IV - Doenças causadas por fungos
Douglas A. Rodrigues
Jane Tomimori
Marcos C. Floriano
Sofia Mendonça

SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros
RODRIGUES, DA., et al. Atlas de dermatologia em povos indígenas [online]. São Paulo: Editora
Unifesp, 2010. Doenças causadas por fungos, p. 59-80. ISBN 978-85-61673-68-0. Available from
SciELO Books .

All the contents of this work, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution-Non
Commercial-ShareAlike 3.0 Unported.
Todo o conteúdo deste trabalho, exceto quando houver ressalva, é publicado sob a licença Creative Commons Atribuição Uso Não Comercial - Partilha nos Mesmos Termos 3.0 Não adaptada.
Todo el contenido de esta obra, excepto donde se indique lo contrario, está bajo licencia de la licencia Creative Commons
Reconocimento-NoComercial-CompartirIgual 3.0 Unported.

iv
doenças causadas
por fungos

diagramado_4aprova.indd 59

19.07.10 12:18:38

diagramado_4aprova.indd 60

19.07.10 12:18:38

1. Tinhas (Dermatofitoses) e
Granuloma Tricofítico
d efinição

e etiologia
São doenças causadas por fungos denominados dermatófitos que acometem a
pele, os pelos e as unhas, e cuja característica é a sua afinidade pela queratina presente nesses locais.
epidemiologia
São doenças comuns, frequentes em crianças
e adultos, acometendo a maioria dos idosos.
A transmissão ocorre por contato pessoal,
com animais (cães, gatos) ou com a terra.
O agente mais comum é o Trichophyton
rubrum, que causa as lesões nas unhas, pés
e virilha. O Microsporum canis, que parasita
animais, como o gato (que pode ser portador assintomático, ou seja, não apresentar
os sinais da doença) ou o cão (que em geral
apresenta lesões com queda de pelo) pode
causar lesões na pele do corpo humano.
quadro clínico
Pode atingir qualquer local do corpo, inclusive cabelos e unhas. As doenças recebem
nomes de acordo com a área do corpo que
atingem: tinha do corpo, tinha do pé, tinha
do couro cabeludo, onicomicose (unhas),
tinha inguinal (virilha).
No corpo (tinha do corpo), caracteriza-se
por lesões com bordas bem definidas, avermelhadas (eritematosas), descamativas (que
descascam), em forma anular (lembram um

anel) e que normalmente coçam. Podem ser
únicas ou múltiplas (Figuras 25 e 26).
A tinha do pé é muito comum entre os
indivíduos que utilizam sapatos fechados,
com aumento da transpiração do pé. Pode
ocorrer com lesões agudas no vão dos dedos, caracterizadas pelo mau cheiro, maceração (a queratina se torna esbranquiçada)
e coceira. Pode ocorrer também de forma
crônica, com descamação seca dos pés.
Quando atinge o couro cabeludo (tinha
do couro cabeludo), normalmente apresenta
queda de cabelos e descamação na área sem
cabelos (alopécia). Essa forma é comum nas
crianças (Figura 27).
Nas unhas (onicomicose), inicialmente
há descolamento de parte da unha e evolui
com engrossamento da lâmina ungueal. Ela
fica amarelada e com aspecto poroso (fofo),
parecendo unhas grossas.
As regiões inguinal (virilhas) ou crural
(coxas) podem ser atingidas, principalmente nos homens (tinha inguinal). Em geral
ocorre nos meses mais quentes com o uso
de roupas justas e umidade no local. A lesão
é eritematosa e descamativa, com prurido
intenso no local.
Existe uma forma particular da dermatofitose, na qual o fungo se instala profundamente, provocando uma foliculite e perifoliculite chamada granuloma tricofítico.
Clinicamente, a lesão é eritêmato-papulosa
61

diagramado_4aprova.indd 61

19.07.10 12:18:38

ou pápulo-pustulosa, localizada nas extremidades ou na face (Figura 28).
diagnóstico
Além do quadro clínico, pode-se fazer o
exame micológico direto: faz-se uma raspagem da borda das lesões (com uma lâmina
de vidro ou com uma lâmina de bisturi),
coloca-se o material raspado numa lâmina de vidro, pinga-se uma gota de solução de koh (hidróxido de potássio) a 10%
e cobre-se com uma lamínula. Depois de
uma hora, através do microscópio procuram-se estruturas dos fungos (Figura 29).
A cultura para fungos permite determinar

