AVALIAÇÃO DO ESMALTE FORTALECEDOR DE UNHA.
1

Caroline Pinheiro Acadêmica do Curso de Cosmetologia e Estética da
Universidade do Vale do Itajaí ­ UNIVALI, Balneário Camboriú, Santa Catarina.
2

Michelle Brito Gomes Acadêmica do Curso de Cosmetologia e Estética da
Universidade do Vale do Itajaí ­ UNIVALI, Balneário Camboriú, Santa Catarina.

3

Daniela da Silva ­ Orientadora; Professora Msc. do Curso de Cosmetologia e
Estética da Universidade do Vale do Itajaí ­ UNIVALI, Balneário Camboriú,
Santa Catarina.
Vania Regina Novotny ­ Co Orientadora; Professora do Curso de
Cosmetologia e Estética da Universidade do Vale do Itajaí ­ UNIVALI,
Balneário Camboriú, Santa Catarina.
Contatos

1

[email protected]
[email protected]
3
[email protected]
[email protected]
2

RESUMO

A lâmina ungueal mais conhecida como unha, é um anexo cutâneo formado
por células epiteliais queratinizadas, dispostas em placas de queratina dura,
porém em alguns indivíduos mais precisamente nas mulheres, ocorrem na
lâmina ungueal algumas alterações como unhas quebradiças, lascadas e
fracas. Devido à importância estética que a unha apresenta, o mercado
cosmético tem lançado produtos diferenciados para a utilização na lâmina
ungueal, estes produtos apresentam apelo comercial de proporcionar o
fortalecimento das unhas. Nesta perspectiva, o trabalho avaliou o efeito do
esmalte fortalecedor em 6 voluntárias entre 22 e 44 anos do sexo feminino
durante quatro semanas. Observou - se melhora no aspecto das unhas, após
este período em 57% das voluntárias. Este efeito pode estar relacionado à
presença de ativos como pantenol, queratina hidrolisada e pantotenato de
cálcio que conferem maior hidratação a lamina ungueal e conseqüentemente,
protegem as unhas do ressecamento e aumentam sua espessura, o que as
tornam mais resistentes a traumas mecânicos.

Palavras chaves: unhas frágeis; esmalte fortalecedor; princípios ativos.

INTRODUÇÃO

O mercado da beleza segundo dados da Associação Brasileira da
Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos, (2009), registra no
período de janeiro a junho de 2009 um crescimento de 18% em relação ao
mesmo período de 2008.
Com base nos dados, constata-se a preocupação pela "beleza", ou seja,
as pessoas buscam constantemente manter-se dentro de um padrão estético
estipulado pela sociedade, utilizando cada vez mais recursos que possam
melhorar a aparência, principalmente os produtos cosméticos.
A vaidade feminina com a valorização do corpo e também dos cabelos,
se destacam nesses padrões estéticos, porém as unhas também assumem um
papel importante na imagem pessoal, não só da mulher, mas também do
homem. A unha, é um fator que interfere na imagem pessoal, assim mantê-las
higienizadas e perfeitas é uma busca constante. Segundo Proa e Vieira (2007,
p. 4) "tratar das mãos e dos pés é mais do que simples cuidado com a higiene
pessoal, é uma necessidade estética".
A

unha

é

um

anexo

cutâneo

formado

por

células

epiteliais

queratinizadas, dispostas em placas de queratina dura. Situa ­ se no leito da
epiderme ao qual esta firmemente aderida. Na evolução da espécie humana as
mãos e os pés foram sofrendo alterações significativas, sendo que as unhas
também sofreram tais transformações. A lâmina ungueal, que era uma
estrutura córnea mais espessa tornou ­ se uma estrutura mais fina, facilitando
os movimentos e a apreensão de pequenos objetos (LIMA, MENDONÇA, 2004
MONTENEGRO, 2007, REGO).
Devido à importância estética que a unha apresenta, o mercado
cosmético tem lançado produtos diferenciados para a utilização na lamina
ungueal, dentre estes produtos destacam ­ se os com apelo comercial de
proporcionar o fortalecimento das unhas. Segundo Mendonça (2004, p 243), "O
mercado de produtos estéticos para a conservação das laminas ungueais é
vasto e milhões de dólares são investidos anualmente na indústria de
cosmético".
Poucos trabalhos demonstraram tratamentos relacionados para a
síndrome das unhas frágeis (SUF), porém Costa e colaboradores (2007)

