As lâmpadas UV
para unhas emitem
níveis perigosos de
luz ultravioleta?

As lâmpadas UV para unhas emitem níveis perigosos de luz
ultravioleta?
Três especialistas contestam as informações de que as lâmpadas UV para
unhas são perigosas para a pele
Doug Schoon, magistrado em Química, Assessor científico principal de CND;
Paul Bryson, doutor em Química, Diretor de pesquisa e desenvolvimento, OPI Produtos;
Jim McConnell, pós graduado em Química, Presidente de McConnell Labs

Introdução
Um estudo recente afirma incorretamente que as lâmpadas UV para unhas
constituem uma fonte de "altas doses de radiação UV-A" e também compara
incorretamente as lâmpadas de unhas com as cabines de bronzeamento UV.
O estudo, "Occurrence of Nonmelanoma Skin Cancers on the Hands After UV
Nail Light Exposure" (Aparição de câncer de pele no melanocítico em mãos
depois da exposição a lâmpadas UV para unhas, MacFarfane e Alonso),
superestima a exposição da pele da cliente a luz UV emitida por estas
lâmpadas e caracteriza indevidamente os efeitos da lâmpada sobre as mãos.
Sendo três dos científicos mais importantes da indústria de manicuração
profissional, nos vimos muito surpresos por estas afirmações. Para verificar os
feitos, analisamos as principais lâmpadas UV para unhas através de um
laboratório independente, com a finalidade de estabelecer quanta radiação UVA e UV-B emitem e a compararmos com a luz natural do sol.

Testes
Durante a preparação de nosso estudo, provamos muitas lâmpadas UV para
unhas a fim de determinar qual seria a potência de saída de raios UV mais
elevada e, como era de esperar, descobrimos que a lâmpada que reunia esta
condição era a que utilizava quatro focos UV de 9 watts. Também decidimos
analisar uma conhecida lâmpada UV para unhas que utiliza dois focos UV de 9
watts. A intenção de analisar ambas as lâmpadas foi determinar as variações
da exposição em toda a gama de lâmpadas UV para unhas, com o objetivo de
proporcionar informação representativa da maioria dos salões e situações.
As duas lâmpadas selecionadas foram escolhidas e analisadas devido a
popularidade de sua marca e porque são representantes de outras lâmpadas
UV para unhas dentro da categoria que usa dois focos de 9 watts.
A lâmpada para unhas com quatro focos UV de 9 watts foi escolhida porque
registrou a maior potência de saída de raios UV entre todas as lâmpadas
analisadas. Não tentamos avaliar lâmpadas que utilizam somente um único
foco UV dada que a maioria destas lâmpadas utilizam dois, três ou quatro.
As lâmpadas UV selecionadas para o ensaio provavelmente sejam
representantes de mais de 90% das lâmpadas UV para unhas utilizadas nos
salões.

Lighting Science, Inc., de Phoenix, Arizona, é um laboratório científico
completamente independente e equipado, que se especializa no
desenvolvimento e análises de muitas classes de dispositivos de iluminação,
entre eles, os que emitem luz UV; além disso, Lighting Science não participa
participa da fabricação e venda deste tipo de lâmpadas. As lâmpadas
selecionadas foram entregues a Lighting Science novas, sem uso algum.
Foram colocados detectores com alta sensibilidade a radiação UV dentro da
cabine, onde os clientes colocam as mãos. Esses detectores medem com
precisão a quantidade de luz UV-A e UV-B emitida por cada lâmpada UV para
unhas. Para garantir uma comparação adequada, Lighting Science utilizou o
mesmo equipamento de prova que se utiliza para medir a radiação UV-A e UVB proveniente da luz natural do sol. A seguir apresentamos uma análise destas
medições e resultados.