a espécie do fungo. Esse exame é realizado
com as escamas da pele, que devem ser colocadas em um meio especial e observadas
durante pelo menos quatro semanas.
tratamento
Geralmente o tratamento com medicações
tópicas é suficiente (clotrimazol, miconazol, terbinafina, amorolfina, cetoconazol,
entre outros).
Quando o quadro for muito extenso ou
quando houver tinha do couro cabeludo, é
preciso utilizar medicamentos sistêmicos
(fluconazol em doses semanais, itraconazol,
griseofluvina, terbinafina).

Figura 25. Tinha do corpo. Lesão descamativa extensa na face posterior do pescoço e dorso.

62

diagramado_4aprova.indd 62

atlas de dermatologia em povos indígenas

19.07.10 12:18:39

Figura 26. Tinha do corpo. Lesão descamativa com borda eritematosa na perna.

Figura 27. Tinha do couro cabeludo. Área do couro cabeludo com descamação, crostas e perda de cabelos
(alopécia).

doenças causadas por fungos

diagramado_4aprova.indd 63

63

19.07.10 12:18:43

Figura 28. Tinha da face. Placa descamativa e eritematosa na face.

Figura 29. Exame Micológico Direto/Dermatófitos/koh 10%. Fotografia cedida pelo dr. Alberto Salebian.

64

diagramado_4aprova.indd 64

atlas de dermatologia em povos indígenas

19.07.10 12:18:46

2. Pitiríase Versicolor
definição e etiologia
É uma doença de pele causada por fungos
do gênero Malassezia.

gem costas, peito, pescoço, face, e braços.
As lesões não costumam coçar (Figuras 30,
31, 32 e 33).

epidemiologia
É doença comum que atinge os adultos e
excepcionalmente as crianças antes da puberdade. Ela não é tão transmissível como
as outras micoses superficiais, sendo mais
comum em épocas quentes e úmidas. As
lesões tornam-se mais evidentes após exposição ao sol, em decorrência de um contraste de cores, pois o local parasitado não
se bronzeia.

diagnóstico
Além do quadro clínico, pode-se fazer o
exame micológico direto, como os realizados para os fungos dermatófitos.

quadro clínico
Surgem manchas brancas, eritematosas ou
acastanhadas, geralmente arredondadas e
com descamação fina. Normalmente atin-

tratamento
Geralmente, o tratamento com medicações
tópicas é suficiente (clotrimazol, miconazol,
terbinafina, amorolfina, cetoconazol, entre
outros), além do uso de medicações em forma de xampus (cetoconazol, ciclopirox olamina, zinco piritionato, sulfeto de selênio).
Quando o quadro for muito extenso, é
possível utilizar medicamentos sistêmicos
(fluconazol em doses semanais, itraconazol).

doenças causadas por fungos

diagramado_4aprova.indd 65

65

19.07.10 12:18:46

Figura 30. Pitiríase versicolor. Manchas hipocrômicas arredondadas, com descamação fina, na face.

Figura 31. Pitiríase versicolor. Manchas hipocrômicas arredondadas, com descamação fina, na face.

66

diagramado_4aprova.indd 66

atlas de dermatologia em povos indígenas

19.07.10 12:18:48

Figura 32. Pitiríase versicolor. Manchas hipocrômicas arredondadas, com descamação fina, no tronco.

Figura 33. Pitiríase versicolor. Manchas hipocrômicas arredondadas, com descamação fina,
no braço.

doenças causadas por fungos

diagramado_4aprova.indd 67

67

19.07.10 12:18:52

3. Paroníquia
definição e etiologia
É uma doença de pele causada por fungos
do gênero Candida, podendo sofrer infecção secundária por bactérias do gênero
Staphylococcus.
epidemiologia
É doença comum, atingindo principalmente adultos que expõem continuamente as
mãos à umidade (água).
quadro clínico
Ocorre um inchaço na região periungueal
(próxima à cutícula), que inicialmente se
torna eritematosa e edematosa. Com o tempo a região torna-se infiltrada ou endurecida (Figura 34). Quando ocorre infecção
bacteriana secundária, a região inflama novamente com dor no local e saída de pus.
Quando a doença se torna crônica, ocorre
uma deformidade da unha, ela fica irregu-