relatam que o uso da biotina, demonstrou por meio de microspia eletrônica
auxiliar na melhora da SUF. De acordo com alguns autores, ocorreram
resultados positivos em 67% dos casos quanto utilizados a biotina por via oral
durante 6 a 12 meses.
Em contrapartida, constata ­ se que ainda há uma carência em estudos
direcionados a estética das unhas, apesar da diversidade de produtos
cosméticos destinados ao embelezamento das unhas.
Com este panorama o trabalho tem como objetivo avaliar o efeito do
esmalte destinado ao fortalecimento das unhas, relacionando com os
componentes da formulação.
Deste modo faz-se necessário abordar alguns aspectos relevantes para
o desenvolvimento do trabalho.

Unha
A unha é um anexo cutâneo, derivado do latim úngula, diminutivo de
ungüis, significa a lâmina dura, semitransparente que reveste a extremidade
dorsal dos dedos de mãos e de pés (RIBEIRO; NOVAES; NEVES ;1995).
Consiste de queratina dura, a oniquina formada a partir de uma
invaginação da pele que reveste a falange distal. Situa ­ se no leito da
epiderme ao qual esta firmemente aderida (LIMA, REGO, MONTENEGRO,
2007; PEYREFITTE; MARTINI; CHIVOT; 1998). Desta forma o aparelho
ungueal é composto pela matriz ungueal, leito ungueal, lâmina ungueal e
dobras ungueais, sendo que a matriz ungueal é responsável pela formação da
maior parte da lâmina (MENDONÇA, 2004). Já o leito ungueal é constituído por
duas porções: uma epidérmica (matriz ventral) e outra dérmica sobre o
periósteo da falange distal sua área abrange desde a lúnula até o hiponiquel
(BEGA, 2006). A lâmina ungueal que é mais conhecida como unha, é uma
estrutura retangular queratinizadas plana, ligeiramente convexa. É recoberta
por dobras cutâneas exceto a margem distal (MENDONÇA, 2004).
Em relação ao crescimento da unha este ocorre a partir da matriz
ungueal formada por camadas germinativas que estão em atividade constante
pois nesta região existe atividade mitótica (BEGA 2006).

