndrome de Ehlers-Danlos (cútis hiperelástica)
ou o pseudoxantoma elástico que a exemplo da primeira é reconhecida pela
presença de hiperelasticidade da pele.

Página 21 de 28- 04/08/11
ESPESSURA.
A espessura da pele está aumentada nos processos que conduzem à
hipertrofia e diminuída nos estados atróficos. A pele atrófica caracteriza-se pelo
aspecto mais translúcido assim como pela perda das suas dobras naturais. A pele é
menos espessa nos velhos, nos recém-natos, na esclerodermia, nos pacientes com
linfedema ou mixedema. O aumento da espessura cutânea costuma ser encontrado
em processos de regeneração epitelial (cicatrizes) e nas hiperqueratoses.

VASCULARIZAÇÃO.
Em condições normais, podemos visualizar, a olho nu, relevos e trajetos de
vasos de topografia superficial. Estes vasos são sempre mais facilmente visualizados
em locais onde a pele é mais fina (lóbulo da orelha, asa do nariz, bolsa escrotal, etc.).
As alterações do relevo e do trajeto das veias e das artérias, serão estudadas mais
detalhadamente no capítulo do sistema cardiovascular.

Página 22 de 28- 04/08/11

Achados físicos observados nos exame das mãos e seu
significado clínico

- Ivan da Costa Barros

Variação no tamanho e forma das mãos
DEDOS GRANDES E AMASSADOS:
Acromegalia, Gargolismo (D. de Hurler),
IRREGULARIDADES GROSSEIRAS DA FORMA E TAMANHO
Doença de Paget, Neurofibromatose, Aracnodactilia, Hipoptuitarismo,
Eunuquismo
Sínd. Ehlers-Danos / pseudoxantoma elástico, Tuberculose, Hábito
astênico, Osteogênese imperfeita
DEDOS EM SALSICHA
Artrite reumatóide, Raquitismo, Granulomas digitais (tuberculose, sífilis),
DEDOS FUSIFORMES
Fase inicial da Artrite reumatóide, Lúpus eritematoso sistêmico, Psoríase,
Rubéola
Sarcoidose, Osteoartrite
DEDOS EM CONE
Obesidade pituitária, Distrofia de Frölich
AUMENTO UNILATERAL DA MÃO
Aneurisma arteriovenoso, Sindrome de Malffucci
MÃOS "QUADRADAS" E SECAS
Cretinismo, Mixedema
FALANGE DISTAL ÚNICA COM HIPERTROFIA
Sarcoidose, Encurtamento do 40 e 50 metacarpianos
(bradimetacarpalismo), Pseudohipoparatireoidismo, Pseudopseudohipoparatireoidismo

Página 23 de 28- 04/08/11
ENCURTAMENTO E CURVATURA DO 50 DEDO (sinal de Du Bois)
Mongolismo, " Problemas comportamentais", Gargolismo,
MÁ-POSIÇÃO E ABDUÇÃO DO 50 DEDO
Síndrome de Turner, Sindactilia, Malformação congênita do coração e
grandes vasos, Múltiplas deformidades congênitas, Síndrome de
Laurence-Moon-Biedl
BAQUETEAMENTO DIGITAL
Endocardite infecciosa subaguda, Tuberculose pulmonar, Fistula arteriovenosa pulmonar, Abscessos pulmonares, Cistos pulmonares, Enfisema
bolhoso, Osteoartropatia hipertrófica pulmonar, Carcinoma broncogênico,
Bloqueio alveolocapilar, Fibrose pulmonar, Sarcoidose, Beriliose,
Esclerodermia, Asbestose, Cardiopatias congênitas, inflamatória
intestinal, Disenterias infecciosas (amebiana, basilar ou parasítica), Cirrose
hepática, Mixedema, Policitemia, Infecção urinária crônica (alta ou baixa) nefrite crônica, Hiperparatireoidismo, Osteoartrites, S. de Reiter,
Dermatomiosite, Esclerodermia, Artrite reumatóide, Lupus, Febre
reumática
Gota, Psoríase, Doença do soro, Edema da mão, Insuficiência cardíaca,
Hepatopatia crônica, Nefropatia (nefrite e nefrose), Hemiplegia,
Siringomielia, Sindrome da veia cava superior, aneurismas da aorta,
costela cenvical, Tumor mediastinal, PANCOAST com compressão
vascular, Anasarca, hipoproteinemia, Linfedema pos operatório
(mastectomia radical), Paralisia isquêmica (fria,cianótica, edemaciada e
dormente), Obstrução linfática (linfomas e outras massas axilares),
Compressões vasculares (aneurismas, etc), Sind.de Raynaud,Miosite,
Efeitos neuromusculares
ATROFIA INDOLOR:
Esclerose lateral amiotrófica, Atrofia Charcot-Marie-Tooth, Siringomielia,
Neurite por hanseníase,