68

diagramado_4aprova.indd 68

lar, amarelada e espessa. O quadro se parece
muito com a onicomicose por dermatófito.
diagnóstico
O exame micológico direto pode ser realizado, entretanto, quando ocorre infecção secundária, a positividade torna-se mais baixa.
tratamento
Geralmente o tratamento com medicações
tópicas, na forma de creme, é suficiente.
Podem-se usar nistatina ou derivados azólicos (cetoconazol, miconazol, clotrimazol),
aplicados duas vezes ao dia, até a cura clínica. A cura da alteração da unha é mais
difícil. Quando houver infecção secundária
por bactéria, utiliza-se antibioticoterapia local (gentamicina, neomicina, mupirocina,
ácido fusídico em creme), podendo ser associada a corticosteroides (associação betametasona com gentamicina, por exemplo).

atlas de dermatologia em povos indígenas

19.07.10 12:18:52

Figura 34. Paroníquia. Eritema, edema e descamação na região periungueal.

doenças causadas por fungos

diagramado_4aprova.indd 69

69

19.07.10 12:18:54

4. Tinha Imbricata
definição e etiologia
É uma doença muito rara, causada pelo fungo Trichophyton concentricum.
epidemiologia
Essa doença ocorre em regiões tropicais,
tendo sida descrita no Parque Indígena do
Xingu no passado.
quadro clínico
Caracteriza-se pela presença de lesões
descamativas com disposição concêntrica (em círculos regulares), localizadas no
tronco, braços e coxas (Figuras 35, 36 e

37). A apresentação clínica pode ser disseminada.
diagnóstico
O exame micológico direto pode indicar a
presença do fungo. Entretanto, somente a
cultura pode definir a espécie fúngica.
tratamento
O tratamento é feito com as mesmas medicações tópicas utilizadas para os tratamentos das tinhas (clotrimazol, miconazol,
terbinafina, amorolfina, cetoconazol, entre
outros). Lesões extensas podem ser tratadas com antifúngicos sistêmicos.

Figura 35. Tinha imbricata. Lesão descamativa de formato arredondado na região lombosacra esquerda, na
qual a pintura não adere.

70

diagramado_4aprova.indd 70

atlas de dermatologia em povos indígenas

19.07.10 12:18:55

Figura 36. Tinha imbricata. Lesões descamativas formando círculos concêntricos.

Figura 37. Tinha imbricata. Lesões descamativas formando círculos concêntricos.

doenças causadas por fungos

diagramado_4aprova.indd 71

71

19.07.10 12:18:57

5. Piedra Preta
definição e etiologia
É uma doença de pele causada pelo fungo
Piedraia hortae.

comumente nos cabelos da região frontal;
entretanto, pode acometer também barba,
bigode e pelos da região pubiana.

epidemiologia
Essa doença ocorre em regiões tropicais,
acometendo ambos os sexos e pode ser observada em todas as idades.

diagnóstico
O exame micológico direto do pelo parasitado pode fechar o diagnóstico (Figura 40).
A espécie fúngica pode ser determinada por
meio da cultura para fungos.

quadro clínico
Nota-se o aparecimento de nódulos enegrecidos, de consistência endurecida e bem
aderentes (Figuras 38 e 39). Ocorre mais

tratamento
O tratamento pode ser feito por meio do
corte do cabelo com a retirada dos nódulos.

Figura 38. Piedra preta. Pequenos nódulos enegrecidos aderidos aos cabelos.

72

diagramado_4aprova.indd 72

atlas de dermatologia em povos indígenas

19.07.10 12:18:57

Figura 39. Piedra preta. Pequenos nódulos enegrecidos aderidos aos cabelos.