A unha cresce em comprimento devido à proliferação das células
germinativas de sua raiz, e em espessura à custa, em grande parte, do estrato
germinativo situado abaixo da lúnula e também da matriz (BENY, 2004).
Durante o crescimento, a deposição de oniquina se faz em camadas que
se alinham a partir estrato germinativo e da matriz ao longo de todo o corpo da
unha. Entre as camas, mais precisamente entre os polipeptídios de oniquina,
estabelecem pontes de enxofre, fundamentais para a saúde das unhas, pois
aumentam a impermeabilidade à água, evitam a liberação de escamas,
garantindo assim maior resistência e tornando ­ as mais brilhantes.
O crescimento das unhas é continuo e uniforme em todos os seus
pontos, a taxa de crescimento média é de 0,10 mm por dia, isto é, de 3 a 4 mm
por mês (PEYREFITTE; MARTINI; CHIVOT, 1998).
Existem fatores que interferem no crescimento da unha, descreve- se
que a velocidade do crescimento das unhas, principalmente das mãos, varia
em função de numerosos componentes como, idade, raça sexo, fatores
nutricionais, lactação, hormonais, entre outros. (BENY, 2004). Por outro lado
possuem fatores onde o crescimento das unhas é mais acelerado. De acordo
com Mendonça (2004), gravidez, o calor e a psoríase são fatores que aceleram
o crescimento da unha.
Referente à flexibilidade da unha esta característica é relacionada à
presença de fosfolipídios e água presentes na lamina ungueal, dessa forma
sua capacidade de reter líquido é pequena, o que a torna mais suscetível à
desidratação e aos danos mecânicos. Ainda na composição da lamina o cálcio
encontra-se em grande quantidade sob a forma de fosfato, em cristais de
hidroxiapatita, ainda são encontrados cobre, magnésio e zinco, porém importa
observar que o cálcio não é responsável pela dureza da unha (RIBEIRO;
NOVAES; NEVES, 1995; COSTA NOGUEIRA, GARCIA, 2007; WILKINSON,
1990). Segundo Costa, Nogueira e Garcia (2007) é um mito que vem sendo
desmentido, pois o cálcio não é responsável pela dureza da unha.
Autores destacam que a dureza da unha é devido à grande quantidade
de matriz protéica com alto teor de enxofre que contribui para que pontes
dissulfeto de cisteina estabilizem proteínas relevantes para a resistência
ungueal. A diminuição da resistência ungueal é um problema que afeta até

20% da população, sendo mais freqüente no sexo feminino (COSTA;
NOGUEIRA; GARCIA, 2007; RIBEIRO; NOVAES; NEVES, 1995).
De acordo com os autores Costa e colaboradores 2007 e RIBEIRO e
colaboradores 1995, há um número relevante de pessoas com problemas, na
flexibilidade e na dureza da lamina ungueal, e isso gera um incomodo estético,
onde estas procuram tratamentos e produtos cosméticos a fim de solucionar
este problema.

ESMALTES
O cuidado com as unhas vai além da estética, mantê ­ las sempre
pintadas é algo que vem sendo usado desde a antiguidade, não só para
embelezar, mas também para proteger. Segundo Telles (2009) foi na
antigüidade que os homens e mulheres começaram a pintar as unhas.
Devido à procura pela estética das unhas o mercado de cosméticos
lança produtos como esmaltes para embelezar as lâminas. Segundo Pruniéras
(1994), dentre os produtos de beleza destinados à maquiagem, um dos lideres
incontestavelmente é o esmalte de unhas. Raras são as mulheres que nunca
utilizaram e numerosas são as que usam diariamente ou pelo menos muito
frequentemente.
O esmalte de unha consiste basicamente em pigmentos suspensos em
um solvente volátil ao qual são adicionados formadores de películas, possuem
uma composição útil para embelezar e colorir a coloração natural da lamina
ungueal, e até mesmo corrigir imperfeições (DRAELOS, 1999).
De acordo com Pruniéras (2004) os esmaltes são compostos por
agentes filmógenos; que são encarregados de constituir a película suave,
brilhante e não colante que será fixada a superfície da unha.
Os esmaltes apresentam substancias plastificantes que servem para
manter o produto macio e flexível (DRAELOS, 1999), os solventes servem para
o esmalte secar mais rapidamente e também para obter uma bela maquiagem
á unha, os diluentes servem para diluir a mistura e os corantes podem
apresentar-se de dois tipos; solúveis e insolúveis, sendo que os corantes
solúveis estão presentes nos esmaltes coloridos e transparentes; e os corantes
insolúveis são adicionados em produtos opacos (PRUNIÉRAS, 1994).

