Procedimentos Técnicos

Código:PROMIC-0017-3
Versão: 3

Pg: 1/3

TÍTULO: Pesquisa de Fungos
NOME
FUNÇÃO
ASSINATURA
DATA
Renato de
Coordenador da
ELABORADO POR
Lacerda Barra
07/11/2016
Qualidade
Filho
Renato de
DE ACORDO
Diretor Técnico
07/11/2016
Lacerda Barra
Jose Carlos dos
APROVADO POR
Diretor Executivo
08/11/2016
Santos
HISTÓRICO DAS REVISÕES
Versão
Revisado por
Data
Assinatura
Aprovado por
Data
Assinatura
3
Larissa Girardi
01/11/2017
Dr Renato Filho 01/11/2017

Versão
3

Responsável
Larissa Girardi

REVALIDAÇÃO ANUAL
Data
Versão
01/11/2017

Responsável

Data

1. NOME/ SINONÍMIA/ MNE
PESQUISA DE FUNGOS.
MICOLÓGICO DIRETO
EXAME DIRETO PARA FUNGOS
EXAME A FRESCO PARA PESQUISA DE FUNGOS
PESQUISA DE LEVEDURAS.
PESQUISA DE CÂNDIDA.

2. PRINCÍPIO DO TESTE
A pesquisa direta de fungos consiste na observação microscópica do material (raspagem da borda de
lesão fúngicas em processo), tratada com corante e clareantes (preparo de hidróxido de potássio) e
montado entre lâminas e lamínulas com a finalidade de identificar estruturas características encontradas
nos fungos em geral: hifas, pseudohifas, blastomídios, astromídios, filamentos e grãos.

3. SIGNIFICADO CLÍNICO
A pesquisa de fungos em secreções e em primeiro jato urinário pressupõe-se em candidíase
considerada a segunda maior causa de leucorréia causando vulvo-vaginite. Acredita-se que uma das
formas de transmissão de candidíase em mulheres decorre da colonização fúngica a partir de uma
colonização no sulco balano-prepucial, devido a falta de assepsia prévia ao coito, sobretudo quando o
prepúcio é longo e contribui para o crescimento desses agentes. As principais queixas incluem aumento
do fluxo vaginal, presença de prurido vulvar incomodativo, ardência e o aspecto da secreção é
geralmente branca, grumosa ou leitosa. A uretrite fúngica no homem é muito pouco provável, se ela
existir, decorre de colonização meatal a partir de uma intensa balanite fúngica.
Os dermatófitos causam doença (micoses superficiais) em estruturas queratinizadas, tais como pêlos,
pele e unhas e não invadem estruturas mais profundas. Entretanto, nem todos os dermatófitos invadem
todas as estruturas queratinizadas. São classificados de acordo com a área comprometida e não
segundo o organismo. A importância do exame micológico direto é a possibilidade de início imediato de
tratamento, se for observado algum fungo no material, já que, alguns fungos patogênicos, exigem um
período demorado de incubação para se obter o seu crescimento

4. COLETA E TRATAMENTO DA AMOSTRA
4.1 Coleta da amostra: Consultar Manual de Coleta
4.2 Tipos de amostra: escama de pele, pêlos e cabelos, Raspados de unha, secreção em geral, líquidos
em geral, urina, lavado bronco alveolar.

Procedimentos Técnicos

Código:PROMIC-0017-3
Versão: 3

Pg: 2/3

TÍTULO: Pesquisa de Fungos
4.3
4.4
4.5
4.6

Volume mínimo para análise: Volume suficiente para análise microscópica.
Rejeição de amostras: Consultar Manual de coleta
Condições de acondicionamento: Consultar Manual de coleta
Tratamento e pré-tratamento da amostra: N/A

5. MATERIAL REQUERIDO
5.1
5.2
5.4
5.5
5.6
5.7
5.8
5.9

Microscópio óptico
Lâmina
Luvas
Máscaras
Óculos de proteção
Alça ou fio bacteriológico
Bico de bunsen
Lamínula

6. REAGENTES
6.1 Solução de hidróxido de potássio a 20% (100ml de Água destilada para 2 gramas de hidróxido de
potássio)
7. PROCEDIMENTO DETALHADO
Escama de pele, e pêlos e unhas:
Identificar um tubo de ensaio com a identificação do paciente (etiqueta).
Colocar 1 ou 2 gotas da solução clarificante (hidróxido de potássio a 20%).
Colocar algumas escamas do material sobre a solução.
Tampar o tubo com tampa.
Aguardar algumas horas (até 24 horas, caso a clarificação não seja satisfatória antes).
Colocar o material entre lâmina e lamínula;
Levar ao microscópio óptico e observar em objetiva de 40X.
Anotar resultado
ou
Pode ser realizado diretamente na lâmina.]
Urina e líquidos:
Identificar um tubo de ensaio com a etiqueta do paciente.
Colocar cerca de 10ml do material no tubo de ensaio;
Centrifugar a 2500 rpm por 5 minutos;
Desprezar o sobrenadante, deixando uma quantidade suficiente no tubo para ressuspender o
sedimento;
Colocar o sedimento entre lâmina e lamínula;
Levar ao microscópio e observar na objetiva de 40X.
Anotar o resultado

Secreções:
Separar as partes mais purulentas ou sanguinolentas da amostra. Se o material estiver muito viscoso,
homogeneizar;
Realizar uma montagem a fresco da amostra;

Procedimentos Técnicos

Código:PROMIC-0017-3
Versão: 3

Pg: 3/3

TÍTULO: Pesquisa de Fungos
Levar ao microscópio e observar na objetiva de 40X.
Anotar resultado

8. CÁLCULOS/ LIBERAÇÃO DOS RESULTADOS
Resultado positivo: Vide Anexo !.
Resultado negativo: ausência de hifas e/ou esporos de fungos.

9. CONTROLE DE QUALIDADE
Consultar plano de qualidade

10. INTERVALO DE REFERÊNCIA
Negativo

11. INTERVALO CRÍTICO
N/A

12. CONFIABILIDADE ANALÍTICA
N/A

13. INTERFERENTES
Amostras entregues no laboratório em um período superior ao estipulado no POP de coleta, podem
desenvolver contaminação e levar a resultados falso-positivos.
Uso de medicamento (creme, pomada) utilizado até uma semana antes da coleta.
A demora na observação do exame direto pode levar a formação de artefatos similares hifas.

14. INTERVENÇÕES
N/A
15. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
-

Murray PR, Baron EJ, Pfaller MA, Tenover FC, Yolken RH (eds): Manual of Clinical Microbiology, 7ª
ed. American Society for Microbiology, Washington, DC, 1999.
Silva CPHM: Bacteriologia , um texto ilustrado, 1ª ed. Rio de Janeiro, Ed. Eventus, 1999.
Koneman, EW: Diagnóstico Microbiológico- Texto e Atlas Colorido, 5ª ed, MEDSI, 2001.
Oplustil, CP: Procedimentos Básicos em Microbiologia Clínica, Ed. Saraiva, São Paulo, 2000.
www. saúdetotal.com.br

16. ANEXOS
N/A.