Figura 40. Piedra preta. Pequeno nódulo enegrecido aderido ao fio do pelo (microscopia óptica). Fotografia
cedida pela profa. dra. Olga F. Gompertz.

doenças causadas por fungos

diagramado_4aprova.indd 73

73

19.07.10 12:19:04

6. Doença de Jorge Lobo
definição e etiologia
Trata-se de uma doença de pele e do tecido
subcutâneo, causada pelo fungo Lacazia loboi. Também chamada de "miraip" entre os
índios Caiabi.
epidemiologia
É uma doença rara no mundo, ocorre principalmente na região amazônica, sendo encontrada em indivíduos que frequentam as
matas. Há considerável número de casos entre os índios Caiabi. Não se conhece o modo
de transmissão, entretanto, entre os Caiabi,
acredita-se que a doença foi adquirida no
seu território original, fora do Parque Indígena do Xingu (pix). Casos têm sido descritos
em ribeirinhos amazonenses. Como nunca
houve um caso novo desde a migração dos
Caiabi para o pix, há mais de quarenta anos,
pressupõe-se que a doença provavelmente
não se transmite de pessoa para pessoa.
A doença também foi encontrada em algumas espécies de golfinhos.
quadro clínico
Diversos tipos de lesões de pele são observadas: nódulos ou placas (caroços) de cor

74

diagramado_4aprova.indd 74

avermelhada e de consistência endurecida,
assim como lesões atróficas e lesões que
lembram cicatrizes (queloides). Úlceras
(feridas) podem ser observadas tanto nos
nódulos como nas lesões atróficas. As lesões
podem atingir qualquer região do corpo,
podendo ser únicas ou múltiplas (Figuras
41, 42, 43 e 44). A doença não altera a saúde
geral do paciente, a não ser que haja complicações, como infecções por bactérias. A
transformação em câncer de pele é rara,
mas pode ocorrer.
exames subsidiários
A confirmação do diagnóstico é feita por exame micológico direto, biópsia da pele e análise
microscópica, que demonstram grande quantidade de estruturas fúngicas (Figura 45). Esse
fungo não cresce em meio de cultura.
tratamento
É de difícil tratamento, pois não se conhecem
medicamentos eficazes contra essa doença.
Em alguns casos, a retirada cirúrgica das lesões pode curar o paciente, principalmente
quando realizada precocemente (na fase inicial da lesão e quando há poucas lesões).

atlas de dermatologia em povos indígenas

19.07.10 12:19:04

Doença de Jorge Lobo.
Figura 41. Placas de aspecto queloidiano no dorso.
Figura 42. Placa de aspecto queloidiano com áreas
ulceradas na coxa.
Figura 43. Pápulas e placas de aspecto queloidiano
no tronco.

doenças causadas por fungos

diagramado_4aprova.indd 75

75

19.07.10 12:19:10

Figura 44. Doença de Jorge Lobo. Placas com centro atrófico, no tronco anterior e braços.

Figura 45. Agente da doença de Jorge Lobo. Múltiplas estruturas fúngicas (coloração de Grocott). Fotografia cedida pela dra. Mílvia M. S. S. Enokihara.

76

diagramado_4aprova.indd 76

atlas de dermatologia em povos indígenas

19.07.10 12:19:12

7. Cromoblastomicose
definição e etiologia
É uma micose que afeta a pele e o tecido
subcutâneo, causada por um grupo de fungos de coloração escura (fungos demáceos). Dentre eles, o mais comum no Brasil é
a Fonsecaea pedrosoi.
epidemiologia
A doença ocorre em países de clima tropical
e principalmente em meio rural. O indivíduo contrai a infecção através de um traumatismo da pele, por onde o fungo penetra.
Dependendo do estado de imunidade da
pessoa o fungo se multiplica no local, causando a infecção.
quadro clínico
A principal manifestação é a presença de
pápula ou nódulo que evolui para uma
grande placa verrucosa (Figuras 46, 47 e
48). Nota-se a presença de pontos enegrecidos, característicos dessa infecção. A lesão

ocorre de um só lado do corpo, em geral
nos membros inferiores (pé ou perna). Pode
sofrer infecção secundária por bactéria,
evoluindo com mau cheiro.
exames subsidiários
O exame micológico direto do material, obtido do raspado do ponto enegrecido (colônia fúngica), pode mostrar estruturas fúngicas típicas no microscópio. A cultura para
fungos define a espécie do agente etiológico.
O exame histopatológico (biópsia de pele) é
característico, entretanto, não define a espécie fúngica.
tratamento
O tratamento é difícil, principalmente nos
estágios avançados da doença. Quando a
lesão é pequena, ela pode ser retirada por
cirurgia. Associam-se antifúngicos por via
oral, como itraconazol, cetoconazol, fluconazol, terbinafina ou 5-fluocitosina.

doenças causadas por fungos

diagramado_4aprova.indd 77

77

19.07.10 12:19:12

Figura 46. Cromoblastomicose. Placas verrucosas
com áreas ulceradas e áreas recobertas por crostas
no pé.