A princípio os esmaltes possuem duas finalidades, que seria a de
embelezar e colorir as unhas, e a de fortalecer as unhas, pois existem os
esmaltes fortalecedores, que visam à dureza da lamina ungueal. Segundo
Draelos (1999) os esmaltes endurecedores de unha são usados para aumentar
a força de unhas quebradiças, permitindo assim que as unhas atinjam
comprimentos mais longos antes de ocorrer quebras traumáticas.
Estes esmaltes formam um filme impermeável, protegem as unhas do
ressecamento e aumentam sua espessura, o que as torna mais resistente a
traumas mecânicos.
São cosméticos de composição complexa, aos quais podem ser
acrescidos ingredientes como vitaminas, resinas, polímeros e outros com a
finalidade de fortalecer unhas frágeis.
Os ingredientes chamados endurecedores de unhas geralmente atuam,
fortalecendo o filme formado pelo esmalte, o que confere maior proteção
mecânica à unha estimula a circulação da região periungueal, doando
constituintes da lâmina ungueal (BENY, 2004).
Uma substância que era muito utilizado, nos esmaltes fortalecedores era
o formaldeído, atualmente é contra ­ indicado por irritar a pele circunjacente a
unha, causando ressecamento da cutícula e dermatite de contato, este pode
interferir com adesão intracelular dos corneócitos e iniciar a SUF. Pode
também exercer efeito paradoxal por dissolução das pontes de enxofre entre as
camadas de oniquina, causando onicorrexe (descamação da unha). (BENY,
2004; COSTA, NOGUEIRA E GARCIA, 2007).
Outros componentes são acrescidos aos esmaltes fortalecedores como:
acetatos, tolueno, nitrocelulose, hidrolisados de proteínas ( em especial os
hidrolisados de queratina), resina de poliéster, e outros ativos como metionina,
elemento presente nas unhas em grande quantidade, que age como repositor,
normalizando o crescimento da unha, prevenindo o ressecamento e
melhorando a resistência e a dureza , ativos como óleo de prímula e de gérmen
de trigo que auxilia a preservar a unha e a promover o seu crescimento.
(SOUZA, 2004; BENY, 2004)

METODOLOGIA
A metodologia utilizada para a obtenção dos resultados foi através de
diversas pesquisas, com embasamento e posicionamento de vários autores,
para assim poder ter um resultado mais eficaz. De acordo com Lakatos e
Marconi (1994), destacam que a pesquisa é um procedimento reflexivo e
sistemático o que permite analisar fatos e dados a partir do campo de
conhecimento o que consiste num caminho cientifico que possibilita reconhecer
a realidade.
Considerando que para atingir o objetivo deste trabalho que foi avaliar o
efeito do esmalte fortalecedor na lamina ungueal e analisar a sua formulação
foi necessário realizar uma pesquisa de campo com o intuito de obter
informações relacionadas à aplicação do esmalte fortalecedor e a melhora na
percepção das voluntárias em relação à dureza e redução da quebra da lâmina
ungueal.
Inicialmente foi realizada uma pesquisa para identificar os esmaltes
fortalecedores disponíveis no mercado cosmético nacional, na intenção de
selecionar o produto mais comumente comercializado. Posteriormente foi feito
uma pesquisa de campo, a pesquisa constitui-se em seis voluntários do sexo
feminino que recebem semanalmente o serviço de manicure, a seleção deste
universo caracteriza­ se por mulheres que apresentam queixa de lamina
ungueal fragilizada, com descamação, assim como unhas quebradiças, essa
seleção foi realizada com o apoio de uma profissional manicure do laboratório
da cosmetologia e estética da UNIVALI, campus Balneário Camboriú.
O estudo foi avaliado a partir da aplicação de um esmalte comercial com
finalidade de fortalecedor das unhas, o prazo estipulado para o teste foi
aplicação durante 1 (um) mês, sendo que esta aplicação será realizada pela
profissional manicure do laboratório da cosmetologia e estética da UNIVALI,
campus Balneário Camboriu.
As aplicações do esmalte nas voluntárias serão semanais, porém a
profissional irá receber dois frascos de esmaltes identificados por produto A e
produto B, um dos produtos será uma esmalte base sem a presença de
componentes que conferem propriedade de fortalecedor e o outro produto será
o esmalte fortalecedor.