Análises
O estudo de MacFarlane e Alonso incorreu em vários erros e inexatidões sobre
os produtos para unhas artificiais e o modo como se aplicam. O mais evidente
é o cálculo incorreto da exposição da pele a luz UV emitida pelas lâmpadas
para unhas, o que deu lugar a conclusão incorreta do estudo. Não é correto
chegar a conclusão de que colocar uma mão em uma cabine de bronzeamento
com doze focos UV de 100 watts equivale a colocá-la em uma cabine UV para
unhas com quatro focos de 9 watts porque: 1) Os usuários de cabines de
bronzeamento solar normalmente utilizam estes dispositivos com maior
frequência e durante períodos muito maiores que os observados em serviços
de salão de manicures; 2) Os autores assumiram erroneamente que a
"vatagem" do foco UV mede a exposição da pele a luz UV, quando na
realidade a vatagem mede o consumo de energia; 3) Os autores cometeram
um erro significativo ao se basear unicamente na potência do foco para estimar
o nível real de exposição da pele a luz UV; e 4) foi desconsiderada que a luz
UV se reflete numerosas vezes no interior da cabine de bronzeamento e os
reflexos internos aumentam a exposição da pele a luz UV, o que demonstra,
uma vez mais, que o enfoque de MacFarlane e Alonso para o cálculo da
exposição da pele a luz UV não é válido. A comparação com as cabines
solares para bronzeamento não tem sentido lógico nem científico.
As provas UV realizadas por Lighting Science utilizaram técnicas e
equipamentos científicos para medir tanto a radiação UV-A como a UV-B em
termos de miliwatts por centímetro quadrado (mW/cm²), uma medida da
quantidade de luz UV que é recebida por cada centímetro quadrado de pele
(em torno de 1/8 polegada quadrada). É importante entender que a radiação
UV-B é considerada por muitos mais perigosa para a pele que a radiação UVA, razão pela qual, as lâmpadas para unhas utilizam focos UV especiais com
revestimentos internos encarregados de filtrar a maior parte da luz UV-B.
É importante destacar que os clientes visitam o salão para aplicar as unhas de
gel mediante UV ou para mantê-las duas vezes por mês e que cada mão é
colocada na cabine durante dois minutos ou menos, num total de 6 a 10
minutos. Neste estudo, sempre partimos da base do nível mais alto de
exposição: 10 minutos por mão, duas vezes por mês.

Resultados
Os testes de Ligthting Sciences geraram a seguinte informação:
1. A potência de saída de radiação UV-B em ambas as lâmpadas foi
inferior a encontrada na luz natural do sol.
Os focos empregados nas lâmpadas UV para unhas contem filtros internos
especiais que eliminam a maior parte dos raios UV-B, por isso o resultado não
surpreende. Os resultados do ensaio mostram que a quantidade de radiação
UV-B a que se expõe a pele do cliente é igual a que caberia esperar se se
expusesse de 17 a 26 segundos adicionais por dia a luz solar durante as duas
semanas compreendidas entre as visitas ao salão.
2. A exposição a radiação UV-A é muito inferior a sugerida por
MacFarlane e Alonso.
Os resultados do estudo demonstram que a exposição da pele da cliente a
radiação UV-A equivale a permanecer ao sol de 1,5 a 2,7 minutos adicionais
por dia entre as visitas ao salão, de acordo com o tipo de lâmpada UV para
unha utilizada. Uma lâmpada com dois focos UV corresponde a 1,5 minutos e
uma lâmpada com quatro focos UV corresponde a aproximadamente 2,7
minutos por dia entre as visitas ao salão.
MacFarlane e Alonso afirmaram haver encontrado dois casos de câncer de
pele e indicam que foram causados por lâmpadas UV para unhas. Ambos
pacientes vivem no Texas. Um dos pacientes esteve exposto a uma lâmpada
UV para unhas somente oito vezes durante o mesmo ano (supondo que a cada
duas semanas, durante 4 meses). Durante o mesmo período, o paciente havia
sido exposto a mais radiação UV-A e UV-B apenas permanecendo de 10 a 20
minutos almoçando ao ar livre embaixo da luz natural do sol uma vez por
semana.
Curiosamente, os autores descrevem esta paciente como uma mulher branca
de 48 anos de idade que afirmava ter "uma exposição recreativa moderada a
luz UV". Não entendemos como, dadas as circunstâncias, poderiam concluir
que este caso de câncer de pele no melanocítico se deve a estas oito
exposições a uma lâmpada UV para unhas, especialmente tendo em conta os
baixos níveis de exposição a luz UV que se podem esperar durante tão poucas
visitas a um salão. Discordamos respeitosamente com esta conclusão e
cremos que os resultados do estudo independente de Lighting Science
concordam com nossos próprios resultados laboratoriais, que argumentam que
o uso de lâmpadas UV para unhas é seguro.
Conclusão
· O estudo de MacFarlane e Alonso chega a uma conclusão incorreta
porque se baseia em supostos errados.
· Nosso estudo demonstra que as lâmpadas UV para unhas emitem níveis
relativamente baixos de luz ultravioleta e considera-se que estes níveis