Página 24 de 28- 04/08/11
DOLOROSA:
Disfunção do nervo radial:( intox pelo chumbo, alcoolismo, polineurite ou
trauma)
Difteria, poliarterite,neurosífilis e poliomielite),
DISFUNÇÃO DO NERVO MEDIANO:
Síndrome do tunel do carpo:
Artrite reumatóide, Tenossinovite do punho, Amiloidose, Gota,
Plasmocitoma, Mixedema, Pós reação anafilática, Síndrome ombro-mão ,
infarto do miocárdio, Tumor de Pancoast, Tumor cerebral, Senilidade,
Hemiplegia, Osteoartrite, Herpes zoster,
CONTRATURAS ISQUEMICAS (perda sensitiva dos dedos)
Poliarterite nodosa, Polineurite, Carcinoma de pulmão , Doença de
Hodgkin, Gravidez, Carcinoma de estômago, Diabetes mellitus, Neurite
química (antimonio, benzeno, bismuto, tetracloreto de carbono, metais
pesados, álcool, arsenico, chumbo, ouro, emetina), Neuropatia isquêmica,
Deficiência de vitamina B
TETANIA CARPOPEDAL OU CARPO-DIGITAL
Hipoparatireoidismo, Hiperventilação, Uremia, Nefropatias (nefrites ou
nefroses)
Raquitismo / Osteomalácia, Síndromes disabsortivas, Lactação, Vômitos
persistentes, estenose pilórica, Intoxicação por álcalis, morfina, chumbo,
alcool
Tremor, Parkinsonismo, Atetose, Coreia de Sydenham , Hipoglicemia,
Hipertireoidismo, Doença de Wilson, Ansiedade, Esclerose múltipla, Lesão
cerebelar, Coma hepático, Frio fadiga, Lesões do núcleo vermelho
ALTERAÇÃO DA COR
Cianose - F. de Raynaud. Policitemia, Síndromes isquêmicas etc
(ver capítulo de cianose)

Página 25 de 28- 04/08/11
Palidez - Anemia, insuficiência aórtica, vasoespasmo, ansiedade,
tabagismo
Rubor - Pelagra, policitemias, eritromelalgia, acrodinia, D. de Swift,
leucemia linfocítica
Pigmentação sobre as veias do dorso - D. de Hodgkin
Melanose difusa - a D. de Addison, melanosarcoma
Pigmentação acinzentada - Argiria
Palmas amareladas - Anemia perniciosa, carotenose
Despigmentação- Vitiligo, pinta, esclerodermia, dermatomiosite, pósdermatite
Manchas purpúricas - de Osler (telangiectasia hemorrágica familiar), D. de
Peutz-Jeghers, endocardite infecciosa, púrpura trombocitopênica,
ACHADOS DE EXAME FÍSICO NAS MÃOS:
Contratura de Dupuytren
Diabetes, epilepsia, cirrose, D. de Raynaud, S. escaleno anticus, Pós
infarto do miocardio, Siringomielia e em pessoas normais
Xantomatose - Hipercolesterolemia, Diabetes mellitus, Pancreatite
crônica, Mixedema, D. de Hand-Christian-Schüller, Gaucher e NiemanPick
Eritema palmar - Cirrose hepática, gravidez, alcoolismo, insuficiência
mitral, Artrite reumatóide Policitemia, Diabete mellitus, Tuberculose
(acroeritrose), Deficiência de vitamina B, Hiperestrogenismo, Beriberi, Síndrome ombro-mão, Toxicidade por arsênico e 3 a 5 % das
pessoas normais.
Dor - Neurites pp. alcoólica, Síndrome do túnel do carpo (nervo
mediano),
PREGAS PALMARES ANORMAIS
Prega única transversa - Mongolismo, esclerodactilia congênita

Página 26 de 28- 04/08/11
Prega azulada - Púrpura
Prega pálida, brancacenta ou prateada - Anemia com Hb < 7 g%,
Prega marron escura - D. de Addison
Petéquias - Discrasias sanguíneas, púrpura, endocardite infecciosa,
escorbuto, deficiências de vitamina, premenstrual,
LESÕES DE JANEWAY
NÓDULOS DE OSLER
Endocardite infecciosa
CALOSIDADES ­ ocupacional , Dermatomiosite
ALTERAÇÕES DA TEMPERATURA DAS MÃOS
Aumentada: aneurismas arteriovenosos, hipertireoidismo, febre,
estados hipermetabólicos, D. de Paget, Eritromelalgia (cardiopatia
hipertensiva, gota, diabetes, artrite reumatóide, policitemia)
Diminuida: Choque, hipotireoidismo, oclusão arterial, siringomielia,
esclerodermia,

dermatomiosite,

Lupus,

Fen.

de

Raynaud,

Neurastenia, Vasculopatia obstrutiva, acrocianose.
PULSOS CAPILARES (pulso de Quincke)
insuficiência aórtica, hipertireoidismo, insuficiência cardiaca de alto
débito, anemia, febre alta
ULCERAS NAS MÃOS:
Esclerodermia, esporotricose, antrax, actinomicose, tuberculose,
sifilis, coccidioidomicose, tularemia, leishmaniose e blastomicose.

Página 27 de 28- 04/08/11

Exemplos de anormalidades dos dedos :

Página 28 de 28- 04/08/11

Sem baqueteamento
digital

Com baqueteamento
digital

EXEMPLOS DE ANORMALIDADES UNGUEAIS