A profissional deverá aplicar sempre na mão direita o produto A e na
mão esquerda o produto B, será realizado desta forma para não ter a
interferência subjetiva nos resultados encontrados por parte do profissional
como também pelas voluntárias. A metodologia empregada será do duplo cego
que segundo Lopes- Filho e Tessler (2009), evita qualquer interferência
consciente ou não nos resultados de um experimento.
Insta salientar que antes da realização do procedimento as voluntárias
receberam e assinaram o TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E
ESCLARECIDO (APENDICE A), o qual visa à autorização por parte dos
mesmos para que possam ser utilizados os dados por elas fornecidos. As
pesquisadoras

e

a

orientadora

comprometem-se

em

assegurar

a

confidencialidade e a privacidade dos entrevistados, mantendo sigilo absoluto
sobre a identidade dos mesmos.
Antes de iniciar as aplicações do esmalte as voluntárias responderam a
um questionário (APENDICE B) aplicado pela profissional manicure, o
questionário é em forma de entrevista para obter informações relacionadas à
lâmina ungueal e as perguntas foram fechadas. De acordo com Richardson
(1999, p.191)
"perguntas fechadas são aqueles instrumentos em que as
perguntas ou afirmações apresentam categorias ou alternativas
de respostas fixas e preestabelecidas. O entrevistado deve
responder

à

alternativa

que

mais

se

ajusta

às

suas

características, idéias ou sentimentos".

Após o período de aplicação do produto (um mês), foi aplicado um novo
questionário (APENDICE C) para avaliação do resultado final do tratamento
com o esmalte fortalecedor.
Para a tabulação dos dados foram utilizadas planilhas do Microsoft
Office Excel 2003 e gráficos onde foram comparados e avaliados os itens
respondidos pelas voluntárias através de análise dos questionários aplicados
antes e depois das aplicações do esmalte fortalecedor, será avaliado os
componentes da formulação do esmalte a fim de relacionar os resultados
encontrados com o mecanismo de ação do principio ativo utilizado no produto
cosmético.

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Para

seleção

do

esmalte

fortalecedor,

foi

pesquisado

quatro

estabelecimentos do município de Bombinhas ­ SC, produtos com tal
propriedade. A partir desta pesquisa, foram encontrados, 5 (cinco) esmaltes
que apresentavam principio ativos com a finalidade de fortalecer a lâmina
ungueal. A composição de cada esmalte foi analisada conforme tabela 01. Para
que se tenha um melhor entendimento da composição dos esmaltes, estes
foram enumerados de 01 (um) a 05 (cinco).

Tabela 1: Principios Ativos presentes nos Esmaltes Fortalecedores de Unhas
ESMALTE

ATIVO

1

Dimeticone, Citrometicone, Formaldeído

2

Formaldeído

3

Formaldeído

4

Pantenol, Aminoácido de queratina, Pantotenato de Cálcio, Formaldeído

5

Formaldeído

De acordo com a tabela pode ­ se observar que o produto 4 é o que
apresenta maior número de ativos, e assim poderia apresentar um melhor
resultado no aspecto da lâmina ungueal, por isto este foi escolhido para a
aplicação.
O esmalte foi aplicado nas unhas de seis voluntárias, que apresentam
faixa etária de 22 a 44 anos, esta faixa etária torna­ se relevante, pois
segundo, Beny (2004), um dos fatores que interferem na velocidade do
crescimento das unhas é a idade, apesar do número de voluntárias ter sido
pequeno, foi possível avaliar os resultados em uma faixa etária considerável.
Dentre as voluntárias apenas 01 (uma) freqüentava o serviço
mensalmente, não tendo o hábito de buscar atendimento semanal por
profissional qualificada como as demais voluntárias.
Através da pesquisa detectou-se que a queixa mais freqüente em
relação ao aspecto das unhas foi da lamina ungueal encontrar-se quebradiça,
lascada e fraca (50%), como demonstrado na figura 1, as voluntárias
apresentaram mais do que uma queixa em relação a característica da unha,

sugerindo que normalmente as alterações no aspecto da lamina ungueal
encontram-se interligados. De acordo com Mendonça (2004), referem-se à
síndrome da unhas fracas as características observadas como, unhas
quebradiças, fracas ou lascadas, além de dificuldade para observar o
crescimento.