de exposição encontram-se completamente dentro de níveis seguros se
aplicados a serviços de colocação de unhas artificiais mediante UV em
salões de manicuração.
Lamentavelmente, a informação incorreta pode ter efeitos nocivos a longo
prazo, inclusive quando seja desmentida depois. Algumas pessoas já
começaram a distorcer injustamente os riscos de cancêr em blogs da Internet,
Youtube e outros meios de comunicação, inclusive ao ponto de oferecer
conselhos extraordinariamente tolos de rejeitar os produtos de secagem
através de radiação UV que, de outro modo, não é possível a secagem.
Acreditamos que uma análise correta dos feitos sustenta a conclusão de que
as lâmpadas UV para unhas são seguras quando utilizadas conforme as
indicações e que a breve exposição dos clientes é tão segura como se expor a
luz natural do sol. As mãos dos clientes provavelmente recebem maior
exposição a luz UV enquanto conduzem seu carro do que a que recebem
através de um serviço de colocação de unhas de gel mediante UV.
Contudo, reconhecemos a necessidade que os especialistas em unhas tem de
abordar esta preocupação de seus clientes.
Se os clientes expressam inquietação, o técnico pode fazer o seguinte para
que o serviço não gere tanta angústia:
· Colocar um pequeno pano branco sobre a mão do cliente antes de
colocá-la na cabine;
· Se o cliente insistir em usar filtro solar, deve-se pedir que ele lave as
mãos antes de realizar o serviço no salão. Neste caso, o técnico deve
prestar atenção especial e assegurar-se de que as placas das unhas
estejam bem limpas e sem oleosidade para evitar problemas com o
serviço fornecido (por exemplo, que o produto se levante, troque de cor
ou manche) devido a película que pode se formar devido ao protetor
solar. Além disso é fundamental afastar as loções e sprays com filtro
solar de perto dos utensílios e insumos utilizados durante o serviço de
manicuração para evitar contaminação.

Referencias: 1. Occurrence of Nonmelanoma Skin Cancers on the Hands After
UV Nail Light Exposure, MacFarlane, D.F., Alonso, C.A., Arch Dermatol.
2009;145(4):447-449
______________________

Biografias dos autores:

Doug Schoon: tem mestrado em Química pela Universidade da California
(Irvine), é um cientista de renome internacional e professor com 20 anos de
experiência como investigador científico na indústria profissional do cuidado de
unhas. Tem muitos anos de experiência em desenvolvimento de produtos para
unhas para secagem com radiação UV. Schoon é autor do livro Nail Structure
and Product Chemistry, 1ª e 2ª edições, escreveu várias dezenas de artigos em

revistas especializadas do setor e alguns capítulos do livro de nome Milady's
Standard Nail Technology, assim como alguns capítulos sobre produtos
cosméticos em vários livros de referência para dermatologistas.
Paul Bryson é doutor em química pela U.S.C. e trabalha como diretor de
pesquisa e desenvolvimento na OPI Products Inc. há 12 anos. Sua experiência
inclui a formulação tanto de sistema secados por UV como acrílico de 2
componentes para unhas, restaurações dentais e fabricação de peças
eletrônicas. É colaborador regular em revistas especializadas do setor,
escreveu um capítulo sobre cosméticos para unhas em um texto de
dermatologia médica e assessorou o Comitê de Cabeleireiros e Cosmética da
Califórnia (California Board of Barbering and Cosmetology) para melhorar as
normas de segurança nos salões de beleza.

Jim McConnell pós graduado em Química pela Universidade de Oregon,
Presidente da McConnell Labs, fabricantes dos produtos Light Elegance Nail.
Jim é químico, especializado no desenvolvimento de sistemas de cura UV por
12 anos na indústria da beleza. Autor colaborador de Milady's Standard Nail
Technology e de vários artigos em revistas especializadas em manicuração.

Consultas de Imprensa: Doug Schoon, [email protected]

Texto
extraído
de:
http://www.probeauty.org/docs/nmc/uv_lamp_es.pdf
Traduzido por Global Classic, importadora e distribuidora de EzFlow no Brasil.
A EzFlow recomenda a utilização de produtos com qualidade comprovada.