Figura 47. Cromoblastomicose. Placas verrucosas
na coxa esquerda.

78

diagramado_4aprova.indd 78

Figura 48. Placas verrucosas recobertas por crostas no pé.

atlas de dermatologia em povos indígenas

19.07.10 12:19:15

8. Micetoma
definição e etiologia
Trata-se de um grupo de doenças infecciosas
que acometem a pele e o tecido subcutâneo,
e que podem ser causadas por diferentes
espécies de bactérias (actinomicetomas endógenos e exógenos) ou por fungos (eumicetomas). Apresentam características clínicas e histopatológicas comuns, apesar de
apresentarem etiologias distintas.
epidemiologia
O actinomicetoma exógeno e o eumicetoma
ocorrem mais frequentemente nas regiões
de clima quente (regiões tropicais, subtropicais e nos desertos) e são associados às
pessoas que têm contato com solo e vegetais
(meio rural). Em geral, acometem extremidades, principalmente os pés.
O actinomicetoma endógeno não apresenta essa relação epidemiológica, podendo ser encontrado em qualquer parte do
mundo. Pode estar associado a intervenções cirúrgicas.
quadro clínico
Essas doenças, apesar de terem agentes etiológicos diferentes, apresentam semelhanças
clínicas e patológicas.
A actinomicose exógena e o eumicetoma se caracterizam por lesões tumorais endurecidas que apresentam microabscessos
e fístulas por onde há saída de secreção com

grânulos ou grãos. As lesões habitualmente
são unilaterais e de localização preferencial
nos membros inferiores, locais mais sujeitos a traumatismos, que são a provável
forma de inoculação do agente etiológico
(Figura 49). Normalmente não há dor ou
sintomas sistêmicos. A actinomicose exógena é causada por bactérias aeróbicas de
diferentes espécies (por exemplo, Nocardia
brasiliensis) e o eumicetoma é causado por
diversas espécies de fungos (por exemplo,
Madurella mycetomatis).
A actinomicose endógena caracteriza-se por fístulas que drenam secreção com
grânulos ou grãos e se localizam na região
cervicofacial, torácica ou abdominal e são
causadas por bactérias anaeróbicas que estão em focos internos (cavidade oral, pulmões, intestinos). Trata-se de uma doença
sistêmica, necessitando uma investigação de
outros órgãos.
exames subsidiários
A confirmação diagnóstica é feita pelo exame direto com hidróxido de potássio a 10%
(grãos secretados nas fístulas), exame anatomopatológico e/ou cultura para fungos,
bactérias aeróbicas e anaeróbicas. Não se
pode descartar o diagnóstico de micetoma
se os grãos característicos não forem evidenciados no exame histopatológico, pois
muitas vezes eles se encontram na profundoenças causadas por fungos

diagramado_4aprova.indd 79

79

19.07.10 12:19:15

didade da lesão, necessitando um aprofundamento da exploração da fístula.
tratamento
A terapêutica medicamentosa deve ser feita
de acordo com o agente etiológico:

aminoglicosídeos, quinolonas, amoxacilina, tetraciclinas ou carbepenens);
· eumicetoma: antifúngicos sistêmicos
(cetoconazol, itraconazol, terbinafina,
iodeto de potássio, anfotericina-b, voriconazol ou posaconazol).

· actinomicose endógena: antibioticoterapia sistêmica (penicilina g-cristalina,
ampicilina, tetraciclina ou eritromicina);
· actinomicose exógena: antibioticoterapia
sistêmica (diamino-difenil-sulfona, sulfametoxazol-trimetoprima, rifampicina,

Procedimentos cirúrgicos podem ser necessários dependendo de cada caso, principalmente quando a lesão é inicial e pequena,
pois a exérese completa pode controlar ou
curar a doença.

Figura 49. Micetoma. Tumoração endurecida, com fístulas por onde há a saída dos grãos, localizada no
tornozelo.

80

diagramado_4aprova.indd 80

atlas de dermatologia em povos indígenas

19.07.10 12:19:16