Figura 1: Prevalência da característica da lamina ungueal, antes da aplicação do esmalte
fortalecedor.

Outro aspecto relevante na identificação de unhas fracas é a onicofagia,
fator que pode favorecer a alteração da lâmina ungueal, devido a agentes
externos e pressão exercida (NOVOTNY, 2008), segundo o questionário
apenas uma voluntária apresenta este hábito.
Um dos principais mecanismos de fragilização das unhas é o
rompimento da barreira hidrolipídica da pele circunjacente e a diminuição do
conteúdo de água da oniquina que constitui a lâmina ungueal (BENY, 2004).
Como podem ser observados na figura 2, 67% das voluntárias relatam que tem
contato com água frequentemente, e 33% às vezes em decorrência deste
resultado sugere que a alteração da lamina ungueal ocorre devido à perda da
barreira hidrolipidica.

Figura 2: Prevalência do contato das mãos com água.

De maneira geral, as unhas não são imediatamente afetadas por
deficiências transitórias (BENY, 2004), sobretudo a maioria das voluntárias
apresenta uma boa alimentação, ou aspecto comum é a não utilização de
esmaltes fortalecedores, como também não utilizam outros métodos para o
fortalecimento da lâmina.
Ao final do período de avaliação do esmalte fortalecedor, que ocorreu
durante o período de quatro semanas, as voluntárias responderam um
questionário para avaliar o efeito do produto.
Os resultados demonstraram que todas as participantes observaram
melhora no aspecto da unha, das voluntárias 05 observaram na 2ª semana de
aplicação, sendo que a mão que apresentou melhor resultado, foi à mão
esquerda, como pode ser visualizada na figura 3.

Figura 3: Prevalência da mão que foi observada a melhora no aspecto da lamina ungueal,
após as aplicações do esmalte fortalecedor.

A metodologia empregada foi o duplo cego para evitar qualquer
interferência consciente ou não nos resultados do experimento. Os produtos
foram identificados como produto A, que continha a base comum e aplicado na
mão direita, o produto B era o esmalte fortalecedor, sendo aplicado na mão
esquerda. Desta forma o resultado encontrado é coerente, pois 57% das
voluntárias identificaram que a mão esquerda apresentou melhor resultado na
característica da unha quando comparado o resultado com a mão direita.
A melhora relatada pelas voluntárias pode estar relacionada ao esmalte
fortalecedor utilizado, pois na sua composição apresentam pantenol, ativo com
propriedade hidratante e estimulante do metabolismo epitelial (BATISTUZZO,
ITAYA, ETO, 2002), aminoácidos de queratina, com função de hidratação
(SOUZA, 2004) e pantotenato de cálcio, que têm a capacidade reguladora da
produção de queratina e interfere com o metabolismo oxidante celular (BENY,
2004).
Em decorrência do exposto, o esmalte fortalecedor utilizado na avaliação
pode ter contribuído para o fortalecimento da lâmina, atuando basicamente na
hidratação da unha. Beny, 2004 descreve que a função dos esmaltes
fortalecedores baseia-se na formação de um filme impermeável, protegem as

unhas do ressecamento e aumentam sua espessura, o que as tornam mais
resistentes a traumas mecânicos.
É importante considerar que apesar do esmalte fortalecedor avaliado
apresentar melhora no aspecto da lâmina ungueal, existem variáveis
importantes a serem consideradas, pois o número de voluntárias foi
relativamente pequeno (n= 6), por esta razão ressalta-se a importância de
estudos complementares possibilitando uma melhor elucidação do efeito
fortalecedor do esmalte, como também possíveis interferências na avaliação.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

A lâmina ungueal, mais conhecida como unha, formada por células
queratinizadas, possui aspectos resistentes e flexíveis, porém alguns
indivíduos possuem alterações inespecíficas na unha como, unhas lascadas,
fracas, quebradiças, assim dificultando seu crescimento.
De acordo com a pesquisa realizada, observou- se que o uso de esmalte
fortalecedor resultou em melhora no aspecto da lamina ungueal em 57% das
avaliadas, provavelmente decorrente a presença de ativos que conferem
propriedade hidratante.
E finalmente sugere­ se que outros estudos relacionados aos esmaltes
fortalecedores sejam desenvolvidos, visto a escassez de informações sobre o
assunto.

REFERÊNCIAS

BATISTUZZO. J.A.O.;ITAYA. M.;ETO.Y. Formulário Médico Farmacêutico.
Editora Tecnopress. 2.ed. São Paulo. 2002.

BEGA. A. Tratado de Podologia. Editora Yandis. São Paulo. 2006.

BENY. M, G. Fisiologia das unhas. Cosmetics & Toiletries. V. 16 set-out.
Editora Houston. São Paulo. 2004.

COSTA. I, M. C.; NOGUEIRA. L, S, C.; GARCIA. P, S. Síndrome das unhas
frágeis. Revista. ABDV. n 82 jun.2007.

DRAELOS. Z, D. Cosmeticos em Dermatologia. Editora. Revinter. 2. ed. Rio
de Janeiro. 1999.

KEDE. M, P, V.; SABATOVICK. O. Dermatologia e Estética. Editora Atheneu.
São Paulo. 2004. In: MENDONÇA, I, R, S,M. Abordagem Estética e Tratamento
Clinico das Onicodistrofias.

LAKATOS. E, M.; MARCONI. M, A. Fundamentos de Metodologia Científica.
Editora Atlas S.A. 3.ed. São Paulo. 1994.

LIMA, K.M.; REGO, R.S.M.; MONTENEGRO, F. Diagnósticos clínicos e
laboratoriais das onicomicoses. NewsLab, n.83, 2007.

LOPES- FILHO, M.; TESSLER, L. R. O estudo duplo cego. Disponível em:
. Acesso
em: 10 de agosto 2009.

PEYREFITTE. G.; MARTINI. M, C.; CHIVOT.M. Cosmetologia Biologia Geral,
Biologia da Pele. Editora. Organização Andrei. São Paulo. 1998.

PRÔA. A.L; VIEIRA. S.M. Unhas: Técnicas de Embelezamento e cuidados
básicos com mãos e pés. Rio de Janeiro:2007. Senac.

PRUNIÉRAS. M. Manual de Cosmetologia Dermatologica.

Editora.

Organização Andrei. São Paulo. 1994.

RIBEIRO. L, H, S.; NOVAES. E, M, C.; NEVES. R, G. A unha: estudo da
anatomia, fisiologia e alterações da cor. Revista. An bras Dermatal. nov/dez.
1995.

RICHARDSON. R, J. Pesquisa Social: Métodos e Técnicas, Editora Atlas
S.A. 3.ed. São Paulo. 1994.

SILVA. J, C, B. Mercado da beleza cresce 18% no semestre. Disponivel em:
http://www.cosmeticanews.com.br/leitura.php?id=896 . Acesso em 09 ago.
2009.

SOUZA. V, M. Ativos Dermatológicos. Editora Tecnopress. 2.ed. São Paulo.
2004

TELLES. F. Esmaltes do bem. Revista Les Nouvelles Esthétiques. fev 2009.

WILKINSON.J.B. Cosmetologia de Harry.Editora Díaz de Santos, S.A.
Madrid. 1990.